Você está na página 1de 8

Os Usos do Passado: História, Narrativa e Identidades

Coordenação: Hebe Maria Mattos

Vice-Coordenação: Ana Maria Mauad

http://www.historiauff.br/labhoi/

Eixos de pesquisa:

I. História, Memória e Cidade

II. História, Memória e Cultura Política

III. História, Memória e Escravidão

O Laboratório de História Oral e Imagem (LABHOI) encaminhou ao CNPq, em 1995, seu


primeiro projeto integrado de pesquisa, coordenado pela Drª Angela de Castro Gomes, cujo
principal objetivo era criar as bases efetivas para o funcionamento do núcleo como centro
de documentação e pesquisa no âmbito do Departamento de História da UFF. Desde então,
o LABHOI tornou-se um lugar de referencia para o uso das denominadas fontes de
memória - escritas, orais e visuais, e dentro deste contexto metodológico, da discussão da
problemática dos usos presentes do passado e do espaço que as narrativas conformadas pela
memória social e pela historiografia têm ocupado nas sociedades contemporâneas. Neste
sentido, o projeto integrado em curso (2003-2006) visa dar continuidade e garantir a efetiva
articulação da reflexão e do trabalho pedagógico dos professores que integram o LABHOI.
É seu objetivo principal explorar temáticas que envolvam questões sobre os "usos do
passado" pela história, enfatizando a história da memória de grupos ou de indivíduos e suas
relações com os processos históricos de produção de identidades coletivas; a lógica de
produção de registros visuais, orais e/ou escritos que se organizam para "fazer" história;
bem como a escrita da história através de meios audiovisuais. Para a implementação deste
objetivo geral, o Projeto se propõe a ampliar a atual discussão sobre as relações entre
história, memória e narrativas - memorialísticas e históricas, abordando a formação de
identidades coletivas como problema histórico. Para tanto, serão mantidos os três eixos de
pesquisa estruturados e desenvolvidos no último biênio: História, Memória e Cidade
(coordenação de Paulo Knauss e Ana Maria Mauad), História, Memória e Política
(coordenação de Ângela de Castro Gomes) e História, Memória e Escravidão (coordenação
de Hebe Maria Mattos e Mariza de Carvalho Soares).

A dinâmica deste novo projeto manterá integração estreita entre ensino e pesquisa,
garantindo a oferta de cursos na graduação e na pós-graduação, através dos quais, tanto
bolsistas do LABHOI, quanto os alunos em geral do Curso de História e do PPGH, passam
a ter acesso ao conteúdo teórico-metodológico que envolve a produção e o uso de fontes
audiovisuais, bem como é participe da própria produção destas fontes, colaborando nas
pesquisas específicas de cada professor. Tendo esta diretriz como encaminhamento básico,
as atividades do LABHOI, no período Ago/2003- jul/2006, visarão:

1. Produzir e divulgar, em forma de livros e artigos publicados em revistas especializadas, a


produção científica resultante da pesquisa dos integrantes do projeto;

2. Familiarizar os alunos de graduação e pós-graduação com o debate teórico-metodológico


centrado nas relações entre história-memória e em especial com a produção e uso de fontes
orais e visuais.

3. Manter e atualizar a disponibilização de fontes de memória on-line através da página do


LABHOI na Internet - www.historia.uff.br/labhoi
4. Desenvolver o uso da escrita videográfica como meio por excelência para elaboração da
narrativa historiográfica com as fontes de memória;

5. Consubstanciar os intercâmbios acadêmicos que já vem sendo travados com instituições


de ensino superior nacional e internacionalmente, através da participação em Congressos e
Seminários organizados pelas Associações acadêmicas ligadas às temáticas de nossas
pesquisas.

O presente projeto integrado conta com o apoio de bolsas de IC do CNPq (PIBC e uma
cota pelo projeto integrado) , uma bolsa de apoio técnico e com apoio financeiro pelo Edital
06/2003 - CNPq (Ciências Humanas)

Banda de escravos, 1870


.

Narrativas

O projeto Memória do Cativeiro: Narrativas propõe-se a explorar como a história da


escravidão e da abolição no Brasil foram apropriadas como objeto de memória pelos
descendentes dos últimos cativos do país, libertos em 1888. Para tanto vem explorando as
coincidências narrativas encontradas em diferentes acervos de história oral com
descendentes de escravos brasileiros, com ênfase nas antigas áreas cafeeiras do centro-sul
do país (Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo) que concentravam a
maioria dos escravos às vésperas da abolição definitiva do cativeiro

Além da edição dos depoimentos, outros resultados do desenvolvimento do projeto podem


ser acessados nesta página:

Como primeiros resultados deste trabalho, uma edição por chave temática destas
coincidências narrativas pode ser aqui acessada on line (chaves Temáticas).
Disponibilizamos também a transcrição integral das entrevistas ou dos principais trechos
relativos à memória do cativeiro nos diferentes acervos pesquisados.

Os Combates da Memória, primeiro texto analítico produzido pela coordenadora do projeto


com base nos acervos trabalhados, publicado no dossiê Escravidão e África Negra da
Revista Tempo do Departamento de História da UFF, Niterói, v.3, n.6, Niterói, pp.119 –
138, 1998.
Memórias do Cativeiro: imagens - Coleção de fotografias dos depoentes [série 1] e de fotos
de fotos de família [série 2] produzidas para a tese de doutoramento em História de Ana
Maria Lugão Rios - My Mother was a Slave, not me! Black Pesantry and Local Politics in
Southeast Brazil, c. 1870, c. 1940, University of Minnesota, 2001[fotos da pesquisadora];
Coleção de fotos da Comunidade Negra Rural de São José da Serra [série 3], em Valença,
no Rio de Janeiro, cujo relatório de Identificação como remanescente de quilombo para
efeitos de aplicação do artigo 68 do Ato as Disposições Constitucionais Transitórias de
1988 foi redigido por Hebe Maria Mattos e Lìdia Meirelles, em 1999. As entrevistas de
Dona Zeferina e Seu Manoel Seabra, líderes da comunidade, fazem parte do acervo oral
Memórias do Cativeiro [fotos Lídia Meirelles e Isabel Castro].

Primeiros Escritos 11: Memórias do Cativeiro, O número 11 da série Primeiros Escritos do


LABHOI apresenta três textos analíticos produzidos por pesquisadores associados ao
projeto Memória do Cativeiro, com introdução da professora Hebe Maria Mattos. O
primeiro texto é de autoria de Robson Martins, integrante da primeira equipe do projeto, em
1994. Seguem dois artigos baseados nas monografias de final de curso dos dois ex-bolsistas
de iniciação científica do projeto (Pablo Azeredo e Karina Batista).

Teses e Dissertações: O Diálogo dos Tempos, dissertação de mestrado de Karina Baptista,


parcialmente baseada no acervo Memória do Cativeiro.

Sobre Apropriações e Circularidades: memória do cativeiro e política cultural na era


Vargas, texto redigido por Hebe Maria Mattos em conjunto com Ângela Maria de Castro
Gomes, publicado em História Oral. São Paulo: , v.1, n.1S, p.121 - 144, 1998.

Coordenadora: Hebe Maria Mattos

Equipe:

Karina Cunha Baptista

Pablo Machado Azeredo


Maria Angélica Pinheiro de Oliveira

Memória do cativeiro (1888-1940) - Acervo Rio de Janeiro

SUMÁRIO

Entrevistado: Joaquim Elias (Sr. Julião)

Fita I

Lado A:

Memória do cativeiro dos avós e pais. Histórias das feitiçarias africanas.


Trajetória de vida do entrevistado. Trajetória de vida do pai.
Escolaridade. Trabalho na lavoura e sistema de trabalho. Trajetória dos
irmãos. Fala da infância. Volta a falar da escravidão: maus tratos e
libertação. Fala da Princesa Isabel e Getúlio Vargas. Fala do pós-
escravidão. Racismo. Fala dos filhos. No fim da entrevista a mulher do
Sr.Joaquim Elias (Sr. Julião), D. Eugênia, fala um pouco mais da
trajetória de vida da família (informações complementares).

Abertura | Projetos | Imagens | História Oral | Primeiros


Escritos
Oficinas da História | Teses e Dissertações | Publicações |
Membros

Primeiros Escritos é uma publicação periódica do Laboratório de


História Oral e Imagem que tem como proposta fundamental
compartilhar idéias, divulgar textos, ainda em sua versão inicial e
apresentar trabalhos daqueles que conosco compartilham, de forma a
disseminar o máximo possível o que pensamos.

Novos artigos

Os números 10, 11 e 12 dos Primeiros Escritos divulgam a produção acadêmica


de pesquisadores e bolsistas de iniciação científica (CNPq) ligados ao LABHOI.
Os textos agora publicados apresentam contribuições originais do ponto de vista
metodológico, em especial no que se refere ao uso de fontes de memórias -
escritas [Primeiro Escritos n. 10, utilizando fontes epistolares], orais [Primeiros
Escritos n. 11, trabalhando o acervo oral Memória do Cativeiro] ou áudio-visuais
[Primeiros Escritos n.12, com textos que discutem a associação entre história oral
e imagem, incluindo, vídeo e história]. São representativos, também, dos
resultados recentes desenvolvidos por nossas linhas de pesquisa - história,
memória e cidade [número 12 - O Incêndio do Gran Circus Americanos, com
apresentação de Paulo Knauss]; história, memória e escravidão [número 11-
Memórias do Cativeiro, com apresentação de Hebe Maria Mattos]; história,
memória e cultura política [número 10, de Luigi Bonafé, orientando de iniciação
científica em projeto desenvolvido por Ângela Maria de Castro Gomes].

" A lenta e progressiva consolidação da República, por outro lado, acompanha


uma reflexão coletiva de alguns monarquistas, e isto os faz enxergar a
impossibilidade de retorno à Monarquia. Paralelo a esse movimento está um
outro, indissociável, e de reconhecimento mútuo: Nabuco e Rio Branco (este
antes do que aquele) aceitam a República à medida que vão sendo partícipes
reconhecidos e aclamados da sua consolidação.."

Luigi Bonafé A República e a Diplomacia


Pablo Azeredo volta sua análise para os arquivos de história oral do LABHOI no
acervo "Memória do Cativeiro".

"Interessa-me, sobretudo, ver de que forma as visões sobre o comportamento


senhorial no trato com os antepassados daquelas pessoas [descendentes de ex-
escravos] podem nos permitir entender um pouco mais sobre as formas de
dominação e exploração naquelas sociedades, então inseridas num universo rural
de tradição escravista secular, bem como um pouco do exercício da autonomia
nos meandros de uma sociedade paternalista".

Tradição Oral e Memória do Cativeiro

(Em Adobe Acrobat)

Os arquivos disponíveis para download nesta seção estão em formato


PDF. Para lê-los é necessário o software Adobe Acrobat Reader (versão
3.0 ou superior).