Você está na página 1de 7

Associação de Solidariedade SFL – IPSS nº 72/2006

O Projecto Crescer Sem Risco tem por objectivo o acompanhamento educativo e


orientação de crianças e jovens, com idades compreendidas entre os 6 e os 18 anos, que se
encontrem em situação de risco e respectivos agregados familiares.

Sedeado no Concelho de Vila Nova de Gaia, na Freguesia de Mafamude, o Centro de


Acompanhamento Educativo Olharfuturo trabalha em articulação directa com as entidades
locais, públicas e privadas, e pretende de uma forma coesa e com base numa parceria activa
contribuir para a promoção social desta população.

Tem como principal objectivo o desenvolvimento de acções direccionadas para o


combate à exclusão e marginalidade social, promovendo a inclusão social dos mesmos,
desenvolvendo um trabalho articulado e intensivo, no sentido da promoção sócio-economico-
familiar tanto das crianças como de todo o agregado familiar.
Por um lado pretende-se dotar as crianças e jovens de meios que lhes permitam
futuramente delinear projectos de vida, possibilitar o acesso a novos meios de informação, a
actividades que habitualmente o agregado familiar não consegue promover, fomentar o
trabalho em grupo, a inter-ajuda, possibilitar o acompanhamento e orientação psico-social e
conduzi-los a uma tomada de consciência das suas capacidades, potencialidades, valorização
pessoal e familiar.
Por outro lado pretende-se desenvolver um trabalho de acompanhamento, orientação e
encaminhamento direccionado para os agregados familiares, no sentido de dotar este de
ferramentas que lhe permitam promover uma mudança positiva no todo que compõe a família.

O projecto pretende assumir o papel de mediador entre a criança/jovem, a família


e a sociedade, esclarecendo, orientando, encaminhando de forma a promover a sua
plena inserção social.
Associação de Solidariedade SFL – IPSS nº 72/2006

Instalações do projecto Crescer sem Risco

Gabinete administrativo e de
consultas de psicologia

Salas de Estudo

Área de Informática Ludoteca / Biblioteca

Sala de Artes Plásticas Sala Polivalente


Associação de Solidariedade SFL – IPSS nº 72/2006

Sala de Refeições Cozinha

Casa-de-banho Casa-de-banho N.E.E

Objectivos gerais do projecto Crescer Sem Risco

• Dar às crianças carenciadas o acesso a refeições e material escolar gratuito;

• Promover o desenvolvimento pessoal e social da criança com base em experiências


de vida numa perspectiva educacional, para o mundo que o rodeia no seu meio natural: a
família e a comunidade;

• Pretendemos ir ao encontro da criança, “explorá-la” e aprender a mantê-la em


equilíbrio e harmonia fazendo para isso um estudo específico de cada caso.

• Fomentar a inserção em grupos sociais diversos, respeitando a pluralidade das


culturas, favorecendo uma progressiva consciência do seu papel como membro da sociedade;
Associação de Solidariedade SFL – IPSS nº 72/2006

• Estimular o desenvolvimento global, no respeito pelas suas características


individuais, incutindo comportamentos que favoreçam aprendizagens significativas e
diversificadas desde a higiene à segurança individual de cada criança;

• Desenvolver a curiosidade e o pensamento crítico, sedimentar conhecimentos,


alargar horizontes culturais, promover a consciência social e ambiental;

• Proceder à despistagem de inadaptações, dificuldades de aprendizagem e


transtornos de comportamento, promovendo a melhor orientação e encaminhamento;

• Incentivar a participação das famílias no processo educativo e estabelecer relações


na efectiva colaboração com a comunidade;

• Incutir hábitos de higiene e de cortesia;

• Favorecer a inter-relação família escola / comunidade / instituição, em ordem a uma


valorização, aproveitamento e recuperação de todos os recursos do meio.

Metodologia do projecto Crescer Sem Risco

O projecto Crescer Sem Risco desenvolve, com os menores integrados e com os


respectivos agregados familiares, um trabalho diário numa lógica de proximidade (in loco) de
forma a acompanhar o seu processo de crescimento, desenvolvimento e mudança
comportamental.
Não procura substituir ou sobrepor os seus interesses ao dos destinatários deste
projecto, mas pretende ser um apoio, uma resposta na comunidade que, por um lado trabalhe
as problemáticas existentes sem que seja necessário retirar a criança/jovem do seu meio
natural de vida e por outro sirva de “ponte” entre o a criança/jovem, o agregado familiar e a
sociedade.
Procura através das actividades que desenvolve formar as crianças e jovens tornando-
os autónomos, seguros e capazes de tomar decisões e, em simultâneo, incutir-lhes valores
fundamentais para a definição da sua própria identidade social como a responsabilidade,
consciência social e ética e conhecimento.
Associação de Solidariedade SFL – IPSS nº 72/2006

Trabalho desenvolvido com as crianças e jovens

- Plano individual de trabalho – de acordo com cada situação, cada problemática é


delineado um plano individual, que passa pela interiorização e/ou (re) aprendizagem de regras
e normas sociais indispensáveis para uma plena integração social;

- Deslocação casa – escola – projecto – casa – nas situações em que a residência


fica distante e não existe forma alternativa de deslocação para o projecto, a Olharfuturo garante
as deslocações da criança/jovem integrado;

- Contacto regular com os estabelecimentos de ensino – acompanhar a evolução


do jovem, procurando em conjunto com os professores e directores de turma encontrar
respostas e incentivos para estes, quer seja através dos currículos normais, quer através de
alternativos/formação;

- Acompanhamento ao nível da saúde – marcação, acompanhamento às consultas


necessárias em situações em que o agregado familiar não reúne condições para dar a devida
orientação às situações;

- Apoio pedagógico individualizado – acompanhamento e orientação escolar;

- Articulação com diversas entidades – procuramos articular com regularidade com


entidades que desenvolvem um papel activo na promoção dos direitos e deveres destes
jovens;

- Pequenas formações – ao nível das novas tecnologias;

- Sessões de esclarecimento – sobre problemáticas actuais como o consumo de


drogas, álcool, planeamento familiar, segurança, higiene e hábitos de vida saudáveis, no
sentido da prevenção de comportamentos de risco;
Associação de Solidariedade SFL – IPSS nº 72/2006

Trabalho desenvolvido com os agregados familiares

- Realização de visitas domiciliárias – acompanhamento regular do agregado familiar


de forma a cooperar com a família no sentido de responder às suas necessidades mais
básicas;

- Orientação sócio-profissional – ajudar o agregado familiar a identificar os


problemas, a orientar para a resolução dos mesmos e apoiar os seus elementos aos vários
níveis (alimentação, vestuário, emprego, saúde, educação, formação) no sentido de uma plena
integração social;

- Pequenas formações – ao nível da gestão doméstica, cuidados de higiene/saúde,


planeamento familiar, etc;

Encaminhamento das crianças e jovens:

Neste momento o Projecto acompanha diariamente 8 crianças/jovens do concelho de


Vila Nova de Gaia com idades compreendidas entre os 6 e os 13 anos. Dos 8 jovens
acompanhados pelo projecto, 1 deles foi-nos reencaminhado pela Comissão de Protecção de
Crianças e Jovens de Vila Nova de Gaia e os 7 restantes foram sinalizados pela Junta de
Freguesia de Canidelo e pela Escola EB JI do Viso.

Todos os jovens integrados no projecto são acompanhados ao nível da saúde, nos


Centros de Saúde da sua área de residência. Para além da marcação das consultas é feito
todo o trabalho de acompanhamento, bem como a realização de exames médicos.
Neste momento estão integrados num programa de Higiene Oral, fruto de um parceria
entre o Ministério da Saúde e a Clínica Pediátrica Gaia, com o objectivo de tratar alguns
problemas dentário já existentes e, sobretudo, prevenir o seu aparecimento.

No que se refere ao acompanhamento escolar e educativo procura-se garantir a


pontualidade e assiduidade destes menores à escola na medida em que alguns deles não se
sentem motivados para as actividades lectivas. Realizam-se diariamente os trabalhos de casa
e são definidos planos de estudo para que, progressivamente, as crianças se possam ir
preparando para as provas de avaliação.
Associação de Solidariedade SFL – IPSS nº 72/2006

O apoio psicológico é outro dos vectores sobre os quais incide o trabalho desenvolvido
com as crianças e jovens integrados no projecto. Este aspecto revela-se determinante na
medida em que pode, de certa forma, garantir a sua estabilidade emocional e,
progressivamente, com a adopção de práticas e comportamentos mais adequados, facilitar a
interacção com os pares, com os familiares e com os técnicos associados ao projecto.
Este acompanhamento é feito com periodicidades distintas na medida em que esta
decisão tem subjacente o diagnóstico feito a cada paciente.

Trata-se de um trabalho simples, onde se trabalham as relações pessoais, a confiança


mútua, a auto-estima as regras básicas de uma vida em sociedade e a responsabilidade social
de cada cidadão.

É possível trabalhar com esta população, minimizando riscos, apostando na prevenção,


sem que seja necessário afastar o menor do seu meio natural de vida uma vez que se
trabalham os problemas onde eles acontecem, ou seja junto do jovem e do seu agregado
familiar.

“É na prevenção de um mal maior que está o verdadeiro sentido de


responsabilidade social, basta que cada um de nós participe activamente para que seja
possível a estas crianças e jovens Crescer sem Risco.”