Você está na página 1de 54

Aula 03

Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos p/ TRE-SP (Todos os Cargos) - Com


videoaulas

Professores: Alfredo Alcure Neto, Herbert Almeida

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

AULA 3: Improbidade administrativa

Sumário

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA .................................................................................................................... 2


NOÇÕES GERAIS E PREVISÃO CONSTITUCIONAL ............................................................................................................... 2
ESPÉCIES DE ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA ................................................................................................... 13
SANÇÕES CABÍVEIS ................................................................................................................................................. 21
DECLARAÇÃO DE BENS E VALORES ............................................................................................................................. 24
REPRESENTAÇÃO ................................................................................................................................................... 25
AÇÃO DE IMPROBIDADE .......................................................................................................................................... 25
COMPETÊNCIA ...................................................................................................................................................... 28
PRESCRIÇÃO ......................................................................................................................................................... 29
QUESTÕES FCC ................................................................................................................................................36
QUESTÕES COMENTADAS NA AULA ................................................................................................................46
GABARITO.......................................................................................................................................................53
REFERÊNCIAS ..................................................................................................................................................53

Olá pessoal, tudo bem?


Na aula de hoje, vamos estudar o seguinte item do edital: “Lei de
Improbidade Administrativa (Lei nº 8.429/1992 e alterações
posteriores).”.
Vamos lá?
Aos estudos, aproveitem!

30482603828

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Noções gerais e previsão constitucional

A Constituição Federal deu importância relevante à moralidade


administrativa, incluindo-a como princípio constitucional previsto no art. 37,
caput, do Texto Maior. Com efeito, a exigência de uma atuação moral se
relaciona com o dever de probidade, ética e honestidade da Administração
Pública.
Nesse sentido, a Constituição da República se referiu à improbidade
administrativa como forma de violação à moralidade administrativa,
incluindo diversos dispositivos sobre o tema. No art. 15, V, a improbidade
administrativa é tratada como forma de suspensão dos direitos políticos:
Art. 15. É vedada a cassação de direitos políticos, cuja perda ou suspensão
só se dará nos casos de:
V - improbidade administrativa, nos termos do art. 37, § 4º.

O art. 85, V, dispõe que são crimes de responsabilidade os atos do


Presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e,
especialmente, contra a probidade na administração; enquanto o art. 14,
§9º, trata a proteção da probidade administrativa como um dos parâmetros
para definição dos casos de inelegibilidade.
Todavia, o dispositivo de importância maior é o §4º do art. 37 da
Constituição, que estabelece a base para a responsabilização dos atos de
improbidade administrativa:
§ 4º - Os atos de improbidade administrativa importarão a suspensão
dos direitos políticos, a perda da função pública, a indisponibilidade dos
bens e o ressarcimento ao erário, na forma e gradação previstas em lei,
sem prejuízo da ação penal cabível.
30482603828

Uma vez que se insere no texto constitucional, essa norma alcança a


administração pública direta e indireta, de qualquer dos Poderes, de todos
entes da Federação. Por conseguinte, foi editada a Lei 8.429/1992, norma
de caráter nacional, alcançando, portanto, todos os entes da Federação
(União, estados, Distrito Federal e municípios).
Nesse contexto, a Lei 8.429/1992 (Lei de Improbidade
Administrativa) define os sujeitos ativo e passivo do ato de improbidade
(arts. 1º ao 3º); o próprio ato de improbidade, ainda que não o faça de
maneira tão clara (arts. 9ª ao 11º); as sanções cabíveis (art. 12); e as

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
normas da ação judicial em decorrência da prática do ato de improbidade
(art. 17).
Com efeito, apesar de mencionarmos a relação entre a probidade
administrativa e a moralidade, os casos considerados como atos de
improbidade administrativa são muito mais amplos. Segundo Maria Sylvia
Zanella Di Pietro,
Comparando a moralidade com a probidade, pode-se afirmar que, como
princípios, significam praticamente a mesma coisa, embora algumas leis
façam referência às duas separadamente [...].
No entanto, quando se fala em improbidade como ato ilícito, como infração
sancionada pelo ordenamento jurídico, deixa de haver sinonímia entre as
expressões improbidade e imoralidade, porque aquela tem um sentido
muito mais amplo e muito mais preciso, que abrange não só atos
desonestos ou imorais, mas também e principalmente ilegais.

Portanto, a improbidade envolve não somente os atos imorais e


desonestos, mas também os atos ilegais em sentido estrito, ou seja,
aqueles que confrontam leis, regulamentos ou outros atos normativos.
Dessa forma, a Lei de Improbidade Administrativa (LIA) estabeleceu
inúmeras hipóteses de atos de improbidade, sendo que a violação à
moralidade administrativa é apenas uma delas. Nesse contexto, a Lei
8.429/1992 estabeleceu três tipos de atos considerados como de
improbidade administrativa: (a) os que importam enriquecimento ilícito
(art. 9º); (b) os que causam prejuízo ao erário (art. 10); (c) os que
atentam contra os princípios da Administração Pública (art. 11).
A partir daí, vamos começar a analisar todos os aspectos da Lei
8.429/19921.

Sujeito passivo do ato de improbidade


30482603828

Os sujeitos passivos dos atos de improbidade administrativa são todas


as entidades que podem ser atingidas por atos dessa natureza, ou seja, são
as entidades contra as quais os atos de improbidade administrativa podem
ser praticados.

1
N L
um artigo, sem especificar a lei, considere que estamos falando da Lei 8.429/1992 (Lei de Improbidade
Administrativa).

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

De acordo com o art. 1º da Lei 8.429/1992, os atos de


improbidade administrativa podem ser praticados contra
(sujeitos passivos):
a) a administração direta, indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes da
União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, de Território;
b) empresa incorporada ao patrimônio público ou de entidade para cuja criação
ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com mais de cinquenta por
cento do patrimônio ou da receita anual;
c) entidade que receba subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, de
órgão público bem como daquelas para cuja criação ou custeio o erário haja
concorrido ou concorra com menos de cinquenta por cento do patrimônio ou
da receita anual, limitando-se, nestes casos, a sanção patrimonial à repercussão
do ilícito sobre a contribuição dos cofres públicos.

Portanto, os sujeitos passivos abrangem todas as pessoas políticas


(União, estados, Distrito Federal e municípios); os órgãos dos três Poderes
(incluindo o Tribunal de Contas e o Ministério Público); as administrações
direta e indireta (autarquias, fundações públicas, empresas públicas e
sociedades de economia mista); as empresas que, mesmo não pertencendo
ao Poder Público, estão sob controle deste – no caso em que o erário
concorreu com mais de 50% do patrimônio ou da receita anual2 –; entidades
que não pertencem à Administração Pública, mas que recebam algum tipo
de subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público,
ou então aquelas em cuja criação ou custeio o erário haja concorrido com
menos de cinquenta por cento do patrimônio ou da receita anual, nos
quais a sanção patrimonial limitar-se-á à repercussão do ilícito sobre a
30482603828

contribuição dos cofres públicos.


Apenas esclarecendo um pouco mais, no último tipo de sujeito passivo
dos atos de improbidade administrativa mencionado acima, estão as
entidades privadas em relação às quais o Estado exerce a função de
fomento, concedendo algum tipo de subsídio, benefício ou incentivo ou que
ainda tenha contribuído com a criação ou custeio, com menos de 50%.
Podemos mencionar como exemplos os serviços sociais autônomos (Sesi,
Senai, Sesc, etc.), as organizações sociais, as organizações da sociedade
civil de interesse público e qualquer outro tipo de entidade criada ou

2
Segundo a Pro. Maria Di Pietro, trata- D
Pietro, 2014, p. 910).

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
mantida com recursos públicos3. Nesse caso, a Lei limita a sanção
patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres
públicos. Aquilo que exceder às contribuições do erário, deverá ser
pleiteado por outra via que não a ação de improbidade.

Sujeito ativo do ato de improbidade

O sujeito ativo é representado pelas pessoas que podem praticar os


atos de improbidade administrativa e, por consequência, sofrer as devidas
sanções previstas na Lei 8.429/1992. Nesse contexto, existem dois tipos de
sujeitos ativos dos atos de improbidade:

a) os agentes públicos (art. 2º);


b) os terceiros que, mesmo não sendo agentes públicos, induzam ou
concorram para a prática do ato de improbidade administrativa ou
dele se beneficiem sob qualquer forma direta ou indireta (art. 3º).

Em primeiro lugar, devemos destacar que a Lei de Improbidade


Administrativa permite a aplicação de sanções a pessoas que não sejam
agentes públicos. No entanto, não é possível que o terceiro atue
isoladamente. Em outras palavras, uma pessoa que não seja agente público
somente cometerá atos de improbidade administrativa quando se observar
alguma relação com agentes públicos. Nesse caso, a Lei 8.429/1992
apresenta três tipos de relação: (a) quando a pessoa induz um agente a
praticar ato de improbidade administrativa; (b) quando pratica o ato
juntamente com o agente público, ou seja, quando concorre para o ato; e
(c) quando a pessoa se beneficia de um ato de improbidade praticado por
um agente público.
30482603828

Em regra, a Lei de Improbidade busca sancionar


as condutas praticadas por pessoas físicas.
Contudo, a despeito da divergência doutrinária
sobre o tema, o STJ admite que pessoas jurídicas sejam
responsabilizadas, desde que tenham se beneficiado ou participado dos
atos de improbidade administrativa (REsp 1.122.177/MT).
Com efeito, as pessoas jurídicas podem responder em ação de
improbidade, ainda que desacompanhadas de seus sócios, ou seja, uma

3
Di Pietro, 2014, p. 910-911.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
empresa pode ser ré da ação de improbidade, mesmo que seus sócios não
figurem no polo passivo dessa demanda (REsp 970.393/CE).
Entretanto, a pessoa jurídica não se submete, por incompatibilidade com
a sua natureza, às sanções de perda da função pública e de suspensão
dos direitos políticos. Por outro lado, as empresas poderão sofrer as
sanções de ressarcimento integral do dano, perda dos bens ou valores
acrescidos ilicitamente ao patrimônio, pagamento de multa civil e
proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou
incentivos fiscais ou creditícios, nos termos e limites do art. 12 da LIA
(REsp 1.038.762/RJ).
Em resumo, os terceiros, para fins da Lei de Improbidade, podem ser
pessoas físicas ou jurídicas.

Por outro lado, o conceito de agente público da Lei 8.429/1992 é


amplo, abrangendo todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou
sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou
qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego
ou função nas entidades mencionadas que podem ser enquadrados como
sujeito passivo dos atos de improbidade administrativa (art. 2º).

transitoriamente ou sem remuneração

Agentes públicos (em


por eleição, nomeção, designação, contratação ou
sentido amplo), ainda
qualquer forma de investidura ou vínculo
que:

mandato, cargo, emprego ou função


Sujeitos ativos do
ato de improbidade
administrativa
Induzam
30482603828

Terceiros que: Concorram

Beneficiem-se

Apesar da abrangência do conceito de agente público, há muita


discussão em relação à aplicação das sanções por improbidade
administrativa aos agentes políticos que respondem por crime de
responsabilidade (Presidente da República; Ministros de Estado;
Procurador-Geral da República; Ministros do STF; Governadores;
Secretários de Estado).

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Isso porque o Supremo Tribunal Federal, em decisão proferida na
Reclamação 2.138/DF (decisão em 13/6/2007), declarou que os agentes
políticos passíveis de responder por crime de responsabilidade, na
forma prevista no art. 102, I, “c”, da Constituição Federal, e na Lei
1.079/1950, não se sujeitam às disposições da Lei 8.429/19924. O caso
tratava especificamente da responsabilidade de um Ministro de Estado.
Hoje, no entanto, há uma forte tendência de superação desse
entendimento, uma vez que o STF já deu várias decisões indicando a
possibilidade de alcançar os agentes políticos que respondem por crime de
responsabilidade.
No âmbito do Superior Tribunal de Justiça, por outro lado, costuma-
se aceitar a aplicação conjunta da responsabilização prevista na Lei
8.429/1992 e da Lei 1.079/1950, ressalvando-se o Presidente da
República, que somente responderia por crime de responsabilidade, ou
seja, um agente político poderia responder simultaneamente por crime de
responsabilidade e por improbidade administrativa, salvo o Presidente da
República.
Portanto, podemos traçar o seguinte panorama sobre o alcance da Lei
de Improbidade Administrativa de acordo com o STF e o STJ, ainda que não
tenha ocorrida a discussão em relação a todos os casos possíveis:

Para o STJ
 a Lei de Improbidade alcança os agentes políticos municipais5,
tais como prefeitos, ex-prefeitos e vereadores6.
30482603828

Assim, um Prefeito poderia responder por crime de responsabilidade,


na forma do Decreto-Lei 201/67, e também por improbidade
administrativa, nos termos da Lei 8.429/1992.
 os agentes políticos são alcançados pela Lei de Improbidade,
mesmo que respondam por crime de responsabilidade, com exceção
apenas do Presidente da República (Reclamação 2.790/SC).

4
Informativo 471 do STF; veja também a Rcl 2.138/DF.
5
REsp 1119143/MG.
6
AgRg no REsp 1158623/RJ.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 7 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

Nessa linha, o Superior Tribunal de Justiça, na Reclamação


2.790/SC, admitiu a possibilidade de governador de estado (agente
político) responder por ato de improbidade administrativa7.
 a Lei 8.429/1992 aplica-se aos membros dos Tribunais de
Contas8.
 segundo o STJ, as disposições da Lei 8.429/1992 alcançam os
magistrados, inclusive no exercício da função judicante.
Nesse sentido, vejamos o trecho do precedente do Superior Tribunal de
Justiça constante no REsp 1.127.182/RN:
1. Sejam considerados agentes comuns, sejam considerados agentes
políticos, a Lei n. 8.429/92 é plenamente incidente em face de
magistrados por atos alegadamente ímprobos que tenham sido
cometidos em razão do exercício de seu mister legal.
[...]
3. Em segundo lugar porque, admitindo tratar-se de agentes não
políticos, o conceito de "agente público" previsto no art. 2º da Lei n.
8.429/92 é amplo o suficiente para albergar os magistrados,
especialmente, se, no exercício da função judicante, eles praticarem
condutas enquadráveis, em tese, pelos arts. 9º, 10 e 11 daquele diploma
normativo.
4. Despiciendo, portanto, adentrar, aqui, longa controvérsia doutrinária
e jurisprudencial acerca do enquadramento de juízes como agentes
políticos, pois, na espécie, esta discussão demonstra-se irrelevante.
(REsp 1127182/RN, Rel. Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES,
SEGUNDA TURMA, julgado em 28/09/2010, DJe 15/10/2010) (grifos
nossos)

Em resumo, o STJ defende uma incidência bem ampla da aplicação


do regime da Lei de Improbidade Administrativa, excepcionando
apenas o Presidente da República.

Para o STF 30482603828

 O STF já decidiu que os agentes políticos passíveis de responder


por crime de responsabilidade (Presidente da República;
Ministros de Estado; Procurador-Geral da República; Ministros do
STF; Governadores; Secretários de Estado) não respondem por
improbidade administrativa – caso tratava especificamente de um
Ministro de Estado.

7
Rlc 2.790/SC.
8
QO na AIA 27/DF.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 8 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

No entanto, dificilmente esse tema deverá aparecer em prova, uma


vez que foi aplicado em um caso de 2007, sendo que há fortes indícios de
que o STF superou este entendimento. Com efeito, algumas decisões
do STF são conflitantes com tal decisão. Vejamos alguns casos:
 O STF já decidiu, em 2008, que os ministros do próprio STF
respondem por improbidade administrativa perante o próprio
Supremo Tribunal Federal (Pet 3.211/DF QO).
Nesse último caso, o tema central da discussão seria o foro
competente para processar ação de improbidade proposta contra Ministro
do STF. Contudo, ao decidir o tema, podemos dizer que houve uma
contradição em relação à decisão sobre agentes políticos que vimos
acima. Afinal, os ministros do STF, como agentes políticos passíveis de
responder por crime de responsabilidade, não poderiam ser
responsabilizados por improbidade administrativa. Porém, ao dizer que os
seus ministros respondem por improbidade perante o próprio STF,
considerou-se a possibilidade de eles virem a ser responsabilizados no
âmbito da Lei 8.429/1992.
 No AI 809.338-AgR (de 29/10/2013), o STF expressamente informou
que “A ação de improbidade administrativa, com fundamento na Lei
nº 8.429/92, também pode ser ajuizada em face de agentes
políticos”.
 No AC 3.585-AgR (julgado em 2/9/2014), o STF expressamente
permitiu a dupla sujeição de governador de estado ao regime de
crime de responsabilidade e de improbidade administrativa, quando
o mandato ainda estiver em andamento. Ao término do mandato,
pela natureza da sanção, deixaria de ocorrer a responsabilização por
crime de responsabilidade, mas persistiria a ação de improbidade.
30482603828

Nessa linha, dispôs o Supremo que existe um “Regime de plena


responsabilidade dos agentes estatais, inclusive dos agentes
políticos, como expressão necessária do primado da ideia
republicana”.
No julgamento do AC 3.585-AgR, o STF ressaltou que a decisão
exarada no Reclamação 2.138/DF não era vinculante, aplicando-se
unicamente às partes. Com efeito, lembra-se que a Reclamação 2.138/DF
teve a finalidade de afastar a responsabilidade de um ministro de
estado. Portanto, as demais autoridades podem ser responsabilizadas,
sem qualquer problema. Porém, se a questão tratar de um ministro de

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 9 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

estado, aí podemos entender que o avaliador deseja saber o antigo


entendimento do STF, afastando a responsabilização por improbidade.

Portanto, podemos entender que a linha atual é de excluir apenas o


Presidente da República da responsabilização por improbidade, conforme
decisão do STJ (Reclamação 2.790/SC), e eventualmente os ministros de
estado, conforme decisão do STF (Reclamação 2.138/DF). No mais, todos
os agentes públicos podem responder por improbidade, sejam políticos ou
não, conforme entendimentos mais recentes do STF e do STJ.

Natureza da ação de improbidade administrativa e cumulação de instâncias

De acordo com o art. 37, §4º da Constituição Federal, os atos de


improbidade administrativa importarão: (a) a suspensão dos direitos
políticos; (b) a perda da função pública; (c) a indisponibilidade dos bens; e
(d) o ressarcimento ao erário, “sem prejuízo da ação penal cabível”.
Adicionalmente, a Lei 8.429/1992 apresentou outras penalidades, que
serão discutidas a seguir.
Portanto, a natureza da ação não é penal. Claro que se a conduta for
tipificada como crime, não haverá prejuízo de interpor ação própria
buscando a aplicação das sanções penais. Nesse caso, teremos duas ações
distintas, uma de improbidade administrativa e outra de natureza penal.
Nesse contexto, devemos destacar que existem três esferas
independentes: penal, civil e administrativa. Essas esferas são, em
regra, independentes, ou seja, é possível que uma pessoa seja absolvida
em uma, e não na outra. Também é possível que alguém seja sancionado
nas três esferas, ou em apenas duas.
30482603828

A regra é a independência das instâncias penal, civil e


administrativa, motivo pelo qual uma pessoa poderá
sofrer ações nas três esferas. Todavia, a ação penal, que
possui um procedimento mais solene, poderá interferir nas demais instâncias da
seguinte forma9:
a) a condenação criminal, invariavelmente, acarreta a condenação nas esferas civil
e administrativa;

9
Alexandrino e Paulo, 2011, p. 898-899.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 10 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
b) a absolvição na esfera penal estende-se às outras instâncias exclusivamente
quando fundada na inexistência do fato ou na ausência de autoria.

Assim, um agente público poderá, na mesma conduta, cometer um


crime previsto no Código Penal (esfera penal); ser responsabilizado
civilmente pelo dano causado ao erário (esfera civil); e ser punido com pena
de demissão do serviço público (esfera administrativa).
Quanto à natureza da ação de improbidade, alguns doutrinadores a
consideram como de natureza civil. Todavia, a Prof. Maria Sylvia Zanella
Di Pietro ensina que o ato de improbidade administrativa caracteriza um
ilícito de natureza civil e política, uma vez que pode implicar a suspensão
dos direitos políticos, a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao
erário.
De forma mais ampla, Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo consideram
que as penalidades previstas na Lei 8.429/1992 possuem natureza:
a) administrativa: perda da função pública, proibição de contratar
com o Poder Público, proibição de receber do Poder Público
benefícios fiscais ou creditícios;
b) civil: ressarcimento ao erário, perda dos bens e valores acrescidos
ilicitamente ao patrimônio, multa civil; e
c) política: suspensão dos direitos políticos.
Independentemente do que se considera por “natureza”, o fato é que
os atos de improbidade administrativa não geram sanções penais, sendo
necessário, para tanto, a interposição de ação própria.

30482603828

1. (Cespe - Proc/TC DF/2013) O ato de improbidade, que, em si, não constitui


crime, caracteriza-se como um ilícito de natureza civil e política.
Comentário: o art. 37, §4º, da LIA determina que as penalidades decorrentes
dos atos de improbidade administrativa devem ser aplicadas “sem prejuízo da
ação penal cabível”. Portanto, a ação e suas penalidades não possuem
natureza penal.
De acordo com Maria Di Pietro, o ato de improbidade administrativa
caracteriza um ilícito de natureza civil e política, uma vez que pode implicar a

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 11 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
suspensão dos direitos políticos, a indisponibilidade dos bens e o
ressarcimento ao erário. Dessa forma, o item está correto.
Gabarito: correto.

2. (Cespe - ATA/MIN/2013) Os agentes políticos cujos atos puderem configurar


crimes de responsabilidade não se submetem ao regime da Lei de Improbidade
Administrativa.
Comentário: o conceito de agente público da Lei 8.429/1992 é amplo,
abrangendo todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem
remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer
outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função
nas entidades alcançadas pela Lei.
Todavia, o STF, na Reclamação 2.138/DF, declarou que os agentes políticos
passíveis de responder por crime de responsabilidade, na forma prevista no
art. 102, I, “c”, da Constituição Federal, e na Lei 1.079/1950, não se sujeitam
às disposições da Lei 8.429/1992.
Assim, em linhas gerais, podemos considerar a assertiva correta.
Gabarito: correto.

3. (Cespe - AnaTA/MJ/2013) Um ato de improbidade administrativa praticado por


servidor público não pode ser simultaneamente enquadrado como um ilícito
administrativo, o que exime a autoridade competente de instaurar qualquer
procedimento para apuração de responsabilidade de natureza disciplinar.
Comentário: as instâncias são independentes. Logo, um ato de improbidade
administrativa também poderá ser enquadrado nas esferas administrativa e
penal. Por exemplo, um servidor público federal que dispensar ou inexigir
licitação fora das hipóteses previstas em lei poderá ser responsabilizado na
esfera penal (Lei 8.666/1993, art. 89); na esfera administrativa (Lei 8.112/1990,
30482603828

art. 132, I e IV); e por ato de improbidade administrativa – esfera civil (Lei
8.429/1992, art. 10, VIII).
Logo, o servidor público poderá ser enquadrado simultaneamente pelo ilícito
administrativo.
Gabarito: errado.

4. (Cespe - AnaTA/MJ/2013) A Lei de Improbidade Administrativa é aplicável a


qualquer agente público que seja servidor estatutário vinculado às pessoas jurídicas
de direito público, não abrangendo os empregados públicos vinculados à
administração indireta.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 12 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Comentário: a Lei 8.429/1992 abrangem todas as pessoas políticas (União,
estados, Distrito Federal e municípios); os órgãos dos três Poderes (incluindo
o Tribunal de Contas e o Ministério Público); as administrações direta e
indireta (autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de
economia mista); as empresas que, mesmo não pertencendo ao Poder
Público, estão sob controle deste – no caso em que o erário concorreu com
mais de 50% do patrimônio ou da receita anual –; entidades que não
pertencem à Administração Pública, mas que recebam algum tipo de
subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público, ou
então aquelas em cuja criação ou custeio o erário haja concorrido com menos
de cinquenta por cento do patrimônio ou da receita anual, nos quais a sanção
patrimonial limitar-se-á à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos
cofres públicos.
Com efeito, o art. 2º estabelece o seguinte:
Art. 2° Reputa-se agente público, para os efeitos desta lei, todo aquele
que exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por
eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de
investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nas
entidades mencionadas no artigo anterior.
Dessa forma, o conceito é amplo, abrangendo quase todos os tipos de agentes
públicos. A Lei também abrange toda a administração direta e indireta, as
entidades controladas e aquelas que recebam recursos para fomento.
Gabarito: errado.

Espécies de atos de improbidade administrativa

A Lei 8.429/1992 classifica os atos de improbidade administrativa em


três grandes grupos.
30482603828

Os arts. 9º, 10 e 11 estabelecem os grupos de


atos de improbidade, dividindo-os em atos
que:
a) importam enriquecimento ilícito (art. 9º);
b) causam prejuízo ao erário (art. 10);
c) atentam contra os princípios da Administração Pública (art. 11).

A partir do enquadramento do ato em um desses grupos, serão


aplicadas as penalidades previstas no art. 12 da Lei. Nesse caso, há uma
verdadeira hierarquia das sanções, sendo que as penalidades mais

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 13 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
rigorosas se aplicam aos atos que importam enriquecimento ilícito, e as
penas mais brandas aos que atentam contra os princípios da Administração
Pública.
Além disso, a Lei estabelece, para cada um desses grupos, uma rápida
definição e, em seguida, lista alguns exemplos de atos que neles poderiam
ser enquadrados. Nesse contexto, após a definição, em cada um dos
artigos, consta a expressão “e notadamente”. Dessa forma, podemos
perceber que o rol de condutas previstas em cada um dos artigos que
estabelecem os atos de improbidade administrativa é apenas
exemplificativo, podendo existir casos que não constem expressamente
nesses dispositivos, mas igualmente possam ser considerados como
improbidades.
Agora, vamos analisar as condutas enquadráveis em cada um desses
grupos.

Atos que importam enriquecimento ilícito

De acordo com o art. 9º da Lei 8.429/1992, constitui ato de


improbidade administrativa importando enriquecimento ilícito “auferir
qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do exercício
de cargo, mandato, função, emprego ou atividade nas entidades”
abrangidas pela Lei e, notadamente:
I - receber, para si ou para outrem, dinheiro, bem móvel ou imóvel, ou qualquer
outra vantagem econômica, direta ou indireta, a título de comissão, percentagem,
gratificação ou presente de quem tenha interesse, direto ou indireto, que possa ser
atingido ou amparado por ação ou omissão decorrente das atribuições do agente
público; 30482603828

II - perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para facilitar a aquisição,


permuta ou locação de bem móvel ou imóvel, ou a contratação de serviços pelas
entidades referidas no art. 1° por preço superior ao valor de mercado;
III - perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para facilitar a alienação,
permuta ou locação de bem público ou o fornecimento de serviço por ente estatal
por preço inferior ao valor de mercado;
IV - utilizar, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas, equipamentos ou
material de qualquer natureza, de propriedade ou à disposição de qualquer das

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 14 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
entidades mencionadas no art. 1° desta lei, bem como o trabalho de servidores
públicos, empregados ou terceiros contratados por essas entidades;
V - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou indireta, para
tolerar a exploração ou a prática de jogos de azar, de lenocínio, de narcotráfico, de
contrabando, de usura ou de qualquer outra atividade ilícita, ou aceitar promessa de
tal vantagem;
VI - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou indireta, para
fazer declaração falsa sobre medição ou avaliação em obras públicas ou qualquer
outro serviço, ou sobre quantidade, peso, medida, qualidade ou característica de
mercadorias ou bens fornecidos a qualquer das entidades mencionadas no art. 1º
desta lei;
VII - adquirir, para si ou para outrem, no exercício de mandato, cargo, emprego ou
função pública, bens de qualquer natureza cujo valor seja desproporcional à
evolução do patrimônio ou à renda do agente público;
VIII - aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de consultoria ou
assessoramento para pessoa física ou jurídica que tenha interesse suscetível de ser
atingido ou amparado por ação ou omissão decorrente das atribuições do agente
público, durante a atividade;
IX - perceber vantagem econômica para intermediar a liberação ou aplicação de
verba pública de qualquer natureza;
X - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou indiretamente,
para omitir ato de ofício, providência ou declaração a que esteja obrigado;
XI - incorporar, por qualquer forma, ao seu patrimônio bens, rendas, verbas ou
valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1°
30482603828

desta lei;
XII - usar, em proveito próprio, bens, rendas, verbas ou valores integrantes do
acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1° desta lei.

Essas são as condutas mais graves e, por conseguinte, receberão as


penalidades mais gravosas.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 15 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Atos que causam lesão ao erário

Consoante o art. 10 da LIA, constitui ato de improbidade administrativa


que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou
culposa, que enseje perda patrimonial, desvio, apropriação,
malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres das entidades
abrangidas pela Lei, e notadamente:
I - facilitar ou concorrer por qualquer forma para a incorporação ao patrimônio
particular, de pessoa física ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou valores
integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1º desta lei;
II - permitir ou concorrer para que pessoa física ou jurídica privada utilize bens,
rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades
mencionadas no art. 1º desta lei, sem a observância das formalidades legais ou
regulamentares aplicáveis à espécie;
III - doar à pessoa física ou jurídica bem como ao ente despersonalizado, ainda que
de fins educativos ou assistências, bens, rendas, verbas ou valores do patrimônio
de qualquer das entidades mencionadas no art. 1º desta lei, sem observância das
formalidades legais e regulamentares aplicáveis à espécie;
IV - permitir ou facilitar a alienação, permuta ou locação de bem integrante do
patrimônio de qualquer das entidades referidas no art. 1º desta lei, ou ainda a
prestação de serviço por parte delas, por preço inferior ao de mercado;
V - permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou locação de bem ou serviço por preço
superior ao de mercado;
VI - realizar operação financeira sem observância das normas legais e
regulamentares ou aceitar garantia insuficiente ou inidônea;
30482603828

VII - conceder benefício administrativo ou fiscal sem a observância das


formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie;
VIII - frustrar a licitude de processo licitatório ou de processo seletivo para
celebração de parcerias com entidades sem fins lucrativos, ou dispensá-lo
indevidamente;
IX - ordenar ou permitir a realização de despesas não autorizadas em lei ou
regulamento;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 16 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
X - agir negligentemente na arrecadação de tributo ou renda, bem como no que diz
respeito à conservação do patrimônio público;
XI - liberar verba pública sem a estrita observância das normas pertinentes ou influir
de qualquer forma para a sua aplicação irregular;
XII - permitir, facilitar ou concorrer para que terceiro se enriqueça ilicitamente;
XIII - permitir que se utilize, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas,
equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou à disposição de
qualquer das entidades mencionadas no art. 1° desta lei, bem como o trabalho de
servidor público, empregados ou terceiros contratados por essas entidades.
XIV celebrar contrato ou outro instrumento que tenha por objeto a prestação de
serviços públicos por meio da gestão associada sem observar as formalidades
previstas na lei;
XV celebrar contrato de rateio de consórcio público sem suficiente e prévia
dotação orçamentária, ou sem observar as formalidades previstas na lei;
XVI - facilitar ou concorrer, por qualquer forma, para a incorporação, ao patrimônio
particular de pessoa física ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou valores públicos
transferidos pela administração pública a entidades privadas mediante celebração
de parcerias, sem a observância das formalidades legais ou regulamentares
aplicáveis à espécie;
XVII - permitir ou concorrer para que pessoa física ou jurídica privada utilize bens,
rendas, verbas ou valores públicos transferidos pela administração pública a
entidade privada mediante celebração de parcerias, sem a observância das
formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie;
30482603828

XVIII - celebrar parcerias da administração pública com entidades privadas sem a


observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie;
XIX - agir negligentemente na celebração, fiscalização e análise das prestações de
contas de parcerias firmadas pela administração pública com entidades privadas;
XX - liberar recursos de parcerias firmadas pela administração pública com entidades
privadas sem a estrita observância das normas pertinentes ou influir de qualquer
forma para a sua aplicação irregular.

Esses são os casos intermediários, que geram penas de nível médio,


conforme escalonamento prevista na Lei de Improbidade Administrativa.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 17 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Com efeito, o art. 10 foi claro em mencionar que este grupo alcança
qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa. A doutrina e a
jurisprudência consideram que é necessário demonstrar a existência do
elemento subjetivo do ato, ou seja, o dolo ou a culpa. O dolo ocorre
quando o agente possui a intenção de praticar a conduta prevista na lei;
por outro lado, a culpa ocorre quando ele atua com negligência,
imprudência ou imperícia.
No caso dos atos de improbidade administrativa, só se admite conduta
culposa naqueles que causam lesão ao erário; enquanto, nos outros casos
(os que importam enriquecimento ilícito e os que atentam contra os
princípios da Administração Pública) só admitem conduta dolosa. O dolo, no
entanto, conforme entendimento do STJ, não precisa ter finalidade
específica (dolo específico), basta o dolo genérico10.
Nesse sentido, vale transcrever o trecho da ementa do REsp
805.080/SP, que mostra-se bastante esclarecedor11:
7. A configuração de qualquer ato de improbidade administrativa exige a
presença do elemento subjetivo na conduta do agente público, pois não é
admitida a responsabilidade objetiva em face do atual sistema jurídico
brasileiro, principalmente considerando a gravidade das sanções contidas
na Lei de Improbidade Administrativa. Portanto, é indispensável a presença
de conduta dolosa ou culposa do agente público ao praticar o ato de
improbidade administrativa, especialmente pelo tipo previsto no art. 11 da
Lei 8.429/92, especificamente por lesão aos princípios da Administração
Pública, que admite manifesta amplitude em sua aplicação. Por outro lado,
é importante ressaltar que a forma culposa somente é admitida no ato de
improbidade administrativa relacionado à lesão ao erário (art. 10 da LIA),
não sendo aplicável aos demais tipos (arts. 9º e 11 da LIA). (REsp
805080/SP, Rel. Ministra DENISE ARRUDA, PRIMEIRA TURMA, julgado em
23/06/2009, DJe 06/08/2009)

Assim, antes de partirmos para o próximo grupo, vamos apresentar


um pequeno resumo: 30482603828

Tipo de ato de improbidade Elemento subjetivo


Atos que importam enriquecimento ilícito (art. 9º) Dolo
Atos que causam prejuízo ao erário (art. 10) Dolo ou culpa
Atos que atentam contra os princípios da Administração Dolo
Pública (art. 11).

10
REsp 951389/SC.
11
REsp 805.080/SP.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 18 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Atos que atentam contra os princípios da Administração Pública

Constitui ato que atenta contra os princípios da Administração Pública


qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade,
imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente
(art. 11º):
I - praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou diverso daquele
previsto, na regra de competência;
II - retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício;
III - revelar fato ou circunstância de que tem ciência em razão das atribuições e que
deva permanecer em segredo;
IV - negar publicidade aos atos oficiais;
V - frustrar a licitude de concurso público;
VI - deixar de prestar contas quando esteja obrigado a fazê-lo;
VII - revelar ou permitir que chegue ao conhecimento de terceiro, antes da
respectiva divulgação oficial, teor de medida política ou econômica capaz de afetar
o preço de mercadoria, bem ou serviço;
VIII - descumprir as normas relativas à celebração, fiscalização e aprovação de
contas de parcerias firmadas pela administração pública com entidades privadas; e
IX - deixar de cumprir a exigência de requisitos de acessibilidade previstos na
legislação.

Essas são as condutas cuja a Lei impõe as penalidades mais simples,


ou seja, são consideradas menos gravosas.30482603828

Devemos notar que frustrar a licitude de procedimento licitatório ou


dispensá-la indevidamente enquadra-se como ato que causa lesão ao
erário, enquanto frustrar a licitude de concurso público é um ato que
atenta contra os princípios da Administração Pública.
Vamos resolver questões!

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 19 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

5. (Cespe - Adm/MJ/2013) Com relação aos agentes públicos e à improbidade


administrativa, julgue o item que se segue conforme entendimento do Superior
Tribunal de Justiça.
Para a caracterização de ato de improbidade por ofensa a princípios da
administração pública, exige-se a demonstração do dolo lato sensu ou genérico.
Comentário: de acordo com o STJ, para a configuração de improbidade
administrativa censurada nos termos do art. 11 da Lei 8.429/1992 (ato de
improbidade por ofensa a princípios da administração pública), basta a
demonstração do dolo genérico de realizar a conduta. Nesse sentido, vejamos
um trecho da ementa do REsp 951389/SC
2. Conforme já decidido pela Segunda Turma do STJ (REsp 765.212/AC),
o elemento subjetivo, necessário à configuração de improbidade
administrativa censurada nos termos do art. 11 da Lei 8.429/1992, é o
dolo genérico de realizar conduta que atente contra os princípios da
Administração Pública, não se exigindo a presença de dolo específico.
Logo, o item está correto.
Gabarito: correto.

6. (Cespe - AA/IBAMA/2013) A utilização de cargo público para favorecer


enriquecimento ilícito de amigo ou parente é considerada improbidade
administrativa que causa prejuízo ao erário.
Comentário: constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao
erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda
patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos bens ou
haveres das entidades do Poder Público. Além disso, a Lei 8.429/1992 cita
como exemplo de ato de improbidade dessa natureza: “XII - permitir, facilitar
30482603828

ou concorrer para que terceiro se enriqueça ilicitamente”.


Portanto, o caso descrito na questão: “utilização de cargo público para
favorecer enriquecimento ilícito de amigo ou parente”, enquadra-se nas
hipóteses de atos que causam prejuízo ao erário.
Gabarito: correto.

7. (Cespe - AnaTA/SUFRAMA/2014) Considere que determinada regra exige


licença ambiental para liberação de financiamento de projeto empresarial na cidade
de Manaus. Nesse caso, se um servidor da SUFRAMA autorizar a liberação de

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 20 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
verba da autarquia para financiamento de atividade empresarial cuja licença
ambiental esteja irregular, ele poderá figurar como réu em ação de improbidade.
Comentário: vamos ao conteúdo do art. 10 da LIA:
Art. 10. Constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao
erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda
patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos
bens ou haveres das entidades referidas no art. 1º desta lei, e
notadamente:
[...]
XI - liberar verba pública sem a estrita observância das normas
pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplicação irregular;
Além disso, por ser servidor de autarquia da União, se enquadra no conceito
de agente público da Lei. Portanto, ele poderá figurar como réu em ação de
improbidade.
Gabarito: correto.

Sanções cabíveis

A Constituição Federal apresentou quatro tipos de sanções cabíveis em


decorrência do ato de improbidade administrativa:
a) a suspensão dos direitos políticos;
b) a perda da função pública;
c) a indisponibilidade dos bens; e
d) o ressarcimento ao erário.
Adicionalmente, a Lei 8.429/1992 acrescentou outros dois tipos de
penas: (a) pagamento de multa civil; e (b) proibição de contratar com o
Poder Público ou de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios,
30482603828

direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da


qual seja sócio majoritário.
Essas penas são aplicadas pelo Poder Judiciário, de acordo com a
autonomia que lhe é atribuída12. Nesse sentido, o parágrafo único do art.
12 da LIA dispõe que “na fixação das penas previstas nesta lei o juiz levará
em conta a extensão do dano causado, assim como o proveito patrimonial
obtido pelo agente”.

12
Scatolinho, 2014, p. 739.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 21 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Entretanto, é possível a aplicação de pena de demissão de servidor
público por ato de improbidade administrativa, em processo
administrativo disciplinar, mesmo sem decisão judicial prévia. Nessa
linha, o STJ entendeu, com base na independência das instâncias
administrativa e instância judicial civil e penal, que é possível que servidor
seja demitido, com fundamento no art. 132, IV13, da Lei 8.112/1990,
independentemente de processo judicial prévio. Todavia, para as penas não
previstas no Estatuto do Servidor, será indispensável o processo judicial14.
Após essa exposição, vamos analisar as penas previstas, de acordo
com cada tipo de ato de improbidade praticado.

De acordo com o art. 12 da Lei 8.429/1992,


independentemente das sanções penais, civis e
administrativas previstas na legislação específica, está o
responsável pelo ato de improbidade sujeito às seguintes cominações, que podem
ser aplicadas isolada ou cumulativamente, de acordo com a gravidade do fato:

a) para os atos que importam enriquecimento ilícito:


 perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio;
 ressarcimento integral do dano, quando houver;
 perda da função pública;
 suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos;
 pagamento de multa civil de até três vezes o valor do acréscimo patrimonial;
e
 proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos
fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa
jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de dez anos;
30482603828

b) para os atos que causam prejuízo ao erário:


 ressarcimento integral do dano;
 perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer
esta circunstância;
 perda da função pública;
 suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos;

13
Art. 132. A demissão será aplicada nos seguintes casos: [...] IV - improbidade administrativa;
14
MS 15.054/DF.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 22 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

 pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano; e


 proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos
fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa
jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos;

c) para os atos atentam contra os princípios da Administração Pública:


 ressarcimento integral do dano, se houver;
 perda da função pública;
 suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos;
 pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida
pelo agente; e
 proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos
fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa
jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

As penas de perda da função pública e a suspensão dos direitos


políticos só se efetivam com o trânsito em julgado da sentença
condenatória. Todavia, a autoridade judicial ou administrativa competente
poderá determinar o afastamento do agente público do exercício do cargo,
emprego ou função, sem prejuízo da remuneração, quando a medida se
fizer necessária à instrução processual (art. 20, caput e parágrafo único).
Ademais, o art. 21 determina que a aplicação das sanções previstas na
Lei independe:
a) da efetiva ocorrência de dano ao patrimônio público, salvo quanto à
pena de ressarcimento;
b) da aprovação ou rejeição das contas pelo órgão de controle interno
30482603828

ou pelo Tribunal ou Conselho de Contas.


Com efeito, a Lei impõe que, ocorrendo lesão ao patrimônio público por
ação ou omissão, dolosa ou culposa, do agente ou de terceiro, dar-se-á o
integral ressarcimento do dano (art. 5º). Além disso, no caso de
enriquecimento ilícito, perderá o agente público ou terceiro beneficiário os
bens ou valores acrescidos ao seu patrimônio.
Por fim, o sucessor daquele que causar lesão ao patrimônio público
ou se enriquecer ilicitamente está sujeito às cominações da LIA até o limite
do valor da herança (art. 8º). Portanto, nesses dois casos específicos (lesão

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 23 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
ao patrimônio público ou enriquecimento ilícito), é possível que o sucessor
seja atingido pelas penalidades da Lei de Improbidade Administrativa.

8. (Cespe - TJ/TJDFT/2013) Com base no disposto na Lei n.º 8.429/1992, julgue


o item seguinte.
As penalidades aplicadas ao servidor ou a terceiro que causar lesão ao patrimônio
público são de natureza pessoal, extinguindo-se com a sua morte.
Comentário: de acordo com o art. 8º da Lei 8.429/1992, o sucessor daquele
que causar lesão ao patrimônio público ou se enriquecer ilicitamente está
sujeito às cominações da Lei de Improbidade até o limite do valor da herança.
Portanto, mesmo com a morte do servidor ou do agente que causar lesão ao
patrimônio, é possível que as penalidades alcancem o seu sucessor. Logo, o
item está errado.
Gabarito: errado.

Declaração de bens e valores

O art. 13 da LIA determina que a posse e o exercício de agente público


ficam condicionados à apresentação de declaração dos bens e valores
que compõem o seu patrimônio privado, a fim de ser arquivada no
serviço de pessoal competente.
Quando for o caso, a declaração abrangerá os bens e valores
patrimoniais do cônjuge ou companheiro, dos filhos e de outras pessoas
que vivam sob a dependência econômica do declarante, excluídos apenas
30482603828

os objetos e utensílios de uso doméstico (art. 13. §1º).


Ademais, a declaração de bens deverá ser atualizada: (a) anualmente
e (b) na data em que o agente público deixar o exercício do mandato, cargo,
emprego ou função. A Lei determina ainda que será punido com a pena de
demissão, a bem do serviço público, sem prejuízo de outras sanções
cabíveis, o agente público que se recusar a prestar declaração dos
bens, dentro do prazo determinado, ou que a prestar falsa.
Por fim, é facultado ao declarante entregar cópia da declaração anual
de bens apresentada à Delegacia da Receita Federal na conformidade da
legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 24 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Representação

Conforme consta no art. 14, é facultado a qualquer pessoa


representar à autoridade administrativa competente para que seja
instaurada investigação destinada a apurar a prática de ato de
improbidade.
Por outro lado, a Lei considera como crime a representação por ato de
improbidade contra agente público ou terceiro beneficiário, quando o autor
da denúncia o saiba inocente (art. 19).
Como requisito de validade, a representação deverá ser escrita ou
reduzida a termo e assinada, contendo a qualificação do representante, as
informações sobre o fato e sua autoria e a indicação das provas de que
tenha conhecimento. Caso não contenha essas formalidades, a autoridade
administrativa rejeitará a representação, em despacho fundamentado.
Todavia, a rejeição não impede a representação ao Ministério Público.
Casos sejam atendidos os requisitos da representação, a autoridade
determinará a imediata apuração dos fatos. Nesse caso, a decisão é
vinculada, pois, casos sejam atendidos os requisitos da Lei,
obrigatoriamente a autoridade deverá apurar a representação, utilizando-
se do devido processo administrativa disciplinar. Em se tratando de servidor
público federal, o processo deverá ocorrer nos moldes dos arts. 148 ao 182
da Lei 8.112/1990.

Ação de improbidade

O art. 15 da LIA prevê a existência de uma comissão encarregada de


realizar a instrução do processo administrativo, que deverá dar
30482603828

conhecimento ao Ministério Público e ao Tribunal ou Conselho de Contas da


existência de procedimento administrativo para apurar a prática de ato de
improbidade, os quais poderão designar representante para acompanhar o
procedimento administrativo.
Casos existam fundados indícios de responsabilidade, a comissão
representará ao Ministério Público ou à procuradoria do órgão para que
requeira ao juízo competente a decretação do sequestro dos bens do
agente ou terceiro que tenha enriquecido ilicitamente ou causado dano
ao patrimônio público (art. 16). O sequestro é uma medida cautelar que
incide sobre bens específicos, com a finalidade de garantir a futura
execução.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 25 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Adicionalmente, quando for o caso, o pedido incluirá a investigação,
o exame e o bloqueio de bens, contas bancárias e aplicações
financeiras mantidas pelo indiciado no exterior, nos termos da lei e
dos tratados internacionais.
Até agora, estamos tratando da instrução do processo administrativo.
Todavia, o Ministério Público não depende somente de provocação para
pleitear as medidas cautelares ou para mover a ação de improbidade.
Conforme dispõe o art. 22 da Lei, para apurar qualquer ilícito de
improbidade, o Ministério Público, de ofício, a requerimento de autoridade
administrativa ou mediante representação, poderá requisitar a
instauração de inquérito policial ou procedimento administrativo.
Nesse contexto, vale mencionar que a apuração administrativa não
deve se confundir com a ação judicial interposta pelos legitimados para
punir os responsáveis. De acordo com o art. 17 da LIA, são legitimados
ativos ad causam para propor ação de improbidade administrativa:
a) o Ministério Público;
b) a pessoa jurídica interessada – no caso, é uma daquelas
entidades que podem sofrer o ato de improbidade administrativa,
isto é, que se enquadram como sujeitos passivos dos atos de
improbidade administrativa.
Caso exista medida cautelar, a ação principal, que terá rito ordinário,
deverá ser movida em até 30 dias a contar da efetivação da medida (art.
17, caput).
Com efeito, é vedada a transação, acordo ou conciliação nas ações
por ato de improbidade administrativa (art. 17, §1º).15

A LIA veda a transação, acordo ou


30482603828

conciliação em ações de improbidade


administrativa.

Quando for o caso, a Fazenda Pública promoverá as ações necessárias


à complementação do ressarcimento do patrimônio público.
Quanto ao rito do processo, o §3º, art. 17, determina que, no caso de
a ação principal ter sido proposta pelo Ministério Público, a pessoa jurídica
interessada poderá optar por abster-se de contestar o pedido de

15
O art. 17, § 1º, da Lei de Improbidade chegou a ser revogado por meio da MP 703/2015. Contudo, a MP
703/2015 perdeu a sua validade, uma vez que não foi votada no prazo constitucional. Dessa forma, voltou a
vigorar a proibição de se firmar transação, acordo e conciliação em ações de improbidade administrativa.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 26 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
impugnação do ato ou atuar ao lado do MP, “desde que isso se afigure útil
ao interesse público, a juízo do respectivo representante legal ou dirigente”
(Lei 4.717/1965, art. 6º, 3º). Nesse caso, a pessoa jurídica poderá compor
o polo ativo da ação, ao lado do MP, ou permanecer inerte diante da
instauração do processo.
Contudo, quando for a pessoa interessada quem interpôs a ação, o
Ministério Público, se não intervir no processo como parte, atuará
obrigatoriamente, como fiscal da lei, sob pena de nulidade.
Os §§5º ao 12 estabelecem outras regras sobre o andamento da ação,
vejamos:
§ 5o A propositura da ação prevenirá a jurisdição do juízo para todas as
ações posteriormente intentadas que possuam a mesma causa de pedir ou
o mesmo objeto. (Incluído pela Medida provisória nº 2.180-35, de 2001)
§ 6o A ação será instruída com documentos ou justificação que contenham
indícios suficientes da existência do ato de improbidade ou com razões
fundamentadas da impossibilidade de apresentação de qualquer dessas
provas, observada a legislação vigente, inclusive as disposições inscritas
nos arts. 16 a 18 do Código de Processo Civil.
§ 7o Estando a inicial em devida forma, o juiz mandará autuá-la e ordenará
a notificação do requerido, para oferecer manifestação por escrito, que
poderá ser instruída com documentos e justificações, dentro do prazo de
quinze dias.
§ 8o Recebida a manifestação, o juiz, no prazo de trinta dias, em decisão
fundamentada, rejeitará a ação, se convencido da inexistência do ato de
improbidade, da improcedência da ação ou da inadequação da via eleita.
§ 9o Recebida a petição inicial, será o réu citado para apresentar
contestação.
§ 10. Da decisão que receber a petição inicial, caberá agravo de
instrumento.
§ 11. Em qualquer fase do processo, reconhecida a inadequação da ação
de improbidade, o juiz extinguirá o processo sem julgamento do mérito.
30482603828

§ 12. Aplica-se aos depoimentos ou inquirições realizadas nos processos


regidos por esta Lei o disposto no art. 221, caput e § 1o, do Código de
Processo Penal.

A sentença que julgar procedente ação civil de reparação de dano ou


decretar a perda dos bens havidos ilicitamente determinará o pagamento
ou a reversão dos bens, conforme o caso, em favor da pessoa jurídica
prejudicada pelo ilícito (art. 18).
Por fim, vale mencionar os ensinamentos de George Sarmento, que
dispõe que a ação judicial por ato de improbidade administrativa possui
natureza de ação civil pública, sendo-lhe cabível, subsidiariamente, as
regras da Lei 7.347/1995 (Lei da Ação Civil Pública).

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 27 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Competência

A competência para processar e julgar a ação civil por ato de


improbidade administrativa é do juiz de 1º grau (Federal ou estadual) com
jurisdição na sede da lesão. A ação tramitará na Justiça Federal se houver
interesse da União, autarquias ou empresas públicas federais (CF, art. 109,
I); caso contrário, será de competência da justiça estadual.
Vale mencionar que a Lei 10.628/2002 acrescentou o §2º no art. 84
do Código de Processo Penal, determinando que a ação de improbidade
deveria ser proposta perante o tribunal competente para processar e julgar
criminalmente o funcionário ou autoridade na hipótese de foro em razão do
exercício de função pública.
Ocorre que as ações de improbidade possuem natureza civil e,
portanto, não existe amparo constitucional para conceder foro
especial. Por conseguinte, o STF, ao julgar a ADI 2797/DF16 declarou o
dispositivo inconstitucional, afirmando a competência do juiz de 1ª
instância para julgar as ações de improbidade.
Portanto, como regra, não existe foro especial por prerrogativa
de função em ações de improbidade administrativa. Mas temos
algumas exceções.
O STF entende que essa regra não alcança o julgamento de ações de
improbidade contra os seus membros, que devem ser julgadas pelo próprio
STF, isto é, eventual ação de improbidade praticada por Ministro do STF
deverá ser julgada pelo próprio Superior Tribunal Federal.
Finalmente, o STJ entendeu que o julgamento de governador de
estado, no caso de ação de improbidade administrativa, deverá ser julgado
pelo próprio STJ17. 30482603828

Em regra 1ª Instância

Foro competente Ministros do STF STF

Governador de estado STJ

16
ADI 2797/DF.
17
Rcl 2.790/SC.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 28 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Prescrição

O art. 23 da Lei 8.429/1992 determina que as ações destinadas a levar


a efeitos as sanções previstas em decorrência de ato de improbidade
administrativa podem ser propostas:
a) em até cinco anos após o término do exercício de mandato, de
cargo em comissão ou de função de confiança;
b) dentro do prazo prescricional previsto em lei específica para faltas
disciplinares puníveis com demissão a bem do serviço público,
nos casos de exercício de cargo efetivo ou emprego; e
c) até cinco anos da data da apresentação à administração
pública da prestação de contas final pelas entidades que recebam
subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão
público bem como daquelas para cuja criação ou custeio o erário haja
concorrido ou concorra com menos de cinquenta por cento do
patrimônio ou da receita anual.
Esse prazo previsto no item “b” varia conforme o ente da Federação.
No caso da União, o prazo prescricional é de cinco anos, conforme consta
no art. 142, I, da Lei 8.112/199018.
Ademais, no caso de exercício de mandato, sendo reeleito, o prazo
prescricional contará do término do segundo mandato. Tal regra será
aplicável ainda que o mandato seja interrompido por algum tempo. Por
exemplo: um prefeito comete um ato de improbidade durante a vigência do
primeiro mandato; ele é reeleito; no meio do segundo mandato, o Prefeito
é afastado, assumindo o presidente da câmara municipal; após isso, o
prefeito volta ao mandato; nessa situação, o prazo prescricional será
contado somente após o término do segundo mandato, mesmo que o
30482603828

presidente da câmara tenha substituído interinamente o prefeito.


Vamos analisar questões sobre o tema.

18
Art. 142. A ação disciplinar prescreverá:
I - em 5 (cinco) anos, quanto às infrações puníveis com demissão, cassação de aposentadoria ou disponibilidade
e destituição de cargo em comissão;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 29 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

9. (Cespe - AJ/CNJ/2013) Segundo jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça


(STJ), o reconhecimento de ato de improbidade administrativa, nos moldes
previstos pela Lei de Improbidade Administrativa (Lei n.º 8.429'1992), requer o
exercício de função específica (administrativa), não se admitindo sua extensão à
atividade judicante.
Comentário: no entendimento do STJ, as disposições da Lei 8.429/1992
alcançam os magistrados, inclusive no exercício da função judicante. Nesse
sentido, vejamos o trecho do precedente do Superior Tribunal de Justiça
constante no REsp 1.127.182/RN
[...] o conceito de "agente público" previsto no art. 2º da Lei n. 8.429/92
é amplo o suficiente para albergar os magistrados, especialmente, se,
no exercício da função judicante, eles praticarem condutas
enquadráveis, em tese, pelos arts. 9º, 10 e 11 daquele diploma
normativo.
Portanto, o reconhecimento de ato de improbidade pode alcançar até mesmo
o exercício da função judicante.
Gabarito: errado.

10. (Cespe - TJ/TJDFT/2013) O servidor que estiver sendo processado


judicialmente pela prática de ato de improbidade somente perderá a função pública
após o trânsito em julgado da sentença condenatória.
Comentário: isso mesmo! As penas de perda da função pública e a suspensão
dos direitos políticos só se efetivam com o trânsito em julgado da sentença
condenatória. Todavia, a autoridade judicial ou administrativa competente
poderá determinar o afastamento do agente público do exercício do cargo,
emprego ou função, sem prejuízo da remuneração, quando a medida se fizer
30482603828

necessária à instrução processual (art. 20, caput e parágrafo único).


Gabarito: correto.

11. (Cespe - AJ/TJDFT/2013) Somente são sujeitos ativos do ato de improbidade


administrativa os agentes públicos, assim entendidos os que exercem, por eleição,
nomeação, designação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato,
cargo, emprego ou função na administração direta, indireta ou fundacional de
qualquer dos poderes da União, dos estados, do DF e dos municípios.
Comentário: podemos considerar como sujeitos ativos dos atos de
improbidade administrativa os terceiros que, mesmo não sendo agentes
públicos, induzam ou concorram para a prática do ato de improbidade

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 30 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
administrativa ou dele se beneficiem sob qualquer forma direta ou indireta, e
os agentes públicos, ou seja, todo aquele que exerce, ainda que
transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação,
contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato,
cargo, emprego ou função nas entidades mencionadas no art. 1º da Lei.
Portanto, não são apenas os agentes públicos os sujeitos ativos do ato de
improbidade.
Gabarito: errado.

12. (Cespe - AJ/TRT 10/2013) Apuração interna realizada descobriu que um


empregado público federal de uma sociedade de economia mista recebeu vantagem
indevida de terceiros, em troca do fornecimento de informações privilegiadas e
dados sigilosos do ente de que ele fazia parte. O relatório de conclusão da apuração
foi enviado ao Ministério Público para providências cabíveis.
Considerando essa situação hipotética, julgue o item que se segue.
O terceiro beneficiado poderá ser responsabilizado nas esferas cível e criminal, mas
não por improbidade administrativa, visto que esta não abrange particulares.
Comentário: podem ser responsabilizados por ato de improbidade
administrativa os agentes públicos e os terceiros que, mesmo não sendo
agentes públicos, induzam ou concorram para a prática do ato de improbidade
administrativa ou dele se beneficiem sob qualquer forma direta ou indireta.
Dessa forma, o terceiro beneficiado poderá ser responsabilizado também por
improbidade administrativa, sem prejuízo das sanções penais.
Gabarito: errado.

13. (Cespe - ACE/TC DF/2014) O herdeiro de deputado distrital que tenha, no


exercício do mandato, ocasionado lesão ao patrimônio público e enriquecido
ilicitamente está sujeito às cominações da Lei de Improbidade Administrativa, mas
30482603828

somente até o limite do valor da herança recebida.


Comentário: o sucessor daquele que causar lesão ao patrimônio público ou
se enriquecer ilicitamente está sujeito às cominações da LIA até o limite do
valor da herança (art. 8º). Dessa forma, o herdeiro poderá ser atingido pelas
penalidades da LIA, até o limite do valor da herança recebida. Com feito, vale
mencionar que não há nenhuma vedação para a responsabilização de
deputado por improbidade administrativa.
Gabarito: correto.

14. (Cespe - TJ/CNJ/2013) A configuração da improbidade exige os seguintes


elementos: o enriquecimento ilícito, o prejuízo ao erário e o atentado contra os

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 31 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
princípios fundamentais (legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência), presente o elemento subjetivo doloso.
Comentário: a questão foi mal elaborada e, infelizmente, o gabarito foi infeliz.
O avaliador tomou por base a ementa do REsp 654.721/MT19 do STJ, vejamos:
ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. RECURSOS ESPECIAIS.
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. LEI 8.429/92. CONTRATAÇÃO E
MANUTENÇÃO DE PESSOAL SEM A REALIZAÇÃO DE CONCURSO
PÚBLICO. AUSÊNCIA DE DOLO E DE PREJUÍZO AO ERÁRIO. ATO DE
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NÃO CONFIGURADO. RECURSOS
PROVIDOS. 1. "A improbidade administrativa consiste na ação ou
omissão intencionalmente violadora do dever constitucional de
moralidade no exercício da função pública, tal como definido por lei"
(Marçal Justen Filho in Curso de Direito Administrativo, 3 ed. rev. e atual.,
São Paulo: Saraiva, 2008, p. 828). 2. Para que se configure a
improbidade, devem estar presentes os seguintes elementos: o
enriquecimento ilícito, o prejuízo ao erário e o atentado contra os
princípios fundamentais (legalidade, impessoalidade,
moralidade, publicidade e eficiência). 3. O ato de improbidade, na
sua caracterização, como de regra, exige elemento subjetivo
doloso, à luz da natureza sancionatória da Lei 8.429/92. 4. No caso
dos autos, as instâncias ordinárias afastaram a existência de dolo, bem
como de prejuízo ao erário, razão por que não há falar em ocorrência de
ato de improbidade administrativa. 5. Recursos especiais providos.
(grifos nossos)
Ocorre que o texto do REsp deixa claro que a presenta do elemento subjetivo
doloso ocorre apenas “como regra”. Isso porque no caso do ato de
improbidade administrativa que causa lesão ao erário admite-se tanto o dolo
quanto a culpa. É o que consta no art. 10 da Lei 8.429/1992:
Art. 10. Constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao
erário qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda
patrimonial, desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos
bens ou haveres das entidades referidas no art. 1º desta lei, e
notadamente: (grifos nossos)
Dessa forma, a questão deveria ser dada como errada, pois a redação deu a
entender que deverá sempre estar presente o dolo, o que não é verdadeiro.
30482603828

Além disso, o enunciado tanto da questão quanto da ementa do REsp


654.721/MT dão a entender que todos os três elementos devem estar
presentes para a condenação por improbidade: “o enriquecimento ilícito, o
prejuízo ao erário e o atentado contra os princípios fundamentais”. O mais
adequado seria utilizar o “ou” no lugar do “e”.
Assim, o item foi dado como correto, mas entendemos que deveria ser errado.
Não adianta “brigar” com a banca, por isso a revisão acima serve apenas para
aprofundarmos nossos estudos.

19
REsp 654.721/MT.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 32 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

Gabarito: correto.

15. (Cespe - AJ/CNJ/2013) Constituem improbidade administrativa não apenas os


atos que geram enriquecimento ilícito, mas também os que atentam contra os
princípios da administração pública.
Comentário: acabamos de ver isso. Além dos atos que geram enriquecimento
ilícito, podemos considerar também os atos que atentam contra os princípios
da administração e os que causam prejuízo ao erário.
Gabarito: correto.

16. (Cespe – TJ/TJDFT/2013) O servidor que, estando obrigado a prestar contas


referentes a recursos recebidos, deixa de fazê-lo incorre em ato de improbidade
administrativa passível de demissão do serviço público.
Comentário: deixar de prestar contas quando deve fazê-lo se enquadra na
relação de atos que atentam contra os princípios da administração pública
(art. 11, VI). Dentre as sanções cabíveis a quem comete tal ato, encontra-se a
perda da função público, nos termos do art. 12, III, da Lei 8.429/1992:
Art. 12. Independentemente das sanções penais, civis e administrativas
previstas na legislação específica, está o responsável pelo ato de
improbidade sujeito às seguintes cominações, que podem ser aplicadas
isolada ou cumulativamente, de acordo com a gravidade do fato:
III - na hipótese do art. 11, ressarcimento integral do dano, se houver,
perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a
cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da
remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com o Poder
Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta
ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual
seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos. (grifos nossos)
Com efeito, na esfera federal, a pena de demissão do serviço público, prevista
na Lei 8.112/1990, poderá ser aplicada em caso de improbidade administrativa
(art. 132, IV). 30482603828

Gabarito: correto.

17. (Cespe – TJ/TJDFT/2013) Os atos típicos de improbidade administrativa


restringem-se ao descumprimento do princípio do sigilo e da confidencialidade de
informações.
Comentário: essa é para não esquecer! Constituem atos típicos de
improbidade administrativa aqueles que causam prejuízo ao erário,
enriquecimento ilícito e que atentam contra os princípios administrativos.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 33 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

Dessa forma, os atos de improbidade não se restringem ao descumprimento


do princípio do sigilo e da confidencialidade de informações, existindo muitas
outras hipóteses.
Gabarito: errado.

18. (Cespe – AJ/TJDFT/2013) A procrastinação é uma conduta que pode


configurar ato de improbidade administrativa que causa prejuízo ao erário, por gerar
atrasos e ineficiência do serviço público.
Comentário: a procrastinação se refere ao atraso, adiamento de alguma ação
que deveria ser tomada. Retardar ou deixar de praticar ato de ofício constitui
ato de improbidade administrativa. Contudo, essa ação se enquadra nos atos
que atentam contra os princípios administrativos (art. 11, II) e não nos que
causam prejuízo ao erário. Logo, o item está errado.
Gabarito: errado.

19. (Cespe – AJ/TJDFT/2013) O oficial de justiça que, no exercício do cargo


público, aufira vantagem patrimonial indevida estará sujeito, além das sanções
penais, civis e administrativas previstas na legislação específica, às cominações
arroladas na Lei n.º 8.429/1992, por configurar a situação ato de improbidade
administrativa que importa enriquecimento ilícito.
Comentário: o recebimento ilícito de vantagem econômica de qualquer
natureza, seja ela direta ou indireta, configura ato de improbidade
administrativa por enriquecimento ilícito, sujeitando o agente às sanções da
Lei de Improbidade.
Para reforçar, vejamos o conteúdo do art. 9º da Lei 8.429/1992 (ato de
improbidade administrativa que importa enriquecimento ilícito) com as
respectivas penalidades (art. 12, I):
Art. 9° Constitui ato de improbidade administrativa importando
30482603828

enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial


indevida em razão do exercício de cargo, mandato, função, emprego ou
atividade nas entidades mencionadas no art. 1° desta lei, e notadamente:
I - receber, para si ou para outrem, dinheiro, bem móvel ou imóvel, ou
qualquer outra vantagem econômica, direta ou indireta, a título de
comissão, percentagem, gratificação ou presente de quem tenha
interesse, direto ou indireto, que possa ser atingido ou amparado por
ação ou omissão decorrente das atribuições do agente público;
II - perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para facilitar a
aquisição, permuta ou locação de bem móvel ou imóvel, ou a contratação
de serviços pelas entidades referidas no art. 1° por preço superior ao
valor de mercado;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 34 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
III - perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para facilitar a
alienação, permuta ou locação de bem público ou o fornecimento de
serviço por ente estatal por preço inferior ao valor de mercado;
IV - utilizar, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas,
equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou à
disposição de qualquer das entidades mencionadas no art. 1° desta lei,
bem como o trabalho de servidores públicos, empregados ou terceiros
contratados por essas entidades;
V - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou
indireta, para tolerar a exploração ou a prática de jogos de azar, de
lenocínio, de narcotráfico, de contrabando, de usura ou de qualquer outra
atividade ilícita, ou aceitar promessa de tal vantagem;
VI - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou
indireta, para fazer declaração falsa sobre medição ou avaliação em obras
públicas ou qualquer outro serviço, ou sobre quantidade, peso, medida,
qualidade ou característica de mercadorias ou bens fornecidos a qualquer
das entidades mencionadas no art. 1º desta lei;
VII - adquirir, para si ou para outrem, no exercício de mandato, cargo,
emprego ou função pública, bens de qualquer natureza cujo valor seja
desproporcional à evolução do patrimônio ou à renda do agente público;
VIII - aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de consultoria ou
assessoramento para pessoa física ou jurídica que tenha interesse
suscetível de ser atingido ou amparado por ação ou omissão decorrente
das atribuições do agente público, durante a atividade;
IX - perceber vantagem econômica para intermediar a liberação ou
aplicação de verba pública de qualquer natureza;
X - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou
indiretamente, para omitir ato de ofício, providência ou declaração a que
esteja obrigado;
XI - incorporar, por qualquer forma, ao seu patrimônio bens, rendas,
verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades
mencionadas no art. 1° desta lei;
XII - usar, em proveito próprio, bens, rendas, verbas ou valores
integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1°
desta lei.
Art. 12. Independentemente das sanções penais, civis e administrativas
30482603828

previstas na legislação específica, está o responsável pelo ato de


improbidade sujeito às seguintes cominações, que podem ser aplicadas
isolada ou cumulativamente, de acordo com a gravidade do fato:
I - na hipótese do art. 9°, perda dos bens ou valores acrescidos
ilicitamente ao patrimônio, ressarcimento integral do dano, quando
houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de oito
a dez anos, pagamento de multa civil de até três vezes o valor do
acréscimo patrimonial e proibição de contratar com o Poder Público ou
receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou
indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja
sócio majoritário, pelo prazo de dez anos;
Dessa forma, o item está correto.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 35 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

Gabarito: correto.

20. (Cespe - Tec/MPU/2013) Cometerá ato de improbidade administrativa que


atenta contra os princípios da administração pública o servidor público que revelar
a seus familiares, durante um jantar em família, os detalhes de processo que tramite
em segredo de justiça contra seu chefe e do qual tenha tomado conhecimento em
razão de suas atribuições.
Comentário: segundo o art. 11, III, da Lei, revelar fato ou circunstância de que
tem ciência em razão das atribuições e que deva permanecer em segredo,
constitui ato que viola os princípios da administração.
Gabarito: correto.

QUESTÕES FCC

21. (FCC - Ana Con/TCE MT/2013) Segundo a Lei nº 8.429/1992, sobre


improbidade administrativa,
a) o agente público, caso não tenha havido enriquecimento ilícito, não estará sujeito
à perda da função pública.
b) as disposições da referida lei são de aplicação restrita a agentes públicos, não
incidindo sobre agentes políticos ou particulares, ainda que tenham induzido ou
concorrido para a prática do ato de improbidade.
c) poderão ser sujeitos passivos de atos de improbidade administrativa quaisquer
entidades, integrantes ou não da Administração pública, desde que exerçam
30482603828

funções de interesse público.


d) o servidor público processado por ato de improbidade administrativa atentatório
contra os princípios da Administração pública está sujeito à cassação dos seus
direitos políticos.
e) o afastamento do agente público no curso da ação civil por improbidade
administrativa, quando necessário à instrução do respectivo processo, se fará sem
prejuízo da remuneração.
Comentário:

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 36 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

a) comprovado o ato de improbidade, seja ele por enriquecimento ilícito,


prejuízo ao erário, ou por atentar contra os princípios da Administração, estará
o agente sujeito a perda da função pública – ERRADA;
b) pela lei são passíveis de sofrer sanções os agentes públicos e os terceiros
que, mesmo não sendo agentes públicos, induzam ou concorram para a
prática do ato de improbidade administrativa ou dele se beneficiem sob
qualquer forma direta ou indireta (art. 3º) – ERRADA;
c) os sujeitos passivos abrangem todas as pessoas políticas; os órgãos dos
três Poderes; as administrações direta e indireta; as empresas que, mesmo
não pertencendo ao Poder Público, estão sob controle deste; entidades que
não pertencem à Administração Pública, mas que recebam algum tipo de
subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público, ou
então aquelas em cuja criação ou custeio o erário haja concorrido com menos
de cinquenta por cento do patrimônio ou da receita anual, nos quais a sanção
patrimonial limitar-se-á à repercussão do ilícito sobre a contribuição dos
cofres públicos – ERRADA;
d) o agente estará sujeito à suspensão dos direitos políticos pelo prazo de três
a cinco anos, mas não à cassação como consta na alternativa – ERRADA;
e) conforme disposto no art. 20, caput e parágrafo único, a autoridade judicial
ou administrativa competente poderá determinar o afastamento do agente
público do exercício do cargo, emprego ou função, sem prejuízo da
remuneração, quando a medida se fizer necessária à instrução processual –
CORRETA.
Gabarito: alternativa E.

22. (FCC - Cons Leg/AL PB/2013) Considere a seguinte situação hipotética: o


Ministério Público do Estado da Paraíba ajuizou ação de improbidade administrativa
contra o Governador do Estado e uma determinada empresa, alegando a ocorrência
30482603828

de ato ímprobo causador de lesão ao erário. Atribuiu à causa o valor de dois milhões
de reais, pleiteando, portanto, o ressarcimento desse montante aos cofres públicos.
No curso da demanda, o Governador veio a falecer, razão pela qual, seu único filho,
João, passou a integrar o polo passivo da ação. Saliente-se que o falecido era
solteiro e tinha um patrimônio de um milhão de reais. Caso a ação de improbidade
seja julgada procedente, João
a) não responderá por qualquer condenação pecuniária, vez que a Lei de
Improbidade não prevê tal hipótese.
b) responderá pela condenação pecuniária até o montante de dois milhões de reais.
c) responderá pela condenação pecuniária até o montante de um milhão de reais.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 37 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
d) responderá pela condenação pecuniária até o montante de quinhentos mil reais.
e) não responderá por qualquer condenação, vez que o falecimento transfere a
responsabilidade pelo ato ímprobo ao outro corréu, no caso, a empresa.
Comentário: o art. 8 da Lei afirma que o sucessor daquele que causar lesão
ao patrimônio público ou se enriquecer ilicitamente está sujeito às
cominações da LIA até o limite do valor da herança. Dessa forma, com o
falecimento do governador, seu filho – sucessor – responderá pela
condenação pecuniária. Ademais, como o valor a ser pago pode alcançar até
o limite da herança, o valor máximo pelo qual ele responde é de um milhão de
reais – alternativa C.
Gabarito: alternativa C.

23. (FCC - JE/TJ PE/2013) Nos termos da Lei Federal nº 8.429/92,


a) ocorrendo lesão ao patrimônio público por ação ou omissão, desde que dolosa,
do agente ou de terceiro, dar-se-á o integral ressarcimento do dano.
b) no caso de enriquecimento ilícito, perderá o agente público ou terceiro
beneficiário o quíntuplo dos bens ou valores acrescidos ao seu patrimônio.
c) reputa-se agente público, para os efeitos daquela lei, todo aquele que exerce,
necessariamente de modo permanente e remunerado, por eleição, nomeação,
designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo,
mandato, cargo, emprego ou função nas entidades da Administração direta ou
indireta.
d) suas disposições são aplicáveis, no que couber, àquele que, mesmo não sendo
agente público, induza ou concorra para a prática do ato de improbidade ou dele se
beneficie sob qualquer forma direta ou indireta.
e) os agentes públicos são obrigados a velar pela estrita observância dos princípios
de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade no trato dos assuntos que
lhe são afetos, exceto se ocupantes de cargo ou emprego que não exija formação
30482603828

superior.
Comentário:
a) constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário
qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que enseje perda patrimonial,
desvio, apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres das
entidades abrangidas pela Lei, sendo punido, dentre outros, com o integral
ressarcimento do dano – ERRADA;
b) para os atos que importam enriquecimento ilícito o agente será punido com
a perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, ou seja,

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 38 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
deverá ressarcir o valor apropriado indevidamente e não o quíntuplo do valor
– ERRADA;
c) é considerado agente público todo aquele que exerce, ainda que
transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação,
contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato,
cargo, emprego ou função nas entidades integrantes da administração direta,
indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios – ERRADA;
d) com base no art. 3º da Lei 8.429/92, terão seus atos regidos pela referida lei,
os agentes públicos e os terceiros que, mesmo não sendo agentes públicos,
induzam ou concorram para a prática do ato de improbidade administrativa ou
dele se beneficiem sob qualquer forma direta ou indireta – CORRETA;
e) quase isso! Os agentes públicos, de qualquer nível ou hierarquia, são
obrigados a seguir os princípios citados na alternativa no uso de suas funções
– ERRADA.
Gabarito: alternativa D.

24. (FCC - AJ/TRE RO/2013) Nos termos da Lei no 8.429/1992, uma das sanções
previstas para o agente que comete ato de improbidade administrativa consiste no
ressarcimento integral do dano, quando houver. A propósito da sanção em análise,
é correto afirmar que
a) não pode ser aplicada isoladamente, devendo incidir de forma conjunta às demais
sanções previstas na lei.
b) sua aplicação depende da rejeição das contas pelo órgão de controle interno ou
pelo Tribunal ou Conselho de Contas.
c) somente pode ser executada após o trânsito em julgado da sentença
condenatória por ato de improbidade administrativa.
30482603828

d) se aplica aos atos ímprobos causadores de prejuízo ao erário e aos que importam
enriquecimento ilícito, não se aplicando aos atos ímprobos atentatórios aos
princípios da Administração pública.
e) pode ser aplicada para qualquer modalidade de ato ímprobo, desde que
comprovado o efetivo dano causado ao erário.
Comentário:
a) todas as sanções possíveis para os casos de improbidade podem ser
aplicadas isolada ou cumulativamente, de acordo com a gravidade do fato (art.
12) – ERRADA;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 39 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

b) o art. 21 determina que a aplicação das sanções previstas na Lei independe


da aprovação ou rejeição das contas pelo órgão de controle interno ou pelo
Tribunal ou Conselho de Contas – ERRADA;
c) apenas as sanções de perda da função pública e a suspensão dos direitos
políticos se efetivam com o trânsito em julgado da sentença condenatória.
Para as demais, isso não é necessário – ERRADA;
d) o ressarcimento integral do dano deverá ser feito, quando houver, em todos
os casos que configurem improbidade administrativa – ERRADA;
e) a pena de ressarcimento integral do dano poderá ser aplicada em qualquer
tipo de ato de improbidade administrativa, desde que seja comprovado o dano
– CORRETA.
Gabarito: alternativa E.

25. (FCC - AJ/TRT 19/2014) Emerson, agente público, está respondendo a uma
ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público. Segundo a
petição inicial da ação, Emerson teria deixado de prestar contas quando estava
obrigado a fazer. Em razão disso, o Ministério Público requereu a indisponibilidade
de seus bens, o que foi indeferido pelo juiz sob o fundamento de que o ato ímprobo
em questão não causou prejuízo ao erário ou mesmo enriquecimento ilícito. A
propósito do tema e nos termos da Lei nº 8.429/92,
a) não está correta a decisão do juiz, pois o ato ímprobo em questão comporta o
pedido de indisponibilidade de bens, não importando se inexistiu prejuízo ao erário
ou enriquecimento ilícito.
b) pela descrição da conduta, sequer existe ato ímprobo, logo, o juiz deveria ter
rejeitado de plano a petição inicial.
c) não está correta a decisão do juiz, pois a indisponibilidade de bens é cabível para
qualquer ato ímprobo e em qualquer circunstância, sempre visando o interesse
30482603828

público.
d) está correta a decisão do juiz, pois não é cabível, na hipótese narrada, a medida
de indisponibilidade de bens.
e) pela descrição do enunciado, foi praticada conduta expressamente prevista na lei
como ato ímprobo que importa enriquecimento ilícito; logo, o juiz deveria ter deferido
a indisponibilidade de bens.
Comentário: deixar de prestar contas quando deve fazê-lo é atentar contra os
princípios da Administração e configura ato de improbidade. No entanto, o
pedido de indisponibilidade de bens não se aplica a esse tipo de ato de
improbidade. Vale dizer, de acordo com o art. 7º da Lei 8.429/1992, quando o
ato de improbidade causar lesão ao patrimônio público ou ensejar

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 40 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
enriquecimento ilícito, caberá a autoridade administrativa responsável pelo
inquérito representar ao Ministério Público, para a indisponibilidade dos bens
do indiciado.
Portanto, o juiz tomou a atitude correta, pois não é cabível, na hipótese
narrada, a medida de indisponibilidade de bens (alternativa D).
Quanto as outras alternativas, as alternativas A e C ficam descartadas ao dizer
que o juiz errou em sua decisão; a alternativa B indica que não houve ato
improbo, quando na realidade já sabemos que existe; e, por fim, a alternativa
E está errada, pois não prestar contas atenta contra os princípios da
Administração, o que não tem relação com enriquecimento ilícito, conforme
citado.
Gabarito: alternativa D.

26. (FCC - DP SP/DPE SP/2013) É considerado ato de improbidade administrativa


que importa em enriquecimento ilícito, nos termos da Lei no 8.429/92,
a) liberar verba pública sem observância das regras pertinentes.
b) permitir a permuta de bem por valor acima do mercado.
c) retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício.
d) permitir, facilitar ou concorrer para que terceiro se enriqueça ilicitamente.
e) adquirir para outrem, no exercício de função pública, bem cujo valor seja
desproporcional a renda do funcionário.
Comentário: embora seja longo, vamos relembrar os casos que configuram
enriquecimento ilícito:
Art. 9° Constitui ato de improbidade administrativa importando
enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial
indevida em razão do exercício de cargo, mandato, função, emprego ou
atividade nas entidades mencionadas no art. 1° desta lei, e notadamente:
I - receber, para si ou para outrem, dinheiro, bem móvel ou imóvel, ou
30482603828

qualquer outra vantagem econômica, direta ou indireta, a título de


comissão, percentagem, gratificação ou presente de quem tenha
interesse, direto ou indireto, que possa ser atingido ou amparado por
ação ou omissão decorrente das atribuições do agente público;
II - perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para facilitar a
aquisição, permuta ou locação de bem móvel ou imóvel, ou a contratação
de serviços pelas entidades referidas no art. 1° por preço superior ao
valor de mercado;
III - perceber vantagem econômica, direta ou indireta, para facilitar a
alienação, permuta ou locação de bem público ou o fornecimento de
serviço por ente estatal por preço inferior ao valor de mercado;
IV - utilizar, em obra ou serviço particular, veículos, máquinas,
equipamentos ou material de qualquer natureza, de propriedade ou à
disposição de qualquer das entidades mencionadas no art. 1° desta lei,

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 41 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
bem como o trabalho de servidores públicos, empregados ou terceiros
contratados por essas entidades;
V - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou
indireta, para tolerar a exploração ou a prática de jogos de azar, de
lenocínio, de narcotráfico, de contrabando, de usura ou de qualquer outra
atividade ilícita, ou aceitar promessa de tal vantagem;
VI - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou
indireta, para fazer declaração falsa sobre medição ou avaliação em obras
públicas ou qualquer outro serviço, ou sobre quantidade, peso, medida,
qualidade ou característica de mercadorias ou bens fornecidos a qualquer
das entidades mencionadas no art. 1º desta lei;
VII - adquirir, para si ou para outrem, no exercício de mandato,
cargo, emprego ou função pública, bens de qualquer natureza
cujo valor seja desproporcional à evolução do patrimônio ou à
renda do agente público;
VIII - aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de consultoria ou
assessoramento para pessoa física ou jurídica que tenha interesse
suscetível de ser atingido ou amparado por ação ou omissão decorrente
das atribuições do agente público, durante a atividade;
IX - perceber vantagem econômica para intermediar a liberação ou
aplicação de verba pública de qualquer natureza;
X - receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou
indiretamente, para omitir ato de ofício, providência ou declaração a que
esteja obrigado;
XI - incorporar, por qualquer forma, ao seu patrimônio bens, rendas,
verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades
mencionadas no art. 1° desta lei;
XII - usar, em proveito próprio, bens, rendas, verbas ou valores
integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1°
desta lei.
Desse modo, a única alternativa que apresenta ato de improbidade
administrativa que importa em enriquecimento ilícito é a letra E.
Gabarito: alternativa E.
30482603828

27. (FCC - ATCI/ALERN/2013) Nos termos da Lei nº 8.429/1992, constitui ato de


improbidade administrativa que atenta contra os princípios da Administração
pública:
a) permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou locação de bem ou serviço por preço
superior ao de mercado.
b) frustrar a licitude de processo licitatório ou dispensá- lo indevidamente.
c) aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de consultoria ou
assessoramento para pessoa física ou jurídica que tenha interesse suscetível de
ser atingido ou amparado por ação ou omissão decorrente das atribuições do agente
público, durante a atividade.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 42 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
d) perceber vantagem econômica para intermediar a liberação ou aplicação de
verba pública de qualquer natureza.
e) frustrar a licitude de concurso público.
Comentário: continuando o mesmo pensamento da outra questão, vejamos o
disposto no art. 11 da Lei, que se refere aos atos que atentam contra os
princípios da Administração:
Art. 11. Constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os
princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole
os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às
instituições, e notadamente:
I - praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou diverso
daquele previsto, na regra de competência;
II - retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício;
III - revelar fato ou circunstância de que tem ciência em razão das
atribuições e que deva permanecer em segredo;
IV - negar publicidade aos atos oficiais;
V - frustrar a licitude de concurso público;
VI - deixar de prestar contas quando esteja obrigado a fazê-lo;
VII - revelar ou permitir que chegue ao conhecimento de terceiro, antes
da respectiva divulgação oficial, teor de medida política ou econômica
capaz de afetar o preço de mercadoria, bem ou serviço;
VIII - descumprir as normas relativas à celebração, fiscalização e
aprovação de contas de parcerias firmadas pela administração pública
com entidades privadas;
IX - deixar de cumprir a exigência de requisitos de acessibilidade
previstos na legislação.
Assim, podemos assinalar a alternativa E como nossa resposta.
Gabarito: alternativa E.

28. (FCC - TJ/TRT 19/2014) Mateus, agente público, recebeu vantagem


econômica, diretamente de Bruno, para tolerar a exploração de jogo de azar por
30482603828

parte deste último. Nos termos da Lei no 8.429/92, a conduta de Mateus


a) constitui ato ímprobo causador de prejuízo ao erário.
b) constitui ato ímprobo que importa enriquecimento ilícito.
c) não constitui ato ímprobo, embora seja conduta criminosa.
d) constitui ato ímprobo, na modalidade atentatória aos princípios da Administração
pública.
e) não constitui ato ímprobo, mas caracteriza falta funcional passível de punição na
seara administrativa.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 43 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Comentário: receber vantagem econômica de qualquer natureza, direta ou
indireta, para tolerar a exploração ou a prática de jogos de azar, de lenocínio,
de narcotráfico, de contrabando, de usura ou de qualquer outra atividade
ilícita, ou aceitar promessa de tal vantagem caracteriza ato de improbidade
administrativa que importa em enriquecimento ilícito (art. 9º, V).
Portanto, correta a alternativa B.
Gabarito: alternativa B.

29. (FCC - AJ/TRT 19/2014) Valentina, servidora pública, foi processada por
improbidade administrativa, tendo em vista que celebrou contrato de rateio de
consórcio público sem suficiente e prévia dotação orçamentária. Ao final do
processo, Valentina foi condenada, dentre outras sanções, à suspensão dos direitos
políticos por dez anos. A pena aplicada
a) está correta.
b) é superior à prevista em lei para a espécie de ato ímprobo praticado.
c) é inferior à prevista em lei para a espécie de ato ímprobo praticado.
d) está incorreta, haja vista que a conduta em questão não caracteriza ato ímprobo.
e) está incorreta, pois o ato ímprobo praticado por Valentina não comporta tal
espécie de sanção.
Comentário: o ato praticado por Valentina é previsto como causador de lesão
ao erário (art. 10, XV), cujas penas podem ser as seguintes:
Art. 12. [...] II - na hipótese do art. 10, ressarcimento integral do dano,
perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se
concorrer esta circunstância, perda da função pública, suspensão dos
direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de
até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder
Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta
ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual
seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos;
30482603828

Assim, a pena de suspensão de direitos políticos, no caso de lesão ao erário,


é de cinco a oito anos. Com isso, a pena estipulada para a agente é superior
ao previsto em lei para o ato praticado, sendo a pena de dez anos possível
apenas para ato de enriquecimento ilícito.
Logo, nossa resposta é a letra B.
Gabarito: alternativa B.

30. (FCC - AJ/TRT 19/2014) Antônio, agente público, foi processado e condenado
por improbidade administrativa. De acordo com a sentença condenatória, Antônio
frustrou a licitude de importante concurso público que ocorreu em Maceió. Nos

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 44 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
termos da Lei no 8.429/92, NÃO constitui sanção passível de ser aplicada a Antônio
em razão do ato ímprobo cometido:
a) Ressarcimento integral do dano, se houver.
b) Suspensão dos direitos políticos por sete anos.
c) Perda da função pública.
d) Proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos
fiscais ou creditícios pelo prazo de três anos.
e) Pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração de Antônio.
Comentário: o ato de frustrar a licitude de concurso público indica atitude que
atenta contra os princípios da Administração Pública (art. 11, V). Desse modo,
as sanções possíveis nesse caso são:
 ressarcimento integral do dano, se houver; (alternativa A)

 perda da função pública; (alternativa C)

 suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos;

 pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração


percebida pelo agente; (alternativa E) e

 proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou


incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por
intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo
de três anos. (alternativa D)
Como podemos notar, a resposta incorreta é a letra B, pois a suspensão dos
direitos políticos, no caso de atentado contra os princípios da Administração,
é de três a cinco anos, e não de sete anos.
Gabarito: alternativa B.

31. (FCC - AJ/TRF 3/2014) No curso de determinada ação de improbidade


30482603828

administrativa, após o encerramento da fase instrutória, o juiz do processo chamou


o feito para analisar atentamente os próximos trâmites processuais e concluiu pela
inadequação da ação de improbidade. Nesse caso e de acordo com a Lei nº
8.429/92,
a) poderá optar por extinguir ou não o processo, com ou sem julgamento de mérito.
b) não é mais possível a extinção do processo.
c) extinguirá o processo com julgamento de mérito.
d) inexiste fase instrutória nas ações de improbidade administrativa.
e) extinguirá o processo sem julgamento de mérito.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 45 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
Comentário: o artigo 17 versa sobre o andamento da ação. Segundo a Lei, em
qualquer fase do processo, reconhecida a inadequação da ação de
improbidade, o juiz extinguirá o processo sem julgamento do mérito (art. 17,
§ 11).
Assim, se após a fase instrutória o juiz resolveu concluir a ação por
inadequação, ele poderá extinguir o processo sem julgamento de mérito
(alternativa E).
Gabarito: alternativa E.

É isso pessoal! Bons estudos e até breve.


HERBERT ALMEIDA.
http://www.estrategiaconcursos.com.br/cursosPorProfessor/herbert-almeida-3314/

@profherbertalmeida
www.facebook.com/profherbertalmeida/
profherbertalmeida

QUESTÕES COMENTADAS NA AULA

1. (Cespe - Proc/TC DF/2013) O ato de improbidade, que, em si, não constitui crime,
caracteriza-se como um ilícito de natureza civil e política.
2. (Cespe - ATA/MIN/2013) Os agentes políticos cujos atos puderem configurar
crimes de responsabilidade não se submetem ao regime da Lei de Improbidade
30482603828

Administrativa.
3. (Cespe - AnaTA/MJ/2013) Um ato de improbidade administrativa praticado por
servidor público não pode ser simultaneamente enquadrado como um ilícito
administrativo, o que exime a autoridade competente de instaurar qualquer
procedimento para apuração de responsabilidade de natureza disciplinar.
4. (Cespe - AnaTA/MJ/2013) A Lei de Improbidade Administrativa é aplicável a
qualquer agente público que seja servidor estatutário vinculado às pessoas jurídicas
de direito público, não abrangendo os empregados públicos vinculados à
administração indireta.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 46 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
5. (Cespe - Adm/MJ/2013) Com relação aos agentes públicos e à improbidade
administrativa, julgue o item que se segue conforme entendimento do Superior
Tribunal de Justiça.

Para a caracterização de ato de improbidade por ofensa a princípios da administração


pública, exige-se a demonstração do dolo lato sensu ou genérico.

6. (Cespe - AA/IBAMA/2013) A utilização de cargo público para favorecer


enriquecimento ilícito de amigo ou parente é considerada improbidade administrativa
que causa prejuízo ao erário.
7. (Cespe - AnaTA/SUFRAMA/2014) Considere que determinada regra exige
licença ambiental para liberação de financiamento de projeto empresarial na cidade
de Manaus. Nesse caso, se um servidor da SUFRAMA autorizar a liberação de verba
da autarquia para financiamento de atividade empresarial cuja licença ambiental
esteja irregular, ele poderá figurar como réu em ação de improbidade.
8. (Cespe - TJ/TJDFT/2013) Com base no disposto na Lei n.º 8.429/1992, julgue o
item seguinte.
As penalidades aplicadas ao servidor ou a terceiro que causar lesão ao patrimônio
público são de natureza pessoal, extinguindo-se com a sua morte.

9. (Cespe - AJ/CNJ/2013) Segundo jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça


(STJ), o reconhecimento de ato de improbidade administrativa, nos moldes previstos
pela Lei de Improbidade Administrativa (Lei n.º 8.429'1992), requer o exercício de
função específica (administrativa), não se admitindo sua extensão à atividade
judicante.
10. (Cespe - TJ/TJDFT/2013) O servidor que estiver sendo processado judicialmente
pela prática de ato de improbidade somente perderá a função pública após o trânsito
em julgado da sentença condenatória.
11. (Cespe - AJ/TJDFT/2013) Somente são sujeitos ativos do ato de improbidade
administrativa os agentes públicos, assim entendidos os que exercem, por eleição,
30482603828

nomeação, designação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato,


cargo, emprego ou função na administração direta, indireta ou fundacional de
qualquer dos poderes da União, dos estados, do DF e dos municípios.
12. (Cespe - AJ/TRT 10/2013) Apuração interna realizada descobriu que um
empregado público federal de uma sociedade de economia mista recebeu vantagem
indevida de terceiros, em troca do fornecimento de informações privilegiadas e dados
sigilosos do ente de que ele fazia parte. O relatório de conclusão da apuração foi
enviado ao Ministério Público para providências cabíveis.
Considerando essa situação hipotética, julgue o item que se segue.
O terceiro beneficiado poderá ser responsabilizado nas esferas cível e criminal, mas
não por improbidade administrativa, visto que esta não abrange particulares.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 47 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
13. (Cespe - ACE/TC DF/2014) O herdeiro de deputado distrital que tenha, no
exercício do mandato, ocasionado lesão ao patrimônio público e enriquecido
ilicitamente está sujeito às cominações da Lei de Improbidade Administrativa, mas
14. (Cespe - TJ/CNJ/2013) A configuração da improbidade exige os seguintes
elementos: o enriquecimento ilícito, o prejuízo ao erário e o atentado contra os
princípios fundamentais (legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência), presente o elemento subjetivo doloso.
15. (Cespe - AJ/CNJ/2013) Constituem improbidade administrativa não apenas os
atos que geram enriquecimento ilícito, mas também os que atentam contra os
princípios da administração pública.
16. (Cespe – TJ/TJDFT/2013) O servidor que, estando obrigado a prestar contas
referentes a recursos recebidos, deixa de fazê-lo incorre em ato de improbidade
administrativa passível de demissão do serviço público.
17. (Cespe – TJ/TJDFT/2013) Os atos típicos de improbidade administrativa
restringem-se ao descumprimento do princípio do sigilo e da confidencialidade de
informações.
18. (Cespe – AJ/TJDFT/2013) A procrastinação é uma conduta que pode configurar
ato de improbidade administrativa que causa prejuízo ao erário, por gerar atrasos e
ineficiência do serviço público.
19. (Cespe – AJ/TJDFT/2013) O oficial de justiça que, no exercício do cargo público,
aufira vantagem patrimonial indevida estará sujeito, além das sanções penais, civis e
administrativas previstas na legislação específica, às cominações arroladas na Lei n.º
8.429/1992, por configurar a situação ato de improbidade administrativa que importa
enriquecimento ilícito.
20. (Cespe - Tec/MPU/2013) Cometerá ato de improbidade administrativa que atenta
contra os princípios da administração pública o servidor público que revelar a seus
familiares, durante um jantar em família, os detalhes de processo que tramite em
segredo de justiça contra seu chefe e do qual tenha tomado conhecimento em razão
de suas atribuições. 30482603828

21. (FCC - Ana Con/TCE MT/2013) Segundo a Lei nº 8.429/1992, sobre improbidade
administrativa,
a) o agente público, caso não tenha havido enriquecimento ilícito, não estará sujeito à
perda da função pública.
b) as disposições da referida lei são de aplicação restrita a agentes públicos, não
incidindo sobre agentes políticos ou particulares, ainda que tenham induzido ou
concorrido para a prática do ato de improbidade.
c) poderão ser sujeitos passivos de atos de improbidade administrativa quaisquer
entidades, integrantes ou não da Administração pública, desde que exerçam funções
de interesse público.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 48 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
d) o servidor público processado por ato de improbidade administrativa atentatório
contra os princípios da Administração pública está sujeito à cassação dos seus direitos
políticos.
e) o afastamento do agente público no curso da ação civil por improbidade
administrativa, quando necessário à instrução do respectivo processo, se fará sem
prejuízo da remuneração.
22. (FCC - Cons Leg/AL PB/2013) Considere a seguinte situação hipotética: o
Ministério Público do Estado da Paraíba ajuizou ação de improbidade administrativa
contra o Governador do Estado e uma determinada empresa, alegando a ocorrência
de ato ímprobo causador de lesão ao erário. Atribuiu à causa o valor de dois milhões
de reais, pleiteando, portanto, o ressarcimento desse montante aos cofres públicos.
No curso da demanda, o Governador veio a falecer, razão pela qual, seu único filho,
João, passou a integrar o polo passivo da ação. Saliente-se que o falecido era solteiro
e tinha um patrimônio de um milhão de reais. Caso a ação de improbidade seja julgada
procedente, João
a) não responderá por qualquer condenação pecuniária, vez que a Lei de Improbidade
não prevê tal hipótese.
b) responderá pela condenação pecuniária até o montante de dois milhões de reais.
c) responderá pela condenação pecuniária até o montante de um milhão de reais.
d) responderá pela condenação pecuniária até o montante de quinhentos mil reais.
e) não responderá por qualquer condenação, vez que o falecimento transfere a
responsabilidade pelo ato ímprobo ao outro corréu, no caso, a empresa.
23. (FCC - JE/TJ PE/2013) Nos termos da Lei Federal nº 8.429/92,
a) ocorrendo lesão ao patrimônio público por ação ou omissão, desde que dolosa, do
agente ou de terceiro, dar-se-á o integral ressarcimento do dano.
b) no caso de enriquecimento ilícito, perderá o agente público ou terceiro beneficiário
o quíntuplo dos bens ou valores acrescidos ao seu patrimônio.
30482603828

c) reputa-se agente público, para os efeitos daquela lei, todo aquele que exerce,
necessariamente de modo permanente e remunerado, por eleição, nomeação,
designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato,
cargo, emprego ou função nas entidades da Administração direta ou indireta.
d) suas disposições são aplicáveis, no que couber, àquele que, mesmo não sendo
agente público, induza ou concorra para a prática do ato de improbidade ou dele se
beneficie sob qualquer forma direta ou indireta.
e) os agentes públicos são obrigados a velar pela estrita observância dos princípios
de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade no trato dos assuntos que
lhe são afetos, exceto se ocupantes de cargo ou emprego que não exija formação
superior.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 49 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
24. (FCC - AJ/TRE RO/2013) Nos termos da Lei no 8.429/1992, uma das sanções
previstas para o agente que comete ato de improbidade administrativa consiste no
ressarcimento integral do dano, quando houver. A propósito da sanção em análise, é
correto afirmar que
a) não pode ser aplicada isoladamente, devendo incidir de forma conjunta às demais
sanções previstas na lei.
b) sua aplicação depende da rejeição das contas pelo órgão de controle interno ou
pelo Tribunal ou Conselho de Contas.
c) somente pode ser executada após o trânsito em julgado da sentença condenatória
por ato de improbidade administrativa.
d) se aplica aos atos ímprobos causadores de prejuízo ao erário e aos que importam
enriquecimento ilícito, não se aplicando aos atos ímprobos atentatórios aos princípios
da Administração pública.
e) pode ser aplicada para qualquer modalidade de ato ímprobo, desde que
comprovado o efetivo dano causado ao erário.
25. (FCC - AJ/TRT 19/2014) Emerson, agente público, está respondendo a uma ação
de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público. Segundo a petição
inicial da ação, Emerson teria deixado de prestar contas quando estava obrigado a
fazer. Em razão disso, o Ministério Público requereu a indisponibilidade de seus bens,
o que foi indeferido pelo juiz sob o fundamento de que o ato ímprobo em questão não
causou prejuízo ao erário ou mesmo enriquecimento ilícito. A propósito do tema e nos
termos da Lei nº 8.429/92,
a) não está correta a decisão do juiz, pois o ato ímprobo em questão comporta o
pedido de indisponibilidade de bens, não importando se inexistiu prejuízo ao erário ou
enriquecimento ilícito.
b) pela descrição da conduta, sequer existe ato ímprobo, logo, o juiz deveria ter
rejeitado de plano a petição inicial.
30482603828

c) não está correta a decisão do juiz, pois a indisponibilidade de bens é cabível para
qualquer ato ímprobo e em qualquer circunstância, sempre visando o interesse
público.
d) está correta a decisão do juiz, pois não é cabível, na hipótese narrada, a medida
de indisponibilidade de bens.
e) pela descrição do enunciado, foi praticada conduta expressamente prevista na lei
como ato ímprobo que importa enriquecimento ilícito; logo, o juiz deveria ter deferido
a indisponibilidade de bens.
26. (FCC - DP SP/DPE SP/2013) É considerado ato de improbidade administrativa
que importa em enriquecimento ilícito, nos termos da Lei no 8.429/92,
a) liberar verba pública sem observância das regras pertinentes.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 50 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
b) permitir a permuta de bem por valor acima do mercado.
c) retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício.
d) permitir, facilitar ou concorrer para que terceiro se enriqueça ilicitamente.
e) adquirir para outrem, no exercício de função pública, bem cujo valor seja
desproporcional a renda do funcionário.
27. (FCC - ATCI/ALERN/2013) Nos termos da Lei nº 8.429/1992, constitui ato de
improbidade administrativa que atenta contra os princípios da Administração pública:
a) permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou locação de bem ou serviço por preço
superior ao de mercado.
b) frustrar a licitude de processo licitatório ou dispensá- lo indevidamente.
c) aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de consultoria ou assessoramento
para pessoa física ou jurídica que tenha interesse suscetível de ser atingido ou
amparado por ação ou omissão decorrente das atribuições do agente público, durante
a atividade.
d) perceber vantagem econômica para intermediar a liberação ou aplicação de verba
pública de qualquer natureza.
e) frustrar a licitude de concurso público.
28. (FCC - TJ/TRT 19/2014) Mateus, agente público, recebeu vantagem econômica,
diretamente de Bruno, para tolerar a exploração de jogo de azar por parte deste último.
Nos termos da Lei no 8.429/92, a conduta de Mateus
a) constitui ato ímprobo causador de prejuízo ao erário.
b) constitui ato ímprobo que importa enriquecimento ilícito.
c) não constitui ato ímprobo, embora seja conduta criminosa.
d) constitui ato ímprobo, na modalidade atentatória aos princípios da Administração
pública.
30482603828

e) não constitui ato ímprobo, mas caracteriza falta funcional passível de punição na
seara administrativa.
29. (FCC - AJ/TRT 19/2014) Valentina, servidora pública, foi processada por
improbidade administrativa, tendo em vista que celebrou contrato de rateio de
consórcio público sem suficiente e prévia dotação orçamentária. Ao final do processo,
Valentina foi condenada, dentre outras sanções, à suspensão dos direitos políticos
por dez anos. A pena aplicada
a) está correta.
b) é superior à prevista em lei para a espécie de ato ímprobo praticado.
c) é inferior à prevista em lei para a espécie de ato ímprobo praticado.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 51 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3
d) está incorreta, haja vista que a conduta em questão não caracteriza ato ímprobo.
e) está incorreta, pois o ato ímprobo praticado por Valentina não comporta tal espécie
de sanção.
30. (FCC - AJ/TRT 19/2014) Antônio, agente público, foi processado e condenado por
improbidade administrativa. De acordo com a sentença condenatória, Antônio frustrou
a licitude de importante concurso público que ocorreu em Maceió. Nos termos da Lei
no 8.429/92, NÃO constitui sanção passível de ser aplicada a Antônio em razão do
ato ímprobo cometido:
a) Ressarcimento integral do dano, se houver.
b) Suspensão dos direitos políticos por sete anos.
c) Perda da função pública.
d) Proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos
fiscais ou creditícios pelo prazo de três anos.
e) Pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração de Antônio.
31. (FCC - AJ/TRF 3/2014) No curso de determinada ação de improbidade
administrativa, após o encerramento da fase instrutória, o juiz do processo chamou o
feito para analisar atentamente os próximos trâmites processuais e concluiu pela
inadequação da ação de improbidade. Nesse caso e de acordo com a Lei nº 8.429/92,
a) poderá optar por extinguir ou não o processo, com ou sem julgamento de mérito.
b) não é mais possível a extinção do processo.
c) extinguirá o processo com julgamento de mérito.
d) inexiste fase instrutória nas ações de improbidade administrativa.
e) extinguirá o processo sem julgamento de mérito.

30482603828

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 52 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva


Normas Aplicáveis aos Servidores Públicos Federais
Analista e Técnico Judiciário do TRE/SP
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 3

GABARITO

1. C 11. E 21. E 31. E


2. C 12. E 22. C
3. E 13. C 23. D
4. E 14. C 24. E
5. C 15. C 25. D
6. C 16. C 26. E
7. C 17. E 27. E
8. E 18. E 28. B
9. E 19. C 29. B
10. C 20. C 30. B

REFERÊNCIAS

ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Direito administrativo descomplicado. 19ª Ed. Rio de
Janeiro: Método, 2011.

ARAGÃO, Alexandre Santos de. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Forense, 2012.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de Direito Administrativo. 31ª Ed. São Paulo:
Malheiros, 2014.

BARCHET, Gustavo. Direito Administrativo: teoria e questões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de direito administrativo. 27ª Edição. São Paulo: Atlas,
2014.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. “Personalidade judiciária de órgãos públicos”. Salvador:
Revista Eletrônica de Direito do Estado, 2007.
30482603828

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 27ª Edição. São Paulo: Atlas, 2014.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de direito administrativo. 10ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais,
2014.

MARINELA, Fernanda. Direito Administrativo. 7ª Ed. Niterói: Impetus, 2013.

MEIRELLES, H.L.; ALEIXO, D.B.; BURLE FILHO, J.E. Direito administrativo brasileiro. 39ª Ed. São
Paulo: Malheiros Editores, 2013.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 53 de 53

30482603828 - Michel Souza Araujo da Silva

Você também pode gostar