Você está na página 1de 7

24

SEPARATA
In EDUCAÇÃO NÃO É MERCADORIA
Publicação do mandato do Deputado
Federal Ivan Valente (PSOL-SP)
novembro/2009

A “reforma”
do ensino médio ou a
retórica da inovação
Eduardo Garcia C. do Amaral*

Contam-nos as estatísticas que uma enormidade de jovens mal chega ao


ensino médio e, entre eles, outra enormidade abandona a escola sem com-
pletar seus estudos. Além disso, a qualidade do ensino deixa a desejar, a
considerar o desempenho dos alunos nas diversas avaliações a que são
submetidos. Nada disso é novo.
O Ministério da Educação então anunciou uma mudança profunda na con-
cepção curricular, a partir de um programa denominado ―ensino médio
inovador‖. Não foi sem alarde que a imprensa divulgou as mudanças vin-
douras, anunciando-as como uma ―reforma do ensino médio‖.
Quando a sociedade percebe que a ―educação vai mal e a escola pública,
pior‖, apresentar qualquer proposta a título de ―inovação‖ é coisa que se
faz de caso pensado: a ideia é sempre simpática, pois advoga o ―novo‖, e
faz considerar qualquer oposição ou resistência como ―velha‖, ―reacioná-

25
ria‖, ―atrasada‖. Trata-se de um recurso retórico preciso e eficaz, apesar de
amplamente repetido: nova república, nova escola, nova ordem mundial.

Muito barulho por pouco


Contudo, a proposta é menor do que parece: trata-se de um programa de
financiamento a projetos pedagógicos experimentais em escolas que en-
campem um currículo ―inovador‖, segundo certos pressupostos didáticos e
metodológicos. Ademais, no primeiro ano, só cem escolas serão contem-
pladas no Brasil todo, um número muito reduzido para que se tenha qual-
quer impacto sensível.
O MEC quer induzir assim as políticas educacionais praticadas pelos Esta-
dos, majoritariamente responsáveis pelo ensino médio, sem que estes
ofereçam as condições necessárias nem recursos financeiros adicionais.
Neste quesito, o governo Lula repete os equívocos do governo anterior. Ao
pretender uma reforma, apresenta medidas isoladas e dispersas, que assim
até representariam avanços, mas que são neutralizadas por omissões e
recuos na política educacional implementada e, ao não darem respostas
satisfatórias aos problemas apresentados, os aprofundam ainda mais.

O sentido da “inovação”
A questão é saber como, nas atuais circunstâncias, repercutirão para den-
tro das escolas as ―inovações‖ que o programa sugere. Partem das alturas
das concepções curriculares, sem garantir no chão da escola as condições
necessárias para o currículo proposto. Ora, o programa apresentado se
fundamenta nos Parâmetros Curriculares Nacionais que, não por acaso,
após mais de 10 anos ficaram no papel: nas escolas ainda não se vê um
tratamento às ―matérias‖ de modo que os conteúdos curriculares estives-
sem integrados, promovendo uma desejável abordagem interdisciplinar;
permanece a tradição das disciplinas estanques.
A imprensa noticiou ainda que a intenção do MEC seria a de eliminar as 12
disciplinas atuais, agrupando os conteúdos curriculares em quatro grupos
mais amplos, por áreas de conhecimento afins. Porém, como as aulas serão

26
atribuídas aos professores, especialistas que são em disciplinas específi-
cas? Não é por acaso que os sindicatos voltaram-se a este ponto em parti-
cular, acerca da ―empregabilidade‖ do professor, a despeito de qualquer
consideração metodológica. Em tempos de contenção de recursos, isso
pode se configurar em estratégia sistemática de demissões.
A proposta ainda amplia a carga horária para 3 mil horas, 600 horas a mais
que serão destinadas a atividades de livre escolha dos alunos, sem deixar
claro quem será responsável por ministrar tais atividades. Em tempos de
privatização e terceirização, isso pode servir de expediente para toda espé-
cie de ―parcerias‖ público-privadas, em detrimento da atuação dos profes-
sores.

Mais do mesmo
A ―inovação‖ aqui vem mal disfarçada, reforçando o grande consenso cons-
truído em torno da ―pedagogia da competência‖, ao conceber o processo
educativo a partir do desenvolvimento de competências e habilidades,
mesuráveis em níveis, aquém ou além do adequado — sobretudo porque
possibilitam, a despeito da diversidade entre as escolas, comparar resulta-
dos a partir de avaliações de desempenho nacionais e padronizadas. Em
resumo, da ―inovação‖ da pedagogia oficial decorre o atual sistema de
avaliação, dos mesmos discursos e práticas que se repetem, com nuances,
do PT ao PSDB, de mais provinhas e provões.
A que se deve esta ―resistência à inovação‖, já que nada há na proposta
que estivesse antes legalmente impedido de ser feito? A resposta, a mais
difundida, à esquerda e à direita, num lamentável consenso, é a da (má)
formação dos professores, responsabilizados assim pelo fracasso sistêmico
da educação nacional.
Se as estatísticas não se alterarem, então a culpa é dos professores? Se-
gundo deduzimos do empenho retórico dos gestores da política educacio-
nal, a ―inovação‖ é uma questão de ―mérito‖; porque também aferido em
provas, ele é isolado de outras variáveis que incidem sobre a escolarização.
Mérito, assim, é tão somente a adesão, mais ou menos voluntária, do pro-
fessor ao programa estabelecido.

27
Faltam entretanto as condições para que docentes até se apropriem das
orientações curriculares e as transformem em práticas de sala de aula. E se
o desempenho em uma avaliação resulta em qualquer ganho pecuniário
(para a escola ou para o professor), melhor é fazer com que os alunos obte-
nham ―bons resultados‖ – o que não é, necessariamente, o mesmo que ter
aprendido.
Converte-se o processo educativo em produção de resultados pré-
estabelecidos, lançados nas estatísticas como ―melhoria da qualidade‖. A
sanha em avaliar dá a tônica das políticas educacionais nos últimos 10
anos, como se a crise existisse nas estatísticas, mas não no chão da escola.
A ―reforma‖ e toda a política educacional parecem esquecer da escola;
visam produzir resultados positivos nas avaliações e a partir delas.

Velho contraponto, ainda necessário

Paradoxalmente, o real sentido de uma reforma e da inovação no ensino


seria antes atender às ―velhas‖ reivindicações dos profissionais da educa-
ção, sem o que toda ―inovação‖ é meramente retórica.
Qualquer experimentação pedagógica que pretenda uma abordagem inter-
disciplinar requer tempo para a discussão entre os professores a fim de
afinar os encaminhamentos adotados, planejar o processo e sua avaliação,
bem como para atualização e formação contínua. Isso também tem a ver
com o grau de autonomia da escola, para que ela paute e trabalhe a partir
de suas especificidades. Estas condições são de tal modo imperativas que,
caso não sejam satisfeitas, toda experimentação dependerá da sorte e do
acaso para vingarem em boas experiências, ou redundarão na frustração
das tentativas, em equívocos quanto a concepções e encaminhamentos
práticos, em práticas meramente protocolares, de repetição da cartilha
adotada.
Se o projeto aposta ainda na multiplicidade de trajetórias para os alunos, é
necessário estabelecer um número adequado de alunos por sala de aula e,
além disso, um número limite de turmas a que um professor se dedica.
Essas são variáveis esquecidas nas discussões sobre qualidade do ensino,

28
quando não são rechaçadas pela tecnocracia federal, estadual ou munici-
pal, como se isso não tivesse influência no desempenho dos alunos.
E para tudo isto, deveríamos saltar dos atuais 4 nem 5% do PIB de investi-
mento público em educação para o mínimo de 7, senão 10%, como preco-
nizado no nosso Plano Nacional de Educação. A expectativa de um aumento
significativo de recursos, inscrita no programa de governo de Lula em 2002,
não tornou-se real compromisso e ficou como uma amarga nostalgia. Pos-
sibilidades são criadas nas opções políticas adotadas e, lamentavelmente,
optou-se uma ―inovadora continuidade‖, sem a ousadia necessária para
que de fato inovássemos.

* Eduardo Garcia C. do Amaral


é professor efetivo da rede estadual de ensino de São Paulo.
http://edu74.wordpress.com

29