Você está na página 1de 2

FORMAÇÃO DE UM GRUPO DE ESTUDOS EM ENSINO DE

CIÊNCIAS E MATEMÁTICA – GREECIM- NA UNIVERSIDADE


ESTADUAL DE GOIÁS
Nyuara Araújo da Silva Mesquita1,2, Karly Barbosa Alvarenga1,Celso José Viana Barbosa1,2,
Adriano de Melo Ferreira 1,3, Vanessa Carneiro Leite1,4
1
Universidade Estadual de Goiás UEG; 2 Universidade Federal de Goiás UFG, 3
Universidade Católica de Goiás UCG, 4 Uni-Anhanguera - GO.

RESUMO: A questão da inserção da interdisciplinaridade de forma efetiva nas licenciaturas em química, física,
biologia e matemática, motivou um grupo de professores da Universidade Estadual de Goiás em Anápolis-GO a
formar o GREECIM-Grupo de Estudos em Ensino de Ciências e Matemática-com o objetivo de trabalhar de
forma conjunta na superação da fragmentação do conhecimento na formação inicial dos docentes da educação
básica. Tal proposta desenvolve-se a partir de estudos, debates e elaboração de textos para alunos de graduação
nas disciplinas de estágio e prática de ensino resultando em um processo constante de reflexão sobre a prática
docente na educação superior. .
Palavras-Chaves: interdisciplinaridade, formação inicial, GREECIM.

INTRODUÇÃO

A reforma curricular do Ensino Médio, proposta em 1999, por meio dos Parâmetros Curriculares
Nacionais para o Ensino Médio 1, complementada pelas Orientações Curriculares para o Ensino Médio 2 , propõe
a articulação e integração dos conhecimentos em processo permanente de interdisciplinaridade e
contextualização.
A interdisciplinaridade é assumida, portanto, como uma das diretrizes para uma pedagogia da qualidade
devendo ir além da mera justaposição de disciplinas e, ao mesmo tempo, evitando a diluição entre elas 1 Entende-
se que a interdisciplinaridade deve fazer parte da formação inicial e continuada dos professores para que seja, de
forma efetiva, incorporada a sua prática pedagógica, tanto como postura profissional quanto como fonte de
pesquisa para o profissional entendido como reflexivo sobre a sua ação 3.
Alguns professores formadores dos cursos de licenciatura da área de Ciências da Natureza, Matemática e
suas Tecnologias da Universidade Estadual de Goiás em Anápolis-GO, interessados na formação interdisciplinar
dos futuros docentes da educação básica, se organizaram para estudar o tema e, posteriormente, formaram o
Grupo de Estudos em Ensino de Ciências e Matemática, chamado GREECIM.
Deu-se assim, o primeiro passo para um trabalho conjunto sobre o assunto interdisciplinaridade dentro desta
instituição. Ressalta-se que o tema abordado consta nas ementas das disciplinas pedagógicas dos cursos e,
embora tenha um caráter amplo, tem sido trabalhado de maneira restrita e parcial pelos professores dos cursos de
licenciatura.
Neste contexto, o GREECIM busca a integração das licenciaturas da área de Ciências da Natureza,
Matemática e suas Tecnologias promovendo discussões e elaborando material de apoio que possa ser trabalhado
de forma conjunta pelos professores das disciplinas de Estágio e Prática de Ensino dos cursos de licenciatura em
química, física, biologia e matemática. Esta é uma tentativa de fazer da interdisciplinaridade não apenas um tema
curricular, mas de (re)significá-la na construção do conhecimento durante a formação inicial do profissional da
educação.

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

Após várias discussões sobre o tema interdisciplinaridade, professores formadores das disciplinas de
estágio e prática de ensino dos cursos de licenciatura em química, física, biologia e matemática da Universidade
Estadual de Goiás, constituíram o GREECIM. As reuniões ocorrem semanalmente com duração de três a quatro
horas.
Em um primeiro momento, utilizou-se análise documental como instrumento de coleta de informações sob a
interdisciplinaridade. Foram lidos, analisados e discutidos vários textos sobre o assunto. Outras fontes de
pesquisa foram os documentos orientadores da educação nacional, livros didáticos e planos de ensino para o
ensino médio. Fez-se um levantamento dos conteúdos trabalhados no ensino médio em química, física, biologia
e matemática.
Partindo-se deste levantamento, buscou-se estabelecer relações possíveis para a realização concreta de uma
abordagem interdisciplinar. A triangulação dos dados foi organizada em forma de tabelas para possibilitar uma
visão mais ampla dos resultados obtidos. É importante frisar que o desenvolvimento deste trabalho é pautado
pela discutibilidade como critério validador da prática científica, não se admitindo ponto final na discussão,
considerando-se a ciência como algo inacabado 4.
Em uma segunda etapa, os pesquisadores do GREECIM preparam seminários para envolver e conscientizar a
comunidade acadêmica sobre a importância do enfoque interdisciplinar a partir da formação inicial sabendo-se
que esta formação precisa acontecer em um contexto interdisciplinar de construção do conhecimento científico
buscando romper com a fragmentação dos saberes. Nesta etapa, os dados estão sendo utilizados para analisar
quais conceitos e conteúdos podem propiciar um trabalho pedagógico interdisciplinar na graduação, enfocando-
se que o valor da interdisciplinaridade não está apenas na melhoria da formação geral e profissional, mas
também no fato de permitir a superação da dicotomia ensino-pesquisa em uma educação mais permanente 5.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Durante o período inicial de discussão e debate sobre o tema interdisciplinaridade na formação inicial de
professores da área de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, observou-se que a linearidade e
hierarquização na apresentação dos conteúdos constitui-se em uma visão arraigada nos próprios professores
formadores. O processo de mudança a respeito de tais concepções é trabalhoso, mas frutífero se realizado em
conjunto, pois diferentes enfoques e nuances sobre os fenômenos, vistos sob a ótica da química, da física, da
biologia e da matemática, possibilitam a reflexão sobre as abordagens que um mesmo assunto pode revelar.
A construção de tabelas relacionando os conteúdos do ensino médio mostrou-se laboriosa, pois fazer a
relação é simples, o problema está no fato de que os conteúdos que possibilitam o trabalho interdisciplinar são,
muitas vezes, referentes a séries diferentes, de acordo com a forma linear em que os conteúdos são apresentados
no ensino médio, como se pode perceber no exemplo:

Tabela 1 – Conteúdos do Ensino Médio com possibilidade de trabalho interdisciplinar


Química Física Biologia Matemática
Cinética Química (2ª Energia Cinética (1ª Fluxo de energia e Função modular (1ª
série) série) matéria nos ecossistemas série)
(3ª série)

Depois de discussões sobre as tabelas construídas, foi feita uma seleção de conteúdos que podem ser
relacionados em uma mesma série. Apesar da idéia corrente de que a interdisciplinaridade pode partir de temas, e
de que há a necessidade de superação da visão seqüencial dos conteúdos, o grupo considerou importante esta
pré-seleção de forma organizada em decorrência do fato de que a proposta consiste em trabalhar com os alunos
de estágio e prática de ensino apresentando a eles alguns caminhos viáveis, mesmo deixando claro que existem
outras possibilidades.
Observa-se como fator relevante no estabelecimento do diálogo interdisciplinar entre os professores do grupo
é o fato de que os quatro cursos de licenciatura em questão funcionam em uma mesma unidade, dividindo o
mesmo espaço físico, o que, de certa maneira, proporciona uma maior interação e contato pessoal entre os
participantes no dia-a-dia da comunidade escolar, promovendo a troca de experiências para além das reuniões
pré-estabelecidas.

CONCLUSÕES

O GREECIM tem buscado superar a visão fragmentada do conhecimento dentro das licenciaturas em
química, física, biologia e matemática, partindo do pressuposto de que formar educadores sob o enfoque
interdisciplinar exige o (re)pensar das concepções dos professores formadores integrando, não apenas conceitos
e conteúdos, mas todas as etapas do ensino desde o planejamento pedagógico até a efetivação da formação
inicial do profissional da educação.

REFERÊNCIAS

[1]. Brasil Ministério da Educação e Cultura. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros
Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, 1999.
[2]. http://www.mec.gov.br acessado em junho de 2007.
[3]. Schon, D. El profesional reflexivo: como piensan los profesionales cuando actúan. Barcelona: Paidós, 1998.
[4]. Demo, P. Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1981.
[5]. Fazenda, I. Interdisciplinaridade: História, teoria e pesquisa. Campinas: Papirus, 1994.

nyuara2006@yahoo.com.br

Você também pode gostar