Você está na página 1de 2

ALUNO: Francisco Wanfreson Soares Nascimento RA:1111772

PÓLO: Parauapebas (139) Turma Brasil

CURSO: Engenharia Civil ETAPA: 9°


DATA: 01/07/2020 CARGA HORÁRIA:
DISCIPLINA: Fenômeno de Transporte
PROFESSOR: Marcelo Costa

QUADRO DESCRITIVO DE PRATICA

PRATICA LABORATORIAL Nº: 02


C.H.: DATA:
Medir a diferença de pressão entre dois
00:45h 31/07/2020
pontos.

INTRODUÇÃO:

Medir a diferença de pressão entre 2 pontos da tubulação separados por 1 cotovelo e 1 curva 90º.

Calculando a pressão total dentro do piezômetro 1 e pressão total do piezômetro 2.

OBJETIVOS:

Medir a diferença de pressão entre dois pontos da tubulação separados por uma curva e um cotovelo,
ambos de 90°.

MATERIAL:

- Bancada hidráulica (reservatório, bombas, tubulações, registros);

- Piezômetro;

- Água;
METODOLOGIA:

Utilizaremos a bancada de mecânica dos fluidos, vamos interligar os piezômetros junto a tubulação,
um no primeiro ponto antes da curva de 90° e o outro no segundo ponto depois da curva de 90°, e em
seguida vamos utilizar dois piezômetros e vamos fazer o mesmo procedimento do ensaio anterior.
Ligando a bomba e logo em seguida vamos tirar as alturas de colunas dos piezômetros, uma
observação os piezômetros tem ar e água dentro e com essas medidas vamos calcular as pressões
efetivas, as medidas vão ser de ar e água nos dois piezômetros.
RESULTADOS E DISCUSSÃO:

Alturas (mm) de água e ar Alturas (mm) de água e ar


Piezômetro 1 Piezômetro 2
Vazões Água Ar Água Ar ΔP1,2 (kPa)
Inicial Final Inicial Final Inicial Final Inicial Final

1 430 840 970 560 430 695 970 705 3165


2 840 980 560 420 695 775 705 625 1746
3 980 1010 420 390 775 810 625 590 732
4 1010 1185 390 215 810 920 590 480 1419
5 1185 1365 215 35 920 1200 480 200 -2182

P1   agua .g .(h final  hinicial )   ar .g .( hinicial  h final )


P11  1000.9,81.(0,84  0, 43)  1225.9,81.(0,97  0,56)  P1  8949
P 2  1000.9,81.(0, 695  0, 430)  1225.9,81.(0,97  0, 705)  P1  5784
P1, 2  P1  P 2  P1, 2  8949  5784  3165
P12  1000.9,81.(0,98  0,84)  1225.9,81.(0,56  0, 42)  P1  3055
P 22  1000.9,81.(0, 775  0, 695)  1225.9,81.(0, 705  0, 625)  P1  1746
P1, 2  P1  P 2  P1, 2  3055  1746  1309

Foi calculado e demostrado os dois primeiros ensaios o restante seguiu a mesma forma de cálculo.

CONCLUSÃO:

Os resultados obtidos comprovam e afirmam que as pressões obedece uma relação com a altura do
liquido até a superfície, ou seja quando maior a profundidade maior a pressão. Observa-se a
importância e as finalidades dos manômetros como formas de mensurar pressão.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: VIEIRA, Rui Carlos de Camargo. Atlas de mecânica dos
fluidos. São Paulo (SP): E. Blucher, 1971. 130 p, il.

CATTANI, Mauro Sérgio Dorsa. Elementos de mecânica dos fluidos. 2.ed São Paulo (SP): E.
Blucher, c2005. 155p., il. Inclui bibliografia. ISBN 8521203586 (broch.).

Você também pode gostar