Você está na página 1de 1

c  


   

Em vez de ³instituição de ensino´ - às vezes engessada, às vezes séria demais -, a escola poderia ser um lugar confortável,
divertido e repleto de atrativos culturais para crianças, jovens e, por que não, adultos. O ato de educar combina
perfeitamente com uma outra ação que soa menos pretensiosa aos ouvidos das pessoas: brincar. ³A brincadeira estimula a
criatividade e a aprendizagem´, confirma a terapeuta ocupacional Márcia Cristina Almendros F. Moraes, coordenadora do
Serviço de Educação e Recreação (SER) do Centrinho/USP, em Bauru (SP). Se é assim, por que as escolas públicas não
utilizam com mais freqüência recursos considerados recreativos para atingir seus objetivos - de formar cidadãos críticos e
esclarecidos, capazes de escrever uma história mais digna para o nosso país? É verdade que, com novos e bem-
intencionados projetos governamentais e voluntários, muitas escolas já se transformaram numa espécie de ³centro de
vivência´, que pode - e deve - ser freqüentado por alunos e seus familiares. Com o programa ³Escola da Família´, por
exemplo, nos finais de semana, a escola se torna uma extensão de casa e toda a família pode aprender e se divertir. Aliás,
em alguns bairros, a escola pública é, hoje, a única alternativa cultural. O que não deixa de ser uma conquista! Mas, afinal,
com que tipo de escola jovens e adolescentes sonham?
Numa coisa a gente concorda de cara: é bem mais fácil dizer o que ela não deveria ser. A escola que a gente não gosta tem
regras que existem apenas para manter uma ordem que alguém inventou e nem sabe o porquê... Tem lousa cheia de letras
copiadas sem a gente saber se vão mesmo ser úteis... Tem uma rotina que acaba com a gente... Por que é que toda aula
precisa acontecer em sala? E se a gente fosse aprender poesia num jardim?!? A escola que a gente não gosta tem alunos
curiosos perdidos no meio da multidão e das normas, com perguntas sem respostas e respostas para coisas que não
interessam para a gente. Ah, e tem um montão de nãos! - Não pode ir à quadra. - Não pode ir à biblioteca no horário da
aula! - Não pode ir ao banheiro na hora que dá na telha! Definitivamente, esta não é a escola que a gente deseja. Cada vez
que proíbem alguma coisa, menos prazer a gente tem em estudar.
Os nossos sonhos vão para outro tipo de lugar. A gente quer uma escola mais livre, menos ditadora, onde a gente possa
aprender curtindo ... Um lugar para onde a gente tenha vontade de ir e ficar, não só para bater papo com os colegas, mas
para descobrir coisas que a gente nunca viu...
Nos sonhos da gente a escola tem computador disponível, que pode ser usado sem burocracia para fazer trabalhos e
pesquisas e, então, aprender mais. Em algumas até tem, mas em muitas escolas o computador e a Internet ainda são sonhos.
A escola deveria ter professores e funcionários apaixonados e competentes que respeitem os alunos e seus direitos... Mas,
nessa escola só deveria entrar quem realmente quer estudar.
O problema é que do jeito que está sabe qual é a escola dos sonhos? Aquela onde a gente entra mais tarde e sai mais cedo.
Sabe por quê? Porque é tudo muito chato. Ninguém agüenta professor que entra bravo, enche a lousa e mal explica a
matéria... O pior é que a gente até sabe que eles ficam assim porque ganham mal e são desrespeitados por colegas da
gente... Mas não dá para continuar assim... Além disso, ninguém diz por que a gente tem que aprender tantas regras, tantas
equações...
A escola tem que dar mais voz e liberdade aos alunos... A gente admite que tem uma galera mal-educada, que não respeita
ninguém. Na escola dos sonhos, a gente também obedece os professores e tem mais educação com todos.
Para terminar, a escola dos sonhos tem cores bonitas e a colaboração dos alunos que costumam pichar paredes. Para dizer a
verdade, as cores da escola são as mesmas dos nossos sonhos: todas elas. As cores das diferenças raciais, as cores da alegria
perdida por muitos de nossos amigos que já se foram; o verde da esperança, o branco da paz, o colorido da vida, o grafite
do rap, o azul infinito das possíveis viagens que a gente pode fazer no universo da literatura, do teatro e de tudo o que
envolve a escola ideal.