Você está na página 1de 3

Karl Marx - O Capital

Antonio Matheus Sá

Segundo Karl Marx,

• As ideias dos socialistas utópicos eram ingênuas e com pouca dedicação ao estudo rigoroso
da conjuntura social, pois diziam sobre como deveria ser a sociedade harmônica ideal, mas
nada indicavam sobre como seria possível alcançá-la plenamente.

• Mercadoria → Um objeto externo ou coisa, capaz de satisfazer as necessidades humanas.


Aparece como algo dúplice, isto é, como um duplo de valor de uso e valor de troca. Marx
observa que o valor de troca, no entanto, é apenas a forma aparente da propriedade social da
mercadoria: o valor. Em essência, portanto, a mercadoria é o duplo valor de uso (utilidade),
valor.

• Valor de Uso → Utilidade de uma coisa, propriedades físicas, químicas e estéticas das
mercadorias, ou seja, as propriedades contidas no corpo das mercadorias que as tornam
capazes de satisfazer necessidades, desejos e projetos humanos. O valor de uso realiza-se
somente no uso ou no consumo.

• Valor de Troca → Forma de manifestação do valor contido nas mercadorias. O valor se


manifesta numa relação de troca, na qual uma determinada mercadoria expressa valor no
corpo (valor de uso) da outra. Por exemplo: 20 m linho = (vale) 1 casaco. Essa relação de
troca que dá forma ao valor é o seu valor de troca.

• Valor → Tempo de trabalho socialmente necessário objetivado numa mercadoria.

• Dinheiro → Forma social de expressão do valor. É o equivalente geral, isto é, o material


(valor de uso) no qual todas as mercadorias expressam valor.

• Preço → Manifestação do valor das mercadorias no corpo do dinheiro. Trata-se, portanto, de


um valor de troca, no qual o valor da mercadoria já se manifesta em forma reconhecível de
modo universal.

• Trabalho Social → Soma dos trabalhos privados.

• Moeda → Representação simbólica do dinheiro. Como símbolo do dinheiro, a moeda exerce


suas funções ao circular.

• Entesouramento → Dinheiro imobilizado, ou seja, o dinheiro acumulado fora da esfera da


circulação do valor após venda não seguida da compra.

• Mais-valia → Acréscimo de valor ao capital adiantado no mercado com o propósito da


valorização. A mais-valia funciona como índice da auto-expansão do capital, isto é, como a
objetivação de sua própria valorização. Como porção adicional de valor, a mais-valia também é
tempo de trabalho socialmente necessário. Por isso, tem sua origem na esfera da produção.
Como toda e qualquer porção de valor, a mais-valia, uma vez criada, realiza-se na esfera da
circulação.

• Capital → Valor que, em seu movimento, busca a valorização, ou seja, a expansão. A


fórmula geral do capital é D – M – D’, onde D'= D + ΔD.
• Capitalista → Personificação do capital, ou seja, o indivíduo ou classe de indivíduos que
encara a porção de valor objetivada em sua propriedade como potencial valor em expansão.

• Força de Trabalho → Conjunto de faculdades físicas e mentais pertencentes aos ser


humanos, e que eles põem em movimento toda vez que produzem um valor de uso qualquer.

• Processo de Trabalho → Utilização da força de trabalho. Metabolismo entre o ser humano e


a natureza no qual é produzido um valor de uso.

• Objeto de Trabalho → Objetos sobre e com os quais os seres humanos criam produtos. Há
dois tipos de objetos de trabalho: (1) objetos de trabalho preexistentes por natureza, que são
as coisas existentes na natureza sem a mediação prévia de trabalho; (2) matérias-primas, que
são os objetos de trabalho sobre os quais trabalho humano prévio já foi exercido.

• Meio de Trabalho → “uma coisa ou um complexo de coisas que o trabalhador coloca entre
si mesmo e o objeto de trabalho e que lhe serve como condutor de sua atividade sobre esse
objeto”. (Marx, 1985: 150) Os meios de trabalho abrangem: (1) os instrumentos de trabalho,
com os quais o trabalhador modifica os objetos de trabalho; (2) as matérias auxiliares, que
são os meios de trabalho cujo valor de uso é totalmente destruído durante o processo de
produção. Por exemplo, o combustível que movimenta uma máquina perde o seu valor de uso,
ao mesmo tempo que o seu valor é conservado no produto.

• Meios de Produção → Conjunto de objetos necessários à produção de um valor de uso, isto


é, a soma de objetos e meios de trabalho.

• Capital Constante → Parte do capital que se converte em meios de produção, ou seja, em


objetos e meios de trabalho, e que não altera sua grandeza de valor no processo de produção.

• Capital Variável → Parte do capital convertida em força de trabalho. É essa parte que tem a
propriedade de se dilatar durante o processo produtivo, criando a mais-valia.

• Jornada de Trabalho → Número de horas que um trabalhador (ou conjunto de


trabalhadores) trabalha por dia, ou qualquer período de tempo (meses, semanas etc.).

• Tempo de Trabalho Necessário → Tempo necessário à reprodução do valor da força de


trabalho, para garantir sua subsistência.

• Tempo de Trabalho Excedente → Tempo em que o trabalhador labuta além do necessário


para repor as suas condições de subsistência. Para o trabalhador não gera nenhum valor, mas
é a fonte da mais-valia, que é o objetivo da produção capitalista.

• Taxa de Mais-valia → Taxa que mede, em termos relativos (percentuais), a valorização do


capital. É a expressão exata do grau de exploração da força de trabalho pelo capital ou do
trabalhador pelo capitalista. Tx = m/v

• Massa de Mais-valia → A mais-valia produzida por um conjunto de trabalhadores.

• Mais-valia Absoluta → Métodos de expansão da mais-valia através do prolongamento da


jornada de trabalho, ou seja, do aumento do número de horas trabalhados por dia.

• Mais-valia Relativa → Métodos de ampliação da mais-valia pela redução do tempo de


trabalho necessário.

• Cooperação → Atividade de um coletivo de trabalhadores, ao mesmo tempo, no mesmo


lugar ou não, para produzir determinada mercadoria sob o comando do mesmo capital.

• Cooperação Simples → Forma de cooperação na qual todos desenvolvem a mesma


atividade, não existe divisão manufatureira técnica do trabalho.
• Cooperação Baseada na Divisão Manufatureira do Trabalho → Forma de cooperação na
qual os trabalhadores executam tarefas distintas, mas necessárias a produção de um
determinado valor de uso.

• Cooperação de Máquinas da Mesma Espécie → Forma de cooperação de máquinas na


qual diferentes máquinas executam o produto por um todo, ao mesmo tempo e/ou no mesmo
espaço.

• Sistemas de Máquinas → Forma de cooperação de máquinas na qual diferentes máquinas


executam operações parciais indispensáveis à elaboração do produto.

• Salário → Aparece como preço do trabalho, ou seja, uma quantidade determinada de


dinheiro paga por uma quantidade determinada de trabalho, mas, na verdade, é o preço da
força de trabalho. A forma aparente do salário, isto é, preço do trabalho, é absurda, porque
trabalho não pode ter valor, nem preço.

• Reprodução Simples → Repetição do processo de produção na mesma escala. Essa mera


repetição ou continuidade imprime ao processo certas características novas.

• Reprodução Ampliada → Reprodução do processo de produção em escala mais ampla.


Pressupõe a acumulação de capital.

• Composição do Capital Segundo Valor → Proporção em o capital se reparte em capital


constante (valor dos meios de produção) e capital variável (valor da força de trabalho).

• Composição Técnica do Capital → Proporção em que o capital sob a forma dinheiro divide-
se em meios de produção e força de trabalho viva. Essa composição é determinada pela
proporção entre a massa de meios de produção utilizados e o montante de trabalho exigido
para seu emprego.

• Composição Orgânica do Capital → É a composição do capital segundo o valor observada


como síntese do movimento das duas anteriores.

• Acumulação de Capital → Mais-valia capitalizada, isto é, reaplicada no processo de


produção.

• Lei Geral da Acumulação Capitalista → Tendência ao empobrecimento relativo da classe


trabalhadora como condição indispensável à reprodução em escala ampliada.

• Acumulação Primitiva → Forma de acumulação que antecede o capitalismo e prepara as

Você também pode gostar