Você está na página 1de 19

Prof(a).

Isabel Henriques 1
Prof(a). Isabel Henriques 2
Prof(a). Isabel Henriques 3
Prof(a). Isabel Henriques 4
Origem do calor terrestre
 Calor primitivo gerado aquando da
formação do planeta Terra por
acreção de corpos mais pequenos
que compunham a nébula primitiva.
 Contracção gravitacional das
camadas internas da Terra.
 Decaimento radioactivo de isótopos instáveis. Este processo
ainda se encontra activo e é, actualmente, a principal fonte
de energia.

Prof(a). Isabel Henriques 5


Modelos de Convecção Mantélica

Prof(a). Isabel Henriques 6


Modelos de Convecção Mantélica
 Fluxo térmico
O fluxo de energia na Terra, sob a forma de
calor (fluxo térmico), pode ocorrer por três
mecanismos distintos: radiação, convecção e
condução.

Prof(a). Isabel Henriques 7


Modelos de Convecção Mantélica
Fluxo térmico
 A radiação apenas ocorre à superfície e
corresponde à perda de energia sob a
forma de radiação infravermelha.
 Nas camadas internas encontram-se activos
fenómenos de convecção e condução de
energia.
 A convecção é o principal mecanismo
responsável pelo fluxo de energia na Terra
e pode ser visualizada experimentalmente.
 Na convecção, a transferência de calor
processa-se pelo movimento de material
fundido, ou parcialmente fundido, que
pode comportar-se como um fluido.
Prof(a). Isabel Henriques 8
Modelos de Convecção Mantélica
A convecção ocorre em função de
diversos factores, nomeadamente:
 expansão térmica - o aquecimento de
um fluido provoca o aumento do seu
volume por expansão, com decréscimo
da densidade;
 gravidade - é essencial para atrair
("puxar") os materiais mais densos
para o fundo;
 fluidez - o material necessita de ser
fluido, para que possa criar uma
célula convectiva. O material sólido
apresenta elevada resistência à
deslocação.

Prof(a). Isabel Henriques 9


Modelos de Convecção Mantélica
Em 1928, Arthur Holmes propõe a hipótese de movimentos de
convecção no manto como motor da deriva dos continentes.
Arthur Holmes foi o primeiro cientista a relacionar a tectónica
de placas com a existência de convecção mantélica.
Segundo este cientista, ocorre a ascensão de magma do
manto, que é expelido ao nível dos riftes.

Arthur Holmes
Prof(a). Isabel Henriques 10
Modelos de Convecção
Mantélica
 A expansão dos fundos oceânicos é
compensada com a subducção da
placa oceânica nas fossas.
 A placa oceânica fria e densa
mergulha no manto, onde sofre
aquecimento e posterior fusão.
 O movimento lateral das correntes
convectivas na base da litosfera
permite a deslocação das placas.

Prof(a). Isabel Henriques 11


Modelos de Convecção Mantélica
 Os riftes encontram-se acima do ramo ascendente da célula de
convecção, enquanto as fossas oceânicas estão associadas ao
ramo descendente.
 As correntes de convecção organizam riftes à superfície e
consequente divisão do supercontinente Pangea em fragmentos
que derivam para diferentes posições.

Prof(a). Isabel Henriques 12


Modelos de Convecção Mantélica
 Harry Hess, em 1962, elaborou a
hipótese da expansão dos fundos
oceânicos.
 Sugeriu que o mecanismo para
esta expansão estaria associado a
movimentos convectivos de
material no manto.
 O modelo apresentado por Hess é
muito semelhante ao de Holmes,
divulgado em 1928.

Prof(a). Isabel Henriques 13


Modelos de Convecção Mantélica
Modelo a um nível (Holmes)
 O modelo de Holmes não consegue
explicar as diferentes composições dos
basaltos.
 Estudos de geoquímica permitiram
verificar que a composição dos basaltos
emitidos nos riftes é semelhante a nível
global, mas distinta dos basaltos
gerados nos pontos quentes.
 Estes dados apontam para a existência de duas origens
distintas para os magmas basálticos.
 Além disso, não se adequam a um modelo em que os
materiais são continuamente reciclados em células que se
expandem por todo o manto e que o tornariam homogéneo.
Prof(a). Isabel Henriques 14
Modelos de Convecção Mantélica
Modelo a dois níveis
 O primeiro nível convectivo ocorre nos riftes onde se
formam os basaltos que resultam da actividade de células
convectivas finas que circulam da base da astenosfera até
aos 670 km de profundidade.
 Nas Zonas de rifte o material sofre uma diminuição da
pressão ocorre a fusão parcial do material, que contribui
para a expansão dos fundos oceânicos.
 Ao nível das zonas de subducção, a
litosfera oceânica submerge, sofrendo
aquecimento, (aos 670 a 700 km)
sofrendo fusão e o material é
reciclado.
Prof(a). Isabel Henriques 15
Modelos de Convecção Mantélica
Modelo a dois níveis
 O segundo nível convectivo ocorre no
manto dos 670 aos 2900 km de
profundidade.
 Este nível é responsável pela
movimentação das células convectivas
do nível superior.
 A natureza geoquímica distinta das
camadas do manto impede que ocorra a
mistura de materiais.
 Este modelo considera que os pontos
quentes resultam da ascensão de
plumas mantélicas, de material a
elevadas temperaturas, que se formam
no limite do núcleo externo com o
manto inferior.
Prof(a). Isabel Henriques 16
Modelos de Convecção Mantélica
Modelo a dois níveis – Modelo Penetrativo
 O aperfeiçoamento de
instrumentos
sismográficos permitiu
verificar que a placa
litosférica quando sofre
subducção, ultrapassa os
700 km de profundidade, Modelo penetrativo
podendo atingir a base
do manto.
 Este movimento provoca
a mistura de material do
manto e é explicado
pelo modelo
penetrativo.

Prof(a). Isabel Henriques 17


Modelos de Convecção Mantélica
Modelo a dois níveis – Modelo Penetrativo
 Na base do manto ocorre
a formação de uma
camada com estrutura
complexa de material
ascende à superfície sob
a forma de plumas.
 Este modelo é suportado Modelo penetrativo
por dados geoquímicos
(existência de dois
reservatórios de magma
distintos no manto) e
por dados sísmicos
(afundamento profundo
da placa litosférica).

Prof(a). Isabel Henriques 18


Modelos de Convecção Mantélica

Modelo a um nível (Holmes)


Modelo penetrativo

Modelo a dois níveis

Prof(a). Isabel Henriques 19