Você está na página 1de 36

1

1 PROCEDIMENTOS BÁSICOS

1.1 MARGENS

Layout da página / Configurar página / Margens. Superior 3 cm; Esquerda 3 cm; Inferior 2 cm; Direita 2 cm.

1.2 FONTE

No corpo do trabalho o tema é Times New Roman, tamanho 12. Alinhamento “justificado”.

1.3 RECUOS E ESPAÇAMENTO

Recuo: Início / parágrafo / Especial: Primeira linha / Por: 2 cm. Exceto para os títulos, em que deve-se usar Especial: (nenhum)”. Espaçamento: Início / parágrafo / Antes: 0 pt / Depois: 0 pt / Espaçamento entre linhas: 1,5 linha (casos em que se deve usar “Espaçamento entre linhas: simples” serão observados adiante).

1.4 TEMPO VERBAL

Utilizar o modo impessoal, não posicionar-se na primeira pessoa do plural como “verificamos” ou “percebemos”. Substituir por “verifica-se”; “percebe-se”

2

2 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

São denominados elementos pré-textuais aqueles que antecedem a parte fundamental do trabalho acadêmico e que contribuem para a identificação de seu conteúdo. As páginas dos elementos pré-textuais não são numeradas.

2.1 CAPA

As informações da capa devem ser escritas com fonte Times New Roman, tamanho 16 e estilo negrito (exceto os nomes dos autores e o subtítulo, que serão em estilo normal). Os seguintes dados devem constar obrigatoriamente na capa:

a) nome da instituição completo e por extenso;

b) descrição do tipo de trabalho, com espaçamento de 1,5 linhas.

TCM “X” TRABALHO DE CONVERGÊNCIA MULTIDISCIPLINAR

dos

espaçamento de 1,5 linhas.

c) nomes

autores

em

CAIXA

ALTA,

completos

e

por

extenso,

com

d) título no centro da página, em CAIXA ALTA seguido de dois pontos, se

houver subtítulo;

e) subtítulo se houver em caixa baixa, sem negrito.

f) local (cidade) da instituição e ano de depósito (2011-1), separados com

espaçamento de 1,5 linhas.

3

2.2 FOLHA DE ROSTO

A folha de rosto é parte indispensável para a identificação de qualquer trabalho realizado no ambiente acadêmico. As informações devem ser escritas com fonte Times New Roman e tamanho 14. Os seguintes dados devem constar obrigatoriamente na folha de rosto:

a) nomes dos autores na parte superior, em CAIXA ALTA, estilo de fonte normal

(sem negrito), separados com espaçamento de 1,5 linhas.

b) Título no meio da página, em CAIXA ALTA e em estilo de fonte negrito. Subtítulo em caixa baixa e estilo normal. Ambos devem estar separados com um espaçamento de 1,5 linhas.

c) O texto que caracteriza o trabalho a 8 cm da margem esquerda, alinhado com a

margem direita, sem utilização do estilo itálico. Utilizar espaçamento entre linhas “simples”. Ao final do texto, inserir três entrelinhas simples para a inclusão dos Professores Orientadores, que também devem ter os nomes separados com espaçamento entre linhas “simples”.

Trabalho de Convergência Multidisciplinar apresentado como requisito parcial para avaliação das disciplinas a, b, c, d e e, apresentadas no (terceiro ou quarto) semestre do Curso de Relações Internacionais com Ênfase em Marketing e Negócios da Escola Superior de Propaganda e Marketing ESPM.

Professores Orientadores:

Sérgio Pio Bernardes Pedro Jaime Martha Gambini Júlio César Tavares Paulo Zanotto

e) Local e ano: caixa alta e baixa e estilo negrito, separados por espaçamento de

1,5 linhas.

4

2.3 DEDICATÓRIA

A dedicatória é opcional e corresponde ao espaço onde os autores prestam homenagem a alguém ou dedica ou trabalho concluído. Deve situar-se a 8 cm da margem esquerda, alinhado com a margem direita e deve ser escrito com fonte Times New Roman, corpo 12, caixa alta e baixa, estilo normal, alinhamento justificado, entrelinhas de 1,5.

2.4 AGRADECIMENTO(S)

Os agradecimentos também são opcionais e registram o reconhecimento aos que contribuíram para a realização do trabalho. São escritos em parágrafos com deslocamento (recuo) de 2 cm da margem esquerda, fonte Times New Roman, corpo 12, caixa alta e baixa, alinhamento justificado, entrelinhas de 1,5, estilo normal. O título deve constar em CAIXA ALTA, centralizado e em estilo negrito.

2.5 EPÍGRAFE

De apresentação também opcional, é uma citação geralmente relacionada com a matéria do corpo do trabalho acompanhada da indicação de sua autoria. É inserida com alinhamento justificado e recuo de 8 cm da margem esquerda. Deve ser escrita em fonte Times New Roman, corpo 12, caixa alta e baixa, com entrelinhas de 1,5 e geralmente em estilo itálico.

2.6 RESUMO EM LÍNGUA NACIONAL

É escrito em PARÁGRAFO ÚNICO, com deslocamento de 2 cm. Qualquer tipo de resumo deve destacar o objetivo geral, a relevância, os aspectos mais importantes, a metodologia e as conclusões mais representativas. O resumo deve começar com uma frase que contenha o essencial do documento original, evitando generalidades. Recomenda-se o uso de até 250 palavras. Logo abaixo do resumo são indicadas as palavras-chave (mínimo três e máximo seis) que representam o conteúdo, separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto. A finalidade das palavras-chave é identificar rapidamente a temática.

5

Palavras-chave: Aviação Comercial. Empresas Aéreas Regionais. OceanAir Linhas Aéreas.

2.7 RESUMO EM LÍNGUA ESTRANGEIRA (ABSTRACT)

A formatação é idêntica à do resumo em língua nacional.

2.8 LISTAS

2.8.1 Lista de Figuras

A ESPM adota o termo figura para designar todo e qualquer tipo de ilustração:

desenhos, esquemas, gráficos, fluxogramas. Os quadros (informações TEXTUAIS apresentadas de forma sintetizada, em colunas, separadas por linhas e fechadas nas bordas) também são considerados figuras. De apresentação opcional, a lista é recomendada quando houver mais de dez termos e é elaborada de acordo com a ordem apresentada no texto. É escrita com fonte Times New Roman, corpo 12, caixa alta e baixa, alinhamento esquerdo e entrelinhas de 1,5. Os indicativos são escritos em estilo negrito, seguidos de um traço (Figura 1 - ) e alinhados a esquerda. Os números de páginas são alinhados a direita. As demais informações são em estilo normal.

2.8.2 Lista de Tabelas

As tabelas contêm informações numéricas e são formadas por células, colunas e linhas; trata-se de uma coleção de dados numéricos. A padronização da lista de tabelas é a mesma da lista de figuras.

2.8.3 Lista de Siglas

A lista de siglas é escrita com fonte Times New Roman, corpo 12, caixa alta e

baixa, alinhamento esquerdo, entrelinhas de 1,5, em estilo normal (sem negrito). Quando forem usadas menos de 10 siglas não será necessária a elaboração de uma lista; a partir da primeira entrada no texto, apresenta-se a expressão seguida pela sigla, entre parênteses. A partir daí, pode-se usar apenas a sigla.

6

Recomenda-se não usar siglas estrangeiras quando houver a correspondente em

português; caso contrário, apresentar o termo “sigla em inglês para

2.9 SUMÁRIO

”.

O sumário é um elemento essencial que relaciona os títulos, as seções e subseções dos elementos textuais, assim como os títulos dos elementos pós-textuais, se houver, com a indicação das páginas iniciais do texto.

1 TÍTULO (CAIXA ALTA E EM NEGRITO) 1.1 SEÇÃO (CAIXA ALTA E EM ESTILO NORMAL) 1.1.1 Subseção (Caixa alta e baixa e em estilo normal) REFERÊNCIAS (ELEMENTO PÓS-TEXTUAL: em negrito e CAIXA ALTA, sem item numérico).

a) Não se coloca ponto após último item numérico, apenas um espaço. Isto vale também para o corpo do trabalho.

b) O sumário é escrito com fonte Times New Roman, corpo 12, caixa alta e baixa e alinhamento esquerdo. Os números de páginas são alinhados a direita.

c) Deve-se utilizar espaçamento de 1,5 linhas no mesmo capítulo e dois espaçamentos para separar de outros capítulos. REFERÊNCIAS , APÊNDICES E ANEXOS NÃO SE ENUMERAM como itens, porém devem ser indicadas as páginas, em negrito.

7

3 ELEMENTOS TEXTUAIS

Os elementos textuais correspondem ao trabalho propriamente dito, ou seja, a sua

parte fundamental, que inclui a apresentação da temática, objetivo, justificativa, metodologia,

desenvolvimento do tema, resultados e conclusões. São elementos textuais a introdução, o desenvolvimento e a conclusão.

3.1 INTRODUÇÃO

É a parte inicial do texto, onde constam a construção dos objetivos que justificam a pesquisa, se enuncia o trabalho de modo concreto, o assunto é proposto e onde se faz a sugestão para que ele seja compreendido quanto aos seus limites e abrangências. A introdução é o item número 1, assim a numeração do trabalho começa a contar nessa página, no canto superior direito. Deve conter objeto, objetivo, problema, justificativa, método adotado e breve descrição dos capítulos.

3.2 DESENVOLVIMENTO

O desenvolvimento é a parte principal do texto; nele é feita a descrição e

interpretação de materiais coletados e tratados com a intenção de fundamentar a argumentação, além de validar as conclusões alcançadas com os eventuais resultados encontrados. Divide-se em seções e subseções, que variam em função das especificidades do tema/problema e do método. A palavra Desenvolvimento não deve aparecer como título dessa

parte.

3.3 CONCLUSÃO

Na conclusão são retomados os objetivos que justificaram a realização da pesquisa e os resultados alcançados, de forma clara, objetiva e resumida, respondendo aos problemas formulados. Os conteúdos da conclusão devem fechar o trabalho como decorrência natural do que foi realizado no desenvolvimento.

8

4 CITAÇÃO

Citar significa mencionar, fazer referência e apresentar informações extraídas de documentos de outros autores para fundamentar idéia ou argumento que se pretenda defender, dando o devido crédito. Fatos de domínio público não necessitam ser documentados. As citações são de dois tipos: de transcrição e de indicação da fonte. A transcrição consiste em reproduzir, de forma direta ou indireta, uma informação de outro local para o texto que se está construindo. Indicar a fonte significa mencionar quem produziu a informação, quando e de onde foi retirada. Incorporar idéias, dados ou frases de outro autor, sem dar-lhe o devido crédito, constitui plágio. As citações não tiram a originalidade do trabalho, quando utilizadas para dar credibilidade a interpretações e conclusões. Podem ter duas origens: a fonte original (ou primária), ou seja, aquela que é produzida pelo autor da obra; ou a secundária, que corresponde à reprodução de material constante em obra de terceiro. Não confundir com pesquisa primária e secundária.

4.1 CITAÇÃO DE TEXTO (TRANSCRIÇÃO)

4.1.1 Citação direta

É a transcrição literal de parte da obra do autor consultado (fonte de acesso direto). A indicação da página da obra é obrigatória.

a) Citação direta de até três linhas o texto reproduzido deve ser inserido no corpo do texto e contido entre aspas duplas, com a indicação da fonte. b) Citação direta de mais de três linhas deve constituir um parágrafo independente, com recuo de 4 cm da margem esquerda, letra tamanho 10, sem aspas e com indicação da fonte. O espaçamento entre linhas deve ser simples. Recomenda-se que as citações não ultrapassem 14 linhas de texto.

É procedente a crença que diz que os chineses comem virtualmente tudo o que se move. Em nenhum lugar como na China, o visitante será apresentado a tantos pratos exóticos. Cobra, calango, tartaruga, urso, tigre, enguia, macaco, grilo, tanajura, rã, rim, cérebro, timo, minhoca, gafanhoto, pés de pato e de galinha ombreiam com uma variedade inigualável de massas bem-comportadas e pouco difundidas (DOURADO FILHO, 2000, p. 203).

9

4.1.2 Citação indireta

Consiste na utilização de idéias e informações de outros autores (terceiros), são citadas com palavras do próprio autor, mas respeitando as idéias originais do autor citado. Não é necessário o uso de aspas e é opcional indicar a página. A utilização da expressão “conforme” é sempre voltada para pessoa física e não jurídica.

Whetmore foi quem primeiro sugeriu que a sobrevivência seria impossível se não buscassem alimentos dentre um deles, ou seja, nos seus próprios corpos (FULLER, 1976).

4.1.3 Informações adicionais

Não realizar citações em idioma estrangeiro. Traduzir e colocar, no final da citação, a expressão “tradução dos autores” entre parênteses.

[] qualquer pessoa ou entidade que emprega ou contrata outra pessoa para compensações financeiras ou de outras naturezas para praticar o lobby em interesse de outra pessoa ou entidade. A pessoa ou entidade que contata práticas de lobby para seus próprios interesses é tanto o cliente como o patrão de tal empregado. (UNITED STATES SENATE, 2008. Tradução dos autores).

4.2 INDICAÇÃO DA FONTE

No sistema autor-data, a indicação é feita pelo sobrenome do autor, na forma em que aparece nas referências, acompanhado do ano de publicação para indicação da perspectiva histórica. Todas as obras citadas devem conter sua referência correspondente, com o mesmo ano, na lista de referências no final do trabalho.

4.2.1 Documento de um só autor

a) Autoria não incluída no texto: (FORTUNA, 1996).

b) Autoria no texto: De acordo com Fortuna (1996)

10

c) Autoria no texto, com indicação da página, seguida da citação direta:

Conforme aponta Fortuna (1996, p. 3), “o modelo bancário trazido ao Brasil pelo

Império foi o europeu”.

d) Autoria fora do texto, com indicação da página:

A partir dos anos 50, solidificaram-se as posições brasileiras, explodindo o

potencial econômico” (FORTUNA, 1996, p. 3).

4.2.2 Documento com dois ou três autores

a) Autoria não incluída no texto separar com ponto e vírgula:

(VALLS; VERGUEIRO, 1998)

(ALMEIDA; DRACTU; LARANJEIRA, 1996)

b) Autoria incluída no texto – usar conjunção “e”:

Merrian e Caffarella (1991) indicam que

Conforme proposta de Almeida, Dractu e Laranjeira (1996)

4.2.3 Mais de três autores

Mencionar o primeiro autor e utilizar a expressão “et al”, um indicativo de continuidade.

a) Autoria não incluída no texto: (CARDOSO et al, 1997);

b) Autoria incluída no texto: Cardoso et al (1997) consideram que

4.2.4 Citação de citação

Usada quando não se tem acesso ao documento original. Indica-se o sobrenome do autor original, seguida da expressão latina “apud” (que significa citado por, conforme,

11

segundo), e do sobrenome do autor em cuja obra a citação foi feita, ou seja, é citado em primeiro lugar o autor mais antigo. Exemplos:

a)

Silva (apud ABREU, 1999, p.3) diz ser

 

b)

“[

]

o viés organicista da burocracia estatal

(VIANA, 1986, p.172 apud

SEGATTO, 1995, p. 214-5).

c) No modelo de Gough (1972 apud NARDI, 1993), o ato de ler envolve

4.2.5 Citação de documento sem autoria conhecida

A citação é feita usando-se a primeira palavra do título, em maiúsculas, seguida de

reticências e data entre parênteses. Exemplo:

As IES implementaram mecanismos democráticos, legítimos e transparentes de

avaliação sistemática das suas atividades

(ANTEPROJETO

,

1987).

4.2.6 Citação de fonte quando a autoria é de entidades coletivas conhecidas por sigla

As citações são realizadas, na primeira vez, por extenso, seguidas da sigla. Nas próximas citações do documento deve-se usar apenas a sigla. Exemplo:

A Tabela 1 informa os dados de pessoas residentes em domicílios particulares, por

sexo e situação do domicílio, conforme dados da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e

Estatística (IBGE, 2010).

4.2.7 Citação de fonte com sobrenomes e datas iguais

Havendo coincidência de sobrenomes e datas, diferencia-se acrescentando as iniciais dos prenomes; persistindo, colocam-se os prenomes por extenso. Exemplos:

(GIL, A., 1999) (GIL, V., 1999)

12

(BARBOSA, Cássio, 1965) (BARBOSA, Celso, 1965)

4.2.8 Citação de fonte de diversos documentos de mesma autoria e ano de publicação

As citações são distinguidas pelo acréscimo de letras minúsculas, em ordem alfabética, após a data e sem espaçamento. Exemplos:

O Plano é relatado a seguir, conforme a realidade institucional da empresa (EMBRAER, 2008a).

Após levantamento, constata-se que o Conselho de Administração é composto por onze membros, a Diretoria por três e o Conselho Fiscal permanente é formado por cinco integrantes (EMBRAER, 2008b).

4.2.9 Citação de fonte de diversos documentos de autorias diferentes

Ocorre quando uma idéia é compartilhada por vários autores.

a) Autoria não incluída no texto

Diversos autores salientam a importância do “acontecimento desencadeador” no início de um processo de aprendizagem (CROSS, 1984; KNOX, 1986; MEZIROW, 1991).

b) Autoria incluída no texto:

Cross (1984), Knox (1986) e Mezirow (1991) salientam que

13

5 NOTAS DE RODAPÉ

Notas são informações complementares e não essenciais à compreensão do texto, e que não necessitam estar no seu corpo para não interromper a sequência lógica da leitura. São inseridas no final da página, separadas do texto principal por um traço e grafadas com letra de tamanho inferior para reforçar o seu diferencial. Nos trabalhos acadêmicos apresentados à ESPM, as notas de rodapé devem aparecer na margem inferior da mesma página, separadas do texto por um traço contínuo de 5 cm e digitadas com espaçamento entrelinhas simples, com fonte Times New Roman, tamanho

10.

A numeração das notas de rodapé é feita em algarismos arábicos, sendo que a ESPM adota numeração única e consecutiva para todo o trabalho. Exemplo:

Como é de se esperar, a esfera de decisão para tais assuntos é sempre um reflexo da organização de poder, sendo restrita aos governantes e religiosos - a alta esfera do poder, e estes últimos, em geral, como influentes conselheiros, quando não eram os próprios governantes -, mesmo após o surgimento dos primeiros Estados no século XVII 1 e, mais tarde, dos Estados Modernos, “laicos” e burocratizados 2 , “profissionalizando” as funções desta esfera de assuntos exteriores.

1 Há consenso entre historiadores e juristas quanto a indicação de que foi com os Tratados de Westfália (1648), e que puseram fim em trinta anos de conflitos religiosos na Europa entre os seus “esboços” de Estados, que o moderno sistema de Estados começou a vigorar em realidade. As disposições básicas destes tratados concediam ao monarca o poder soberano sob seus territórios e a religião passava a ser questão interna dos Estados.

2 Segundo Weber, a burocratização é um reflexo da racionalização das sociedades ocidentais contemporâneas. A organização burocrática é hierárquica, com o recrutamento de seus quadros dando-se por meio de concursos ou outros critérios objetivos. É completamente impessoal e cooperativo (o oficio é separado totalmente da vida social pessoal), visando a maximização do serviço por meio da “transformação” dos funcionários em “elos” de uma cadeia produtiva estável e previsível”.

14

6 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

6.1 LISTA DE REFERÊNCIAS

A lista de referências organiza um correto fichamento de identificação das obras

consultadas. Trata-se de um relatório das fontes das informações que se mostraram essenciais

para a conclusão do estudo.

Nenhuma pesquisa começa do zero. A produção do conhecimento científico

baseia-se na existência de estudos já realizados para fundamentar ou guiar as observações da

pesquisa. Nas referências são relacionadas todas as fontes efetivamente utilizadas no trabalho.

6.2 REGRAS PARA COMPOSIÇÃO DAS REFERÊNCIAS

As referências são alinhadas somente à margem esquerda do texto (não se usa

o modo “justificado”), para que se possa identificar individualmente cada documento, em

espaço simples (entrelinha simples no Word) e separadas entre si por dois espaços simples

(duas entrelinhas simples, no mesmo Word).

A ABNT prevê destaque para os títulos de publicações. A ESPM adota o negrito

para destacá-los nas referências. A ordenação utilizada para referências é a alfabética. Da

forma como autores/instituições foram citados no decorrer do trabalho, os mesmos termos

(SOBRENOME, INSTITUIÇÃO OU SIGLA) devem ser inseridos para introduzir a

referenciação e nunca devem estar em negrito. A seguir, seguem alguns exemplos:

6.3 APRESENTAÇÃO DOS ELEMENTOS DA REFERÊNCIA

6.3.1 Um autor

Inicia-se a entrada pelo último sobrenome, em letras maiúsculas, seguido do

prenome e do outro sobrenome, se houver. No corpo do texto foi feita a citação do seguinte

autor: “Conforme Predebon (2003), o lado inovador se refere

”. Nas referências:

PREDEBON, José. Criatividade: abrindo o lado inovador da mente. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003. 234 p.

15

6.3.2 Dois a três autores

Os nomes devem ser separados por ponto e vírgula, seguido de espaço. No texto:

“Conforme Flink e Grunewald (1975), a análise financeira

”.

FLINK, Salomon J.; GRUNEWALD, Donald. Administração financeira. Rio de Janeiro:

LTC, 1975.

[ ]

2001).

dependerão dos clusters que integram a cadeia produtiva (DAVIS; AQUILANO; CHASE,

DAVIS, Mark M.; AQUILANO, Nicholas J.; CHASE, Richard B. Fundamentos da administração da produção. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. 598 p.

6.3.3 Acima de três autores

Quando houver mais de três autores, indica-se somente o primeiro, acrescentando-

se a expressão latina et al. Exemplo: “Lemes Jr. et al (2002) ressaltam que o capital de

giro

LEMES JR., Antônio Barbosa. et al. Administração financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras. Rio de Janeiro: Elsevier, 2002. 698 p.

6.3.4 Sobrenomes

a) Parentesco os nomes que contêm forma de parentesco serão considerados

como parte integrante do sobrenome (mas não considerados como entrada), tais como, Júnior,

Sobrinho, Neto, Filho.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de direito constitucional. 24. ed. São Paulo:

Saraiva, 1997. 367 p.

b) Composto de substantivo + adjetivo

CASTELO BRANCO, Renato. História da propaganda no Brasil. São Paulo: T.A. Queiroz, 1990. 485 p.

16

6.3.5 Autoria desconhecida

Quando se desconhece a autoria de uma obra, a entrada deve ser feita pelo seu

título, com a primeira palavra em letras maiúsculas, sem destaque gráfico. No texto:

[ ]

de acordo com as potencialidades do setor (DIAGNÓSTICO, 1993).

DIAGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 1993. 64 p.

6.3.6 Autor repetido

Ao ser referenciado, o nome pode ser substituído, nas referências subseqüentes,

por um traço equivalente a seis espaços. No texto:

Silber (2006b) relata que a procura pelo aumento das escalas de operação

reduzem custos e ampliam a participação no mercado

”.

Conforme relata Silber (2006a), desde o final dos anos 80 o Brasil segue a

tendência mundial de adoção da política de abertura comercial ao exterior

”.

SILBER, Simão Davi. A globalização dos mercados. In: VASCONCELLOS, Marco Antonio S.; LIMA, Miguel; SILBER, Simão. Gestão de Negócios Internacionais. São Paulo: Saraiva,

2006a.

Teorias do comércio internacional. In: VASCONCELLOS, Marco Antonio S.; LIMA, Miguel; SILBER, Simão. Gestão de Negócios Internacionais. São Paulo: Saraiva,

2006b.

6.3.7 Responsabilidade intelectual

Quando houver indicação explícita de responsabilidade, em coletâneas de vários

autores, a entrada será feita pelo nome do responsável, seguida pela abreviatura singular da

função desenvolvida (organizador, coordenador, editor, compilador etc.), com inicial

maiúscula e entre parênteses.

PREDEBON, José (Org.). Propaganda: profissionais ensinam como se faz. São Paulo: Atlas, 2000. 223 p.

17

6.3.8 Autor entidade

As obras de responsabilidade de entidades (órgãos governamentais, empresas,

associações, congressos, seminários etc.) têm entrada, de modo geral, pelo seu próprio nome,

por extenso, em caixa alta.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002. 7 p.

COMISSÃO ECONÕMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE. Panorama social de América Latina y El Caribe 1998. Santiago, 1999.

6.3.9 Artigo de Periódico

Aplica-se à matéria existente em um número, volume ou fascículo de periódico

(artigos científicos de revistas, editoriais, matérias jornalísticas, seções, reportagens etc.).

Deve-se escrever o título do artigo usando-se apenas a primeira letra em

maiúscula, com exceção dos nomes próprios e siglas. O título do periódico vem após o título

do artigo, com a primeira letra de cada palavra em maiúscula, grafado em negrito.

a) Exemplo de artigo em periódico científico:

PENTEADO, J. Roberto Whitaker. O conceito de marketing aplicado à escola particular. Revista da ESPM, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 62-5, maio/jun. 1998.

SILVA, Andréa Lago da; ALCÂNTARA, Rosane Chicarelli. Mudanças nos relacionamentos e estratégias para melhor coordenação da cadeia de suprimentos. RAUSP Revista de Administração, São Paulo, v. 36, n. 3, p. 49-58, jul./set. 2001.

b) Exemplo de artigo de jornal

NAVES, Thales P. Lagos andinos dão banho de beleza. Folha de São Paulo, São Paulo, 28 jun. 1999. Folha Turismo, Caderno 8, p. 13.

18

6.3.10 Trabalho Acadêmico

GIGLIO, Ernesto M. Contribuição ao desenvolvimento de um modelo de estratégia orientada para a satisfação do consumidor no ramo imobiliário. 2002. Tese (Doutorado em Administração) Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo USP, São Paulo, 2002.

GUEDES NETO, Manoel. et al. As diversas faces chilenas. 2007. Trabalho de Convergência Multidisciplinar Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM, São Paulo, 2007.

6.3.11 Entrevista Gravada

A referenciação segue a regra geral. Os elementos essenciais são: entrevistado,

título e subtítulo (se houver), tipo de entrevista, entrevistador(es), local e data de divulgação.

No texto:

“Silva (1991), em seu depoimento, considera que

”.

SILVA, Luiz Inácio Lula da. Luiz Inácio Lula da Silva: depoimento [abr. 1991]. Entrevistadores: V. Tremel e M. Garcia. São Paulo: Senai-SP, 1991.

“Conforme indicado por Siciliano (2010)

SICILIANO, Fulvio. Fulvio Siciliano: depoimento [mar. 2010]. Entrevistadores: G. Rocco, M. Guedes Neto, P. Pomeroy e S. Pio Bernardes. São Paulo: ESPM, 2010.

6.3.12 Documentos de Acesso Exclusivo em Meio Eletrônico

Nas obras consultadas online, são essenciais as informações sobre o endereço

eletrônico. Deve ser apresentado entre os sinais < >, precedido da expressão Disponível em: e

a data de acesso ao documento, precedida da expressão Acesso em: 01 jan. 2010. (mês

abreviado, exceto maio). Os endereços eletrônicos não podem aparecer sublinhados.

Deve-se incluir a data (no mínimo o ano) de publicação do documento, para que

se possa associar a citação à sua respectiva referência. O exemplo abaixo é de 2009, apesar de

o acesso ter sido realizado em 2010:

O ranking dos 10 maiores Estados Falidos, que considera indicadores de risco

sociais (movimento de refugiados), econômicos (desenvolvimento desigual), políticos

(deterioração dos serviços públicos) e militares (aparelho de Segurança funciona como um

“estado dentro do Estado”), inclui os seguintes países, pela ordem: Somália, Zimbábue,

19

Sudão, Chade, República Democrática do Congo, Iraque, Afeganistão, República Centro-

Africana, Guiné e Paquistão (FOREIGN POLICY, 2009).

FOREIGN POLICY. The Failed States Index, 2009. Disponível em:

p_and_rankings>. Acesso em: 26 jan. 2010.

Para artigos ou matérias retirados de portais como UOL, Exame, Isto É, Globo

etc. que contenham claramente algum autor, este sempre deve ser citado e referenciado; em

seguida menciona-se o título da matéria (sem negrito) e o portal (em negrito); somente na

ausência de autor considera-se o nome do portal na citação e como termo de entrada nas

referências. Independente do caso, a data mencionada será sempre a de publicação; na

ausência de data, considerar o ano de acesso.

Conforme citado por Caetano (2007), a eficiência da medida refletiu-se no

combate ao mercado cinza, na expansão das vendas legais e na ampliação da inclusão digital,

fatores que permitiram a criação de empregos formais e estímulos aos investimentos.

CAETANO, José Roberto. É bom até para o governo. Portal Exame. nº 902, set. 2007. Disponível em:

Acesso em: 15 abr. 2010.

PORTAL EXAME. STF decide arquivar recurso de Joaquim Roriz. Agência Estado, 29 set. 2010. Disponível em: <http://portalexame.abril.com.br/economia/eleicoes-2010/noticias/stf- decide-arquivar-recurso-joaquim-roriz-600590.html>. Acesso em: 30 set. 2010.

20

6.3.13 Documento Iconográfico em Meio Eletrônico

Inclui gravura, ilustração, fotografia entre outros que podem ser consultados em

meio eletrônico. Os elementos essenciais são: autor, título (quando não existir, deve-se

atribuir uma denominação; ou a indicação “Sem título”, entre colchetes), data e especificação

do suporte.

, entre colchetes), data e especificação do suporte. Figura 1 - Distribuição dos principais rios e

Figura 1 - Distribuição dos principais rios e bacias no mundo. Fonte: NATIONAL GEOGRAPHIC, 2010.

NATIONAL GEOGRAPHIC. Distribuição dos principais rios e bacias no mundo, abr. 2010. Disponível em: <http://ngm.nationalgeographic.com/2010/04/water/water-animation>. Acesso em 01 abr. 2010.

6.4 APÊNDICES E ANEXOS

Opcional, o apêndice é um elemento ilustrativo elaborado pelo próprio autor, que

documenta, esclarece e confirma as idéias expressas no texto.

É uma seção especial que tem o objetivo de complementar as reflexões do autor

inserindo documentos ou outros itens complementares ao trabalho. Podem ser questionários,

entrevistas, tabelas, gráficos e outras informações por ele contidas e consideradas necessárias

ou importantes destinados a complementar a argumentação. O apêndice é um elemento

complementar criado pelo próprio autor, que documenta, esclarece e confirma as idéias

expressas no texto.

O Anexo não é elaborado pelo autor e constitui, além de documentos, informações

que servem para fundamentar, comprovar ou ilustrar o conteúdo do texto e suas partes.

Entende-se por anexo o elemento complementar, não elaborado pelo autor que constitui,

além de documentos, informações que servem para fundamentar, comprovar ou ilustrar o

21

conteúdo do texto e suas partes. A sua apresentação é opcional. Podem ser tabelas, gráficos, quadros, ilustrações, catálogos, folders, relatórios, balanços, destinados a complementar a argumentação.

22

7 APRESENTAÇÃO GRÁFICA

7.1 ILUSTRAÇÕES

A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do texto a que se refere. O indicativo deve ser em algarismos arábicos, com o respectivo título e/ou legenda explicativa, de forma breve e clara, com fonte Times New Roman, tamanho 10, alinhado a esquerda, seguido da indicação da fonte quando não for de autoria do responsável pelo trabalho Toda ilustração deve estar centralizada, porém o número e título da figura e a fonte deve coincidir com a margem esquerda. Entre o título e a indicação da fonte, a entrelinha é “simples”. Sempre a fonte deve possuir autor e ano. Os quadros tratam informações qualitativas, geralmente em forma de texto. Lembrar que o titulo e fonte são indicados na parte inferior (primeiro o número da figura e título e embaixo a fonte). Nenhuma forma de ilustração deve ficar sem uma apresentação ou um breve comentário. Não utilizar a expressão veja quadro, ou figura abaixo. Indicar com precisão

Trata-se da necessidade de “Referenciar”. Portanto antes da

figura aparecer, deve ser apresentada. Exemplo:

“Na Figura 7 verifica-se

”.

Nos Estados Unidos são mantidas as unidades de manutenção e pós-venda em Fort Lauderdale (Flórida) e Nashville, Tennessee. A figura 4 mostra a distribuição das unidades pelo mundo.

A figura 4 mostra a distribuição das unidades pelo mundo. Figura 4 - Localização das unidades

Figura 4 - Localização das unidades da Embraer pelo mundo. Fonte: EMBRAER, 2008.

23

7.2 TABELAS

As tabelas são construções que tratam informações numéricas. Elas não se fecham aos lados e não possuem fios internos verticais nem horizontais. O título é na parte superior e a fonte na parte inferior. Nenhuma forma de ilustração deve ficar sem uma apresentação e sem um breve comentário da respectiva ilustração. Não utilizar a expressão veja tabela” ou

Trata-se da necessidade de

“a tabela abaixo”. Indicar com precisão “Na Tabela “Referenciar”. As tabelas sempre devem ser comentadas.

”.

A maneira de ilustrar a análise horizontal é tomar como período base sempre o exercício imediatamente anterior ao que está em estudo, permitindo constatar a evolução em curtos períodos de tempo e uma visão mais analítica. A tabela 3 demonstra o estudo comparativo da evolução horizontal do Balanço da Embraer e fornece subsídios para interpretações da situação da empresa.

Tabela 3 - Análise Horizontal do Balanço (em milhares de reais). Base: Exercício anterior.

 

Análise

Ativo / Passivo

2006

2007

Horizontal

ATIVO CIRCULANTE

10.411.009

10.558.706

1,42%

REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

5.880.746

5.101.019

-13,26%

TOTAL DO ATIVO

16.291.755

15.659.725

-3,88%

PASSIVO CIRCULANTE

6.403.933

6.146.773

-4,02%

EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

4.650.637

4.069.681

-12,49%

RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS

45.027

41.648

-7,50%

PARTICIPAÇÃO DE ACIONISTAS MINORITÁRIOS

151.548

139.308

-8,08%

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

5.040.610

5.262.315

4,40%

TOTAL DO PASSIVO

16.291.755

15.659.725

-3,88%

Fonte: EMBRAER, 2008c. Cálculos realizados pelos autores.

24

APÊNDICE A MODELO DOS ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

Nas próximas páginas é apresentada a sequência dos elementos pré-textuais de trabalhos acadêmicos. Tais elementos não devem ter suas páginas numeradas.

25

ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING

TCM IV TRABALHO DE CONVERGÊNCIA MULTIDISCIPLINAR

GABRIEL TIEPPO ROCCO IGOR KAZUO FUGIVARA MANOEL GUEDES NETO PATRICK FRANCIS POMEROY PEDRO PADILHA VALVERDE RODRIGO NEPOMUCENO CHIAVELLI

EMBRAER:

Phenom 100 e o mercado dos Very Light Jets

São Paulo

2008-2

26

GABRIEL TIEPPO ROCCO

IGOR KAZUO FUGIVARA

MANOEL GUEDES NETO

PATRICK FRANCIS POMEROY

PEDRO PADILHA VALVERDE

RODRIGO NEPOMUCENO CHIAVELLI

EMBRAER:

Phenom 100 e o mercado dos Very Light Jets

Trabalho de Convergência Multidisciplinar apresentado como requisito parcial para avaliação das disciplinas: Country Studies II EUA, Canadá e México, Filosofia da Ciência, Finanças Corporativas, Geopolítica, História das Relações Internacionais no Ocidente, Macroeconomia, Planejamento Estratégico de Marketing, Sociologia da Religião e Sistemas do Direito Contemporâneo Internacional, apresentados no quarto semestre do Curso de Graduação em Relações Internacionais com Ênfase em Marketing e Negócios da ESPM.

Professores Orientadores: Marcelo Rocha e Silva Zorovich, Marleine Paula M. F. Toledo, Marco Antonio Silva, Leonardo Pace Alves, Jorge Lorenzo V. Montecinos, Cristina Helena P. de Mello, Reynaldo Dannecker Cunha, Eduardo Oyakawa, Marina Amaral Egydio de Carvalho.

São Paulo

2008-2

27

O trabalho é dedicado, acima de tudo, à amizade dos que integram este grupo e também a todos que, embora não pertencessem a este, nos ajudaram nos momentos difíceis com grande paz e com muita descontração. Em tempo, também deve imperiosamente ser alvo da dedicatória deste trabalho todos os Diplomatas Corporativos mundo afora.

28

AGRADECIMENTOS

O término do quarto volume do Trabalho de Convergência Multidisciplinar fica como exemplo do término de mais uma etapa de nossas jovens vidas. Fecha-se um ciclo maravilhosamente único e, apesar da tristeza de um fim, o que nos resta não é senão a alegria das boas lembranças. Tal como essencialmente importante nos foi para a obtenção da carta de aceitação da empresa (teoricamente ponto de partida do trabalho), nos é essencialmente importante e necessário agradecer com destaque o professor Hermann Gonçalves Marx. Agradecidos em relação a este, todos os integrantes do grupo agradecem ainda a todo o quadro de professores do quarto semestre matutino do curso de Relações Internacionais e, mais ainda, agradecem toda a colaboração intelectual e pessoal de todos os funcionários que por esta instituição conhecemos e gostamos, deixando-os com um forte abraço e a certeza de um reencontro.

29

Os pássaros devem experimentar a mesma sensação, quando distendem suas longas asas

e seu vôo fecha o céu mim, fizera igual.

Alberto Santos Dumont

Ninguém, antes de

30

RESUMO

Este trabalho estuda e analisa a comercialização de jatos executivos Phenom 100 da Embraer no mercado norte-americano, análise esta que abrange desde a estrutura macroeconômica do país até seu ambiente político-legal, frisando ainda suas características sócio-culturais, demográficas e tecnológicas para que seja enfim possível a criação de um plano de marketing para a exportação do produto. Analisado o mercado em questão, foi concluído que existe, de fato, viabilidade na venda de tais jatos executivos nos EUA. O plano de marketing foi desenvolvido especificamente para este produto no mercado-alvo e cujo estudo focou as vendas nas classes mais altas do país destino, visando a estruturação e o entendimento de um projeto completo e viável.

Palavras-chave: Aeronaves Executivas. Embraer. Plano de Marketing. Estados Unidos.

31

ABSTRACT

This paper studies and analyzes the marketing of Phenom 100 executive jets from Embraer in the U.S. market, which covers the analysis from the macroeconomic structure of

the country until its political and legal environment, emphasizing also its socio-cultural characteristics, demographic and technological changes so that is finally possible to create a marketing plan to export the product. Examined the market in question, it was concluded that

there is, indeed, the viability of such sales executive jets in the U.S

developed specifically for this product in the target market and whose study focused sales in higher classes of the destination country, aimed at structuring and understanding of a comprehensive and viable project.

The marketing plan was

Key-words: Executive Jets. Embraer. Marketing Plan. United States.

32

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 Modelo do Bandeirante

6

Figura 2 Modelo de Tucano

7

Figura 3 Modelo de AMX

7

Figura 4 Localização das unidades da Embraer pelo mundo

10

Figura 5 Total de pessoas ocupadas na Embraer (2000-2008)

11

Figura 6 Distribuição dos trabalhadores conforme o grau de instrução

12

Figura 7 Esquema da linha de montagem

14

Figura 8 Modelo de EMB 110

24

33

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 Balanço Patrimonial da Embraer (2006-2007)

6

Tabela 2 Demonstração dos Resultados da Embraer (2006-2007)

7

Tabela 3 Análise Horizontal do Balanço Patrimonial

7

Tabela 4 Análise Horizontal da Demonstração dos Resultados

10

Tabela 5 Análise Vertical do Balanço Patrimonial

11

Tabela 6 Análise Vertical da Demonstração dos Resultados

12

Tabela 7 Medidas de Liquidez da Embraer

14

Tabela 8 - Medidas de solvência a longo prazo da Embraer

24

34

LISTA DE SIGLAS

Anac Agência Nacional de Aviação Civil APEC Asia-Pacif Economic Cooperation BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social CIA Central Intelligence Agency CIRR Commercial Interest Reference Rate CTA Centro Tecnológico de Aeronáutica EAC Embraer Aircraft Corporation EASA European Aviation Safety Agency Embraer Empresa Brasileira de Aeronáutica S.A. FAA Federal Aviation Administration FAB Força Aérea Brasileira Fed Federal Reserve IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica NAFTA North América Free Trade Agreement NSC National Security Council OCDE Operação para Cooperação e Desenvolvimento Econômico OMC Organização Mundial do Comércio PROEX Programa de Financiamento às Exportações SOBEET Sociedade Brasileira de Estudo de Empresas Transnacionais VLJ Very Light Jets

35

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO

1

2 CONCEITOS DE GLOBALIZAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO

7

2.1 GLOBALIZAÇÃO E SUAS VARIADAS CONCEITUAÇÕES

7

2.2 ARGUMENTOS FAVORÁVEIS E CONTRARIOS À GLOBALIZAÇÃO

8

2.3 INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE GLOBALIZAÇÃO

9

2.4 GLOBALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES

9

2.5 GLOBALIZAÇÃO, MUNDIALIZAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO

11

2.6 CONTEXTOS IMPORTANTES DO PROCESSO DE

INTERNACIONALIZAÇÃO

12

2.6.1 Variadas abordagens sobre internacionalização

12

2.6.2 Parcerias triangulares

13

2.6.3 Relação Governo-Empresa

14

2.6.4 Relação Empresa Empresa

15

2.7

A INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS

17

AS MULTIPLAS FORMAS DE “ADJETIVAR” O CONCEITO DE DIPLOMACIA

3

23

3.1 INTRODUÇÃO AO CONCEITO DE DIPLOMACIA

23

3.2 DIPLOMACÍA CLÁSSICA

24

3.2.1 Tarefas da Diplomacia

26

3.2.2 Carreira Diplomática no Brasil

27

3.3 DIPLOMACÍA NÃO ESTATAL

29

3.4 DIPLOMACÍA CORPORATIVA

30

COMPETÊNCIAS DO DIPLOMATA CORPORATIVO E A EMERGENCIA DO GLOBAL MINDSET

4

33

4.1

A EXPATRIAÇÃO COMO REQUISITO PARA A CONSOLIDAÇÃO DO

DIPLOMATA CORPORATIVO

33

4.1.1

O conhecimento necessário para o exercício das competências em Marketing

Internacional

34

36

 

ATITUDES

38

4.2.1 O conceito de Global Mindset

42

4.2.2 CHA versus Global Mindset

46

5

O PROFISSIONAL DE DIPLOMACIA CORPORATIVA EM AÇÃO

49

5.1 A METODOLOGIA UTILIZADA

49

5.2 BREVE HISTÓRICO DOS ENTREVISTADOS

50

5.2.1

Gleverton De Munno

50

5.2.1.1 Atuação de De Munno no contexto internacional da empresa

51

5.2.1.2 Globe e as atividades de Diplomacia Corporativa

53

5.2.1.3 Perfil do Globe

57

5.2.2

Fulvio Siciliano

59

5.2.2.1 O gasoduto Leste-Oeste Chinês

62

5.2.2.2 Gerência Multicultural

67

5.2.3 Mario Marconini

69

5.2.4 Embaixador Luiz Felipe Lampreia

72

5.3

CONVERGÊNCIA DAS TRAJETÓRIAS COM OS CAPITAIS DO GLOBAL

MINDSET

74

5.3.1

Cruzamento de Resultados

78

6

CONCLUSÃO

80

REFERÊNCIAS

84

ANEXO A ATA DE AVALIAÇÃO

88

APÊNDICE A FOTOS DAS ENTREVISTAS

88