Você está na página 1de 7

CENTRO INTEGRADO DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO LTDA - CIESF

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO - FAESF

PROJETO DE INTERVENÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL.

I -Dados de Identificação:
Nome do Projeto: A importância do fortalecimento dos vínculos familiares e o seu
impacto sobre o tratamento de álcool e drogas.
Órgão / Instituição Responsável: Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Droga –
CAPS AD III
Equipe: Assistente Social, Enfermeiros, Medico Psiquiatra, Técnicos em Enfermagem,
Fisioterapeuta.
Supervisora de Campo: Alane Santos Nunes
Supervisora Acadêmica: Flávia Lustosa
 
II APRESENTAÇÃO

No que tange a problemática proposta este projeto busca ressaltar a relevância


do fortalecimento das relações afetivas entre os usuários do dispositivo CAPS ad III e as
suas respectivas famílias, colaborando para o protagonismo dos indivíduos que estão em
sofrimento psíquico, resultante do uso abusivo de álcool e outras drogas, e de seus
familiares que, muitas vezes, encontram-se adoecidos e vulneráveis.
Partindo dessa afirmação, a importância do estágio nessa área se faz pertinente
uma vez que o trabalho do Assistente Social não se finda dentro da instituição com os
usuários, mas perpassa a vida familiar, dando o enfoque para a consolidação dos laços
afetivos e prevenção dos seus rompimentos. O estagiário tem acesso a um espaço
multidisciplinar, onde a equipe é formada para atuar levando transformação da
realidade, através da Política de Redução de Danos, onde os seus usuários estão
inseridos, proporcionando uma visão crítica apurada e investigativa.
É pretendido com esse projeto de intervenção, exigência da disciplina de Estágio
II, ministrada pela Professora Flávia Lustosa, na Faculdade de ensino Superior de
Floriano – FAESF/PI, alcançar através de palestras realizadas durante as reuniões
familiares mensais, no CAPS ad III de Floriano – PI, com as famílias, o entendimento
da tomada do compromisso conjunto com a equipe multidisciplinar do dispositivo, o
projeto será desenvolvido a longo prazo, uma vez que os resultados serão colhidos na
medida do envolvimento das famílias no trato afetivo com os usuários do CAPS ad III e
com as observações futuras da relação família/usuário.
 
III DIAGNÓSTICO

Drogadição, famílias em situação de vulnerabilidades decorrente do uso abusivo


de álcool ou drogas por parte de um dos seus integrantes, desemprego, trabalho
informal, pobreza, moradia precária, falta de moradia, saúde, são as expressões das
questões sociais mais presentes no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Droga –
CAPS ad III.
 
IV JUSTIFICATIVA

Ao passar pelo Estagio I nos meses de agosto, setembro, outubro e novembro de


2017 e pelo Estágio II nos meses de abril, maio e junho de 2018 no Centro de Atenção
Psicossocial Álcool e Droga CAPS ad III de Floriano – PI pude perceber que boa parte
dos usuários do dispositivo apresentavam algum tipo de adversidade atada a questão
familiar, por vezes o abandono de um dos pais, ou até mesmo da família, dificuldades
financeiras dentro do âmbito conjugal ou o não interesse paterno ou materno no cuidado
afetivo, me fizeram questionar e examinar mais afundo essa temática.
O CAPSad III em Floriano foi implantado a partir da necessidade da efetividade
do acesso ao tratamento e prevenção do uso e abuso de álcool e outras drogas, é um
serviço aberto, de base comunitária que funciona com atenção contínua, durante 24
horas diariamente, incluindo feriados e finais de semana. O trabalho tem suporte da
Secretaria de Assistência Social do município, Secretaria de Cultura, Previdência
Social, e da polícia federal que colabora no trabalho de diminuição do tráfico de drogas.
O CAPS ad III é um disposto de natureza pública que atua dentro da Rede de
Atenção Psicossocial (RAPS) integrante do Sistema Único de Saúde. As principais
demandas desse instrumento são pessoas em sofrimento decorrente do consumo de
álcool, crack e outras drogas e suas famílias levando-os aos pontos de atenção,
garantindo a articulação e integração às redes de saúde no território, qualificando o
cuidado por meio do acolhimento, do acompanhamento contínuo e da atenção às
urgências.
O Centro de Atenção Psicossocial - Álcool e drogas de Floriano oferece uma
programação organizada semanalmente, as atividades coletivas, denominadas grupos
terapêuticos fazem parte do roteiro diário dos usuários alternando os profissionais que
as conduzem, as práticas estão ligadas desde a exercícios físicos e de relaxamento, ao
entretenimento como cinema e artesanato. O CAPSad III ampara e recebe a população
de Floriano - PI e de mais 17 municípios vizinhos e conta com uma equipe de
profissionais multidisciplinar.
Para o atendimento de demandas complexas como as que o dispositivo recebe é
necessário uma base física, teórica e uma juntura eficaz e eficiente, onde os usuários
possam ser acolhidos e receberem devolutivas de acordo com suas necessidades. A
temática proposta pelo projeto de intervenção se faz necessária pelo fato de que o
fortalecimento afetivo entre dependente químico e família ser considerado de grande
valia no tratamento, quanto ao enfrentamento e prevenção das substâncias psicoativas.
Dessa forma, o Assistente Social faz-se necessário para colaborar na relação família-
usuário trabalhando com o atendimento das famílias que vivenciam situações de
dependência química fazendo uso de seus instrumentos técnico-operativos de maneira a
mediar o trânsito entre o indivíduo em situação de drogadição e suas famílias a toda a
rede socioassistencial, oportunizando a essa demanda protagonismo, acesso aos direitos
e convivência em sociedade.
 
V OBJETIVOS

GERAL

Desenvolver um projeto de intervenção para sensibilizar as famílias dos


indivíduos que se encontram em sofrimento psíquico decorrente do uso abusivo de
álcool e drogas sobre o compromisso com tratamento de seus entes.

ESPECÍFICOS
 Contribuir com a continuidade do tratamento;
 Promover a relação das famílias com o dispositivo CAPS ad III;
 Propor às famílias e a instituição um minicurso sobre a temática esclarecendo a
importância da rede socioassistencial possibilitando o acesso a mesma.
 
VI REFERENCIAL TEÓRICO

Em torno dos diversos desafios que são enfrentados hoje pelas famílias
brasileiras como a baixa escolarização, desemprego, moradia e precarização da saúde
básica, a dependência química se encontra intrínseca, envolvida e concomitante a estes
problemas sociais. A dependência química, segundo a Organização Mundial de Saúde
(2001) é definida como uma condição psíquica e por vezes físicas consequente de um
contato com uma substância marcada por alterações de modos e atitudes agressivas que
desencadeia o estímulo pela busca de usar a substância de maneira constante ou com
intervalos regulares com o intuito de sentir seus efeitos e suprir o vício.
A família é considerada a célula matriz de uma sociedade responsável por cuidar
e proteger seus integrantes, garantindo vínculos afetivos, socialização e interação nas
relações que colaboram para a formação social de um ser humano, quando não há
existência de uma família o indivíduo passa a se tornar vulnerável a todos e quaisquer
riscos sociais iminentes, o que pode mirrar seu desenvolvimento coletivo enquanto um
ser sociável.
É no seio familiar que a pessoa encontra o que é preciso para se desenvolver de
forma social, econômica e pessoal, com suas particularidades, mas também pode ser
palco para a evolução de um quadro traumático que consequentemente pode levar ao
uso exacerbado de drogas por fatores como a desintegração familiar, familiares que já
fizeram ou fazem uso continuo, independência familial, excesso de tolerância familiar
em detrimento de atitudes negativas. Por isso é inconcebível pensar o tratamento,
enfrentamento ou prevenção dessa pulsante questão de cunho social sem a presença da
família que é o berço afetivo e amparador, é nessa perspectiva que Oliveira (2012)
confirma que,

o diálogo na família é um elemento imprescindível para


manter a saúde das pessoas que a compõem. As relações
intrafamiliares são complexas e quando não existe um
diálogo aberto, associado a outros cuidados e modos de
interagir, pode ocorrer o rompimento dos vínculos,
sofrimentos e maiores dificuldades na busca da solução de
conflitos (OLIVEIRA, 2012, p.88).
Relativo a essa demanda, as políticas públicas que são voltadas a essa
problemática devem acompanhar o progresso dessa questão social como um todo,
voltadas tanto para o indivíduo que se encontra em situação de drogadição como para a
família da pessoa. No que se refere ao tratamento que é feito com os dependentes
químicos nos dispositivos CAPS é relevante frisar a influência da família no tratamento,
é nela que o indivíduo encontra apoio e suporte afetivo para continuar a enfrentar o
vício. 

VII METODOLOGIA

A construção do presente projeto de intervenção nasceu da pesquisa qualitativa


que segundo Minayo (2001),

responde a questões muito particulares. Ela se preocupa, nas


ciências sociais, com um nível de realidade que não pode ser
quantificado. Ou seja, ela trabalha com o universo de
significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes,
o que corresponde a um espaço mais profundo das relações,
dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos
à operacionalização de variáveis. (MINAYO, 2001, p. 21-22)

Assim, diante da questão explanada, a intervenção aderida fomenta a promoção


do envolvimento familiar no tratamento terapêutico. Foram planejadas palestras a ser
apresentadas durante as reuniões familiares que acontecem mensalmente com o objetivo
de sensibiliza-los a respeito do tema abordado por esse projeto.
A posteriori, pretende-se estender as palestras, transformando-as em minicursos
para o trato mais abrangente da rede socioassistencial, do adoecimento familiar e dos
serviços prestados pelo CAPS ad III.

VIII RECURSOS
8.1 Humanos;

RECURSOS HUMANOS

Famílias dos usuários


Assistente Social 01
Psicólogo (palestrante) 01

8.2 Materiais;

RECURSOS MATERIAIS

Data show 01
Notebook 01
Caixa de som 01

IX CRONOGRAMA FÍSICO:

CRONOGRAMA DE ATIVIDADES

ATIVIDADE/MÊS ABRIL MAIO JUNHO


Período de elaboração do projeto X X X
Execução do projeto de intervenção X

 
X CRONOGRAMA FINANCEIRO:
Relação de valores
 
REFERÊNCIAS
MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e
criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

OLIVEIRA, Adriane Maria Netto de. Abordagem familiar na dependência química IN:
AMARANTE SILVA, Fernando/Organizadores. Uso de drogas psicoativas; teoria e
métodos para multiplicador prevencionista – 2ª ed. rev. e ampliada – Rio Grande:
CENPRE 2012.

RODRIGUES, J. S. O serviço Social e as Políticas Públicas Brasileiras no trato do


Álcool e outras Drogas. III Jornada Internacional de Políticas Públicas. São Luís –
MA, 28 a 30 de Agosto 2007.
CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CFESS). Parâmetros para atuação
de assistentes sociais na saúde. Brasília, 2010.

Você também pode gostar