Você está na página 1de 8

Engenharia Ambiental

Laboratório de Física II

PROJETO ENGENHOCAS-
Plataforma Hidráulica

Grupo Engenhetes :
Amanda Pereira
Beatriz Stadler Franchini Oliveira
Maria Julia Battaglini
Mariana Cássia

Maio/2014
1. OBJETIVO
O objetivo deste projeto é realizar a construção de uma plataforma
hidráulica. Mostrando que as pressões exercidas sobre um fluido são
transmitidas integralmente a todos os pontos do fluido e a parede do recipiente.

2. INTRODUÇÃO

O Princípio de Pascal é o princípio elaborado pelo físico


e matemático francês Blaise Pascal, que estabelece que a alteração
de pressão produzida num fluido em equilíbrio transmite-se integralmente a
todos os pontos do líquido e às paredes do recipiente [1].

A equação 1 descreve matematicamente esse princípio :

Δp1= Δp2 (1)


o que implica na equação 2:

(2)

Onde S1 e S2 = áreas

Uma aplicação simples deste princípio é a prensa hidráulica. A prensa é um


dispositivo com dois vasos comunicantes, que possui dois êmbolos de
diferentes áreas sobre a superfície do líquido. Veja como funciona uma prensa
hidráulica na figura 1.

Figura 1- Prensa hidráulica (figura obtida da referência 2)

A figura 1 apresenta o esquema de um elevador hidráulico. A prensa é um


mecanismo eficaz de aumento da força aplicada. Para isso basta construir um
dispositivo com área maior do que a área na qual se vai aplicar a força.
Fazendo isso podemos levantar carros, ou outros objetos pesados. O mesmo
vale para o sistema de freio hidráulico de um carro.
No caso deste projeto, foi construido uma plataforma hidraulica mas que tem o
mesmo funcionamento citado acima.
A plataforma hidráulica, permite multiplicar as forças em um sistema, utilizando
êmbolos de diferentes seções de área movidos por líquidos compressíveis [3].

3. Materiais e métodos

3.1 MATERIAIS

Para construir esse projeto, você vai precisar:

• 4 Seringas de 5 ml (Figura 2)

• 4 Seringas de 20 ml (Figura 3)

Figura 2- Seringas de 5 ml Figura 3- Seringas de 20 ml

• 4 Tubos de Látex (Figura 4)

• Placa de isopor (26,5 x 24,0)cm (Figura 5)


Figura 4- Tubos de látex Figura 5- Placa de isopor
• Caixa de papelão (31,0 x 33,0)cm (Figura 6)

• Objetos de diferentes massas conhecidas para realização da


experiência. (Figura 7)

 Pedaço de papelão (31,0 x 33,0)cm

 Régua de 30cm

Figura 6- Caixa de papelão Figura7- Objetos de massas


conhecidas

3.2 MÉTODOS
Como construir a plataforma hidráulica:

Primeiramente desenhe a posição das seringas sobre o isopor, como


apresentado na figura 5. Faça 4 furos no isopor para encaixar as
seringas maiores (20ml), conforme a figura 8.

Em seguida, marque as posições das seringas sobre a caixa de


papelão, para o encaixe das 4 seringas menores (5ml), conforme a
figura 9.
Figura 8- Isopor com as Figura 9- Caixa de papelão com as
seringas de 20 ml seringas de 5ml

Após isso, ligue as extremidades das seringas menores por meio dos
tubos de látex às extremidades das seringas maiores.
Preencha com água as seringas menores e todo o tubo de látex. Vale
ressaltar que, durante o preenchimento do tubo é necessário tomar
cuidado para que não se formem bolhas de ar.
Para finalizar sua plataforma hidráulica, coloque sobre as seringas
menores, o pedaço de papelão que funcionará como suporte (conforme
figura 10)

Figura 10- Plataforma finalizada

Como utilizar a plataforma:

 Para entender o princípio de Pascal utilizando esse equipamento,


primeiro meça os diâmetros das seringas (das menores e das
maiores) usando a régua, caso queira trabalhar com valores mais
precisos, meça no mínimo 3 vezes e encontre a média e desvio
padrão. A partir desses resultados obtenha a área da seção de
cada seringa.
 Uma maneira lúdica de usar a plataforma é aplicando diferentes
forças (utilize corpos de massas conhecidas) sobre o suporte de
papelão, e assim observar o movimento da plataforma de isopor.
 Utilizando a régua, meça a abertura do êmbolo das seringas
menores, e após o movimento do fluído meça a abertura do
êmbolo das seringas maiores.
 Para movimentar a plataforma, coloque massas conhecidas, em
cima do suporte de papelão, sobre as 4 seringas menores. Assim
observe o movimento do fluido no tubo e elevação das seringas
maiores.

4. Alguns RESULTADOS

4.1 Medidas dos diâmetros das seringas e cálculos da área

Foram realizadas três medições do diâmetro das seringas (Tabela 1) com a


régua . E foram calculadas as áreas das bases da seringas utilizando-se a
equação 3 (Tabela 2).

Tabela 1 - Medidas do diâmetro das seringas

Diâmetro das seringas menores Diâmetro das seringas


Medições (±0,05)cm maiores (±0,05)cm
1 1,30 2,00
2 1,28 1,90

3 1,30 2,00
Média e
desvio (1,29 ±0,009)cm (1,96±0,04)cm

- Área (S1 e S2):

(3)

Sendo
Onde D = diâmetro das seringas.

Tabela 2- Áreas das bases das seringas

Área da seringa menor - Ae (cm²) Área da seringa maior- As (cm²)

1,286 3,015
4.2 Deslocamento da plataforma

Com a aplicação das massas conhecidas sobre as seringas menores, as


seringas maiores sofreram deslocamento (Tabela 3) que foram medidos com a
régua.

Tabela 3 - Relação entre a massa aplicada e o deslocamento sofrido pelas


seringas.
Massa aplicada sobre a Deslocamento da Deslocamento da seringa
menor seringa (g) seringa menor- de maior-ds
(±0,05)cm (±0,05)cm
300 0,00 0,00
1300 5,00 2,00

Se deslocarmos a seringa de entrada (seringas menores) para baixo de


uma distância de, as seringas de saída (seringas maiores) sofrerão
deslocamneto de ds, de modo que o mesmo volume V do líquido
incompressível é deslocado nas seringas maiores e menores (conforme
equação 4).

V= Ae de = As ds (4)

Podemos trabalhar com a equação 4 e escrever a equação 5:

ds = d e (5)

Isso mostra que, se As>Ae, as seringas maiores se movem uma distância


menor do que se movem as seringas menores.

A partir da equação 4, e baseando-se nos dados das Tabelas 2 e 3,


obtemos os seguintes resultados:

= 0,4 =0,4
5. CONCLUSÃO

Após essa pratica, pode-se concluir que a pressão exercida sobre as


seringas menores será transmitida ao longo de todo o fluido até as seringas
maiores, para que assim a plataforma levante. Como citado nos resultados, a
força de saída (Fs) sobre a carga tem que ser menor, sobre a força de entrada
(Fe), se As>Ae. Assim, a partir da equação 5, foi possível provar o principio de
Pascal, visto que o resultado encontrado para a área de entrada (Ae) sobre a
área de saída (As) será o mesmo para o deslocamentos do êmbolo de saída
(ds) sobre o deslocamento do êmbolo de entrada (de).
Entretanto, para a movimentação da seringa é necessário aplicar uma
força significativa, ou seja, para que a pressão seja transmitida por todo o
fluido, foi preciso colocar sobre cada seringa uma massa de pelo menos
1.300g. Caso essa massa aumente de valor, será possível observar a
movimentação da plataforma acontecer mais rapidamente.
Outro ponto em questão é a necessidade de um fluido líquido (não
viscoso) ao longo de todo o tubo. No caso desse experimento o tubo de látex
foi preenchido completamente com água, para que assim fosse observada a
pressão ao longo dos testes, com uma menor influência do ar.

6. REFERENCIAS

1- HALLIDAY, D., RESNICK,R., WALKER,J., Fundamentos de física . Vol2,


6 Ed, LTC editora, 2002.

2- http://www.brasilescola.com/fisica/principio-de-pascal.htm

3- http://www.clubedecienciasufam.com/2009/12/experimentos-materiais-
alternativos.html

Você também pode gostar