Você está na página 1de 180

Linguagens e suas Tecnologias

Lin

2
©Wikipédia Commons/Presidencia de la República Mexicana

2 LÍNGUA
PORTUGUESA
Texto e
cotidiano
Jaqueline Koehler Graduação em Letras – Português pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), mestrado em
Estudos Literários pela UFPR e doutorado em Estudos Literários pela UFPR. Professora desde 2004, com atuação no Ensino Médio e no Ensino
Superior.

Viviane Letícia Silva Carrijo Graduação em Letras – Inglês pela Universidade Federal de Mato Grosso
(UFMT), mestrado em Estudos de Linguagem pela UFMT e doutorado em Linguística Aplicada e Estudos de Linguagem pela Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo (PUC-SP). Pesquisadora-formadora pelo grupo de pesquisa Linguagem e Atividade no Contexto Escolar (Lace).

Curitiba | 2021
9

©Wikimedia Commons
ARCIMBOLDO, Giuseppe. A primavera. 1573. 1 óleo sobre tela, color.,
76 × 63,5 cm. Museu do Louvre, Paris, França.

04

4. LISTAS: O MUNDO EM
UMA FOLHA DE PAPEL
• Listas: o controle da vida
• Regras de acentuação I
• Outras listas: simplicidade aparente
• Regras de acentuação II
• Lista top 10
• Relato pessoal na forma de lista
LP
88

51

©Shutterstock/Spatuletail

©Shutterstock/Joseph sohm

33 71

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: 6. ESTATUTO DA JUVENTUDE:


AUTOR DE SUA HISTÓRIA A VOZ E A VEZ DOS JOVENS
• Autobiografia: minha vida, minha história • Texto de lei: Estatuto da Juventude
• Classes gramaticais I: revisão geral e substantivo • Artigo
• Outra autobiografia: outra vida, outra história • Numeral
• Classes gramaticais II: substantivo e adjetivo • Matéria jornalística: o jovem atuante
• Relato autobiográfico no livro da turma • Pronome
• Videocurrículo • Dissertação escolar
• Mesa-redonda
44

LP
Listas: o mundo em
Li
L
uma folha de papel
OBJETIVOS DO CAPÍTULO

▶ Relacionar o texto com suas


condições de produção e recepção.
▶ Analisar a composição do gênero
lista.
▶ Analisar efeitos de sentido de usos
expressivos da linguagem.
▶ Posicionar-se criticamente diante de
produções culturais.
▶ Produzir lista pessoal, expressando
gostos e interesses, respeitando e
valorizando as diferenças.
▶ Expressar trajetórias pessoais por
meio de relato oral.
Marcos Guilherme. 2020. Digital.

▶ Relembrar as regras de acentuação.

Acesse aqui as
videoaulas previstas
para este módulo
Listas: o mundo em
L
utie

uma folha de papel ©Sh


utter
stoc
k/Ale

A gula por listas nos leva muitas vezes a ler também as listas
práticas como se fossem listas poéticas – e, de fato, aquilo
que distingue uma lista poética de uma lista prática é, com
frequência, apenas a intenção com que a contemplamos.
Umberto Eco

você, leitor
Listas: o controle daa vida
Você já fez uma lista? São
inúmeras as possibilidades de
assuntos para isso: músicas
preferidas, compras a fazer,
livros a ler, etc.
A lista pode, ainda, ser
considerada uma forma de
roteiro, já que, por meio dela,
é possível reconhecer o que é
e o que não é prioridade para
alguém. Mais do que isso:
é uma maneira de percebermos
que todos temos a necessidade
de organizar informações.
No livro Listas
extraordinárias, Shaun
Usher apresenta listas de
várias personalidades, como
Leonardo da Vinci, Marilyn
Monroe, Walt Disney e Pablo
s
©Companhia das Letra

Picasso. Ao lê-las, conseguimos


entender o que essas pessoas
pensavam, sentiam e
desejavam.
Leia, ao lado, o texto de
apresentação de seu livro.
USHER, Shaun (org.). Listas extraordin
árias. São Paulo: Companhia das Letras,
6 LGG LÍNGUA PORTUGUESA 2016. p. 14.
Usher comenta que, sem as

LP
1. Você já havia pensado em como as listas fazem parte da vida cotidiana? Após
listas, provavelmente viveríamos
a leitura do texto, você criou uma visão diferente a respeito da importância
no caos. Releia este trecho:
delas? Anote, em forma de lista, suas impressões sobre esse gênero e
discuta-as com os colegas. 1. A vida é caótica – muitas vezes,
insuportavelmente caótica. A
O que eu pensava sobre as listas O que eu descobri sobre as listas capacidade de organizar parte
desse caos em listas, de tornar a
situação sustentável, pode pro-
porcionar um alívio muito bem-
-vindo.

5. A palavra “caótica” é derivada


de caos e significa aquilo
2. Com base no que você observou até agora, defina lista. que é desordenado,
confuso. Como as listas
podem contribuir para uma
vida menos caótica?

Shaun Usher não chega a elaborar uma definição de lista, mas


aponta várias funções desse gênero.

3. Na primeira frase do texto, o autor associa as listas a quatro verbos.


a) Que verbos são esses?
Na sequência da explicação
sobre por que somos
dependentes de listas, Usher
b) Qual é a relação desse trecho com o restante do texto? escreve:

2. Nós, humanos, temos medo do


desconhecido e por isso preci-
samos realmente rotular e agru-
par as coisas em listas que nos
Esses verbos indicam os contextos em que as listas podem estar tranquilizam.
inseridas.
Quando lemos, construímos sentidos.
Nesse processo, utilizamos várias estratégias, Essa reflexão apresenta a
4. Para cada um dos verbos, dê ainda que não o façamos de forma consciente. relação entre um elemento
um exemplo de lista que se Uma delas consiste em o leitor relacionar o prático (a lista) e algo subjetivo
enquadra em seu significado. que está expresso no texto com seu conheci-
mento de mundo e suas experiências de vida. (o medo do desconhecido).

6. Explique o item 2 da
“organizadas”
apresentação com suas
palavras.
“priorizadas”

“classificadas”

“atualizadas”

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 7


Analise mais um item que A relação estabelecida no trecho a seguir revela uma perspectiva
consta na “Apresentação” da diferente sobre a função das listas. Usher associa as listas
obra de Usher. classificatórias a uma postura crítica.

3. As listas podem nos tornar mais 4. Todos nós somos críticos. Classificar as coisas – da melhor à pior, da
produtivos e acabar com a pro- maior à menor, da mais rápida à mais lenta – pode ser viciante, sem
crastinação. Nada no mundo, dúvida porque faz com que nos sintamos muito inteligentes.
com exceção da aposentadoria,
é tão eficaz quanto uma lista de
afazeres para romper a névoa
espessa de uma quantidade de 10. Exercite sua capacidade crítica elaborando uma lista classificatória.
trabalho assustadora.
a) Liste os cinco melhores livros que você já leu, em ordem de preferência.

7. Você já ouviu falar em


"procrastinação"? Caso não 1.
conheça essa palavra, pesquise
seu significado e anote aqui um
sinônimo. 2.
Sinônimo de "procrastinação":
3.

8. De acordo com o autor, como 4.


as listas podem nos tornar mais
produtivos?
a) Com as listas, as pessoas 5.
organizam melhor suas tarefas.
b) Com as listas, não haverá mais
procrastinação. b) Reúna-se com um colega e justifique a escolha e a classificação dos livros.
Ouça a justificativa dele também.
c) As listas ajudam as pessoas a
ter uma melhor aposentadoria.
d) Com as listas, as pessoas,
diante de uma grande
Em nosso cotidiano, existem inúmeras possibilidades de listas
quantidade de tarefas, além das citadas pelo autor, desde as mais simples até as mais
conseguem classificá-las em complexas; algumas vezes, nem nos damos conta de que são listas.
ordem de importância. Releia o trecho a seguir.

Não é bom pensar nisso, mas imagino, com alguma relutância, que a vida
9. No trecho anterior, qual é a num mundo sem elas seria caótica: nem uma lista de afazeres, uma lista de
relação entre a produtividade, compras, uma lista de desejos, um dicionário, uma lista de favoritos, uma
as listas e a procrastinação? lista de previsões, uma lista de resoluções, uma caderneta de endereços, uma
lista de conselhos, um sumário – seria um mundo repleto de coisas confusas,
transbordantes, sem propósito, sem identidade coletiva.

Alguns dos exemplos dados fazem parte do mundo objetivo, ou


seja, palpável, como a lista de compras, visto que os produtos podem
ser adquiridos em um supermercado, uma loja, etc.
Há, por outro lado, listas de caráter mais subjetivo, como a de
conselhos e a de previsões. Enquadram-se nessa categoria as listas que
partem do que pensamos ou sentimos com relação a algum assunto.

8 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Listas inusitadas:

©Wikimedia Commons

LP
mudança de perspectiva
Depois de pensar a respeito
de algumas características do
gênero lista, analise o quadro
reproduzido nesta página e reflita
sobre sua relação com o que foi
visto até agora.

11. O que a pintura retrata como um


todo? E nos detalhes?

12. Reúna-se com um colega


ARCIMBOLDO, Giuseppe. A primavera. 1573. 1 óleo sobre tela, color., 76 × 63,5 cm.
e juntos respondam: Que
Museu do Louvre, Paris, França.
aspectos da pintura poderiam
estar relacionados a uma lista? Essa obra contém uma lista Nesse passeio pelas listas,
Após a discussão, anote uma não verbal, já que Arcimboldo ainda veremos mais exemplos,
característica desse gênero que utiliza a lógica das listas, os quais contribuem para ampliar
esteja presente na obra. Justifique elencando várias espécies dos as possibilidades de leitura e de
sua escolha. mesmos elementos, nesse caso, interpretação desse gênero.
flores e folhagens. O artista parte Um exemplo de lista
dessas escolhas para a construção presente em várias esferas da
de um homem que não é vida são os catálogos. Eles
realista, embora as plantas que o nada mais são que compilações
compõem sejam. do que determinado lugar, ou
mesmo uma pessoa, tem. Por
exemplo: uma exposição de arte
Podemos considerar a
obra de Arcimboldo uma lista
normalmente tem um catálogo
figurativa, na qual predomina com informações de todas as
a imagem de diversos ele- obras que a compõem.
mentos que guardam relação Existem também catálogos
13. Reúna-se com dois colegas e
entre si. de produtos, que, como o
juntos pesquisem outras pinturas
que construam uma espécie de Na arte da pintura, há ou- próprio nome indica, apresentam
catálogo de um mesmo elemento. tros exemplos que revelam lis- informações sobre os produtos
tas, pois os artistas retratam, que um fabricante vende. É
Em seguida, apresentem suas
em uma tela, vários elementos uma maneira de organizar as
descobertas a toda a turma.
de uma mesma categoria.
informações e de facilitar a
consulta.
4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 9
Outras listas: como organizar relações pessoais
No livro de Shaun Usher, há, entre tantas listas curiosas, uma que
mostra a relação entre dois amigos adolescentes que estabeleceram
suas regras de convivência. Esmé Wynne (1898-
1972) foi uma atriz e escritora
inglesa. Ainda criança, começou
a atuar em peças teatrais. Em
1911, realizou um trabalho na
peça Where the Rainbow Ends,
©Shutterstock/Revers

Regras de convivência entre quando conheceu Noël Coward,


que se tornou seu amigo e con-
Esmé Wynne e Noël Coward fidente.

1. Um não deve provocar o outro e, se começar com isso, deve


Noël Coward (1899-
1973) foi ator, dramaturgo e
parar assim que o outro pedir. compositor inglês. Escreveu
2. Devemos nos revezar para visitar-nos, e, se um de nós for correndo mais de 50 peças teatrais, além
duas vezes à casa do outro, o outro deve fazer a mesma coisa depois. de inúmeras canções. No início
3. Um nunca deve dedurar o outro, mesmo que o RELACIONAMENTO da carreira, ainda adolescente,
termine, e todas as confidências devem ser consideradas sagradas. conheceu Esmé Wynne, com
4. Devemos dividir todo o lucro de qualquer transação que fizermos jun- quem firmou uma parceria ar-
tos, por menor que seja a participação do outro. O lucro não inclui des- tística, que durou alguns anos.
pesas decorrentes da referida transação. Eles chegaram a escrever peças
teatrais juntos.
5. No caso de briga séria, devemos refletir a respeito durante uma semana
ou duas antes de terminar o RELACIONAMENTO. Quando decidiram escrever
6. Se um de nós bater no outro, com raiva ou de brincadeira, deve permitir essas regras, ambos eram mui-
que o outro revide. Toda agressão deve ser punida. to jovens: Noël tinha apenas 16
anos, e Esmé, 17. A dupla já tra-
7. Um deve defender o outro de qualquer pessoa ou coisa e apoiá-lo em
balhava no meio artístico, o que
toda situação de perigo.
se reflete nas regras estabeleci-
8. Devemos contar um para o outro todos os nossos segredos, mas não as das: ao mesmo tempo em que
confidências alheias, que devemos considerar sagradas. algumas das regras mostram o
9. Não devemos falar de RELIGIÃO, a menos que seja inevitável. universo dos adolescentes, há
10. Quando um de nós escrever para amigos comuns, deve contar para o questões inseridas nelas que fo-
outro e, inclusive, revelar o conteúdo da carta. gem a esse universo.
11. Devemos jurar pela “HONRA DE AMIGO” e manter esse juramento
como O elo mais sagrado do mundo.
12. Cada um de nós deve dizer para o outro o que acha da aparência ou da Com a leitura das regras
maneira de agir do outro. de convivência entre Noël e
13. Se um de nós ouvir falar que o outro fez alguma coisa errada, deve Esmé, pode-se perceber que
procurá-lo imediatamente e não acreditar EM NADA que não seja dito os amigos tinham uma relação
pelo outro. um tanto tumultuada, o que fez
14. NINGUÉM, nem mesmo nossos pais, pode nos separar. com que resolvessem criá-las.
15. Se nos ocorrerem outras regras, devemos acrescentá-las (com o consen- Parece que elas funcionaram, já
timento de ambos) no final deste documento. que a parceria de amizade e de
16. NENHUMA OUTRA PESSOA pode participar do nosso RELACIO- trabalho entre os dois durou um
NAMENTO ou dos nossos segredos. bom tempo.
ASSINATURA DE AMBOS Ao ler essas regras de
[Assinado] amizade, é preciso considerar
o tempo em que eles viviam
Datado de 11 de agosto de 1915.
(início do século XX) e que eram
adolescentes.
USHER, Shaun. Listas extraordinárias. São Paulo: Companhia das Letras, 2016. p. 123.

10 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
14. Qual foi sua primeira impressão sobre as regras de convivência entre
Esmé Wynne e Noël Coward? Anote o que mais chamou sua atenção e o 16. A regra 4 parece fazer sentido
que nunca imaginou que poderia constar em uma lista como essa. no contexto em que viviam
os amigos? Justifique sua
Avaliação inicial do texto resposta.

O que mais chamou sua O que nunca imaginou que


atenção poderia constar no texto Algumas regras de
convivência demonstram
que, embora os amigos já
trabalhassem, estavam inseridos
no universo adolescente.

1. Um não deve provocar o ou-


tro e, se começar com isso,
deve parar assim que o outro
É interessante observar que essa lista estabelece normas de
pedir.
como dois amigos devem se comportar um em relação ao outro.
2. Devemos nos revezar para vi-
Nesse sentido, podemos compreender que ela é destinada a um
sitar-nos, e, se um de nós for
número restrito de pessoas.
correndo duas vezes à casa
Há 16 regras de convivência na lista de Esmé e Noël. A do outro, o outro deve fazer
maioria está estritamente relacionada à esfera da amizade entre a mesma coisa depois.
eles, como esta:
Para que uma regra seja
12. Cada um de nós deve dizer para o outro o que acha da aparência ou criada, é importante que ela
da maneira de agir do outro. esteja inserida em um contexto.
Caso contrário, seu conteúdo não
fará sentido.
15. Que regra não está relacionada somente ao âmbito do convívio entre
amigos? Por quê? 17. Essas duas regras demonstram
comportamentos que
existem entre a dupla e que
podem ser deduzidos. Que
comportamentos são esses?
Faz sentido eles estarem na
lista?
©Shutterstock/Mangostock

As listas têm várias facetas:


podem organizar informações
coletivas, como a catalogação
de espécies marinhas, e
também estabelecer regras para
questões pessoais e íntimas.

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 11


Uma relação de amizade,
19. A palavra “sagradas” foi usada duas vezes. Pesquise, em um dicionário, o
normalmente, é baseada em
sentido dela e anote-o no quadro. Registre também o sentido dado à palavra
confiança e em afinidades, que pelos dois amigos.
acabam por unir as pessoas. As o
io Sentido utilizad
regras a seguir mostram um o do di ci on ár am ig os
Sentid pelos
pouco desse lado da relação entre
Esmé e Noël.

3. Um nunca deve dedurar o


outro, mesmo que o RELA-
CIONAMENTO termine, e
todas as confidências devem
ser consideradas sagradas.
[...]
8. Devemos contar um para o
outro todos os nossos segre-
dos, mas não as confidências Além de revelarem a proximidade entre os amigos, as regras fazem
alheias, que devemos consi- pressupor que há um lado turbulento nessa relação.
derar sagradas.
[...] 5. No caso de briga séria, devemos refletir a respeito durante uma sema-
16. NENHUMA OUTRA PES- na ou duas antes de terminar o RELACIONAMENTO.
SOA pode participar do nos- 6. Se um de nós bater no outro, com raiva ou de brincadeira, deve per-
so RELACIONAMENTO ou mitir que o outro revide. Toda agressão deve ser punida.
dos nossos segredos.
7. Um deve defender o outro de qualquer pessoa ou coisa e apoiá-lo em
toda situação de perigo.
Nesse trecho, é possível
perceber que os dois têm
Os sentidos são construídos no
intimidade, pois trocam 20. Na regra 5, o que fica pressuposto na texto com base no que está dito e,
confidências e segredos e há expressão “No caso de briga séria”? também, no que não está dito.
cumplicidade em relação a outras Pressuposto é algo que não está
pessoas. Isso é comum em uma expresso explicitamente, mas que
pode ser deduzido com base em
amizade. alguma palavra ou expressão. O
pressuposto identificado na regra 5
ressalta o caráter tumultuado da
18. Nessas regras, algumas palavras e
amizade de Esmé e Noël.
expressões aparecem em destaque.
Qual é o efeito de sentido desses
destaques?
A regra 6 se refere a um ponto delicado dessa amizade. Se ela
aparece na lista, é porque fazia sentido para os amigos, que entendiam
como errada e inadequada qualquer forma de agressão. O trecho
“com raiva ou de brincadeira” demonstra os sentimentos envolvidos
no relacionamento deles.

21. A regra 7 mostra um comportamento contrário. Que comportamento é esse?


Como se justifica a presença dessa regra entre as outras apresentadas?

12 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
Nos dias atuais, há muitas

m
k/Rawpixel.co
formas de se criarem listas,
até mesmo pelo computador.

©Shutterstoc Como você estudou até aqui,


há outras formas de listas que
podem nos ajudar a entender
como esse gênero é constituído.
As regras entre Esmé e Noël evidenciam uma tentativa
25. Com base em seus
de preservação da amizade. Embora não saibamos detalhes,
conhecimentos de mundo,
é possível perceber, pelas regras criadas, que vários fatores
no texto de apresentação de
influenciavam o relacionamento entre os adolescentes.
Usher e na obra de Arcimboldo,
complete o quadro com outras
22. Releia as regras e escolha aquela que, em sua opinião, melhor demonstra a características do gênero textual
importância da amizade para eles. Justifique sua resposta. lista.

Apresenta título ou tema.

Talvez você já tenha visto uma lista de regras de convivência na


sala de aula ou na escola. Mas já tinha pensado em fazer uma lista de
regras de amizade?

23. Com um colega, elabore uma listaa


com pelo menos três regras de
convivência entre amigos. Para 1.
isso, sigam estas orientações:

▶ Usem verbos no infinitivo ou 2.


na 1ª. pessoa do plural (nós). Pode qualificar o assunto que é
Ao escolherem uma das for- objeto da lista.
mas, utilizem-na até o final da 3.
lista. Há separação por itens.
▶ Deem um título à lista.
▶ Se necessário, destaquem 4.
alguma palavra ou expressão.
▶ Enumerem e organizem as re-
gras em ordem de prioridade. 5. Pode conter data.

Pode apresentar assinatura.


24. Comparem sua lista com a de Esmé e Noël, escrita em 1915,
ou seja, há mais de cem anos. Existem muitas diferenças no
conteúdo das listas ou as regras de convivência entre amigos
são parecidas?

©Shutterstock/Cienpies design

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 13


você,
em estudo
Regras de acentuação I

collection
Neste capítulo, estamos discutindo um gênero textual muito

tt
tock/Evere
comum em nosso dia a dia: a lista. Antes de prosseguirmos com
essa discussão, aproveitaremos algumas passagens do texto de

©Shutters
Shaun Usher para revisar as regras de acentuação gráfica. Afinal,
para uma lista ser clara, é essencial que as palavras estejam
acentuadas corretamente. Abordaremos essas regras em dois
momentos distintos. Vamos lá?
Releia o trecho a seguir.

Desde que nós, humanos, começamos a andar pela Terra, não paramos
de criar listas de todos os tipos, com a certeza de que todas as coisas estão
sendo constantemente organizadas, priorizadas, classificadas e atualizadas
até o fim de nossos dias. Não é bom pensar nisso, mas imagino, com al-
guma relutância, que a vida num mundo sem elas seria caótica: nem uma
lista de afazeres, uma lista de compras, uma lista de desejos, um dicioná-
rio, uma lista de favoritos, uma lista de previsões, uma lista de resoluções,
uma caderneta de endereços, uma lista de conselhos, um sumário – seria monossílaba tônica
um mundo repleto de coisas confusas, transbordantes, sem propósito, sem
Chegando lá, avisarei meus pais.
identidade coletiva.
monossílaba átona

Preciso registrá-la na lista.


Perceba que, na primeira frase,
As monossílabas tônicas terminadas em a, e, o, seguidas ou não de s, “lá” (advérbio de lugar) é tônico e,
na segunda, “la” (pronome oblíquo)
recebem acento gráfico. Exemplos: lá, pés, pó.
é átono.

26. No trecho apresentado, quais palavras se encaixam nessa regra?


Fique atento
a esses
dois acentos
gráficos:
▶ agudo (vovó
)–
vogal aberta
;
▶ circunflexo
(vovô) –
Confira outra regra importante de acentuação gráfica. vogal fechad
a.

As oxítonas terminadas em a, e, o, seguidas ou não de s, em e ens são


Quando a sílaba tônica é a última,
acentuadas. Exemplos: sofás, café, bistrô, contém, parabéns. Inserem-se, dizemos que a palavra é oxítona.
nessa regra, os verbos acompanhados do pronome oblíquo lo(s) ou la(s). Exemplos: caqui, amor, dominó.
Exemplos: comprá-lo(s), vendê-lo(s), expô-lo(s).

27. No trecho lido, há uma palavra acentuada de acordo com a regra das
oxítonas. Cite-a.

14 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


UGUESA
LP
paroxítonas.
Vamos, agora, relembrar a regra das
Recebem acento gráfico as paroxí-
tonas terminadas em l, i(s), n, us, r, 28. No trecho em destaque, há três palavras paroxítonas terminadas em
x, ps, ão(s), ã(s), um (uns) e ditongos ditongo oral. Transcreva-as.
orais, seguidos ou não de s. Exemplos:
incrível, lápis, hífen, bônus, caráter, ór-
gão, órfã, álbum, hábeis, área.

São paroxítonas as palavras em que


a sílaba tônica é a penúltima. Exem-
plos: mesa, cadeira, ágil, vôlei.

s.
Existe ainda a regra das proparoxítona
Todas as proparoxítonas recebem 29. No texto em discussão, há uma palavra que corresponde a essa regra.
acento gráfico. Cite-a.
São proparoxítonas as palavras em
que a sílaba tônica é a antepenúltima.
Exemplos: lâmpada, método, cômodo.

Vamos praticar um pouco?


Releia os trechos a seguir, extraídos do texto de Shaun Usher, e resolva as questões propostas.

30. As regras que justificam a acentuação das palavras sublinhadas são,


respectivamente,
A capacidade de organizar parte a) paroxítona terminada em vel e paroxítona terminada em vio.
desse caos em listas, de tornar a
b) oxítona terminada em l e proparoxítona.
situação sustentável, pode propor-
cionar um alívio muito bem-vindo. c) paroxítona terminada em l e paroxítona terminada em ditongo oral.
d) proparoxítona e proparoxítona.

4. Todos nós somos críticos.


Classificar as coisas – da me-
lhor à pior, da maior à menor, da
31. Assinale as alternativas corretas. mais rápida à mais lenta – pode
a) As palavras “digeríveis” e “dúvida” são acentuadas pela mesma razão. ser viciante, sem dúvida porque
faz com que nos sintamos muito
b) Todas as palavras destacadas são proparoxítonas. inteligentes.
c) A palavra “digeríveis” é uma paroxítona terminada em ditongo oral. 5. O tempo é precioso. Confiando
d) As palavras “críticos”, “dúvida” e “monótonas” são acentuadas pelo um monte de informações mo-
mesmo motivo. nótonas a listas facilmente dige-
ríveis, temos mais tempo para
nos divertir e fazer listas.

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 15


32. Todas as palavras do quadro são
oxítonas. Acentue-as, quando 33. Escreva a regra que justifica por que as palavras a seguir são ou não
necessário, e exponha a regra que acentuadas, conforme o exemplo.
justifica a acentuação.
Caqui Cáqui
(fruta) (cor)
Oxítonas terminadas em i não são Paroxítonas terminadas em i são
file ali acentuadas. acentuadas.

tabu crachas Esta Está


(pronome demonstrativo) (verbo)

legal Iguaçu

civil anzol
Carimbó Carimbo
durex pure (tipo de dança) (objeto)

botox parabens

porem capaz
Publico Público
(forma verbal) (conjunto de pessoas)
sofa cipo

domino

34. Releia a regra de convivência nº. 15 entre Esmé Wynne e Noël Coward.
▶ Regra de acentuação:
15. Se nos ocorrerem outras regras, devemos acrescentá-las (com
o consentimento de ambos) no final deste documento.

▶ Justifique a acentuação da palavra em destaque.

16 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
organize
35. Leia um trecho de notícia e faça o que se pede. as ideias
https://gauchazh.clicrbs.com.br/ambiente/noticia/2020
37. Leia o título de uma notícia.
Com queda da poluição, Himalaia
volta a ser visível na Índia Nado brilhante
De acordo com relatos de moradores, vista não era possível de golfinhos cria
há 30 anos espetáculo durante
fenômeno marinho
Após a Índia impor isolamento social para sua população a fim de conter o
avanço do coronavírus, o nível de poluição caiu tanto que é possível ver o Himalaia
NADO brilhante de golfinhos cria espetáculo
a partir de cidades do norte indiano. De acordo com relatos de moradores, a vista
durante fenômeno marinho. Disponível
não era possível há algumas décadas.
em: https://g1.globo.com/olha-que-legal/
noticia/2020/05/01/nado-brilhante-de-
COM QUEDA da poluição, Himalaia volta a ser visível na Índia. Disponível em: https://gauchazh. golfinhos-cria-espetaculo-durante-fenomeno-
clicrbs.com.br/ambiente/noticia/2020/04/com-queda-da-poluicao-himalaia-volta-a-ser-visivel-na- marinho.ghtml. Acesso em: 4 maio 2020.
india-ck8u9exzn01pn01qwf6qndlvf.html. Acesso em: 4 maio 2020. Os acentos gráficos nas palavras
▶ Justifique a acentuação das palavras a seguir. “espetáculo” e “fenômeno” se
a) “visível”: justificam por serem
a) paroxítonas terminadas em o.
b) “Índia”:
b) proparoxítonas.
c) “possível”:
c) paroxítonas terminadas em
d) “há”: ditongo.
e) “Após”:
orry
f) “coronavírus”: toc
k/Iv
ers
u tt
Sh
g) “décadas”: ©

36. Organize as palavras no quadro de acordo com as regras de acentuação.

gráfico acessível bônus vê júri você

lá também reféns sonâmbulo ágil cortá-los

lâmpada sapé lê hífen bíceps

As monossílabas tônicas terminadas em a, e, o,


seguidas ou não de s, são acentuadas.

As oxítonas terminadas em a, e, o, seguidas ou


não de s, em e ens são acentuadas.

As paroxítonas terminadas em l, i(s), n, us, r,


x, ps, ão(s), ã(s), um (uns) e ditongos orais,
seguidos ou não de s, são acentuadas.

Todas as proparoxítonas são acentuadas.

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 17


você,
v
mais
m leitor
Outras listas: simplicidade aparente
Você já viu alguns exemplos de listas e suas características. Percebeu que há muitas possibilidades de
criação, incluindo listas figurativas, como a do quadro de Arcimboldo. Agora, você vai estudar outros
tipos de listas.

Listas poéticas
Agora, você vai ter contato com um texto diferente dos anteriores, mas a lista está nele também.
Reúna-se com um colega e leia um trecho de O livro do travesseiro, de Sei Shônagon.
©Editora 34

Sei Shônagon (966-1020) é autora


de uma das obras clássicas da cultura japone-
sa. O livro do travesseiro (não se conhece, ao
certo, a origem do nome da obra) é um texto
importante para se compreender o contexto e a
cultura japonesa do século X. Como Shônagon
foi uma dama da corte de Teishi – esposa do
imperador Ichijô –, há, em seu livro, a descrição
tanto de hábitos cotidianos e interações sociais
na corte imperial japonesa quanto de fenôme-
nos da natureza.
O que se sabe com relação à escrita do livro
é que o imperador recebeu de presente papéis –
um artigo de luxo na época. Parte deles foi en-
tregue a membros da corte para escreverem a
história do Império Japonês. Os papéis que so-
braram foram dados pela imperatriz a Shônagon.
gon.

38. Após a leitura do trecho, discuta as questões com


seu colega.
a) Qual é o assunto do texto?

b) A característica principal da linguagem é a


objetividade ou a subjetividade? Explique sua
resposta.

c) Qual é sua primeira impressão sobre esse


texto?
SHÔNAGON, Sei. O livro do travesseiro. Tradução de Geny Wakisaka, Junko Ota,
Lica Hashimoto, Luiza N. Yoshida e Madalena H. Cordaro. São Paulo: Editora 34,
2013. p. 45.

18 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
Na leitura do texto de Sei Cada parágrafo se refere a uma estação do ano, e todos se iniciam
Shônagon, uma característica com a mesma construção:
que salta aos olhos é a presença contração (preposição e artigo) + estação do ano + vírgula + período do dia
de elementos descritivos. A “Da primavera, o amanhecer.”
autora se esmera na descrição O uso de uma mesma estrutura
“Do verão, a noite.”
das estações do ano, construindo frasal é chamado de paralelismo,
imagens relacionadas a cada “Do outono, o entardecer.”
que, nesse caso, tem um efeito de
uma. “Do inverno, o despertar.” sentido: elencar/apresentar as es-
tações do ano, comparando-as a
momentos do dia.
Da primavera, o amanhe-
cer. É quando palmo a palmo
vão se definindo as esmaecidas
40. Após reler os quatro parágrafos, que sentido pode ser atribuído às contrações
linhas das montanhas e no céu
arroxeado tremulam delicadas
que iniciam as frases?
nuvens. a) Sentido de assunto, correspondendo à expressão a respeito de.
b) Sentido de início, correspondendo à expressão a partir de.
c) Sentido de posse, correspondendo à expressão pertencente a.
39. Com base nesse trecho, que 41. Nessas orações, a vírgula tem um uso específico para a construção de sentido.
imagem a autora apresenta para Que uso é esse?
descrever a primavera?

Como vimos, as orações não seguem uma estrutura convencional,


ou seja, sujeito + verbo + objeto/complemento.

42. Ao que mais cada estação do ano pode ser comparada? Use a criatividade e
construa frases comparando cada estação com um elemento de sua escolha.
Utilize o paralelismo na estrutura delas.

Primavera

A autora se vale do mesmo


recurso para descrever as Verão
demais estações do ano,
associando-as a um momento
do dia, de acordo com suas Outono
características (luminosidade,
cores, comportamento
de animais, temperatura, Inverno
elementos da natureza, etc.).
Os textos são sintéticos,
já que a ideia não é trazer
uma descrição minuciosa das O texto de Sei Shônagon pode ser considerado uma lista, já que
estações do ano, mas criar uma abarca elementos de uma mesma categoria – as estações do ano –,
ambientação que as defina em as quais aparecem em ordem (embora não haja uma numeração,
sua essência. existe uma ordenação das informações) e com uma descrição que
segue a mesma lógica.
4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 19
Visto que uma lista cita e Agora, vamos voltar ao texto
Lista poética ou literária é um
organiza informações sobre texto em que a ideia principal é dada de Shônagon. No parágrafo
um mesmo assunto, podemos pela categorização de determinado a respeito do verão, a autora
considerar o texto de Sei assunto citado/referenciado pelo autor. associa a estação às noites em
A estética do texto, ou seja, o modo
Shônagon uma lista, nesse caso, como é construído, tem relação com
que vaga-lumes tomam conta do
poética. o fato de apresentar características céu e faz menção à chuva, que
literárias. é bem-vinda, já que refresca o
Assim como na pintura de
Arcimboldo, há um elemento ambiente. Releia o trecho.
artístico na construção do texto referem a uma visão particular
literário, mas sua essência é uma e subjetiva de um fato, podendo Do verão, a noite. Em
categorização, uma ordenação, haver outras comparações. especial, os tempos de luar,
ou seja, uma lista. Neste, há O efeito que o texto provoca mas também as trevas, de
uma lista poética ou literária e, no leitor vale mais do que o vaga-lumes entrecruzando-
naquela, uma lista figurativa. conteúdo. -se em profusão. Ou então,
A lista de Esmé e Noël, Na história da literatura os solitários ou mesmo
vista anteriormente, pode ser ocidental, uma das obras mais em pares que seguem com
classificada como objetiva antigas é a Ilíada, de Homero. brilhos fugazes. A chuva
e prática, uma vez que seu Nesse poema, que narra a Guerra também é igualmente bela.
conteúdo é construído com de Troia – empreendida entre
o intuito de ela ser seguida à gregos e troianos após o rapto de
risca. Já a lista de Sei Shônagon Helena –, há uma parte inteira
dedicada a listar os homens que 43. Nesse trecho, há a descrição de
é para ser contemplada,
uma noite de verão. O que se
apreciada, artisticamente. Como lutaram nessa guerra. Pode ser
busca ressaltar?
construção literária, há fruição considerada a primeira lista
e a possibilidade de análise poética de que se tem notícia.
do conteúdo e dos elementos
estéticos que apresenta. No
entanto, as informações se A literatura estuda as obras e
os autores que, por vários mo-
©Folhapres
s tivos, tornaram-se relevantes e
figuram no cânone literário, o
qual é uma espécie de lista.

Perceba que, tanto nas


listas literárias quanto nas
figurativas, são inúmeras as
possibilidades de associações e
criações.

Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.


Uma biblioteca pode ser entendida como
uma forma de lista, de organização de
informações.

20 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Listas e coleções

LP
Há listas que têm como

bert przybysz
objetivo a apresentação de tarefas
que devem ser realizadas. Outras

Ro
©Shutterstock/
simplesmente catalogam seres,
objetos, atividades, etc. Essas
listas podem se apresentar de
maneiras diferentes, como em
coleções. É possível fazer coleção
dos mais diversos itens, como
selos, moedas, ingressos, peças
de roupa, figurinhas e objetos em
geral. Uma coleção – como essa, de minerais – é
Os vários tipos de listas uma forma de lista, a qual revela os gostos e
interesses pessoais do colecionador.
atendem a diferentes funções:

▶ orientar pensamentos e ações ▶ organizar elementos (como ca- ▶ organizar e atualizar uma infor-
(como as listas de desejos ou tálogos ou livros sobre espécies mação (como as listas de livros
previsões, que não são coisas de plantas, animais ou outra ca- já lidos);
concretas); tegoria); ▶ organizar informações de caráter
▶ orientar atividades (como as lis- ▶ classificar (como as listas de artístico (como as listas presen-
tas de compras ou de atividades aprovados em concursos); tes nas obras literárias e nas pin-
que precisam ser feitas); ▶ organizar atividades (como as turas).
listas de divisão de tarefas);

44. Você é um colecionador? Se sim,


conte aos colegas o que coleciona 45. Com base no que estudou, organize uma lista de tipos de lista. Anote todas
e por quê. Se não, diga a eles as possibilidades que vierem a sua cabeça, desde as listas que trabalhamos
o que gostaria de colecionar e no capítulo, passando por aquelas que fazem parte de nosso cotidiano, até as
explique o motivo. muito específicas.

46. No início do capítulo, solicitamos a você que definisse o que é uma lista.
Agora, depois de observar várias possibilidades de construção de listas,
como você definiria esse gênero textual?
ks
sto
dio
Stu
ck/
sto
r
tte
hu
©S

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 21


organize
as ideias 50. No prefácio do livro A vertigem das listas, Umberto Eco justifica seus estudos
sobre listas.
47. De acordo com Shaun Usher, a
principal função das listas é [...] Por que esta ideia me entre as listas medievais e o mo-
a) selecionar informações. veio à mente? delo de lista por excelência, ou
b) informar dados genéricos. Se alguém resolvesse ler um seja, o catálogo dos navios na
de meus romances, veria que Ilíada de Homero, que, de fato,
c) organizar o caos. é o ponto de partida deste livro.
neles abundam as listas, e as ori-
d) narrar um assunto. gens desta predileção são duas, [...]
e) dissertar sobre um assunto. ambas devidas a meus estudos Os poucos livros dedicados
juvenis: certos textos medievais à poética da lista se limitam
e muitos textos joycianos (não prudentemente às listas verbais,
48. Usher afirma que uma das
se pode negligenciar as influên- pois é árduo explicar de que
funções da lista está relacionada
cias de ritos e textos da Idade maneira um quadro pode apre-
ao fato de o ser humano gostar
Média na formação do jovem sentar coisas e ao mesmo tem-
de se sentir inteligente. Qual é Joyce). Contudo, das ladainhas po sugerir um “et cetera”, como
a relação das listas com esse até as listas das coisas contidas quem admite que os limites da
sentimento? na gaveta da cozinha de Leopold moldura o obrigaram a calar um
Bloom, no penúltimo capítu- resto imenso. Minha pesquisa
lo do Ulisses, um bom número devia servir também para mos-
de séculos se passa, assim como trar coisas, seja no Louvre, seja
muitos também se passaram num volume como este. [...]

ECO, Umberto. Prefácio. In: ECO, Umberto. A vertigem das listas. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de
Janeiro: Record, 2010. p. 7.
a) Nesse trecho, Eco se refere tanto à lista poética quanto à figurativa. O
autor menciona duas obras que contêm listas poéticas. Complete o quadro
identificando-as.
49. Usher afirma que as listas
podem ser divididas em quatro
Obra Autor Exemplo de lista
tipos. Cite-os e dê um exemplo
de cada um.

b) De acordo com o escritor, qual é a dificuldade do reconhecimento de listas


figurativas?

Agora, você pode fazer as atividades 86 e 87 da seção Foco no Enem.

22 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Teste seus conhecimentos
você,

LP
com o Jogo da acentuação

em estudo Acentuam-se o i ou o u nas seguintes


situações:
Atenção: a
Regras de I. quando é a segunda vogal tônica do hiato; ao formar h
vogal u,
iato,
acentuação II II. quando está sozinho na sílaba ou seguido
de s;
não recebe
gráfico quan
acento
do
Vamos relembrar mais está depois
III. quando não é seguido de nh. de
ditongo. E
algumas regras de acentuação. xemplo:
Exemplos: as palavras saída, saíste e balaús- feiura.
No decorrer dos estudos, tre são acentuadas, mas rainha e tainha não.
revisaremos também alguns
aspectos do Novo Acordo
Ortográfico da Língua 52. Leia um trecho de notícia que apresenta uma lista de alimentos que fazem bem
Portuguesa, que passou a à saúde.
vigorar no Brasil em 2009. Para
refletir sobre esses aspectos,
leia a lista dos nove estados do Hora de aumentar a energia:
Nordeste e suas capitais. 15 alimentos que ajudam a dar
disposição
Alagoas (AL) – Maceió
Postado por Gympass – Nutrição
Bahia (BA) – Salvador
Ceará (CE) – Fortaleza
De vez em quando, é normal restante do país sob a forma de
Maranhão (MA) – São Luís se sentir cansado em meio à cor- pó. Poderoso estimulante natu-
Paraíba (PB) – João Pessoa reria do dia a dia. A boa notícia ral (fonte de cafeína), o guaraná
Piauí (PI) – Teresina é que alguns hábitos podem aju- pode ser adicionado a sucos e
dar a ter mais disposição, como vitaminas para manter o estado
Pernambuco (PE) – Recife
se alimentar corretamente, dor- de alerta, reduzir o esgotamen-
Rio Grande do Norte (RN) – Natal mir bem e praticar atividades fí- to físico e melhorar a disposi-
Sergipe (SE) – Aracaju sicas regulares. Com uma rotina ção.
saudável, fica muito mais fácil
3. Açaí
encarar a jornada diária e ainda
ter pique para sair e se divertir! Outro fruto típico da região
51. Transcreva as palavras em que o Norte, o açaí se popularizou
i é acentuado e forma hiato. Quer saber quais são os ali-
pelos estados mais ao sul sob a
mentos que ajudam a aumen-
forma de creme. Rico em car-
tar a energia? Confira 15 boas
sugestões: boidratos (que dão energia),
antioxidantes (que retardam
1. Banana o envelhecimento) e gorduras
[...] insaturadas (benéficas ao cora-
2. Guaraná ção), também se destaca por ser
A fruta da região Norte fonte de vitaminas C, B1 e B2.
costuma ser encontrada no [...]

Quando dois sons vocálicos se


HORA de aumentar a energia: 15 alimentos que ajudam a dar disposição. Disponível em: <https://
encontram e são pronunciados em
sílabas diferentes, ocorre o hiato. news.gympass.com/aumentar-a-energia-alimentos/>. Acesso em: 4 maio 2020.
Exemplos: ruído, saúde, sabiá.
▶ Quais são as palavras desse trecho cuja acentuação pode ser justificada pela
regra registrada anteriormente?
Com base nessa explicação,
podemos registrar a regra de
acentuação dos hiatos.

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 23


A próxima regra de
Ocorre ditongo quando
acentuação que estudaremos é a duas vogais se encontram
dos ditongos abertos. na mesma sílaba. Exem-
plos: amarei, fiéis, cantou.
Quanto à pronúncia,
São acentuados os diton- podem ser abertos, como em pastéis,
gos abertos ei, eu e oi em ou fechados, como em seu.
monossílabas e em oxítonas.
Exemplos: céu, constrói, anéis.
éis.

53. Leia a tirinha a seguir.

©Orlandeli
ORLANDELI, Walmir A. Grump. Disponível em: http://www.orlandeli.com.br/novo/wordpress/index.php/category/grump/. Acesso em: 5 maio 2020.

a) A tira faz referência ao Novo Acordo Ortográfico da b) Correspondem a essa regra as palavras
Língua Portuguesa. Transcreva a regra mencionada ( ) jiboia. ( ) seis.
nesse texto.
( ) foi. ( ) pincel.
( ) meu. ( ) ideia.

54. Leia um trecho de notícia e resolva a questão.


55. Pesquise, em jornais, revistas
https://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/ ou outras fontes, palavras com
ditongos abertos acentuados e não
Asteroide de 2 km de comprimento acentuados.

passa próximo da Terra Palavras com ditongos abertos


acentuados
O asteroide 1998 OR2 passou próximo da Terra na manhã desta quar-
ta-feira (29). A rocha espacial tem dois quilômetros de comprimento e che-
gou a uma distância de 6,3 milhões de quilômetros, mais de 16 vezes a
distância de uma viagem até a Lua.

ASTEROIDE de 2 km de comprimento passa próximo da Terra. Disponível em: https://


noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/asteroide-de-2-km-de-comprimento-passa-
proximo-da-terra-29042020. Acesso em: 5 maio 2020. Palavras com ditongos abertos
▶ A palavra “asteroide” não acentuados
a) está grafada incorretamente, pois falta o acento gráfico.
b) contém um hiato.
c) contém um ditongo aberto.
d) não recebe mais acento gráfico em razão da reforma ortográfica.

24 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


A próxima regra que revisaremos é a de E quanto aos derivados dos verbos ter e vir?

LP
acentuação dos verbos ter e vir. Veja como fica a acentuação dessas formas verbais.
Leia os títulos de notícia para iniciarmos a
discussão.
Nos derivados dos verbos ter e vir, acentua-se,
com acento agudo, a 3ª. pessoa do singular do pre-
Para não perder jovens destaques, Atlético
sente do indicativo e, com acento circunflexo, a 3ª.
tem observador especialista em áreas de pessoa do plural.
vulnerabilidade social

KAISER, Túlio. Para não perder jovens destaques, Atlético tem observador
especialista em áreas de vulnerabilidade social. Disponível em: https://www.
57. Considerando essa regra, complete as frases com verbos
mg.superesportes.com.br/app/noticias/futebol/atletico-mg/2020/04/04/
no presente do indicativo.
noticia_atletico_mg,3843271/atletico-tem-olheiro-especialista-em-areas-de-
vulnerabilidade-social.shtml. Acesso em: 5 maio 2020.
Derivados de ter
Ele o Eles
Ao menos 40 países têm casos confirmados Manter
foco nos estudos. o foco nos estudos.
de coronavírus, incluindo a China
O livro Os livros
Conter exercícios de exercícios de
AO MENOS 40 países têm casos confirmados de coronavírus, incluindo
matemática. matemática.
a China. Disponível em: https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/
noticia/2020/02/26/ao-menos-40-paises-tem-casos-confirmados-de- O juiz Os juízes
coronavirus-incluindo-a-china.ghtml. Acesso em: 5 maio 2020. Deter o conhecimento da o conhecimento da
lei. lei.

Vem aí o novo serviço de streaming do...


Derivados de vir
Walmart
Ele Eles
Intervir
nas atitudes do irmão. nas atitudes do irmão.
VEM aí o novo serviço de streaming do... Walmart. Disponível em: https://
www.copeltelecom.com/site/blog/vem-ai-o-novo-servico-de-streaming-do-
Esta palavra Estas palavras
walmart/. Acesso em: 5 maio 2020. Advir
do latim. do latim.

A informação As informações
Empresas vêm apostando nas webséries Convir fornecida não me fornecidas não me
como educação corporativa . .

EMPRESAS vêm apostando nas webséries como educação corporativa.


Disponível em: https://canaltech.com.br/software/learningflix-empresas- Fique atento também aos acentos
vem-apostando-nas-webseries-como-educacao-corporativa-160548/. diferenciais.
Acesso em: 5 maio 2020.
Por/pôr
I. Por (preposição): Vamos por este
56. Considerando o sujeito de cada um dos verbos em caminho.
destaque, a que conclusão se pode chegar a respeito II. Pôr (verbo): É importante pôr or-
da acentuação dos verbos ter e vir? dem neste quarto!
Pode/pôde
I. Pode (verbo no presente): Quem
pode me ajudar agora?
II. Pôde (verbo no passado): Por que
você não pôde chegar mais cedo
ontem?

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 25


organize
as ideias 59. Leia a manchete a seguir e explique
58. Leia as manchetes e justifique a acentuação das palavras destacadas. por que a palavra “ideia” não recebe
acento gráfico.

Corinthians doa mais de 50 pares Sport adota ideia de “jogo


imaginário” vendendo
de chuteiras aos jogadores do ingressos para duelo de
Paranavaí times de 87 e 2008

CORINTHIANS doa mais de 50 pares de chuteiras aos jogadores do Paranavaí. Disponível em: SPORT adota ideia de “jogo imaginário”
https://globoesporte.globo.com/pr/futebol/noticia/corinthians-doa-mais-de-50-pares-de-chuteiras- vendendo ingressos para duelo de times de
aos-jogadores-do-paranavai.ghtml. Acesso em: 5 maio 2020. 87 e 2008. Disponível em: https://www.uol.
com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/
lancepress/2020/04/24/sport-adota-ideia-de-
jogo-imaginario-vendendo-ingressos-para-
duelo-de-times-de-87-e-2008.htm. Acesso em:
26 maio 2020.

Moura: máscaras para proteção


dos profissionais de saúde e da 60. A respeito da acentuação das
população formas verbais, assinale a
alternativa correta e justifique sua
opção.
MOURA: máscaras para proteção dos profissionais de saúde e da população. Disponível em:
https://liderancacomvalores.com.br/coronavirus-moura-mascaras-protecao-profissionais-saude/. a) Estes alimentos contém muita
Acesso em: 6 maio 2020. gordura.
b) Estes alimentos contêm muita
gordura.

Museu do Esporte expõe centenas


de troféus de atletas de Campinas 61. Acentue as palavras quando
necessário.
a) Na semana passada, Jorge não
MUSEU do Esporte expõe centenas de troféus de atletas de Campinas. Disponível em: https://
pode estar presente na reunião.
www.acidadeon.com/campinas/NOT,0,0,1401789,museu+do+esporte+expoe+centenas+de+trofeu
s+de+atletas+de+campinas.aspx. Acesso em: 6 maio 2020. b) Você pode me explicar o que
está acontecendo?
c) Podemos por o sofá neste
canto da sala.
d) Por quais cidades você passou
durante a viagem?

Agora, você pode fazer as atividades 88 a 94


da seção Foco no Enem.
26 LGG LÍNGUA PORTUGUESA
LP
você, escritor
b) Que critério será adotado para
Listaa top
Lis op 10 a elaboração da lista? Ele tem
por base sua opinião pessoal
quir
©Shutte
rstock/A ou pesquisas?
As dez séries mais vistas na história.
As dez melhores músicas do século.
Os dez melhores filmes do ano. Enfim,
são muitos os temas que podem
figurar nessas listas.
c) O que será preciso colocar em
Neste capítulo, vimos várias maneiras de se fazer uma lista, tanto prática para a construção da
verbal quanto figurativa. lista?

Um tipo de lista muito comum são “os (as) 10 mais”, que trazem,
por exemplo, os dez livros mais lidos no ano ou as dez músicas
mais ouvidas no mês. O tema dessa lista vai depender das áreas de
interesse de quem a elabora.
Para a construção de uma lista dessas, há duas possibilidades:

1. Listas criadas com base na opinião pessoal. Há listas que despertam Após definir o tema e
o interesse do leitor somente em razão de quem as elaborou, ou seja,
verificar o que é necessário para
as pessoas se interessam pela opinião expressa por seus autores. Por
exemplo: o leitor quer saber quais são os dez melhores filmes na opi- a elaboração da lista, comece a
nião de determinado cineasta. esboçá-la. Caso tenha optado por
2. Listas criadas com base em pesquisas. Por exemplo: pessoas que
uma lista pessoal, em que seu
entendem de futebol respondem quem são os dez melhores jogadores gosto e seu conhecimento serão
da última década. Após a análise de todas as listas, uma nova é criada os norteadores da seleção e da
com os jogadores mais citados. Outro exemplo: pesquisar os núme- classificação dos itens, lembre-se
ros de venda de determinado jogo eletrônico e criar uma lista dos dez de considerar os motivos que o
games mais vendidos no ano. levaram a essa escolha.

Preparação
64. Registre, no espaço a seguir, os
Este é o momento de planejar sua lista. Para determinar os itens que constarão em sua lista
itens que aparecerão entre “os (as) 10 mais”, é preciso critério. final.
Após a escolha desse critério, a lista pode ser criada, mantendo-se
sempre uma coerência.

62. Para ter uma melhor ideia de como essas listas são construídas,
pesquise listas, na estrutura “os (as) 10 mais”, sobre assuntos de seu
interesse. Anote as informações que achar pertinentes e que possam
ajudá-lo na escolha de um tema e na elaboração de sua lista.

63. Para a criação de sua lista, é preciso responder às seguintes questões:


a) Que tema será objeto de sua lista?

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 27


©Shutterstock/Moomsabuy
Produção

65.. Fe
65 Feit eitito o ppllaanneejjaam
meennto
to da lliisstta,
a,
eellaabboorre a pprrim meeiira
ra versã
eerrssãão de
de seueu
tteexxttoo.. Para
ara issssoo,
ar

▶ faça quantos rascunhos


forem necessários;
▶ anote os motivos que o le-
varam a escolher determi-
nados itens da lista (isso
será fundamental para o
texto de apresentação);
▶ não hesite em alterar a or-
dem dos itens, caso haja
necessidade.

Avaliação
66. Escreva um breve texto de 69. Avalie a primeira versão de seu texto.
apresentação (um ou dois
parágrafos). Não é necessário
Critérios de avaliação Sim Não
explicar toda a lista, mas as ideias
gerais de composição, escolha A etapa de preparação foi devidamente cumprida?
e justificativa do que nela consta
precisam aparecer. Lembre-se de O título é coerente com o assunto da lista?
explicitar o tema de sua lista e os
Há um texto de apresentação evidenciando o conteúdo da
critérios de seleção. Caso algo
lista?
destoe da lista como um todo, mas
faça sentido para você, é essencial A linguagem desse texto é clara?
apresentar uma explicação.
A lista apresenta dez itens?
67. Fique atento aos elementos
obrigatórios de sua produção: Foi inserida uma imagem na lista?

Foi feita uma revisão textual visando-se, entre outros


▶ título;
aspectos, à correção ortográfica e à gramatical?
▶ texto de apresentação;
▶ a lista propriamente dita, em
ordem do mais para o menos 70. Após essa avaliação, faça os ajustes necessários e elabore a versão definitiva de
importante, com dez itens. seu texto.
71. Exponha seu texto no mural da sala, para que possa ser lido pelos colegas.
68. Insira uma ilustração ou outra imagem 72. Leia os textos dos colegas e compare-os com o seu. Se alguém abordou a
que remeta ao assunto de sua lista. mesma temática que você, verifique se o critério adotado foi o mesmo.
Se quiser, faça uma colagem com 73. Discuta com os colegas as produções, ressaltando o que observaram de mais
imagens relacionadas ao tema. interessante nesses textos.

28 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
você, falante
Preparação

Relato pessoal na 74. Reflita sobre os fatos marcantes de sua vida.


forma de lista ▶ Anote tudo o que vier a sua cabeça.
As listas lidas e elaboradas ▶ No início, talvez seja um pouco difícil, mas, depois de registrar alguns
até aqui foram criadas para itens, é possível que outras ideias comecem a surgir.
a leitura. Agora, a ideia é
▶ Converse com dois colegas e observe o que anotaram. Compare sua
elaborar uma lista para ser lista com as deles, pois, assim, outras ideias podem surgir.
ouvida.
▶ Converse também com amigos e familiares a respeito dessa lista. É
Mas sobre o que você possível que eles se lembrem de momentos que passaram juntos e que
vai falar? Você deve relatar podem entrar na lista.
pelo menos três momentos ▶ Lembre-se: a lista é sua. Seus amigos ou familiares podem ajudá-lo a
marcantes de sua vida. construí-la, mas é você quem decide o que vai constar nela.

Marcante, como o nome diz, é algo


que causa uma marca, ou seja, que se
75. Considerando os momentos relembrados, anote, de forma sucinta, três deles.
sobressai, que se destaca.
Você pode se perguntar: Sobre que
momentos devo falar? Não escolha
momentos de sua vida que sejam par-
Momento 1:
ticulares e possam causar constrangi-
mento a você, aos colegas ou a outras
pessoas de seu convívio. Não precisa
ser um acontecimento extraordinário.
Podem ser fatos corriqueiros ou
divertidos, mas que ficaram gravados
em sua memória, por exemplo,
quando você tirou nota alta em uma
matéria em que tinha dificuldade, Momento 2:
quando ganhou um presente que de-
sejava muito ou quando ganhou uma
lembrança com significado especial.

Momento 3:

O dia em que você ganhou


76. Elenque esses momentos em ordem crescente de importância, ou seja,
um animal de estimação do menos para o mais marcante.
pode ter sido um momento 77. Selecione fotos que ilustrem esses momentos. Se não tiver foto de
marcante de sua vida. algum, pesquise na internet imagens que, de alguma maneira, estejam
relacionadas a ele. Por exemplo: caso um momento marcante tenha
hot
/Pixel-s

sido a ida ao cinema para assistir a determinado filme, uma imagem


de seu cartaz ou de uma cena pode servir.
erstock
©Shutt

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 29


Leia algumas dicas para sua apresentação.

©Shutterstock/Mentatdgt
Entonação: nem voz muito baixa nem muito
alta. Verifique se todos o estão escutando.
Module sua voz de acordo com aquilo que está
sendo dito. Faça pausas em momentos do
relato que precisem de um suspense.

Postura: nem tenso nem relaxado


demais. Posicione-se em um
Gestual: nem estático, como se local em que toda a turma possa
fosse um robô, nem muito agitado, vê-lo e você possa olhar para
a ponto de desviar a atenção da todos. Ficar um pouco nervoso
plateia para seus gestos, em vez é natural, mas, se você se
de sua fala. Use gestos comedidos sentir confiante com relação ao
para enfatizar o que está sendo dito. que vai falar (por isso, treinou
bastante), isso vai se refletir em
sua postura.

78. Sua apresentação não deve durar mais de cinco minutos. É importante não 84. Registre as principais dificuldades
extrapolar o tempo, para que todos consigam fazer suas apresentações. e facilidades percebidas durante a
79. Divida sua fala em apresentação.
▶ apresentação: cumprimento à turma e apresentação oral do conteúdo, de Dificuldades
forma sintética;
▶ desenvolvimento: relato dos três momentos;
▶ conclusão: finalização da fala e despedida.
80. Treine sua apresentação. Se possível, use o celular para gravá-la. Além de sua
fala, analise sua postura, seu tom de voz e se há vícios de linguagem, como
cacoetes (daí, né, então, tipo). Ensaie várias vezes, até ter certeza de que a Facilidades
apresentação esteja adequada.

Produção
81. No dia previamente marcado pelo professor, faça sua apresentação.
82. Ouça com atenção e respeito os relatos dos colegas.
Avaliação 85. O que você poderia ter feito
melhor?
83. Avalie sua apresentação.
Critérios de avaliação Sim Não
Você se preparou para a apresentação?
Sua fala foi dividida em três partes: apresentação,
desenvolvimento e conclusão?
Relatou pelo menos três momentos marcantes de sua vida?
Elencou esses momentos em ordem crescente de importância?
Durante o relato, adotou postura, gestual e entonação adequados?
Respeitou o tempo estipulado para a apresentação (máximo de
cinco minutos)?
Ouviu com atenção e respeito os relatos dos colegas?

30 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


foco no

LP
enem 88. (IFSULDEMINAS – MG) Assinale a
alternativa em que todas as palavras
86. Analise as obras de arte a seguir. sejam acentuadas pela mesma razão que
a) Assinale aquelas que podem ser consideradas listas o vocábulo DOMÉSTICA.
figurativas. a) salário, ônibus, gratuíto, cárcere.
©Wikimedia Commons

I. b) dependência, eloquência, divergência, secretária.


c) aríete, ibérica, asiáticos, gramática.
d) árvore, saúde, esquipáticas, heroína.
VINCI, Leonardo da. Monalisa. 1506. 89. (UCPEL – RS) Das opções que seguem, a que está
Original de arte, óleo sobre madeira, correta, segundo as regras de acentuação, é:
77 × 53 cm. Museu do Louvre, Paris,
a) Repercussão e sindicância estão acentuadas, pois
França.
são paroxítonas terminadas em ditongo.
II.
©Wikimedia Commons

PANNINI, Giovanni P. b) Receituário é uma oxítona acentuada, pois termina


Galeria com vistas de com -o, enquanto lê é uma monossílaba tônica, por
Roma moderna. 1759. isso está acentuada.
1 óleo sobre tela, color.,
c) Após e lê estão acentuadas, pois são paroxítona e
231 × 303 cm. Museu do
monossílaba, respectivamente.
Louvre, Paris, França.
d) Funcionárias e receituário são acentuadas porque
©Shutterstock/Yuliia myroniuk

III. se enquadram na mesma regra; neste caso, as duas


podem ser consideradas paroxítonas.
RODIN, Auguste. O e) Médico, público e clínico estão acentuadas por
pensador. 1 escultura em serem proparoxítonas, em que o acento agudo se
bronze. Museu do Louvre,
apresenta sobre a semivogal.
Paris, França.
(IFMT) O texto abaixo serve de base para
IV.
©Shutterstock/Vladimir korostyshevskiy

responder à questão 90.

Detalhe do sarcófago
da Batalha de Ludovisi.
Escultura da Roma Antiga.

b) Explique a presença da lista nas imagens


assinaladas.

(Fonte: http://terrainteressados. (Fonte: https://brasilbomdeboca.wordpress)


blogspot.com.br/20 11/06/
questoes-de-seguranca-
publica-na.html)

87. Relacione as colunas de acordo com as funcionalidades I. Na palavra Piauí, a vogal “i” é acentuada, pois está em
das listas. posição final na palavra, formando hiato com a vogal
( a ) Lista de desejos ( ) Lista classificatória anterior e, pelas mesmas razões, a palavra raiz deveria ser
acentuada.
( b ) Lista de afazeres ( ) Lista subjetiva
II. Na palavra raiz, a vogal não é acentuada graficamente,
( c ) Sumário ( ) Lista de organização
pois é acompanhada pela letra “z” na mesma sílaba.
( d ) Lista dos mais vendidos ( ) Lista objetiva
III. No plural da palavra raiz, porém, a vogal “i” deve receber
( e ) Lista de compras ( ) Lista de prioridades acento agudo, pois permanece isolada na sílaba.

4. LISTAS: O MUNDO EM UMA FOLHA DE PAPEL LGG 31


90. Em relação ao texto, está correto o que se afirma acima Dentre as opções que seguem, assinale a alternativa em
em: que a acentuação gráfica das palavras do texto obedece a
a) I, somente. uma regra comum.
b) II e III, somente. a) Mútuo, exercício e política.
c) I, II e III. b) Solidária, também e é.
d) I e III, somente. c) Intrínseca, exercício e solidária.
e) I e II, somente. d) Exercício, solidária e política.
91. (UECE) A palavra acentuada pela mesma e) Diálogo, política e intrínseca.
razão da destacada no trecho “e dessa (FAG – GO) A questão 94 tem como referência
submissão e cegueira tira a sua única a charge abaixo:
felicidade” é
a) respeitável. c) público.
b) lê. d) remédio.

(IFMT) O texto abaixo serve de base para


responder à questão 92.

Disponível em: http://blog1.educacional.com.br/glaucegrar.


94. Em relação à acentuação gráfica do vocábulo varêia,
empregado com tal grafia de maneira intencional pelo autor
da charge, para que não houvesse confusão em relação à
sua pronúncia e significação, é correto afirmar que:
92. A mesma regra de acentuação gráfica para o substantivo
“latifúndio” é usada para grafar a palavra: a) está de acordo com as regras de acentuação gráfica
da Língua Portuguesa, pois se trata de uma oxítona
a) Lâmpada. d) Angústia.
composta por ditongo aberto seguido de hiato,
b) Suíte. e) Açaí. portanto deve ser acentuada.
c) Herói. b) não está de acordo com as regras de acentuação
93. (PUCPR) Leia o fragmento do texto a seguir. gráfica da Língua Portuguesa, pois o Acordo
Ortográfico que está em vigor extinguiu o acento
A democracia é um regime de governo e também gráfico das oxítonas compostas por ditongo aberto
um “modo de vida” que se orienta pelo respeito mú- seguido de hiato.
tuo, pelo diálogo e pela participação solidária em c) não está de acordo com as regras de acentuação
prol do bem comum, em todas as relações sociais gráfica da Língua Portuguesa, pois se trata de uma
cotidianas. O exercício da política, no sentido aqui paroxítona composta por ditongo fechado seguido de
adotado, é parte intrínseca da vida de todas as pes- hiato, a qual não se deve acentuar.
soas. Assim, ela implica não só o diálogo, mas a to- d) está de acordo com as regras de acentuação gráfica
mada de decisões por parte de comunidades. Fazer da Língua Portuguesa, pois se trata de uma palavra
política em uma democracia é um modo prazeroso
proparoxítona, e todas as palavras proparoxítonas
(embora demande trabalho) de resolver problemas,
devem ser acentuadas.
em que o processo é valorizado tanto quanto os efe-
tivos resultados. e) não está de acordo com as regras de acentuação
gráfica da Língua Portuguesa, pois se trata de uma
palavra proparoxítona e, de acordo com as regras de
Disponível em: <https://respeitarepreciso.org.br/apresentacao- acentuação em vigor, as palavras proparoxítonas não
democracia-na-scola/>. Acesso em: 31/07/2019. são acentuadas.

32 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


5

LP
Relato autobiográfico:
Re
R
autor de sua história
OBJETIVOS DO CAPÍTULO
5
▶ Relacionar a autobiografia com suas
condições de produção e recepção.
▶ Perceber a composicionalidade desse
gênero.
▶ Analisar efeitos de sentido de usos
expressivos da linguagem.
▶ Reconhecer interesses e perspectivas
de mundo nos discursos.
▶ Identificar e analisar marcas que
expressem a posição do enunciador
frente àquilo que é dito.
▶ Elaborar um relato pessoal.
▶ Produzir um videocurrículo.
Marcos Guilherme. 2020. Digital.

▶ Reconhecer substantivos e adjetivos e


analisar suas funções e seus sentidos.
Relato autobiográfico:
R
autor de sua história

Como diz Alain Robbe-Grillet, “o advento do romance moderno O trecho a seguir relata o
está ligado precisamente a esta descoberta: o real é descontínuo, momento em que Malala, ainda
formado de elementos justapostos sem razão, todos eles únicos e hospitalizada, descobre como
tanto mais difíceis de serem apreendidos porque surgem de modo
incessantemente imprevisto, fora de propósito, aleatório”.
pessoas de diferentes partes
do mundo reagiram ao ataque
Pierre Bordieu
sofrido por ela.

A única coisa que eu tinha comi-


go do Paquistão era um xale bege
você, leitor
você, que o coronel Junaid comprara para
mim e entregara para a Dra. Fiona.
©

Eles não tinham ideia de como eu


W
iki

dia

era conservadora ou o que uma ga-


Co

Autobiografia:
mm

rota adolescente do vale do Swat


o
ns/
Pre

vestiria. Foram até as lojas Next e


minha vida,
side

British e voltaram com uma sacola


ncia
de

minha história de camisetas, pijamas, meias e até


la Rep

sutiãs. Yma me perguntou se eu


ública Mex

Sua vida é sua história. queria shalwar kamiz e eu fiz que


icana

Cada um de nós tem uma sim. “Qual é a sua cor favorita?”,


história única, particular, ela me perguntou. “Rosa”, foi minha
individual. resposta.
Todos estavam preocupados com
Nos dias atuais, é
comum utilizarmos as redes
Malala Yousafzai o fato de eu não estar comendo.
nasceu em 1997, no Paquistão – Mas a comida do hospital não me
sociais como forma de país de cultura árabe, com tradições apetecia e eu temia que não fosse
mostrar, por meio de fotos diferentes das ocidentais. Ela ficou halal. As únicas coisas que eu inge-
e vídeos, nossos gostos conhecida no mundo todo após ser ria eram os milkshakes nutricionais.
pessoais e as atividades baleada, aos 15 anos, por ativistas A enfermeira Julie descobriu que eu
que realizamos. Algumas do Talibã por defender o direito de gostava de Cheesy Wotsits e trouxe
pessoas, por sua vez, as meninas frequentarem a escola. alguns pacotes. “De que você gos-
registram suas memórias O Talibã considerava o posicio- ta?”, perguntaram. “De frango frito”,
em diários íntimos. namento da jovem contrário a seus respondi. Yma descobriu que havia
princípios e, por esse motivo, um de um Kentucky Fried Chicken halal em
Há ainda pessoas que
seus seguidores, em 2012, atacou Small Heath; então passaram a ir lá
escrevem como sua vida todas as tardes, comprar frango com
o ônibus em que a menina e suas
se desenhou no decorrer colegas estavam voltando da escola. batatas fritas. Um dia ela até prepa-
dos anos. Não é raro que rou um curry para mim.
A estudante foi atingida com um
relatos de personalidades tiro na cabeça. Ela foi retirada do Para me manter ocupada,
públicas sirvam de modelo país com sua família e levada para o arrumaram um aparelho de DVD.
e inspiração para outros Reino Unido, onde recebeu cuidados Um dos primeiros filmes que pu-
indivíduos. médicos e conseguiu se restabelecer. seram foi Driblando o destino,

34 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


pensando que a história de uma me- com notícias e impedi-los de entrar. O a uma petição sob o slogan “Eu sou

LP
nina sikh que desafia as normas cul- hospital começou a dar informativos Malala”, para exigir que não fosse ne-
turais de sua sociedade e joga futebol diários sobre meu estado de saúde. gada escola a nenhuma criança a partir
me atrairia. Fiquei chocada quando Pessoas simplesmente apareciam, de 2015. Havia mensagens de chefes
as garotas tiraram suas blusas e fica- querendo me ver – ministros do gover- de estado, ministros, astros de cine-
ram somente com tops. Pedi que as no, diplomatas, políticos, até mesmo ma e de uma neta de sir Olaf Caroe, o
enfermeiras desligassem o aparelho. um enviado do arcebispo da Cantuária. último governador britânico de nossa
Depois disso providenciaram dese- A maioria trazia buquês, alguns im- província. Ela dizia que se sentia en-
nhos animados e filmes da Disney. pressionantemente lindos. Um dia vergonhada por não saber ler nem
Assisti a todos os três Shrek e O es- Fiona Alexander me trouxe um saco escrever pachto, embora seu avô ti-
panta tubarões. Meu olho esquerdo de cartões, brinquedos e quadros. Era vesse sido fluente no idioma. Beyoncé
ainda apresentava problemas e por Eid ul-Azha, o grande Eid, nosso prin- me escreveu um cartão e postou uma
isso eu o cobria quando assistia aos cipal feriado religioso, e pensei que al- foto dele no Facebook, Selena Gomez
filmes. Meu ouvido esquerdo sangra- guns muçulmanos os tinham enviado. tuitou sobre mim e Madonna dedicou-
va, de modo que eu precisava ficar Então vi as datas de postagem, 10 de -me uma canção. Havia até uma men-
pondo bolinhas de algodão. Um dia outubro, 11 de outubro, dias antes, e sagem de minha atriz favorita e ativista
perguntei a uma enfermeira: “O que percebi que não tinha nada a ver com social, Angelina Jolie – eu mal podia
é este calombo?”, pondo a mão dela Eid. Era gente do mundo todo dese- esperar para contar a Moniba.
no meu umbigo. Minha barriga estava jando-me uma recuperação rápida, Na época não percebi que não vol-
grande e dura e eu não sabia por quê. muitas delas crianças. Fiquei atônita e taria para casa.
“É a parte de cima do seu crânio”. Fiona riu. “Você ainda não viu nada.”
Ela respondeu. Fiquei chocada. Ela me disse que havia sacos e mais YOOUS U AFAFZAZAII, Mal
ZA alala. Eu souu Mal
ala.
ala.
al alal
alaa: a hi
al h st
stór
ó ia
ór
Depois que comecei a falar, voltei a sacos, cerca de 8 mil cartões ao todo, da gar a otta qu
q e deefeend
ndeeu
eu o dirreie to
t à edud caaçãçãoo e
andar. Não tinha sentido nenhum pro- muitos endereçados simplesmente foii ba
fo bale
lead
le
ead
a a pe
pelo
loo Talib
alib
al ibã.
ã. Maallala a Yo
Yous
ussaf
afza
zaii com
za coom
blema com meus braços e pernas na “Malala, Hospital de Birmingham”. Um Chhririst
stin
st inaa Lamb
in Laamb
mb.. Sã
Sãoo Paaulo:
uloo:: Compa
ul ommpa
panh
anhhiaa daass
cama, fora minha mão esquerda, que deles fora postado “À menina do tiro Letrtrras
Le as,, 200133. p.
p 29999-3-302
-30022.
estava rija porque a bala tinha parado na cabeça, Birmingham”, e chegara!
no meu ombro; assim, não percebi Havia ofertas de adoção, como se eu
que não podia caminhar direito. Meus não tivesse família, e até uma proposta vale do Swat: região do Paquistão
de casamento. margeada pelo Rio Swat. Conhecida
primeiros passos deram tanto tra- por suas belezas naturais, ganhou o
balho que eu parecia ter corrido cem Rehanna me disse que milhões de apelido de “alpes do Oriente Médio”.
quilômetros. Os médicos me disseram crianças e adultos do mundo todo me Em 2007, o Talibã passou a ocupar
que eu ficaria bem; só precisava de um apoiaram e rezaram por mim. Então esse local.
monte de fisioterapia para que meus percebi que as pessoas salvaram mi- shalwar kamiz: roupa típica – consti-
músculos voltassem a funcionar. nha vida. Eu tinha sido poupada por tuída por uma calça, uma espécie de
bata e um lenço – usada em toda a
Um dia apareceu outra Fiona, Fiona alguma razão. Também recebi outros região da Ásia.
Alexander, encarregada da assessoria presentes. Havia caixas e caixas de
halal: significa autorizado, ou seja, são
de imprensa do hospital. Achei en- chocolates e ursinhos de toda forma os alimentos que seguem determina-
graçado. Não conseguia imaginar o e tamanho. O mais precioso, talvez, te- das regras ao serem produzidos. Ál-
Hospital Central do Swat com uma nha sido o pacote enviado por Bilawal cool e carne suína são proibidos. Um
e Bakhtawar, filhos de Benazir Bhutto. exemplo de alimento halal é a carne
assessoria de imprensa. Até ela con- de animal que não recebeu hormônios
versar comigo, eu não fazia ideia da Dentro havia dois xales que haviam
para seu crescimento e cujo abate é
atenção que atraíra. Quando voei do pertencido à sua falecida mãe. Enterrei sem sofrimento.
Paquistão para Birmingham, algumas o nariz neles e tentei sentir o perfume sikh: pessoa adepta de uma religião
fotos minhas vazaram. Anunciaram dela. Mais tarde achei num deles um monoteísta surgida na Índia no século
que eu ia para o Reino Unido e a mí- longo fio de cabelo preto, que tornou o XV.
dia logo descobriu que meu destino presente ainda mais especial. Eid ul-Azha: festa muçulmana, com
era Birmingham. Um helicóptero da Percebi que o Talibã, involuntaria- duração de quatro dias, realizada em
memória do profeta Abraão. Além de
Sky News sobrevoou o hospital em mente, tinha tornado minha campanha comida, há troca de presentes.
círculos e 250 jornalistas de lugares global. Enquanto eu estava deitada Benazir Bhutto: a primeira mulher a
distantes, como a Austrália e o Japão, naquela cama, esperando dar os pri- ocupar o cargo de primeira-ministra
©Shutterstock/Visnezh

foram me procurar. Fiona Alexander meiros passos em um mundo novo, no Paquistão, país de maioria muçul-
passara vinte anos como jornalista, ti- Gordon Brown, enviado especial da mana.
nha sido editora do Birmingham Post. ONU para a educação e ex-primeiro- pachto: uma das línguas oficiais do
Sabia, portanto, como abastecê-los -ministro da Grã-Bretanha, dera início Paquistão e do Afeganistão.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 35


Depois de ler um trecho
da autobiografia de Malala, é 4. O que é um ativista? Se Ativista é
possível compreender o que necessário, procure o significado
aconteceu com ela após ser dessa palavra em um dicionário e
baleada e como reagiu à comoção complete a frase. Resolva o quiz
e descubra se
mundial diante do atentado você é ativista
contra sua vida.
Nesse trecho, há muitas Para construir os sentidos de um texto, é importante levar em
referências à cultura muçulmana, consideração um aspecto essencial da coerência de um texto: a
à qual Malala pertence, e a intencionalidade. Por que Malala A intencionalidade consiste
seu estranhamento ao tomar escreveu esse texto, ou seja, com que em se compreenderem os propó-
conhecimento de um mundo intenção ela produziu esse relato? sitos do autor de um texto. Cabe
diferente do seu. Para uma maior compreensão dessa ao leitor reconhecer e avaliar se o
texto foi construído de forma que
intencionalidade, realize a atividade a atenda a essas intenções.
1. Dois aspectos da vida cotidiana
seguir.
do mundo ocidental causaram
estranheza em Malala. Cite-os. 5. Pesquise, em sites, revistas ou jornais, fatos importantes da vida de Malala para
entender sua intencionalidade. Para que sua pesquisa tenha foco, baseie-se nas
questões a seguir.
2. Por que é importante Malala falar
sobre essas questões?

O que Malala fazia


no Paquistão antes
de ser baleada?

O que levou o
Talibã a praticar o
atentado?
3. Você já tinha ouvido falar em
halal? Consegue imaginar o
quanto isso pode ser importante O que Malala fez
para uma cultura? Explique sua após receber alta do
resposta. hospital?

Que tipos de ações


Malala faz nos dias
atuais?

Indique um fato
relevante na trajetória
de Malala.
Nesse relato, Malala também
se revela surpresa com o
grande número de pessoas – de Que fato da vida de
desconhecidos a celebridades Malala mais chamou
e chefes de Estado – que lhe sua atenção?
desejaram uma boa recuperação.
Para entender melhor o papel Com base no que vimos sobre a vida de Malala, Um exemplo de
que a jovem desempenhou, é é possível pensar a respeito do que levaria alguém como a história
importante saber por que ela é a escrever uma autobiografia. Qualquer um pode de pessoas
considerada uma ativista. escrever sobre sua vida, mas será que a história de comuns pode
ser interessante
qualquer pessoa despertaria o interesse dos leitores?
36 LGG LÍNGUA PORTUGUESA
Como você já sabe, no Paquistão, há regras específicas com relação 9. Com base na leitura do trecho

LP
à educação formal de mulheres, e a atitude de Malala frente a isso fez apresentado neste capítulo,
com que sofresse um atentado. Todos esses fatos, juntos, tornam sua assinale as afirmativas corretas.
história singular. a) A história é narrada por quem
No trecho selecionado, ressalta-se a comoção mundial diante do a viveu.
que aconteceu com a garota. Muitas pessoas acompanharam pela b) A autora não parece se
mídia o período em que ela esteve hospitalizada. preocupar com a veracidade
dos fatos relatados.
6. Reflita sobre essas informações e discuta com os colegas e o professor o c) Malala é uma personagem
que levou Malala a escrever sua autobiografia. Quais são as intenções dela secundária no texto.
com esse texto? d) Nem todos os fatos
narrados foram vividos pela
personagem, mas ela tem
conhecimento deles.
e) Há a presença de fatos vividos
pela narradora.
Neste capítulo, você está estudando o gênero autobiografia ou
relato autobiográfico. Considerando o texto apresentado, é possível f) Há a indicação de emoções
vividas pela narradora.
refletir a respeito das características desse gênero. Releia um trecho.
g) O texto é essencialmente
objetivo.
Percebi que o Talibã, involuntariamente, tinha tornado minha campa-
nha global. Enquanto eu estava deitada naquela cama, esperando dar os
primeiros passos em um mundo novo, Gordon Brown, enviado especial
da ONU para a educação e ex-primeiro-ministro da Grã-Bretanha, dera iní- Ao resolver a atividade
cio a uma petição sob o slogan “Eu sou Malala”, para exigir que não fosse anterior, você identificou as
negada escola a nenhuma criança a partir de 2015. Havia mensagens de características gerais de um
chefes de estado, ministros, astros de cinema e de uma neta de sir Olaf relato autobiográfico. Em uma
Caroe, o último governador britânico de nossa província. Ela dizia que autobiografia, a história é
se sentia envergonhada por não saber ler nem escrever pachto, embora narrada pela mesma pessoa que
seu avô tivesse sido fluente no idioma. Beyoncé me escreveu um cartão
a viveu.
e postou uma foto dele no Facebook, Selena Gomez tuitou sobre mim e
Madonna dedicou-me uma canção. Havia até uma mensagem de minha No entanto, para escrever a
atriz favorita e ativista social, Angelina Jolie – eu mal podia esperar para história de outra pessoa, o autor
contar a Moniba. precisa pesquisar o maior número
Na época não percebi que não voltaria para casa. possível de dados e informações a
respeito dela. Inclusive, não é raro
uma biografia ser escrita após a
7. Esse trecho do livro Eu sou Malala é escrito utilizando-se que pessoa verbal? morte do biografado.
a) A 3ª. pessoa do singular. c) A 1ª. pessoa do singular. O relato é a narração oral ou
b) A 1ª. pessoa do plural. d) A 2ª. pessoa do singular. escrita de um fato. É autobiográfico
▶ Transcreva um trecho que confirme sua resposta. quando seu autor relata fatos que
aconteceram com ele mesmo.
©Shutterstock/Ratta lapnan

8. Releia o trecho e indique o tempo das formas verbais sublinhadas.

Forma verbal Tempo verbal


“Percebi”
“estava” Observe como o tempo verbal
contribui para indicar a sequência das
“dera” ações praticadas no passado, ou seja,
antes do momento da escrita.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 37


Subjetividade na Foi num desses dias sombrios que falasse sobre meus sonhos. Falaria
autobiografia meu pai recebeu um telefonema de
um amigo, Abdul Hai Kakar, corres-
durante meia hora ou 45 minutos em
urdu, embora também fosse pachtum,
A autobiografia é uma forma pondente da BBC, em Peshawar. Ele porque o blog seria escrito em urdu e
de uma pessoa compartilhar sua procurava uma professora ou uma ele desejava que as mensagens fos-
história e sua trajetória de vida, aluna que estivesse disposta a escre- sem tão autênticas quanto possível.
relatando fatos que até podem ser ver um diário sobre sua vida no regime Transcreveria minha fala e uma vez
de conhecimento público, mas a talibã, para mostrar o lado humano da por semana as postagens apareceriam
partir de seu ponto de vista. catástrofe que estávamos sofrendo no portal em urdu da BBC. Ele me con-
no Swat. No início, Ayesha, irmã mais tou sobre Anne Frank, a menina judia
O relato autobiográfico
nova da Sra. Maryam, concordou, mas de treze anos que se escondeu dos
faz uso da subjetividade, seu pai descobriu e a proibiu de fazê- nazistas com a família em Amsterdã
que consiste em uma análise -lo, dizendo que era arriscado demais. durante a guerra. Disse que ela man-
valorativa daquilo que é narrado. Quando ouvi meu pai falando a res- tinha um diário sobre como era a vida
Perceba que Malala revela sua peito, perguntei: “Por que não eu?”. ali, como passavam o dia e quais eram
surpresa com a reação de pessoas Eu queria que as pessoas soubessem seus sentimentos. Era muito triste, já
de todo o mundo diante do o que estava acontecendo. Educação que toda a família foi traída e presa, e
ocorrido. é direito nosso, eu dizia. Assim como Anne morreu em um campo de con-
é nosso direito cantar. O Islã nos deu centração quando tinha apenas quinze
Sabemos que ela foi baleada e
esse direito ao dizer que toda menina anos. Tempos depois seu diário foi pu-
esteve internada em um hospital
e todo menino devem ir à escola. No blicado e é um relato muito forte.
para sua recuperação. Talvez
Corão está escrito que devemos bus- Hai Kakar me alertou de que pode-
os médicos e os enfermeiros car o conhecimento, estudar com afin- ria ser perigoso usar meu nome verda-
relatassem os mesmos fatos de co e aprender sobre os mistérios do deiro e me deu o pseudônimo de Gul
outra forma, pois cada pessoa nosso mundo. Makai, que significa centáurea-azul e
pode avaliá-los de maneira Eu nunca tinha escrito um diário e é o nome de uma heroína do folclore
diferente. não sabia como começar. Tínhamos pachtum – uma história meio Romeu
Malala é muito jovem, como computador, mas naquela época ha- e Julieta, na qual os apaixonados Gul
ela mesma já disse, porém o que via cortes frequentes de eletricidade Makai e Musa Khan se conhecem na
ocorreu em sua vida – desde e poucos locais ofereciam acesso à escola, mas são de tribos diferentes
internet. Por isso Hai Kakar decidiu e por isso o amor de ambos provoca
defender o direito à educação em
ligar à noite para o celular da minha uma guerra. Mas, diferentemente de
um país que não permitia que as
mãe. Usaria o telefone de sua esposa Shakespeare, as coisas não terminam
meninas frequentassem a escola para nos proteger, uma vez que o dele em tragédia. Gul Makai ensina aos
até sofrer o atentado – torna sua estava grampeado pelos serviços de mais velhos de sua tribo, usando o
história relevante para o leitor. inteligência. Ele me ajudaria, fazendo aca
Corão, que a guerra é ruim; eles aca-
Acompanhe mais um trecho perguntas sobre meu dia, pedindo- bam por cessar de lutar e permitem m
do relato de Malala. -me que contasse algumas piadas e que os amantes se reencontrem.em.

©Shutterstock/Cifotart
utter
tterstoc
sto
stock/Ci
stoc
o k/Ci
k/C fo
k/C fota
otart

Se você tem o costume de fre-


quentar livrarias, deve ter visto que
há muitas (auto)biografias à venda.
Que (auto)biografias são publicadas
pelas editoras? Em geral, aquelas
que relatam a vida de pessoas que
se destacam em certas áreas, como
artistas famosos, atletas profissionais
e empresários de sucesso. Normal-
mente, o biografado é uma pessoa por
quem o público em geral tem algum
interesse.

38 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Malala defende o direito à

LP
A primeira entrada do meu diá- 10. O que Malala relata nesse trecho? educação.
rio foi publicada em 3 de janeiro
de 2009. “Estou com medo” era a
manchete. “Tive um sonho terrível Eu queria que as pessoas
a noite passada, cheio de helicóp- soubessem o que estava acon-
teros militares e de talibãs”, era o tecendo. Educação é direito
começo. “Tenho tido sonhos assim nosso, eu dizia. Assim como é
desde o início das operações mili- nosso direito cantar. O Islã nos
tares no Swat.” Escrevi que tinha deu esse direito ao dizer que
medo de ir à escola devido ao de- toda menina e todo menino de-
creto do Talibã. Também escrevi vem ir à escola. No Corão está
sobre um incidente quando voltava escrito que devemos buscar
a pé da escola para casa e ouvi um 11. No trecho, há uma indicação o conhecimento, estudar com
homem atrás de mim dizer: “Vou objetiva de que a situação vivida afinco e aprender sobre os mis-
matar você”. Apressei o passo e de- no Swat não era boa. Identifique-a. térios do nosso mundo.
pois de certo tempo olhei para trás,
para ver se ele estava me seguindo.
Para meu profundo alívio, vi que fa- Ao afirmar que o islã permite
lava ao telefone – decerto estivera que toda menina e todo menino
conversando com outra pessoa. estudem, Malala mostra que a
Era emocionante ver minhas religião de seu país não é contra
palavras no website. No início eu a educação, mas o regime talibã,
estava um pouco tímida, mas de- que controlava a região onde
pois entendi o tipo de coisa que Hai morava, sim. Essa afirmação
Kakar queria e me tornei mais au- deixa claro que ela não queria
toconfiante. Ele gostava de impres-
ir contra sua religião, mas que
sões pessoais e do que chamava de 12. Nesse trecho, afirma-se que a
minhas “frases pungentes”, além desejava estudar, o que era
escrita do blog tinha como objetivo
de relatos que mesclassem o dia a permitido, ainda que o Talibã
mostrar “o lado humano da
dia familiar e o terror do Talibã. fosse contra.
catástrofe”. Como você entende o
sentido da expressão entre aspas? Malala defendia um direito
YOUSAFZAI, Malala. Eu sou Malala: a história que era de todos, mas que,
Justifique sua resposta.
da garota que defendeu o direito à educação e
foi baleada pelo Talibã. Malala Yousafzai com
naquele momento, estava
Christina Lamb. São Paulo: Companhia das sendo negado a uma parte da
Letras, 2013. p. 164-166. sociedade.

14. Você também acredita que a


educação é importante e que a
reivindicação de Malala por esse
©Shutte
rstoc
k/ C
direito era legítima? Escreva um
os m
parágrafo expondo sua opinião
aa

sobre a educação.
13. PPaPara
arara a eescrita de seu blog, Malala
rrecebeu
re ecceebe
ece ebe beu um pseudônimo, o qual faz
rreferência
reeffeerê
erênc n a uma heroína do folclore
rrêênc
ppachtum.
pa
pach
achchtuum A escolha do nome teve
com
co
comomoo iintuito
n mostrar que
a) a eed educação
d é a base de toda a
fformação
form
foorm
rm de uma cultura.
b) as as m mulheres são mais
inteligentes
iin
ntee do que os homens.
c) eed educar
dduu o outro é uma forma de
se ccombater a violência.
se

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 39


Autobiografias e diários Características do gênero
Em sua autobiografia, Malala faz alusão a diversas pessoas que, autobiografia
por um motivo ou outro, ela admira. Ao contar como começou a
Ao ler trechos da
criação de seu blog, a garota menciona Anne Frank e seu diário.
autobiografia Eu sou Malala,
é possível identificar algumas
Kitty é o nome do diário. Leia um características essenciais a esse
15. Malala faz referência ao diário de trecho dele.
gênero.
Anne Frank e fala rapidamente Sábado, 12 de fevereiro de 1944.
de sua história. Que informações
você tem sobre Anne Frank e seu ▶ Uso da 1ª. pessoa do singu-
Querida Kitty, lar – eu.
diário? Compartilhe-as com os
colegas e o professor. ▶ O que se narra são me-
O sol está brilhando, o céu é de um mórias; por isso, os acon-
azul profundo, há uma brisa magnífi- tecimentos podem estar
16. Quais são as semelhanças e as ca, e estou sentindo falta – realmente sujeitos àquilo de que o
diferenças entre o diário de Anne sentindo falta – de tudo: conversa, autor se recorda.
Frank e o blog de Malala? liberdade, amigos, de ficar sozinha. ▶ O ponto de vista dos fatos é
Sinto vontade... de chorar! Sinto como o do autor.
se fosse explodir. Sei que chorar aju-
▶ Há opinião do autor sobre os
da, mas não consigo. Estou inquieta.
acontecimentos narrados.
Ando de um cômodo para outro,
respiro pela fresta na janela, sinto o ▶ Ainda que haja objetividade
coração batendo como se dissesse: (citação de datas, nomes de
Realize seus desejos... pessoas, etc.), há predo-
mínio da subjetividade, já
[...]
Sua Anne que o autor relata sua vida
conforme suas impressões
e seus sentimentos.
FRANK, Anne. O diário de Anne Frank.
Tradução de Ivanir A. Calado. 26. ed. Rio ▶ Nem sempre a narração se-
de Janeiro: Record, 2008. p. 197. gue uma ordem cronológi-
ca. Isso depende do modo
de narrar de cada autor.
▶ Ainda que se narrem fatos
do passado, é possível que o
Vamos, agora, a alguns esclarecimentos: o diário
autor exponha o que pensa-
pessoal é um texto autobiográfico?
va no momento do ocorrido
Para responder a essa pergunta, é preciso e também sua opinião atual.
levar em conta que a palavra autobiografia ▶ O narrador pode falar sobre
pode ser entendida de maneira mais genérica algo de que não se recorda,
ou mais específica. De maneira mais genérica, como seu nascimento, mas
um texto é autobiográfico quando seu autor que conhece pela fala de
relata experiências pessoais. A autobiografia, outras pessoas.
nesse caso, pode estar presente em uma
crônica, em um romance ou em um
diário, como o de Anne Frank. De
maneira mais específica, a
autobiografia é um gênero
textual, como é o caso do
texto de Malala.
©Wikimedia Commons

O diário de Anne Frank foi encontrado no sótão da casa


onde viveu escondida com seus familiares durante dois
anos, até serem delatados à Gestapo.

40 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


17. Releia os trechos da autobiografia de Malala e indique exemplos para as Ainda que a realidade

LP
características presentes na primeira coluna. brasileira seja muito diferente
da paquistanesa, qualquer
Características Exemplos menina, criança ou jovem que
não tenha acesso à escola pode
Uso da 1ª. pessoa ter o mesmo desejo que Malala,
independentemente do país onde
Presença da vive. A violência pela qual ela
subjetividade passou pode ser vivida em outras
realidades.

Além das características formais de uma autobiografia, há outras 18. Todos temos alguma história
que envolve a escola ou algum
questões fundamentais para a composição desse gênero.
aprendizado que tivemos nela.
▶ Você já sabe que, normalmente, as pessoas que escrevem Escolha um fato interessante
autobiografias têm destaque na sociedade. Isso porque quem e elabore um breve relato
escreve um texto sobre a própria vida costuma ter feitos que autobiográfico com base nas
podem motivar, influenciar, inspirar ou servir de exemplo. A reflexões presentes neste capítulo
autobiografia de um atleta de alto rendimento, por exemplo, além sobre a importância da educação e
de relatar bastidores, pelos quais as pessoas têm curiosidade, pode a necessidade de se lutar por ela.
servir de exemplo de disciplina, autocontrole e superação. Lembre-se de que o texto deve ser
▶ A escrita de uma autobiografia sempre passa por um processo de escrito na 1ª. pessoa do singular
autorreflexão. Quando alguém decide relatar a própria trajetória, é e os verbos devem estar no
inevitável que haja uma ponderação e uma revisão dos fatos mais pretérito. Você é autor, narrador e
marcantes em sua vida. É uma forma de o autor buscar ou atribuir, personagem. Faça um rascunho
de maneira mais concreta, sentido para sua história. de seu texto e registre a versão
definitiva no caderno. Selecione
Relembre esta frase:
uma imagem (foto, desenho,
ilustração, etc.) para ilustrar seu
Na época não percebi que não voltaria para casa. relato.

19. Muitos famosos escreveram


Malala, que estava empolgada com as declarações de apoio e autobiografias. Pesquise algumas
solidariedade que havia recebido, demonstra que, naquele momento, delas. Qual você achou mais
no hospital em Birmingham, não tinha uma ideia real do que havia interessante? Por quê? Em
acontecido. Ela não tinha a compreensão de que não poderia voltar seguida, preencha o quadro e
para casa, já que correria risco de vida. justifique seu interesse pela obra.
Essa é uma forma bastante simples de mostrar que houve mudança ▶ Título:
entre o momento em que os fatos aconteceram e o momento de sua
narração.
A escrita de uma autobiografia não ▶ Autoria:
Malala, ao escrever sua auto-
é apenas uma forma de seu autor rever biografia, é autora, narradora e
e repensar sua história, mas também personagem principal da obra. ▶ Essa autobiografia me interessa
de inspirar os leitores e promover uma porque
reflexão por parte deles.
Ao ler a autobiografia de Malala, é possível compreender um
pouco a respeito da vida no Paquistão – sua cultura, seus hábitos,
sua religião, entre outros aspectos. Essa também é uma forma de
enxergarmos a nossa realidade.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 41


bstantivo
Classes gramaticais I: revisão geral e substantivo
u classes de
Neste capítulo, revisaremos as classes gramaticais (ou
palavras). Esse conteúdo é fundamental, pois é base paraa muitos
outros que abordaremos durante o Ensino Médio. Além disso,
faremos, em dois momentos distintos, reflexões que
ampliem seu conhecimento a respeito delas: inicialmente, e,
enfatizaremos o substantivo e, posteriormente, o
adjetivo. Porém, antes, vamos relembrar as dez classes
gramaticais? Acompanhe as definições de cada uma e os textos a
partir dos quais propomos reflexões sobre essas classes.

Substantivos Nomear ob

tos
jetos

ho
(e tudo mai

p
na
i
s) é nt
al e
Palavras que nomeiam seres, objetos e partee da nature t oc
k/ V
za tters
human ©Shu
conceitos (criança, fada, mesa, país); luga- na. Logo, vo
sempre faz cê
res (Brasil, Santos, Estados Unidos); ações uso de
(debate, abraço, correria); sensações e sen- substanti
vos.
timentos (dor, alegria, tristeza); etc.

20. Para início de conversa, um pouco de ludicidade não faz mal a nni
ing
nguuéém.
ninguém. m
Observe a imagem e dê um nome ao objeto.

21. Leia uma tira de Laerte e responda às questões propostas.

©Laerte

LAERTE. Classificados. Livro 2. São Paulo: Devir, 2002. p. 18.

a) Explique como é criado o humor na tira. b) Quais são os substantivos dessa tira?

42 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
Adjetivos
Palavras que caracterizam os substantivos, atribuindo-lhes uma qua-
lidade ou um estado.
a) Que características Calvin
atribui ao barro? Pela expressão
dele, essas características são
22. Leia a tira a seguir observando o uso dos adjetivos. positivas ou negativas?
©Calvin & Hobbes, Bill Watterson/1993
Watterson/Dist. by Andrews McMeel Syndication

b) O humor da tira é obtido por


uma quebra de expectativa no
leitor. Explique essa afirmação.
WATTERSON, Bill. Felino selvagem psicopata homicida. São Paulo: Best News, 2012. p. 14. v. 2.

Artigos
Palavras que antecedem os substantivos, seja para individualizá-los
(definidos), seja para generalizá-los (indefinidos).
▶ Definidos: o, a, os, as.
▶ Indefinidos: um, uma, uns, umas.

23. Observe, no poema a seguir, de


Carlos Drummond de Andrade, a) Qual é a funcionalidade do uso b) No verso “Devagar... as
a funcionalidade dos artigos. do artigo indefinido na segunda janelas olham”, qual é o
estrofe? efeito de sentido obtido com a
utilização do artigo definido?

Cidadezinha
qualquer
Casas entre bananeiras
mulheres entre laranjeiras
pomar amor cantar.
Um homem vai devagar.
Um cachorro vai devagar.
Um burro vai devagar.
DKO Estúdio. 2015. Digital.

Devagar... as janelas olham.


Eta, vida besta, meu Deus.

ANDRADE, Carlos D. de. Obra completa.


Organizada por Afrânio Coutinho. Rio de
Janeiro: José Aguilar, 1967. p. 67.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 43


Pronomes

a
ock/Cosma
Palavras que acompanham ou substituem os substantivos. Os prono-

©Shutterst
mes também são utilizados para indicar as pessoas do discurso: quem
fala, com quem se fala e sobre o que ou quem se fala.

24. Leia o cartaz.


▶ A que se refere o pronome
a) “ela”?

©Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais


b) “seu”?

COM A GRIPE não se brinca! Disponível em: http://ambsp.org.br/com-a-gripe-nao-se-brinca-2/.


Acesso em: 9 dez. 2020.

Verbos
Palavras que expressam ações, estados e fenômenos da natureza.
Podem sofrer flexão de número, pessoa, tempo e modo.

25. Leia a tira e reflita sobre as mensagens dos cartazes.

©2020 King Features Syndicate/Ipress

WALKER, Mort. O livro de ouro do Recruta Zero. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações, 2014. p. 24.

b) Os verbos pensar e agir estão em


a) Por que o general parece que modo: indicativo, subjuntivo c) O que o general pretende com a
aborrecido no primeiro ou imperativo? O que esse modo troca de cartaz?
quadrinho? indica?

44 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
Numerais Preposições
Palavras que podem indicar quantidade (numerais cardinais, como Palavras que estabelecem co-
nove e dois mil), posição em uma sequência (numerais ordinais, como nexão entre dois elementos, re-
primeiro, terceiro e vigésimo quinto), aumento proporcional de quantidade lacionando-os. Exemplos: a, em,
(numerais multiplicativos, como dobro e triplo) e diminuição proporcional com, contra, de, desde, para,
(numerais fracionários, como um terço e dois quartos), além de designar por, sem, sob, sobre. Podem
um conjunto, apontando o número exato de seres que o compõem (nume- aparecer contraídas com outras
rais coletivos, como dúzia, quinzena e centena). palavras: do (preposição de +
artigo o), deste (preposição de +
pronome este), num (preposi-
26. Elabore uma breve reflexão a respeito desta campanha publicitária. Para ção em + artigo um), etc. Podem
isso, analise os elementos verbais e os não verbais. Destaque também a também estar combinadas com
funcionalidade dos números apresentados para a construção dos sentidos outras classes: ao (preposição a
+ artigo o).
do texto.

©CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação


27. Transcreva as preposições
presentes nos provérbios a seguir.
a) “Quem com ferro fere, com
ferro será ferido.”
b) “Cada macaco no seu galho.”
c) “A pressa é inimiga da
perfeição.”

CNTE – Confederação
Nacional dos Trabalhadores
em Educação. 51% da
população do Brasil é negra.
E a outra metade tem o dobro
de oportunidades. Disponível
em: http://www.cnte.org.br/
28. Nestas duas frases, a preposição
index.php/campanhas/1396-
dia-da-consciencia-negra- “com” tem o mesmo sentido?
2013/12784-banner.html. Explique sua resposta.
Acesso em: 28 fev. 2015.
I. Fui ao cinema com
meus primos.
II. As plantas morreram
com tanta água.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 45


Advérbios Conjunções
Palavras que modificam verbos, adjetivos e outros Palavras que ligam orações ou vocábulos de
advérbios. Podem indicar circunstâncias de modo, uma mesma oração. São também chamadas de co-
tempo, lugar, intensidade, causa, negação, etc. nectivos. Exemplos: e, mas, porque.

conjunção ligando palavras


de uma mesma oração
29. Leia a tira a seguir.
João e Roberta foram ao cinema e assistiram

©Laerte
a um filme de suspense.
conjunção ligando
orações

©Shutterstock/Thomas bethge
31. Leia este trecho de notícia:
LAERTE. Classificados. Livro 2. São Paulo: Devir, 2002. p. 15.

a) Por que o personagem segura uma porta de carro na


mão? Com esportes suspensos,
eSports encaram o desafio
de preencher o vazio

Enquanto o mundo do esporte está


suspenso devido à pandemia do coronaví-
rus, os eSports, as competições de video-
games, seguem firmes e fortes na internet
b) De que forma os aspectos não verbais contribuem em busca de novos fãs e de crescimento
para a construção dos sentidos do texto? em meio à crise de saúde internacional.
[...]
“Não espero que um torcedor de futebol
se interesse por League of Legends ou por
Hearthstone da noite para o dia”, admite
Fabien Devide, diretor da Vitality, princi-
pal equipe de eSports da França. “Mas po-
deria sim se interessar por Rocket League
ou Fifa, que tem um acesso mais fácil”.

30. Assinale a alternativa em que os advérbios estão


COM ESPORTES suspensos, eSports encaram o desafio de
classificados corretamente. preencher o vazio. Disponível em: https://www.gazetaesportiva.
a) Não: advérbio de negação; tão: advérbio de modo; com/esports/com-esportes-suspensos-e-sports-encaram-desafio-
rápido: advérbio de tempo. de-preencher-o-vazio/. Acesso em: 20 maio 2020.
b) Não: advérbio de negação; tão: advérbio de ▶ As conjunções “e” e “Mas”, em destaque, ligam
intensidade; rápido: advérbio de modo (forma a) orações.
reduzida de rapidamente).
b) palavras de uma mesma oração.
c) Não: advérbio de negação; tão: advérbio de tempo;
c) palavras de uma mesma oração e uma oração,
rápido: advérbio de tempo (forma reduzida de
respectivamente.
rapidamente).

46 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
Interjeições
Palavras (ou conjunto de palavras) que exprimem emoções, estados de
espírito, sensações, etc. Exemplos: Xi!, Epa!, Uau!, Oba!.
©Shutterstock/Grinbox

32. Na tira a seguir, a interjeição tem um papel importante.


©Fotoarena/Joaquín Salvador Lavado (QUINO)
TODA MAFALDA

QUINO. Toda
Mafalda. 2. ed.
São Paulo: Martins
Fontes, 2010. p. 279.
d) A interjeição, no primeiro e no
a) Nessa tirinha, uma mesma c) No primeiro quadro, que
último quadro, tem o mesmo
interjeição aparece em elementos não verbais
significado? Explique sua
dois momentos distintos. reforçam o sentido expresso
resposta.
Transcreva-a. pela interjeição?

b) O que a interjeição expressa no


primeiro quadro?

Agora que revisamos, rapidamente, as dez classes gramaticais, vamos nos ater mais aos substantivos.
Vale ressaltar que estamos ainda no terreno da morfologia (morphé = forma + logia = estudo), parte da
gramática que estuda a palavra em sua forma. Nos estudos morfológicos,
Os substantivos são variáveis em
há dois importantes objetivos: gênero (masculino – menino/feminino
– menina), número (singular – carro/
▶ identificar e determinar o processo de formação dos vocábulos, tal plural – carros) e grau (diminutivo –
como vimos anteriormente; bolinha/aumentativo – bolona).
▶ determinar a classe gramatical das palavras.
Considere que o mesmo substantivo
Você já sabe que existem dez classes de palavras. No caso dos
pode receber mais de uma classificação.
substantivos, é importante lembrar que há vários tipos, presentes Guarda-chuva, por exemplo, é um subs-
tanto nos textos escritos quanto nos falados. tantivo comum, concreto e composto.

Substantivo concreto: nomeia seres de existência Substantivo abstrato: nomeia ações, sensações,
própria (real ou imaginária), como objetos, pessoas, sentimentos, conceitos e estados.
animais, vegetais e minerais.

Nas referências iniciais feitas a Malala neste livro didático, registramos o seguinte:

Ela foi retirada do país com sua família e levada para o Reino Unido, onde recebeu cuidados médicos e conse-
guiu se restabelecer.

33. Sobre as palavras destacadas nesse trecho, é correto afirmar que


a) “família” é um substantivo abstrato, pois se trata de uma ação.
b) “família” é um substantivo concreto, pois tem existência real.
c) “cuidados” é um substantivo concreto, pois tem existência própria.
d) “cuidados” é um exemplo de substantivo abstrato, pois nomeia ações.
5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 47
34. Releia uma passagem da autobiografia de Malala e transcreva os substantivos
Substantivo comum: no- destacados de acordo com sua classificação.
meia seres da mesma espécie
(animais, plantas, objetos, A única coisa que eu tinha comigo do Paquistão era um xale bege
etc.). que o coronel Junaid comprara para mim e entregara para a Dra. Fiona.
Substantivo próprio: no- Eles não tinham ideia de como eu era conservadora ou o que uma garota
meia seres de uma espécie ou adolescente do vale do Swat vestiria.
categoria específica (pessoas,
cidades, países, livros, filmes,
etc.). Substantivos
próprios

Substantivos
comuns

35. Releia outras duas passagens do texto e transcreva os substantivos destacados


Substantivo primitivo: não conforme sua classificação.
se forma de outra palavra do
idioma. Exemplos: mundo, Um helicóptero da Sky News sobrevoou o hospital em círculos e 250
palavra, poesia, cartaz, pomar, jornalistas de lugares distantes, como a Austrália e o Japão, foram me
quintal, tambor, rua, utopia. procurar.
Substantivo derivado:
forma-se de outra palavra do Então vi as datas de postagem, 10 de outubro, 11 de outubro, dias an-
idioma. Exemplos: sabedoria, tes, e percebi que não tinha nada a ver com Eid.
rebeldia, teimosia, tirania.

Substantivos
primitivos

Substantivos
derivados

Substantivo simples: é 36. Leia um trecho da autobiografia de Agatha Christie e transcreva os substantivos
formado por apenas uma destacados conforme sua classificação.
palavra. Exemplo: retrato.
Substantivo composto: é Minha primeira história intitulou-se The House of Beauty. Não se trata
formado por duas ou mais pa- de nenhuma obra-prima, mas, no todo, considero uma boa história, e foi
lavras. Exemplo: porta-retrato. a primeira coisa que escrevi que pareceu promissora. Escrita de forma
amadorística, é claro, ela evidenciava a influência de tudo o que eu lera na
semana anterior.

CHRISTIE, Agatha. Autobiografia. Porto Alegre: L&PM, 2017. p. 195.

Substantivo coletivo: Substantivos


designa um agrupamento simples
de seres da mesma espécie.
Exemplos: elenco (grupo de Substantivos
atores), flora (conjunto de compostos
plantas de uma região), arqui-
pélago (conjunto de ilhas).

48 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


organize

LP
37. Separe os substantivos de acordo com sua classificação. as ideias
a) Assinale as alternativas cuja
álbum mundo segunda-feira rebeldia arco-íris classificação da palavra ou
cavalo-marinho cartaz poesia palavra cachorro-quente expressão esteja correta.
amor-perfeito pomar vaivém girassol teimosia ( ) “datas”: substantivo composto e
aguardente quintal tirania beija-flor passatempo concreto.
( ) “pandemia”: substantivo
composto e coletivo.
mples mpostos
Substantivos si Substantivos co ( ) “segunda-feira”: substantivo
composto.
( ) “participação”: substantivo
simples e abstrato.
( ) “época”: substantivo simples e
próprio.
( ) “Jogos Paralímpicos”:
substantivo próprio.
( ) “casos”: substantivo simples e
comum.
( ) “videoconferência”: substantivo
composto.
38. Leia um trecho de uma notícia sobre as Olimpíadas e as Paralimpíadas de
Tóquio. ( ) “Thomas Bach”: substantivo
próprio.
www.aquivemolinkdosite.com.br/conteudo
( ) “Tóquio”: substantivo próprio e
concreto.
Jogos Olímpicos e Paralímpicos de
Tóquio já têm novas datas b) São exemplos de substantivos
derivados:
Olimpíada será entre julho e agosto de 2021; Paralimpíada ( ) “adiamento”
fica entre agosto e setembro ( ) “ano”
( ) “mantida”
Menos de uma semana após o As novas datas foram decididas ( ) “reunião”
adiamento oficial dos Jogos Olímpicos nesta segunda-feira (30), em uma ( ) “governador”
e Paralímpicos de Tóquio de 2020 para reunião por videoconferência que ( ) “Japão”
2021 por conta da pandemia do coro- contou com a participação de Thomas
navírus, as duas competições já ganha- Bach (presidente do Comitê Olímpico
ram novas datas. Exatamente a mesma Internacional (COI)), Yoshiro Mori 39. Assinale os substantivos que são,
época do ano será mantida nos dois (presidente do Comitê Organizador de ao mesmo tempo, simples, comuns
casos: enquanto os Jogos Olímpicos Tóquio 2020), Koike Yuriko (gover- e concretos.
serão disputados entre 23 de julho e 8 nador de Tóquio) e Hashimoto Seiko a) casa
de agosto, os Jogos Paralímpicos ficam (ministro olímpico e paralímpico do b) bondade
entre 24 de agosto e 5 de setembro. Japão).
c) amizade
d) porta
JOGOS Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio já têm novas datas. Disponível em: https://www.
maquinadoesporte.com.br/artigo/jogos-olimpicos-e-paralimpicos-de-toquio-ja-tem-novas-
datas_39798.html. Acesso em: 21 maio 2020.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 49


v
você,
mais leitor
m

©Shutterstock/Spatuletail
Agatha Christie escre-
Outra autobiografia: veu diversas obras. Em muitas delas,
aparece seu personagem mais famo-
outra vida, outra so: o detetive belga Hercule Poirot.
história Adotando o gênero policial, a escritora
teve alguns de seus livros adaptados
para o cinema, como Assassinato no
Algumas autobiografias expresso do Oriente – há um filme de
são escritas durante um longo 1974 e outro de 2017.
período de tempo. Há autores
que decidem narrar a própria
história e a escrevem no
decorrer de anos. É o caso da
autobiografia da escritora inglesa
Agatha Christie.
A autora, nascida em
Num certo dia desagradável de inverno, eu estava de cama,
1890, começou a redigir sua convalescendo de uma gripe. Completamente entediada. Já lera
autobiografia em 1950 e só parou grande quantidade de livros, tentara jogar paciência treze vezes
em 1975, quando acreditou que e via-me agora reduzida a jogar bridge sozinha, manipulando
não tinha mais o que escrever. as cartas dos quatro parceiros. Minha mãe veio me ver.
Ela veio a falecer em 1976. – Por que não escreve uma história? – sugeriu.
Agatha Christie narra muitas – Escrever uma história? – retruquei bastante surpresa.
passagens de sua vida, das mais – Sim – disse mamãe. – Assim como Madge.
curiosas às mais simples. A – Oh, não acho que conseguiria.
edição em português de sua – Por que não? – ela perguntou.
autobiografia tem mais de Parecia não haver razões contrárias à ideia, exceto que...
500 páginas.
– Você não sabe se pode ou se não pode – mamãe acrescen-
No trecho que você vai tou – porque nunca tentou.
ler, Agatha Christie relata o Mamãe tinha razão. Ela desapareceu com a habitual rapi-
momento em que começou a dez e reapareceu daí cinco minutos com um caderno escolar
escrever, quando tinha 19 anos. na mão.
Já havia escrito alguns poemas, – Aqui só tem algumas anotações do rol de lavanderia, no
mas foi só a partir da experiência começo. O resto está em branco. Pode começar sua história
narrada que começou a escrever agora mesmo.
histórias no estilo que a tornaria Quando minha mãe sugeria que se fizesse alguma coisa,
famosa. Seu primeiro livro foi praticamente era-se obrigado a fazê-la. Sentei-me na cama e
publicado cerca de seis anos comecei a pensar sobre escrever uma história. De qualquer jei-
depois. to, era melhor do que voltar a jogar paciência.
A obra de Agatha Christie, Não me recordo agora quanto tempo levei – não muito, pre-
©Shutterstock/Ltummy

sumo, de fato, acho que a história estava terminada na noite


uma das escritoras mais
do dia seguinte. Hesitei, no início, em relação a vários temas
importantes do século XX, foi diferentes, para em seguida abandoná-los e, então, finalmen-
traduzida para muitos idiomas. te vi-me profundamente interessada por um e prossegui numa
As muitas referências boa velocidade. Foi exaustivo, e não ajudou com meu repouso,
feitas ao universo da literatura mas foi muito empolgante.
mostram que Agatha Christie – Vou procurar a velha máquina de escrever de Madge –
era uma leitora antes de se tornar disse minha mãe – para você poder datilografar a história.
escritora.

50 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


40. Que escritores Agatha Christie

LP
menciona nesse trecho?

41. Releia o parágrafo inicial desse


trecho. O que ele revela sobre a
personalidade da escritora?

42. Qual foi a importância da mãe para


que Agatha se tornasse uma escritora?

Minha primeira história intitulou-se The House of Beauty.


Não se trata de nenhuma obra-prima, mas, no todo, conside- 43. LLogo que começa a escrever, a
43
ro uma boa história, e foi a primeira coisa que escrevi que pa- autora passa a enviar seus textos a
receu promissora. Escrita de forma amadorística, é claro, ela editoras para que sejam publicados.
evidenciava a influência de tudo o que eu lera na semana an- Qual é a resposta das editoras?
terior. Trata-se de algo difícil de ser evitado quando se começa Como Agatha reage a isso? O que
a escrever. Nessa ocasião, eu estava obviamente lendo D. H. essa reação revela sobre ela?
Lawrence. Lembro-me de que A serpente emplumada, Filhos
e amantes, O pavão branco etc. eram os meus favoritos na
época. Tinha lido também alguns livros de uma Sra. Everard
Cotes, cujo estilo eu admirava bastante. Essa primeira histó-
ria era um tanto pretensiosa e escrita de uma forma que difi-
cultava o entendimento daquilo que o autor queria dizer, mas,
embora o estilo fosse “emprestado”, a história em si mostrava,
no mínimo, imaginação.
44. Esse trecho da autobiografia de
Depois dessa, escrevi outras histórias – The Call of Wings Agatha Christie, embora tenha
(nada ruim), The Lonely God (resultado da leitura de The City sido escrito décadas depois
of Beatiful Nonsense: lamentavelmente sentimental), um diá- da ocorrência dos fatos, traz
logo curto entre uma senhora surda e um homem nervoso em
informações precisas. Assinale os
uma festa e uma história horrenda sobre uma sessão espírita
(que eu reescrevi muitos anos mais tarde). Eu datilografava to-
fragmentos em que isso ocorre.
das as histórias na máquina de Madge – uma Empire, bem me a) “Completamente entediada.”
lembro – e, cheia de esperanças, enviava-as para várias revis- b) “[...] tentara jogar paciência
tas, escolhendo pseudônimos diferentes de tempos em tempos, treze vezes e via-me agora
conforme a fantasia me inspirava. reduzida a jogar bridge sozinha,
Madge escolheu para si o nome de Mostyn Miller; eu me manipulando as cartas dos
apelidei de Mack Miller, e depois mudei para Natanael Miller quatro parceiros.”
(nome do meu avô). Não tinha muita esperança de ter sucesso,
c) “Ela desapareceu com a habitual
e não tive. Todas as histórias voltavam em pouco tempo com
o bilhete de sempre: “O Editor la- rapidez e reapareceu daí cinco
menta...”. E, aí, eu os embalava de Madge: irmã de Agatha Christie. minutos com um caderno
novo e enviava para alguma outra D. H. Lawrence: escritor inglês. escolar na mão.”
revista. Everard Cotes: escritora e jornalista d) “Quando minha mãe sugeria
canadense.
que se fizesse alguma coisa,
praticamente era-se obrigado a
CHRISTIE, Agatha. Autobiografia. Porto Alegre: L&PM, 2017. p. 195-196. fazê-la.”
5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 51
45. Tais informações poderiam 47. Agatha Christie afirma que “tentara jogar paciência treze vezes” e que sua mãe
ser questionadas quanto a sua “reapareceu daí cinco minutos com um caderno escolar na mão”. Qual é o
veracidade? Justifique sua efeito de sentido desses dados tão específicos?
resposta.

Em sua autobiografia, Agatha Christie inseriu alguns dados e


informações fidedignos e outros que são fruto de sua imaginação.
Esse é seu modo de narrar sua história.

48. Como a autora contou sua história com um toque de imaginação, podemos
dizer que sua autobiografia tem menos credibilidade? Justifique sua resposta.
Por outro lado, há várias
expressões que demonstram
imprecisão na narração das
memórias de Agatha Christie.

46. Analise trechos do texto e assinale


Durante a escrita de sua autobiografia, Agatha Christie reflete
aqueles que evidenciam imprecisão
na narração das lembranças.
sobre a atividade de escritor.

a) “Mamãe tinha razão.” Deveria estar escrevendo uma história policial; no entanto, com aquela
natural tendência do escritor para escrever seja o que for, exceto aquilo
b) “Num certo dia desagradável que deveria estar escrevendo, senti, inesperadamente, uma vontade de es-
[...]” crever minha autobiografia. Dizem que esse anseio por escrever a própria
c) “Não me recordo agora quanto biografia, mais cedo ou mais tarde, se apossa de todos. De repente, ela
tempo levei [...]” tomou conta de mim.
d) “[...] finalmente vi-me Pensando melhor, a palavra “autobiografia” é palavra grandiosa demais.
profundamente interessada [...]” Sugere o propósito de elaborar um estudo intencional sobre toda uma vida.
e) “Já lera grande quantidade de Implica registrar nomes, datas e lugares em ordem cronológica apurada.
livros.” Na verdade, porém, o que desejo é mergulhar a mão em uma caixinha de
surpresas e retirar dali um punhado das mais variadas recordações.

As análises feitas nas questões CHRISTIE, Agatha. Autobiografia. Porto Alegre: L&PM, 2017. p. 13-14.
45 e 46 mostram como um A reflexão da autora mostra seu
Retome a leitura do texto de
texto autobiográfico pode desejo de narrar a própria vida e de Bordieu, apresentado no início deste
apresentar alguns dados precisos “mergulhar a mão em uma caixinha capítulo. A vida é formada por fatos
e outros imprecisos. Ainda de surpresas e retirar dali um punhado diversos e descontínuos. Cabe ao
que as informações específicas autobiografado recordar esses fatos
das mais variadas recordações”. e dar a eles uma narrativa, ou seja,
presentes no texto possam ser Afinal, escrever uma autobiografia é interligá-los evidenciando relações
questionadas, foi uma escolha de um processo de recordação que pode de causa e consequência em uma
Agatha Christie inseri-las. sequência temporal.
ser muito prazeroso.
Essa escolha também faz
parte do estilo da autora. Não 49. Considerando as informações apresentadas neste capítulo, complete a frase.
se pode perder de vista que Esse trecho da autobiografia de Agatha Christie é relevante para sua história
ela iniciou a escrita de sua como um todo, pois
autobiografia aos 60 anos,
quando já era uma escritora
reconhecida e experiente.

52 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Como Agatha Christie é uma famosa escritora, é normal

LP
que fizesse reflexões a respeito do que escrevia, incluindo sua 53. O pintor Van Gogh fez
vários autorretratos em
autobiografia. No caso de Malala, esse tipo de reflexão não aparece, já
diferentes momentos de sua vida.
que o objetivo principal da menina é outro.
Veja um deles.

©Shutterstock/Everett - Art
50. Anote o foco da autora de cada uma das autobiografias.

Autobiografia de Autobiografia de
Malala Agatha Christie

Relembre a reflexão da escritora.


VAN GOGH, Vincent. Autorretrato. 1889.
1 óleo sobre tela, color., 349 × 776 cm.
Pensando melhor, a palavra “autobiografia” é palavra grandiosa de- National Gallery of Art, Washington, EUA.
mais. Sugere o propósito de elaborar um estudo intencional sobre toda
uma vida. É correto afirmar que
a) a autobiografia é uma
Agatha Christie mostra um dos papéis mais importantes que uma característica de textos escritos,
autobiografia pode ter: seu aspecto de autorreflexão, bem como a portanto o autorretrato não
reflexão sobre a vida social, cultural e política do momento em que o pode ser considerado um texto
biografado vive. autobiográfico.
A vida do outro – de quem escreve uma autobiografia – serve b) o autorretrato é uma forma de
como exemplo, como motivação para algumas situações e como se autorrepresentar, guardando
forma de reflexão a respeito da realidade do leitor. similaridades com o relato
autobiográfico.
Ao se dar conta da vida do biografado, surgem várias
c) o autorretrato se diferencia
possibilidades de leitura. Isso pode ampliar o conhecimento de
da autobiografia por lhe faltar
mundo do leitor e fazer com que tenha um pouco mais de empatia
subjetividade.
com as pessoas e as situações, já que consegue ver e interpretar o
mundo a partir do olhar do outro. d) a função predominante tanto
do autorretrato quanto da
Além do relato autobiografia é argumentar e
51. Com base nos trechos das autobiográfico, há outras formas convencer o leitor de um ponto
autobiografias lidos neste capítulo,
artísticas de falar de si mesmo. de vista sobre si mesmo.
escreva que tipo de informação,
conhecimento e reflexão você Um autorretrato é também e) não há qualquer similaridade
passou a ter após saber um pouco uma forma de se representar. No entre o autorretrato e a
a respeito de Malala e Agatha entanto, em vez de palavras, o autobiografia.
Christie. autor/artista utiliza a linguagem
visual. Em uma autobiografia, 54. Que outros textos (verbais
52. Entre os trechos lidos, qual mais o autor pode discorrer sobre ou imagéticos) usados por
o emocionou ou criou mais várias fases de sua vida; já em um você podem ser considerados
empatia em você? Compartilhe autorretrato, o pintor representa autobiográficos?
sua resposta com os colegas, um momento específico de
justificando sua escolha.
sua vida, como se estivesse se
olhando no espelho.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 53


organize
as ideias
55. Considere as palavras-chave de
cada quadro e complete o esquema
com características do gênero
Tempo
autobiografia. No quadro maior,
escreva a definição de autobiografia,
verbal
apresentando as características que
você considera mais importantes.

Autor – narrador –
personagem

1a. pessoa
do singular

Subjetividade

Definição

ng
ta
ts
/An
ck
to
rs
te
ut
Sh Agora, você pode fazer as atividades 82 a 85 da seção Foco no Enem.
©

54 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


você,

LP
em estudo
Classes gramaticais II: substantivo e adjetivo
Neste capítulo, discutiremos a respeito da flexão dos substantivos e ▶ Podem se originar de
trataremos de outra classe gramatical: o adjetivo. radicais diferentes. Nesse
caso, ocorre heteronímia,
como em boi/vaca, genro/
Substantivos nora e cavalheiro/dama.
Os substantivos podem se flexionar em gênero, número e grau.
Acompanhe as reflexões sobre essa propriedade deles. Substantivos uniformes
Os substantivos são
Você conhece uma das

ierry eidenweil
uniformes quando apresentam
denominações para a fêmea do
a mesma forma para o
peixe-boi?

©Shutterstock/Th
masculino e para o feminino.
a) Peixe-vaca. São classificados em:
b) A peixe-boi.
▶ Comuns de dois gêneros –
c) Peixe-mulher. apresentam uma única forma
para o masculino e para o
feminino. A distinção do
gênero é feita por meio do
artigo (ou, ainda, do adjetivo
ou do pronome). Exemplos:
o/a artista, um/uma dentista,
aquele/aquela jovem.
Em alguns casos, é fácil identificar o feminino de um substantivo, ▶ Sobrecomuns – têm apenas
mas, em outros, é necessário o conhecimento de algumas regras. um gênero, embora possam
se referir tanto a um ser
Gênero masculino quanto a um
Quanto ao gênero, os substantivos Atenção: feminino. São utilizados,
podem ser classificados em Nem sempre uma palavra mas- geralmente, para nomear
culina ou feminina corresponde ao
masculinos e femininos. Pertencem sexo do ser. Por exemplo: o jacaré
pessoas. Exemplos: a
ao gênero masculino os substantivos pode ser fêmea, e a tartaruga, ma- criança, o cônjuge, o gênio, o
aos quais se pode antepor o artigo o cho. O artigo define apenas o gênero sujeito, o ídolo.
(o menino, o mapa, o pente, etc.) e ao do nome, do substantivo. Objetos,
lugares, elementos da natureza e ▶ Epicenos – nomeiam
feminino os substantivos aos quais se substantivos abstratos (a fazenda, animais ou plantas e
pode antepor o artigo a (a cadeira, a o medo, etc.) não têm sexo, e seu apresentam um só gênero
ponte, a escola, etc.). gênero é uma convenção.
para o feminino e para
Os substantivos podem ser o masculino. Podem-se
biformes ou uniformes. acrescentar as palavras
macho ou fêmea para
Substantivos biformes distinguir o sexo do animal
Os substantivos são biformes quando os gêneros feminino e ou da planta. Exemplos:
masculino apresentam duas formas distintas. foca macho/foca fêmea,
▶ Podem se originar de um mesmo radical, como em: mamoeiro macho/mamoeiro
fêmea.
radical
menin
menino menina
masculino feminino

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 55


56. Leia a manchete e a linha-fina de uma notícia e responda às questões.
58. Releia a passagem a seguir,
https://noticias.band.uol.com.br/mundo/noticias/
extraída do texto Eu sou Malala.

Bebê peixe-boi nada ao lado de Havia até uma mensagem


sua mãe de minha atriz favorita e ativista
social, Angelina Jolie – eu mal
Treinadores tiveram que cuidar do filhote por um mês, podia esperar para contar a
até que a peixe-mulher aceitasse amamentá-lo Moniba.

a) O substantivo “atriz” é
BEBÊ peixe-boi nada ao lado de sua mãe. Disponível em: https://noticias.band.uol.com.br/ comum de dois gêneros.
mundo/noticias/?id=100000697420&t=#foto1. Acesso em: 24 maio 2020. b) O substantivo “atriz” é
a) Quanto ao gênero, o substantivo b) O substantivo “mãe”, quanto ao epiceno.
“bebê” é gênero, é c) Quanto ao gênero, o
( ) sobrecomum. ( ) uniforme. substantivo “atriz” é uma
( ) comum de dois gêneros. ( ) biforme. forma feminina construída
( ) epiceno. por heteronímia.
d) O substantivo “ativista” é
sobrecomum.
Número
e) O substantivo “ativista” é
Quanto ao número, os substantivos podem estar no singular ou no comum de dois gêneros.
plural. O plural é indicado, geralmente, pelas desinências s, es ou is.
Exemplos: casas, mares, lençóis. 59. Leia outro trecho dessa
autobiografia.
57. Algumas palavras admitem mais de uma forma para o plural. Pesquise e
registre os possíveis plurais de
Beyoncé me escreveu um
a) anão: cartão e postou uma foto dele
no Facebook, Selena Gomez
b) ancião:
tuitou sobre mim e Madonna
c) vilão: dedicou-me uma canção.

▶ Assinale os substantivos cujo


Grau plural é obtido da mesma
O grau aumentativo ou diminutivo maneira.
Quanto ao grau, os substantivos nem sempre se refere a tamanho.
podem estar no aumentativo ou no Por exemplo: se uma pessoa a) “cartão”
exclama “Que carrão!” diante de um b) “foto”
diminutivo. Esses graus podem ser carro de luxo, “carrão” não significa
formados por dois processos: carro grande, mas de muitas quali- c) “mim”
▶ sintético – ocorre pelo acréscimo dades. Da mesma forma, o diminuti- d) “canção”
vo pode expressar tanto desprezo
de sufixos, como em filhinho, (Esse carrinho aí!) quanto afeto
©Shutterstock/Real moment

filhão, coelhinho e coelhão; (Gostou do meu carrinho?).


▶ analítico – o substantivo é
modificado por um adjetivo que transmite a ideia de aumentativo
ou de diminutivo. Exemplo: coelho – coelho grande/coelho
pequeno.

Minha cara quando


descubro que homúnculo é
diminutivo de homem.
56 LGG LÍNGUA PORTUGUESA
60. Leia o texto a seguir e responda às questões propostas.

LP
– Ela disse “um instantinho”.
Minutas Um “instantinho” demora mais
que um minuto. Parece que um
Um homem chega num bal- minutinho é feito de vários ins-
cão e tenta chamar a atenção da tantinhos, mas é o contrário.
balconista para atendê-lo: Um “instantinho” contém vários
– Senhorita... “minutinhos”.
– Um minutinho. – Senhorita!
O homem vira-se para um – Só dois segundinhos!
outro do seu lado e diz: O homem começa a se reti-
– Ih, já vi tudo. rar.
– O que foi? – Aonde é que o senhor vai?
– Ela disse “um minutinho”. – Ela disse “dois segundi-
Quer dizer que vai demorar. No nhos”. Isso quer dizer que só vai
Brasil, um minuto dura sessen- me atender amanhã. [...]
Yuliya derbisheva vlg
tock/
ta segundos, como em qualquer ters
hu t
©S
outro lugar, mas um minutinho
minutas: palavra de origem latina
pode durar uma hora. (minuta significa pequeno) cujo radi-
O homem tenta de novo: cal está presente em minuto; também
quer dizer rascunho, primeira redação
– Senhorita... de qualquer documento.
– Só um instantinho...
– Ai...
– O que foi?

VERISSIMO, Luis Fernando. Novas comédias da vida privadaa: 123 crônicas esccolh
ollhhiida
das.
s
13. ed. Porto Alegre: L&PM, 1996. p. 326.

a) Qual é a crítica presente nesse c) A palavra cujo feminino é formado


texto? Ela é feita de maneira por heteronímia é
agressiva? Explique sua ( ) homem.
resposta.
( ) balcão.
( ) atenção.
( ) lugar.

d) No texto, os substantivos
“minutinho”, “instantinho” e e) É um exemplo de substantivo
“segundinhos” comum de dois gêneros a palavra
( ) são diminutivos analíticos. ( ) atenção.
( ) são diminutivos sintéticos. ( ) balconista.
( ) revelam ironia, descaso. ( ) lugar.
( ) hora.
b) Você concorda com a crítica
presente no texto?
A próxima classe gramatical que estudaremos é a dos adjetivos.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 57


Adjetivos
Como já vimos anteriormente, a função do adjetivo é expressar
características, qualidades ou estados dos seres. Tal como os
substantivos, eles podem variar em gênero, número e grau.

61. Releia alguns trechos da autobiografia de Agatha Christie e resolva as questões


propostas para compreender melhor os adjetivos.
Parecia não haver razões
contrárias à ideia, exceto
– Por que não escreve uma história? – sugeriu. que...
– Escrever uma história? – retruquei bastante surpresa. – Você não sabe se pode
– Sim – disse mamãe. – Assim como Madge. ou se não pode – mamãe
– Oh, não acho que conseguiria. acrescentou – porque nunca
– Por que não? – ela perguntou. tentou.

a) A quem se refere a palavra “surpresa”? e) A que classe gramatical


pertence a palavra
“contrárias”?

b) No contexto apresentado, a que classe gramatical pertence a palavra f) O vocábulo “contrárias”


“surpresa”? caracteriza qual palavra?

g) Reescreva a primeira frase


c) Assinale as frases em que a palavra “surpresa” pertence a essa mesma do trecho substituindo a
classe. palavra “razões” por razão.
( ) Chegando em casa, tive uma surpresa.
( ) Maria estava surpresa com a cena que presenciava.
( ) A professora ficou surpresa com a resposta do aluno.

d) Mantendo a classe gramatical utilizada no trecho, elabore uma frase


provando que “surpresa” é uma palavra variável em gênero.
Note que o adjetivo é
uma classe variável em
número (singular/plural).

58 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


63. Releia dois trechos da autobiografia

LP
Sentei-me na cama e come- de Agatha Christie e resolva as
cei a pensar sobre escrever uma 62. Releia outro trecho presente na questões.
história. De qualquer jeito, era autobiografia de Agatha Christie.
melhor do que voltar a jogar
paciência. Mamãe tinha razão. Ela
Hesitei, no início, em rela-
desapareceu com a habitual
ção a vários temas diferentes,
rapidez e reapareceu daí cinco
h) Transcreva a frase em que há uma para em seguida abandoná-los
minutos com um caderno esco-
comparação. e, então, finalmente vi-me pro-
lar na mão.
fundamente interessada por
um e prossegui numa boa ve-
locidade. a) Transcreva os adjetivos que
caracterizam as palavras
i) A comparação apresentada na frase “rapidez” e “caderno”.
expressa a) A que classe gramatical
( ) superioridade. pertence a palavra
“interessada”?
( ) igualdade.
( ) inferioridade.
Num certo dia desagradável
de inverno, eu estava de cama,
convalescendo de uma gripe.
b) Qual é a função da palavra
Os adjetivos podem estar no Completamente entediada.
“profundamente” no trecho
grau comparativo de
apresentado?
▶ superioridade: Helena é mais b) No trecho acima, a palavra “dia”
alta do que Vânia. foi caracterizada duas vezes.
▶ igualdade: Helena é tão alta Explique essa afirmação.
quanto Vânia.
▶ inferioridade: Helena é me-
nos alta do que Vânia. c) Se retirássemos a palavra
“profundamente” da frase, que
Obs.: Os adjetivos bom, mau,
sufixo poderíamos acrescentar
pequeno e grande admitem so- c) Com relação ao número de
à palavra “interessada” para
mente a forma sintética (apenas palavras, qual é a diferença
uma palavra) no grau compara- manter a ideia de intensificação?
entre as duas caracterizações?
tivo de superioridade ou de infe-
rioridade – melhor, pior, menor
e maior. Exemplo: Este prédio é
maior/menor do que o outro (e
não mais maior/menor do que o
outro).

Os adjetivos podem estar


©Shutterstock/Darya sarakouskaya, Vectorfusionart

As locuções adjetivas são


no grau superlativo, que se expressões iniciadas por pre-
subdivide em analítico (casa posição (de, por, com, sem, so-
muito confortável) e sintéti- bre, sob, etc.) que funcionam
co (casa confortabilíssima). como adjetivos. Exemplos:
Outros exemplos: muito claro/ brinquedo de criança, tarefas
claríssimo, muito branco/bran- da semana, programa de tele-
quíssimo. visão. Muitas vezes, a locução
adjetiva pode ser substituída
Além de adjetivos, você por um adjetivo, como em
Apenas hoje fui reparar que brinquedo infantil, tarefas se-
sozinho é diminutivo de só.
pode usar locuções adjetivas
para caracterizar e especificar manais e programa televisivo.
o.
substantivos.
5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 59
Por vezes, a posição do adjetivo muda o sentido da frase. Observe::
Saí com meu velho amigo. (amigo de longa data)
Tenho um amigo velho. (amigo com idade avançada)

64. Explique o sentido das expressões apresentadas.

ki
kovs
▶ grande goleiro:

smo
pco
▶ goleiro grande:

k/Lju
rstoc
utte
©Sh
▶ mau aluno:
68. Releia as passagens a seguir e
▶ aluno mau:
assinale as alternativas corretas.

Era gente do mundo todo


▶ mulher pobre:
desejando-me uma recupera-
▶ pobre mulher: ção rápida, muitas delas crian-
ças. Fiquei atônita e Fiona riu.

65. Transcreva os adjetivos presentes na frase a seguir. ( ) Em “gente do mundo todo”,


a expressão destacada é uma
Cada um de nós tem uma história única, particular, individual. locução adjetiva.
( ) Em “uma recuperação rápida”,
há uma locução adjetiva.
( ) Em “Fiquei atônita”, a palavra
destacada é um adjetivo.

Havia caixas e caixas de


66. Assinale a alternativa que apresenta uma locução adjetiva.
chocolates e ursinhos de toda
forma e tamanho.
Todos estavam preocupados com o fato de eu não estar comen-
do. Mas a comida do hospital não me apetecia e eu temia que não
fosse halal. ▶ São exemplos de locuções adjetivas
( ) “caixas e caixas”.
a) “estavam preocupados” ( ) “de chocolates”.
b) “do hospital” ( ) “chocolates e ursinhos”.
c) “não fosse” ( ) “de toda forma e tamanho”.
d) “halal”

67. Assinale as alternativas em que há adjetivos com sentido intensificado.


a) “[...] então passaram a ir lá todas as tardes, comprar frango com batatas
fritas. Um dia ela até preparou um curry para mim.”
b) “A maioria trazia buquês, alguns impressionantemente lindos.”
c) Não é tão comum as pessoas escreverem sobre si mesmas. Nos dias
atuais, é mais fácil utilizarmos as redes sociais para expor, por meio de
fotos e vídeos, nossos gostos pessoais e as atividades que realizamos.

60 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


organize

LP
69. Relacione as descrições aos tipos
as ideias
de substantivos. 71. Registre o superlativo sintético das expressões apresentadas, conforme o
I. Substantivo que apresenta uma modelo.
única forma para o masculino e para
o feminino. O gênero é evidenciado belo: belíssimo
pela presença de outras classes
gramaticais, como artigo, adjetivo
a) caro:
ou pronome. Exemplos: o jovem/a
jovem. b) branco:
II. Substantivo que tem apenas um c) complicado:
gênero, embora possa se referir d) lento:
tanto a um ser masculino quanto a
um feminino. Exemplo: a criança. 72. Identifique o tipo de comparativo presente nos títulos de notícia a seguir.
III. Substantivo que nomeia animais
ou plantas e apresenta apenas um
gênero para o feminino e para o https://www.metropoles.com/esportes/
masculino. Podem-se acrescentar
as palavras macho ou fêmea para
distinguir o sexo do animal ou da Final da Copa América rendeu
planta. Exemplos: jacaré macho/ mais que times do Brasil
jacaré fêmea.
arrecadam no ano
( ) Epiceno
( ) Sobrecomum
FINAL da Copa América rendeu mais que times do Brasil arrecadam no ano. Disponível
( ) Comum de dois gêneros em: https://www.metropoles.com/esportes/futebol/final-da-copa-america-rendeu-
mais-que-times-do-brasil-arrecadam-no-ano. Acesso em: 26 maio 2020.

70. Complete as lacunas com as ( ) Comparativo de inferioridade.


palavras ou expressões adequadas. ( ) Comparativo de igualdade.
( ) Comparativo de superioridade.
a) Os adjetivos podem estar no
grau de
superioridade, inferioridade e https://g1.globo.com/bemestar/noticia/
igualdade. Podem também estar
no grau ,
que se subdivide em analítico
Caminhar é tão bom quanto
e . correr
b) Os substantivos podem ser
CAMINHAR é tão bom quanto correr. Disponível em: https://g1.globo.com/bemestar/
caracterizados não apenas
noticia/2019/05/10/caminhar-e-tao-bom-quanto-correr.ghtml. Acesso em: 26 maio
por adje
por
po aadjetivos,
addjeetitivo
ivooss,, m aass ttambém
mas am
mbbéém 2020.
ppoor
por
( ) Comparativo de inferioridade.
, is
isto
stoo éé,, ex
expressões
xprres
e sõ
sõess
( ) Comparativo de igualdade.
qqu
ue tê
que êm va
têm aloor de
valor de aadjetivo.
djjet
etiv
ivo.
o
( ) Comparativo de superioridade.

Agora, você pode fazer as atividades 86 a 93 da seção Foco no Enem.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 61


você, escritor

Eduardo Borges. 2020. Digital.


Relato autobiográfico
no livro da turma
Aqui no Brasil, não é tão
comum o livro da turma ou
anuário (yearbook), no qual
constam fotos dos alunos
que estudaram juntos em
determinado ano e de seus
professores. Essa é uma cultura
comum nos Estados Unidos.
Mas isso não quer dizer que
você não pode contribuir para
a elaboração de um livro de sua
turma – um pouco diferente
do modelo estadunidense. A
ideia é inserir, no yearbook, c) Relate alguma curiosidade sobre
b) Relate, de seu ponto de vista,
uma foto de cada aluno, você que, de alguma maneira,
informações relevantes sobre
acompanhada de uma pequena associe-o à turma. É importante
você.
autobiografia. que, ao lerem esse relato, a
▶ O que melhor o define
maioria dos colegas consiga
(um comportamento, um
identificar isso em você.
interesse, etc.)?
Preparação
73. Reúna-se com um colega e, juntos,
se responsabilizem pela elaboração
de duas páginas do livro. Deve
haver, em cada página, a foto e
a autobiografia de um de vocês. ▶ Quais são seus hobbies? E Lembre-se!
A imagem deve ocupar a metade seus gostos pessoais (tipo de
▶ Use a 1ª. pessoa do singular.
superior da página, e o texto escrito, música, livro, filme,
a metade inferior. jogo, etc.)? ▶ Os verbos devem ser utiliza-
dos de acordo com o contex-
74. Anote, de forma sucinta, dados
to. Empregue o
que podem constar em sua
▶ pretérito para se referir a
autobiografia.
questões passadas;
a) Qual é seu nome, seu apelido ▶ presente para se referir
àquilo que ainda ocorre;
(se tiver), sua idade e seu ▶ O que deseja para seu
lugar de nascimento? futuro? ▶ futuro para designar uma
ação a ser realizada.
▶ Apresente alguns fatos objeti-
vos (o que você faz).
▶ Apresente também questões
mais subjetivas (do que você
gosta, o que considera uma
curiosidade sobre você em
relação à turma, etc.).

62 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


77. Após a elaboração e a correção do texto, escolha uma foto sua para compor, no

LP
Produção
livro da turma, a página referente a você.
75. Com base em suas respostas
às questões anteriores, elabore A turma pode fazer uma sessão de fotos
a primeira versão de seu texto. para que todas tenham um mesmo padrão.
Se possível, faça a escrita digital
usando um editor de texto do
computador.

Avaliação
76. Peça a seu colega que leia o texto
que você escreveu e confira o dele.
▶ Primeiramente, verifique se todos

©Shutterstock/Rui vale sousa


os itens solicitados estão presentes
no texto.
▶ Observe se o texto escrito não
ultrapassou o limite de espaço
estabelecido (meia página).
▶ Analise o conteúdo da autobiografia
de seu colega. Se desejar, faça 78. Caso o texto seja digital, faça o escâner da foto, inserindo a imagem na parte
alguma consideração na forma superior da página e a autobiografia na parte inferior.
de comentário. Assim, seu colega 79. Imprimam um texto na frente da folha e outro no verso.
poderá ponderar a respeito do que
escreveu. Sob a orientação do professor, a turma deve reunir todos os textos im-
▶ Se houver erros de digitação ou de pressos e fazer a montagem do livro.
escrita, corrija-os de modo que o ▶ Elaborem um texto de apresentação para o livro.
autor do texto possa visualizar o
▶ Insiram numeração nas páginas.
que foi alterado. Se tiver alguma
dúvida, converse com o professor. ▶ Criem a capa e a contracapa.
▶ Seja ético com relação aos ▶ Escolham a melhor forma de juntar as páginas (encaderná-las, gram-
peá-las, colá-las, etc.).
comentários e às correções.
Certamente, você não gostaria de
ler um comentário indelicado ou
80. Depois de tudo pronto, avalie sua participação na produção do livro.
maldoso, portanto seja respeitoso
com seu colega.
Critérios de avaliação Sim Não

O intuito d Sua autobiografia atende às características do gênero?


esta
atividade é
todos apre que
ndam e se Seu trabalho como colaborador e revisor do texto de seu
desenvolv colega foi feito de maneira ética?
am juntos.
Essa não é
uma forma Digitou sua autobiografia e fez a composição da página
de mostrar
quem sabe destinada a você?
mais, mas
de constru
conhecime ir
nto Contribuiu, com ideias e/ou ações, para a montagem do
coletivame livro?
nte.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 63


Saiba mais como
você, falante produzir seu
videocurrículo

Videocurrículo Aparência e
Falar de si, às vezes, é uma
opção e, outras vezes, uma
postura
p t
Cuide
Cu
C uiid
ide
de ddee ssua
ua aaparência
ppaar
arê
rênnccia
rênc i e ddee su
sua
ua
necessidade. Se você estiver
poostu
posturasttur
ura naa hhora ora da d ggravação.
rav
raavvaaçã
ção.
o V
o. Você
occê
em busca de um emprego, escolheria
es scolh
colh
co lher
eriaa uumama rroupa
ma oupaa aadequada
deequ
quadadaa
ad
provavelmente precisará se ssee ffosse
oosss
sse pparticipar
aarrticipppaar dee uuma m eentre-
ma ntre
nt re-
re
apresentar à empresa por meio vista,
viststta,
a, não
nãoo éé?? EnEntão,
ntã tãoão, é iimportante
m or
mp o ta
tant
ntee
nt
de um documento – o currículo fazer
fa azzeer o memesmo
esm
smo ppa para araa a pprodução
ara rodu
ro duçã
du çãoo de
çã
– ou de um videocurrículo, o seu
se eu vvideocurrículo,
ideoc
ocuurrríccul
culo, sobr so
sobretudo
obr
bret
etud
etudoo se
ud
qual tem se tornado cada vez a emempresa
mpr pressa e a vva vaga
aaga
ggaa eexigirem
xigi
xi gire
girem
re m mam
mais iss
mais comum. formalidade.
form malid i ade.
ade.. U
ad Uma
ma ppostura o tu
os t rraa ddeslei-
esle
es leei-
xxada
xa daa pode
podde fazê-lo
fazêê-lo
-l perder
-l peerrd
derr pontos
pon
onto
toos
tos
Em um currículo
pperante
era
rant
ra nte o em empregador.
mprreegga gad ador.
orr
convencional, são informados
vários
vários dados pessoais, como
nome, formação e experiência
profissional, além de
qualidades do candidato. Em
um videocurrículo, constam
essas mesmas informações,
porém em formato de vídeo,
exigindo que a pessoa se
expresse de forma natural,
demonstrando confiança.

81. At
AAtenção!
ten
enççããão! oo!! CComo
ommo see ttrata rraata
ta ddee
um vvídeo,
um íddeeoo, há há vvárias
áriaas qqu
ár questões
ueesstões
tõeess

específicas
es spe
peecí
ccíífificcaas a es eesse
sssee ggênero
êneerro
ên
que
qqu ue deve
ddevem
de eveem se ser
er le levadas
evvaaada
das em
da em
cconsideração.
cons
coons
nsiddeerraç
nsid açãoo. LLeLeia
eia
ia aass in
instruções
nssttru
tru
ruçõ
çõeses
e ppr
produza
rod
oduz uzaa se seu
eu vivvideocurrículo.
ideoc
deooccuurrrír cuuloo.
de
Compartilhe-o
Co
C ommpppar arti
ar rtitilh
lhe-
hee--o coccom
om um m ccolega
oleg
ol egaa e
comente
cco
ome
ment
ment nte cco como
omo
mo ffoi o essa
oi essa
ssa produção.
ss proodduuçção.
pr ão.
ão

644 LGG LÍNGUA


Í PORTUGUESA
LP
Iluminação
Cuide
Cuid
Cu idee da
id d iiluminação:
lumi
lumina
mi naaçã
naçã
ção: o o aambiente
o: mb
mbie
bient
enntte e vo
você
occêê ddevem
eevvem
m aparecer
apa
pare
reece
cerr ni
niti
nitidamen-
titida
d me
damenn- Tempo
te nnaa gr
ggravação.
a aç
av ação
ão.. Ve
ão Veri
Verifique
r fiiqu
ri q e se
s vvocê
o ê es
oc está
tá bbem
em vvisível
isív
isível
ível nnaa te
tela
tela.
l .
la Um videocurrículo
vid
ideo
eocu
eo curr
cu rríc
rr ícul
ículoo de
ul deveve tter,
er,, em
er

média,
édi
dia,
a, de
de um a ddois oiss mi
oi minu
minutos.
nuto
nu tos.
to s. U
Umm
víde

vídeo
deoo mu
de muito
muitititoo lo
longo
long
ngoo pode
ng pode cansar
can
ansas r
sa
o recrutad
recrutador,
dor, fa faze
fazendo-o
zend
ze ndoo-o
nd o-o peperd
perder
rder
rd er o
fo
foco.
oco. Lembre-se de que um video-
cu
currículo
urr
rríc
ícul
íc uloo é a pr
ul primeira
primimei
im eira
eira aapresenta-
pres
pr esen
es e ta-
en
çã
ção
ão pa
parara uma
uma vaga vag
agaa de
d trabalho,
tra
raba
balh
ba lho,
lh o, ou
ou
sseja,
sejaa, seu
seu cartão
cart
ca rtão
rtão dede visitas.
visi
visita
tas.
ta s.

Ambiente
Escolha
Esco
c lha um m ambiente
amb
mbie ient
ntee silencioso
sile
si lenc
le ncio
nc ioso
io soo para
par
araa fazer
faze
faz r a gravação
grav
gr avaç
av ação
aç ão (já (já
imag
imaginou
a inou um m cacachorro
cachchor
ch orro
orroo latindo
lat
atin
indo
in do aoao fundo
fuund
ndoo de de seuu videocurrí-
vid
ideo
eocu
eo curr
cu rríí-
rr
cu
culo?).
ulo
lo?). O cecenário
enáári
rioo de
d seuseu
eu vídeo
víd
ídeo
eo contribui
conntr
t ib
ibui
ui para
par
a a a primeira
prim
prim
pr imeieira
ra iim- m-
ppressão
pr essão daa empresa
emp
mpre resa
re saa sobre
sob
obre
bre você.
voc
ocê.ê.. Evite
Evi
v tee locais
loc
ocai aiss bagunçados
ai baggu
gunç
unçados oss e
um cenárioo com comm informações
infforma
maçõ
açõ
çõese em
es em excesso,
exce
ex cess
ce ssso, poispois muitos
muititoss ele-
mu ele le--
mentos po podem
ooddem
m tirar
tir
iraar
ar a atenção
ate
tenç
nção
nç ãoo do
do que
q e mais
qu m is importa:
ma imp
m orrta
t : você.
você
vo cê..

Elementoss que que tragam
trag
tr aggaamm informações
inf
n or
ormam çõ
ma ç es positivas
pos
ositititiv
ivas
iv as a seu respeito,
res
e pe
peititito,
o
o,
como livlivros
vro
ros ouu outros
out
utroos objetos
obje
ob jeto
jetoos relacionados
rela
re laci
la c on
ci onad ados
ad os a sua
sua área
áre
reaa de d
att
atuação, , são
sãoo sempre
sem
empprpre
re bem-vindos.
bem-
be m-vi
m- vind
vi ndos
nd os..
os

Roteiro
Elabore
El labbor
oree umu roteirorot
oteieiro
eiro eescrito
scritto
to ddoo
qquee você
qu você vai vai a ffalar.
alar
alar.. Aoo se apre-
ar apre
ap r -
re
sent
se
sentar,
ntar
nt arr, diga
diga
g seu seu nome,
nomome,e, sua
sua
u idade,
idaade
de,,
suaa fo
su formação
orm
rmaç ação
aç ão e o que que
u o levouu a
esco
es
escolher
colh
co lher
lh er determinada
det
etererm
er mina
mi nadada área
áreea para r
ra
tr
trab
trabalhar,
rab
abal alha
al haar,, evidenciando
evi
vide denc
de n ia
nc iand
nddo suas
suass habi-
habii-
lilida
lidades.
dade
da d s.
de s Se Se tiver
titive
verr alguma
ve algu
al g ma experiên-
gu expperiên-
Digital.
it l

ciaa pr
ci prof
profissional,
ofis
of isssi
sion
onal
on al,, fale
al faalee sobre
sob
o re elaelaa ou
2020. Di

ssobre
so bree o quão
br q ão importante
qu imp
mpor orrta
t ntte é encon-
e con-
en co
Borges. 2020

tr
trar
rar uum m pr prim
primeiro
im
mei eiro
ro
o ttrabalho.
raba
ra balh
ba lho.
lho. TTreine
reein
ine
suaa fa
su fala
laa antes
ant
n es de de gravar
grav
gr avar
av a o vídeo
ar víd
ídeo
e e
eo
d B
Eduardo
duardo

evit
ev
evite
ititee le
lerr o roteiro.
rote
ro teir
te irro.
Ed

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO:
Á AUTOR DE SUA HISTÓRIA
Ó LGG 65
foco no
enem
(INSPER – SP) Utilize o texto abaixo para Antônio Nobre. “Ao cair das folhas”, um de seus mais
responder à questão 82. belos sonetos, talvez o meu predileto, está datado de
“Clavadel, outubro, 1895”. Fiquei na Suíça até outu-
bro de 1914.
Ora, como tudo cansa, esta monotonia acabou
por exaurir-me também. Quis variar, e lembrou-me BANDEIRA, M. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar,
escrever um livro. Jurisprudência, filosofia e polí- 1985.
tica acudiram-me, mas não me acudiram as forças No relato de memórias do autor, entre os recursos
necessárias. Depois, pensei em fazer uma História usados para organizar a sequência dos eventos narrados,
dos Subúrbios menos seca que as memórias do destaca-se a
Padre Luís Gonçalves dos Santos relativas à cidade;
era obra modesta, mas exigia documentos e datas a) construção de frases curtas a fim de conferir
como preliminares, tudo árido e longo. Foi então que dinamicidade ao texto.
os bustos pintados nas paredes entraram a falar-me b) presença de advérbios de lugar para indicar a
e a dizer-me que, uma vez que eles não alcançavam progressão dos fatos.
reconstituir-me os tempos idos, pegasse da pena e c) alternância de tempos do pretérito para ordenar os
contasse alguns. Talvez a narração me desse a ilu- acontecimentos.
são, e as sombras viessem perpassar ligeiras, como
ao poeta, não o do trem, mas o do Fausto: Aí vindes d) inclusão de enunciados com comentários e avaliações
outra vez, inquietas sombras...? pessoais.
e) alusão a pessoas marcantes na trajetória de vida do
(Dom Casmurro, Machado de Assis) escritor.
82. Sobre os motivos que levaram o narrador a escrever sua
84.
autobiografia, é correto afirmar que
a) para fugir da monotonia, ele pensou em escrever um
livro, mas só decidiu por uma autobiografia depois da Biografia de Pasárgada Quando
sugestão dos “bustos pintados nas paredes”. eu tinha meus 15 anos e traduzia na classe de
grego do D. Pedro II a Ciropédia fiquei encantado
b) ele sempre quis escrever uma História dos Subúrbios,
com o nome dessa cidadezinha fundada por Ciro,
mas foi convencido a mudar de ideia pela influência
o Antigo, nas montanhas do sul da Pérsia, para lá
do Fausto, obra-prima de Goethe. passar os verões. A minha imaginação de adoles-
c) ele desistiu de escrever obras jurídicas, filosóficas cente começou a trabalhar, e vi Pasárgada e vivi
e políticas porque, em geral, elas são cansativas e durante alguns anos em Pasárgada.
monótonas, ao contrário das biografias. Mais de vinte anos depois, num momento de
d) para variar, ele resolveu pesquisar, tendo “documentos profundo desânimo, saltou-me do subconscien-
e datas como preliminares”, a fim de resgatar o te este grito de evasão: “Vou-me embora pra
passado, que ele chama de “tempos idos”. Pasárgada!”.
e) ele tinha como referência “as memórias do Padre Luís Imediatamente senti que era a célula de um
Gonçalves dos Santos”, importante obra biográfica poema. Peguei do lápis e do papel, mas o poema
brasileira do século XIX. não veio. Não pensei mais nisso. Uns cinco anos
mais tarde, o mesmo grito de evasão nas mesmas
83. circunstâncias. Desta vez, o poema saiu quase ao
correr da pena. Se há belezas em “Vou-me embo-
ra pra Pasárgada!”, elas não passam de acidentes.
Em junho de 1913, embarquei para a Europa a Não construí o poema, ele construiu-se em mim,
fim de me tratar num sanatório suíço. Escolhi o de nos recessos do subconsciente, utilizando as re-
Clavadel, perto de Davos-Platz, porque a respeito dele miniscências da infância – as histórias que Rosa,
me falara João Luso, que ali passara um inverno com minha ama-seca mulata, me contava, o sonho ja-
a senhora. Mais tarde vim a saber que antes de existir mais realizado de uma bicicleta etc.
no lugar um sanatório, lá estivera por algum tempo
BANDEIRA, M. Itinerário de Pasárgada. São Paulo: Global, 2012.

66 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


O texto é um depoimento de Manuel Bandeira a respeito d) transfigura o cotidiano da internação pelo poder de se

LP
da criação de um de seus poemas mais conhecidos. De emocionar.
acordo com esse depoimento, o fazer poético em e) aponta para a recuperação da saúde mental graças à
“Vou-me embora pra Pasárgada!” atividade artística.
a) acontece de maneira progressiva, natural e pouco 86. (FUVEST – SP) Leia o poema:
intencional.
b) decorre de uma inspiração fulminante, num momento
de extrema emoção. amora
c) ratifica as informações do senso comum de que
Pasárgada é a representação de um lugar utópico. a palavra amora
d) resulta das mais fortes lembranças da juventude do seria talvez menos doce
poeta e de seu envolvimento com a literatura grega. e um pouco menos vermelha
e) remete a um tempo da vida de Manuel Bandeira se não trouxesse em seu corpo
marcado por desigualdades sociais e econômicas. (como um velado esplendor)
a memória da palavra amor
85.

a palavra amargo
19-11-1959
seria talvez mais doce
Eu a conheci da primeira vez em que estive aqui.
Parece-me que é esquizofrênica, caso crônico, doen- e um pouco menos acerba
te há mais de vinte anos – não estou bem certa. Foi se não trouxesse em seu corpo
transferida para a Colônia Juliano Moreira e nunca (como uma sombra a espreitar)
mais a vi. [...] À tarde, quando ia lá, pedia-lhe para a memória da palavra amar
cantar a ária da Bohème, “Valsa da Musetta”. Dona
Georgiana, recortada no meio do pátio, cantava – e era
de doer o coração. As dementes, descalças e rasga- Marco Catalão, Sob a face neutra.
das, paravam em surpresa, rindo bonito em silêncio, Tal como se lê no poema,
os rostos transformados. Outras, sentadas no chão
a) a palavra “amora” é substantivo, e “amargo”, adjetivo.
úmido, avançavam as faces inundadas de presença
– elas que eram tão distantes. Os rostos fulgiam por b) o verbo “amar” ameniza o amargor da palavra
instantes, irisados e indestrutíveis. Me deixava imó- “amargo”.
vel, as lágrimas cegando-me. Dona Georgiana can- c) o substantivo “corpo” apresenta sentido denotativo.
tava: cheia de graça, os olhos azuis sorrindo, aquele
d) o substantivo “amor” intensifica o dulçor da palavra
passado tão presente, ela que fora, ela que era, se
“amora”.
elevando na limpidez das notas, minhas lágrimas des-
cendo caladas, o pátio de mulheres existindo em dor e) o verbo “amar” e o substantivo “amor” são
e beleza. A beleza terrífica que Puccini não alcançou: intercambiáveis.
uma mulher descalça, suja, gasta, louca, e as notas 87. (IFSC) Leia o texto:
saindo-lhe em tragicidade difícil e bela demais – para
existir fora de um hospício.
Circuito Fechado (1)
CANÇADO, M. L. Hospício é Deus. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água.
Escova, creme dental, água, espuma, creme de bar-
O diário da autora, como interna de hospital psiquiátrico, bear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete,
configura um registro singular, fundamentado por uma água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo,
percepção que pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias,
a) atenua a realidade do sofrimento por meio da música. sapatos, telefone, agenda, copo com lápis, caneta,
b) redimensiona a essência humana tocada pela blocos de notas, espátula, pastas, caixa de entrada,
sensibilidade. de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigar-
ro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fós-
c) evidencia os efeitos dos maus-tratos sobre a imagem foro. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales,
feminina. cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis.

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 67


Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços Djavan: Usei o Chile como advérbio de quantidade.
de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, São ousadias, não tenho satisfação a dar a ninguém.
caneta, projetor de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigar- O Chile é aquela coisa comprida. É uma metáfora inte-
ro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, ressante. É preciso que você tenha alma para senti-la
água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, ou não. As pessoas da mídia têm que parar de achar
talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Maço de cigar- que isso me atinge.
ros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água.
Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de pa- (Folha de São Paulo, 11/04/2014)
pel, cigarro, fósforo, telefone interno, gravata, paletó.
Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, 88. Nessa entrevista, ao elucidar o sentido
relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos. Jornal. dos versos de sua canção, o músico
Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, Djavan refere-se ao advérbio. Do ponto
guardanapos. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. de vista morfológico, essa explicação
Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, externo¹, a) está adequada, pois, no contexto em que foi
papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, pa- empregado, o termo “Chile” modifica o sentido do
pel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, verbo “falar”, acrescentando-lhe uma circunstância.
caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jor-
b) contém uma imprecisão, pois, no contexto da canção,
nal, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de
ao vir acompanhado pelo artigo indefinido “um”, o
cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona,
vocábulo “Chile” assume a função de substantivo.
copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talhe-
res, copos, guardanapos. Xícaras, cigarro e fósforo. c) é pertinente, pois a função dos advérbios e das
Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. palavras denotativas é conferir subjetividade ao texto,
Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, como ocorre na construção de figuras de linguagem
meias, calça, cueca, pijama, espuma, água. Chinelos. como a metáfora.
Coberta, cama, travesseiro. d) apresenta falhas, pois, levando em conta o contexto
da canção, a palavra representa um adjetivo que
Fonte: RAMOS, Ricardo. Circuito fechado. São Paulo: Martins Editora, caracteriza a relação amorosa mencionada nos versos.
1972. p. 21-22.
e) é inadequada, pois, no contexto da canção, equivale a um
Glossário: numeral, classe gramatical que expressa quantidade.
(1) externo: No texto, o termo externo se refere à pessoa que faz serviços
(UEL – PR) Leia o texto a seguir e responda à questão 89.
externos.
Assinale as proposições CORRETAS.
01. O substantivo é a palavra com que designamos
VESTIBULAR
ou nomeamos os seres em geral, e é classificado Vestibular, aquilo que o Ministério da Educação
apenas como concreto e abstrato. estuda agora extinguir, é um brasileirismo para algo
que em Portugal costuma ser chamado de exame de
02. Os substantivos abstratos designam somente acesso à universidade. Trata-se de um adjetivo que se
noções, ações, estados e qualidades. substantivou, num processo semelhante ao que ocor-
04. No conto “Circuito Fechado”, o autor usa reu com celular, qualificativo de telefone, que tenta – e
substantivos concretos. na maioria das vezes consegue – expulsar a palavra
08. Os substantivos são variáveis também quanto à principal de cena sob uma pertinente alegação de re-
flexão de número. dundância, tomando para si o lugar de substantivo.
Pois o exame vestibular, de tão consagrado no voca-
16. Nos substantivos, há variação em três gêneros: bulário de gerações e gerações de estudantes brasi-
masculino, feminino e neutro. leiros que perderam o sono por causa dele, acabou
Somatório: conhecido como vestibular só. E qualquer associação
(INSPER – SP) Utilize o excerto abaixo para responder à remota com a palavra que está em sua origem – ves-
questão 88. tíbulo – se perdeu nesse processo.
Quando ainda era claramente um adjetivo, ficava
Folha de S.Paulo: Em “Pecado”, canção de “Rua mais fácil perceber a metáfora que, com certa dose
dos Amores”, você canta “Mesmo que o amor avance de pernosticismo, levou a palavra vestibular a ser
perde-se em nuance/ quase um Chile inteiro/ quando escolhida para qualificar o processo de seleção de
você fala, fala, fala”. O que é o Chile neste caso? candidatos ao ensino superior. Vestíbulo (do latim

68 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
vestibulum) é, na origem, um termo de arquitetura 10 platônicas e na busca socrática por um Bem abso-
que significa pórtico, alpendre ou pátio externo, mas 11 luto e final; mas é na Metafísica de Aristóteles que o
que pode ser usado também, em sentido mais am- 12 Ser supremo emerge e ocupa, de forma triunfante, o
plo, para designar um átrio, uma antessala, qualquer 13 centro da filosofia. Com a emergência do cristianis-
cômodo ou ambiente de passagem entre a porta de 14 mo, entre os séculos 1 e 3 d.C., o Deus dos filósofos
entrada e o corpo principal de uma casa, apartamen- 15 foi se fundindo com a divindade das tribos de Israel:
to, palácio ou prédio público. Para quem prefere uma 16 o “motor imóvel” de Aristóteles absorveu a persona-
solução anglófona, estamos falando de hall ou lobby. 17 lidade daquele senhor austero, cuja voz ecoava nos
Como é um ambiente de transição entre o lado de 18 desertos do Velho Testamento, entre as chamas de
fora e o lado de dentro, vestíbulo ganhou ainda por 19 sarça seca, dizendo de forma enigmática e simples:
extensão, em anatomia, o sentido de “cavidade que 20 eu sou o que sou.
dá acesso a um órgão oco” (Houaiss). Antes de ser
admitido no vocabulário da educação, “sistema vesti- BOTELHO, José Francisco. A odisseia da filosofia: uma breve história do
bular” já tinha aplicação na linguagem médica como pensamento ocidental. São Paulo: Abril, 2015.
nome dos pequenos órgãos situados na entrada do 90. Considere as afirmações.
ouvido interno, responsáveis por nosso equilíbrio.
I. O vocábulo “subenredo” (l. 01) pode ser
substituído pela expressão “enredo secundário”, sem que
(Adaptado de: RODRIGUES, S. Vestibular. Disponível em: <http://
revistadasemana.abril.uol.com.br/edicoes/81/palavradasemana/materia>.
haja mudança no sentido original do texto.
Acesso em: 6 jun. 2009.) II. O adjetivo “pagã” (l. 04) pode ser substituído por
“pecadora”, sem mudança de sentido no texto.
89. Com base no texto, considere as
afirmativas a seguir: III. O vocábulo “emergência” (l. 13) tem sentido equivalente
na oração “A cidade está em estado de emergência por
I. Ao afirmar que vestibular é um brasileirismo, o autor se causa das fortes chuvas”.
posiciona contrariamente à sua extinção pelo Ministério
da Educação. Assinale a alternativa que contenha a(s) afirmação(ões)
correta(s).
II. O autor não condena o uso do estrangeirismo “lobby” no
lugar do brasileirismo “vestibular”. a) I b) II c) III d) I e II e) II e III
III. O adjetivo “vestibular” que, devido ao uso, acabou sendo 91. Se o vocábulo “Deus” (l. 02) fosse colocado
substantivado, é derivado da palavra “vestíbulo”. no feminino, quantas outras palavras (além
dele) sofreriam modificação, levando-se em
IV. O autor considera pertinente a alegação de redundância consideração apenas aquele período?
para explicar o processo de substantivação do termo
“celular”. a) Uma. c) Três. e) Cinco.
Assinale a alternativa correta. b) Duas. d) Quatro.
a) Somente as afirmativas I e II são corretas. (INSPER – SP) Leia o poema para responder à
b) Somente as afirmativas II e IV são corretas. questão de número 92.
c) Somente as afirmativas III e IV são corretas.
d) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. Meninos carvoeiros
e) Somente as afirmativas I, III e IV são corretas. Os meninos carvoeiros
Passam a caminho da cidade.
(IFRS) O texto é referência para as atividades 90 e 91. – Eh, carvoero!
E vão tocando os animais com um relho enorme.
1 Na história de filosofia antiga, há um subenredo
2 oculto: o gradual surgimento de um Deus maiúsculo
Os burros são magrinhos e velhos.
3 e único, que dê sentido a tudo que existe. Na Grécia
4 pagã, gerações sucessivas de pensadores desenvol- Cada um leva seis sacos de carvão de lenha.
5 veram uma espécie de monoteísmo filosófico; Zeus, A aniagem é toda remendada.
6 o senhor dos imortais na mitologia grega, cedeu lu- Os carvões caem.
7 gar a hotheos, “o Deus”, entidade racional e infinita (Pela boca da noite vem uma velhinha que os recolhe,
8 das teorias filosóficas. Essa divindade impessoal [dobrando-se com um gemido.)
9 e assombrosa já se deixava entrever nas Formas
– Eh, carvoero!

5. RELATO AUTOBIOGRÁFICO: AUTOR DE SUA HISTÓRIA LGG 69


Só mesmo estas crianças raquíticas atendida, é arrastada à morte, a céu aberto, pelo as-
Vão bem com estes burrinhos descadeirados. falto do Rio.
A madrugada ingênua parece feita para eles... Não vou me deter nas versões apresentadas pelos
advogados dos policiais. Todas as vozes terão que ser
Pequenina, ingênua miséria!
ouvidas, e com muita atenção à voz daqueles que nun-
Adoráveis carvoeirinhos que trabalhais como se ca são ouvidos. Mas, antes das versões, o fato é que
[brincásseis! esse porta-malas, ao se abrir fora do script, escanca-
rou um real que está acostumado a existir na sombra.
– Eh, carvoero! O marido de Cláudia Silva Ferreira disse que, se o
porta-malas não se abrisse como abriu (por obra do
Quando voltam, vêm mordendo num pão encarvoado, acaso, dos deuses, do diabo), esse seria apenas “mais
Encarapitados nas alimárias, um caso”. Ele está dizendo: seria uma morte anônima,
Apostando corrida, aplainada1 pela surdez da praxe2 pela invisibilidade,
Dançando, bamboleando nas cangalhas como uma morte não questionada, como tantas outras.
[espantalhos desamparados! É uma imagem verdadeiramente surreal, não porque
esteja fora da realidade, mas porque destampa, por um
(Manuel Bandeira, Estrela da vida inteira, 1993) “acaso objetivo” (a expressão era usada pelos surrealis-
tas3), uma cena recalcada4 da consciência nacional, com
Vocabulário: tudo o que tem de violência naturalizada e corriqueira,
Relho: chicote tratamento degradante dado aos pobres, estupidez
Aniagem: tecido grosseiro usado na confecção de sacos e fardos elevada ao cúmulo, ignorância bruta transformada em
Encarapitados: postos no alto trapalhada transcendental5, além de um índice grotesco
Alimárias: bestas de carga de métodos de camuflagem e desaparição de pessoas.
92. Identifica-se a função apelativa da linguagem em Pois assim como Amarildo6 é aquele que desapareceu
a) “Os burros são magrinhos e velhos.”, com o termo das vistas, e não faz muito tempo, Cláudia é aquela que
destacado expressando sentido de fragilidade física. subitamente salta à vista, e ambos soam, queira-se ou
não, como o verso e o reverso do mesmo.
b) “vem uma velhinha que os recolhe”, com o termo
destacado expressando sentido de acolhimento. O acaso da queda de Cláudia dá a ver algo do
que não pudemos ver no caso do desaparecimento
c) “Vão bem com estes burrinhos descadeirados.”, com de Amarildo. A sua passagem meteórica pela tela é
o termo destacado expressando sentido de ironia. um desfile do carnaval de horror que escondemos.
d) “Adoráveis carvoeirinhos que trabalhais como se Aquele carro é o carro alegórico de um Brasil, de
brincásseis!”, com o termo destacado expressando um certo Brasil que temos que lutar para que não se
sentido de empatia. transforme no carro alegórico do Brasil.
e) “Pequenina, ingênua miséria!”, com o termo
José Miguel Wisnik. Adaptado de oglobo.globo.com, 22/03/2014.
destacado expressando sentido de limitação
quantitativa. 1
aplainada − nivelada
2
93. (UERJ) praxe − prática, hábito
3
surrealistas − participantes de movimento artístico do século 20 que
enfatiza o papel do inconsciente
O ARRASTÃO 4
5
recalcada − fortemente reprimida
Estarrecedor, nefando, inominável, infame. Gasto transcendental − que supera todos os limites
6
logo os adjetivos porque eles fracassam em dizer o Amarildo − pedreiro desaparecido na favela da Rocinha, no Rio de
sentimento que os fatos impõem. Uma trabalhadora Janeiro, em 2013, depois de ser detido por policiais
brasileira, descendente de escravos, como tantos, No início do texto, ao expressar sua indignação em
que cuida de quatro filhos e quatro sobrinhos, que relação ao tema abordado, o autor apresenta uma
parte para o trabalho às quatro e meia das manhãs de reflexão sobre o emprego de adjetivos. Essa reflexão está
todas as semanas, que administra com o marido um associada à seguinte ideia:
ganho de mil e seiscentos reais, que paga pontual-
a) o fato exige análise criteriosa
mente seus carnês, como milhões de trabalhadores
brasileiros, é baleada em circunstâncias não esclare- b) o contexto constrói ambiguidade
cidas no Morro da Congonha e, levada como carga c) a linguagem se mostra insuficiente
no porta-malas de um carro policial a pretexto de ser d) a violência pede descrição cuidadosa

70 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


6

LP
Estatuto da Juventude:
E
a voz dos jovens
OBJETIVOS DO CAPÍTULO
6
▶ Relacionar o texto legal Estatuto
da Juventude ao contexto social e
histórico de sua promulgação.
▶ Analisar a composicionalidade do
gênero, ou seja, suas características e
especificidades.
▶ Adquirir domínio básico de leitura de
textos legais.
▶ Debater questões de interesse dos
jovens, desenvolvendo a capacidade
de argumentar em defesa de seus
©Shutterstock/Stock rocket / MBI / Rawpixel.com / Dean drobot

interesses.
▶ Compreender o texto dissertativo-
-argumentativo como espaço de
exposição e defesa de ideias.
▶ Analisar efeitos de sentido de usos
expressivos da linguagem.
▶ Reconhecer artigos, numerais
e pronomes, bem como suas
Fotos: ©Shutte

funcionalidades e seus sentidos


no texto.
Estatuto da Juventude:
E
a voz dos jovens

O mundo nunca foi tão jovem e está se tornando ainda mais jovem a cada TÍTULO I – Dos Direitos e das
dia que passa. O desenvolvimento de qualquer sociedade depende da forma Políticas Públicas de Juventude
como ela estimula seus jovens – mulheres e homens, da forma como são
apoiados.
Irina Bokova, diretora-geral da Organização das Nações Unidas CAPÍTULO I – Dos Princípios e
Diretrizes das Políticas Públicas de
para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) Juventude

Art. 1º. Esta Lei institui o Estatuto


da Juventude e dispõe sobre os di-
você, leitor reitos dos jovens, os princípios e
diretrizes das políticas públicas de
juventude e o Sistema Nacional de
Juventude – SINAJUVE.
Texto de lei: Estatuto da Juventude § 1º. Para os efeitos desta Lei,
são consideradas jovens as pessoas
Você já pensou qual é seu com idade entre 15 (quinze) e 29
Nossa vida é regida por normas,
papel na sociedade? Já refletiu que determinam como devemos nos (vinte e nove) anos de idade.
a respeito de como os jovens comportar e realizar diversas ativi-
podem contribuir para um mundo dades. Muitas dessas normas estão
disciplinadas em leis, as quais são § 2º. Aos adolescentes com ida-
melhor, mais justo, sustentável e criadas pelas pessoas que elegemos de entre 15 (quinze) e 18 (dezoito)
igualitário? Além disso, já passou como nossos representantes: vereado- anos aplica-se a Lei nº. 8.069, de
por sua cabeça que os jovens res, deputados e senadores.
13 de julho de 1990 – Estatuto da
devem ter direitos específicos? Criança e do Adolescente, e, excep-
cionalmente, este Estatuto, quando
não conflitar com as normas de
1. Vamos iniciar o estudo deste capítulo com uma breve discussão: O que é
proteção integral do adolescente.
juventude para você? Reflita sobre isso.

Você sabia que, em SEÇÃO I – Dos Princípios


2013, foi criado o Estatuto
Art. 2º. O disposto nesta Lei e as
da Juventude? Estatuto da
políticas públicas de juventude são
Juventude é a denominação regidos pelos seguintes princípios:
dada à Lei nº. 12.852, de 5
O símbolo I – promoção da autonomia e
de agosto de 2013. Nela, é de
parágrafo é emancipação dos jovens;
instituído o Sistema Nacional §.
Portanto, “
da Juventude (Sinajuve), órgão § 1º. ” é
lido como
responsável por promover parágrafo
políticas públicas voltadas para primeiro.
a proteção dos direitos dos
jovens.

72 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
Juventude é uma condição que precisa ser
pensada, a fim de que se possam entender
suas ações e potencialidades.

©Shutterstock/MBI

II – valorização e promoção da É provável que você já 4. Releia os parágrafos


participação social e política, tenha ouvido falar no Estatuto primeiro e segundo do
de forma direta e por meio de da Criança e do Adolescente art. 1º..
suas representações; (ECA), um texto amplamente a) Pode haver conflito entre
III – promoção da criatividade e da conhecido que regulamenta o Estatuto da Juventude e
participação no desenvolvi- direitos e deveres de crianças e o Estatuto da Criança e do
mento do País; adolescentes entre 12 e 18 anos. Adolescente, pois
IV – reconhecimento do jovem Já o Estatuto da Juventude é ( ) os jovens e os adolescentes
como sujeito de direitos uni- uma lei voltada para jovens de 15 pertencem ao mesmo grupo.
versais, geracionais e singu- a 29 anos, ou seja, abrange uma ( ) os jovens entre 15 e 18 anos
lares; parcela maior de pessoas. estão contemplados nas duas
V – promoção do bem-estar, da leis.
2. Em sua opinião, a faixa etária que,
experimentação e do desen- ( ) o ECA protege os jovens de até
na lei, corresponde à juventude
volvimento integral do jovem; 18 anos.
é adequada? Justifique sua
VI – respeito à identidade e à diver- resposta. ( ) a Lei nº. 8.069 contempla os
sidade individual e coletiva da jovens e os adolescentes.
juventude; ( ) os dois estatutos são uma
mesma lei.
VII – promoção da vida segura, da
cultura da paz, da solidarieda-
de e da não discriminação; e b) Qual é a interpretação do
parágrafo segundo com relação
VIII – valorização do diálogo e con-
à aplicação do ECA e do
vívio do jovem com as demais
Estatuto da Juventude?
gerações.
Parágrafo único. A emancipa-
ção dos jovens a que se refere o 3. Antes de analisarmos o trecho
da lei, pesquise, no dicionário, o
inciso I do caput refere-se à tra-
significado da palavra juventude
jetória de inclusão, liberdade e
e anote-o nas linhas a seguir.
participação do jovem na vida
em sociedade, e não ao instituto
da emancipação disciplinado pela
Lei nº. 10.406, de 10 de janeiro de
2002 – Código Civil.
BRASIL. Estatuto da Juventude: atos
internacionais e normas correlatas.
Brasília: Senado Federal, Coordenação de
Edições Técnicas, 2013. p. 26.

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 73


Hierarquia das 7. Agora, analise estes dois princípios:

ha
informações

s
lev
ter
Art. 2º. O disposto nesta Lei e

as
k/M
O texto do Estatuto da as políticas públicas de juventu-

c
sto
ter
Juventude se inicia com o de são regidos pelos seguintes

hut
©S
“TÍTULO I – Dos Direitos e das princípios:
Políticas Públicas de Juventude” I – promoção da autonomia e
e, em seguida, há a “SEÇÃO emancipação dos jovens;
I – Dos Princípios”. Trata-se de II – valorização e promoção da
dois itens da lei com conteúdos participação social e política,
específicos. É uma forma de de forma direta e por meio
hierarquizar os assuntos nela de suas representações;
presentes, para que o texto
fique mais organizado, com as a) No inciso I, qual é o
informações setorizadas. significado de “autonomia” e
“emancipação” no contexto da
Os títulos em destaque apresentam lei?
a mesma estrutura, com a preposição
de em seu início. Há a supressão do
sujeito em ambos, assemelhando-se
a formas arcaicas do uso da língua.
Em latim, esse tipo de construção
era comum: a referida preposição era
usada com o sentido de acerca de, a
respeito de. Obras latinas famosas
foram batizadas com essa estrutura,
como De Bello Galico (Sobre a Guerra
da Gália), de Júlio César, e De rerum
natura (Sobre a natureza das coisas), b) Com base em seu conhecimento
de Lucrécio. de mundo, autonomia e
emancipação são importantes
para os jovens? Por quê?
5. Considerando o trecho lido,
assinale a alternativa que melhor
define o que são “princípios” em
uma lei.
a) São os fundamentos, ou seja, as
ideias centrais, que norteiam a
elaboração de uma lei.
b) São normas que determinam o
c) Explique as duas formas de
que deve ou não ser feito.
participação: direta e por meio
c) Representam ou identificam o de representações.
momento em que algo deve ser
feito.

6. Qual é a relação de hierarquia entre


o Título I e a Seção I? Explique sua A deusa da justiça é representada com uma
resposta. venda nos olhos, indicando imparcialidade;
uma balança em uma das mãos, significando
o julgamento em equilíbrio, que leva em
consideração a acusação e a defesa; e uma
espada na outra, simbolizando a força da
justiça no cumprimento das leis.

74 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Palavra: matéria-prima da lei

LP
No mundo das leis, a palavra assume uma grande relevância. O
texto das leis, desde a mais importante – a Constituição Federal – até
as demais, apoia-se na palavra para ordenar a vida em sociedade. Para
tanto, o texto precisa ser claro e objetivo, sem dar margem a dúvidas
e equívocos.
Acabamos de ver, no inciso I do art. 2º., a palavra “emancipação”. O
parágrafo único desse artigo apresenta uma espécie de observação.

8. Releia o parágrafo único do art. 2º.. Por que foi necessário fazer essa
observação?

9. Você analisou os dois primeiros princípios. Leia os demais e, no quadro a


seguir, explique sua importância para os jovens e o que justificaria sua inserção
na lei.

Princípio presente na lei Importância para os jovens


III – promoção da criatividade e
da participação no
desenvolvimento do País;

IV – reconhecimento do jovem como


sujeito de direitos universais,
geracionais e singulares;

V – promoção do bem-estar,
da experimentação e do
desenvolvimento integral
do jovem;

VI – respeito à identidade e à
diversidade individual e
coletiva da juventude;

VII – promoção da vida segura, da


cultura da paz, da solidariedade
e da não discriminação; e
VIII – valorização do diálogo e
convívio do jovem com as
demais gerações.

10. Após a análise desses princípios, qual você acredita ser o mais importante?
Justifique sua escolha.

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 75


A seção indica o tema específico
Estrutura e que envolve o que está disciplinado
SEÇÃO VI – Do Direito à Cultura
nos artigos a seguir. Art. 21. O jovem tem direito à
características cultura, incluindo a livre criação, o
Ao lermos e interpretarmos acesso aos bens e serviços culturais
uma lei, podemos avaliar e a participação nas decisões de po-
seu conteúdo – do que ela lítica cultural, à identidade e diversi-
dade cultural e à memória social.
trata e o que estabelece – e
sua estrutura. Para analisar Art. 22. Na consecução dos di-
as especificidades de sua reitos culturais da juventude, com-
pete ao poder público:
estrutura, leia mais um trecho
do Estatuto da Juventude, I – garantir ao jovem a participa-
ção no processo de produção,
que diz respeito aos direitos
reelaboração e fruição dos
dos jovens com relação a um bens culturais;
aspecto importante de sua vida.
II – propiciar ao jovem o acesso
aos locais e eventos culturais,
mediante preços reduzidos,
em âmbito nacional;
III – incentivar os movimentos de
jovens a desenvolver ativida-
O artigo (art.) é a unidade básica. O des artístico-culturais e ações
texto a seu lado é chamado de caput.
Do 1º. ao 9º., a numeração é ordinal e, a
voltadas à preservação do pa-
partir do 10, cardinal. trimônio histórico;
IV – valorizar a capacidade criativa
do jovem, mediante o desen-
volvimento de programas e
O inciso, simbolizado por algaris- projetos culturais;
mos romanos, é um desdobramento
do artigo e do parágrafo. V – propiciar ao jovem o conheci-
Outras formas de desdobramento mento da diversidade cultural,
são as alíneas, indicadas por letras regional e étnica do País;
(a, b, c), e os itens, indicados por VI – promover programas educa-
números (1, 2, 3).
tivos e culturais voltados para
a problemática do jovem nas
emissoras de rádio e televisão
e nos demais meios de comu-
nicação de massa;
VII – promover a inclusão digital
sy
sy dai

dos jovens, por meio do aces-


ck/Dai

so às novas tecnologias da in-


ttersto

formação e comunicação;
©Shu

VIII – assegurar ao jovem do campo


o direito à produção e à fruição
cultural e aos equipamentos
públicos que valorizem a cultu-
ra camponesa; e
IX – garantir ao jovem com defi-
ciência acessibilidade e adap-
tações razoáveis.

76 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Parágrafo único. A aplicação O parágrafo é um desdobramento Em geral, leis são textos

LP
dos incisos I, III e VIII do caput do artigo e pode explicar ou restringir
o conteúdo dele. Quando há somente com muitas informações.
deve observar a legislação especí- um, é denominado parágrafo único Nelas, adota-se uma linguagem
fica sobre o direito à profissionali- e, quando há dois ou mais, é usado o específica, com jargões do
zação e à proteção no trabalho dos símbolo §.
mundo jurídico.
adolescentes.

Art. 23. É assegurado aos jovens


de até 29 (vinte e nove) anos per- Toda lei (m
unicipal,
tencentes a famílias de baixa ren- estadual o
u federal)
da e aos estudantes, na forma do é identific
ada por um
regulamento, o acesso a salas de número e p
ela data de
cinema, cineclubes, teatros, espetá- sua criação
. Deve ser
culos musicais e circenses, eventos redigida co
m clareza,
educativos, esportivos, de lazer e com precis
ão e em
entretenimento, em todo o território ordem lóg
ica.
nacional, promovidos por quaisquer
entidades e realizados em estabele-
cimentos públicos ou particulares,
mediante pagamento da metade do
O texto é subdividido em
preço do ingresso cobrado do públi-
partes (capítulos, seções, artigos,
co em geral.
incisos, alíneas), a fim de que
§ 1º. Terão direito ao benefício cada uma delas seja indicada de
previsto no caput os estudantes forma separada das demais.
regularmente matriculados nos Alguns legisladores
níveis e modalidades de educação
reconhecem a importância de
e ensino previstos no Título V da
se expressarem de maneira
Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro
de 1996 – Lei de Diretrizes e Bases simples e direta, já que as leis
da Educação Nacional, que com- são do interesse de todos os
provem sua condição de discente, cidadãos e, portanto, precisam
mediante apresentação, no mo- ser lidas e conhecidas por eles.
mento da aquisição do ingresso e Contudo, ainda há textos de lei
na portaria do local de realização do escritos com uma linguagem de
evento, da Carteira de Identificação difícil entendimento, seja pela
Estudantil – CIE.
©Shutterstock/Rawpixel.com

complexidade do tema abordado,


§ 2º. A CIE será expedida pre-
seja pela falta de preocupação
ferencialmente pela Associação dos legisladores com essa
Nacional de Pós-Graduandos, pela questão.
União Nacional dos Estudantes,
pela União Brasileira dos Estudantes consecução: ato ou efeito de conseguir
algo; obtenção.
Secundaristas e por entidades estu-
acessibilidade: condição de acesso a
dantis estaduais e municipais a elas algo.
filiadas. discente: relativo àquele que estuda.
§ 3º. É garantida a gratuidade na aquisição: ato ou efeito de adquirir
algo; compra.
expedição da CIE para estudantes
expedição: ato ou efeito de remeter ao
pertencentes a famílias de baixa destino; envio.
renda, nos termos do regulamento.

BRASIL. Estatuto da Juventude: atos


internacionais e normas correlatas. Brasília:
Senado Federal, Coordenação de Edições
Técnicas, 2013. p. 30-31.

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 77


Acompanhe a sequência de 17. O § 1º. do art. 23 faz referência à
atividades sobre esse trecho da lei. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro
de 1996, mais conhecida como Lei
11. Que importante direito é de Diretrizes e Bases da Educação
estabelecido no art. 21? Nacional (LDB). Você já ouviu
falar nessa lei? Faça uma rápida
pesquisa sobre ela e anote o que
descobriu. Discuta com os colegas

©Folhapress/Victor Augusto/
12. Qual é o objetivo do art. 22 com e o professor sua importância e o
relação a esse direito? motivo de sua referência no Estatuto
da Juventude.

©Shutterstock/Comaniciu dan
13. Você reconhece, na cidade onde
vive, a ocorrência de alguma das
ações elencadas nos incisos?
Converse sobre isso com os
colegas e o professor.
18. O texto de lei deve
14. Releia, com atenção, o caput do ser interpretado. Pelo
art. 23 e resolva as questões. exposto no art. 23, quem tem direito
à meia-entrada?
a) Explique seu conteúdo.
a) Qualquer estudante de baixa
renda.
b) Qualquer pessoa com até
29 anos.
c) Estudantes que tenham até
b) Qual é a relação desse artigo

©Shutterstock/Ververidis vasilis
29 anos e sejam de baixa renda.
com os dois anteriores? d) Apenas pessoas de baixa renda.
e) Jovens com até 29 anos
pertencentes a famílias de baixa
renda e estudantes.

19. Você sabia que esses jovens têm


15. O que é informado no § 1º. do art. direito à meia-entrada? Pesquise,
23? no Estatuto da Juventude, como
eles podem usufruir desse direito,
mesmo que não sejam estudantes.
Transcreva o trecho da lei que
menciona essa informação.

16. Qual é a relação entre o § 1º. e o ©Shutterstock/3D imagination

caput do art. 23?

Você pode utilizar sites de pes-


quisa para acessar o texto integral
do Estatuto da Juventude.

78 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Releia o art. 21 do Estatuto da Juventude.

LP
Art. 21. O jovem tem direito à cultura, incluindo a livre criação, o acesso aos bens e serviços culturais e a
participação nas decisões de política cultural, à identidade e diversidade cultural e à memória social.

20. De acordo com esse artigo, o acesso à cultura pode se dar


a) por meio de decisões políticas e do consumismo.
b) por meio de criações artísticas.
c) pela diversidade cultural e pela identidade criada pela cultura de massa.
d) pelo contato com bens culturais e pela participação em espetáculos.
e) por meio de manifestações políticas.

21. O art. 21 expõe direitos relacionados à cultura. Com base em seus conhecimentos prévios, discorra sobre o significado das
expressões extraídas do texto.

“livre
criação”

“acesso aos
bens e serviços
culturais”

“política
cultural”

“identidade
e diversidade
cultural”

“memória
social”

22. Para você, por que é importante o jovem ter direito à cultura? Escreva um parágrafo expondo e defendendo sua opinião.

23. Releia o texto, transcreva a ressalva do parágrafo único do art. 22 e anote o


motivo que justificaria sua inserção na lei.
Consta, no art. 22, que o jovem
tem o direito não somente à fruição
da arte, mas também a sua produção.
Entretanto, no parágrafo único, é fei-
ta uma ressalva a essa informação.

24. Qual é a importância de se conhecer o Estatuto da Juventude? Converse sobre isso com os colegas e o professor e anote
suas conclusões.

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 79


você,
em estudo 25. Acompanhe o diálogo a seguir para refletir mais sobre os artigos.

Artigo No ano de 2019, o cinema recebeu com surpresa


Neste capítulo, estudaremos Parasita, filme produzido por sul-coreanos. Joel e Bruno
mais três classes gramaticais: deixaram a sala do cinema impressionados com o filme.
o artigo, o numeral e o – Um filme muito bom! – disse Bruno.
pronome. Faremos isso em dois – Não é um filme, mas é o filme do ano! Filme de Oscar,
momentos. Primeiramente, certamente! – respondeu Joel.
refletiremos sobre o artigo. Meses depois, a previsão do jovem se cumpria: Parasita
Como já vimos, o artigo ganhou o prêmio de melhor filme.
pode ser
▶ definido: o, a, os, as; ▶ Nesse diálogo, qual é a diferença de sentido entre “um filme” e “o filme”?
▶ indefinido: um, uma, uns,
umas.

Lembrete!
O
podem esta s artigos
r combinad
ou contraíd os
os com outr
classes gra a s
maticais.
Exemplos:
ao (prep
a + artigo o osição
(preposiçã ), no
o em + artig
o), da (pre o
posição
de + artigo
a), numa
(preposiçã Percebeu a diferença de sentido? Trata-se não apenas de saber a
o em +
artigo uma classificação dos artigos, mas também de compreender a contribuição
).
deles para a atribuição de sentidos ao texto.

26. Converse com seus colegas sobre filmes de que gostam. Em seguida, complete
A classificação dos artigos as frases com o título de dois deles.
é importante, mas mais
importante ainda é identificar
sua funcionalidade. Afinal, Para mim, é “o” filme.
para que eles servem? Que
efeito de sentido atribuem Também considero “o” filme.
aos enunciados?
A função dos artigos definidos é
determinar, tornar o substantivo indi-
vidualizado. Por sua vez, os artigos Os artigos acompanham os substanti-
indefinidos tornam o substantivo vos: a escola, o trabalho, uma ideia, uns
vago. Observe essa diferença nos minutos, etc.
exemplos a seguir. Então, fique atento! Nas frases O cantar
▶ Naquele momento, o professor dos pássaros me alegra e Ele recebeu um
onova

entrou na sala. (O substantivo “pro-


não como resposta, houve substantiva-
ena pim

fessor” está determinado.)


ção, ou seja, o verbo “cantar” e o advérbio
▶ Naquele momento, um professor
El

de negação “não” foram substantivados. s.


erstock/

entrou na sala. (O substantivo


“professor” está indefinido).
©Shutt

80 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
resolve aí ;)
27. Acompanhe um trecho do Estatuto
da Juventude e resolva as questões 29. Alguns substantivos assumem
c) No trecho lido, há três
propostas. sentidos diferentes de acordo com
palavras em que a preposição
a forma masculina ou feminina
está contraída com o artigo.
dos artigos definidos. Analise as
Art. 1º. Esta Lei institui o Transcreva-as.
sentenças e registre o sentido de
Estatuto da Juventude e dispõe cada substantivo destacado.
sobre os direitos dos jovens, os
princípios e diretrizes das polí- a) Ele bateu a cabeça quando
ticas públicas de juventude e o desmaiou.
Sistema Nacional de Juventude –
SINAJUVE.
b) Marcos é o cabeça da turma.
a) Quanto à utilização de artigos
definidos nesse trecho, é correto
afirmar que c) O capital da família está baixo.
( ) a expressão “Estatuto da 28. Releia o trecho abaixo e sublinhe as
Juventude” está individualizada, contrações.
d) Maceió é a capital do estado
ou seja, trata-se de um
de Alagoas.
documento único.
I – promoção da autonomia e
( ) a expressão “direitos”, embora emancipação dos jovens;
esteja especificada por “dos
II – valorização e promoção da
jovens”, torna-se ainda mais 30. Pesquise outros substantivos
participação social e polí-
específica e transmite a ideia cujo sentido muda de acordo
tica, de forma direta e por
de totalidade em virtude da meio de suas representa- com o gênero dos artigos que
presença do artigo definido “os” ções; os antecedem. Registre-os e
(“os direitos dos jovens”). identifique o sentido de cada
III – promoção da criatividade e
( ) a expressão “os princípios” da participação no desen- substantivo.
deixa clara a ideia de que o volvimento do País;
Estatuto não define exatamente IV – reconhecimento do jovem
quais são esses princípios, como sujeito de direitos
pois eles dependem da situação universais, geracionais e
econômica de cada jovem. singulares;
( ) “Sistema Nacional de
Juventude” é uma expressão ▶ Nesse fragmento, há quantas
indeterminada, ou seja, contrações de preposição com
ninguém a conhece, e, por isso, artigo definido?
está antecedida de artigo.
a) Cinco.
b) Seis.
b) É correto afirmar que foi omitido
c) Sete.
um artigo definido antes da
palavra d) Oito.
( ) “Lei”.
( ) “diretrizes”.
( ) “políticas”.
( ) “juventude”.

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 81


31. Leia o seguinte trecho de notícia: 32. Leia o trecho de notícia a seguir e responda à questão.

<http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/

Estatuto da Juventude Número de infectados passa


estabelece direitos para de 120 mil; veja rastro da
jovens de 15 a 29 anos doença pelo mundo
[...]
Vírus apareceu na China e se
Produtores culturais dizem que, com a reserva de in-
espalhou para mais de 120 países
gressos, a receita dos espetáculos vai ficar mais previsível
e que isso pode baixar o preço dos eventos. “Como a gen- em menos de três meses
te não tem uma margem concreta, acaba que se aumenta o [...]
preço do ingresso. Espero que, com isso, a gente possa ter
um ingresso mais barato”, diz Jorge Luiz, produtor musical. 304.524 91.499 12.973
casos confirmados casos recuperados mortes
BRASIL, Gioconda. Estatuto da Juventude estabelece direitos para
jovens de 15 a 29 anos. Disponível em: http://g1.globo.com/jornal-hoje/
noticia/2013/08/estatuto-da-juventude-estabelece-direitos-para-jovens- NÚMERO de infectados passa de 120 mil; veja rastro da doença
de-15-29-anos.html#:~:text=Produtores%20culturais%20dizem%20 pelo mundo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/
que%20com,se%20o%20pre%C3%A7o%20do%20ingresso. Acesso equilibrioesaude/2020/02/veja-a-lista-de-paises-que-ja-registraram-casos-
em: 4 jun. 2020. de-infeccao-por-coronavirus.shtml. Acesso em: 30 mar. 2020.
A expressão “um ingresso mais barato”
a) tem sentido bem determinado, específico, em virtude ▶ Qual é a importância dos numerais no trecho
da presença do artigo indefinido. apresentado?
b) tem sentido genérico, em razão da presença do artigo
indefinido.

Numeral
A próxima classe gramatical de que trataremos
é o numeral, o qual é utilizado para indicar uma
quantidade exata de seres em geral, coisas, etc. ou
o lugar ocupado por eles em determinada série ou
sequência.

Existem quatro tipos de numerais.


1. Cardinal: indica a quantidade de seres ou coisas.
Exemplo: Mais de 12 milhões de pessoas contraí-
ram o coronavírus em todo o mundo.
2. Ordinal: indica a posição ocupada por alguém ou
alguma coisa.
Exemplo: Rodrigo ficou em terceiro lugar nas
Olimpíadas de Língua Portuguesa.
3. Multiplicativo: indica a multiplicação de uma quan-
tidade.
Exemplo: Marta ganha o dobro do que eu e ainda
reclama.
4. Fracionário: indica a divisão, o fracionamento, de No Estatuto da Juventude, há exemplos
uma quantidade. que mostram claramente a funcionalidade dos
Exemplo: Um terço do planeta é composto de água. numerais.
82 LGG LÍNGUA PORTUGUESA
LP
33. Releia os trechos a seguir e resolva
as questões propostas. b) Que diferença se pode notar c) Transcreva os numerais
Trecho I na indicação dos numerais cardinais do trecho I e
relativos aos artigos? explique a importância deles
CAPÍTULO I – Dos Princípios no contexto em que aparecem.
e Diretrizes das Políticas Públicas
de Juventude
Art. 1º. Esta Lei institui o
Estatuto da Juventude e dispõe
sobre os direitos dos jovens, os
princípios e diretrizes das polí-
ticas públicas de juventude e o
Sistema Nacional de Juventude – 34. Faça uma pesquisa para responder à seguinte pergunta: Como se indicam os
SINAJUVE. numerais referentes aos artigos (Art.) em textos normativos?
§ 1º. Para os efeitos desta Lei,
são consideradas jovens as pes-
soas com idade entre 15 (quinze)
e 29 (vinte e nove) anos de idade.

35. Classifique os numerais presentes nos títulos a seguir.


Trecho II

SEÇÃO VI – Do Direito à
Presidente do Porto diz que Covid
Cultura fez clube deixar de ganhar R$ 855 mi
Art. 21. O jovem tem direito à
cultura, incluindo a livre criação, PRESIDENTE do Porto diz que Covid fez clube deixar de ganhar R$ 855 mi. Disponível em: https://
o acesso aos bens e serviços www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/lancepress/2020/06/02/presidente-do-porto-diz-
culturais e a participação nas que-covid-fez-clube-deixar-de-ganhar-r-855-mi.htm. Acesso em: 6 jun. 2020.
decisões de política cultural, à
▶ Classificação:
identidade e diversidade cultural
e à memória social.

a) Você estudou, na seção Marcos Braz leva bola da final


a museu e revela “cobrança” de
Você, leitor, a estrutura do
Estatuto da Juventude. Qual é a
importância dos numerais nesse Gabigol: “Terá que pagar o triplo”
tipo de documento?
MARCOS Braz leva bola da final a museu e revela “cobrança” de Gabigol: “Terá que pagar o triplo”.
Disponível em: https://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/marcos-braz-leva-
bola-da-final-para-museu-e-revela-brincadeira-com-gabigol-vai-com-calma.ghtml. Acesso em: 3
jun. 2020.

▶ Classificação:

©Shutterstock/Petr
©Shutter
©
©Shu
utter
tttersto
tterstoc
tte
tter stoc
st
toc
occk/Pe
k/Petr
tr vacl
vvaclavek
aclavek
aclavveeek

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 83


organize
as ideias
36. Preencha cada quadro com três frases que contenham as classes gramaticais indicadas.
Sublinhe as palavras que representam essas classes.

Artigos definidos Artigos indefinidos

Numerais ordinais Numerais fracionários

Numerais cardinais Numerais multiplicativos

84 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


vvocê,

LP
m
mais leitor
Matéria jornalística: o jovem atuante 37. Releia o caput do art. 34, que
estabelece direitos e deveres com
Uma questão muito importante – não somente para a juventude – relação ao meio ambiente.
é a preservação ambiental. a) Complete o quadro com essas
Existem muitas políticas públicas sobre essa causa e, cada vez mais, as informações.
pessoas têm se preocupado com seu papel em relação a isso, atentando
para questões como a produção do lixo, seu destino correto e o consumo Direitos
consciente. Afinal, quando nos referimos ao meio ambiente, estamos
falando não apenas da preservação de florestas, rios e recursos naturais
mais amplos e das ações que agem diretamente nesses lugares, mas
também de como nosso modo de viver impacta, ainda que indiretamente,
Deveres
o espaço que habitamos.
O Estatuto da Juventude também prevê a relação do jovem com o
meio ambiente e a sustentabilidade.

SEÇÃO X – Do Direito à Sustentabilidade e ao Meio Ambiente


Art. 34. O jovem tem direito à sustentabilidade e ao meio ambiente b) Cidadão é um sujeito com
ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo, essencial à direitos e deveres. Você leu,
sadia qualidade de vida, e o dever de defendê-lo e preservá-lo para a no Estatuto da Juventude, os
presente e as futuras gerações. muitos direitos assegurados
Art. 35. O Estado promoverá, em todos os níveis de ensino, a educa- aos jovens por essa lei,
ção ambiental voltada para a preservação do meio ambiente e a sustenta- como liberdade de expressão
bilidade, de acordo com a Política Nacional do Meio Ambiente. e participação em eventos
culturais. Por que é importante
Art. 36. Na elaboração, na execução e na avaliação de políticas pú-
blicas que incorporem a dimensão ambiental, o poder público deverá
também que a lei estabeleça os
considerar: deveres deles?
I – o estímulo e o fortalecimento de organizações, movimentos, redes
e outros coletivos de juventude que atuem no âmbito das questões
ambientais e em prol do desenvolvimento sustentável;
II – o incentivo à participação dos jovens na elaboração das políticas
públicas de meio ambiente;
III – a criação de programas de educação ambiental destinados aos jo-
vens; e
IV – o incentivo à participação dos jovens em projetos de geração de tra-
Para refletir: Além de buscar
conhecer seus direitos, você se preocupa
balho e renda que visem ao desenvolvimento sustentável nos âmbitos em saber quais são seus deveres?
rural e urbano.
Parágrafo único. A aplicação do disposto no inciso IV do caput deve
observar a legislação específica sobre o direito à profissionalização e à 38. O que prevê o art. 35 sobre a
proteção no trabalho dos adolescentes. importância de se manter o meio
ambiente equilibrado?
BRASIL. Estatuto da Juventude: atos sustentabilidade: o desenvolvimento
internacionais e normas correlatas. Brasília: que possibilita à geração atual ter
Senado Federal, Coordenação de Edições suas necessidades supridas pelo
Técnicas, 2013. p. 32-33. uso dos recursos naturais, mas sem
esgotá-los para as futuras gerações.

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 85


https://catracalivre.com.br/as-melhores-solucoes-sustentaveis/plantar-1-trilhao-de-arvores/
Você já pensou o que
poderia fazer para ajudar a
preservar o meio ambiente? Jovem lidera projeto para plantar 1 trilhão
Já pensou que ações simples
e cotidianas podem, com o de árvores em 30 anos
tempo e se aderidas por muitas O alemão Felix Finkbeiner tinha 9 anos de idade quando lançou
pessoas, mudar a forma como
um programa para combater o aquecimento global
lidamos com o meio ambiente
a nossa volta?
Muitas vezes, deparamo- 23/07/2018 - 20:02
-nos com ações que parecem Por: Redação
grandiosas, como a luta de
biólogos ou engenheiros Ter um filho, escrever um livro, plantar uma árvore. Durante as fases da vida, talvez
florestais pela defesa de seja mais lógico começar pela terceira tarefa – e isso quando se ainda é criança. Foi o que
reservas ambientais ou pela fez Felix Finkbeiner aos 9 anos, em 2007, na região da Baviera, Alemanha, onde morava
preservação de animais em com os pais e duas irmãs. Onze anos depois, o projeto que fundou, Plant for the Planet
extinção. À primeira vista, (plante para o planeta, em tradução livre), mostra o quanto frutificou a iniciativa daquele
isso parece muito distante de garoto: a meta, agora, é plantar 1 trilhão de árvores nas próximas três décadas.
nossa realidade e de nossas Finkbeiner, hoje com 20 anos, não está sozinho. Muito pelo contrário: conta com a
possibilidades de ação prática. ajuda de cerca de 100 mil jovens do mundo todo, com idades entre 9 e 12 anos. Eles são
Mas será que não podemos treinados e recrutados para semear a ideia do alemão.
fazer algo mais simples, de Tudo começou com um trabalho de escola. A professora do então pequeno Felix
fácil acesso? pediu à turma que pesquisasse sobre a crise climática. O menino assim descobriu que o
aquecimento global ameaçava de extinção seu animal predileto, o urso-polar.
Leia a matéria jornalística
a seguir e conheça as ações Ficou sabendo também que a primeira africana do mundo a ganhar o Nobel da Paz,
Wangari Maathai, havia sido responsável pelo plantio de 30 milhões de árvores no
realizadas por um jovem
Quênia.
alemão.
Ao apresentar seu trabalho em classe, ele sugeriu que o exemplo de Maathai fosse
seguido, convocando as crianças a começar um movimento para plantar 1 milhão de
árvores em cada país do mundo.
Ele mesmo plantou a primeira, na frente da própria escola. Não demorou para que o
gesto se multiplicasse entre seus colegas e, um ano depois, 50 mil mudas já estavam na
terra pelas mãos deles.
O feito conquistou as manchetes e a atenção de Klaus Töpfer, ex-secretário de meio
ambiente da Alemanha, que se tornou patrono do projeto. Aos 10 anos, Finkbeiner já o
apresentava para o Parlamento Europeu; em 2009, foi destaque em uma conferência para
jovens de 56 países na Coreia do Sul. Ali, o Plant for the Planet ganhou corpo; em 2011,
já somava 12 bilhões de árvores plantadas ao redor do globo, com o apoio de governos,
empresas, pessoas físicas e organizações sociais.

86 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Projeto de plantar 1 trilhão de árvores chega ao Brasil

LP
E isso inclui o Brasil. Em 2017, na zona sul de São Paulo, embaixadores do programa
o introduziram para alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Dr. Sócrates
Brasileiro. Um terreno ao lado da instituição, antes baldio, já foi recuperado com o plantio
de 350 mudas e 170 sementes.
Finkbeiner também esteve em Mariana, Minas Gerais, onde fechou um acordo de
cooperação com a Fundação Renova para plantar 1 milhão de árvores na região atingida
pelo rompimento da barragem de Fundão.
O jovem alemão adotou um slogan para sua iniciativa: “Pare de falar e comece a
plantar”. Afinal, palavras cabem bem na produção de um livro ou na educação de um
filho. Para plantar 1 trilhão de árvores, porém, nada melhor que botar a mão na massa –
ou melhor, na terra.

JOVEM lidera projeto para plantar 1 trilhão de árvores em 30 anos. Disponível em: <https://
catracalivre.com.br/as-melhores-solucoes-sustentaveis/plantar-1-trilhao-de-arvores/>. Acesso em:
3 mar. 2020.
Há semelhanças e diferenças entre essa matéria jornalística e o
trecho do Estatuto da Juventude apresentado na página 85.

39. Sobre esses textos, assinale as alternativas corretas.


a) Os textos abordam a mesma temática: o protagonismo juvenil.
b) Embora a temática dos textos seja a mesma, seus objetivos são
diferentes: o Estatuto prescreve regras de comportamento, e a matéria
relata ações de um jovem em prol do meio ambiente.
c) Ambos os textos são
predominantemente Os gêneros textuais podem ser
argumentativos e apresentam agrupados em áreas da atividade
humana chamadas de esferas discur-
estratégias persuasivas para
sivas ou domínios discursivos. Essas
incentivar ações dos jovens em áreas dizem respeito a aspectos de
prol do meio ambiente. produção, recepção e circulação dos
textos.
d) Os textos pertencem a esferas
São exemplos de esferas discursi-
diferentes: o Estatuto é da esfera
vas a jurídica, a publicitária, a acadê-
jurídica, e a matéria, da esfera mica, a religiosa e a científica.
publicitária.
©Shutterstock/Man As Thep

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 87


O texto jornalístico lido
40. Releia este trecho: menciona o slogan da campanha
de conscientização promovida
[Felix Finkbeiner] Ficou sabendo também que a primeira africana do mundo por Felix Finkbeiner.
a ganhar o Nobel da Paz, Wangari Maathai, havia sido responsável pelo plantio
de 30 milhões de árvores no Quênia.

▶ A matéria cita Wangari Maathai e sua ação para o plantio de árvores


no Quênia. Nesse contexto, o fato de ela ter ganhado o Nobel da Paz Uma campanha de conscientização
demonstra tem por finalidade a divulgação de
ideias que visem ao bem-estar social.
a) a relevância de uma atitude simples, mas que, a longo prazo, impacta Quanto a sua função social, ela difere
muitas pessoas. de uma campanha publicitária, cujo
b) a relevância que o plantio de árvores tem para o Quênia, que é um país intuito é incentivar a aquisição de um
produto ou divulgar um serviço.
pobre.
c) a relevância
desse fato para
a educação
ambiental, pois foi
por esse motivo 42. Que mensagem está implícita no
que Finkbeiner slogan da campanha:“Pare de falar
decidiu plantar e comece a plantar”?
árvores.
d) a relevância do
plantio de árvores
para garantir
oxigênio às futuras
gerações.

Wangari Maathai, a primeira


africana a ganhar o Nobel
da Paz
43. Nessa campanha, há fotos de
crianças tapando, com as mãos,
a boca de algumas celebridades.
©Shutterstock/Joseph sohm
Qual a relação dessas fotos com o
O texto sobre Felix Finkbeiner informa que seu projeto ganhou slogan? Explique sua resposta.
muita visibilidade, a ponto de, aos dez anos, ele se apresentar no
Parlamento Europeu e participar de uma conferência para jovens.

41. O Estatuto da Juventude prevê o protagonismo dos jovens. Releia-o e aponte


o trecho em que essa informação aparece.

88 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


46. Em grupos de até quatro alunos,
©Shutterstock/Paulaphoto

LP
pesquisem ações simples
que tenham impacto no meio
ambiente. Após a pesquisa,
apresentem à turma ao menos
duas opções viáveis de serem
implantadas na escola e que
possam ser replicadas no
cotidiano de toda a comunidade
escolar.
Além de expor as ações
escolhidas, é preciso prever os
benefícios que elas podem gerar.
44. Felix Finkbeiner pretende plantar 1 trilhão de árvores em 30 anos. Esse a) Anotem os dados obtidos em
número é muito alto. Que estratégia ele planejou para que isso seja possível? sua pesquisa no quadro a
seguir.

Ações a serem desenvolvidas

Benefícios pretendidos

A ação de Felix Finkbeiner teve início a partir de uma pesquisa


escolar: ao descobrir que o aquecimento global ameaça de extinção
o urso-polar, ele decidiu iniciar seu trabalho plantando árvores. Essa
atitude é simples e não precisa ser feita por uma única pessoa. A
meta, agora, é a plantação de 1 trilhão de árvores em 30 anos. b) Apresentem aos outros grupos
o resultado da pesquisa
de vocês, ressaltando os
45. É hora de expressar sua opinião! Reúna-se com um colega para benefícios para o meio
discutir as questões a seguir e anote as conclusões a que chegarem. ambiente.
a) A educação ambiental pode fazer a diferença para a preservação c) Assistam à apresentação das
do meio ambiente? Justifique sua resposta. outras equipes.
d) Reúnam-se com os demais
grupos para responder a esta
questão: Qual das ações a
turma considera mais viável
de ser implementada na
b) Como você avalia a atitude de Felix Finkbeiner? Você acredita que escola?
poderia fazer algo parecido? Por quê?

O Estatuto da Juventude, no inciso I do art. 36, estabelece


a necessidade de se incentivarem ações de protagonismo Crie um evento
em prol do
juvenil. Agora, você e seus colegas vão pensar em formas para meio ambiente
a preservação do meio ambiente.
6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 89
organize
as ideias
No esquema a seguir,
consta a imagem do Congresso O texto de lei é dividido em
Nacional – formado pelo partes. Em sua estrutura, há:
Senado Federal e pela Câmara ▶ título;
dos Deputados –, local ▶ capítulo;
onde senadores e deputados A divisão da lei em partes
▶ seção;
propõem, analisam e criam leis contribui para
que atingem todos os cidadãos ▶ artigo;

brasileiros.

47. Complete os textos a fim de ▶
sistematizar alguns conteúdos ▶
estudados.

O texto de lei tem por função


social regulamentar

©Shutterstock/Defatima

Congresso Nacional, em Brasília

O Estatuto da Juventude pode


ser definido como Quanto à linguagem, as duas
características principais de uma
lei devem ser:
Explique a importância de se 1.
conhecer o Estatuto da Juventude.
2.

Essas qualidades do texto de


lei ajudam a evitar interpretações
dúbias e equivocadas.

Agora, você pode fazer as atividades


76 a 78 da seção Foco no Enem.

90 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


você,

LP
em estudo
Projeto de plantar 1 tri-
lhão de árvores chega
Pronome ao Brasil
Fique atento às funções dos pro-
Agora, daremos nomes: E isso inclui o Brasil. Em 2017,
continuidade à revisão das ▶ substituir um nome (substantivo); na zona sul de São Paulo, embaixa-
classes gramaticais. Chegou ▶ acompanhar um nome, determinan- dores do programa o introduziram
a hora dos pronomes. do ou limitando seu sentido; para alunos da Escola Municipal de
Acompanhe as reflexões sobre ▶ substituir expressões, partes de Ensino Fundamental Dr. Sócrates
os pronomes destacados. frases ou frases inteiras. Brasileiro.

Finkbeiner, hoje com 20 anos, 48. Transcreva a parte do parágrafo 49. Assim como os pronomes
não está sozinho. Muito pelo con- retomada pelo pronome “Eles”. pessoais do caso reto, o pronome
trário: conta com a ajuda de cerca “o” também exerce a função
de 100 mil jovens do mundo todo, de substituir trechos citados
com idades entre 9 e 12 anos. Eles anteriormente. No exemplo
são treinados e recrutados para se- apresentado, que trecho é esse?
mear a ideia do alemão.

“Eles” é um pronome pessoal do Em uma situação de comunica-


caso reto. É chamado de pronome ção, há três pessoas do discurso:
pessoal porque se refere a uma das 1ª. pessoa (quem fala), 2ª. pessoa 50. Em “embaixadores do programa o
pessoas do discurso, nesse caso, à 3ª.. (com quem se fala ou a quem se introduziram”, qual é
Vale ressaltar que, no caso apresenta- dirige) e 3ª. pessoa (de que ou de
quem se fala – assunto). a) o sujeito do verbo introduzir?
do, é possível fazer a seguinte pergunta:
Quem é treinado e recrutado para se-
mear a ideia do alemão? A resposta é “Eles”. Essa pergunta prova que
os pronomes pessoais do caso reto (eu, tu, ele/ela, nós, vós, eles/elas)
b) o complemento do verbo
funcionam como sujeito da oração. introduzir?
Obs.: Na linguagem informal, a palavra nós pode ser substituída por a
gente. No que diz respeito à concordância, o verbo que se refere a ela é
utilizado na 3ª. pessoa do singular: a gente vai, a gente estudou, etc.

Pronomes pessoais
A palavra “o”, no exem- Perceba que, em
plo apresentado, é um Caso reto Caso oblíquo
algumas orações,
pronome oblíquo. Ao con- Grupo 1 Grupo 2 você é pronome
trário dos pronomes pes- (sem preposição) (precedido de preposição)
pessoal do caso
soais do caso reto, esse reto, ou seja, o
eu me mim, comigo sujeito: Você vem
tipo de pronome exerce o
amanhã? Em
Singular

papel de complemento da outras, é comple-


tu te ti, contigo
oração. Observe, no qua- mento do verbo:
você você, se, o/a, lhe você, si, consigo
dro ao lado, os pronomes Entregaremos o
pessoais retos e oblíquos. ele/ela se, o/a, lhe ele/ela, consigo documento a você.
Nesse caso, obser-
nós nos nós, conosco ve a obrigatorieda-
de da preposição
Plural

O uso de tu ou você depen- vós vos vós, convosco “a”. O mesmo


de de cada região brasileira. acontece com os
vocês vocês, se, os/as, lhes vocês, si, consigo
Em algumas, utiliza-se tu que- pronomes nós, vós
res e, em outras, você quer. eles/elas se, os/as, lhes si, eles/elas, consigo e ele(s)/ela(s).

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 91


52. Assinale a alternativa que apresenta
Tudo começou com um traba- Ter um filho, escrever um informações retomadas pela palavra
lho de escola. A professora do en- livro, plantar uma árvore. “isso”.
tão pequeno Felix pediu à turma que Durante as fases da vida, talvez
a) “Ter um filho” e “escrever um
pesquisasse sobre a crise climática. seja mais lógico começar pela
livro”.
terceira tarefa – e isso quando
se ainda é criança. b) “Ter um filho” e “plantar uma
51. A palavra “Tudo” recupera árvore”.
a) os acontecimentos que levaram c) “escrever um livro” e “plantar
o alemão Finkbeiner a criar um uma árvore”.
projeto. d) “plantar uma árvore” e “começar
b) os impedimentos que o alemão pela terceira tarefa”.
Finkbeiner teve de enfrentar
para elaborar seu projeto.

A palavra “isso” pertence ao grupo dos pronomes demonstrativos, os


quais têm como função básica indicar a localização de um ser no espaço
ou de um elemento já citado no texto. Além disso, podem situar fatos ou
A palavra “Tudo” faz parte
informações no tempo.
da classe gramatical dos pro-
nomes, mais especificamente Confira, no quadro a seguir, um resumo das funções dos pronomes
dos pronomes indefinidos, demonstrativos este e esse (e suas variações).
que trazem em si uma ideia de
indeterminação ou indefinição. Este(s), esta(s), isto versus esse(s), essa(s), isso
Outros exemplos de pronomes
Indicam o que está
indefinidos são alguém, algum, Indicam o que está
próximo de quem ouve
cada, nada, outro, muito, certo, próximo de quem fala
ou lê. Exemplo: Por
vários e qualquer. ou escreve. Exemplo: No espaço
favor, passe-me esse
Este notebook que estou
caderno que você está
utilizando é muito bom.
Existem pronomes indefinidos segurando.
variáveis, como muito e algum, que Referem-se ao que
podem sofrer flexão de gênero e
número. Exemplos: muito amor, muita
Referem-se ao que ainda já foi dito ou escrito.
paciência, alguns carros, algumas ve- será dito ou escrito. Exemplo: A falta de água
zes. Há também pronomes invariáveis, Exemplo: O problema é No texto afeta muitos brasileiros.
como cada, nenhum e alguém. este: a falta de água nos Isso tem preocupado as
reservatórios. autoridades. (“Isso” = “A
falta de água”)
Indicam um tempo
futuro próximo ou
passado próximo em
Obs.: Os p Indicam o tempo atual relação ao momento da
ronomes
demonstra em relação ao momento fala ou escrita.
tivos pode
contrair-se m da fala ou escrita.
com outras Exemplos:
classes gra Exemplo: Nesta noite,
maticais. No tempo • Nesse dia, revimos
Exemplos: estamos aqui para
(preposiçã disto todos os nossos
homenagear o presidente
o de + isto compromissos. (“Nesse
nisto (prep ), da instituição. (“Nesta
osição em dia” = há alguns dias)
isto), ness + noite” = hoje)
a (preposiç • Nesse dia, não haverá
em + essa ão
). reunião. (“Nesse dia” =
daqui a alguns dias)

92 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Veja, agora, informações sobre os pronomes aquele(s),

LP
aquela(s) e aquilo.
Obs.: Esse
s pronome
podem con s
trair-se
Aquele(s), aquela(s), aquilo com outras
classes
gramaticais
. Exemplos
naquele (p :
Indicam o que está longe dos interlocutores. Exemplo: De reposição
No espaço em + aque
quem é aquele carro estacionado lá? le), daquil
(preposiçã o
o de + aqu
ilo).
Indicam o termo referido em primeiro lugar. Exemplo:
No texto Joana e Paulo são bem dedicados. Aquela estuda Direito, e
este, Administração.

Indicam um tempo distante, muito anterior ou posterior


ao momento da fala ou escrita. Exemplo: Naquele tempo,
No tempo
os programas televisivos eram transmitidos em preto e
branco.

isselee
tock/Eric
©Shutters
O menino assim descobriu que o aquecimento global ameaçava de extinção
seu animal predileto, o urso-polar.
É importante acrescentar
53. Nesse trecho, a palavra “seu” que, dependendo da frase, os
a) acompanha um substantivo. pronomes possessivos podem
b) transforma a palavra “animal” em adjetivo. gerar ambiguidade, ou seja,
duas leituras de um mesmo
c) relaciona dois seres: o possuidor e o possuído.
enunciado.
d) funciona como sujeito do verbo ameaçar.

54. Explique a ambiguidade presente


A palavra “seu” está incluída no grupo dos pronomes possessivos, que na frase e apresente uma solução
indicam que algo pertence ou cabe a alguém. Confira a correspondência para eliminá-la.
dos pronomes possessivos com as pessoas gramaticais.

Viviane pediu a Roberto


Pronome pessoal Pronome possessivo que pegasse seus óculos no
armário.
eu (1ª. pessoa) meu(s), minha(s)

tu teu(s), tua(s)
Singular
você (2ª. pessoa) seu(s), sua(s)

ele/ela (3ª. pessoa) seu(s), sua(s)

nós (1ª. pessoa) nosso(s), nossa(s)

vós vosso(s), vossa(s)


Plural
vocês (2ª. pessoa) seu(s), sua(s)

eles/elas (3ª. pessoa) seu(s), sua(s)

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 93


Sobre os pronomes relativos, é importante ressaltar:
O feito conquistou as manche-
▶ O pronome cujo (e suas variações) estabelece uma relação de
tes e a atenção de Klaus Töpfer,
ex-secretário de meio ambiente da
posse entre dois elementos da frase, e sua concordância depende
Alemanha, que se tornou patrono do termo que vem depois dele.
do projeto. O pronome “cujos” concorda com “filhos”.

O médico cujos filhos eu conheço atende neste hospital.


55. No trecho apresentado, a palavra
O médico “possui” filhos.
“que”
a) faz referência ao trecho posterior ▶ O pronome quem é utilizado exclusivamente para se referir a
a ela: “se tornou patrono do pessoas. Exemplo: Felix Finkbeiner é o profissional em quem
projeto”. confio para acompanhar esse projeto.
b) retoma as expressões “as Obs.: Nessa frase, também seria possível utilizar o pronome que,
manchetes” e “a atenção de como em Armando é o profissional em que confio.
Klaus Töpfer”.
Para abordarmos o último tipo de pronome, voltaremos ao início
c) retoma o substantivo “Klaus deste capítulo. Antes do estudo do Estatuto da Juventude, lançamos a
Töpfer” e, por extensão, a seguinte pergunta:
expressão “ex-secretário de
meio ambiente da Alemanha”.
Você já pensou qual é seu papel na sociedade?

Observe que, nela, está presente a palavra “qual”, que também


A palavra “que”, nesse caso,
pertence ao grupo dos prono- pertence à classe gramatical dos pronomes. Trata-se, nesse caso, de
mes relativos, assim como um pronome interrogativo.
onde, o qual, a qual, os quais,
as quais (e suas variações – do São chamados interrogativos os pronomes que, quem, qual e quanto,
qual, da qual, no qual, na qual), utilizados em perguntas diretas (com ponto de interrogação) e indiretas
quem, quanto(s), quanta(s), (sem ponto de interrogação).
cujo(s) e cuja(s). Tais pronomes Exemplos:
têm a função de retomar termos
anteriores, como em A casa ▶ Quem está aí? (interrogativa direta)
onde (na qual, em que) moro é ▶ Gostaria de saber quem está aí. (interrogativa indireta)
confortável.

56. Utilizando um pronome interrogativo, elabore uma pergunta cuja resposta esteja
no trecho a seguir.

Finkbeiner, hoje com 20 anos, não está sozinho. Muito pelo contrário: con-
ta com a ajuda de cerca de 100 mil jovens do mundo todo, com idades entre
9 e 12 anos.
lora
/Virinaf
erstock
©Shutt

94 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


57. Leia a tira a seguir e resolva as questões propostas.

LP
©Armandinho, de Alexandre Beck
Sobre os pronomes
de tratamento, fique
atento aos seguintes aspectos:
BECK, Alexandre. Disponível em: https://tirasarmandinho.tumblr.com/post/146159314434/tirinha-
original. Acesso em: 9 jun. 2020. ▶ A forma Vossa é utilizada
para se referir diretamente
a) Pelas respostas de Armandinho, à autoridade: Vossa
qual deve ter sido o assunto b) O que provoca o efeito de Excelência poderia assinar
principal da aula? humor nessa tira? este documento? Já a
forma Sua é empregada
para se fazer referência
à autoridade, ou seja,
perguntar sobre ela a outra
Você, Vossa Senhoria, Vossa
Excelência, Vossa Magnificência pessoa: Sua Excelência
e Vossa Majestade são exemplos assinou o documento?
de pronomes de tratamento. ▶ Os pronomes de tratamento
Trata-se de palavras ou expres- que iniciam com Vossa,
sões que equivalem a pronomes embora façam referência à
pessoais. 2ª. pessoa do discurso,
exigem que o verbo e os
demais pronomes sejam
c) Pesquise os pronomes de tratamento utilizados para se dirigir às seguintes flexionados na 3ª. pessoa:
pessoas: Vossa Excelência está
certo ao permitir que seus
Autoridades Pronomes Abreviaturas subordinados participem
das discussões.
Príncipes, princesas, ▶ Embora as duas formas
V. A.
duques e duquesas
estejam corretas, para se
Reitores de evitarem interpretações
V. Mag.ª inadequadas, recomenda-
universidades
-se que a concordância do
Reis e rainhas V. M. adjetivo com o pronome
de tratamento seja feita
de acordo com o sexo da
Papa V. S. pessoa a quem se refere:
Vossa Excelência é bastante
Altas autoridades V. Ex.ª organizado (autoridade
do sexo masculino); Vossa
Excelência é bastante
Pessoas de cerimônia V. S.ª organizada (autoridade do
sexo feminino).
Pessoas adultas mais
Sr./Sr.ª
velhas

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 95


organize
as ideias c) O pronome “Ela”, no trecho
58. Os dois textos apresentados neste capítulo estão relacionados à cidadania. apresentado,
Leia, a seguir, trechos de um texto elaborado pela Unesco que fazem ( ) anuncia o que está escrito
referência a esse conceito. Depois, resolva as questões propostas, sobre as depois dele.
classes de palavras estudadas na seção anterior. ( ) substitui um termo
anteriormente citado.
http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/unesco/
( ) impede que o texto fique
confuso.
O que é a educação para a
cidadania global? O crescente interesse pela ci-
dadania global também direcio-
“A educação nos dá uma compreensão profunda de que
nou maior atenção à dimensão
estamos todos unidos como cidadãos da comunidade global da educação para a cidada-
global, e que os nossos desafios estão interligados”. nia, bem como para seu impacto
Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU nas políticas, nos currículos, no
ensino e na aprendizagem.
O conceito de cidadania tem evoluído ao longo do tempo. Historicamente, EDUCAÇÃO para a cidadania global: tópicos
a cidadania não se estendia a todos – por exemplo, apenas homens ou quem e objetivos de aprendizagem. Disponível em:
possuía propriedades podiam ser cidadãos. Durante o século passado, passou-se http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/
gradualmente a uma compreensão mais abrangente da cidadania, sob a influência publi/unesco/unesco_educacao_para_a_
do desenvolvimento dos direitos civis, políticos e sociais. Atualmente, as noções cidadania_global.pdf. Acesso em:
de cidadania nacional variam de país para país, refletindo, assim, diferenças de 10 jun. 2020.
contexto político e histórico, entre outros fatores.
d) Classifique o pronome
Um mundo cada vez mais globalizado levanta questões sobre o que constitui destacado.
uma cidadania significativa e suas dimensões globais. [...]

EDUCAÇÃO para a cidadania global: tópicos e objetivos de aprendizagem. Disponível em: http:// e) O pronome “seu” acompanha
www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/unesco/unesco_educacao_para_a_cidadania_
global.pdf. Acesso em: 10 jun. 2020. ( ) um adjetivo.
( ) um substantivo.
a) Quais são os pronomes indefinidos presentes nesse trecho?
( ) outro pronome.
( ) “conceito” e ( ) “gradualmente” e
“cidadania”. “compreensão”.
59. Há, respectivamente, um pronome
( ) “longo” e “tempo”. ( ) “todos” e “cada”.
demonstrativo e um pronome
indefinido em
a) O livro que li está naquela
estante.
A cidadania global refere-se ao sentimento de pertencer a uma comu-
nidade mais ampla e a uma humanidade comum. Ela enfatiza a interde- b) Aqueles que quiserem
pendência e a interconexão política, econômica, social e cultural entre os poderão vir mais cedo.
níveis local, nacional e global. c) Aquele barco estava à deriva,
mas não havia ninguém nele.
EDUCAÇÃO para a cidadania global: tópicos e objetivos de aprendizagem. Disponível em: https:// d) Vossa Senhoria chamará
www.inclusive.org.br/arquivos/31003. Acesso em: 7 jul. 2020. alguém para a cerimônia?
b) Como se classifica o pronome destacado? e) Quem está nessa lista de
convidados?

Agora, você pode fazer as atividades


79 a 83 da seção Foco no Enem.

96 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
você, escritor
Dissertação escolar Há vários tipos de argumen-
A leitura do Estatuto da Juventude e da matéria jornalística tos:
possibilitou a você e a seus colegas que conversassem sobre questões ▶ discurso de autoridade – é
importantes a respeito da juventude. Agora, você terá de elaborar citada uma autoridade ou um
uma dissertação expondo sua opinião sobre uma dessas questões e a especialista no assunto trata-
defendendo com argumentos. do, o que dá credibilidade à
tese;
▶ exemplificação – são utiliza-
dos exemplos para corrobo-
Na dissertação, o autor apresenta sua opinião a respeito de determi- rar a ideia defendida;
nado assunto com base em argumentos e exemplos que corroboram sua ▶ raciocínio lógico – mostra-se
ideia. É o texto mais solicitado na prova de redação dos vestibulares. ao leitor uma relação de cau-
sa e consequência.

Para a construção de um texto dissertativo, a argumentação


precisa ter coerência e coesão. 3. Conclusão: em geral,
▶ Coerência: refere-se à relação lógica entre a ideia/opinião e os ocupa um parágrafo.
argumentos que a defendem. Estes têm de apresentar uma conexão Após a apresentação dos
entre si, ou seja, um precisa corroborar o outro, de modo que a argumentos, é hora de
argumentação mantenha uma linha de raciocínio. A ordem de elaborar o encerramento do
apresentação das ideias e dos argumentos faz parte da coerência. texto, corroborando o que foi
exposto. É a última chance de
▶ Coesão: diz respeito à construção de um texto que forme uma convencer o leitor do ponto
unidade. Para que isso ocorra, as partes do texto precisam estar de vista defendido.
interligadas por elementos coesivos, como pronomes e conjunções.

Estrutura Linguagem
Para a escrita de um texto
A dissertação escolar é estruturada em três partes: introdução, dissertativo, deve-se utilizar a
desenvolvimento e conclusão. norma-padrão da língua. Além
Há diversas estratégias para se
1. Introdução: em geral, ocupa um fazer a contextualização, como
disso, é recomendável o uso de
parágrafo do texto, que pode ser ▶ apresentar um trecho de mú-
uma linguagem impessoal.
estruturado de várias formas. A sica que tenha relação com o Em posse dessas informações,
mais comum é, primeiramente, assunto e aponte para a tese;
é hora de colocar a mão na
apresentar uma contextualização ▶ lançar perguntas que levem o
leitor a refletir sobre o assunto;
massa!
do assunto e, em seguida, expor a
▶ relatar um fato histórico rela-
opinião (a tese). cionado ao assunto.
©Shutterstock/Vectorfusionart

2. Desenvolvimento: em geral, é
formado por dois parágrafos.
Neles, é desenvolvida a
A quantida argumentação, buscando-se
de de
parágrafos
para o convencer o leitor do ponto de vista
desenvolv
imento exposto. É preciso exibir dados, dar
vai depend
er do
número de exemplos, relatar fatos históricos,
linhas
que o texto usar a fala de outrem (discurso
deve ter. de autoridade), enfim, utilizar
recursos argumentativos, sem ficar
apenas no “achismo”.

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 97


(CEDERJ)

Redação

Texto 1
EU, ETIQUETA
Carlos Drummond de Andrade
Em minha calça está grudado um nome minha gravata e cinto e escova e pente,
que não é meu de batismo ou de cartório, meu copo, minha xícara,
um nome... estranho. minha toalha de banho e sabonete,
Meu blusão traz lembrete de bebida meu isso, meu aquilo,
que jamais pus na boca, nesta vida. desde a cabeça ao bico dos sapatos,
Em minha camiseta, a marca de cigarro são mensagens,
que não fumo, até hoje não fumei. letras falantes,
Minhas meias falam de produto gritos visuais,
que nunca experimentei ordens de uso, abuso, reincidência,
mas são comunicados a meus pés. costume, hábito, premência,
Meu tênis é proclama colorido indispensabilidade,
de alguma coisa não provada e fazem de mim homem-anúncio itinerante,
por este provador de longa idade. escravo da matéria anunciada.
Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro, Estou, estou na moda.
(...)
ANDRADE, Carlos Drummond. Eu, etiqueta. Nova reunião: 23 livros de poesia – volume 3. Rio de Janeiro: BestBolso, 2009. p. 471-472. Fragmento.

Texto 2

A TURMA QUE NÃO COMPRA


ACREDITE, EXISTE UMA GERAÇÃO DE FASHIONISTAS QUE NÃO TEM VONTADE DE ENTRAR
EM UMA LOJA NEM PAGAR POR UMA ROUPA; PREFERE TROCAR, ALUGAR, HERDAR E
RESSIGNIFICAR
Livia Breves
A artista plástica Joana Uchoa, de 23 anos, não entra em uma loja de roupa há mais de cinco anos. E isso não quer
dizer que ela não gosta de moda ou seja basiquinha. Ela simplesmente não quer estar dentro do modelo convencional
de consumo, em que é preciso pagar um preço alto por peças novas lançadas em ritmo frenético e “homogenizam o
vestir”. (...)
Um dos grandes aliados da geração consciente é a customização. Pintar, cortar, costurar, Joana tem até hoje uma
camiseta manchada que pegou do pai e ilustrou duas mãos para disfarçar. Postou no Instagram e começou a receber
pedidos. “Não esperava esse retorno, foi uma surpresa. Mas fui no fluxo e acabei fazendo bastante. Vendia direto e fui
chamada para collabs”.
Joana faz parte da geração Z (nascida entre 1994 e 2010), que, de acordo com a pesquisa do escritório de previsão
de tendências WGSN, não frequenta shopping, pensa no impacto ambiental e social e quer assinar a co-criação do
que compra. “Essa geração, que chamamos de Z/we, não faz questão de ter e sim de ser. Prefere gastar dinheiro com
a experiência e não com a posse, busca ser sustentável e compartilhar”, diz Daniela Penteado, especialista do WGSN.
Não por acaso, um dos formatos de negócio que mais deve crescer nos próximos anos é o de aluguel de roupas. “Isso
irá, inclusive, chegar às peças de fast fashion. É uma turma que deseja a novidade, não o vintage. A previsão é que o
formato de aluguel cresça 1,8 bilhão de dólares até 2023.”
Revista Ela, 19 maio 2019. p. 26.

98 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


O texto de Carlos Drummond de Andrade foi publicado no ano de 1984. O outro é atual e trata da

LP
Geração Z. De acordo com esses textos, o comportamento da geração retratada por Drummond e o da
Geração Z em relação ao consumo de moda apresentam características bem diferentes. A partir da leitura
dos textos motivadores, elabore um texto de opinião para desenvolver o seguinte tema:
JUVENTUDE ATUAL E CONSUMO: CONSCIENTIZAÇÃO OU APENAS UMA MODA
DIFERENTE?
Para defender seu ponto de vista, use argumentos consistentes e bem encadeados.
O texto deverá ser produzido na modalidade culta da língua portuguesa, ter de 20 a 25 linhas e estar
legível.

Preparação Produção
60. Antes de começar a escrever, é preciso entender 62. Agora que planejou seu texto, escreva, no caderno, a
corretamente os textos-base e a proposta. primeira versão dele, que deve conter:
a) Os dois textos-base têm semelhanças e diferenças. ▶ uma introdução ao tema (um parágrafo);
Aponte-as.
▶ o desenvolvimento das ideias (dois parágrafos – um para
cada argumento);
▶ uma conclusão reforçando a tese (um parágrafo);
▶ um título condizente com o tema.
Semelhanças Seu texto deve ter, no mínimo, 20 linhas e, no máximo,
25. Lembre-se de utilizar uma linguagem impessoal e a
norma-padrão da língua portuguesa.

Avaliação

63. Avalie seu texto levando em conta os critérios a seguir.


Diferenças

Critérios de avaliação Sim Não

Há título no texto?
O texto está dividido em
b) Faça uma paráfrase do tema explicando a reflexão
apresentação, desenvolvimento e
proposta.
conclusão?
Constam, na introdução, a
contextualização do tema e a tese?
O desenvolvimento apresenta ao
menos dois argumentos para a
61. Reflita sobre o tema, forme uma opinião e encontre ao defesa da tese?
menos dois argumentos para defendê-la.
A conclusão reforça a ideia
defendida no texto?
Opinião Foram usadas uma linguagem
impessoal e a norma-padrão da
Argumento língua portuguesa?
1
O texto tem entre 20 e 25 linhas?
Argumento
2
64. Feitos os ajustes, elabore a versão definitiva de seu texto.
6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 99
você, falante

Mesa-redonda Requisitos para uma mesa-redonda


Você já ouviu falar em Para a organização de uma mesa-redonda, é necessário
mesa-redonda? Sabe do que se
▶ escolher um tema relevante;
trata?
▶ selecionar os debatedores, com base em seus conhecimentos e nas
Mesa-redonda é uma opiniões que defendem;
reunião de pessoas que
▶ definir a quantidade de pessoas que comporão a mesa-redonda (não
conhecem determinado tema e, deve haver muitos debatedores; caso contrário, a atividade durará mui-
de maneira igualitária, expõem to tempo, e os envolvidos poderão se cansar e se dispersar);
ideias e conhecimentos, ▶ escolher um coordenador para conduzir a atividade;
contribuindo, assim, para o
▶ estipular o tempo que cada debatedor terá para expor suas ideias (o
debate em questão.
tempo deve ser igual para todos);
Você pode estar se ▶ formar uma plateia, que, além de assistir ao debate, poderá fazer per-
perguntando para que serve guntas, sob a supervisão do coordenador.
uma mesa-redonda. Seu
objetivo, basicamente, é tornar
público o debate a respeito Preparação
de um tema relevante para a
sociedade ou para um grupo 65. Para a realização da mesa-redonda, a é ppreciso
a, reci
re cissoo fformar
orm
or maar dois
dooiss ggrupos:
ruppooss:: ooss
ru
de pessoas. É uma forma debatedores (cinco ou seis alunos) s) e a pplateia
s) llaatteeia
ia ((oo re
restante
est
staannte
stan te ddaa ttu
turma).
urm
ma)). O
interessante e rica de trocar professor pode exercer a função ddee ccoordenador/mediador
oooord
rden enaddor
enad or/m
/meeddiaaddoor dada
informações, de ouvir pessoas atividade.
que dominam um mesmo 66. A turma, com o auxílio do professor,
sor, ddeve
so eve esta
ev ees
estabelecer
sttaabbeele
eleecceer
r
cto
tema, para que haja uma maior o tempo de fala de cada debatedor.rr.. ac r
ove
k /M
compreensão daquilo que é 67. Após todos falarem, pode haver um m tte tempo
emp
mpo pa para
arraa ter
sto
c
ut
Sh
discutido. réplicas, caso algum dos debatedoresoorreses ttenha
enhhaa
en ©

Além disso, a concepção de algo a acrescentar ou a discutir com


om rrelação
om elaç
el
elaç
açãoão
mesa-redonda está baseada na ao que foi dito.
igualdade dos participantes, 68. O coordenador ficará responsável ppor oorr
ou seja, todos têm direito à controlar o tempo e indicar a ordem
em de de
palavra e nenhuma pessoa é fala dos debatedores, bem como ppor or
or
mais importante do que outra. fazer uma breve introdução ao temamaa
Ainda que o nome mesa- geral da mesa-redonda, para situar aarr
-redonda o faça pensar todos os presentes. Além disso,
literalmente nesse móvel, vale é fundamental estabelecer, com
antecedência,
ressaltar que os debatedores
não precisam estar dispostos ao ▶ a duração máxima da atividade: e::
redor de uma mesa, já que nem falas dos debatedores, réplicass e
sempre essa é a melhor forma respostas às perguntas da plateia.
tei
e aa..
de o público vê-los e ouvi-los. Uma mesa-redonda precisa terr
hora para começar e também ppara aarra
ara
acabar;
▶ a melhor maneira de a plateia fa ffazer
azzeer
aze
perguntas: diretamente aos debatedores
eebbaatteeddor oreses
ou por escrito, sendo, nesse ccaso,
aso,
as o,
encaminhadas ao coordenadorr ddaa m mesa.
esa.
es a.

100 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


A escolha do tema 70. Escolha ao menos dois argumentos que fundamentem sua opinião.

LP
Neste capítulo, você leu textos
cuja temática é a juventude,
os quais mencionam desde os
direitos dos jovens até suas ações.
As informações adquiridas com
essas leituras serão a base para a Argumento 1
discussão deste tema:

O que o jovem de hoje


deseja para o futuro?

Argumento 2

69. Independentemente de você


ser debatedor ou plateia, anote
sua opinião a respeito do tema
proposto.

Produção

71. No dia previamente marcado para a


Prepare sua fala e treine-a em
realização da mesa-redonda, organizem o
casa. Para que as informações não
espaço da sala e se posicionem no lugar se percam ou sejam reproduzidas
destinado a sua função (debatedores ou de maneira inadequada, é recomen-
plateia). dável utilizar um roteiro norteador,
que poderá ser consultado durante
72. Se você for um dos debatedores, prepare sua fala. Isso não quer dizer que se
um roteiro de sua fala, expondo sua trata de um material para ser lido!
opinião e argumentos para defendê-la.
73. Se você fizer parte da plateia, anote os A ideia da mesa-redonda é
trechos mais relevantes das falas dos estabelecer um espaço de debate
em que opiniões diferentes sejam
debatedores. Se não entender algo ou
expostas e analisadas. Não se trata
discordar do que é dito, você poderá fazer de chegar a um consenso sobre
perguntas no momento adequado. determinado tema, mas de fazer
uma reflexão considerando-se opi-
74. O evento será encerrado pelo
niões divergentes, as quais podem
coordenador assim que o tempo enriquecer a discussão.
determinado se esgotar.

Avaliação

75. Avalie sua participação na mesa-redonda.

Critérios de avaliação Sim Não

Você se preparou adequadamente para a mesa-redonda?


Soube respeitar as opiniões diferentes da sua?
Seguiu os comandos e as orientações do coordenador?
Utilizou uma linguagem adequada à atividade proposta?

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 101


foco no
enem
(ULBRA – RS) Instrução: As questões 77 e 78 estão
76. baseadas no texto Ah, como gastam, escrito
TEXTO I por Carolina Araújo para a Folha de São
Paulo, no dia 27 de julho de 2008.
O Estatuto do Idoso completou 15 anos em 2018
e só no primeiro semestre o Disque 100 recebeu 69% dos jovens admitem ser
16 mil denúncias de violação de direitos dos idosos
em todo o País. consumistas; moda é impor-
Para especialistas da área, o aumento no número tante para 70% deles
de denúncias pode ser consequência do encoraja- 1 Os pais já perceberam e reclamam. Os especialis-
mento dos mais velhos na busca pelos direitos. Mas
2 tas em comportamento listam vários motivos para o
também pode refletir uma onda crescente de violên-
3 fenômeno – desde falta de autoestima até gosto por
cia na sociedade e dentro das próprias famílias.
4 novidades. Mas agora é a vez de os próprios jovens
Políticas públicas mais eficazes no atendimento ao 5 admitirem: “Somos consumistas mesmo!”.
idoso são o mínimo que um país deve estabelecer.
O Brasil está ficando para trás e é preciso levar em
6 Para economizar sem abdicar das compras,
consideração que o País envelhece (tendência mun-
7 a estudante carioca Camila Florez, 18, chegou a
dial) sem estar preparado para arcar com os desafios,
8 trabalhar, por alguns meses, em uma loja de um
como criar uma rede de proteção, preparar os servi-
9 shopping no Rio de Janeiro, onde podia comprar
ços de saúde pública e dar suporte às famílias que
10 modelos com desconto. O guarda-roupa cheio moti-
precisam cuidar de seus idosos dependentes.
11 vou Camila e a amiga Roberta Moulin, 18, a criarem
12 o blog “Reciclando Moda”, onde vendem peças que
13 compraram e nunca foram usadas. “Já vendemos
Disponível em: www.folhadelondrina.com.br. Acesso em: 9 dez. 2018
(adaptado).
14 muita coisa”, comemora Camila, que gasta parte do
15 dinheiro recebido em... roupas.
TEXTO II 16 Para Guilherme Lemes, 19, as compras se torna-
17 ram um problema. Ele gastava todo o dinheiro dado
18 pela mãe em compras. Tinha até camisetas iguais
19 compradas em ocasiões diferentes.
20 “Sinto prazer em comprar, mas, quando perce-
21 bi, tinha 40 calças jeans e só usava quatro”, conta.
22 Hoje, ele faz terapia para tratar o que diz ser consu-
23 mismo compulsivo. Algumas calças jeans inativas já
24 foram herdadas pelos primos ou vendidas.
Disponível em: www.brasil.gov.br. Acesso em: 9 dez. 2018. 25 Segundo a publicitária Rita Almeida, especialis-
26 ta na área, existem dois padrões de consumo dos
Na comparação entre os textos, conclui-se que as regras 27 jovens. O consumo entre os teens é impulsionado
do Estatuto do Idoso 28 pela necessidade de adequação ao modelo de com-
a) apresentam vantagens em relação às de outros países. 29 portamento imposto pela turma de amigos. Mas a
b) são ignoradas pelas famílias responsáveis por idosos. 30 faculdade e a entrada no mercado de trabalho tor-
31 nam o jovem mais preocupado em se tornar adulto.
c) alteram a qualidade de vida das pessoas com mais de
60 anos. 32 Não há uma ruptura entre os dois momentos, diz
33 Rita, mas a mudança nos interesses e no padrão de
d) precisam ser revistas em razão do envelhecimento da 34 consumo é visível. “A idade os torna mais conscien-
população. 35 tes em relação ao consumo. A entrada na faculdade
e) contrastam com as condições de vida proporcionadas 36 é um marco fundamental, pois os conflitos internos
pelo País. 37  mudam completamente”, afirma.

102 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


77. Assinale a alternativa correta com relação ao texto.

LP
a) O texto de Carolina Araújo é argumentativo e realiza mais voltassem a rir e falar coisas sem importância.
uma crítica contumaz ao consumismo entre a Faltava uma delas. O jornal dera notícia do crime. O
corpo da menina encontrado naquelas condições, em
juventude contemporânea.
lugar ermo. A selvageria de um tempo que não deixa
b) O texto de Carolina Araújo é informativo e, apesar mais rir.
de apresentar a temática do consumismo entre a As alegres meninas, agora sérias, tornaram-se
juventude contemporânea, não toma posição favorável adultas de uma hora para outra; essas mulheres.
ou contrária ao assunto.
c) O texto de Carolina Araújo é dissertativo e discorre em ANDRADE, C. D. Essas meninas. Contos plausíveis. Rio de Janeiro: José
profundidade sobre os fatores que levam a juventude Olympio, 1985.
contemporânea ao consumo desenfreado. No texto, há recorrência do emprego do artigo “as” e
d) O texto de Carolina Araújo possui um caráter do pronome “essas”. No último parágrafo, esse recurso
científico e acadêmico, apresentando algumas das linguístico contribui para
principais teorias sobre o consumismo entre a a) intensificar a ideia do súbito amadurecimento.
juventude contemporânea.
b) indicar a falta de identidade típica da adolescência.
e) O texto de Carolina Araújo é narrativo e apresenta,
c) organizar a sequência temporal dos fatos narrados.
como situação inicial, a situação do consumo entre
a juventude brasileira, terminando com a análise de d) complementar a descrição do acontecimento trágico.
profissionais renomados sobre o assunto. e) expressar a banalidade dos assuntos tratados na
78. Dentre as informações abaixo, assinale apenas as que escola.
podem ser encontradas no texto “Ah, como gastam”. (UNICESUMAR – SC)
I – Jovens brasileiros se submetem a trabalhos impróprios
para manter um alto padrão de consumo.
II – O consumismo pode ser estimulado pela necessidade,
Estudo sobre as intimidades
por parte do jovem, de ser aceito em determinados tecnológicas da Geração Z
grupos sociais. A geração Z é a primeira geração móvel que parece
III – Não existe apenas uma explicação para o fenômeno do viver igualmente no mundo digital como no real. Os
consumismo. smartphones, dispositivos de escolha, estão sempre
por perto e ao alcance. Com um telefone para mantê-
IV – O consumismo é um comportamento tipicamente
-los conectados, a geração Z está repleta de dico-
juvenil e tende a desaparecer na idade adulta.
tomias: seu dispositivo os distrai do tédio e dá algo
a) Apenas I e II estão corretas. para fazer durante o tempo de inatividade, mas poupa
b) Apenas I e III estão corretas. tempo com sua eficiência.
c) Apenas II e III estão corretas. O smartphone é o hub social da geração Z, o epi-
d) Apenas III e IV estão corretas. centro de tudo. Ele cria um universo, um espaço vir-
tualizado onde eles se envolvem, tornando-os mais
e) Apenas II e IV estão corretas.
inteligentes, mais eficazes e mais conectados. Eles
querem que suas conexões funcionem bem e rapi-
79. damente. Neste espaço, estão entretidos, através de
atividades como música, jogos ou mensagens de tex-
to. De modo importante, dentro de sua “bolha”, os
As alegres meninas que passam na rua, com suas
jovens da geração Z também se expressam com os
pastas escolares, às vezes com seus namorados. As
amigos através de criação frequente e compartilha-
alegres meninas que estão sempre rindo, comentan-
mento de conteúdo.
do o besouro que entrou na classe e pousou no ves-
tido da professora; essas meninas; essas coisas sem A geração Z é uma mistura interessante de pessoas
importância. versadas, inteligentes e dependentes. Eles têm muitas
ideias interessantes para o futuro da tecnologia, ad-
O uniforme as despersonaliza, mas o riso de cada
uma as diferencia. Riem alto, riem musical, riem de- miram a marca Apple, preferem o YouTube em geral e
safinado, riem sem motivo; riem. entendem que vivem em um mundo pós-privacidade.
Seus telefones os tornam seguros e cada vez mais
Hoje de manhã estavam sérias, era como se nunca
formam rituais e hábitos relacionados ao uso de seus

6. ESTATUTO DA JUVENTUDE: A VOZ DOS JOVENS LGG 103


c) A contração do artigo “o” com a preposição “em”
dispositivos. A tecnologia é essencialmente uma par- provocou essa troca.
te indistinguível da sua identidade e entrelaçada em
d) No poema, essa substituição de um artigo por outro
sua vida diária. Ela oferece conforto, propósito e foco.
não altera significado.
Texto adaptado de: https://pt.commscope.com/s/?gclid=Cj0KCQjwr-4beB e) Essa troca de artigos é opcional no texto.
RDNARIsAGZaZ5ecabw1gJ55nfqOlmKk_yzK4f1ury1ucB0C9mBf78IaEfad
0DaeZ1QaAvX-EALw_wcB. Acesso em: 13 out. 2018.
83.
80. Em “Os smartphones, dispositivos de escolha, estão
sempre por perto e ao alcance. Com um telefone para
mantê-los conectados, a geração Z está repleta de Quando Rubem Braga não tinha assunto, ele
dicotomias: seu dispositivo os distrai do tédio e dá algo abria a janela e encontrava um. Quando não encon-
para fazer durante o tempo de inatividade, mas poupa trava, dava no mesmo, ele abria a janela, olhava o
tempo com sua eficiência.”, os itens em destaque mundo e comunicava que não havia assunto. Fazia
isso com tanto engenho e arte que também dava no
a) são, respectivamente, pronome e artigo. mesmo: a crônica estava feita. Não tenho nem o en-
b) são pronomes do caso reto. genho nem a arte de Rubem, mas tenho a varanda
c) remetem a telefone. aberta sobre a Lagoa – posso não ver melhor, mas
vejo mais. [...] Nelson Rodrigues não tinha proble-
d) remetem a smartphones e dispositivos.
mas. Quando não havia assunto, ele inventava. Uma
e) remetem às subentendidas pessoas pertencentes à tarde, estacionei ilegalmente o Sinca-Chambord na
geração Z. calçada do jornal. Ele estava com o papel na máqui-
(FACTO) Leia o texto para responder à questão 82. na e provisoriamente sem assunto. Inventou que eu
descia de um reluzente Rolls Royce com uma loura
suspeita, mas equivalente à suntuosidade do carro.
Canção mínima Um guarda nos deteve, eu tentei subornar a autori-
dade com dinheiro, o guarda não aceitou o dinheiro,
No mistério do Sem-Fim,
preferiu a loura. Eu fiquei sem a multa e sem a mu-
equilibra-se um planeta.
lher. Nelson não ficou sem assunto.
E, no planeta, um jardim,
E, no jardim, um canteiro;
CONY, C. H. Folha de S. Paulo. 2 jan. 1998 (adaptado).
no canteiro, uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro, O autor lançou mão de recursos linguísticos que o
entre o planeta e o Sem – Fim, auxiliaram na retomada de informações dadas sem
a asa de uma borboleta. repetir textualmente uma referência. Esses recursos
pertencem ao uso da língua e ganham sentido nas
(MEIRELES, Cecília. Obra poética. 3. ed. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, práticas de linguagem. É o que acontece com os usos
1985. p. 163.) do pronome “ele” destacados no texto. Com essa
82. Há, no texto, um processo contínuo de retomadas estratégia, o autor conseguiu
e acréscimos. Nesse jogo, os substantivos surgem a) confundir o leitor, que fica sem saber quando o
inicialmente precedidos pelo artigo “um” (“um planeta”, texto se refere a um ou a outro cronista.
“um jardim”) e depois pelo artigo “o” (“no planeta”, “no b) comparar Rubem Braga com Nelson Rodrigues,
jardim”). Essa troca do artigo indefinido por definido pode dando preferência ao primeiro.
ser assim explicada:
c) referir-se a Rubem Braga e a Nelson Rodrigues
a) A troca ocorreu em função da mudança de verso no usando igual recurso de articulação textual.
poema.
d) sugerir que os dois autores escrevem crônicas
b) Quando designados pelo artigo indefinido, sobre assuntos semelhantes.
os substantivos têm valor genérico; enquanto
e) produzir um texto obscuro, cujas ambiguidades
determinados pelo artigo definido, referem-se a seres
impedem a compreensão do leitor.
particularizados.

104 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


2

LP
2 Língua
Portuguesa

T
TEMAS MAIS
2
LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

COBRADOS NO ENEM

CCAPÍTULO 4
CA
4 Listas: o mundo em
uma folha de papel

18CCAPÍTULO 5
Relato
autobiográfico:
autor de sua história

CCAPÍTULO 6
38 Estatuto da
Juventude: a voz
dos jovens
j

A
ATUALIDADES

ESTRUTURA DO
GUIA DEE ESTUDOS

MATRIZ
DO ENEM
Neste livro, aprofundamos certamente ampliará seus Elas abordam temas recentes,
os estudos sobre as listas e conhecimentos sobre os para que você possa se preparar e
seu emprego em situações conteúdos que aprendeu. desenvolver um posicionamento
do cotidiano. Os relatos As produções textuais crítico sobre discussões
autobiográficos e os textos também estão muito presentes de relevância social. Tais
legais também são retomados. neste material. Em cada capítulo, produções podem ser realizadas
A respeito do estudo geral da há uma proposta aplicada em integralmente ou selecionadas de
língua, abordamos temas como edições anteriores do Enem. Na acordo com seu tempo e seu foco
acentuação gráfica e classes seção Atualidades, constam de interesse.
gramaticais relacionadas ao outras propostas, as quais Quanto aos assuntos
substantivo (artigo, adjetivo, estão relacionadas aos gêneros trabalhados, organizamos este
numeral e pronome). Você trabalhados no Livro do aluno. livro da seguinte forma: no

Temas mais
cobrados no
ENEM*

*Análise feita entre


os anos 2009 e 2019
capítulo 4, abordamos as listas e Para tanto, você terá acesso aos

LP
a acentuação gráfica; no gabaritos das questões, os quais
capítulo 5, o relato serão disponibilizados on-line,
autobiográfico e as classes e contará com comentários e
gramaticais substantivo e orientações sobre a resolução
adjetivo; e, no capítulo 6, o delas. Pensamos em tudo isso
gênero estatuto e as classes para que você consiga percorrer
gramaticais relacionadas ao boa parte do caminho sem
substantivo (artigo, numeral e recorrer, necessariamente, ao
pronome). professor. Essa é uma forma

©Shutterstock/Goodstudio
Por fim, ressaltamos que de você perceber o quanto está
este Guia busca garantir mais dominando o conteúdo.
autonomia em seus estudos. Bons exercícios!

Figuras
u de linguagem
a

Polissemia
l

Articulação para criação de humor

Ambiguidade

Pressuposto e subentendido

Intertextualidade, intertexto e relações entre linguagens

Hipertexto

Interpretação de texto, enunciação e discurso.

Argumentação e tipos de discurso

Coesão e coerência
Acentuação
Gêneros e tipos textuais NNo capítulo 4, revisaremos as
regras de acentuação gráfica.

Relações de concordância

Orações coordenadas

Conjunções

Preposições Pronomes
m
Há diversos exercícios
e
sobre pronomese no
Processos de formação de palavras capítulo 6 destee Guia.

A língua em constante mudança

Norma culta e variações

Linguagem verbal e não verbal


0
100
20

40

60

80
0

qua
antidade
idad dde questões
tõ por temas
a mais
i cobrados
b d no E
Enem
n
4 Listas: o mundo em
L
uma folha de papel

Diante da visão de um prédio com uma placa indicando


SAPATARIA PAPALIA, um jovem deparou com a dúvida: como
pronunciar a palavra PAPALIA? Análise dos dados
Levado o problema à sala de aula, a discussão girou em torno da
utilidade de conhecer as regras de acentuação e, especialmente, do A questão em análise faz
auxílio que elas podem dar à pronúncia correta de palavras. referência à variedade-padrão da
Após discutirem pronúncia, regras de acentuação e escrita, três língua, já que menciona as regras
alunos apresentaram as seguintes conclusões a respeito da palavra de acentuação gráfica. No capítu-
PAPALIA: lo 1, você aprendeu que a escola
é responsável pelo ensino dessa
I. Se a sílaba tônica for o segundo PA, a escrita deveria ser
variedade. Por isso, o jovem citado
PAPÁLIA, pois a palavra seria paroxítona terminada em ditongo
no enunciado leva sua dúvida para
crescente.
a sala de aula.
II. Se a sílaba tônica for LI, a escrita deveria ser PAPALÍA, pois “i” e
Para responder à questão, três
“a” estariam formando hiato.
aspectos da língua – pronúncia, es-
III. Se a sílaba tônica for LI, a escrita deveria ser PAPALIA, pois não crita e acentuação gráfica – devem
haveria razão para o uso do acento gráfico. ser considerados. Mas, afinal, por
A conclusão está correta apenas em: que é importante conhecer as re-
gras de acentuação gráfica? Quando
a) I
pronunciamos uma palavra, des-
b) II tacamos sua sílaba tônica, isto é,
c) III a sílaba mais forte. Porém, quando
d) I e II lemos um vocábulo, a identificação
dessa sílaba é mais difícil. Assim,
e) I e III
os acentos auxiliam a representa-
ção escrita das palavras, sobretudo
usos
conhecer os daquelas que têm grafia idêntica,
C8H27 Re lín gu a
drão da
da norma pa fe re nt es como secretária e secretaria
s di
portuguesa na unicação. (substantivos) e notícia e noticia
com
situações de
(substantivo e verbo). A presença
ou não do acento altera não apenas
a pronúncia, mas também a classe
gramatical das palavras.

4 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
Por onde começar?
O enunciado explica que a dúvida do jovem gerou uma discussão e três alunos
apresentaram suas conclusões. Você deve analisá-las e, considerando as regras de
acentuação, verificar qual(is) é (são) correta(s).
A alternativa a aponta como correta apenas a conclusão I, segundo a qual a sílaba
tônica de papalia é o segundo pa, sendo, portanto, uma paroxítona (papália).
A alternativa b indica como correta somente a conclusão II, que considera tônica
a sílaba li, o que formaria o hiato i-a, justificando, segundo o aluno, o acento em i
(papalía).
A alternativa c aponta como correta apenas a conclusão III, segundo a qual a sílaba
tônica de papalia é li e, portanto, o vocábulo não deve ser acentuado.
A alternativa d indica como corretas somente as conclusões I e II.
Por fim, a alternativa e também aponta duas conclusões como corretas: a I e a III.
Para verificar se as conclusões a que os três alunos chegaram justificam,
adequadamente, a ausência de acento em papalia,
você precisa ler com atenção as frases I, II e III, que

©Shutterstock/Ryger
s k///Ryger
Ryger
são hipóteses relacionadas às regras de acentuação de

erstock/
rstoc
palavras em que as vogais i e u formam hiato. É preciso,

utter
©Shu ter
também, que i e u sejam a segunda vogal do hiato e
formem sílabas sozinhas ou acompanhadas de s. Para
refletir sobre as hipóteses apresentadas pelos estudantes,
você deve compreender essa regra por completo.
Considerando que a grafia esteja correta, como a palavra
papalia deve ser pronunciada? Essa é a pergunta à qual
você deve responder.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 5


Em nosso cotidiano, é comum nos depararmos
com listas de vários tipos: de compras, de tarefas, 12. Galeria Nacional de Arte, Washington (4,4
milhões de visitantes)
de convidados para um evento, etc.
13. Museu de Ciência e Tecnologia da China,
As listas desempenham várias funções. Uma Pequim (4,4 milhões de visitantes)
lista de desejos ou de previsões, por exemplo, serve 14. Museu do Hermitage, São Petersburgo (4,3
para orientar pensamentos. Há também as listas milhões de visitantes)
que organizam elementos, como os catálogos, e 15. Museu Zhejiang, Hangzhou (4,3 milhões de
as que classificam elementos, como as listas de visitantes)
aprovados no vestibular ou em outros concursos.
Muitas vezes, estamos diante de uma lista – ALVES, Bianca. Confira a lista dos 15 museus mais visitados do
mundo em 2018. Disponível em: https://revistacasaejardim.globo.
um sumário, um dicionário ou, até mesmo, uma
com/Casa-e-Jardim/Viagem/noticia/2019/06/confira-lista-dos-15-
coleção – e não percebemos. museus-mais-visitados-do-mundo-em-2018.html. Acesso em: 7
Embora seja difícil definir uma lista, uma ago. 2020.
coisa é certa: ela enumera e organiza elementos do Texto 2
mesmo tipo.
O prêmio Travellers’ Choice, da TripAdvisor, é
Analise os textos a seguir para responder às concedido a instituições, hotéis, roteiros e pon-
questões 1 a 4. tos turísticos melhor avaliados pelos viajantes.
Texto 1 Na última edição da premiação, correspondente
aos feedbacks de 2016, dez museus se destaca-
ram. Não há nenhum brasileiro na lista, no entanto
Fazendo parte dos maiores pontos turísticos e grande parte dos colocados está localizada no con-
monumentos do mundo, os museus são polos de tinente Americano. Ganharam destaque o Museu
cultura, conhecimento, arte e arquitetura. Todos os Metropolitano de Arte, em Nova York, que ficou
anos a  Themed Entertainment Association (TEA) na primeira colocação; o também estaduniden-
lança uma classificação dos museus mais visita- se Instituto de Artes de Chicago, em segundo; e
dos ao redor do globo. o Museu Nacional de Antropologia, localizado na
1. Museu do Louvre, Paris (10,2 milhões de vi- Cidade do México, que ocupa o 5.º lugar do ranking.
sitantes) Já do outro lado do Atlântico, o Museu Hermitage e
Palácio de Inverno, de São Petersburgo, o Musée
2. Museu Nacional da China, Pequim (8,6 mi-
d’Orsay, em Paris, e o Museu do Prado, em Madri,
lhões de visitantes)
foram os que mais agradaram aos visitantes. Eles
3. Museu Metropolitano de Arte (MET), Nova ocupam o 3.º, 4.º e 7.º lugares na lista, respectiva-
York (7,4 milhões de visitantes) mente.
4. Museu do Vaticano, Vaticano (6,8 milhões de Museu Metropolitano de Arte – Nova York, Estados
visitantes) Unidos [...]
5. Museu Nacional do Ar e do Espaço, Instituto de Artes de Chicago – Chicago, Illinois [...]
Washington (6,2 milhões de visitantes)
Museu Hermitage e Palácio de Inverno – São
6. Museu Britânico, Londres (5,9 milhões de Petersburgo, Rússia [...]
visitantes) Musée d’Orsay – Paris, França [...]
7. Tate Modern, Londres (5,9 milhões de visi- Museu Nacional de Antropologia – Cidade do
tantes) México, México [...]
8. Galeria Nacional, Londres (5,7 milhões de 9/11 Memorial – Nova York, Estados Unidos [...]
visitantes) Museu do Prado – Madri, Espanha [...]
9. Museu da História Natural, Londres (5,2 mi- Museu Britânico – Londres, Reino Unido [...]
lhões de visitantes) Museu da Acrópole – Atenas, Grécia [...]
10. Museu Americano da História Natural, Nova Museu do Vasa – Estocolmo, Suécia [...]
York (5 milhões de visitantes)
11. Museu Nacional da História Natural, CHIARELI, Jéssica. Os 10 melhores museus do mundo. Disponível
Washington (4,8 milhões de visitantes) em: https://www.revistabula.com/9947-os-10-melhores-museus-
do-mundo/. Acesso em: 7 ago. 2020.

6 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


C7 H22 Relacionar, em
diferentes
1. Com base nesses textos e no que você estudou sobre o gênero lista, assinale a

LP
textos, opiniões, temas, ass
untos e
alternativa correta. recursos linguísticos.

a) Para configurar uma lista, o texto deve apresentar uma explicação prévia
sobre os elementos que serão listados. Para responder à quest
ão,
b) Os textos 1 e 2 não são listas, mas textos opinativos, pois apresentam a você deve analisar os
dois
opinião dos produtores sobre os museus, classificando-os de acordo com textos com atenção, rel
acio-
seus pontos de vista. nando-os a seu conh
ecimen-
to sobre o gênero list
a.
c) As listas sempre apresentam caráter impessoal, isto é, enumeram elementos
de forma objetiva.
d) As listas sempre organizam seus elementos em ordem crescente.
e) Os textos 1 e 2 são listas que apresentam o mesmo elemento: os museus ao
redor do mundo.
2. Considerando os textos 1 e 2, assinale a alternativa correta. C7 H22 Relacionar, em
diferentes
textos, opiniões, temas, ass
a) Os dois textos são listas que usam o mesmo critério para organizar os recursos linguísticos.
untos e
elementos.
b) No texto 2, foi adotado um critério subjetivo para organizar os elementos da
lista, baseado nas avaliações dos visitantes dos museus.
c) Apesar de não apresentarem o mesmo elemento, as duas listas adotam o
mesmo critério de organização.
d) Apenas a primeira lista poderia ser organizada em ordem decrescente, uma
vez que adota um critério objetivo de organização: o número de visitantes de
cada museu.
e) Em virtude do critério objetivo adotado, a lista dos dez museus
contemplados com o prêmio Traveller’s Choice não sofreu alteração desde C7 H22 Relacionar, em
sua última edição, em 2016. diferentes
textos, opiniões, temas, ass
untos e
recursos linguísticos.
3. Comparando os dois textos, é possível afirmar:
a) Se organizássemos uma lista – em ordem crescente – dos países com o
maior número de museus mais visitados do mundo, a Inglaterra ficaria em A questão em análise
exige
terceiro lugar. que você compare as
duas
listas, além de acionar
b) Dos 15 museus mais visitados no mundo, apenas um fica na África. seus co-
nhecimentos sobre a
localiza-
c) A maioria dos museus presentes nas duas listas fica no continente europeu. ção geográfica dos pa
íses onde
se encontram os museu
d) Nas duas listas, o Museu do Hermitage, em São Petersburgo, ocupa a s.
mesma posição.
e) Há mais museus bem avaliados no continente americano do que no
europeu.
4. Assinale a afirmativa correta. C7 H22 Relacionar, em
diferentes
a) As duas listas, embora adotem diferentes critérios, têm como função textos, opiniões, temas, ass
untos e
recursos linguísticos.
classificar os museus.
b) A segunda lista enumera, de forma aleatória, os dez museus mais bem
avaliados do mundo.
c) Apenas na primeira lista, os elementos são apresentados seguindo uma
classificação.
d) As duas listas têm como função organizar o pensamento dos turistas sobre
os museus que devem ser visitados.
e) Em ambos os casos, trata-se de listas de desejos, pois apresentam nomes
de museus que muitas pessoas querem visitar.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 7


Acentuação gráfica
Como você estudou, em língua portuguesa, todas as palavras
apresentam uma sílaba tônica (forte), exceto as monossílabas átonas.
Porém, dizer que uma sílaba é tônica não significa que ela é acentuada
graficamente.
A acentuação gráfica nos orienta sobre a pronúncia das palavras.
O quadro a seguir sintetiza as principais regras de acentuação,
organizadas de acordo com a posição da sílaba tônica.

▶ Monossílabas átonas são pa- Tipo de palavras Regras Exemplos


lavras cuja única sílaba tem
Acentuam-se as monossílabas
pronúncia fraca, como que,
Monossílabas tônicas terminadas em a(s), e(s), pá, fé, três, dó,
se, de e no. Além disso, não
tônicas o(s) e em ditongo aberto eu(s), céu, dói, réis
fazem sentido quando em-
oi(s), eis
pregadas isoladamente. Elas
nunca recebem acento grá- Acentuam-se as oxítonas vatapá, você,
fico. terminadas em a(s), e(s), o(s), em, cipó, também,
Oxítonas
ens e em ditongo aberto eis, eu(s), parabéns, anéis,
▶ O til não é um acento; é um
sinal gráfico que indica a pro- oi(s) troféu, constrói
núncia de um som nasaliza- caráter, látex,
do, como ocorre em romã, Acentuam-se as paroxítonas pólen, fácil, táxi,
órgão, ímã e trovões. terminadas em r, x, n, l, i/is, us, bônus, álbum,
Paroxítonas
um/uns, ps, ã(s), ão(s), on(s) e em bíceps, órfã,
ditongo oral órgão, próton,
cárie
▶ O Acordo Ortográfico de
relâmpago,
1990, que entrou em vigor Todas as proparoxítonas são
Proparoxítonas mágico,
em 2009, aboliu o trema acentuadas.
em palavras da língua por- cômodo, idêntico
tuguesa, como linguiça e
cinquenta. Porém, o trema Há outras regras que não estão relacionadas à posição da sílaba
permanece em palavras de
tônica nas palavras.
origem estrangeira, como
Müller.
▶ Os hiatos de vogais iguais Regras Exemplos
perderam o acento, como
Nos hiatos, acentua-se o i ou o u quando
nos substantivos voo e enjoo
• é a segunda vogal tônica; Com acento: sa-ú-de, fa-ís-ca,
e nas formas verbais deem,
• está sozinho na sílaba ou seguido de s. con-te-ú-do, su-í-te.
coo e perdoo.
Obs.: Nas paroxítonas, o i e o u tônicos dos Sem acento: fei-u-ra, ra-i-nha,
▶ Nas palavras oxítonas, o
hiatos não são acentuados quando estão mo-i-nho.
acento nos ditongos abertos
precedidos de ditongo ou seguidos de nh.
ei, eu e oi permaneceu (cha-
péu, herói, constrói), mas, Os verbos ter e vir, na 3.a pessoa do plural
ele tem – eles têm
nas paroxítonas, ele foi aboli- do presente do indicativo, recebem acento
ele vem – eles vêm
do (ideia, heroico, joia). circunflexo.
▶ Palavras terminadas em Verbos derivados de ter e vir, na 3.a pessoa do
ditongo crescente, como singular do presente do indicativo, recebem ele mantém – eles mantêm
a-mên-doa e his-tó-ria, po- acento agudo e, na 3.a pessoa do plural, ele intervém – eles intervêm
dem ser pronunciadas tam- acento circunflexo.
bém como proparoxítonas: O verbo pôr recebe acento para se diferenciar Ele vai pôr sal na comida.
a-mên-do-a e his-tó-ri-a. da preposição por. Ele vai por este caminho.

8 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


5. (UEPG – PR)

LP
C8 H27 Reconhecer os 14 serra. Ele, um dos garotos no meio da
usos da norma-padrão
da língua portuguesa nas
15 garotada em algazarra, deixava a brisa
Semente de coração
diferentes situações de 16 fresca bater-lhe no rosto e entrar-lhe
Uma pesquisa fei- comunicação. 17 pelos cabelos com dedos longos, finos
ta pelo Hospital Pró- 18 e sem peso como os de uma mãe. Ficar
Cardíaco, no Rio, em parceria com a UFRJ 19 às vezes quieto, sem quase pensar, e
e o Texas Heart Institute, nos Estados 20 apenas sentir – era tão bom. A concen-
Unidos, alcançou resultados pioneiros. 21 tração no sentir era difícil no meio da
Pela primeira vez no mundo demonstrou- 22 balbúrdia dos companheiros. E mesmo
-se que células-tronco extraídas da medu- 23 a sede começara: brincar com a turma,
la óssea do próprio paciente são capazes 24 falar bem alto, mais alto que o barulho
de se transformar em músculo cardíaco 25 do motor, rir, gritar, pensar, sentir, puxa
quando implantadas no coração. A equipe, 26 vida! Como deixava a garganta seca.
coordenada pelo médico Hans Dohmann,
27 E nem sombra de água. O jeito era
já havia provado que células-tronco são
28 juntar saliva, e foi o que fez. Depois
capazes de criar vasos sanguíneos. A in-
29 de reunida na boca ardente engolia-
dicação de que a técnica também é capaz
30 -a lentamente, outra vez e mais outra.
de originar músculo foi possível graças à
31 Era morna, porém, a saliva, não tirava
autópsia de um dos pacientes, que mor-
32 a sede. Uma sede enorme maior do
reu 11 meses após o implante.
33 que ele próprio, que lhe tomava agora o
34 corpo todo. A brisa fina, antes tão boa,
Revista Época, 27/09/2004, p. 15.
35 agora ao sol do meio-dia tornara-se
Observe a sequência de palavras abaixo e 36 quente e árida e ao penetrar pelo nariz
assinale a alternativa em que todas foram 37 secava ainda mais a pouca saliva que
acentuadas pela mesma razão. 38 pacientemente juntava. E se fechasse
39 as narinas e respirasse um pouco me-
a) extraídas, sanguíneos, cardíaco.
40 nos daquele vento de deserto? Tentou
b) óssea, próprio, sanguíneos. 41 por instantes mas logo sufocava. O jeito
c) extraídas, cardíaco, autópsia. 42 era mesmo esperar, esperar. Talvez mi-
d) células, possível, após. 43 nutos apenas, talvez horas, enquanto
44 sua sede era de anos. Não sabia como e
e) músculo, técnica, extraídas. 45 por que mas agora se sentia mais perto
46 da água, pressentia-a mais próxima, e
47 seus olhos saltavam para fora da janela
48 procurando a estrada, penetrando entre
49 os arbustos, espreitando, farejando. [...]

LISPECTOR, Clarice. O primeiro beijo. In: Felicidade


C8 H27 Reconhecer os Clandestina. Rocco: Rio de Janeiro, 1998.
usos da
norma-padrão da língua por
6. (IFAL) tuguesa nas
diferentes situações de com
unicação. O trio de palavras, presente no excerto textual,
ônibus, árida e ppróxima, respectivamente
1 Os dois mais murmuravam que con-
nas linhas 13, 36 e 46, recebe a mesma regra
2 versavam: havia pouco iniciara-se o
3 namoro e ambos andavam tontos, era de acentuação gráfica. A alternativa que possui
4 o amor. Amor com o que vem junto: ciú- vocábulos com semelhança a essa regra de
5 me. – Está bem, acredito que sou a sua acentuação é:
primeira namorada, fico feliz com isso. a) porém, ninguém, parabéns Inicialmente, você de
6 ve
pronunciar as três pa
7 Mas me diga a verdade, só a verdade: b) órfão, órgão, ímã lavras
apresentadas no enun
8 você nunca beijou uma mulher antes de ciado
c) êxtase, casuístico, episódico para identificar sua cla
9 me beijar? Ele foi simples: – Sim, já bei- ssifi-
cação quanto à posiç
d) Mundaú, açaí, Jundiaí ão da
10 jei antes uma mulher. – Quem era ela? sílaba tônica. Em seg
uida,
11 – perguntou com dor. Ele tentou contar e) cajá, mungunzá, maracujá procure a alternativa
em que
12 toscamente, não sabia como dizer. O as palavras se enquad
ram na
13 ônibus da excursão subia lentamente a mesma regra.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 9


Leia um trecho do livro Mensagem, de Fernando Pessoa, para responder às questões 7 e 8.

X. MAR PORTUGUÊS Não voltou mais.


Ó mar salgado, quanto do teu sal A que ilha indescoberta
São lágrimas de Portugal! Aportou? Voltará da sorte incerta
Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Que teve?
Quantos filhos em vão rezaram! Deus guarda o corpo e a forma do futuro,
Quantas noivas ficaram por casar Mas Sua luz projecta-o, sonho escuro
Para que fosses nosso, ó mar! E breve.

Valeu a pena? Tudo vale a pena Ah, quanto mais ao povo a alma falta,
Se a alma não é pequena. Mais a minha alma atlântica se exalta
Quem quer passar além do Bojador E entorna,
Tem que passar além da dor. E em mim, num mar que não tem tempo ou
Deus ao mar o perigo e o abismo deu, 'spaço,
Mas nele é que espelhou o céu. Vejo entre a cerração teu vulto baço
Que torna.
XI. A ÚLTIMA NAU
Levando a bordo El-Rei D. Sebastião, Não sei a hora, mas sei que há a hora,
E erguendo, como um nome, alto o pendão Demore-a Deus, chame-lhe a alma embora
Do Império, Mistério.
Foi-se a última nau, ao sol aziago Surges ao sol em mim, e a névoa finda:
Erma, e entre choros de ânsia e de pressago A mesma, e trazes o pendão ainda
Mistério. Do Império.

PESSOA, Fernando. Mensagem. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_


action=&co_obra=15726. Acesso em: 10 ago. 2020.

7. Com base no trecho “X. Mar português”, assinale a alternativa correta.


Para responder à ques-
a) Nos versos “Ó mar salgado, quanto do teu sal/ São lágrimas de
tão, você deve analisar
C8 H27 Reconhecer os Portugal!”, o eu lírico faz referência ao arrependimento dos portugueses o trecho mencionado
usos da norma-padrão pelas navegações.
da língua portuguesa nas
no enunciado, além
diferentes situações de b) A palavra “sal” não recebe acento, pois é uma monossílaba átona. de rever as regras de
comunicação. acentuação gráfica.
c) Na segunda estrofe, o eu lírico apresenta um questionamento, o qual
fica sem resposta no poema, uma vez que é dirigido ao leitor.
d) A palavra “além” recebe acento, pois é uma oxítona terminada em em.
e) As palavras “Bojador” e “dor” rimam entre si e, por serem oxítonas terminadas em r, não são
acentuadas.

8. Assinale a alternativa em que as palavras são acentuadas, respectivamente, pelas mesmas regras de
“ânsia”, “há” e “português”.
C8 H27 Rec onh ece r os a) cárie, chá, café
usos da norma-padrão b) relógio, será, você
da língua portuguesa nas
diferentes situações de c) rósea, fé, mês
comunicação.
d) ânimo, cipó, freguês
e) lâmina, pá, candomblé

10 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


9. (UDESC) Em relação ao texto, responda à questão. C7 H22 Relacionar, em

LP
diferentes textos, opiniões
,
temas, assuntos e recursos
Até 2009 deve entrar em vigor o acordo escrita dos países que falam por- linguísticos.
ortográfico cujo objetivo é unificar a escrita tuguês atrapalha o intercâmbio
do português nos países que o adotam como econômico e editorial. Como toda reforma,
sua língua oficial. essa proposta tem suas falhas. Mas acho óti-
Observe posições a respeito disso, publicadas mo, por exemplo, o fim do trema. Sou a favor
em Veja, de 12 set. 2007. de tudo que vai no sentido da simplificação.
1. Encaro com grande ceticismo esse (Lya Luft, p. 96)
acordo ortográfico. É uma reforma tímida, 3. As diferenças culturais não se resolvem
que não traz grandes inovações. Mas não assim apenas com um golpe de pena. [...] a
gostei. Queria que meus tremas ficassem grafia cheia de letras mudas – tecto, facto, acto
onde estão. Os escritores mais velhos e mais – não impediu o português José Saramago de
preguiçosos têm de confiar no pessoal da ser best-seller no Brasil. Como a natureza, a
editoração para fazer as mudanças necessá- arte e a inteligência sempre encontram uma
rias no texto. (João Ubaldo Ribeiro, p. 93) maneira de se manifestar. Com a ajuda de uma
2. A unificação já devia ter ocorrido an- norma culta e amplamente aceita, esse traba-
tes. É uma medida civilizada. A diferença na lho fica mais fácil. (Veja, p. 96)

Analise as afirmações abaixo, em relação aos Assinale a alternativa cujas afirmações se


itens 1 e 2. Para respon-
justificam pelo correto entendimento do
der à questão,
I. Os escritores João Ubaldo Ribeiro e Lya Luft texto. você deve ler
apresentam opiniões conflitantes em relação a) Somente as afirmativas I e II são atentamente o
à unificação da escrita do português. verdadeiras. texto e compa-
rar os pontos
II. Para Lya, a eliminação do trema significa b) Somente as afirmativas II e III são de vista dos
simplificação da língua. verdadeiras. escritores a res-
III. Segundo Lya, a unificação ortográfica c) Somente as afirmativas III e IV são peito do Acordo
deveria ter ocorrido antes, por ser forma Ortográfico.
verdadeiras.
civilizada de comunicação entre os povos. d) Somente as afirmativas II e IV são
IV. Para João Ubaldo, todos os escritores mais verdadeiras.
velhos são mais preguiçosos. e) Somente as afirmativas I e IV são verdadeiras.

10. (UEPG – PR) Com relação às regras de acentuação, assinale a alternativa correta. C8 H27 Reconhecer os
usos
da norma-padrão da língua
portuguesa nas diferentes
situações de comunicação.

a) No primeiro quadrinho, o monossílabo "é" aparece acentuado por ser átono, enquanto, no segundo
quadrinho, o monossílabo "e" não está acentuado por ser tônico.
b) O acento circunflexo em "três" deve-se ao fato de ser ele uma paroxítona terminada em s.
c) "Incrível" está acentuado por ser uma palavra oxítona terminada em l.
d) As palavras "esse" e "deve" não recebem acento pelo fato de serem monossílabos átonos.
e) As palavras "importância" e "operários" estão acentuadas por serem paroxítonas terminadas em
ditongos.
GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 11
11. (UNICAMP – SP)

Há dois tipos de palavras: as proparoxítonas e o resto. As propa-


roxítonas são o ápice da cadeia alimentar do léxico. As palavras mais
C7 H22 Relacionar, em pernósticas são sempre proparoxítonas. Para pronunciá-las, há que ter
, temas,
diferentes textos, opiniões
unto s e recu rsos ling uíst icos. ânimo, falar com ímpeto – e, despóticas, ainda exigem acento na sílaba
ass
tônica! Sob qualquer ângulo, a proparoxítona tem mais crédito. É ine-
quívoca a diferença entre o arruaceiro e o vândalo. Uma coisa é estar na
ponta – outra, no vértice. Ser artesão não é nada.

(Adaptado de Eduardo Affonso, “Há dois tipos de palavras: as proparoxítonas e o resto”.


Disponível em www.facebook.com/eduardo22affonso/.)

Segundo o texto, as proparoxítonas são palavras que


a) garantem sua pronúncia graças à exigência de uma sílaba tônica.
b) conferem nobreza ao léxico da língua graças à facilidade de sua pronúncia.
c) revelam mais prestígio em função de seu pouco uso e de sua dupla
acentuação.
d) exibem sempre sua prepotência, além de imporem a obrigatoriedade da
acentuação.

12. (INSPER – SP)

De uns tempos para cá, não sei se me engano, começaram a proliferar


normas destinadas a controlar nossa conduta individual. Falei em algumas
usos da
C8 H27 Reconhecer os aqui e cheguei a aventar a hipótese de que uma agência governamental,
pad rão da líng ua por tuguesa
norma- ou qualquer outra das muitas autoridades a que vivemos subordinados
nas diferentes situações de
comunicação.
sem saber, venha a estabelecer normas para o uso do papel higiênico e
garantir sua observação através da instalação de câmeras nos banheiros
de uso público. Nos banheiros domésticos, imagino que seriam suficien-
tes umas visitas incertas de inspetores com gazuas, para tentar flagrar os
que se asseassem ilegalmente. Não se trata somente de passatempo para
burocratas entediados e sem mais o que fazer. Trata-se da convicção, que
parece grassar truculentamente em toda parte, de que existe algo "certo",
cientificamente certo e, portanto, todos devem comportar-se dentro do
certo. Se nas ciências físicas esse negócio de "certo" já é olhado com um
pé atrás, nas ciências humanas, que nunca puderam aspirar ao nível de
objetividade daquelas, a existência do "certo" é muito discutível, envolve
necessariamente valores, valores que permeiam toda ação do homem e
não são território da ciência e da objetividade.

(João Ubaldo Ribeiro, O Estado de S.Paulo, 08/11/2010)

A respeito da acentuação gráfica nas palavras presentes no texto, assinale a


alternativa em que a ausência do acento não acarretaria falha gramatical.
a) através d) atrás
b) domésticos e) discutível
c) negócio

12 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


C8 H27 Reconhecer os
usos
da norma-padrão da língua
13. (UDESC) Assinale a alternativa

LP
portuguesa nas diferentes
incorreta, levando em consideração situações de comunicação.
A angústia de Luís Carlos é compreensível: a or-
os excertos de Missa do Galo, de tografia é um hábito e, como todo hábito, mudá-lo
Machado de Assis. costuma provocar desconforto. A pronúncia das
palavras é, historicamente, um fato anterior à sua
1
expressão escrita em qualquer idioma, e tem seus
No capítulo de que trato, dava para maome-
próprios mecanismos de permanência. Aliás, para
2 tana; aceitaria um harém, com as aparências
conhecer os efeitos da abolição do trema para os
3 salvas. Deus me perdoe, se a julgo mal. Tudo
falantes de português, não será preciso esperar
4 nela era atenuado e passivo. O próprio rosto era
nada: basta perguntar hoje mesmo aos portugue-
5 mediano, nem bonito nem feio. Era o que cha-
ses, que em geral continuam pronunciando tais
6 mamos uma pessoa simpática.
palavras da mesma forma que o faziam até 1945,
7 [...] antes de exterminarem esse sinal diacrítico por lá.
8 Os olhos não eram de pessoa que acabasse
9 de dormir; pareciam não ter ainda pegado no www.veja.com/sobrepalavras
10 sono. Essa observação, porém, que valeria al- Agora, assinale a alternativa errada quanto à interpretação
11 guma coisa em outro espírito, depressa a botei textual:
12 fora, sem advertir que talvez não dormisse por
13 minha causa, e mentisse para não me afligir ou a) Embora não seja simpático Para responder à
ao trema, o leitor Luís Carlos qu estão, você deve
14 aborrecer. Já disse que era boa, muito boa.
Durans considera que a ler atentamente o
texto e refletir sobre
[ASSIS, Machado de. Contos. São Paulo: FTD, 2004. p. 225.] extinção desse sinal, após o as mudanças pro-
Acordo Ortográfico, causou postas pelo Acordo
a) O vocábulo harém (linha 2) perde o acento, se for
mais prejuízo à pronúncia Ortográfico.
para o plural.
das palavras na língua
b) Em No capítulo de que trato, dava para maometana portuguesa do que melhoria, pois não se pode mais
(linha 1)
1), a vírgula é justificada pelo deslocamento do identificar, como antes, a alteração da realização
adjunto
t adverbial para o início da frase. fonética da letra u em algumas palavras.
c) O futuro do pretérito em aceitaria (linha 2) indica b) Quem responde ao Luís Carlos Durans é o colunista
um fato futuro certo, porém dependente de alguma Sérgio, responsável pela seção Consultório, da revista
condição. Veja digital, afirmando que, como a ortografia é um
d) Da expressão dava para hábito, a tendência é os falantes acostumarem-se
maometana (linha 1), infere-se a logo com a nova forma de escrever, sem o trema, as
Fique atento à regra
passividade de Conceição diante
de acentuação das palavras que o possuíam antes do Acordo Ortográfico.
oxítonas termina da s do comportamento do marido.
ra
c) Segundo o consultor Sérgio, como a escrita é um fato
em em e ens pa e) A substituição da conjunção posterior à pronúncia das palavras, esta se sobrepõe
não confundi-la porém (linha 10) por entretanto
com as regras das
àquela e isso garante que, mesmo após as reformas
não altera o sentido da oração no ortográficas, as pessoas continuem a falar as palavras
paroxítonas.
excerto. como antes, não sendo, portanto, a extinção do trema
um problema para as futuras gerações falantes do
português.
14. (IFAL) Leia este texto, extraído da revista
Veja, de 1.º de janeiro de 2014, pág. 26: d) Leitor e consultor divergem quanto à extinção do
trema na língua portuguesa: para o primeiro, o
C7 H22 Relacionar, "Caro Sérgio, sou fã do Consultório fato poderia configurar-se um problema para os
em diferentes textos, e gostaria de dividir com você uma sin- futuros falantes da língua portuguesa, por causa da
opiniões, temas, assuntosgela angústia – a supressão do trema mudança ortográfica; para o segundo, não, porque os
e recursos linguísticos.
após a entrada em vigor do Acordo mecanismos próprios de permanência da pronúncia
Ortográfico. Permito-me a opinião de que a extin- das palavras se sobrepõem à mudança ortográfica.
ção do famigerado diacrítico foi um grande desser- e) Segundo Luís Carlos Durans, a dúvida das futuras
viço. Gerações lusófonas posteriores, deparadas gerações falantes do português seria apenas quanto
com vocábulos como 'equidade' e 'equiparar', à articulação dos sons nas palavras “equidade” e
poderiam se perguntar: 'Onde reside a diferença “equiparar”, uma vez que ambas as palavras, por
fonética entre esses termos, se ambos possuem o terem o mesmo radical, têm escrita semelhante.
mesmo radical?'." (Luís Carlos Durans)

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 13


15. (UDESC) Leia o texto para responder à questão.
perigo pelo qual passa a saíra: estimati-
vas indicam que só existem 50 delas na
C7 H22 Relacionar, Doído coração doido
em diferentes textos, natureza. Para protegê-la, ONGs e órgãos
opiniões, temas, assuntos Estive entre mim ambientalistas do governo lutam para que
e recursos linguísticos. seja criada uma reserva florestal de 5 mil
e entre mim.
hectares na região serrana capixaba.
Naufrágios. A saíra apunhalada vive em bandos e se
Difíceis rimas. alimenta de pequenos insetos e frutos. Ela
Para responder à Remos de quebranto. vive no alto de florestas da Mata Atlântica,
questão, você deve e está aí a sua maior fraqueza, já que 90%
ler atentamente o Ninguém sabe o que é. dessa vegetação foi destruída pelo ho-
texto e relembrar as
O que se sabe não se diz. mem. A ave, que também era encontrada
regras de acentuação.
A questão tam- O que se diz não se vê. em Minas Gerais, hoje só pode ser vista no
bém envolve seus Espírito Santo.
conhecimentos sobre Doido coração. Doído. “A extinção está associada à destruição
funções da lingua- Estoura, estala. secular da Mata Atlântica, porque a espé-
gem, estudadas no Estigma. cie só sobrevive em florestas muito bem
capítulo 2.
conservadas”, diz o biólogo Edson Ribeiro
O código das águas, de Lindoff Bell, p. 45. Luiz, coordenador de projetos da  SAVE
Brasil, ONG ligada à Bird Life International,
Assinale a alternativa incorreta em relação ao que tem como foco a proteção das aves
poema Doído coração doido, de Lindoff Bell. brasileiras. “Em território capixaba, onde
a) Enquanto o vocábulo “doído” é acentuado existe apenas um bloco de vegetação pre-
por ser o “i” hiato tônico, o vocábulo servado, elas tendem a ficar ilhadas.”
“doido” não é acentuado por ser paroxítono A luta para proteger a ave ganhou for-
terminado em “o”. ça no mês passado, quando aconteceu no
b) Estão de acordo com o padrão culto vigente Estado o Avistar, principal evento de ob-
servação de pássaros do país. Tendo na
da língua as construções: Estive entre mim e
saíra apunhalada o seu símbolo, a festa foi
ti. Estive entre mim e tu.
o incentivo que faltava para que o Instituto
c) Da leitura do poema depreende-se um eu Estadual de Meio Ambiente (IEMA) esta-
lírico que se volta para dentro, numa análise belecesse o prazo de março de 2016 para
introspectiva. a constituição da reserva. A decisão final,
d) No contexto do poema, os adjetivos “doído” porém, continua nas mãos do governo.
e “doido”, que se ligam ao substantivo
(Disponível em: http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/
“coração”, levam o leitor a inferir um eu
ambientalistaspressionam-governo-capixaba-a-proteger-ave-
lírico inquieto e angustiado. sairaapunhalada. Acesso em 13/11/2015. Texto adaptado.)
e) Pode-se afirmar que, no jogo de palavras
Quanto à acentuação das palavras, assinale a
“doído” e “doido”, o autor trabalha a função
afirmação verdadeira.
poética da linguagem.
a) Os vocábulos “é”, “já” e “só” recebem
16. (IFAL) acento por constituírem monossílabos
tônicos fechados.
C8 H27 Reconhecer os À beira da extinção, ave saíra
usos da norma-padrão apunhalada tem rara chance de se b) As palavras “saíra”, “destruída” e “aí”
da língua portuguesa nas recuperar na natureza acentuam-se pela mesma razão.
diferentes situações de
comunicação. A saíra apunhalada (o nome faz refe- c) Acentuam-se “simpática”, “centímetros” e
rência à mancha vermelha no peito do “simbólica” porque todas as paroxítonas são
pássaro, que se assemelha a uma “pu- acentuadas.
nhalada”) é uma ave simpática de dez d) A palavra “tendem” deveria ser acentuada
centímetros, com plumagem branca e graficamente, como “também” e “porém”.
cinza. A alcunha, que na origem só fazia
e) O nome “Luiz” deveria ser acentuado
referência ao visual da espécie, agora
graficamente, pela mesma razão que a
serve bem como indicação simbólica do
palavra “país”.
14 LGG LÍNGUA PORTUGUESA
C8 H27 Reconhecer os
17. (UDESC) Leia o texto para responder à questão.

LP
usos da norma-padrão
da língua portuguesa nas
diferentes situações de
Coqueiros comunicação.
4 de dezembro de 1945
1 A chuva encharca as telhas podres dos casebres, retalha o chão escuro e incerto, enche os
valos e vai formar poças trêmulas em torno às hortas magras, cercadas com restos de velhas
tarrafas.
A estrada parece um rio de barro, onde os bois atolam os cascos; e o mar, espesso e ondu-
5 lante, tem largas sujeiras avermelhadas, junto à praia oblíqua e saturada, e por onde passam, de
vez em vez, vultos apressados de mãos nos bolsos.
As névoas úmidas esfumaçam os contornos. Um ou outro grasnar de gaivota raspa o ar
enxovalhado. A vida se dilui em água e neblina. Uma tristeza envelheceu a paisagem.
Entardece.
10 A chuva continua a cair, fria e poeirenta, de grandes céus moles e chatos.

Homens e algas, de Othon d’Eça, p. 168.

Considere as seguintes afirmações acerca da acentuação gráfica. Assinale (V) para as afirmações
verdadeiras e (F) para as falsas.
( ) A mesma regra determina a acentuação gráfica das palavras “trêmulas” (linha 2) e “úmidas” (linha 7).
( ) O emprego do acento gráfico em “céus” (linha 10) e “água” (linha 8) decorre da mesma regra.
( ) A palavra “oblíqua” (linha 5), quando pluralizada, perde o acento gráfico.
( ) A palavra “névoas” (linha 7) é uma paroxítona terminada em ditongo crescente, podendo ser também
classificada como proparoxítona eventual.
Assinale a alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo.
a) V – V – F – V c) F – V – V – F e) V – F – F – V
b) F – V – F – F d) F – F – V – V

18. Leia a tirinha para responder à questão. C8 H27 Reconhecer os


usos da norma-padrão
da língua portuguesa nas
diferentes situações de
comunicação.
©Orlandeli

ORLANDELI. Disponível em: http://www.orlandeli.com.br/novo/wordpress/index.php/2017/03/30/grump-88/. Acesso


em: 11 jun. 2020.
Considerando a tirinha e as mudanças propostas pelo Acordo Ortográfico, assinale a alternativa correta.
a) Uma das mudanças trazidas pelo Acordo Ortográfico diz respeito à acentuação dos hiatos de
vogais repetidas.
b) A acentuação dos ditongos abertos não sofreu alteração. Assim, palavras como asteróide e
papéis recebem acento.
c) O i tônico dos hiatos não é mais acentuado, como nas palavras rainha e Luiz.
d) Grump entende que a única mudança na acentuação proposta pelo Acordo Ortográfico se refere
ao trema e, por isso, fica surpreso.
e) O verbo ter recebe acento agudo na 3.ª pessoa do singular do presente do indicativo e acento
circunflexo na 3.ª pessoa do plural.
GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 15
o
oficina
de texto
Leia, atentamente, a proposta e as orientações que registramos para você. Boa escrita!

Conter a destruição das florestas se tornou


uma prioridade mundial, e não apenas um proble-
ma brasileiro. [...] Restam hoje, em todo o plane-
ta, apenas 22% da cobertura florestal original. A
Europa Ocidental perdeu 99,7% de suas florestas
primárias; a Ásia, 94%; a África, 92%; a Oceania,
78%; a América do Norte, 66%; e a América do
Sul, 54%. Cerca de 45% das florestas tropicais,
que cobriam originalmente 14 milhões de km
quadrados (1,4 bilhão de hectares), desaparece-
ram nas últimas décadas. No caso da Amazônia
Brasileira, o desmatamento da região, que até
1970 era de apenas 1%, saltou para quase 15%
em 1999. Uma área do tamanho da França des-
matada em apenas 30 anos. Chega.

Paulo Adário, Coordenador da Campanha da Amazônia do


Greenpeace. http://greenpeace.terra.com.br

Embora os países do Hemisfério Norte possuam apenas um quinto da população do planeta,


eles detêm quatro quintos dos rendimentos mundiais e consomem 70% da energia, 75% dos
metais e 85% da produção de madeira mundial. [...] Conta-se que Mahatma Gandhi, ao ser pergun-
tado se, depois da independência, a Índia perseguiria o estilo de vida britânico, teria respondido:
"[...] a Grã-Bretanha precisou de metade dos recursos do planeta para alcançar sua prosperidade;
quantos planetas não seriam necessários para que um país como a Índia alcançasse o mesmo
patamar?". A sabedoria de Gandhi indicava que os modelos de desenvolvimento precisam mudar.

O planeta é um problema pessoal – Desenvolvimento sustentável. www.wwf.org.br

De uma coisa temos certeza: a terra não pertence ao homem branco; Estou indignado com a fra-
o homem branco é que pertence à terra. Disso temos certeza. Todas as se do presidente dos Estados
coisas estão relacionadas, como o sangue que une uma família. Tudo Unidos, George Bush.
está associado. O que fere a terra fere também os filhos da terra. O “Somos os maiores poluidores
homem não tece a teia da vida; é antes um de seus fios. O que quer que do mundo, mas se for preciso po-
faça a essa teia, faz a si próprio. luiremos mais para evitar uma re-
Trecho de uma das várias versões de carta atribuída ao chefe Seattle, cessão na economia americana.”
da tribo Suquamish. A carta teria sido endereçada ao presidente norte-
-americano, Franklin Pierce, em 1854, a propósito de uma oferta de R. K., Ourinhos, SP. (Carta enviada à seção
compra do território da tribo feita pelo governo dos Estados Unidos. Correio da Revista Galileu. Ano 10, junho de
2001).
PINSKY, Jaime e outros (org.). História da América através de textos. 3.ª ed. São Paulo:
Contexto, 1991.
Com base na leitura dos quadrinhos e dos textos, redija um texto dissertativo-argumentativo sobre o
tema: Desenvolvimento e preservação ambiental: como conciliar os interesses em conflito?
Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as reflexões feitas ao
longo de sua formação. Selecione, organize e relacione argumentos, fatos e opiniões para defender o seu
ponto de vista, elaborando propostas para a solução do problema discutido em seu texto. Suas propostas
devem demonstrar respeito aos direitos humanos.
16 LGG LÍNGUA PORTUGUESA
Observações: 22. O quarto texto é um trecho da carta enviada, em 1854,

LP
▶ Lembre-se de que a situação de produção de seu pelo chefe Seattle ao presidente estadunidense Franklin
texto requer o uso da modalidade escrita culta Pierce. Qual é o ponto de vista de Seattle sobre a
da língua. relação entre o homem e a natureza? O que justifica esse
posicionamento?
▶ O texto não deve ser escrito em forma de
poema (versos) ou narrativa.
▶ O texto deverá ter no mínimo 15 (quinze)
linhas escritas.
▶ A redação deverá ser apresentada a tinta e
desenvolvida na folha própria.
[...] 23. O terceiro e o quinto textos apresentam, respectivamente,
os posicionamentos de Gandhi e de George Bush
Entendendo a proposta a respeito da responsabilidade dos países quanto
à preservação da natureza. Quais são esses
19. Depois de fazer uma leitura atenta dos textos posicionamentos?
motivadores, identifique a ideia central do
▶ primeiro texto:

▶ segundo texto:
Preparação
24. Apoiado nos textos motivadores, qual tese você vai
▶ terceiro texto: defender?

▶ quarto texto:
25. Quais argumentos você vai utilizar para defender sua tese?
▶ Argumento 1:
▶ quinto texto:
▶ Argumento 2:

20. Na tirinha de Caulos, aborda-se uma questão que se 26. Qual será sua proposta de intervenção para o tema
refere, especificamente, ao Brasil. Escreva um parágrafo abordado?
comentando essa questão.

21. O segundo e o terceiro textos apresentam ideias


complementares. Escreva um parágrafo comentando-as.
Produção

27. Elabore a primeira versão de seu texto seguindo as


orientações apresentadas na proposta.
28. Faça os ajustes necessários e escreva a versão definitiva
do texto na folha disponível no final do volume.
GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 17
5 Relato autobiográfico:
R
autor de sua história

C7 H21 Reconhece
r em textos
de diferentes gêneros
, recursos
verbais e não verba
is utilizados
com a finalidade de
criar e mudar
comportamentos e
hábitos.
Análise dos dados

Na questão em análise, consta


um texto curto, referente a um
anúncio publicitário. O objetivo
desse gênero é apresentar um
produto ou serviço e destacar suas
características. O uso do imperati-
vo, de adjetivos ou outras palavras
que caracterizem o produto e de
marcas de interlocução é comum
em anúncios.
Além da linguagem verbal, a
não verbal é frequentemente em-
pregada nesse gênero. Como você
estudou, a função conativa (ou
apelativa) predomina nos anúncios
publicitários, já que o foco é con-
vencer o destinatário.

A rapidez é destacada como uma das qualidades do serviço


anunciado, funcionando como estratégia de persuasão em relação ao
consumidor do mercado gráfico. O recurso da linguagem verbal que
contribui para esse destaque é o emprego
a) do termo “fácil” no início do anúncio, com foco no processo.
b) de adjetivos que valorizam a nitidez da impressão.
c) das formas verbais no futuro e no pretérito, em sequência.
d) da expressão intensificadora “menos do que” associada à
qualidade.
e) da locução “do mundo” associada a “melhor”, que quantifica a
ação.

18 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
©Shutterstock/Zefart
Por onde começar?
No enunciado da questão, destaca-se uma qualidade do serviço anunciado: a
rapidez. Essa característica configura um diferencial da copiadora em relação às
demais, sendo, portanto, uma estratégia de persuasão para o consumidor do mercado
gráfico.
Na questão proposta, você deve identificar o recurso da linguagem verbal que
evidencia uma das qualidades da copiadora. Então, atente para os termos “rapidez”
e “linguagem verbal”. A escolha linguística do produtor do texto constitui uma
estratégia fundamental para persuadir o consumidor do mercado gráfico.
O enunciado direciona sua atenção para os recursos da linguagem verbal que
constituem a estratégia persuasiva utilizada no anúncio. Embora esses elementos
estejam relacionados às imagens, é sobre eles que você deve refletir para responder
à questão. Lembre-se de que o adjetivo é a classe gramatical que caracteriza os seres.
Por isso, atente para essas palavras em cada uma das alternativas.
A alternativa a aponta a palavra “fácil” como o elemento verbal responsável por
destacar a rapidez da copiadora. É importante refletir se o termo em questão é um
adjetivo, ou seja, se caracteriza o substantivo “cópia”, e se diz respeito à ideia de
rapidez. Resgate o conceito de adjetivo e, sobretudo, analise o contexto em que a
palavra “fácil” foi empregada.
A alternativa b menciona os adjetivos relacionados à qualidade da impressão.
No trecho “a melhor qualidade em impressão digital do mundo”, há dois adjetivos
– “melhor” e “digital” –, ambos relacionados à impressão das cópias. Assim como
na alternativa anterior, você deve analisar a ocorrência dessas palavras no contexto,
avaliando se elas se referem à ideia de rapidez na impressão.
A alternativa c indica o emprego das formas verbais no futuro e no pretérito (“vai
ser” e “foi”) como recurso responsável pela persuasão do consumidor. Analise essas
ocorrências e verifique a relação existente entre elas e a ideia de rapidez.
A alternativa d destaca a expressão intensificadora “menos do que”, que remete
à qualidade das cópias produzidas pela máquina. Verifique se essa expressão está
relacionada à ideia de rapidez.
Por fim, a alternativa e se refere ao trecho “a melhor qualidade em
impressão digital do mundo”, no qual o adjetivo bom está flexionado no
grau superlativo relativo de superioridade (“melhor”). Uma vez que a
função do adjetivo é caracterizar o substantivo, retome o texto e verifique se
o termo “melhor” está relacionado à rapidez da copiadora.
Como mencionamos anteriormente, a identificação da alternativa
correta requer não somente uma leitura atenta da questão, mas também
uma análise minuciosa dos recursos verbais presentes no anúncio. Afinal,
que recurso verbal foi empregado para persuadir o consumidor do mercado
gráfico? Essa é a pergunta à qual você deve responder.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 19


Autobiografia: minha vida, minha história
Como o nome indica, a autobiografia, ou valorativa daquilo que é narrado, isto é, a pessoa
relato autobiográfico, é uma narrativa na qual a expõe os fatos de acordo com a percepção que tem
história é contada pela própria pessoa que viveu deles. Embora possa conter informações objetivas,
os fatos. Em geral, o autor conta sua história a um como datas e nomes de lugares ou pessoas,
especialista, que o ajuda a organizar as ideias e a predomina o ponto de vista do autor.
colocá-las no papel. Quanto à composicionalidade, a principal
Geralmente, relata-se a vida de pessoas que se característica das autobiografias é o emprego da
destacam em alguma área, como atletas, artistas 1.ª pessoa e de verbos no pretérito. A narração
e empresários de sucesso, cuja história interessa nem sempre apresenta uma sequência cronológica,
ao público. O relato autobiográfico é carregado já que os fatos são contados com base nas
de subjetividade, já que consiste em uma análise memórias do autor.

Leia o trecho inicial do livro Nujeen: a incrível jornada de uma garota que fugiu da guerra na Síria em uma cadeira
de rodas para responder às questões 1 a 3.
“Estou vendo a Terra! Ela é tão bonita!”

Yuri Gagarin, primeiro homem a viajar ao espaço, 1961.

Rota de Nujeen

Ivan Rodrigo Leonardi

Fonte: livro Nujeen: A incrível jornada de uma garota que fugiu da guerra na Síria em uma cadeira de rodas.

20 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
PRÓLOGO impossível para minha cadeira de quatro irmãs mais velhas: Nahda,
A travessia rodas. Podíamos ver que estávamos que também precisava cuidar de sua
no lugar certo por causa de uma cai- bebê e de três meninas pequenas, e
Behram, Turquia, 2 de setembro
xa de papelão rasgada com os dize- Nasrine, que sempre cuida de mim
de 2015
res “Bote de borracha inflável; Made e é tão linda quanto seu nome, que
Da praia, podíamos ver a ilha de in China (capacidade máxima: 15 lembra a rosa branca que floresce
Lesbos – e a Europa. O mar se esten- passageiros)” e uma trilha formada nas colinas do Curdistão. Também
dia para ambos os lados até onde a por objetos espalhados pela praia estavam conosco alguns primos
vista alcançava e não estava agitado, como se fossem restos e destroços cujos pais – minha tia e meu tio –
estava calmo, salpicado apenas por de um naufrágio. Havia pastas de haviam sido assassinados por atira-
pequeníssimas manchas de espuma dente, embalagens de fraldas, bis- dores do Estado Islâmico em junho,
branca que pareciam dançar sobre coitos, mochilas e muitas roupas e quando foram a um funeral em
as ondas. A ilha não aparentava ser sapatos. Camisetas e calças jeans jo- Kobani, dia que não quero lembrar.
tão distante, erguendo-se no ocea- gadas fora, porque não havia espaço O caminho era muito acidentado.
no como se fosse um pão de pedra. no barco, e os atravessadores obri- O chato é que Nasrine foi puxando a
Mas era como se os botes cinzentos gam as pessoas a viajar com o míni- cadeira, de forma que fiquei de cos-
estivessem afundando na água, sob mo possível. Havia também um par tas e só conseguia ver alguns lampe-
o peso do maior número possível de de sapatos cinza de salto alto com jos do mar, mas quando o via era de
pessoas que os atravessadores con- pompons pretos, o que parecia uma um azul cintilante. Azul é a minha cor
seguiam amontoar. coisa louca para ser levada em uma favorita, porque é a cor do planeta
Era a primeira vez que eu via o viagem daquelas. E uma pequena de Deus. Todos estavam com muito
mar. A primeira vez para tudo – viajar sandália cor-de-rosa, enfeitada com calor e bastante incomodados. A ca-
de avião, viajar de trem, ficar longe uma rosa de plástico. Um tênis in- deira de rodas era muito grande para
dos meus pais, ficar em um hotel e fantil com sola iluminada. Um gran- mim, e eu segurava as laterais com
agora pegar um bote! Quando estava de urso cinza, sem um dos olhos, tanta força que meus braços ficaram
em Alepo, eu praticamente não saia que alguém certamente abandonara doloridos, e as minhas nádegas, ma-
do nosso apartamento no quinto an- com grande dificuldade. Todas essas chucadas, por causa dos solavan-
dar. coisas haviam transformado aquele cos, mas eu não reclamava de nada.
lugar lindo em um depósito de lixo,
Tínhamos ouvido falar dos que Como acontecia em todos os lu-
partiram antes que, em um belo dia o que me deixou triste.
gares por onde passávamos, contei
de verão como aquele, um barco a Passamos a noite nos olivais, de- para minhas irmãs algumas infor-
motor levaria pouco mais de uma pois de termos sido deixados pelo mações que havia reunido antes de
hora para atravessar o estreito. micro-ônibus do atravessador na partirmos. Eu estava emocionada,
Aquela era uma das rotas mais cur- estrada do penhasco. Dali, tivemos porque no alto da colina ficavam a
tas entre a Turquia e a Grécia – cerca que descer a pé até a costa, que fica- antiga cidade de Assos e as ruínas
de treze quilômetros. O problema era va a cerca de um quilômetro e meio. do templo dedicado à deusa Atena.
que em geral os motores dos botes Pode não parecer muito, mas é um E, melhor ainda, Aristóteles viveu
eram velhos e baratos, além de fica- longo caminho para quem está em ali. Ele criou uma escola de filosofia
rem sobrecarregados com o peso de uma cadeira de rodas em um terre- voltada para o mar com o intuito de
cinquenta ou sessenta pessoas, de no acidentado, tendo apenas a irmã poder observar as marés e desafiar a
forma que as viagens demoravam para empurrar e debaixo do sol forte teoria de seu antigo mestre, Platão,
três ou quatro horas. Em uma noite da Turquia, o que fazia o suor abun- que dizia que as marés eram turbu-
chuvosa, quando as ondas chega- dante escorrer pela testa e entrar nos lências causadas pelos rios. Mas,
vam a três metros de altura e sa- olhos. Havia uma estrada descendo quando os persas atacaram a cida-
cudiam os barcos como se fossem a colina em zigue-zague, que torna- de, os filósofos fugiram e Aristóteles
brinquedos, às vezes eles nem che- ria tudo muito mais fácil, mas não acabou na Macedônia como tutor
gavam do outro lado e as jornadas podíamos seguir por esse caminho, do jovem Alexandre, o Grande. O
cheias de esperança terminavam em pois correríamos o risco de sermos apóstolo São Paulo também passou
morte no fundo do mar. vistos pela polícia turca, que poderia por ali, em sua jornada da Síria em
A praia não era coberta de nos colocar em um centro de deten- direção a Lesbos. Como sempre, mi-
areia como eu havia imaginado, ção ou até nos mandar de volta. nhas irmãs não se mostraram muito
mas, sim, de pedregulhos – algo Eu estava com duas das minhas interessadas.

MUSTAFA, Nujeen; LAMB, Christina. Nujeen: a incrível jornada de uma garota que fugiu da guerra na Síria em uma cadeira de rodas. E-book. Disponível
em: https://books.google.com.br/books/about/Nujeen_a_incr%C3%ADvel_jornada_de_uma_garota.html?id=i4flDQAAQBAJ&printsec=frontcover&source=
kp_read_button&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 3 nov. 2020.
GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 21
1. Com base no texto lido e no que você estudou sobre o gênero autobiografia,
assinale a alternativa correta.
entos que
C6 H18 Identificar os elem a) No trecho “Da praia, podíamos ver a ilha de Lesbos – e a Europa. O mar
em para a pro gres são temática
con corr
aniz açã o e estruturação de se estendia para ambos os lados até onde a vista alcançava e não estava
e para a org
e tipos.
textos de diferentes gêneros agitado [...]”, a narradora apresenta uma análise valorativa do que está
sendo contado.
b) No trecho “O problema era que em geral os motores dos botes eram velhos
e baratos, além de ficarem sobrecarregados com o peso de cinquenta
ou sessenta pessoas [...]”, o emprego dos adjetivos “velhos” e “baratos”
denota a ideia de subjetividade, comum em autobiografias.
c) Em relatos autobiográficos, o autor recorre a sua memória, contando os
fatos de que se lembra. Exemplo disso é o trecho “O apóstolo São Paulo
também passou por ali, em sua jornada da Síria em direção a Lesbos. Como
sempre, minhas irmãs não se mostraram muito interessadas”.
d) Para narrar os fatos sobre sua travessia, Nujeen usa a 1.ª pessoa do plural,
pois, em sua jornada, estava acompanhada de seus familiares e de outras
pessoas.
e) Diferentemente do que ocorre na maioria dos relatos autobiográficos, no
trecho lido, os fatos são narrados de forma objetiva. A única marca de
subjetividade está presente na frase “Azul é a minha cor favorita, porque é a
cor do planeta de Deus”.

2. Considerando o mapa, o texto e seus conhecimentos, assinale a alternativa


correta.
diferentes
C7 H22 Relacionar, em
iões , tem as, ass untos e a) O mapa desempenha uma função meramente ilustrativa, pois todas as
textos, opin
recursos linguísticos. informações necessárias para a compreensão da rota seguida por Nujeen
estão no texto.
b) A visualização da rota no mapa é fundamental para a compreensão do texto.
ão, Sem o mapa, o texto ficaria sem sentido.
Para responder à quest
vo cê de ve ass ociar as c) As informações presentes no mapa e no texto são complementares. Além de
às
informações do mapa visualizar a rota percorrida pela jovem até chegar à Alemanha, por meio do
do texto. mapa, o leitor pode ter uma ideia da extensão desse percurso.
d) As informações apresentadas no mapa confundem o leitor, pois não são
mencionadas no texto, como o quadro, na lateral direita, que destaca a
localização da rota no mundo.
e) Para relatar a parte da história que diz respeito à rota percorrida, a autora
poderia ter utilizado apenas o mapa.

3. Sobre os recursos linguísticos empregados no texto, é possível afirmar que


a) os adjetivos “calmo” e “branca”, empregados no primeiro parágrafo,
C7 H22 Relacionar, em
, temas, descrevem, de forma subjetiva, o mar e sua espuma, respectivamente.
diferentes textos, opiniões
unto s e recu rsos ling uísticos.
ass b) Nujeen, para enumerar os objetos deixados na praia, emprega
predominantemente substantivos, como “biscoitos”, “mochilas”, “roupas”,
“sapatos”, “camisetas” e “calças”.
c) A expressão “em um belo dia de verão como aquele” faz referência ao lugar
onde o grupo estava reunido aguardando o bote.
d) haveria mudança de sentido no trecho “Em uma noite chuvosa [...]” se o
adjetivo destacado fosse substituído pela locução adjetiva “de chuva”.
e) o emprego escasso de adjetivos e locuções adjetivas se deve ao fato de a
narradora contar sua história de forma objetiva.
22 LGG LÍNGUA PORTUGUESA
Classes gramaticais

LP
Quanto ao tipo de ser nomeado:
Como você já sabe, a morfologia é a parte da ▶ Concreto – nomeia seres de existência
gramática que estuda a estrutura, a formação e a própria: fantasma, saci, casa, etc.
classificação das palavras. Trata-se de descrever
▶ Abstrato – nomeia seres que não têm
suas partes componentes e classificar os vocábulos
existência própria. Em geral, indica
segundo suas características.
ações, sentimentos, estados, qualidades
Cada palavra está situada em um grupo e conceitos: venda, amor, vida, beleza,
específico, de acordo com suas características. Os verdade, etc.
conjuntos de palavras que têm a mesma finalidade
são chamados classes de palavras ou classes Há, ainda, o substantivo coletivo, que nomeia
gramaticais. São elas: um conjunto de seres de uma mesma espécie ou
1. substantivo; 6. verbo; tipo: fauna (animais de uma região), classe ou
2. adjetivo; 7. advérbio; turma (alunos), etc.
3. artigo; 8. preposição;
4. pronome; 9. conjunção; Palavras substantivadas são aquelas que,
em determinados contextos, têm valor de subs-
5. numeral; 10. interjeição. tantivo. Exemplo: Os jovens devem respeitar
os idosos.
Substantivo
Substantivo é a palavra que nomeia os seres – Os substantivos são variáveis, pois se flexionam
reais ou imaginários, animados ou inanimados, etc. em gênero (masculino/feminino), número
O nome dos objetos, dos entes, dos sentimentos e (singular/plural) e grau (aumentativo/diminutivo).
das ações é dado por essa classe gramatical. Outra classe gramatical é a dos adjetivos.
O substantivo recebe diferentes classificações,
dependendo do aspecto analisado.
Adjetivo
Adjetivo é a palavra que acompanha e
Quanto à forma: caracteriza o substantivo, atribuindo a ele
▶ Simples – usa-se apenas uma palavra para qualidade, característica ou estado.
nomear o ser: gato, amigo, mar, etc. Assim como os substantivos, os adjetivos são
▶ Composto – usam-se duas ou mais variáveis, flexionando-se em gênero, número e
palavras para nomear o ser. Trata-se grau.
do processo de composição: beija-flor, Com relação ao gênero, os adjetivos podem ser
girassol, pé de moleque, etc. uniformes, quando apresentam a mesma forma
para o masculino e o feminino (fácil, inteligente,
Quanto à designação (ao ser que nomeia): grande, etc.), ou biformes, quando apresentam
▶ Comum – designa seres de uma mesma uma forma para cada gênero (bonito/bonita, bom/
espécie ou tipo: país, aluno, etc. boa, pequeno/pequena, etc.).
▶ Próprio – designa um único ser de uma Quanto à flexão de número dos adjetivos,
espécie ou tipo: Brasil, Mariana, etc. as regras são semelhantes às aplicadas aos
substantivos. A regra geral é o acréscimo do s.
Quanto à origem:
No tocante ao grau, os adjetivos podem estar no
▶ Primitivo – não se forma a partir de outra
comparativo ou no superlativo.
palavra: flor, pedra, café, etc.
▶ Derivado – forma-se pelo processo
de derivação, ou seja, a partir de outra
palavra: floricultura, pedrada, cafeteira,
etc.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 23


Comparativo Superlativo
ivas
As locuções adjet
também De igualdade: Os gatos Absoluto
são expressões que
bstanti- são tão dóceis quanto os
caracterizam os su ▶ sintético: As praias brasileiras são
ção e cachorros.
vos: Aproveitei a promo lindíssimas.
e im-
comprei papel de pared De superioridade: Os gatos ▶ analítico: As praias brasileiras são
la.
portado para minha sa são mais dóceis (do) que os muito lindas.
apre- cachorros.
Algumas locuções Relativo
s eq uiv alen- De inferioridade: Os
sentam adjetivo ▶ de superioridade: As praias brasileiras
de ca rne de cachorros são menos dóceis
tes: Gosto muito são as mais lindas do mundo.
(do) que os gatos.
porco (suína). ▶ de inferioridade: Aquela praia é a
menos bonita do litoral.

4. (UNEMAT – MT)

usos da Mães de recém-nascidos prematuros poderão


C8 H27 Reconhecer os
tuguesa nas
norma-padrão da língua por ter mais tempo com o bebê
es situ açõ es de com unic ação.
diferent
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, na última quarta-feira
(27), o Projeto de Lei 8702/17, que permitirá à mulher trabalhadora adiar
a licença-maternidade, no caso de o recém-nascido continuar no hos-
pital. Desta forma, a licença-maternidade começaria a contar a partir do
momento em que a criança recebesse alta. O projeto agora irá ser jul-
ostos
Há substantivos comp gado pelo Senado. A mudança faz muita diferença sobretudo em casos
lav ras variáveis,
formados por pa de bebês prematuros, que, geralmente, precisam de um período maior
ntivo s, ad jet ivos e
como substa de internação no hospital, para que as mães tenham mais tempo com
inv áveis,
ari
numerais ordinais, e o filho antes de retornarem ao trabalho – o que acontece entre quatro e
vér bio s: couves-
como verbos e ad seis meses depois do nascimento da criança, a depender da empresa.
an tiv o e sub stanti-
-flores (subst
bstantivo
vo), guardas-civis (su Disponível em: https://universa.uol.com.br/noticias/redação/2019/03/28/camaraprovaprojeto-
a-c huva
e substantivo), guard que-flexibiliza-licenca-maternidade-das-maes.htm. Acesso em mar. 2019.
nti vo ), sem pre-
(verbo e substa
vér bio e ad jet ivo ), etc.
-vivas (ad
lig adas
Quando as palavras são
por preposição , plu ral iza -se Na notícia divulgada pela Universa sobre o projeto de lei que flexibiliza a
águas-de- licença-maternidade de mães de bebês prematuros, observa-se o emprego de
somente a primeira:
, etc. Em
-colônia, pores do sol algumas palavras na forma singular e plural. Considerando a norma-padrão da
ost os forma-
substantivos comp língua portuguesa, assinale a alternativa correta em que a proposição elaborada
ras rep eti das ou
dos por palav segue a mesma regra para flexão do plural em cada sequência de palavras:
ato paica s, ap en as a segunda
onom
eco s, tique- a) quartas-feiras, licenças-maternidade.
é pluralizada: reco-r
-taques, etc. b) meses, mulheres, hospitais.
c) quartas-feiras, recém-nascidos.
d) filhos, crianças, mudanças.
e) recém-nascidos, licenças-maternidades.

24 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


5. (UNIFESP)

LP
C8 H27 Reconhecer os
usos da
norma-padrão da língua por
tuguesa nas
diferentes situações de com
unicação.

Para responder à quest


ão, você
deve conhecer o grau
aumentati-
vo sintético dos substa
ntivos na
forma erudita. Trata-
se de formas
que empregam sufixo
s de aumen-
tativo não convencio
nais, como
-arra, -aço, -aça, -lhão
, -ázio e
-zarrão: bocarra (bo
ca), amina-
Para que a fala do pescador seja coerente, as lacunas do primeiro balão devem laço (animal), barcaça
(barco),
ser preenchidas, de acordo com a norma-padrão da língua portuguesa, com: facalhão (faca), copá
zio (copo) e
homenzarrão (home
a) bocão – homenzão – rapagão. diminutivo também
m). O grau
apresenta a
b) bocona – homão – rapazão. forma sintética erudit
a: partícula
c) bocarra – homenzão – rapazão. (parte), casebre (casa)
, grânulo
(grão), etc.
d) bocarra – homenzarrão – rapagão.
e) bocão – homenzarrão – rapazão.

C8 H27 Reconhecer os
usos da
norma-padrão da língua por
6. (UDESC) tuguesa nas
diferentes situações de com
unicação.
Toda língua tem seus mistérios, sua pele, seu cheiro
O que caracteriza a linguagem “correta”?
Não uso essa expressão. Falo de adequação linguística. É mais ou
menos como roupa. A gente usa de acordo com a situação. O ideal
seria que todos tivessem um guarda-roupa linguístico bem recheado:
“roupa” para ir à festa, ao tribunal, à praia, ao supermercado. Seria ne-
cessário que o sujeito tivesse domínio da língua que usa no dia a dia,
mas fosse também buscar as variedades. Daí a função da escola, do
Estado: prover as pessoas do domínio das variedades formais da lín-
gua. Nós somos um país essencialmente monoglota. Não me refiro ao
conhecimento de línguas estrangeiras, falo de poliglotismo na mesma
língua. O que é? É ser capaz de ler o editorial do jornal, mais rebuscado,
de conversar com o vizinho e de conversar com a pessoa estranha. É
ser capaz de ler um clássico, ouvir um rap, ler o Almanaque, e por aí vai.
O grosso da população é monoglota: domina só a língua do dia a dia.
Põe o sujeito para ler um recado do banco, ele não entende. Preste atenção no enun
cia-
do da questão. Você pre
cisa
CIPRO, Pasquale Neto. Toda língua tem seus mistérios, sua pele, seu cheiro. Parte da identificar a alternati
va em
entrevista concedida ao Almanaque de Cultura Popular. Maio, 2005. p. 22. que as palavras sublin
hadas
pertencem a classes gra
ma-
ticais diferentes.
A alternativa em que as palavras sublinhadas apresentam sentidos diferentes é:
a) Os velhos estão assistindo à reedição de velhos hábitos.
b) Os românticos atuais divergem dos românticos centenários.
c) Os velhos casarões situam-se ao lado do velho supermercado.
d) As cenas são centenárias, bem como centenária é a peça teatral.
e) Os grandes homens são avaliados por grandes ações.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 25


7. (UNIFESP)

O nada que é
No título do poema – O nada que é –, ocorre a
C8 H27 Reconhecer os substantivação do pronome nada. Esse processo
usos da norma-padrão Um canavial tem a extensão
de formação de palavras também se verifica em:
da língua portuguesa nas ante a qual todo metro é vão.
diferentes situações de a) A arquitetura do poema em João Cabral
comunicação. Tem o escancarado do mar define-lhe o processo de criação.
que existe para desafiar
b) A poética de João Cabral assume traços do
que números e seus afins Barroco gongórico.
Para responder à ques- possam prendê-lo nos seus sins.
tão, você deve verific
ar, c) Poema algum de João Cabral escapa de
va, a
em cada alternati Ante um canavial a medida seu processo rigoroso de composição.
ra
presença de uma palav métrica é de todo esquecida, d) Em Morte e Vida Severina, João Cabral
ntivad a, ou sej a,
substa
de porque embora todo povoado expressa o homem como coisa.
empregada com valor
substantivo . Em ger al, povoa-o o pleno anonimato e) A poesia de João Cabral tem um quê de
e
a substantivação ocorr que dá esse efeito singular: despoetização.
quando o vocábulo vem
de um nada prenhe como o mar.
precedido de artigo ou
pronome.
(João Cabral de Melo Neto. Museu de tudo e
depois, 1988.)

8. (UECE)

1 [...]
2 Uma noite de inverno, gelada e nevoenta, cercava a criaturinha. Silêncio completo, ne-
C7 H22 Relacionar,
em diferentes textos,
3 nhum sinal de vida nos arredores. O galo velho não cantava no poleiro, nem Fabiano roncava
opiniões, temas, assuntos 4 na cama de varas. Estes sons não interessavam Baleia, mas, quando o galo batia as asas e
e recursos linguísticos. 5 Fabiano se virava, emanações familiares revelavam-lhe a presença deles. Agora parecia que
6 a fazenda se tinha despovoado.
7 Baleia respirava depressa, a boca aberta, os queixos desgovernados, a língua pendente e
Além de indicar 8 insensível. Não sabia o que tinha sucedido. O estrondo, a pancada que recebera no quarto e
tamanho reduzido, 9 a viagem difícil no barreiro ao fim do pátio desvaneciam-se no seu espírito.
o grau diminutivo 10 Provavelmente estava na cozinha, entre as pedras que serviam de trempe. Antes de se
pode expressar
11 deitar, sinhá Vitória retirava dali os carvões e a cinza, varria com um molho de vassourinha o
outras ideias, como
desprezo, carinho 12 chão queimado, e aquilo ficava um bom lugar para cachorro descansar. O calor afugentava as
e ironia. Para res- 13 pulgas, a terra se amaciava. E, findos os cochilos, numerosos preás corriam e saltavam, um
ponder à questão, 14 formigueiro de preás invadia a cozinha.
releia o trecho e 15 A tremura subia, deixava a barriga e chegava ao peito de Baleia. Do outro peito para trás
verifique o contexto 16 era tudo insensibilidade e esquecimento. Mas o resto do corpo se arrepiava, espinhos de
em que os substan-
17 mandacaru penetravam na carne meio comida pela doença.
tivos “criaturinha” e
“cabecinha” foram 18 Baleia encostava a cabecinha fatigada na pedra. A pedra estava fria, certamente sinhá
empregados. 19 Vitória tinha deixado o fogo apagar-se muito cedo.
20 Baleia queria dormir. Acordaria feliz, num mundo cheio de preás. E lamberia as mãos de
21 Fabiano, um Fabiano enorme. As crianças se espojariam com ela, rolariam com ela num pátio
22 enorme, num chiqueiro enorme. O mundo ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas, 82.ª ed. Rio de Janeiro: Record. 2001. p. 85-91.

Do ponto de vista estilístico, o uso da forma no diminutivo das palavras criaturinha (linha 2) e
cabecinha (linha 18) expressa o sentido de
a) afetuosidade. c) ironia.
b) pequenez. d) desprezo.

26 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


(UECE) Texto para a próxima questão. C8 H27 Reconhecer os

LP
usos da
norma-padrão da língua por
tuguesa
nas diferentes situações de
O meu guri comunicação.

Quando, seu moço, Que haja pescoço De repente acordo


Nasceu meu rebento Pra enfiar Olho pro lado
Não era o momento Me trouxe uma bolsa E o danado já foi trabalhar
Dele rebentar Já com tudo dentro
Já foi nascendo Chave, caderneta Olha aí!
Com cara de fome Terço e patuá Ai, o meu guri, olha aí!
E eu não tinha nem nome Um lenço e uma penca Olha aí!
Pra lhe dar De documentos Olha aí!
Como fui levando, Pra finalmente É o meu guri e ele chega
Não sei lhe explicar Eu me identificar
Fui assim, levando, Chega estampado
Ele a me levar Olha aí! Manchete, retrato
E na sua meninice Olha aí! Com venda nos olhos
Ele um dia me disse Ai, o meu guri, olha aí! Legenda e as iniciais
Que chegava lá Olha aí! Eu não entendo essa gente
Olha aí! É o meu guri e ele chega Seu moço!
Fazendo alvoroço demais
Olha aí! Chega no morro O guri no mato
Olha aí! Com carregamento Acho que tá rindo
Ai, o meu guri, olha aí! Pulseira, cimento Acho que tá lindo
Olha aí! Relógio, pneu, gravador De papo pro ar
É o meu guri e ele chega Rezo até ele chegar Desde o começo, eu não disse
Cá no alto Seu moço!
Chega suado Essa onda de assaltos Ele disse que chegava lá
E veloz do batente Tá um horror Olha aí! Olha aí!
Traz sempre um presente Eu consolo ele
Pra me encabular Ele me consola Olha aí!
Tanta corrente de ouro, Boto ele no colo Ai, o meu guri, olha aí!
Seu moço Pra ele me ninar Olha aí! É o meu guri!... (3x)

(Chico Buarque)

9. O poeta faz um trocadilho, nos quatro primeiros e semântica das duas palavras, dá ao
versos, entre “rebento” e “rebentar”. Sobre esse nascimento do “meu guri” sentido mais Para responder à
trocadilho, marque com V o que for verdadeiro e negativo do que positivo. qu estão, verifique a
ocorrência das pala-
com F o que for falso. ( ) ”Rebentar” e “arrebentar” são formas vras derivadas (cog-
( ) Entre o substantivo “rebento” e o verbo variantes, isto é, têm o mesmo natas), retomando o
“rebentar”, há um parentesco etimológico, ou significado. Assim sendo, o prefixo que você estudou no
seja, eles pertencem a uma mesma família de a(r), empregado na construção de capítulo 3.
palavras, são cognatos. Foi esse parentesco que “arrebentar”, tem o sentido de negação.
ensejou o trocadilho. ( ) Quando o filho nasceu, a mãe achou que aquele
( ) O verbo “rebentar” tem muitas acepções, que acontecimento era uma bênção.
variam de acordo com o contexto linguístico Está correta, de cima para baixo, a seguinte
em que é inserido. Pode significar estourar, sequência:
explodir; arruinar, destruir; levar à exaustão;
a) F, F, V, V.
brotar, jorrar (uma nascente). O substantivo
“rebento”, que tem a mesma forma de uma das b) V, F, V, F.
flexões do verbo “rebentar” (eu rebento), pode c) F, V, F, V.
significar fruto, produto; filho, descendente. O d) V, V, F, F.
poeta, aproveitando-se da aproximação formal

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 27


10. (UEPG – PR) Sobre os quadrinhos abaixo, assinale a alternativa correta.

usos da
C8 H27 Reconhecer os
tuguesa
norma-padrão da língua por
nas diferent es situ açõ es de
comunicação.

a) No último quadrinho, o presente é revelado: “cotonetes”, o que permite inferir que a palavra
"presentinho" foi empregada no sentido denotativo no segundo quadrinho.
b) Da fala do primeiro quadrinho infere-se que a informação contida na primeira oração já era
partilhada pelos três personagens naquele momento, mas a informação presente na segunda oração
foi nova para o chefe.
c) A oração "Por isso compramos este presentinho para melhorar a nossa comunicação" apresenta uma
relação semântica de causalidade com a oração anterior.
d) No segundo quadrinho, o emprego do diminutivo reforça a ideia de bom relacionamento entre o
chefe e seus funcionários.
e) No segundo quadrinho, a interjeição, "Puxa!", expressa o sentimento de desinteresse do chefe pelo
presente.
11. (UDESC)

C7 H22 Relacionar, em
,
diferentes textos, opiniões
tem as, ass unto s e recu rsos
linguísticos.

Assinale a alternativa CORRETA.


a) O desfecho da tira sugere humor, devido à incoerência de Suzanita, pelo fato de ela tentar justificar
a não devolução das revistas ao dono com uma mentira e afirmar que agiria assim para manter sua
dignidade.
b) No primeiro quadrinho, Suzanita justifica seu ato, por ele visar apenas à queima de jornais velhos e
revistas de historinhas.
c) Os sufixos para designar o grau diminutivo sintético, em “historinha” e “bonzinho”, são usados para
indicar desprezo e ironia. Nesses casos, os substantivos adquirem sentido pejorativo.
d) A expressão “droga”, costumeiramente empregada na linguagem coloquial, é utilizada para produzir
uma inversão no sentido da oração em que se encontra.
e) A palavra “dignidade” significa “qualidade daquele que tem ideias ou sentimentos elevados, nobres,
que se manifestam nas palavras e nos atos, inspirando consideração e respeito”. Por isso Suzanita
faltará com a verdade: para não perder a dignidade.

28 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


(UEPG)

LP
EM DEFESA DA PROPAGANDA
A propaganda força os consumidores a comprar produtos de que não
precisam ou não querem. Esta é, essencialmente, a primeira crítica "social"
da propaganda.
A propaganda supostamente atinge seu objetivo fazendo com que os
consumidores mudem seus gostos e preferências.
De acordo com esta acusação, a propaganda ou controla os impulsos in-
ternos dos consumidores para fazer com que eles mudem seus gostos ou,
como uma força poderosa no ambiente, provoca diretamente uma mudança
no gosto de seus consumidores. A propaganda, segundo os críticos, força
os consumidores a agir de uma maneira que não agiriam se não houvesse
propaganda. A doutrina filosófica que fundamenta esta crítica é o determi-
nismo, que nega a validade do livre-arbítrio.
Existem duas formas desta crítica. A primeira diz que a propaganda ilude
e manipula os consumidores através de mensagens subliminares. A segun-
da diz que a propaganda cria necessidades e vontades usando técnicas de
C8 H27 Reconhecer os
persuasão, o que os críticos afirmam ser o mesmo que coação. usos da
norma-padrão da língua por
tuguesa nas
diferentes situações de com
unicação.
Adaptado de: Em defesa da propaganda, Jerry Kirkpatrick.
12. Quando se diz que "a propaganda força os consumidores a comprar produtos",
está se referindo à força da propaganda na compra e venda de produtos. Com
relação a essa afirmação, assinale o que for correto.
(01) As duas ocorrências da palavra "força" têm idênticas funções morfológica
e sintática.
(02) O substantivo "compra" é derivado do verbo "comprar".
(04) O verbo "comprar" é derivado do substantivo "compra".
(08) As duas ocorrências da palavra "força" apresentam diferença relativa ao
timbre.
(16) O substantivo "venda" denota ação e essa é uma das razões de ser C8 H27 Reconhecer os
usos da
norma-padrão da língua por
considerado um derivado do verbo "vender". tuguesa nas
diferentes situações de com
unicação.
Somatório:

13. Assinale o que for correto quanto à classificação das palavras grifadas.
(01) A propaganda força os consumidores a comprar produtos. – verbo.
(02) Existem duas formas desta crítica. – substantivo.
(04) Afirmam ser o mesmo que coação. – substantivo.
C8 H27 Reconhecer os
(08) A propaganda cria necessidades e vontades. – adjetivo. norma-padrão da língua por
usos da
tuguesa nas
(16) Nega a validade do livre-arbítrio. – adjetivo. diferentes situações de com
unicação.
Somatório:

Para responder à quest


14. (UDESC) Assinale a alternativa em que o sentido do adjetivo NÃO ão, você
deve observar se o ad
se altera, mesmo se ele for colocado depois do substantivo. jetivo
está anteposto ou pospo
sto
a) Durante a trilha descobriram-se lindas paisagens. ao substantivo. A posiç
ão do
adjetivo pode alterar
b) Comenta-se que ela é uma simples assistente. o sentido
de uma frase:
c) Descobriram que ele é um falso detetive. José é um grande am
igo.
d) O programa que estreia hoje está lançando um novo comentarista. Tenho um amigo gra
nde.
e) Nossa equipe contratou um grande especialista para desvendar o caso.
GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 29
C8 H27 Reconhecer os
15. (PUC-SP) Para a questão, leia este da norma-padrão da língua
usos No lead, abertura do texto cuja função é apresentar uma
fragmento do texto de Torero: portuguesa nas diferentes síntese do assunto e destacar pontos de relevância, o
situações de comunicação. autor emprega a palavra “enfins”. Qual o efeito de sentido
DEBATE ABERTO – Carta Maior, desse emprego?
12 mar. 2012 a) “Enfim”, como advérbio que é, não admite plural.
Proibir ou não, eis a questão Trata-se de erro, talvez de digitação.
Não adianta proibir uma torcida de assistir b) O substantivo “enfins” foi empregado para expressar
aos jogos. Pois basta que os mesmos sujeitos que o texto chegou às considerações finais.
entrem com camisas brancas e pronto, a proi- c) O substantivo “enfins” foi uma opção do autor para
bição está contornada. A questão é mais com- expressar que a complexidade do assunto remete a
plicada, e tem ressalvas, confissões, críticas, mais de um argumento para fechar a discussão.
soluções, avisos e enfins.
d) A contração da preposição “em” com o substantivo
José Roberto Torero “fim” foi empregada para finalizar o texto.
Num vídeo disponível na internet, André Lezo, e) O substantivo “enfins” foi usado somente a título de
o torcedor que morreu neste domingo, fala que a fechar a discussão sobre a entrada de torcedores com
Mancha e o Palmeiras eram sua vida. Isso é triste camisas brancas nos estádios.
por várias razões:
Primeiro, pelo infeliz trocadilho, pois André
não teve vida, mas morte, por conta de Palmeiras
e Mancha.
Em segundo lugar, porque há uma certa deses- 16. (FUVEST) C8 H27 Reconhecer os
usos
perança em alguém dizer que o futebol é a coisa Examine este da norma-padrão da língua
mais importante de sua vida. É muita falta de ex- cartaz, cuja portuguesa nas diferentes
situações de comunicação.
pectativa. É sinal de uma vida sem sentido. finalidade é divulgar uma
Acredito que este crescimento da importância exposição de obras de
do futebol tem duas causas. A primeira é a queda Pablo Picasso.
do nível da educação nacional, que começou em
meados dos anos sessenta, durante a ditadura
militar. No longo prazo, essa educação falha fez
com que valores fossem substituídos, que a cul-
tura ficasse em segundo plano, que a participação
na sociedade fosse evitada, etc. Por outro lado,
algumas forças sociais, como partidos políticos,
comunidades eclesiais de base, sociedades ami-
gos de bairro e sindicatos perderam seu poder
de atração. Sem a ditadura como inimigo óbvio,
elas não conseguiram criar novos desejos, novas Nas expressões “Mão erudita” e “Olho selvagem”, que
causas. compõem o texto do anúncio, os adjetivos “erudita” e
“selvagem” sugerem que as obras do referido artista
As pessoas querem agir, querem fazer parte. E,
conjugam, respectivamente,
sem muita concorrência, o futebol acabou canali-
zando boa parte deste desejo. a) civilização e barbárie.
O que é uma pena, porque o futebol não tem b) requinte e despojamento.
importância nenhuma. c) modernidade e primitivismo.
Disponível em: http://www.cartamaior.com.br/templates/ d) liberdade e autoritarismo.
colunaMostrar.cfm? coluna_id=5531. Acesso em: 8 maio 2012. e) tradição e transgressão

30 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


(PUC-SP) Leia os textos para responder às questões 17 e 18.

LP
A internet no século XXI

O lado certo Casos recentes de violação de privacidade


Carlos Heitor Cony servem de alerta
Do "Financial Times"
RIO DE JANEIRO – Tanto no Congresso como na
mídia está em discussão uma legislação que possa A invasão de hackers ao sistema de jogos on-line
punir os abusos (ou os crimes) praticados na ou pela da Sony pode ter comprometido dados pessoais de
internet. A nudez da atriz Scarlet Johansson está sen- 100 milhões de usuários.
do considerada uma invasão de privacidade a que to- Os consumidores pouco hesitam para revelar gran-
dos temos direito. E há casos mais escabrosos, como de volume de informações pessoais. No entanto, os
acessos a contas bancárias, pornografia infantil etc. esforços de proteção a esses dados não cresceram de
Pergunta? Uma lei resolverá o problema? maneira compatível. As pessoas muitas vezes usam a
Tenho minhas dúvidas. Existem leis para tudo e mesma senha para muitas contas.
para todos, elas dependem não apenas da fiscalização
Os consumidores não protegem suas identidades
policial ou judicial, mas da interpretação que damos a
on-line, e as empresas têm forte incentivo comercial
elas. Já citei, há tempos, o caso de Gulliver, persona-
para recolher o máximo possível de informações.
gem da obra-prima de Jonathan Swift, e o cito de novo
porque o assunto continua atual. O advento das redes sociais tornou essa tendên-
cia ainda mais preocupante. As companhias querem
Náufrago, Gulliver caiu numa terra de anões beli-
encorajar usuários a compartilhar informações, e por
cosos, os liliputianos, que o tornaram prisioneiro e
isso o esquema de proteção de dados não é muito
que mantinham uma guerra de 800 anos com anões
propício em termos de privacidade. Isso cria vulne-
de outra região. Devido a seu tamanho, foi obrigado a
rabilidades.
lutar por um dos lados e, vendo tantas barbaridades,
perguntou ao rei, a quem era obrigado a servir, o mo- As companhias têm interesse em tratar com se-
tivo de luta tão feroz e selvagem. riedade a segurança. Os efeitos de uma violação de
privacidade sobre a reputação de uma companhia po-
O rei explicou que o povo dele, ao tomar o café da
dem ser severos, como a Sony descobriu.
manhã, cortava os ovos pela parte de cima, a mais
pontuda, e os inimigos cortavam os ovos pela parte Mas também existe interesse público em jogo,
de baixo, a mais arredondada. Gulliver ouviu, pensou, dada a extensão da troca de informações e das tran-
pensou outra vez e perguntou ao rei se não havia uma sações conduzidas nas redes sociais.
lei, um decreto, uma legislação que determinasse a É preciso que existam regras mais claras quanto à
questão, estabelecendo de uma vez para sempre a propriedade dessas informações. O mais importante
maneira de todos cortarem os ovos. é que precisa ser mais fácil para os usuários remover
O rei ficou espantado e respondeu: “Somos civi- essas informações da internet.
lizados. Evidente que há uma lei que regulamenta o Não há nada de errado em que usuários troquem
assunto”. informações pessoais por serviços, mas eles preci-
Gulliver quis saber o que a tal lei dizia e o rei, em sam saber que é isso que estão fazendo e compreen-
tom solene, majestático, informou: “O primeiro artigo der as consequências caso algo de errado aconteça.
de nossa Constituição diz claramente que os ovos de-
vem ser cortados pelo lado certo”. Folha de S.Paulo, 04 maio 2011

C7 H22 Relacionar, em
Folha de S.Paulo, 20 set. 2011 diferentes textos, opiniões
,
temas, assuntos e recursos
17. Nesses textos, há referência aos rumos que o uso da internet tomou neste século. O que há em linguísticos.
comum nos dois textos é a menção explícita
a) à viagem de Gulliver.
b) à invasão de hackers ao sistema de jogos on-line.
c) à privacidade invadida.
d) aos casos de pornografia infantil.
e) à nudez da atriz divulgada na rede.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 31


18. Cony recupera um episódio do romance de Jonathan Swift, no qual Gulliver
vai parar “numa terra de anões belicosos”. O adjetivo destacado significa que
esses anões
a) têm inclinação para a guerra.
b) advogam o belicismo.
usos da
C8 H27 Reconhecer os c) são os habitantes de Lilipute.
pad rão da líng ua por tuguesa nas
norma-
de com unic ação.
diferentes situaçõ es d) não são adeptos de barbaridades.
e) aplicam beliscões em seus oponentes.

19. (UNEMAT – MT)

“GOVERNO VAI INVESTIR R$ 10 MILHÕES EM ESTUDO DA


FOSFOETANOLAMINA”
usos da
C8 H27 Reconhecer os Ministério da Ciência e Tecnologia quer saber se a polêmica “pílula do
tuguesa nas
norma-padrão da língua por
es situ açõ es de com unic ação. câncer” realmente é segura e funciona.
diferent
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) vai investir
R$ 10 milhões em pesquisas sobre a fosfoetanolamina sintética, para
descobrir se a polêmica substância produzida por um laboratório da
Universidade de São Paulo (USP) tem mesmo potencial para tratar
o câncer. [...] O compromisso foi acertado numa reunião do recém-
-empossado ministro Celso Pansera com representantes da comuni-
dade científica e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico (CNPq), ontem, em Brasília.
[...] O pesquisador que orientou a pesquisa inicial, Gilberto Chierice,
está aposentado. Ele defende a distribuição da substância, que acredi-
ta ser segura, apesar de não ter dados para comprovar isso. Segundo
informações do MCTI, um primeiro repasse de R$ 2 milhões já sairá
do orçamento da pasta neste ano. O restante será repassado em duas
parcelas de R$ 4 milhões, nos próximos dois anos. [...] “Absurdo isso”,
reagiu a pesquisadora Alicia Kowaltowski, do Instituto de Química da
USP em São Paulo, ao ler a notícia nas redes sociais. “Atitudes comple-
tamente antiéticas por parte de um pesquisador sendo premiado com
um ‘caminho paralelo’ de financiamento significativo, enquanto milha-
res de projetos regulares já aprovados seguem sem pagamento. [...] É
um desrespeito aos cientistas brasileiros sérios”. (adaptado)

Disponível em: ciencia.estadao.com.br/blogs/herton-escobar. Acesso em nov. 2015.

A pesquisadora Alicia Kowaltowski mostra-se indignada frente à notícia do


investimento em pesquisas sobre a “pílula do câncer” e finaliza assim: “É um
desrespeito aos cientistas brasileiros sérios”.
A palavra em destaque, ao ser relacionada com todo o texto, deixa pressuposto
que:
a) O governo não respeita os cientistas brasileiros sérios.
b) Os cientistas brasileiros são sérios, pois vão receber investimentos para
suas pesquisas.
c) Alicia também pesquisa a fosfoetanolamina sintética, mas não é respeitada.
d) Alicia é tão séria quanto o pesquisador Gilberto Chierice.
e) Existem cientistas brasileiros que não são sérios.

32 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


20. (INSPER – SP)

LP
C7 H22 Relacionar,
tão imediata que qualquer desconfiança a em diferentes textos,
propósito de sua validade soa como uma opiniões, temas,
O diminutivo que aumenta
impertinência. Seja lá como for, o presen- assuntos e recursos
O diminutivo virou uma espécie de te autor tem sido, a esse respeito, radical- linguísticos.
divisor de águas para o brasileiro. Em mente impertinente, tendo sua recusa da
Portugal, onde a ambiguidade linguísti- associação reducionista entre desenvol-
ca tem menor voltagem e toda conver- vimento e desenvolvimento econômico
sa arrisca-se a seguir o pé da letra, as sido insistentemente martelada em vários
pessoas tendem a flexionar o grau do trabalhos publicados anteriormente. Por
substantivo com a consciência de que que, entretanto, valeria a pena correr os
pão é pão, queijo é queijo – posto que riscos de semelhante afronta à opinião
um diminutivo serve é para diminuir e corrente?
um aumentativo, para aumentar. Além-
Principie-se pelo esclarecimento do
mar a ênfase é outra. Quando convém,
que seja desenvolvimento econômico.
o diminutivo funciona como aumentati-
Ora, esse não se refere a outra coisa que
vo no Brasil, porque exploramos, como
não ao aumento da capacidade de uma
ninguém, o uso dos adjetivos com flexão
sociedade produzir mais bens e de uma
típica do diminutivo, mas com função su-
maneira melhor (isto é, produtos melho-
perlativa. [...]
res produzidos mais eficientemente), de
Disponível no nosso armazém de modo a satisfazer necessidades huma-
secos e molhados que é a língua, o ad- nas. Logo, ele diz respeito, na melhor
jetivo superlativo ficou reservado para das hipóteses, a meios para se atingirem
ocasiões propícias. Comparado ao bra- maiores qualidade de vida, justiça social
sileiro, o português usa o recurso com etc. e não a fins.
imenso recato.
No entanto, sob a guarida de uma certa
(Adaptado, Revista Língua, n.º 1) ideologia do desenvolvimento, ainda hoje
hegemônica, privilegia-se, na conceitua-
Segundo o texto, o diminutivo com função ção de desenvolvimento, exatamente sua
superlativa é uma construção tipicamente dimensão econômica, levando a que se
brasileira, diferentemente do que ocorre em entronize um conceito que se define antes
Portugal. Identifique a alternativa que apresenta pelos meios, mediante os quais se pode
essa construção. aprimorar o modelo social capitalista,
a) Aguarde só mais um minutinho, por favor. do que pelos fins que, de um ponto de
vista social geral, deveriam nortear e dar
b) Para as moças, esconder a verdade era concretude à expressão mudança para
apenas uma brincadeirinha. melhor. A referida ideologia, saliente-se,
c) Nada melhor do que um café quentinho no encobre interesses vinculados ao verda-
meio de uma tarde fria. deiro fim, que é a perpetuação desse mo-
d) É apenas um presentinho, você merece delo e, nesse contexto, dos benefícios de
muito mais. determinados grupos ou classes.
e) Esperava ver um jardim bonitinho e (O desafio metropolitano, 2000.) C8 H27 Reconhecer os
encontrou uma aula de paisagismo. usos da norma-padrão
da língua portuguesa nas
21. (SANTA CASA – SP) “isto é, produtos melhores produzidos mais diferentes situações de
eficientemente” (2.º parágrafo). comunicação.

A resposta-padrão à pergunta O que É correto afirmar que o termo destacado é


é desenvolvimento? gira em torno da a) a forma superlativa plural do advérbio “bom”.
aceitação de que desenvolvimento e de- b) a forma comparativa plural do adjetivo “bem”.
senvolvimento econômico são sinôni-
c) a forma superlativa plural do adjetivo “bom”.
mos. Para muitos, esta é, ainda hoje, uma
associação óbvia e imediata: tão óbvia e d) a forma comparativa plural do advérbio “bem”.
e) a forma comparativa plural do adjetivo “bom”.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 33


22. (FUVEST – SP) Examine esta 23. (UNICAMP – SP) C7 H22 Relacionar, em
propaganda. O poema abaixo diferentes textos, opiniões
, temas,
vem impresso na assuntos e recursos linguíst
icos.

C8 H27 Reconhecer os
orelha do livro
usos da norma-padrão Psia, de Arnaldo Antunes.
da língua portuguesa nas
diferentes situações de
comunicação.
Psia é feminino
de psiu;
que serve para chamar a atenção
de alguém, ou para pedir
silêncio.
Eu berro as palavras
no microfone
da mesma maneira com que
as desenho, com cuidado,
na página.
Para transformá-las em coisas,
em vez de substituírem
as coisas.
Calos na língua; de calar.
Alguma coisa entre a piscina e a pia.
Como indica o
enunciado da Por ser empregado tanto na linguagem formal Um hiato a menos.
questão, para en- quanto na linguagem informal, o termo “legal”
tender o signifi- pode ser lido, no contexto da propaganda, (Arnaldo Antunes, Psia. São Paulo: Iluminuras, 2012.)
cado do adjetivo respectivamente, nos seguintes sentidos:
“legal”, você deve Na orelha do livro, Antunes apresenta ao leitor
considerá-lo a) lícito e bom.
seu processo de criação poética. É correto dizer
no contexto do b) aceito e regulado. que o autor se propõe a
anúncio.
c) requintado e excepcional. a) revelar a primazia da comunicação oral
d) viável e interessante. sobre a escrita das palavras.
e) jurídico e autorizado. b) discutir a flexão de gênero, que torna a
palavra “psia” um substantivo.
c) defender a conversão das palavras em
coisas, mudando seu estatuto.
d) explorar o poder de representação da
interjeição exclamativa “psiu!”.

34 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


C7 H22 Relacionar, em
diferentes
24. (UECE) textos, opiniões, temas, ass

LP
untos e
recursos linguísticos.

Exigências da vida moderna 46 comece a voltar, ou a meia hora vira uma).


Luis Fernando Verissimo 47 E você deve cuidar das amizades, porque
48 são como uma planta: devem ser rega-
1 Dizem que todos os dias você deve co- 49 das diariamente, o que me faz pensar em
2 mer uma maçã por causa do ferro. E uma 50 quem vai cuidar delas quando eu estiver
3 banana pelo potássio. E também uma la- 51 viajando. Deve-se estar bem informado
4 ranja pela vitamina C. Uma xícara de chá 52 também, lendo dois ou três jornais por
5 verde sem açúcar para prevenir a diabetes. 53 dia para comparar as informações. Ah! E
6 Todos os dias devem-se tomar ao menos 54 o sexo! Todos os dias, tomando o cuidado
7 dois litros de água. E uriná-los, o que con- 55 de não se cair na rotina. Há que ser criati-
8 some o dobro do tempo. Todos os dias de- 56 vo, inovador, para renovar a sedução. Isso
9 ve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos 57 leva tempo – e nem estou falando de sexo
10 (que ninguém sabe bem o que é, mas que, 58 tântrico. Também precisa sobrar tempo
11 aos bilhões, ajudam a digestão). Cada dia 59 para varrer, passar, lavar roupa, pratos e
12 uma Aspirina, previne infarto. Uma taça de 60 espero que você não tenha um bichinho
13 vinho tinto também. Uma de vinho bran- 61 de estimação. Na minha conta são 29 ho-
14 co estabiliza o sistema nervoso. Um copo 62 ras por dia. A única solução que me ocor-
15 de cerveja, para... não lembro bem para o 63 re é fazer várias dessas coisas ao mesmo
16 que, mas faz bem. O benefício adicional é 64 tempo! Por exemplo, tomar banho frio
17 que, se você tomar tudo isso ao mesmo 65 com a boca aberta, assim você toma água
18 tempo e tiver um derrame, nem vai per- 66 e escova os dentes. Chame os amigos jun-
19 ceber. Todos os dias deve-se comer fibra. 67 to com os seus pais. Beba o vinho, coma a
20 Muita, muitíssima fibra. Fibra suficiente 68 maçã e a banana junto com a sua mulher...
21 para fazer um pulôver. 69 na sua cama.
22 Você deve fazer entre quatro e seis re- 70 Ainda bem que somos crescidinhos,
23 feições leves diariamente. E nunca se es- 71 senão ainda teria um Danoninho, e, se so-
24 queça de mastigar pelo menos cem vezes 72 brarem 5 minutos, uma colherada de leite
25 cada garfada. Só para comer, serão cerca 73 de magnésio. Agora tenho que ir. É o meio
26 de cinco horas do dia... E não se esqueça 74 do dia e, depois da cerveja, do vinho e da
27 de escovar os dentes depois de comer. Ou 75 maçã, tenho que ir ao banheiro. E, já que
28 seja, você tem que escovar os dentes de- 76 vou, levo um jornal... Tchau! Viva a vida
29 pois da maçã, da banana, da laranja, das 77 com bom humor!!!
30 seis refeições e, enquanto tiver dentes,
31 passar fio dental, massagear a gengiva, VERÍSSIMO, Luís Fernando. Exigências da vida moderna.
32 escovar a língua e bochechar com Plax. Disponível em: http://www.refletirpararefletir.com.br/4-
33 Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e cronicasde-luis-fernando-verissimo. Acesso: 22.06.2018
34 aproveitar para colocar um equipamento
35 de som, porque, entre a água, a fibra e os A forma no diminutivo crescidinhos, usada no
36 dentes, você vai passar ali várias horas por contexto do enunciado “Ainda bem que somos
37 dia. Há que se dormir oito horas por noi- crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho,
38 te e trabalhar outras oito por dia, mais as e, se sobrarem 5 minutos, uma colherada de
39 cinco comendo, são vinte e uma. Sobram leite de magnésio” (linhas 70-73), sugere o
40 três, desde que você não pegue trânsito. sentido de
41 As estatísticas comprovam que assisti- a) ironia.
42 mos três horas de TV por dia. Menos você,
43 porque todos os dias você vai caminhar b) depreciação.
44 ao menos meia hora (por experiência pró- c) pequenez.
45 pria, após quinze minutos dê meia volta e d) afeto.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 35


(UNESP – SP) Para responder às questões 25 e 26,
leia a crônica “Anúncio de João Alves”, de Carlos Por ser “muito domiciliada nas cercanias
Drummond de Andrade (1902-1987), publicada deste comércio”, isto é, do povoado e sua
feirinha semanal, inferiste que não teria fugi-
originalmente em 1954.
C7 H22 Relacionar, do, mas antes foi roubada. Contudo, não o
em diferentes textos, afirmas em tom peremptório: “tudo me induz
opiniões, temas, Figura o anúncio em um jornal que o ami- a esse cálculo”. Revelas aí a prudência minei-
assuntos e recursos
linguísticos.
go me mandou, e está assim redigido: ra, que não avança (ou não avançava) aquilo
À procura de uma besta. – A partir de que não seja a evidência mesma. É cálculo,
6 de outubro do ano cadente, sumiu-me raciocínio, operação mental e desapaixonada
uma besta vermelho-escura com os se- como qualquer outra, e não denúncia formal.
guintes característicos: calçada e ferrada Finalmente – deixando de lado outras
Para responder de todos os membros locomotores, um
à questão, você
excelências de tua prosa útil – a declaração
pequeno quisto na base da orelha direita e final: quem a apreender ou pelo menos “no-
deve ler o texto
crina dividida em duas seções em conse- tícia exata ministrar”, será “razoavelmente
atentando para
a descrição do quência de um golpe, cuja extensão pode remunerado”. Não prometes recompensa
personagem. alcançar de quatro a seis centímetros, pro- tentadora; não fazes praça de generosidade
duzido por jumento. ou largueza; acenas com o razoável, com a
Essa besta, muito domiciliada nas cer- justa medida das coisas, que deve prevale-
canias deste comércio, é muito mansa e cer mesmo no caso de bestas perdidas e
boa de sela, e tudo me induz ao cálculo de entregues.
que foi roubada, assim que hão sido falhas Já é muito tarde para sairmos à procura
todas as indagações. de tua besta, meu caro João Alves do Itambé;
Quem, pois, apreendê-la em qualquer entretanto essa criação volta a existir, porque
parte e a fizer entregue aqui ou pelo me- soubeste descrevê-la com decoro e proprie-
nos notícia exata ministrar, será razoa- dade, num dia remoto, e o jornal a guardou
velmente remunerado. Itambé do Mato e alguém hoje a descobre, e muitos outros
Dentro, 19 de novembro de 1899. (a) João são informados da ocorrência. Se lesses os
Alves Júnior. anúncios de objetos e animais perdidos, na
Cinquenta e cinco anos depois, prezado imprensa de hoje, ficarias triste. Já não há
João Alves Júnior, tua besta vermelho-es- essa precisão de termos e essa graça no di-
cura, mesmo que tenha aparecido, já é pó zer, nem essa moderação nem essa atitude
no pó. E tu mesmo, se não estou enganado, crítica. Não há, sobretudo, esse amor à tarefa
repousas suavemente no pequeno cemitério bem-feita, que se pode manifestar até mes-
de Itambé. Mas teu anúncio continua um mo- mo num anúncio de besta sumida.
delo no gênero, se não para ser imitado, ao
menos como objeto de admiração literária. (Fala, amendoeira, 2012.)
Reparo antes de tudo na limpeza de tua 25. Na crônica, João Alves é descrito como
linguagem. Não escreveste apressada e
toscamente, como seria de esperar de tua a) rústico e mesquinho.
condição rural. Pressa, não a tiveste, pois o b) calculista e interesseiro.
animal desapareceu a 6 de outubro, e só a 19 c) generoso e precipitado.
de novembro recorreste à Cidade de Itabira.
d) sensato e meticuloso.
Antes, procedeste a indagações. Falharam.
Formulaste depois um raciocínio: houve rou- e) ingênuo e conformado.
bo. Só então pegaste da pena, e traçaste um
belo e nítido retrato da besta. 26. Com base no último parágrafo, a principal
qualidade atribuída pelo cronista a João Alves é
Não disseste que todos os seus cascos
estavam ferrados; preferiste dizê-lo “de to- a) a prudência.
dos os seus membros locomotores”. Nem b) o discernimento.
esqueceste esse pequeno quisto na orelha e c) a concisão.
essa divisão da crina em duas seções, que
teu zelo naturalista e histórico atribuiu com d) o humor.
segurança a um jumento. e) a dedicação.

36 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


o
oficina

LP
de texto
Agora é hora de produzir um texto. Leia, 29. Na última linha, Gonzaguinha repete o adjetivo que se
atentamente, a proposta e as orientações que refere à vida como ela é. Que efeito de sentido essa
registramos para você. Boa escrita! repetição causa?

O Que É O Que É
[...] 30. Releia o trecho apresentado para responder à seguinte
Viver questão: Que substantivo Gonzaguinha emprega para
fazer referência ao papel do ser humano diante da vida?
e não ter a vergonha de ser feliz
Cantar e cantar e cantar
a beleza de ser um eterno aprendiz
eu sei
que a vida devia ser bem melhor
31. Você concorda com o posicionamento apresentado por
e será Gonzaguinha, ou seja, acredita que a vida é um eterno
Mas isso não impede que eu repita aprendizado? Explique sua resposta.
É bonita, é bonita e é bonita
[...]

Luiz Gonzaga Jr. (Gonzaguinha)

Redija um texto dissertativo sobre o tema 32. Descreva as palavras-chaves das suas principais ideias
“Viver e aprender”, no qual você exponha suas acerca do tema.
ideias de forma clara, coerente e em conformidade
com a norma culta da língua, sem se remeter a
nenhuma expressão do texto motivador “O Que É
O Que É”.
Dê um título à sua redação [...].
33. Qual será a conclusão do seu texto? Faça uma síntese e a
escreva nas linhas abaixo.
Entendendo a proposta
27. Depois de fazer uma leitura atenta do texto motivador,
identifique sua ideia central.

Produção Lembre-se
28. O autor fala da vida em dois níveis: como ela é e como 34. Elabore a primeira versão Seu texto deve ser dis
deveria ser. Que adjetivos ele usa para caracterizá-los? -
de seu texto seguindo as sertativo, apresentan
do
orientações apresentadas introdução, desenvolvi
-
na proposta. mento e conclusão. Al
ém
disso, deve ter de 25
35. Faça os ajustes a 30
linhas.
necessários e escreva a
versão definitiva do texto na
folha disponível no final do volume.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 37


6 Estatuto da Juventude:
E
a voz dos jovens

Para falar e escrever bem, é preciso, além de conhecer o padrão formal da Língua Portuguesa,
saber adequar o uso da linguagem ao contexto discursivo. Para exemplificar este fato, seu professor
de Língua Portuguesa convida-o a ler o texto Aí, Galera, de Luis Fernando Verissimo. No texto, o
autor brinca com situações de discurso oral que fogem à expectativa do ouvinte.

Aí, Galera
Jogadores de futebol podem coordenada, com energia oti- razões, inclusive, genéticas?
ser vítimas de estereotipação. Por mizada, na zona de preparação, – Pode.
exemplo, você pode imaginar um aumentam as probabilidades de,
– Uma saudação para a minha
jogador de futebol dizendo “este- recuperado o esférico, concatenar-
mos um contragolpe agudo com progenitora.
reotipação”? E, no entanto, por que
não? parcimônia de meios e extrema ob- – Como é?
jetividade, valendo-nos da deses- – Alô, mamãe!
– Aí, campeão. Uma palavrinha
truturação momentânea do sistema
pra galera. – Estou vendo que você é um,
oposto, surpreendido pela reversão
– Minha saudação aos aficiona- um...
inesperada do fluxo da ação.
dos do clube e aos demais espor- – Um jogador que confunde o
– Ahn?
tistas, aqui presentes ou no recesso entrevistador, pois não correspon-
dos seus lares. – É pra dividir no meio e ir pra
de à expectativa de que o atleta seja
cima pra pegá eles sem calça.
– Como é? um ser algo primitivo com dificul-
– Certo. Você quer dizer mais dade de expressão e assim sabota
– Aí, galera. alguma coisa? a estereotipação?
– Quais são as instruções do – Posso dirigir uma mensagem
técnico? – Estereoquê?
de caráter sentimental, algo banal,
– Nosso treinador vaticinou que, talvez mesmo previsível e piegas, a – Um chato?
com um trabalho de contenção uma pessoa à qual sou ligado por – Isso.

Correio Braziliense, 13/05/1998.

A expressão “pegá eles sem calça” poderia ser substituída, sem


comprometimento de sentido, em língua culta, formal, por:
C7 H22 Relacionar, a) pegá-los na mentira. d) pegá-los rapidamente.
em diferentes textos,
untos
opiniões, temas, ass b) pegá-los desprevenidos. e) pegá-los momentaneamente.
.
e recursos linguísticos
c) pegá-los em flagrante.

38 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


LP
Por onde começar?
As alternativas apresentam dois aspectos que devem ser verificados: a substituição
do pronome oblíquo “los” pelo pronome reto “eles” (“pegá eles”) e da expressão
coloquial “sem calça” por outra equivalente em linguagem formal. Como você já sabe,
na variedade-padrão da língua, os pronomes pessoais retos só podem desempenhar
a função de sujeito da oração. Porém, coloquialmente, nttee,e, é comum
cco
omum
mu
m um o emprego
emp
em prreggo desses
deessseess
d
pronomes como complementos verbais e o uso de ex eexpressões
xp prres
esssõsões
sõ es ccomo
omo “s
om ““sem
sem
em ccalça”.
aallççaa”.”. Além
Alléém
de verificar o sentido dessa expressão, você pode recorrer
ecco orr
rrer
er à cclassificação
laassif
ssssific
ific
if icaaççãão ommorfológica.
orrfo
o foló lógi gica.
gicac a.
ca
A alternativa a, como todas as outras, propõe a substituição
sub
ubst sti
tiittui
uiçã
uiçãção do do pro p ronome
roono
pronome nome
nome
me retoretto “e ““eles”
“ele
eles
ele
les”
s”
pelo pronome oblíquo “los”. Lembre-se de que o jogador gad
gador dor
or empregou
emp
mpre prreeggoou o pronomepron
pr onom
nomme citado cciittaad
doo
para fazer referência aos adversários. Já a expressãoo “na“na
“n na mentira”
meentir
m
mentirantir
nt iraa”” é ind
iindicada
ndicada
nd dicicada
ada como
ad coommo o
equivalente a “sem calça”. Aqui, é importante refletir irr sese a expressão
expr
ex
xprpres essãão “na “nna mentira”
na meen
m
mentira
nttirira”
a está eststá
cimen
cimentos
adequada à linguagem formal. Resgate seus conhecimentos imeen
im ntotooss sobre
sobr
so bre
br
a variação formal da língua e analise o contexto emm que que essa
qu essa
es sa
expressão foi empregada.
A alternativa b aponta o adjetivo “desprevenidos” ss” como
coommo
mo
equivalente à expressão “sem calça”.
flaagr
flagrante
A alternativa c opta pela locução adverbial “em flagrante”graan nttee”
para indicar o modo como o time deveria agir em relação
reelaçã
laçã
la
açã
ção a seus seu
sse
euuss
oponentes.
A alternativa d aponta o advérbio “rapidamente” ee”” para
par
ara
em calça
em
substituir, sem alteração de sentido, a expressão “sem ccalça”.
alççaa”.
al
alça
mome
mo
momentaneamente
m n nttaan
Por fim, a alternativa e indica que o advérbio “momentaneamente” neame
eaame
meent nte”
nt tee””
tem o mesmo sentido que a expressão “sem calça”.
tteend
Retome o texto e verifique quais substituições atendem ndem m aao oq qu
queue ffo oi
foi
solicitado.
Como mencionamos anteriormente,
a identificação da alternativa correta
requer não somente uma leitura atenta
da questão, mas também uma reflexão
sobre o emprego dos pronomes e de
ot

termos adequados à linguagem formal.


On
yk,

Sendo assim, qual das expressões poderia


did
tur

substituir, sem alteração de sentido, a fala


/Ar
ock
rst

do jogador? Essa é a pergunta à qual você


tte
hu

deve responder.
©S
os:
Fot

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 39


Para vivermos em sociedade, precisamos seguir normas. Muitas delas estão
disciplinadas em leis, que podem ser municipais, estaduais ou federais. Toda lei é
identificada por um número e pela data de sua criação, como a Lei n.º 12.852, de 5 de
agosto de 2013, conhecida como Estatuto da Juventude.
Os textos legais utilizam uma linguagem específica, com jargões da esfera jurídica, e
devem ser redigidos de maneira clara e objetiva, para minimizar o surgimento de dúvidas
e/ou de interpretações equivocadas.
Quanto à organização das informações, esses textos são subdivididos em partes
(capítulos, seções, artigos, incisos, etc.), a fim de que cada uma delas seja indicada
separadamente das demais.
Leia os textos com atenção para responder às questões 1 a 3.
Texto 1 (Lei n.º 12.852/2013)

CAPÍTULO II – Dos Direitos dos Jovens


SEÇÃO I – Do Direito à Cidadania, à Participação Social e Política e à Representação Juvenil
Art. 4.º O jovem tem direito à participação social e política e na formulação, execução e avaliação
das políticas públicas de juventude.
Parágrafo único. Entende-se por participação juvenil:
I – a inclusão do jovem nos espaços públicos e comunitários a partir da sua concepção como
pessoa ativa, livre, responsável e digna de ocupar uma posição central nos processos políticos e
sociais;
II – o envolvimento ativo dos jovens em ações de políticas públicas que tenham por objetivo o
próprio benefício, o de suas comunidades, cidades e regiões e o do País;
III – a participação individual e coletiva do jovem em ações que contemplem a defesa dos direitos
da juventude ou de temas afetos aos jovens; e
IV – a efetiva inclusão dos jovens nos espaços públicos de decisão com direito a voz e voto.
Art. 5.º A interlocução da juventude com o poder público pode realizar-se por intermédio de
associações, redes, movimentos e organizações juvenis.
Parágrafo único. É dever do poder público incentivar a livre associação dos jovens.
Art. 6.º São diretrizes da interlocução institucional juvenil:
I – a definição de órgão governa-
mental específico para a gestão das
políticas públicas de juventude;
II – o incentivo à criação de conse-
lhos de juventude em todos os entes
da Federação.
Parágrafo único. Sem prejuízo das
atribuições do órgão governamental
específico para a gestão das políticas
públicas de juventude e dos conselhos
©Shutterstock/Redshinestudio

de juventude com relação aos direitos


previstos neste Estatuto, cabe ao ór-
gão governamental de gestão e aos
conselhos dos direitos da criança e do
adolescente a interlocução institucio-
nal com adolescentes de idade entre
15 (quinze) e 18 (dezoito) anos.

BRASIL. Estatuto da Juventude: atos internacionais e normas correlatas. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições
Técnicas, 2013. p. 27.

40 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Texto 2

LP
Jovens têm importante papel nas mudanças sociais positivas,
diz agência da ONU
Na ocasião do Dia Internacional da Juventude, lembrado no último sá-
bado (12), a diretora-executiva em exercício do Fundo de População das
Nações Unidas (UNFPA), Natalia Kanem, disse que os jovens podem ter
papel importante nas mudanças sociais positivas e para a construção das
bases de um mundo mais justo e pacífico.
“A geração de jovens de hoje cresceu em uma época de crise, conflito
e desastre. No entanto, eles foram amplamente excluídos dos esforços na-
cionais e globais para prevenir e resolver conflitos”, disse Natalia na men-
sagem para a data.
“Construir sociedades pacíficas, coesas e resilientes exige a participação

©ONU
plena e significativa dos jovens. Investir neles de forma a desenvolver suas
capacidades e criar oportunidades que lhes permitam realizar todo o seu
potencial na vida são um pré-requisito para seu envolvimento em assuntos
civis.”
De acordo com a diretora-executiva em exercício do UNFPA, se quiser-
mos um mundo mais pacífico, não podemos deixar os jovens para trás. Natalia Kanem, diretora-executiva em
“Devemos ouvi-los e trabalhar com eles”, completou. exercício do UNFPA. Foto: UNFPA
O UNFPA continua empenhado em apoiar os esforços dos governos e da
sociedade civil no desenvolvimento dos jovens, que podem ajudar rumo a
um mundo livre de conflitos e violência.

JOVENS têm importante papel nas mudanças sociais positivas, diz agência da ONU. Disponível
em: https://nacoesunidas.org/jovens-tem-importante-papel-nas-mudancas-sociais-positivas-diz-
agencia-da-onu/. Acesso em: 17 ago. 2020.

1. Com base nos textos lidos e no que você estudou sobre os textos legais, C7 H22 Relacionar, em
diferentes
textos, opiniões, temas, ass
assinale a alternativa correta. recursos linguísticos.
untos e
a) Os dois textos apresentam aspectos legais relacionados à participação dos
jovens na sociedade.
b) Os textos não pertencem ao mesmo gênero, embora tenham a mesma
finalidade: expor o direito dos jovens à participação em assuntos
relacionados à sociedade.
c) Por se tratar de um texto legal, o texto 1 é de interesse apenas da Para responder à quest
ão,
comunidade jurídica. Já o texto 2 é direcionado ao público jovem. você deve analisar os
textos lidos com atenç
d) O texto 2 ressalta que a construção de sociedades mais justas e pacíficas ão,
observando aspectos
deve envolver a participação dos jovens. como temática e gênero
.
e) O posicionamento de Natalia Kanem sobre a participação dos jovens em
assuntos sociais está em desacordo com o Estatuto da Juventude.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 41


2. Releia o trecho a seguir, extraído do texto 2, e assinale a alternativa em que o
sentido não sofreu alteração.

“A geração de jovens de hoje cresceu em uma época de crise, confli-


to e desastre. No entanto, eles foram amplamente excluídos dos esfor-
entos que ços nacionais e globais para prevenir e resolver conflitos”, disse Natalia
C6 H18 Identificar os elem
em para a pro gres são temática e na mensagem para a data.
concorr
o e estruturaçã o de textos
para a organizaçã
s.
de diferentes gêneros e tipo a) A geração de jovens de hoje cresceu em uma época de crise, conflito
e desastre, por isso foi excluída dos esforços nacionais e globais para
prevenir e resolver conflitos.
b) Embora tenha crescido em uma época de crise, conflito e desastre, a
geração de jovens de hoje foi amplamente excluída dos esforços nacionais e
globais para prevenir e resolver conflitos.
c) A geração de jovens de hoje cresceu em uma época de crise, conflito e
desastre porque foi amplamente excluída dos esforços nacionais e globais
para prevenir e resolver conflitos.
d) Mesmo sendo amplamente excluída dos esforços nacionais e globais para
prevenir e resolver conflitos, a geração de jovens de hoje cresceu em uma
época de crise, conflito e desastre.
e) Quando foi amplamente excluída dos esforços nacionais e globais para
prevenir e resolver conflitos, a geração de jovens de hoje cresceu em uma
época de crise, conflito e desastre.
3. Os textos não trazem todas as informações explicitamente, mas algumas podem
ser inferidas com base nas pistas textuais e nos conhecimentos do leitor.
Assinale a alternativa cuja informação pode ser inferida por meio dos textos.
diferentes a) Pessoas consideradas adultas não são contempladas na Lei n.º 12.852/2013.
C7 H22 Relacionar, em
iões , tem as, ass untos e b) Natalia Kanem é diretora-executiva do UNFPA desde 2014.
textos, opin
recursos linguísticos.
c) Natalia Kanem tem larga experiência na área médica; por isso, foi nomeada
para o cargo de diretora-executiva do UNFPA.
d) Em 12 de agosto, é celebrado o Dia Internacional da Juventude. Nessa data,
várias organizações, no mundo todo, discutem questões relacionadas aos
jovens.
e) O Estatuto da Juventude é posterior ao Estatuto da Criança e do Adolescente
(ECA).

Artigo, numeral e pronome


Como você sabe, existem dez classes de palavras. Algumas, como
gramaticais o substantivo, funcionam como núcleos da frase, e outras sempre
As classes gua
antes da lín aparecem como periféricas desses núcleos. Os núcleos podem ser
mais abund ve rb o. É
tivo e representados por sintagmas nominais (o substantivo, por exemplo)
são substan u e se or-
elas q ou por sintagmas verbais (o verbo). A seguir, você estudará classes
em torno d d o s enu n-
oria
ganiza a mai gramaticais relacionadas ao substantivo.
ciados.

42 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


Artigo 3. Multiplicativos – indicam a quantidade de

LP
seres multiplicada.
Artigo é a palavra que precede o substantivo
com a finalidade de especificá-lo ou generalizá-lo. 4. Fracionários – indicam a divisão, o
Isoladamente, o artigo não tem significado; para fracionamento, de uma quantidade.
fazer sentido, ele depende do substantivo que
acompanha. Leitura dos algarismos romanos
A leitura dos algarismos romanos depende da
O artigo definido (o, a, os, as) determina ou posição que ocupam em relação ao substantivo.
especifica o substantivo, particularizando-o. ▶ Se o algarismo vem antes do substantivo, é
O artigo indefinido (um, uma, uns, umas) ge- lido como ordinal: Os atletas participaram do
neraliza o substantivo, referindo-se a ele de forma XXII Campeonato de Tênis de Mesa. (vigésimo
vaga. segundo)
▶ Se o algarismo vem depois do substantivo, é
lido como
De maneira geral, usamos o artigo indefinido
para introduzir um substantivo no texto, isto – ordinal de I a X: Aquele forte foi construído
é, para mencioná-lo pela primeira vez. Por no século V. (quinto)
outro lado, o artigo definido é usado quando o – cardinal de XI em diante: Li o capítulo XI do
substantivo já é conhecido, ou seja, foi mencionado livro. (onze)
C7 H22 Relacionar,
anteriormente no texto. em diferentes textos,
4. (UEPG – PR) opiniões, temas,
Ontem um jovem entrevistou um vereador.
assuntos e recursos
O jovem fez perguntas interessantes. linguísticos.
O Diabo e a Criança
A anteposição de um artigo pode substantivar Um dia o diabo viu uma criança fazendo com
qualquer palavra. o dedo um buraco na areia e perguntou-lhe que
O jovem recebeu elogios do professor. diabo de coisa estava fazendo.
(substantivo) – Ué! Não vês? Estou fazendo com um dedo
um buraco na areia! – espantou-se a criança.
Os artigos podem se juntar a preposições,
Pobre diabo! O seu mal é que ele jamais com-
formando combinações e contrações.
preenderá que uma coisa possa ser feita sem se-
Fomos ao litoral da Bahia no ano passado. gundas intenções.
(combinação – a + o; contração – em + o)
As praias do Brasil são procuradas por turistas Adaptado de: Mário Quintana. Disponível em: http://pausaparaprosa.
blogspot.com.br/2010/06/.html. Acesso em 31/07/2012.
do mundo todo. (contração – de + o)
A respeito do texto, assinale o que for correto.
Numeral (01) O diabo, acostumado a levar vantagem em tudo,
Numeral é a palavra que expressa a quantidade era incapaz de conceber que aquela criança ainda
de seres em geral ou a posição que ocupam em conservava a sua inocência.
uma sequência. Assim como as outras classes (02) Os artigos "um" e "uma", do primeiro parágrafo,
gramaticais relacionadas ao substantivo, os definem os substantivos a que se referem.
numerais são variáveis e devem concordar com ele (04) Os artigos "o" e "a" que acompanham os
em gênero e número. substantivos "Diabo" e "Criança", no título do texto,
Os numerais apresentam quatro classificações: são indefinidos.
1. Cardinais – indicam a quantidade exata de (08) O pronome "lhe", do primeiro parágrafo, e o
seres. pronome "seu", do terceiro parágrafo, estão sendo
empregados como sujeito das orações.
2. Ordinais – indicam a posição que o ser ocupa
em uma sequência. (16) "– Ué! Não vês? Estou fazendo com um dedo um
buraco na areia! – espantou-se a criança.". O
parágrafo apresenta discurso direto e também a
presença do narrador.
GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 43
(UEG – GO) Leia o texto a seguir para responder às questões 5 e 6.

CELULARES EXPLOSIVOS, IDEIAS NEM TANTO


Sou uma nulidade no uso do celular. Mal conheço a senha para tirar as
mensagens lá de dentro e, pelo que vejo, meu aparelho é forte candidato a
entos que uma dessas explosões que têm acontecido ultimamente.
C6 H18 Identificar os elem
em para a pro gres são temática
concorr Pinóquio não primava pela responsabilidade nos compromissos assumi-
o e estr utur ação de
e para a organizaçã
text os de dife rent es gên eros e tipos. dos, mas seu Grilo Falante, de cartola e guarda-chuva, conhecia as virtudes
da polidez e da adequação. Não tomava a palavra antes de um minúsculo
pigarro de advertência.
Inseto mutante, o celular está para o grilo de Pinóquio um pouco como
a guitarra elétrica para o antigo violão. Adota os tons mais estridentes, des-
cabelados e imperativos, a que as pessoas obedecem numa coreografia
alucinada. A pose mais estudada da grã-fina se estilhaça em aflição e pânico
ser em- enquanto ela remexe na bolsa à procura do aparelho; o taxista mais inerte
Os pronomes podem e distraído pula ao menor toque, como se tivesse uma aranha dentro do
ra faz er ref erência
pregados pa carro. E nem se sabia que aquilo era carregado de dinamite.
ter mo me ncion ad o
a um
tex to. Para
anteriormente no
quest ão , vo cê deve COELHO, M. Folha de S.Paulo, São Paulo, 10 maio 2006, p. E 10. Ilustrada. [Adaptado].
responder à
ar o ter mo ret om a-
identific
do pelo pronome ind
efinido 5. Na frase “E nem se sabia que aquilo era carregado de dinamite”, o termo aquilo
“aquilo”. refere-se
a) à aranha dentro do carro.
b) ao aparelho celular.
c) ao carro do taxista.
d) à bolsa da grã-fina.

6. No texto, o artigo definido pode ser identificado em todas as orações abaixo,


EXCETO em:
a) “Não tomava a palavra”
usos da
C8 H27 Reconhecer os
norma pad rão da líng ua por tuguesa nas b) “Mal conheço a senha”
açõ es de com unicação.
diferentes situ c) “é forte candidato a uma dessas explosões”
d) “ela remexe na bolsa à procura do aparelho”

ão,
Para responder à quest
de rar qu eo
você deve consi
iável, isto é, admite
artigo é var
me ro
flexão de gênero e nú
o subs-
para concordar com
tantivo que antecede.

44 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


7. (UNESP – SP) Leia o conto “A moça rica”, de Rubem Braga (1913-1990), C8 H27 Reconhecer os

LP
usos da
norma-padrão da língua por
para responder à questão. diferentes situações de com
tuguesa nas
unicação.

A madrugada era escura nas moitas de mangue, e eu avançava no


batelão1 velho; remava cansado, com um resto de sono. De longe veio
um rincho2 de cavalo; depois, numa choça de pescador, junto do morro,
tremulou a luz de uma lamparina.
Aquele rincho de cavalo me fez lembrar a moça que eu encontrara
galopando na praia. Ela era corada, forte. Viera do Rio, sabíamos que
era muito rica, filha de um irmão de um homem de nossa terra. A prin-
cípio a olhei com espanto, quase desgosto: ela usava calças compridas,
fazia caçadas, dava tiros, saía de barco com os pescadores. Mas na se-
gunda noite, quando nos juntamos todos na casa de Joaquim Pescador,
ela cantou; tinha bebido cachaça, como todos nós, e cantou primeiro
uma coisa em inglês, depois o Luar do sertão e uma canção antiga que
dizia assim: “Esse alguém que logo encanta deve ser alguma santa”. Era
uma canção triste.
Cantando, ela parou de me assustar; cantando, ela deixou que eu
a adorasse com essa adoração súbita, mas tímida, esse fervor confu- 1
batelão: embarcação
so da adolescência – adoração sem esperança, ela devia ter dois anos movida a
remo.
mais do que eu. E amaria o rapaz de suéter e sapato de basquete, que 2
rincho: relincho.
costuma ir ao Rio, ou (murmurava-se) o homem casado, que já tinha 3
flaubert: um tipo de esp
ido até à Europa e tinha um automóvel e uma coleção de espingardas ingarda.
magníficas. Não a mim, com minha pobre flaubert 3, não a mim, de
calça e camisa, descalço, não a mim, que não sabia lidar nem com um
motor de popa, apenas tocar um batelão com meu remo.
Duas semanas depois que ela chegou é que a encontrei na praia
solitária; eu vinha a pé, ela veio galopando a cavalo; vi-a de longe, meu
coração bateu adivinhando quem poderia estar galopando sozinha a
cavalo, ao longo da praia, na manhã fria. Pensei que ela fosse passar
me dando apenas um adeus, esse “bom-dia” que no interior a gente dá
a quem encontra; mas parou, o animal resfolegando e ela respirando
forte, com os seios agitados dentro da blusa fina, branca.
São as duas imagens que se gravaram na minha memória, desse
encontro: a pele escura e suada do cavalo e a seda branca da blusa;
aquela dupla respiração animal no ar fino da manhã.

(Os melhores contos, 1997.) Para responder à quest


ão,
você deve retomar o
que es-
“Duas semanas depois que ela chegou é que a encontrei na praia solitária; eu tudou sobre a classe gra
ma-
vinha a pé, ela veio galopando a cavalo” (4.º parágrafo) tical dos artigos e ide
ntificar
sua ocorrência no tex
Os termos sublinhados constituem, respectivamente, to.

a) artigo, preposição, artigo.


b) artigo, preposição, preposição.
c) pronome, artigo, artigo.
d) pronome, preposição, preposição.
e) pronome, artigo, preposição.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 45


8. (UNIFESP) d) da introdução de uma informação nova,
no primeiro caso, e da retomada de uma
Você conseguiria ficar 99 dias sem o informação já conhecida, no segundo.
Facebook? Uma organização não gover- e) de informações novas, nas duas
C6 H18 Identificar os namental holandesa está propondo um ocorrências, motivo pelo qual são
elementos que concorrem desafio que muitos poderão considerar introduzidas de forma mais generalizada.
para a progressão temática
e para a organização e impossível: ficar 99 dias sem dar nem
9. (FATEC – PR)
estruturação de textos de uma “olhadinha” no Facebook. O objetivo
diferentes gêneros e tipos. é medir o grau de felicidade dos usuários
longe da rede social. Modo de aferventar a couve-flor
O projeto também é uma resposta aos É indispensável, qualquer que seja o
experimentos psicológicos realizados fim a que se destine a couve-flor, prepa-
pelo próprio Facebook. A diferença nes- rá-la, antes, da seguinte forma: depois
te caso é que o teste é completamente de tirar suas folhas, lave-a, deixando
voluntário. Ironicamente, para poder por algum tempo num molho de água
participar, o usuário deve trocar a foto do e vinagre, para largar qualquer bichinho
perfil no Facebook e postar um contador que possa ter. Lave a couve-flor outra
na rede social. vez, antes de ir para a caçarola, a fim de
Os pesquisadores irão avaliar o grau sair bem o gosto do vinagre. Ela pode
de satisfação e felicidade dos participan- ser aferventada inteira ou em pedaços.
tes no 33.º dia, no 66.º e no último dia da Se for em pedaços, faz-se da seguinte
abstinência. maneira: corta-se a couve-flor em diver-
sos ramos e põe-se numa caçarola com
Os responsáveis apontam que os
água salgada a ferver em quantidade tal
usuários do Facebook gastam em média
que os pedaços fiquem
17 minutos por dia na rede social. Em
completamente cober- C8 H27 Reconhecer os
99 dias sem acesso, a soma média se- usos da norma-padrão
tos de água para não da líng
ria equivalente a mais de 28 horas, que ua portuguesa nas
escurecerem. diferentes situações de
poderiam ser utilizadas em “atividades
comunicação.
emocionalmente mais realizadoras”.

(http://codigofonte.uol.com.br. Adaptado.)
Considere o trecho para responder à questão.
Examine as passagens do primeiro parágrafo do
texto: É indispensável, qualquer que seja o
fim a que se destine a couve-flor, prepa-
rá-la, antes, da seguinte forma [...]
▶ “Uma organização não governamental
holandesa está propondo um desafio”
▶ “O objetivo é medir o grau de felicida- O emprego da palavra "A" no trecho – [...]
de dos usuários longe da rede social.” qualquer que seja o fim a que se destine a
couve-flor [...] – justifica-se da seguinte forma:
A utilização dos artigos destacados justifica-se
a) classifica-se como parte da locução
em razão
conjuntiva a que.
a) da retomada de informações que podem
b) funciona como uma preposição regida pelo
ser facilmente depreendidas pelo contexto,
verbo destinar-se.
sendo ambas equivalentes semanticamente.
c) trata-se de um artigo feminino que
b) de informações conhecidas, nas duas
acompanha a palavra que.
ocorrências, sendo possível a troca dos
artigos nos enunciados, pois isso não d) é empregada com um valor redundante, daí
alteraria o sentido do texto. ser uma partícula expletiva.
c) da generalização, no primeiro caso, com a e) atua como um pronome pessoal oblíquo que
introdução de informação conhecida, e da substitui a palavra couve-flor.
especificação, no segundo, com informação
nova.

46 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


10. (FUVEST – SP) Leia o seguinte trecho de uma 11. (UNEMAT – MT)

LP
C7 H21 Reconhecer
entrevista concedida pelo ministro do Supremo em textos de diferentes
Tribunal Federal, Joaquim C6 H18 Identificar NÚMEROS gêneros, recursos
Barbosa: verbais e não verbais
os elementos que 711 genes são afetados quando se utilizados com a
concorrem para a
progressão temática
dorme menos de seis horas por noite finalidade de criar e
durante vários dias, segundo um estudo mudar comportamentos
Entrevistador: O protago- e para a organização e hábitos.
nismo do STF dos últimos e estruturação de de cientistas ingleses da Universidade
textos
tempos tem usurpado as gênerosdeediferentes de Surrey, publicado na revista científica
tipos. PNAS. Já se sabia que a falta de sono es-
funções do Congresso?
tava relacionada a problemas de saúde,
Entrevistado: Temos uma Constituição
como a obesidade. Mas é a primeira vez
muito boa, mas excessivamente de-
que se descreve o impacto da privação de
talhista, com um número imenso de
sono sobre os genes.
dispositivos e, por isso, suscetível a
fomentar interpretações e toda sorte de 444 desses genes tiveram a ativida-
litígios. Também temos um sistema de de reduzida, enquanto 267 ficaram mais
jurisdição constitucional, talvez único no ativos do que o normal. Todos estão re-
mundo, com um rol enorme de agentes lacionados à regulação do metabolismo,
e instituições dotadas da prerrogativa ou das funções cardíacas e do sistema imu-
de competência para trazer questões ao nológico.
Supremo. É um leque considerável de 3,5 vezes maior é o risco de sofrer um
interesses, de visões, que acaba cau- AVC para pessoas que dormem menos de
sando a intervenção do STF nas mais seis horas por noite, comparado àquelas
diversas questões, nas mais diferentes que dormem oito. Já a probabilidade de
áreas, inclusive dando margem a esse desenvolver doenças cardíacas aumenta
tipo de acusação. Nossas decisões não 45% quando se dorme cinco horas ou
deveriam passar de duzentas, trezentas menos frequentemente.
por ano. Hoje, são analisados cinquenta
mil, sessenta mil processos. É uma in- Conversa com Fabiana Nogueira. Revista Veja, Seção
sanidade. Panorama, edição 2311, ano 46, n. 10, 06/03/13.

Considerando a estrutura composicional do


Veja, 15/06/2011.
texto, infere-se que os números são recursos
verbais utilizados com a finalidade de:
No trecho “dotadas da prerrogativa ou de
competência”, a presença de artigo antes do a) Quantificar os genes que são afetados
primeiro substantivo e a sua ausência antes do quando se dorme menos de seis horas por
segundo fazem com que o sentido de cada um dia e os que tiveram a atividade reduzida.
desses substantivos seja, respectivamente, b) Informar resultados de um estudo publicado
a) figurado e próprio. em uma revista científica, descrevendo o
impacto que o fato de não se dormir pelo
b) abstrato e concreto.
menos seis horas por noite causa sobre
c) específico e genérico. os nossos genes e a consequência sobre a
d) técnico e comum. nossa saúde.
e) lato e estrito. c) Além dos 711 genes que são afetados
quando se dorme menos de seis horas por
noite, há um montante de 444 que reduziram
ão, você a atividade e 267 que ficaram mais ativos.
Para responder à quest
ob ser vando o d) “Menos” é um advérbio de intensidade
deve reler o texto
s art igo s no trecho utilizado no texto para acentuar a oposição
emprego do
apresentado. de sentido entre os que dormem menos de
seis e os que dormem mais de oito horas.
e) Alertar sobre a necessidade de se ter
regularidade para dormir.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 47


Leia o texto para responder às questões 12. Com relação aos numerais C6 H18 Identificar os
elementos que concorrem
12 e 13. presentes no texto, assinale a para a progressão temática
alternativa correta. e para a organização e

©Wikimedia Commons/Jeff Wilcox


estruturação de textos de
a) A palavra “primeira” é o único diferent
es gêneros e tipos.
numeral ordinal do texto.
Ela foi empregada para indicar a
sequência de ações na construção do castelo.
b) “5” é um algarismo arábico, cujo numeral
multiplicativo correspondente é sétuplo.
c) O emprego de numerais coletivos, como dezena, é
comum em textos expositivos.
Castelo de Neuschwanstein d) Os numerais foram empregados no texto, sobretudo,
para indicar as dimensões grandiosas do castelo.
Castelo de Neuschwanstein
e) Os numerais empregados no texto estão
O  Castelo de Neuschwanstein  (em  ale- relacionados, principalmente, a informações sobre o
mão  Schloss Neuschwanstein) é um palácio castelo, como o nome de seu idealizador (Luís II)
alemão construído na segunda metade do sécu- e as datas mais significativas na construção de
lo XIX, perto das cidades de Hohenschwangau e
Neuschwanstein.
Füssen, no  sudoeste  da  Baviera, a escassas de-
zenas de quilômetros da fronteira com a Áustria.
Para responder à quest
Foi construído por Luís II da Baviera no século ão, você pre-
cisa retomar seus conh
XIX, inspirado na obra de seu amigo e protegido, ecimentos
sobre numerais. Lemb
o grande compositor Richard Wagner. A arquite- re-se de que
alguns são chamados
tura do castelo possui um estilo fantástico, o qual de coletivos,
pois expressam um co
njunto de
serviu de inspiração ao "Castelo da Cinderela", sím- seres: semestre, dúzia
, centena, etc.
bolo dos estúdios Disney. Apesar de não ser per-
mitido fotografar o seu interior, é um dos edifícios
mais fotografados da  Alemanha  e um dos mais
13. Releia o texto com atenção e
populares destinos turísticos europeus, além de C6 H18 Identificar os
também ser considerado o "cartão-postal" daquele
assinale a alternativa correta. elementos que concorrem
para a progressão temática
país. O nome  Neuschwanstein  é uma referência a) No trecho “O Castelo de e para a organização e
ao "cavaleiro do Cisne", Lohengrin, da ópera com Neuschwanstein (em alemão estruturação de textos de
o mesmo nome. Schloss Neuschwanstein) diferentes gêneros e tipos.

A concepção do edifício foi esboçada por Luís é um palácio alemão


II da Baviera numa carta a Richard Wagner, datada construído [...]”, a palavra “um” é numeral cardinal.
de 31 de maio de 1868; b) No trecho “É minha intenção reconstruir a ruína
"É minha intenção reconstruir a ruína do ve- do velho castelo [...]”, o termo destacado é
lho castelo em Hohenschwangau, próximo do uma locução adjetiva que não apresenta adjetivo
Desfiladeiro de Pollat, no verdadeiro espírito dos equivalente.
velhos castelos dos cavaleiros alemães [...] a lo-
c) Os algarismos romanos presentes no trecho “Foi
calização é a mais bela que alguém pode encon-
trar, sagrada e inacessível, um templo digno para
construído por Luís II da Baviera no século XIX [...]”
o divino amigo que trouxe a salvação e a verdadei- devem ser lidos, respectivamente, como dois e
ra bênção ao mundo." dezenove.
A primeira pedra do edifício foi colocada no d) No segundo parágrafo, todas as ocorrências das
dia 5 de setembro de 1869. O Neuschwanstein foi palavras “um” e “uma” são numerais cardinais.
desenhado por Christian Jank, um desenhador de e) No trecho “[...] o grande compositor Richard Wagner”,
cenários teatrais, em vez de um arquiteto, o que a palavra “grande” foi substantivada pelo artigo.
mostra muito das intenções de Luís II e explica
grande parte da natureza fantástica do edifício re-
ser artigo
sultante. A palavra um(a) pode
qu ando
ou numeral. É artigo
ntivo , ind icando
CASTELO de Neuschwanstein. Disponível em: https://pt.wikipedia. precede o substa
açã o, e nu me ral qu ando
org/wiki/Castelo_de_Neuschwanstein. Acesso em: 18 ago. 2020. generaliz ntivo,
o sub sta
está relacionada com
tidad e.
expressando quan
48 LGG LÍNGUA PORTUGUESA
Pronome

LP
Posição Posição
Dando continuidade ao estudo sobre as classes Pessoa Masculino Feminino Invariável no no
tempo espaço
gramaticais, versaremos, agora, sobre os pronomes.
próximo
Pronome é a palavra que acompanha ou da
substitui o substantivo (nome). Há também esse, essa, passado pessoa
pronomes que substituem trechos de uma frase ou 2ª. isso
esses essas recente com
a frase toda. Essa classe gramatical se relaciona aos quem se
atos de comunicação, pois se refere às pessoas do fala
discurso. próximo
da
Em uma situação comunicativa, há três aquele, aquela, passado
3ª. aquilo pessoa
elementos envolvidos, chamados de pessoas aqueles aquelas distante
de quem
gramaticais ou pessoas do discurso: a pessoa se fala
que fala (locutor), a pessoa com quem se fala
(locutário) e a pessoa de quem se fala (assunto),
respectivamente, a 1ª., a 2ª. e a 3ª. pessoa do discurso.
Pronomes indefinidos
Os pronomes indefinidos são palavras que se
referem aos substantivos de maneira genérica ou
Pronomes pessoais vaga. Alguns apresentam flexões de gênero e de
Os pronomes pessoais são aqueles que número, outros são invariáveis. Exemplos: algum,
substituem os nomes e indicam as pessoas do nenhum, certo, muito, todo, tanto, vários, bastante,
discurso. Eles podem ser quanto, tal, qual, diverso, qualquer.
▶ retos: eu, tu, ele, nós, vós, eles;
▶ oblíquos tônicos (admitem preposição): mim, Pronomes interrogativos
comigo, nós, (com) ela, etc.; Os pronomes interrogativos são aqueles
▶ oblíquos átonos (não admitem preposição) – empregados em frases interrogativas diretas
me, se, o, lhe, nos, vos, etc.; e indiretas: que, quem, qual e quanto (e suas
▶ de tratamento – você, senhor, Vossa variações).
Excelência, Vossa Santidade, etc.
Pronomes relativos
Pronomes possessivos Os pronomes relativos são aqueles que
Os pronomes possessivos são aqueles que ligam duas orações substituindo, na segunda,
indicam posse em relação às três pessoas do uma palavra ou expressão antecedente, ou seja,
discurso. Exemplos: meu, tua, seu, nossa. mencionada na primeira oração. Exemplos: que,
cujo, o qual, onde, como.
Pronomes demonstrativos 14. (UNIFESP) Leia o poema de Oswald
Os pronomes demonstrativos são aqueles que de Andrade e responda à questão.
situam os eventos no tempo ou localizam os seres C8 H27 Reconhecer os
no espaço em relação às três pessoas do discurso. Senhor feudal usos da norma-padrão
da língua portuguesa nas
Apresentamos, a seguir, uma síntese dos pronomes Se Pedro Segundo diferentes situações de
demonstrativos. Vier aqui comunicação.

Com história
Posição Posição
Eu boto ele na cadeia.
Pessoa Masculino Feminino Invariável no no
tempo espaço
próximo De acordo com a norma-padrão, o último verso assumiria
este, esta, da a seguinte forma:
1ª. isto presente
estes estas pessoa a) Eu boto-lhe na cadeia. d) Eu lhe boto na cadeia.
que fala b) Boto-no na cadeia. e) Lhe boto na cadeia.
c) Eu o boto na cadeia.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 49


(UNIFESP) Considere a tirinha para responder às questões de números 15 e 16.
b) Calvin emprega o pronome você não
necessariamente para marcar a interlocução:
antes, trata-se de um recurso da linguagem
coloquial utilizado como forma de expressar
ideias genéricas.
c) O emprego de termos de significação ampla
– como noção, tudo, normal – prejudica
a compreensão do texto, pois o leitor não
consegue entender, com clareza, o que se
pretende dizer.
d) O pronome eles é empregado duas vezes,
sendo impossível, no contexto, recuperar-
-lhe as referências.
e) O termo bem é empregado com valor de
confirmação das informações precedentes.

16. Em – e correr uns bons C8 H27 Reconhecer os


usos da norma-padrão
20 km! – o termo uns da língua portuguesa nas
15. Assinale a alternativa correta, tendo como assume valor de diferentes situações de
referência todas as falas do menino Calvin. a) posse. comunicação.

a) O emprego de termos como gente e tem é b) exatidão.


C8 H27 Reconhecer os inadequado, uma vez que estão carregados
c) definição.
usos da norma-padrão de marcas da linguagem coloquial
da língua portuguesa nas desajustadas à situação de comunicação d) especificação.
diferentes situações de
comunicação.
apresentada. e) aproximação.

17.

C8 H27 Reconhecer os
usos da norma-padrão
da língua portuguesa nas
diferentes situações de
comunicação.

Observando as falas das personagens, analise o emprego do pronome SE e o sentido que adquire no
contexto. No contexto da narrativa, é correto afirmar que o pronome SE,
a) em I, indica reflexividade e equivale a “a si mesmas”.
b) em II, indica reciprocidade e equivale a “a si mesma”.
c) em III, indica reciprocidade e equivale a “umas às outras”.
d) em I e III, indica reciprocidade e equivale a “umas às outras”.
e) em II e III, indica reflexividade e equivale a “a si mesma ” e "a si mesmas", respectivamente.

50 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


C8 H27 Reconhecer os
usos da
norma-padrão da língua por
18. (ITA – SP) tuguesa nas

LP
diferentes situações de com
unicação.

1 Nos estudos de antropologia política de Pierre Clastres*, estudioso francês que conviveu
durante muito tempo com tribos indígenas sul-americanas, menciona-se o fato de frequen-
temente os membros dessas tribos designarem a si mesmos com um vocábulo que em sua
língua era sinônimo de “os homens” e reservavam para seus congêneres de tribos vizinhas
5 termos como “ovos de piolho”, “sub-homens” ou equivalentes com valor pejorativo.
Trago esta referência – que Clastres denomina etnocentrismo – eloquente de uma xeno-
fobia em sociedades primitivas, porque ela é tentadora para propor origens precoces, quem
sabe constitucionais ou genéticas, no ódio ou recusa das diferenças.
A mesma precocidade, dizem alguns, encontra-se nas crianças. Uma criança uruguaia,
10 com clara ascendência europeia, como é comum em nosso país, resultado do genocídio indí-
gena, denuncia, entre indignada e temerosa, sua repulsa a uma criança japonesa que entrou
em sua classe (fato raro em nosso meio) e argumenta que sua linguagem lhe é incompreen-
sível e seus traços são diferentes e incomuns.
Se as crianças e os primitivos reagem deste modo, poder-se-ia concluir – precipitadamente –
15 que o que manifestam, de maneira tão primária e transparente, é algo que os desenvolvimen-
tos posteriores da civilização tornarão evidente de forma mais complexa e sofisticada, mas
com a mesma contundência elementar.
Por esse caminho, e com a tendência humana a buscar causalidades simples e lineares,
estamos a um passo de “encontrar” explicações instintivas do ódio e da violência, em uma
20 hierarquização em que a natureza precede a cultura, território de escolha das argumentações
racistas. A “natureza” – o “biológico” como “a” origem ou “a” causa – operam como explica-
ção segura e tranquilizadora ante questões que nos encurralam na ignorância e na inseguran-
ça de um saber parcial. [...]
(*) Pierre Clastres (1934-1977)

(VIÑAR, M. O reconhecimento do próximo. Notas para pensar o ódio ao estrangeiro. In: Caterina Koltai (org.). O
estrangeiro. São Paulo: Escuta; Fapesp, 1998.)
Considere o primeiro parágrafo do texto (linhas 1 a 5) e a tirinha abaixo.
O par de pronomes que expressa
a dicotomia dos conjuntos tribos/
navegantes e tribos vizinhas/não
navegantes é
a) eu – você d) nós – eles
b) tu – vós e) vocês – eles
c) ele – eles

19. (INSPER – SP)


C7 H23 Inferir em um
O slogan dessa propaganda explora, por meio texto quais são os objetivo
s
de seu produtor e quem
do emprego do pronome “ele”, é seu público-alvo, pela
a) algumas das semelhanças entre o trabalho religioso e o análise dos procedimentos
argumentativos utilizados.
ato de limpar a casa.
b) a dupla referenciação do pronome, que pode remeter ao papa e
ao produto.
c) um descompasso intencional entre os elementos verbais e não
verbais do anúncio.
d) uma ambiguidade que coloca “Deus” e a palha de aço no
mesmo nível de importância.
e) a polissemia da marca, que, por metonímia, costuma indicar
todas as palhas de aço.

GUIA DE ESTUDOS | MÓDULO 2 LGG 51


20. (FAMERP – SP) Considere a tirinha Garfield, de Jim Davis.

C8 H27 Reconhecer os
usos da norma-padrão
da língua portuguesa nas
diferentes situações de
comunicação.

O pronome “este”, no terceiro quadrinho,


a) refere-se ao presente do personagem, em que não há diversão.
b) retoma o sentido das palavras “o mundo”.
c) refere-se ao período em que o mundo diverte o personagem.
d) aponta para um momento em que o desejo do personagem se realizaria.
e) retoma o sentido da frase “o mundo existe para me divertir”.

(UEG – GO) Leia o texto para responder às questões 21 e 22.

Podemos argumentar que, após a mídia, o discurso educacional é o mais influente na sociedade,
especialmente quando se refere à comunicação de crenças que não são normalmente transmitidas
nas conversas cotidianas ou na mídia. Crianças, adolescentes e jovens adultos enfrentam, diaria-
mente, por muitas horas, aulas e livros didáticos – os únicos livros que são leituras obrigatórias em
nossa cultura. Isto é, não há instituição ou discurso comparável que é tão massivamente inculcado
como o da escola.
A má notícia é que isso é também verdadeiro para as aulas sobre Eles – os grupos desfavoreci-
dos. Discursos sobre imigrantes, refugiados, minorias e pessoas do Terceiro Mundo são frequen-
temente muito estereotipados e às vezes claramente preconceituosos. A boa notícia é que não há
domínio ou instituição na sociedade em que discursos alternativos têm mais possibilidades de se
desenvolver do que na escola.
Muitos estudos foram feitos sobre como as minorias e as pessoas do Terceiro Mundo são retra-
tadas nos livros didáticos. Mesmo as simples análises de conteúdo têm repetidamente mostrado
que esse retrato, pelo menos até muito recentemente, tende a ser preconceituoso e estereotipado.
Muitos livros didáticos em vários países ocidentais são basicamente eurocêntricos: não somente
nossa economia ou tecnologia, mas também nossos valores, nossas visões, nossas sociedades
e nossas políticas são invariavelmente colocados como superiores. Eles continuam a repetir os
estereótipos sobre minorias e sobre outros povos não europeus.

VAN DIJK, Teun A. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008. p. 148-149. (Adaptado).

52 LGG LÍNGUA PORTUGUESA


C6 H18 Identificar os elem
entos que
21. Nos trechos “a má notícia é que isso é também verdadeiro para as aulas concorrem para a progressão

LP
temática
e para a organização e estr
sobre Eles” e “Eles continuam a repetir”, o pronome “eles” faz referência uturação de
textos de diferentes gêneros
e tipos.
respectivamente a:
a) “nossos valores” e “Discursos”
Como você estudou,
b) “vários países” e “jovens adultos” os pro-
nomes podem ser em
pre-
c) “Muitos estudos” e “únicos livros” gados para fazer referê
ncia
d) “grupos desfavorecidos” e “Muitos livros didáticos” a elementos mencion
ados
anteriormente no tex
to.
Para responder à quest
ão,
releia o texto e identi
fique
os termos aos quais o
pro-
nome “Eles” se refere
.
22. São recursos linguísticos que permitem identificar a origem geográfico-cultural
do autor:
a) advérbios de modo
C7 H22 Relacionar, em
b) orações adjetivas diferentes
textos, opiniões, temas, ass
untos e
c) pronomes possessivos recursos linguísticos.

d) verbos transitivos

23. (FGV – SP)


C6 H18 Identificar os elem
entos que
concorrem para a progressão
temática
e para a organização e estr
O Colocador de Pronomes (excerto) uturação de
textos de diferentes gêneros
e tipos.
1 Havia em Itaoca um pobre moço que definhava de tédio no fundo
2 de um cartório. Escrevente. Vinte e três anos. Magro. Ar um tanto
3 palerma. [...]
4 Vivia em paz com as suas certidões quando o flechou venenosa
5 seta de Cupido. Objeto amado: a filha mais moça do coronel Triburtino,
6 o qual tinha duas, essa Laurinha, do escrevente, então nos dezessete,
7 e a do Carmo, encalhe da família [...].
8 Triburtino não era homem de brincadeira. [...] Toda gente lhe tinha
9 um vago medo; mas o amor, que é mais forte que a morte, não receia
10 sobrecenhos enfarruscados nem tufos de cabelos no nariz.
11 Ousou o escrevente namorar-lhe a filha, apesar da distância hierár-
12 quica que os separava.
13 Namoro à moda velha, já se vê, pois que nesse tempo não existia a
14 gostosura dos cinemas. Encontros na igreja, à missa, troca de olhares,
15 diálogos de flores – o que havia de inocente e puro. [...] Depois, a sere-
16 nata fatal à esquina, com o “Acorda, donzela...” sapecado a medo num
17 velho pinho de empréstimo. Depois, bilhetinho perfumado.
18 Aqui se estrepou...
19 Escrevera nesse bilhetinho, entretanto, apenas quatro palavras,
20 afora pontos exclamativos e reticências: “Anjo adorado! Amo-lhe!”.
21 Para abrir o jogo bastava esse movimento de peão. Ora, aconteceu
22 que o pai do anjo apanhou o bilhetinho celestial e, depois de três