Você está na página 1de 5

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA GRADUAÇÃO

DISCIPLINA: TOPOGRAFIA E GEODÉSIA I UNEC / EAD

CAPÍTULO 2 – NOÇÕES GERAIS SOBRE SISTEMAS DE


INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS E SENSORIAMENTO REMOTO

2.1 Definição
O Sistema de Informações Geográficas – SIG é um conjunto de sistemas de
softwares e hardwares capazes de produzir, armazenar, processar, analisar e
representar inúmeras
informações sobre o espaço
geográfico, tendo como produto
final mapas temáticos, imagens
de satélites, cartas topográficas,
gráficos e tabelas (TEIXEIRA et
al., 1995). Esses produtos são
importantes para a análise de
evoluções espaciais e temporais
de um fenômeno geográfico e
as inter-relações entre
diferentes fenômenos espaciais.
Uma das principais
aplicações do SIG é no planejamento e ordenamento territorial, como o
planejamento urbano de uma cidade, o planejamento ambiental, citando como
exemplo o controle e o monitoramento do desmatamento na Amazônia.
O SIG é uma ferramenta que vem sendo utilizada cada vez mais pelos órgãos
públicos e privados, pois permitem a maximização de informações coletadas. O
último Censo, de 2010, realizado pelo IBGE utilizou-se do SIG para a coleta,
armazenamento e tratamento dos dados colhidos.

2.2 História dos Sistemas de Informações Geográficas


A solução mais antiga, e até hoje mais comum, de resolver problemas de
análise de informações espaciais envolve a construção e a utilização de mapas.
Embora toda a técnica de produção de mapas em papel esteja bastante dominada,

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA - NEAD Página | 48


Professor: D.Sc. Marcos Alves de Magalhães – professormarcosmagalhaes@gmail.com
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA GRADUAÇÃO
DISCIPLINA: TOPOGRAFIA E GEODÉSIA I UNEC / EAD

uma vez que a Cartografia é uma ciência muito antiga, o processo de produção e
utilização de mapas é muito oneroso, principalmente considerando-se os aspectos
de levantamento de dados em campo, armazenamento e atualização.
As primeiras tentativas de automatizar parte do processamento de dados com
características espaciais aconteceram na Inglaterra e nos Estados Unidos, nos anos
50 do século XX, com o objetivo principal de reduzir os custos de produção e
manutenção de mapas. Dada a precariedade da informática na época, e a
especificidade das aplicações desenvolvidas (pesquisa em botânica, na Inglaterra, e
estudos de volume de tráfego, nos Estados Unidos), estes sistemas ainda não
puderam ser classificados como “sistemas de informação” (CÂMARA; DAVIS, 2020).
Os primeiros Sistemas de Informações Geográficas surgiram na década de
1960, no Canadá, como parte de um esforço governamental para criar um inventário
de recursos naturais. Estes sistemas, no entanto, eram muito difíceis de usar: não
existiam monitores gráficos de alta resolução, os computadores necessários eram
excessivamente onerosos, e a mão de obra tinha que ser altamente especializada e,
portanto também muito onerosa. Não existiam sistemas comerciais prontos para
uso, e cada interessado precisava desenvolver seus próprios programas, o que
demandava muito tempo e, naturalmente, muitos recursos financeiros. Além disto, a
capacidade de armazenamento e a velocidade de processamento eram muito baixas
(CÂMARA; DAVIS, 2020).
Ao longo dos anos 70 do século XX, foram desenvolvidos novos e mais
acessíveis recursos computacionais, tornando viável o desenvolvimento de sistemas
comerciais. Foi então
que a expressão Sistema
de Informações
Geográficas foi criada.
Foi também nesta época
que começaram a surgir
os primeiros sistemas
comerciais de CAD
(Computer Aided Design,
ou Projeto Assistido por Computador), que melhoraram em muito as condições para

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA - NEAD Página | 49


Professor: D.Sc. Marcos Alves de Magalhães – professormarcosmagalhaes@gmail.com
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA GRADUAÇÃO
DISCIPLINA: TOPOGRAFIA E GEODÉSIA I UNEC / EAD

a produção de desenhos e plantas para engenharia, e serviram de base para os


primeiros sistemas de cartografia automatizada. Também nos anos 70 foram
desenvolvidos alguns fundamentos matemáticos voltados para a cartografia, sendo
que o produto mais importante foi a topologia aplicada. Esta nova disciplina permitia
realizar análises espaciais entre elementos cartográficos. No entanto, devido aos
custos e ao fato destes sistemas ainda utilizarem exclusivamente computadores de
grande porte, apenas grandes organizações tinham acesso à tecnologia.
No decorrer dos anos 80 do século XX, com a grande popularização e
barateamento das estações de trabalho gráficas, além do surgimento e evolução dos
computadores pessoais e dos sistemas gerenciadores de bancos de dados
relacionais, ocorreu uma grande difusão do uso de GIS. A incorporação de muitas
funções de análise espacial proporcionou também um alargamento do leque de
aplicações de GIS (CÂMARA; DAVIS, 2020).
No final da década de 80 e início da década de 90 do século XX, os Sistemas
de Informações Geográficas eram orientados a pequenos projetos, considerando-se
pequenas áreas geográficas com poucos detalhamentos, ainda eram precários os
dispositivos de armazenamento, acesso e processamento de dados, além disso,
somente em grandes corporações era possível encontrar redes de computadores.
Desta forma, realizava-se o mapeamento de uma pequena área, inseria-se este
mapeamento em computadores, realizavam-se algumas análises e elaboravam-se
mapas e relatórios impressos com as informações geográficas desejadas (CÂMARA;
DAVIS, 2020)..
Em meados da década de 90, com a popularização da Internet, e a
consequente popularização das redes de computadores, os Sistemas de
Informações Geográficas puderam ser orientados às empresas e/ou instituições,
com a introdução do conceito da arquitetura cliente-servidor e a popularização dos
bancos de dados relacionais. Nesta época também, os programas computacionais
de SIG incorporaram as funções de processamento de imagens digitais.
No final da década de 90 e início do século XXI, os Sistemas de Informações
Geográficas começam a se tornarem corporativos e orientados à sociedade, com a
utilização da Internet, de bancos de dados geográficos distribuídos e com os
esforços realizados em relação a interoperabilidade dos sistemas.

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA - NEAD Página | 50


Professor: D.Sc. Marcos Alves de Magalhães – professormarcosmagalhaes@gmail.com
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA GRADUAÇÃO
DISCIPLINA: TOPOGRAFIA E GEODÉSIA I UNEC / EAD

1) Sobre o SIG (Sistema de Informações Geográficas), assinale a alternativa


incorreta:
a) Tem como produto final mapas temáticos, imagens de satélites, cartas
topográficas, gráficos e tabelas.
b) Uma das suas principais aplicações é no planejamento e ordenamento territorial.
c) É uma ferramenta que vem sendo utilizada cada vez mais pelos órgãos públicos e
privados, pois permitem a minimização de informações coletadas.
d) O último Censo, de 2010, realizado pelo IBGE utilizou-se deste sistema para a
coleta, armazenamento e tratamentos dos dados colhidos.

2) Estes sistemas eram muito difíceis de usar: não existiam monitores gráficos
de alta resolução, os computadores necessários eram excessivamente onerosos, e
a mão de obra tinha que ser altamente especializada e, portanto também muito
onerosa. Quando e onde surgiram os primeiros Sistemas de Informações
Geográficas?
a) Surgiram na década de 1960, nos EUA.
b) Surgiram na década de 1950, na Inglaterra.
c) Surgiram na década de 1960, no Canadá.
d) Surgiram na década de 1950, nos EUA.

3) Ao longo dos anos 70 do século XX, foram desenvolvidos novos e mais


acessíveis recursos computacionais, tornando viável o desenvolvimento de sistemas
comerciais. Sobre os Sistemas de Informações Geográficas, complete as lacunas:

“Foi também nesta época que começaram a surgir os primeiros sistemas comerciais
de _________, que melhoraram em muito as condições para a produção de
________ e ________ para engenharia, e serviram de base para os primeiros
sistemas de _____________.”

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA - NEAD Página | 51


Professor: D.Sc. Marcos Alves de Magalhães – professormarcosmagalhaes@gmail.com
CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA GRADUAÇÃO
DISCIPLINA: TOPOGRAFIA E GEODÉSIA I UNEC / EAD

a) Informações; mapas; desenhos; informações geográficas.


b) CAD; desenhos; plantas; cartografia automatizada.
c) GIS; gráficos; projetos; informática.
d) Computadores; plantas; gráficos; cartografia.

Referência Bibliográfica

CÂMARA, G.; DAVIS, C. Introdução. Capítulo 1. In: Fundamentos de Geoproces-


samento. 2020. p.3. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/introd/cap1-
introducao.pdf> Acesso em: 12 jun. 2020.
TEIXEIRA, A. et al. Qual a melhor definição de SIG. Revista FATOR GIS, n.11,
1995.

NÚCLEO DE ENSINO A DISTÂNCIA - NEAD Página | 52


Professor: D.Sc. Marcos Alves de Magalhães – professormarcosmagalhaes@gmail.com

Você também pode gostar