Você está na página 1de 3

o paradoxo da aprendizagem

para ROUBOUL a aprendizagem é uma outra ambiguidade, que abarca todas as actividades de
que consistem em aprender.

Na opiniao de rouboul não se deve limitar aos ensinamentos e reduzir-se a linguagem em casos
que o verbo aprender se constroi por uma proposicao infitiva. Isso porque dentro da propria
aprendizagem tem niveis, alguamas é o resultado de simples somatismo, outras de aptidoes
adaptaveis, e outras de verdadeiras competencias.

Para rouboul a inteligencia de um saber fazer resulta do saber fazer não somente na reproducao
de condutas adquiridas mas tambem da aptidao de adaptalas a casos novos e modificar em funcao
de situacoes insolitas.

A aprendizagem distingui-se da informacao por implicar a activdade que se deve aprender pelo
sujeito e por não seer possivel senao atraves dela. As coisas deve se aprender para fazelas e
fazendo-as é que aprendemos. Como diz aristoteles temos de fazer oque não soubemos fazer para
aprender a faze-lo. E é nisso que reside o paradoxo.

O processo ensino-aprendizagem

O ensino e a predizagem, surgem desde os tempos antigos, no qual o homem ensinava os seus
filhos a aprender para atender varias necessidades, e superar as dificuldades. E com o passar do
tempo o ensino e a aprendizagem foram ganhando importancia e que posteriormente tambem
surgiram as escolas que são ligadas a essas tarefas.

Segundo POSTIC, diz que sempre houve tendencia de se considerar


como actos particulares os termos de ensino e a aprendizagem, em
vez de se estudar a unidade de accao e analisar a relacao que há
entre ambos.

Faz mensao um teorizador B. F. Skinner que concebe o ensino como a organizacao da


aprendizagem, isto é, uma accao simetrica.

A preeocupacao de racionalizar a pedagogia e de ajustar melhor o acto de ensinar e aprender


levou os docentes (B. S. Bloom e R. Mager) a interessarem-se pela definicao dos objectivos. E
propuseram taxonomias que ajudaram a estebelecer racionalmente programs de aprendizagem e a
examinar simultaniamente as etapas de aprendizagens e as etapas de ensino onde se istala uma
verdadeira dialetica as duas etapas para permitir uma regulacao constante.

Os teorizadores têm a tendência de ensinar auxiliando-se de maquinas deixando de fora as


influencias interpessoais que exercem na situacao na situacao pedagogicas que tem como suporte
a materia a parendere e como resultante a aprendizagem.

Reboul diz que esses arriscan-se com essas terorias que o aluno esqueca no processo de ensino
aprendizagem que eles actuam atraves das suas actitudes e dos seus actos e tambem que o
processo ensina aprendizagem ultrapassa o limite da turma da escola. O acto de aprendizagem e
ensinar separam-se arbitrariamente e articula-se na finalidade comum a um ao outro. Desta forma
se assegura a regulacao do processo.

Acto educativo e relacao educativa

O acto educativo propôe-se uma construcao de comportamentos num individuo, É a execucao de


principio explicitos ou implicitos, provenientes de uma teoria geral. Em que esss principios vao
permitir mais tarde enfrentar os problemas logicos. O processo educativo não se desencadeia
senao quando um movimento anima cada um dos parceiros em direcao ao outro.

Qualquer opcao educativa é um acto de fé em valores, mas esse valores são temporarios, frageis,
e discutiveis.

Para ter influencia sobre o educando, o acto educativo tem necessidade de encontrar uma adesao,
uma aceitacao temporaria da relacao; mas, para se prolongar no tempo atingir a sua finalidade
fundamental, deve provocar nele um entusiasmo, da pesquisa autonoma e fazer nascer um
movimento critico.

É nas relacoes sociais introduzidas pelo acto educativo que o individuo se descobre, evolui e se
estrutura.

A relacao educativa é um conjunto de relacoes sociais que se estabelece entre o educador e


aqueles que educam para atingir objectivos educativos,numa estrutura institucional, relacoes que
tem caracteristicas cognitivas e afectivas identificaveis.

No ensino , a relacao pedagogica estabelece-se por trabalho


escolar, definidos por programas explicitos feitos no respeito pelas
modalidades fixadas pelas instrucoes ou circulares oficiais. A
relacao pedagogica não é única, porque diferem as relacoes sociais
entre o professor e os seus alunos no acto de ensinar.

Os metodos pedagogicoa, quando não soa uma constelacao de tecnicas e poem em accao uma
escolha filosofica, introduzenm, diferencas fundamentais. As diferentes concepcoes da natureza
humana levam o educador, seguino os caracters do postulado, actuar pela coacao intelectual e
moral ou a confiar na harmonia que vao surgir da espontaniedae ou a situacoes sociais que
permitem as criancas e aos adolescentes darem provas de iniciativa na sua aprendizagem e no
funcionamento do grupo.

Todos os elementos da situacao educativa estao ligados e querem explicar a relacao educativa
em abstrato, sem ligar aos outros componentes da situacao, os objectivos e as tarefas, sem a
colocar no seu contexto sociologico, sem considerar as car

Você também pode gostar