Você está na página 1de 6

SINOPSE DO CASE: O caso complexo de Brenda1

Bianca Maria Arouche Silva2

Tatiana Valois de Sá Ferroni3

1. DESCRIÇÃO DO CASO

Os cuidados com a saúde bucal devem ser levados em consideração tanto


quanto a saúde do corpo. Dessa forma, torna-se necessário a realização de cuidados
diários através de práticas simples para a manutenção do bom estado de saúde bucal.
Tais cuidados são preventivos, sendo eles: consultas e avaliações periódicas,
utilização de fio dental pelo menos uma vez ao dia, escovação correta orientada pelo
cirurgião-dentista, principalmente após as refeições.

O acompanhamento do profissional visa a prevenção de problemas bucais


sérios, através de avaliação e diagnóstico precoces que podem evitar o agravo de
doenças dentárias. Se o problema estiver na sua fase inicial ou já instalado, serão
abordados alguns procedimentos para tratamento especificados pelo profissional, de
acordo com a necessidade de cada caso.

No exemplo de um caso da paciente Brenda, com relato inicial de dores


nos dentes, após uma avaliação minuciosa por meio da anamnese, exame clínico e
índice de placa bacteriana, foram observadas algumas alterações que afetam a saúde
e a integridade bucal da paciente em questão. Diante dessas alterações, algumas
medidas preventivas e de tratamento foram consideradas, como: profilaxia,
orientações básicas de higiene bucal e motivação, fluorterapia e Tratamento
Restaurador Atraumático (ART) para adequação do meio bucal.

A escolha de cada técnica visa minimizar ou reverter as alterações


encontradas na paciente, com ênfase na educação e orientação de bons hábitos de
dieta e higiene bucal, além de oferecer uma melhora na qualidade de vida e saúde
bucal. Portanto, quais os níveis de atenção e prevenção baseados na teoria de Leavell

1 Case apresentado à disciplina Saúde Coletiva, do Centro Universitário – UNDB


2 Aluna do 1º período, do curso de Odontologia, da UNDB
3 Professora da UNDB
e Clark que foram envolvidas nesse processo de cuidados para a saúde bucal da
paciente em questão?

2. IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DO CASO

2.1. Descrição das decisões possíveis

De acordo com o modelo da história natural da doença proposto por Leavell


e Clark em 1965, os níveis de atenção e prevenção dividem-se em três: prevenção
primária, secundária e terciária. As estratégias de intervenção propostas no caso
dizem respeito aos níveis de prevenção primário e secundário, pois têm ênfase em
ações voltadas para a promoção de saúde.

O nível de atenção e prevenção primário engloba medidas de promoção de


saúde e bem-estar antes da instalação da doença em si, pois visa ofertar medidas
educativas que interferem na saúde geral da paciente como, por exemplo, a
orientação quanto às mudanças comportamentais alimentares e de higiene bucal que
essa paciente deve adotar diariamente para a prevenção de problemas futuros.

Já o nível de atenção e prevenção secundário compreende estratégias


populacionais para o rastreio e diagnóstico precoce de problemas, como a realização
de visita domiciliar ao Povoado de Turiaçu. Também realiza ações de cuidados
precoces em indivíduos já com o diagnóstico confirmado de alguma doença, mas que
podem ser tratados de forma prematura para a prevenção de futuras complicações.
Isso se dá através de práticas clínicas preventivas como a fluorterapia, profilaxia,
orientação de higiene e motivação, consultas periódicas, etc.

Os determinantes sociais do processo saúde-doença relacionam-se às


condições de vida e trabalho ofertados e que influenciam diretamente na saúde, a
doença e os fatores de risco de uma determinada população, sendo alguns deles:
habitação, condições de vida e trabalho, saneamento básico, educação, alimentação,
oferta de serviços socias, entre outros.

Em geral, o caso da paciente requer a elaboração de estratégias


específicas que visem a promoção da saúde e a prevenção de problemas mais sérios
que comprometam sua saúde bucal e que, posteriormente, podem lhe causar
sequelas. Além de ofertar a essa paciente orientações sobre mudanças de hábitos e
medidas diárias que são eficazes para a manutenção do seu bom estado de saúde
bucal.

2.2. Argumentos capaz de fundamentar cada decisão

De acordo com Buss e Filho (2007), os determinantes sociais da saúde são


“os fatores sociais, econômicos, culturais, étnicos/raciais, psicológicos e
comportamentais”, ou seja, envolvem condições socioeconômicas, culturais e
ambientais gerais que influenciam diretamente no estado de saúde, doença e fatores
de risco. Também diz respeito às condições de vida e trabalho em que uma população
está inserida, onde determinados mecanismos podem interferir nas condições sociais
que afetam a saúde, mas que podem ser revertidos através de ações informativas.

Ayres (2009) retrata os níveis de atenção e prevenção primária e


secundária de Leavell e Clark. Segundo o estudo, a prevenção primária refere-se a
ações de promoção de saúde com ênfase na de prevenção de processos patogênicos
antes mesmo que eles se iniciem. Esse nível sugere melhorias nas condições gerais
de vida das comunidades, beneficiando a saúde e a qualidade de vida. Alguns
exemplos dessas medias são: boa moradia, saneamento básico, nutrição, acesso à
educação saúde, lazer e cultura, etc.

Já o nível de prevenção secundário engloba o diagnóstico precoce e o


tratamento imediato, ou seja, já atua no período patogênico, com o problema de saúde
já instalado, porém com um grande potencial de intervenção. Tem como objetivos
centrais proporcionar uma boa evolução clínica e interromper a progressão da doença.
Dessa forma é feito a detecção precoce de processos patogênicos e a adoção de
medidas imediatas que visam proteger a saúde. (AYRES, 2009).

Segundo Acuña (1987), a odontologia apresenta programas


potencialmente preventivos de saúde que se associam ao modelo apresentado por
Leavell e Clark, diante de medidas de educação em saúde bucal, controle de placa
bacteriana, orientação alimentar, higiene oral, fluorterapia tópica, consultas
periódicas, entre outras medidas. Tais ações são capazes de manter o bom estado
de saúde bucal de até 95% das pessoas, mantendo-as livres da cárie dentária.
Também deve-se levar em consideração a responsabilidade pela vigilância
da saúde bucal de uma determinada comunidade. Nos dias atuas, a odontologia tem
recursos técnicos e científicos capazes de atuar nesse contexto, contribuindo para a
meta de saúde bucal de regiões carentes ou de difícil acesso ao serviço de saúde.
(ACUÑA, 1987).

Conforme Almeida et al. (2010), a saúde bucal deve ser ofertada através
de ações assistenciais, de forma que sejam elaborados políticas de saúde com ênfase
na universalização do acesso, promoção de saúde e prevenção de problemas bucais
sérios, práticas de assistência, orientação e motivação, oferecendo qualidade de vida
e se desvinculando de intervenções apenas diante de consequências imediatas.

Barroso (2015) sugere a promoção de saúde bucal através de medidas de


prevenção como “manter uma alimentação saudável e equilibrada, sem o consumo
de doces e refrigerantes e, principalmente, ter uma boa higiene oral”. Esses cuidados
devem ser contínuos e envolvem a educação em saúde bucal. Além disso, para a
prevenção de cárie, por exemplo, também pode ser aplicado o selante de fissuras
como forma de barreira protetora contra placa bacteriana e ácidos. Enfatizando que
sua aplicação pode ser feita apenas pelo cirurgião dentista.

Almeida e Ferreira (2008) sugerem atividades preventivas que devem ser


realizadas individualmente para a manutenção de um bom estado de saúde bucal,
dentre elas destacam-se: aplicações tópicas de flúor, orientação quanto ao uso de fio
dental, controle de higiene e intervenção, profilaxia, orientação sobre dieta higiene
bucal e saúde geral.

Em suma, para uma boa saúde bucal e qualidade de vida em geral, deve-
se realizar orientações e mudanças de hábitos que possam beneficiar a manutenção
desse estado de saúde. Portanto, a realização de consultas odontológicas regulares
e a prática diária de higiene já são condutas que, em si, podem interferir na saúde
bucal dos pacientes.
2.3. Descrição dos critérios e valores

Os critérios utilizados como base para cada argumento apresentado


consistem na constatação de fatos comprovados em pesquisas científicas que
abordaram os aspectos fundamentais dos níveis de atenção e prevenção de Leavell
e Clark, associando-os à aplicabilidade clínica da odontologia em saúde pública.

Foram utilizados referenciais teóricos extraídos de artigos científicos, livros


e revistas científicas que embasaram cada informação relatada e apresentam
confiabilidade sobre o assunto em questão.
REFERÊNCIAS

ACUÑA, Benjamín Herazo. Aspectos clínicos y docentes de la odontología preventiva.


Boletín de la Oficina Sanitaria Panamericana (OSP). Bogotá, v. 102, n. 5, p. 495-
500, maio, 1987. Disponível em:
<https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/16851/v102n5p495.pdf?sequence=1>
. Acesso em: 19 de out. de 2021.
ALMEIDA, Gilmara Celli Maia de; FERREIRA, Maria Ângela Fernandes. Saúde bucal
no contexto do Programa Saúde da Família: práticas de prevenção orientadas ao
indivíduo e ao coletivo. Cadernos de Saúde pública. Rio de Janeiro, v. 24, n. 9, p.
2131-2140, set., 2008. Disponível em:
<https://www.scielo.br/j/csp/a/SRK44WWn89nc8pxMjyMVY8m/?format=pdf&lang=pt
>. Acesso em: 19 de out. de 2021.
ALMEIDA, Anderson Barbosa de et al. Reflexões sobre os desafios da odontologia no
Sistema Único de Saúde. Revista de APS. Juiz de Fora, v. 13, n. 1, p. 126-132,
jan./mar., 2010. Disponível em:
<https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/14369/7762>. Acesso em: 19 de
out. de 2021.
AYRES, José Ricardo de Carvalho Mesquita et al. Prevenção de agravos, promoção
da saúde e redução de vulnerabilidade. Clínica Médica [2ed. ampl. rev.]. Barueri,
2ed., v. 1, 46p., 2009. Disponível em:
<https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2720257/mod_resource/content/1/AULA%2
01%20-%20texto%20leitura_AYRES%20-
%20Preven%C3%A7%C3%A3o%2C%20Promo%C3%A7%C3%A3o%20da%20Sa%
C3%BAde%20e%20Vulnerabilidade.pdf>. Acesso em: 19 de out. de 2021.
BARROSO, Sara Maria da Silva Gomes Martins. Sistema de recomendação à
prevenção odontológica, ortodontia e higiene oral. 2015. 78p. Dissertação de
Mestrado (Dissertação de Mestrado em Engenharia de Computação e Instrumentação
Médica) - Instituto Superior de Engenharia do Porto. Porto, 2015. Disponível em:
<https://recipp.ipp.pt/bitstream/10400.22/8075/1/DM_SaraBarroso_2015_MECIM.pdf
>. Acesso em: 19 de out. de 2021.
BUSS, Paulo Marchiori; FILHO, Alberto Pellegrini. A saúde e seus determinantes
sociais. Physis: revista de saúde coletiva. Rio de Janeiro, v. 17, p. 77-93, fev./mar.,
2007. Disponível em:
<https://www.scielo.br/j/physis/a/msNmfGf74RqZsbpKYXxNKhm/?lang=pt>. Acesso
em: 19 de out. de 2021.

Você também pode gostar