Você está na página 1de 3

A ANÁLISE MULTICRITERIAL NO GERENCIAMENTO HÍDRICO

Edilson Raimundo Silva(1)


Mestre em Engenharia Ambiental. Pesquisador Colaborador do Grupo de Recursos Hídricos da UFBA.
Yvonilde Dantas Pinto Medeiros
PhD, Professora Adjunto, Departamento de Engenharia Ambiental da UFBA.

Endereço(1): Rua Soldado Adalberto de Melo, 62, térreo – Cordeiro – Recife – PE - CEP: 50711-250 – Brasil
– Tel: +55 (81) 8680-9960 – e-mail: edilsonrsilva@yahoo.com.br.

RESUMO

Este artigo se propõe a apresentar características relevantes do processo de análise multicriterial, em sua
aplicação ao gerenciamento de recursos hídricos. Para isto se procura identificar os fatores preponderantes
deste tipo de gerenciamento, focado nas necessidades e potencialidades da análise multicriterial, como
ferramenta de otimização do grau de satisfação dos decisores. A aplicabilidade dos métodos multicriteriais ao
gerenciamento hídrico é discutida por meio da análise de pesquisas feitos em várias regiões do planeta, com
avaliação de seus resultados e verificação de possibilidades de adaptação das metodologias ao contexto
conflitos, tornam complexo o processo decisório. Dentro desta abordagem é analisada a utilização destes
métodos ao processo de identificação de um regime de vazões ecológicas para o baixo curso do rio São
Francisco, objeto da rede de pesquisa ECOVAZÃO (CNPq/CT-HIDRO). A análise multicriterial é investigada
por meio da compilação de experimentos, com a explicação de seus mecanismos e particularidades visando o
desenvolvimento de modelos específicos para uma determinada situação. Conclui-se então com a
argumentação dos pontos positivos e negativos observados, sistematicamente entre os casos investigados.

Palavras-chave: Gestão dos recursos Hídricos, Análise Multicriterial, Vazão Ecológica.

INTRODUÇÃO

A análise multicriterial surgiu como conseqüência das pesquisas do economista italiano Vilfredo Pareto, a
partir de 1893. Ele analisou o problema da composição de critérios de decisão e a subdivisão de um critério em
vários, verificando questões de eficiência na escolha de alternativas, com base na combinação de valores e
pesos. No início, estas pesquisas tomaram relevância apenas nas aplicações militares, em seguida foram
aplicadas na resolução de problemas em empresas privadas e públicas, explicitando, de maneira lógica e
transparente, as posturas dos atores quanto aos critérios adotados na decisão. Racionalizando esforços
cognitivos, a análise multicriterial busca atender às demandas prioritárias do decisor, considerando
integralmente a multidisciplinaridade envolvida em decisões de caráter ambiental, como são as questões
prioritárias do gerenciamento hídrico, (Zuffo, 1998). A apresentação da análise multicriterial é feita então por
meio da definição de seus elementos essenciais.

Todo processo de análise multicriterial tem basicamente quatro elementos essenciais, quer sejam: objetivo,
alternativas, critérios e indicadores. O objetivo representa a questão prioritária da decisão. As alternativas são
as opções de escolha do decisor. Os critérios são os elementos de ponderação, ou seja, os aspectos sob os quais
se deseja avaliar as alternativas e os indicadores são variáveis que medem um determinado aspecto das
alternativas. O termo “multicriterial” provém do fato destes métodos terem como base comum a ponderação
das decisões, feita por diversos mecanismos de tratamento de seus critérios, que podem ser vários, devendo
ser estabelecidos e ponderados pelos decisores, (Silva, 2010).
Um aspecto importante do processo de análise multicriterial está na seleção dos critérios nos quais se baseará a
decisão. Estes critérios precisam ter indicadores com os quais possam ser mensurados. Os critérios escolhidos
devem ser mensurados por indicadores, para todas as alternativas, sendo que o objetivo da decisão é
considerado o critério de nível superior. Outro aspecto importante é a ponderação relativa dos critérios, tarefa
esta que está diretamente associada ao estabelecimento das preferências do decisor, em face dos pontos de
vista da decisão. Para isto, é necessário que o decisor defina o que é mais, e o que é menos importante para ele,
(Medeiros e outros 2006).

O primeiro passo na aplicação de processos de análise multicriterial é a construção da Matriz de Decisão


(Payoff). Ela é fundamental para processo, como um todo, pois serve como base para o funcionamento dos
métodos multicriteriais. Métodos que envolvem a análise multicriterial (métodos multicriteriais) são
ferramentas matemáticas desenvolvidas para apoiar o processo de avaliação de alternativas. Esta avaliação tem
por objetivo a escolha de soluções racionais para questões que envolvem raciocínio subjetivo sobre problemas
não-estruturados, os quais representam a maior parte dos problemas ambientais. Estes métodos são aplicados a
situações onde há limitação de recursos e as alternativas estão sujeitas a critérios ponderados relativamente,
uns aos outros. Geralmente, a maioria das decisões envolve um ou dois critérios e não levam em consideração
fatores subjetivos, mas quando se trata de recursos naturais, os planejadores e especialistas têm que incluir
fatores subjetivos e múltiplos critérios, devido a gama de interesses e custos envolvidos. Além disso, os
problemas se apresentam complexos e com pouca estruturação, demandando mecanismos de resolução que
possam tornar o ambiente de decisão mais próximo possível da realidade, (Srdjevic, 2007).

Um dos principais problemas enfrentados atualmente pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco
(CBHSF) é o estabelecimento de um regime de vazões ecológicas para o baixo curso do rio. Este
empreendimento requer o esforço interdisciplinar e interinstitucional de muitos pesquisadores brasileiros e
estrangeiros, que de forma conjunta, se aliam para estabelecer valores coerentes para o parâmetro “vazão
ecológica”, cuja determinação se mostra inadiável para a implementação dos instrumentos da Política
Nacional de Recursos Hídricos, na região da bacia do rio São Francisco.

OBJETIVO

Analisar aplicações da análise multicriterial ao gerenciamento de recursos hídricos sob a ótica sistêmica, com
ênfase em regiões semi-áridas, abordando também a aplicação da análise multicriterial ao caso da
identificação de um regime de vazões ecológicas no rio São Francisco.

METODOS E MATERIAIS UTILIZADOS

A metodologia utilizada inclui uma revisão de experiências com aplicação de métodos multicriteriais ao
gerenciamento de recursos hídricos ao redor do mundo, especificadamente em regiões semi-áridas.

È analisada, em caráter especial, os trabalhos realizados pela rede de pesquisa Ecovazão, em busca da
definição de um hidrograma ecológico, em suas abordagens e mecanismos associados à aplicação de métodos
multicriteriais.

A seguir, são verificados os pontos em comum, que relacionam as características de cada aplicação aos
resultados do conjunto completo de experimentos. São estabelecidos parâmetros de avaliação para estes e
outros experimentos.

Por fim, o conjunto de pontos importantes a serem considerados, em aplicações multicriteriais ao


gerenciamento hídrico, são classificados e tabelados para análise da aplicabilidade de tais métodos ao objetivo
deste tipo de gerenciamento.
RESULTADOS

Como resultados são apresentadas as características de cada aplicação, de forma a contemplar a verificação de
elementos constituintes, que possam ser utilizados em outras análises posteriores. Os resultados das
experimentações compiladas são também organizados de forma a estabelecer mecanismos de comparação e
verificação de sua aplicabilidade.

Dados, procedimentos e resultados do projeto Ecovazão mostram, também de forma estruturada, as


associações entre a pesquisa e a realidade do meio ambiente alterado, contexto especifico do baixo curso do
rio São Francisco.

Paralelamente aos resultados da aplicação dos métodos, nas experimentações analisadas, foram estabelecidos
procedimentos que figuram como metodologia básica da aplicação de métodos multicriteriais e como
orientação especial na busca da adequação de tais métodos.

CONCLUSÕES

Ao final do trabalho, conclui-se que os métodos multicriteriais devem ser aplicados a situações onde a
preferência dos decisores tem importância crucial no processo. Métodos adaptados a regiões semi-áridas têm
que lidar com as características como: escassez e inconsistência de informações; pobreza de recursos e
intermitência dos fluxos hídricos.

Conclui-se também que a análise multicriterial requer procedimento de estruturação das informações em
critérios, indicadores e modelos que possam representar características do meio ambiente, que sejam
relevantes para a definição dos parâmetros da análise. Esta estruturação faz parte da contextualização do
problema e deve ser feita por técnicos especializados, embora a fonte das informações possa estar em todos os
níveis de conhecimento dos atores.

REFERÊNCIAS

MEDEIROS Y. D. P. et al., Processo decisório de alocação de águas utilizando análise multicritério: caso da
bacia do rio São Francisco. In Anais do VIII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste, Gravatá, (2006).

SILVA R. E., Abordagem multicriterial difusa como apoio ao processo decisório para a identificação de um
regime de vazões ecológicas no baixo curso do rio São Francisco, Dissertação, UFBA/MEAU, Salvador, 170
pp, (2010).

SRDJEVIC B., Linking analytic hierarchy process and social choice methods to support group decision-
making in water management. Decision Support Systems, 42 (2007), p 2261–2273.

ZUFFO A. C., Seleção e Aplicação de Métodos Multicriteriais ao Planejamento Ambiental de Recursos


Hídricos, Tese de doutorado, USP/São Carlos, (1998)