Você está na página 1de 68

A I G R E J A D E J E S U S C R I S T O D O S S A N T O S D O S Ú LT I M O S D I A S ■ MARÇO DE 2001

A LIAHONA
A I G R E J A D E J E S U S C R I S T O D O S S A N T O S D O S Ú LT I M O S D I A S ■ MARÇO DE 2001

A LIAHONASUMÁRIO
2 MENSAGEM DA PRIMEIRA PRESIDÊNCIA: “OLHAI PARA VOSSAS CRIANCINHAS”
PRESIDENTE GORDON B. HINCKLEY
18 VOZES DA IGREJA: “OS EFEITOS ESPERA”
ARMADILHA DE AREIA GARY M. JOHNSON
NA PALMA DE SUA MÃO EMMA ERNESTINA SÁNCHEZ SÁNCHEZ
ABANDONAR MINHA IMAGEM DE ESCULTURA MANUEL J. ROSARIO
25 MENSAGEM DAS PROFESSORAS VISITANTES: “PARA QUE EU VOS CURE”
NA CAPA
Primeira capa: Atsuko Yamashita, 26 UM TESTAMENTO MODERNO DAS VERDADES BÍBLICAS REX C. REEVE JR.
presidente das Moças na Ala Maebaru,
Estaca Fukuoka Japão. Última capa: o 38 JAPÃO: O DESPONTAR DA LUZ NO ORIENTE DON L. SEARLE
histórico santuário budista Kinkaku-ji
48 COMO UTILIZAR A LIAHONA DE MARÇO DE 2001
em Kyoto, Japão. (Fotografia de
Don L. Searle.)

E S P E C I A L M E N T E PA R A O S J O V E N S
8 O BRAÇO DA HONRA GORDON SWENSEN
10 FAZE O BEM ÉLDER RICHARD G. SCOTT
24 PÔSTER: TORNAR-SE ÚTIL
34 NUNCA MAIS OLHEI PARA TRÁS CAMERON MCCOY

CAPA DE O AMIGO O AMIGO


O Presidente Gordon B. Hinckley quando
era rapaz.
2 TEMPO DE COMPARTILHAR: O PAI CELESTIAL PREPARA
O PROFETA DIANE S. NICHOLS
4 DE UM AMIGO PARA O OUTRO: ÉLDER DUANE B. GERRARD VER O AMIGO,
PÁGINA 4
6 FICÇÃO: AS NOVAS PALAVRAS DE BETO PATRICIA R. ROPER
VER PÁGINA 2
9 TENTAR SER COMO JESUS: MEMBRO MISSIONÁRIO
MONAHRA L. DE Q. FREITAS
10 HISTÓRIAS DO NOVO TESTAMENTO: A MULHER AO POÇO; O FILHO DO
LÍDER; O POVO DE NAZARÉ FICA ZANGADO
16 SÓ PARA DIVERTIR: PROFETAS E PROFECIAS LOIS T. BARTHOLOMEW

VER PÁGINA 18 VER PÁGINA 34


COMENTÁRIOS

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Março de 2001, Vol. 25, Nº 3
A LIAHONA, 21983 059
Publicação oficial em português de A Igreja de
Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.
A Primeira Presidência: Gordon B. Hinckley,
Thomas S. Monson, James E. Faust
Quórum dos Doze: Boyd K. Packer, L. Tom Perry,
David B. Haight, Neal A. Maxwell, Russell M. Nelson,
Dallin H. Oaks, M. Russell Ballard, Joseph B. Wirthlin,
Richard G. Scott, Robert D. Hales, Jeffrey R. Holland,
Henry B. Eyring
Editor: Dennis B. Neuenschwander
Consultores: L. Lionel Kendrick, Yoshihiko Kikuchi,
John M. Madsen
Administradores do Departamento de Currículo:
Diretor Gerente: Ronald L. Knighton
Diretor de Planejamento e Editorial: Richard M. Romney
Diretor Gráfico: Allan R. Loyborg
Equipe Editorial:
“GRATIDÃO” FERRAMENTA MISSIONÁRIA EFICAZ
Editor Gerente: Marvin K. Gardner
Editor Gerente Assistente: R. Val Johnson Gostei muito da Mensagem da Primeira Enquanto servia como missionário no
Editor Adjunto: Roger Terry
Editor Assistente: Jenifer Greenwood Presidência publicada na Liahona de maio Chile, percebi que as pessoas adoravam ler
Editor Associado: Susan Barrett
Assistente de Publicações: Collette Nebeker Aune de 2000 (inglês), “Gratidão”, escrita pelo a Liahona (espanhol). Como missionários,
Equipe de Diagramação:
Gerente Gráfico da Revista: M. M. Kawasaki Presidente Thomas S. Monson, Primeiro gostávamos muito de receber a Liahona pa-
Diretor de Arte: Scott Van Kampen
Diagramador Sênior: Sharri Cook Conselheiro na Primeira Presidência. ra dá-la aos pesquisadores, membros menos
Diagramadores: Thomas S. Child, Randall J. Pixton
Gerente de Produção: Jane Ann Peters Consegui realmente entender a importân- ativos ou recém-conversos.
Produção: Reginald J. Christensen, Kari A. Couch,
Denise Kirby, Kelli Pratt,Rolland F. Sparks cia de sermos gratos. Tem sido uma bênção Quando estávamos com os membros,
Claudia E. Warner
Pré-Impressão Digital: Jeff Martin para mim viver de acordo com os princípios sempre sugeríamos: “Mostre a Liahona para
Equipe de Impressão e Distribuição: dessa mensagem. Tentarei sempre mostrar outras pessoas, pois ela é um excelente re-
Printing Diretor: Kay W. Briggs
Gerente de Distribuição (Assinaturas): gratidão por todos aqueles que servem de curso para ensinar aos outros a respeito da
Kris T. Christensen
A Liahona: luz e incentivo para mim. Sou grato por to- Igreja e de nossos valores”.
Diretor Responsável e Produção Gráfica:
Dario Mingorance
Editor: Luiz Alberto A. Silva (Reg. 17.605)
dos os líderes da Igreja, por suas mensagens Johnathan Wardle,
Tradução e Notícias Locais: Dario Mingorance e testemunhos.
Assinaturas: Cezare Malaspina Jr. 11º Ala de Edgemont,
REGISTRO: Está assentado no cadastro da DIVISÃO DE
CENSURA DE DIVERSÕES PÚBLICAS, do D.P.F., sob nº Ben Lawrence Ekpezu, Estaca Provo Utah Edgemont Sul
1151-P209/73 de acordo com as normas em vigor.
ASSINATURAS: Toda correspondência sobre assinaturas Segundo Ramo de Calabar,
deverá ser endereçada a: Departamento de Assinaturas
de A Liahona Caixa Postal 26023, CEP 05599-970 – Distrito Calabar Nigéria UM MUNDO MELHOR
São Paulo, SP. Preço da assinatura anual para o Brasil:
R$ 18,00. Preço do exemplar em nossa agência: Desde que me batizei, sei que esta Igreja
R$ 1,80. Para Portugal – Centro de Distribuição
Portugal, Rua Ferreira de Castro, 10 – Miratejo, 2800 –
Almada. Assinatura Anual: 1.300$00. Para o exterior:
MANÁ ESPIRITUAL é verdadeira. Antes, eu sentia que faltava
Exemplar avulso: US$ 3.00; Assinatura: US$ 30.00. Fui batizada na Igreja quando era meni-
As mudanças de endereço devem ser comunicadas algo em mim. Hoje, sinto-me completo.
indicando-se o endereço antigo e o novo.
Envie manuscritos e perguntas para:
na e ganhei um exemplar da Liahona (espa- Estou escrevendo para parabenizá-los
Liahona, Floor 24, 50 East North Temple, Salt Lake City, nhol) na primeira vez em que fui à Igreja.
UT 84150-3223, USA. Ou envie um e-mail para: pela publicação desta maravilhosa revista,
CUR-Liahona-IMag@ldschurch.org
A “Liahona” (um termo do Livro de Mórmon que
Hoje, tenho meus próprios filhos e ainda A Liahona (português). Ela nos dá a chan-
significa “bússola” ou “orientador”) é publicada em gosto muito da revista. Minha família
albanês, alemão, amárico, armênio, búlgaro, cebuano, ce de ler a respeito do testemunho e expe-
chinês, coreano, dinamarquês, esloveno, espanhol,
estoniano, fijiano, finlandês, francês, haitiano, aguarda a chegada da Liahona do mesmo riências de outros membros da Igreja em
hiligaynon, húngaro, holandês, ilokano, indonésio,
inglês, islandês, italiano, japonês, letão, lituano, modo que os israelitas esperavam pelo ma- todo o mundo e mostra-nos que milhões de
malgaxe, marshallês, mongol, norueguês, polonês,
português, quiribatiano, romeno, russo, samoano, ná. A Liahona alimenta-nos espiritualmen- santos dos últimos dias estão trabalhando
sueco, tagalo, tailandês, taitiano, tcheco, tonganês,
ucraniano e vietnamita. (A periodicidade varia de uma te e fortalece nosso testemunho. Ficamos para fazer deste mundo um lugar melhor.
língua para outra.)
© 2001 por Intellectual Reserve, Inc. Todos os direitos felizes em ter a oportunidade de conhecer- Jonnas A. Menezes,
reservados. Impressa nos Estados Unidos da América.
For readers in the United States and Canada: mos outros membros da Igreja no mundo Ala Sumaré,
March 2001 Vol. 25 No. 3. A LIAHONA (USPS
311-480) Portuguese (ISSN 1044-3347) is published por intermédio da revista. Agradeço ao Pai Estaca Vitória da Conquista Brasil
monthly by The Church of Jesus Christ of Latter-day Saints,
50 East North Temple, Salt Lake City, UT 84150. USA Celestial por esse maravilhoso presente.
subscription price is $10.00 per year; Canada, $15.50
plus applicable taxes. Periodicals Postage Paid at Salt Lake
City, Utah and at additional mailing offices. Sixty days’ noti- Ingrid de Padrón,
ce required for change of address. Include address label
from a recent issue; old and new address must be inclu- Ramo San Juan de los Morros,
ded. Send USA and Canadian subscriptions and queries
to Salt Lake Distribution Center at address below. Estaca Maracay Venezuela
Subscription help line: 1-800-537-5971. Credit card or-
ders (Visa, MasterCard, American Express) may be taken
by phone. (Canada Poste Information: Publication
Agreement #1604821)
POSTMASTER: Send address changes to Salt Lake
Distribution Center, Church Magazines, PO Box 26368,
Salt Lake City, UT 84126-0368.

M A R Ç O D E 2 0 0 1
1
MENSAGEM DA PRIMEIRA PRESIDÊNCIA

“Olhai
para Vossas
Criancinhas”
Presidente Gordon B. Hinckley

À ESQUERDA: DETALHE DE EM SUA LUZ, 8 GREG K. OLSEN, CORTESIA DO ARTISTA E DE MILL POND PRESS, INC.; À DIREITA: ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA DE CRAIG DIMOND
inha mulher e eu levamos certa vez alguns de nossos ne-

tos ao circo. Fiquei mais interessado em observá-los, bem

como a muitas outras crianças da idade deles, do que em

assistir ao homem no trapézio voador. Eu as contemplava, maravilhado, en-

quanto riam e admiravam de olhos arregalados o espetáculo que transcorria.

Pensei, então, no milagre das crianças, que são uma constante renovação de

“Se não vos converterdes vida e propósito no mundo. Ao observá-las, vendo o interesse com que assis-
e não vos fizerdes como
meninos, de modo algum tiam ao espetáculo, minha mente voltou-se para aquela bela e tocante cena
entrareis no reino
registrada no livro de 3 Néfi, em que o Senhor toma as criancinhas em Seus
dos céus.”

braços e chora, enquanto as abençoa, dizendo ao povo: “Olhai para vossas

criancinhas”. (3 Néfi 17:23)

É bem evidente que as grandes coisas boas e os terríveis males que existem

hoje no mundo são os doces e amargos frutos da educação recebida pelas

crianças de ontem. A maneira como ensinamos a nova geração determina co-

mo será o mundo daqui a alguns anos. Se vocês estão preocupados com o fu-

turo, verifiquem como seus filhos estão sendo criados. Com muita sabedoria
A L I A H O N A
2
o autor dos Provérbios declarou: “Educa a criança no ca- ir à fazenda e podar as árvores. Aprendemos que se cor-
minho em que deve andar; e até quando envelhecer não tássemos e serrássemos nos lugares certos, mesmo que o
se desviará dele”. (Provérbios 22:6) chão estivesse coberto de neve e a madeira parecesse
Quando eu era menino, passávamos o verão em uma morta, poderíamos dar à árvore um formato que faria
fazenda cheia de pomares. Cultivávamos uma grande com que o sol batesse no fruto, quando chegasse a prima-
quantidade de pêssegos, chegando a encher vagões com vera e o verão. Aprendemos que no mês de fevereiro já
eles. Nosso pai levava-nos às demonstrações de poda de tínhamos condições de determinar o tipo de fruto que co-
árvores, efetuadas pela faculdade de agronomia. Todos os lheríamos em setembro.
sábados, nos meses de janeiro e fevereiro, tínhamos que E. T. Sullivan escreveu este interessante comentário:
“Quando Deus deseja realizar uma grande obra ou corri-
“Criem seus filhos para que tenham amor e gir um grande mal no mundo, Ele age de maneira muito
reverência ao Senhor (. . .). incomum. Não suscita terremotos nem despeja raios e re-
Ensinem-nos a amá-los em lâmpagos. Em vez disso, faz com que nasça um indefeso
vez de temê-los.” bebê, talvez num lar humilde, de uma mãe muito simples.
E então Deus coloca uma idéia no coração da mãe, e ela
a põe na mente do bebê. E Deus, então, espera. As gran-
des forças do mundo não são os terremotos, raios e re-
lâmpagos. As maiores forças do mundo são os bebês”.
(Citado em The Treasure Chest, org. por Charles L.
Wallis, 1965, p. 53.)
E esses bebês, devo acrescentar, tornam-se forças

À ESQUERDA: ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA DE CRAIG DIMOND; À DIREITA: ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA DE JOHN LUKE
para o bem ou para o mal dependendo em gran-
de parte de como venham a ser criados. O
Senhor inequivocamente declarou: “Eu,
porém, ordenei que criásseis vossos filhos
em luz e verdade”. (D&C 93:40)
Peço perdão por sugerir o óbvio, mas
faço isso simplesmente porque o óbvio
não tem sido colocado em prática, em
muitos casos. O óbvio inclui quatro coi-
sas obrigatórias em relação aos filhos:
Vocês devem amá-los, ensiná-los, res-
peitá-los, orar com eles e por eles.

AMAR OS FILHOS
Quão afortunada e abençoada é a
criança que sente a afeição dos pais. Essa
ternura e amor produzirão bons frutos
nos anos subseqüentes. Grande parte da
crueldade que caracteriza muito da nossa
sociedade é resultado da crueldade imposta às crianças Nenhum homem ou mulher que professe ser seguidor
no passado. de Cristo ou membro desta Igreja pode participar de tais
Ao encontrar-me com um de meus amigos de infância, práticas sem ofender a Deus e repudiar os ensinamentos
vieram-me à mente as recordações da vizinhança em que de Seu Filho. Foi o próprio Jesus que, mostrando-nos o
crescemos. Era um microcosmo dentro do mundo, com exemplo de pureza e inocência das crianças, declarou:
vários tipos de pessoas. Éramos um grupo muito unido e “Mas, qualquer que escandalizar um destes pequeninos,
creio que todos nos conhecíamos uns aos outros. Penso, (. . .) melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço
também, que gostávamos muito de uma mó de azenha, e se submer-
todos, com exceção de um ho- gisse na profundeza do mar”.
mem. Devo confessar que em cer- (Mateus 18:6)
ta época cheguei a detestar aquele Poderia haver uma denúncia
homem. Já me arrependi desse mais incisiva contra aqueles que
sentimento, mas quando me lem- maltratam as crianças do que essas
bro, sinto novamente a intensida- palavras proferidas pelo Salvador
de daquela emoção. Seus filhos da humanidade? Querem que haja
eram nossos amigos, mas ele era mais amor no mundo? Então co-
meu inimigo. Qual o motivo dessa mecem dentro de seu próprio lar.
forte antipatia? Era porque ele chi- Olhem para as suas criancinhas e
coteava os filhos com uma tira de vejam dentro delas as maravilhas
couro ou batia neles com uma va- de Deus, de cuja presença saíram
ra, ou com qualquer coisa que lhe há pouco tempo.
caísse nas mãos no momento em O Presidente Brigham Young
que sua ira selvagem se inflamava (1801–1877) disse: “O filho gosta
à menor provocação. Olhem para suas criancinhas e de ver o sorriso da mãe, mas
Talvez eu me sentisse assim ensinem-nas. Seu exemplo será mais detesta seu rosto zangado.
porque no lar em que vivi havia importante do que qualquer outra coisa Aconselho as mães a não permiti-
um pai que, por algum tipo de para fixar na mente delas um padrão rem que os filhos façam coisas
mágica, era capaz de disciplinar a correto para sua vida. erradas, mas com brandura”.
família sem usar nenhum instru- (Ensinamentos dos Presidentes da
mento de punição, mesmo nos momentos em que me- Igreja: Brigham Young, 1997, p. 340.)
recíamos. Ele declara ainda: “Criem seus filhos para que tenham
Vi os frutos do temperamento daquele vizinho revi- amor e reverência ao Senhor; observem o gênio e o tem-
verem na vida problemática dos filhos. Toda assistente peramento de cada um e tratem-nos adequadamente, ja-
social, todo plantonista de pronto socorro de um gran- mais os disciplinando quando vocês estiverem irritados.
de hospital, todo policial e juiz podem contar-lhes his- Ensinem-nos a amá-los em vez de temê-los”.
tórias semelhantes. Esse trágico quadro inclui (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Brigham Young,
espancamentos, chutes, agressões e até abuso sexual de 1997, p. 172.)
criancinhas. Além disso, há homens e mulheres depra- É evidente que a disciplina é algo necessário na família.
vados que exploram as crianças para propósitos porno- Mas a disciplina com severidade e crueldade inevitavel-
gráficos. mente conduzirá não à correção, mas ao ressentimento e
M A R Ç O D E 2 0 0 1
5
amargor. Não representará a cura, mas, sim, o agravamen- “Nenhum poder ou influência pode ou deve ser man-
to do problema. Ela é autodestruidora. O Senhor, ao deter- tido (. . .) a não ser com persuasão, com longanimidade,
minar a atitude correta no governo de Sua Igreja, também com brandura e mansidão e com amor não fingido; (. . .)
estabeleceu como o lar deve ser dirigido, nestas grandiosas Reprovando prontamente com firmeza, quando movi-
palavras de revelação: do pelo Espírito Santo; e depois, mostrando então um
amor maior por aquele que repreendeste, para que ele
Orem com seus filhos para que não te julgue seu inimigo;
aprendam a conhecer a fonte Para que ele saiba que tua fidelidade é mais forte que
de poder com a qual sempre os laços da morte.” (D&C 121:41, 43–44)
poderão contar nas horas de
necessidade. ENSINAR OS FILHOS
Olhem para suas criancinhas e ensinem-nas. Seu
exemplo será mais importante do que qualquer outra coi-
sa para fixar na mente delas um padrão correto para sua
vida. É sempre interessante encontrar os filhos de velhos
amigos e descobrir em outra geração o mesmo estilo de
vida do pai e mãe.
Conta-se que na antiga Roma um grupo de mulheres es-
tava mostrando, vaidosamente, suas jóias umas às outras.
Entre elas estava Cornélia, mãe de dois meninos. Uma das
mulheres perguntou- lhe: “Onde estão as tuas jóias?” Ao
que Cornélia respondeu, apontando para os filhos: “Eis as
minhas jóias”. Sob sua orientação e seguindo seu exemplo
de virtude na vida, eles cresceram e tornaram-se Caio e
Tibério Graco — os irmãos Graco, como eram chamados
— dois dos mais persuasivos e eficientes reformadores da
história romana. Sempre que eles forem lembrados e men-
cionados, a mãe que os criou com o exemplo de sua própria
vida será relembrada e citada com louvor.
Cito novamente as palavras de Brigham Young:
“Tenham a preocupação constante de que os filhos que
Deus tão generosamente lhes deu sejam ensinados no
ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA DE CRAIG DIMOND

início da juventude a respeito da importância dos orá-


culos do Senhor e da beleza existente nos princípios de
nossa santa religião. Desse modo, ao chegarem à maturi-
dade, terão bons sentimentos em relação a eles e nunca
se afastarão da verdade”. (Ensinamentos, p. 172.)
Sei que existem pais que, apesar de demonstrarem seu
amor e esforçarem-se fiel e diligentemente para ensinar
seus filhos, vêem-nos seguir um caminho oposto e sofrem
A L I A H O N A
6
muito ao verem seus filhos e filhas rebeldes trilharem deli- Terão de elevar o mundo, e as únicas alavancas que terão
beradamente uma senda que terá trágicas conseqüências. para isso serão o exemplo de sua própria vida e o poder
Sinto grande empatia por esses pais e gostaria de citar-lhes de persuasão de seu testemunho e seu conhecimento das
as palavras de Ezequiel: “O filho não levará a maldade do coisas de Deus. Precisarão da ajuda do Senhor. Enquanto
pai, nem o pai levará a maldade do filho”. (Ezequiel 18:20) são jovens, orem com eles para que aprendam a conhe-
Mas eles são a exceção e não a regra. Tampouco a ex- cer a fonte de poder com a qual sempre poderão contar
ceção justifica deixarmos de fazer todo esforço possível nas horas de necessidade.
para demonstrar amor, dar o exemplo e ensinar os princí- Gosto muito de ouvir as crianças orar. Sinto-me grato
pios corretos ao criar aqueles que Deus nos deu a sagra- ao ver pais que oram por seus filhos. Posto-me com reve-
da responsabilidade de cuidar. rência perante um pai que, pela autoridade do santo sa-
cerdócio, impõe as mãos sobre a cabeça de um filho ou
RESPEITAR OS FILHOS filha, em momentos de decisões difíceis, e em nome do
Não nos esqueçamos de nossa obrigação de respeitar Senhor e sob orientação do Santo Espírito concede uma
nossas criancinhas. Pela palavra revelada do Senhor, sa- bênção paterna.
bemos que eles são filhos de Deus como nós, merecendo Quão mais belos seriam o mundo e a sociedade em
todo o respeito decorrente do conhecimento desse prin- que vivemos, se cada pai e mãe encarassem seus filhos
cípio eterno. De fato, o Senhor deixou bem claro que a como seus bens mais preciosos, se os guiassem pelo poder
menos que desenvolvamos em nossa própria vida a sua de seu exemplo, com ternura e amor; e se nas horas de
pureza, inocência e ausência do mal, não poderemos en- tensão os abençoassem pela autoridade do santo sacerdó-
trar em Sua presença. Ele declarou: “Se não vos conver- cio; e se considerassem seus filhos como as jóias de sua vi-
terdes e não vos fizerdes como meninos, de modo algum da, como dádivas do Deus dos céus, que é o seu Pai
entrareis no reino dos céus”. (Mateus 18:3) Eterno, e os criassem com verdadeiro afeto, na sabedoria
Channing Pollock escreveu estas palavras interessan- e admoestação do Senhor.
tes e desafiadoras: “Ao lembrar-nos da adolescência na Disse Isaías na antigüidade: “E todos os teus filhos se-
qual desprezávamos as coisas erradas, chegamos a desejar rão discípulos do Senhor; e a paz de teus filhos será abun-
(. . .) que pudéssemos nascer velhos, tornando-nos dante”. (Isaías 54:13) Ao que acrescento: “Abundante
cada vez mais jovens, limpos, puros e inocentes, até por também será a alegria e o regozijo de seu pai e sua mãe”.
fim, com a alma pura de uma criancinha, repousar no Oro humildemente por essa paz, em prol de todas as
sono eterno”. (“The World’s Slow Stain”, Reader’s Digest, crianças, pais e mães. 
junho de 1960, p. 77.)
IDÉIAS PARA OS MESTRES FAMILIARES
ORAR COM ELES E POR ELES 1. O Senhor inequivocamente declarou: “Eu, porém,
Olhem para suas criancinhas. Orem com elas. Orem ordenei que criásseis vossos filhos em luz e verdade”.
por elas e abençoem-nas. O mundo que elas estão aden- (D&C 93:40)
trando é complexo e difícil. Terão de enfrentar mares bra- 2. Para isso, precisamos:
vios de adversidade. Precisarão de toda a força e toda a ■ Amar as criancinhas.

fé que possam dar-lhes enquanto ainda estiverem junto ■ Ensinar as criancinhas pelo exemplo.

de vocês. E também precisarão de uma força maior pro- ■ Respeitar as criancinhas como filhos de Deus como

veniente de um poder superior. Elas terão que fazer mui- nós.


to mais do que simplesmente se acomodarem à situação. ■ Orar com as criancinhas e por elas.

M A R Ç O D E 2 0 0 1
7
O BRAÇO D A
HONRA
Gordon Swensen

O VERDADEIRO RESULTADO DAQUELA PARTIDA DE VOLEIBOL FOI APRENDER O VALOR DA HONESTIDADE

M uitas lembranças dos meus cinco anos de ida-


de consistem em redes de voleibol, cera no
assoalho de ginásios, apitos de juiz e listas de
escalação rabiscadas às pressas. Meu pai era o técnico de
uma equipe de voleibol juvenil em nossa ala. Eu era o
Não lembro muita coisa daquela partida, mas lem-
bro do final do jogo decisivo. A multidão gritava quan-
do a equipe do meu pai marcou o último ponto. Os
participantes e espectadores invadiram a quadra.
Brent, um grande e formidável jogador de nossa equi-
“assistente” dele. pe, havia feito o último ponto com uma cortada decisi-
Meu pai ensinou aos jogadores os princípios do traba- va. Seu contato com a bola havia sido tão forte que
lho árduo, espírito de equipe, honestidade, confiança em nem mesmo o experiente árbitro havia notado que
si mesmo e em outras pessoas, estabelecimento de metas, o dedo de Brent roçara a rede. Era uma penalidade
perseverança e sacrifício. Havia orações antes dos jogos, que facilmente poderia ter sido esquecida. Entretanto,
treinos às 5 horas da manhã aos sábados e atividades so- em meio ao alvoroço, Brent lentamente ergueu o
ciais em nossa casa, em que servíamos sorvete. braço no ar.
Uma das lições mais importantes que aprendi com As equipes se reorganizaram, a multidão voltou ao seu
meu pai e com os jogadores foi acerca da honestidade. lugar e o jogo continuou. Pouco depois, o jogo terminou
Quando um jogador tocava a rede inadvertidamente ou e a equipe do meu pai conquistou o campeonato que vi-
errava uma jogada, meu pai ensinava que era importante nha lutando para ganhar durante quatro anos. Eles sen-
que o jogador revelasse o erro erguendo a mão. Essa lição tiam-se bem não só por terem ganhado, como também
causaria uma impressão duradoura, não apenas nos mem- por fazê-lo honestamente.
bros da equipe como também em um “assistente de trei- Muitos anos se passaram desde meus dias de catador
nador” de cinco anos de idade. de bolas para meu pai e seus jogadores. Mas a lembrança
Nossa equipe tivera dificuldades a princípio. Mas de um treinador ensinando o valor da honestidade à sua
quando os campeonatos eram realizados, lá estávamos equipe ainda permanece firmemente plantada em minha
para competir. Quando chegou o momento da partida fi- memória. De meu ponto de observação como menino
nal, os quatro anos que a equipe havia passado jogando naquele dia, a maior parte das pessoas parecia alta. Mas
ILUSTRADO POR GREG NEWBOLD

junta valeram a pena. Apenas uma partida separava-nos da forma como eu — e todos os outros — víamos, Brent
da vitória no campeonato. era o maior de todos. 
Havia um clima eletrizante na partida final. Um grande
público veio para assistir à competição. Ocupei o lugar ao Gordon Swensen é membro da Ala Oito de Eastridge, Estaca Draper
lado de meu pai quando o sinal tocou para iniciar o jogo. Utah Eastridge.
M A R Ç O D E 2 0 0 1
9
A FELICIDADE NESTA VIDA E NA ETERNIDADE
DEPENDE DE NOSSA DECISÃO DE FAZER ESCOLHAS
CORRETAS E APEGAR-NOS A ELAS.

Faze o Be
Élder Richard G. Scott
Do Quórum dos Doze Apóstolos

De um discurso proferido em serão do Sistema Educacional da Igreja viver de modo a realizarem seus sonhos dignos.
realizado em 3 de março de 1996. Pensei em várias maneiras diferentes de transmitir-
lhes princípios que sei que lhes serão de grande valia, ca-

S ei que a maioria de vocês está determinada a fazer


o que é certo. Vocês têm no coração o desejo de
viver dignamente a despeito do que
as outras pessoas digam. Dirijo-me também aos que
querem ter esses sentimentos. Vocês pertencem à melhor
so os compreendam e apliquem. Percebi que eu ainda não
encontrara uma forma satisfatória de expressar o que sei
ser verdade. Então, fui envolvido por uma grande paz.
Senti que se eu me esforçasse ao máximo para falar-lhes
e se vocês ouvissem com a mente e o coração abertos,
geração que já foi enviada à Terra. Vocês prepararam-se com real intenção, tendo fé no Senhor, então não impor-
bem na existência pré-mortal e foram escolhidos para vi- taria muito o que eu dissesse. Cada um de vocês recebe-
rem ao mundo nesta época única e essencial para o cum- rá impressões pessoais, adaptadas às suas necessidades.
primento do Plano Celestial. Fico profundamente Ao registrarem-nas por escrito e seguirem-nas, elas serão
emocionado por estar em sua presença. Percebo que a diretrizes para sua vida e os ajudarão a concretizar seus
maior parte de vocês não faz a mínima idéia de como são sonhos dignos.
capazes, nobres e maravilhosos. Vocês estão numa fase da vida em que há muitas deci-
Orei e ponderei acerca desta mensagem e passei bas- sões críticas a serem tomadas e é compreensível que vo-
tante tempo elaborando-a, pois cada um de vocês é um cês estejam incertos quanto à sua capacidade de fazê-lo.
filho excepcional de nosso Pai Celestial e desejo ajudá- Vocês vivem num mundo onde é cada vez mais difícil ga-
los. Inicialmente, tive a forte impressão de discutir com rantir que suas metas e anseios dignos venham a realizar-
vocês como tornar seus sonhos e aspirações nobres em se e que vocês consigam evitar os apelos e tentações que
realidade. Tenho certeza de que todos vocês acalentam Satanás colocará em seu caminho para destruí-los. É pos-
sonhos relativos aos rumos que devem dar à sua vida. sível que vocês tenham dúvidas a respeito da sua auto-
Como já percorri boa parte do caminho da vida antes de estima. Vocês querem ser aceitos. Vocês têm indagações
vocês, aprendi que embora existam desafios e dificulda- sobre seu futuro e sobre como cultivarão amizades verda-
PHOTOGRAPH © COMSTOCK, INC.

des crescentes, a vida é de incomparável beleza. Ao con- deiras e duradouras. Vocês querem encontrar um compa-
tinuarem a exercer fé no Mestre e obedecerem aos Seus nheiro eterno que tenha o mesmo desejo profundo de
mandamentos, vocês receberão bênçãos grandiosas. Com viver em retidão e realizar muitas coisas boas nesta vida.
algumas dessas bênçãos, vocês até já sonharam, mas ou- Em muitos casos, vocês querem saber se a pessoa por
tras que Ele tem reservadas para vocês ultrapassam sua quem vocês têm sentimentos fortes é de fato a que deve
compreensão atual. Meu desejo sincero é ajudá-los a ser seu companheiro eterno. Mas vocês não estão seguros
A L I A H O N A
10
m
quanto à sua capacidade de decidir. Sua disciplina espiri-
tual está aumentando, isto é, sua capacidade de discernir
e seguir os sussurros do Espírito. Com o tempo, essa ca-
pacidade aumentará e se fortalecerá até que fique cada
vez mais fácil fazer automaticamente as coisas certas.
Vocês terão construído um escudo contra a tentação.
Mas agora, enquanto essa disciplina espiritual está em fa-
se de maturação, é preciso muito cuidado para evitar es-
colhas que os desviariam do caminho da felicidade.
Aprendi, por experiência pessoal, como, ao ajudarmos
alguém a tomar uma decisão correta num dado momen-
to, podemos abençoar-lhe toda a vida. Também vi, ao
conviver com pessoas que tomaram decisões equivoca-
das, como isso teve efeitos devastadores no restante de
sua vida. Minha intenção é dar-lhes sugestões sobre co-
mo vocês podem ter certeza de estarem fazendo escolhas
corretas. Vou relatar quatro experiências pessoais que me
ensinaram lições importantes, com o desejo sincero de
ajudá-los a adquirir confiança para fazer escolhas acerta-
das de modo constante em sua vida. Depois, vou tentar
identificar como Satanás trabalha para que vocês estejam
preparados para evitar as armadilhas que ele espalhará
pelo seu caminho.
Na faculdade, tive o privilégio de ingressar numa so-
ciedade honorária de engenharia muito seleta. Durante
as atividades iniciais, todos estavam bebendo. Pedi refri-
gerante e deram-me um copo. Quando o levei aos lábios,
senti o cheiro de álcool. Olhei em volta do recinto. Todos
os olhares estavam voltados para mim. Ali estavam pro-
fissionais que tinham acabado de fazer-me uma grande
honra. Será que eu deveria fingir beber para não os ofen- Mórmon em circunstâncias tão singulares e incomuns.
der? Não. Pus o copo de lado e então percebi que três ou- Dormíamos em beliches apertados no espaço restrito
tros convidados fizeram o mesmo. Façam o que é certo, e entre o motor diesel do navio e a quilha. Certa noite, saí
os outros seguirão o seu exemplo. Sempre que fizerem a mais cedo do porto porque alguns dos tripulantes esta-
escolha correta diante de possíveis críticas, adquirirão vam planejando atividades inadequadas fora do navio.
força que tornará as coisas mais fáceis na próxima vez. O De repente, fui acordado pela mão pesada de um colega,
contrário também é verdade, e Satanás conta com isso. Toddy, que era enorme. Ele estava sacudindo um marte-
Certas férias, na minha adolescência, trabalhei num lo em frente ao meu rosto e o hálito dele cheirava a ál-
barco de ostras perto da costa de Long Island, Nova York, cool. Atônito, percebi que eu não tinha como escapar
para ganhar dinheiro para a faculda- dele. Achei que fosse o meu fim.
de. Os outros membros da tripulação Então, ouvi o que ele estava gritan-
eram pescadores experientes, caleja- do: “Scotty, pegue suas nadadeiras
dos pelo árduo ambiente invernal em e a máscara de mergulho. Há um
que haviam passado boa parte da vi- homem afogando-se e você pode
da, lutando contra o oceano gelado e salvá-lo”.
os ventos cortantes para sobrevive- Naquela noite, aprendi uma lição
rem. Eu era um enigma para eles, al- que jamais esqueci. Publicamente, os
guém de quem eles tinham mais membros da tripulação ridiculariza-
facilidade para desconfiar do que vam-me, mas no fundo respeitavam-
compreender. Eles evitavam-me, pri- me por meus padrões. A confiança
meiro achando que eu fosse um es- que adquiri com esse conhecimento
pião da empresa, depois um menino permitiu que eu ajudasse três daque-
louco que não sabia ser homem. Com les homens a lidar com problemas
o tempo, passei a desempenhar me- De repente, fui acordado pela mão pessoais sérios.
lhor minhas designações e tentei fa- pesada de um colega, Toddy, que era Sei que vocês se depararão com o
zer amizades. Eles ofereceram-se para enorme. Ele estava sacudindo um mesmo tipo de reação ao optarem
tornar-me um “homem de verdade” martelo em frente ao meu rosto e o por serem fiéis a seus princípios em
convidando-me para participar de hálito dele cheirava a álcool. todos os momentos. Vocês estão lan-
suas orgias noturnas. Agradeci o con- çando os alicerces de uma boa repu-
vite, mas recusei-o, e o clima de tensão só piorou. tação. Quando vocês deixarem bem claro que não se
O tempo naquele verão estava agradável e o oceano, desviarão de seus padrões, serão guiados a pessoas seme-
magnífico. Nossas tarefas eram relativamente simples, lhantes a vocês, e as críticas diminuirão. Muitas vezes, as
como transferir pequenas ostras para uma porção mais pessoas que zombam de vocês publicamente devido a
distante do braço de mar onde os nutrientes aceleravam seus padrões elevados na verdade não querem que vocês
seu crescimento e melhoravam seu sabor. Exceto quando violem esses princípios. Eles precisam do seu bom exem-
despejavam uma draga cheia de ostras no convés, sinali- plo. Seja ignorando uma piada de mau gosto, recusando-
ILUSTRADO POR ROBERT T. BARRETT

zando um período de intensa atividade, havia bastante se a ver um filme ou vídeo inadequado ou saindo de uma
tempo para a contemplação. Enquanto meus colegas de festa que esteja tomando rumos indesejáveis, deixem seus
trabalho cochilavam ao lado de suas ferramentas, eu lia e padrões bem claros para as pessoas e façam escolhas cer-
ponderava o Livro de Mórmon. Nem tenho palavras pa- tas quando a tentação se apresentar. Uma escolha decisi-
ra expressar o vigoroso renascimento espiritual por que va e correta feita uma vez e mantida com constância no
passei naquelas semanas em que estudei o Livro de futuro evitará muita tristeza. Então, vocês poderão usar
A L I A H O N A
12
suas energias para manter a resolução em vez de debate- destino totalmente diferente do desejado. Embora exista
rem-se repetidas vezes com o mesmo desafio. Vocês o processo do arrependimento, que lhes permite retornar,
também reduzirão enormemente a possibilidade de su- costuma ser algo doloroso e que às vezes deixa marcas fí-
cumbirem à tentação. sicas permanentes e que não cicatrizam tão bem quanto
Fui criado num lar onde meu pai não era membro da as espirituais.
Igreja e minha mãe era menos ativa. Posteriormente, tu- Por um bom tempo, trabalhei diretamente com um ho-
do isso mudou, e eles passaram boa parte da vida como mem muito dedicado, exigente e incompreendido que foi
oficiantes do templo. Num ambiente assim, meu conhe- um dos pioneiros na Marinha nuclear, que protegeu os
cimento da Igreja era bastante limitado, embora eu Estados Unidos numa época crítica da história do mundo.
achasse que não. Quando eu estava prestes a terminar a O nome dele é Hyman Rickover. Tenho grande respeito por
faculdade, o Senhor colocou um anjo na minha vida cha- ele. Depois de trabalhar lá durante onze anos, recebi da
mado Jeanene Watkins. Era uma jovem linda. Demorei Primeira Presidência o chamado para presidir uma missão.
muito para conseguir sair com ela, pois vários outros ra- Eu sabia que teria que comunicar o fato imediatamente ao
pazes enxergavam suas excepcionais qualidades. Quando Almirante Rickover. Quando expliquei a natureza do cha-
começamos a namorar, descobri que ela era tudo o que eu mado e que eu teria que deixar o emprego, ele ficou muito
sonhara encontrar. Estava completamente apaixonado nervoso. Proferiu algumas palavras que não me atreveria a
por ela. E era fácil perceber que ela também tinha senti- repetir, quebrou a bandeja de papel de sua mesa e, nos co-
mentos fortes por mim. Certa vez, enquanto falávamos mentários seguintes, fez questão de deixar bem claras duas
sobre o futuro, ela, com muito tato, fez um comentário posições: “Scott, o trabalho que você está realizando neste
importante: “Quando eu me casar, há de ser no templo programa de defesa é tão vital que vamos demorar um ano
com um ex-missionário”. Não me lembro de mais nada para substituí-lo, assim, você não pode ir. Em segundo lu-
do que ela disse depois daquilo. Eu nunca pensara muito gar, se você optar por ir, será um traidor da pátria”.
na missão e não entendia nada sobre o casamento no Eu contra-argumentei: “Posso treinar meu substituto
templo. Fui para casa e não conseguia pensar em mais na- nos dois meses que me restam, e não haverá risco algum
da. Fiquei a noite toda acordado. Não consegui fazer na- para o país”.
da na universidade no dia seguinte. Não tardou muito e Conversamos um pouco mais e, por fim, ele disse:
eu já estava no bispado, depois de orar acerca da impor- “Nunca mais lhe dirigirei a palavra. Não quero vê-lo no-
tância da missão. Tanto eu como Jeanene servimos como vamente. É o seu fim, e não só aqui. Nem sequer pense
missionários e quando voltamos, fomos selados no tem- em voltar a trabalhar no campo nuclear”.
plo. Muito tempo depois, dei-me conta de que ela me te- Respondi: “Almirante, o senhor pode impedir meu
ria abandonado se eu não houvesse feito as escolhas acesso ao escritório, mas a menos que me proíba, gosta-
corretas. A coragem de Jeanene de não abrir mão de seu ria de treinar meu substituto”.
sonho de um casamento no templo com um ex- missioná- Ele perguntou: “Como se chama o homem que o
rio, apesar de seu amor por mim, fez toda a diferença em chamou?”
nossa vida juntos. Eu jamais poderia agradecer a ela o Respondi: “Presidente David O. McKay”.
bastante por não ter renunciado aos seus sonhos justos. Ele acrescentou: “Se assim é que os mórmons agem,
Suas decisões são como agulhas de desvio numa ferro- não quero nenhum de vocês trabalhando para mim”.
via. Elas determinam onde vocês vão parar na vida. Eu sabia que ele tentaria telefonar para o Presidente
Quando vocês fazem, com constância, escolhas corretas, McKay (1873–1970), que estava enfermo, e tal conver-
atingirão o mais elevado grau de felicidade, passarão por sa não seria benéfica para ninguém. Eu também sabia
maior crescimento pessoal e terão uma vida mais produ- que na área de Idaho Falls havia muitos membros da
tiva. Quando fizerem escolhas erradas, chegarão a um Igreja cujo sustento da família dependia do programa
M A R Ç O D E 2 0 0 1
13
nuclear da Marinha norte-americana. Eu não queria preju- que assim será mais fácil fazer o que é certo e realizar as
dicá-los. Sabia também que eu fora chamado pelo coisas difíceis. Uma vez assumida essa posição, não será
Senhor. Eu não sabia o que fazer. Então, a letra do hino difícil mantê-la. Uma pessoa que faz escolhas erradas e
que cantamos hoje à noite começou a ressoar em minha justifica o desvio de padrões verdadeiros, por qualquer
mente: “Faze o bem, os efeitos espera”. (Hinos, 147) Eu motivo, está plantando sementes que depois resultarão
nunca tinha entrado em contato com uma Autoridade em problemas. E esses problemas são muito mais difíceis
Geral na vida, mas como já fora entrevistado pelo Élder de superar do que ter uma posição correta desde o início.
Harold B. Lee (1899–1973), do Quórum dos Doze Façam o que é certo mesmo que aparentemente vocês
Apóstolos, senti que deveria telefonar-lhe. Expliquei que sejam os únicos, que vão perder amigos, que vão receber
o almirante tentaria contactar o críticas. Ao fazerem o que é certo,
Presidente McKay e faria alguns co- depois de um período de provações,
mentários negativos, mas tudo esta- vocês descobrirão os melhores ami-
va bem e eu aceitava meu chamado. gos e poderão apoiar-se mutuamente
Mesmo depois disso, eu continuava em sua resolução de obedecer a to-
a questionar no coração: “Será que dos os mandamentos do Senhor.
tudo vai terminar bem ou algum ino- Jamais me arrependi de ter feito o
cente que depende de seu emprego que é certo, mesmo em meio às mais
no programa para sobreviver vai sair duras críticas. Vocês aprenderão essa
prejudicado?” Logo o hino voltava à verdade. Também verificarão que,
minha mente: “Faze o bem, os efei- depois de terem tomado a firme reso-
tos espera”. O almirante manteve a lução de fazer o que é certo, de terem
palavra e parou de falar comigo. No estabelecido padrões pessoais e feito
caso de decisões essenciais, ele man- convênios de guardá-los, quando as
dava um mensageiro ou comunica- No meu último dia no escritório, tentações vierem e vocês agirem de
va-se por intermédio de terceiros. marquei um horário com o Almirante acordo com seus padrões, vocês se-
Mas concluímos a transição. Rickover. Cheguei lá com um exemplar rão revigorados e fortalecidos muito
No meu último dia no escritório, do Livro de Mórmon nas mãos. além de sua própria capacidade, caso
marquei um horário com ele, e sua seja necessário. As dificuldades sur-
secretária atendeu-me, surpresa. Cheguei lá com um gem quando vocês iniciam a batalha da tentação sem um
exemplar do Livro de Mórmon nas mãos. Ele olhou para plano pré-determinado. É isso o que Satanás deseja, pois
mim e disse: “Sente-se, Scott. O que há? Tentei de todas então vocês estarão fadados à derrota.
as formas possíveis forçá-lo a mudar. O que o traz aqui? Agora desejo tocar em temas delicados, assuntos que
Em seguida, tivemos uma conversa muito interessante são mais fáceis de tratar individualmente. Assim, mental-
e tranqüila. Dessa vez, ele estava mais receptivo e dispos- mente, vou tentar ao máximo pensar em cada um de vo-
to a ouvir. Prometeu ler o Livro de Mórmon. Então, cês como uma pessoa que deseja saber como realizar seus
aconteceu algo que eu jamais esperaria. Ele disse: sonhos e esperanças para o futuro. Vou tentar ignorar a
ILUSTRADO POR GREGG THORKELSON

“Quando você voltar da missão, quero que me telefone. presença de todas as demais pessoas a fim de podermos
Teremos um emprego para você”. conversar em particular. Gostaria que cada um fizesse o
Vocês terão desafios e decisões difíceis para tomar no mesmo.
decorrer da vida. Tomem agora a resolução de sempre fa- Neste período da vida, é essencial que seus pensamen-
zer o que é certo e simplesmente esperem as conseqüên- tos e atos sejam limpos e puros para que o Espírito Santo
cias, que sempre serão para o seu bem. Vocês aprenderão possa guiá-lo. Satanás está empenhado neste momento
A L I A H O N A
14
crítico de sua vida para derrotá-lo, não com uma enxur- dizer que ele os ilude para que acreditem que algo errado
rada repentina de tentações, mas incitando-o, com astú- pode ser distorcido ou justificado de modo a parecer acei-
cia, a cometer infrações aparentemente insignificantes tável devido a suas circunstâncias especiais. A racionali-
em seus padrões há tanto tempo estabelecidos. Ele usa zação é uma das armas mais eficazes de Satanás. Ele
essas tentações, de maneira ardilosa, para afastá-lo do ca- instila pensamentos do tipo: “Vocês se amam de verdade.
minho da retidão. Satanás sabe que, enquanto você pu- Vocês pretendem selar-se no templo. Ambos são dignos e
der ser guiado pelo Espírito Santo, resistirá a ele. Ele não serão fiéis um ao outro. Vocês são uma exceção. Vocês
tem poder sobre uma pessoa justa. O Senhor criou uma não chegaram ao limite”. Os limites estendem-se cada
maneira para você resistir às investidas do diabo. Se vo- vez mais rumo à esquerda. Assim, eles continuam com
cê for obediente, será inspirado a saber como agir e terá suas demonstrações físicas de afeto. Estão muito apaixo-
a capacidade de fazê-lo. nados. A cada vez, o grau de intimidade aumenta.
À guisa de advertência, tentarei mostrar-lhe como Despertam-se emoções fortes e vigorosas, mas eles têm
Satanás trabalha. Vamos imaginar que à sua direita este- certeza de que conseguirão controlá-las. Eles vão selar- se
jam todas as coisas boas que podemos fazer na vida. no templo. Então, essas emoções tornam-se irresistíveis e
Quanto mais à direita formos, melhores serão essas coisas. eles cometem atos que haviam decidido nunca praticar
À sua esquerda estão todas as coisas erradas que podemos fora dos laços do matrimônio. A vida deles complica-se
fazer. Quanto mais à esquerda, piores serão elas. No meio, terrivelmente, de modo trágico e desnecessário.
é difícil discernir o que é um pouco bom ou um pouco Rogo-lhe que reconheça que não é possível ultrapas-
ruim. É aí que Satanás trabalha com as pessoas justas. Essa sar os limites sem enfrentar um alto risco de deslizar e ser
é a região indefinida em que não se pode distinguir clara- conduzido a lugares que você não tinha a intenção de vi-
mente o que é bom ou ruim. É muito fácil confundir-se. sitar ou a experiências que não desejava ter. É assim que
Viva bem dentro da área maravilhosa do bem que o Satanás atua. Ele sabe que as emoções envolventes da
Senhor delineou e você não terá nenhum problema com transgressão sexual se tornam hábitos. Um ato leva a ou-
a tentação. Se você estiver em dúvida se deve ou não tro e outro. Geram-se apetites e sentem-se emoções for-
olhar, ouvir, ponderar ou fazer algo — não o faça. Você po- tes, até que o transgressor perde a perspectiva da
de estar aproximando-se das armadilhas de Satanás. realidade e é levado cada vez mais ao pecado, sem reco-
Agora, observe como Satanás atua. Um ex-missioná- nhecer o quanto já se distanciou e a rapidez com que es-
rio digno conhece uma jovem pura e bela. Eles estão nu- tá sendo aprisionado. Você já viu outras pessoas que
ma idade em que podem pensar seriamente em começaram simplesmente experimentando e depois se
casamento. Começam a namorar e a desenvolver senti- envolveram de modo cada vez mais profundo com o pe-
mentos belos e profundos de amor um pelo outro. cado, aparentemente sem reconhecer o quão longe se
Nenhum dos dois pretende fazer algo errado. Eles decidi- desviaram.
ram não ultrapassar os limites e entrar no território de Como duas pessoas que se amam podem evitar cruzar
Satanás. Quando ele está com ela, deseja expressar-lhe os limites e cair em tentação? Primeiro, vamos definir o
seus sentimentos e, depois de algum tempo, não fica mais amor. Amar alguém em retidão significa proteger, elevar,
satisfeito apenas em andar de mãos dadas como demons- manter puro e imaculado, sacrificar-se em benefício do
tração de afeto. Sempre que estão juntos, fazem o que fi- outro. Amar é deixar as experiências íntimas e sagradas
zeram no encontro anterior e vão um pouco além para para a santidade do casamento. No matrimônio, quando
expressar seus sentimentos fisicamente. Começam a exercidas adequadamente, elas aproximam um casal e
aproximar-se cada vez mais dos limites, mas estão deter- fortalecem-no para as responsabilidades crescentes da
minados a não os transpor. Um dia, Satanás planta as se- paternidade e maternidade. Resultam na formação de
mentes da racionalização em sua mente. Com isso, quero um corpo físico para os filhos espirituais que o Pai
M A R Ç O D E 2 0 0 1
15
Celestial confia aos pais terrenos. Nesse contexto sagra- sob nenhum tipo de pressão e puder confirmar suas
do, o relacionamento íntimo adequado é cheio de beleza decisões por meio de impressões sagradas. Então, decida
e propósito. o que você fará e o que não fará para expressar seus
Os agentes de Satanás falam de amor, mas na verdade sentimentos. O Espírito o guiará. Depois, não se desvie
se trata de luxúria. É a gratifi- dessas decisões, por mais con-
cação crescente de apetites vincentes e sedutoras que
individuais à custa de ou- sejam as tentações. A reali-
tra pessoa. Isso le- zação de seus sonhos
va a violações depende de sua deter-

Cerque-se de bons amigos estando nos lugares certos minação de nunca abdicar de seus padrões.
fazendo as coisas certas. Faça amizade com pessoas ■ Reconheça que o limite entre o bem e o mal nunca

que o ajudem a lembrar-se de suas metas dignas. muda, mas você pode ser tentado a alterar sua percepção
dessa linha separatória por meio da racionalização; ou se-
sérias aos mandamentos de Deus. Por que Satanás apela ja, tentando justificar como aceitável, em seu caso espe-
tanto para a transgressão sexual? Porque sabe que a que- cial, algo que você suspeita ou sabe ser errado.
bra da lei da castidade instaura um processo difícil de in- ■ Cerque-se de bons amigos e permaneça nos lugares

terromper. Ao mesmo tempo, embota a sensibilidade certos, fazendo as coisas certas. Nenhum de nós fica feliz
espiritual e neutraliza a vontade de resistir. Jamais abra o tempo todo. Quando você estiver triste, um bom ami-
brechas em sua vida para o tipo de amor que Satanás ofe- go estará bem e poderá ajudá-lo a lembrar-se de suas me-
rece. Se você tiver permitido a entrada de elementos de- tas dignas. Algumas pessoas anseiam tanto por amizade e
le em algum relacionamento, livre-se deles agora. popularidade que abrem mão de seus padrões. Você não
Agora gostaria de dar algumas sugestões para ajudá-lo conquistará amigos desejáveis dessa forma, mas poderá
ILUSTRADO POR GREGG THORKELSEN

a evitar ultrapassar os limites: acabar perdendo seus sonhos justos.


■ Escolha voluntariamente fazer o que é certo. ■ Fique perto da Igreja. Por meio dela, verá constante-

Somente a obediência espontânea produz as bênçãos que mente renovada sua resolução de fazer o que é certo e se-
resultam da obediência aos mandamentos de Deus. rá fortalecido ao ver o exemplo de outras pessoas fazendo
■ Estabeleça firmemente padrões pessoais. Escolha um o mesmo.
tempo de profunda reflexão espiritual, quando não estiver ■ Uma regra segura para os casais de namorados é

A L I A H O N A
16
nunca fazerem sozinhos antes do casamento o que não Se alguém que ler essa mensagem tiver cometido
fariam na presença dos pais. transgressões sérias, com toda a ternura de meu coração
■ Não se deixe enganar pela definição do mundo do peço que decida arrepender-se, agora. Não é bom violar
que é aceitável. Despertar intencionalmente emoções os mandamentos do Senhor. É trágico não fazer nada a
que são reservadas para fins sagrados dentro do convênio respeito. O pecado é como o câncer no organismo: nun-
matrimonial é um erro seriíssimo. Testifico solenemente ca desaparece por si mesmo, mas alastra-se gradualmen-
que tocar as partes íntimas e sagradas do corpo de outrem te, a menos que seja curado por meio do arrependimento.
fora dos laços do matrimônio entre homem e mulher Vocês podem ficar completamente sãos, renovados, puri-
constitui transgressão. Satanás propaga a idéia de que, ficados e limpos por meio do milagre do arrependimento.
quando há consentimento mútuo, as intimidades que Se você houver pecado, rogo que procure o bispo agora
precedem o ato final são aceitáveis. Trata-se de uma para que seus sonhos justos se tornem realidade.
mentira perniciosa. Essas atividades constituem violação Àqueles que cometem um erro grave, Satanás sussur-
da lei da castidade e exigem arrependimento. A morali- ra: “Sua vida está arruinada. Não há volta. É melhor con-
dade é muito mais do que uma questão de bom senso, é tinuar nesse caminho”. Isso é mentira. O Salvador deu a
um mandamento fundamental de Deus, algo que Ele própria vida para que até mesmo as transgressões mais sé-
considera de suma importância. rias pudessem ser vencidas e as pessoas fossem renovadas,
Seu corpo espiritual foi criado por seu Pai Celestial. purificadas e limpas por meio do arrependimento e da
Seu corpo físico é feito à imagem Dele. Ele pode condu- obediência aos mandamentos do Senhor. Crer em algo
zi-lo a uma felicidade que transcende seu entendimento diferente seria negar a eficácia da Expiação de nosso
atual. O objetivo dele é ajudá-lo a atingir a plenitude de Salvador.
seu potencial de crescimento, realização e alegria en- Em poucas palavras, sua felicidade, tanto ao longo
quanto você estiver na Terra. O objetivo dele é conceder- desta vida como na eternidade, dependerá de sua decisão
lhe felicidade eterna. de fazer escolhas corretas e apegar-se a elas. Algumas
Há outro ser extremamente talentoso, influente e bri- pessoas fazem escolhas com base em suas próprias expe-
lhante, mas diabólico, cujo propósito é cegá- lo para tor- riências pessoais sem confiar em quase nada além disso.
ná-lo servo dele. Uma das armas mais eficazes que ele usa Já outras fazem escolhas seguindo cegamente as pessoas a
para desviá-lo do curso da felicidade é tentá-lo para que quem admiram. Outras escolhem o que a seu ver lhes tra-
ceda às intimidades físicas. A transgressão sexual inicia rá mais amigos e sucesso. Alguns esperam deparar-se com
um processo difícil de interromper. Estimula emoções fí- um desafio para então decidirem como proceder. Cada
sicas fortes que viciam cada vez mais. Ao mesmo tempo, uma dessas alternativas pode ser desastrosa.
embota a sensibilidade espiritual e neutraliza a vontade Com todo o amor que há em meu coração, peço que
de resistir. O comportamento imoral não faz parte de sua tome a resolução firme de seguir os padrões do Senhor.
natureza. Por saber disso, Satanás vai tentá-lo para que Suplico que viva de maneira que o Espírito Santo possa
inicie com doses pequenas de vício, em vez de tentá-lo a inspirá-lo a fazer constantemente o que é certo. Testifico
passar de uma vida pura e limpa direto para uma trans- que, em conseqüência disso, verá a realização de seus so-
gressão moral séria. nhos justos ou algo até melhor do que isso. Seu Pai
Néfi concedeu-lhe uma maneira excelente para ajudá- Celestial e Seu Filho Amado o amam. Eles querem sua
lo a sobrepujar as tentações. Ele disse: “Todos os que des- felicidade mais do que você é capaz de imaginar. Eles o
sem ouvidos à palavra de Deus e a ela se apegassem, ajudarão a alcançar essa alegria quando você fizer dili-
jamais pereceriam; nem as tentações nem os ardentes gentemente tudo o que puder para obedecer aos manda-
dardos do adversário poderiam dominá-los até a ceguei- mentos. Testifico que Eles amam você e o ajudarão. Em
ra, para levá- los à destruição”. (1 Néfi 15:24) nome de Jesus Cristo. Amém. 
M A R Ç O D E 2 0 0 1
17
VOZES DA IGREJA

“Os Efeitos Espera”

S omos abençoados por viver num mundo


governado por leis. Sabemos que se tiver-
mos certas atitudes, delas resultarão con-
seqüências específicas — sempre. Por exemplo,
podemos colocar um pé diante do outro porque
Celestial pedir de nós. Conforme ilustram as his-
tórias a seguir, seja buscando Sua verdade, sacrifi-
cando os bens do mundo ou confiando em Seus
cuidados, sabemos que nossa fé será recompensa-
da — sempre. Talvez não consigamos antever os
sabemos que a lei da gravidade nos manterá fir- resultados, mas podemos confiar que serão para o
memente ancorados no solo. ❦ No mundo espi- nosso bem. ❦ “Vocês terão desafios e decisões di-
ritual, a situação não é diferente. “Há uma lei”, fíceis a tomar no decorrer da vida”, disse o Él-
ensinou o Profeta Joseph Smith, “(. . .) na der Richard G. Scott, do Quórum dos
qual todas as bênçãos se baseiam — E Doze Apóstolos. “Tomem agora a re-
quando recebemos uma bênção de solução de sempre fazer o que é cer-
Deus, é por obediência à lei na qual to e simplesmente esperem as
ela se baseia.” (D&C 130:20–21) conseqüências, que sempre serão
Por essa razão, nunca precisamos para o seu bem.” (“Faze o Bem”,
temer fazer o que nosso Pai A Liahona, março de 2001, p. 14)
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
ÀESQUERDA: ILUSTRADO POR BRIAN CALL; À DIREITA: A IMAGEM DE CRISTO, DE HEINRICH HOFMANN

Armadilha de Areia Fomos até a rodovia e seguimos ru-


Gary M. Johnson mo ao norte. Fazia muito calor, e não

C erta manhã de sábado, há mui-


tos anos, eu e meus irmãos está-
vamos correndo pela casa, querendo
que o carro que comprara era mais
pesado e seria mais seguro em caso
de acidente. Esse era um fator pre-
tínhamos ar-condicionado. A paisa-
gem à nossa volta era o deserto árido
e ermo com plantas xerófitas, algumas
terminar o mais cedo possível nossas ponderante para minha mãe, que poucas formações rochosas e alguns
tarefas domésticas. Estávamos ani- pouco antes se envolvera numa ter- postes de telefone e morros baixos
mados porque nosso pai havia pro- rível colisão frontal e quase morrera. ao longe, na linha do horizonte.
metido levar a família para passear Quando terminamos de preparar
na caminhonete usada que comprá- tudo, todos entramos no automóvel: Quando o avião se distanciou e o
ramos recentemente. O carro já ti- minha mãe, meu pai e os sete filhos, ruído do motor enfraqueceu, sa-
nha cinco anos, e queríamos um mais inclusive um bebê. Como era sábado bíamos que estávamos entregues
novo, mas nosso pai disse que seria à tarde, não levamos comida nem à própria sorte. A situação estava
caro demais. Além disso, garantiu nada para beber. ficando desesperadora.
M A R Ç O D E 2 0 0 1
19
Apesar da temperatura escaldante e volta para uma parte mais sólida do já estava histérico, as quatro meni-
do cenário inóspito, estávamos feli- terreno para que adquirisse impulso nas estavam chorando e até meu ir-
zes por fazer um divertido passeio fa- antes de passar pelo trecho arenoso. mão e eu começamos a duvidar de
miliar. No entanto, as várias tentativas fra- nossas chances de voltar para casa
Contudo, o clima de felicidade foi cassaram, principalmente porque ele em segurança.
interrompido pelos protestos da mi- precisava ter cuidado para não voltar Nosso pai reuniu a família e anun-
nha mãe. As lembranças do acidente demais e cair em outro trecho de ciou: “Só nos resta fazer uma coisa.
que sofrera ainda estavam bem vívi- areia. Após cada tentativa, o carro ia Vamos pedir auxílio ao Pai
das e a visão dos carros que passa- um pouco mais para frente, mas em Celestial”. Todos nos ajoelhamos na
vam por nós deixava-a muito seguida afundava ainda mais na areia areia abrasadora e inclinamos a ca-
assustada. Por causa dele, meu pai fofa e traiçoeira. beça enquanto nosso pai suplicou
resolveu sair da autopista. “Aqui es- As crianças menores começaram com todo o coração em favor de
tamos”, disse ele com alegria ao en- a chorar. “Estamos com sede, mãe.” todos nós. Explicou nossa situação
trar numa estrada de terra margeada Sob o quente sol vespertino, víamos ao Senhor com pormenores, inclusi-
por uma fileira interminável de li- ondas de calor subindo da areia, ve todas as coisas que fizéramos
nhas de transmissão. Levantando ofuscando a visão das montanhas no para sair dali. Em seguida, implorou
uma nuvem de poeira, o carro saiu ti- horizonte. ajuda.
nindo pela velha estrada. Eu, que na Então, ouvimos ao longe um som Após a oração, levantamo-nos e
época tinha treze anos de idade, es- débil vindo em nossa direção. O nosso pai disse: “Vamos tentar de no-
tava adorando aquilo tudo. zumbido de um avião monomotor vo”. Pediu que ficássemos fora do
Tão entretidos que estávamos, eu ficou cada vez mais alto à medida carro enquanto retrocedia para mais
e meus irmãos nem nos demos conta que se aproximava. “Ah, é a nossa uma arrancada. O motor rugiu quan-
do olhar de preocupação de nosso salvação!” Chorei ao ver o avião. do nosso pai deu a partida o mais rá-
pai. Mas nossa mãe sabia que havia “Vamos todos acenar para que ele pido que podia. O carro chegou ao
algo de errado. “O que há, aterrisse!” Agitamos os braços fre- trecho arenoso, mas dessa vez conti-
Anthony?” indagou ela. neticamente. Era o avião que inspe- nuou em movimento, como se esti-
“Bem”, ele respondeu, “talvez cionava as linhas de transmissão. O vesse flutuando. Nosso pai foi até o
não seja nada, mas a areia lá na piloto estava voando tão baixo que alto do morro seguinte e parou num
frente parece-me perigosa. Acho conseguíamos vê-lo inclinando-se terreno sólido e rochoso. Todos
melhor voltarmos.” Logo depois, em direção à janela. Ele estava vol- aplaudimos e corremos até a cami-
achou um local largo o bastante no tando, também acenando para nós nhonete.
alto de um pequeno morro e deu simpaticamente, achando que está- Quando chegamos lá, nosso pai
meia volta. vamos apenas cumprimentando-o. estava sentado ao volante, tremendo
Iniciamos o trajeto de volta des- Quando o avião se distanciou e o e soluçando, algo que eu nunca o vi-
cendo a ladeira e subimos o morro ruído do motor enfraqueceu, sabía- ra fazer antes. Quando lhe pergunta-
seguinte, e o que meu pai temia mos que estávamos entregues à pró- mos qual era o problema, ele
aconteceu. O carro afundou na areia pria sorte. levantou os olhos e disse que parecia
macia. Quase todos nós saímos do A situação estava ficando deses- que o carro havia sido erguido e car-
carro e empurramos com toda a for- peradora. Não tínhamos comida regado por sobre a areia por um po-
ça, mas não foi possível fazê-lo avan- nem água, minha mãe estava tentan- der invisível.
çar. Conseguimos empurrá-lo de do acalmar o bebê, que a essa altura Voltamos para casa sem novos
A L I A H O N A
20
percalços, contemplando os tons ala- primeira filha nasceu. Meu marido nossas economias, mas duas sema-
ranjados do sol poente no céu do tinha um bom emprego e foi chama- nas depois meu marido foi despedi-
oeste. Ninguém disse palavra, como do como bispo de nossa ala. Então, do. Sem renda, tivemos que
que para não desfazer a atmosfera re- tivemos a oportunidade de mudar- mudar-nos de casa. As faturas do
verente que reinava no carro. nos para Jalisco, um local do México cartão de crédito, as prestações do
Embora eu saiba que as respostas às onde meus avós haviam morado. carro e o aluguel estavam sufocan-
orações venham de diversas formas e Sempre sonháramos em criar nossos do-nos.
nem sempre cheguem de maneira filhos num lugar tranqüilo, e Jalisco Depois de algum tempo, meu ma-
extraordinária, sou grato ao Pai vinha ao encontro dos desejos de rido começou a trabalhar à noite co-
Celestial pelas bênçãos daquele dia. nosso coração. Nosso estilo de vida, mo taxista. Muitas vezes, as despesas
contudo, logo mudaria radicalmente. excediam a renda, mas esse trabalho
Gary M. Johnson é membro da Ala Needles, Em Jalisco, nasceu nossa segun- garantia um pouco de alimento
Estaca Lake Havasu City Arizona. da filha. Infelizmente, tive sérias em nossa mesa. Então, o carro teve
complicações após o parto.
Conseguimos pagar as despesas com
Na Palma de Sua Mão
Emma Ernestina Sánchez Sánchez

O s primeiros anos de nosso casa-


mento pareciam quase perfei-
tos. Depois que eu e meu marido
fomos selados no Templo da Cidade
do México México, ambos nos for-
mamos na universidade e nossa

Deus abençoou nossa pequena


horta, que produziu alimentos
em abundância.
problemas mecânicos e até mesmo Quando voltei para casa, orei co- mais difíceis, deixamos de dar almo-
essa pequena fonte de renda esgo- mo nunca antes. Roguei ao Pai ço para os missionários. As crianças
tou-se. Vendemos ou penhoramos Celestial que me fortalecesse. sempre tinham o que comer, e rece-
muitos de nossos bens. Na mesma Conversei com meu bispo, e ele dis- bíamos muitos convites para almoçar
época, o México passou por uma des- se-me: “O Senhor retirará de seu ca- ou jantar na casa de amigos. Um dia,
valorização monetária séria, o que minho o que a está afligindo”. No dia finalmente consegui comprar um se-
aumentou em muito nossas dificul- seguinte, fiquei sabendo que fora de- gundo botijão de gás para nosso fo-
dades financeiras. mitida de meu emprego sem nenhu- gão. Imediatamente o outro bujão
Meu marido estava emocional e ma explicação. No mesmo dia, fui esvaziou-se. Em geral, um botijão
fisicamente exausto, mas eu consegui informada de que recebera uma bol- dura seis meses, mas aquele durara
um emprego como professora numa sa para dar continuidade a meus es- muito mais.
escola primária bilíngüe. O trabalho tudos. A oportunidade de estar mais Com nossas tribulações, aprende-
era árduo, o salário era baixo e eu ti- perto de minhas filhinhas muito con- mos algumas lições importantes.
nha que deixar as crianças aos cuida- tribuiu para curar-me o espírito. Começamos a valorizar mais os con-
dos de um membro da Igreja. Para Certa manhã, o telefone que não selhos de nossos líderes. Apren-
economizar, mudamo-nos para uma funcionava havia vários meses tocou demos a receber; é bom servir, mas
casa mais simples num bairro pobre trazendo a notícia de que meu mari- também é importante permitir que as
da cidade. do recebera o convite para trabalhar pessoas nos sirvam. Tanto eu como
Enquanto eu lutava para traba- como professor. Imediatamente, o meu marido tivemos a oportunidade
lhar, cuidar da família, manter a casa aparelho voltou a ficar mudo, mas de receber mais treinamento profis-
e participar da Igreja, fiquei muito não importava. Meu marido tinha sional gratuitamente. Os amorosos
deprimida. Certa noite, a angústia foi trabalho! familiares de meu marido estavam
tamanha que tive de ser hospitaliza- Como nunca antes, aplicamos os sempre atentos a nossas necessidades
da. Depois de dar-me um sedativo, a princípios de bem-estar e auto-sufi- e descobri na minha sogra uma gran-
médica disse: “Você está deixando- ciência. Aprendi a armazenar trigo e de amiga.
se abater por seus problemas. Isso é soja. Plantei milho perto da calçada E o nosso casamento cresceu e
coisa para covardes, e acho que não e depois recebi permissão para iniciar fortaleceu-se. Certa noite, meu mari-
é o seu caso. Pense nisso”. uma horta num terreno de amigos do abraçou-me e disse: “Pouco im-
As palavras dela ficaram ressoando nossos. Deus abençoou nossa peque- porta se nos jogarem na rua. Se você
na minha mente, e eu fechei os olhos, na horta, que produziu alimentos em estiver ao meu lado, terei coragem
em busca de algo que me trouxesse abundância, incluindo abóbora e al- para começar tudo de novo”.
coragem. Fiz um breve retrospecto de fafa. E talvez ainda mais importante,
minha vida. É verdade que não temos O trabalho árduo e os alimentos passamos a ver as coisas com uma
mais bens materiais, pensei, mas ainda que consegui armazenar acalmaram perspectiva eterna. Conseguimos en-
estou viva e tenho um marido maravilho- meus temores e encheram-me de es- tender que tanto nos momentos
so e duas filhas preciosas. Lembrei que perança. À medida que minha atitu- bons como ruins, Deus abriga-nos na
eu não nascera para acumular posses de começou a mudar, consegui palma de Sua mão.
nem para viver em tranqüilidade. Eu enxergar a mão do Senhor em nossa
viera ao mundo para servir minha fa- vida. Fomos abençoados com saúde: Emma Ernestina Sánchez Sánchez é membro
mília e as outras pessoas e para edifi- nenhum de nós contraiu uma gripe da Ala Las Aguilas, Estaca Guadalajara
car o reino de Deus. que fosse. Nunca, nem nos momentos México Moctezuma.
A L I A H O N A
22
Ao encontrarmos o evangelho de tornarmo-nos membros da Igreja, fo-
Jesus Cristo, nossa vida mudou por mos ao Templo de Washington D.C.
completo. Imediatamente vendi mi- e realizamos batismos por alguns de
nha motocicleta, por um preço bem nossos antepassados. Nossa segunda
inferior ao investimento que eu fize- visita ao templo foi em julho de
ra. Mas o sacrifício valeu a pena. 1997. Nessa ocasião, recebemos nos-
Quando modifiquei minha vida, o Pai sa investidura e efetuamos ordenan-
Celestial, o único Deus verdadeiro, ças sagradas por nossos entes
derramou bênçãos sobre mim. Agora queridos.
sou feliz. Meu lar é feliz. Amo minha Sei que Deus me ama e estou em-
esposa e meus filhos. Realizamos a penhando-me a cada dia para tornar-
noite familiar, oramos e servimos ao me mais semelhante a Ele. 
Senhor como família.
Três meses depois de Manuel J. Rosario é membro do Ramo
Abandonar Minha
Arroyo, Distrito Guayama Porto Rico
Imagem de Escultura
Manuel J. Rosario

E u tinha uma motocicleta


Harley-Davidson 1978. Eu in-
vestira nela uma soma considerável
de dinheiro e tinha um orgulho in-
descritível dela. Ela era tudo para
mim. Todos os domingos, reunia-me
com um grupo de amigos em Patillas,
Porto Rico, para andar de motocicle-
ta pela ilha. Esquecíamo-nos de to-
dos os nossos problemas, a família,
Deus, tudo, em troca de breves mo-
mentos de prazer naqueles veí-
culos. Em essência, minha
motocicleta era o meu ídolo.
Tudo isso mudou quando
um antigo colega de escola,
Jaime Rivera Gómez, apre-
sentou-me à Igreja. Serei
eternamente grato a ele e
aos missionários por seus en-
sinamentos, paciência e
amor genuíno. Eu e minha es-
posa fomos batizados em 31 de
março de 1996.
T O R N A R - S E

ÚTIL

ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA DE WELDEN C. ANDERSEN; COMPOSTO ELETRONICAMENTE POR MARK G. BUDD

Esteja disposto a ajudar e a servir.


Seus dons e talentos são necessários.
(Ver D&C 46:11–26.)

A L I A H O N A
24
MENSAGEM DAS PROFESSORAS VISITANTES

“PARA QUE EU VOS CURE”

O
Presidente Boyd K. Packer, O pensamento que resgatou Essa irmã e seu marido encontra-
Presidente Interino do Quó- Alma, quando ele agiu de acordo ram o perdão e a paz por meio do po-
rum dos Doze Apóstolos asse- com ele, foi o seguinte: Restaurar o der de cura do Senhor. “Agora, fico
gura-nos: “O evangelho ensina que que não se pode restaurar, curar a fe- perplexo ao ver como somos felizes
se obtém o alívio do tormento e da rida que não se pode curar, consertar como família”, disse ele. “O Senhor
culpa por meio do arrependimento. o que se estragou e não pode ser con- poderia ter desistido de nós, mas Ele
Exceto para poucos que decidem se- sertado é o propósito do sacrifício ex- aceitou nosso arrependimento e (. . .)
guir o caminho da perdição (. . .), piatório de Cristo”. (A Liahona, ajudou-nos a tornar nossa vida mara-
não há hábito, vício, rebelião, trans- janeiro de 1996, pp. 20–21) vilhosa”. (Citado em Joseph Walker,
gressão nem ofensa que não se in- “Singing the Song of Redeeming
clua na promessa de total perdão”. “ELE ACEITOU NOSSO Love”, Ensign, março de 1993, p. 60.)
(“A Radiante Manhã do Perdão”, A ARREPENDIMENTO” Jeremias, certa vez, lamentou:
Liahona, janeiro de 1996, p. 20) Um líder do sacerdócio ficou im- “Porventura não há bálsamo em
pressionado com a “luz do evange- Gileade? Ou não há lá médico?”
O PECADO AFASTA-NOS DE DEUS lho” que viu brilhar no rosto de uma (Jeremias 8:22)Para aqueles que par-
O pecado do qual não nos arre- irmã que ele estava entrevistando. tilharão, há um bálsamo — o maravi-
pendemos afasta-nos de nosso amo- Ao perguntar qual era o segredo de lhoso dom da Expiação. E o médico
roso Pai Celestial, fazendo com que seu sucesso, ela respondeu com os implora: “(. . .) Não volvereis a mim
sintamos culpa e vergonha. Como a olhos marejados de lágrimas: “O ar- agora, arrependendo-vos de vossos
dor física, essa “tristeza segundo rependimento”. pecados e convertendo-vos, para que
Deus” (II Coríntios 7:10) mostra-nos Ela explicou que se casara cedo — eu vos cure?” (3 Néfi 9:13) 
que algo está errado, que precisamos e grávida. Depois de sentir-se triste
eliminar aquilo que está causando a por seu pecado, confessou-se ao
dor e procurar a cura na Expiação de Senhor e às autoridades do sacerdó-
Cristo. cio, prometendo ser obediente aos
O Presidente Packer explica: mandamentos do Senhor.
“Quando jovem, o profeta Alma pas- “Foi difícil, e certamente não re-
sou um tempo torturado, como ele comendaria isso a ninguém”, expli-
diz, ‘com eterno tormento, porque cou ela. “Mas o Pai Celestial
[sua] alma estava atribulada no mais abençoou-nos para que conseguísse-
alto grau’ (. . .) (Alma 36:12; grifo do mos tirar algo de bom de uma expe-
autor). riência ruim. Quanto mais
Ele até pensou: ‘Oh! (. . .) Se pudes- tentávamos ser fiéis, mais fortes o Pai
se ser banido e aniquilado em corpo e al- Celestial fazia-nos sentir. E quanto
ma (. . .)’ (Alma 36:15; grifo do autor). mais fortes, mais fácil para nós era
Mas sua mente captou um pensa- ser fiel”. Essa mulher, seu marido e
mento. Ao alimentar esse pensamento seu bebê acabaram entrando no tem-
e agir de acordo com ele, chegou a plo e foram selados como uma famí-
manhã do perdão(. . .). lia eterna.
M A R Ç O D E 2 0 0 1
25
Um Testamento
Moderno das
Verdades Bíblicas
Rex C. Reeve Jr.

Doutrina e Convênios corrobora a verdade da Bíblia, restaura algumas das coisas claras e
preciosas que se haviam perdido, testifica que Jesus Cristo é o Filho de Deus e presta
testemunho de que a salvação só se alcança por meio Dele.

Q uando foi escrita, a Bíblia continha as verda-


des claras e preciosas do evangelho do Senhor
Jesus Cristo. Néfi viu que muitas dessas verda-
des claras e preciosas, bem como os convênios do Senhor,
homens chamados para serem Apóstolos do Senhor
Jesus Cristo adicionaram seu testemunho a Doutrina e
Convênios e declararam que “esses mandamentos fo-
ram dados por inspiração de Deus [e eram] úteis para
seriam retirados da Bíblia. (Ver 1 Néfi 13:24–29.) Nesta todos os homens e realmente verdadeiros”. Doutrina e
dispensação, o Profeta Joseph Smith declarou: “Cremos Convênios corrobora a verdade da Bíblia e é o “cumpri-
ser a Bíblia a palavra de Deus, desde que esteja traduzida mento das palavras de todos os santos profetas desde o
corretamente”. (Regras de Fé 1:8) Posteriormente, escre- princípio do mundo”.3 A seguir, veremos apenas algu-
veu: “Com base nas várias revelações que recebêramos, mas das verdades doutrinárias confirmadas por revela-
era evidente que muitos pontos importantes relativos à ção moderna.
salvação do homem, haviam sido retirados da Bíblia, ou
perdidos antes de sua conclusão”.1 CONFIRMAR PROFETAS, ACONTECIMENTOS E PROFECIAS
Néfi viu que, nos últimos dias, como parte do plano BÍBLICAS
de restauração do Senhor, outros volumes de escrituras Doutrina e Convênios ajuda a estabelecer a verdade
seriam trazidos à luz pelo poder de Deus. O Presidente da Bíblia ao confirmar a existência de muitos profetas
Joseph Fielding Smith (1876–1972) explicou que esses bíblicos, testificar da realidade de acontecimentos bíbli-
livros incluíam Doutrina e Convênios.2 Essas outras cos e corroborar o cumprimento de diversas profecias
ADÃO ORDENA SETE, DE DEL PARSON

escrituras teriam quatro objetivos principais: corrobo- bíblicas.


rar a verdade da Bíblia, restaurar algumas das verdades
claras e preciosas retiradas da Bíblia, testificar Doutrina e Convênios confirma que Adão foi o
que Jesus Cristo é o Filho do Pai Eterno e prestar teste- primeiro homem da Terra e o primeiro a receber
munho de que a salvação só se alcança por meio de o sacerdócio. Ele conferiu esse sacerdócio à sua
Jesus Cristo. (Ver 1 Néfi 13:39–40.) Em 1835, doze posteridade justa.
A L I A H O N A
26
Profetas. Numa época em que muitos profetas bíblicos Gênesis 14:18–20; Hebreus 5:6–10.) O registro bíblico
(principalmente os do Velho Testamento) são considerados dá a falsa impressão de que Melquisedeque não tinha pai,
personagens fictícios, é reconfortante ter um testemunho mãe nem descendentes e era sem princípio de dias nem
renovado da existência deles e receber mais informações fim de vida. (Ver Hebreus 7:1–3.)
sobre seu ministério. Doutrina e Convênios confirma que Podemos, por meio do Profeta Joseph Smith e de
Adão foi o primeiro homem da Terra e o primeiro a rece- Doutrina e Convênios, ler revelações sobre Mel-
ber o sacerdócio. (Ver D&C 84:16–17.) A ele “se deu a quisedeque, um dos antigos sumos sacerdotes de Deus, e
Primeira Presidência”4 e ele continua a ocupar uma posi- saber que “nenhum foi maior” do que ele. (Alma 13:19;
ção de grande importância por possuir as chaves da sal- ver também os versículos 7–18.) Melquisedeque conferiu
vação sob a orientação e direção de Jesus Cristo. (Ver o sacerdócio a Abraão e recebeu o dízimo dele. (Ver
D&C 78:16.) D&C 84:14; Alma 13:15.) Melquisedeque foi um sumo
O Profeta Joseph Smith falou sobre a “voz de sacerdote tão importante e honrado que seu nome pas-
Miguel, o arcanjo”, que o instruiu. (D&C 128:21) sou a ser usado para identificar o “Santo Sacerdócio segun-
Futuramente, Adão, ou Miguel, voltará e presidirá o do a Ordem do Filho de Deus”, a fim de que se evitasse a
grande conselho em Adão-ondi-Amã. (Ver D&C 116.) repetição excessiva do nome da Deidade. (Ver D&C
Adão soará a trombeta por ocasião da Segunda Vinda e 107:2–4.) Aos olhos de seu povo, Melquisedeque era um
dirá: “Está consumado! O Cordeiro de Deus venceu”. protótipo do Filho de Deus: ambos tinham o título de
(D&C 88:106) Ele chefiará as forças do bem na bata- “Príncipe da Paz” e ambos eram co-herdeiros do reino do
lha final contra Satanás e seus seguidores no fim do Pai.7 Aprendemos também que era o sacerdócio, e não
Milênio. (Ver D&C 88:106–116.) Por fim, Adão minis- Melquisedeque, que era sem “princípio de dias nem fim
trará à sua posteridade justa na ordem patriarcal por de anos”. (D&C 84:17; ver também Tradução de Joseph
toda a eternidade.5 Smith, Gênesis 14:28; Hebreus 7:3.)
O Profeta Joseph Smith identificou Noé como o anjo Os muitos outros profetas bíblicos descritos em
Gabriel e ensinou que Noé está bem próximo a Adão em Doutrina e Convênios são por demais numerosos para es-
termos de autoridade do sacerdócio.6 Doutrina e tudarmos a fundo. Contudo, entre os mencionados estão
Convênios ensina que Noé, que recebeu o mandamento Sete, filho de Adão (ver D&C 107:42–43, 53), Enoque
de construir uma arca para preservar a vida humana e (ver D&C 45:11–14; 107:48–49), Moisés (ver D&C
animal por ocasião do dilúvio (ver Gênesis 6–8), estava 84:25–27; 110:11), Elias, o profeta (ver D&C
entre os grandes e poderosos no mundo dos espíritos. 110:13–16), João Batista (ver D&C 13), Pedro, Tiago e
(Ver D&C 138:38, 41.) Ele foi ordenado ao sacerdócio João (ver D&C 27:12). Também lemos que Abraão,
patriarcal aos dez anos de idade. (Ver D&C 107:52.) Noé Isaque e Jacó “entraram para sua exaltação (. . .) e assen-
estava entre os que foram redimidos pelo Senhor quando tam-se em tronos e não são anjos, mas são deuses”.
de Sua Ressurreição. (Ver D&C 133:54–55.) Como ser (D&C 132:37)
ressurreto, Noé também instruiu o Profeta Joseph Smith. Acontecimentos. Doutrina e Convênios testifica da rea-
GRAVURA DE DEL PARSON

(Ver D&C 128:21.) lidade dos acontecimentos registrados na Bíblia, como a


Como Melquisedeque, um grande profeta bíblico, é Criação do universo e a Queda de Adão e Eva. Reafirma
quase desconhecido para o mundo, muitas pessoas con- que Deus “criou o homem, homem e mulher, a sua pró-
fundem-se acerca de sua verdadeira identidade. (Ver pria imagem e conforme a sua semelhança”. (D&C
A L I A H O N A
28
20:18) Afirma também que Adão e Eva sucumbiram à e Eva ouviram o evangelho de Jesus Cristo da boca de an-
tentação de Satanás e transgrediram o mandamento de jos. (Ver D&C 29:42.)
Deus, o que fez com que fossem expulsos do Jardim do Outros eventos bíblicos confirmados por Doutrina e
Éden. (Ver D&C 29:35–43.) Assim, todas as pessoas nas- Convênios incluem a Criação da Terra pelo Salvador
cem num mundo decaído e, por transgressão às leis de (ver D&C 14:9), o arrebatamento de Enoque e Sião
Deus, tornam-se sensuais, diabólicas e decaídas. (Ver pelo Senhor (ver D&C 38:4, 45:11–14), o Dilúvio (ver
D&C 20:20.) Doutrina e Convênios confirma que Adão D&C 138:41), a divisão da terra após o Dilúvio (ver
D&C 133:24), a abertura do Mar Vermelho (ver D&C
Doutrina e Convênios testifica da realidade de aconte- 8:3), a perda do Sacerdócio de Melquisedeque (ver
cimentos sagrados registrados na Bíblia, incluindo a D&C 84:23–27), o sofrimento de Cristo no Getsêmani
Criação da Terra pelo Salvador, o arrebatamento de (ver D&C 19:15–19), a ressurreição de muitos santos
Enoque e Sião pelo Senhor, o Dilúvio, a abertura do depois da Ressurreição do Salvador (ver D&C
Mar Vermelho, o sofrimento de Cristo no Getsêmani 133:54–55) e o ressoar de uma trombeta no Monte
(ver D&C 19:15–19) e a ressurreição de muitos santos Sinai que anunciará a ressurreição dos mortos na
depois da Ressurreição do Salvador Segunda Vinda do Senhor. (Ver D&C 29:13.)

M A R Ç O D E 2 0 0 1
29
Profecias. Doutrina e Convênios testifica da diáspo- Moisés e Elias, o profeta, voltaram para restaurar as cha-
ra e coligação literais de Israel. Foi profetizado que a ves do sacerdócio, as palavras dos profetas bíblicos relati-
casa de Israel seria espalhada entre todas as nações. vas a esses acontecimentos começaram a cumprir-se.
(Ver D&C 45:19.) Hoje, “os remanescentes dispersos Doutrina e Convênios esclarece profecias bíblicas
são exortados a regressar ao Senhor”. (D&C 113:10) sobre a restauração da Igreja nos últimos dias. A seção
Em 3 de abril de 1836, no Templo de Kirtland, Moisés 65, por exemplo, confirma a profecia de Daniel de que
apareceu a Joseph Smith e Oliver Cowdery e conferiu- o reino de Deus encheria a Terra nos últimos dias. (Ver
lhes as “chaves para coligar Israel das quatro partes da Daniel 2:34–35, 44–45.) E a seção 86 mostra que a pa-
Terra”. (D&C 110:11) Ademais, lemos a respeito do re- rábola do joio e do trigo refere-se aos nossos dias:
torno de Elias, o profeta, há tanto profetizado, que vol- Satanás semeia o joio, o joio sufoca o trigo e impele a
taria o coração dos filhos para os pais. (Ver D&C
110:13–16.) Aprendemos com clareza que Jesus Cristo é o
Os missionários da Igreja são chamados para reunir os Primogênito dos filhos espirituais do Pai. Foi escolhido
eleitos do Senhor (ver D&C 29:7), recuperar o povo do antes da criação da Terra para realizar a Expiação
Senhor, a casa de Israel. (Ver D&C 39:11.) Desde que infinita e eterna.

A L I A H O N A
30
Igreja para o deserto. (Ver D&C 86:1–7.) 2. “Porque muitos são chamados, mas poucos escolhi-
Muitas pessoas questionam a Segunda Vinda de Cristo dos.” (Mateus 20:16)
ou compreendem-na mal. Os profetas bíblicos ensinaram Em Doutrina e Convênios, aprendemos que não são
claramente que Jesus Cristo “se [levantaria] [na] Terra” escolhidos “porque seu coração está tão fixo nas coisas
(Jó 19:25) e que edificaria Sião e apareceria em Sua gló- deste mundo e aspiram tanto às honras dos homens, que
ria. (Ver Salmos 102:16.) Aos Seus discípulos no meridia- eles não aprendem (. . .) que os direitos do sacerdócio são
no dos tempos, Jesus discorreu sobre as condições inseparavelmente ligados com os poderes do céu” e não
existentes antes de Sua Segunda Vinda. (Ver Mateus 24; podem ser controlados “a não ser de acordo com os prin-
ver também Joseph Smith — Mateus.) Tanto a seção 45 cípios da retidão”. (Ver D&C 121:34–40.)
quanto Joseph Smith — Mateus muito nos auxiliam na 3. “Então o reino dos céus será semelhante a dez vir-
compreensão da Segunda Vinda. gens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro
Outras seções testificam da realidade da Segunda do esposo. E cinco delas eram prudentes, e cinco loucas.
Vinda. Os santos modernos receberam o mandamento: As loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azei-
“Preparai-vos (, . . .) porque o Senhor está perto” (D&C te consigo”. (Mateus 25:1–3)
1:12) e a advertência: “Logo vem o dia em que me vereis Doutrina e Convênios ensina que as virgens pruden-
e sabereis que eu sou”. (D&C 38:8) Aprendemos que “o tes são aqueles que “tiverem recebido a verdade e toma-
grande e terrível dia do Senhor está perto” (D&C do o Santo Espírito por seu guia e não tiverem sido
110:16) e que “o Senhor (. . .) permanecerá no meio de enganados”. (D&C 45:57) As que não têm óleo serão
seu povo e reinará”. (D&C 133:25) lançadas ao fogo e não suportarão o dia da vinda do
Ainda na mesma linha, Doutrina e Convênios testifica: Senhor. (Ver D&C 45:56–57.)
“Porque a hora está próxima e aquilo que foi dito por 4. “Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama,
meus apóstolos deve ser cumprido; pois como disseram, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos
assim há de acontecer; para ele, e faremos nele morada.” (João 14:23)
Pois revelar-me-ei do céu com poder e grande glória, Doutrina e Convênios testifica que o Pai e o Filho são
com todas as suas hostes, e em justiça habitarei com os seres separados, com um corpo glorificado de carne e os-
homens na Terra por mil anos, e os iníquos não permane- sos (ver D&C 130:22) e que essa visita prometida do Pai
cerão.” (D&C 29:10–11) e do Filho é uma aparição real e pessoal. (Ver D&C
130:3.)
Durante a tradução do Novo Testamento, Joseph
DETALHE DE O CRISTO PRÉ-MORTAL, DE ROBERT T. BARRETT

RESTAURAR COISAS CLARAS E PRECIOSAS


Doutrina e Convênios restaura muitas verdades claras Smith recebeu muitas revelações que nos ajudam a com-
e preciosas ao expandir e interpretar as passagens da preender melhor certas passagens da Bíblia. Algumas
Bíblia. Eis alguns exemplos representativos: dessas revelações foram inseridas em Doutrina e
1. “Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar nu- Convênios, como é o caso das seções 77, 84, 86 e 88.
ma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu Uma das mais notáveis é a seção 76. Joseph Smith e
adultério com ela.” (Mateus 5:28) Sidney Rigdon relataram o seguinte fato ocorrido en-
Doutrina e Convênios acrescenta que aquele que fizer quanto estavam empenhados na tradução da Bíblia em
isso “não terá o Espírito, mas negará a fé e temerá”. 1832:“O Senhor tocou os olhos de nosso entendimento
(D&C 63:16) (. . .) e a glória do Senhor cercou-nos de resplendor”.
M A R Ç O D E 2 0 0 1
31
(Ver D&C 76:15–19.) O que aconteceu em seguida foi Eu sou o primeiro e o último; sou o que vive, sou o
a grandiosa revelação dos três graus de glória. que foi morto; eu sou vosso advogado junto ao Pai.”
Esses poucos exemplos, assim como muitos outros que (D&C 110:1–4)
poderíamos citar, são um testemunho de que Doutrina e Em outra ocasião, Joseph Smith e Sidney Rigdon tes-
Convênios verdadeiramente restaura muitas verdades tificaram:
claras e preciosas da Bíblia que se perderam. “E agora, depois dos muitos testemunhos que se pres-
taram dele, este é o testemunho, último de todos, que
TESTIFICAR QUE JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS nós damos dele: Que ele vive!
Doutrina e Convênios testifica claramente a respeito Porque o vimos, sim, à direita de Deus; e ouvimos a
da verdadeira natureza e realidade de Deus o Pai e Seu voz testificando que ele é o Unigênito do Pai —
Filho, Jesus Cristo. Fornece o alicerce de verdade essen- Que por ele e por meio dele e dele os mundos são e fo-
cial para a edificação da fé que conduz à vida eterna. ram criados; e seus habitantes são filhos e filhas gerados
Joseph Smith viu Deus o Pai e Jesus Cristo como dois para Deus.” (D&C 76:22–24)
seres separados “cujo esplendor e glória desafiam qualquer
descrição”. (Joseph Smith — História 1:17) Posterior- TESTIFICAR QUE A SALVAÇÃO SÓ SE ALCANÇA POR MEIO
mente, escreveu que Deus o Pai “tem um corpo de carne DE CRISTO
e ossos tão tangível como o do homem; o Filho também”. Jesus Cristo disse a Moisés: “Esta é minha obra e mi-
(D&C 130:22) nha glória: Levar a efeito a imortalidade e vida eterna do
Aprendemos com clareza que Jesus Cristo é o homem”. (Moisés 1:39) A imortalidade refere-se à reu-
Primogênito dos filhos espirituais do Pai. (Ver D&C nião permanente do corpo e do espírito na Ressurreição.
93:21–23.) Foi escolhido antes da criação da Terra para O Apóstolo Paulo ensinou: “Porque, assim como todos
realizar a Expiação infinita e eterna. É o Criador dos céus morrem em Adão, assim também todos serão vivificados
e da Terra. (Ver D&C 76:23–24; 93:9–10.) Na condição em Cristo”. (I Coríntios 15:22) Jacó declarou: “Deve
de Unigênito do Pai na carne (ver D&C 93:11), redimiu existir um poder de ressurreição e a ressurreição deve vir
toda a humanidade, possibilitando a imortalidade e a vi- ao homem em razão da queda”. (2 Néfi 9:6) Doutrina e
da eterna. (Ver D&C 49:5; Moisés 1:39.) Convênios também ensina que a Expiação de Cristo
Joseph Smith e Oliver Cowdery viram Jesus Cristo no rompeu as ligaduras da morte e que, “pelo triunfo e pela
Templo de Kirtland e testificaram: glória do Cordeiro”, toda a humanidade ressurgirá na
“Retirou-se o véu de nossa mente e abriram-se os Ressurreição. (Ver D&C 76:39; 88:27–32.)
olhos de nosso entendimento. Doutrina e Convênios também testifica que a vida
Vimos o Senhor de pé no parapeito do púlpito, diante eterna, que “é o maior de todos os dons de Deus” (D&C
de nós; e sob seus pés havia um calçamento de ouro pu- 14:7), pode ser alcançada por meio da Expiação de Jesus
ro, da cor de âmbar. Cristo, em conjunto com as ordenanças e a obediência
RESSUSCITOU, DE DEL PARSON

Seus olhos eram como uma labareda de fogo; os cabe- aos ensinamentos do evangelho. O evangelho é que
los de sua cabeça eram brancos como a pura neve; seu Jesus “veio ao mundo (. . .) para ser crucificado pelo
semblante resplandecia mais do que o brilho do sol; e sua mundo e para tomar sobre si os pecados do mundo e pa-
voz era como o ruído de muitas águas, sim, a voz de ra santificar o mundo e purificá-lo de toda iniqüidade;
Jeová, que dizia: para que, por intermédio dele, fossem salvos todos os
A L I A H O N A
32
que o Pai havia posto em seu poder”. (D&C 76:41–42) evangelho, não me recebe a mim. E este é o meu evan-
O Salvador afirmou: “Aquele que recebe o meu gelho: Arrependimento e batismo na água; e depois o
evangelho, a mim me recebe; e o que não recebe o meu batismo do fogo e do Espírito Santo”. (D&C 39:5–6)
Esse evangelho é a rocha sobre a qual Cristo edificará
Doutrina e Convênios também ensina que a Expiação Sua Igreja. As portas do inferno não prevalecerão con-
de Cristo rompeu as ligaduras da morte e que, “pelo tra os que perseverarem neste evangelho. (Ver D&C
triunfo e pela glória do Cordeiro”, toda a humanidade 33:11–13.) A vida eterna consiste em receber uma he-
ressurgirá na Ressurreição. rança no grau mais elevado do reino celestial, que ga-
rante a continuação da família na eternidade. (Ver
D&C 131:1–4.)
Nestes últimos dias, Doutrina e Convênios, junta-
mente com o Livro de Mórmon e A Pérola de Grande
Valor, é uma testemunha que apóia a Bíblia. (Ver
Ezequiel 37:15–17.) As revelações modernas afirmam
que as verdades, ordenanças e convênios salvadores do
evangelho de Jesus Cristo hoje são os mesmos de anti-
gamente. Doutrina e Convênios, em particular, corro-
bora a veracidade da Bíblia, restaura algumas das coisas
claras e preciosas que se haviam perdido, testifica que
Jesus Cristo é o Filho de Deus e que a salvação só se al-
cança por intermédio Dele. Permite-nos ver de modo
mais elucidativo como a Bíblia se harmoniza com as pa-
lavras de todos os profetas desde o princípio do mundo
e as cumpre. 

Rex C. Reeve Jr. é membro da Ala Springville VII, Estaca Springville


Utah, e professor adjunto de escrituras antigas na Universidade
Brigham Young.

NOTAS
1. History of the Church, 1:245.
2. Ver Man, Origin and Destiny (1954), pp. 411–412.
3. Introdução de Doutrina e Convênios.
4. Ver Joseph Smith, Ensinamentos do Profeta Joseph Smith,
comp. por Joseph Fielding Smith (1976), p. 153.
5. Ver Joseph Fielding Smith, Doutrinas de Salvação, comp. por
Bruce R. McConkie, 3 volumes (1954–1956), 1:108–109.
6. Ver Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p. 153.
7. Ver Bruce R. McConkie, Mormon Doctrine, 2ª edição
(1966), pp. 474–475.
M A R Ç O D E 2 0 0 1
33
FOTOGRAFIA DE MARK PHILBRICK

NUNCA MAIS
OLHEI PARA TRÁS
Cameron McCoy
FOTOGRAFIA CORTESIA DO AUTOR, EXCETO QUANDO INDICADO; À DIREITA: FOTOGRAFIA DE CRAIG DIMOND

Q uando eu tinha sete anos, prometi ao Senhor que,


se tivesse oportunidade, pregaria o evangelho em
todo o mundo. Naquela época, eu freqüentava re-
gularmente a Igreja Batista com minha família e não en-
no testemunho de meu pai, mas ainda sentia que não ti-
nha toda a verdade e ansiava saber por que eu nunca me
sentira inclinado a beber, fumar ou dizer palavrões e
mantinha-me moralmente limpo. Por que eu sempre pro-
tendia muitas coisas. Por exemplo: Não sabia por que curava cumprir os mandamentos?
somente o pastor e seus assistentes podiam falar na igre- Depois de 15 meses, fui transferido para a Embaixada
ja. Achava que todos deveriam ter a oportunidade de ex- Americana em Pretória, na África do Sul. Fui o primeiro
pressar seus sentimentos e crenças. Entretanto, minha fuzileiro naval negro a servir como guarda de segurança
família e minha igreja ajudaram-me a desenvolver amor na África do Sul. Em todos os locais para os quais fui de-
e gratidão por Jesus Cristo e pelas escrituras. signado, eu era escolhido devido aos meus padrões. Foi
Quando eu era mais novo, morávamos a menos de interessante o fato de o presidente Bill Clinton ter-me te-
cinco minutos do Templo de Washington D.C. O templo lefonado para pedir-me que aceitasse ir para a África do
exercia um grande fascínio sobre mim quando eu era me- Sul. Essas foram algumas das razões por que recebi mui-
nino, e sempre desejei entrar lá. Mas meu pai assegurou- tas condecorações e prêmios.
me: “Ele não tem nada a ver com a sua vida. Nem se Na África do Sul, conheci os Cleverlys, que eram
preocupe com aquele prédio”. membros d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos
Todos os dias eu observava meu pai estudar seriamente dos Últimos Dias. A Sra. Cleverly convi-
a Bíblia. Eu sabia que ele era um homem de Deus, e come- dou-me para visitar sua casa inúme-
cei a fazer-lhe muitas perguntas. Ele sempre dizia que eu ras vezes. Ela sempre me falava a
deveria ler a Bíblia e achar as respostas por mim mesmo. respeito das atividades para
Uma década mais tarde, eu estava servindo como fu- os jovens adultos, mas
zileiro naval e era guarda de segurança na Embaixada
Americana na República de Djibuti, um pequeno país no
nordeste da África. Decidi procurar a verdade; por isso li
a Bíblia inteira. Ao me aproximar do Senhor, senti que a
Bíblia era a palavra de Deus. Eu não precisava apoiar-me
A L I A H O N A
34
UMA VOZ MUITO CLARA
DISSE-ME: “VOCÊ DEVE
FAZER A VONTADE DO
SENHOR. DEVE SEGUIR
SEU EXEMPLO”.
eu nunca pude ir a nenhuma delas devido à minha esca- falecidas. Pensei nos meus dois avôs e avós que já haviam
la de trabalho. Depois, ela convidou-me para ir à Igreja, falecido. Foi nessa ocasião que comecei a sentir o Espírito
e eu aceitei. Antes de chegar o domingo, porém, passei Santo. Os ensinamentos pareciam corretos para mim.
três noites pesquisando. Fui até a biblioteca da embaixa- Passamos ao próximo princípio, sobre as famílias, e
da onde havia um computador de grande capacidade de percebi que eu sempre soubera que tal preceito era cor-
pesquisa. Eu simplesmente teclei A Igreja de Jesus Cristo reto. Quando ouvi a respeito das famílias eternas, disse
dos Santos dos Últimos Dias. Apareceu todo o tipo de in- aos missionários: “Eu sabia que isso existia”.
formação sobre a Igreja na tela. Li Depois, os missionários ensina-
durante oito horas na primeira ram-me acerca da Palavra de
noite, oito horas na segunda noi- Sabedoria. Foi quando fiz uma
te e oito horas na terceira noite. descoberta: Senti-me uma nova
O que eu mais procurava era sa- pessoa, como se eu tivesse nascido
ber no que os santos dos últimos de novo. Parecia que eu flutuava.
dias acreditavam e como aplica- Eu sempre vivera a Palavra de
vam sua crença na vida. Eles vi- Sabedoria e sempre quis saber por
viam segundo o que haviam que eu era daquele jeito.
estabelecido como leis ou padrões Ninguém jamais conseguiu res-
na Igreja? ponder-me. O Senhor o fez, e es-
Na semana anterior à minha sa resposta veio por intermédio
visita à Igreja, tive um sonho. dos missionários e das palestras.
Estava sentado à mesa com dois Eu sabia que tudo o que eles já me
homens vestidos de camisas bran- haviam ensinado era verdadeiro e
cas de mangas curtas e um crachá que tudo o que me ensinariam no
preto. Eles estavam sentados nos futuro seria verdadeiro também.
lados da mesa, e eu estava à cabe- Nunca senti o Espírito tão inten-
ceira. Quando acordei, não dei samente ao ler as escrituras do
muita atenção ao sonho. que quando li Doutrina e
Na primeira vez que entrei Convênios 89:18–21. Eu sabia
numa reunião dos santos dos úl- que era verdade. Sempre soube
timos dias, eu sabia que havia que meu corpo era importante, e
algo de diferente a respeito da que jamais deveria prejudicá-lo.
Igreja. Era o primeiro domingo do mês, o que significava Daí por diante, comecei a experimentar diversas sen-
que os membros tinham a oportunidade de levantar-se e sações conflitantes a respeito de tornar-me membro da
prestar seu testemunho. É assim que deve ser numa igreja, Igreja. Eu estava preocupado com a opinião do meu pai e
pensei eu. sua reação à minha decisão.
Fui apresentado a dois missionários. Um dos rapazes Durante a sexta palestra, senti que meu pai iria telefo-
era aquele que aparecera no meu sonho, exatamente a nar-me. O telefone tocou. Levantei-me, fui atender, e
mesma pessoa. A irmã Cleverly convidou a mim e aos realmente era ele.
missionários para jantar. Ela colocou-nos à mesa da mes- Meu pai disse: “Sua mãe contou-me que você decidiu
ma forma em que vi no meu sonho. Os missionários co- se filiar à Igreja dos santos dos últimos dias”.
meçaram a ensinar-me. Eu disse que sim.
Mais tarde, quando aprendi sobre o princípio do batis- Ele retrucou: “Estou ligando para impedir que isso
mo pelos mortos, achei surpreendente que alguém pudes- aconteça”.
se ir a um lugar sagrado fazer essas coisas por pessoas já Então eu disse: “Sabe de uma coisa, pai? Eu amo você
A L I A H O N A
36
e você sempre será meu pai. Você fez muito por mim, mas semanas, depois ingressei na Universidade Brigham Young.
eu tenho 22 anos. Eu já sou um homem, e essas decisões Antes de começar o ano letivo, meu pai visitou-me, co-
dizem respeito à minha família e meu futuro. Quero agra- nheceu meus amigos e visitou Salt Lake City. Quando o le-
decer por tudo o que você fez por mim e continuará a fa- vei ao aeroporto, ele me abraçou e disse: “Em 46 anos,
zer, mas esta é minha decisão. Vou batizar-me, e sei que o nunca senti tanto o amor e o Espírito de Deus em casa do
Senhor quer que eu faça isso”. que nessas últimas semanas em que você esteve conosco.
Meu pai não parecia muito feliz quando desligou o te- Sei que devemos isso ao fato de você ter servido na
lefone. Imediatamente depois, ajoelhei-me e pedi ao Espanha por dois anos”. 
Senhor que me ajudasse a sentir que o que eu estava pres-
tes a fazer era certo. Encontrava-me a milhares de quilô- Cameron McCoy é membro da 179ª Ala da BYU, 19ª Estaca da
metros de casa, sozinho, e nada estava dando certo. Eu só Brigham Young University
sentia-me bem quando estava com os missionários.
Naquele momento, o Espírito testificou-me que era a von-
tade do Senhor que eu fosse batizado. Uma voz muito cla-
ra disse-me: “Você deve fazer a vontade do Senhor. Deve
seguir Seu exemplo”. Então eu soube. Nunca mais olhei
para trás. Fui batizado no dia 12 de outubro de 1995.
Um ano depois do meu batismo, no dia 12 de outubro
de 1996, entrei no Templo de Washington D.C. para re-
ceber minha investidura em preparação para servir como
missionário de tempo integral na Missão
Espanha Madri.
Durante o primeiro ano de minha missão,
meus pais não apoiaram meu trabalho missio-
nário. Enquanto estava na missão, o
Senhor revelou-me que minha família
estava bem, que Ele cuidaria de meus
familiares. De repente as coisas muda-
ram. Nos últimos seis a oito meses da
missão, minha família apoiou-me bas-
tante. Disseram que estavam receben-
do bênçãos e sabiam que era porque eu
estava servindo como missionário.
Depois que voltei da missão,
fiquei com minha família durante três

À esquerda: Cameron e outros


Fuzileiros Navais na Embaixada
Americana em Pretória, África do
Sul. Acima, à direita: Cameron e
seu pai no quartel dos Fuzileiros
Navais, na Ilha Parris, Carolina do
Sul. Direita: O élder McCoy no
aqüeduto em Segovia, Espanha.
M A R Ç O D E 2 0 0 1
37
JAPÃO
O D E S P O N TA R D A L U Z N O O R I E N T E
Don L. Searle
FOTOGRAFIA DO AUTOR, EXCETO QUANDO INDICADO
M
ikio Nakamura prepa- companhia têxtil e bispo da Ala
rou-se muito bem para Kichijoji da Estaca Tóquio Japão. O
ensinar o evangelho. Ele bispo Nakamura diz que compartilhar
é um missionário que retornou do o evangelho com vizinhos e colegas de
campo e foi criado em um lar santo trabalho é uma coisa que deve ser fei-
dos últimos dias. Fala fluentemente ta com muito tato, caso contrário não
três línguas: japonês, russo (que haverá uma nova oportunidade de fa-
Acima: Reunião de noite
aprendeu como missionário em zê-lo. A crença religiosa é uma ques-
familiar na casa da família
Vladivostok) e inglês (aperfeiçoado tão muito delicada no Japão, sendo
Takamatsu, de Fukuoka.
com os companheiros de missão considerada muito pessoal, embora
Abaixo: Nobuyuki Nakamura
americanos). Sua inteligência e per- muitas pessoas não estejam profunda-
(no centro) com a esposa,
sonalidade chamam a atenção. mente comprometidas com nenhuma
Mywako, e o filho, Mikio,
Mesmo assim, ele encontra difi- crença religiosa em particular.
membros da Ala Kichijoji,
culdades em compartilhar o evange- Embora seja comum um cidadão
Estaca Tóquio Japão. Fundo:
lho com seus amigos que não são japonês ser casado por um sacerdote
Um templo shintoísta
membros da Igreja. As perguntas que shintoísta, adotar a ética confucio-
flutuante.
fazem sobre suas crenças geralmente nista e enterrar ou cremar os mortos
são motivadas por uma curiosidade de acordo com as práticas budistas,
intelectual. Ouvem com educação grande parte da população não se
ao trocarem idéias sobre a crença de- sente profundamente tocada pelas
le, mas assim que percebem o com- crenças religiosas. A despeito dos
promisso exigido por sua religião, muitos símbolos e marcos religiosos
rapidamente perdem o interesse. espalhados pelo país, o Japão há vá-
O pai de Mikio, rios anos tem sido país basicamente
Nobuyuki, é pro- materialista.
prietário de uma Esse materialismo é uma das maio-
res dificuldades enfrentadas pela
Igreja no Japão. Em um país onde
apenas um por cento da população é
cristã e os santos dos últimos dias
correspondem a dez por cento desse
total, não é uma tarefa fácil fazer com
que a Igreja se torne mais conhecida.
Os problemas encontrados por
Akiko Ohta, diretora de assuntos
públicos da Estaca Fukuoka Japão,
são muito típicos. Foi difícil publicar
artigos na imprensa local a respeito
da construção do Templo de
Fukuoka e dos preparativos para sua
inauguração, porque os jornais e
emissoras geralmente se recusam a
divulgar materiais que possam ser
considerados propaganda de grupos
religiosos. (Em 1997, por exemplo, os
meios de comunicação japoneses fi-
zeram a cobertura da reencenação da
M A R Ç O D E 2 0 0 1
39
Inserção, a partir da esquerda:
Toshiko Yamashita, Fukuoka;
Makoto Fukuda, Tóquio; e
Masako Horii, Osaka. À esquerda:
Toshiro Yoshizawa e a esposa,
Midori, pioneiros da Igreja em
Fukuoka. À direita: O novo
Templo Fukuoka Japão.

trilha pioneira dos santos dos últimos


dias, na região central dos Estados
Unidos, sem sequer mencionar o no-
me da Igreja.) No entanto, o com-
portamento extremista de alguns
grupos religiosos chegam aos noticiá-
rios e, como resultado, os grupos re-
ligiosos de fora do país, inclusive os
cristãos, freqüentemente têm má re-
putação no Japão.
Apesar dessas dificuldades, o fu-
turo da Igreja no Japão parece extre-
mamente promissor. Há sinais de
mudanças na sociedade japonesa que
podem abrir novas portas, e os pró-
prios membros estão irradiando a luz
da fé e tornando-se cada vez mais
conhecidos.

INÍCIO
Os primeiros missionários SUD
no Japão foram enviados pelo
Presidente Lorenzo Snow, em 1901,
com o Élder Heber J. Grant, do
Quórum dos Doze Apóstolos, como
seu líder. Os missionários trabalha-
ram no Japão por mais de 20 anos,
mas havia pouco mais de 200 mem-
bros japoneses quando a missão foi
fechada em 1924. Nas duas décadas
que se seguiram, o trabalho missio-
nário em japonês foi realizado entre
americanos de descendência japone-
sa no Havaí. E quando a Igreja vol-
tou ao Japão, depois da Segunda
Guerra Mundial, os líderes da Igreja rua; eles estavam entre os primeiros Dominical e em vários chamados de
chamaram alguns daqueles que ha- missionários SUD chamados para ensino e liderança na Sociedade de
viam pregado o evangelho no Havaí servir no Japão depois da guerra. Um Socorro, muitas vezes ocupando vá-
para servirem como missionários e deles, o élder Ray Price, falou respei- rios chamados ao mesmo tempo nos
presidentes de missão. tosamente sobre o serviço que os sol- primeiros anos.
Os militares SUD designados a dados japoneses haviam prestado a
servir em bases no Japão, depois da seu país e disse que todos os homens “HÁ RICOS RECURSOS”
guerra, também ajudaram a reintro- e mulheres eram irmãos e irmãs e de- A Igreja que era tão pequena no
duzir o evangelho no país. (Entre es- veriam tratar-se mutuamente com Japão cresceu até chegar atualmente
ses estava um jovem piloto de Utah, amor. Essa mensagem inspirou a ter mais de 114.000 membros.
chamado Boyd K. Packer, que hoje é Toshiro a estudar o evangelho e aca- Quase três quartos dos membros são
o Presidente Interino do Quórum bou por levá-lo à conversão. Ele e a adultos solteiros, mas essa porcenta-
dos Doze Apóstolos.) Esses militares mulher, Midori, batizados em 1953, gem não se reflete na freqüência às
FOTOGRAFIA DO TEMPLO FUKUOKA JAPÃO, TIRADA POR KOZO FUROI

e os primeiros missionários que fo- estão entre os pioneiros japoneses reuniões da Igreja. Aparentemente
ram para o Japão encontraram um cujo trabalho ajudou a manter a cerca de dois terços dos que freqüen-
pequeno grupo de membros que per- Igreja em seu estabelecimento no tam a Igreja são marido, esposa e fi-
severaram fielmente desde a década pós-guerra. O irmão Yoshizawa tor- lhos, ao passo que um terço são
de 1920. Também encontraram uns nou-se presidente de ramo, presiden- adultos solteiros.
poucos que estavam prontos para ou- te de distrito, conselheiro de quatro Apesar das recentes dificuldades
vir o evangelho. presidentes de missão, presidente de financeiras enfrentadas pelo Japão
Certo dia, Toshiro Yoshizawa, que estaca e presidente de missão. Foi nos últimos anos, a maioria das pes-
havia servido no exército durante a chamado como patriarca da Estaca soas desfruta das bênçãos da prospe-
guerra, encontrou dois jovens ameri- Fukuoka em 1986. A irmã Yoshizawa ridade. As ruas das grandes cidades
canos realizando uma reunião de serviu como professora da Escola estão repletas, às vezes literalmente
M A R Ç O D E 2 0 0 1
41
Sapporo

O
Ã
Abaixo, inserções: Classe do se-

P
grande número de mulhe-

A
minário em Osaka. Extrema di-

J
reita: Três gerações na Igreja: A res casadas japonesas, in-
O
família Nishihara de Ushiku. D clusive muitas que são
Kikuno e Yoshio (ao centro), ba- AR membros da Igreja, têm agora
tizados em 1957, foram pionei-
M ao menos um emprego de meio
TÓQUIO
ros na área de Hiroshima. Hiroshima período fora de casa.
A despeito dessas dificuldades, os
Osaka
Fukuoka membros da Presidência de Área
Ásia Norte estão otimistas a respeito
do crescimento e da força da Igreja.
“Se avaliarmos onde estávamos há
congestionadas, de carros último ti- um ou dois anos, as tendências são
po e grandes caminhões. Todos, des- muito encorajadoras”, diz o Élder L.
de os empresários até as crianças em Lionel Kendrick, dos Setentas, ex-
idade escolar parecem ter um peque- Presidente de Área. O empenho de-
no telefone celular, e muitas famílias corrente das instruções dadas ao sa-
possuem sofisticados aparelhos de te- cerdócio elevaram o índice de
levisão, equipamentos de entreteni- retenção para quase 75 por cento. A
mento, telefones e fax em seus liderança é forte a nível de estaca,
apartamentos. Nas cidades mais im- tanto no sacerdócio quanto nas orga-
portantes, a maioria das pessoas vive nizações auxiliares. A tarefa agora é
em prédios de apartamentos. O pre- aperfeiçoar a liderança a nível de ala
ço de uma habitação para uma única e ramo. O trabalho missionário é
família em uma cidade como Tóquio mais eficaz fora das grandes cidades,
está acima do orçamento de todos, “mas estamos também conseguindo
com exceção dos muito ricos. melhores resultados nas cidades”,
Mas essa prosperidade cobra um comenta o Élder Kendrick.
alto preço. As luzes permanecem O Élder L. Edward Brown, atual
acesas nos prédios de escritórios de Presidente de Área, observa que mais
Tóquio até tarde da noite, porque referências missionárias estão vindo
muitas pessoas continuam traba- dos membros, inclusive dos menos
lhando nesse horário. (Como resul- ativos. O Élder E. Ray Bateman,
tado, observa o bispo Nakamura da Primeiro Conselheiro, diz que os
Ala Kichijoji, o único horário em membros são tão diligentes no cum-
que os líderes da ala podem encon- primento das designações que “toda
trar-se durante a semana para uma tarefa a que se dedicam é cumprida
reunião do comitê executivo do sa- quase à perfeição, de acordo com a
cerdócio é às dez horas da noite, de- capacidade que possuem”.
pois que todos voltam para casa do “Embora tenhamos problemas, há
trabalho. O alto custo da moradia é ricos recursos”, comenta o Élder
MAPA DE SHARRI COOK

sem dúvida um dos fatores que moti- Kendrick. “É maravilhoso se traba-


va essa devoção nacional ao traba- lhar com os membros no Japão.”
lho. Para custear as despesas de Os membros da Presidência de
moradia e de escola para os filhos, Área consideram o empenho contínuo
A L I A H O N A
42
em apoiar e ensinar os princípios para o evangelho no Japão, a res- freqüentemente realizadas aos domin-
estabelecidos em “A Família: Pro- posta é invariavelmente a mesma: gos, e muitas vezes são também reali-
clamação ao Mundo” como a única pelo exemplo dos membros. zados períodos de estudo no domingo
maneira de ajudar a Igreja a sair da devido à pressão exercida sobre os
obscuridade no Japão. Os líderes e os “O PREGO QUE SOBRESSAI” adolescentes para que tirem boas no-
membros da Igreja concordam que É particularmente importante, di- tas na escola e nos exames vestibula-
tanto as pessoas quanto as famílias no zem os líderes do sacerdócio e auxi- res. Os jovens que deixam de
Japão necessitam algo para fortalecê- liares, ensinar os jovens a respeito da participar dessas atividades escolares
las e incentivá-las contra as debili- força encontrada na aplicação práti- ou períodos de estudo para irem à
tantes influências de sua sociedade ca do evangelho de Jesus Cristo. Igreja podem ficar prejudicados nos
moderna. O país inteiro precisa da Embora as drogas, o alcoolismo e a estudos e em sua vida social. É dolo-
solução do Senhor: o evangelho. imoralidade não pareçam ser proble- roso para eles serem diferentes dos
Esses mesmos líderes e membros mas importantes para os jovens SUD outros por deixarem de participar des-
da Igreja também concordam que do Japão, a juventude encontra sas atividades. Um antigo provérbio é
talvez a melhor maneira de se divul- enormes pressões nos estudos que di- freqüentemente citado: “O prego que
gar o evangelho e superar os estereó- ficultam sua atividade na Igreja. sobressai acaba sendo martelado”.
tipos negativos seja simplesmente Existem atividades e períodos de O seminário matutino às vezes é o
cumprir os mandamentos e deixar estudo obrigatórios fora do horário de único contato que os jovens têm
que as outras pessoas vejam o efeito aula que aumentam muito o tempo com a Igreja, quando ocorrem mui-
que isso tem em sua vida e família. A que os jovens precisam permanecer tas atividades escolares aos domin-
maioria dos membros diz que o na escola a cada dia. (Recentemente gos. Mas muitos estudantes SUD
exemplo de outros santos dos últi- o governo adotou medidas no sentido adotam uma programação semanal
mos dias fez com que aceitasse o de interromper as atividades escolares semelhante à de Yuka Kouchi, da ala
evangelho. Se perguntarmos como as de meio período no sábado.) Há ativi- Osaka, da estaca Osaka Japão:
portas podem abrir-se mais facilmente dades esportivas e sociais obrigatórias Seminário às 6h15 da manhã, escola
M A R Ç O D E 2 0 0 1
43
Extrema esquerda: Ayako e
Masanao Morimoto de
Fukuoka com o mais novo de
seus quatro filhos. À esquer-
da: Yoshie Sumiya de
Kitakyushu. Abaixo: A família
Taira de Fukuoka: a mãe,
Shinko (na frente à esquerda)
com as gêmeas, Mami e Mino,
o filho Makoto, e o pai,
Hisashi (não aparecem a filha
Sayaka, que estava na escola,
e o filho Kaname, que está
servindo numa missão).
Fundo: Lago de peixes em lo-
cal histórico em Dazaifu.
às 8h, atividades no clube às 15h30 SOZINHA NO EVANGELHO resistência há quatro ou cinco anos,
e, em alguns dias, um emprego de Nem todos os que se casam fora comenta Kouichi Hayase, bispo da
meio período preparando lanches e da Igreja são tão afortunados. Uma Ala Hachioji I, Estaca Tóquio Japão
trabalhando como balconista em irmã relembra os graves problemas Oeste. Estabelecer as prioridades
uma loja das 18h às 22h. Yuka é uma que teve com os sogros, que eram pessoais é um dos enfoques dos semi-
das poucas estudantes que têm um muito ativos em outra religião, ao nários de administração ministrados
emprego. Os outros estudantes pas- descobrirem que ela era membro ati- pelo bispo Hayase em sua profissão.
sam a noite estudando ou participan- vo da Igreja. Ameaçaram cortar rela- “Eu os ensino a pensar, do fundo de
do de outras atividades escolares. A ções com ela. O marido ficou do lado seu ser, qual é a coisa mais importan-
maioria não volta para casa antes das dos pais, e ela não pôde assistir às te para eles”, explica o bispo Hayase.
21h. reuniões da Igreja por muitos anos. Ele não diz aos participantes que a
Se ela pudesse mudar alguma coi- Mas quando aquela irmã e o marido resposta vem por meio da luz de
sa, Yuka gostaria de ter um pouco deixaram de morar com a família de- Cristo, mas é isso que acontece. “No
mais de tempo para ajudar sua mãe le, uma atenciosa presidente da final de dois dias, eles sabem do que
em casa e talvez para ouvir suas mú- Sociedade de Socorro e irmãs amo- eu estou falando, mesmo que não
sicas favoritas, ou dormir. rosas da ala ajudaram-na a voltar pa- saibam como expressá-lo.” Muitos
Atsuko Yamashita, a presidente ra a Igreja. Ela serve hoje em um dos participantes conversam com ele
das Moças da Ala Maebaru, Estaca cargo de liderança, tentando esten- em particular depois do seminário
Fukuoka, diz estar impressionada der sua mão em auxílio de outras para dizer que decidiram adotar um
com a força dos jovens. Em 1999, os irmãs. novo enfoque na vida, dando mais
jovens de seu ramo pediram-lhe a Mas ainda enfrenta dificuldades ênfase ao relacionamento familiar. O
oportunidade de visitar o Templo no lar. Por trabalhar arduamente pa- número de mulheres em cargos exe-
de Tóquio para realizar batismos ra sustentar a família, o marido sente cutivos está crescendo no Japão, diz
pelos mortos. Sua visita de três que está cumprindo todas as suas o bispo Hayase, e essa tendência for-
dias a Tóquio incluía oportunidades obrigações como marido e pai. Mas taleceu a motivação para se buscar
de fazerem passeios turísticos e sua influência tem sido omissa em al- um equilíbrio entre o papel da famí-
de se divertirem, mas os jovens gumas áreas em que seria extrema- lia e o da carreira profissional.
estabeleceram como sua maior prio- mente necessária, diz a esposa. O Os santos dos últimos dias fiéis es-
ridade a realização das ordenanças filho está tornando-se rebelde, e o tão preparados para defender os va-
do templo todas as noites e sua parti- pai começou a perceber que precisa- lores da família na sociedade
cipação em um treinamento no ria mudar para ajudar o filho. Um japonesa, declara o bispo Hayase.
Centro de Treinamento Missionário. missionário tocou a vida daquele ho- Mas “creio que temos de ser mais
A irmã Yamashita conheceu o mem, ajudando-o a progredir, de destemidos. Não estamos sendo sufi-
evangelho quando estava na escola modo que ele e a esposa passaram a cientemente destemidos na pregação
secundária e passou a amar o Livro trocar idéias a respeito da questão da do evangelho”.
de Mórmon. “Não importa onde vi- religião na família. A irmã expressa
vamos, recebemos o evangelho res- sua gratidão pelos ensinamentos do LIDERAR A FAMÍLIA
taurado por intermédio de Joseph evangelho, que a ajudaram a com- Sob essa perspectiva, muitos por-
Smith e do Livro de Mórmon. As preender que “podemos encontrar tadores do sacerdócio falam da ale-
bênçãos do evangelho são as mes- uma solução para nossos problemas”. gria que descobriram na paternidade
mas, onde quer que estejamos.” Ela Está crescendo no Japão a noção ao colocarem a família acima das
sente-se grata por seu marido apoiá- de que o pai precisa assumir um pa- posses materiais e progressos do
la em seu trabalho na Igreja, embora pel mais ativo dentro da família, um mundo. Masahido Sumiyoshi é um
ele não seja membro. conceito que teria encontrado forte exemplo disso. Enquanto estava no
M A R Ç O D E 2 0 0 1
45
Acima: Daisuke Hirota
de Quioto. Frente:
Mieko e Hiroshi Aki
de Osaka. Fundo:
Arranha-céus do
centro de Osaka.
processo de ajudar a criar seus três fi- filhos quando estes estavam cres- sua vida. “Quando estamos ajudan-
lhos, chegou a duas conclusões: Era cendo. Satoshi lembra-se muito do outras pessoas, freqüentemente
sua responsabilidade ajudar os filhos bem de uma discussão que teve nos esquecemos dos problemas de
a voltarem à presença do Pai com a mãe quando era jovem. A nossa própria vida”, diz ele. Com
Celestial, e também tinha a oportu- discussão foi resolvida quando ela essa perspectiva, ele e a mulher têm
nidade de ir junto com eles. Como lí- pediu que ele ajoelhasse e orasse procurado conscientemente envol-
der da missão da Ala Kita Kyushu, da com ela. Foi uma memorável expe- ver os filhos no serviço, ensinando-
Estaca Fukuoka, ele percebeu o valor riência de aprendizado. Hoje é lhes que quando colocam o
desse conhecimento ao observar que natural para Satoshi aconselhar-se evangelho em prática e o comparti-
seus colegas de trabalho freqüente- com a esposa, Noriko, e orar lham, as bênçãos do Senhor cuida-
mente estão tão envolvidos com o com ela e com os filhos ao rão de todas as outras necessidades.
emprego que não têm tempo sufi- resolver assuntos da família. Re- “Quando estendemos a mão para
ciente para estarem com a família. centemente tomaram juntos uma ajudar outras pessoas, sempre senti-
Sua esposa, Katsuko, está feliz decisão com respeito a um proble- mos alegria.”
porque seus filhos foram criados em ma depois de um jejum em família. Os membros japoneses dizem que
um lar no qual o pai compreendia o Depois de orarem juntos, ele ouviu muitos de seus vizinhos parecem estar
valor do evangelho. Ela conhece a esposa e os filhos expressarem procurando algum tipo de âncora na
muito bem o poder do exemplo pa- seus sentimentos, então ficou claro vida, sem serem capazes de dar nome
terno. Seus pais foram uns dos pri- a ele o que a família deveria fazer. à essa necessidade. Os santos dos últi-
meiros pioneiros da Igreja em Satoshi e Noriko têm cinco filhos, mos dias sentem que encontraram o
Hiroshima, tendo-se filiado em uma família extraordinariamente que muitos outros estão procurando:
1957. Hoje os pais moram com o ir- grande em um país no qual a média é a alegria do evangelho mencionada
mão mais novo dela, Satoshi aproximadamente um filho por casal. por Satoshi Nishihara. A vida e o
Nishihara, e a família dele. A irmã Nishihara diz que encontra exemplo dos santos japoneses podem
Satoshi também seguiu o exem- dificuldade em imaginar como seria ser a chave para que compartilhem
plo de serviço deixado pelos pais. criar uma família de qualquer tama- essa alegria com outras pessoas. 
Ele serve atualmente como líder do nho sem o benefício dos ensinamen-
grupo de sumos sacerdotes da Ala tos do evangelho, mas sente-se
Ushiku, Estaca Abiko Japão, e tra- especialmente grata pela luz do
balha como coordenador do semi- evangelho tendo cinco filhos cujas O JAPÃO HOJE
nário para o Sistema Educacional necessidades e problemas tornam-se Membros: Mais de 114.000
da Igreja. Foi chamado como presi- cada vez mais complexos à medida Estacas: 31
dente da estaca em Hiroshima aos que crescem. Alas: 175
29 anos de idade, e posteriormente O irmão Nishihara diz que a vida Missões: 8
serviu como presidente da missão tende a ser mais simples quando a
Distritos de missão: 19
Osaka. O casal Nishihara, Yoshio e encaramos sob o prisma do evange-
Ramos: 142
Kikuno, serviram em duas missões lho. Muitas pessoas deixam que as
Missionários: Aproximadamente 1.000;
de proselitismo juntos — a primeira pressões do mundo as perturbem,
cerca de 18 por cento são japoneses
pouco depois de Satoshi ter voltado quando isso não seria necessário,
de sua missão de tempo integral aos acredita ele. Se elas se esquecerem Templos: Tóquio e Fukuoka
22 anos de idade — e quatro mis- de si mesmas e olharem para fora,
sões no templo. descobrirão muitas coisas úteis e re-
Yoshio e Kikuno Nishihara são compensadoras que não tinham
um exemplo do que pregaram aos imaginado que poderiam fazer com
M A R Ç O D E 2 0 0 1
47
Como Utilizar A Liahona de
Março de 2001
TÓPICOS DESTA EDIÇÃO
Você está procurando alguma história ou citação para um Adversidade.....................................18
discurso, aula, lição da noite familiar ou devocional do seminá- Amor .................................................2
Arrependimento ........................18, 25
rio? Você irá encontrar muitas idéias úteis nesta edição de
Castidade.........................................10
A Liahona. (Os números à direita correspondem às páginas
Conversão .................................18, 34
desta edição. A = O Amigo.) Ensino familiar ..................................7
Escola Dominical ....................Notícias
Estudo das escrituras .......................26
IDÉIAS PARA A NOITE FAMILIAR
Expiação ..........................................25
■ “‘Olhai para Vossas Criancinhas’”, página 2: Discutam um modo es-
Fé .............................................18, A4
pecífico de vocês, como pais, seguirem o conselho do Presidente
Filhos.................................................2
Hinckley e tratarem os seus filhos com mais paciência, compreensão e Histórias do Novo
amor. Como família, estabeleçam metas específicas para melhorar o rela- Testamento ............A10, A12, A14
cionamento no lar. Integração .......................................A9
■ “Faze o Bem”, página 10: Leia ou conte a história sobre o episódio Integridade ........................................8
envolvendo o Élder Scott e o Almirante Rickover. Peça aos membros da Jesus Cristo.........................................26
família que dêem exemplos pessoais de situa- Livre-Arbítrio ..................................10
ções nas quais pode ser difícil fazer o que é Moças .....................................Notícias
certo. Discuta o que significa “Faze o bem; Obediência ................................10, 18
os efeitos espera”. Obra missionária ................34, 38, A9
■ “As Novas Palavras de Beto”, página A6: Oração......................................18, A4
Paternidade........................................2
Conversem sobre o sentimento de raiva
Primária...........................A2, Notícias
e suas conseqüências. Como família,
Profanação......................................A6
pensem em frases alternativas, co-
Professoras visitantes.......................25
mo “Isso é exasperante!” que po- Profetas ...............................................
dem ser utilizadas em vez de Reativação ......................................A6
palavras ofensivas. Proponha à fa- Relações familiares ....................34, 38
mília que todos passem a usar essas Serviço.............................................24
novas palavras em vez de palavras Sociedade de Socorro..............Notícias
que provoquem a dor e a raiva. Talentos ...........................................24
ILUSTRAÇÃO FOTOGRÁFICA DE STEVE BUNDERSON

SOLICITAÇÃO DE ARTIGOS SOBRE A REALIZAÇÃO DA NOITE FAMILIAR


Relatem-nos algumas de suas noites familiares mais bem-sucedidas. Contem-nos o que fizeram
e o que efetivamente deu certo. Enviem tembém sugestões, comentários e outros artigos para Liahona,
Floor 24, 50 East North Temple Street, Salt Lake City, UT 84150-3223, USA; ou utilizem o e-mail
CUR-Liahona-IMag@ldschurch.org. Não deixem de informar o nome completo, endereço,
número de telefone, ala e estaca (ou ramo e distrito).

A L I A H O N A
48
O Amigo
PARA AS CRIANÇAS DA IGREJA DE JESUS CRISTO DOS SANTOS DOS ÚLTIMOS DIAS ■
MARÇO DE 2001
TEMPO DE COMPARTILHAR

O Pai Celestial Prepara


o Profeta
Diane S. Nichols

“E Deus viu que essas almas eram boas; (. . .) e disse:


A estes farei meus governantes (. . .).” (Abraão 3:23)

§
hoje.
O Pai Celestial deu a você dons e talentos
para ajudá-lo a abençoar outras pessoas. Ele
também deu ao nosso profeta certos dons e
talentos e preparou-o para que se tornasse o profeta de
na verdade, um profeta do Todo-Poderoso”. (Joseph, o
Vidente, A Liahona, outubro de 1977, p. 64) Durante to-
da a vida, Gordon B. Hinckley tem prestado um vigoroso
testemunho a respeito de Joseph Smith.
Em sua bênção patriarcal, foi dito ao Presidente
Quando o Presidente Gordon B. Hinckley era peque- Hinckley: “Tu sempre serás um mensageiro da paz; as
no, ficou gravemente doente com coqueluche. O médico nações da Terra ouvirão tua voz e serão levadas a conhe-
disse à sua mãe que ele precisava de ar puro para respi- cer a verdade por meio do maravilhoso testemunho que
rar. A família mudou-se para uma fazenda nos meses de hás de prestar”. (Citado em “O Presidente Gordon B.
verão. O jovem Gordon trabalhava muito. Ele aprendeu Hinckley”, A Liahona, maio de 1996, Seção Infantil,
que só podemos colher alimentos depois de plantá-los e p. 2.) O Presidente Hinckley já visitou muitos países e
cuidar deles. Aprendeu também que o Pai Celestial nos falou a milhões de pessoas. Onde quer que vá, ele de-
abençoa, mas espera que primeiro trabalhemos. monstra seu amor. Por meio de seu exemplo, o
Um dia, quando o Presidente Hinckley tinha cerca Presidente Hinckley convida-nos a seguir o exemplo
de 5 anos, estava sentado na varanda na frente da casa do Salvador.
com alguns amigos. Uma família de outra raça passou
na rua e o jovem Gordon e seus amigos fizeram alguns Idéias para o Tempo de Compartilhar
comentários maldosos. Sua mãe disse a ele e aos seus 1. Convide um membro do bispado ou da presidência do ramo
amigos que todos são filhos e filhas de Deus. Naquele para falar a respeito do que significa o ato de levantarmos a mão
dia, ele aprendeu que devemos respeitar e ajudar uns para apoiar alguém em seu chamado. Peça que explique como as
aos outros, sem levar em conta raça, religião, posição fi- pessoas o têm apoiado. Dentro de uma sacola, coloque os títulos de
nanceira, ou qualquer outra coisa. vários chamados na Igreja em pedaços de papel. Peça a uma crian-
O Presidente Hinckley foi criado num lar onde o ça que retire um título da sacola; depois pergunte às crianças como
aprendizado era muito importante. Seus pais tinham um elas podem apoiar aquela pessoa em seu chamado. Diga às crian-
cômodo cheio de livros, e ele e seus irmãos iam lá fre- ças que também podemos apoiar o profeta por meio de nossas
qüentemente. Hoje ele está com mais de 90 anos e ain- ações. Peça-lhes que mencionem as diversas maneiras pelas quais
da gosta de aprender. podemos apoiá-lo.
Pouco depois que o jovem Gordon foi ordenado diáco- 2. Escolha gravuras do Pacote de Gravuras do Evangelho ou
no, seu pai levou-o a uma reunião do sacerdócio da esta- dos manuais da Primária que ilustrem alguns dos conselhos do
ca. Na abertura da reunião, os homens cantaram “Hoje, Presidente Hinckley (obedecer aos pais, servir como missionário,
ao Profeta Louvemos” (Hinos, nº 14), um hino maravilho- apreciar a natureza, ir ao templo, estudar as escrituras, orar, etc).
ILUSTRADO POR JERRY HARSTON

so sobre o Profeta Joseph Smith. A respeito dessa expe- Exponha as gravuras na classe. Coloque pelo chão pedaços de pa-
riência, o Presidente Hinckley disse: “Algo aconteceu pel com esses princípios voltados para baixo. Peça a uma criança
dentro de mim ao ouvir cantarem aqueles homens de fé. que pegue um desses papéis e o leia em voz alta. Em seguida, as
Em meu coração jovem, surgiu um conhecimento, ali crianças deverão combinar o ensinamento ou qualidade com
colocado pelo Espírito Santo, de que Joseph Smith foi, uma gravura. 
O A M I G O
2
 
O EXEMPLO DO
PRESIDENTE
1

O Presidente Hinckley
trabalhava muito — e ain-
2
O Presidente Hinckley
estudou e aprendeu —
da trabalha muito. ele continua aprendendo
até hoje.
HINCKLEY

Instruções
Faça um livro a respeito do
exemplo do Presidente Hinckley,
colando esta página numa carto-
lina e recortando as cinco caixas
numeradas. Pinte as figuras e
preencha os espaços em branco.
Faça os furos nos locais indica-
dos e coloque as páginas em or-
dem. Enfie um barbante nos Seguirei seu exemplo Seguirei seu exemplo da
da seguinte forma: seguinte forma:

 
furos e amarre as pontas.
______________________________________________ . ______________________________________________ .

3 4 5
O Presidente Hinckley
desenvolveu um O Presidente Hinckley O Presidente Hinckley serve
testemunho de respeita todas as pessoas. ao Pai Celestial.
Joseph Smith.

Seguirei seu exemplo Seguirei seu exemplo Seguirei seu exemplo


da seguinte forma: da seguinte forma: da seguinte forma:
______________________________________________ . ______________________________________________ . ______________________________________________ .
DE UM AMIGO PARA OUTRO

Élder Duane B. Gerrard dos Setenta

De uma entrevista com Kellene Ricks Adams


ILUSTRADO POR DILLEEN MARSH

Q uando eu tinha cinco anos de idade,


estava brincando com o gato
de um vizinho numa manhã de do-
semanas. “Se em alguma ocasião você ficar com me-
do”, ela dissera, “ou se algum dia você se perder,
ajoelhe-se e ore.”
mingo. A certa altura, o gato se Então me lembrei que meus pais diziam a
cansou de brincar comigo e correu mesma coisa quando ajoelhávamos em ora-
para uma plantação de milho pró- ção familiar diária. “O Pai Celestial Se im-
xima. Eu, porém, não estava can- porta com você”, minha mãe e meu pai
sado de brincar com o gato e o haviam-me ensinado. “Ele sempre irá ou-
segui até a plantação. vir suas orações. Ele irá cuidar de você.”
O milho estava muito alto, e co- Assim que me lembrei das palavras que
mo não conseguisse achar o animal, meus pais e minha professora da Primária
decidi voltar para casa. Não demorou disseram, ajoelhei-me. Não lembro exatamente
muito para descobrir que eu não sabia on- o que disse, mas sei que falei de meus pensamen-
de estava e que não fazia idéia de onde ficava a tos e temores com o Senhor.
casa. Eu estava perdido no imenso milharal. Depois da oração senti-me bastante cheio de paz.
Enquanto vagueava, o milho parecia ficar cada Meus pais e minha professora da Primária tinham dito a
vez mais alto, até chegar ao céu. Eu estava deso- mim que o Pai Celestial ouviria minhas orações; eu sa-
rientado e sentia-me cada vez mais amedrontado. bia portanto que alguém viria ajudar. Estava cansado de
Comecei a correr, gritando por ajuda, mas o correr tanto de um lado para outro, e resolvi descansar
vento abafou meus gritos. Fiquei com muito até que chegasse alguém. Imediatamente deitei-me e
calor e suado, e os pés de milho me arra- adormeci.
nharam a pele. Não sabia o que fazer. Não demorou muito para que minha mãe percebesse
Enquanto corria pelo milharal, que eu não estava mais no quintal da casa. Ela havia-
lembrei-me de uma lição que mi- me visto brincando com o gato, e então imaginou que
nha professora da Primária eu o tivesse seguido a alguma parte. Começou a pro-
tinha dado havia ape- curar-me. A uma quadra de casa, avistou o gato perto
nas algumas de um grande canal de irrigação e temeu o pior. Pensou
que eu tivesse caído ali dentro e me afogado.
Ela correu para casa e mandou minha irmã mais ve- a meu irmão. Orei por auxílio e con-
lha à capela, que ficava ali perto, onde meu pai e outros segui encontrar o querido animal. Em
portadores do sacerdócio participavam de uma reunião. outra ocasião, minha mãe estava doente.
Minha mãe então ajoelhou- se e imediatamente come- Eu era muito apegado a ela e fiquei bastan-
çou a orar ao Pai Celestial, pedindo-Lhe que me prote- te assustado com o fato de que ela não estava
gesse. Ela prometeu que se eu fosse encontrado em sentindo-se bem. Entreguei-me tenazmente à
segurança, faria tudo o que pudesse para garantir que eu oração e minha mãe logo ficou melhor.
seria criado em retidão. Saiba que sempre que você estiver perdido,
Depois de ter suplicado ao Senhor, minha mãe levan- solitário ou com medo, pode ajoelhar-se e o
tou-se. Ao fazê-lo, pensou no milharal das vizinhanças. Pai Celestial irá ouvi-lo. Ele mandará ajuda.
Correu para fora para começar a procurar ali. Alguns Ele ama muito você. Volte-se para Ele.
dos homens da capela encontraram-na, e ela lhes disse Testifico que a oração verdadeiramente re-
que achava que eu poderia estar perdido em algum lu- presenta comunicação com nosso Pai Celestial.
gar dentro do milharal. Ele conhece nossos temores e expectativas. Ele
Alguns homens procuraram junto ao canal de irriga- sabe o que desejamos e necessitamos. Prometo
ção enquanto outros começaram a procurar dentre os a você que Ele ouvirá suas orações. Às vezes,
longos pés de milho. Um deles, Bud Phillips, encontrou- Suas respostas chegam imediatamente; em ou-
me dormindo tranqüilamente. Apanhou-me e levou-me tras ocasiões, demoram um pouco mais.
à minha mãe, que estava chorando. Lembro-me de ter Algumas vezes poderemos até sentir que Ele
pensado por que estavam fazendo uma tempestade em absolutamente não atendeu nossas ora-
um copo d’água. Afinal, eu havia orado e sabia que tu- ções. Prometo, entretanto, que Ele
do iria ficar bem. responde de fato todas as orações.
Minhas orações e as de minha mãe foram respondi- Tenha fé Nele. Confie Nele.
das, e ela sempre fez tudo o que podia para assegurar Um dia você acabará ven-
que eu seria criado em retidão. do e compreendendo as
A oração sempre tem sido uma grande fonte de con- respostas às suas
solo para mim. Certa vez, eu havia perdido o cachorro orações. 
da família, um lindo perdigueiro irlandês que pertencia
FICÇÃO

As Novas Palavras
de Beto
Patricia R. Roper
ILUSTRADO POR STEVE KROPP

R oberto Siqueira. Beto franziu a testa ao ler o pró-


prio nome. Todos os seus amigos chamavam- no de
Beto. Era-lhe estranho e incômodo
E nem teria vindo hoje se sua nova professora, a irmã
Marta, não lhe tivesse mandado um convite especial e
passado para buscá-lo em casa.
ver seu nome completo na lista Beto gostou de cantar os hinos da Primária e também
amarela de aniversariantes achou o tempo de compartilhar interessante. Na hora
da Primária. Ele sentia que da aula, seguiu as outras crianças até a sala designada.
ali, ao lado do nome das Eles iam na frente, acompanhados pela irmã Marta. Ela
outras crianças, não era o já parece ter bastante idade para ser professora da Primária,
seu lugar. Ele não era co- Beto pensou ao vê-la parar para conversar por alguns
mo elas; só estivera na Igreja instantes com alguém no corredor.
umas três vezes na vida inteira.
Beto escolheu uma alguém chutasse a mi-
cadeira bem no fundo nha cadeira e me fizesse
da sala, mas quando cair, eu também ficaria
estava prestes a sentar- muito aborrecida”.
se, um menino chutou- “Eles não fariam is-
a para longe. Beto so com a senhora”, dis-
deixou escapulir um se Beto. “Só fazem isso
palavrão. Desculpou-se comigo porque quase
imediatamente e ficou nunca apareço na
vermelho como pimen- Igreja.”
tão quando viu a irmã Pensativa, a irmã
Marta de pé no corre- Marta inclinou-se para
dor. Ela devia ter visto apanhar alguns de seus
tudo. pertences. Quando se
As meninas levan- recompôs, já exibia no-
taram as mãos e apon- vamente seu largo sor-
taram para o Beto. Os meninos riram baixinho. Ele teve riso. “Sente-se um pouquinho, Roberto”, disse ela
vontade de sair correndo para casa. Todavia, a irmã apontando para uma cadeira.
Marta fechou a porta e sorriu para ele. Depois, voltan- Beto sentou-se em silêncio depois que a irmã Marta
do-se para as meninas, disse: “Como gosto de ver tantas colocou uma cadeira ao lado dela.
voluntárias para fazer a oração”. As meninas abaixaram “Você gosta do nosso bispo?” perguntou ela.
as mãos rapidamente, mas ainda assim a irmã Marta de- Beto pensou por alguns instantes. Lembrou-se de
signou duas delas para orar. uma ocasião em que o bispo fora à sua casa quando sua
No decorrer da aula, Beto ficou observando a irmã mãe estava doente e não conseguia cuidar da família.
Marta. Ela estava sempre sorrindo e fazia com que ele Depois disso, algumas senhoras passaram a ir ajudar a
se sentisse tão importante quanto as outras crianças. mãe e os filhos. O bispo parecia ser uma pessoa muito
Depois da aula, a irmã Marta abraçou todas as crian- boa. “Gosto. Ele é muito bom”, respondeu Beto.
ças à medida que saíam. Quando chegou a vez do Beto, “Bem, parece incrível, mas eu fui professora dele na
ela fechou a porta sem fazer barulho. Beto estava a sós Primária”, explicou a irmã Marta.
com a irmã Marta e sabia o motivo. Ela iria repreendê- “Ah”, disse Beto balançando a cabeça. “Dá para ver,
lo por causa daquele palavrão. Que bom que ela espera- a senhora já é bem idosa”. Beto ruborizou- se quando se
ra até o fim da aula, em vez de constrangê-lo na frente deu conta do que acabara de dizer.
de todos. A irmã Marta riu com gosto. “É verdade! Ele era um
“Fiquei muito feliz com sua presença hoje, Roberto”, menininho dócil como você. Você e ele têm muito em
disse a irmã Marta com um sorriso. comum. Os pais dele também nunca o traziam para a
Beto olhou para o chão e ficou balançando os pés. Igreja. Eu sempre passava na casa dele para apanhá-lo.
Como ele não disse nada, a irmã Marta continuou: Ele até se sentava ao meu lado na reunião sacramental.
“Sei que você está envergonhado pelo que disse. Se “Quando ele tinha mais ou menos a sua idade”,
M A R Ç O D E 2 0 0 1
7
prosseguiu a irmã No domingo seguin-
Marta, “tomou deci- te, a irmã Marta foi
sões que o ajudaram buscar o Beto ainda a
pelo restante da vida. tempo de assistir à reu-
Ele tinha certa difi- nião sacramental. O
culdade para conter bispo estava dirigindo a
as palavras quando fi- reunião e parecia estar
cava zangado, mas tendo dificuldade para
decidiu que quando fazer alguns dos anún-
se aborrecesse, diria: cios. Por fim, deixou de
‘Isso é exasperante!’ lado o papel que estava
Eu disse a ele que já lendo, sorriu para os
era um bom começo, mas que ele também precisaria membros da ala e exclamou: “Isto é exasperante!”
preencher a mente com coisas boas. Assim, só coisas Beto riu baixinho quando a irmã Marta cutucou seu
boas sairiam de sua boca.” braço. Ele inclinou-se e sussurrou: “É isso o que tam-
Beto começou a balançar o outro pé. “Bem, talvez bém vou dizer quando ficar com raiva”.
quando eu for adulto também consiga fazer isso”, disse. “Ótimo, Beto!” disse a irmã Marta com uma
“Mas agora é o momento de fazer escolhas importan- piscadinha.
tes que o abençoarão ao longo da vida. E isso inclui es- Depois, na sala da Primária, Beto viu mais uma vez
colher as palavras que usará.” seu nome no cartaz amarelo dos aniversariantes. “É en-
“Como as palavras podem abençoar-me?” graçado”, disse ele.
“Quando temos cuidado com as palavras que esco- “O quê?” perguntou a irmã Marta.
lhemos, mostramos às pessoas que nos importamos tanto “Semana passada, achei estranho ver meu nome lá.”
com elas que não desejamos ofendê-las. Ao escolhermos A irmã Marta fez uma cara de espanto e perguntou:
palavras boas, será mais fácil fazer amizades e também “Como assim?”
não ofenderemos a nosso Pai Celestial. Além disso, “Bem, semana passada tive a impressão que meu no-
quando temos palavras boas dentro de nós, em geral isso me não tinha nada a ver com aquele quadro, ao lado do
se reflete em boas ações.” nome das crianças da Igreja. Mas hoje parece que está
Beto fez sinal de que estava entendendo e ajudou no lugar certo.”
a irmã Marta a recolher o restante dos materiais A irmã Marta abraçou Beto e ele viu lágrimas nos
didáticos. olhos dela. “É porque este é o seu lugar”, disse ela. 
O A M I G O
8
TENTAR SER COMO JESUS

MEMBRO MISSIONÁRIO
Monahra L. de Q. Freitas
ILUSTRADO POR ROGER MOTZKUS

Q uando uma irmã de nossa ala começou a fre-


qüentar a igreja novamente após seis anos, mi-
nha mãe disse a meus irmãos, irmãs e a mim
que deveríamos fazer amizade com os dois filhos daque-
la irmã. O pai deles tinha falecido havia apenas um ano
Respondi à minha mãe afirmativa-
mente, e desde aquele dia tenho ten-
tado ser um membro missionário com
a Evelyn. Estou fazendo o melhor que
posso para ser missionária agora, pois
e eles ainda estavam muito tristes. Uma das crianças, quero servir como missionária quando
uma garota chamada Evelyn, era um pouco mais nova crescer.
do que eu. A Evelyn é uma ótima amiga e ago-
Quando chegamos à igreja no domingo, minha mãe ra sorri bastante. Nós brincamos, va-
chamou-me a um canto isolado e sussurrou- me ao ou- mos à Primária e cantamos hinos
vido: “Monahra, você vai fazer amizade com a juntas. Às vezes fa-
Evelyn? O Pai Celestial quer que você seja um zemos a noite fa-
membro missionário. Seja amável e amistosa, e miliar juntas na casa dela.
não deixe que ela fique sozinha”. Sei que o Pai Celestial está feliz
porque tenho-me esforçado para ser
amiga e ser um membro missioná-
rio. Sou grata por ter a Evelyn co-
mo amiga. 

Monahra L. de Q. Freitas, de 6 anos, é


membro da Ala Pajuçara, Estaca Natal
Potengi Brasil.
HISTÓRIAS DO NOVO TESTAMENTO

A MULHER AO
POÇO

ILUSTRADO POR ROBERT T. BARRETT


Quando saiu da Judéia para ir à Galiléia, Jesus passou
pela Samaria e foi ao poço de Jacó.
João 4:3–6

Ele estava cansado e sentou-Se ao lado do poço. Quando uma mulher samaritana foi lá buscar água, Jesus pediu a
ela que lhe desse um pouco para beber.
João 4:6–7

O A M I G O
10
O povo de Judá geralmente não conversava com os sa- Jesus disse que poderia dar a ela um tipo de água que
maritanos; por isso, a mulher ficou surpresa. faria com que nunca tivesse sede novamente. Explicou
João 4:9 que Ele era o Messias e que a água que lhe estava ofe-
recendo era a “água viva” da vida eterna.
João 4:10, 13–15, 25–26

A mulher foi à cidade e contou a muitas pessoas o que tinha ouvido. Essas pessoas foram ao poço para falar pessoal-
mente com Jesus, e muitas delas acreditaram em Suas palavras.
João 4:28–30, 39–42

M A R Ç O D E 2 0 0 1
11
HISTÓRIAS DO NOVO TESTAMENTO

O FILHO DO
LÍDER

Um dos líderes do povo tinha um filho que estava mui-


to doente. Todos pensavam que seu filho fosse morrer.
João 4:46–47

O líder deixou o filho em casa e viajou muitos quilô- O líder pediu ao Salvador que curasse seu filho, que
metros até a cidade de Caná, onde encontrou Jesus. estava para morrer. Jesus disse ao líder que fosse para
João 4:46–47 casa, pois seu filho já estaria curado. O líder tinha fé
em Jesus Cristo, por isso voltou para casa.
João 4:47–50

O A M I G O
12
Os servos do líder foram ao seu encontro para dizer que seu filho estava melhorando e iria sobreviver. Ele perguntou
a que horas seu filho havia começado a melhorar. Eles disseram-lhe. Foi na mesma hora em que Jesus disse que seu
filho ficaria bem.
João 4:51–53

O líder sabia que Jesus Cristo havia curado seu filho. Ele e toda a sua família passaram a ter ainda mais fé no
Salvador.
João 4:53

M A R Ç O D E 2 0 0 1
13
HISTÓRIAS DO NOVO TESTAMENTO

O POVO DE
NAZARÉ FICA
ZANGADO

Jesus foi a Nazaré, cidade em que foi criado.


Lucas 4:16

Ele foi à sinagoga, um lugar onde os judeus costuma- Quando Jesus Se sentou depois de ter lido as palavras
vam orar, e levantou-Se para ler as escrituras. Ele leu o de Isaías, os outros judeus estavam olhando para Ele.
que o profeta Isaías havia escrito — que o Salvador vi- Lucas 4:19–20
ria à Terra e ajudaria todas as pessoas.
Lucas 4:16–19

O A M I G O
14
Jesus disse que as palavras de Isaías se referiam a Ele, O Salvador sabia o que as pessoas estavam pensando.
que Ele era o Salvador. As pessoas ficavam surpresas ao Ele sabia que elas queriam ver um milagre. Mas Jesus
ouvir Suas palavras e diziam: “Não é este o filho de disse que não faria milagres para as pessoas que não ti-
José?” Elas não acreditavam que Jesus fosse o Filho de vessem fé.
Deus. Lucas 4:23–27
Lucas 4:21–22

As pessoas ficaram zangadas. Elas O levaram ao topo Elas não conseguiram fazer isso. Jesus foi-se embora
de uma colina para de lá atirarem Jesus. para longe delas.
Lucas 4:28–29 Lucas 4:30

M A R Ç O D E 2 0 0 1
15
AS PROFECIAS DE SAMUEL, O LAMANITA, DE ARNOLD FRIBERG; FOTOGRAFIA DO PRESIDENTE HINCKLEY, DE JED A. CLARK; BRIGHAM YOUNG, O MOISÉS DAS AMÉRICAS, DE KEN CORBETT; BRILHANTE ESTRELA DO MUNDO NOVO, DE KEITH LARSON; FOTOGRAFIA DO CARROÇÃO COBERTO, DE WELDEN C. ANDERSEN
SÓ PARA DIVERTIR

Profetas & Profecias


Lois T. Bartholomew

As escrituras são as palavras de Deus reveladas a Seus profetas. Relacione cada escritura abaixo
ao profeta a quem ela foi revelada. Consulte as escrituras se você precisar de ajuda.

1. “Faze para ti uma arca da madeira de gofer” (. . .). 11. “(. . .) Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa
(Gênesis 6:14) de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.”
2. “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro (. . .) e (Gênesis 12:1)
depois fazei prova de mim nisto, (. . .) se eu não vos 12. “E se guardares meus mandamentos, (. . .) serás
abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós conduzido a uma terra de promissão (. . .).” (1 Néfi
uma bênção (. . .).” (Malaquias 3:10) 2:20)
3. “(. . .) mais cinco anos se hão de passar (. . .) então 13. “Refiro-me a esses templos como templos menores.
o Filho de Deus virá para redimir todos os que cre- Na verdade, eles não aparentam ser pequenos, apa-
rem em seu nome.” (Helamã 14:2) rentam ser grandes. Eles são lindos. São construídos
4. “Que todo o povo de A Igreja de Jesus Cristo dos com os melhores materiais e da melhor maneira que
Santos dos Últimos Dias e aqueles que com eles via- conhecemos. Cada um deles será uma casa do
jam se organizem em companhias (. . .).” (D&C Senhor dedicada a Seus santos propósitos.“
136:2) (“Encerramento’, A Liahona, janeiro de 1999,
5. “E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o p. 104.)
evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam
sobre a terra (. . .).” (Apocalipse 14:6)
6. “(. . .) uma obra maravilhosa está para iniciar-se en-
tre os filhos dos homens.” (D&C 4:1) a. Adão i. João
7. “(. . .) esta noite será dado o sinal; e amanhã virei b. Noé j. O Profeta Joseph
ao mundo (. . .).” (3 Néfi 1:13) c. Abrão (Abraão) Smith
8. “No suor do teu rosto comerás o teu pão (. . .).” d. Samuel (do Velho k. Presidente Brigham
(Gênesis 3:19) Testamento) Young
9. “(. . .) era chegado o dia, há muito prometido, em e. Néfi (filho de Leí) l. Presidente Spencer W.
que todo homem da Igreja fiel e digno poderia rece- f. Malaquias Kimball
ber o santo sacerdócio (. . .).” (Declaração Oficial 2) g. Samuel, o Lamanita m. Presidente Gordon B.
10. “(. . .) o Senhor não vê como vê o homem, pois o h. Néfi (bisneto de Hinckley
homem vê o que está diante dos olhos, porém o Helamã)
Senhor olha para o coração.” (I Samuel 16:7)

(7) h, (8) a, (9) 1, (10) d, (11) c, (12) e, (13) m.


Respostas: (1) b, (2) f, (3) g, (4) k, (5) i, (6) j,
N o Japão, país de símbolos religiosos
tradicionais, um número cada vez maior
de santos dos últimos dias demonstra como o
evangelho fortalece os indivíduos e as famílias.
Ver “Japão: O Despontar da Luz no Oriente”,
página 38.
Se Meu Pai Abraçar-me, de Liz Lemon Swindle
Quando o Profeta Joseph Smith era um rapazinho, ele teve uma grave infecção e foi necessário fazer a
raspagem de um osso da perna. O médico queria que Joseph fosse amarrado para mantê- lo quieto ou
pelo menos que ele bebesse um gole de licor para aliviar a dor. Joseph recusou, dizendo que ele era
capaz de suportar a dor se seu pai o envolvesse nos braços. (Ver Lucy Mack Smith, History of
Joseph Smith by His Mother, editado por Preston Nibley [1958], pp. 56–58.)