Você está na página 1de 10

COMPORTAMENTO

EM FOCO VOL. 12 pp. 18—27

Sobre a definição de Behaviorismo1 Bruno Angelo Strapasson (1)


brunoastr@gmail.com
About the definition of behaviorism (1)
Universidade Federal do Paraná

Resumo Abstract

A definição de behaviorismo na literatura The definition of behaviorism, which extends


especializada, que se estende para além da beyond Skinner's proposition, in the academic
proposição de Skinner, é algo que vem sendo literature, has been debated since the dawn of
debatido desde os primórdios do movimento the behaviorist movement and is a problem
behaviorista e é um problema para o qual for which there is no conclusive way out. This
ainda não há uma saída conclusiva. Neste chapter explores the identification of nuclear
capítulo, são exploradas a identificação de characteristics, the use of a model theory, the
características nucleares, o recurso a uma use of Wittgenstein's notion of family resem-
teoria modelo, o recurso a noção de seme- blance, and self-titling as strategies applicable
lhança de família de Wittgenstein e a auto- to the definition of behaviorism. Such stra-
-intitulação como estratégias aplicáveis à de- tegies are briefly described and their limi-
finição de behaviorismo. Tais estratégias são tations are denounced. Far from proposing
brevemente descritas e são denunciadas suas a conclusive alternative to the definition of
limitações. Longe de propor uma alternati- behaviorism, this paper intends to demons-
va conclusiva da definição de behaviorismo, trate its difficulty and its consequences by
pretende-se, neste texto, demonstrar sua difi- illustrating how this problem increases the
culdade e suas decorrências ilustrando como complexity of related conceptual, historical
esse problema aumenta a complexidade de and philosophical analyzes that mention or
análises conceituais, históricas e filosóficas focus on different behaviorisms.
relacionadas, que mencionem ou que tenham
como foco os diferentes behaviorismos.

Palavras-chave Keywords

Behaviorismo; definição de conceitos; análise Behaviorism; definition of concepts; concep-


conceitual. tual analysis

1 Este trabalho foi parcialmente financiado pelo Conselho Nacional de desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq, proc. 431249/2016-
4) e é derivado de uma palestra Primeiros Passos apresentada no XXVIII Encontro da Associação Brasileira de Psicologia e Medicina
Comportamental, realizada no dia 16 de Agosto de 2019, sob o título: O que é behaviorismo?

18
Sobre a definição de behaviorismo
About the definition of behaviorism

O behaviorismo é um movimento na o que pode esclarecer seus limites e desve-


Psicologia muito comentado e frequentemente lar compromissos filosóficos antes obscuros.
mal compreendido. É provável que parte desse Entretanto, ao utilizarmos os diferentes “ismos”,
problema esteja relacionado à dificuldade de corremos os “riscos inerentes a qualquer siste-
se identificar o que é o behaviorismo e quais ma de tipologia... [Nesses], há sempre uma ten-
são suas características. Mesmo na literatura dência a argumentar que, porque indivíduos
especializada da área, é mais comum encon- são similares em um aspecto, eles também são
trar apresentações do behaviorismo que se similares em outros” (Skinner, 1953, p. 424). É
esforçam para descrever o que o behavioris- nesse sentido que a análise dos “ismos” exige
mo não é (rebater as críticas recebidas) do que tanto a compreensão acurada do que caracteri-
apresentações do behaviorismo que tentam se za cada “ismo” como a avaliação cuidadosa das
apresentar de forma propositiva, identificando suas diferenças. É interessante notar, entretan-
suas características e apresentando sua defini- to, que o debate em torno dos “ismos”, de suas
ção. O livro Sobre o Behaviorismo de Skinner implicações assim como de seus compromissos,
(1974), quando tomado isoladamente do res- parece ter avançado na avaliação de o quanto
tante da obra do autor, poderia, em alguma esses “ismos” podem ou não ser vinculados a
medida ser um exemplo dessa postura, o que variedades específicas de behaviorismos, mas
pode ter influenciado muitos autores posterio- deixou de lado outra dimensão do problema:
res. Nesse livro, Skinner apresenta a filosofia o fato de que o behaviorismo é também uma
do seu behaviorismo radical rebatendo 20 forma de “ismo”.
afirmações errôneas que, segundo ele, eram Neste texto, dedico-me a explorar as di-
comumente aplicadas as suas proposições. Uma ficuldades de definir o que é o behaviorismo.
variação específica da tentativa de dizer o que Não há neste texto, entretanto, qualquer pre-
o behaviorismo não é se expressa na avaliação tensão de apresentar uma resposta definitiva à
da aplicação de rótulos tradicionais na filosofia pergunta “o que é behaviorismo?”. Objetiva-se
da ciência que eventualmente são vinculados apenas demonstrar as dificuldades relaciona-
ao behaviorismo. Vincular behaviorismo ao das ao problema da definição de behaviorismo,
mecanicismo, ao positivismo, ao reducionis- de modo a explicitar a complexidade das dis-
mo e a uma série de outros “ismos” é bastante cussões que envolvem esse conceito.
comum e também muito criticado por diversos As características que definem o que é
autores que olharam mais cuidadosamente o behaviorismo foram controversas desde
para as referidas associações entre sistemas sua formulação inicial. A indicação de que o
de pensamento. behaviorismo começa com a publicação do
A literatura nacional, por exemplo, dispõe manifesto behaviorista por Watson (1913) é
de diversas avaliações desse tipo no que se uma convenção histórica. Watson defendia
refere ao behaviorismo radical de Skinner (e.g., as ideias contidas no manifesto anos antes de
Carrara, 2005; Micheletto, 2001; Micheletto & sua publicação (Buckley, 1989). Além disso, as
Sério, 2002). Recorrer a diferentes “ismos” para propostas aglutinadas por Watson sob o rótulo
classificar uma teoria ou um conjunto de teo- de behaviorismo já haviam sido apresentadas,
rias pode ser muito interessante na medida em isoladamente, por outros autores antes de 1913
que obriga os envolvidos no debate a avaliar as (Leahey, 2000; Malone, 2009; O’Donnell, 1985),
características próprias das teorias de interesse, de tal modo que Cattell, Munstenberg e Angell,

Comportamento em Foco, v. 12, cap. 1 | 19


Sobre a definição de behaviorismo
About the definition of behaviorism

dentre outros autores da época, já foram in- Watson, de modo que os chamados neobeha-
dicados como tendo iniciado o behaviorismo vioristas eram críticos de sua proposta. Uma
antes de Watson. solução comum para esse conflito foi criar va-
Nos anos seguintes ao manifesto riações do behaviorismo. Em geral, tais varia-
Behaviorista, há poucos indícios de que Watson ções surgiram com a adição de um qualificador
conseguiu estabelecer uma legião de seguido- ao rótulo behaviorismo. Calkins (1921), por
res (Araujo, Saraiva, & Carvalho Neto, 2019; exemplo, propôs o que ela chamou de beha-
Samelson, 1981). Ainda assim, muitos autores viorismo psicológico, que mantinha o uso da
passaram a se dizer behavioristas, mas sem se introspecção como método de investigação, em
identificarem necessariamente com todos os contraste ao que seria o behaviorismo extremo
compromissos estabelecidos por Watson. As crí- ou radical de Watson2. Uma série de propostas
ticas e confusões em relação a quem seriam os alternativas ao behaviorismo de Watson surgiu
behavioristas levaram Hunter (1922) a publicar nesse movimento, sendo alguns dos exemplos
uma carta ao editor do Journal of Philosophy famosos o behaviorismo intencional ou cogni-
sugerindo que, na época, haveria apenas dois tivo de Tolman, o interbehaviorismo de Kantor
behavioristas verdadeiros: John B. Watson e e, o mais conhecido dentre eles, o behaviorismo
Albert P. Weiss. No ano seguinte, em parte como radical de Skinner.
uma resposta a Hunter, mas também em uma Com a multiplicidade de proposições, foi
tentativa de mostrar que todo o movimento criado certo potencial para confusões entre
behaviorista era falho, Roback (1923) propõem as propostas, e então surgiram tentativas de
uma classificação que incluía 23 variedades organização das diferentes formas de behavio-
de behaviorismo. Incluindo desde os filósofos rismo. A referência a duas obras específicas é
Hobbes, Comte e o fisiologista Becherev até suficiente para ilustrar essa multiplicidade. No
psicólogos como McDougall e Holt e o biólo- livro Handbook of Behaviorism, O'Donohue e
go Yerkes. De acordo com O’Donnell (1985), o Kitchener (1999a) apresentam 14 variedades
behaviorismo não se estabeleceu como um mo- de behaviorismo. Dentre as variedades psi-
vimento coeso, com muitos psicólogos aderindo cológicas estão o behaviorismo watsoniano,
à proposta de Watson, mas atraiu uma “maioria o interbehaviorismo de Kantor, o behavioris-
silenciosa” que estava insatisfeita com as di- mo intencional de Tolman, o behaviorismo de
ficuldades do introspecionismo estruturalista Clark Hull, o behaviorismo radical de Skinner,
ressaltadas por Watson. Parece que a crítica o behaviorismo empírico de Bijou, o behavio-
de Watson à psicologia de então, mais do que rismo teleológico de Rachlin, o behaviorismo
a alternativa que ele propôs aos problemas teórico de Staddon, o behaviorismo biológico
identificados (o seu behaviorismo), foi o que de Timberlake e o contextualismo funcional de
criou um movimento importante na psicologia Hayes. O'Donohue e Kitchener incluem também
estadunidense. variedades estritamente filosóficas de behavio-
Se, de um lado, o movimento behaviorista rismo, como as propostas de Wittgenstein, Ryle,
atraiu muitas pessoas, de outro, a maioria delas Kitchener e Quine. Na coleção Behaviorismos,
não concordava com todas as proposições de editada por Zilio e Carrara (2016, 2017, 2019)

2 Para uma história do qualificador radical quando aplicado ao behaviorismo ver Schneider e Morris (1987).

Comportamento em Foco, v. 12, cap. 1 | 20


Sobre a definição de behaviorismo
About the definition of behaviorism

quase três dezenas de teorias diferentes são de conceitos ou compromissos filosóficos que
apresentadas. Nessa coleção não são incluídos definiriam behaviorismo. Aqueles que tenta-
os behaviorismos filosóficos, mas constam ca- ram desenvolver essa tarefa (e.g., O’Donohue &
pítulos sobre os precursores do behaviorismo Kitchener, 1999b; Zuriff, 1985) concluíram que
como Sechenov, Bekhterev, Pavlov, Loeb e tal tarefa não é exequível quando se conside-
Thorndike. São também apresentadas as ver- ra o conjunto daqueles comumente indicados
sões clássicas de behaviorismo com Watson e como behavioristas. Mesmo expressões mais
Weiss, as alternativas iniciais ao behaviorismo genéricas dentre as propostas como o entendi-
clássico com Mead, Guthrie, Spence, Kantor, mento de que uma ciência do comportamento é
Skinner, Goldiamond, Meyer, Pierón, Hull, possível e desejável, o que supostamente seria
Tolman e Kuo, bem como variações mais con- compartilhado entre as diferentes formas de
temporâneas como as de Arzin, Sidman, Hayes, behaviorismo, é questionável, na medida em
Staddon, Rachlin, Ribes-Iñesta e Donahoe. O ma- que essas diferentes formas incluem concep-
peamento de teorias behavioristas que resulta ções diferentes de ciência e de comportamento.
da avaliação dessas duas obras não constitui Tome o antimentalismo, tão caro a Watson e a
um esforço exaustivo de compilação de dife- Skinner, como exemplo. O recurso a eventos
rentes formas de behaviorismo. Calkins, Yerkes, mentais não é rejeitado naquilo que Skinner
Lashley e tantos outros poderiam, facilmente, chama de behaviorismo metodológico. Ainda
ser incluídos na lista de proponentes de formas assim, as teorias que podem ser colocadas sob
específicas de behaviorismo. A compilação de esse rótulo são intituladas “behaviorismos”
teorias behavioristas, a despeito de seus muitos pelos próprios behavioristas, quer sejam seus
méritos didáticos e heurísticos, não resolve o críticos ou seus simpatizantes. A identificação
problema de como definir behaviorismo. de um núcleo duro inegociável parece, por-
A variedade de teorias que podem ser tanto, ser um critério demasiado arbitrário na
classificadas como behavioristas é função tentativa de se definir behaviorismo e que, pro-
direta dos critérios adotados para classificar vavelmente, deixa de fora teorias aclamadas
o que é o behaviorismo. E a multiplicidade de com esse rótulo.
classificações disponíveis na literatura (e.g, A segunda alternativa é a estratégia de
O’Donohue & Kitchener, 1999a; Roback, 1923, eleger um modelo comparando-o às demais pro-
1937; Woodworth, 1924; Zilio & Carrara, 2016, postas. Nesse caso, uma teoria seria eleita como
2017, 2019; Zuriff, 1985), bem como as diver- prototípica, seriam identificadas as caracterís-
gências entre elas, sugere que a definição de ticas centrais dessa teoria, e as demais teorias
tais critérios não é fácil e tão pouco consensual. seriam julgadas como sendo behavioristas na
O’Donohue e Kitchener (1999b) mencio- medida em que compartilhem as características
nam diversas possibilidades de classificação que centrais da teoria modelo. Essa estratégia tem a
desenvolvo a seguir de modo a explicitar tais interessante vantagem de evitar classificações
dificuldades. A primeira estratégia é a tentativa dicotômicas (teorias são ou não são behavio-
de encontrar características comuns entre todas ristas) e criar uma classificação expressa em
as teorias behavioristas e características que um contínuo (teorias com diferentes graus de
as diferenciam das teorias não-behavioristas. aproximação ao behaviorismo; teorias mais
Carrara (2005) faz referência a essa estratégia behavioristas e teorias menos behavioristas).
como a busca por um “núcleo duro inegociável” Por outro lado, ela cria o problema de definir

Comportamento em Foco, v. 12, cap. 1 | 21


Sobre a definição de behaviorismo
About the definition of behaviorism

qual seria a teoria modelo e quais característi- proposta de Skinner como modelo. Abib (2004)
cas dessa teoria seriam centrais. A opção mais faz justamente essa provocação. Ao comparar
natural ao se eleger um modelo de behavioris- as teorias de Watson, Tolman e Skinner e cons-
mo seria a referência a quem tradicionalmente tatar que apenas em Skinner encontra-se uma
se atribui a criação desse movimento: John B. filosofia que analisa comportamentalmente a
Watson. Mas uma análise rápida dessa esco- formulação de teorias – que toma as teorias
lha escancara as dificuldades dessa estratégia. como comportamento verbal do cientista ou
Se, como vimos anteriormente, a maior parte filósofo – e, portanto, que apenas Skinner tem
das variedades de behaviorismo eram críticas uma filosofia behaviorista, Abib argumenta
ou abertamente oponentes ao behaviorismo que, do ponto de vista filosófico, somente o
clássico de Watson seria cabível usarmos a behaviorismo radical é essencialmente beha-
semelhança dessas teorias com a proposta de viorista. Na medida em que Watson e Tolman
Watson como critério para classificá-las como não teriam filosofias verdadeiramente beha-
behaviorismo? Chiesa (1994), na capa de um vioristas, o behaviorismo teria iniciado com
livro no qual tenta explicitar os compromissos Skinner e tanto a história do behaviorismo
filosóficos do behaviorismo radical, expressa quanto a classificação de quem é behaviorista
um raciocínio compatível com essa estratégia precisariam ser revistas. Ainda que instigante,
a partir da referência a um modelo de beha- tal proposição recairia nos mesmos problemas
viorismo. Diz ela sobre o behaviorismo de de se assumir a teoria de Watson como modelo:
Skinner: “uma visão totalmente diferente sobre a maioria daqueles tradicionalmente identifi-
o objeto de estudo da psicologia. Um dia será cados como os principais behavioristas não
reconhecido que esta posição ter surgido sob poderiam receber esse rótulo.
o rótulo do behaviorismo foi, acima de tudo, O’Donohue e Kitchener (1999b) apresen-
um acidente da história”. Um desafio adicional tam uma terceira estratégia de definição do
dessa estratégia é identificar quais seriam as behaviorismo. Trata-se do recurso ao conceito
características nucleares da teoria modelo. É de “semelhança de família” de Wittgenstein
provável que o antimentalismo, o fisicalismo (2009/1953). Para Wittgenstein há alguns con-
e a rejeição à introspeção de Watson fossem ceitos na linguem que não se caracterizam
incluídas como característica nucleares, mas propriamente como conceitos unitários. Nesses
seria esse também o caso de aspectos da sua casos há um emaranhado de características que
teoria que mudaram ao longo de sua carreira, perpassam diferentes exemplares do conceito
como o ambientalismo ou a explicação do com- analisado, mas nenhuma dessas característi-
portamento em termos de estímulo-resposta a cas está presente em todos os exemplares. Tais
partir do condicionamento pavloviano? Dadas exemplares mantêm semelhanças de família
as diferenças marcantes entre os behavioris- entre si. Wittgenstein usa o exemplo do con-
mos de Watson e de Skinner (ver Moore, 2017), ceito de jogo para ilustrar essa possibilidade:
a adoção de Watson como modelo poderia
Considere, por exemplo, as atividades que
gerar distorções como sugerir que um dos mais
chamamos de “jogos”. Eu me refiro a jogos
conhecidos representantes do behaviorismo,
de tabuleiro, jogos de bola, jogos atléticos
Skinner, não era “muito” behaviorista.
e assim por diante. O que é comum em
Um exercício interessante e diferente de
todos eles? Diz-se “eles devem ter algo em
aplicação da mesma estratégia seria tomar a
comum ou eles não seriam chamados de
Comportamento em Foco, v. 12, cap. 1 | 22
Sobre a definição de behaviorismo
About the definition of behaviorism

‘jogos’”, mas observe e veja se há mesmo não há qualquer contrassenso em chamar te-
algo em comum. Se você olhar para eles, orias anteriores ao behaviorismo clássico de
você não verá algo que é comum a todos, Watson de “behaviorismos” ou mesmo manter
mas uma série inteira de similaridades o qualificador “behaviorista” quando aplicado
e afinidades. Repetindo, não pense, ob- a certas teorias próprias da administração, da
serve! Observe, por exemplo, os jogos de economia da filosofia ou da ciência política,
tabuleiro, com suas muitas afinidades. perspectivas essas que se diferenciam substan-
Agora passe para os jogos de cartas; aqui cialmente das teorias psicológicas.
você encontra correspondências com Essa estratégia parece dar conta da mul-
o primeiro grupo, mas muitos fatores tiplicidade de usos que fazemos do rótulo de
comuns caem por terra e outros apare- behaviorismo, mas ajuda pouco a esclarecer o
cem. Quando passamos para os jogos com que o behaviorismo não é. Outras teorias comu-
bola, muito do que é comum é mantido, mente não vinculadas ao behaviorismo, como
mas muito é perdido. Seriam todos eles a psicologia histórico cultural ou mesmo a psi-
divertidos? Compare Xadrez, Trilha e o canálise freudiana, poderiam ser chamadas de
Jogo da Velha. Ou há sempre ganhadores behavioristas na medida em que compartilham
e perdedores, ou competição entre joga- algumas posturas teóricas com o behaviorismo.
dores? Pense no Paciência. Nos jogos com A estratégia de definição de uma teoria a partir
bola há o ganhar e perder, mas quando da semelhança de família, portanto, também
uma criança brinca de jogar uma bola na não está isenta de limitações. Nesse caso es-
parede e pegar, esse aspecto desaparece. pecífico, ela peca por criar uma definição de
Olhe para os fatores de habilidade e sorte, behaviorismo demasiado abrangente.
e para as diferenças entre habilidade no A quarta estratégia é analisar o com-
xadrez e no tênis. Pense agora nos jogos portamento verbal das pessoas que usam a
com canto e dança. Aqui temos novamen- expressão behaviorismo. Trata-se de analisar
te o entretenimento, mas quantos outros o comportamento verbal daqueles que usam
fatores desapareceram! Nós podemos a palavra behaviorismo nos contextos de in-
seguir em muitos e muitos grupos de teresse. O primeiro desafio dessa estratégia é
jogos, e conseguirá ver como as simila- definir qual teoria da linguagem seria usada
ridades surgem e desaparecem. O resul- para fazer essa análise e sob quais critérios
tado dessas considerações é: vemos uma estaria fundamentada essa decisão. Isso é im-
rede complicada de semelhanças que se portante porque múltiplas teorias da lingua-
sobrepõem e se entrecruzam: semelhan- gem, muitas delas contrastantes entre si, estão
ças grandes e pequenas. (Wittgenstein, disponíveis nos diversos behaviorismos. Uma
2009/1953, p. 36e) vez definida a teoria da linguagem que servirá
de base para a análise, é provável que a res-
O conceito de behaviorismo, tal como o
posta para a análise do comportamento verbal
de jogo, poderia ser interpretado como uma
de qualificar uma teoria como behaviorismo
família de conceitos semelhantes, na qual as
fosse tão variada quanto são as pessoas que
diferentes formas de behaviorismo compar-
falam de behaviorismo. Tome a teoria de com-
tilham diferentes características entre si, mas
portamento verbal de Skinner (e.g. 1957) como
nenhuma característica está presente em todas
exemplo. Nessa perspectiva, seria necessário
as formas de behaviorismo. Nessa perspectiva,
Comportamento em Foco, v. 12, cap. 1 | 23
Sobre a definição de behaviorismo
About the definition of behaviorism

avaliar sob controle do que as pessoas usam a autobiografia, ele disse que o livro Behaviorism
palavra “behaviorismo”, especialmente quando de Watson (1930) foi “o livro que me trouxe
a emitem com função de tato. Ainda que essa para a psicologia” (Skinner, 1983, p. 190). Mas
tarefa possa, ao menos em tese, ser realizada também afirmou que, durante muito tempo,
por meio de pesquisa empírica, e que simila- ele relutou em chamar sua proposta de beha-
ridades possam ser encontradas no comporta- viorismo porque o termo estava “demasiado
mento de muitos falantes, o mais provável é que vinculado a John B. Watson.” (Skinner, 1979,
variações significativas nas fontes de controle p. 331). A auto-intitulação de sua teoria como
sejam encontradas nas diferentes comunidades behaviorismo radical surge apenas em 1945
verbais investigadas. É bastante provável que (Skinner, 1945), 14 anos depois de suas publi-
filósofos, psicólogos e pedagogos, bem como cações iniciais sobre comportamento. Adotar
analistas do comportamento, psicanalistas e a auto-intitulação como critério poderia levar
cognitivistas, estejam sob controle de variáveis alguns a considerar a teoria de Skinner anterior
significativamente diferentes quando falam de a 1945 como não sendo behaviorista, o que é um
behaviorismo. Teríamos então, o behaviorismo problema, haja visto que a despeito de Skinner
dos analistas do comportamento, o behavio- não ter nessa época se autointitulado um beha-
rismo dos psicanalistas, o behaviorismo dos viorista, sua teoria era constituída por diversas
cognitivistas e assim por diante. características típicas do behaviorismo. Por
Uma possibilidade adicional, não desen- fim, considere o caso hipotético de Skinner ter
volvida no texto de O’Donohue e Kitchener intitulado sua proposição como behaviorista
(1999b), seria a auto-intitulação. Se classificar apenas mais tardiamente, na década de 1970
alguma teoria como behaviorista é sempre por exemplo, sem ter modificado outros aspec-
discutível, porque não deixar para os próprios tos de sua teoria. Nesse caso, seria adequado
autores avaliarem se querem ou não ser iden- dizer que as produções de Skinner entre 1945 e
tificados com tal rótulo? O problema dessa al- 1970 não eram behavioristas, mesmo seguindo
ternativa é que ela está sujeita mais a aspectos os preceitos teóricos fundamentais do behavio-
sociológicos relacionados ao behaviorismo (ten- rismo radical? Os exemplos de Hayes e Skinner
tativa do autor de se diferenciar ou se integrar parecem suficientes para identificarmos que
à imagem pública dessa perspectiva) do que a auto-intitulação como behaviorista pode ser
às características ou compromissos filosóficos um critério também problemático.
da teoria analisada. A tentativa de Steven C. Uma prática comum na literatura espe-
Hayes de apresentar suas propostas como pós- cializada pode também ser mencionada neste
-skinnerianas (Hayes, Barnes-Holmes, Roche, debate. Trata-se da menção ao behaviorismo
& Barnes-Holmes, 2001) ou de denominar sua como um movimento: o movimento behavioris-
teoria como funcionalismo contextual (Gifford ta. É possível que, em alguns casos, a referência
& Hayes, 1999), sem referência ao behavioris- ao movimento behaviorista seja uma forma de
mo, é um bom exemplo dessa postura. Outro se referir a algo menos unitário e com limi-
exemplo relevante é a própria postura de tes menos claros do que a expressão “o beha-
Skinner em relação ao rótulo “behaviorismo”. viorismo” poderia sugerir. Esse é, inclusive, o
Skinner assumiu claramente que foi influen- caso deste texto. A referência a “movimento”,
ciado pelos textos de Watson para estudar com- entretanto, não ajuda muito a resolver o pro-
portamento e se tornar behaviorista. Em sua blema da definição. Presente pelo menos desde

Comportamento em Foco, v. 12, cap. 1 | 24


Sobre a definição de behaviorismo
About the definition of behaviorism

a década de 1920 (e.g., Pratt, 1922), a noção de e complexa a tarefa de escrever uma história
movimento behaviorista remete a uma con- do behaviorismo. Outra implicação é que será
traposição a alguma ideia já estabelecida. Isso difícil avaliar as críticas ao behaviorismo se não
é claro na proposta de Watson quando ele se conseguirmos identificar quem são os behavio-
contrapõe ao estruturalismo e funcionalismo ristas, especialmente no que se refere a adequa-
estadunidenses (para uma crítica a essa pro- ção dessas críticas. A terceira implicação é que
posta ver Boring, 1929) e também é facilmente as comparações conceituais entre diferentes
identificado quando se verifica que a maioria versões de behaviorismo, ou entre perspecti-
dos neobehavioristas se contrapõe a Watson. vas behavioristas e não behavioristas, ficarão
Entretanto, a ideia de que o behaviorismo é comprometidas se não pudermos identificar
um movimento não resolve as dificuldades de quem são os behavioristas e o que os caracte-
identificar quem são os behavioristas e a quem riza. O mesmo pode ser dito da identificação
eles se contrapõem. Diversas outras teorias se de compromissos filosóficos que subjazem os
colocaram como contrárias ao behaviorismo de behaviorismos.
Watson sem ser consideradas behaviorismos, É importante notar, contudo, que as difi-
como foi o caso, por exemplo, da psicanálise culdades na definição do que é behaviorismo
e da psicologia da Gestalt nos Estados Unidos aqui apresentadas não impedem o desenvolvi-
da América. Mesmo que alguém se refira ao mento dos diferentes behaviorismos e também
movimento behaviorista como um conjunto não impedem a realização de análises teóri-
pouco unitário de teorias, ainda será relevante cas sobre essas teorias, seja isoladamente seja
identificar quais proposições fazem parte desse em seu conjunto. A adoção de uma definição
movimento e quais critérios são usados para arbitrária do que é o behaviorismo pode ser
identificá-las. suficiente para embasar um estudo conceitual
Como se pode perceber, a tarefa de defi- sobre o tema, mas a clareza do caráter arbitrá-
nir o que é behaviorismo é complexa. Algumas rio dessa definição e da complexidade envol-
formas de definir privilegiam compromissos vida na tarefa de definir behaviorismo é uma
teóricos dos diferentes behaviorismos, en- condição que colocará o estudioso em melhor
quanto outros privilegiam práticas comuns a posição para enfrentar desafios conceituais
diferentes comunidades verbais. No primeiro nessa área do conhecimento.
caso, critérios conceituais e filosóficos serão
predominantes; no segundo caso serão crité- Referências
rios sociológicos e culturais os privilegiados.
Em todos os casos, entretanto, haverá alto grau Abib, J. A. D. (2004). O que é comportamen-
de arbitrariedade na definição e, consequente- talismo? In M. Z. Brandão (Ed.), Sobre
mente, toda tentativa de definição estará aberta Comportamento e Cognição (vol. 13) (pp.
ao debate. Nesse contexto, alguém poderia se 52–61). Santo André: ESETec Editores
perguntar se é necessário definir behavioris- Associados.
mo. Responder a essa pergunta exige avaliar Araujo, S. de F., Saraiva, F. T., & Carvalho Neto,
as decorrências de não definir behaviorismo. M. B. de. (2019). Reevaluating the ini-
Uma das implicações da ausência de tial impact of John Broadus Watson on
uma definição de behaviorismo é que, sem American psychology: The necessity
identificar o que o caracteriza, torna-se árdua of comparative parameters. Journal of

Comportamento em Foco, v. 12, cap. 1 | 25


Sobre a definição de behaviorismo
About the definition of behaviorism

the History of the Behavioral Sciences, Comportamento e Cognição (vol. 4) (pp.


55(2), 122–138. https://doi.org/10.1002/ 3–12). Santo André: ESETec Editores
jhbs.21962. Associados.
Bergmann, G. (1956). The contribution of John B. Micheletto, N., & Sério, T. M. de A. P. (2002).
Watson. Psychological Review, 63(4), 265– Temos behavior para tantos ismos"? In H.
276. https://doi.org/10.1037/h0049200. J. Guilhardi (Ed.), Sobre Comportamento
Boring, E. G. (1929). The psychology of contro- e Cognição (Vol. 9) (pp. 303–311). Santo
versy. Psychological Review, 36(2), 97–121. André: ESETec Editores Associados.
https://doi.org/10.1037/h0072273. Moore, J. (2017). John B. Watson’s classical S-R
Buckley, K. W. (1989). Mechanical man: John behaviorism. The Journal of Mind and
Broadus Watson and the beginnings of beha- Behavior, 38(1), 1–34.
viorism. New York: The Guilford Press. O’Donnell, J. M. (1985). The origins of behavio-
Calkins, M. W. (1921). The truly psychological rism: American psychology, 1870-1920.
behaviorism. Psychological Review, 28(1), New York: New York University Press.
1–18. https://doi.org/10.1037/h0072853. O’Donohue, W., & Kitchener, R. F. (1999a).
Carrara, K. (2005). Behaviorismo radical: Crítica Handbook of behaviorism. Cambridge:
e metacrítica (2nd ed.). São Paulo: Editora Academic Press.
da UNESP. O’Donohue, W., & Kitchener, R. F. (1999b).
Chiesa, M. (1994). Radical behaviorism: The phi- The behaviorisms. In W. O’Donohue
losophy and the science. Boston: Author’s & R. F. Kitchener (Eds.), Handbook of
Cooperative. behaviorism (pp. 1–13). San Diego:
Gifford, E. V, & Hayes, S. C. (1999). Functional Academic Press. https://doi.org/10.1016/
contextualism: A pragmatic philosophy B978-012524190-8/50002-4.
for behavioral science. In W. O’Donohue Pratt, J. B. (1922). Behaviorism and consciou-
& R. F. Kitchener (Eds.), Handbook of sness. The Journal of Philosophy, 19(22),
Behaviorism (pp. 285–327). San Diego: 596. https://doi.org/10.2307/2939512.
Elsevier. https://doi.org/10.1016/ Roback, A. A. (1923). Behaviorism and psycholo-
B978-012524190-8/50012-7. gy. Concord: The Rumford Press.
Hayes, S. C., Barnes-Holmes, D., Roche, B., & Roback, A. A. (1937). Behaviorism at twenty five.
Barnes-Holmes, Y. (2001). Relational frame Cambridge: Sci-Art Publishers.
theory: A post-Skinnerian account of human Samelson, F. (1981). Struggle for scientific
language and cognition. New York: Kluwer authority: The reception of Watson’s
Academic Publishers. Behaviorism, 1913–1920. Journal of
Hunter, W. S. (1922). An open letter to the an- the History of the Behavioral Sciences,
ti-behaviorists. The Journal of Philosophy, 17(3), 399–425. https://doi.org/10.1002/
19(11), 307–308. 1520-6696(198107)17:3<399::AID-
Leahey, T. H. (2000). A history of modern psycho- -JHBS2300170310>3.0.CO;2-2.
logy (2nd ed.). New York: Pearson. Schneider, S. M., & Morris, E. K. (1987). A history
Malone, J. C. (2009). Psychology: Pythagoras to of the term Radical Behaviorism: From
present. Cambridge: MIT Press. Watson to Skinner. The Behavior Analyst,
Micheletto, N. (2001). Behaviorismo e outros 10(1), 27–39. https://doi.org/10.1007/
ismos. In R. R. Kerbauy (Ed.), Sobre BF03392404.

Comportamento em Foco, v. 12, cap. 1 | 26


Sobre a definição de behaviorismo
About the definition of behaviorism

Skinner, B. F. (1945). The operational analysis of


psychological terms. Psychological Review,
52(5), 270–277. https://doi.org/10.1037/
h0062535.
Skinner, B. F. (1953). Science and human beha-
vior. New York: MacMillan.
Skinner, B. F. (1957). Verbal behavior. New
York: Appleton-Century-Crofts. https://doi.
org/10.1037/11256-000.
Skinner, B. F. (1974). About behaviorism. New
York: Alfred A. Knopf.
Skinner, B. F. (1983). A matter of consequences.
New York: Alfred A. Knopf.
Watson, J. B. (1913). Psychology as the beha-
viorist views it. Psychological Review,
20(2), 158–177. https://doi.org/10.1037/
h0074428.
Watson, J. B. (1930). Behaviorism (2nd ed.). New
York: Norton.
Wittgenstein, L. (2009). Philosophical investi-
gations (4th ed.). Malden, MA: Wyley-
Blackwell. (Obra originalmente publicada
em 1953)
Woodworth, R. S. (1924). Four varieties of
Behaviorism. Psychological Review,
31(4), 257–264. https://doi.org/10.1037/
h0072704.
Zilio, D., & Carrara, K. (Eds.). (2016). Behaviorismos:
Reflexões históricas e conceituais. Vol. I. São
Paulo: Centro Paradigma de Ciências do
Comportamento.
Zilio, D., & Carrara, K. (Eds.). (2017). Behaviorismos:
Reflexões históricas e conceituais. Vol. II.
São Paulo: Centro Paradigma de Ciências
do Comportamento.
Zilio, D., & Carrara, K. (Eds.). (2019). Behaviorismos:
Reflexões históricas e conceituais. Vol. III.
São Paulo: Centro Paradigma de Ciências
do Comportamento.
Zuriff, G. (1985). Behaviorism: A conceptu-
al reconstruction. New York: Columbia
University Press.

Comportamento em Foco, v. 12, cap. 1 | 27

Você também pode gostar