Você está na página 1de 8

ETEC – Escola Técnica Irmã Agostina

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza


TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO – TÉCNICO EM QUÍMICA

QUÍMICA DOS POLÍMEROS

Pós-Laboratório IT-002 SÍNTESE DA RESINA UREIA-FORMALDEIDO

Nome dos alunos: JULIANA CRISTINA RODRIGUES


ROBSON RADUAN

Nome dos Professores: Ms. MILTON M. DE OLIVEIRA JUNIOR


BEATRIZ MARIA GIANNELLA

São Paulo

05/2021
Sumário

1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 3

2. OBJETIVOS ........................................................................................................................ 3

3. MATERIAIS E REAGENTES .............................................................................................. 3

4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL .................................................................................. 4

5. RESULTADOS E DISCUSSÕES ........................................................................................ 4

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................... 5


1. INTRODUÇÃO

“Os plásticos constituem um tema de indiscutível importância para o homem moderno. Quando
pensamos em plásticos vemos que, sem dúvida, dificilmente desfrutaríamos do mesmo conforto que temos
atualmente se eles não estivessem presentes em nosso dia-a-dia. Tubos de encanamento, canetas,
lapiseiras, sacos de lixo e sacolas de compra, colchões, cobertores de fibras acrílicas, roupas de náilon e de
poliéster, guarda-chuvas e guarda-sóis, válvulas, tintas, borrachas, espumas sintéticas, eletrodomésticos
em geral, computadores, carros, bicicletas, próteses etc. são objetos ou materiais pertencentes ao grupo
dos plásticos. Como se não bastasse, são praticamente insubstituíveis. Não é sem razão que já se
convencionou chamar o nosso tempo de A Era do Plástico.” (SILVA, 2001)

A resina ureia-formaldeído (RUF) foi sintetizada pela primeira vez em 1929 e é classificada como um
polímero termorrígido, ou seja, só permite ser moldado imediatamente após a síntese. Nesta aula prática,
será realizada a síntese desse polímero.

1.1. Cuidados a se tomar nesse experimento

O uso de EPI é obrigatório. Toda a síntese será conduzida na capela de exaustão.

2. OBJETIVOS
Realizar a síntese da resina ureia-formaldeído.

3. MATERIAIS E REAGENTES

Os materiais e reagentes necessários para o experimento foram descritos na Tabela 1 e correspondem


a necessidade de 1 grupo de laboratório.

Tabela 1: Materiais e Reagentes necessários para o experimento.


Unidades/Quantidade Descrição do Material ou Reagente
S
1 Erlenmeyer de 125 mL
2 Provetas graduadas de 10 mL
1 Balança
1 Banho-maria
1 Banho de gelo
1 Moldes plásticos ou copinhos de café
6g Ureia
10 mL Solução aquosa de Formaldeído (30-37%)
2 mL Solução aquosa de NaOH (10% m/m)
q.s.p. Solução aquosa de H2SO4 (30% V/V)
2 gotas Solução alcoólica de Fenolftaleína (0,5% m/V)
- Corante alimentício (opcional)
Fonte: do próprio autor, 2017.
4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

4.1. Em um Erlenmeyer misturou-se cerca de 6 g de ureia, 10 mL da solução de formaldeído e 2 mL da


solução aquosa de NaOH. Aqueceu a mistura em banho-maria (80 °C) durante 15 minutos.

4.2. Resfriou-se a mistura em banho de gelo por aprox. 10 minutos, agitando o sistema com movimentos
circulares e rápidos.

4.3. Adicionou-se algumas gotas de fenolftaleína ao sistema, agitando sempre.

4.4. Retirou-se o erlenmeyer do banho de gelo e, com cuidado, adicionou-se algumas gotas da solução
de ácido sulfúrico até que se observou o desaparecimento da coloração do indicador. (Caso seja do
interesse do grupo, o corante deve ser adicionado nesta etapa)

4.5. Levou-se o sistema novamente ao banho-maria (80 °C) e continuou-se com a adição, gota a gota,
da solução de ácido sulfúrico com muita atenção.

4.6. Quando a mistura reacional apresentou a consistência de um mingau, foi hora de verter o polímero
para os moldes. (Lave imediatamente o erlenmeyer).

4.7. “ATENÇÃO: Este é um momento crítico da realização da prática, uma vez que a adição de gotas do
ácido em excesso torna o material plástico quebradiço e impossível de ser moldado.” (SILVA, 2001)

4.8. Após alguns minutos, o material pode ser retirado do molde.

4.9. Acondicionamento/Tratamento de Resíduos - Consulte os seus registros, apresentados na


atividade pré-laboratório.

5. RESULTADOS E DISCUSSÕES

1. Para além de termorrígido, quais outras características podem ser apontadas para a RUF?
Podem ser classificadas também como Resinas Termoplásticas. Classificadas como Polímeros de
Adição. 3 tipos são os mais comuns, O Polietileno, o PVC e o Polipropileno. Isto é, são plásticos que
podem ser amolecidos com o calor, quantas vezes eles forem submetidos a este calor, e ao resfriarem,
voltam a apresentar as mesmas propriedades iniciais. Ao passo que os Termorrígidos são infusíveis e
insolúveis em solventes orgânicos comuns, e são plásticos que são maleáveis apenas no momento de
sua fabricação, sendo que depois não é possível remodelá-los, eles se decompõem.
2. Onde e como a RUF é utilizada no meio produtivo?
Resina uréica ou qualquer resina da classe de sintéticos são obtidas por uma combinação química de
ureia e formaldeído. Estas resinas são usadas principalmente como adesivos para a colagem de
madeira compensada, de aglomerado e outros produtos de madeira estruturada, principalmente devido
à sua reatividade, baixo custo e excelente capacidade de adesão à madeira.

3. Analisando seus registros da aula prática, analise as evidências macroscópicas da polimerização


ensaiada.

À medida que vai se misturando os componentes da fórmula proposta, vai havendo uma transformação
física. Mistura-se cerca de 6 g de ureia, 10 mL da solução de formaldeído e 2 mL da solução aquosa de
NaOH. Aqueceu a mistura em banho-maria (80 °C) durante 05 minutos, e dá-se o choque térmico a frio
(banho frio) e em seguida adicionou-se 7 gotas de fenolftaleina agitando sempre até a solução ficar rosa,
daí então goteja-se uma solução de ácido sulfúrico mexendo até que se forme o polímero esbranquiçado
do tipo de uma resina plástica mais rígida.

4. Equacione as reações que ocorrem entre a ureia e o metanal, diferenciando as etapas que
ocorrem em meio alcalino e em meio ácido.

A resina ureia-formaldeído pertence ao grupo de resinas termofixas, portanto a ação de calor ou


catalisador resulta em uma macromolécula sólida que não pode ser dissolvida ou fundida. O contrário
de polímeros termofixos são os polímeros termoplásticos.
A reação entre ureia e o Metanal, resulta no grupo hidroximetileno, ocorre tanto em meio ácido como em
meio básico. Portanto existem dois mecanismos de reação que podem explicar o produto primário da
reação de polimerização de condensação entre ureia e metanal. Para Lessmann (2008), em meio ácido
provavelmente a reação ocorra via intermediário carbocátion, enquanto em meio básico provavelmente
ocorra um ataque da base ao grupo amino, que por sua vez ataca o metilenoglicol, formando o grupo
hidroximetila.
5. Escreva a representação de uma parte significativa do polímero curado.
A formação do experimento é de uma resina plástica ureia-formaldeído, (RUF) que pode ser
representada da seguinte maneira:

Propriedades marcantes:

Boa resistência mecânica e térmica, boa resistência química, dureza; menor custo.

Características do polímero:

-Peso molecular: imensurável (insolúvel)

-Termorrígido, branco e opaco

Aplicações típicas:
Chapas de compensados para móveis; divisórias; acabamento de tecidos; vernizes para revestimento
de assoalho; adesivos para madeira; moldados duros e resistentes a compressão e ao impacto.

6. Com base nas respostas às questões 4 e 5, classifique o polímero.


A característica é a de uma Resina plástica termorrígida.

7. Como se classifica o mecanismo cinético de polimerização ensaiado?


Pode ser classificado como mecanismo de reação, que descreve a sequência de reações
elementares que devem ocorrer para que reagentes se tornem produtos. Segundo Lessmann (2008),
o produto resultante da reação de polimerização entre ureia e formol não é facilmente previsto. Isto
ocorre devido à dependência do processo reacional com relação à diversos fatores como: pH,
concentração, temperatura, relação molar, sequência de reações, tempo entre outros.
A base da química das resinas ureia-formol consiste na adição por etapas entre ureia e formol até a
obtenção de uma resina de baixa massa molar. O comportamento da interação ureia-formol é
determinado pelos grupos funcionais. A ureia reage como uma amina e o formol reage como um
glicol ocorrendo liberação de água durante a formação (LESSMANN, 2008).

8. Qual foi a técnica de polimerização empregada?


Polimerização de Adição. Na polimerização de adição, todos os átomos do monômero são
incorporados na cadeia do polímero. O ponto de partida para as reações de adição é a quebra da
ligação dupla carbono-carbono (C = C) presente nos compostos orgânicos, como, por exemplo, no
etileno.

9. Justifique o comportamento termofixo apresentado pela RUF, com base na estrutura química.
A temperatura influi no que se refere aos plásticos. Ela exerce grande influência sobre o
comportamento de polímeros, seja para torná-los resistentes ou para degradá-los após sua
fabricação. Durante o preparo de alguns tipos de plástico, a matéria-prima é aquecida para um
rearranjo de átomos, com isso, se formam pontes fixas na estrutura polimérica. Este procedimento
é usado para a fabricação de plásticos termorrígidos, como o próprio nome já diz, eles possuem uma
estrutura mais rígida. Após o resfriamento e endurecimento, esses plásticos mantêm o formato e não
conseguem voltar à sua forma original, ou seja, se tornam mais duráveis.

10. Por que o excesso de ácido prejudica as características finais do polímero?


Porque a adição de gotas do ácido em excesso torna o material plástico quebradiço e impossível de
ser moldado.” (SILVA, 2001). Para não deixar que ele fique quebradiço, normalmente acrescenta-se
celulose.
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SILVA, A. M, et al. Plásticos: molde você mesmo! Química Nova da Escola. Nº 13. Pp 47-48. 2001.
Roteiro adaptado por: Fabio Rizzo de Aguiar, Thaís Taciano dos Santos, e Klauss Engelmann.

LESSMANN, V. E.; Estudo da Reação de Cura de Resinas Ureia-Formol por Espectrometri Ressonância
Magnética Nuclear. Dissertação (Mestrado). 2008 - Faculdade de Química – Universidade Federal do
Paraná. Curitiba.

RESINA DE URÉIA FORMALDEIDO U-R, Plásticos na Web, Disponível em https://plasticos-na-


web7.webnode.com/news/resina-de-ureia-formaldeido-ur/, 2014, visitado em 09/05/2021.

HEXION QUÍMICA apresenta informações sobre suas resinas. Disponível em <http://www.hexion.com>.


Acesso em maio 2021.

KATSUKAKE, Alexandre. Uma revisão sobre a resina uréia-formadeído (RUF) empregada na produção
de painéis de madeira reconstituída. 2009. Trabalho de conclusão de curso (licenciatura - Química) -
Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências, 2009. Disponível em:
http://hdl.handle.net/11449/119522

Você também pode gostar