Você está na página 1de 8

Coleta e Herborização de Material Vegetal

1. Apresentação

Um herbário é uma coleção de plantas composta por amostras secas de ramos


com folhas, flores e/ou frutos, fixadas num pedaço de cartolina. Esta amostra é
chamada exsicata, a qual é acompanhada de uma etiqueta com dados sobre o
nome científico e descrição da planta - a identificação - , local e ambiente de
coleta; coletor e data de coleta. A exsicata é a unidade básica de coleção de um
herbário, pois constitui material testemunho referencial para futuros estudos. Ela é
registrada e numerada antes de ser incorporada ao acervo.

As exsicatas podem ser incorporadas ao herbário seguindo 2 critérios:

a) Sequência alfa-numérico dentro da hierarquia taxonômica de Classe, Ordem,


Família, Genero e Espécie; ou

b) Sequência filogenética, obedecendo a ordem de parentesco e evolução dentro


dos grupos de hierarquia taxonômica. Na sequência filogenética, os sistemas de
classificação mais utilizados são o de Engler e o de Cronsquist & Taktajan. O
sistema a ser seguido será alfa-numérico, por tornar mais fácil a localização das
plantas.

O sistema de manejo de coleções de herbário inclui os seguintes processos de

a) Herborização das coleções - prensagem, triagem, secagem e montagem das


exsicatas - colagem dos ramos e etiqueta em folha de cartolina e

b) Incorporação ao acervo - numeração, registro e arquivamento. Para isso, as


coleções precisam ser obtidas através de expedições à campo ou por meio de
intercâmbio entre herbários.

Os herbários podem ser regionais, nacionais ou cosmopolitas.

Coleções de referência de floras locais em áreas protegidas ou de particular


interesse estão sendo muito utilizadas atualmente na Amazônia; a exemplo das
que vêm sendo desenvolvidas na Reserva Ducke (Kew Gardens-UK/INPA) e no
Projeto de Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais (J. B. de Nova
York/Smithsonian/INPA), ambas no Amazonas.
2 Justificativa

As coleções de herbário são a mais poderosa ferramenta para o conhecimento


sistemático e o entendimento das relações evolutivas e fitogeográficas da flora de
uma determinada área, região ou continente. Permitem a documentação
permanente da composição florística de áreas que se modificam ao longo do
tempo, seja pela ação antrópica ou por efeito de eventos e perturbações naturais
como furacões, aterramentos, vulcanismos e terremotos; que alteram
irremediavelmente a cobertura vegetal.

Um herbário também é um forte instrumento didático para o treinamento de


estudantes e técnicos no reconhecimento da flora de um determinado local ou
região. Serve ainda como referência para o desenvolvimento de pesquisas, teses,
dissertações e monografias sobre os mais variados aspectos da Botânica, como
sistemática, morfologia, taxonomia, evolução e fitogeografia.

O exame mesmo superficial dessas coleções permite inferência sobre o grau de


variação natural e polimorfismo das diversas populações de uma mesma espécie;
quão ampla ou restrita é a distribuição de um taxon.

Exemplo na Amazônia:

Na Amazônia existem somente 3 herbários de referência regional. Em Belém


estão localizados os herbários do Museu Goeldi e do CPATU/EMBRAPA, ambos
com cerca de 160.000 plantas. O do Museu Goeldi é mais antigo, fundado por
Jacques Huber em 1896; o do CPATU/EMBRAPA possui 50 anos e foi fundado
por João Murça Pires. Em Manaus existe o Herbário do INPA, com cerca de
190.000 e 40 anos de implantado. Herbários menores e mais restritos existem em
Macapá, no Instituto Estadual de Pesquisa do Amapá (IEPA); em Carajás, sob a
responsabilidade da CVRD; no Acre, sediados na FUNTAC e no Parque
Zoobotânico. Em Roraima, a UFRR abriga um pequeno herbário.

O Estado de Rondônia é o único Estado da Amazônia que não possui sequer uma
coleção vegetal, seja um Herbário, um Horto - coleção de plantas vivas -, ou uma
Xiloteca - coleção de madeiras. No entanto, este Estado abriga uma enorme
diversidade vegetal, produto da grande variabilidade de ambientes como as
florestas densas, abertas, savanas, florestas de transição, florestas decíduas, sub-
montanas, vegetações pioneiras e de formações rupestres de altitude. Este
quadro é agravado pelo fato do Estado de Rondônia apresentar uma da mais
elevadas taxas de desmatamento. Estima-se que nos últimos 20 anos cerca de
30% da cobertura vegetal original de Rondônia foi convertida em pastagens e
áreas agrícolas, ou alteradas pela extração seletiva de madeira, mineração e
áreas encapoeiradas. A composição florística da maioria destas áreas não foi
sequer catalogada e algumas populações e espécies que ai viviam podem ter sido
perdidas para sempre.
As coleções botânicas realizadas em Rondônia estão depositadas nos Herbários
do Museu Goeldi, INPA, Jardim Botânico de Nova Iorque e Jardim Botânico do Rio
de Janeiro. São oriundas das primeiras expedições botânicas realizadas no então
Território Federal do Guaporé, depois Rondônia e, mais recentemente, pelo
Programa POLONOROESTE, quando da implantação da Rodovia Cuiabá-Rio
Branco (BR 364). As coleções mais novas de Rondônia são aquelas produzidas
pelos Inventários Fitossociológicos e Florestais do Zoneamento Sócio-Econômico
e Ecológico (ZSEE) do Programa PLANAFLORO, financiado com recursos
oriundos do Banco Mundial, Governos Federal e Estadual. Essas coleções estão
ainda em fase de processamento e elas, juntamente com aquelas do
POLONOROESTE, poderão compor a base do novo Herbário Municipal de Porto
Velho, a ser associado ao Parque Municipal de Porto Velho.

3. Objetivos

Implantação de um Herbário. Isto inclui os seguintes objetivos específicos:

Herborização e montagem das coleções.


Implantação do sistema de manejo e rotina de herbário.
Treinamento do pessoal.

4. Requisitos para Implantação

4.1. Área Física

A implantação de um Herbário, mesmo pequeno com o que se propõe neste


Projeto, requer alguns requisitos básicos, entre os quais:

Área física em alvenaria do Herbário de 4 x 5 ou 5 x 5 m. Nas laterais deverão


ficar bancadas de 60 cm de largura a 1 m de altura, onde o material será
manuseado. Esta área deverá ser climatizada, com a temperatura sendo mantida
em torno de 20oC e a umidade relativa do ar não ultrapassando 50%. Deverá
haver calçada em alvenaria em torno do prédio. O forro deverá ser em material
plástico de PVC para evitar cupins.

Área física da estufa para secagem de plantas, de 2 x 3 m, será nos fundos do


Laboratório de Biologia; conterão paredes de até 1,5 m como mata-vento. Uma ou
2 estufas poderão funcionar neste local.

4.2. Acondicionamento das coleções

As exsicatas serão acondicionadas em armários de aço de 2 tamanhos. Os


maiores serão do tamanho de 2 m de altura x 1,10 m de largura x 0,50 m de
profundidade, com fechadura e trinco em aço inoxidável. Os menores terão 1,10 m
de altura x 1,10 m de largura x 0,50 m de profundidade, com fechadura e trinco em
aço inoxidável. Internamente esses armários serão divididos em 3 fileiras de
escaninhos de 35 cm de largura por 20 cm de altura e 50 cm de profundidade.

4.3. Organização do Herbário

Sugeriu-se que o sistema de organização e de incorporação das exsicatas no


Herbário UNIR seguisse uma ordem ou hierarquia alfa-numérica.

O herbário a priori incluirá plantas vasculares seguindo uma sequência evolutiva:

Pteridophyta

Familías A .... Z (por exemplo. 1-8)

Gymnospermae

Famílias A .... Z (por exemplo 9-16)

Magnoliophyta Magnoliopsida

Famílias A ...... Z (por exemplo 17-260)

Liliopsida

Famílias A ....... Z (por exemplo 261-310)

Dentro de cada uma dessas classes e ordens, as famílias serão arranjadas em


ordem alfabética e atribuídos números alfabéticos a cada uma delas.

5 Manejo e Rotina de Herbário

O manejo do herbário inclui as etapas já descritas de herborização das coleções,


montagem das exsicatas e incorporação.

5.1. Herborização das coleções

5.1.1. Prensagem

Este processo inclui a prensagem do material verde ou fixado em álcool, a


secagem em estufa e a triagem do material para montagem e para distribuição a
outros herbários e especialistas.

A prensagem exige cuidados especiais porque desta etapa depende a qualidade


da futura exsicata, tanto em termos de uniformidade de secagem como a perfeita
exposição das folhas, frutos e/ou flores.
5.1.2. Secagem e Triagem

A secagem tem que ser em temperatura constante, em estufa de madeira


aquecida à gás, ou aproximadamente 24 h a 60 oC. O material mais espesso e
frutos carnosos deve passar mais tempo até a completa desidratação.
Alternativamente pode-se usar estufas com lâmpadas de 100w.

Na etapa de triagem o material mais completo será a unicata do Herbário e o


restante será distribuído com outros herbários com os quais se mantém
intercâmbio e especialistas que identificam o material em troca de uma duplicata
(cópia) da coleção.

5.1.3. Montagem das Exsicatas

Após a triagem, o material a ser incorporado ao herbário vai à montagem, que


consiste na colagem cuidadosa do ramos com folha, flor e/ou fruto no centro de
um pedaço de cartolina de 33 x 45 cm.

No canto superior esquerdo da cartolina fica um pequeno envelope de 7 x 15 cm


onde são guardados pequenos fragmentos da amostra. No canto inferior direito é
afixada a etiqueta de 15 x 10 cm onde estão registrados os dados da planta, do
local e ambiente de coleta e do coletor. O processo de produção das etiquetas é
todo feito em computador e impressora laser.

5.2. Incorporação das Exsicatas ao Herbário

As exsicatas já montadas são marcadas seqüencialmente com números arábicos.


Este número e escriturado num livro de registro onde estão associados a ele os
principais dados da etiqueta. Os dados do livro de registro são: número seqüencial
e único, nome científico, família, local de coleta, coleta, data de coleta e
observações diversas.

Além do registro em livro, a coleção será informatizada com a introdução das


informações sobre as exsicatas em banco de dados que será implantado em
formato Access na Microsoft.

Após esta etapa o material é arquivado ao herbário seguindo o sistema descrito


no item 4.3.

A rotina de herbário inclui ainda as anotações sobre a entrada e saída de material


para intercâmbio com outros herbários. Entre as categorias de intercâmbio mais
importantes temos:

a) Recepção e expedição de material emprestado para estudos de alunos de pós-


graduação e pesquisadores;
b) Recepção e expedição de material doado e permutado para outros herbários e
especialistas.

5.3 Manutenção do Herbário

Um herbário necessita de cuidados especiais que visem a perfeita conservação de


suas coleções.

No Exemplo Amazônico:

A região Amazônica, por apresentar temperatura e umidade elevadas, torna muito


difícil a conservação de coleções botânicas. Os maiores inimigos dessas coleções
são fungos e insetos que se proliferam abundantemente em nossa região. A
solução é manter a temperatura e a umidade ar do herbário climatizadas em
condições próximas a 20oC e 50%, respectivamente.

As exsicatas armazenadas deverão ser conservadas com naftalina triturada. Todo


o material deverá ser expurgado de 4 em 4 meses, utilizando-se Gastoxin.

5.4. Programa de Coletas Botânicas

O crescimento de qualquer herbário deverá ser assegurado através de 2


estratégias: Obtenção de material através de intercâmbio científico e pela
formulação de um programa de coletas botânicas.

Um programa de coletas botânicas é dispendioso e necessita de financiamento,


mas é indispensável para manter ativo o herbário, aumentando o interesse
nacional e internacional em intercambiar material.

As áreas geográficas de interesse para coleta deverão ser selecionadas e


priorizadas obedecendo os seguintes critérios:

Facilidade de acesso
Desconhecimento científico da área
Importância da área em termos de fitogeografia, diversidade e conservação

6. Necessidade e Treinamento de Recursos Humanos

Para o funcionamento a contento do herbário serão necessárias o recrutamento e


treinamento pelo menos 3 pessoas.

Um responsável, preferencialmente de nível superior, Biólogo, Agrônomo ou Eng.


Florestal.
Um Técnico para prensagem, triagem, secagem do material e montagem.
Um Técnico para incorporação do material, incluindo etiquetamento, registro,
informatização e armazenamento.
Etapas/Tarefas Trimestre
1o 2o 3o 4o
Além do treinamento nas diversas etapas de manejo de herbário, essas pessoas
Adequação da área física x x
deverão ser treinadas na coleta e processamento de material botânico no campo.
Treinamento de pessoal x x
Aquisição de material x x
8. Exemplo Fictício de um Cronograma de Execução
Implantação do sistema de manejo x x x
Monitoramento do manejo feito x x x
pelo pessoal treinado
Resgate das coleções de em outros x x x x
herbários
Incorporação das coleções x x x x x
9. Exemplo de um Orçamento
Despesa Valor Total Justificativa
(R$)
Pro-Labore Consultores 6.000,00 Orientar a implantação
do herbário e
treinamento de pessoal.
Pro-Labore Consultores 3.000,00 Orientar treinamento de
pessoal
Equipamento e Mat. Permanente 22.700,00 Equipar herbário
Material de Consumo 2.198,00 Insumo para o herbário
Reforma de 3 salas para abrigar o 15.000,00 Adaptação da estrutura
herbário física.
Passagens aéreas consultores e 7.200,00 Transporte Aéreo
pessoal a ser treinado
TOTAL GERAL R$ ,00
10. Exemplo Fictício da Lista de Material Necessário
Item Material Unid. Quant. Preço Total
(R$)
Equip./Mat. Permanente
01 Armário de aço de 2 x 1,1 x 0,5 Um 10 4.000,00
m
02 Armário de aço de 1,1 x 1,1 x Um 10 2.500,00
0,5 m
03 Cadeira giratória Uma 05 1.200,00
04 Computador Um 01 5.000,00
05 Impressora Laser Um 01 5.000,00
06 Lupa binocular Um 02 5.000,00
07 Fogão 2 bocas Um 02 200,00
08 Estufa de madeira Uma 02 400,00
09 Flora Brasiliensis, 40 vols. Coleção 01 4.000,00
10 Indice de Della Torre Um 01 200,00
11 Desumidificador Um 02 600,00
12 Exaustor de ar para estufa Um 01 300,00
13 Mesa em madeira 1,5 x 3 m Uma 01 300,00
TOTAL R$ ,00

Material de Consumo
14 Cartolina branca Resma 05 250,00
15 Caneta nanquim Estojo 01 250,00
16 Réguas e normógrafo Jogo 01 300,00
17 Papel kraft Resma 05 180,00
18 Papel jornal Kg. 30 60,00
19 Livro de registro Um 02 80,00
20 Corrugado de alumínio em Chapa 200 300,00
bobina
21 Papelão Chapa 200 100,00
22 Naftalina em bola kg 100 200,00
23 Gastoxin Frasco 01 80,00
24 Cutelo de 0,60 m Um 01 80,00
25 Tinta nanquim Frasco 04 20,00
26 Saco plástico 30 kg Cento 02 60,00
27 Fio de algodão Rolo 04 8,00
28 Cola plástica Tubo 10 40,00
29 Papel manteiga Resma 01 60,00
30 Tesoura de poda Uma 02 30,00
31 Aglomerado tipo "duratex" Chapa 04 100,00
TOTAL R$ ,00