Você está na página 1de 323

NOTAS DE AULAS

Mecânica Clássica

Prof.: Salviano A. Leão

Goiânia – Goiás
Sumário

1 Introdução 1
1.1 PADRÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.2 Tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.3 Espaço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.4 Cinemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.5 Problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

Referências Bibliográficas 19

2 Mecânica Newtoniana 20
2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.2 Dinâmica: massa e força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.3 Leis de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.3.1 Primeira Lei de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
2.3.2 Segunda Lei de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.3.3 Terceira Lei de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
2.4 Princı́pio da Relatividade de Galileu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2.5 Transformações galileanas: referenciais inerciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.6 Aplicações das leis de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
2.7 Integração das equações de movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.7.1 Análise do movimento unidimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
2.7.2 Força aplicada constante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2.7.3 Força aplicada dependente do tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.7.4 Forças dependentes da velocidade: Forças de retardamento . . . . . . . . 46
2.8 Teoremas de conservação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
2.8.1 Conservação do momentum linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
2.8.2 Conservação do momentum angular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
2.8.3 Conservação da energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
2.8.4 Potência (P ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
2.8.5 Dependência Temporal da Energia Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . 68
2.8.6 Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

i
Prof. Salviano A. Leão ii

2.8.7 Equilı́brio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.9 Movimento de foguetes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
2.9.1 Movimento do foguete: força externa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
2.9.2 Movimento do foguete: sem força externa . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
2.9.3 Foguete em ascensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
2.10 Limitações da mecânica newtoniana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
2.11 Problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
2.12 Apêndice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
2.12.1 Expansões em séries de Taylor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
2.12.2 Funções Hiperbólicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
2.12.3 Funções trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

3 Oscilações 89
3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
3.2 Pequenas Oscilações: Lineares e Não-Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
3.2.1 Oscilações Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
3.2.2 Oscilações Não-Lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
3.2.3 Moléculas Diatômicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
3.3 Oscilador Harmônico Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
3.4 Estudo do Movimento Harmônico Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
3.4.1 Análise do Movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
3.4.2 Condições Iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
3.5 Oscilador Harmônico Simples: Solução por Conservação de Energia . . . . . . . 100
3.6 Oscilador Harmônico Simples e a Conservação de Energia . . . . . . . . . . . . . 101
3.7 Energias Médias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
3.8 Oscilador Harmônico e o Movimento Circular Uniforme . . . . . . . . . . . . . . 103
3.9 Pêndulo Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
3.10 Oscilador Vertical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
3.11 Osciladores Acoplados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
3.12 Determinação da freqüência Natural ω0 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
3.12.1 Método da Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
3.12.2 Método de Rayleigh: Massa Efetiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
3.13 Oscilações Harmônicas em duas Dimensões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
3.14 Diagramas de Fase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
3.15 Oscilações Amortecidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
3.15.1 Amortecimento Subcrı́tico (β < ω0 ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
3.15.2 Balanço de Energia: Fator de Qualidade Q . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
3.15.3 Amortecimento Crı́tico (β = ω0 ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
3.15.4 Amortecimento Supercrı́tico (β > ω0 ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Prof. Salviano A. Leão iii

3.16 Oscilações Forçadas Amortecidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129


3.17 Ressonância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
3.18 Impedância de Um Oscilador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
3.19 Princı́pio da superposição: séries de Fourier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
3.20 Elementos de um Circuito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
3.20.1 Resistor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
3.20.2 Capacitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
3.20.3 Indutor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
3.20.4 Gerador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
3.21 Oscilações Elétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
3.22 Analogia entre as Oscilações Mecânicas e Elétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
3.23 Problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
3.23.1 Circuitos LC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
3.23.2 Circuitos RLC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149

4 Gravitação 150
4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
4.2 Princı́pio da Superposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
4.3 Distribuições Contı́nuas de Massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
4.4 Centro de Gravidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
4.5 Campo Gravitacional g . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
4.6 Potencial Gravitacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
4.7 Lei de Gauss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
4.7.1 Ângulo Sólido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
4.7.2 Fluxo de Um Campo Vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
4.7.3 Lei de Gauss Para o Campo Gravitacional g . . . . . . . . . . . . . . . . 167
4.7.4 Aplicações da Lei de Gauss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
4.8 Forma Diferencial da Lei de Gauss: Equação de Poisson . . . . . . . . . . . . . . 170
4.9 Linhas de Força e Superfı́cies Eqüipotenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
4.10 Problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

5 Cálculo Variacional 176


5.1 A Natureza Geral dos Problemas de Extremos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
5.2 Formulação do Problema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
5.3 A equação de Euler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
5.4 A segunda forma da equação de Euler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
5.5 Funções com várias variáveis dependentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
5.6 Equações de Euler com condições de vı́nculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
5.7 A notação δ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
Prof. Salviano A. Leão iv

5.8 Problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186

6 Formulação Lagrangeana da Mecânica 187


6.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
6.2 Conceitos Fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
6.3 Coordenadas Generalizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
6.4 Graus de Liberdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
6.5 Espaço de Fase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
6.6 Espaço de Configurações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
6.7 Vı́nculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
6.8 Dificuldades Introduzidas Pelos Vı́nculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
6.8.1 Vı́nculos e as coordenadas generalizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
6.9 Princı́pios dos Trabalhos Virtuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
6.9.1 Deslocamento Virtual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
6.9.2 Vı́nculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
6.9.3 Trabalho Virtual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
6.10 Princı́pio de D’Alembert . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
6.11 Equações de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
6.11.1 Vı́nculos nas equações de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
6.11.2 Exemplos de Sistemas Sujeitos a Vı́nculos . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
6.12 Aplicações da Formulação Lagrangeana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
6.13 Energia Cinética em Coordenadas Generalizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
6.14 Momentum Generalizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
6.15 Potenciais Dependentes da Velocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
6.16 Forças Aplicadas e de Atrito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
6.17 Função de Dissipação de Rayleigh . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
6.18 Problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
6.18.1 Deduções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
6.18.2 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243

7 Princı́pio de Hamilton: Dinâmicas Lagrangeana e Hamiltoniana 249


7.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
7.2 Princı́pio de Hamilton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
7.3 Princı́pio de Hamilton a Partir do Princı́pio de D’Alembert . . . . . . . . . . . . 254
7.4 Equações de Lagrange a Partir do Princı́pio de Hamilton . . . . . . . . . . . . . 257
7.5 Princı́pio da Relatividade de Galileu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
7.6 A Lagrangeana de Uma Partı́cula Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
7.7 Lagrangeana de um Sistema de Partı́culas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263
7.8 Princı́pio de Hamilton: Vı́nculos Não-Holonômicos . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
Prof. Salviano A. Leão v

7.8.1 Método dos Multiplicadores de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267


7.8.2 Forças de Vı́nculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
7.9 Vantagens de Uma Formulação Por Um Princı́pio Variacional . . . . . . . . . . . 276

8 Leis de Conservação e Propriedades de Simetria 280


8.1 Momentum Generalizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
8.2 Coordenadas Cı́clicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282
8.3 Translações e Rotações Infinitesimais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285
8.3.1 Translação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 286
8.3.2 Rotação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 286
8.4 Teoremas de Conservação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287
8.4.1 Homogeneidade Espacial e Conservação do Momentum . . . . . . . . . . 287
8.5 Isotropia Espacial e Conservação do Momentum Angular . . . . . . . . . . . . . 288
8.6 Uniformidade Temporal e Conservação da Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
8.7 Invariância de Escala na Mecânica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 294
8.8 Teorema do Virial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295
8.9 Equações de Hamilton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296
8.10 Problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 298

9 Dinâmica Hamiltoniana 300


9.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300
9.2 Equações Canônicas de Hamilton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301
9.3 Equações de Hamilton a Partir do Princı́pio Variacional . . . . . . . . . . . . . . 303
9.4 Integrais de Movimento das Equações de Hamilton . . . . . . . . . . . . . . . . 305
9.5 Integrais de Movimento Associados com as Coordenadas Cı́clicas . . . . . . . . . 305
9.6 Transformações Canônicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306
9.7 Parênteses de Poisson . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 313
9.8 Propriedades Fundamentais dos Parênteses de Poisson . . . . . . . . . . . . . . . 314
9.9 Parênteses de Poisson Fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 314
9.10 Exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 314
9.11 Parênteses de Poisson e as Integrais de Movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . 315
9.12 Equação de Movimento na Forma dos Parênteses de Poisson . . . . . . . . . . . 317
Capı́tulo 1

Introdução

Definir o conceito de ciência não é uma pela teoria e a medida experimental serve como
tarefa simples, entretanto, considerar-se que um parâmetro para julgar se a teoria é correta
a ciência pode ser definida como um con- ou não e, se for o caso, em que ponto é ne-
junto de conhecimentos sistematicamente or- cessário introduzir correções ou modificações.
ganizado sobre um determinado objeto, adqui- Se a concordância numérica for boa, a proba-
ridos por meio de observações e experimentos bilidade da teoria estar correta é grande. Por
reprodutı́veis, criticamente testados, sistemati- outro lado, se a concordância for apenas quali-
zados e classificados segundo princı́pios gerais. tativa, fica difı́cil julgar a teoria. Além disso, se
Os critérios usados para definir uma área do existir mais de uma, a dificuldade de escolher
conhecimento como uma ciência, estabelecem entre as diferentes possibilidades seria grande,
um método cientı́fico. Neste contexto, a fı́sica entretanto, os fı́sicos, nestes casos tendem a es-
pode ser definida como a ciência que inves- colher a teoria mais simples. Fenômenos novos
tiga os fenômenos naturais, pois ela têm como também podem ser observados e quando estes
ponto de partida um conjunto de hipóteses que não podem ser explicados pelas teorias vigen-
surgem da observação dos fenômenos naturais, tes, é necessário uma nova teoria que englobe
e essas hipóteses, que representam uma idea- todos os experimentos realizados.
lização destes fenômenos, são as bases com que
as teorias fı́sicas são construı́das. Nessas teo- As grandezas fı́sicas que aparecem nas
rias, as leis envolvendo grandezas fı́sicas são equações matemáticas devem expressar quan-
expressas em termos de equações matemáticas tidades, as quais devem possuir significados
que descrevem e prevêem seus comportamen- numéricos precisos. Se uma dada grandeza
tos sob determinadas condições. As teorias da for definida, especificações de como determiná-
fı́sica não são completas e nem imutáveis, de la quantitativamente devem estar contidas na
fato, elas podem vir a ser modificadas. Com sua definição. Uma definição apenas qualita-
o desenvolvimento tecnológico medidas expe- tiva não é suficiente para ser usada como ali-
rimentais de determinadas grandezas podem cerce da construção de uma teoria cientı́fica.
ser efetuadas com uma maior precisão e novos Na prática, apesar de ser muito difı́cil cons-
experimentos podem ser realizados. A com- truir uma definição idealmente precisa, supõe-
paração numérica entre os resultados previstos se implicitamente que as grandezas envolvidas
estão precisamente definidas quando se escreve

1
Prof. Salviano A. Leão 2

uma equação matemática. Nesta situação, é de Siracusa (287?-212 a.C.) da antiga Grécia.
importante estar ciente em que ponto e em Depois da descoberta das leis da mecânica
que grau a construção de uma teoria é afe- por Galileu Galilei (1564-1642) e por Sir Isaac
tada pela falta de precisão nessas definições. Newton (1642-1727), a Fı́sica teve um desen-
Existem conceitos que são definidos em termos volvimento enorme nos últimos três séculos.
daqueles que já foram anteriormente definidos Após o surgimento da chamada Fı́sica Mo-
e são chamados conceitos derivados. Assim, derna no inı́cio do século XX, muitas das leis da
toda vez que um novo conceito derivado for mecânica sofreram modificações. Entretanto, a
definido, será suposto que os conceitos ante- Mecânica Clássica continua sendo uma ótima
riores, usados na nova definição, estão preci- teoria na maioria das aplicações que surgem no
samente definidos. Rastreando-se os concei- cotidiano terrestre. Ela leva a previsões corre-
tos anteriores, utilizados para definir os con- tas das grandezas que descrevem os fenômenos
ceitos derivados, fatalmente voltar-se-á até os fı́sicos, desde que não envolvam velocidades
conceitos básicos ou primitivos, os quais exis- próximas à da luz, massas enormes, distâncias
tem com uma certa falta de precisão. Geral- cosmológicas e dimensões atômicas.
mente esses conceitos primitivos são supostos A Mecânica Clássica, tem como objeto de es-
como conhecidos ”a priori”, seja pela vivência, tudo corpos em movimento ou em repouso e a
seja pela intuição. Muitos desses conceitos condições de movimento e repouso, dos mes-
(por exemplo, espaço, tempo, massa e carga no mos quando estes estão sob a influência de
caso da fı́sica) tornaram-se parte integrante da forças internas e externas. Ela não explica
nossa vida diária, o que aumenta o risco de se- porque os corpos se movem; ela simplesmente
rem considerados mais óbvios do que realmente mostra como o corpo irá se mover em uma
o são. De qualquer forma, a construção de dada situação e como descrever o seu movi-
uma teoria deve ser iniciada em algum ponto mento. Ela não se preocupa em explicar a ori-
mesmo que a precisão desejável não seja al- gem das forças, e sim, como os corpos irão se
cançada. Sempre que atingir um estágio mais movimentar sob a ação de tais forças. O es-
avançado, deve-se retornar às definições des- tudo da mecânica pode ser dividido em três
ses conceitos e aperfeiçoá-las. Assim, cada vez partes: Cinemática, Dinâmica e Estática. A
que houver uma compreensão melhor, aper- cinemática fornecem uma descrição puramente
feiçoa-se as definições dos conceitos primitivos. geométrica do movimento (ou trajetória) dos
Mesmo nesses conceitos primitivos, há necessi- objetos, desconsiderando as forças que o pro-
dade de incluir ao menos uma definição opera- duziram. Ela trata com os conceitos que se in-
cional para que a sua determinação quantita- terrelacionam: posição, velocidade, aceleração
tiva seja possı́vel. e tempo. A dinâmica se preocupa com as
Uma das teorias cientı́ficas mais antigas e forças que produzem as mudanças no movi-
mais conhecidas, nos moldes das chamadas mento ou mudança em outras propriedades
”ciências exatas”, é a Mecânica Clássica. As fı́sicas, tais como a forma e o tamanho do ob-
leis da alavanca e dos fluidos em equilı́brio jeto. Isto nos conduz aos conceitos de massa e
estático já eram conhecidos por Arquimedes força e as leis que governam o movimento dos
Prof. Salviano A. Leão 3

objetos. A estática, por sua vez, é um caso parar suas medidas de um dado evento ocor-
particular da dinâmica, a qual trata os corpos rido em um determinado ponto do espaço e
na condição de repouso, ou seja, na ausência em um instante especı́fico. Até hoje, nenhuma
de forças externas. evidência convincente de que se alcançou o li-
Embora a mecânica tenha seu inı́cio na an- mite de validade desta hipótese surgiu. Ou-
tiguidade, ela teve um grande avanço com tras duas hipóteses, também muito importan-
Aristóteles (384-322 a.C.) e depois ficou parali- tes, estabelecem que o comportamento dos ins-
sada por quase 20 séculos. Entretanto, a verda- trumentos de medida não é afetado pelos seus
deira ciência da Mecânica foi fundada por Ga- estados de movimento (desde que não estejam
lileu, Christiaan Huygens (1629-1695) e New- sendo rapidamente acelerados) e que, pelo me-
ton. Eles mostraram que os objetos se movem nos em princı́pio, os valores numéricos obtidos
de acordo com certas regras, e estas regras fo- para as grandezas fı́sicas poderão ser torna-
ram estabelecidas na forma de leis do movi- dos tão precisos quanto se queira. Estas duas
mento. A Mecânica Clássica ou Newtoniana é hipóteses falham no limite que envolvem altas
essencialmente o estudo das conseqüências das velocidades e medidas de grandezas de magni-
leis do movimento formuladas por Newton no tudes muito pequenas.
seu ”Philosophiae Naturalis Principia Mathe- A mecânica é a ciência que estuda as for-
matica”, publicado em 1686. mas mais simples de movimento da matéria,
Apesar das Leis de Newton em sua for- os deslocamentos dos objetos no espaço com o
mulação original, fornecerem uma aborda- decorrer do tempo. Como qualquer outra teo-
gem simples e direta para os problemas da ria fı́sica ela tem o seu domı́nio de aplicação,
Mecânica Clássica, existem algumas outras for- fora do qual ela deve ser substituı́da por ou-
mulações dos princı́pios da Mecânica Clássica. tra teoria mais geral que a contenta como caso
Entre eles, os dois mais usados são a for- especial. No caso de movimentos com veloci-
mulação Lagrangeana e a Hamiltoniana. Estas dade comparáveis com a da luz c, a teoria mais
duas formulações tem a energia e não a força geral será a mecânica relativı́stica; a mecânica
com o conceito fundamental, desta forma, as quântica é a teoria mais geral na descrição de
equações que se seguem, destas formulações, objetos em uma escala microscópica, tal como
são escalares e não vetoriais. átomos e moléculas. Para objetos cósmicos,
A Mecânica é o ramo da Fı́sica que estuda os de proporções metagalácticas, para as estrelas
movimentos dos corpos e suas causas. É, então, de nêutrons hiperdensas, os buracos negros, a
necessário uma boa compreensão dos conceitos mecânica newtoniana deve ser substituı́da pela
primitivos e de como as teorias são construı́das relatividade geral de Einstein. Na figura 1.1
com base neles. A hipótese mais fundamen- mostramos um esquema deste domı́nio. no eixo
tal na Mecânica Clássica é a de considerar o das abscissas colocamos a velocidade v do ob-
espaço e o tempo contı́nuos, o que significa que jeto, o no eixo das ordenadas a distância (di-
existem padrões universais de comprimento e mensão caracterı́stica do objeto) L, caracteri-
de tempo. Assim, observadores em diferentes zando o sistema material em movimento. O
lugares e em diferentes instantes podem com- domı́nio de aplicação da mecânica clássica para
Prof. Salviano A. Leão 4

as distâncias relativas entre diferentes pontos


do corpo durante o seu movimento permane-
cerem inalteradas, isto é, o corpo não é de-
formável. Corpos elásticos, lı́quidos ou gaso-
sos, são aqueles que o corpo é deformável e
ocupa uma região do espaço maior do que as
dimensões caracterı́sticas dos materiais que re-
gistram o movimento.

Figura 1.1: Limites da mecânica de acordo com 1.1 PADRÕES


a massa e a velocidade do objeto.
A fı́sica é baseada em medidas e aprende-
remos fı́sica apreendendo a medir as quanti-
um objeto de massa m é dada pela região 2 da dades que são envolvidas nas leis da fı́sica.
figura 1.1, à direita da hipérbole v · L = h/m Entre estas quantidades estão o comprimento,
e a esquerda da reta v = αc, onde α ¿ 1 e h tempo, massa, temperatura, corrente elétrica,
é a constante de Planck. A região 1, que fica etc. Para descrevermos uma quantidade fı́sica
a esquerda da hipérbole v · L = h/m e a es- primeiramente definimos uma unidade, isto é, a
querda da reta v = αc, representa o domı́nio medida da quantidade que é definida como exa-
de aplicação da mecânica quântica. A região tamente 1. Então definimos um padrão, isto
4, que fica a direita da reta v = αc e abaixo da é, uma referência para a qual todos os outros
hipérbole v · L = h/m, representa o domı́nio de exemplos são comparados. Por exemplo, a uni-
aplicação da mecânica quântica relativı́stica. dade de comprimento é o metro, como veremos
Já a região 3, , que fica a direita da reta v = αc mais adiante, ele é definido como a distância
e acima da hipérbole v · L = h/m, representa o que a luz percorre no vácuo durante uma certa
domı́nio de aplicação da mecânica relativı́stica, fração de segundo. Em princı́pio somos livres
ou Teoria Geral da Relatividade de Einstein. para escolhermos a unidade e o padrão, no en-
Assim, a mecânica teórica (analı́tica) será a tanto é importante que os cientistas no mundo
mecânica clássica, aplicável tanto para objetos concordem que a nossa definição é acessı́vel e
macroscópicos com v ¿ c, quanto para uma prática.
molécula, átomo ou partı́cula elementar desde Em mecânica inicialmente precisaremos de
que mvL ¿ h. Costuma-se representar de ma- algumas grandezas tais como: comprimento,
neira abstrata, os corpos de materiais estuda- tempo e massa. Como estes padrões não são
dos pela mecânica clássica sob a forma de pon- definidos em termos de quaisquer outros, eles
tos materiais se as dimensões forem pequenas devem ser escolhidos de modo a permitir sua
comparadas com as dimensões caracterı́sticas reprodução para comparação com grandezas a
dos sistemas em relação aos quais se registra o serem medidas. Os padrões devem ter as se-
movimento.Os corpos sólidos são aqueles que guintes caracterı́sticas:
Prof. Salviano A. Leão 5

1. deve ser imutável, as medidas feitas hoje são: segundo, quilograma e metro, respectiva-
devem ser as mesmas daqui a um século. mente. As definições para estas unidades são
as seguintes:
2. deve ser acessı́vel, de modo a poder ser re-
produzida em qualquer outro laboratório.
Tempo um segundo é 9.162.631.770 perı́odos
3. deve ser preciso atender a qualquer grau de uma certa vibração do átomo de Cs133 .
de precisão tecnológica.
Comprimento um metro é o comprimento do
4. deve ser universalmente aceito, de modo caminho percorrido pela luz no vácuo du-
que os resultados obtidos em diferentes rante 1
de segundo.
299.792.458
paı́ses sejam comparáveis.
Massa um quilograma é a massa de um cilin-
Na escolha de um padrão, por exemplo com-
dro particular (3, 9 cm de diâmetro × 3, 9
primento, precisamos ter procedimentos para
cm de altura) de platina-irı́dio guardado
que qualquer medida de comprimento possa
próximo de Paris.
ser expresso em termos deste padrão, desde o
raio do átomo de hidrogênio até a distância da Outras As demais unidades que aparecem
Terra a uma estrela. Fica claro que muitas de na mecânica são derivadas destas três,
nossas comparações serão indiretas. Não será por exemplo o watt, que é a unidade de
possı́vel utilizarmos uma régua para medir o potência,
raio do átomo de hidrogênio ou a distância até
a Lua. Existem muitas grandezas fı́sicas e é
um problema organizá-las, felizmente elas não
1 watt = 1 W = 1 kg · m2 /s3
são todas independentes. Por exemplo, a velo-
cidade é a razão entre comprimento e tempo.
Muitas vezes uma escolha acessı́vel não é 1.2 Tempo
prática, não sendo portanto uma boa escolha.
Por exemplo, podemos escolher o nosso pole- O tempo é um dos conceitos primitivos ado-
gar como um padrão de comprimento. Ele é tados para construir a teoria da Ciência Fı́sica
acessı́vel no entanto não é prático porque cada (Mecânica Clássica, em particular). Como tal,
pessoa tem um polegar diferente de forma que não é possı́vel definir precisamente o que é
qualquer comparação gere resultados diferen- o tempo, mas supõe-se que todos já ”o co-
tes. nhecem muito bem”. Como pode-se notar,
Em 1971, a 14a Conferência Geral de Pesos existe uma total falta de precisão para definir
e Medidas considerou sete quantidades básicas o tempo. Esta situação persiste mesmo que
para formar a base do Sistema Internacional se adote as definições qualitativas dadas nos
de Unidades, abreviado por SI e popularmente dicionários. Entretanto, o que realmente im-
conhecido como sistema métrico. Como já dis- porta aqui não é definir o que é o tempo com
semos, na mecânica as quantidades básicas são: precisão, mas como medı́-lo, isto é, definı́-lo
tempo, massa e comprimento, cujas unidades operacionalmente.
Prof. Salviano A. Leão 6

Uma maneira de medir o tempo é utilizar torno do Sol etc. Observações muito precisas
algum fenômeno que se repete com certa regu- mostraram concordância entre si desses outros
laridade dito periódico. A palavra ”relógio” fenômenos dentro de uma pequena margem de
pode ser adotada no sentido amplo, signifi- discrepâncias. A partir destas comparações,
cando tanto os fenômenos periódicos utiliza- detectou-se que o perı́odo da rotação da Terra
dos para a medida do tempo, como os instru- tem pequenas irregularidades da ordem de uma
mentos construı́dos para a mesma finalidade. parte em 108 . Então, o perı́odo de rotação da
O princı́pio de funcionamento de um ”relógio” Terra, o dia, é um bom ”relógio” para muitos
como instrumento é baseado nos fenômenos propósitos.
periódicos. Um dos primeiros ”relógios” que Com o passar do tempo, a necessidade de se
se conhece na história da Humanidade é o nas- medir intervalos de tempo de duração menor
cer do Sol. Este fenômeno repete-se indefinida- que a de um dia surgiu. Um dos mais anti-
mente e a duração entre dois eventos consecu- gos relógios, como instrumentos de medida de
tivos do nascer do Sol é denominado dia. Surge tempo, são os relógios de sol. Basicamente, a
uma questão importante neste ponto. Será que projeção da sombra de uma estaca sobre uma
a duração dos dias é sempre a mesma? Na re- escala graduada é o mecanismo de medida do
alidade, esta é uma questão importante para tempo nesses relógios. Com os relógios sola-
qualquer ”relógio”, não se restringindo apenas res, tornou-se possı́vel medir uma fração do
ao dia. Tudo que se pode fazer é comparar com dia com uma certa precisão. Entretanto, eles
outros ”relógios” para tentar responder a esta apresentavam o inconveniente de só funciona-
pergunta. Tais comparações e as análises das rem durante o dia e, dependendo da época
leis que governam os fenômenos repetitivos dão do ano, de marcarem horas que diferem um
subsı́dios para se decidir, não só esta questão, pouco. Os clepsidras (relógios de água) base-
como o grau de confiabilidade dos ”relógios”. ados no escoamento de água, através de um
Observe, no entanto, que não há maneira de orifı́cio muito pequeno no fundo de um reci-
provar que a duração dos perı́odos de qualquer piente para um outro com uma escala gra-
dos fenômenos repetitivos, onde se baseiam es- duada, já eram usados pelos antigos egı́pcios
ses ”relógios”, é realmente constante. Dessa e babilônios. Eles permitiam medir o tempo
forma, apenas pode-se afirmar que um tipo de correspondente à fração do dia com uma pre-
regularidade concorda com a de outro, ou não, cisão razoável. Havia a vantagem de funcionar
mediante comparações. Assim, do ponto de mesmo à noite. Com a descoberta do vidro, as
vista operacional, a definição do tempo está ampulhetas (relógios de areia) que se baseiam
baseada na repetição de algum tipo de evento num princı́pio análogo foram desenvolvidas.
que, aparentemente, é periódico. Em 1581, Galileu descobriu o isocronismo
O dia, acima citado, é devido à rotação das oscilações de um pêndulo, quando compa-
da Terra. Então, o perı́odo de rotação da rou as oscilações de um candelabro da Cate-
Terra pode ser comparado com, por exemplo, o dral de Pisa com o ritmo do seu pulso. Ele
perı́odo de revolução da Terra ao redor do Sol, observou que o perı́odo das oscilações perma-
o da Lua em torno da Terra, o do Mercúrio em necia o mesmo independentemente da sua am-
Prof. Salviano A. Leão 7

plitude. Logo ele aplicou essa descoberta e do tempo e referir-se a ela pelos seus múltiplos
construiu um relógio de pêndulo que permi- ou submúltiplos. Mas, se não se adotar um
tia medir pequenos intervalos de tempo. Até padrão, provavelmente terı́amos uma unidade
então, nenhum método preciso para tal me- diferente em cada região do globo terrestre. Fe-
dida era conhecido. Depois da descoberta lizmente, o perı́odo de rotação da Terra é co-
de Galileu, relógios de pêndulos começaram a mum para toda a humanidade. Na falta de
ser construı́dos. Estimulados pela necessidade, um padrão melhor, até 1956 adotava-se a uni-
relógios cada vez mais precisos foram desenvol- dade padrão do tempo como sendo o segundo
vidos. Ao mesmo tempo, medidas de interva- (s), definido como 1 s = 1/86.400 do dia so-
los de tempo cada vez mais curtos tornaram-se lar médio. O dia solar médio é a média sobre
possı́veis. O cronômetro marı́timo desenvol- um ano da duração do dia. Tendo em vista as
vido por Harrison em 1765 tinha uma precisão irregularidades da rotação da Terra, em 1956,
da ordem de uma parte em 105 . Esta pre- mudou-se a definição do segundo como sendo
cisão é comparável ao de um relógio elétrico 1 s = 1/31.556.925, 9747 da duração do ano
moderno. Uma parte em 108 é a precisão de tropical de 1900 (1 ano tropical é o intervalo
um relógio baseado em osciladores de quartzo. de tempo entre duas passagens consecutivas do
133
O Cs (césio 133) emite uma radiação ca- Sol pelo equinócio de primavera). Finalmente,
racterı́stica, cuja freqüência pode ser utilizada em 1967, foi definido o atual segundo como
para controlar oscilações eletromagnéticas na sendo 1 s = 9.192.631.770 perı́odos da radiação
região de micro-ondas. Um relógio baseado correspondente à transição caracterı́stica do
133
nesta freqüência como padrão, denominado Cs.
relógio atômico, atinge uma precisão de uma
parte em 1012 . Para se ter uma idéia, essa
precisão significa um desvio de 1 s em apro- 1.3 Espaço
ximadamente 30.000 anos. Apesar da precisão
do relógio atômico ser fantasticamente boa, o O espaço é, também, um dos conceitos pri-
movimento térmico dos átomos constituintes mitivos no qual apóia-se a Mecânica Clássica.
introduz uma incerteza razoável na medida de O conceito do espaço está intimamente relaci-
freqüência da sua radiação. Com o advento onado ao da medida de distância. É do conhe-
das técnicas de confinamento e resfriamento de cimento de todos que uma maneira de medir
átomos, esse movimento térmico pode ser re- uma distância é adotar uma unidade e medi-
duzido drasticamente e espera-se uma melhora ante comparação direta contar quantas unida-
de pelo menos um fator 1000. Isto quer dizer des correspondem essa distância. Essa unidade
que, pelo menos em princı́pio, atingiria uma pode ser um bastão, polegar, palma da mão, pé
precisão maior que uma parte em 1015 (um erro etc. De qualquer maneira, é necessário adotar
não maior que 1 s em cerca de 30 milhões de uma unidade padrão e referir-se às distâncias
anos). por meio dos múltiplos e submúltiplos dessa
Unidade Padrão do Tempo — É conveni- unidade, como foi feito com o tempo. Após a
ente que se defina uma unidade para a medida Revolução Francesa, adotou-se um padrão de-
Prof. Salviano A. Leão 8

nominado metro e este foi definido como sendo fração do metro, para ser utilizado na com-
a fração 1/40.000.000 da distância do Equa- paração. Entretanto, nem sempre é possı́vel
dor ao Pólo Norte, ao longo do meridiano de aplicar este procedimento. Por exemplo, se-
Paris. Foi introduzido para atender as neces- ria muito difı́cil, se não for impossı́vel, medir a
sidades da navegação e da cartografia daquela distância horizontal entre dois cumes de mon-
época. Um século depois, em 1889, foi intro- tanhas procedendo-se desta maneira. Como
duzido o metro padrão a fim de aumentar a um outro exemplo, poderia citar a medida de
precisão na medida da distância. Este último distância da Terra à Lua. Felizmente, sabe-
foi definido como a distância entre dois traços se pela experiência que a distância pode ser
numa barra de platina iridiada depositada sob medida pela triangulação. Neste caso, está
condições especificadas no Bureau Internacio- sendo usada uma outra definição de distância.
nal de Poids e Mesures de Sèvres, França. Em Porém, onde é possı́vel utilizar ambas as de-
1960, o metro foi redefinido como 1.650.763, 73 finições de distância, as medidas obtidas con-
comprimentos de onda no vácuo da radiação cordam com uma boa precisão. Uma vez que
86
caracterı́stica do Kr (criptônio 86). Esta de- um número muito grande de casos da aplicação
finição é muito mais precisa e satisfatória, e prática mostra que através da triangulação
está associada a um fenômeno fı́sico de ”fácil” obtém-se distâncias corretas, leva-se a acredi-
reprodução. Finalmente, em 1983, o padrão tar que este procedimento funcionará também
de comprimento foi substituı́do por um padrão para distâncias ainda maiores. Uma medida
de velocidade (foi escolhido uma constante uni- cuidadosa, realizada através de dois telescópios
versal que é a velocidade da luz no vácuo, cujo localizados em lugares diferentes na face da
valor exato é, por definição, c = 299.792.458 Terra, encontrou a distância da Terra à Lua
m/s), mantendo a unidade de tempo baseado como sendo 4 × 108 metros.
no relógio atômico acima. Isto fixa a definição
do metro em termos da definição do segundo
como sendo à distância percorrida pela luz em
1/c segundos. Note que nesta definição, o me-
tro é reajustado automaticamente cada vez que
a definição do segundo é melhorada. Entre- O método da triangulação está baseada na
tanto, na prática, as reproduções do metro geometria de Euclides. Assim, pode-se intro-
com alta precisão continuam sendo baseadas duzir o conceito do espaço como sendo o de Eu-
86
em comprimento de onda da radiação do Kr clides, mediante a concordância entre as duas
acima referido. definições de distância. Conforme as escalas
Agora que se tem a unidade padrão, o me- envolvidas, definições de distâncias diferentes
tro, a medida de distância pode ser efetu- das duas anteriores foram utilizadas. Ape-
ada por comparação com um bastão de 1 me- sar disso, todas as evidências mostram que
tro, como foi referido no inı́cio desta seção. o espaço de Euclides descreve extraordinari-
Se for uma distância menor do que 1 me- amente bem os fenômeno no domı́nio das di-
tro, pode-se construir um bastão menor, de mensões que vão desde 10−15 até 1026 metros.
Prof. Salviano A. Leão 9

1.4 Cinemática origem O no espaço e especificando-se suas co-


ordenadas retangulares x, y e z com relação a
O primeiro passo para estudar o movimento estes eixos, como ilustrado na Fig. 1.2. Um
de um corpo é descrevê-lo. A descrição do sistema como estes três eixos é denominado
movimento de um objeto real pode ser ex- sistema de coordenadas cartesianas ortogonais.
cessivamente complexa. Então, é imperativo Dadas as coordenadas em relação a um sistema
que se introduza uma idealização para que que localiza a posição de uma partı́cula, o que
possa representar uma situação real mediante se deseja em seguida é descrever a trajetória
simplificação de muitos aspectos, tornando as percorrida por esta partı́cula em movimento.
equações matemáticas mais simples e solúveis. Uma representação paramétrica, onde o tempo
Depois de obter uma descrição de um sistema é o parâmetro, é uma das maneiras de especi-
idealizado, correções podem ser introduzidas ficar esta trajetória. Assim, para descrever a
para que o resultado se aproxime melhor da si- trajetória do movimento de uma partı́cula, as
tuação real. Para descrevermos o movimento coordenadas cartesianas em função do tempo,
de um corpo de forma simples introduziremos
alguns conceitos básicos. x(t), y(t) e z(t) (1.1)

Um dos conceitos fundamentais da mecânica devem ser especificadas. As funções x(t), y(t) e
é o conceito de ponto material ou partı́cula. z(t) representam as coordenadas da posição da
Um ponto material ou partı́cula é um objeto partı́cula nos eixos cartesianos x, y e z em cada
cujas dimensões e estruturas internas são des- instante t do tempo. Escolhe-se um instante t
0
prezı́veis perto de outras dimensões envolvidas para o inı́cio da medida do tempo, geralmente
no problema. Por exemplo, a Terra pode ser adotado como zero. A posição de um ponto
considerada partı́cula na maioria dos proble- material no espaço x, y e z (sistema de coor-
mas de movimento planetário, mas certamente denadas cartesiano) em um dado instante de
não é possı́vel nos problemas terrestres. Da- tempo t é descrita pelas coordenadas x(t), y(t)
qui para frente ponto material e partı́cula serão e z(t) do ponto material, ou pelo raio vetor
utilizados como sinônimos, salvo menção em
contrário. O espaço é euclidiano, tridimen- r(t) = x(t)î + y(t)ĵ + z(t)k̂. (1.2)
sional, isotrópico e homogêneo, e é represen-
A linha espacial descrita pelas coordenadas do
tado por três coordenadas cartesianas, x, y e
ponto material, ou seja, dada na forma pa-
z em relação a um determinado sistema de re-
ramétrica x(t); y(t); z(t), chama-se trajetória
ferência. O sistema de referência está ligado
do ponto. O elemento de comprimento da tra-
a um objeto real, por exemplo uma estrela
jetória é:
imóvel ou um sólido, considerado como um
corpo referencial. A posição de uma partı́cula p
ds = dx2 + dy 2 + dz 2 . (1.3)
P pode ser descrita localizando-se um ponto
no espaço tridimensional, que por hipótese é De agora em diante usaremos a seguinte
euclidiano. Isto pode ser feito fixando-se três notação para derivadas temporais: a derivada
eixos mutuamente ortogonais a partir de uma em relação ao tempo será representada por um
Prof. Salviano A. Leão 10

Dá mesma maneira, pode-se definir as com-


ponentes cartesianas da aceleração ax , ay e az
num instante t são

 dvx d2 x

 ax = v̇ x = = ẍ = ,

 dt dt2


dvy d2 y
ay = v̇y = = ÿ = 2 , (1.6)

 dt dt


 2
 ax = v̇x = z = z̈ = z ,
 dv d
dt dt2
que representam1 as taxas de variação de
cada uma das componentes da velocidade em
função do tempo. Dependendo do problema
em questão, outros tipos de sistemas de co-
ordenadas tais como as coordenadas polares,
cilı́ndricas e as esféricas são mais convenien-
tes do que as cartesianas. Para movimentos
Figura 1.2: Coordenadas cartesianas ortogo- em duas e três dimensões torna-se conveni-
nais, especificando a posição de uma partı́cula ente trabalhar com os vetores para represen-
P em relação à origem O do sistema. tar posições, velocidades e acelerações. Neste
caso, o movimento é descrito por um vetor de
ponto sobre a letra, assim a derivada de x em posição r, onde a cauda (extremidade) é fixa
relação ao tempo pode ser escrita como na origem do sistema de referência adotado e
dx dẋ d2 x a ponta (a outra extremidade) deste vetor lo-
ẋ = ; ẍ = = 2. caliza a posição da partı́cula (Fig. 1.2). Se
dt dt dt
o sistema de coordenadas cartesianas for ado-
Supondo-se que o significado de x(t), y(t) e
tado, suas componentes são x, y e z. Assim, as
z(t) estão claros, pode-se então definir as com-
funções (1.1) são resumidas numa única função
ponentes cartesianas vx , vy e vz da velocidade
vetorial r(t) dada por (1.2). A velocidade ve-
num instante t são
 torial é definida, então como
 dx

 vx = ẋ = , dr

 dt v = ṙ = = ẋ(t)î + ẏ(t)ĵ + ż(t)k̂ (1.7)

dy dt
vy = ẏ = , (1.4)

 dt

 dz e a aceleração vetorial como

 vx = ż = ,
dt d2 r
a = r̈ = v̇ = = ẍ(t)î+ ÿ(t)ĵ+ z̈(t)k̂. (1.8)
que representam as taxas de variação de cada dt2
uma das coordenadas de posição em função do
1
tempo. O módulo da velocidade, é dado por A derivada com relação a t será denotada, também
por um ponto em cima de uma variável dependente
r
ds dx dy dz (notação de Newton), como é mostrada nas equações
v= = ( )2 + ( )2 + ( )2 (1.5) (1.4).
dt dt dt dt
Prof. Salviano A. Leão 11

Exemplo 1 Considere uma partı́cula


movendo-se em um plano. Usando as co-
ordenadas polares escreva os vetores posição,
velocidade e aceleração da partı́cula neste
sistema de coordenadas.
Solução:
Em coordenadas polares para, localizarmos
uma partı́cula em um plano, devemos fornecer
o módulo r do vetor que vai da origem até a
partı́cula, e o ângulo θ que este vetor forma
com o eixo x, conforme a mostramos na figura
1.4 abaixo.

Figura 1.3: Velocidade vetorial

Utilizando-se a definição da derivada de uma


função vetorial dada por

dr r(t + ∆t) − r(t)


v= = lim ,
dt ∆t→0 ∆t
pode-se ver que v(t) é tangente à trajetória da
partı́cula, como ilustrado na figura 1.3. Uma
vez que os vetores são independentes do tipo
de sistema de coordenadas adotado para des-
crevê-lo, é importante ressaltar também que a Figura 1.4: Vetor posição de uma partı́cula no
velocidade e a aceleração expressas como ve- plano. Aqui mostramos as coordenadas pola-
tores, como em (1.7) e (1.8), respectivamente, res.
são independentes do tipo de sistema de co-
O vetor posição em coordenadas cartesianas
ordenadas e a descrição do movimento pode

ser expressa de uma maneira compacta. No
r = r cos θî + r sen θĵ (1.9)
momento de descrever as componentes em al-
gum tipo especı́fico de sistemas de coordena- Os vetores unitários em coordenadas polares
das, deve-se lembrar que as componentes terão r̂ e θ̂ (ou er e eθ ) estão relacionados com os
expressões apropriadas para cada tipo de sis- vetores unitários î e ĵ em coordenadas cartesi-
tema de coordenadas. Num sistema cartesiano anas por
(
as componentes de (1.7) e de (1.8) serão dadas r̂ = cos θî + sen θĵ
(1.10)
pelas expressões (1.4) e (1.6), respectivamente. θ̂ = − sen θî + cos θĵ
Prof. Salviano A. Leão 12

as quais satisfazem as seguintes relações Exemplo 2 Considere uma partı́cula em um


movimento circular uniforme (ver figura 1.5),
dr̂ dθ̂
= θ̂ e = −r̂ (1.11) com um velocidade angular ω constante, cuja
dθ dθ
o vetor posição dado por
O vetor posição em coordenadas polares é
ˆ
r(t) = A cos(ωt)î + A sen(ωt)j.
r = r(t)r̂(θ). (1.12)
Determine os vetores velocidade e aceleração,
assim como suas componentes cartesianas.
Observe que os vetores unitários r̂ e θ̂ va-
riam com o tempo, e portanto a velocidade da
partı́cula é

dr dr̂
v = ṙ = = ṙr̂ + r
dt dt
dr̂ dθ
= ṙr̂ + r
dθ dt
logo,
v = ṙr̂ + rθ̇θ̂ (1.13)

Uma outra forma de obtermos a velocidade


é usarmos o deslocamento infinitesimal ds, o
qual é composto pelos deslocamentos infinitesi-
mais dr ao longo da direção r̂ e rdθ ao longo
da direção θ̂, ou seja,
Figura 1.5: Velocidade e aceleração vetoriais
ds = drr̂ + rdθθ̂ (1.14) num movimento circular.

logo, a velocidade é dada por Solução:


As componentes cartesianas do vetor posição
ds
v= = ṙr̂ + rθ̇θ̂ (1.15) são dadas por,
dt 
A aceleração em coordenadas polares é dada  x(t) = A cos(ωt),

y(t) = A sen(ωt),
por 

dv d d ³ ´ z(t) = 0.
a= = (ṙr̂) + rθ̇θ̂
dt dt dt Derivando-se o vetor posição, obtém-se a ve-
ou seja, locidade vetorial dada por
³ ´ ³ ´ dr(t) h i
a = r̈ − rθ̇2 r̂ + 2ṙθ̇ + rθ̈ θ̂ (1.16)
v(t) = = ωA − sen(ωt)î + cos(ωt)ĵ ,
dt
cujas as componente cartesianas são
Observe que o termo rθ̇2 é denominado ace- 
leração centrı́peta.  vx (t) = ẋ = −ωA sen(ωt),

vy (t) = ẏ = ωA cos(ωt),


vz (t) = ż = 0.
Prof. Salviano A. Leão 13

Por sua vez, a aceleração vetorial é obtida e também tem módulo constante dado por a =
derivando-se a velocidade vetorial e resulta em ω 2 A, como podemos de
dv(t) h i
a(t) = = −ω 2 A cos(ωt)î + sen(ωt)ĵ a2 = a · a = a2x + a2y + a2z
dt £ ¤2 £ ¤2
= −ω 2 r(t). = −ω 2 A cos(ωt) + −ω 2 A sen(ωt)
= ω 4 A2 .
Desta forma, as suas componentes cartesianas
são:

2 2
 ax (t) = ẍ(t) = −ω A cos(ωt) = −ω x(t),

Exemplo 3 Mostre que se T é um vetor
ay (t) = ÿ(t) = −ω 2 A sen(ωt) = −ω 2 y(t),

 unitário tangente a curva C e ds é um desloca-
az (t) = z̈(t) = 0.
mento infinitesimal ao longo da curva, então o
A trajetória deste movimento é uma circun- vetor dT é perpendicular a T.
ds
ferência de raio A no plano xy, pois, Solução:
dT
r 2 = r · r = x2 + y 2 + z 2 Para mostramos que o vetor ds
é perpendi-
cular a T, basta mostrarmos que o seu produto
= [A cos(ωt)]2 + [A sen(ωt)]2
escalar
= A2 . dT
T· = 0,
ds
O vetor velocidade é tangente à trajetória, por- é nulo.
tanto, Como T é um vetor unitário, temos que: T·
v · r = vx x + vy y + vz z T = 1. Então diferenciado ambos os lados em
relação a s obtém se que
= −ωA sen(ωt)A cos(ωt)+
dT dT dT
ωA cos(ωt)A sen(ωt) T· + · T = 2T · =0
ds ds ds
= 0.
ou como querı́amos mostrar que
A velocidade tem um módulo constante uma dT
T· = 0,
vez que ds
dT
v 2 = v · v = vx2 + vy2 + vz2 isto é, ds
é perpendicular a T. Se N é um
dT
vetor unitário na direção de , então temos
= [−ωA sen(ωt)]2 + [ωA cos(ωt)]2 ds
que
= ω 2 A2 . dT
= κN
ds
Finalmente, a aceleração é voltada para ori- em que N é chamado de vetor unitário princi-
gem (aceleração centrı́peta), portanto, ela deve pal normal a curva C. O escalar
ser perpendicular a velocidade, assim, ¯ ¯
¯ dT ¯
κ = ¯¯ ¯¯
v · a = vx ax + vy ay + vz az ds
£ ¤
= −ωA sen(ωt) −ω 2 A cos(ωt) + é chamado de curvatura enquanto R = 1/κ é
£ ¤
ωA cos(ωt) −ω 2 A sen(ωt) chamado de raio da curvatura.
= 0.
Prof. Salviano A. Leão 14

1.5 Problemas foi possı́vel descobrir uma partı́cula cujo


tempo de vida é 1024 s, tempo de uma
1. Não foi explicado, intencionalmente, o luz caminhar a distância da dimensão de
que é definição operacional no texto. um núcleo de hidrogênio. Discuta as pos-
Tente explicar de maneira mais precisa sibilidades e as dificuldades de trabalhar
possı́vel, de forma que não deixe margem com uma duração de tempo ainda menor.
às múltiplas interpretações. Será que faz algum sentido falar em tempo
numa escala tão pequena, se nem sequer
2. Imagine as possı́veis conseqüências se o
saber se é possı́vel medı́-lo, ou se consegui-
espaço ou o tempo, ou ambos, não forem
mos imaginar eventos acontecendo num
contı́nuos. Discuta.
tempo tão curto?
3. Se o comportamento dos instrumentos
de medida fosse afetado pelos seus esta- 7. Pesquise e discuta algumas técnicas
dos de movimento, discuta as possı́veis possı́veis para lidar com tempos longos
conseqüências nas medidas das grandezas (algo em torno da idade da Terra e, além
fı́sicas. disso).

4. Discuta as dificuldades de obter valo- 8. Se os Homens que habitam diferentes


res numéricos arbitrariamente precisos nas regiões do globo terrestre tivessem basea-
medidas das grandezas fı́sicas. Discuta as das as medidas do tempo em fenômeno di-
possı́veis limitações para isso. ferentes, poderiam existir diversos padrões
de medidas do tempo dependendo da
5. Discuta a afirmação do texto: ”o que re- região em que foram desenvolvidas. Dis-
almente importa aqui não é definir o que cuta as possı́veis conseqüências de não se
é tempo com precisão, mas como medı́-lo, ter um padrão único na medida do tempo.
isto é, definı́-lo operacionalmente”.
9. A medida de distância da Terra ao Sol
6. Uma técnica (definição) diferente de me- não é simples, devido à dificuldade de
dir o tempo é observar a distância entre focalizar-se num ponto determinado do
dois eventos de um objeto em movimento. Sol com precisão. Discuta uma maneira
Por exemplo, ao se ligar e desligar o farol de estender o método da triangulação,
de um automóvel em movimento, pode- ou mesmo uma alternativa de definir a
se saber a duração do tempo em que o distância para poder medı́-lo.
farol ficou ligado, sabendo-se à distância
percorrida durante o evento e a veloci- 10. Discuta as dificuldades do método de tri-
dade desse movimento. O tempo é dado angulação quando a distância torna-se
pela distância percorrida dividida pela ve- muito grande. Discuta as possibilidades
locidade. Com esta técnica foi determi- de melhorar a medida de distância re-
o
nado o tempo de vida do méson π como almente grande. Observe que a escala
sendo 1016 s. estendendo-se esta técnica, referida nesta questão envolve desde as
Prof. Salviano A. Leão 15

distâncias dos planetas do sistema solar rar o automóvel sem avançar pelo cru-
até as das galáxias longı́nquas. zamento, nem atravessá-lo antes do
semáforo mudar para o vermelho.
11. Pesquise e discuta as técnicas utiliza-
das para medir distâncias muito pequenas d) Mostre que, se v0 for maior que
(desde a escala do comprimento de onda a velocidade crı́tica determinada no
de luz visı́vel até algo menor que a di- item anterior, existe uma faixa de
mensão de um núcleo atômico). distância do cruzamento ao automóvel
no qual o motorista não conseguirá pa-
12. Quando um automóvel, movendo-se com rar o automóvel sem avançar pelo cru-
uma velocidade constante v0 , aproxima-se zamento, nem atravessá-lo antes do
de um um cruzamento, o semáforo torna- semáforo tornar-se vermelho.
se amarelo. o motorista pode parar o
automóvel sem avançar pelo cruzamento, 13. Um corpo está movendo-se sobre um linha
ou também pode tentar atravessá-lo antes reta. Sua aceleração é dada por a = −2x,
que o semáforo mude para o vermelho. onde x é medido em metros e a em m/s2 .
Ache a relação entre a velocidade e a
a) Se ∆t é o intervalo de tempo que
distância, dado que em x = 0, v = 4 m/s.
o semáforo permanece amarelo antes
de mudar para o vermelho, qual é a 14. A aceleração de um corpo, movendo-se so-
distância máxima do cruzamento ao bre uma linha reta é dada por a = −kv 2 ,
automóvel, de maneira que o moto- onde k é uma constante positiva. É dado
rista consiga atravessar o cruzamento que em t = 0, x(0) = x0 e v(0) = v0 .
antes do semáforo tornar-se vermelho, Ache a velocidade e a posição em função
mantendo a velocidade do automóvel do tempo. Ache também v em função de
constante em v0 ? x.
b) O tempo de reação do motorista para
15. a trajetória de uma partı́cula é dada
tomar a decisão e pisar no freio é
por x(t) = Ae−ht cos(kt + δ) e y(t) =
τ e a máxima desaceleração do au-
Ae−ht sen(kt + δ), onde A > 0, h > 0, k >
tomóvel devida à frenagem é a. No
0 e δ são constantes no movimento. De-
momento que o semáforo tornou-se
termine as equações da trajetória em co-
amarelo, qual é a menor distância do
ordenadas polares e encontre a trajetória
cruzamento ao automóvel de maneira
da partı́cula.
que o motorista consiga parar sem
avançar pelo cruzamento? 16. Uma abelha saı́ da colméia em uma tra-
c) determine a velocidade crı́tica vc , em jetória espiral, dada em coordenada pola-
termos de a, ∆t e τ , de maneira que res por r(t) = bekt e θ(t) = ct, onde b, k
as duas distâncias obtidas no itens e c são constantes positivas. Mostre que
12a e acima coincidem. Este é o li- o ângulo entre a velocidade e a aceleração
mite onde o motorista consegue pa- permanece constante quando ela se movi-
Prof. Salviano A. Leão 16

menta para frente. Sugestão: Determine


v·a
a razão va
.

17. Prove que v · a = v v̇ e, portanto, que para


uma partı́cula movendo-se com uma ve-
locidade v e aceleração a, elas serão per-
pendiculares entre si se a velocidade v for
constante. Sugestão: Diferencie ambos os
lados da equação v · v = v 2 com relação a
t. Note que v̇ não é o mesmo que |a|. Ela
é a magnitude da aceleração da partı́cula
ao longo da sua direção instantânea de
movimento.

18. Prove que


Figura 1.6: Coordenadas cilı́ndricas

d
[r · (v × a)] = r · (v × ȧ). taxa de variação no tempo dos versores
dt
unitários em coordenadas esféricas. (d)
19. (a) Prove que em coordenadas cilı́ndricas Escreva os vetores deslocamento infinite-
(ρ, θ, z) (ver figura 1.6) o vetor posição simal da posição ds, a velocidade v e a
r = ρρ̂ + z k̂ também pode ser escrito na aceleração s de uma partı́cula em coorde-
forma mista r = ρ cos φî + ρ sen φĵ + z k̂. nadas esféricas.
(b) Encontre a relação entre os versores
unitários em coordenadas cilı́ndricas o e
os versores unitários em coordenadas car-
tesianas. (c) Determine a taxa de variação
no tempo dos versores unitários em coor-
denadas cilı́ndricas. (d) Escreva os vetores
deslocamento infinitesimal da posição ds,
a velocidade v e a aceleração s de uma
partı́cula em coordenadas cilı́ndricas.

20. (a) Prove que em coordenadas esféricas


(r, θ, φ) (ver figura 1.7) o vetor posição
r = rr̂ também pode ser escrito na forma
mista r = r sen θ cos φî + r sen θ sen φĵ +
r cos θk̂. (b) Encontre a relação en-
Figura 1.7: Coordenadas esféricas
tre os versores unitários em coordenadas
esféricas o e os versores unitários em co-
ordenadas cartesianas. (c) Determine a 21. Mostre que a componente tangencial da
Prof. Salviano A. Leão 17

aceleração de uma partı́cula é dada pela prove que o raio da curvatura de sua tra-
expressão jetória é dado numericamente por
v3
R=
v·a |v × a|
at =
v
26. Um barco deixa o ponto P (ver figura
e que por sua vez a componente normal é 1.8) de um lado do rio e anda com uma
dada por velocidade V de módulo constante sem-
pre direcionada ao ponto Q do outro lado
r do rio diretamente oposto ao ponto P
p (v · a)2
an = a2 − a2t = a2 − cuja distância entre eles é D. Se r for
v2
a distância instantânea de Q ao barco, θ
22. Considere uma curva C no espaço cujo ve- é o ângulo entre r e o segmento de reta
tor posição é dado por P Q e o rio tem uma correnteza com uma
velocidade constante v. (a) Prove que a
r = 3 cos(2t)î + 3 sen(2t)ĵ + (8t − 4)k̂ trajetória do barco é dada por
D sec θ
(a) Determine o vetor unitário tangente r=
(sec θ + tg θ)V /v
a curva T. (b) Se r é o vetor posição de
uma partı́cula movendo-se sobre C no ins-
tante t, verifique neste caso que v = vT.
Determine (c) a curvatura, (d) o raio da
curvatura e (e) o vetor unitário principal
normal N em um ponto qualquer da curva.

23. Mostre que a aceleração a de uma


partı́cula a qual viaja ao longo de uma
curva espacial com uma velocidade v =
vT é dada por

dv v2
a= T+ N
dt R
onde T é o vetor unitário tangente a curva Figura 1.8: Movimento de um barco em um
espacial, N é o vetor unitário principal rio.
normal e R é o raio da curvatura.
(b) Análise a distância r do barco ao seu
24. Prove as seguintes identidades vetoriais: destino, para θ = π/2, nos seguintes casos:
(a) A·(B×C) = C·(A×B) = B·(C×A) i) (V /v) > 1, ii) (V /v) = 1 e iii) (V /v) <
(b) A × (B × C) = B(A · C) − C(A · B) 1.

27. Se v = V no problema anterior, prove que


25. Se uma partı́cula tem velocidade v e ace-
a trajetória é um arco de parábola.
leração a ao longo de uma curva espacial,
Prof. Salviano A. Leão 18

Figura 1.9: Escalas com a ordem de grandeza, das medidas de massa, comprimento e tempo.
Referências Bibliográficas

[1] Marcelo Alonso and Edward J. Finn. [11] Tai L. Chow. Classical Mechanics. John
Fı́sica um curso universitário: Mecânica, Willey & Sons, Inc., 1995.
volume I. Editora Edgard Blücher, 1972.
[12] Atam P. Arya. Introduction to Classical
[2] H. Moysés Nussenzveig. Fı́sica Básica: Mechanics. Allyn and Bacon, 1990.
Mecânica, volume 1. Editora Edgard
[13] Herbert Goldstein. Classical Mechanics.
Blücher, terceira edition, 1996.
Addison-Wesley. Addison-Wesley, third
[3] Paul A. Tipler. Fı́sica Para Cientistas e edition, 2002.
Engenheiros, volume 1. LTC, quarta edi-
tion, 2000. Mecânica, Oscilções e Ondas. [14] Lev Davı́dovitch Landau and E. M.
Lifshitz. Mecânica, volume 1 of Fı́sica
[4] Frederick j. Keller, W. Edward Gettys, Teórica. Editora Mir, 1978.
and Malcolm J. Skove. Fı́sica, volume 1.
Makron Books do Brasil, 1999. [15] Kazunori Watari. Mecânica Clássica. Edi-
tora Livraria da Fı́sica, 2003.
[5] Kazunori Watari. Mecânica Clássica. Edi-
tora Livraria da Fı́sica, 2001.

[6] Jens M. Knudsen and Poul G. Hjorth. Ele-


ments of Newtonian Mechanics. Springer,
third edition, 2000.

[7] Grant R. Fowles and George L. Casiday.


Analitycal Mechanics. Saunders College
Publishing, sixth edition, 1999.

[8] Jerry B. Marion and Stephen T. Thorn-


ton. Classical Dynamics of Particles and
Systems. Saunders College Publishing,
fourth edition, 1995.

[9] Murray R. Spiegel. Theory and Problems


of Theoretical Mechanics. Schaum’s Ou-
tline Series. McGraw-Hill Book Company,
si metric edition edition, 1980.

[10] Keith R. Symon. Mecânica. Editora Cam-


pus LTDA, terceira edition, 1982.

19
Capı́tulo 2

Mecânica Newtoniana

2.1 Introdução 2.2 Dinâmica: massa e


força

A experiência leva à crença de que os movi-


O objetivo da mecânica é fornecer uma des-
mentos de corpos fı́sicos são controlados pe-
crição consistente dos movimentos dos cor-
las interações existentes entre eles e suas vi-
pos materiais. Para este propósito são ne-
zinhanças. Observando-se o comportamento
cessários alguns conceitos fundamentais, como
de projéteis e de objetos que deslizam sobre
distância, tempo e massa, além de um conjunto
uma superfı́cie lisa e bem lubrificada, tem-se
de leis fı́sicas que descrevam matematicamente
a idéia de que as variações de velocidade do
estes movimentos.
corpo são produzidas por sua interação com a
Em geral as leis fı́sicas devem ser baseadas vizinhança. A velocidade de um corpo isolado
em fatos experimentais. Um conjunto de ex- de qualquer interação é constante, logo, na for-
perimentos correlacionados dá origem a um ou mulação das leis da Dinâmica, deve-se focalizar
mais postulados. A partir destes postulados a atenção nas acelerações.
várias previsões podem ser formuladas e inves- Imaginem-se dois corpos interagindo entre si
tigadas experimentalmente. Se todas as pre- e isolados da vizinhança. Como analogia gros-
visões forem confirmadas experimentalmente, seira desta situação, imagine duas crianças,
os postulados assumem o status de lei fı́sica. não necessariamente do mesmo tamanho, brin-
Se alguma previsão discordar do experimento cando de cabo-de-guerra com uma vara rı́gida
a teoria deve ser modificada. sobre gelo liso. Embora nenhum dos dois cor-
pos possa ser realmente isolado completamente
Iniciaremos este capı́tulo discutindo os con- das interações com os outros corpos, esta é a
ceitos de força e massa, e em seguida enunciare- situação mais simples para se pensar a respeito
mos as leis fundamentais da mecânica: as Leis e elaborar um modelo matemático simples que
de Newton. Posteriormente, discutiremos seus descreva a mesma. Experiências cuidadosas re-
significados e obteremos as implicações destas alizadas com corpos reais levam a conclusões
leis em várias situações fı́sicas. Nos concentra- idênticas às que seriam obtidas caso se pudesse
remos no movimento de uma única partı́cula, conseguir o isolamento ideal dos dois corpos.
não abordando neste momento o caso de um Deve-se observar que dois corpos estão sempre
de sistemas de partı́culas. acelerados em direções opostas, e que a razão

20
Prof. Salviano A. Leão 21

de suas acelerações é constante para qualquer dois corpos deve satisfazer algumas condições.
par particular de corpos, não importando a Considerando-se a massa definida pela eq.
força com que eles possam puxar ou empur- (2.4) como sendo a medida daquilo que se
rar um ao outro. Medindo-se as coordenadas chama vagamente de quantidade de matéria
x1 e x2 dos dois corpos, ao longo da linha de em um corpo, então a massa do corpo deve
suas acelerações, obtém-se o seguinte resultado ser a soma das massas de suas partes, e este
ẍ1 é o caso dentro de um elevado grau de pre-
= −k12 , (2.1) cisão. Não é essencial, para terem utilidade em
ẍ2
teorias cientı́ficas, que os conceitos da Fı́sica,
onde k12 é uma constante positiva carac-
para os quais são apresentadas definições pre-
terı́stica dos dois corpos em questão. O sinal
cisas, correspondam aproximadamente a qual-
negativo expressa o fato de que as acelerações
quer idéia pré-estabelecida. Entretanto, a mai-
são em sentidos opostos. Do resultado acima,
oria desses conceitos originou-se mais ou menos
temos
ẍ2 de idéias comuns, e massa é um bom exemplo.
= −k21 , (2.2)
ẍ1 Ao se estudar a Teoria da Relatividade, ver-se
logo podemos concluir das eqs. (2.1) e (2.2) que o conceito de massa é um pouco modifi-
que cado, e que não é exatamente verdade que a
1 massa de um corpo seja a soma das massas de
k12 = . (2.3)
k21 suas partes.
Em adição ao que foi dito, em geral, quanto Um requisito certamente essencial é que o
maior ou mais pesado ou mais massivo for o conceito de massa seja independente do corpo
corpo, menor será a sua aceleração. Na rea- particular que foi escolhido como tendo massa
lidade, a razão k12 é proporcional à razão do unitária, o que significa que a razão de duas
peso do corpo 2 pelo peso do corpo 1. A ace- massas será a mesma, não importando a uni-
leração de dois corpos que interagem é inver- dade de massa escolhida. Será verdade por
samente proporcional a seus pesos. Este re- causa da seguinte relação, obtida experimen-
sultado, portanto, sugere a possibilidade de talmente, entre a razão dos módulos de ace-
uma definição da Dinâmica, a da massa do lerações mútuas definidas pela eq. (2.1) de três
corpo, em termos de suas acelerações mútuas. corpos quaisquer:
Escolhendo-se um corpo-padrão como unidade
de massa, a massa de qualquer outro corpo é k12 k23 k31 = 1. (2.5)
definida como a razão entre a aceleração do es- Suponha que o corpo 1 seja a massa unitária.
colhido como sendo o padrão da unidade de Então, se os corpos 2 e 3 interagirem encontrar-
massa e a aceleração do outro corpo, quando se-á, usando as eqs. (2.1), (2.5) e (2.4):
os dois estão interagindo:
ẍ2
= −k23
ẍ1 ẍ3
mi = k1i = − , (2.4)
ẍi 1
=−
k12 k31
onde mi , é a massa do corpo i e o corpo 1 é o k13
padrão de unidade de massa. =−
k12
Para que a eq. (2.4) se torne uma de- m3
=− . (2.6)
finição útil, a razão k12 das acelerações dos m2
Prof. Salviano A. Leão 22

O resultado final não contém referência 2.3 Leis de Newton


explı́cita ao corpo 1, que foi considerado ser
a massa unitária padrão. Logo, a razão das Um dos grandes marcos da história da ciência,
massas de dois corpos quaisquer é o inverso senão o maior, ocorreu quando Sir Isaac New-
negativo da razão de suas acelerações mútuas, ton (1642-1727), publicou em 1687 o seu livro
independente da unidade de massa escolhida. Philosophiae Naturalis Principia Mathematica
com o financiamento e incentivo do astrônomo
Pela eq. (2.4), tem-se, para dois corpos que
inglês Edmond Halley (1656-1742). Em seu li-
interagem,
vro Newton enunciou as três leis que descrevem
m2 ẍ2 = −m1 ẍ1 . (2.7) o movimento dos corpos materiais, entretanto,
não sem antes definir a massa como sendo a
Este resultado sugere que a grandeza (massa quantidade de matéria de um corpo, e o seu
× aceleração) será importante. Esta grandeza momentum linear como p = mv. Além disso,
é chamada a força aplicada sobre um corpo. ele teve o cuidado de definir o tempo e espaço,
A aceleração de um corpo no espaço tem três como:
componentes; as três componentes da força
aplicada sobre o corpo são • O tempo absoluto, verdadeiro, e ma-
temático, de si próprio, e de sua própria
Fx = mẍ, Fy = mÿ, Fz = mz̈. (2.8) natureza flui igualmente sem consideração
por nada externo, e por um outro nome
é chamado de duração: o tempo relativo,
Estas forças podem ser de várias espécies:
aparente, e comum, é uma medida con-
elétrica, magnética, gravitacional, etc. As
creta e externa (seja acurada ou desigual)
forças que atuam sobre um determinado corpo
da duração por meio de movimento, que é
dependem do comportamento de outros cor-
comumente usado ao invés do tempo ver-
pos. Em geral, forças devido a várias ori-
dadeiro; como por exemplo uma hora, um
gens agem sobre um dado corpo, sendo possı́vel
mês, um ano.
mostrar que a força total dada pelas eqs. (2.8)
é um vetor soma das que podem estar presen- • O espaço absoluto, por sua própria natu-
tes, caso cada origem seja considerada separa- reza, sem consideração por nada externo,
damente. permanece sempre igual e imóvel. O
A teoria do Eletromagnetismo preocupa-se espaço relativo é qualquer dimensão móvel
com o problema de determinação de forças ou medida dos espaços absolutos; que nos-
elétricas e magnéticas exercidas por cargas e sos sentidos determinam pela sua posição
correntes elétricas uma sobre as outras. A te- relativa aos corpos; e que é vulgarmente
oria da gravitação, com o problema da deter- tomado como o espaço imóvel; tal é a di-
minação de forças gravitacionais exercidas pe- mensão de um espaço subterrâneo, aéreo
las massas uma sobre as outras. O problema ou celestial, determinado pela sua posição
fundamental da Mecânica é determinar o mo- em relação à Terra. Os espaços absoluto
vimento de qualquer sistema mecânico, caso se e relativo são os mesmos em número e
conheçam as forças que atuam sobre os corpos magnitude; mas não permanecem sempre
que constituem o sistema. iguais numericamente. Pois se a Terra,
Prof. Salviano A. Leão 23

por exemplo, move um espaço do nosso Pitágoras é válido e a menor distância


ar, que em relação à Terra sempre per- entre dois pontos é uma linha reta.
manece o mesmo, será em um momento
Uma vez, feitas as colocações acima Newton
uma parte do espaço absoluto por onde o
então enunciou as suas três Leis que descre-
ar corre; em outro momento será uma ou-
vem os movimentos dos corpos materiais da
tra parte do mesmo, e assim, em termos
seguinte forma:
absolutos, será perpetuamente imutável.
I) Um corpo permanece em repouso ou em
Na mecânica Newtoniana, usamos intrinse- movimento retilı́neo uniforme a não ser
camente as seguintes hipóteses: que alguma força atue sobre ele.

i) O tempo é absoluto, homogêneo e II) Um corpo sob a ação de uma força move-
isotrópico. Newton ao dizer que o tempo se de tal forma que a taxa de variação do
é absoluto, significa que há uma inde- seu momentum linear com o tempo é igual
pendência entre o observador e o ob- à força aplicada.
jeto observado ou fenômeno observado.
III) Se dois corpos exercem forças, um sobre o
Já quando Newton diz que o tempo flui
outro, estas forças são iguais em módulo e
igualmente sem consideração por nada
direção e possuem sentidos opostos.
externo ele está afirmando que ele é ho-
mogêneo. A questão da isotropia do Existem duas formas diferentes de interpre-
tempo, isto é, a questão da reversibilidade tar o conjunto das três Leis de Newton. Na pri-
temporal, só passou a ter significado com meira forma podemos interpretar a Primeira e
o advento da mecânica quântica. As leis a Segunda Lei de Newton apenas como uma de-
de movimento da mecânica clássica são finição de força, estando toda a fı́sica contida
invariantes sob uma inversão temporal. na terceira Lei. Desenvolveremos este ponto
de vista a seguir. Como foi enunciada, a pri-
ii) O espaço é absoluto, homogêneo,
meira Lei de Newton não tem nenhum signifi-
isotrópico e euclidiano. Quando Newton
cado sem o conceito de força. Ela diz que se
diz que o espaço é absoluto, por sua
não houver força atuando sobre o corpo, sua
própria natureza, sem consideração por
aceleração é nula. Mas como saber se há ou
nada externo, ele está exprimindo o seu
não força atuando sobre o corpo? Evidente-
caráter absoluto enquanto ao afirmar que
mente, não poderı́amos usar o enunciado da
ele permanece sempre igual e imóvel ele
Primeira Lei para dizer que se o corpo perma-
está dizendo que o espaço é homogêneo.
necer em repouso ou em movimento retilı́neo
Apesar de não ter sido sido colocada
uniforme então não há força atuando sobre ele.
de forma explicita por Newton, a idéia
Se assim fizéssemos, estarı́amos andando em
de que todas as direções são equiva-
cı́rculo. Na verdade, a Primeira Lei sozinha
lentes no espaço, o espaço é isotrópico,
nos dá apenas uma noção qualitativa de força.
está implı́cita na mecânica clássica.
Já com relação à Segunda Lei, se definirmos o
Por último, a métrica que usamos na
momentum linear como
mecânica clássica é a euclidiana, ou
seja, na mecânica clássica, o teorema de p ≡ mv (2.9)
Prof. Salviano A. Leão 24

e ela pode ser escrita como Na definição do momentum linear, eq. (2.9),
dp d m é a massa inercial do corpo, v é a sua ve-
F= = (mv) (2.10)
dt dt locidade e p é o seu momentum linear. Mate-
Esta equação só tem significado completo com maticamente a lei da inércia pode ser expressa
a definição de massa. Se aceitarmos que massa, como
assim como comprimento e tempo, são concei-
tos primitivos, a Segunda Lei de Newton pode Sem força externa ⇒ p = Vetor constante.
ser vista como a definição operacional de força.
De acordo com este raciocı́nio, somente a Ter- Deste modo, a lei da inércia, coincide com a
ceira Lei de Newton seria de fato uma lei. lei da conservação do momentum linear para
Um outro ponto de vista diferente considera uma partı́cula.
que as três Leis de Newton são realmente leis Não é simples a compreensão do conteúdo
no sentido em que seus enunciados implicam fı́sico da lei da inércia, pois nas nossas ex-
em fenômenos fı́sicos que podem e devem ser periências cotidianas não lidamos com obje-
questionados experimentalmente. Vamos ana- tos que não estejam submetidos a alguma in-
lisar cada uma delas individualmente. fluência externa. Poderı́amos imaginar um lo-
cal onde pudéssemos colocar um objeto e ele
não sentisse nenhuma força externa, este local
2.3.1 Primeira Lei de Newton
deveria ser o espaço vazio.
Qual o significado da primeira lei de Newton? Note que esta lei não é obedecida em qual-
A essência do seu conteúdo é o princı́pio da quer tipo de referencial. Por exemplo, uma
inércia de Galileu. Newton, provavelmente, partı́cula que está em repouso para um ob-
herdou de Galileu a idéia de que o repouso ou servador em um referencial, pode estar exe-
o movimento retilı́neo uniforme é o estado na- cutando um movimento circular para um ob-
tural de qualquer partı́cula. servador em um referencial que está girando
A Primeira lei, coloca o estado de repouso com relação ao primeiro. Somente em referen-
e o movimento retilı́neo uniforme na mesma ciais muito especiais será observada a situação
condição, já que nenhuma força externa é ne- expressa na primeira lei, isto é, o estado de
cessária para manter o movimento retilı́neo repouso ou de movimento retilı́neo uniforme
uniforme. O estado de movimento irá conti- para uma partı́cula isolada. Os referenciais nos
nuar inalterado devido a uma propriedade da quais ela é obedecida são referenciais inerciais.
matéria que é chamada de inércia. Então, a primeira lei está praticamente defi-
Newton tornou esta lei precisa ao introdu- nindo referenciais inerciais, onde as proprieda-
zir as definições dos conceitos de momentum e des do espaço e do tempo e as leis da mecânica
massa. Momentum é o produto da velocidade são as mesmas. Observe que a força é usada
de um corpo pela quantidade de matéria con- como um conceito primitivo para poder enun-
tida pelo corpo. A quantidade de matéria con- ciar a primeira lei, ou seja, ela não tem sig-
tida por um corpo é chamada de massa inercial nificado algum sem o conceito de força. Con-
do corpo, e é a medida de sua inércia. Então a tudo, a primeira lei fornece somente o signifi-
massa inercial, é a medida daquela propriedade cado preciso para uma força nula. Em outras
de um objeto, que faz com que o objeto resista palavras, num referencial inercial, a ausência
a uma mudança do seu estado de movimento. de força pode ser detectada observando se uma
Prof. Salviano A. Leão 25

partı́cula isolada permanece em repouso ou em aceleração a a qual é diretamente proporcional


movimento retilı́neo uniforme. Em relação à aquela força, e a constante de proporcionali-
força não nula, a primeira lei fornece apenas dade |F|/|a| é a massa inercial m do corpo.
uma noção qualitativa a seu respeito. Todo o conceito de força foi submetido a lon-
gos debates desde que ele foi enunciado por
2.3.2 Segunda Lei de Newton Newton. Deve-se salientar que: a segunda
lei de Newton na forma das eqs. (2.10) e
É a segunda lei de Newton que fornece um sig- (2.11) não devem ser consideradas como uma
nificado mais fı́sico do que vem a ser a força. definição para o conceito de força. Uma carac-
A descoberta de Newton não foi de que a força terı́stica essencial da segunda lei de Newton é
é massa vezes aceleração, pois, isso é mera- que a força atuando sobre um corpo é fornecida
mente definição operacional de uma força atu- por uma outra lei de força aparte de (2.10) ou
ando numa partı́cula. Newton sabia da ob- (2.11). Como exemplo dessas leis de força te-
servação experimental que força, massa e ace- mos, a lei gravitação universal para partı́culas
leração estavam intimamente relacionadas. De massivas, a lei de Coulomb para partı́culas car-
suas observações ele constatou que a aceleração regadas, a lei de Hooke, etc. A equação (2.10)
adquirida por uma partı́cula era inversamente associada a essas leis de forças, torna a segunda
proporcional à sua massa quando se aplica uma lei de Newton uma ferramenta poderosa, ca-
força de intensidade fixa. Por outro lado, se a paz de descrever e prever o movimento de uma
massa fosse mantida fixa, a aceleração era di- partı́cula isolada sujeita a uma força resultante
retamente proporcional à intensidade da força F, em relação a um referencial inercial.
aplicada. Assim, era mais simples associar a
A equação diferencial de segunda ordem que
força à variação da quantidade de movimento.
resulta quando alguma lei de força é forne-
Se a segunda lei de Newton fosse meramente
cida para a segunda lei de Newton é chamada
uma definição de força, ela seria desprovida de
de equações de movimento para o corpo ou
qualquer conteúdo fı́sico.
partı́cula.
A segunda lei de Newton pode ser expressa
Uma outra propriedade importante do con-
matematicamente pela eq. (2.10), onde F é
ceito de força atuando sobre um objeto é que a
a força aplicada. Se assumirmos que a massa
força tem sua origem em um outro corpo ma-
inercial do corpo é constante, a segunda lei de
terial.
Newton, pode ser expressa por
Portanto, Newton introduziu o conceito de
ma = F, (2.11) força mecânica como a causa da aceleração
de um corpo. Esta descrição causal do movi-
onde a ≡ dv/dt ≡ v̇ é a aceleração do corpo. mento de um corpo constitue o que chamamos
Em um dado sistema de eixos cartesianos de dinâmica.
(ortogonais), a segunda lei de Newton pode ser
Deve-se ressaltar aqui que, ao contrário do
escrita em termos de suas componentes como
que muitos autores afirmam, a segunda lei de
Fx = mẍ, Fy = mÿ, Fz = mz̈. Newton não contém a primeira. A primeira lei
é necessária para definir um referencial inercial,
Na forma da eq. (2.11) a segunda lei de New- onde a segunda lei é válida. Ou seja, a segunda
ton diz que uma força aplicada F causa uma lei só vale num referencial inercial definido pela
Prof. Salviano A. Leão 26

primeira lei. forças são iguais em magnitude o sistema per-


manece em repouso.
Observe que a ação e a reação são sempre
2.3.3 Terceira Lei de Newton
aplicadas a corpos diferentes. Um outro as-
Esta lei é quase evidente quando consideramos pecto importante da Terceira Lei de Newton
as forças de contato em equilı́brio. O fato da é que ela não é uma lei de natureza geral.
lei da ação e reação se manter para a ação Ela é válida sempre que a força não depen-
a distância é demonstrado por exemplo pela der da velocidade das partı́culas, como no caso
existência das marés: a Terra mantém a Lua das forças gravitacional e eletrostática. Estas
em órbita com um campo gravitacional, mas a forças atuam ao longo da linha que une os cor-
Lua atua sobre a terra com uma força a qual pos e por isso são chamadas forças centrais (na
(entre outras coisas) é a causa do fenômeno das verdade, quando a velocidade é muito grande
marés alta e baixa nos oceanos. Se a terceira mesmo a força gravitacional depende da velo-
cidade mas em geral este efeito é pequeno e
difı́cil de ser detectado). Um caso em que a
Terceira Lei de Newton não vale é o das forças
entre cargas elétricas em movimento (forças
magnéticas).
Muitas vezes as forças elásticas entre obje-
tos, como a força que uma mola exerce sobre
um bloco, são manifestações macroscópicas da
força eletrostática (são as forças eletrostáticas
entre os átomos da mola que dão origem à
Figura 2.1: Ilustração da terceira lei de New- força elástica). Por conseguinte, estas forças
ton. Sobre um bloco de madeira é fixado um também obedecem à Terceira Lei de Newton.
ı́mã e um pedaço de ferro, e este conjunto é Como um exemplo de um situação onde a
colocado sobre uma superfı́cie de gelo (sem terceira lei de Newton não é válida, considere
atrito). duas partı́culas de cargas q1 e q2 se movendo
com velocidades v1 e v2 respectivamente. Uma
carga em movimento com uma velocidade v,
lei de Newton não fosse mantida, poderı́amos
gera um campo magnético B em um ponto r
construir sistemas que iriam perpetuar o au-
do espaço, de acordo com a expressão abaixo
mento de sua velocidade através da ação das
forças internas. Newton testou a lei para uma 1
B(r) = v × E(r),
configuração especial de objetos. Sobre um c2
bloco de madeira é fixado um ı́mã e um pedaço onde E(r) é o campo elétrico que a carga gera
de ferro, e este conjunto é colocado sobre uma no ponto r. Na figura 2.1 abaixo ilustramos
superfı́cie de gelo (sem atrito) conforme mos- esta situação.
tra a Fig. 2.1 acima. O ı́mã atua sobre o ferro A força magnética F12 da carga q2 sobre a
com uma força direcionada para a esquerda, carga q1 é dada por,
enquanto o ferro atua sobre o ı́mã com uma
força direcionada para a direita. Como as duas F12 = q1 v1 × B2 (r)
Prof. Salviano A. Leão 27

Figura 2.3: Interação entre as partı́culas de


massa mi e mj .

Supondo a massa inercial constante,


Figura 2.2: Ilustração de uma situação na qual
dvi dvj
a terceira lei de Newton não é válida. mi = −mj (2.14)
dt dt
e por sua vez a força magnética F21 da carga ou
q1 sobre a carga q2 é dada por, mi ai = −mj aj (2.15)

F21 = q2 v2 × B1 (r). Tomando o módulo, podemos escrever,


mj ai
Na situação ilustrada na figura 2.1 é evidente = (2.16)
mi aj
que as forças F12 e F21 não tem nem mesmo a
mesma direção, logo a terceira lei de Newton Suponha que mi seja uma massa inercial
não é obedecida. unitária (um padrão de medida de massa). Co-
A Terceira Lei de Newton pode ser enunci- locando um segundo corpo qualquer, mj , para
ada em uma forma diferente de maneira a in- interagir com mi podemos determinar a sua
corporar uma definição operacional de massa. massa inercial através da equação acima.
Se dois corpos, que exercem força um sobre Uma das formas mais comuns de se medir
o outro, constituem um sistema isolado, então a massa de um corpo é pesando-o. O método
as acelerações desses corpos estão sempre em baseia-se na suposição de que a Terra exerce
sentidos opostos e a razão dos módulos das ace- sobre ele uma força (peso) proporcional à sua
lerações é igual ao inverso da razão das mas- massa, ou seja, que
sas. P = mg (2.17)
Para entender o significado dessa afirmação
considere o sistema isolado formado pelos dois Contudo a validade deste método depende
corpos da figura 2.3 abaixo. do fato da massa que aparece na equação da
A Terceira Lei de Newton afirma que: força gravitacional acima ser a mesma massa
que aparece na Segunda Lei de Newton. Isto
Fij = −Fji (2.12)
evidentemente não é óbvio: é um fato que
Da Segunda Lei de Newton, temos deve ser comprovado experimentalmente. Na
verdade, existem dois conceitos diferentes de
dpi dpj
=− (2.13) massa:
dt dt
Prof. Salviano A. Leão 28

Massa inercial: é aquela que determina a ao qual esse movimento será descrito. As leis
aceleração de um corpo quando sujeito à do movimento têm, em geral, formas diferen-
ação de uma força (a que aparece na Se- tes para diferentes sistemas de referências. Po-
gunda lei de Newton). derão ter formas extremamente complexas se
a escolha do referencial não for bem feita,
Massa gravitacional: é aquela que deter-
mesmo que o movimento em si seja muito sim-
mina a força gravitacional entre um corpo
ples. Dentre as inúmeras possibilidades, sem-
e outro corpo vizinho.
pre que possı́vel, opta-se por aquele sistema de
Muitas experiências foram realizadas com o referência que leva as leis da mecânica às for-
objetivo de verificar a equivalência entre estas mas mais simples possı́veis.
duas grandezas (a mais antiga é a famosa ex-
Se considerarmos que o espaço não é ho-
periência onde Galileu teria deixado cair ob-
mogêneo nem isotrópico em relação a um
jetos diferentes da Torre de Pisa mostrando
sistema de referência qualquer. Diferentes
que chegavam juntos ao solo). Todas elas têm
posições ou orientações neste espaço não serão
mostrado que a massa inercial é igual à massa
equivalentes do ponto de vista da mecânica,
gravitacional (as mais precisas com uma pre-
mesmo para um corpo que não interage com
cisão de uma parte em 1012 ). A suposição da
nenhum outro. O tempo também não será
equivalência exata destes dois conceitos é de
uniforme, isto é, instantes diferentes não serão
fundamental importância na Teoria Geral da
equivalentes. Com estas propriedades do
Relatividade e é conhecida como princı́pio da
espaço e do tempo é evidente que a des-
equivalência. Uma outra interpretação da Ter-
crição do movimento de um corpo será proi-
ceira Lei de Newton é baseada no conceito de
bitivamente complicada. Entretanto, sempre
momentum. Da eq. (2.13) podemos escrever
é possı́vel encontrar um sistema de referência
d onde o espaço é homogêneo e isotrópico e o
(pi + pj ) = 0 (2.18)
dt tempo uniforme. Tal sistema de referência
ou é chamado referencial inercial ou galileano.
pi + pj = cte. (2.19) Se considerarmos um outro referencial ani-
Podemos dizer então que o momentum mado de um movimento retilı́neo e uniforme
de um sistema isolado constituı́do de duas em relação ao primeiro, as leis do movimento
partı́culas é conservado. Posteriormente mos- são as mesmas no novo sistema. Experiências
traremos que esta afirmação é válida para um mostram que as leis do movimento são total-
sistema isolado com muitas partı́culas. mente equivalentes nos dois referenciais no sen-
tido que as equações matemáticas são invarian-
tes. Assim, existe uma infinidade de referenci-
2.4 Princı́pio da Relativi- ais inerciais, animados de movimento retilı́neo
dade de Galileu uniforme um em relação ao outro. Em qualquer
referencial inercial, as propriedades do espaço
É essencial que se consiga descrever o mo- e do tempo são as mesmas, assim como todas
vimento de um corpo para poder estuda -lo. as leis da mecânica. Esta afirmação consti-
Para isso é necessário que se escolha um refe- tui o que se chama Princı́pio da Relatividade
rencial (ou sistema de referência), em relação de Galileu que é um dos mais importantes da
Prof. Salviano A. Leão 29

Mecânica Clássica. corpo algum jamais poderá estar completa-


De acordo com o Princı́pio da Relatividade mente isolado. Assim, será muito difı́cil en-
de Galileu, a posição de um corpo e a sua velo- contrar um referencial inercial ”verdadeiro”.
cidade só têm significado relativo a algum re- Porém, para todos os fins práticos, pode-se
ferencial. Assim, dados dois corpos movendo- adotar um sistema de três eixos com origem
se com velocidade relativa constante, é im- no centro de massa do sistema solar e orienta-
possı́vel estabelecer qual dos dois está em re- dos para as estrelas ”fixas”, por exemplo, como
pouso e qual está em movimento se não for sendo um referencial inercial. Mesmo um sis-
especificado um referencial. A aceleração, no tema fixo na superfı́cie da Terra pode, em mui-
entanto, retém um significado ”absoluto”, pois tas circunstâncias, ser considerado inercial. A
é possı́vel detectar experimentalmente a ace- hipótese da existência de um referencial iner-
leração de um movimento, mesmo que não seja cial é essencial na Mecânica Clássica.
possı́vel medir a sua velocidade. Todos os referenciais doravante adotados
Idealmente, pode-se definir que um referen- serão inerciais, exceto se o contrário for dito.
cial inercial é aquele em relação ao qual um
corpo isolado permanece em repouso ou move-
se com velocidade constante. Um corpo isolado
está muito afastado de qualquer outro corpo,
2.5 Transformações galile-
ou seja, sua interação com um outro corpo anas: referenciais iner-
qualquer é desprezı́vel. Os referenciais acelera-
dos em relação a qualquer sistema inercial não ciais
são inerciais. Muitas vezes, depara-se com um
referencial cuja aparência é o de inercial, mas As leis de Newton não são válidas em todos
uma análise mais cuidadosa revela que não o os referenciais. Os referenciais em relação aos
é na realidade. Pode-se citar, como exemplo, quais elas são válidas são chamados referenci-
o referencial de um astronauta dentro de um ais inerciais. Experimentos fı́sicos podem ser
satélite. Se o astronauta abandonar um ob- realizados em diferentes referenciais. Estes re-
jeto qualquer no ”ar”, ele ficará em ”repouso” ferenciais podem estar se movimentando um
ou em ”movimento retilı́neo uniforme”. Apa- em relação ao outro. A questão aqui é como re-
rentemente tem-se um referencial inercial neste lacionar as medidas realizadas em um referen-
caso. Entretanto, após um exame minucioso, cial com o outro referencial. A transformação
conclui-se que a força de atração gravitacio- de Galileu fornece o meio de realizarmos está
nal da Terra sobre o referido objeto está sendo conversão de medidas de um referencial para o
0
apenas compensada pela força centrı́fuga de- outro. Considere dois referenciais O e O com
0
vido ao movimento ”circular” do satélite ao O movendo-se como uma velocidade V cons-
redor da Terra. Se fosse possı́vel observar tante em relação ao referencial O, o qual assu-
num espaço de dimensão bem maior que o miremos ser um referencial inercial. Na figura
do compartimento do satélite, notar-se-ia que 2.4 abaixo ilustramos está situação.
existe um desvio no movimento desse objeto Suponha que a posição de uma partı́cula em
em relação a uma reta. Portanto, não se trata relação a um referencial inercial O seja dada
de um referencial inercial. Numa situação real, por r. Como a Segunda Lei de Newton é válida
Prof. Salviano A. Leão 30

a qual diz que a aceleração do corpo P não


muda sobre uma transformação de Galileu, e
podemos dizer que ela é galileanamente invari-
ante.
A massa inercial é invariante sobre uma
transformação de Galileu (lei da inércia), dessa
forma, podemos escrever

F = mr̈ = mr̈0 , (2.24)

ou seja, a Segunda Lei de Newton também é


Figura 2.4: Referencial O0 se movendo com
válida em relação ao referencial O0 , e ela é dita
uma velocidade V constante em relação ao re-
ser invariante sobre uma transformação de Ga-
ferencial inercial O.
lileu. Se a força F é independente da veloci-
dade, então a força F0 que atua sobre o corpo
nesse referencial, então
P no referencial O0 é a mesma força F no re-
F = mr̈. (2.20) ferencial O. Finalmente temos

onde cada ponto indica uma derivada em F = mr̈ = mr̈0 = F0 .


relação ao tempo. Se um segundo referencial
O0 se move em relação ao primeiro com velo- Isto é, se a força for independente da velo-
cidade constante, então a posição da partı́cula cidade, a segunda lei de Newton, será man-
neste referencial é dada por tida no referencial O0. Esta é a chamada in-
variância galileana, também conhecida como
r0 = r − Vt; t = t0 (2.21) princı́pio newtoniano da relatividade. As com-

onde assumimos que o tempo flui da mesma ponentes individuais podem não ser invarian-
forma nos dois referenciais. Esta trans- tes, mas elas se transformam de acordo com
formação é chamada de transformação de Gali- este esquema e dizemos que elas são covarian-
leu. A última relação assegura que o tempo não tes. Por exemplo, dois observadores que estão
é afetado pelo movimento relativo, ela expressa em movimento uniforme um em relação ao ou-
a universalidade do tempo absoluto, proposto tro observam as mesmas leis da mecânica. Por-
por Newton. Diferenciando a equação acima tanto dizemos que existe um número infinito
com relação ao tempo obtemos de referenciais inerciais, todos conectados por
uma transformação de Galileu.
ṙ0 = ṙ − V, (2.22) Portanto, todos os referenciais que se movem
em relação a um referencial inercial com velo-
Portanto, se a velocidade ṙ de um corpo P no
cidade constante também são referenciais iner-
referencial O for constante, ela também o será
ciais. Uma vez que as distâncias entre as es-
no referencial O0, e o corpo obedecerá a lei da
trelas são geralmente muito grandes, as forças
inércia.
que umas exercem sobre as outras são muito
Diferenciando a velocidade (2.22) com
pequenas. A observação das estrelas mostra
relação ao tempo, obtemos que
que elas obedecem a Lei da Inércia (Primeira
0
r̈ = r̈. (2.23) Lei de Newton). Estas estrelas (chamadas na
Prof. Salviano A. Leão 31

literatura de estrelas fixas) definem referenciais para a direita com aceleração constante a. Um
inerciais convenientes em muitas situações de observador no ponto de ônibus (ref. inercial
interesse mas nenhuma delas é um referencial P) observa o movimento da bola. Ele não vê
inercial absoluto; todos os referenciais que se nenhum movimento na vertical, fato que ex-
movem com velocidade constante em relação a plica argumentando que a componente vertical
uma estrela fixa também são referenciais iner- da tensão compensa o peso da bola. Ele vê a
ciais. A inexistência de um referencial inercial bola acelerada na horizontal e diz que esta ace-
absoluto é chamada de invariância galileana ou leração é causada pela componente horizontal
princı́pio da relatividade newtoniana. da tensão, em pleno acordo com a Segunda Lei
Em ambos na mecânica e na eletrodinâmica de Newton. Ao contrário, para um observador
onde as velocidades dos corpos são com- O situado no interior do ônibus parece haver
paráveis a velocidade da luz, a transformação uma contradição. Ele também entende que há
galileana deve ser trocada por uma trans- uma componente da tensão atuando na hori-
formação de Lorentz. As equações de Maxwell, zontal mas não vê a bola acelerada: para ele
as quais formam as bases da eletrodinâmica, a bola está em repouso. Então ele conclui que
não são invariantes sobre uma transformação a Segunda Lei de Newton não está sendo obe-
de Galileu. Para mostrar isto, é suficiente decida. As Leis de Newton não são válidas
considerar a conseqüência das equações de no referencial O porque ele é um referencial
Maxwell: a constância da velocidade da luz acelerado e elas só são válidas para referenci-
em todos os referenciais inerciais. Por outro ais inerciais. Em um capı́tulo posterior iremos
lado, uma transformação galileana prediz que apresentar um método que permite descrever o
a velocidade da luz deveria ser diferente em movimento visto de referenciais não inerciais.
dois referenciais movendo-se com uma veloci-
dade constante em um em relação ao outro. Os
experimento realizados por Michelson-Morley
e outros mostraram que a velocidade da luz
é a mesma em todas as direções e é indepen-
dente da velocidade relativa entre a fonte emis-
sora de luz e o observador. Este fato está em
conflito com a transformação galileana. Um
grande número de tentativas foram feitas para Figura 2.5: Referenciais inerciais: validade das
resolver o conflito, entretanto, todas falharam. leis de Newton.
A solução final, veio somente com a Teoria
Especial da Relatividade de Einstein (ou sim-
plesmente Teoria da Relatividade) na qual a
transformação galileana foi trocada pela trans- 2.6 Aplicações das leis de
formação de Lorentz.
Newton
A seguir mostramos uma ilustração de uma
situação onde as Leis de Newton não são Até este momento há alguns autores que in-
válidas. Uma bola de massa m está pendu- terpretam a segunda lei de Newton de forma
rada no teto de um ônibus que se movimenta simplista e equivocada, o que gera uma con-
Prof. Salviano A. Leão 32

fusão na interpretação na interpretação da de Newton


mesma. A dificuldade que gera esta má inter- d dv
pretação da segunda lei de Newton, reside no F= (mv) = m = mr̈, (2.25)
dt dt
fato de que não há uma maneira independente
a força F deve ser uma função conhecida a par-
de determinarmos a quantidade F. A discussão
tir de outras leis experimentais. Se assim o for,
do próprio Newton no seu livro publicado em
então esta equação diferencial poderá ser resol-
1867 o Philosophiae Naturalis Principia Mate-
vida para se obter r como função do tempo.
matica, é algo um pouco ambı́gua sobre qual
A seguir iremos fazer algumas aplicações da
interpretação conceitual deve ser adotada. Ele
segunda lei de movimento.
sugere que a segunda lei pode ser tomada como
um definição de força assim como um lei de mo-
vimento. Entretanto, as conseqüências desta Exemplo 4 Considere um bloco de massa m
abordagem é que as leis de movimento tornam- em repouso sobre um plano inclinado de um
se meramente uma convenção e não uma as- ângulo θ com a horizontal. O coeficiente de
serção de como a natureza funciona, e todo o atrito estático entre o bloco e o plano incli-
formalismo de Newton da mecânica torna-se nado é dado por µe = tg α, com θ > α. Uma
axiomático no senso em que todos os resulta- força F é aplicada horizontalmente ao bloco, e
dos seguem desta definição em vez de leis da sua linha de ação passa pelo centro geométrico
natureza deduzidas experimentalmente. do bloco. (a) Determine o valor mı́nimo de F
para que o bloco esteja na eminência de des-
Aqui enfatizaremos que a segunda lei de mo-
lizar plano inclinado abaixo. (b) Determine o
vimento, assim como as outras duas leis de mo-
valor máximo de F para que o bloco esteja na
vimento, são leis da natureza deduzidas expe-
eminência de deslizar plano inclinado acima.
rimentalmente. Elas foram formuladas a partir
Solução: (a) Força mı́nima F.
de generalizações de dados e observações expe-
As forças que estão atuando sobre o bloco
rimentais. Alguns fı́sicos ilustres como Arnold
de massa m quando este se encontra na
Sommerfeld (orientador de doutoramento de
eminência de descer são: a força aplicada F,
outro ilustre fı́sico, Werner Karl Heisenberg),
a força peso P do bloco, a reação normal N do
Richard P. Feynman, entre outros, dizem que
plano inclinado e a força de atrito estática fat
não devemos usar a segunda lei de movimento
entre o bloco e o plano inclinado. Estas forças
como uma definição da força (e portanto fa-
estão ilustradas na figura 2.6 abaixo.
zer da mecânica uma teoria matemática pura).
Para resolvermos este problema escolhemos
Nenhuma predição pode ser feita a partir de
dois eixos cartesianos (ortogonais) conforme
uma definição! A segunda lei adquiri um sig-
mostra a figura 2.6. Para resolver este pro-
nificado real somente quando a força é definida
blema, decomporemos as forças nestes eixos.
independentemente. Mas descrever comple-
Assim ao longo do eixo x a segunda lei de New-
tamente as propriedades independentes e es-
ton pode ser escrita como:
pecı́ficas da força não é uma tarefa trivial. To-
dos nos temos um sentimento intuitivo para o F cos θ + fat − P sen θ = max = 0. (2.26)
conceito de uma força.
onde,
Desta forma, ao escrevermos a segunda lei fat = µe N.
Prof. Salviano A. Leão 33

eminência de subir são: a força aplicada F,


a força peso P do bloco, a reação normal N do
plano inclinado e a força de atrito estática fat
entre o bloco e o plano inclinado. Estas forças
estão ilustradas na figura 2.7 abaixo.

Figura 2.6: Bloco de massa m com uma força


F aplicada na eminência de deslizar plano in-
clinado abaixo.

Aqui devemos uma vez mais, salientar que


neste caso conhecemos as forças que estão atu-
Figura 2.7: Bloco de massa m com uma força
ando sobre o bloco e que a segunda lei nos diz
F aplicada na eminência de deslizar plano in-
simplesmente que como o bloco está em repouso
clinado acima.
sobre o plano inclinado então a força resul-
tante sobre o mesmo é nula. Da mesma, forma Novamente escolhemos os eixos cartesianos
ao longo do eixo y a segunda lei de Newton e decompomos as forças conforme mostra a fi-
pode ser escrita como: gura 2.7.
Assim ao longo do eixo x a segunda lei de
N − P cos θ − F sen θ = may = 0. (2.27)
Newton pode ser escrita como:
Isolando a normal N na eq. (2.27) e substi- F cos θ − fat − P sen θ = max = 0. (2.29)
tuindo o resultado na eq. (2.26), obtemos que
onde,
F cos θ + µe (P cos θ + F sen θ) − P sen θ = 0 fat = µe N.

F (cos θ + µe sen θ) − P (sen θ − µe cos θ) = 0, enquanto que ao longo do eixo y a segunda lei
de Newton pode ser escrita como:
logo,
N − P cos θ − F sen θ = may = 0. (2.30)
sen θ − µe cos θ
F = P Isolando a normal N na eq. (2.30) e substi-
cos θ + µe sen θ
cos α sen θ − sen α cos θ tuindo o resultado na eq. (2.29), obtemos que
= P
cos α cos θ + sen α sen θ F cos θ − µe (P cos θ + F sen θ) − P sen θ = 0
sen (θ − α)
= P F (cos θ − µe sen θ) − P (µe cos θ + sen θ) = 0,
cos (θ − α)
logo,
Portanto, o módulo da força mı́nima é
µe cos θ + sen θ
F = P
F = P tg (θ − α) . (2.28) cos θ − µe sen θ
sen α cos θ + cos α sen θ
= P
(b) Força máxima F. cos α cos θ − sen α sen θ
As forças que estão atuando sobre o bloco sen (θ + α)
= P
de massa m quando este se encontra na cos (θ + α)
Prof. Salviano A. Leão 34

Portanto, o módulo da força máxima é o que nos leva a

F = P tg (θ + α) . P sen θ mg sen θ
ẍ = = = g sen θ
m m
Supondo g = 9, 8 m/s2 e θ = 30◦ , temos

Exemplo 5 Qual a aceleração de um bloco ẍ = g sen 30◦ = 4, 9 m/s2


que desliza para baixo em um plano inclinado
sem atrito com um ângulo θ = 30◦ (Fig. 2.8
abaixo)?
Exemplo 6 Se o coeficiente de atrito estático
entre o bloco e o plano do exemplo anterior for
µs = 0, 4, qual o ângulo para o qual o bloco
começa a deslizar? Suponha que ele esteja ini-
cialmente em repouso.

Figura 2.8: Bloco de massa m deslizando em


um plano inclinado sem atrito.

Solução: Existem duas forças atuando sobre


o bloco: a força gravitacional, P, e a reação
normal do plano sobre o bloco, N. A força Figura 2.9: Bloco de massa m deslizando em
total sobre o bloco é um plano inclinado com atrito.

F=P+N Solução: Neste caso há uma terceira força


atuando sobre o bloco: a força de atrito
de forma que a Segunda Lei de Newton pode
estática, fs . A força resultante é, portanto,
ser escrita como
F = P + N + fs
P + N = mr̈
As componentes da equação de movimento são:
Como esta é uma equação vetorial, possui duas
componentes escalares: uma para a direção x Direção y: − P cos θ + N = 0
e outra para a direção y. Como o bloco é obri-
Direção x: − fs + P sen θ = mẍ
gado a permanecer sobre o plano não há ace-
leração na direção y, de forma que A força de atrito estática fs pode assumir
qualquer valor fs ≤ µs N necessário para man-
−P cos θ + N = 0
ter o bloco em repouso. Contudo, com o au-
Na direção x temos mento do ângulo θ do plano, haverá um ângulo
θM ax. limite em que o bloco começa a deslizar, e
P sen θ = mẍ nesta situação a força de atrito estático atinge
Prof. Salviano A. Leão 35

o seu valor máximo, assim neste ângulo limite


temos
Exemplo 8 A figura 2.10 abaixo mostra uma
fs (θ = θM ax. ) = fM ax. máquina de Atwood. Ela consiste de uma polia
= µs N = µs P cos θ lisa com duas massas suspensas, presas nas ex-
tremidades de uma corda leve. Obtenha a ace-
e leração de cada massa e a tensão na corda (a)
mẍ = 0. quando a polia está em repouso e (b) quando
Desta forma, a equação de movimento na a polia está dentro de um elevador que desce
direção x torna-se com aceleração constante α.

mg sen θ − µs mg cos θ = 0

ou

sen θ = µs cos θ ⇒ µs = tg θ

ou ainda,
θ = arctg(µs )
Considerando µs = 0, 4 temos

θ = 22◦

Figura 2.10: Uma máquina de Atwood.

Exemplo 7 Depois que o bloco do exemplo


Solução: (a) Se desprezarmos a massa da
anterior começa a deslizar o coeficiente de
corda e supormos que a polia seja perfeita-
atrito cinético torna-se µk = 0, 3. Obtenha a
mente lisa podemos dizer que os módulos de
aceleração do bloco para θ = 30◦ .
T1 e T2 são iguais: chamaremos estes módulos
Solução: A equação de movimento na direção
de T .
x é
As equações de movimento para os dois cor-
mẍ = P sen θ − fk
pos são:
onde, a força de atrito cinético é dada por (
m1 ẍ1 = m1 g − T
(2.31)
fk = µk N = µk P cos θ m2 ẍ2 = m2 g − T

Assim, A tensão na corda pode ser eliminada das


equações acima. Por exemplo, subtraindo a
mẍ = mg (sen θ − µk cos θ)
primeira eq. de (2.31) da segunda, temos
ẍ = g (sen θ − µk cos θ)
m1 ẍ1 − m2 ẍ2 = (m1 − m2 ) g (2.32)
Substituindo g = 9, 8 m/s2 , θ = 30◦ e µk =
0, 3, obtemos que Se a corda for inextensı́vel, então

ẍ = 2, 4 m/s2 ẍ1 = −ẍ2 (2.33)


Prof. Salviano A. Leão 36

Assim podemos escrever Elas podem ser reescritas como


m1 − m2 (
ẍ1 = g = −ẍ2 (2.34) m1 ẍ1 = m1 (g − α) − T
m1 + m2 (2.39)
m2 ẍ2 = m2 (g − α) − T
Observe que o corpo que possuir massa maior
terá aceleração positiva (para baixo) enquanto As equações (2.39) são iguais as equações
o outro corpo terá aceleração negativa (para (2.31), com g substituı́do por (g − α). Assim,
cima)! a aceleração e a tensão na corda são dadas por
A tensão na corda pode ser calculada substi-
m1 − m2
tuindo (2.34) em qualquer uma das eqs. (2.31). ẍ1 = (g − α) = −ẍ2 (2.40)
m1 + m2
A expressão obtida é
2m1 m2 e
T = g (2.35) 2m1 m2
m1 + m2 T = (g − α) (2.41)
m1 + m2
Quanto ao ı́tem (b), podemos representar a
É como se a aceleração da gravidade tivesse
situação na figura 2.11 abaixo,
sido reduzida a (g − α)!

Exemplo 9 Considere um trem constituı́do


por quatro vagões, cada um deles com uma
massa M , conforme mostra a Fig. 2.12 abaixo.
A locomotiva aplica um força lı́quida F sobre
os vagões. Determine a força em cada vagão.

Figura 2.11: Uma máquina de Atwood, em um


elevador.

Vamos chamar de x0 a distância entre a polia


e um ponto de referência fixo. As posições das
massas em relação a este ponto são:
Figura 2.12: Vagões de um trem.
x001 = x1 + x0 x002 = x2 + x0 (2.36)

As equações de movimento são: Solução: Para resolvermos este problema, de-


vemos isolar cada vagão e fazer um diagrama
m1 ẍ001 = m1 (ẍ1 + α) = m1 g − T (2.37) das forças que atuam sobre o mesmo. Va-
m2 ẍ002 = m2 (ẍ2 + α) = m2 g − T (2.38) mos examinar inicialmente o primeiro e o se-
gundo vagão, onde as forças que atuam so-
onde, bre os mesmos estão mostrada na figura 2.12.
ẍ0 = α. Devido a terceira lei temos que F12 = −F21 ,
Prof. Salviano A. Leão 37

F23 = −F32 , F34 = −F43 e desta forma defini-


remos

f1 = |F12 | = |F21 |
f2 = |F23 | = |F32 |
f3 = |F34 | = |F43 |
Figura 2.13: Um bloco de massa m é colocado
f4 = F sobre uma cunha de massa M e em seguida
Agora estamos prontos para aplicar a se- é abandonado. O atrito entre as superfı́cies é
gunda lei de Newton a cada vagão isolada- desprezı́vel.
mente, mas para isto devemos observar que
o conjunto todo terá a mesma aceleração a. cunha são mostradas na figura 2.14. Observe
Desta forma, podemos escrever a segunda lei que é a reação normal do bloco sobre a cunha, a
para cada vagão como: força N0 , que será responsável pelo movimento
da cunha.
Vagão 1 f1 = Ma
Vagão 2 f2 − f 1 = M a
Vagão 3 f3 − f2 = Ma
Vagão 4 f4 − f3 = Ma

Somando este conjunto de equações, obte-


mos que:
f4 = F = 4M a
e portanto, obtemos para as outras forças em
termos da força F como
1 2 3 4
f1 = F ; f2 = F ; f3 = F e f4 = F,
4 4 4 4
Figura 2.14: Num referencial inercial, pode-se
ou ainda em termo de M a, temos
aplicar a segunda lei de Newton para descrever
f1 = M a; f2 = 2M a; f3 = 3M a e o a.
f4 = 4M movimento da cunha e do bloco.

No referencial inercial escolhido, ao apli-


car a segunda lei de Newton ao movimento do
Exemplo 10 Considere um bloco de massa bloco, encontra-se que,
m, que é abandonado de uma altura H no topo
Em x: mẍ = N 0 sen θ (2.42)
de uma cunha de massa M e ângulo θ, con-
0
forme a figura 2.13 abaixo. Determine as ace- Em y: mÿ = mg −N cos θ (2.43)
lerações horizontais e verticais do bloco e da e quando aplicada ao movimento da cunha
cunha. obtém-se que
Solução:
Num referencial inercial, externo a cunha e Em x: M Ẍ = −N 0 sen θ (2.44)
ao bloco, as forças que atuam no bloco e na Em y: 0 = Mg +N 0 cos θ − N(2.45)
Prof. Salviano A. Leão 38

A segunda lei de Newton fornece quatro podem ser escritos como,


equações de movimento acopladas, entretanto
temos cinco as incógnitas: ẍ, ÿ, Ẍ, N e N0 . X = Xex
Para encontrar a solução deste sistema será d = d cos θex + d sen θey
necessário mais uma equação. A equação que r = xex + yey .
está faltando pode ser obtida observando que
o bloco terá o seu movimento restrito a su- Como r = X + d, então podemos escrever
perfı́cie da cunha. Todo tipo de restrição ao
x = X + d cos θ
movimento do de uma partı́cula é chamada de
y = d sen θ.
vı́nculo. Tanto o bloco quanto a cunha ao inici-
arem seu movimento estarão acelerados e como Derivando a relação acima duas vezes com
o bloco encontra-se sobre a superfı́cie da cu- relação ao tempo, obtemos
nha, que também está acelerada. Portanto, a
segunda lei de Newton não vale num referen- ẍ − Ẍ = d¨cos θ
cial sobre esta superfı́cie, já que o mesmo não ÿ = d¨sen θ.
é inercial.
Dividindo as duas equações anteriores, uma
Num referencial externo à superfı́cie da cu-
pela outra, eliminamos a dependência na co-
nha, conforme ilustrado na figura 2.15 abaixo,
ordenada relativa d, e obtemos a seguinte
é um excelente referencial para descrever o mo-
relação:
vimento do sistema. ÿ
tg θ = . (2.46)
ẍ − Ẍ
Uma análise rápida da equação acima, revela
que para o ângulo θ = π/2, temos ẍ = Ẍ, mas
ao obtermos a eq. (2.46) temos uma indeter-
minação pois dividimos um número finito por
zero. Já para o ângulo θ = 0, não há forças
horizontais e neste caso ẍ = Ẍ = 0 e tem-
se novamente uma indeterminação. Deve-se
então ter um cuidado especial ao usar esta ex-
Figura 2.15: No referencial inercial mostrado pressão.
acima temos agora condições de descrever o Da equação (2.43) temos que N 0 cos θ =
movimento da cunha e do bloco, e aplicar a mg − mÿ. Dividindo este resultado pela eq.
segunda lei de Newton. (2.42) encontra-se que

tg θ = . (2.47)
g − ÿ

Da figura 2.15 acima temos que o vetor Das equações (2.42) e (2.44) obtém-se que,
posição do bloco r, está relacionado ao vetor Ẍ = −(m/M )ẍ, portanto a equação (2.46),
posição da cunha X e ao vetor posição do bloco pode ser reescrita como,
em relação ao topo da cunha d por r = X + d, µ ¶
M ÿ
em termos de suas componentes, este vetores tg θ = . (2.48)
M + m ẍ
Prof. Salviano A. Leão 39

Multiplicando-se as equações (2.46) por (2.47), força F. O movimento da partı́cula é gover-


encontra-se que, nado, de acordo com a segunda lei de Newton,
µ ¶ pela equação
M
(g − ÿ) tg2 θ = ÿ
M +m d dv
£ ¤ F= (mv) = m = mr̈ (2.51)
2
(M + m)g tg θ = M + (M + m) tg θ ÿ 2 dt dt
Antes de considerar a solução da eq. (2.51),
(M + m) tg2 θ
ÿ = g recordaremos as definições de alguns concei-
M + (M + m) tg2 θ
tos bastante úteis que surgem no contexto da
Desta expressão para ÿ, juntamente com a
Mecânica, na discussão de alguns problemas.
equação (2.48), a aceleração ẍ pode ser escrita
O momentum linear definido por p = mv, apa-
como
M tg θ rece na eq. (2.10), usando o fato de m ser
ẍ = g (2.49) constante na eq. (2.10), obtém-se o seguinte
M + (M + m) tg2 θ
resultado:
e como a aceleração Ẍ está relacionada com a dp dv
F= =m (2.52)
ẍ por Ẍ = −(m/M )ẍ, então temos que dt dt
Esta equação estabelece que a taxa de variação
m tg θ
Ẍ = − g (2.50) do momentum linear com o tempo é igual à
M + (M + m) tg2 θ
força aplicada, o que, evidentemente, é a se-
Ao analisar estás expressões, verifica-se que
gunda lei de Newton. Este teorema pode ser
elas estão de acordo com os resultados espe-
chamado Teorema de Momentum Linear (di-
rados para θ = 0 e para θ = π/2. Para o
ferencial). Multiplicando-se a eq. (2.52) por
caso em que θ = 0, esperá-se que todas as ace-
dt e integrando-se de t1 a t2 , obtém-se a forma
lerações sejam nulas, o que é satisfeito já que
integral do Teorema de Momentum Linear :
temos a função tg θ no numerador e um deno- Z t2
minador diferente de zero. Já para o caso de ∆p = p2 − p1 = Fdt. (2.53)
t1
θ = π/2, esperá-se que ÿ = g, pois o objeto
cairá em queda livre, e que Ẍ = ẍ = 0. En- A eq. (2.53) fornece a variação do momentum
tretanto, como tg (π/2) é infinita, tem-se uma linear devido à ação da força F entre os tem-
indeterminação tanto no numerador quanto no pos t1 a t2 . A integral da direita é chamada
denominador. Esta indeterminação pode ser impulso, que é fornecido pela força F durante
removida dividindo tanto o numerado quanto este tempo; F deve ser conhecida como função
o denominador por tg2 θ no caso de ÿ e por de t somente para que se possa calcular a inte-
tg θ no caso de Ẍ e ẍ, o que nos fornece o gral. Se F for dada como F (r, v, t), então o im-
resultado esperado para este limite. pulso pode ser calculado para qualquer movi-
mento r(t), v(t) particular. Outra grandeza de
considerável importância é a energia cinética,
2.7 Integração das definida (em Mecânica Clássica) pela equação
1
equações de movi- T = mv 2 . (2.54)
2
mento Tomando o produto escalar da eq. (2.52) por
v, obtém-se
Nesta seção, estudaremos o movimento de
dv
uma partı́cula de massa m, sob a ação de uma mv · =F·v (2.55)
dt
Prof. Salviano A. Leão 40

ou então: tempo em particular. Em muitos casos, en-


µ ¶ tretanto, uma variável dinâmica, tal como a
d 1 2 dT
mv = = F · v. (2.56) força, pode guardar uma certa relação funcio-
dt 2 dt
nal com r, com v, ou com qualquer combinação
A eq. (2.56) fornece a taxa de variação da ener-
de r, v e t. Como exemplo, a força gravitaci-
gia cinética, podendo ser chamada Teorema
onal que age sobre um corpo em queda livre,
Trabalho Energia (diferencial). Multiplicando-
de uma grande altura acima da Terra, é conhe-
se por dt e integrando de t1 a t2 , obtém- se a
cida como função da altura acima da Terra. A
forma integral do Teorema Trabalho Energia.
força de atrito de arrastamento que atua so-
Z t2
bre um corpo depende de sua velocidade e da
∆T = T2 − T1 = F · vdt. (2.57)
t1 densidade do ar, bem como da altura em que
A eq. (2.57) fornece a variação de energia de- se encontra acima da Terra; se as condições
vido à ação da força F entre os tempos t1 a t2 . atmosféricas mudarem, ela poderá depender
A integral à direita denomina-se trabalho, que ainda de t. Sendo F conhecida como F (r, v, t),
é executado pela força durante este intervalo de então, quando r(t) e v(t) também são conheci-
tempo. O integrando F · v à direita é a taxa de das, estas funções podem ser substituı́das para
execução de trabalho com o tempo, chamada que F seja uma função apenas de t, embora, em
potência, e é fornecida pela força F. Em geral, geral, isto não possa ser realizado até que se re-
quando F é conhecida como F (r, v, t), o traba- solva a eq. (2.51). Mesmo assim, a função F(t)
lho pode ser calculado somente para um movi- pode ser diferente para diferentes movimentos
mento particular r(t), v(t) especificado. Como possı́veis da partı́cula. Em geral, quando F é
v = dr/dt (observe que dr = vdt), pode-se dada como F (r, v, t) (onde F pode depender
reescrever a integral do trabalho de forma con- de qualquer uma ou de todas essas variáveis),
veniente, quando F é conhecida em função de a eq (2.51) torna-se uma equação diferencial
r: definida, que deve ser resolvida:
Z t 2

∆T = T2 − T1 = F · dr. (2.58) d2 r 1
t1 2
= F (r, v, t) (2.59)
dt m
2.7.1 Análise do movimento uni- Esta é a forma mais geral de equação di-
ferencial ordinária de segunda ordem, e de
dimensional
agora em diante nos dedicaremos ao estudo
Quando se conhece a força F, a equação de de suas soluções e aplicações em problemas de
movimento (2.51) torna-se uma equação dife- Mecânica. Devemos salientar, que por ser uma
rencial ordinária, de segunda ordem, para a equação diferencial de segunda ordem ela terá
função desconhecidas r. A força F pode ser duas constantes de integração, as quais serão
conhecida como função de qualquer uma ou dadas pelas condições iniciais.
de todas as variáveis t, r e v. Em relação a A eq. (2.59) é aplicável a todos os proble-
um dado movimento de um sistema dinâmico, mas de uma partı́cula submetida à ação de
todas as variáveis dinâmicas (r, v, F, p, T , uma força conhecida. Em geral, existem mui-
etc.) associadas ao sistema são, evidente- tos movimentos possı́veis, pois a eq. (2.59)
mente, funções do tempo t, isto é, cada uma fornece somente a aceleração da partı́cula, em
tem um valor definido para cada instante de cada instante, em termos de sua posição e de
Prof. Salviano A. Leão 41

sua velocidade naquele instante. Conhecida a se que qualquer problema de Fı́sica deve ter
posição e a velocidade de uma partı́cula em sempre uma solução única e, portanto, qual-
certo instante, pode-se determinar sua posição quer força F(r, ṙ, t) que apareça deverá satis-
após (ou anteriormente a) um pequeno inter- fazer necessariamente à condição imposta para
valo de tempo. Conhecida a aceleração, pode- aqueles valores de r, ṙ e t que tenham interesse
se determinar sua velocidade após um pequeno fı́sico. Logo, em geral não é preciso saber se a
intervalo de tempo. A eq. (2.59), então, for- solução existe ou não. No entanto, a maioria
nece a aceleração após esse pequeno intervalo. dos problemas de Mecânica envolve algumas
Desta maneira, é possı́vel seguir as posições e simplificações da situação real, o que leva o
velocidades anteriores como as subseqüentes de aluno a simplificar demais ou mesmo a distor-
uma partı́cula, caso sua posição r0 e velocidade cer o problema fı́sico de tal maneira que impede
v0 sejam conhecidas em um instante qualquer o problema matemático resultante de ter ape-
t0 . O instante inicial t0 , embora possa ser um nas uma solução. Em geral, os fı́sicos, ao trata-
instante qualquer da história da partı́cula; os rem de Mecânica ou de outros ramos, tendem a
valores r0 e v0 em no instante t0 denominam- ignorar as questões de rigor matemático. Na-
se condições iniciais. Ao invés de especificar queles casos, raros afortunadamente, em que
os valores iniciais de r e v, especifica-se o va- encontram dificuldades, eles usam a intuição
lor de quaisquer outras duas grandezas a partir ou verificam a falta de rigor, até descobrirem
das quais r e v podem ser obtidas; por exem- a solução. Tal procedimento é capaz de cau-
plo, é possı́vel especificar r0 e o momentum li- sar tremores nos matemáticos, mas é a ma-
near inicial p0 = mv0 . Estas condições iniciais, neira mais conveniente e rápida de aplicar a
juntamente com a eq. (2.59), representam um Matemática à solução de problemas de Fı́sica.
problema perfeitamente definido, cuja solução Os fı́sicos, embora procedendo de maneira não
deve ser uma única função r(t) representando rigorosa, devem estar a par do rigor com que
o movimento de uma partı́cula sobre condições os matemáticos aplicam esses métodos.
especificadas.
O teorema que gerou a eq. (2.59) garante
A teoria matemática das equações diferen- que existe uma solução matemática única para
ciais ordinárias de segunda ordem leva a re- todos os casos que aparecerão na prática. Em
sultados que estão de acordo com o que se alguns deles, a solução exata pode ser obtida
espera da natureza do problema de Fı́sica através de métodos elementares. A maioria dos
que deu origem à equação. A teoria asse- problemas considerados aqui são desta natu-
gura que, ordinariamente, a solução de uma reza. Afortunadamente, muitos dos mais im-
equação da forma (2.59) é contı́nua e única, portantes problemas de Mecânica podem ser
r(t), que assume os valores r0 e v0 de r(t) e resolvidos sem dificuldade, por meios fı́sicos.
ṙ(t), em qualquer valor escolhido t0 de t. Or- Na realidade, uma das razões por que certos
dinariamente, aqui, quer dizer até que ponto problemas são considerados importantes é sua
aqueles que começam a estudar Mecânica de- fácil resolução. Os fı́sicos estão preocupados
vem preocupar-se, em todos os casos de inte- em descobrir e verificar as leis da Fı́sica. Ao ve-
resse. As propriedades das equações diferen- rificá-las experimentalmente, eles podem, mui-
ciais, como a (2.59), podem ser estudadas na tas vezes, escolher os casos em que a elaboração
maioria dos tratados sobre o assunto. Sabe- da análise matemática não é muito difı́cil. Já
Prof. Salviano A. Leão 42

os engenheiros não são tão afortunados, por- 2.7.2 Força aplicada constante
que os problemas com que deparam não são
Este é um caso simples e interessante, pois
selecionados devido à facilidade, mas porque
uma das forças mais comuns do nosso cotidiano
têm importância prática. Em Engenharia e
é a força peso, a qual é uma força constante.
também freqüentemente em Fı́sica, aparecem
Para este caso, a equação de movimento uni-
muitos casos em que a solução da eq. (2.59) é
dimensional é dada por:
de obtenção difı́cil ou impossı́vel. Em tais ca-
sos, existe um número variado de métodos para dv 1
= ẍ = F. (2.61)
se obter pelo menos a resposta aproximada. dt m
A partir de agora iremos discutir o movi- que integrada entre os instantes t = 0 e t, pode
mento unidimensional, o que não implica em ser escrita como
uma perda de generalidade, já o movimento F
v(t) = v0 + t. (2.62)
tridimensional pode ser decomposto em suas m
três componentes cartesianas, ao longo dos ei- onde v0 é a primeira constante de integração
xos x, y e z, e cada uma delas é equivale a que surge, e é determinada pela condição ini-
um movimento unidimensional. Nos caso em cial sobre a velocidade. Dá definição de velo-
que a força aplicada ao sistema é tridimensio- cidade temos
dx
nal, basta considerarmos a sua componente ao v(t) =
dt
longo de cada direção e então resolver o pro- podemos integra-lá entre os instante t = 0 e t,
blema para cada direção individualmente. As- obtendo que
sim quando nos referirmos a força no caso uni- Z x Z t
dimensional, estaremos nos referindo a compo- dx = v(t0 )dt0 (2.63)
x0 0
nente da força naquela direção.
No caso unidimensional de uma partı́cula Para determinarmos x(t) precisamos conhecer
com massa constante, a equação que temos de v(t). Substituindo a expressão para v(t) dada
integrar é pela eq. (2.62) na eq. (2.63), e realizando a
integração obtemos que
d2 x 1
= ẍ = F (x, ẋ, t) . (2.60) µ ¶
dt2 m 1 F
x(t) = x0 + v0 t + t2 , (2.64)
Agora iremos dividir as forças aplicadas em 2 m
quatro categorias, e isto deve-se a uma questão onde x é a segunda constante de integração,
0
de simplicidade e devido ao fato destes serem a qual é dada pela condição inicial sobre a
os tipos de forças mais comuns de nosso coti- posição. Portanto para forças constantes a in-
diano. Estas categorias são: tegração das equações de movimento é ime-
1. Força aplicada constante. diata. Eventualmente em um problema de
mecânica, pode-se desejar a posição em função
2. Força aplicada dependente do tempo. da velocidade em vez do tempo como ocorre na
3. Força aplicada dependente da posição. eq. (2.64). Neste caso basta isolarmos o tempo
na eq. (2.62) e substituirmos o resultado na eq.
4. Força aplicada dependente da velocidade. (2.64), assim obtemos a equação

A seguir iremos analisar cada um destes ca- µ ¶


2 2 F
sos individualmente. v = v0 + 2 (x − x0 ) , (2.65)
m
Prof. Salviano A. Leão 43

a qual é conhecida com equação de Torricelli.


na discussão de problema como o anterior,
Outro modo de obtermos a equação de Tor- considera-se comumente que ele esteja resol-
ricelli, é usando o fato da aceleração do sistema
vido quando a solução foi expressada em ter-
ser constante, assim mos de uma ou mais integrais definidas. Em
Z v Z xproblemas de cunho prático, as integrais devem
dv
ma = mv −→ vdv = a dx.
ser calculadas objetivando-se a solução final de
dx v0 x0
forma que possa ser utilizada.
(2.66)
Integrando a equação acima obtém-se que Problemas nos quais F é dada como função
de t aparecem usualmente quando se deseja
v 2 = v02 + 2a (x − x0 ) , (2.67) determinar o comportamento de um sistema
mecânico sob a ação de uma influência externa.
2.7.3 Força aplicada dependente A seguir discutiremos um exemplo.
do tempo
Se uma força F for dada como função do Exemplo 11 Consideremos as interações das
tempo, então é possı́vel resolver a equação ondas de rádio com os elétrons da ionosfera,
de movimento (2.60) da seguinte maneira: o que resulta na reflexão das ondas de rádio
multiplicando-a por dt e integrando desde um pela ionosfera. A ionosfera é uma região que
instante inicial 0 até um instante t qualquer envolve a superfı́cie da terra a uma altura de
posterior (ou anterior), obtendo-se-do-se 200 km acima da mesma. A ionosfera é um
Z gás neutro constituı́do por ı́ons positivamente
1 t
v(t) = v0 + F (t0 )dt0 , (2.68) carregados e elétrons. Quando uma onda de
m 0
rádio, a qual é uma onda eletromagnética,
onde v0 é a primeira constante de integração
passa através da ionosfera, ela interage com as
que surge, e é determinada pela condição ini-
partı́culas carregadas, acelerando-as. Discuta
cial sobre a velocidade. Como F (t) é uma
o movimento das partı́culas carregadas ao in-
função conhecida de t, a integral à direita pode
teragirem com as ondas de rádio, e o que irá
ser resolvida, pelo menos em princı́pio, e o se-
ocorrer com as ondas de rádio.
gundo membro será então uma função de t.
Solução: O modelo que iremos usar para dis-
Multiplicando agora a eq. (2.68) por dt00 e
cutir o que ocorrerá com as ondas de rádio ao
integrando novamente de 0 a t, obtemos
interagirem com as cargas da mesma será o
Z Z 00
1 t 00 t movimento de um elétron de massa m e carga
x(t) = x0 +v0 t+ dt F (t0 )dt0 , (2.69)
m 0 0 −e, que inicialmente está em repouso na ori-
gem do sistema, e que a partir do instante em
Esta é a solução procurada x(t), em ter-
que ele passa a interagir com a onda eletro-
mos de duas integrais, que podem ser cal-
magnética que chega, cujo o campo elétrico é
culadas quando se conhece F (t). Uma in-
tegral definida pode ser sempre calculada;
E(t) = E0 sen (ωt + δ) (2.70)
não sendo possı́vel encontrar um resultado
analı́tico explı́cito, calcula-se a integral por ele sentirá uma força aplicada dada por
métodos numéricos, obtendo-se resultados tão
precisos quanto se queira. Por esta razão, F (t) = −eE(t) = −eE0 sen (ωt + δ) . (2.71)
Prof. Salviano A. Leão 44

Portanto, a equação de movimento do elétron dada por:



dv N e2
m = −eE0 sen (ωt + δ) (2.72) P = Np = − E(t) (2.76)
dt mω 2
a qual a ser integrada fornece O ı́ndice de refração n do gás de elétrons
eE0 eE0 nos dirá o que ocorrerá com as ondas de rádio
v(t) = − cos (δ) + cos (ωt + δ) (2.73)
mω mω viajando através da ionosfera. O ı́ndice de re-
Multiplicado da equação acima por dt e inte- fração n de um meio é
grando do instante t = 0 ao instante t, obtemos c
n= (2.77)
que v
eE0 eE0 onde c e v são a velocidade da luz no vácuo e
x(t) = − 2
sen (δ) − t cos (δ) (2.74)
mω mω no meio respectivamente, e elas ainda podem
eE0 ser expressas como
+ sen (ωt + δ)
mω 2
1 1
Os dois primeiros termos indicam que o c= √ e v=√ (2.78)
²0 µ0 ²µ
elétron está a deriva, movimentando-se com
uma velocidade uniforme e que esta veloci- onde ²0 e ² são as permissividades elétricas do
dade é uma função que depende somente das vácuo e do meio respectivamente enquanto µ0 e
condições iniciais. Já o último termo, indica µ são as permeabilidades magnéticas do vácuo
que temos um movimento oscilatório super- e do meio respectivamente, e µ0 /µ ≈ 1. Por-
posto ao movimento de deriva do elétron. A tanto, podemos escrever
freqüência de oscilação ω do elétron é inde- r r
c ²µ ² √
pendente das condições iniciais e é a mesma n= = ≈ = k, (2.79)
v ²0 µ0 ²0
freqüência de oscilação do campo elétrico da
onda de rádio incidente. A seguir investi- onde a constante k é chamada de permissi-
garemos como tais oscilações coerentes dos vidade relativa e está relacionada ao campo
elétrons livres podem modificar a propagação elétrico E e a polarização P, e ao vetor deslo-
caracterı́stica das ondas eletromagnéticas inci- camento elétrico D pela relação
dentes.
A parte oscilante do deslocamento x do D = ²0 E + P = ²E = k²0 E, (2.80)
elétron faz surgir um momento de dipolo
a partir da qual temos
elétrico p dado por
µ ¶
2
1 P
e k =1+ (2.81)
p=− E(t) (2.75) ²0 E
mω 2
Cada elétron do gás irá experimentar um a qual usando a eq. (2.76) pode ser reescrita
campo elétrico E externamente aplicado e um como ³ ω ´2
p
campo interno causado pelos momentos de di- k = 1 − (2.82)
ω
polo induzidos dos outros elétrons. Mas desde onde ωp é a freqüência de plasma definida como
que a densidade N de elétrons na ionosfera é s
muito baixa, a segunda contribuição pode ne- N e2
ωp = (2.83)
gligenciada, e a polarização macroscópica P é m²0
Prof. Salviano A. Leão 45

Fig. 2.16(a) pode-se ver que as ondas


com maiores freqüência, o ı́ndice de re-
fração n da ionosfera é aproximadamente
da ordem da unidade, e as ondas são re-
fratadas suavemente a partir da normal.
Pode-se ver ainda da Fig. 2.16(b) que em
baixas freqüências n é menor e as ondas
são refratadas de volta para a superfı́cie
Figura 2.16: Refração e reflexão de ondas de
da Terra. Já a Fig. 2.16(c) mostra que
rádio pela ionosfera.
ainda em baixas freqüências, n é menor
do que sen θi no fundo da ionosfera, e as
Portanto, o ı́ndice de refração pode ser escrito
ondas são totalmente refletidas.
como r ³ ω ´2
n= 1−
p
(2.84) 2. Se n for imaginário (ω ≤ ωp ), não haverá
ω um fluxo lı́quido de energia e não há ab-
sorção de energia pela ionosfera. Devido
Dá expressão acima vemos que se ω = ωp ,
a estes fenômenos podemos concluir que a
k e n tornam-se zeros. Quando ω é menor
onda é completamente refletida pela ionos-
do que ωp , k é negativa e o ı́ndice de refração
fera, para qualquer ângulo de incidência.
n torna-se imaginário puro. Agora estamos
prontos para discutir o que irá ocorrer as ondas
de rádio viajando pela ionosfera:
Exemplo 12 Um cabo de guerra é mantido
1. Para n real e 0 < n < 1, ou equivalen- entre dois times, A e B de 10 pessoas cada.
temente ω > ωp . De acordo com a lei A massa média de cada pessoa é de 70 kg e
de Snell n1 sen θi = n2 sen θr uma onda cada uma pode inicialmente, puxar com uma
de rádio deverá ter sua trajetória refra- força F0 = 800 N, entretanto, quando as pes-
tada da normal quando ela atinge a ionos- soas ficam cansadas, a força que elas puxam
fera. O ângulo de refração θr torna-se 90◦ decresce com o tempo de acordo com a relação
quando
sen θi = n (2.85) F (t) = F0 e−t/τ , (2.87)
Para ângulos de incidência θi maiores do
na qual τ é o tempo médio de cansaço. Para
que este a onda é totalmente refletida. De
o time A, τA = 20 s enquanto para o time B
fato, as bordas da ionosfera não é abrupta,
τB = 10 s. Descreva o movimento do sistema,
mas a reflexão deverá ocorrer para todos
isto é, calcule x(t) e v(t).
os ângulos de incidência dados por
Solução:
sen θi ≥ nmin. (2.86) A força aplicada em cada time em função do
tempo é dada por:
onde nmin. é o ı́ndice de refração mı́nimo
da ionosfera, ocorrendo na altura em que
a densidade de elétrons é máxima. Este FA (t) = nA F0 e−t/τA
efeito é ilustrado pela Fig. 2.16. Da FB (t) = nB F0 e−t/τB ,
Prof. Salviano A. Leão 46

com nA = nB = 10. A força resultante sobre o Aplicando a segunda lei de Newton ao bloco,
centro de massa é dada por: obtém-se que
dv
m = F0 e−λt
dV dt
(nA + nB )m = F0 (nA e−t/τA − nB e−t/τB ).
dt assim
(2.88)
Z v Z t
Definindo, F0 −λt0 0
dv = e dt
0 0 m
F0 ¡ −λt ¢
nA F0 nB F0 F0 v(t) = − e −1 .
α= = = , mλ
nA + nB m nA + nB m 2m
(2.89) Como,
temos então que, Z t
x(t) = x0 + v(t0 )dt0
dV 0
¯t
= α(e−t/τA − e−t/τB ) (2.90)
dt F0 ¯¯ F0
x(t) = x0 + 2 ¯ + t
mλ 0 mλ
F0 F0 ¡ −λt ¢
Z V Z t x(t) = x0 + t+ e − 1 .
−t0 /τA −t0 /τB 0 mλ mλ2
dV = α(e −e )dt
0 0
£ ¡ ¢ ¡ ¢¤No inı́cio do movimento, ou seja, para inter-
V (t) = α τA 1 − e−t/τA − τB 1 − e−t/τB valos . pequenos, t ¿ 1, a expansão em série de
Taylor da exponencial é e−λt = 1−tλ+ 12 t2 λ2 +
Como,
O (t3 ), considerando somente o termo até pri-
Z t
meira ordem para a velocidade, então a veloci-
X(t) = X0 + V (t0 )dt0
0
dade e a posição podem ser escritas como:
X(t) = X0 + α (τA − τB ) t + F0
¡ ¢ ¡ ¢ v(t) ' t (2.91)
ατA2 e−t/τA − 1 − ατB2 e−t/τB − 1 . m
F0 2
Apesar de ser um bom modelo, entretanto, x(t) = x0 + t. (2.92)
2m
devemos ponderar que uma pessoa não conse-
gue manter uma mesma força quando em mo- 2.7.4 Forças dependentes da ve-
vimento.
locidade: Forças de retar-
damento
Em nosso cotidiano, freqüentemente encontra-
Exemplo 13 Um bloco de massa m está inici-
mos forças que são dependentes da velocidade.
almente em repouso sobre uma superfı́cie sem
Exemplo de tais forças são as forças de re-
atrito. No instante t = 0, passa atuar sobre
sistência ao movimento que surgem nos flui-
ele a força
dos, como por exemplo, a força de resistência
F (t) = F0 e−λt ,
do ar atuando sobre um objeto em queda é
na qual λ é uma constante tal que: λ > 0 e uma função da velocidade do objeto. Estas
λ ¿ 1. Calcule x(t) e v(t). forças geralmente possuem uma dependência
Solução: complicada com a velocidade, pois as mesmas
Prof. Salviano A. Leão 47

dependem da densidade do fluido, da área da ar é melhor descrita pela expressão:


seção do corpo, da sua forma geométrica, etc. (
−mkv para 0 ≤ v ≤ 25 m/s
Nos casos mais simples, onde os corpos pos- Fr (v) = v
−mkv 2 para 25 < v < 32 m/s
suem uma forma regular, é o suficiente expres- v
sarmos a força de resistência Fr (v) por uma No caso de forças aplicadas que dependem
potência da velocidade. Geralmente as forças da velocidade, a equação de movimento pode
de resistência Fr (v) possuem uma dependência ser escrita como
com a velocidade mais complicada, entretanto, dv dv
a aproximação destas forças por uma lei de m = F (v) =⇒ mv = F (v) (2.94)
dt dx
potência é útil em muitas situações nas quais
Uma vez conhecida a forma funcional de
as velocidades não variam muito. Este tipo de
Fr (v), pode-se realizar a integração de qual-
aproximação é útil porque nos casos em que
quer uma das duas formas da equação de mo-
Fr (v) ∝ v n temos como integrar as equações
vimento na eq. (2.94).
de movimento, obtendo assim uma estimativa
A integração da primeira forma fornece,
para nossos resultado. Nos casos mais realis- Z t Z v
tas, certamente deverı́amos realizar uma inte- dv
dt =m
gração numérica. t0 v0 F (v)
Z v
dv
Em geral a força de resistência é uma função t =t0 + m . (2.95)
v0 F (v)
complicada da velocidade mas para certos in-
tervalos de velocidade ela pode ser escrita, de Integrando-se a eq. (2.95) acima obtemos a
forma aproximada, em módulo, através de uma velocidade v em função do tempo t, isto é,
lei de potência como v = v(t) e portanto podemos determinar x(t)
usando que
Z t
nv dx
Fr = −mk|v| (2.93) v(t) = =⇒ x(t) = x0 + v(t0 )dt0 ,
v dt t0
(2.96)
onde mk é uma constante positiva que de- portanto, para este caso fica resolvido por com-
pende do formato do objeto e da densidade do pleto.
ar, ela expressa a magnitude da força de re- Agora, ao integramos a segunda forma da
sistência; a massa é escrita explicitamente por equação de movimento da eq. (2.94), obtemos
uma questão de conveniência. Já o termo vv a posição x como uma função da velocidade,
é um vetor unitário na direção da velocidade assim: Z Z v
x
v e o sinal negativo indica simplesmente que vdv
dx =m ,
está força é contrária a velocidade. Verifica-se x0 v0 F (v)
Z v
experimentalmente que para objetos relativa- vdv
x(v) =x0 + m . (2.97)
mente pequenos movendo-se no ar, n ≈ 1 para v0
F (v)
velocidades menores que algo em torno de 24 Ao integrarmos esta equação, a sua forma
m/s. Para velocidades entre este valor e a velo- funcional é que nos dirá se conseguiremos
cidade do som (330 m/s) a força de resistência expressa-lá em função do tempo.
é melhor descrita por n = 2. Mas tipicamente A seguir iremos analisar alguns exemplo de
para pequenos objetos a força de resistência do movimentos sob a ação de uma força resistiva.
Prof. Salviano A. Leão 48

Para isto, dividiremos nossa discussão em duas Podemos obter a velocidade como função da
partes: na primeira não iremos considerar as posição da partı́cula escrevendo
forças externas aplicadas, mas somente a força dv dv dx dv dv 1 dv
de resistência. No segundo caso iremos levar = =v ⇒ =
dt dx dt dx dx v dt
em conta além da força de resistência as forças
Assim,
externas aplicadas.
dv d ¡ −kt ¢
= v0 e = −kv
dt dt
Exemplo 14 Considere um barco navegando obtemos que a aceleração do barco é direta-
em nas águas tranqüilas de um lago, com uma mente proporcional a velocidade do mesmo.
velocidade v0 . No instante t0 = 0 desliga-se os Podemos escrever ainda que
motores do barco, e considerando esta posição 1 dv dv
como o marco zero da posição, determine as = −k =⇒ = −k
v dt dx
equações de movimento do barco supondo que
logo, integrando dv/dx, com a condição de que
a força de atrito entre o barco e a água seja
v = v0 para x = 0, obtemos que
F (v) = −mkv. Z v Z x
Solução: Assumindo que a trajetória do barco dv = −k dx
é retilı́nea, a equação de movimento na direção v0 0

x, a partir do instante t0 = 0 é dada por: Assim


dv 1 dv v(x) = v0 − kx,
mẍ = m = F (v) = −mkv ⇒ = −k
dt v dt vemos que a velocidade decresce linearmente
onde mkv é o módulo da força de resistência e com o deslocamento!
o sinal negativo (−) indica que ela é contrária Vamos investigar o comportamento do barco,
à velocidade do barco. Integrando a equação no inı́cio de seu movimento, ou seja, para o
acima obtemos que regime de tempos em que kt ¿ 1, e neste caso
Z v Z t µ ¶ podemos usar a expansão em série de Taylor
dv v
= −k dt0 ⇒ ln = −kt, da exponencial, obtendo que
v0 v 0 v 0
1 ¡ ¢
e−kt = 1 − kt + k 2 t2 + O t3
assim, 2
−kt
v(t) = v0 e . onde mantivemos somente os termos de se-
Agora devemos obter a posição x como uma gunda ordem. Desta forma observe que a a
função do tempo, e para isto usamos o fato de posição pode ser reescrita como
que 1
x(t) = v0 t − v0 kt2 , (kt ¿ 1)
Z x Z t 2
dx 0 0
v= ⇒ dx = v(t )dt , e conseqüentemente a velocidade será
dt 0 0

assim v(t) ' v0 − v0 kt, (kt ¿ 1) .


v0 ¡ ¢
x(t) = 1 − e−kt
k Observe que para mantermos a mesma ordem
Note que x aproxima-se assintoticamente do de aproximação da posição, a velocidade deve
valor v0 /k quanto t → ∞. ter uma ordem menor, pois a mesma é uma
Prof. Salviano A. Leão 49

derivada da posição. Observe que no regime As dependências em v e em t da equação


inicial, o sistema se comporta com se a força acima podem ser separadas se escrevermos
fosse praticamente constante e igual a Fr =
dv
−mkv0 , e o barco se moveria com uma ace- = −dt
kv + g
leração a0 = −kv0 .
Integrando, obtemos que
1
ln (kv + g) = −t + C1
k
Exemplo 15 Considere uma partı́cula em
Supondo v(t = 0) = v0 (que pode ser positivo
queda em um meio onde a força de resistência
ou negativo), temos
é proporcional à velocidade. Obtenha a posição
e a velocidade da partı́cula como funções do 1
C1 = ln (kv0 + g)
tempo. k
Solução: Vamos supor que no instante inicial Assim, µ ¶
kv + g
a partı́cula encontre-se a uma altura h acima ln = −kt
kv0 + g
do solo e que sua velocidade inicial seja v0 . Va-
mos orientar o eixo y na vertical com sentido v + g/k
= e−kt
positivo para cima, como na figura 2.17 abaixo. v 0 + g/k
g ³ g ´ −kt dy
v(t) = − + v0 + e = (2.98)
k k dt
Integrando a expressão acima, obtemos
g 1³ g ´ −kt
y =− t− v0 + e + C2
k k k
Como, y(t = 0) = h, então,
1³ g´
C2 = h + v0 + .
k k
Assim,
Figura 2.17: Uma partı́cula sob a ação da força g 1³ g´¡ ¢
y(t) = h − t + v0 + 1 − e−kt (2.99)
peso e a resistência do ar. k k k
A eq. (2.98), observamos que para tempos
Existem duas forças atuando sobre a
muito longos a velocidade tende a um valor li-
partı́cula: a força peso e a resistência do meio.
mite que chamaremos de vt , e este valor é dado
A equação de movimento pode ser escrita como
por
dv
m = −mg − kmv vt = lim v(t)
dt t→∞
h g ³ g ´ −kt i
O sinal negativo (−) no primeiro termo indica = lim − + v0 + e
t→∞ k k
que a força peso aponta para baixo. Por sua g
=− .
vez o sinal negativo (−) no segundo termo in- k
dica que a força de resistência é contrária à Este valor limite da velocidade é chamado ve-
velocidade. locidade terminal dos corpos em queda. A
Prof. Salviano A. Leão 50

A figura 2.18 acima mostra os gráficos do


módulo da velocidade em função do tempo para
o caso em que a velocidade inicial é negativa
(para baixo). Se a velocidade inicial é maior
que a velocidade terminal (em módulo), v vai
diminuindo até atingir o valor limite g/k. Se
a velocidade inicial é menor que a velocidade
terminal (em módulo), v vai aumentando até
o valor limite g/k.
Figura 2.18: Gráfico de v × t, para vários va-
Ao analisarmos a constante k, veremos que
lores da constante k. ela tem dimensão de freqüência, assim pode-
velocidade terminal de um corpo é definida mos definir um tempo τ caracterı́stico do sis-
neste caso como a velocidade do corpo quando tema como,
1
a força de resistência é igual ao peso do corpo, τ= .
k
pois deste modo, a força lı́quida que atua sobre Desta forma as equações de movimento podem
o corpo é nula, isto é, ser reescritas como,
g ¡ ¢
−mg − mkvt = 0 ⇒ vt = − . y(t) = h + vt t + τ (v0 − vt ) 1 − e−t/τ
k
De forma geral, a velocidade terminal de um
v(t) = vt + (v0 − vt ) e−t/τ
corpo movendo-se em um meio resistivo, cuja
a força de resistência é proporcional a velo- No caso especial em que v0 = 0, temos que,
cidade, pode ser definida como sendo a veloci- ¡ ¢
v(t) = vt 1 − e−t/τ
dade atingida pelo corpo na qual a força lı́quida
que atua sobre o corpo é nula. Tendo em vista e neste caso quando t = τ , temos que:
esta definição, deve-se ressaltar, que na des-
v(τ ) = 0.63vt .
crição do movimento de corpos cujas únicas
forças sejam a da gravidade e a força de re- Este é o tempo caracterı́stico para que a
sistência do ar, só terá sentido falarmos em ve- partı́cula atinja 63% de sua velocidade termi-
locidade terminal no movimento descendente, nal.
pois somente neste caso, a força da gravidade
é oposta a força de resistência do ar.
Como um exemplo a velocidade terminal das
Exemplo 16 A figura 2.19 abaixo mostra
gotas de chuva variam tipicamente entre 3 ≤
uma bala de canhão que é atirada com uma ve-
vt ≤ 7 m/s. Diferentes corpos, iniciando o
locidade inicial v0 em uma direção que forma
seu movimento com velocidades diferentes irão
um ângulo θ acima da horizontal. Calcule a
aproximar da velocidade terminal em diferen-
posição e a velocidade como funções do tempo
tes instantes. Existem três diferentes possibili-
e o alcance do projétil. Numa primeira apro-
dades para a velocidade inicial
 ximação despreze a resistência do ar.
 0
 Solução: A equação de movimento (vetorial)
|v0 | = |v0 | < |vt | é dada por


|v0 | > |vt | mr̈ = mg
Prof. Salviano A. Leão 51

2v0 sen θ
T =
g
O alcance R é dado por

R = x(T ) = v0 cos θ T
2v0 sen θ
= v0 cos θ ·
g
Figura 2.19: Um canhão, atirando uma bala 2
v
no plano. = 0 sen(2θ)
g

Como a força peso só tem componente na ver-


tical (para baixo), temos: Exemplo 17 Calcule o alcance do projétil do
(
Direção x: mẍ = 0 exemplo anterior sob a suposição de que uma
(2.100) força de resistência do ar proporcional à velo-
Direção y: mÿ = −mg
cidade atua sobre ele.
As condições iniciais são: Solução: As condições iniciais são as mes-
( mas do exemplo 16 mas as equações de movi-
x(t = 0) = 0 ẋ(t = 0) = v0 cos θ
mento tornam-se
y(t = 0) = 0 ẏ(t = 0) = v0 sen θ (
(2.101) Direção x: mẍ = −mk ẋ
Integrando duas vezes as equações (2.100), Direção y: mÿ = −mk ẏ − mg
usando as condições iniciais (2.101), obtemos: (2.102)
( As eqs. (2.102) são as mesmas equações que
x(t) = v0 cos θ t
aparecem no exemplo 14 mas a componente ho-
ẋ(t) = v0 cos θ rizontal da velocidade inicial é v0 cos θ e não
 v0 . Assim
 y(t) = v sen θ t − 1 gt2
0
2 v0 cos θ ¡ ¢
 ẏ(t) = v sen θ − gt x= 1 − e−kt (2.103)
0
k
o módulo da velocidade da partı́cula é dado por:
Por sua vez, a segunda equação em (2.102) é
p
v = ẋ2 + ẏ 2 a mesma equação que aparece no exemplo 15.
q Fazendo h = 0 e trocando v0 por v0 sen θ em
= v02 + g 2 t2 − 2v0 gt sen(θ) (2.99) temos
Por sua vez o módulo do deslocamento é g 1³ g´¡ ¢
y(t) = − t + v0 sen θ + 1 − e−kt
p k k k
r = x2 + y 2
r O tempo de vôo pode ser obtido da relação
1
= v02 t2 + g 2 t2 − v0 gt3 sen(θ)
4 y(T ) = 0
g 1 ³ ´
g ¡ ¢
O alcance é o valor de x quando a bala cai no − T+ v0 sen θ + 1 − e−kT = 0
k k k
chão, ou seja, o valor de x quando y = 0. Se
T for o tempo de vôo do projétil, então ou seja,

1 kv0 sen θ + g ¡ ¢
y(T ) = v0 sen θ T − gT 2 = 0 T = 1 − e−kT (2.104)
2 kg
Prof. Salviano A. Leão 52

Observe que esta é uma equação transcen- ou em termos das componentes


dental e por isso não podemos obter uma ex- ³ ´ ³ ´
pressão analı́tica para T . Uma forma de re- m ẍ î + ÿ ĵ + z̈ k̂ = q ẋ î + ẏ ĵ + ż k̂ × B ĵ
³ ´
solvê-la é através de método numérico1 . Se os = qB ẋk̂ − ż î (2.106)
valores numéricos de todas as grandezas (v0 , θ,
g e k) são conhecidos, podemos estipular um Esta equação vetorial corresponde às seguin-
valor inicial para T e substituı́-lo na (2.104). tes equações escalares:
Em um segundo momento tomamos o valor
mẍ = −qB ż (2.107)
calculado de T , substituı́mos novamente em
(2.104) e comparamos o valor calculado com o mÿ = 0 (2.108)
valor substituı́do. Este procedimento é repetido mz̈ = qB ẋ (2.109)
até que o valor calculado coincida com o valor
substituı́do (dentro de uma precisão numérica Definindo,
qB
estabelecida). Quando isto acontecer teremos α= (2.110)
m
encontrado a solução de (2.104). O valor cal- temos,
culado de T pode ser substituı́do em (2.103)
para o cálculo do alcance. ẍ = −αż (2.111)
Um outro método para resolver (2.104), que ÿ = 0 (2.112)
é útil quando k é pequeno, é o método das per-
z̈ = αẋ (2.113)
turbações.
A eq. (2.112) é independente das outras
duas e pode ser facilmente resolvida. Inte-
Exemplo 18 Considere uma partı́cula carre- grando uma vez, temos
gada entrando em uma região onde existe
um campo magnético uniforme, de módulo B, ẏ = ẏ0 (2.114)
apontando na direção y. Determine o movi-
Integrando novamente, obtemos
mento subseqüente da partı́cula.
Solução: Sobre uma partı́cula carregada na y = y0 + ẏ0 t (2.115)
presença de um campo magnético, atua a força
de Lorentz, portanto, a equação de movimento É fácil ver que a projeção do movimento da
da partı́cula é dada por partı́cula no eixo y é um movimento uniforme!
Ao contrário da eq. (2.112), as equações
mr̈ = q (v × B) (2.105)
(2.111) e (2.113) são acopladas. Uma forma
1
Uma forma de resolver está equação é usando o de desacoplá-las é deriva-las novamente com
SCILAB (página www.scilab.org) um software livre
relação ao tempo e substituir uma delas na de-
para cálculos numéricos, gráficos, etc. Este software
rivada da outra. Assim obtemos:
está disponı́vel tanto para os ambientes Windows como
Linux. Uma vez instalado o software use o seguinte co- ...
x = −α2 ẋ (2.116)
mando para resolver a equação em questão:
...
z = −α2 ż (2.117)
def f (0[y] = f 0, ‘f (t) = kgT −(kv0 sen θ−g)(1−exp(−kt))0 );

Certamente antes você deverá ter atribuı́do valores É sabido que, depois de derivadas duas vezes,
para as constantes que aparecem no problema. as funções sen e cos voltam nelas mesmas, a
Prof. Salviano A. Leão 53

menos de uma constante negativa. Isto sugere É fácil ver que as formas acima são equiva-
que as soluções das eqs. (2.116) e (2.117) são lentes, desde que
do tipo (verifique): (
Ax = R cos(δ)
x = Ax cos(αt) + Bx sen(αt) + x0 (2.118) (2.126)
B = −R sen(δ)
x
z = Az cos(αt) + Bz sen(αt) + z0 (2.119)
Quando projetamos o movimento da partı́cula
onde, Ax , Az , Bx , Bz , x0 e z0 são constantes no plano xz, vemos que ela descreve um mo-
de integração a serem determinadas (x0 e z0 vimento circular uniforme de raio R centrado
não são necessariamente os valores de x e z no ponto (x0 , z0 ), conforme mostra a figura
no instante t = 0). As constantes Ax , Az , Bx 2.20(a) abaixo. Simultaneamente, a partı́cula
e Bz não são independentes: elas devem estar se move ao longo do eixo y com velocidade
acopladas para satisfazer as equações (2.111) constante, de forma que a sua trajetória é
e (2.113). Substituindo as equações (2.118) e uma espiral, conforme mostra a figura 2.20(b)
(2.119) na equação (2.111), obtemos abaixo. Quais são as seis constantes de inte-

− α2 (Ax cos(αt) + Bx sen(αt)) =


− α2 (−Az sen(αt) + Bz cos(αt)) (2.120)

Para que esta igualdade seja válida para qual-


quer t os coeficientes das funções sen e cos de-
vem ser iguais. Assim

Bz = Ax e Az = −Bx (2.121)

Se tivéssemos substituı́do as equações (2.118) e


(2.119) na eq. (2.113) chegarı́amos ao mesmo
resultado. As equações (2.118) e (2.119) po-
(a)
dem ser reescritas como

x − x0 = Ax cos(αt) + Bx sen(αt) (2.122)


z − z0 = −Bx cos(αt) + Ax sen(αt) (2.123)

Para facilitar a interpretação desta solução


é conveniente reescrevê-la como

x − x0 = R cos(αt + δ)
= R cos(αt) cos(δ) − R sen(αt) sen(δ)
(b)
(2.124)

Figura 2.20: (a)Movimento da partı́cula no


z − z0 = R sen(αt + δ)
plano xz. (b) Movimento da partı́cula ao longo
= R sen(αt) cos(δ) + R cos(αt) sen(δ) da direção y.
(2.125)
Prof. Salviano A. Leão 54

gração deste problema? Quais são os seus sig- Integrando (lembrando que S é constante) te-
nificados? Qual o significado de α? mos
p · S = cte. (2.131)
Se a componente da força ao longo de uma
2.8 Teoremas de con-
dada direção S for nula, então a componente
servação do momentum ao longo desta direção é conser-
vada (S pode ser, por exemplo, î, ĵ ou k̂).
Nesta seção, após uma minuciosa análise da
aplicação dos conceitos da mecânica newtoni-
ana a uma única partı́cula, obtém-se a dedução
2.8.2 Conservação do momen-
de alguns teoremas importantes sobre quanti- tum angular
dades fı́sicas que se conservam. Deve-se res-
O momentum angular L de uma partı́cula em
saltar que não será provada a conservação das
relação à origem de um sistema de coordenadas
várias quantidades fı́sicas.
é definido como
Estes teoremas de conservação são deduzidos
como meras conseqüências das leis de Newton L≡r×p (2.132)
da dinâmica, e neste sentido estes não são ca- Por sua vez, o torque N ou momento da força,
racterizados como novas leis da mecânica. Por- sobre a partı́cula, em relação ao mesmo sistema
tanto, o resultado do confronto destas quanti- de referência, é definido como
dades fı́sicas que se conservam com os expe-
rimentos, e a sua verificação, fornecerá uma N≡r×F (2.133)
validação das leis de Newton. onde r é o vetor posição, que vai da origem ao
ponto onde a força F é aplicada. Desde que
2.8.1 Conservação do momen- F = mv̇ para a partı́cula, então o torque pode
ser escrito como
tum linear.
Da Segunda Lei de Newton N = r × mv̇ = r × ṗ (2.134)

dp Agora, derivando L em relação ao tempo, te-


F= (2.127)
dt mos
Quando a força é zero, temos d
L̇ = (r × p) = (ṙ × p) + (r × ṗ) (2.135)
dt
dp
=0 =⇒ p = cte. (2.128) Mas
dt
Podemos dizer então que quando a força to- ṙ × p = ṙ × mv = m (ṙ × ṙ) ≡ 0 (2.136)
tal que atua sobre uma partı́cula é zero, o seu
Então
momentum linear é conservado.
Se o vetor F não for zero, mas se L̇ = (r × ṗ) = r × F = N (2.137)

F·S=0 (2.129) Se nenhum torque atua em uma partı́cula, (isto


é, se N = 0), então L̇ = 0 e L é um vetor
onde S é um vetor constante, então constante no tempo, ou seja,

ṗ · S = 0 (2.130) L̇ = N = 0 =⇒ L = cte. (2.138)


Prof. Salviano A. Leão 55

Se o torque total que atua sobre uma partı́cula 2.8.3 Conservação da energia
for nulo, então seu momentum angular é con-
Trabalho de Uma Força Constante
servado.
O trabalho WA→B realizado pela força cons-
tante F atuando sobre uma bloco de massa m,
Exemplo 19 Um rato de massa m pula so- quando o mesmo é deslocado do ponto A ao
bre a extremidade de um ventilador de teto, de ponto B sobre uma trajetória retilı́nea, cujo
momento de inércia I e raio R, que gira li- vetor deslocamento é d é
vremente com velocidade angular ω0 . Qual a
velocidade angular final do ventilador? WA→B = F · d = F d cos θ. (2.143)

Observe que se não houver deslocamento não


haverá trabalho realizado.

Figura 2.21: Rato sobre um ventilador girando


com uma velocidade angular ω0 . Figura 2.22: Deslocamento de uma partı́cula
de massa m, submetida a ação de uma força
Solução: A força gravitacional que a Terra
constante F.
exerce sobre o rato provoca um torque sobre o
sistema ventilador + rato (em relação ao cen- Agora a questão que devemos levantar é e se
tro do ventilador) mas este torque não possui a força não for constante durante o seu deslo-
componente vertical. Desta forma, a compo- camento, como ocorre por exemplo com a força
nente vertical do momentum angular do sis- exercida sobre um bloco por uma mola.
tema deve ser conservada. Antes do rato pular,
temos Trabalho de Uma Força Variável
L0 = Iω0 (2.139)
Consideremos uma partı́cula que se move de
Depois do rato pular
um ponto P1 a um ponto P2 sobre um arco
¡ ¢ de curva C qualquer, orientado no sentido de
L = I + mR2 ω (2.140)
P1 para P2 , sob a ação de uma força F que
onde mR2 é o momento de inércia do rato, pode variar em magnitude, direção e sentido
(considerado pontual) em relação ao eixo do de ponto a ponto da curva C (ver figura 2.22
ventilador. Pela conservação do momentum abaixo).
angular Agora iremos decompor a curva C em uma
¡ ¢ sucessão de deslocamentos infinitesimais ∆~`i ,
L = L0 =⇒ I + mR2 ω = Iω0 (2.141)
aproximando o arco de curva C por uma li-
Iω0 nha poligonal inscrita cujo o número de lados
ω= (2.142)
I + mR2 aumenta indefinidamente. Se os extremos Pi e
Prof. Salviano A. Leão 56

assim a integral curvilı́nea (2.145) se reduz a


soma de três integrais ao longo dos eixos:
Z P2 Z P2 Z P2 Z P2
~
F · d` = Fx dx + Fy dy + Fz dz
P1 P1 P1 P1
(C) (C) (C) (C)
(2.148)
Na primeira dessas integrais, y e z são funções
Figura 2.23: Trajetória de uma partı́cula de de x definidas pela condição de que o ponto
massa m, submetida a ação de uma força P (x, y, z) pertence a curva C; analogamente,
variável. na segunda, x e z podem ser considerados como
funções de y, e na terceira x e y são funções de
Pi+1 do i-ésimo arco parcial em que C fica sub- z.
dividido forem suficientemente próximos entre- Desta forma podemos definir o trabalho re-
si, F ≈ Fi (constante) sobre este arco, e po- alizado por uma força F sobre uma partı́cula
−−−−→ que se desloca da posição P1 para a posição P2
demos aproximá-los pela corda Pi Pi+1 = ∆~`i ,
de modo que podemos definir o trabalho reali- ao longo da trajetória C como:
Z P2 Z P2 Z P2
zado sobre uma partı́cula pela força Fi quando (C)
W1→2 ≡ F · dr = Fx dx + Fy dy+
a partı́cula se move de Pi para Pi+1 por P1 P1 P1
(C) (C) (C)
Z P2
WPi →Pi+1 ≈ F · ∆~`i (2.144) Fz dz (2.149)
P1
(C)
e o trabalho total de P1 a P2 ao longo de C é
obtido somando sobre todos os segmentos da Observe que o caminho da integração não
poligonal e fazendo ∆~`i → 0: é dado pelo deslocamento infinitesimal d~`, o
qual é sempre dado por um deslocamento in-
X
Fi · ∆~`i
(C)
WPi →Pi+1 = lim finitesimal positivo no sistema de coordenadas
|∆~`i |→0 i
Z P2 utilizado. O sentido do deslocamento é dado
= Fi · d~`i (2.145) pelos limites de integração. Portanto, de agora
P1
(C)
em diante usaremos a notação dr em vez de d~`
para o deslocamento infinitesimal.
O limite na eq. (2.145) define a integral de
linha de F · d~` de P1 até P2 ao longo da curva
Exemplo 20 Considere um bloco de massa
C. O deslocamento infinitesimal d~` ao longo de
m preso a uma mola de constante elástica k,
C tem por componentes os deslocamentos in-
cuja força obedece a lei de Hooke, ou seja,
finitesimais correspondentes (projeções) sobre
F = −kxî. Determine o trabalho realizado pela
os eixos:
mola, ao deslocarmos o bloco do ponto xA para
dr = d~` = dxı̂ + dy̂ + dz k̂, (2.146) o ponto xB .
Solução: O trabalho realizado pela força é
conseqüentemente, dado por,
Z B
F · d~` = F dx + F dy + F dz, (2.147) WA→B = F · dr.
x y z
A
Prof. Salviano A. Leão 57

desta forma podemos escever,


Z P2
(C)
WP1 →P2 = F · dr
P1
(C)
1 1
= mv22 − mv12
2 2
= T2 − T1 = ∆T, (2.152)
Figura 2.24: Bloco de massa m preso a uma
mola. aqui v1 e v2 são as velocidades da partı́cula nos
1
pontos P1 e P2 , respectivamente e T = mv 2 é
2
Como a força é F = −kxî e dr = dxî, então, a energia cinética da partı́cula. Este resultado
F · dr = −kx dx, portanto o trabalho será é conhecido como o teorema trabalho energia.
Z xB A equação acima nos diz que: o trabalho re-
1 ¡ 2 2
¢
WA→B = −k x dx = k xA − xB . alizado pela força resultante F que atua sobre
xA 2
uma partı́cula é igual à variação da energia
Observe, que se fizermos um gráfico da força cinética da partı́cula entre as posições inicial
em função do deslocamento x, este trabalho é e final.
numericamente igual a área em baixo da curva.
Fica para o leitor verificar isto.
Exemplo 21 Considere um bloco de massa m
sob a ação de uma força F constante, o qual
Teorema Trabalho Energia se desloca do ponto do ponto x0 para o ponto
xf ao longo uma trajetória retilı́nea, cujo ve-
Seja F a resultante das forças que atuam sobre tor deslocamento entre os pontos x e x é
0 f
uma partı́cula de massa m, então, o trabalho d = (x − x )î. Usando o teorema trabalho
f 0
realizado por esta força quando a partı́cula vai energia encontre uma relação entre os pontos
do ponto P1 ao ponto P2 ao longo da trajetória x , x ,v , v e a força F.
0 f 0 f
C é
Z P2
(C)
WP1 →P2 = F · dr, (2.150)
P1
(C)

porém, da segunda lei de Newton temos

dv dr dv
F · dr = m · dt = m · vdt,
dt dt dt
1 d Figura 2.25: Bloco de massa m sob a ação de
= m (v · v) dt
2 dt uma força constante F.
1 d ¡ 2¢
= m v dt
2 µdt ¶ Solução: O trabalho realizado pela força é
d 1 2
= mv dt dado por,
dt 2
dT Z xf
= dt (2.151) Wx0 →xf = F · dr.
dt x0
Prof. Salviano A. Leão 58

Como a força é constante e a trajetória é re-


tilı́nea, então

Wx0 →xf = F · d = F cos θ (xf − x0 ) .

Do teorema trabalho energia temos,


1 ¡ ¢
Wx0 →xf = Tf − T0 = m vf2 − v02 .
2
Igualando as duas últimas expressões, obtemos
1¡ 2 ¢
vf − v02 = F cos θ (xf − x0 ) ,
2
a qual pode ser escrita como
µ ¶
2 2 F cos θ Figura 2.26: Possı́veis trajetórias de uma
vf = v0 + 2 (xf − x0 ) ,
m partı́cula, para ir do ponto P ao ponto Q, ou
na qual a expressão (F cos θ)/m é a aceleração vice-versa, em um campo gravitacional.
ao longo do deslocamento da partı́cula, assim
a = (F cos θ)/m. Portanto, obtivemos a co- O trabalho realizado pela força peso para ir
nhecida equação de Torricelli, da cinemática, de P até Q ao longo da trajetória (a) é
Z Q
a qual é expressa como (a)
WP →Q = F · dr. (2.153)
P
vf2 = v02 + 2a (xf − x0 ) . (a)

Como F = −mg ĵ, e se êa for um vetor unitário


Observe que esta expressão só é válida se F
ao longo da direção do segmento de reta P Q,
for a resultante das forças, e além disso, se
então dr = d`êa , assim
ela for constante no movimento. Entretanto, o
π
teorema trabalho energia vale para uma força F·dr = −mg cos( −θ) = −mg sen θ, (2.154)
2
qualquer, exceto para o caso em que a massa
portanto,
do sistema é variável.
(a)
WP →Q = −mgD sen θ = −mgh. (2.155)
Forças conservativas O trabalho para ir de P até O ao longo da
Inicialmente vamos investigar como o traba- trajetória (b) é nulo pois, a força F = −mg ĵ
lho realizado por uma força depende da tra- é perpendicular ao deslocamento dr = dxî, e
jetória. Para tal, inicialmente iremos analisar desta forma, F · dr = 0, assim
esta dependência no caso do campo gravitacio- (b)
WP →O = 0. (2.156)
nal, considerando o trabalho realizado para le-
Para calcularmos o trabalho realizado pela
var uma partı́cula de massa m de um ponto P a
(a) força peso para ir de O até Q ao longo da tra-
um ponto Q ao longo da trajetória (a), WP →Q
jetória (c), usamos neste caso que dr = dy ĵ
e o trabalho para ir do ponto P ao ponto Q
logo F · dr = −mgdy, então
através da soma das trajetórias (b) e (c), mos-
(c)
tradas na figura abaixo. WO→Q = −mgh (2.157)
Prof. Salviano A. Leão 59

Os resultados anteriores mostram que

(a) (b) (c)


WP →Q = WP →O + WO→Q . (2.158)

Portanto, da forma que os resultados foram


obtidos podemos concluir que o trabalho re-
alizado pela força peso para ir de um ponto a
outro do espaço independe da trajetória esco-
lhida, mas somente do ponto inicial e do ponto
final.
Então surge a questão: Será que existe uma
classe de forças cujo trabalho realizado pelas
mesmas para ir de um ponto a outro do espaço
irá independer da trajetória? Se existe então Figura 2.27: Possı́veis trajetórias de uma
que caracterı́sticas devem ter estas forças? partı́cula, para ir do ponto P ao ponto Q, ou
De fato, em muitas situações fı́sicas a força vice-versa.
tem a propriedade de que o trabalho realizado
por ela sobre a partı́cula só depende dos pontos ser escrito como
I Z Q Z P
inicial e final, e não da trajetória. Chamaremos
F · dr = F · dr + F · dr = 0. (2.160)
de forças conservativas as forças cujo trabalho P Q
independem da trajetória. Agora iremos exa- Aqui suprimimos a indicação da trajetória,
minar as propriedades desta classe de forças. pois o trabalho independe da mesma, só de-
Por exemplo, na figura 2.27 abaixo se a força pende do ponto inicial e final.
for conservativa o trabalho realizado por ela ao O teorema de Stokes, leva a integral de li-
deslocarmos a partı́cula do ponto P ao ponto nha em uma integral de superfı́cie da seguinte
Q será o mesmo, independente se a trajetória forma:
percorrida pela partı́cula foi a trajetória (a), Z Z Z
(b) ou (c). F · dr = (∇ × F) · dS (2.161)
S
Suponha que a partı́cula vá de P a Q pelo
Se a força F for conservativa então temos ao
caminho (a) e volte pelo caminho (b). Assim
longo de uma trajetória fechada que
(f echado) (a) (b) I Z Z
W P →Q = WP →Q + WQ→P
Q→P F · dr = (∇ × F) · dS = 0. (2.162)
S
(a) (b)
= WP →Q − WP →Q (2.159)
Portanto, o rotacional da força deve ser nulo,
ou seja,
Se o trabalho realizado pela força for indepen-
¯ ¯
(a) (b)
dente do caminho, então WP →Q = WP →Q , logo ¯ ¯
¯ î ĵ k̂ ¯
(f ec) ¯ ∂ ¯¯
W P →Q = 0. ¯ ∂ ∂
Q→P ∇×F=¯ ¯ = 0. (2.163)
¯ ∂x ∂y ∂z ¯
Assim podemos dizer que se o trabalho não ¯ ¯
¯ Fx Fy Fz ¯
depende do caminho, ou seja, o trabalho rea-
lizado por uma força for conservativa em um Da análise vetorial, sabemos que o rotacional
percurso fechado é nulo. Este resultado pode do gradiente de uma função escalar φ(x, y, z)
Prof. Salviano A. Leão 60

qualquer é sempre nulo, ou seja, através da relação


Z B
∇ × ∇φ = 0. (2.164) ∆U = U (rB ) − U (rA ) = − F · dr
A
(C)
Z
já que, B
=− F · dr (2.169)
A
∂φ ∂φ ∂φ (C)
∇φ = î + ĵ + k̂. (2.165)
∂x ∂y ∂z
Definindo, UB = U (rB ) e UA = U (rA ), pode-
Portanto, podemos concluir que toda força mos escrever
Z B
que pude ser expressa pelo gradiente de uma
UB − UA = − F · dr = −WA→B (2.170)
função escalar da posição terá o seu rotacional A

nulo e portanto será uma força conservativa. Observe que eliminamos o ı́ndice da trajetória
Nesse caso, é possı́vel associar à força já que o trabalho realizado por esta força inde-
uma função escalar da posição da partı́cula, pende da trajetória.
chamada função energia potencial U (r) = Deve-se ressaltar que a expressão (2.170)
U (x, y, z), da seguinte forma, acima define apenas a diferença de energia
potencial entre dois pontos. Sendo assim, a
F = −∇U (r) (2.166) função energia potencial é definida a menos de
µ ¶
∂U ∂U ∂U
= − î + ĵ + k̂ .(2.167) uma constante aditiva, que não tem nenhum
∂x ∂y ∂z significado fı́sico. Também é importante men-
cionar que se o trabalho realizado pela força
O sinal negativo foi escolhido, porque as
depender do caminho, a definição de energia
forças que encontramos na natureza estão sem-
potencial não faz sentido. Se não, qual seria
pre direcionadas para o ponto de equilı́brio
o caminho usado para calcular a integral da
estável. Porém do cálculo, sabemos que o
equação (2.170)?
ponto de equilı́brio estável está associado a um
ponto de mı́nimo. Portanto, a força deve apon-
tar para o ponto de mı́nimo da função energia Exemplo 22 Determine o a energia potencial
potencial, entretanto, como o gradiente de uma de uma partı́cula de massa m em movimento
função escalar está direcionado para o ponto de na vizinhança da superfı́cie terrestre. Ado-
máximo desta função então a força está direci- tando um sistema de coordenadas cartesianas
onada no sentido oposto, assim F = −∇U (r). com eixo Oy dirigido verticalmente para cima.
Portanto, o sinal negativo quer dizer que a Discuta a escolha adequada para o valor de re-
força está direcionada para a região de menor ferência da energia potencial gravitacional.
energia potencial. Solução: As componentes da força peso são:
Como o gradiente é uma derivada direcional
Fx = Fz = 0; Fy = −mg (2.171)
então de sua definição temos que:
A eq. (2.147) fica então:
dU = [∇U (r)] · dr = −F · dr (2.168) Z B Z yB
F · dr = −mg dy
A yA
Portanto,, a diferença na energia potencial da
partı́cula calculada nos pontos A e B é definida = −mg(yB − yA ). (2.172)
Prof. Salviano A. Leão 61

Segunda Escolha: Neste caso vamos esco-


lher um valor constante qualquer da se-
guinte forma, U (yA ) = U0 para yA = 0,
logo a energia potencial é dada por

U (y) = U0 + mgy,

a qual satisfaz a escolha feita anterior-


mente, ou seja, que U (0) = U0 . Observe
ainda que a diferença de energia potencial
entre os pontos yA e yB fornecem o resul-
tado da eq. (2.173).

Figura 2.28: Trabalho realizado pela força peso Vimos do resultado acima que a energia poten-
sobre uma partı́cula de massa m, para ir do cial gravitacional, independente da escolha do
ponto A ao ponto B. referencial só depende da posição, assim, sem
a perda de generalidade podemos dizer que a
energia potencial para um ponto P de coorde-
Portanto, temos que a diferença de energia po-
nadas (x, y, z), é dada por:
tencial entre os pontos yA e yB é dada por:

∆U = U (yB ) − U (yA ) = mg (yB − yA ) . U (P ) = U (x, y, z) = mgy = U (y) (2.174)


(2.173)
Este resultado é mantido independente da Logo, no campo gravitacional uniforme g, o
nossa escolha para o zero da energia poten- trabalho num deslocamento entre dois pontos
cial. Para ilustrar, fato de que é a diferença quaisquer é independente do caminho que liga
de energia potencial ∆U que têm sentido fı́sico esses dois pontos: só depende dos extremos,
e não o valor especı́fico da energia potencial, e representa a diferença de energia potencial
faremos duas escolhas distintas para o valor de entre eles. A energia potencial num ponto P
referência da energia potencial. só depende da altura desse ponto (y), e é dada
por (2.174).
Primeira Escolha: Aqui vamos fazer a esco-
lha mais usual que é a escolher U (yA ) = 0
para yA = 0, obtemos desta forma que a
energia potencial é dada por
Exemplo 23 Determine o a energia potencial
U (y) = mgy, de uma partı́cula de massa m em movimento
na vizinhança da superfı́cie terrestre. Ado-
a qual satisfaz a escolha feita anterior- tando um sistema de coordenadas cartesianas
mente, ou seja, que U (0) = 0. Observe com eixo Oy dirigido verticalmente para baixo.
ainda que a diferença de energia potencial Discuta o que muda com esta escolha de eixo.
entre os pontos yA e yB fornecem o resul- Solução: A força peso neste sistema de re-
tado da eq. (2.173). ferência é dada por F = mg ĵ, portanto, F·dr =
Prof. Salviano A. Leão 62

mola de constante elástica k. Considere a ori-


gem do sistema de coordenadas na posição de
equilı́brio da mola.

Figura 2.30: Trabalho realizado pela força


elástica sobre uma partı́cula de massa m, para
ir do ponto A ao ponto B.

Solução: A força elástica neste sistema de


Figura 2.29: Trabalho realizado pela força peso referência é dada por F = −kxî, portanto, F ·
sobre uma partı́cula de massa m, para ir do dr = −kx dx, assim
ponto A ao ponto B, em um sistema de re- Z B
ferência em que o eixo Oy dirigido vertical- U (xB ) − U (xA ) = − F · dr
A
mente para baixo. Z xB
=k x dx
xA
mg dy, assim 1
Z = k(x2B − x2A ).
B 2
U (yB ) − U (yA ) = − F · dr
Z yB A Escolhendo U (xA ) = 0 para xA = 0, obtemos
= −mg dy que
yA 1
U (x) = kx2 (2.176)
= −mg(yB − yA ). 2
Observe que a energia potencial é sempre posi-
Escolhendo U (yA ) = 0 para yA = 0, obtemos tiva, diferentemente da energia potencial gra-
que vitacional que pode ser positiva ou negativa. O
U (y) = −mgy. (2.175) fato dela ser sempre positiva deve-se ao fato
O sinal negativo para a energia potencial, sig- da força elástica da ser uma força restaura-
nifica que a força está apontando para a região dora e estar apontando sempre para a posição
de menor energia potencial, pois a medida que de equilı́brio onde a força é nula e portanto a
y cresce neste sistema de referência a energia energia potencial tem o seu valor mı́nimo.
potencial tem de diminuir.

Exemplo 25 Determine o a energia potencial


Exemplo 24 Determine o a energia potencial devido a interação coulombiana de um sistema
de uma partı́cula de massa m em presa a uma constituı́do por duas partı́culas, uma delas de
Prof. Salviano A. Leão 63

carga q1 e a outra de carga q2 . Considere que logo a integral da trajetória (a) é


a carga q1 está fixa na origem do sistema de Z C Z C
q1 q2
coordenadas. F · dr = 2
r̂ · drr̂
A A 4π²0 r
¯rB
q1 q2 ¯¯
=−
4π²0 r ¯rA
µ ¶
q1 q2 1 1
=− − .
4π²0 rB rA
Na trajetória (b), temos que:
Z B Z B
q1 q2
F · dr = 2
r̂ · drr̂
C C 4π²0 r
¯r
q1 q2 ¯¯ B
=−
4π²0 r ¯rB
= 0.

Este já era um resultado esperado, pois a força


é sempre perpendicular aos deslocamentos in-
Figura 2.31: Trabalho realizado pela força de finitesimais.
Coulomb sobre uma partı́cula de massa q2 , Portanto, a diferença de energia potencial é
para ir do ponto A ao ponto B na presença então dada por,
µ ¶
de uma carga q1 na origem do sistema de co- q1 q2 1 1
U (rB ) − U (rA ) = − (2.178)
ordenadas. 4π²0 rB rA
Neste caso, é sempre conveniente usarmos o
Solução: Com este problema tem uma si-
seguinte ponto de referência para a energia po-
metria radial, então o sistema de coordenadas
tencial,
adequado é o polares. Em coordenadas polares
lim U (rA ) = 0. (2.179)
a força de Coulomb da carga q1 na carga q2 é ra →∞

Portanto, a energia potencial é dada por:


q1 q2
F= r̂ (2.177) q1 q2
4π²0 r2 U (r) = . (2.180)
4π²0 r
A diferença de energia potencial entre os pon-
Observe que se as cargas tiverem o mesmo si-
tos A e B é dada por:
nal a força será repulsiva e a energia será po-
Z B
sitiva, e neste caso temos
∆U = U (rB ) − U (rA ) = − F · dr
A
lim U (r) = ∞
r→0
Para calcularmos a integral de linha que vai de
lim U (r) = 0.
A até B, iremos calcula-lá ao longo das tra- r→∞

jetórias (a) e (b), assim Já para o caso de cargas de sinais opostos a
Z C Z B força será atrativa e a energia potencial será
∆U = − F · dr − F · dr negativa, e neste caso temos
A C
lim U (r) = −∞
Na trajetória (a), o vetor deslocamento em co- r→0

ordenadas polares é dado por dr = drr̂ + rdθθ̂, lim U (r) = 0.


r→∞
Prof. Salviano A. Leão 64

Note ainda que, em ambos os casos que a que atuam em um sistema forem conservati-
força sempre está direcionada para a região de vas então a energia mecânica do sistema será
menor energia potencial. conservada. Observe entretanto, a energia po-
tencial total é aquela devida a todas as forças
Dizemos que uma força F é conservativa conservativas que atuam sobre o sistema, seja
quando tem a propriedade (2.160), ou seja, ela, gravitacional, da mola, de Coulomb, etc.
quando o trabalho por ela realizado entre dois A conservação da energia mecânica,
pontos é independente do caminho. Neste caso,
ele depende só dos extremos e representa a di- ∆E = ∆T + ∆U = 0, (2.185)
ferença de energia potencial entre eles.
é o que justifica o nome da força conservativa.
Conservação da Energia Mecânica Como vimos, a energia potencial é definida
a menos de uma constante aditiva arbitrária,
Considere uma partı́cula, sobre a qual a resul-
correspondente à escolha do nı́vel zero de ener-
tante das forças é F, e além disso, que todas as
gia.
forças que atuam sobre a partı́culas são forças
(c)
conservativas Fi , assim,
X (c)
F= Fi , (2.181) Exemplo 26 Considere, o brinquedo ilus-
i trado na figura 2.32 abaixo, no qual temos uma
Portanto, do teorema trabalho energia, eq. mola de constante elástica k e uma bolinha de
(2.152), temos que o trabalho realizado pela massa m. Este brinquedo está colocado na ver-
força resultante F, para deslocar a partı́cula tical. Determine de quanto devemos compri-
do ponto A ao ponto B é mir a mola para que a bolinha consiga reali-
Z B zar a curva sem descolar-se da parede do brin-
WA→B = F · dr = TB − TA (2.182) quedo. Despreze os efeitos do atrito em todo o
A sistema.
Se F é a resultante das forças conservativas, Solução: Como não há atrito, então só temos
então podemos associar uma função energia forças conservativas, logo a energia mecânica
potencial U (r) a esta força, a qual é dada por, do sistema é conservada. Considerando o
Z B ponto mais baixo da trajetória da partı́cula
U (rB ) − U (rA ) = −WA→B = − F · dr como o zero de energia potencial gravitacional,
A
(2.183) então no ponto mais baixo temos,
Combinando o teorema trabalho energia eq. 1
(2.182) com a definição de energia potencial E0 = kx2 − mgx
2
(2.184), obtém-se que
enquanto no ponto mais alto da trajetória,
TA + U A = TB + U B (2.184) 1
Ef = mg(h + R) + mv 2 .
2
a soma da energia cinética T com a energia
potencial U é uma constante do movimento. A velocidade mı́nima vmin que a bolinha deve
Chamando de energia mecânica E a soma E = ter ao passar pelo ponto mais alto sem cair, é
T + U , então podemos afirmar que.se as forças aquela cuja força normal é nula somente neste
Prof. Salviano A. Leão 65

Exemplo 27 De quanto deve ser comprimida


a mola de constante elástica k, do sistema mos-
trado na figura 2.33 abaixo, para que o bloco
de massa m ao ser liberado passe pela rampa e
atinja um ponto a uma distância D da extre-
midade da rampa de comprimento horizontal d
e altura h. Despreze os efeitos do atrito em
todo o sistema.

Figura 2.33: Lançamento sobre uma rampa.


Figura 2.32: Fliperama vertical.
Solução: Vamos começar analisar o movi-
ponto, portanto, neste ponto a força resultante mento do bloco a partir do instante em que ele
sobre a bolinha é somente a força peso, assim abandona a rampa. Neste instante a sua ve-
v2 1 2 1 locidade vr forma com a horizontal o mesmo
ma = m min = mg =⇒ mvmin = mgR.
R 2 2 ângulo θ que a rampa. Decompondo o seu mo-
Portanto, a energia mecânica total neste ponto vimento em vertical (eixo y) e horizontal (eixo
é x), podemos escrever
3
Ef = mgh + mgR. 1
2 y(t) = h + vr sen(θ)t − gt2
Dá conservação da energia temos que E0 = Ef , 2
x(t) = vr cos(θ)t
assim
1 2 3 Para x(ts ) = D, temos que ts = D/vr cos(θ),
kx − mgx = mgh + mgR.
2 2 mas como y(ts ) = 0, então temos que,
Chamando ω02 = k/m, então a equação acima gD2 (1 + tg2 θ)
pode ser escrita como 0 = h + D tg θ −
2vr2
ω02 x2 − 2gx − g(2h + 3R) = 0. Portanto, encontramos que

e tem como solução gD2 (1 + tg2 θ)


vr2 = .
p 2(h + D tg θ)
2g ± 4g 2 + 4ω02 g(2h + 3R)
x= . Da Conservação da energia temos que,
2ω02
ou ainda, E0 = Er
 s  1 2 1
kx = mgh + mvr2
g ω02 2 2
x = 2 1 ± 1+ (2h + 3R) . 1 2 1 D2 (1 + tg2 θ)
ω0 g kx = mgh + mg
2 2 2(h + D tg θ)
Prof. Salviano A. Leão 66

assim, e a eq. (2.186) dá


· ¸
2 2mgh D2 (1 + tg2 θ) X (nc) X
x = 1+ . Wi = ∆T + ∆Ui = ∆T + ∆U
k 4h(h + D tg θ)
i i

Forças não conservativas = ∆(T + U ) = ∆E (2.189)

Um exemplo de forças não - conservativas, ou seja, X


são as forças de atrito que tendem a dissipar a ∆E = Wi
(nc)
(2.190)
energia mecânica (realizar trabalho negativo). i

Aqui a energia mecânica não é conservada, mas onde E = T + U é a energia mecânica total.
a energia total do sistema se conserva, porque Logo a variação da energia mecânica total da
as forças de atrito convertem energia mecânica partı́cula é igual ao trabalho sobre ela realizado
em calor, que também é uma das varias formas pelas forças não-conservativas.
de energia que temos. Note que na natureza as forças fundamentais
Neste sentido mais amplo de conservação são conservativas, portanto, a conservação da
de energia total, podemos dizer que não se energia é uma lei geral e fundamental da fı́sica.
conhece nenhuma força não - conservativa,
ou seja, não foi descoberto até hoje nenhum
fenômeno em que seja violado o princı́pio de Exemplo 28 Uma partı́cula desliza sobre um
conservação de energia total de um sistema iso- trilho que possui extremidades elevadas e uma
lado. Esta é uma das razões que fazem este parte central plana, conforme a figura 2.34. A
princı́pio um dos mais importantes da fı́sica. parte plana possui um comprimento l = 20 m.
O resultado (2.152) se aplica independen- s partes curvas não têm atrito. O coeficiente
temente de se as forças que atuam sobre as de atrito cinético da parte plana é µc = 0.3.
partı́culas são ou não conservativas (no sen- Larga-se uma partı́cula do ponto A a uma al-
tido estritamente de conservação de energia tura h = 10 m. Em que ponto a direita do
mecânica). Assim se uma partı́cula está su- ponto B a partı́cula irá parar?
jeita à ação de diversas forças conservativas
(c) (c)
F1 , F2 , . . ., e simultaneamente a forças não-
(nc) (nc)
conservativas F1 , F2 , . . ., a eq. (2.152)
pode ser reescrita como
X (c) X (nc)
Wi + Wi = ∆T, (2.186)
i i
(c)
onde Wi é o trabalho realizado pela força
(c) Figura 2.34: Deslizamento sobre um trilho cuja
conservativa Fi , de forma que conforme a eq.
a parte central possui atrito.
(2.173)
(c)
Wi = −∆Ui , (2.187)
Solução: Antes de resolvermos o problema,
(c)
onde Ui é a energia potencial associada a Fi , devemos compreender o que está ocorrendo.
a energia potencial total associada às forças Note que:
conservativas é então
X i) Entre os pontos A e B a energia é con-
U= Ui , (2.188)
i
servada pois não há atrito neste trecho.
Prof. Salviano A. Leão 67

Entre os pontos B e C há dissipação de 2.8.4 Potência (P )


energia. Já entre os pontos C e D há
Se durante um intervalo de tempo ∆t é reali-
conservação da energia.
zado um trabalho ∆W , então a potência média
ii) A trajetória curva (sem atrito) entre P̄ correspondente é
os trechos CD e DC, irá simples-
∆W
mente inverter o sentido da velocidade da P̄ = .
∆t
partı́cula quando ela chega ao ponto C. O
mesmo ocorrerá quando a partı́cula sair No sistema internacional a unidade de potência
de C e chegar em B. é o Joule/s = 1 watt.
Considere o trabalho infinitesimal dW rea-
iii) A partı́cula sai do ponto A e chega em
lizado pela força F ao deslocar a partı́cula de
B com uma velocidade vB e segue até
uma distância infinitesimalmente pequena dr
o ponto C onde chega com uma veloci-
ao longo de uma trajetória. Durante este deslo-
dade vC , com vC < vB , perdendo parte
camento infinitesimal podemos considerar que
de sua energia cinética devido ao atrito.
a força que atua sobre a partı́cula irá se man-
De C vai até D e retorna em seguida
ter constante, sendo assim, podemos definir a
ao ponto C com a mesma velocidade em
potência instantânea como
módulo, porém com o sentido oposto, se-
guindo para o ponto B, e perdendo parte ∆W ∆r
P = lim = lim F ·
de sua energia cinética no trajeto CB. ∆t→0 ∆t ∆t→0 ∆t
Este processo continua até que o bloco dv
=F·v =m ·v
µ dt

perca toda a sua energia mecânica inicial
d 1 2 dT
EA = E0 = mgh, dissipada pela força de = mv = .
dt 2 dt
atrito.
Dá situação descrita acima, podemos idea- A potência instantânea, também pode ser
lizar o sistema acima como se fosse uma tra- relacionada com a taxa de variação da energia
jetória retilı́nea, de tal modo que a distância potencial da partı́cula se o sistema for conser-
horizontal total percorrida pelo bloco será d = vativo. Como
nl, onde l é o tamanho do trecho BC. Desta dE dT dU
= + = 0,
forma dt dt dt
Z nl
(nc)
∆E = WB→P = Fat. · dr. então
0 dT dU
=− ,
Assim, dt dt
h logo, a potência também pode ser expressa
0 − mgh = −µc mgnl −→ n= = 1.67
µc l como
dT dU
Isto significa que o bloco percorreu uma P =F·v = =− .
dt dt
distância d = 1.67l até parar. Como n =
1 + 0.67, isto significa que a partı́cula comple- Note que, se o sistema não for conservativo so-
tou um trecho BC, ou seja, saiu de B e chegou mente as seguintes expressões serão válidas:
até C e que de C ele andou 67% de l e parou. dT
Logo ele parou a 6.6 m a direita do ponto B. P =F·v = . (2.191)
dt
Prof. Salviano A. Leão 68

2.8.5 Dependência Temporal da A princı́pio, a energia potencial poder ser


Energia Potencial função da posição e do tempo (na verdade ela
pode ser função também da velocidade mas nós
É sabido (do cálculo vetorial) que uma não vamos considerar estes casos aqui). Sendo
condição necessária e suficiente para que a in- assim, podemos escrever
tegral de linha de uma função vetorial em um
dU ∂U dx ∂U dy ∂U dz ∂U
percurso fechado seja nula é que o rotacional = + + +
dt ∂x dt ∂y dt ∂z dt ∂t
desta função seja zero. Sabe-se também que
∂U
se o rotacional de uma função vetorial é zero, = ∇U · ṙ + (2.199)
∂t
então esta função pode ser escrita como o gra-
Dessa forma, a derivada da energia mecânica
diente de uma função escalar. Se F não de-
torna-se
pende do caminho,
dE ∂U
∇×F=0 (2.192) = F · ṙ + ∇U · ṙ +
dt ∂t
∂U
e portanto, podemos escrever = (F + ∇U ) · ṙ + . (2.200)
∂t
F = −∇U (2.193) Se todas as forças que atuam sobre a partı́cula
puderem ser associadas a uma energia poten-
Assim, cial, podemos escrever
Z P2 Z P2
− F · dr = − (−∇U ) · dr F = −∇U. (2.201)
P1 P1
(C) (C)
de forma que,
= U (P2 ) − U (P1 ) (2.194)
dE ∂U
= . (2.202)
Este resultado deixa claro que a função U , defi- dt ∂t
nida em (2.193), é a energia potencial, definida Se a força puder ser associada a uma energia
em (2.193). A força é o negativo do gradiente potencial e se U não depender explicitamente
da energia potencial. do tempo, a força é dita ser conservativa. Nesse
Define-se a energia mecânica da partı́cula caso
como
∂U dE
E =T +U (2.195) =0 =⇒ = 0. (2.203)
∂t dt
A derivada total da energia mecânica em A energia mecânica de uma partı́cula sob a
relação ao tempo é ação de forças conservativas é constante no
dE dT dU tempo.
= + (2.196)
dt dt dt
De acordo com (2.150) 2.8.6 Energia
µ ¶
1 2 O teorema da conservação da energia
F · dr = d mv = dT (2.197)
2 mecânica, apresentado na seção passada, nada
de forma que, mais é que uma conseqüência das Leis de
Newton. Entretanto, existem outras for-
dT F · dr dr
= =F· = F · ṙ (2.198) mas de energia, como as energias térmica e
dt dt dt
Prof. Salviano A. Leão 69

elétrica, que podem ser convertidas em ener-


gia mecânica e vice-versa. A conservação da
energia total de um sistema isolado é um pos-
tulado básico da fı́sica conhecido como lei da
conservação da energia.
Considere um sistema mecânico sujeito a
uma força conservativa com energia potencial
U ; por simplicidade, vamos supor que o sis-
tema seja unidimensional. A energia mecânica
(constante) é dada por
Figura 2.35: Um perfil de energia potencial ar-
1 2
E = T + U = mv + U (x) (2.204) bitrário.
2
Esta equação pode ser reescrita na forma Uma partı́cula com energia E0 deve estar em
r repouso em x0 que é a única posição onde E0
dx 2 não é menor que U.
v= =± [E − U (x)], (2.205)
dt m Uma partı́cula com energia E3 , vem do infi-
a qual pode ser integrada da seguinte forma nito, faz o retorno no ponto xg e volta, inver-
tendo o sentido do seu movimento.
Z x
dx Finalmente uma partı́cula com energia E4
t − t0 = ± q (2.206)
2 pode estar em qualquer posição. Contudo a
x0
m
[E − U (x)]
sua velocidade não é constante: ela dependerá
onde x = x0 em t = t0 . Conhecendo-se U (x) da diferença entre E4 e a energia potencial
pode-se, em princı́pio, resolver esta equação U (x), de acordo com (2.206).
para se obter x(t). Muitas vezes é difı́cil ob-
ter uma solução analı́tica para a integral acima
mas uma análise qualitativa da curva de ener- Exemplo 29 Variação da gravidade com
gia potencial pode fornecer muitas informações a altura: (a) resolva as equações de movi-
sobre o movimento da partı́cula. Como exem- mento de Newton levando em conta a variação
plo, considere uma partı́cula sujeita à energia da gravidade com a altura. Considere que a
potencial da figura 2.35 a seguir. massa da terra é M e que o raio da mesma é
Uma primeira observação é que a energia R. (b) Calcule a altura máxima e a velocidade
cinética deve ser sempre positiva, o que sig- de escape.
nifica que a partı́cula só pode estar nas regiões Solução: A força que a terra exerce sobre um
onde E º U (x). corpo de massa m, cuja distância do seu centro
Se a energia da partı́cula for igual a E1 , ela de massa ao da terra é r, é dada por:
terá um movimento periódico entre os pontos GM m
Fr = − 2
de retorno xa e xb onde E1 º U (x). r
Se a partı́cula tiver energia E2 , ela poderá e se este corpo estiver sobre a superfı́cie da
ter movimentos periódicos entre os pontos de terra, então
retorno xc e xd ou entre os pontos xe e xf mas
GM m
não pode passar de uma região para a outra. Fr = − = −mg,
R2
Prof. Salviano A. Leão 70

e daı́ tiramos que a aceleração da gravidade g Esta equação expressa a conservação da ener-
é dada por: gia mecânica do sistema onde a energia poten-
GM cial gravitacional é dada por
g= 2 .
R
Na figura 2.36 abaixo ilustramos uma situação R2
U (x) = − mg.
na qual o corpo de massa m se encontra a uma (R + x)
altura x da superfı́cie da terra, logo, a força que
(b) Agora iremos calcular a altura máxima
irá atuar sobre o mesmo é dada por:
atingida pelo corpo e a sua velocidade de es-
cape. Suporemos que o objeto foi lançado da
superfı́cie da terra x0 = 0, com uma veloci-
dade inicial v0 , assim nossa equação para a
conservação da energia toma a forma:
µ ¶
2 2 2 1 1
v − v0 = 2gR −
(R + x) (R + x0 )
2gRx
v 2 = v02 −
R+x
³ x ´−1
Figura 2.36: Um corpo de massa m a uma al- v 2 = v02 − 2gx 1 +
R
tura x da superfı́cie da terra.
Para ( Rx ) ¿ 1, e fazendo uma expansão em
série de Taylor da expressão acima, encontra-
GM m mos que o termo de ordem zero é o mesmo
F (x) = −
(R + x)2
fornecido ao considerarmos que o campo gra-
R2
=− mg vitacional é constante, ou seja,
(R + x)2
= mẍ v 2 = v02 − 2gx.
mas como No ponto de retorno, a altura atingida pelo
dv dv dx dv
ẍ = = =v corpo é máxima, fazemos v = 0, e encontramos
dt dx dt dx
então podemos escrever, que:
dv R2 v02 ³ xmax. ´
mv =− mg hmax. = xmax. = 1+ .
dx (R + x)2 2g R
R2
mvdv = −mg dx Isolando xmax. na equação acima obtemos que:
(R + x)2
µ ¶−1
Integrando esta equação obtemos que v02 v02
xmax. = 1− .
1 1 2g 2gR
∆T = mv 2 − mv02
2 2Z v2
x
dx Se ( 2gR
0
) ¿ 1, encontramos que o termo de
= − mgR2 2 v2
x0 (R + x) ordem zero é xmax. = 2g0 , que é o mesmo para
¯x
1 ¯¯ o caso em que g = cte.
=mgR2
(R + x) ¯x0 Para acharmos a velocidade v0 de escape, de-
µ ¶
2 1 1 vemos encontrar uma distância na qual a in-
=mgR − .
(R + x) (R + x0 ) teração gravitacional deste corpo com a terra
Prof. Salviano A. Leão 71

é nula. Isto só ocorre para distâncias muito A razão entre o raio da terra Rt e o raio da
grandes, infinitas, e neste caso basta tomarmos lua Rl é
Rt
xmax. → ∞, na expressão: ≈ 3.67
Rl
2gRx já a razão entre suas massas é
v02 = lim = 2gR
x→∞ R + x
Mt
≈ 81.36.
a qual pode ser reescrita como Ml
p Portanto, a razão entre as acelerações devido
v0 = 2gR ≈ 11 km/s ≈ 7 min./s
a gravidade em suas superfı́cie é
considerando que, µ ¶−2
gt Mt Rt
= ≈ 6.04
2 6
gl Ml Rl
g = 9.8 m/s e R = 6.4 × 10 m.
e a razão entre suas velocidades de escape é
Na atmosfera da terra, a velocidade média s
vt gt Rt
das moléculas de ar (O2 e N2 ) é da ordem de = ≈ 4.71
vl g l Rl
0.5 km/s, que é consideravelmente menor que a
velocidade de escape da superfı́cie da terra, e é
2.8.7 Equilı́brio
devido a isto que a terra retém sua atmosfera.
A lua por sua vez, não tem atmosfera, devido A energia potencial pode ser expandida em
a velocidade de escape da superfı́cie da lua ser série de Taylor em torno de qualquer ponto x0
consideravelmente menor do que a velocidade como
µ ¶¯
de escape da superfı́cie da terra, já que a massa dU ¯¯ (x − x0 )
U (x) = U (x0 ) + +
da lua é consideravelmente menor do que a da dx ¯x0 1!
terra. Portanto, na superfı́cie da lua, qual- µ 2 ¶¯
d U ¯¯ (x − x0 )2
+
quer oxigênio ou nitrogênio, eventualmente de- dx2 ¯x0 2!
saparecem. A atmosfera da terra, entretanto, µ 3 ¶¯
d U ¯¯ (x − x0 )3
não contém uma quantidade significante de hi- + ··· (2.207)
dx3 ¯x0 3!
drogênio, embora o hidrogênio seja o elemento
mais abundante em todo o universo. Uma at- Se a força resultante que atua sobre um
mosfera de hidrogênio teria escapado da su- corpo é nula (e também o torque), diz-se que
perfı́cie da terra a muito tempo atrás, devido a ele está em equilı́brio. Se x0 for uma posição
velocidade molecular do hidrogênio ser grande de equilı́brio, então
µ ¶¯
o suficiente, já que o mesmo possui uma massa dU ¯¯
F =− = 0. Ponto de equilı́brio
pequena, o que significa que em um instante dx ¯x=x0
qualquer, um número significante de moléculas (2.208)
de hidrogênio teriam uma velocidade que ex- Para pontos muito próximos da posição de
cedia a velocidade de escape da superfı́cie da equilı́brio, x − x0 é muito pequeno, de forma
terra. que os termos além de segunda ordem na ex-
pansão podem ser desprezados. Como a ener-
Terra Lua gia potencial é definida a menos de uma cons-
6 6
Raio 6.37 × 10 m 1.738 × 10 m tante, podemos fazer U (x0 ) = 0 sem perda de
24 22
Massa 5.98 × 10 kg 7.35 × 10 kg generalidade. Assim,
Prof. Salviano A. Leão 72

Calcule a distância x1 para a qual o sistema


µ 2 ¶¯ está em equilı́brio e determine se o equilı́brio
d U ¯¯ (x − x0 )2
U (x) ' (2.209) é estável ou instável. Despreze as dimensões e
dx2 ¯x=x0 2!
as massas das roldanas.
A força que atua sobre uma partı́cula no
ponto x é dada por
µ 2 ¶¯
dU d U ¯¯
F =− =− (x − x0 ) .
dx dx2 ¯x=x0
(2.210)
Se,

µ ¶¯
d2 U ¯¯
> 0 Equilı́brio estável
dx2 ¯x=x0
(2.211)
então a força será sempre contrária ao desloca-
mento, x − x0 ; a partı́cula é puxada de volta
para a posição de equilı́brio. Sendo assim, o Figura 2.37: Sistema constituı́do por duas rol-
equilı́brio da partı́cula é estável. Na figura danas.
2.35 anterior existem dois pontos de equilı́brio
estável: um é o ponto x0 e o outro está entre Solução: Este problema pode ser resolvido
xe e xf . Se pelo método da força mas torna-se mais sim-
µ 2 ¶¯ ples se usarmos o conceito de energia poten-
d U ¯¯
< 0 Equilı́brio instável cial. Fazendo U = 0 ao longo da linha AB
dx2 ¯x=x0
podemos escrever
(2.212)
então a força estará sempre na direção do
U = −m1 gx1 − m2 gx2 (2.213)
deslocamento; a partı́cula é empurrada para
longe da posição de equilı́brio. Sendo assim, Se as roldanas forem pequenas podemos escre-
o equilı́brio da partı́cula é instável. Na figura ver r
2.35 anterior existem três pontos de equilı́brio 1
instável: um à esquerda de xg , outro entre xd x2 = (b − x1 )2 − d2 (2.214)
4
e xe e outro à direita de xf . e portanto,
r
1
Exemplo 30 Na figura 2.37 abaixo temos U = −m1 gx1 − m2 g (b − x1 )2 − d2
4
uma corda leve, de comprimento b, com uma (2.215)
extremidade presa no ponto A. A corda dU m2 g (b − x1 )
= −m1 g + q (2.216)
passa sobre uma roldana no ponto B, a uma dx1 1 2
4 4 (b − x1 ) − d 2

distância 2d de A, e tem uma massa m1 presa


á outra extremidade. Uma massa m2 está No equilı́brio, devemos ter
presa a outra roldana que passa sobre a corda dU
puxando-a para baixo entre os pontos A e B. =0 (2.217)
dx 1
Prof. Salviano A. Leão 73

Assim, Solução: Para simplificar nossa análise, va-


r mos fazer x = yd, de forma que o potencial
1
4m1 (b − x1 )2 − d2 = m2 (b − x1 ) pode ser escrito como uma função de y como
4
¡ ¢
(b − x1 )2 4m21 − m22 = 16m21 d2 . (y 2 + 1)
U (y) = −W (2.223)
y4 + 8
Portanto,
Para esboçar o gráfico é conveniente encontrar
4m1 d
x1 = b − p (2.218) primeiro os pontos de equilı́brio. Assim deve-
4m21 − m22 mos ter
onde x0 = x1,eq. . Note que só existe solução dU 2y 4y 3 (y 2 + 1)
real se = −W 4 +W =0
dy y +8 y4 + 8
(2.224)
4m21 > m22 =⇒ 2m1 > m2 (2.219) Portanto, a equação acima reduz-se a

A derivada segunda é dada por, ¡ ¢


y y 4 + 2y 2 − 8 = 0
¡ ¢¡ ¢
d2 U m2 g y y2 + 4 y2 − 2 = 0 (2.225)
2
=− q +
dx1 4 1 (b − x )2 − d2
4 1
Logo a soluções da equação acima são: y = 0
m2 g (b − x1 )2 √
£1 ¤3/2 (2.220) e y = ± 2. Em termos de x,√elas podem ser
16 4
(b − x1 )2 − d2 escritas como: x = 0 e y = ± 2d.
Fazendo x1 = x0 , temos Os valores da energia nestes pontos são:

µ ¶¯ 3/2 W
d2 U ¯¯ g (4m21 − m22 ) U (x = 0) = −
= (2.221) 8
dx21 ¯x=x0 4m22 d √ W
U (x = 2d) = −
4
Mas só haverá equilı́brio se a condição (2.219) √ W
for satisfeita. Nesse caso, a derivada segunda U (x = − 2d) = −
4
é positiva e o equilı́brio é estável.
Além disso U (x) → 0− (por valores negativos)
quando x → ±∞. A figura a seguir mostra o
gráfico de U (x) × x.

Exemplo 31 Considere o potencial unidi- Os pontos x = ± 2d são pontos de
mensional equilı́brio estável enquanto o ponto x = 0 é um
W d2 (x2 + d2 ) ponto de equilı́brio instável.
U (x) = − (2.222)
x4 + 8d4 O movimento é limitado para partı́culas com
onde W é uma constante positiva. Esboce uma energia total no intervalo: −W/4 < E <
o gráfico da energia potencial e responda às 0 e ilimitado para partı́culas com uma energia
seguintes questões. O movimento é limi- total E ≥ 0.
tado ou ilimitado? Quais são os pontos de Os pontos de retorno para E = −W/8 podem
equilı́brio? Estes pontos são de equilı́brio ser obtidos fazendo
estável ou instável? Obtenha os pontos de re- W (y 2 + 1)
torno para E = W8 . E=− = U (y) = −W 4 (2.226)
8 y +8
Prof. Salviano A. Leão 74

gundo caso requer uma aplicação mais traba-


lhosa da segunda Lei de Newton.

2.9.1 Movimento do foguete:


força externa
Considere um foguete viajando sob in-
fluência de uma força externa Fext. , e por sim-
plicidade, que o seu movimento seja unidimen-
sional. Suponha também que em um dado ins-
tante a massa do foguete seja m e a sua velo-
Figura 2.38: No esboço do potencial acima,
cidade v, conforme a figura 2.39 abaixo. Em
mostramos os pontos de retorno, assim como
um intervalo de tempo dt o foguete ejeta uma
os pontos de mı́nima energia.
massa dm0 (positiva) com velocidade −u (para
trás) em relação ao foguete; a velocidade da
massa ejetada em relação a um referencial fixo
(inercial) é v − u. Após a ejeção de dm0 , a
y 4 + 8 = 8y 2 + 8
√ massa do foguete passa a ser m − dm0 e a sua
4 2
y = 8y y = ±2 2 velocidade v + dv.

y = {0, ±2 2}

Portanto, os pontos de retorno para E =


√ √
−W/8 são x = 2 2d e x = −2 2d, assim
como x = 0, o qual é um ponto de equilı́brio
instável.

Figura 2.39: Movimento unidimensional de um


2.9 Movimento de fogue- foguete sob a ação de uma força externa Fext .
tes
O movimento de um foguete representa uma
Momentum inicial: p(t) = p0 = mv
situação fı́sica interessante onde a Segunda Lei
de Newton pode ser aplicada a um sistema de Momentum final: p(t + dt) = pf
massa variável. Examinaremos inicialmente o
onde,
caso do foguete sob a influência de uma força
externa, e posteriormente estudaremos duas
situações particulares distintas: (1) o movi- pf = (m − dm0 )(v + dv) + dm0 (v − u).
| {z } | {z }
mento do foguete na ausência de forças exter- foguete Massa ejetada
nas e (2) o movimento do foguete sob a ação da (2.227)
gravidade. O primeiro caso requer a aplicação A variação do momentum linear do sistema
da conservação do momentum linear. O se- neste intervalo de tempo é dada por
Prof. Salviano A. Leão 75

de forma que a velocidade do foguete pode ser


escrita em função da massa como
dp = pf − p0 ³m ´
0
= (m − dm0 )(v + dv) + dm0 (v − u) − mv v = v0 + u ln (2.236)
m
= mdv − dm0 dv − dm0 u (2.228)
2.9.3 Foguete em ascensão
O produto das diferenciais dm0dv é muito
pequeno e pode ser desprezado. Assim, da Se- Considere agora, um foguete subindo sob a
gunda Lei de Newton, podemos escrever influência da força gravitacional, por simplici-
dade suposta constante conforme a figura 2.40
dp dv dm0 abaixo. A equação de movimento pode ser es-
Fext. = =m − u (2.229) crita como
dt dt dt
Aqui é interessante fazer uma mudança de
notação. Da forma que foi definida, dm0 é
uma quantidade positiva. Por outro lado, a
taxa de variação da massa do foguete é uma
quantidade negativa dada por (o foguete está
perdendo massa)

dm dm0
=− (2.230)
dt dt
Assim podemos escrever

dp dv dm
Fext. = =m + u (2.231) Figura 2.40: Movimento de um foguete sob a
dt dt dt ação da gravidade.

2.9.2 Movimento do foguete:


sem força externa dv dm
−mg = m + u (2.237)
dt dt
Como exemplo, considere o caso em que o
−mgdt = mdv + udm (2.238)
foguete viaja no espaço livre da ação de forças
externas. Nesse caso Vamos supor também que a taxa de perda
dv dm de massa seja constante, ou seja
m = −u (2.232)
dt dt
e portanto dm dm
dm = −α =⇒ dt = − (2.239)
dv = −u (2.233) dt α
m onde α é uma constante positiva. Assim a
Integrando a equação acima, obtemos
equação de movimento pode ser escrita em ter-
v = −u ln(m) + C (2.234) mos de v e m como

Supondo que no instante inicial v = v0 e m =


g
m0 , então a constante de integração C é dada mdm = mdv + udm (2.240)
α ³g
por u´
dv = − dm (2.241)
C = v0 + u ln(m0 ), (2.235) α m
Prof. Salviano A. Leão 76

Integrando, temos m/s); nesses casos as teorias adequadas são a


Mecânica Quântica e a Mecânica Relativı́stica.
g
v= m − u ln(m) + C. (2.242) Além disso, existe uma outra limitação de
α
ordem prática. Quando o número de partı́culas
Supondo que no instante inicial v = v0 e m =
é muito grande torna-se impossı́vel (na prática)
m0 , então a constante de integração C é dada
obter a posição de todas elas como função do
por
tempo; nesse caso as propriedades de interesse
são obtidas como médias e a teoria adequada
g
C = v0 − m0 + u ln(m0 ) (2.243) é a Mecânica Estatı́stica. Não entraremos em
α
detalhes nessas teorias porque são assuntos de
de forma que a velocidade do foguete pode ser
outros cursos.
escrita em função da massa como

g ³m ´
0
2.11 Problemas
v = v0 + (m − m0 ) + u ln . (2.244)
α m
1. Um menino de massa m puxa (horizontal-
A massa do foguete pode ser expressa como
mente) um trenó de massa M . O coefi-
função do tempo através da integração de
ciente de atrito cinético entre o trenó e a
(2.239). Assim teremos
neve é µc .
m = m0 − αt (2.245)
(a) Desenhe um diagrama mostrando to-
de forma que a velocidade pode ser expressa das as forças que agem sobre o me-
em função do tempo como função do tempo nino e sobre o trenó.
como (b) Determine as componentes horizon-
µ ¶ tais e verticais de cada uma das
m0
v(t) = v0 − gt + u ln (2.246) forças no momento em que o menino
m0 − αt
e o trenó têm uma aceleração a.

2.10 Limitações da (c) Se o coeficiente de atrito estático en-


tre os pés do garoto e o solo for
mecânica newtoni- µe , qual é a aceleração máxima que
ele pode fornecer a ele próprio e ao
ana
trenó, supondo-se que a traçao é o
Antes de encerrarmos este capı́tulo gos- fator que limita a aceleração?
tarı́amos de fazer alguns comentários sobre o
2. Um escovão de massa m é empurrado com
domı́nio de validade da Mecânica Newtoniana.
uma força F dirigida ao longo do cabo,
Ela descreve corretamente os fenômenos em es-
que faz um ângulo θ com a vertical. O
cala macroscópica onde os corpos se movem
coeficiente de atrito cinético com o solo é
com velocidades pequenas. No entanto, as
µc e o estático é µe .
leis de Newton deixam de ser válidas quando
os problemas envolvem dimensões atômicas ou (a) Desenhe um diagrama mostrando to-
quando as velocidades de interesse são da or- das as forças que agem sobre o es-
dem da velocidade da luz (c = 3, 0 × 108 covão.
Prof. Salviano A. Leão 77

(b) Para θ e µc dados, determine a força


F necessária para que o escovão des-
lize com velocidade uniforme sobre o
solo.

(c) Mostre para 0 < θ < θc ( θc é


o ângulo crı́tico definido por µe =
tg θc ), o movimento do escovão so-
bre o solo não podera ser iniciado
quando o mesmo for empurrado pelo
cabo. Despreze a massa do cabo do
escovão.

3. Qual é a força horizontal F que deve ser


aplicada ao conjunto mostrado na figura
abaixo de modo que a massa m1 não
se mova relativamente a massa M . Os 5. Considere um carrinho de massa m1 = 2m
atritos entre todas as superfı́cies são des- kg em um trilho preso a um bloco de
prezı́veis. massa m2 = m kg conforme figura abaixo.
A este conjunto prende-se por um fio um
bloco de massa M desconhecida através
de uma roldana. Ao se abandonar o sis-
tema, mede-se o ângulo θ e encontra-se
que tg θ = 13 . Considerando os fios e a rol-
dana ideais, determine (a) a aceleração de
cada um dos corpos e (b) o valor da massa
M em função de m.

4. Um pequeno cubo de massa m é colo-


cado no interior de um funil que gira em
torno de um eixo com velocidade angular
ω. A parede do funil forma um ângulo θ
com a horizontal. Seja µe o coeficiente de
atrito estático entre o cubo e o funil e R a
distância entre o cubo e o eixo de rotação.
(a) Faça um diagrama mostrando as forças
que atuam sobre o cubo. (b) Existem dois 6. Um bloco C de massa mC é colocado na
valores de de ω, um máximo e um mı́nimo, extremidade de uma prancha A de massa
para o qual o cubo permaneça em repouso mA , a uma distância L do seu extremo,
relativamente ao funil. Calcule estes valo- conforme a figura abaixo. O coeficiente de
res. atrito estático entre a prancha A e o bloco
Prof. Salviano A. Leão 78

C é µe e o cinético é µc . Entre a prancha e


o solo não há atrito. Qual o maior valor da
massa mB do bloco B que posso acoplar
ao sistema para que o bloco C não se mova
em relação a prancha A. (b) Se a massa do
bloco B for maior do que o valor máximo
determinado no item anterior, em quanto
tempo o bloco C abandonará a prancha A.
r h i
M −m(sen θ+µc cos θ)
Resp. (a) v = 2gH M +m
;
M −m(sen θ+µc cos θ)
(b) tq = M +m
g

9. Uma haste leve e rı́gida, de comprimento


` tem uma massa m ligada à sua extremi-
dade, formando um pêndulo simples. Ela
é invertida e em seguida largada. Quais
são a velocidade v no ponto mais baixo e
(b) a tração T , na suspensão, naquele ins-
7. Um escovão de massa m é empurrado com
tante? (c) O mesmo pêndulo é, a seguir
uma força F dirigida ao longo do cabo,
colocado em posição horizontal e abando-
que faz um ângulo θ com a vertical. O
nado. A que ângulo da vertical a tração na
coeficiente de atrito com o solo é µ. a)
suspensão será igual ao peso em módulo?
Desenhe um diagrama mostrando todas
as forças que agem sobre o escovão. b) √
Resp: (a) 2 g`, (b) 5mg (c)
Para θ e µ dados, determine a força F ne-
71◦
cessária para que o escovão deslize com
uma velocidade uniforme sobre o assoa-
lho. c) Determine o ângulo crı́tico θc para 10. Uma massa puntiforme m parte do re-
o qual o escovão não irá se mover indepen- pouso e desliza sobre a superfı́cie de uma
dentemente do módulo da força aplicada. esfera sem atrito, de raio R. Meça os
Despreze a massa do cabo do escovão. ângulos a partir da vertical e a energia po-
tencial a partir do topo da esfera. Ache (a)
8. Considere um plano inclinado cujo o coe- a variação da energia potencial da massa
ficiente de atrito cinético é µc . Considere com o ângulo; (b) a energia cinética como
que os dois blocos de de massas m e M , uma função do ângulo; (c) as acelerações
com M > m, foram abandonados no ins- radiais e tangenciais em função do ângulo;
tante t = 0. (a) Usando os métodos de (d) o ângulo que a mass abandona a esfera.
energia determine a velocidade dos blocos
após percorrerem uma distância H. (b) Resp: (a) −mgR(1 − cos θ). (b)
Determine o tempo que o bloco de massa mgR(1−cos θ. (c) ar = 2g(1−cos θ)
M leva para atingir o solo. e at = g sen θ (d) θ = arc cos(2/3).
Prof. Salviano A. Leão 79

o trabalho realizado pelo motor sobre o


homem? (c) Se o homen ao chegar no meio
da escada, resolver voltar e iniciar a descer
ela, mas de modo a permanecer sempre no
mesmo nı́vel, o motor realizaria trabalho
sobre ele? Em caso afirmativo com que
potência? (use g = 9.8 m/s2 )
Resp: (a) 8.755 kW; (b) 2.573 kJ;
(c) Sim, com 275 W.

11. Uma partı́cula de massa m move-se em 13. Um bloco de massa m é abandonado so-
um cı́rculo vertical de raio R dentro de bre o trilho no ponto A como mostrada a
um trilho. Não há atrito. Quando m está figura abaixo. Considerando que o coefi-
em sua posição mais baixa, sua velocidade ciente de atrito cinético entre o bloco e o
é v0 . (a) Qual é o valor mı́nimo vm de v0 trajeto AB do trilho é µc (suponha que o
para o qual m percorrerá todo o trilho sem ângulo de inclinação da rampa seja tal que
perder contato com ele? (b) Suponha que tg θ > µe , onde µe é o coeficiente de atrito
v0 = 0.775vm , então a partı́cula subirá o estático entre o bloco e o plano). (a) Que
trilho até um ponot P, no qual ela perderá velocidade o bloco deve ter no ponto B
o contato com o trilho e perrcorerá uma para que ele consiga passar pelo ponto D?
trajetória representada aproximadamente (b) Determine o valor da altura mı́nima
pela linha pontilhada. Ache a posição an- hA que o bloco deve ser abandonado para
gular θ do ponto P. que ele consiga passar pelo ponto D?

14. Uma partı́cula desliza sobre um trilho que


12. Uma escada rolante liga um andar de uma possui extremidades elevadas e uma parte
loja com outro situado a 7.5 m acima. O central plana. A parte central possui com-
comprimento da escada rolante é de 12 m primento ` = 20 m. As partes curvas não
e ela se move a 0.60 m/s. (a) Calcule a apresentam atrito. O coeficiente de atrito
potência mı́nima do motor para transpor- cinético da parte plana vale µc = 0.15.
tar 100 pessoas por minuto, sendo a massa Larga-se a partı́cula no ponto A, cuja al-
média das pessoas de 70 kg. (b) Um ho- tura h = 10 m. Em que ponto a partı́cula
men de 70 kg sobe a escada em 10 s. Qual irá parar?
Prof. Salviano A. Leão 80

Resp.: Num ponto situado a 6, 67 m da hemisfério esférico de raio R. Determine


extremidade esquerda da parte plana. a altura h que a massa é lançada para fora
do hemisfério, (a) sendo a superfı́cie sem
atrito e (b) supondo que exista atrito entre
a massa e a superfı́cie, e que a energia dis-
sipada pelo atrito seja igual a um quinto
da variação da energia cinética desde o
topo até o ponto onde ele abandona a su-
perfı́cie?

15. Uma haste, rı́gida bem leve, cujo com- Resp: (a) h = 2R/3. (b) h = 5R/8.
primento é `, tem presa em uma extre-
midade, uma bola de massa m. A outra
extremidade é articulada em torno de um
eixo, sem atrito, de tal modo que a bola
percorre um cı́rculo vertical. A bola parte
de uma posição horizontal A, com veloci-
dade inicial v0 , para baixo. A bola chega
ao ponto D e em seguida pára. (a) En- 17. Um garotinho esquimó desastrado escor-
contre uma expressão para v0 em função rega do alto do seu iglu, um domo he-
de `, m e g. (b) Qual a tensão na haste misférico de gelo de 3 m de altura. (a)
quando a bola está em B? (c) Um pouco De que altura acima do solo ele cai? (b) a
de areia é colocado sobre o eixo de arti- que distância da parede o iglu ele cai?
culação, após o que, a bola chega até C, Resp.: (a) 2 m (b) 0.37 m.
depois de ter partido de A com a mesma
velocidade de antes. Qual o trabalho rea- 18. O cabo de um elevador de 3.0 × 103 kg se
lizado pelo atrito durante este moviemnto. rompe quando ele está parado no primeiro
(d) Qual o trabalho realizado pelo atrito andar, de modo que o piso do elevador
antes da bola parar em B, após oscilar re- se encocntra a uma distância d = 3, 6 m
petidas vezes? acima do nı́vel superior da mola, de cons-
tante elástica k = 1.5 × 106 N/m. Um
dispositivo de segurança aperta os trilhos
que servem de guia ao elevador, de modo
que surge uma força de atrito constante
de 4, 5 × 103 N que se opõe ao movimento
do elevador. (a) Ache a distância em que
a mola é comprimida. (b) Calcule a velo-
cidade do elevador quando a mola retorna
ao seu ponto de equilı́brio. (c) Calcule a
distância percorrida pelo elevador quando
16. Uma massa puntiforme m parte do re- ele sobe sob a ação da mola. (d) Usando
pouso e desliza sobre a superfı́cie de um o princı́pio da conservação da energia cal-
Prof. Salviano A. Leão 81

cule a distância aproximada que o eleva- bloco devido ao atrito em um ciclo com-
dor percorrer até parar? pleto. Sugestão, determine a perda em
meio ciclo e oberve que ela é constante.
4µmg
Resp: ∆A = k

21. Considere uma rampa que forma um


ângulo θ com a horizontal e que sobre ela
a uma altura h abandona-se um bloco de
massa m. Considerando que o coeficiente
de atrito cinético entre a rampa e o bloco
é µc e que tg θ > µe em que µe é o coefi-
ciente de atrito estático entre o bloco e a
rampa. Entre o bloco e o plano horizon-
tal o atrito é desprezı́vel. Considerando
a figura abaixo, determine (a) a máxima
compressão da mola. (b) Determine a al-
19. Uma partı́cula de massa m desliza sobre tura máxima atingida pelo bloco a retorna
um trilho (conforme a figura abaixo), o a rampa.
qual entre os trechos AB, possui um coe-
ficiente de atrito cinético µc . Determine a
velocidade vA mı́nima que a partı́cula deve
ter no ponto A, para que ela consiga che-
gar ao ponto D, em função da distância d,
da altura h, de g e de µc .

22. Um bloco de massa m é abandonado sobre


o trilho no ponto A, conforme a figura an-
terior. Considerando que o coeficiente de
atrito cinético entre o bloco e o trajeto AB
do trilho é µc (suponha que o ângulo de in-
clinação da rampa seja tal que tg θ > µe ,
onde µe é o coeficiente de atrito estático
20. Considere um bloco de massa m, preso a
entre o bloco e o plano). Sabe-se que o
uma mola de constante elástica k, que des-
módulo da força resultante sobre o bloco
liza sobre uma superfı́cie, cujo coeficiente √
no ponto C é 26mg. (a) Qual a força
de atrito é µ (considere que o coeficiente
que o trilho exerce sobre o bloco no ponto
de atrito cinético e estático são iguais). No
D, e (b) de que altura hA o bloco foi solto?
instante t = 0, o bloco foi deslocado para
a posição x0 = A e foi solto. Determine a Resp: (a) 2mg; (b) hA =
7R
variação da amplitude ∆A de oscilação do 2(1−µc cotg θ)
;
Prof. Salviano A. Leão 82

23. Um projétil é atirado com uma velocidade 27. Considere uma partı́cula em queda, a
inicial v0 e um ângulo de elevação α so- partir do repouso, em um campo gra-
bre uma colina de inclinação β (β < α). vitacional constante. Suponha que a
(a) Quanto tempo depois do lançamento força de resistência do ar seja proporci-
o projétil atinge o solo? (b) Qual o al- onal ao quadrado da velocidade, ou seja,
cance? (c) Qual o valor de α para o qual Fr = −mkv 2 . (a) Obtenha a posição da
o alcance é máximo? (d) Qual o valor do partı́cula como função da velocidade. (b)
alcance máximo? Obtenha uma expressão para a velocidade
terminal da partı́cula. (c) Mostre que a
partı́cula percorre uma distância
· ¸
1 g − kv12
ln
2k g − kv22

desde o ponto onde sua velocidade é v1 até


o ponto onde sua velocidade é v2 .
Figura 2.41: Lana̧mento de um projétil em
28. Mostre explicitamente que a taxa de va-
uma colina.
riação no tempo do momentum angular
de um projétil atirado da origem é igual
24. Suponha que a força atuando sobre uma ao torque que atua sobre ele, ou seja, que
partı́cula ao longo de uma única dimensão N = L̇. Considere o momentum angular
possa ser fatorada em uma das seguintes e o torque em relação à origem e despreze
formas: (a) F (x, t) = f (x)g(t) (b) a resistência do ar.
F (ẋ, t) = f (ẋ)g(t) (c) F (x, ẋ) =
f (x)g(ẋ). Para quais casos as equações 29. Um bloco de massa m desliza sem atrito
de movimento são integráveis? sobre o trilho da figura abaixo 2.42, onde
o ângulo θ = 45◦ . (a) Qual a força que
25. Considere um projétil atirado vertical- o trilho exerce sobre o bloco no ponto A?
mente para cima com uma velocidade ini- (b) Com que velocidade o bloco deixa o
cial v0 . Compare os tempos necessários trilho, no ponto B? (c) Qual a força que
para o projétil atingir a altura máxima o trilho exerce sobre o bloco no ponto B?
no caso em que não há resistência do ar (d) Quão longe do ponto A o bloco atinge
e no caso em que a força de resistência é o solo?
proporcional à velocidade (Fr = −mkv).
Suponha que o efeito da resistência do ar 30. A velocidade de uma partı́cula de massa m
seja pequeno. varia com a distância x através da relação
v(x) = αx−n . Supondo que v(x = 0) = 0 e
26. Um projétil é atirado com um ângulo de
x = 0 em t = 0, obtenha: (a) a força F (x)
lançamento α acima da horizontal. Qual o
responsável pelo movimento. (b) Deter-
valor máximo de α para o qual a distância
mine x(t) e (c) F (t).
do projétil ao ponto de lançamento estaria
sempre aumentando enquanto ele viaja? 31. Um barco é lançado sobre um lago com
Despreze a resistência do ar. velocidade inicial v0 . O barco é freado
Prof. Salviano A. Leão 83

mulher dentro do trem atira uma bola de


massa m, para frente, com uma velocidade
v em relação ao trem. (a) Qual a variação
da energia cinética da bola medida pela
mulher? (b) E por uma pessoa parada do
lado de fora do trem? Qual o trabalho
feito (c) pela mulher e (d) pelo trem sobre
a bola?

Figura 2.42: Deslizamento em uma montanha 34. (a) Mostre que toda força do tipo F =
k
russa. r2
r̂ é uma força conservativa. (b) Avalie
o caso mais geral em que F = krα r̂.
por uma força de resistência da água dada
35. Considere uma partı́cula movendo-se na
por F = −αeβv . (a) Determine uma ex-
região x > 0 sob influência do potencial
pressão para a velocidade v(t). (b) Deter-
U0 ¡ ¢
mine o tempo e (c) a distância percorrida U (x) = 1 + αx2
x
pelo barco antes de parar.
onde, U0 > 0. Esboce o gráfico do poten-
32. Um cubo de lado b está em equilı́brio no cial, obtenha os pontos de equilı́brio e diga
topo de um cilindro de raio R, conforme se o equilı́brio é estável ou instável.
figura 2.43 abaixo. As superfı́cies de con-
36. Um foguete parte do repouso e viaja no
tato são rugosas, de tal maneira que não
espaço livre de forças externas. Para que
há deslizamento. Sob que condições o
fração da massa inicial do foguete o seu
equilı́brio é estável?
momentum linear é máximo?

37. Considere um foguete subindo sob in-


fluência do campo gravitacional da Terra,
suposto constante, com uma razão de
perda de massa dm/dt = −α. Mostre que
a altura atingida pelo foguete pode ser es-
crita como
µ ¶ · ¸
1 2 m0 − αt m0
y = ut− gt − u ln
2 α m0 − αt

38. Um foguete tem uma massa inicial m0 e


uma razão de perda de massa dm/dt =
−α. Qual a velocidade de exaustão
Figura 2.43: Equilı́brio de um bloco no topo mı́nima para que o foguete consiga deco-
de um cilindro de raio R. lar?

39. Um foguete avança para cima num campo


33. Um trem move-se ao longo de um trilho da força de gravidade à aceleração cons-
com uma velocidade constante u. Uma tane af . Desprezando a resistência do
Prof. Salviano A. Leão 84

ar e considerando a velocidade efetiva de sabendo que a velocidade inicial é v0 = 5


ejeção dos gases ve em relação ao foguete, m/s.
constante, determine o intervalo de tempo
43. Uma partı́cula de massa m move-se em
necessário para que a massa do foguete re-
uma linha reta sob a ação de uma força di-
duza a 50 % do seu valor inicial.
recionada para a origem O e proporcional
40. Um corpo cai sobre a Terra desde uma al- a distância x da origem, de módulo mk 2 x.
tura h com velocidade inicial nula. Des- A partı́cula passa pela origem O com uma
preze a resistência do ar considere que a velocidade u. Se x é a sua posição no ins-
força da gravidade é inversamente propor- tante t e v é a sua velocidade, mostre que
cional ao quadrado da distância entre o u2 = v 2 + (kx)2 .
corpo e o centro da Terra. Considere que
o raio da Terra é R e que a aceleração da
força gravitacional na superfı́cie da Terra
é g. (a) Ache o tempo T que o corpo gas-
tará para atingir a superfı́cie da Terra em
função de R, h e g. (b) Determine veloci-
dade que ele atinge a superfı́cie da Terra
em função de R, h e g.

41. Considere uma partı́cula de massa m que


é repelida a partir do centro do sistema
de coordenadas por uma força central pro-
porcional à distância (o coeficiente de pro-
porcionalidade é mk2 ). A resistência do
meio ambiente é proporcional à velocidade
da partı́cula (o coeficiente de proporcio-
nalidade é 2mk1 ). No instante inicial, a
partı́cula encontrava-se a uma distância a
do centro e a sua velocidade era igual a
zero. (a) Determine uma expressão para
a distância em função do tempo. (b) De-
termine uma expressão para a velocidade
em função do tempo.

42. A força de resistência ao avanço de um


corpo em um meio heterogêneo varia de
2kv 2
acordo com a lei FR = − N, onde
r + r0
v é a velocidade do corpo em m/s e r é a
distância percorrida em metros, r0 = 3
m e k é uma constante. Determinar a
distância percorrida em função do tempo
Prof. Salviano A. Leão 85

2.12 Apêndice As derivadas destas funções são:

A seguir apresntamos algumas relações funda-


d
mentais. senh(x) = cosh(x)
dx

2.12.1 Expansões em séries de d


cosh(x) = senh(x)
dx
Taylor
d
• ex = 1 + x + 12 x2 + 16 x3 + O (x4 ) tgh(x) = sech2 (x)
dx
• ln (1 + x) = x − 12 x2 + 31 x3 + O (x4 )
d
sech(x) = − sech(x) tgh(x)
• (1 + x)n = 1 + nx + 2!1 n (n − 1) x2 + dx
1
3!
n (n − 1) (n − 2) x3 + O (x4 ) d
cosech(x) = − cosech(x) cotgh(x)
• (1 − x)n = 1 − nx + 2!1 n (n − 1) x2 − dx
1
3!
n (n − 1) (n − 2) x3 + O (x4 ) d
cotgh(x) = − cosech2 (x)
dx
• sen x = x − 16 x3 + O (x4 )
Observe ainda que
• cos x = 1 − 12 x2 + O (x4 ) √
arcsenh(x) = ln |x + x2 + 1|
• tan x = x + 31 x3 + O (x4 ) µ ¶
x
= arctgh √
x2 + 1
(
2.12.2 Funções Hiperbólicas √ > 0, Se x > 0
= arccosh( x2 + 1)
As funções hiperbólicas são definidas por: < 0, Se x < 0

ex − e−x
senh(x) = , √
2 arccosh(x) = ± ln |x + x2 − 1|, x > 1
ex + e−x µ ¶
cosh(x) = , x
2 = arctgh √ , x>1
senh(x) x2 − 1
tgh(x) = , √
cosh(x) = ± arcsenh( x2 − 1).
1
sech(x) = ,
cosh(x)
µ ¶
1 1 1+x
cosech(x) = , arctgh(x) = ln , |x| < 1
senh(x) 2 1−x
cosh(x) µ ¶
cotgh(x) = . 1 x+1
senh(x) arcotgh(x) = ln , |x| > 1
2 x−1
Disto segue-se a seguinte relação: Das relações fundamentais acima, pode-se
ver facilmente que:
cosh2 (x) − senh2 (x) = 1
sech2 (x) + tgh2 (x) = 1 cosh(x) + senh(x) =ex
cotgh2 (x) − cosech2 (x) = 1 cosh(x) − senh(x) =e−x
Prof. Salviano A. Leão 86

e usando estas relações pode-se mostrar que:


θ θ
cos θ = cos2 − sen2
2 2
θ
senh(x + y) = senh(x) cosh(y) + cosh(x) senh(y) = 2 · cos2 − 1
2
cosh(x + y) = cosh(x) cosh(y) + senh(x) senh(y) θ
= 1 − 2 · sen2
2
r
θ 1 − cos θ
sen = ±
2 2
r
2.12.3 Funções trigonométricas θ
cos = ±
1 + cos θ
2 2
r
Fórmulas da adição θ sen 2θ 1 − cos θ
tg = θ

2 cos 2 1 + cos θ

sen (A ± B) = sen A · cos B ± sen B · cos A


Transformação em Produto
cos (A ± B) = cos A · cos B ∓ sen A · sen B
tg A ± tg B
tg (A ± B) =
1 ∓ tg A · tg B

sen (α + β) + sen (α − β) = 2 sen α · cos β


sen (α + β) − sen (α − β) = 2 sen β · cos α

Fórmulas da multiplicação cos (α + β) + cos (α − β) = 2 cos α · cos β


cos (α + β) − cos (α − β) = −2 sen α · sen β

Seja,
sen 2θ = 2 sen θ · cos θ
(
2
cos 2θ = cos θ − sen θ 2 α+β = p
α−β = q
= 2 · cos2 θ − 1
= 1 − 2 · sen2 θ  p+q

 α =
2 · tg θ 
 2
tg 2θ =
1 − tg2 θ 


 β = p−q
2

Fórmulas da divisão
Prof. Salviano A. Leão 87

µ ¶ µ ¶
p+q p−q
sen p + sen q = 2 sen · cos
2 2
µ ¶ µ ¶
p−q p+q
sen p − sen q = 2 sen · cos
2 2
µ ¶ µ ¶
p+q p−q
cos p + cos q = 2 cos · cos
2 2
µ ¶ µ ¶
p+q p−q
cos p − cos q = −2 sen · sen
2 2
Referências Bibliográficas

[1] Marcelo Alonso and Edward J. Finn. [11] Tai L. Chow. Classical Mechanics. John
Fı́sica um curso universitário: Mecânica, Willey & Sons, Inc., 1995.
volume I. Editora Edgard Blücher, 1972.
[12] Atam P. Arya. Introduction to Classical
[2] H. Moysés Nussenzveig. Fı́sica Básica: Mechanics. Allyn and Bacon, 1990.
Mecânica, volume 1. Editora Edgard
[13] Herbert Goldstein. Classical Mechanics.
Blücher, terceira edition, 1996.
Addison-Wesley. Addison-Wesley, third
[3] Paul A. Tipler. Fı́sica Para Cientistas e edition, 2002.
Engenheiros, volume 1. LTC, quarta edi-
tion, 2000. Mecânica, Oscilções e Ondas. [14] Lev Davı́dovitch Landau and E. M.
Lifshitz. Mecânica, volume 1 of Fı́sica
[4] Frederick j. Keller, W. Edward Gettys, Teórica. Editora Mir, 1978.
and Malcolm J. Skove. Fı́sica, volume 1.
Makron Books do Brasil, 1999. [15] Kazunori Watari. Mecânica Clássica. Edi-
tora Livraria da Fı́sica, 2003.
[5] Kazunori Watari. Mecânica Clássica. Edi-
tora Livraria da Fı́sica, 2001.

[6] Jens M. Knudsen and Poul G. Hjorth. Ele-


ments of Newtonian Mechanics. Springer,
third edition, 2000.

[7] Grant R. Fowles and George L. Casiday.


Analitycal Mechanics. Saunders College
Publishing, sixth edition, 1999.

[8] Jerry B. Marion and Stephen T. Thorn-


ton. Classical Dynamics of Particles and
Systems. Saunders College Publishing,
fourth edition, 1995.

[9] Murray R. Spiegel. Theory and Problems


of Theoretical Mechanics. Schaum’s Ou-
tline Series. McGraw-Hill Book Company,
si metric edition edition, 1980.

[10] Keith R. Symon. Mecânica. Editora Cam-


pus LTDA, terceira edition, 1982.

88
Capı́tulo 3

Oscilações

3.1 Introdução a impulsos externos periódicos, teremos uma


oscilação forçada, em que é preciso levar em
Qualquer movimento que se repete em in- conta também o perı́odo das forças externas
tervalos de tempo iguais constitui um movi- e sua relação com o perı́odo próprio das os-
mento periódico. O movimento periódico de cilações livres do sistema.
uma partı́cula sempre poderá ser expresso em As oscilações não são uma exclusividade dos
função de senos e de cossenos, motivo pelo sistemas mecânicos. As ondas de rádio, as
qual ele também é denominado movimento microondas e a luz visı́vel resultam de cam-
harmônico. pos elétricos e magnéticos oscilantes. Este
Se uma partı́cula em movimento periódico é o caso de um circuito sintonizado, em um
se mover para frente e para trás na mesma tra- rádio, ou em uma cavidade metálica fechada,
jetória, o seu movimento é denominado osci- na qual se introduz energia sob a forma de mi-
latório ou vibratório. croondas, que podem oscilar eletromagnetica-
mente. A analogia é grande, fundamentando-
Oscilações são encontradas em todas as áreas
se no fato de que as oscilações mecânicas e as
da fı́sica. Exemplos de sistemas mecânicos vi-
eletromagnéticas são descritas pelas mesmas
bratórios incluem pêndulos, diapasões, cordas
equações básicas.
de instrumentos musicais, colunas de ar em ins-
trumentos de sopro, etc. A corrente elétrica,
que chega as nossas casas é alternada, ou seja, 3.2 Pequenas Oscilações:
é oscilatória, e as oscilações da corrente em
circuitos elétricos tem inúmeras aplicações im- Lineares e Não-
portantes.
Lineares
Um pêndulo desviado da posição de
equilı́brio e depois solto fornece um exemplo Considere uma partı́cula de massa m, que
de oscilações livres, em que o sistema, após se move sob a ação de um potencial unidimen-
termos estabelecido sua configuração inicial, sional conservativo U (x) (mostrado na figura
não será mais submetido a nenhum tipo de 3.1), com uma energia total E, cuja posição
força externa oscilatória, e isto fará com que está limitada ao intervalo xa ≤ x ≤ xb . Se
ele tenha seu próprio perı́odo de oscilação que nenhuma outra força atuar sobre a partı́cula,
é determinado pelos parâmetros que caracte- então a força resultante sobre a partı́cula é con-
rizam o pêndulo. Se submetermos o pêndulo servativa. Portanto, a partı́cula oscila sobre

89
Prof. Salviano A. Leão 90

um segmento de reta bem definido, entre os


pontos xa e xb .

Figura 3.1: Energia potencial U (x) devido a


uma força conservativa F (x) qualquer.

Considere que esta oscilação entre os pontos


xa e xb é pequena. A figura 3.2, mostra uma
ampliação da região onde ocorre esta pequena
oscilação.
Como potencial U (x) é conservativo, a ener-
gia total da partı́cula é conservada e bem defi-
nida, sendo expressa por
Figura 3.2: Energia potencial U (x) devido a
E = U (xa ) = U (xb ).
uma força F (x), que entre os pontos xa e xb ,
Para um ponto qualquer x da trajetória da pode ser considerada aproximadamente linear.
partı́cula, têm-se que
1
E = mv 2 + U (x) = cte. = U (xa ) = U (xb ),
2
tratamos com sistemas do tipo massa mola).
pois a energia total é conservada.
Percebe-se então que para pequenas oscilações
No gráfico da figura 3.2 têm-se a força resul-
o sistema é equivalente ao sistema massa mola
tante sobre a partı́cula em função da posição,
(a expressão acima para a força também é co-
para pequenas oscilações em torno da posição
nhecida como Lei de Hooke).
de equilı́brio. Do gráfico de F (x) × x, pode-se
concluir que a força é linear (entre os pontos xa
Considere uma partı́cula movendo-se sob a
e xb ,) no regime de pequenas oscilações, assim
ação de uma força, cuja função energia poten-
pode-se escrever como uma boa aproximação
cial é aquela da figura 3.1, e que sua energia to-
que,
tal é pequena o suficiente, de modo que ela os-
F(x) ' −kx x̂,
cila em torno do ponto de equilı́brio estável x0 .
na qual k é uma constante (geralmente, conhe- Expandindo em série de Taylor a função ener-
cida como constante elástica da mola, quando gia potencial em torno do ponto de equilı́brio
Prof. Salviano A. Leão 91

estálvel x0 , obtém-se que os termos de ordens superiores a quarta ordem


µ ¶¯ em x, na eq. (3.1), obtém-se
dU ¯¯ (x − x0 )
U (x) = U (x0 ) + +
dx ¯x0 1! 1 1
U (x) = kx2 + ²x4 (3.2)
µ 2 ¶¯ 2 4
d U ¯¯ (x − x0 )2
+ Além disso, como a partı́cula move-se sob a
dx2 ¯x0 2!
µ 3 ¶¯ ação de forças conservativas, pode-se escrever
d U ¯¯ (x − x0 )3
+
dx3 ¯x0 3! F (x) = −
dU
µ 4 ¶¯ dx
d U ¯¯ (x − x0 )4
+ ···
dx4 ¯ x0 4! o que significa que a força resultante sobre a
partı́cula é dada por,
Por simplicidade, será considerado somente
o caso de pequenos deslocamentos em torno da F (x) = −kx − ²x3 . (3.3)
posição de equilı́brio de potenciais simétricos.
O termo U (x0 ) é um termo constante e pode 3.2.1 Oscilações Lineares
ser ignorado, o que não irá afetar o resultado fi-
Como uma primeira aproximação será man-
nal. Desde que x0 é um ponto de mı́nimo, para
tido somente os termos de segunda ordem em x
o equilı́brio estável num potencial simétrico,
na expansão da energia potencial, desta forma
todos os termos de ordem ı́mpar na expansão
têm-se que
acima são identicamente nulos, portanto, 1
U (x) = kx2 (3.4)
µ ¶¯ µ ¶¯ 2
dU ¯¯ dU ¯¯
= = 0,
dx ¯x0 dx ¯x0
F (x) = −kx (3.5)
enquanto, µ ¶¯ na qual,
d2 U ¯¯ µ ¶¯ µ ¶¯
> 0. d2 U ¯¯ dF ¯¯
dx2 ¯x0 k= =− >0 (3.6)
dx 2 ¯ dx ¯x0
x0
Definindo,
z = x − x0 Como, (d2 U/dx2 )x0 > 0 é sempre positivo, a
constante k também será sempre positiva. Por-
µ ¶¯ tanto, a força F = −kx é proporcional ao des-
d2 U ¯¯
=k locamento x e está sempre direcionada para o
dx2 ¯x0
ponto de equilı́brio. Uma força com estas ca-
µ ¶¯
1 d4 U ¯¯ racterı́sticas é chamada de força restauradora
= +²
3! dx4 ¯x0 linear. O potencial correspondente a esta força
é parabólico sendo expresso pela eq. (3.4), cujo
Então a função energia potencial pode ser
comportamento é mostrado nas linhas ponti-
escrita como
lhadas das figuras 3.2 e 3.3.
1 1 Sistemas fı́sicos envolvendo molas, pêndulos,
U (z) = kz 2 + ²z 4 + · · · (3.1)
2 4 e deformações elásticas são descritos pelas
Considerando que a origem das coordenadas equações (3.4) e (3.5) e eles obedecem a lei de
está localizada no ponto do equilı́brio estável, Hooke. Isto é verdade somente para peque-
de modo que x0 = 0 e z = x, e desprezando nos deslocamentos, pois permanece no limite
Prof. Salviano A. Leão 92

sistemas não lineares.


Para um sistema não-linear, a resposta será
dada pela força

F (x) = −kx − ²x3 .

Aqui devemos lembrar que ² é muito pequeno


quando comparado a k, mas sua magnitude e
sinal afetam o termo linear −kx, e portanto, a
força resultante F (x). Se ² < 0, a magnitude
da força F (x) será menor do que a força li-
near −kx sozinha e o sistema é dito ser macio.
Figura 3.3: Energia potencial U (x) devido a Por outro lado, se ² > 0, a magnitude da força
uma força F (x), que entre os pontos xa e xb , F (x) será maior do que a força linear −kx so-
zinha e o sistema é dito ser duro. As forças e
pode ser considerada aproximadamente linear.
as energias potenciais são mostradas na figura
3.3.
elástico, como mostrado na figura 3.3(a). Além
disso, os resultados obtidos ainda são aproxi-
mados. Nestes sistemas a constante k é defi- Exemplo 32 Considere uma partı́cula de
nida como força por unidade de comprimento, massa m, presa a duas molas idênticas, de
e a sua unidade é newtons por metro (N/M), e constante elástica k e comprimento natural l,
ela é geralmente chamada de constante elástica conforme a figura 3.4. Inicialmente as mo-
da mola. Já 1/k é chamado de flexibilidade da las não estão distendidas. Ao deslocarmos a
mola. partı́cula ao longo do eixo X, de uma distância
x, encontre a força resultante sobre a partı́cula.

3.2.2 Oscilações Não-Lineares

Se os deslocamentos do sistema em relação


ao ponto de equilı́brio estável não forem pe-
quenos o suficiente (ou se desejarmos incluir
termos de mais altas ordens na expansão da
energia potencial), o sistema terá uma resposta
não-linear, e desta forma não podemos manter
somente os termos de segunda ordem em x na
expansão da energia potencial. Assim, teremos
que incluir os termos não nulos de maior or-
dem seguintes aos de segunda ordem, ou seja,
os de quarta ordem. Portanto, a força terá um
termo em x3 enquanto a energia potencial terá
um termo em x4 . Diferentes formas de forças Figura 3.4: Uma partı́cula de massa m preso a
e potenciais são ilustrados na figura 3.3 para duas molas idênticas de constante elástica k.
Prof. Salviano A. Leão 93

Solução: Devido a simetria, a força resul- distância muito grande, de forma que U → 0.
tante sobre a partı́cula estará ao longo do eixo Entre estes dois limites existe uma posição
X, e é dada por de equilı́brio estável (separação inter-nuclear
de equilı́brio). A energia potencial pode ser
Fr = mẍ = −2k(S − l) sen θ,

mas como sen θ = x/S, portanto,


µ ¶
lx
Fr = −2k x −
S
µ ¶
l
= −2kx 1 − √
x2 + l 2
à !
1
= −2kx 1 − p .
1 + (x/l)2

Para pequenos deslocamentos em torno da


posição de equilı́brio, ou seja, para x/l ¿ 1,
podemos expandir em série de Taylor o último
termo da expressão anterior 1 , e mantendo so-
mente o termo de segunda ordem, obtemos
· ³ ´¸ ³ x ´3
1 x 2
Fr ∼ −2kx ∼ −kl
2 l l Figura 3.5: Um bloco de massa m preso a uma
mola de constante elástica k. Este bloco está
que é uma força não linear, portanto, dizemos
que a resposta do sistema é não linear. oscilando em torno da sua posição de equilı́brio
x = 0.

3.2.3 Moléculas Diatômicas expandida em série de Taylor em torno da


posição de equilı́brio como
A figura 3.5 abaixo mostra uma curva de µ ¶¯
energia potencial tı́pica para uma molécula dU ¯¯ (R − Req. )
U (R) = Ueq. + ¯ +
diatômica; para simplificar imagine que o dR Req. 1!
µ 2 ¶¯
átomo da esquerda esteja fixo na origem en- d U ¯¯ (R − Req. )2
+
quanto a posição do átomo da direita seja dR2 ¯Req. 2!
µ 3 ¶¯
variável. Quando a distância inter-atômica d U ¯¯ (R − Req. )3
+ ···
é muito pequena, predomina a força de re- dR3 ¯Req. 3!
pulsão elétrica entre os núcleos carregados po-
Note que Req. é um ponto de equilı́brio, de
sitivamente; assim, U → ∞ quando R → 0.
forma que µ ¶¯
Por outro lado, quando R → ∞, é como dU ¯¯
=0 (3.7)
se tivéssemos dois átomos separados por uma dR ¯Req.
1
Sabemos que: o que justifica a ausência do termo linear na
n n n(n − 1) 2 n(n − 1)(n − 2) 3 expansão.
(1 + x) = 1+ x+ x + x +. . . .
1! 2! 3! Em um movimento molecular tı́pico os
átomos se afastam da posição de equilı́brio
Prof. Salviano A. Leão 94

por distâncias que são muito pequenas quando equilı́brio; a força que atua na partı́cula é dada
comparadas à separação de equilı́brio, ou seja, por (Lei de Hooke):

R − Req. ¿ Req. (3.8) F (x) = −kx,

Sendo assim, os termos de terceira ordem e como dU = −F (x)dx (vetorialmente, temos


~ ~
em diante na expansão da energia podem ser F = −kxî e d` = dxî, logo, F · d` = −kxdx,
desprezados, de forma que quem define a direção dos deslocamentos d~` são
os limites de integração.), então
µ 2 ¶¯ 2
dU ¯ ¯ (R − Req. ) Z x
U (R) ≈ Ueq. + 2 ¯ . (3.9)
dR Req. 2! U (x) − U (0) = − F (x)dx
0
Z x
A força sobre o átomo da direita é dada por 1
= kxdx = kx2 .
2
µ 2 ¶¯ 0
dU dU ¯ ¯
F (R) = − =− (R − Req. ) Considerando U (0) = 0, temos então, que a
dR dR2 ¯Req.
(3.10) energia potencial de uma partı́cula sob a ação
de uma força do tipo F (x) = −kx, é dada por:
É comum definir a notação
µ 2 ¶¯ 1
d U ¯¯ U (x) = kx2 .
x ≡ R − Req. k≡ (3.11) 2
dR2 ¯Req.
Uma partı́cula oscilante que tenha tais
de forma que podemos escrever caracterı́sticas é denominada oscilador
harmônico simples e seu movimento chama-se
1 2
F (x) = −kx, e U = kx (3.12) movimento harmônico simples. No movimento
2
harmônico simples os limites de oscilação são
onde k é uma constante positiva. Sistemas simétricos em relação a posição de equilı́brio.
fı́sicos onde a força é dada por esta expressão Em relação a figura 3.2, isto significa dizer
são chamados de oscilador harmônico simples. que x = −x = a ou x = a e x = −a. Esta
b a b a
Muitos exemplos de oscilador harmônico propriedade não é válida para movimentos
simples podem ser encontrados na natureza. O mais gerais em que xa 6= xb , os quais embora
mais conhecido é o sistema massa-mola onde a ainda sejam movimentos harmônicos, não
força é proporcional ao deslocamento para dis- são mais harmônicos simples. O módulo do
tensões pequenas (Lei de Hooke). Um ponto deslocamento máximo, isto é, (considerando
da corda de um violão executa um movimento xb = a e xa = −a) a, é sempre considerado
harmônico simples (MHS) quando a corda está positivo, e chama-se amplitude do movimento
vibrando. harmônico simples.
Na figura 3.6, mostramos um exemplo de
um oscilador harmônico simples, o qual é cons-
3.3 Oscilador Harmônico tituı́do por um bloco de massa m preso a uma
Simples mola ideal (mola com uma massa desprezı́vel),
cuja a constante elástica ou constante da força
Consideremos uma partı́cula de massa m, é k, e que move-se sobre uma superfı́cie ho-
que oscila em torno de uma posição de rizontal livre de atrito. Note que na posição
Prof. Salviano A. Leão 95

cial de uma relação mais geral, que descreve


a deformação elástica dos corpos, descoberta
por Robert Hooke (1635-1703). As molas e
os outros corpos elásticos obedecem a tal lei,
desde que sua deformação não seja excessiva-
mente grande. Se o sólido (ou mola) for defor-
mado além de certo ponto, denominado limite
elástico, ele não retornará a sua forma inicial
quando suprimirmos a força aplicada. Ocorre
que a lei de Hooke é valida quase até o limite
elástico, para a maioria dos materiais comuns.
O intervalo de valores das forças aplicadas para
Figura 3.6: Um bloco de massa m preso a uma os quais é válida a lei de Hooke denomina-se
mola de constante elástica k. Este bloco está região proporcional. Além do limite elástico, a
oscilando em torno da sua posição de equilı́brio força não pode mais ser especificada por uma
x = 0. função energia potencial (F (x) 6= − dUdx
), pois
a força depende então de muitos fatores, in-
de equilı́brio a mola não exerce força sobre o clusive da rapidez da deformação e da história
bloco. Se o bloco é deslocado para a direita prévia do sólido.
(mola distendida), a força exercida pela mola Note que a força restauradora (F = −kx)
sobre o corpo está dirigida para a esquerda, e a função energia potencial (U (x) = 12 kx2 )
e é dada por F = −kx. Deslocando-se o do oscilador harmônico são as mesmas de um
bloco para a esquerda (mola comprimida) a sólido deformado em uma dimensão, desde que
força irá apontar para a direita, sendo dada por a deformação esteja na região proporcional.
F = −kx. Devemos observar que o sinal nega- Se libertado, o sólido deformado vibrará, tal
tivo é que dá o sentido correto da força, pois como o oscilador harmônico. Portanto en-
F = F x̂ = −kx x̂. Para x > 0 a força aponta quanto a amplitude de vibração se mantiver
para a esquerda logo F = −k|x| x̂. Para x < 0 suficientemente pequena, isto é, enquanto a de-
a força aponta para a direita logo F = k|x| x̂. formação permanecer na região proporcional,
Em cada caso a força sempre está apontando as vibrações mecânicas se comportam exata-
para a posição de equilı́brio do bloco, e quando mente como osciladores harmônicos simples.
isto ocorre, chamamos esta força de força res- É fácil generalizar essa discussão e mostrar
tauradora. O movimento deste bloco oscilante que qualquer problema que envolva vibrações
é um movimento harmônico simples. mecânicas de pequenas amplitudes, em três di-
Se ao deslocarmos uma partı́cula da sua mensões, reduz-se a uma combinação de oscila-
posição de equilı́brio, e a força resultante so- dores harmônicos simples. Na figura 3.7, mos-
bre a partı́cula sempre apontar para a posição tramos um modelo de um sólido, no qual todas
de equilı́brio, esta força será chamada de força as suas interações são trocadas por molas.
restauradora. Cordas ou membranas vibrantes, vibrações
A equação F = −kx é uma empı́rica conhe- sonoras, as oscilações de átomos em sólidos,
cida como Lei de Hooke. Ela é um caso espe- assim como as oscilações elétricas ou acústicas
Prof. Salviano A. Leão 96

Chamando
r
k k
ω02 = =⇒ ω0 = ,
m m
podemos escrever
d2 x d2 x
= −ω02 x =⇒ + ω02 x = 0. (3.13)
dt2 dt2
Agora iremos introduzir uma notação muito
usada por fı́sicos e engenheiros, na qual as de-
rivadas em relação ao tempo são representadas
da seguinte forma:
Figura 3.7: Modelo de um sólido dx
= ẋ ⇒ Velocidade
dt
em uma cavidade, podem ser todas descritas d2 x
= ẍ ⇒ Aceleração
sob uma forma matematicamente idêntica à de dt2
um sistema de osciladores harmônicos. A ana- assim, a equação anterior também pode ser es-
logia permite-nos resolver problemas em uma crita da seguinte forma:
área, usando as técnicas desenvolvidas em ou-
tras áreas. E é este fato que torna o oscilador ẍ + ω02 x = 0. (3.14)
harmônico um dos mais importantes sistemas
Agora, vamos buscar uma solução para a
fı́sicos, pois com ele conseguimos modelar um
equação acima. Olhando para a equação
grande número de outros sistemas.
(3.13), devemos lembrar do cálculo que as
únicas funções que ao serem derivadas duas ve-
3.4 Estudo do Movimento zes, retornam em si mesmas a não ser por um
fator multiplicativos, são as funções seno, cos-
Harmônico Simples seno e a função exponencial. Como no caso
do oscilador harmônico a posição x(t), oscila
Consideremos um oscilador harmônico sim-
com o tempo, então só temos duas possı́veis
ples, o qual é constituı́do por um corpo de
funções que podem satisfazer a equação acima,
massa m presa a uma mola ideal (ver figura
a função seno e a função cosseno. Pois,
3.6), cuja a constante elástica da mola é k e
que pode mover-se sobre uma superfı́cie hori- d
cos (ω0 t) = −ω0 sen (ω0 t)
zontal lisa (sem atrito). A equação de movi- dt
d2
mento, que dá a posição da massa em função cos (ω0 t) = −ω02 cos (ω0 t)
dt2
do tempo, isto é x(t), é dada pelo uso da lei
de Hooke (F = −kx) e pela segunda lei de
2 d
Newton (F = m ddt2x ): sen (ω0 t) = −ω0 cos (ω0 t)
dt
d2 x d2
F = m 2 = −kx 2
sen (ω0 t) = −ω02 sen (ω0 t) .
dt dt
Logo, as funções x(t) = a cos (ω0 t) e x(t) =
d2 x k
= − x. b sen (ω0 t), satisfazem a equação (3.13), e são
dt2 m
Prof. Salviano A. Leão 97


uma solução para o problema e os coeficientes (3.15) por a2 + b2 , temos:
a e b são constantes a serem determinadas. En- ·
√ a
tretanto a solução mais geral é dada pela soma x(t) = a + b √
2 2 cos (ω0 t) +
a2 + b2
das duas soluções encontradas. Assim, ¸
b
√ sen (ω0 t)
a2 + b2
x(t) = a cos (ω0 t) + b sen (ω0 t) (3.15) √
= a2 + b2 [cos δ cos (ω0 t) +
sen δ sen (ω0 t)]
Como a equação que resolvemos a deri- √
vada de mais alta ordem era uma derivada se- = a2 + b2 cos (ω0 t − δ) .
gunda, então a sua solução geral deverá apre- Podemos sem perda de generalidade esco-
sentar duas constantes a serem determinadas, lher a amplitude de oscilação do oscilador
no nosso caso as constantes a e b. Mas a harmônico como sendo A = √a2 + b2 , por-
equação acima ainda pode ser reescrita em uma tanto nossa solução geral será:
forma mais conveniente se considerarmos que
as constantes a e b são os lados de um triângulo x(t) = A cos (ω0 t − δ) .
retângulo (ver figura 3.8 abaixo) onde, Devemos observar que esta solução ainda
apresenta duas constantes a serem determina-
das, A e δ, pelas condições iniciais do pro-
blema. Vamos agora tentar estabelecer qual
é a periodicidade do movimento, ou seja, de
quanto em tempo este movimento se repete,
para isto, iniciaremos nossa análise observando
que:

cos (ω0 t − δ) = cos (ω0 t − δ − 2π)


· µ ¶ ¸

= cos ω0 t+ −δ .
ω0
Devemos observar na expressão acima que
o termo 2π ω
= T tem dimensão de tempo, e
que ao somarmos este tempo a um instante de
tempo t qualquer, o movimento da partı́cula
irá se repetir novamente. Portanto a este in-
Figura 3.8: Triângulo retângulo.
tervalo de tempo damos o nome de perı́odo do
movimento, assim

a b 2π 2π
cos δ = √ e sen δ = √ T = =⇒ ω0 =
ω0 T
a + b2
2 a + b2
2
r
m
com, T = 2π
.
µ ¶ k
b
δ = arctg Agora vamos definir a chamada freqüência
a
(ν) do movimento, que é dada pela razão en-
Portanto, multiplicando e dividindo a eq. tre o número de oscilações realizadas em um
Prof. Salviano A. Leão 98

determinado intervalo de tempo (∆t) por este de capacitância C ligado em série com um in-
intervalo de tempo ∆t, ou seja, dutor de indutância L é:
Número de oscilações (ou voltas) 1 dI 1
ν= = . L + q = 0,
∆t T dt C
Como em um perı́odo T , damos somente uma mas como I = dq , logo
dt
volta, então o número de oscilações é uma em
um perı́odo. Portanto, d2 1
L 2 q + q = 0,
dt C
1 2π ω0 2
= =⇒ ν= d
ν ω0 2π q + ω02 q = 0
dt2
r
1 k
ω0 = 2πν =⇒ ν= . (3.16) onde
2π m r
A freqüência nos dá o número de oscilações 1 1
ω02 = =⇒ ω0 =
por unidade de tempo. Por exemplo, considere LC LC
uma freqüência de 1.5 Hz, isto significa que a Portanto a solução desta equação é dada por:
partı́cula dá uma volta e meia em um segundo.
As unidades, das novas grandezas definidas q(t) = Q cos (ω0 t − δ) .
até agora são:
E toda a análise que fizemos e iremos fazer
para o caso do oscilador harmônico também
Sı́mbolo Nome Unidade será válida para a equação acima, o que real-
T Perı́odo s mente irá importar é a forma da equação
ω0 Freqüência Angular rad/s
d2
ν Freqüência 1 Hertz ¤ + ω02 ¤ = 0
dt2
A Amplitude m
e não a variável ¤ seja ela qual for. Obvi-
ω0 t + δ Fase radianos
amente os significados fı́sicos das variáveis ¤
δ Constante de fase radianos
as quais estão descrevendo um determinado
fenômeno fı́sico serão diferentes.

Devemos ressaltar aqui que a solução encon- 3.4.1 Análise do Movimento


trada para a equação do Oscilador Harmônico
Simples será de grande ajuda em muitas si- Se a posição da partı́cula é dada por:
tuações fı́sicas que encontraremos, por exem-
x(t) = A cos (ω0 t + δ)
plo: carga e descarga de um capacitor ligado
em série com um indutor, sistemas de amorte- onde x(t) oscila com o tempo, como mostra
cedores, modelo atômico da polarizabilidade, a figura 3.9 então a velocidade da partı́cula é
etc. Em todos estes casos as equações que ire- dada por
mos resolver será a do oscilador harmônico a
qual já conhecemos a solução. O que irá mudar d
v(t) = ẋ = x(t)
será o significado fı́sico das variáveis envolvi- dt
das. Por exemplo, a equação de um capacitor = −Aω0 sen (ω0 t + δ)
Prof. Salviano A. Leão 99

Figura 3.11: Aceleração da partı́cula em


Figura 3.9: Posição da partı́cula em função do
função do tempo.
tempo.
iniciais do sistema. Considerando que no ins-
tante t = 0 a partı́cula se encontra na posição
x0 (x(0) = x0 ) e com uma velocidade v0
(v(0) = v0 ), logo temos:

x(0) = x0 = A cos δ (3.17)


v(0) = v0 = −Aω0 sen δ (3.18)

Para encontrarmos a constante de fase δ


basta dividirmos a equação (3.18) pela eq.
Figura 3.10: Velocidade da partı́cula em (3.17), assim obtemos
µ ¶
função do tempo. v0 v0
tg δ = − =⇒ δ = arctg − .
ω0 x0 ω0 x0
também irá oscilar com o tempo mas está defa- Para determinarmos a amplitude basta rees-
sada de 90◦ com relação a posição da partı́cula, crevermos as equações (3.17) e (3.18) como:
como mostra a figura 3.10. v0
Por sua vez, a aceleração da partı́cula é dada A cos δ =x0 e A sen δ = −
ω0
por: Elevando ao quadrado e somando temos:
d d2 µ ¶2
a(t) = ẍ = v(t) = 2 x(t) 2 2 2 2 v0
dt dt A cos δ+A sen δ = x20 +
2
ω0
= −Aω0 cos (ω0 t + δ) µ ¶2
2
£ 2 2
¤ v0
A cos δ+ sen δ = x20 +
a qual também irá oscilar com o tempo mas ω0
está defasada de 180◦ com relação a posição
da partı́cula e de 90◦ com relação a velocidade, µ ¶2
2 v0
como mostra a figura 3.11. A = x20 +
ω0
s µ ¶2
v0
3.4.2 Condições Iniciais A= x20 + .
ω0
Agora iremos determinar a amplitude A e a Aqui devemos salientar que a amplitude será
constante de fase δ em função das condições sempre um número positivo.
Prof. Salviano A. Leão 100

3.5 Oscilador HarmônicoPor uma questão de simplicidade faremos a


seguinte mudança de variável:
Simples: Solução por r
k
Conservação de Ener- cos θ =
2E
x
r
gia sen θ dθ = −
k
dx
r 2E
Considere uma partı́cula de massa m osci- 2E
dx = − sen θ dθ.
lando sob a ação de uma força restauradora k
F = −kx x̂, cujo o potencial é U (x) = 12 kx2 , Desta forma podemos escrever a integral ante-
logo a energia total desta partı́cula (que neste rior como,
caso é constante, pois o sistema é conservativo) r Z θ(t)
é dada por: m sen θ dθ
t=∓ √
k θ 1 − cos2 θ
r Z 0θ(t)
E = T + U (x) m
t=∓ dθ
1 2 1 2 k θ0
= mv + kx = cte.
2 2 k
Como ω02 = m , então
logo escrevendo v em termos de x e da energia
mecânica total, obtemos 1
t = ∓ (θ(t) − θ0 ) =⇒ θ(t) = ∓ (ω0 t + θ0 ) ,
ω0
1 2 1
mv = E − kx2 onde θ0 é uma constante de integração que será
2 2
determinada pelas condições inicias. Como
isolando a velocidade na equação acima pode- r
mos escrever, k
cos θ = x e θ(t) = ∓ (ω0 t + θ0 ) ,
2E
r
dx 2E k logo,
v= =± − x2 . r
dt m m 2E
x(t) = cos (ω0 t + θ0 ) .
esta equação pode ser escrita na forma diferen- k
cial como Olhando para a expressão da energia total,
e considerando o caso em que a energia poten-
dx
q = ±dt cial da partı́cula é máxima U = 12 kA2 e a sua
2E k 2
m
−m x energia cinética é mı́nima T = 0, temos que:
r
Integrando a equação acima entre os instan- 1 2 2E
E = 0 + kA =⇒ A = ,
tes t = 0 e t, temos 2 k
r Z x(t) Z t
logo, a posição da partı́cula pode ser reescrita
m dx
q =± dt como,
2E x0 1− k 2
x 0
2E x(t) = A cos (ω0 t + θ0 ) ,

r Z que é a solução geral obtida na seção anterior,


x(t)
m dx já que θ0 e δ são duas constantes de fase, que
t=± q
2E x0 1− k 2
x
2E serão determinadas pelas condições iniciais.
Prof. Salviano A. Leão 101

3.6 Oscilador Harmônico Da expressão acima, vemos facilmente que a


velocidade será máxima em x = 0, e neste caso
Simples e a Con- vmax = +ω0A, e ela é nula em x = ±A. Este
servação de Energia resultado é facilmente entendido, pois x = ±A,
são os pontos de retorno, e neste pontos, a
Vamos escrever a posição e a velocidade da partı́cula deve parar para poder retornar. Na
partı́cula em função do tempo: figura 3.12, mostramos uma partı́cula de massa
m, presa a uma mola de constante elástica k
x(t) = A cos (ω0 t + δ) oscilando sobre uma superfı́cie sem atrito, en-
tre os ponto x = A e x = −A.
e
dx
v(t) = = −ω0 A sen (ω0 t + δ)
dt
Portanto a energia mecânica (total) do sis-
tema pode ser escrita como:
1 1
E = T + U = mv 2 + kx2
2 2
1
= mω02 A2 sen2 (ω0 t + δ) +
2
1 2 2
kA cos (ω0 t + δ)
2
1 k
= m A2 sen2 (ω0 t + δ) +
2 m
1 2 2
kA cos (ω0 t + δ)
2
1 £ ¤
= kA2 sen2 (ω0 t + δ) + cos2 (ω0 t + δ)
2
1 2
= kA .
2
Como o sistema é conservativo, a energia
mecânica é constante, ou seja, ela não depende
do tempo. Da expressão anterior vemos que a Figura 3.12: Um bloco de massa m preso a uma
energia mecânica E só depende da amplitude mola de constante elástica k. Este bloco está
de oscilação e da constante elástica k da mola. oscilando em torno da sua posição de equilı́brio
Vamos agora, achar uma expressão para a x = 0. A figura mostra a posição, a velocidade
velocidade em função da posição, como: e a aceleração do bloco.
1 1 1
E = kA2 = mv 2 + kx2 Nos pontos x = ±A, a energia cinética da
2 2 2
partı́cula é nula e a energia potencial elástica U
1 2 1 2 1 2 é máxima e vale Umax. = 12 kA2 , e é a energia to-
mv = kA − kx
2 2 2 tal do sistema. Já no ponto x = 0, a partı́cula
k ¡ 2 ¢ ¡ ¢
só tem energia cinética, pois neste ponto toda
v2 = A − x2 = ω02 A2 − x2
m
energia potencial elástica U da mola foi con-

v(x) = ±ω0 A2 − x2 vertida em energia cinética T , e ela é igual a
Prof. Salviano A. Leão 102

Tmax. = 12 mvmax
2
= 21 mω02 A2 = 12 kA2 .
A energia cinética em função da posição é 1
U (t) = kA2 cos2 (ω0 t + δ)
dada por: 2
Logo,
1 1 k ¡ 2 ¢
T (x) = mv 2 (x) = m A − x2
2 2 m 1
1 ¡ 2 ¢ U (t) = kA2 cos2 (ω0 t + δ)
= k A −x 2 2
2
Logo 1
T (t) = kA2 sen2 (ω0 t + δ)
1 2
U (x) = kx2
2 Na figura 3.14, mostramos como variam as
e energias em função do tempo.
1
T (x) = k (A2 − x2 )
2
Na figura 3.13, mostramos como variam as
energias em função da posição.

Figura 3.14: Energia em função do tempo.

3.7 Energias Médias


Figura 3.13: Energia em função da posição. Agora vamos calcular a energia cinética
média e a energia potencial média em um
Agora vamos encontrar uma expressão para perı́odo de oscilação. Para isto iremos tomar
a energia cinética e para a energia potencial o valor médio de uma função f (t) no intervalo
em função do tempo: 0 ≤ t ≤ T , o qual é definido como:
Z
1 2 1 2 2 2 ¯ 1 T
T (t) = mv (t) = mω0 A sen (ω0 t + δ) fmédio = f = f (t)dt
2 2 T 0
1 k
= m A2 sen2 (ω0 t + δ) Logo a energia potencial elástica média (Ū )
2 m
é:
1 2 2 Z T
T (t) = kA sen (ω0 t + δ) 1
2 Ū = U (t)dt
T 0
Z
A energia potencial elástica da mola é dada 1 T 1 2 2
= kA cos (ω0 t + δ) dt
por: T 0 2
Z
kA2 T
1 1 = cos2 (ω0 t + δ) dt
U (t) = kx2 = kA2 cos2 (ω0 t + δ) 2T 0
2 2
Prof. Salviano A. Leão 103

Como cos(A ± B) = cos A cos B ∓ sen A sen B, Como sen2 (ω0 t + δ) = 1 − cos2 (ω0 t + δ),
então: então:

cos(2A) = cos(A + A) sen2 (ω0 t + δ) = 1 − cos2 (ω0 t + δ)


½ ¾
= cos A cos A − sen A sen A 1 1
=1− cos [2 (ω0 t + δ)] +
2 2
= cos2 A − sen2 A 1 1
¡ ¢ = − cos [2(ω0 t + δ)]
= cos2 A − 1 − cos2 A 2 2
= 2cos2 A − 1 assim, de maneira análoga ao cálculo da ener-
gia potencial elástica média, obtemos que a
assim, energia cinética média pode ser escrita como:
cos(2A) + 1 1 1 kA2 1
cos2 A = = cos(2A) + . T̄ = = E
2 2 2 4 2
Usando a expressão acima, podemos escre- Portanto,
ver a energia potencial elástica média, como:
½ Z Z ¾ kA2 1
kA2 1 T 1 T Ū = T̄ = = E.
Ū = cos [2 (ω0 t + δ)] dt + dt 4 2
2T 2 0 2 0
( ¯T )
kA2 1 ¯
=
4T 2ω0
sen [2 (ω0 t + δ)]¯¯ + t|T0 3.8 Oscilador Harmônico e
0
½
kA2 1 o Movimento Circular
= [sen (2ω0 T + 2δ) −
4T 2ω0
¾ Uniforme
sen (2δ)] + (T − 0)
½ ¾ Agora iremos estudar a relação entre o mo-
kA2 1
= [0] + T vimento harmônico simples e o movimento cir-
4T 2ω0
cular uniforme. Inicialmente consideremos um
kA2 kA2
= T = disco, ao qual fixamos uma pequena haste
4T 4
1 metálica, e que gira com uma velocidade an-
= E
2 gular ω0 constante. Usando uma lanterna faze-
mos projetar a sua sombra sobre uma tela (ver
Observe que sen (2ω0 T + 2δ) = sen (2δ), pois
Fig. 3.15). Ao observarmos a sombra da haste
2ω0 T = 2 2π T
T = 4π e que sen (4π + 2δ) =
metálica, vemos que a mesma realiza um movi-
sen (2δ), portanto sen (2ω0 T + 2δ) − sen (2δ) =
mento harmônico simples, com uma freqüência
0.
angular ω0 , igual a velocidade angular com que
A energia cinética média é dada por:
o disco gira.
Z T
1 Na Fig. (3.16) abaixo, mostramos uma
T̄ = T (t)dt
T 0 partı́cula que realiza um movimento circular
Z T
1 1 2 2 uniforme com uma velocidade angular ω0 cons-
= kA sen (ω0 t + δ) dt
T 0 2 tante, sobre um cı́rculo de raio A. A velocidade
2 Z T
kA tangencial da partı́cula tem um módulo cons-
= sen2 (ω0 t + δ) dt
2T 0 tante e igual a v = ω0 A. Vamos decompor
Prof. Salviano A. Leão 104

o que é equivalente à:


dx
vx (t) = = ẋ = −ω0 A sen (ω0 t + δ)
dt
dy
vy (t) = = ẏ = ω0 A cos (ω0 t + δ) ,
dt
O movimento circular uniforme é um mo-
vimento que tem uma aceleração centrı́peta,
Figura 3.15: Sombra do movimento de um
ou seja, a aceleração deste movimento só irá
disco.
mudar a direção do vetor velocidade, não al-
terando o seu módulo, logo ela deve ser per-
pendicular ao vetor velocidade. A aceleração
centrı́peta aponta para o centro e é um vetor
com sentido oposto ao vetor posição, portanto
ela poderia ser escrita como:

ax (t) = −a cos θ (t)


ay (t) = −a sen θ (t)

Como o módulo da aceleração centrı́peta é


dado por:

v2 (ω0 A)2
a= = = ω02 A,
r A
e θ (t) = ω0 t + δ então
Figura 3.16: Movimento circular uniforme.
ax (t) = −ω02 A cos (ω0 t + δ)
o vetor posição e o vetor velocidade nas suas ay (t) = −ω02 A sen (ω0 t + δ) .
componentes x e y, obtendo assim:
O resultado anterior também pode ser obtido
usando o fato de que:

x(t) = A cos θ (t) e y(t) = A sen θ (t) dvx


ax (t) = = v̇x = −ω02 A cos (ω0 t + δ)
dt
vx (t) = −v sen θ (t) e vy (t) = v cos θ (t) dvy
ay (t) = = v̇y = −ω02 A sen (ω0 t + δ)
dt
mas como o módulo da velocidade é v = ω0 A,
Do que foi visto até agora, podemos concluir
e θ (t) = ω0 t + δ logo
que o movimento circular é composto por dois
movimentos harmônicos simples um na direção
x(t) = A cos (ω0 t + δ)
x e outro na direção y, entretanto o movi-
vx (t) = −ω0 A sen (ω0 t + δ) mento na direção x está defasado de π2 (90◦ )
y(t) = A sen (ω0 t + δ) em relação ao movimento na direção y, pois:
³ π´
vy (t) = ω0 A cos (ω0 t + δ) , cos ω0 t + δ − = sen (ω0 t + δ) .
2
Prof. Salviano A. Leão 105

Portanto o movimento circular está relacio-


nado a estes dois movimentos harmônicos da
seguinte forma:

r2 = x2 (t) + y 2 (t) = A2
p
r = A = x2 (t) + y 2 (t)

v 2 = vx2 (t) + vy2 (t) = ω02 A2


q
v = ω0 A = vx2 (t) + vy2 (t)

a2 = a2x (t) + a2y (t) = ω04 A2


q
2
a = ω0 A = a2x (t) + a2y (t).

3.9 Pêndulo Simples


Figura 3.17: Pêndulo realizando um movi-
Considere um pêndulo, constituı́do por um mento harmônico simples.
corpo de massa m, presa a extremidade de um
fio de massa desprezı́vel e comprimento L. Se o arco descrito pelo corpo, quando o fio forma
deslocarmos de sua posição de equilı́brio de um um ângulo φ com a vertical, medido a partir do
ângulo φ muito pequeno e o soltarmos ele irá ponto mais baixo da trajetória. A relação en-
oscilar em torno de sua posição de equilı́brio tre o comprimento do arco e o ângulo φ (ângulo
(não estamos considerando o atrito), conforme medido em radianos) em é:
a Fig. 3.17 abaixo.
O movimento do pêndulo é harmônico sim- S = Lφ.
ples somente se o ângulo o qual o desloca-
A força resultante devido as componentes ra-
mos de sua posição de equilı́brio for pequeno,
diais das forças que atuam sobre o corpo é:
ou ainda, se sua amplitude de oscilação for
pequena. Na Fig. 3.17 colocamos as forças T − mg cos φ = mLφ̇2 .
que atuam sobre o corpo de massa m, que
são o seu próprio peso mg e a tensão T que A força resultante devido as componentes
do fio. Quando o fio faz um ângulo φ com tangenciais das forças que atuam sobre o corpo
a vertical, as componentes da força peso ao é,
d2 S
longo das direções tangencial e radial a tra- FR = ma = m 2 = −mg sen φ
dt
jetória do objeto são respectivamente mg sen φ
e mg cos φ. A componente tangencial da força d2 (Lφ)
peso mg sen φ sempre aponta para a posição de + g sen φ = 0
dt2
equilı́brio, logo podemos dizer que ela é uma d2 φ
L 2 + g sen φ = 0
força restauradora. Seja S o comprimento do dt
Prof. Salviano A. Leão 106

d2 φ ³ g ´ Em alguns experimentos de medida da ace-


+ sen φ = 0.
dt2 L leração da gravidade g, são feitos usando o
Se S for muito menor do que L, o ângulo pêndulo simples. Para isto, basta medir o com-
φ = LS é pequeno e podemos aproximar sen φ primento L do pêndulo e o perı́odo T de os-
por φ. Na tabela abaixo mostramos quão boa cilação do mesmo (lembre-se, o pêndulo deve
é está aproximação: oscilar com uma pequena amplitude), determi-
nando o tempo de uma oscilação. (Usualmente
φ (Graus) φ (Radianos) sen φ mede-se o tempo necessário para n (∼ 10) os-
1◦
0,017453 0,017452 cilações e depois divide-se o resultado por n, a
2◦
0,034906 0,034899 fim de se reduzir o erro na medição do tempo.
3◦ 0,052360 0,052336 O número n de oscilações também não pode
◦ ser muito grande senão fatores como o atrito já
4 0,069813 0,069756
irão ter uma grande influência nos resultados.)
5◦ 0,087266 0,087156
A aceleração da gravidade g é então determi-
6◦ 0,104720 0,104528
nada usando a seguinte expressão:

7 0,122173 0,121869
8◦ 0,139626 0,139173 4π 2 L
g= .
T2
9◦ 0,157080 0,156434
Quando a amplitude de oscilação de um
10◦ 0,174533 0,173648
pêndulo simples não for pequena, o seu movi-
Tabela 3.1: Comparação entre o ângulo me- mento será periódico, mas não será harmônico
dido em radianos o valor do seno deste mesmo simples.
ângulo.

3.10 Oscilador Vertical


Então se considerarmos ângulos pequenos Consideremos um bloco de massa m sus-
podemos fazer a aproximação sen φ ≈ φ, as- penso verticalmente por uma mola de cons-
sim: tante elástica k e comprimento natural `0 , con-
d2 φ ³ g ´ forme a figura 3.35 abaixo. Escolhendo o eixo y
+ φ = 0.
dt2 L orientado verticalmente e tendo o mesmo sen-
que é uma equação de um oscilador harmônico
tido da força peso com a origem do eixo sobre
simples, cuja a solução é dada por:
a posição de equilı́brio da mola livre.
φ(t) =φ0 cos (ωt + δ) Sobre o bloco atua a força peso mg e a força
devido a mola −ky, devido a segunda lei de
onde ω é a freqüência angular que é dada por: Newton temos
r
2π g d2 y
ω0 = = , m 2 = mÿ = mg − ky.
T L dt
logo o perı́odo de oscilação de um pêndulo sim- Quando o bloco se encontra em equilı́brio,
ples é temos que a sua posição de equilı́brio y0 é dada
s
L por
T = 2π . mg
g y0 = .
k
Prof. Salviano A. Leão 107

Quanto a energia, quando o bloco está em


equilı́brio ele tem uma energia potencial gravi-
tacional Ug = −mgy0 e uma energia potencial
elástica que é dada por UE = 12 ky02 , portanto a
energia potencial total do bloco é

1
UT = −mgy0 + ky02 ,
2
entretanto, como ky0 = mg, então temos que

1
UT = − ky02 .
2
Ao deslocarmos o bloco da sua posição de
equilı́brio y0 para uma nova posição y0 + y, a
sua nova energia potencial será

1
Figura 3.18: Um bloco de massa m sus- U = −mg(y0 + y) + k(y0 + y)2
2
penso verticalmente por uma mola de cons- 1 2 1 2
= − ky0 + ky
tante elástica k. 2 2
Como a energia potencial é sempre a energia
Está é a posição em torno da qual o bloco irá potencial elástica devido ao deslocamento da
oscilar, assim podemos escrever a equação de mola em relação a posição de equilı́brio mais
movimento da seguinte forma, a energia potencial da posição de equilı́brio,
ÿ + ω02 (y − y0 ) = 0 que é constante, então como a energia poten-
cial independe do referencial no qual ela é me-
na qual usamos ω02 = k/m. Definindo uma dida, pode-se escolher um novo referencial para
nova variável Y = y − y0 , assim temos que medir a energia potencial gravitacional de tal
nova equação de movimento é dada por, modo que a energia potencial total do ponto
de equilı́brio seja nula e temos um oscilador
Ÿ + ω02 Y = 0,
harmônico simples, sem a necessidade de in-
cuja solução é cluir a energia potencial gravitacional, assim
temos que
Y (t) = A cos (ω0 t + δ) , 1
U = ky 2 ,
2
logo, temos em que y é o deslocamento em relação a posição
de equilı́brio y0 .
y(t) = y0 + A cos (ω0 t + δ) .

Portanto, pode-se concluir que o efeito da


gravidade foi somente deslocar de y = 0 para 3.11 Osciladores Acopla-
y = y0 a posição em torno da qual o bloco dos
oscila. Quando o corpo se desloca de Y em
torno da posição de equilı́brio y0 força que atua Considere um sistema constituı́do por duas
sobre ele é −kY . partı́culas de massas m1 e m2 ligadas por
Prof. Salviano A. Leão 108

uma mola de massa desprezı́vel e de cons- logo, µ ¶


tante elástica k, conforme a Fig. 3.19 abaixo. m1 + m2
ẍ + kx = 0.
Admita que as partı́culas só podem mover-se m1 m2
numa dimensão e que a única força que atua Definido a massa reduzida (µ) de um sistema
sobre elas é a força restauradora da mola. de duas partı́culas como:
1 1 1 m1 m2
= + ⇒ µ= .
µ m1 m2 m1 + m2
então, a equação de movimento pode ser rees-
crita como
µ ¶
k
ẍ + x = 0 ⇒ ẍ + ω02 x = 0,
µ
Figura 3.19: Dois blocos de massas m1 e m2 , cuja a solução é dada por,
presos a uma mola de constante elástica k, so-
bre uma superfı́cie horizontal sem atrito. x(t) = A cos (ω0 t + δ) ,

na qual a freqüência angular é dada por


Se ` é o comprimento de equilı́brio da mola
s r
(mola livre) e x1 e x2 as posições das partı́culas 2π k µ
em relação a uma origem O arbitrária (ver Fig. ω0 = = ⇒ T = 2π .
T µ k
3.19), a deformação da mola é dada por:
A velocidade e aceleração de cada partı́cula
x = (x2 − x1 ) − l (3.19) são dadas por,

de modo que as forças restauradoras sobre as d


v(t) = ẋ = x(t) = −Aω0 sen (ω0 t + δ)
dt
partı́culas são (aqui iremos considerar que a
d2
mola está distendida, portanto x > 0) a(t) = ẍ = 2 x(t) = −Aω02 cos (ω0 t + δ)
dt
F1 = −F2 = kx mas como x = (x2 − x1 ) − l, então

m1 ẍ1 = kx d
v(t) = ẋ = x(t) = ẋ2 − ẋ1 = v2 (t) − v1 (t)
m2 ẍ2 = −kx dt
d2
Multiplicando a equação da partı́cula 1 por a(t) = ẍ = 2 x(t) = ẍ2 − ẍ1 = a2 (t) − a1 (t)
dt
m2 e a equação da partı́cula 2 por m1 , obtemos As energias potencial e cinética de um osci-
que: lador harmônico simples constituı́dos de dois
m2 m1 ẍ1 = m2 kx
corpos são expressas como:
m1 m2 ẍ2 = −m1 kx
1 1
subtraindo uma da outra, U (x) = kx2 e T = µv 2 .
2 2
m1 m2 (ẍ2 − ẍ1 ) = −(m1 + m2 )kx Devemos ressaltar aqui que a energia
cinética T = 21 µv 2 é a energia cinética interna
Ao derivarmos a duas vezes a equação (3.19) do sistema oscilante. A energia do centro de
com relação ao tempo, obtemos que ẍ = ẍ2 − massa e a energia total interna se conservam se-
ẍ1 , assim paradamente. A translação do centro de massa
m1 m2
ẍ = −kx não afetará a oscilação.
m +m
1 2
Prof. Salviano A. Leão 109

Exercı́cio: Usar o fato de que tir da sua posição de equilı́brio estática. No


1 equilı́brio, o torque resultante N é nulo, logo
E = kA2 = U + T
2 considerando que o sistema está girando no
para determinar uma expressão para a ener- sentido horário temos que
gia cinética em função da posição e outra em F1 a + mgc − F2 b = 0.
função do tempo.
Ao deslocarmos o sistema de um ângulo θ (θ ¿
1) da sua posição de equilı́brio, as novas forças
3.12 Determinação da nas extremidades da barra são dadas por,
freqüência Natural ω0 f1 = F1 − kaθ e f2 = F2 + kbθ.

Um sistema que oscila livremente, por mais Portanto o torque resultante sobre o sistema
complexo que ele seja, irá oscilar com um N = I θ̈ será
freqüência natural ω0 . Então para descrever- I θ̈ = f1 a + mgc − f2 b
mos a evolução temporal do sistema, basta ¡ ¢
= F1 a + mgc − F2 b − k a2 + b2 θ
determinarmos a freqüência natural ω0 de os-
cilação do sistema. A seguir, discutiremos al- Usando a condição de equilı́brio, encontramos
gumas maneiras de determinarmos ω0 para di- que a equação diferencial que descreve o movi-
versos tipos de sistemas. mento é dada por
k (a2 + b2 )
θ̈ + θ = 0,
I
Exemplo 33 A figura 3.21 abaixo mostra Assim, a freqüência natural de oscilação do
uma barra que gira em torno de um ponto a sistema é dada por
um distância c do centro de massa da barra. As r
k (a2 + b2 )
molas são idênticas, tendo a mesma constante ω0 = .
I
elástica k e comprimento natural. A barra está
na horizontal e em equilı́brio com as forças da
mola F1 e F2 . Determine a equação de movi- Exemplo 34 Considere um cilindro de densi-
mento e a sua freqüência natural ω0 . dade ρc tal que ρc < ρH2 O . Este cilindro tem al-
tura H e raio da base R. Ao ser colocado sobre
a água ele irá flutuar com uma parte submersa.
(a) Determine o quanto ficará submerso e (b)
a freqüência de oscilação em torno deste ponto.
Solução: (a) Considere que o sistema os-
cila harmonicamente com uma amplitude z0
em torno de sua posição de equilı́brio estática
ze . No equilı́brio, a força resultante F = P+E
Figura 3.20: Barra equilibrada por duas molas é nula, logo
idênticas. E − mg = 0
Solução: Considere que o sistema oscila har- E = mg
monicamente com uma amplitude θ0 , a par- ρH2 O πR2 (H − ze )g = ρc HπR2 g
Prof. Salviano A. Leão 110

da conservação da energia. Os sistemas que


oscilam livres de qualquer tipo de amorteci-
mento, e energia total do sistema é parcial-
mente cinética e parcialmente potencial. A
energia cinética T é armazenada pela massa,
devido a sua velocidade, enquanto a potencial
U é armazenada na forma da tensão da de-
formação elástica ou pelo trabalho realizado
pela força elástica em um campo de força, tal
como o gravitacional. Como, a energia total é
constante, então,
Figura 3.21: Cilindro oscilando na superfı́cie
da água. E = T + U = cte. (3.20)

portanto,
Portanto, a posição de equilı́brio é dada por,
µ ¶ dE d
ρc = (T + U ) = 0. (3.21)
ze = 1 − H. dt dt
ρH2 O
Se estivermos interessados somente na
(b) Ao afundarmos um pouco o cilindro e freqüência natural do sistema ω0 , ela pode ser
soltarmos o mesmo, ele passará a oscilar em determinada, se considerarmos que em dois
torno de ze . Neste caso a força de empuxo é pontos A e B quaisquer temos
um pouco maior que a força peso, logo a força
resultante sobre o sistema é TA + U A = TB + U B . (3.22)

mz̈ = ρH2 O πR2 (H − ze − z)g − ρc HπR2Se g o ponto A for o da posição de equilı́brio


estático, então UA = 0 e E = TA , ou seja, a
= ρH2 O πR2 (H − ze ) − ρc HπR2 g −
energia cinética é máxima neste ponto. Consi-
ρH2 O πR2 z dere o ponto B, aquele correspondente ao des-
2 2
ρc HπR z̈ = −ρH2 O πR z locamento máximo, ou seja, TB = 0 e E = UB .
Com estas escolhas, temos
a qual pode ser escrita como
µ ¶ TA = UB −→ Tmax. = Umax. . (3.23)
ρH2 O g
z̈ + z = 0.
ρc H
A equação anterior conduz diretamente a
Portanto, a freqüência natural de oscilação do freqüência natural ω0 , como podemos ver no
sistema é dada por caso do oscilador harmônico simples em que
r Umax. = 21 kA2 e Tmax. = 12 mA2 ω02 , da igualdade
ρH2 O g
ω0 = . entre estas duas relações tiramos que no caso
ρc H p
do oscilador harmônico simples ω0 = k/m.
3.12.1 Método da Energia A razão entre as duas expressões produz,
1
Em um sistema conservativo a energia total Tmax. mA2 ω 2 mω02
=1= 21 20 = (3.24)
é constante, e a equação diferencial do movi- Umax. 2
kA k
mento também pode ser obtida pelo princı́pio
Prof. Salviano A. Leão 111

entretanto, ao aplicarmos a 2¯a lei de Newton


ao bloco de massa m, obtemos que

mg − T = ma = mrθ̈. (3.29)

Isolando a tensão T na equação acima obte-


mos que T = mg − mrθ̈, portanto, o torque
resultante será dado por

I θ̈ = −kR2 θ + mgr − mr2 θ̈. (3.30)

Desta forma, a equação diferencial que des-


creve o movimento é
kR2 ³ mgr ´
θ̈ + θ − =0 (3.31)
mr2 + I kR2
Figura 3.22: Sistema de polias com mola.
que é uma equação de oscilador harmônico
Exemplo 35 Determine a freqüência natural cuja freqüência natural é dada por
r
do sistema mostrado na figura 3.22 abaixo. kR2
Solução: Considere que o sistema está osci- ω0 = . (3.32)
mr2 + I
lando harmonicamente com uma amplitude θ,
a partir da sua posição de equilı́brio estática.
A energia cinética máxima do sistema é dada Exemplo 36 Um cilindro de massa m e raio
por r rola sem deslizar sobre a superfı́cie interna de
um cilindro de raio R, conforme a figura 3.23
1 2 1 2
Tmax. = m(rθ̇max. ) + I θ̇max. , (3.25) abaixo. Determine (a) equação diferencial do
2 2
movimento para pequenas oscilações em torno
enquanto a energia potencial máxima é
do ponto mais baixo e (b) a freqüência natural
1 de oscilação do sistema.
Umax. = k(Rθmax. )2 (3.26)
2
onde consideramos o zero de energia poten-
cial gravitacional no ponto mais baixo, ou seja,
quando a amplitude da mola é máxima.
Observe que θ̇max = ω0 θmax e como Tmax. =
Umax. , encontramos que a freqüência natural ω0
é dada então por
r
kR2
ω0 = . (3.27)
mr2 + I Figura 3.23: Cilindro de raio r rolando sem
Este resultado também pode ser obtido, deslizar sobre a superfı́cie interna de um cilin-
usando a chamada 2¯a lei de Newton para a dro de raio R.
rotação, a qual estabelece que
Solução: Considere que o sistema está osci-
2
I θ̈ = −kR θ + T r (3.28) lando harmonicamente com uma amplitude θ0 ,
Prof. Salviano A. Leão 112

a partir da sua posição de equilı́brio estática. entretanto, para pequenas oscilações sen θ ∼ θ,
Para que o cilindro role sem deslizar sobre a logo esta equação pode ser reescrita como
superfı́cie do outro, devemos impor que a ve-
2g
locidade do centro de massa (CM) do cilindro θ̈ + θ = 0,
3(R − r)
menor VCM = rφ̇ deve ser igual a velocidade
de translação do seu CM em torno do eixo do que é a equação diferencial de um oscila-
cilindro de raio R Vt = (R − r)θ̇. Assim, este dor harmônico, cuja freqüência natural de os-
vı́nculo impõe que cilação é
s
2g
rφ̇ = (R − r)θ̇ (3.33) ω0 = . (3.35)
3(R − r)

A energia cinética do sistema é dada por


3.12.2 Método de Rayleigh:
1 1
T = m(R − r)2 θ̇2 + I φ̇2 , (3.34) Massa Efetiva
2 2
onde o momento de inércia de um cilindro de O método da energia pode ser usado em siste-
raio r em torno do seu CM é I = 12 mr2 . mas com massas distribuı́das, quando o movi-
mento de cada ponto do sistema é conhecido.
Usando a equação de vı́nculo (3.33), a energia
cinética deste sistema pode ser escrita como Em sistemas nos quais as massas estão liga-
das por junções rı́gidas, como em trampolins,
3 ou engrenagens, etc, o movimento das várias
T = m(R − r)2 θ̇2 .
4 massas pode ser expresso em termos do movi-
Já a energia potencial do sistema, conside- mento de um ponto x especı́fico do sistema, e
rando o zero como sendo o ponto mais baixo neste caso, o sistema terá somente um grau de
da trajetória, é liberdade, pois só necessitamos de uma coor-
denada para descreve-lo. A energia cinética de
U = mg(R − r)(1 − cos θ). um sistema como este pode ser escrita como

A energia mecânica do sistema E = T + U 1


T = mef ẋ2 ,
é conservada, portanto, 2
onde mef é a massa efetiva ou massa equiva-
dE
= 0 lente no ponto especı́fico. Se a rigidez elástica
dt ·
d 3 k naquele ponto também for conhecida, então
0 = m(R − r)2 θ̇2 +
dt 4 a freqüência natural de oscilação do sistema
¸
poder ser calculada por
mg(R − r)(1 − cos θ)
s
· ¸
3 k
= m(R − r)2 θ̈ + mg(R − r) sen θ θ̇. ω0 = .
2 mef

Portanto, a equação diferencial que descreve o Em sistemas de massas distribuı́das tais


movimento é como em molas e barras, o conhecimento da
2g distribuição da amplitude da vibração torna-se
θ̈ + sen θ = 0, necessário, antes que a energia cinética possa
3(R − r)
Prof. Salviano A. Leão 113

ser calculada. Lord Rayleigh2 mostrou que um comprimento dx e uma massa dm = λdx,
com uma hipótese razoável para a forma da onde λ é a densidade linear de massa da mola
amplitude da vibração é possı́vel levar em é λ = m/`. Considerando a função u(x, t)
conta as massas das molas, antes ignoradas como sendo a distensão ou compressão linear
e obter uma estimativa mais realista para a da mola até o ponto x e que 0 ≤ x ≤ `. Aqui
freqüência natural de oscilação do sistema. ` está representando a extremidade da mola.
Esta função deve ser tal que u(0, t) = 0 e
u(`, t) = X, é razoável também considerarmos
Exemplo 37 Determine o efeito da massa da que a distensão ou compressão de cada pequeno
mola sobre sua freqüência natural. Para isto pedaço da mola seja diretamente proporcional
considere um bloco de massa M , preso a uma da distensão total da mola e inversamente pro-
mola de tamanho `, massa m e constante porcional ao comprimento natural da mola, as-
elástica k. sim
X
u(x, t) = x
`
Com isto podemos escrever a energia
cinética do elemento de massa dm, como sendo
µ ¶2 Ã !2
1 ∂u 1 Ẋ m
dT = dm = x dx,
2 ∂t 2 ` `

a partir da qual a energia cinética total da mola


Tm é
Figura 3.24: bloco de massa M , preso a uma Z ` Z
mẊ 2 ` 2 1m 2
mola de tamanho `, massa m e constante Tm = dT = 3
x dx = Ẋ ,
0 2` 0 23
elástica k.
Portanto, a massa efetiva devido a mola é
Solução: Mostraremos que o efeito da inércia mef = M + m/3, assim a energia cinética total
da mola é equivalente a adicionarmos uma do sistema bloco mola é
massa mef ao bloco de massa M . Então, a 1 m
T = ( + M )Ẋ 2 ,
energia total do sistema é 2 3
e a freqüência natural de oscilação do sistema
1 2
T = (mef + M )Ẋ , poder obtida
2
s
onde X é a coordenada do bloco de massa M , k
ω0 = .
cuja a origem é medida a partir do equilı́brio m/3 + M
do sistema, a mola não está nem comprimida
e nem distendida. De fato, X representa a dis- 3.13 Oscilações
tensão ou compressão da mola toda.
Seja x a coordenada ao longo do eixo da Harmônicas em duas
mola de uma pequena região da mola, que tem Dimensões
2
John W. Strutt, em seu livro The Theory of Sound,
Vol. 1, 2nd. rev. ed., New York, 1937, editora Dover, Analisaremos a seguir, o movimento de
na pág. 109-110 uma partı́cula com dois graus de liberdade.
Prof. Salviano A. Leão 114

Consideraremos que sobre a partı́cula atua elevando ao quadrado ambos os lados, obtemos
uma força restauradora, que é proporcional a que
distância da partı́cula a origem do sistema, ou
A2 y 2 − 2ABxy cos δ + B 2 x2 cos2 δ =
seja,
F = −kr A2 B 2 sen2 δ − B 2 x2 sen2 δ

As equações de movimento para as coordena- A2 y 2 + B 2 x2 − 2ABxy cos δ = A2 B 2 sen2 δ


das x e y podem ser escritas como, (3.37)
( ( A natureza da trajetória de uma equação
Fx = mẍ = −kx ẍ = −ω02 x
=⇒ quadrática geral da forma3
Fy = mÿ = −ky ÿ = −ω02 y
Ax2 + Bxy + Cy 2 + Dx + Ey + F = 0, (3.38)
onde, r
k é uma cônica ou uma cônica degenerada. A
ω0 = ,
m cônica é classificada de acordo com o valor do
e as suas soluções são discriminante ∆, definido como
(
x = A cos(ω0 t − α) ∆ = B 2 − 4AC.
. (3.36)
y = B cos(ω0 t − β)
Se
Portanto, a partı́cula executa um MHS nas 
direções x e y com a mesma freqüência mas  ∆ > 0 −→ uma hipérbole

∆ = 0 −→ uma parábola (3.39)
com amplitudes e fases diferentes. Podemos 

obter a equação para a trajetória da partı́cula ∆ < 0 −→ uma elipse
eliminando o tempo entre as duas equações. O Discriminante da equação (3.37) é dado
Para escreveremos a função y(t) como por,

y(t) = B cos [(ω0 t − α) + (α − β)] ∆ = 4A2 B 2 cos2 δ − 4A2 B 2 = −4A2 B 2 sen2 δ,


= B cos (ω0 t − α) cos(α − β)−
o qual é negativo. Portanto a trajetória é uma
B sen (ω0 t − α) sen(α − β). elipse e o movimento é chamado de Movimento
harmônico elı́ptico. O eixo maior da elipse faz
Definindo,
um ângulo α com o eixo x, de tal modo que
δ ≡α−β B
tg(2α) = .
θ ≡ ω0 t − α A−C
no caso da equação quadrática de forma geral,
e notando que, eq. (3.38). No nosso caso temos que então que
x −2AB cos δ 2AB cos δ
= cos(ω0 t − α) = cos θ, tg(2α) = = 2 .
A 2
B −A 2 A − B2
assim, 3
Para maiores detalhes veja o capitulo 12 sobre
B B√ 2 cônicas do livro do Louis Leithold, O Cálculo com Ge-
y(t) = x cos δ − A − x2 sen δ ometria Analı́tica, Vol. 1, 2a¯ edição, Editora Harbra,
A A
√ São Paulo 1982. O Resultado final encontra-se na pág.
Ay − Bx cos δ = −B A2 − x2 sen δ 500.
Prof. Salviano A. Leão 115

A seguir faremos uma análise de alguns casos


particulares. Para tal, ao dividirmos todos os
termos da eq. (3.37) por A2 B 2 , obtemos
³ y ´2 µ ¶ ³ ´
cos δ x 2
+ 2xy + = sen2 δ.
B AB A
Conforme veremos a seguir, a trajetória da
partı́cula depende das amplitudes A e B, e da
diferença de fase δ. Consideremos inicialmente
o caso em que δ = ±π/2, então a equação an-
terior se reduz a equação de uma elipse,
³ y ´2 ³ x ´2 π
+ = 1 Elipse p/ δ = ±
B A 2
Na figura abaixo mostramos esta trajetória.
Figura 3.26: Equação de uma circunferência,
para uma fase δ = ±π/2, e amplitudes iguais,
A = B = R.

que é a equação de uma reta, ou seja,

B
y= x Reta p/ δ = 0.
A
Similarmente, a fase δ = ±π, produz uma
reta com uma inclinação oposta, ou seja,

B
Figura 3.25: Equação de uma elipse, para uma y = − x Reta p/ δ = ±π.
A
fase δ = ±π/2.
Na figura abaixo mostramos esta trajetória.
Se as amplitude forem iguais, A = B = R e
δ = ±π/2, temos o caso especial de um movi-
mento circular, ou seja,
π
y 2 + x2 = R 2 Circunferência p/ δ = ± .
2
Na figura 3.26 abaixo mostramos esta tra-
jetória.
Agora, vamos considerar o caso em que a
fase δ = 0, assim

A2 y 2 + B 2 x2 − 2ABxy = 0,

a qual, ao ser fatorada pode ser escrita como,


Figura 3.27: Equação de uma reta, para uma
2
(Bx − Ay) = 0, fase δ = 0.
Prof. Salviano A. Leão 116

Você pode mostrar (faça isto) que se 0 < mesmo ponto com a mesma velocidade. De-
δ < π, a partı́cula gira no sentido horário. Ao pois de um tempo infinito ela terá passado por
contrário, se π < δ < 2π, ela gira no sentido todos os pontos do retângulo.
anti-horário (para simplificar, faca α = δ e β = Nas figuras 3.29, 3.30 e 3.31 abaixo mostra-
0 na eq. (3.36). mos a trajetória no espaço de fase para al-
Você também pode mostrar que as tra- guns casos em que ωy = 2ωx e as diferenças
jetórias para outros valores de δ são elipses. de fase são de δ = 90, δ = 60 e δ = 0. Note
A figura 3.30 mostra a trajetória da partı́cula que a partı́cula oscila duas vezes no eixo y en-
para δ = π/3. quanto oscila uma vez no eixo x, no caso em
Na figura 3.28, mostramos as trajetórias que δ = 90.
para A = B e diferentes valores da fase δ.

Figura 3.28: Trajetórias para diferentes valores


da fase δ.

Em um caso mais geral de oscilações em duas


dimensões, as freqüências dos movimentos nas Figura 3.29: Figura de Lissajous para o caso
direções x e y não precisam ser iguais, e pode- em que ωy = 2ωx e a diferença de fase é δ = 90.
mos escrever
(
x = A cos(ωx t − α)
y = B cos(ωy t − β)

Neste caso, as trajetórias não são mais elip-


ses, e recebem a denominação de curvas de
Lissajous. Se a razão ωx /ωy puder ser escrita
com sendo a razão entre dois números intei-
ros a curva será fechada. Para entender esta
afirmação considere que ωx /ωy = 2/3. Isto
quer dizer que a partı́cula executa 2 oscilações
no eixo x enquanto executa 3 oscilações no eixo
y. Após isto, ela estará novamente no mesmo
ponto com a mesma velocidade. Se ωx /ωy não Figura 3.30: Figura de Lissajous para o caso
for um número racional a curva será aberta, ou em que ωy = 2ωx e a diferença de fase é δ = 60.
seja, a partı́cula nunca passa duas vezes pelo
Prof. Salviano A. Leão 117

Pode-se eliminar o tempo t destas equações,


observando que cos(ω0 t − α) = x/A e que
sen(ω0 t − α) = −ẋ/(ω0 A), desta forma a tra-
jetória da partı́cula é dada por:
³ x ´2 µ ¶2

+ =1 (3.40)
A ω0 A

que é a equação de uma elipse. Como a energia


mecânica de um oscilador harmônico simples é
dada por

1 1
E = kA2 = mω02 A2
2 2
Figura 3.31: Figura de Lissajous para o caso
pode-se usar esta relação para reescrever a e
em que ωy = 2ωx e a diferença de fase é δ = 0.
equação da elipse como,
3.14 Diagramas de Fase à !2 à !2
x ẋ
p + p =1
Se as forças que atuam sobre uma partı́cula 2E/k 2E/m
forem conhecidas, o seu movimento pode ser
A figura 3.32 abaixo mostra três caminhos
completamente determinado, desde que se co-
de fase para um oscilador harmônico simples.
nheça a sua posição e a sua velocidade em um
Note que os semi-eixos da elipse são proporci-
instante qualquer (condições iniciais). Para o √
onais a E; para cada valor de E temos um
movimento em uma dimensão, as quantidades
caminho de fase diferente. A energia não muda
x(t) e ẋ(t) são as coordenadas de um ponto
ao longo de um caminho de fase porque é uma
P (x, ẋ) em um espaço bidimensional, chamado
constante de movimento.
espaço de fase. À medida que o tempo passa, o
ponto descrevendo o estado da partı́cula move-
se ao longo de uma trajetória no espaço de fase,
chamada caminho de fase. Para condições ini-
ciais diferentes, o movimento é descrito por ca-
minhos de fase diferentes. O espaço de fase de
uma partı́cula em um movimento unidimensi-
onal tem dois graus de liberdade, e geralmente,
é chamado de plano de fase. O espaço de fase
de uma partı́cula que se move em 3 dimensões
tem 6 coordenadas. Para um sistema contendo
N partı́culas, o espaço de fase possui 6N coor-
denadas.
Para um oscilador harmônico simples, Figura 3.32: Diagrama de fase, de um sistema
(
x = A cos(ω0 t − α) conservativo. Para cada energia E, temos uma
ẋ = −ω0 A sen(ω0 t − α) trajetória fechada no espaço de fase.
Prof. Salviano A. Leão 118

No MHS a aceleração é sempre contrária ao Não há dificuldades em obter a solução ge-
deslocamento de forma que a velocidade é de- ral da equação de movimento do oscilador
crescente para x positivo e crescente para x ne- harmônico, que é uma equação diferencial de
gativo. Assim o ponto P percorre os caminhos segunda ordem, proveniente das leis de New-
de fase sempre no sentido horário, conforme ton. Entretanto, para situações mais compli-
mostra a figura 3.32. cadas, algumas vezes é consideravelmente mais
Dois caminhos de fase diferentes nunca po- fácil encontrar diretamente a equação da tra-
dem se cruzar, pois se isto ocorresse, teria-se jetória do espaço de fase ẋ = ẋ(x), sem realizar
duas soluções diferentes para a equação de mo- o cálculo de x(t).
vimento com as mesmas condições iniciais, o e
que seria um absurdo.
Os caminhos de fase podem ser obtidos di-
retamente da equação de movimento sem que 3.15 Oscilações Amorteci-
seja necessário calcular x(t). Para o oscilador
harmônico, tem-se
das
d2 x dẋ dx dẋ As oscilações harmônicas simples, têm lugar
2
= = ẋ
dt dx dt dx em sistemas conservativos. Na prática sempre
de forma que sua equação de movimento pode existe dissipação de energia. Até agora, nos
ser escrita como sistemas estudados as forças de atrito foram
desprezadas. Se tal hipótese fosse completa-
dẋ
ẋ = −ω02 x =⇒ ẋdẋ = −ω02 xdx mente realista, um pêndulo, ou um peso preso
dx
em uma mola, oscilariam indefinidamente. Na
Esta é uma equação diferencial de primeira or-
realidade a amplitude da oscilação, devido ao
dem, cuja solução é facilmente obtida. Desta
atrito, decresce gradualmente até anular-se.
forma, integrando ambos os lados obtém-se
O movimento diz-se amortecido por atrito e
ẋ2 + ω02 x2 = C denomina-se Movimento Harmônico Amorte-
cido (MHA). Freqüentemente o atrito provém
A constante C é determinada pelas condições da resistência do ar ou de forças internas. O
iniciais do sistema. Nos pontos de retorno módulo da força de atrito usualmente depende
(pontos extremos do movimento) tem-se que da velocidade; em muitos casos de interesse ela
é proporcional a velocidade do corpo, contudo,
ẋ = 0 e x = ±A
com sentido oposto.
de forma que, No caso do pêndulo, as oscilações são amor-
tecidas devido a resistência do ar e também
ω02 A2 = C, pelo atrito no suporte. As oscilações de um
lı́quido em um tubo em forma de U se amorte-
com isto, a equação da trajetória no espaço de
cem devido à viscosidade do lı́quido. As vi-
fase pode ser escrita na seguinte forma
brações de um diapasão produzem um som
ẋ2 + ω02 x2 = ω02 A2 , audı́vel porque são comunicados ao ar gerando,
as ondas sonoras. A energia utilizada para isto
que é idêntica à da equação (3.40). provém do oscilador, dando origem ao amorte-
Prof. Salviano A. Leão 119

cimento por emissão de ondas sonoras. freqüência de oscilação do sistema ω0 como


Geralmente a resistência de um fluido como r
b k
o ar ao deslocamento de um corpo, é direta- β= e ω0 = (3.42)
2m m
mente proporcional a velocidade do corpo, e se
podemos escrever,
está for pequena o suficientemente, então te-
remos pequenas oscilações. Portanto, iremos ẍ + 2β ẋ + ω02 x = 0. (3.43)
considerar que a força de amortecimento (a
Esta é uma equação diferencial linear de 2a¯
força de atrito) é diretamente proporcional à
ordem, com coeficientes constantes, de modo
velocidade
que, podemos admitir uma solução da forma
x(t) = eλt , o que nos leva à
Fa = −bv = −bẋ. (3.41)
ẋ = λx e ẍ = λ2 x,
Como um exemplo, vamos considerar uma
partı́cula em um oscilador harmônico unidi- substituindo estes valores na equação de movi-
mensional (como o mostrado na figura 3.33), mento (3.43), obtemos a seguinte equação
submetido a uma força de atrito diretamente λ2 + 2βλ + ω02 = 0, (3.44)
proporcional à velocidade, como a Fa acima.
chamada de equação caracterı́stica, cujas
soluções são
( p
λ+ = −β + β 2 − ω02
p
λ− = −β − β 2 − ω02
Definindo uma nova freqüência
q
ωc = β 2 − ω02 ,
podemos escrever a solução geral como sendo
¡ ¢
x(t) = e−βt Aeωc t + Be−ωc t ,
Uma análise cuidadosa desta solução, nos
levá aos três casos especiais, em que

2
 ωc > 0
 Amortecimento Supercrı́tico
2
ωc = 0 Amortecimento Crı́tico

 2
ωc < 0 Amortecimento Subcrı́tico
nestes casos temos que as raı́zes são,

 β > ω0 λ+ e λ− são reais

Figura 3.33: Oscilador harmônico amortecido. β = ω0 λ+ = λ− = −β


β < ω0 λ+ e λ− são imaginários
Neste caso, a equação de movimento é dada
Na figura abaixo 3.34, mostramos uma
por
gráfico com os três tipos de movimentos rela-
mẍ = −kx − bẋ =⇒ mẍ + bẋ + kx = 0. tados acima.
Agora iremos investigar cada uma das
Definindo a constante de amortecimento β e a soluções anteriores.
Prof. Salviano A. Leão 120

expresso em termos das coordenadas polares,


por serem mais convenientes neste caso. Ao
expressar C em coordenadas polares ele será
caracterizado por um ângulo δ e uma ampli-
tude A/2, que estão relacionadas da seguinte
forma
A
C = eiδ ,
2
logo,

Figura 3.34: Possı́veis movimentos para um os- A −βt ¡ +i(ωa t+δ) ¢


x(t) = e e + e−i(ωa t+δ) .
2
cilador harmônico amortecido.
Usando a fórmula de Euler e±iθ = cos θ ±
3.15.1 Amortecimento i sen θ, a equação acima toma a forma
Subcrı́tico (β < ω0 ) x(t) = Ae−βt cos(ωa t + δ) (3.45)
No caso de movimento subcrı́tico ou suba-
Portanto, a solução geral, pode ser expressa
mortecido é conveniente definir a freqüência
r em uma forma mais simples, dependendo so-
q 2
k b mente das constantes de integração A e δ, as
ωa = ω02 − β 2 = − = iωc ,
m 4m2 quais são obtidas através das condições iniciais
de modo que ωa seja uma quantidade real. As- do problema.
sim, a solução geral toma a forma A figura 3.35 abaixo mostra o gráfico de
¡ ¢ x(t) × t (para δ = 0). A amplitude do movi-
x(t) = e−βt Ae+iωa t + Be−iωa t ,
mento decresce no tempo devido ao fator e−βt ,
Note que as constante A e B podem ser com- que é representado pela curva pontilhada da
plexas. Como x(t) representa a posição, que é figura 3.35. Este termo é conhecido como o
uma grandeza fı́sica real, então ela deve ser re- envelope ou envoltória da curva, ou seja,
presentada por um número real, portanto ao
xenv. (t) = z(t) = ±Ae−βt .
impor que x∗ (t) = x(t) garante-se que x(t) é
real, assim Ele representa a amplitude efetiva num dado
¡ ¢ instante.
x∗ (t) = e−βt A∗ e−iωa t + B ∗ e+iωa t = x(t).
A quantidade ωa é chamada freqüência an-
Da relação acima pode-se concluir que, gular do oscilador amortecido, e ela é sempre
( menor do que a freqüência angular do oscila-
A = B∗ = C
dor harmônico livre ω0 . A rigor, o movimento
B = A∗ = C ∗
não é periódico porque, como o movimento é
e com isto a posição x(t) pode ser reescrita amortecido, a partı́cula nunca passa duas ve-
como zes no mesmo ponto com a mesma velocidade.
¡ ¢ Mesmo assim, define-se o perı́odo do movi-
x(t) = e−βt Ce+iωa t + C ∗ e−iωa t
mento como sendo o intervalo de tempo en-
Como C é um número complexo qualquer, tre duas passagens sucessivas da partı́cula pela
então no plano complexo ele também pode ser origem, no mesmo sentido (ou o intervalo de
Prof. Salviano A. Leão 121

Suponha que no instante t = t0 ocorra um


máximo de x(t), então a amplitude de oscilação
nesse instante é

xenv. (t0 ) = Ae−βt0 ,

Um perı́odo depois, a amplitude de oscilação é

xenv. (t0 + τa ) = Ae−β(t0 +τa ) = Ae−βt0 e−βτa


= xenv. (t0 )e−βτa

Assim, pode-se dizer que a razão entre as am-


plitudes de oscilação entre dois máximos con-
secutivos é dada por
xenv. (t0 )
= eβτa = e2πβ/ωa .
xenv. (t0 + τa )
Figura 3.35: Gráfico de x(t) × t (para δ = 0)
Dá expressão acima, vê-se que este decaimento
para um oscilador amortecido subcriticamente.
não depende do tempo. A quantidade eβτa é
As linhas tracejadas são as envoltórias (ou en-
chamada de decremento do movimento; o lo-
velope), que têm um decaimento exponencial.
garitmo do decremento eβτa , que é

tempo entre dois máximos). Em outras pala- ∆ = βτa = 2πβωa


vras, o perı́odo do movimento é o perı́odo da
função cosseno que aparece em (3.45), dado é chamado de decremento logaritmo do movi-
por mento.

τa =
ωa
Se β for pequeno, podemos escrever ωa Exemplo 38 Mostre que o decremento lo-
como4 garı́tmico é dado pela expressão:
µ ¶ µ ¶
q " µ ¶2 #1/2 1 xenv (t0 ) 1 x0
β ∆ = ln = ln .
ωa = ω02 − β 2 = ω0 1 − n xenv (t0 + nτa ) n xn
ω0 (3.46)
· ¸
β2 onde xn representa a amplitude após n ciclos
= ω0 1 − 2 + · · ·
2ω0 terem ocorrido.
β2 Solução: A razão entre duas amplitudes con-
' ω0 −
2ω0 secutivas é,
Se β ¿ ω0 , então podemos escrever x0 x1 x2 xn−1
= = = ··· = = e∆ , (3.47)
x1 x2 x3 xn
ωa ' ω0 entretanto, a razão x0 /xn , pode ser escrita
4
Devemos usar a expansão em série de Taylor: como
µ ¶µ ¶µ ¶ µ ¶
n n(n − 1) 2 n(n − 1)(n − 2) 3 x 0 x 0 x 1 x 2 x n−1
(1+x) = 1+nx+ x + x +·. = ··· = en∆ ,
2! 3! xn x1 x2 x3 xn
(3.48)
Prof. Salviano A. Leão 122

assim, temos que


µ ¶
1 x0
∆ = ln . (3.49)
n xn

Exemplo 39 Construa um diagrama de fase


para o oscilador subamortecido.
Solução: Para encontrar a trajetória no
espaço de fase precisa-se da posição x(t) e da
velocidade ẋ(t), que são dadas respectivamente
por
x(t) = Ae−βt cos(ωa t + δ) Figura 3.36: Gráfico de w × u.
e
Na figura 3.37, mostra-se o espaço de fase
−βt
ẋ(t) = −Ae [β cos(ωa t + δ) + ωa sen(ωa t + δ)] de
. um oscilador subcrı́tico com os seguintes
parâmetros: A = 1, ω0 = 2, β = 0.25 e δ = 0.
Estas equações podem ser manipuladas mais
Este diagrama foi feito usando o software Sci-
facilmente introduzindo as seguintes mudanças
lab, com a função Espaco Fase.sci.
de variáveis:

u = ωa x(t) = ωa Ae−βt cos(ωa t + δ)

w = ẋ(t) + βx(t) = −ωa Ae−βt sen(ωa t + δ)


As variáveis u e w podem ser representadas em
coordenadas polares por
(
u = ρ cos(φ + δ)
w = −ρ sen(φ + δ)
com
φ
φ = ωa t =⇒ t=
ωa

ρ = u2 + w2 = ωa Ae−βt Figura 3.37: Gráfico de x(t)×v(t), com A = 1,
Assim, tem-se que ω0 = 2, β = 0.25 e δ = 0.

ρ = ωa Ae−(β/ωa )φ ,
3.15.2 Balanço de Energia: Fa-
que é a equação de uma espiral logarı́tmica
(como mostrado na figura 3.36 abaixo). Uma tor de Qualidade Q
vez que a transformação de x, ẋ para u, w é Em um dado instante t, a energia mecânica
linear, o caminho de fase tem basicamente a de uma partı́cula em um movimento harmônico
mesma forma nos planos u × w e x × ẋ, com amortecido subcriticamente, é dada por
a diferença que a espiral é ligeiramente defor-
1 1
mada no plano x × ẋ (conforme a figura 3.37). E(t) = mẋ2 (t) + kx2 (t).
2 2
Prof. Salviano A. Leão 123

Devido a força resistiva, a energia do sistema na qual definiu-se


não é mais conservada, pois a mesma está (
θ = ωa t + δ
sendo dissipada em outras formas de energia.
ωa2 = ω02 − β 2
A taxa de variação temporal da energia pode
ser escrita como Esta equação ainda pode ser escrita em uma
d forma mais compacta como
E(t) = mẋẍ + kxẋ = (mẍ + kx) ẋ,
dt 1 £
E(t) = mA2 e−2βt β 2 cos2 θ + ωa2 sen2 θ+
mas, da 2a¯ lei de newton para este movimento 2 ¤
temos que 2βωa sen θ cos θ + ω02 cos2 θ
1 £
mẍ = −kx − bẋ =⇒ mẍ + kx = −bẋ, = mA2 e−2βt ω02 + β 2 cos2 θ − β 2 sen2 θ+
2
2βωa sen θ cos θ]
logo, das duas relações anteriores, podemos es- 1 £ ¤
crever = mA2 e−2βt ω02 + β 2 cos 2θ + βωa sen 2θ .
2
dE Definindo-se a energia,
= −bẋ2 = −2mβ ẋ2 . (3.50)
dt
1
Portanto, a taxa instantânea de dissipação E0 = mω02 A2 ,
2
da energia mecânica do oscilador é igual ao
que é a energia total do sistema armazenada
produto da força −bẋ pela velocidade ẋ, sendo
pela mola no instante t = 0. Com esta de-
assim proporcional ao quadrado da velocidade
finição pode-se reescrever a energia total arma-
instantânea. Note que dE/dt < 0 sempre,
zenada na mola em um dado instante t como
anulando-se nos instantes em que a velocidade p
1
se anula, e acompanhando a oscilação de ẋ2 E(t) = E0 e−2βt + mA2 e−2βt β 4 + β 2 ωa2 ×
" 2
durante cada perı́odo. 2
β
A energia total da partı́cula em um instante p cos 2θ+
β + β 2 ωa2
4
qualquer pode ser expressa usando o fato de #
que a posição e a velocidade são dadas por βωa
p sen 2θ
β 4 + β 2 ωa2
x(t) = Ae−βt cos(ωa t + δ)
na qual definiu-se que,

ẋ(t) = −Ae−βt [β cos(ωa t + δ)+ 
 β2
 sen α = p

ωa sen(ωa t + δ)] (3.51) 
 β 4 + β 2 ωa2




então a energia total em um instante qualquer  cos α = p βωa

β 4 + β 2 ωa2 (3.52)
é dada por 
 µ ¶ µ ¶

 β2 β

 α = arctg = arctg
1 2 1 2 

E(t) = mẋ (t) + kx (t), 
 βωa ωa
2 2  pβ 4 + β 2 ω 2 = βω .

a 0
usando o fato de que k = mω02 e substituindo a
posição e a velocidade na equação acima para então a energia pode ser escrita em termos das
a energia total, obtém-se que: relações anteriores (3.52) como
µ ¶
1 £ −2βt β
E(t) = mA e2 −2βt 2
(β cos θ + ωa sen θ) + E(t) = E0 e + E0 e−2βt ×
2 ω0
¤
ω02 cos2 θ sen [2 (ωa t + δ) + α]
Prof. Salviano A. Leão 124

E(t) = E0 e−2βt {1+ Na figura 3.38, mostramos um gráfico da


µ ¶ ¾
β energia em função do tempo, para uma si-
sen [2 (ωa t + δ) + α]
ω0 tuação tı́pica. A energia decai exponencial-
= E0 e−2βt {1+ mente com o tempo.
µ ¶ ¾
β
sen [2ωa t + 2δ + α]
ω0
Observe que a energia é composta pelo termo
E0 que corresponde a energia inicialmente ar-
mazenada no sistema, pelo termo e−2βt que é
o responsável pelo amortecimento (perda de
energia do sistema) e pelo termo,
½ µ ¶ ¾
β
fE (t) = 1 + sen [2ωa t + 2δ + α]
ω0
que também é devido ao amortecimento. En-
tretanto, este termo faz com que a energia
oscile, com um perı́odo que é a metade do
perı́odo de oscilação da posição. Observe que
se T for o perı́odo de oscilação para a posição, Figura 3.38: Gráfico da energia em função do
dado por tempo para um sistema subcriticamente amor-

T = tecido.
ωa
então a função fE (t) acima tem a seguinte pro- Quanta energia o sistema perde após uma os-
priedade cilação completa (em um perı́odo T )? A ener-
fE (t + T /2) = fE (t) (3.53) gia perdida em um ciclo ∆E (∆E < 0) pode
ser escrita como:
pois,
sen [2ωa (t + T /2) +2δ + α] ∆E = E(t + T ) − E(t)

= sen (2ωa t + 2ωa T /2 + 2δ + α) mas como foi mostrado em (3.55), a energia em


= sen (2ωa t + 2δ + α + 2π) um perı́odo T mais tarde terá o valor

= sen [2 (ωa t + δ) + α] , E(t + T ) = E(t)e−2βT ,


com isto, evidentemente que fE (t+T ) = fE (t+
logo, a energia perdida em um perı́odo T é
T /2) = fE (t).
£ ¤
Como a energia E(t) que pode ser escrita ∆E = e−2βT − 1 E(t)
como £ ¤
= e−4πβ/ωa − 1 E(t)
E(t) = E0 e−2βt fE (t) (3.54)
Então, temos que
então, ela têm a seguinte propriedade
∆E
E(t + T ) = E0 e−2β(t+T ) fE (t + T ) = e−4πβ/ωa − 1. (3.56)
E(t)
= E0 e−2βt e−2βT fE (t)
Se considerarmos que o amortecimento é fraco
= E(t)e−2βT (3.55) o suficiente, ou seja, que b ¿ 1 ou que β ¿ ω ,
a
Prof. Salviano A. Leão 125

podemos expandir o termo da exponencial em Usando as relações definidas pelas eqs.


série de Taylor e manter somente o termo de (3.58) abaixo,
primeira ordem em β/ωa (ex = 1 + x + 12 x2 + 
 β
1 3 4 
 sen α = p
x + O (x )), desta forma, obtemos que 
 β 2 + ωa2
6 



∆E 2β E(t) ωa  cos α = p ωa

= −2π =⇒ = β 2 + ωa2
E(t) ωa |∆E| 4πβ (3.58)
(3.57) 
 µ ¶ µ ¶

 β β

 α = arctg = arctg
A taxa de perda de energia de um oscilador 
 ωa ωa

fracamente amortecido é melhor caracterizada  pβ 2 + ω 2 = ω .

a 0
por um único parâmetro Q, chamado fator de
Observe que estas transformações são equiva-
qualidade do oscilador.
lentes as transformações.
O fator de qualidade Q do oscilador é de-
Usando as relações (3.58), a potência dissi-
finido como sendo 2π vezes a energia armaze-
pada pode ser escrita como
nada no oscilador em um dado instante t divi- ³p ´2
dida pela energia perdida em um único perı́odo PR (t) = −2mβA2 e−2βt β 2 + ωa2 ×
de oscilação T . O fator de qualidade Q pode
[sen(ωa t + δ + α)]2
ser expresso como
Energia armazenada no instante t Portanto, a potência dissipada instantânea
Q = 2π pode ser escrita na forma mais compacta como,
|Energia dissipada no perı́odo |
No caso de um amortecimento fraco, ve- PR (t) = −2mβω02 A2 e−2βt sen2 (ωa t + δ + α).
mos que a taxa de perda de energia é cons- (3.59)
tante, eq. (3.57), entretanto nos casos em Como acabamos de ver a energia do osci-
que isto ocorre está taxa varia de acordo com lador harmônico amortecido não é mais cons-
a expressão (3.56), então para um oscilador tante como no caso do oscilador harmônico
harmônico amortecido subcriticamente o fator simples. O oscilador harmônico amortecido
de qualidade Q é dado por: está perdendo energia continuamente, devido
ωa ao amortecimento do meio, que é dissipada
Q=
2β na forma de calor. A taxa de perda da
Portanto, do resultado acima podemos con- energia é proporcional ao quadrado da velo-
cluir que a condição de amortecimento fraco é cidade, conforme eq. (3.59), de modo que
equivalente a condição de um fator de quali- a perda de energia não ocorre de maneira
dade muito grande, ou seja, Q À 1. uniforme. A taxa de perda de energia será
Agora vamos encontrar uma expressão para máxima quando a partı́cula atinge sua velo-
a potência dissipada pela força de amorteci- cidade máxima próximo da (mas não exata-
mento. A potência dissipada PR (t) é dada pela mente na) posição de equilı́brio, e será instan-
eq. (3.50), a qual é uma função da velocidade taneamente nula quando a velocidade for nula,
instantânea, que é dada pela eq. (3.51), assim ou seja, quando a amplitude da partı́cula for
podemos escrever máxima. Na figura 3.39 mostramos a ener-
gia em função do tempo e a velocidade em
PR (t) = −2mβA2 e−2βt × função do tempo, enquanto na figura 3.40 mos-
[β cos(ωa t + δ) + ωa sen(ωa t + δ)]2 tramos a potência dissipada e a velocidade
Prof. Salviano A. Leão 126

como funções do tempo, para um oscilador as duas soluções da eq. caracterı́stica (3.44)
harmônico amortecido. são iguais a −β. Assim, só temos uma solução
particular para (3.43), que é

x(t) = Ae−βt ,

Como esta equação diferencial é de segunda


ordem, devemos ter duas soluções linearmente
independentes, e portanto, devemos encontrar
uma outra solução. É fácil mostrar que

x(t) = Bte−βt

também é solução, de forma que a solução geral


Figura 3.39: Gráfico da energia e da velocidade
é,
em função do tempo para um sistema subcri-
x(t) = (A + Bt) e−βt
ticamente amortecido. A setas indicam os ins-
tantes em que a velocidade é nula e a energia Neste caso, a velocidade é
quase não muda em instantes próximos a este.
ẋ(t) = Be−βt − β (A + Bt) e−βt
= (B − βA − βBt) e−βt

A figura 3.41 mostra um gráfico tı́pico de


x(t) × t, com x0 = A positivo, para um osci-
lador com amortecimento crı́tico para os casos
em que a velocidade inicial é positiva, zero e
negativa.

Figura 3.40: Gráfico da potência dissipada e


da velocidade em função do tempo para um
sistema subcriticamente amortecido. A setas
indicam os instantes em que a velocidade é nula
e a potência instantânea também é nula.

3.15.3 Amortecimento Crı́tico Figura 3.41: Gráfico da posição em função do


(β = ω0 ) tempo, para um oscilador criticamente amorte-
cido, para três valores diferentes da velocidade
No caso em que
inicial.
β = ω0
Prof. Salviano A. Leão 127

3.15.4 Amortecimento Su- Se limitarmos nossa análise a um desloca-


percrı́tico (β > ω0 ) mento inicial positivo x(0) = x0 > 0, observa-
remos três possı́veis situações de interesse para
Agora iremos estudar o caso em que a velocidade inicial ẋ(0) = ẋ0 :

β > ω0 1. ẋ0 > 0, neste caso x(t) atinge o máximo


em algum instante t > 0 antes de ir a zero.
Neste caso, a solução geral pode ser escrita
como 2. ẋ0 < 0, neste caso x(t) vai a zero monoto-
¡ ¢ nicamente
x(t) = e−βt Ae+ωc t + Be−ωc t
3. Se ẋ0 < 0 e o seu módulo for grande o su-
onde, q ficientemente para que x(t) mude o sinal,
ωc = β 2 − ω02 , ωc > 0 atinja um valor mı́nimo e em seguida vá a
Observe que o movimento não é periódico, e zero.
portanto, ωc não representa uma freqüência.
Em todos os casos x vai a zero assintoticamente Vamos agora analisar o primeiro caso, para
para o valor da posição de equilı́brio. tal, analisaremos as condições para que x(t)
A velocidade é dada por, tenha um zero, assim imporemos que
−βt
¡ +ωc t −ωc t
¢
ẋ(t) = A (ωc − β) e (ωc −β)t x(t) = e Ae + Be =0

−B (ω + β) e−(ωc +β)t v0 > 0.


c
¡ ¢
No amortecimento supercrı́tico, o movi- e−βt Ae+ωc t + Be−ωc t = 0
mento resultante não é oscilatório e assintoti- Para que a condição acima seja satisfeita deve-
camente sua amplitude vai a zero. Entretanto, mos ter que:
dependendo dos valores iniciais da velocidade,
pode haver uma mudança no sinal da posição Ae+ωc t + Be−ωc t = 0
A
x, antes de sua amplitude ir a zero assintotica- = −e−2ωc t
B
mente.
Para fazermos uma análise do compor- · ¸
1 A
tamento desta solução, vamos reescrever a t = − ln −
2ωc B
solução em termos das condições iniciais · ¸
1 v0 + (β + ωc )x0
x(0) = x0 e ẋ(0) = ẋ0 = v0 , assim = − ln
2ωc v0 + (β − ωc )x0
x0 = A + B Para que exista uma solução para a equação
v0 = A(ωc − β) − B (ωc + β) acima, o argumento da função logaritmo deve
ser positivo. Entretanto, devemos lembrar que
Após uma manipulação algébrica obtemos ln x > 0 se x > 1 e que ln x < 0 se 0 < x <
v0 + (ωc + β) x0 1. Portanto, se o argumento do logaritmo for
A=
2ωc maior que um, ou seja,

v0 − (ωc − β) x0 v0 + (β + ωc )x0
B=− >1
2ωc v0 + (β − ωc )x0
Prof. Salviano A. Leão 128

neste caso o tempo será negativo, o que signi- do pêndulo com uma força resistiva proporcio-
fica que não teremos um zero para a x(t) sob nal à velocidade, de módulo dado por
estas condições. r ³ ´
g
Se o argumento estiver entre zero e um, ou Fres. = 2m `θ̇
`
seja,
O pêndulo é solto da posição θ = α no ins-
v0 + (β + ωc )x0
0< <1 tante t = 0. Supondo que as oscilações sejam
v0 + (β − ωc )x0
pequenas, obtenha o deslocamento angular e a
então a função logaritmo será negativa e o velocidade angular como funções do tempo.
tempo será positivo e maior do que zero, o que
significa que há uma solução para x(t) = 0.
Se o argumento da função logaritmo for ne-
gativo não haverá, uma solução para a equação
x(t) = 0.
Na figura 3.42 ilustramos este três casos,
mostrando um gráfico tı́picos de x(t) × t para
x0 = A + B positivo, ou seja, x0 = A + B > 0.
Dependendo dos valores de A e B, a velocidade
inicial pode ser positiva ou negativa. Em par-
ticular, se B > 0 e A < 0 a velocidade inicial
é negativa e existe um valor de t, diferente de Figura 3.43: O pêndulo se movimentando em
zero, para o qual x(t) se anula (o gráfico corta um meio resistivo.
o eixo t).
Solução: Observe que a força de resistência
é dada por
r ³ ´
g
Fres. = −2m `θ̇ θ̂
`
e que o torque que atua sobre a partı́cula é dado
por

N = −mg` sen θ + Fres. `


r
g
= −mg` sen θ − 2m (`θ̇)
`
Figura 3.42: Três possı́veis casos para o amor- A equação de movimento é dada por
tecimento supercrı́tico. Aqui a amplitude ini-
cial é x = A + B > 0. N = I θ̈ = m`2 θ̈
0

Assim,
r
g
m`2 θ̈ = −mg` sen θ − 2m (`θ̇)
`
Exemplo 40 Considere um pêndulo de com-
Para pequenas oscilações
primento ` e massa m movendo-se no óleo (fi-
gura 3.43 abaixo). O óleo retarda o movimento sen θ ≈ θ
Prof. Salviano A. Leão 129

de modo que
r
g g
θ̈ + 2 θ̇ + θ = 0.
` `

Comparando esta equação com eq. (3.43) ve-


mos que
r r
g g
β= e ω0 =
` `

Como β = ω0 , temos, portanto, um caso de


amortecimento crı́tico, cuja solução geral é

θ(t) = (A + Bt) e−βt

No instante t = 0, temos que θ(0) = α, por-


Figura 3.44: O pêndulo se movimentando em
tanto A = α, logo
um meio resistivo.
θ(t) = (α + Bt) e−βt
3.16 Oscilações Forçadas
Derivando esta expressão em relação ao tempo,
obtemos que
Amortecidas
Agora iremos estudar o movimento de um
θ̇(t) = (B − βα − βBt) e−βt
oscilador amortecido que é submetido por uma
agente externo, a uma força externa periódica.
Agora, usando o fato de que a velocidade an-
Suporemos que a força aplicada sobre o osci-
gular no instante t = 0 é nula, ou seja, que
lador tenha a seguinte forma F0 cos(ωt), por-
θ̇(0) = 0, encontramos que B = βα, logo
tanto a equação de movimento é dada por
θ(t) = α (1 + βt) e−βt
mẍ + bẋ + kx = F0 cos(ωt).

θ̇(t) = −αβ 2 te−βt Definindo, uma amplitude A por


ou ainda, substituindo o valor de β, obtemos F0
f0 =
µ r ¶ √ m
g g
θ(t) = α 1 + t e− ` t , a equação de movimento pode ser escrita como
`
³g ´ √g ẍ + 2β ẋ + ω02 x = f0 cos(ωt). (3.60)
− t
θ̇(t) = −α te ` .
` A solução geral desta equação pode ser escrita
Veja que θ é sempre positivo enquanto a veloci- como
dade angular é sempre negativa. O pêndulo re- x(t) = xh (t) + xp (t),
torna à posição de equilı́brio sem oscilar. Por
na qual,
sua vez, a velocidade angular tem um mı́nimo
pg ¡ ¢
para t = ` , como mostrado na figura 3.44. xh (t) = e−βt Ah e−ωc t + Bh e+ωc t ,
Prof. Salviano A. Leão 130

é a solução da equação homogênea Da última equação da expressão acima (3.62),


podemos escrever
ẍh + 2β ẋh + ω02 xh = 0.
2ωβ
a qual, também é conhecida como solução tran- tg δ = , (3.63)
ω02− ω2
siente.
Conseqüentemente (veja o triângulo mostrado
Por sua vez, xp é uma solução particu-
na figura 3.45)
lar responsável pelo aparecimento do termo
f0 cos(ωt) no lado direito de (3.60). Para deter-
minarmos a uma solução particular qualquer
para a eq. (3.60 ) podemos proceder de duas
formas diferentes. No primeiro procedimento,
leva-se em conta fato da força ser uma função
harmônica, portanto, sua solução também de-
verá ser uma função harmônica, enquanto que
no segundo procedimento usa-se a simplicidade
da formulação complexa.
Figura 3.45: Triângulo, que relaciona o ângulo
Primeiro Modo:
δ com as freqüências ω e ω0 e com a constante
Como todas as derivadas de uma função se-
de amortecimento β.
noidal são funções senoidais, uma boa solução
tentativa para (3.60) seria 2ωβ
sen δ = q (3.64)
xp (t) = A cos(ωt − δ) (ω02 − ω2)
2
+ 4ω 2 β 2
Substituindo esta solução em (3.60), temos ω02 − ω 2
cos δ = q (3.65)
−ω 2 A cos(ωt − δ) − 2βωA sen(ωt − δ)+ (ω02 − ω2)
2
+ 4ω 2 β 2
ω02 A cos(ωt − δ) = f0 cos(ωt)
Da primeira equação de (3.61), podemos escre-
Expandindo sen(ωt − δ) e cos(ωt − δ), temos ver
que f0
A= 2 (3.66)
© £¡ 2 ¢ ¤ª (ω0 − ω 2 ) cos δ + 2ωβ sen δ
f0 − A ω0 − ω 2 cos δ + 2ωβ sen δ cos (ωt)
© £¡ 2 ¢ ¤ª Substituindo as expressões para sen δ e cos δ,
2
− A ω0 − ω sen δ + 2ωβ cos δ × na equação acima, obtemos que
sen (ωt) = 0. f0
A= q (3.67)
2
Para que a expressão acima seja identicamente (ω02 − ω 2 ) + 4ω 2 β 2
válida, os coeficientes das funções seno e cos- Observe que a amplitude de oscilação do siste-
seno devem ser ambos nulos. Assim, podemos mas é agora uma função da freqüência da força
escrever externa, ou seja, A = A(ω).
£¡ 2 ¢
f0 − A ω0 − ω 2 cos δ+ Finalmente, a solução particular da equação
(3.60) pode ser escrita como
2ωβ sen δ] = 0 (3.61)
£¡ ¢ f0
A ω02 − ω 2 sen δ+ xp (t) = q cos (ωt − δ) ,
2 2 2 2 2
(ω0 − ω ) + 4ω β
2ωβ cos δ] = 0. (3.62) (3.68)
Prof. Salviano A. Leão 131

onde, o ângulo δ é dado por Fazendo z = xp + iy, obtém-se a seguinte


µ ¶ equação
2ωβ
arctg δ = (3.69)
ω02 − ω 2 z̈ + 2β ż + ω02 z = f0 eiωt (3.71)
A presença da constante δ na solução (3.68) in-
a ser resolvida. A parte real da equação acima
dica que há um atraso da resposta do sistema
é a equação diferencial original, a eq. (3.60),
em relação à força aplicada. A figura 3.46 mos-
assim xp = Re(z), o que significa que xp é a
tra um gráfico de δ em função de ω para um
parte real de z, enquanto y = Im(z) significa
ω0 fixo. Note que:
que y é a parte imaginária de z.

δ → arctg(0+ ) = 0 Para resolver a equação diferencial complexa
 ω→0
 =⇒
ω → ω0 =⇒ δ → arctg(∞) = π2 (3.71) acima, deve-se buscar por uma solução

 que tenha a mesma forma funcional da expo-
ω→∞ =⇒ δ → arctg(0− ) = π
(3.70) nencial, assim tenta-se a seguinte solução

z(t) = z0 eiωt

da qual tem-se que

ż = iωz e z̈ = −ω 2 z

logo, substituindo estes resultados em (3.71),


obtém-se que
£¡ 2 ¢ ¤
ω0 − ω 2 + i (2βω) z0 eiωt = f0 eiωt

assim,
Figura 3.46: Gráfico de δ em função de ω para
um ω0 fixo, no caso de um oscilador harmônico f0
z0 = .
amortecido e forçado. (ω02 − ω2)+ i (2βω)

Em vez de lidarmos com o número complexo


Segundo Modo: [(ω02 − ω 2 ) + i (2βω)], é sempre mais fácil tra-
Para obter uma solução via formulação com- balharmos com ele em sua forma polar, que é
plexas, usa-se a fórmula de Euler eiθ = cos θ + dada por,
i · sen θ para representar o número complexo q
z = x + iy, na forma polar, o qual pode ¡ 2 ¢ 2
p ω0 − ω +i (2βω) = (ω02 − ω 2 ) + 4β 2 ω 2 eiδ ,
2

então ser escrito como z = x2 + y 2 eiα , com


tg α = xy . Ao usar a notação complexa, em na qual,
vez de resolver somente a equação diferencial 2ωβ
tg δ = .
(3.60), resolve-se silmutaneamente as seguintes ω02− ω2
equações: Portanto,
(
ẍp + 2β ẋp + ω02 xp = f0 cos(ωt) f0 e−iδ
z0 = q
2
ÿ + 2β ẏ + ω02 y = f0 sen(ωt) (ω02 − ω 2 ) + 4β 2 ω 2
Prof. Salviano A. Leão 132

p
e desta forma tem-se que ωa = ω02 − β 2 . Observe que, inicialmente,
f0 a função x(t) é deformada mas à medida que
z(t) = q ei(ωt−δ) . xh (t) vai desaparecendo ela vai se confundindo
2
(ω02 − ω 2 ) + 4β 2 ω 2 com xp (t).
é a solução da equação diferencial complexa
(3.71). Entretanto, queremos somente a parte
3.17 Ressonância
real desta solução, que é a solução da equação
diferencial original (3.60) desejada. Está Vamos agora, considerar a situação posterior
solução é então ao perı́odo transiente em que somente a solução
f0 estacionária sobrevive.
xp (t) = q cos (ωt − δ) .
2 A freqüência angular, ω, para a qual a am-
(ω02 − ω 2 ) + 4β 2 ω 2
plitude de oscilação A(w) dada por

f0
A(ω) = q (3.73)
2
(ω02 − ω2) + 4β 2 ω 2

assume o seu valor máximo é chamada


freqüência de ressonância ωR da amplitude.
Assim, a derivada da amplitude no seu valor
máximo ωR é
µ ¶
dA
= 0. (3.74)
dω ω=ωR

A derivada de A(ω) é dada por

dA 2ωf0 (ω02 − ω 2 − 2β 2 )
=h i3/2 (3.75)
Figura 3.47: Aqui, mostramos a solução tran- dω 2
(ω02 − ω 2 ) + 4β 2 ω 2
siente, particular e geral da equação diferencial
(3.60). Igualando a zero, obtemos que
q
A solução da equação homogênea dada por ωR = ω02 − 2β 2 (3.76)
(3.16) é chamada solução transiente. Por causa
2 2
do fator exponencial e−βt , ela vai a zero para Observe que só haverá ressonância se 2β < ω0 .
um tempo grande comparado com 1/β. Assim Caso contrário A é monotonicamente decres-
cente (dA/dω é sempre negativo). O grau de
x(t À 1/β) → xp (t). (3.72) amortecimento do sistema pode ser descrito
pelo fator de qualidade Q, definido como
que é chamada solução estacionária. O que
ωR
ocorre antes da solução transiente desapare- Q= (3.77)

cer em uma situação particular é ilustrado
pelo gráfico da figura 3.47. As funções xh (t) Um fator de qualidade Q grande significa que
(supondo movimento subamortecido), xp (t) e o parâmetro de amortecimento, β é pequeno.
x(t) são representadas no caso em que ω < Nesse caso, o segundo termo dentro do radical,
Prof. Salviano A. Leão 133

no denominador de (3.73), é pequeno, e por- (3.68), como


tanto, a curva A × ω, figura 3.48, tem um pico
−ωf0
alto e estreito em ω = ω0 . Quando Q vai dimi- ẋp (t) = q sen (ωt − δ) ,
2
nuindo, β vai aumentando, e portanto, o pico (ω02 − ω2) + 4ω 2 β 2
vai se tornando mais largo e mais baixo. No (3.78)
caso em que 2β 2 > ω02 , o pico desaparece. Sendo assim, a energia cinética é dada por
Para valores grandes de Q, somente os- 1
T = mẋ2p
cilações com freqüências muito próximas a 2
ω0 podem ser excitadas com amplitude con- mf02 ω2
= sen2 (ωt − δ) ,
siderável. Esta é uma condição desejável 2 (ω02 − ω 2 )2 + 4ω 2 β 2
em muitas situações fı́sicas, como por exem-
Uma vez que T depende do tempo, é interes-
plo, um diapasão. Deseja-se que um dia-
sante trabalhar com o seu valor médio em um
pasão vibre com uma freqüência definida para
perı́odo, assim
que ele emita um som puro (com uma única
freqüência). mf02 ω2
hT i = ×
2 (ω02 − ω 2 )2 + 4ω 2 β 2
­ 2 ®
sen (ωt − δ)

Mas com,
­ 2 ® 1
sen (ωt − δ) = , (3.79)
2
logo, podemos escrever

mf02 ω2
hT i = (3.80)
4 (ω02 − ω 2 )2 + 4ω 2 β 2

A derivada de hT i em relação a ω é dada por

d hT i mf02 ω (ω02 − ω 2 )
Figura 3.48: Gráfico da amplitude em função = (3.81)
dω 2 (ω02 − ω 2 )2 + 4ω 2 β 2
da freqüência, para diferentes valores da cons-
tante de amortecimento. O pico mais agudo é Na ressonância temos,
µ ¶
para o menor valor da constante de amorteci- d hT i
= 0, (3.82)
mento. dω ω=ωT

Da mesma forma que define-se a freqüência de forma que


de ressonância da amplitude, pode-se definir ωT = ω0 . (3.83)
outras freqüências de ressonância. Por exem-
Uma vez que a energia potencial é proporcional
plo, a freqüência de ressonância da energia
ao quadrado da amplitude, ela é máxima para
cinética é definida como sendo a freqüência
a freqüência de ressonância da amplitude, dada
para a qual a energia cinética assume o seu
por q
valor máximo.
ωU = ωR = ω02 − 2β 2 . (3.84)
A velocidade pode ser calculada, a partir de
Prof. Salviano A. Leão 134

3.18 Impedância de Um Analogamente, a reatância X, e a resistência


R, são definidas por
Oscilador
k
X = mω− e R=b (3.86)
Um oscilador harmônico amortecido é carac- ω
terizado por três grandezas: sua massa m, a portanto a impedância pode ser escrita em ter-
constante elástica da mola k e a constante de mos da reatância e da resistência, como

amortecimento b. Nas expressões vistas até Z = X 2 + R2 ,
agora, estas grandezas sempre aparecem em
combinação com a freqüência ω da força ex-
terna aplicada.
A velocidade máxima de um oscilador
harmônico amortecido forçado em função da
freqüência, conforme a equação equação (3.78),
é dada por

ωf0
vmáx. (ω) = q
2
(ω02 − ω 2 ) + 4ω 2 β 2
ωF0 Figura 3.49: Triângulo mostrando a relação en-
= q .
2 2 2 2 2 tre o ângulo δ e a impedância Z, a reatância X
m (ω0 − ω ) + 4ω β
e a resistência R em um oscilador harmônico
Para que freqüência ω de excitação da força ex- amortecido.
terna, a amplitude da velocidade será máxima?
O ângulo δ é dado por
Em um oscilador harmônico amortecido
forçado, a grandeza que aparece no denomi- R b
arctg(δ) = = .
X k
nador da velocidade em função do tempo, mω −
ω
equação (3.78), é chamada impedância do os-
Desta forma podemos escrever as equações de
cilador e é designada por Z, assim F = Zv =
movimento para o oscilador harmônico amor-
Z ẋ. Portanto
tecido forçado como
q
m 2 F0
Z = (ω02 − ω 2 ) + 4ω 2 β 2 xp (t) = cos (ωt − δ)
ωs ωZ
µ ¶2
m k b2 F0
= − ω2 + ω2 2 ẋp (t) = − sen (ωt − δ)
ω m m Z
v " #
u µ ¶2 F0
mu t ω 2 k f0 (ω) =
= − mω + b2 ωZ
ω m2 ω A potência transferida ao oscilador é,
sµ ¶2
k F2
= − mω + b2 Pf (t) = ẋp F (t) = − 0 sen (ωt − δ) cos(ωt)
ω · Z
F02 1
= − sen (2ωt) cos(δ)−
sµ Z 2
¶2 ¸
k
Z= − mω + b2 (3.85) 2
sen(δ) cos (ωt)
ω
Prof. Salviano A. Leão 135

Vamos agora calcular a potência média ab- Nesta seção vamos mostrar como resolver a
sorvida em um perı́odo, P̄f , pois é ela que nos equação de movimento para um oscilador su-
fornece uma indicação do comportamento do jeito a uma força periódica geral F (t). Fazendo
sistema. Portanto, f (t) = F (t)/m,

F02 ẍ + 2β ẋ + ω02 x = f (t). (3.90)


P̄f = sen(δ).
2Z
Suponha que x1 (t) seja solução da equação
Como v0 = F0 /Z, então
(3.90) para uma força f1 (t), ou seja,
1
P̄f = v0 F0 sen(δ) ẍ1 + 2β ẋ1 + ω02 x1 = f1 (t). (3.91)
2
Agora usando a relação mostrada na figura Suponha que x2 (t) seja solução da equação
3.49, podemos escrever, sen(δ) = R/Z, e (3.90) para uma força f2 (t), ou seja,
usando também o fato de que F0 = Zv0 , obte-
mos ẍ2 + 2β ẋ2 + ω02 x2 = f2 (t). (3.92)
1
P̄f = Rv02 Somando a primeira eq. (3.91) multiplicada
2
Dá equação acima vemos que a máxima por α1 com a segunda (3.92) multiplicada por
potência transferida, depende da velocidade α2 , podemos escrever
máxima e da constante de amortecimento b =
(α1 ẍ1 + α2 ẍ2 ) + 2β (α1 ẋ1 + α2 ẋ2 ) +
R.
ω02 (α1 x1 + α2 x2 ) = (α1 f1 (t) + α2 f2 (t))

Isto quer dizer que,


3.19 Princı́pio da super-
x(t) = α1 x1 + α2 x2 , (3.93)
posição: séries de
é uma solução da eq. (3.90) para um força
Fourier
f (t) = α1 f1 (t) + α2 f2 (t), (3.94)
Na seção anterior vimos que a solução per-
manente da equação (3.60) é dada por (3.68). A idéia pode ser generalizada. Se a força ex-
Seguindo os mesmos passos, é fácil mostrar que terna puder ser escrita como
a solução da equação N
X
f (t) = αn fn (t), (3.95)
ẍ + 2β ẋ + ω02 x = f0 sen(ωt) (3.87) n=1

é dada por e se x1 (t), x2 (t), . . . , xN (t) forem, respectiva-


mente, as soluções para forças f1 (t), f2 (t), . . .
f0 , fN (t), então
xp (t) = q sen (ωt − δ) ,
2
(ω02 − ω2) + 4ω 2 β 2 N
X
(3.88) x(t) = αn xn (t), (3.96)
onde, o ângulo δ é dado por n=1

µ ¶ é solução da equação para a força f (t). Este re-


2ωβ
arctg δ = (3.89) sultado é muito útil quando f (t) é uma função
ω02 − ω 2
Prof. Salviano A. Leão 136

periódica porque, nesse caso, ela pode ser es- pode ser escrita como
crita como uma expansão em senos e cossenos
X N
(série de Fourier) que são funções para as quais a0
x(t) = 2
+ ×
sabemos resolver a equação diferencial. 2ω 0 n=1

Se a força for uma função periódica do an cos(nωt − δn ) + bn sen(nωt − δn )


q
tempo, com perı́odo τ , ou seja, se 2
(ω02 − n2 ω 2 ) + 4n2 β 2 ω 2
(3.103)
f (t + τ ) = f (t) (3.97)
onde
então podemos escrever f (t) (em série de Fou- µ ¶
2nωβ
rier) como δn = arctg 2
(3.104)
ω0 − n2 ω 2

a0 X Observe que
f (t) = + [an cos(nωt) + bn sen(nωt)] ,
2 n=1 a0
(3.98) x= (3.105)
2ω02
onde,

ω= (3.99) é a solução particular da equação
τ
a0
e os coeficientes da série de Fourier são dados ẍ + 2β ẋ + ω02 x = , (3.106)
2
por
A solução geral é a soma da solução esta-
 Z τ
 2 cionária com a solução transiente (3.16).

 an = f (t0 ) cos(nωt0 )dt0

 τ 0

 Z
2 τ Exemplo 41 Obtenha os coeficientes de ex-
 bn = f (t0 ) sen(nωt0 )dt0 (3.100)

 τ 0 pansão em série de Fourier da função dente



 n = 0, 1, 2, . . . , N de serra da figura 3.50 abaixo.

Como f (t) é periódica, podemos trocar o


perı́odo de integração de 0 a τ para −τ /2 a
+τ /2 ou, em termos de ω, de −π/ω a +π/ω.
Assim, podemos escrever
 Z

 ω +π/ω

 an = f (t0 ) cos(nωt0 )dt0 Figura 3.50: Gráfico de uma função periódica

 π


−π/ω
Z do tipo dente de serra.
ω +π/ω 0 0 0

 bn = f (t ) sen(nωt )dt

 π −π/ω

 Solução: No intervalo

 n = 0, 1, 2, . . . , N
(3.101) τ τ
− <t<+ (3.107)
2 2
Se f (t) for escrita em termos de (3.98) então
a solução estacionária da equação diferencial podemos escrever
t ωA
ẍ + 2β ẋ + ω02 x = f (t), (3.102) f (t) = A = t (3.108)
τ 2π
Prof. Salviano A. Leão 137

Como f (t) é uma função ı́mpar, todos os coe- e a seguir faremos uma breve revisão de cada
ficientes an são nulos. Por sua vez, um dos elementos que irão compor um circuito
Z
+π/ω qualquer.
ω2A
bn = t0 sen(nωt0 )dt0
2π 2
· 0
−π/ω 3.20.1 Resistor
2
ω A t cos(nωt0 )
= − + Um resistor (ôhmico, ou seja, aquele que obe-
2π 2 nω
¸+π/ω dece a lei de Ohm, V = RI) é um elemento de
sen(nωt0 )
(3.109) circuito, representado pelo sı́mbolo da figura
n2 ω 2 −π/ω
3.51 . A lei de Ohm nos diz que: Quando por
Como,
um resistor R passar uma corrente I, haverá
n
sen(±nπ) = 0 e cos(±nπ) = (−1) , uma queda de potencial (no sentido da cor-
logo rente: V = V1 − V2 ; V1 > V2 ), através dos seus
A extremos 1 e 2, dada por:
bn = (−1)n+1

Assim,
V = RI

A X (−1)n+1
f (t) = sen(nωt)
π n=1 n
·
A 1
= sen(ωt) − sen(2ωt)
π 2
¸
1 1
+ sen(3ωt) − sen(4ωt) + · · ·
3 4
A convergência desta série não é muito
rápida.
Devemos notar duas caracterı́sticas da ex-
Figura 3.51: Resistor
pansão. Nos pontos de descontinuidade (t =
±τ /2) a série produz um valor médio nulo Num resistor, há uma conversão de energia
(zero), e na região imediatamente adjacente elétrica em energia térmica, dada pelo efeito
aos pontos de descontinuidade, a expansão Joule. A potência dissipada pelo resistor de-
passa pela função original. Este último efeito, vido ao efeito Joule é dada por:
é conhecido como fenômeno de Gibbs, e ocorre
em todas as ordens da aproximação. Esta pas- P = RI 2 = V I
sagem de Gibbs é da ordem de 9% em cada des-
continuidade, mesmo no limite de uma série
infinita.
3.20.2 Capacitor
O capacitor é representado pelo sı́mbolo da fi-
gura 3.52. Um capacitor tem uma placa com
3.20 Elementos de um Cir- uma carga +Q e a outra placa com uma carga
cuito −Q, e a queda de potencial V ≡ V1 − V2 entre
as placas é dada por:
Para analisarmos um circuito precisamos co-
Q
nhecer os elementos que compõem o mesmo, V = ,
C
Prof. Salviano A. Leão 138

onde C é a capacitância do capacitor.


1
U = LI 2 .
2

3.20.4 Gerador
Um gerador (ver sı́mbolo da figura 3.54) é uma
fonte de fem (força eletromotriz), que pode ser
tratado de forma análoga a uma bateria. O
gerador é atravessado pela corrente no sentido
Figura 3.52: Capacitor
inverso ao da queda de potencial, assim:
Um capacitor armazena energia elétrica, e a
V1 − V2 ≡ V = −E P = EI.
energia total armazenada pelo capacitor é:

1 Q2 1 1
U= = CV 2 = QV.
2C 2 2

3.20.3 Indutor
O indutor é representado pelo sı́mbolo da fi-
gura 3.53. Ele é um elemento idealizado
no qual supõe-se que o campo magnético es-
teja completamente confinado no mesmo, como
Figura 3.54: Gerador
num solenóide infinito, e que o mesmo possuı́
uma resistência interna desprezı́vel, logo a
queda de potencial entre os extremos 1 e 2,
no sentido da corrente é dada por: 3.21 Oscilações Elétricas
dI Consideremos um oscilador mecânico como
V =L ,
dt mostrado na figura 3.55(a), onde a massa m
onde L é a indutância do indutor e no sistema desliza em uma plataforma sem atrito. Sabe-
internacional a sua unidade é o Henry (H). mos que a equação de movimento é

mẍ + kx = 0, (3.110)

e a freqüência de oscilação é dada por


r
k
ω0 = . (3.111)
m
Agora iremos considerar o circuito elétrico
Figura 3.53: Indutor mostrado na figura 3.55 (b). Em um dado ins-
tante t, a carga no capacitor C é q(t), e a cor-
Num indutor, há armazenamento de energia, rente que flui através do indutor L é I(t) = q̇.
sob a forma de energia magnética. A energia Aplicando a lei de Kirchhoff da queda de vol-
armazenada pelo indutor é dada por: tagem neste circuito, podemos escrever
Prof. Salviano A. Leão 139

Elevando ao quadrado q(t) e I(t), podemos es-


crever
1 2 q2 q2
LI + = 0 = constante. (3.118)
2 2C 2C
O termo 21 LI 2 representa a energia armazenada
no indutor L (e corresponde a energia cinética
mecânica), enquanto o termo 12 (q 2 /C) repre-
Figura 3.55: Um oscilador mecânico e o seu
senta a energia armazenada no capacitor C (e
análogo elétrico, um circuito LC.
corresponde a energia potencial mecânica). A
soma destas duas energias é constante, indi-
Z
dI 1 cando que o sistema é conservativo. Veremos
L + Idt = 0, (3.112)
dt C a seguir que um circuito elétrico pode ser con-
ou em termos da carga q, servativo somente se ele não contiver uma re-
sistência (uma situação ideal e não realı́stica
1
Lq̈ + q = 0. (3.113) do ponto de vista prático).
C
A combinação massa-mola ilustrada na fi-
Esta equação é exatamente da mesma forma
gura 3.56(a) abaixo, difere daquela mostrada
da equação que aparece em (3.110), portanto
na figura 3.55(a), pela adição de uma força
sua solução é
constante devido ao peso da massa: P = mg.
q(t) = q0 cos(ω0 t) (3.114) Sem esta força gravitacional, a posição de
equilı́brio seria em x = 0; a força adicional,
onde a freqüência é distende a mola por uma quantidade igual a
1 h = mg/k e desloca a posição de equilı́brio
ω0 = √ (3.115) para x = h. Portanto a equação de movimento
LC
é a equação (3.110) com x deslocado por x − h:
onde fizemos a fase igual a zero, assumindo que
q(t = 0) = q0 e I(t = 0) = 0. mẍ + kx = kh (3.119)
Ao compararmos os termos da equação
com a solução
(3.110) com os da equação (3.113), vemos que
o análogo elétrico da massa (ou inércia) é a in- x(t) = h + A cos(ω0 t) (3.120)
dutância L, e a flexibilidade da mola, represen-
tada pelo recı́proco da constante da mola k, é onde impomos as seguintes condições iniciais:
identificada como a capacitância C. Portanto, x(t = 0) = h + A e ẋ(t = 0) = 0.
temos que Na figura 3.56(b), adicionamos uma bateria
(com fem E) ao circuito da figura 3.55(b). A
m→L x→q lei de Kirchhoff para a queda de voltagem pode
1 (3.116)
→C ẋ → I ser escrita como
k Z
dI 1 q1
Diferenciando a expressão para q(t), encontra- L + Idt = E = (3.121)
dt C C
mos
onde q1 representa a carga que deve ser for-
q̇(t) = I(t) = −ω0 q0 cos(ω0 t) (3.117) necida ao capacitor para que ele produza uma
Prof. Salviano A. Leão 140

Figura 3.57: Um oscilador mecânico amorte-


cido, e o seu análogo elétrico, um circuito RLC.
Figura 3.56: Um oscilador mecânico, subme-
tido a ação da força peso e o seu análogo Devido a natureza recı́proca da corres-
elétrico, um circuito LC com uma bateria. pondência entre flexibilidade mecânica (1/k)
e a capacitância elétrica, a adição de molas
voltagem E. Usando I = q̇, temos e capacitores ao sistema devem ser feitas de
1 q1 diferentes maneiras para produzirem o mesmo
Lq̈ + q= (3.122) efeito. Por exemplo, considere a massa na fi-
C C
gura 3.58(a), onde duas molas são conectadas
Se q = q0 e I = 0 em t = 0, a solução é
em série. Se uma força F for aplicada a massa,
q(t) = q1 + (q0 − q1 ) cos(ω0 t) (3.123) a mola 1 irá se distender de x1 = F/k1 , en-
quanto a mola 2 irá se distender de x2 = F/k2 .
a qual é o análogo elétrico exato da equação A Extensão total será
(3.119). µ ¶
1 1
A adição de um amortecimento ao oscila- x = x1 + x2 = F + . (3.126)
k1 k2
dor mecânico da figura 3.56(a) pode ser re-
presentada por um copo (recipiente) contendo O análogo elétrico desta equação (ver figura
um fluido viscoso, como o mostrado na figura 3.58(b)) é
3.57(a). A equação de movimento é q = E (C1 + C2 ) . (3.127)

mẍ + bẋ + kx = 0. (3.124) Portanto, molas atuando em série são equiva-


lentes a capacitores atuando em paralelo. Simi-
A lei de Kirchhoff para a queda de voltagem
larmente, molas em paralelo operam da mesma
para um circuito elétrico análogo, o da figura
maneira que capacitores em série (ver figura
3.57(b) é
3.58(c) e (d)).
1 Se trocarmos a bateria na figura 3.56(b)
Lq̈ + Rq̇ + q = 0 (3.125)
C com um gerador AC e adicionarmos uma re-
de tal modo que a resistência R corresponde sistência ao circuito, teremos uma oscilação
a resistência do amortecimento mecânico b. elétrica forçada, em uma circuito RLC. Mui-
A analogia entre as quantidades mecânicas e tos dos termos usados para descrever os cir-
elétricas podem ser sumarizadas nas tabelas cuitos AC (impedância, reatância, indutância,
3.2 e 3.3. Por exemplo, a massa no sistema ângulo de fase, potência dissipada, largura de
mecânico é análogo a indutância no sistema linha, etc.) podem ser aplicados a outros siste-
elétrico. mas de oscilações lineares. A importância da
Prof. Salviano A. Leão 141

Figura 3.58: Um oscilador mecânico com duas


molas e o seu análogo elétrico, um circuito LC
com dois capacitores. Figura 3.59: Circuito RL

analogia com os circuitos elétricos é devido a


dI Q(t)
facilidade com que os circuitos elétricos podem L + =0 (3.128)
dt C
ser usados para testar os análogos mecânicos (e
Derivando a equação acima em relação ao
outros).
tempo e usando o fato de que I(t) = dQ/dt,
encontramos
Exemplo 42 Considere o circuito mostrado
d2 I
na Figura 3.59. Antes de t = 0, a chave está + ω02 I = 0 (3.129)
dt2
na posição A e o capacitor está descarregado.
Em t = 0, a chave é movida instantaneamente onde,
1
para a posição B. (a) Determine a corrente no ω0 = √ , (3.130)
LC
circuito LC para tempos posteriores a t = 0,
é a freqüência angular natural de oscilação do
ou seja, t > 0. (b) Encontre como a carga no
circuito LC. Portanto a solução da Eq. 3.129
capacitor irá depender do tempo, para tempos

posteriores a t = 0, ou seja, t > 0.
I(t) = Imax . cos(ω0 t + δ). (3.131)
Solução: Aqui devemos observar, que ao mu-
darmos a chave instantaneamente de posição, Usando a condição inicial para a corrente, ou
se não tivéssemos a presença do indutor no cir- seja, I(0) = I0 , encontramos que Imax. = I0 =
cuito, a corrente iria a zero instantaneamente. V0 /R e δ = 0, assim
O que o indutor faz nesse instante é gerar uma µ ¶
V0
força contra-eletromotriz que produza a mesma I(t) = I0 cos(ω0 t) = cos(ω0 t) (3.132)
R
corrente no novo circuito.
(a) No instante t=0, existe uma corrente esta- (b) Agora vamos encontrar como a carga vai
cionária circulando pelo indutor: I0 = V0 /R. depender do tempo e para tal basta integrarmos
Para t ≥ 0, a lei das malhas de Kirchhoff para dQ = I(t)dt, e levar em conta que no instante
o circuito LC é t = 0, a carga no capacitor é nula , ou seja,
Prof. Salviano A. Leão 142

Q(0) = 0, assim a solução será q(t) = Im(Q(t)). Desta forma


Z t Z t
temos que
dQ =
I(t)dt · ¸
2 1
0
µ ¶Z t 0 −Lω + iωR + Q0 = E0
V0 C
Q(t) − Q(0) = cos(ω0 t)dt · µ ¶¸
R 1
0 iω R + i Lω− Q0 = E0
ωC
iE
V0 Q0 = − · µ 0 ¶¸
Q(t) = Q(0) + [sen(ω0 t)]t0 1
ω0 R ω R + i Lω−
ωC
V0
=0+ [sen(ω0 t) − 0] Aqui, é comum definirmos a reatância capaci-
ω0 R
tiva XC como
V0
= sen(ω0 t)
ω0 R VC,M áx. 1
XC ≡ =
IC,M áx. ωC
V0
Q(t) = sen(ω0 t) (3.133) e a reatância indutiva XL como
ω0 R
VL,M áx.
XL ≡ = ωL
Exemplo 43 Considere um circuito RLC IL,M áx.
submetido a uma fem alternada dada por e a impedância Z é dada por
E(t) = E0 sen (ωt). Determine a corrente I(t), V
a voltagem VL entre os terminais do indutor, e Z≡ = R + i (XL − XC )
I
a freqüência angular ω na qual VL é máximo.
Z = Zeiδ ,
Solução: Adicionando uma fem a equação
q
(3.125) encontramos
Z = R2 + (XL − XC )2
s µ ¶2
2
1
1 = R + ωL −
Lq̈ + Rq̇ + q = E0 sen (ωt) , (3.134) ωC
C
 
µ ¶ 1
Esta equação é similar a equação (3.60), a XL − XC ωL −
 ωC 
arctg δ = = 
qual já resolvemos. Além disso, usando as R R
relações das tabelas 3.2 e 3.3, podemos escre-
ver, Portanto, podemos escrever Q0 como (observe
que e−iπ/2 = −i),
b R
β= → iE0 E0 e−iπ/2 E0 e−i(δ+π/2)
2m 2L Q0 = − = =
r ωZeiδ ωZeiδ ωZ
k 1 Assim,
ω0 = → √
m LC E0 i(ωt−δ−π/2)
Q(t) = e
ωZ
F0 E0
A= → A solução para a carga q(t) é dada por
m L
³ ´
Para resolvermos esta equação, faremos uso q(t) = Im(Q(t)) = E0 sen ωt − δ − π
dos números complexos, e para isto suporemos ωZ 2
E0
que E(t) = E0 eiωt e que Q(t) = Q0 eiωt , logo = − cos (ωt − δ)
ωZ
Prof. Salviano A. Leão 143

· ¸
E0 2 2L
q(t) = − s µ ¶2 cos (ωt − δ) LE0 R2 + −
1 dV (ω) ω2C 2 C
ω R2 + ωL − =" µ ¶2 #3/2
ωC dω
1
R2 + ωL −
Já a corrente, então é dada por, ωC
E0 Para encontramos o valor de ωmáx. basta fa-
I(t) = q̇(t) = s µ ¶2 sen (ωt −zermos
δ)
1 o termo entre colchetes no numerador
R2 + ωL − igual a zero, assim, encontramos que
ωC
E0 2 2L
= sen (ωt − δ) = − R2
Z ω2C 2 C
A voltagem através do indutor é determi- 1 1
= LC − C 2 R2
nada pela derivada temporal da corrente, ou ω2 2
seja, 1
ωmáx. = q
dI ωLE0 LC − 12 C 2 R2
VL = L = cos (ωt − δ)
dt Z
= V (ω) cos (ωt − δ) Este é o resultado desejado. Devemos ob-
servar a diferença entre esta freqüência e a
Para encontrarmos a freqüência que VL é √
freqüência natural ω0 = 1/ LC, e a freqüência
máximo, ωmáx , devemos derivar VL com res- de ressonância da carga dada pela equação
peito a ω e fazermos o resultado igual a zero. p
(3.76), ωR = ω02 − 2β 2 , a qual quando
Precisamos considerar somente a amplitude transcritas as constantes obtemos que ωR =
V (ω) e não a parte dependente do tempo. p
1/LC − R2 /2L2 .
dV (ω) d ωLE0
= s µ ¶2
dω dω 1
2
R + ωL −
ωC

dV (ω) LE0
= s µ ¶2 −
dω 1
R2 + ωL −
ωC
µ ¶µ ¶
1 1
LE0 ω2 ωL − L+ 2
1 ωC ω C
" µ ¶2 # 3/2
2
2
1
R + ωL −
ωC

dV (ω) LE0
= sµ ¶2 ×
dω 1
− ωL + R2
ωC
 µ ¶ 
1
 L2 ω 2 − 2 2 
 ω C 
1 − " µ ¶ # 
 2 
 1 
R2 + ωL −
ωC
Prof. Salviano A. Leão 144

3.22 Analogia entre as Oscilações Mecânicas e Elétricas


Nas tabelas abaixo apresentamos as relações entre as grandezas elétricas e mecânicas.

Mecânica Elétrica
x Deslocamento q Carga
ẋ Velocidade q̇ = I Corrente
m Massa L Indutância
b Constante de Amortecimento R Resistência
1/k Coeficiente de flexibilidade C Capacitância
F Amplitude da força aplicada E Amplitude da fem aplicada

Tabela 3.2: Analogia entre as quantidades elétricas e mecânicas.

Oscilador Mecânico Oscilador Elétrico


1
mẍ + kx = 0 Lq̈ + q = 0
p C√
ω0 = k/m ω0 = 1/ LC
1 1
Energia Cinética: T = mv 2 Energia Magnética: UM = LI 2
2 2
1 q2
Energia Potencial: U = kx2 Energia Elétrica: UE =
2 2C
1
mẍ + bẋ + kx = 0 Lq̈ + Rq̇ + q = 0
p √C
ω0 = k/m ω0 = 1/ LC
β = b/2m β = R/2L
ẍ + 2β ẋ + ω02 x = 0 q̈ + 2β q̇ + ω02 q = 0
r r
p b2 k p R2 1
ωc = β 2 − ω02 = 2
− ωc = β 2 − ω02 = 2

r 4m m r 4L LC
p k b2 p 1 R2
2 2 2 2
ωa = ω0 − β = − ωa = ω0 − β = −
rm 4m2 rLC 4L2
p k b2 p 1 R2
ωR = ω02 − 2β 2 = − ωR = ω02 − 2β 2 = − 2
m 2m2 LC 2L
Tabela 3.3: Analogia entre as equações dos osciladores elétricas e dos osciladores mecânicos.
Prof. Salviano A. Leão 145

3.23 Problemas Qual pode ser a maior amplitude do MHS,


para que o bloco não deslize sobre a su-
1. Classifique as equações diferenciais line- perfı́cie?
ares abaixo quanto ao tipo de amorteci-
mento (quando for o caso) e escreva o 5. Um bloco está sobre um pistão que se
perı́odo de oscilação e a solução das mes- move verticalmente em um movimento
mas (quando houver): harmônico simples (MHS). (a) Se o MHS
tem um perı́odo de 1, 0 s, em que am-
d2 θ
(a) dt2
= θ + 2 dθ
dt
plitude do movimento o bloco e o pistão
(b) 3 d2 Q
+ 9 dQ
= − 15 Q irão se separar? (b) Se o pistão tem uma
2 dt2 4 dt 2
d2 ξ
amplitude de 5, 0 cm, qual a freqüência
(c) 16, 0ξ = 8 dξ −
dt dt2 máxima em que o bloco e o pistão estarão
d2 Ψ
(d) dt2
+ 2, 6 dΨ
dt
= −2Ψ continuamente em contato?
d2 ξ
(e) dt2
+ ξ = −2 dξ
dt 6. Uma certa mola sem massa está suspensa
d2 q
(f) dt2
= −2q − 3 dq
dt
do teto com um pequeno objeto preso
a sua extremidade inferior. O objeto é
2. A extremidade de uma mola vibra com mantido inicialmente em repouso, numa
um perı́odo T , quando uma certa massa posição yi tal que a mola não fique es-
M está ligada a ela. Quando esta massa é ticada. O objeto é então liberado e os-
acrescida de uma massa m, o perı́odo de cila para cima e para baixo, sendo sua
oscilação do sistema passa para 32 T . De- posição mais baixa 10, 0 cm abaixo de yi .
termine o valor de m em função de M e (a) Qual a freqüência da oscilação? (b)
do perı́odo T . Qual a velocidade do objeto quando está
a 8, 0 cm abaixo da posição inicial yi ? (c)
3. Um oscilador harmônico simples consiste
Um objeto com massa 300 g é ligado ao
de um bloco de massa m = 1.0 kg preso a
primeiro objeto; logo após, o sistema os-
uma mola de constante elástica k = 36
cila com metade da freqüência original.
N/m. Quando t = 2.0 s, a posição e
Qual a massa do primeiro objeto? (d)
a velocidade e a aceleração do bloco são
Com relação a yi , onde é o novo ponto de
x(2) = −1.773 m e v(2) = 5.550 m/s.
equilı́brio (repouso) com ambos os objetos
(a) Qual a amplitude das oscilações? (b)
presos à mola?
Qual é a velocidade máxima e a aceleração
máxima deste bloco? Quais eram (c) a 7. (a) Quando o deslocamento de uma
posição e a (d) velocidade do bloco no ins- partı́cula em movimento harmônico sim-
tante t = 0.0 s? ples for igual à metade da amplitude A,
que fração da energia total é cinética e que
4. Um bloco está numa superfı́cie hori-
fração é potencial? (b) Para que valor do
zontal (uma mesa oscilante), que se
deslocamento x, metade da energia total
agita horizontalmente em um movimento
será cinética e metade será potencial?
harmônico simples com uma freqüência de
2, 0 Hz. O coeficiente de atrito estático 8. Um bloco de 4, 00 kg está suspenso por
entre o bloco e a superfı́cie é µe = 0, 50. uma certa mola, estendendo-a 16, 0 cm
Prof. Salviano A. Leão 146

além de sua posição de repouso. (a) Qual é s, a posição e a velocidade do bloco são
a constante da mola? (b) O bloco é remo- x = 0, 129 m e v = 3, 415 m/s. (a) Qual a
vido e um corpo com 0, 500 kg é suspenso amplitude das oscilações? Quais eram (b)
pela mesma mola. Se esta for então pu- a posição e (c) a velocidade da massa no
xada e solta, qual o perı́odo da oscilação? instante t = 0s?

9. Um peso de 20 N é suspenso na parte in- 14. Duas partı́culas executam um movimento


ferior de certa mola vertical, fazendo com harmônico simples com as mesmas ampli-
que esta estenda 20 cm. (a) Qual a cons- tudes e freqüências ao longo da mesma li-
tante da mola? (b) Esta mola é então co- nha reta. Elas passam uma pela outra,
locada horizontalmente em uma mesa sem movendo-se em sentidos opostos, cada vez
atrito. Uma extremidade dela é fixada e que seu deslocamento é metade da ampli-
a outra é presa a um peso de 5, 0 N. O tude. Qual a diferença de fase entre elas?
peso é então deslocado (esticando a mola)
e liberado do repouso. Qual é o perı́odo 15. Dois blocos (M = 12, 0 kg e m = 1, 5 kg)
da oscilação? que foram colocados sobre uma superfı́cie
sem atrito, estão presos a uma mola de
10. Uma massa de 50, 0 g é presa à extre- constante elástica k = 240 N/m (ver fi-
midade inferior de uma mola vertical e gura). O coeficiente de atrito estático en-
colocada em vibração. Se a velocidade tre os dois blocos é µe = 0, 40. Deter-
máxima da massa é 15, 0 cm/s e o perı́odo mine a máxima amplitude possı́vel do mo-
0, 500 s, ache (a) a constante de elastici- vimento harmônico simples, se não houver
dade da mola, (b) a amplitude do movi- deslizamento entre os blocos? (b) Se do-
mento e (c) a freqüência de oscilação. brarmos a massa m, em quanto irá variar
a energia total do sistema?
11. Um bloco de 2, 00 kg está suspenso por
uma certa mola. Se adicionarmos um
corpo de 300 g ao bloco, a mola esticará
mais 2, 0 cm. (a) Qual a constante da
mola? (b) Se removermos o corpo de 300
g e o bloco for colocado em oscilação, ache
o perı́odo do movimento.

12. A extremidade de determinada mola vi-


Figura 3.60: Dois blocos de massas M e m
bra com um perı́odo de 2, 0 s quando certa
presos a uma mola.
massa m está ligada a ela. Quando esta
massa é acrescida de 2, 0 kg, o perı́odo
passa para 3, 0 s. Ache o valor de m. 16. Uma mola uniforme, cujo o comprimento
do repouso é L, tem uma constante k.
13. Um oscilador harmônico simples consiste A mola é cortada em duas partes com
em um bloco com uma massa de 2, 00 kg comprimentos de repouso L1 e L2 , com
ligado a uma mola com uma constante L1 = nL2 . (a) Quais as correspondentes
elástica k = 100 N/m. Quando t = 1, 00 constantes de força k1 e k2 e termos de n e
Prof. Salviano A. Leão 147

k? (b) Se um bloco for ligado à mola ori- −b(dv/dt), onde b = 230 g/s. Supo-
ginal, ele oscila com uma freqüência ν. Se nha que o bloco seja puxado verticalmente
esta última for substituı́da pelos pedaços 12, 0 cm para baixo da sua posição de
L1 ou L2 , a freqüência correspondente é equilı́brio e liberado. (a) Calcule o tempo
ν1 ou ν2 . Ache ν1 e ν2 em termos de ν. necessário para que a amplitude seja redu-
zida para um terço do seu valor inicial. (b)
17. Se a massa m de uma mola não for des- Quantas oscilações serão realizadas pelo
prezı́vel, porém for pequena comparada a bloco durante este tempo?
à massa M do objeto preso a ela, mostre
que o perı́odo do movimento é dado por 21. Considere que você está examinando as
q
T = 2π (M +m/3) . (Sugestão: a condição caracterı́sticas do sistema de suspensão de
k
m ¿ M é equivalente à hipótese de que um automóvel com 2000, 0 kg. A sus-
a mola se distende proporcionalmente ao pensão ”cede” 10, 0 cm, quando o peso
longo do seu comprimento.) do automóvel inteiro é colocado sobre ela.
Além disso, a amplitude da oscilação dimi-
18. Um oscilador harmônico amortecido con- nui 50% durante uma oscilação completa.
siste de um bloco de massa m = 2.0 kg Estime os valores de k e b para o sistema
preso a uma mola de constante elástica de mola e amortecedor em uma roda, con-
k = 16 N/m. A força de amortecimento siderando que cada uma suporta 500 kg.
FA = −bv. Este oscila inicialmente com
22. Um oscilador harmônico simples consiste
uma amplitude A = 32, 0 cm. Devido
de uma massa de 100 g presa na extre-
ao amortecimento, a amplitude é redu-
midade de uma mola cuja constante de
zida para um quarto do seu valor inicial,
força é 0, 104 N/m. A massa é deslocada
quando são completadas cinco oscilações.
3 cm e depois solta. Calcule a freqüência,
(a) Escreva a equação de movimento para
o perı́odo, a energia total e a velocidade
este sistema e a solução da mesma. (b)
máxima.
Qual o valor de b? (c) Em que instante
a energia do oscilador será igual a ener- 23. Calcule as médias temporais das ener-
gia perdida pelo mesmo? (d) Que fração gias cinética e potencial de um oscilador
da energia do oscilador é perdida a cada harmônico simples sobre um ciclo e mos-
oscilação completa? tre que elas são iguais. Porque este é um
resultado esperado? A seguir, calcule as
19. A amplitude de um oscilador ligeiramente médias espaciais dessas grandezas e justi-
amortecido diminui 3, 0% durante cada ci- fique porque os resultados não são iguais.
clo. Que fração da energia do oscilador é
perdida em cada oscilação completa? 24. Obtenha uma expressão para a fração de
um perı́odo (∆t/τ ) que a partı́cula per-
20. Um oscilador harmônico amortecido con- manece dentro de uma região de compri-
siste de um bloco de massa m = 1.5 kg mento ∆x, na posição x, em um oscilador
dependurado na extremidade uma mola harmônico simples. Esboce esta função
de constante elástica k = 8, 0 N/m. A versus x e discuta o significado fı́sico do
força de amortecimento FA = −bv = resultado obtido.
Prof. Salviano A. Leão 148

25. Duas massas m1 e m2 , livres para se movi- 30. Considere um oscilador forçado amorte-
mentarem sobre um trilho horizontal sem cido (com força senoidal). Mostre que a
atrito, estão conectadas por uma mola energia cinética média assume o mesmo
cuja constante elástica é k. Obtenha a valor para freqüências que estão ao mesmo
freqüência de oscilação para este sistema. número de oitavos abaixo e acima da
freqüência de ressonância. Um oitavo
26. Um corpo de área de seção transversal
é o intervalo de freqüência em que a
uniforme e densidade ρ flutua em um
freqüência mais alta é o dobro da mais
lı́quido de densidade ρ0 . Na situação
baixa.
de equilı́brio, o corpo está submerso no
lı́quido de uma profundidade he . Mostre 31. Considere um oscilador fracamente amor-
que o perı́odo de pequenas oscilações ver- tecido (β ¿ ω0 ). Mostre que, próximo da
ticais em torno da posição de equilı́brio é ressonância, Q é dado por
µ ¶
dado por Energia total armazenada
Q ' 2π
|Energia dissipada no perı́odo|
s
he 32. Mostre que para um oscilador fracamente
τ = 2π
g amortecido
ω0
27. Se a amplitude de um oscilador subamor- Q∼ =
∆ω
tecido decresce a 1/e do seu valor inicial onde ∆ω representa o intervalo de
após n perı́odos (n À 1), mostre que a freqüência entre os pontos sobre a curva

freqüência do oscilador é dada por de ressonância que correspondem a 1/ 2
da amplitude máxima.
µ ¶
1
ωa ≈ ω0 1− 2 2 33. Suponha que em um oscilador superamor-
8π n
tecido a posição e a velocidade iniciais se-
28. (a) Obtenha uma expressão para a ener- jam dados por x0 e v0 , respectivamente.
gia mecânica de um oscilador subamorte- Mostre que
cido como função do tempo. (b) Esboce o β 2 x0 + v 0 β 1 x0 + v 0
A1 = ; A2 = −
gráfico de E(t) × t. (c) Obtenha uma ex- β2 − β1 β2 − β1
pressão para a taxa de perda de energia, onde
dE/dt. (d) No caso de um oscilador fra-
β1 = β − ωc e β2 = β + ωc
camente amortecido (β ¿ ω0 ), obtenha a q
taxa média de perda de energia. ωc = β 2 − ω02 , ωc > 0.

29. Supondo uma solução do tipo Mostre que se A1 = 0,


ẋ(t) = −β2 x.
x(t) = y(t)e−βt
Mostre que se A1 6= 0,
mostre que a solução da equação de mo-
ẋ(t) −→ −β1 x
vimento para um oscilador com amorteci-
mento crı́tico é dada por para um tempo muito grande. Esboce
os dois caminhos de fase no mesmo dia-
x(t) = (A + Bt)e−βt grama.
Prof. Salviano A. Leão 149

34. Mostre que a série de Fourier dada por 2. Considere um circuito RLC subcritica-
(3.98) pode ser reescrita como mente amortecido. (a) Usando a lei das
∞ malhas de Kirchhoff escreva a equação di-
a0 X
f (t) = + cn cos(nωt − φn ) ferencial para a carga que irá descrever a
2 n=1 evolução temporal deste sistema e a sua
e obtenha cn e φn em termos de an e bn . solução, definindo ω, ω0 , γ, o perı́odo T
e a freqüência f . (b) Considerando que
35. Obtenha a solução estacionária, xp (t), no instante t = 0 que a energia no capa-
para um oscilador sujeito a uma força ex- citor é máxima, determine a constante de
terna periódica dada por fase δ? (c) Faça um gráfico esquemático
 π
 de como a carga varia em função do tempo
 −A − < t < 0
ω e identifique os pontos onde a energia no
F (t) = π

 +A 0 < t < capacitor e no indutor são máximas, e pro-
ω
cure justificar sua resposta. (d) Determine
3.23.1 Circuitos LC o instante em que a energia máxima pre-
sente no capacitor é um quarto da energia
1. Um indutor de 40 mH deve ser ligado a um
máxima presente no instante t = 0.
capacitor para fazer um circuito LC com
uma freqüência natural de f = 2 × 106 3. Num circuito LC amortecido, determine
Hz. Que valor de capacitância deverá ser o instante em que a energia máxima pre-
usado? sente no capacitor é a metade da energia
máxima presente no instante t = 0. Supo-
2. Um circuito LC, num receptor de rádio
nha q = Q para t = 0.
AM, usa um indutor com indutância de
0, 1 H e um capacitor variável. Se a 4. Um circuito com uma única malha con-
freqüência natural (f ) do circuito precisa siste em um resistor de 7, 20 Ω, um indu-
ser ajustada entre 0, 5 e 1, 5 MHz, corres- tor de 12, 0 H e um capacitor de 3, 20 pF.
pondente a faixa de rádio AM, que faixa Inicialmente, a carga do capacitor é 6, 20
de capacitância deverá ser coberta pelo ca- pC e a corrente é zero. Calcular a carga
pacitor variável? do capacitor depois de N oscilações com-
pletas, para N = 5, 10 e 100.
3. Obtenha uma expressão para a corrente
máxima num circuito LC em função dos
valores de L, de C e de V0 (a tensão corres-
pondente à carga máxima do capacitor).

3.23.2 Circuitos RLC


1. Que resistência R deve ser ligada em série
com uma indutância L = 220 mH e uma
capacitância C = 12, 0 pF a fim de que
a carga máxima do capacitor decaia a
99, 0% de seu valor inicial em 50, 0 ciclos?
Capı́tulo 4

Gravitação

4.1 Introdução
A Lei da Gravitação Universal foi formulada
por Newton em 1666 com a idade de 23 anos,
e publicada em seu livro Principia em 1687.
Newton esperou quase 20 anos para publicar
seus resultados, porque ele não podia justifi-
car o seu método de cálculo numérico, no qual
ele considerava a Terra e a Lua como mas-
sas puntiformes. A sua lei foi formulada para
partı́culas puntiformes. Figura 4.1: Interação gravitacional entre duas
A Lei da Gravitação Universal de Newton partı́culas puntiformes de massas mi e mj .
diz que duas partı́culas puntiformes se atraem
mutuamente com força proporcional ao pro-
onde rij = |rij | é a distância entre as
duto das massas e inversamente proporcional r
partı́culas, e r̂ij = rijij é um vetor unitário ao
ao quadrado da distância entre elas. O módulo
longo da reta que passa pelas duas partı́culas
da força de atração entre as massas das duas
e cujo sentido é aquele que vai da partı́cula
partı́culas puntiformes (ver figura Fig. 4.1
j para partı́cula i. Em outras palavras, a
abaixo) é dado por
(4.2) diz que a magnitude da força gravitaci-
m1 m2 onal é proporcional à massa de cada uma das
F =G 2
(4.1)
rij partı́culas e inversamente proporcional ao qua-
onde G é a constante de proporcionalidade, drado da distância que as separa. A força está
chamada constante de gravitação universal e dirigida ao longo da reta que passa pelas duas
rij é a distância entre as duas partı́culas pun- partı́culas e é atrativa, ou seja, a força Fij exer-
tiformes de massas mi e mj . cida por j sobre i está dirigida para j. O si-
Vetorialmente, a força que a massa punti- nal da força é negativo porque o seu sentido é
forme mj exerce sobre a massa puntiforme mi , oposto ao do vetor unitário r̂ij .
ou simplesmente força em mi devido a mj , é A constante de proporcionalidade G que
dada por aparece na (4.2) é uma constante universal (ou
mi mj seja, a mesma para qualquer par de partı́culas
Fij = −G 2 r̂ij = −Fji (4.2)
rij puntiformes), que se chama a constante gra-

150
Prof. Salviano A. Leão 151

4.2 Princı́pio da Super-


posição

Deve-se observar que na forma em que foi


escrita a equação (4.2), a lei da gravitação uni-
versal se aplica somente a um par de partı́culas
Figura 4.2: Interação gravitacional entre duas
puntiformes. O que ocorre quando mais de
partı́culas de massa mi e mj , separadas por
duas massas puntiformes interagem entre-si?
uma distância rij .
A experiência mostra que para um sistema
constituı́do por N partı́culas de massa mi , os
vitacional. Ela foi medida pela primeira vez efeitos das interações gravitacionais entre elas
pelo fı́sico inglês Henry Cavendish, e o seu va- se superpõem, ou seja, a força gravitacional
lor numérico atual no sistema MKS é que atua sobre cada uma das partı́culas, é a
resultante de suas interações com todas as de-
m2
G = (6.6726 ± 0.0008) × 10−11 N · mais partı́culas do sistema, obtida aplicando-se
kg 2
a cada par de massas puntiformes a lei de New-
É interessante observar que, apesar de ser a ton da gravitação, e isto é uma caracterı́stica
constante universal da Fı́sica conhecida a mais de um sistema linear, e com este sentido pode-
tempo (outras são c, e, h, . . . ), a constante G é se dizer que a interação gravitacional possui
aquela medida com menor precisão experimen- uma resposta linear. Desta forma para a massa
tal. mi , a força resultante FR = Fi sobre a massa
mi devido a interação com todas as outras é
Este valor numérico para a constante gravi-
dada por (ver figura 4.3 abaixo)
tacional significa que a força de atração gravi-
tacional entre duas massas puntiformes de 1 kg
a uma distância de 1 m é de ≈ 6.6726 × 10−11
N, ou seja, é ∼ 10−5 vezes menor que o peso de
um fio de cabelo! Isto mostra como é fraca a
interação gravitacional: e ela é a mais fraca de
todas as interações fundamentais conhecidas.
Apesar de ser tão fraca, a interação gravita-
cional é a mais importante quando aplicada à
astronomia devido às seguintes razões: (a) con-
tinua atuando entre corpos eletricamente neu-
Figura 4.3: Interação gravitacional entre uma
tros, ou seja, que contém igual quantidade de
partı́cula puntiforme de massa mi localizada
carga elétrica positiva e negativa, eliminando
no ponto P e uma distribuição de partı́culas
as interações de origem elétrica entre eles; (b)
puntiformes de massa mj , separadas por uma
ao contrário das forças elétricas, a interação
gravitacional é sempre atrativa; (c) as mas- distância rij , onde rij é a distância entre a
sas dos corpos que interagem, na escala as- partı́cula de massa mi e a partı́cula de massa
tronômica, são extremamente grandes. mj .
Prof. Salviano A. Leão 152

a massa M , conforme mostrado na figura 4.4


X X mj abaixo, é dada por
FR = Fi = Fij = −Gmi 2
· r̂ij (4.3) Z
j6=i
r
j6=i ij r − r0
F = −Gm dM (4.4)
|r − r0 |3
O princı́pio da superposição diz que nos
sistemas cuja interação é linear, como no
caso gravitacional, a força resultante em uma
partı́cula qualquer de massa mi , devido a to-
das as outras N partı́culas de massa mj (aqui
i 6= j) do sistema é dada pela equação (4.3).

4.3 Distribuições
Contı́nuas de Massa
Como a lei da lei de gravitação de Newton,
expressa pela eq. (4.2), só é válida para um Figura 4.4: Interação gravitacional entre um
par de partı́culas pontuais, então se uma ou corpo extenso de massa M e uma partı́cula
ambas as partı́culas forem trocadas por um
puntiforme de massa m.
corpo extenso que possui uma certa dimensão,
deve-se fazer uma hipótese adicional antes de Empregando o princı́pio de superposição,
calcularmos a força resultante. Neste caso, pode-se passar da descrição em termos de
deve-se levar em conta que o campo produ- massas puntiformes para uma descrição ma-
zido pela força gravitacional é uma interação croscópica de massas distribuı́das sobre corpos
(um campo) linear, ou seja, considera-se que extensos:
a força de atração sofrida por uma partı́cula
puntiforme de massa m colocada nas proximi-
dades de um corpo extenso de massa M pode
ser calculada através do princı́pio da super-
posição. Para aplicar o princı́pio da super-
posição, considera-se que o corpo extenso possa
ser dividido em pequenos elementos puntifor-
mes infinitesimais de massa dM e volume dV ,
e que a força de interação gravitacional en-
tre cada um destes elementos infinitesimais de
massa dM e a partı́cula puntiforme de massa
m obedece a lei de Newton da gravitação. As- Figura 4.5: Corpos extensos com distribuições
sim, a força total sobre a partı́cula puntiforme
de massa volumétrica, superficial e linear.
de massa m é dada pela soma (integral) das
forças devida a cada elemento infinitesimal de (a) Distribuição Volumétrica:
massa dM . Portanto, a força resultante sobre a Z Z
massa m devido a interação gravitacional com dM = ρdV ⇒ M = dM = ρdV
Prof. Salviano A. Leão 153

(b) Distribuição Superficial: Portanto, a força exercida por toda a casca


Z Z esférica é
dM = σds ⇒ M = dM = σds Z r+R
GmdM
F = cos α
r−R S2
(c) Distribuição Linear:
Z Z onde
dM = λ · d` ⇒ M = dM = λd`·
dM = ρδe · Rdθ · 2πR sen θ
M
Exemplo 44 Calcule a força gravitacional = sen θdθ
2
exercida por uma casca esférica de espessura
δe, raio R e massa M distribuı́da uniforme- Da lei dos cossenos temos que,
mente sobre a superfı́cie da casca, sobre uma
S 2 = R2 + r2 − 2Rr cos θ
partı́cula puntiforme de massa m, localizada
em um ponto P a (a) uma distância r > R Diferenciando a expressão acima encontramos
do centro da casca esférica e (b) para uma
distância r < R do centro da casca esférica. SdS = Rr sen θdθ
SdS
sen θdθ =
Rr
Aplicadno, novamente a lei dos cossenos ao
mesmo triângulo da figura 4.6, pode-se escre-
ver
R2 = r2 + S 2 − 2Sr cos α,

na qual isolando cos α obtém-se que

Figura 4.6: Força gravitacional excercida por r 2 − R2 + S 2


cos α = .
2rS
uma casca esférica sobre uma partı́cula punti-
forme externa a casca esférica. Portanto, a força pode então ser escrita como,
Z
GmM r+R 1 SdS r2 − R2 + S 2
F = 2
· ·
2 r−R S Rr 2rS
Solução 1 Como a massa M está distribuı́da Z r+R µ ¶
uniformemente sobre a casca esférica, então a GmM r 2 − R2
= 1 + dS
4Rr2 r−R S2
densidade volumétrica de massa ρ é dada por, · ¸¯r+R
GmM r2 − R2 ¯¯
M M = S− ¯
ρ= = 4Rr2 S r−R
V 4πR2 δe GmM
= [2R−
O módulo da força que o anel de largura Rdθ 4Rr2 µ ¶¸
¡ 2 ¢ 1 1
exerce sobre a massa puntiforme m, está ao r −R 2

r+R r−R
longo da linha que une o centro da casca · ¸
GmM ¡ 2 2
¢ −2R
esférica com a partı́cula, e é dada por = 2R − r − R
4Rr2 r 2 − R2
GmdM GmM
dF = cos α =
S2 r2
Prof. Salviano A. Leão 154

Este resultado mostra que força exercida por integração da força, ou seja,
uma casca esférica, com uma massa M dis- Z
GmM R+r 1 SdS r2 − R2 + S 2
tribuı́da uniformemente sobre sua superfı́cie, F = 2
· ·
2 R−r S Rr 2rS
em uma partı́cula puntiforme de massa m lo- Z R+r µ 2 2

GmM r −R
calizada a uma distância r do seu centro, é = 2
1+ dS
4Rr R−r S2
equivalente a força exercida por uma partı́cula · ¸¯R+r
puntiforme de massa M localizada no centro da GmM r2 − R2 ¯¯
= S− ¯
4Rr2 S
casca esférica sobre uma partı́cula puntiforme R−r
GmM
de massa m localizada a uma distância r de = [2r−
4Rr2 µ ¶¸
M. ¡ 2 ¢ 1 1
2
r −R −
R+r R−r
O que ocorrerá no caso em que a partı́cula · ¸
GmM ¡ 2 2
¢ −2r
puntiforme de massa m estiver localizada no = 2r − r − R
4Rr2 R2 − r 2
interior da casca esférica? Na figura 4.7 = 0
abaixo, ilustramos esta situação.
Este é um resultado surpreendente, pois ele
nos garante que a força resultante sobre uma
partı́cula puntiforme, no interior de uma casca
esférica massiva é nula, independentemente de
sua posição.

4.4 Centro de Gravidade


Considere uma massa puntiforme m na pre-
sença de um corpo extenso de massa M e den-
sidade volumétrica ρ(r), conforme mostra a fi-
gura 4.4. De acordo com a equação (4.4), a
força que a massa puntiforme m localizada no
ponto P exerce em cada porção puntiforme do
corpo extenso de massa M , está direcionada ao
Figura 4.7: Força gravitacional excercida por longo de uma linha que vai da partı́cula pun-
uma casca esférica sobre uma partı́cula interna tiforme de massa m ao elemento de volume de
a casca esférica. massa dM . Seja F a força resultante sobre m
localizada no ponto P , devido interação gravi-
tacional com o corpo extenso. Entretanto, da
terceira lei de Newton sabemos que a massa m
irá atrair o corpo extenso com uma força −F.

Portanto, sobre a linha de ação da força F,


Das considerações iniciais do item anterior, pode-se localizar um ponto CG (não necessari-
o que irá mudar neste caso são os limites de amente sobre o corpo extenso) a uma distância
Prof. Salviano A. Leão 155

extenso de massa M , ele não está na linha que


une o centro de massa de M ao ponto P onde
está m. O centro de massa irá coincidir com
o centro de gravidade somente nos seguintes
casos:

1. Se a massa m estiver longe de M , o campo


gravitacional sentido por todas as partes
do corpo extenso de massa M , será uni-
forme, ou seja, diferentes partes do corpo
extenso sentirão a mesma força, e neste
caso o centro de gravidade coincidirá com
o centro de massa.
Figura 4.8: Aqui mostramos o cálculo o centro
de gravidade (CG) no ponto P. 2. Para um corpo simétrico, tal como uma
esfera uniforme, o seu centro de gravidade
d da massa m sobre o qual pode-se concentrar coincide com o seu centro de massa (CM).
toda a massa do corpo extenso em um único
ponto, não alterando a força resultante sobre
a partı́cula puntiforme de massa m. A vanta- 4.5 Campo Gravitacional
gem de definir-se o centro de gravidade está no g
fato de poder-se tratar, a interação gravitacio-
nal entre o corpo extenso e a partı́cula punti- A força gravitacional exercida por uma
forme como uma interação gravitacional entre massa sobre uma outra é um exemplo de
duas partı́culas puntiformes. Deste modo, te- uma força cuja ação se dá à distância, ou
mos que a força resultante sobre m é como é mais conhecida, uma força de ação à
Mm distância1 . A fim de evitar o problema da ação
F =G 2 (4.5) à distância no caso da interação gravitacional,
d
Sobre estas condições, a força gravitacional en- introduz-se o conceito do campo gravitacional
tre o corpo extenso de massa M e a partı́cula g. Uma massa m ao ser colocada no espaço
de massa m é equivalente a uma única força vazio, irá produzir um campo gravitacional g
resultante atuando em M no ponto CG e F em todo o espaço, e será este campo que irá
atuando em m no ponto P . Os corpos exten- exerce uma força sobre uma segunda partı́cula
sos se comportam como se toda a massa es- massiva qualquer ao ser colocada em um ponto
tivesse centrada no ponto CG. O ponto CG 1
Uma demonstração eloqüente pode ser sentida du-
é chamado de Centro de Gravidade do corpo rante os contatos ente os astronautas na lua e a
extenso de massa M em relação ao corpo de base terrestre. A transmissão dos sinais era eletro-
magnética, levando a interações entre cargas e cor-
massa m localizado no ponto P . Se a posição
rentes da antena transmissora e da antena receptora.
da massa m no ponto P mudar, o mesmo ocor-
Quem acompanhou os contatos pela televisão percebia
rerá com a posição do centro de gravidade, o uma demora da ordem de 2 segundos entre perguntas
ponto CG. Em geral o centro de gravidade da base e a recepção das respostas da lua, isto se deve
não coincide com o centro de massa do corpo ao fato da distância Terra-Lua ∼= 1 segundo-luz.
Prof. Salviano A. Leão 156

P qualquer do espaço. Portanto, a força sobre a deformação do espaço por corpo carregado
a segunda massa será exercida pelo campo na (campo elétrico) será sentida somente por ou-
posição da mesma, e neste caso não mais é mais tro corpo carregado.
necessário preocupar-se com a massa que gerou
o campo gravitacional, para obter a força so-
bre a segunda massa, basta conhecer o campo
gravitacional naquele ponto. Em suma pode-
mos afirmar que, em qualquer região do espaço
onde uma massa experimenta uma força, dize-
mos que ela está na presença de um campo
gravitacional g. A força experimentada pela
massa é devida a presença de outras massas
naquela região, que alteram as propriedades do
espaço naquela região. A força gravitacional é
uma força de longo alcance, portanto, o campo
gerado por uma partı́cula massiva qualquer irá
alterar as propriedades de todo o espaço. Para
ilustrar o conceito de campo considere a fi-
gura 4.9 abaixo onde mostramos a superfı́cie
da cama deformada por uma bola de boliche,
esta deformação do espaço é o que chamamos
de campo. Já na figura 4.9(b) mostramos so-
mente a superfı́cie da cama deformada, ou seja,
só temos a deformação do espaço. Neste caso
ao colocarmos uma pequena bolinha de gude Figura 4.9: (a) Deformação de uma cama ao
ela irá se mover diretamente para o centro depositarmos uma bola de boliche. (b) So-
da deformação. Conhecendo a deformação do mente a deformação provocada pela bola de
espaço podemos dizer como será o movimento boliche.
de uma bolinha de gude na presença desta de-
formação. A deformação do espaço é que cha- Considere uma caixa fechada que contém
mamos de um campo. Devemos ressaltar aqui uma distribuição massiva desconhecida (por
que a deformação do espaço devido um corpo exemplo, poderia ser alguns corpos extensos
massivo (campo gravitacional), será sentida so- e algumas partı́culas puntiformes), conforme a
mente por outro corpo massivo2 , assim como figura 4.10. No ponto P trazemos N partı́culas
2
Aqui, devemos ressaltar que apesar de não ter puntiformes com uma massa de prova mi (onde
massa o fóton ainda assim sente a presença de um i = 1, 2, . . . , N , e estas massas devem ser pe-
campo gravitacional intenso. Em 1919 a teoria da rela- quenas o suficiente para não alterarem a dis-
tividade geral de Einstein, que prévia um espaço-tempo tribuição de massa na caixa). No ponto P me-
curvo, foi confirmada, quando uma expedição britânica dimos a força resultante Fi sobre cada massa
à África Ocidental observou uma pequena deflexão da
mi , e observamos que a razão g = Fi /mi é uma
luz ao passar perto do sol durante um eclipse. Este
evento foi uma evidência direta que o espaço e tempo são deformáveis.
Prof. Salviano A. Leão 157

constante. ser escrita como:


X X mj
F0 = F0j = −Gm0 2
· r̂0j = m0 g.
j j
r 0j
(4.6)
O campo gravitacional g num ponto é defi-
nido como a força resultante sobre uma massa
de prova puntiforme m0 colocada neste ponto,
dividida por m0 :
F0
g = lim (4.7)
m0→0 m0

Figura 4.10: Uma caixa fechada na qual temos o que equivale a definir o campo gravitacional
g como: X mj
uma distribuição de massas desconhecida.
g = −G 2
· r̂0j , (4.8)
j
r0j
A figura 4.10 mostra uma caixa fechada, na
ou na forma integral
qual temos uma distribuição de massas des-
Z
conhecida, podendo ser constituı́da por cor- r − r0
g = −G dm (4.9)
pos extensos assim como por um conjunto de |r − r0 |3
massas puntiformes m1 , m2 , m3 , . . ., etc, ar- O campo gravitacional de uma distribuição
bitrariamente dispostas no espaço. Se colocar- de massa é definido como a força por uni-
mos uma massa m0 num ponto nas vizinhanças dade de massa exercida pela distribuição de
deste sistema de massas, haverá sobre m0 uma massa sobre um corpo massivo de prova. O
força exercida pelas outras massas. A presença campo gravitacional g de uma distribuição de
da massa m0 perturba, em geral, a distribuição massa descreve a propriedade do espaço nas vi-
original das outras massas. No entanto, pode- zinhanças desta distribuição de tal modo que
mos imaginar que m0 seja suficientemente pe- ao se colocar em um ponto qualquer desta
quena para que o seu efeito sobre a distribuição região uma partı́cula de massa m, a força que
original de massas seja desprezı́vel. Esta pe- este campo exerce sobre a partı́cula é dada por
quena massa é uma massa de prova, pois é mg. Nas proximidades da superfı́cie terrestre
usada para evidenciar o campo das outras mas- o campo gravitacional g é aproximadamente
sas sem perturbá-las. A força resultante sobre constante e
m0 é igual à soma vetorial das forças exercidas,
MT
sobre m0 , pelas outras massas do sistema, cada g = −G 2 ≈ 9.8 m/s2
RT
uma isoladamente. Pela lei de Newton da gra-
vitação, cada uma destas forças é proporcional
a m0 então, a força resultante também será 4.6 Potencial Gravitacio-
proporcional a m0 . Pelo princı́pio da super- nal
posição, a força sobre uma massa puntiforme
m0 , devida a sua interação gravitacional com Como foi dito anteriormente a força gravi-
outras massas puntiformes fixas em posições tacional é uma força central ; isto é, ela é uma
predeterminadas, é proporcional a m0 , e pode força puramente radial, cuja origem é o centro
Prof. Salviano A. Leão 158

da força. Além disso, a força gravitacional é ou seja, que o trabalho realizado pela força F
esfericamente simétrica, isto é, a sua magni- é independe da trajetória, então a força F é
tude só depende da distância radial ao centro conservativa e pode ser escrita como
da força e não de sua direção. Portanto, pode- F = −∇U,
mos escrever uma força central esfericamente
simétrica como: onde U é a energia potencial. Quanto ao sinal
negativo, podemos dar a seguinte interpretação
Fr = f (r)r para ele: a natureza prefere os sistema de mais
baixa energia, portanto, a força resultante so-
mas uma força com esta forma funcional tem bre os corpos deve apontar para a região de
um rotacional nulo, ou seja, mais baixa energia.
Como a força resultante é conservativa pode-
∇ × Fr = 0 se definir uma função energia potencial U (r)
do corpo em tal campo de força central esfe-
Prova. A força F em coordenadas esféricas
ricamente simétrico. Portanto, ao levarmos o

corpo do ponto A ao ponto B ao longo de uma
Fr = f (r)rr̂, trajetória qualquer (ver figura 4.11) a mudança
Como o rotacional em coordenadas esféricas de energia potencial do corpo será
Z B
pode ser escrito como
∆U = UB − UA = − F · d` = −WA→B
¯ ¯ A
¯ ¯ (4.10)
¯ r̂ rθ̂ r sen θφ̂ ¯
¯ ¯
1 ¯ ∂ ∂ ∂ ¯ Do Teorema Trabalho Energia temos
∇ × Fr = 2 ¯ ¯ Z B
r sen θ ¯ ∂r ∂θ ∂φ ¯
¯ ¯
¯ Fr rFθ r sen θFφ ¯ ∆T = TB − TA = F · d` = WA→B (4.11)
A

Como a força é central Fθ = Fφ = 0, portanto Somando as eqs. (4.10) e (4.11), obtemos a


o rotacional reduz-se a conservação da energia, ou seja,
∆T + ∆U = TB + UB − (TA + UA )
θ̂ ∂ [rf (r)] φ̂ ∂ [rf (r)]
∇ × Fr = − ∆E = EB − EA = 0.
r sen θ ∂φ r ∂θ
= 0.
A força gravitacional entre duas partı́culas
de massas m e M respectivamente, separadas
por uma distância r é dada por
Desde que rotacional de uma força central é
GM m
nulo (∇×Fr = 0), então podemos concluir que F = − 2 r̂ (4.12)
r
todo sistema cuja força resultante é central, Portanto, a energia potencial gravitacional é
é um sistema conservativo, pois o teorema de dada por
Stokes garante que Z B
GM m
I Z U (rB ) − U (rA ) = − − r̂ · drr̂
A r2
F · dr = (∇ × F) · dS, ¯r
S GM m ¯¯ B
=−
r ¯rA
Portanto, I GM m GM m
F · dr = 0 = − +
rB rA
Prof. Salviano A. Leão 159

Por uma questão de conveniência, adota-se sempre introduzir uma função potencial gravi-
o ponto de energia potencial gravitacional zero tacional (Φ, a qual é uma quantidade escalar)
como sendo no infinito, e para tal, basta con- para representar este campo, fornecendo algu-
siderar que mas condições a serem satisfeitas. A condição
necessária é que ∇ × g = 0, com
lim U (rA ) = 0, (4.13)
rA →∞
F
g= e ∇×F=0 (4.18)
desta forma, pode-se definir uma função ener- m
gia potencial gravitacional como logo,
GM m ∇ × g = 0, (4.19)
U (r) = − . (4.14)
r e neste caso, pode-se definir
Observe que esta função deverá ser zero no in-
g ≡ −∇Φ pois ∇ × ∇Φ = 0 (4.20)
finito, satisfazendo a condição de contorno que
imposta pela eq. (4.13). É fácil ver que ela Aqui Φ é o potencial gravitacional, o qual está
satisfaz a condição imposta pois relacionado com a energia potencial gravitaci-
onal U por
lim U (r) = 0.
r→∞
F
Se o corpo de massa M for um corpo extenso, g= F = −∇U
m
com uma distribuição de massa contı́nua e de
forma arbitrária e limitada, a energia potencial 1
−∇Φ = (−∇U )
de uma partı́cula de massa m em um ponto a µ ¶ m
uma distância r da origem do sistema de coor- U
∇ Φ− = 0
m
denadas é
Z Assim,
Gmρ(r0 ) 0
U (r) = − dv . (4.15) 1
V |r − r |
0 Φ(r) = U (r). (4.21)
m
A intensidade do campo gravitacional, ou Portanto, o potencial gravitacional Φ(r)
o vetor campo gravitacional, ou simplesmente pode ser escrito na forma integral como
o campo gravitacional g é definida como a Z
ρ(r0 )
força por unidade de massa exercida sobre uma Φ(r) = −G 0|
dv 0 . (4.22)
V |r − r
partı́cula no campo gravitacional produzido
O significado fı́sico do potencial gravitacional
partı́cula de massa M . Isto é,
Φ(r) nada mais é do que o trabalho por uni-
F GM
g= = − 2 r̂ (4.16) dade de massa, pois
m r
dU dW
ou para um corpo extenso com uma distri- dΦ = =− . (4.23)
m m
buição de massa M , o campo gravitacional ge-
Existe uma certa energia potencial se um corpo
rado por esta distribução é
Z é colocado no campo gravitacional de uma dis-
r − r0
g = −G 0 |3
ρ(r0 )dv 0 . (4.17) tribuição de massa. Esta energia potencial re-
V |r − r side no campo, entretanto, é comun nestas cir-
Se existe um campo vetorial conservativo, cunstâncias usar o termo: energia potencial do
como é o caso do campo gravitacional, pode-se corpo.
Prof. Salviano A. Leão 160

Na verdade, o potencial gravitacional pode- bre a massa m é dado por


ria ser definido a menos de uma constante de Z B Z B
integração aditiva que não alteraria o seu gra- WA→B = F · d` = mg · dr
A A
diente. Por convenção, esta constante é to- Z B
mada como sendo zero para que Φ → 0 quando = −m ∇Φ · dr
A
r → ∞. O potencial no ponto r devido a uma Z B
distribuição volumétrica contı́nua de matéria = −m dΦ = −m (ΦB − ΦA )
A
de densidade ρ(r) é dado por
Z ou, pode-se escrever
ρ(r0 )
Φ(r) = −G dv 0 . (4.24) WA→B
|r − r0 | ΦB − ΦA = − .
m
Se a massa estiver distribuı́da sobre uma su-
Como a diferença de energia potencial é de-
perfı́cie, com uma densidade superficial de
finida por
massa σ(r), então o potencial é dado por
Z U (rB ) − U (rA ) = −WA→B
σ(r0 ) 0
Φ(r) = −G dS . (4.25)
|r − r0 | então, ela pode ser reescrita como
Entretanto, se a massa estiver distribuı́da so- U (rB ) − U (rA )
bre uma linha, com uma densidade linear de ΦB − ΦA = −
m
massa λ(r), então o potencial é dado por
Portanto, pode-se afirmar que o potencial
Z 0
λ(r ) 0 gravitacional Φ é a energia potencial U por
Φ(r) = −G 0
d` . (4.26)
|r − r | unidade de massa.
Considerando que o ponto A esteja no infi-
Uma interpretação fı́sica do potencial gravita-
nito onde, por convenção adotou-se que tanto
cional pode ser dada em termos do trabalho re-
o potencial Φ quanto a energia potencial U são
alizado pela força gravitacional sobre a massa
nulos, temos
de prova. Suponha que uma massa de prova m
seja deslocada do ponto A ao ponto B através U (r)
Φ(r) = .
de um caminho qualquer em um campo gra- M
vitacional, conforme mostra a figura 4.11. O Exemplo 45 Obtenha expressões para o po-
tencial gravitacional fora, dentro e no interior
de uma camada esférica de raio interno b e raio
externo a.

Solução 2 Considerando que a densidade


desta camada esférica seja uniforme, então
M 3M
ρ= = (4.27)
V 4π(a3 − b3 )
Figura 4.11: Trajetória de uma partı́cula de
O potencial gravitacional é
massa m em um campo gavitacional g.
Z
ρ(r0 )
trabalho realizado pela força gravitacional so- Φ(r) = −G 0
dv 0 . (4.28)
V |r − r |
Prof. Salviano A. Leão 161

que o ponto P está externo a camada (r > a),


temos
Z
2πGρ a 0 0 0
Φ(r) = − r dr 2r
r b
¯a
4πGρ r03 ¯¯
= −
r 3 ¯b
G 4π ¡ 3 ¢
= − a − b3 ρ
r 3
Figura 4.12: Camada esférica de raio interno GM
= −
r
b e raio externo a, com o ponto P externo a
camada. GM
Φ> (r) = −
r
O elemento de volume dv 0 em coordenadas Deste resultado, podemos concluir que para
esféricas é dado por efeito de cálculo, o potencial de uma distri-
buição esfericamente simétrica para pontos ex-
dv 0 = r0 sen θ0 dr0 r0 dθ0 dφ0
terno a distribuição, se comporta como se toda
logo, o potencial pode ser escrito como, massa estivesse concentrada em seu centro.
Z 2π Z π Z a 02 0 Se o ponto P estiver dentro da camada (r <
0 0 0 r dr
Φ(r) = −Gρ dφ sen θ dθ 0
b), os limites de integração em S, do potencial
0 0 b |r − r |
em (4.29) mudam para SM in = r0 −r e SM ax =
Z a Z π
sen θ0 dθ0 r0 + r, assim a integral pode ser escrita como
Φ(r) = −2πGρ r02 dr0 0
b 0 |r − r | Z Z 0
Fazendo, 2πGρ a 0 0 r +r
Φ(r) = − r dr dS (4.30)
S = |r − r | 0 r b r 0 −r

e usando a lei dos cossenos, da qual temos que Neste caso, o ponto P está localizado na região

S 2 = r2 + r02 − 2rr0 cos θ0

Do ponto de vista operacional é mais conveni-


ente eliminarmos a variável θ0 e mantermos a
variável S. Diferenciando a equação anterior,
obtemos
SdS = rr0 sen θ0 dθ0
sen θ0 dθ0 dS
= 0
S rr
Assim, o potencial toma a seguinte forma
Z Z 0
2πGρ a 0 0 r+r
Φ(r) = − r dr dS (4.29)
r b r−r0

Neste ponto devemos observar que os limites da Figura 4.13: Camada esférica de raio interno
integral em S, dependem da região onde está b e raio externo a, com o ponto P interno a
localizado o ponto P . Portanto para o caso em camada.
Prof. Salviano A. Leão 162

interna da camada, logo interna (b < r < a) da camada, logo


Z Z
2πGρ a 0 0 4πGρ r 02 0
Φ(r) = − r dr 2r Φ(r) = − r dr
r b r
¯a Z a b
= −2πGρ r02 ¯b
¡ ¢ 4πGρ r0 dr0
= −2πGρ a2 − b2 r
µ 2 ¶
a b3 r2
¡ ¢ = −4πρG − −
Φ< (r) = −2πGρ a2 − b2 2 3r 6
µ ¶
Este resultado nos mostra que o potencial gra- a2 b3 r2
ΦInt. (r) = −4πρG − −
vitacional é constante no interior da camada, 2 3r 6
não dependendo da localização do ponto P , ou Observe que a função potencial Φ(r) é continua
de sua distância r ao centro. nas interfaces. Assim temos que
A última situação é aquela em que o ponto
¡ ¢
P está no interior da camada (b < r < a). Φ< (b) = ΦInt. (b) = −2πGρ a2 − b2
Neste caso a integral do potencial em (4.29)
deve se desdobrar em duas partes como segue: GM
Φ> (a) = ΦInt. (a) = − .
a primeira integral é realizado sobre toda a dis- a
tribuição que tem o ponto P , como um ponto A componente radial do campo gravitacional (a
externo, enquanto a segunda integral é para única não nula) pode ser calculada da equação
aquela região que tem o ponto P , como um dΦ
ponto interno. Assim temos, g=−
dr
Z Z r0 +r
2πGρ r
0 0
Assim,
Φ(r) = − r dr dS
r b r−r0

Z Z 

r0 +r 0 Se r < b
2πGρ a 
 µ ¶
− 0
r dr 0
dS(4.31)  b3
r r r0 −r g(r) = −4πρG r − 2 Se b < r < a
 r

 GM
Neste caso, o ponto P está localizado na região 
 − Se r > a
r2
A figura 4.15 abaixo, mostra os gráficos do po-
tencial e do campo gravitacional em função de
r. Observe também que ambos o campo gravi-
tacional g e o potencial gravitacional Φ(r) são
funções contı́nuas na interface.

4.7 Lei de Gauss


A Lei de Gauss é uma nova formulação da
Lei de Newton da gravitação, a qual leva em
Figura 4.14: Camada esférica de raio interno b conta a simetria do sistema estudado, o que
e raio externo a, com o ponto P no interior da pode vir a reduzir a complexidade do problema
camada. a ser resolvido. Devemos salientar ainda que a
Prof. Salviano A. Leão 163

Figura 4.16: Arco de circunferência com um


ângulo θ.

Antes de definirmos o ângulo sólido, iremos


rever o conceito de um ângulo θ medido em
radianos.
Ângulo em Radianos: θ = ∆l r
Observe que o ângulo é sempre definido em
Figura 4.15: Camada esférica de raio interno b relação a uma origem e que sempre pode-se
e raio externo a. Aqui mostramos o comporta- imaginar um cı́rculo de raio b maior b > r ou
mento do potencial gravitacional e do campo menor b < r com a mesma origem, que terá
gravitacional em todas as regiões. então o mesmo ângulo. Pode-se então usar um
cı́rculo qualquer, desde que ele tenha a mesma
origem em relação a qual se deseja medir o
Lei de Gauss só será útil na resolução de pro-
ângulo. Observe ainda que o ângulo é uma
blemas que tenham algumas simetrias presen-
grandeza adimensional.
tes, e que nem sempre ela poderá nos ajudar a
No espaço tridimensional (3D), os objetos
resolver o problema que estamos abordando.
possuem um volume e uma área superficial.
Antes de iniciarmos o nosso estudo, iremos
Então para lidarmos com objetos no espaço
introduzir um conceito muito útil para o en-
3D, precisaremos nos preocupar com a área su-
tendimento da Lei de Gauss, que é o conceito
perficial do objeto. Para tal, definiremos em
de ângulos sólidos. Para definirmos o ângulo
analogia ao ângulo em radianos o que chama-
sólido, faremos uma analogia com o ângulo em
remos de elemento de ângulo sólido ∆Ω, o qual
radianos.
para uma esfera de raio r, conforme a figura
4.17 abaixo, é dado por:
4.7.1 Ângulo Sólido
dS dS
dΩ = 2
= 2(4.32)
Na figura 4.16 abaixo mostramos um arco de r r
circunferência de comprimento ∆` com um Observe que o elemento de ângulo sólido dΩ
ângulo θ. definido desta forma depende da origem o e in-
Prof. Salviano A. Leão 164

Figura 4.18: Ângulo sólido.


Figura 4.17: Elemento de ângulo sólido de uma
esfera de raio r. A questão aqui é será que uma área como na
figura 4.18(b) dividida por r2 é realmente igual
depende da distância a origem, já que a área
a da figura 4.18(a). Observe que quando defini-
da esfera é proporcional a r2 , e além disso é
se um elemento de ângulo sólido ele é infinitesi-
uma grandeza adimensional. Quando se trata
mal e esta questão perde o sentido, entretanto,
com um elemento de área defini-se um vetor
ao tentarmos descrever o ângulo sólido de uma
dS que é perpendicular a superfı́cie e aponta
superfı́cie qualquer em relação a uma origem,
para fora da mesma e o seu módulo é nume-
sempre podemos usar uma esfera de raio r com
ricamente igual a área daquele elemento de
a mesma origem, e medir a área da superfı́cie
área. Desta forma pode-se definir o elemento
projetada sobre a superfı́cie da esfera. Proce-
de ângulo sólido como
dendo desta forma temos o ângulo sólido do ob-
dS · n̂ dS cos θ
dΩ = = (4.33) jeto. Na figura 4.19 mostramos está situação e
r 2 r2
como realmente é a projeção sobre a superfı́cie
onde n̂ é um vetor unitário definido como
de uma esfera de raio r.
r
n̂ = = r̂ (4.34) Até o momento definimos o elemento de
|r|
ângulo sólido dΩ, dado pela equação (4.33),
A expressão (4.33) é o que chamamos de ele- entretanto, qual é o ângulo sólido que descreve
mento de ângulo sólido e trata-se de uma ex- todo o espaço? Para responder a está questão
tensão do conceito de ângulo plano expresso consideremos uma esfera de raio r, conforme
em radianos. O ângulo sólido é medido em es- mostrada na figura 4.17, então para obtermos
ferorradianos. Observe que o ângulo sólido é o ângulo sólido sobre todo espaço, basta so-
definido como um elemento de área dividido mar todos os elementos de ângulo sólido sobre
pelo quadrado da distância do mesmo a ori- a superfı́cie da esfera, assim
gem. I I I
dS 1 1
Na figura 4.18(b) seguir ilustramos o ele- Ω= dΩ = 2
= 2 · dS = 2 4πr2
S S r r S r
mento de ângulo sólido ∆Ω de uma superfı́cie
qualquer, mostrando que ele é equivalente ao
elemento de ângulo sólido de uma esfera de raio Ω = 4π.
r que tem a mesma origem, figura 4.18(a). Então, o ângulo sólido que descreve todo o
Prof. Salviano A. Leão 165

duas integrais devem ser iguais, logo por uma


questão de simplicidade faz-se a integral sobre
a superfı́cie S 0 , assim
I I 0 I
dS 1 0
Ω= dΩ = 2 = 2 · dS
S0
0
S 0 (r ) r S0

1
Ω= 4πr2 ⇒ Ω = 4π,
r2
Pode-se portanto concluir que, para uma su-
perfı́cie fechada arbitrária qualquer S a soma
de todos os elementos de ângulo sólido sobre
todo o espaço será igual a 4π, ou seja, que
Figura 4.19: Área de uma superfı́cie qualquer I
projetada sobre a superfı́cie de uma esfera de Ω = dΩ = 4π (S ∀O é interno à superfı́cie) .
S
raio r. (4.35)
Considere agora o caso de uma superfı́cie fe-
espaço é Ω = 4π. chada arbitrária qualquer S com a origem O
Considere agora uma superfı́cie fechada externa a superfı́cie, conforme mostra a figura
qualquer S de forma arbitrária com uma ori- 4.21 abaixo.
gem O interna a mesma como mostra a figura
4.20, neste caso o ângulo sólido é dado por

Figura 4.20: Superfı́cie fechada qualquer, com


a origem interna a mesma.
Figura 4.21: Superfı́cie fechada qualquer, com
I I a origem externa a mesma.
Ω= dΩ = dΩ
S S0 Neste caso, o elemento de ângulo sólido dΩ
Observe que ao percorrer toda a superfı́cie pode ser positivo ou negativo conforme θ seja
fechada S também percorre-se toda a su- agudo ou obtuso (o sinal muda com a direção
perfı́cie fechada S 0 de uma esfera de raio r de n̂).
com centro na mesma origem O. portanto, as n̂1 = −n̂2
Prof. Salviano A. Leão 166

dS1 · n̂1 dS2 · n̂2 Se O é um ponto sobre a superfı́cie S temos


dΩ = +
r12 r22 I
dΩ = 2π(S ∀e O sobre a superfı́cie).
I I I S
dS1 · n̂1 dS2 · n̂2 (4.37)
Ω = dΩ = +
S S1 r12 S2 r22 Portanto, pode-se sumarizar os resultados
I I
dS1 dS2 obtidos, expressando-os na forma compacta
= 2
− 2
=0
S1 r1 S2 r2 
I  4π
 O interno à superfı́cie S,
Se O é um ponto externo a S temos dΩ = 2π O sobre à superfı́cie S,
I S 

0 O externo à superfı́cie S.
dΩ = 0(S ∀e O externo a superfı́cie).
S De forma geral o elemento de ângulo sólido, por
(4.36)
ser infinitesimal, sempre pode ser visto como
Para finalizar, deve-se analisar o caso em que
na figura 4.23 abaixo.
a origem O em relação a qual determina-se o
ângulo sólido encontra-se sobre a superfı́cie fe-
chada, conforme a figura 4.22 abaixo.

Figura 4.23: Elemento infinitesimal de ângulo


sólido.

Figura 4.22: Cálculo do ângulo sólido, com a


origem sobre a superfı́cie. 4.7.2 Fluxo de Um Campo Veto-

Observe que se a origem encontra-se sobre


rial
a superfı́cie, sempre podemos considerar a su- Suponhamos que entre as margens de um rio,
0
perfı́cie S de uma semi-esfera de raio r, cuja com uma correnteza de velocidade constante
base tangencia a superfı́cie S somente no ponto v, estiquemos uma rede de pesca quadrada de
O. Desta forma, temos área A, e seja Φ a vazão volumétrica, isto é,
I I 0 I a taxa com que a àgua escoa através da rede
dS 1 0
Ω= dΩ = = 2· dS (volume por unidade de tempo). Essa taxa
0 2 r
S0 S 0 (r ) S0
depende do ângulo entre v e o plano da rede.
1 Quando v é perpendicular ao plano, como na
Ω = 2 2πr2 ⇒ Ω = 2π,
r Fig. 4.24 (a), a taxa é igual a Φ = vA.
Portanto, encontramos que o ângulo sólido que Quando a rede é paralela a correnteza, ne-
percorre um superfı́cie fechada S, cuja origem nhuma camada de àgua se move através dela,
encontra-se sobre a mesma é a metade do va- de modo que o fluxo através dela é igual a
lor quando a origem encontra-se no interior da zero. Para ângulos intermediários, a vazão vo-
superfı́cie. lumétrica de água que passa através da rede
Prof. Salviano A. Leão 167

Figura 4.24: Fluxo de um campo vetorial v,


Figura 4.25: Fluxo de um campo vetorial v,
através de diversas superfı́cies.
através da superfı́cie.

depende da componente da velocidade v que


sai na superfı́cie direita. Pois
é normal ao plano Fig. 4.24 (b). Uma vez
que esta componente vale vcosθ, a taxa de es- Φ < 0 =⇒ Campo vetorial entrando
coamento volumar através da malha é Φ =
na superfı́cie
v · S = Svcosθ. Para uma superfı́cie como
a mostrada na Fig. 4.24 (c), o que fazemos é Φ > 0 =⇒ Campo vetorial saindo
dividi-lá em pequenas superfı́cies infinitesimais da superfı́cie
de área dS, que terá também um fluxo infini-
Portanto, de forma geral, podemos sintetizar
tesimal dΦ = v · dS = dSv cos θ, logo o fluxo
os resultado obtidos anteriormente como
total através de toda a superfı́cie S, é a soma Z
destes fluxos infinitesimais, ou seja, (a) Φ = v · S (c) Φ = v · dS
I
X X
Φ = dΦi = vdSi cos θi (b) Φ = v · S (d) Φ = v · dS = 0
s
Zi i

= v · dS 4.7.3 Lei de Gauss Para o


s
Campo Gravitacional g
Aqui estamos considerando que a velocidade
v não muda através da superfı́cie S, mas o re- Consideremos agora uma massa puntiforme
sultado obtido é geral. Por exemplo, considere m e calculemos o fluxo de seu campo gravi-
o fluxo vetor v através da superfı́cie mostrada tacional g através de uma superfı́cie esférica
na figura 4.25 abaixo, concêntrica com a massa. Dado que r é o
raio da esfera, o campo gravitacional produ-
Φ = v1 dS1 cos θ1 + v2 dS2 cos θ2 zido pela massa em cada ponto da superfı́cie
+v3 dS3 cos θ3 + · · · esférica é
m
Φ = v g = −G ·br (4.38)
Z 1 · dS1 + v2 · dS2 + · · · r2
Φ = v · dS I I
s Φg = g · dS = gdS
SI S
O fluxo através da superfı́cie fechada, mos- m ¡ ¢
2
trada na Fig. 4.24 (d), é nulo porque o fluxo = g dS = −G 2
· 4πr
S r
que entra na superfı́cie esquerda é igual ao que = −4πGm
Prof. Salviano A. Leão 168

Portanto, pode-se escrever que o fluxo do Pode-se concluir que o fluxo do campo gravi-
campo gravitacional, através de uma superfı́cie tacional, através de uma superfı́cie fechada S
esférica fechada S, que contém um massa m é qualquer, que contém um massa m é dado por
dado por I
I Φg = g · dS = −4πGm (4.40)
Φg = g · dS = − 4πGm (4.39) S
S
e está expressão é a Lei de Gauss.
e está expressão é conhecida como Lei de Note que este resultado não depende de onde
Gauss. Consideremos agora uma massa m no a massa se encontra, desde que ela esteja no
interior da superfı́cie, pois basta fazermos uma
boa escolha da superfı́cie gaussiana, para ter-
mos a massa em um ponto simétrico em relação
a superfı́cie gaussiana.
Quando a massa se encontra fora da su-
perfı́cie fechada, o fluxo é zero. Observe que
cada elemento de superfı́cie que contribui com
um fluxo positivo possui um elemento oposto
que contribui com um fluxo negativo de mesma
magnitude (o ângulo sólido é o mesmo para os
dois elementos).
Quando várias massas puntiformes se encon-
tram no interior da superfı́cie, cada uma delas
Figura 4.26: Na figura temos uma superfı́cie contribui com um fluxo −4πGmi (note que só
fechada S qualquer, na qual inserimos uma su- as massas que estão no interior da superfı́cie
perfı́cie gaussiana esférica S 0 . contribuem). Assim, o fluxo total é dado por

interior de uma superfı́cie fechada arbitrária S. I  −4πGm m interna à S

Para calcularmos o fluxo através da superfı́cie g · dS = −2πGm m sobre à S
S 

S é difı́cil, mas sabemos que o fluxo através de 0 m externa à S
S é o mesmo que passa pela superfı́cie S 0 (a
superfı́cie gaussiana). Portanto, em vez de cal- onde, m é a massa total que se encontra no
cularmos o fluxo através da superfı́cie S, calcu- interior da superfı́cie S.
laremos o fluxo através da superfı́cie gaussiana Aqui faremos algumas considerações a res-
S 0 , assim peito da lei de Gauss. A lei de Gauss deve-se
I I aos seguintes fatos:
Φg = g · dS = g · dS
S S0
I 1. Uma lei de força que depende do inverso
m
= − G 2b r · dS do quadrado da distância.
S0 r
I
b
r · dS
= −Gm 2. Natureza central da força.
0 r2
IS
= −Gm dΩ = −4πGm. 3. Superposição linear da força.
S0
Prof. Salviano A. Leão 169

4.7.4 Aplicações da Lei de Gauss Como m = σS, logo


I
Plano Massivo Infinito Φg = g · dS = − 4πGm
S
−2Sg = −4πGm
Consideremos um plano infinito, com uma
σS
densidade superficial de massa σ uniforme. Va- g = 4πG = 2πσG
2S
mos calcular o campo gravitacional nas proxi-
midades da superfı́cie do plano. Para resol- Distribuição Esférica de Massa
vermos este problema, usando a Lei de Gauss,
Consideremos uma esfera maciça, com uma
devemos inicialmente encontrar uma superfı́cie
massa total M , distribuı́da uniformemente so-
que possua uma simetria adequada a este pro-
bre todo o seu volume, conforme mostra a fi-
blema. Como na proximidades da superfı́cie,
gura 4.28 abaixo. Usando a lei de Gauss, deter-
podemos considerar que o campo gravitacional
minaremos o campo gravitacional em pontos
deverá ter o mesmo valor, então a superfı́cie
localizados no interior da esfera e em pontos no
mais adequada seria um pequeno cilindro que
exterior da mesma. Como a distribuição massa
atravessa o plano.

g+ = −g− = −g b
z

Figura 4.27: Plano massivo infinito, com uma Figura 4.28: Esfera maciça, com um distri-
densidade superficial de massa σ uniforme. buição uniforme de massa.

é uniforme e esfericamente simétrica, então a


I
densidade de massa ρ da esfera é dada por:
Φq = g · dS
S ρ = M/V , onde M é a massa total da esfera
Z Z
e V = 34 πR3 é o volume de uma esfera de raio
= g · dS + g · dS
T opo F undo R. Assim,
Z
3M
+ g · dS ρ= (4.41)
lateral
4πR3
= −g+ S+ − g− S− + g` S` cos(90◦ ) O fluxo do campo gravitacional Φg , é dado por
= −g+ S+ − g− S− I
= −2gS Φg = ginterior · dS = −4πGm0 (4.42)
S1
Prof. Salviano A. Leão 170

logo,
Gm0
ginterior = −
.
r2
Como a densidade é dada por
M 3M
ρ= 3 = , (4.43)
4πR 3 4πR3
a massa m0 contida no interior da esfera de raio
r com r < R, pode ser escrita como
3M 4π 3 Figura 4.29: (a) Uma distribuição discreta de
m0 = ρ · V 0 = · r
4πR3 3 massa encerrada por uma superfı́cie gaussiana
³ r ´3
= M S. (b) Uma distribuição volumétrica de massa
R
de densidade ρ, encerrada por uma superfı́cie
Portanto, o campo gravitacional interno, é
gaussiana S.
GM r3 GM r
ginterior =− 2 · 3 =− 3 (4.44)
r R R Ao considerarmos o caso de uma distribuição
GM r
ginterior = − 3 (4.45) volumétrica de massa, figura 4.29(b), a massa
R total encerrada pela superfı́cie gaussiana S é
Nos pontos externos da esfera temos Z
I m= ρ(r)dv,
Φg = gexterno · dS = −4πGM V
S2
portanto, a lei de Gauss toma a seguinte forma
GM I Z
gexterno =− 2
r g · dS = −4πG ρ(r)dv.
S V

4.8 Forma Diferencial da O teorema do divergente nos garante que


I Z
Lei de Gauss: Equação g · dS = ∇ · gdv,
S V
de Poisson assim, usando o teorema do divergente pode-
mos reescrever a lei de Gauss como
Consideremos uma distribuição discreta de Z Z
massa, figura 4.29(a), encerrada por uma su- ∇ · gdv = −4πG ρ(r)dv
perfı́cie gaussiana S, em que a massa total é V V
Z
N
X [∇ · g + 4πGρ(r)] dv = 0
MT = mi (4.46) V
i Para que a integral acima seja sempre nula, o
Neste caso a lei de Gauss, toma a seguinte integrando deverá ser nulo, desta forma pode-
forma mos escrever
I
Φg = g · dS = −4πGMT ∇ · g = −4πGρ(r) (4.47)
S
N
X Esta equação é a lei de Gauss na forma dife-
= −4πG mi
i
rencial. Como vimos anteriormente o campo
Prof. Salviano A. Leão 171

gravitacional g está relacionado com o poten-Laplace, pode-se introduzir outras massas ao


cial gravitacional por g ≡ −∇Φ, eq. (4.20), problema, colocando-se de forma adequada as
substituindo esta expressão na equação (4.47),
condições de contorno do problema. Deve-
obtemos mos salientar novamente, que a distribuição
∇2 Φ = 4πGρ(r), (4.48)
de massa já está contida no campo, ou seja,
a qual é conhecida como a equação de Pois- o campo foi gerado por uma distribuição de
son. Em regiões do espaço onde a densidade massas.
de massa é nula, podemos escrever

∇2 Φ = 0, 4.9 Linhas de Força e Su-


que é a equação de Laplace para o potencial perfı́cies Eqüipotenci-
gravitacional Φ.
Agora, faremos algumas considerações a res-
ais
peito da lei de Gauss e da equação de Poisson. Consideremos uma massa que gera um
Observer que a lei de Gauss é uma ferra- campo gravitacional g. Desenhemos uma linha
menta com a qual pode-se obter o campo gra- que saı́ da perpendicularmente da superfı́cie
vitacional em um determinado ponto do espaço da massa, de tal modo que a direção da li-
sobre a superfı́cie gaussiana escolhida, devido nha seja a mesma do campo gravitacional g
a massa interna á superfı́cie gaussiana, pois naquele ponto. Esta linha se estende desde a
somente as massas internas a superfı́cie con- superfı́cie da massa até o infinito. Tais linhas
tribuem com um fluxo do campo gravitacio- são chamadas de linhas de força ou linhas de
nal não nulo, através da superfı́cie gaussiana. campo.
Deve-se ressaltar ainda, que isto só é possı́vel
Ao considerarmos uma massa pontual, as
se o campo gravitacional gerado pela deistri-
linhas de força serão retas que irão se esten-
buição de massa tiver algum tipo de simetria.
der de zero até o infinito. Nas vizinhanças de
No caso de uma distribuição de massa, na pre-
cada massa, as linhas do campo estão igual-
sença de um campo gravitacional externo, a Lei
mente espaçadas e são radialmente divergen-
de Gauss na sua forma integral, só nos permite
tes. A distâncias muito grandes de todas as
inferir algo a respeito do campo gravitacional
massas, a estrutura detalhada do sistema não
gerado pela distribuição massiva, e nada a res-
tem importância, e as linhas do campo são as
peito do campo resultante. Entretanto, resol-
do campo de uma única massa puntiforme, que
vendo a equação de Poisson, podemos conse-
têm a massa lı́quida do sistema. A fim de ter
guimos obter o campo resultante. Aparente-
uma referência cômoda, resumimos a seguir as
mente há uma certa incoerência com relação a
regras para traçar as linhas do campo gravita-
equação de Poisson, ou mesmo a de Laplace,
cional:
pois estas são conseqüências da lei de Gauss,
mas o campo (potencial gravitacional) que as 1. As linhas do campo gravitacional princi-
mesma fornecem não é somente da distribuição piam no infinito e terminam nas massas.
de massa ρ(r) (fato mais evidente na equação
de Laplace), limitada por uma superfı́cie gaus- 2. Ao divergir de uma massa as linhas do
siana. Ao resolver a equação de Poisson ou campo são simétricas em torno da massa.
Prof. Salviano A. Leão 172

3. O número de linhas do campo que di-


vergem de uma massa é proporcional à
massa.

4. A densidade de linhas (isto é, o número


de linhas por unidade de área perpendicu-
lar à direção das linhas) em torno de um
ponto é proporcional ao valor do campo
gravitacional neste ponto.
número de linhas Figura 4.30: Linhas de campo, do gampo gra-
ρLinhas ∝ ∝g
Área vitacional gerado por duas partı́culas puntifor-
mes.
5. A grandes distâncias de um sistema de
massas, as linhas do campo são uniforme- constante define uma superfı́cie eqüipotencial
mente espaçadas e radiais, como se fossem diferente. Na figura abaixo mostramos duas
as do campo de uma única massa punti- superfı́cies eqüipotenciais. É fácil mostrar que
forme igual à massa lı́quida do sistema de
massas.

6. Duas linhas do campo nunca têm um


ponto de cruzamento.

A regra 6 é conseqüência de o campo g ter


um único sentido em qualquer ponto no espaço
(exceto num ponto ocupado por uma massa
puntiforme, ou num ponto onde g = 0). Se
duas linhas do campo se cruzassem, o campo
g teria dois sentidos possı́veis no ponto de in-
terseção. A figura 4.30 mostra as linhas do
campo gravitacional de duas partı́culas pun-
tiformes com massas iguais. Nas vizinhanças Figura 4.31: Duas superfı́cies equipotenciais.
das massas, as linhas são radiais e divergem
das mesmas. O número de linhas que termi- as superfı́cies eqüipotenciais são perpendicula-
nam nas duas massas, são iguais, pois as duas res às linhas de força. Para isto considere dois
têm o mesmo valor. Neste caso, o campo gra- pontos infinitesimalmente próximos sobre uma
vitacional é intenso na região entre as massas, mesma superfı́cie (conforme figura 4.31). A di-
o que se percebe pela alta densidade de linhas ferença de potencial entre estes pontos é dada
do campo gravitacional que aparecem na figura por
4.30, nesta região.
dΦ = ∇Φ · d` = −g · d` = −gq d` (4.49)
Define-se uma superfı́cie eqüipotencial como
sendo o conjunto dos pontos onde o potencial onde d` é um elemento de deslocamento so-
assume o mesmo valor, ou seja, é conjunto dos bre a superfı́cie. Como todos os pontos sobre
pontos tais que Φ(x, y, z) = cte. Cada valor da uma mesma superfı́cie têm o mesmo potencial,
Prof. Salviano A. Leão 173

dΦ = 0. Assim, gq = 0, e portanto, g é per- Logo a força é dada por


pendicular à superfı́cie eqüipotencial.
F = −mg = −m∇Φ.
Exemplo 46 Considere um disco fino de Por simetria é fácil ver que F só tem uma com-
massa M e raio a. Obtenha a força sobre uma ponente ao longo do eixo z. Assim
massa m localizada no eixo do disco a uma
∂Φ
distância z do seu centro. Fz = −m
∂z · ¸
z
= 2πmσG √ −1
a + z2
ou ainda em termos das duas massas, Fz pode
ser escrita como
· ¸
2mM G z
Fz = − 1− √
a2 a + z2
Outra Solução: Cálculo direto de F.
A força sobre a massa m da figura 4.32
Figura 4.32: Disco com uma distribuição su- acima é dada por
perficial de massa uniforme σ. Z
r − r0
F = mg = −Gm 0 3
σdS
S |r − r |

Solução 3 Solução pelo Método do po- Por simetria, vemos que F só tem componte
tencial: ao longo do eixo z. Assim,
Z 2π Z a
A densidade superficial de massa M do disco σr0 dr0 z
Fz = −Gm dφ · √
é dada por 0
02
0 (r + z )
2
r02 + z 2
M Z a 0 0
σ = 2. r dr
πa = −2πmσGz 3/2
0 (r 02 + z 2 )
O potencial gravitacional é dado por: ¯
z ¯a
Z = 2πmσG √ ¯
σdS r + z ¯0
02 2
Φ(r) = −G , · ¸
|r − r0| z
S = 2πmσG √ −1
a + z2
onde s é a densidade superficial de massa · ¸
2mM G z
do disco, suposta constante. Em coordenadas = − 1− √
a2 a + z2
cilı́ndricas
Este resultado é o mesmo, obtido ao encontra-

dS = r0 dr0 dφ e |r − r0 | = r02 + z 2 mos primeiro o potencial gravitacional.

onde r0 = |r0 | e z = |r|. Desta forma, temos


Z Z
4.10 Problemas
2π a 0 0
r dr
Φ(r) = −Gσ √ dφ
02 2 1. Se o vetor campo gravitacional no interior
0

0
¯ra + z
¯ de uma distribuição esférica de massa for
= −2πσG r02 + z 2 ¯
h√ 0
i independente de r, qual a função ρ(r) que
= −2πσG a + z 2 − z . descreve a densidade?
Prof. Salviano A. Leão 174

2. Desprezando a resistência do ar, calcule 8. Considere um corpo massivo, de formato


a velocidade mı́nima (obtenha um valor arbitrário, e um superfı́cie esférica (ima-
numérico) que uma partı́cula deve ter na ginária) externa ao corpo (que não contém
superfı́cie da Terra para escapar do seu o corpo). Mostre que o valor médio do po-
campo gravitacional. Esta velocidade é tencial, devido ao corpo, tomado sobre a
chamada velocidade de escape. superfı́cie esférica é igual ao potencial no
centro da esfera.
3. Uma partı́cula encontra-se a uma
distância d de um centro de força. A 9. No problema anterior, considere que o
força é dirigida para o centro e tem corpo esteja no interior da superfı́cie
módulo dado por esférica. Agora, mostre que o valor médio
do potencial sobre a superfı́cie esférica é
mk 2 igual ao potencial que terı́amos na su-
F =
r3 perfı́cie da esfera se toda a massa do corpo
Mostre que a partı́cula demora um tempo estivesse concentrada no centro da esfera.
t = d2 /k para atingir o centro.
10. Considere um planeta (hipotético) de raio
R1 e densidade uniforme ρ1 coberto com
4. Calcule diretamente a força gravitacional
uma densa nuvem esférica de poeira de
sobre uma partı́cula de massa m situada
raio externo R2 e densidade ρ2 . Qual a
no exterior de uma esfera com uma densi-
força sobre uma partı́cula de massa m co-
dade homogênea de massa.
locada no interior da nuvem de poeira, a
5. Calcule o potencial gravitacional devido a uma distância r do centro do planeta?
uma barra fina de comprimento l e massa
11. Uma partı́cula é deixada cair dentro de
M em um ponto situado a uma distância
um (hipotético) buraco reto que atravessa
R do centro da barra, em uma direção per-
toda a Terra passando pelo seu centro.
pendicular à barra.
Desprezando efeitos rotacionais e supondo
que a Terra possua uma densidade uni-
6. Obtenha uma expressão integral para o
forme, mostre que a partı́cula executa um
potencial gravitacional devido a um anel
movimento harmônico simples. Calcule o
circular fino de raio a e massa M , em um
perı́odo das oscilações.
ponto situado no plano do anel, a uma
distância R do seu centro, no seu exterior. 12. Considere uma masssa distribuı́da unifor-
Supondo R À a, expanda a expressão do memente sobre todo o espaço (universo).
potencial e calcule os dois primeiros ter- Qual é o campo gravitacional em um
mos da série. ponto qualquer deste espaço?

7. Uma esfera uniforme de massa m e raio R 13. Considere um cilindro homogêneo de raio
é fixada a uma distância h acima de uma R e comprimento infinito. (a) Calcule o
folha fina e infinita de densidade superfi- vetor campo gravitacional em um ponto
cial de massa σ. Calcule a força exercida qualquer externo ao cilindro. (b) Calcule
pela esfera sobre a folha. o potencial gravitacional Φ(r) do cilindro
Prof. Salviano A. Leão 175

a uma distância r (r > R) do seu eixo, es-


colhendo habilmente um referencial para o
potencial. (c) Desenhe esquematicamente
as linhas de forças.

14. Considere um planeta de Raio R1 e massa


M , distribuı́da uniformemente sobre o
mesmo. Este planeta está envolto por
uma nuvem de gás de raio máximo R2 e
com uma densidade dada por:
(
ρ0 e−αr R1 ≤ r ≤ R2
ρ(r) =
0 De outro modo.
sendo ρ0 e α duas constantes. (a) Deter-
mine o campo gravitacional g em todas as
regiões do espaço. (b) Determine o poten-
cial gravitacional em todas as regiões do
espaço.

15. Calcule o vetor campo gravitacional de um


cilindro homogêneo de raio R e compri-
mento L em um ponto externo qualquer
sobre o eixo do cilindro.

16. Determine a energia de formação de um


sistema constituı́do por N partı́culas, cada
uma com uma massa mi em um ponto ri
do espaço, com i = 1, 2, . . . , N .

17. Calcule a auto-energia gravitacional (a


energia de formação so sistema, ou seja,
a energia necessária para trazer cada
partı́cula do sistema do infinito até o
ponto onde ela está) de uma esfera uni-
forme e massa M e raio R. (Sugestão:
pense que a esfera é construı́da como uma
casca de cebola, camada por camada).

18. Considere uma esfera de raio R e massa M


distribuı́da uniformemente sobre todo o
seu volume. Por integração direta, deter-
mie o campo gravitacional para um ponto
a uma distância (a) r, tal que r > R e (b)
para uma distância r, tal que r < R.
Capı́tulo 5

Cálculo Variacional

5.1 A Natureza Geral dos nenhuma distinção clara entre eles foi feita
até o tempo de Lagrange, que desenvolveu a
Problemas de Extre- técnica do cáculo das variações. O famoso pro-
mos blema de Dido, bem conhecido pelos antigos
geômetras, era um problema variacional o qual
envolvia a minimização de uma integral. Hero
Os problemas de extremos têm instigado o in-
de Alexandria, deduziu a lei da reflexão a par-
terese e a curiosidade em todas as épocas. Ao
tir do princı́pio de que um raio de luz o qual é
caminharmos em linha reta, é instintivamente
emitido no ponto A e vai até um certo ponto
a solução de um problema de extremo: quere-
B, após ser refletido por um espelho, atingirá
mos atingir o ponto final de nosso destino com
o seu destino no intervalo de tempo mais curto
o menor désvio possı́vel.
possı́vel (Ver figura 5.1). Fermat, extendeu
Matematicament falamos de um problema
este princı́pio para deduzir a lei da refração.
de extremo quando o maior ou o menor va-
Todos estes problemas foram resolvidos empre-
lor possı́vel de uma quantidade está envolvido.
gando essencialmente métodos geométricos. O
Por exemplo, desejamos encontrar o ponto
problema da braquistócrona, a curva descen-
mais alto de uma montanha ou o ponto mais
dente mais rápida – foi proposto por John Ber-
baixo de um vale, ou a trajetória mais curta
noulli e resolvido independentemente por ele,
entre dois pontos, ou a menor perda possı́vel
Newton e Leibniz. A equação diferencial básica
em um problema de iluminação ou de aqueci-
dos problemas variacionais foi descoberta por
mento, e muito outros problemas. Para obter-
Euler e Lagrange. Um método para a solução
mos a solução de tais problemas, um ramo es-
de problemas variacionais foi introduzido por
pecial da matemática, chamado de cálculo das
Lagrange em seu livro Mécanique Analytique
variações ou cálculo variacional, foi desenvol-
(1788).
vido.
Do ponto de vista formal, o problema de Os princı́pios de mı́nimos na fı́sica tem um
minimizar uma integral definida é considerado longo interesse histórico. A busca por tais
como próprio do domı́nio do cálculo variaci- princı́pios é baseada na noção de que a na-
onal, enquanto o problema de minimizar ou tureza sempre minimiza certas quantidades
maximizar uma função pertence ao domı́nio importantes quando um processo fı́sico ocor-
do cálculo ordinário. Historicamente, estes rer. O primeiro destes princı́pios de mı́nimo
dois problemas surgiram simultâneamente e foi desenvolvido no campo da óptica. Hero

176
Prof. Salviano A. Leão 177

Snell da refração2 .
Os princı́pios de mı́nimos continuaram a se-
rem procurados, e no fim do século XVII, o
inicio do cálculo das variações foi desenvolvido
por Newton, Leibniz e Bernoulli, quando pro-
blemas tais como o da braquistócrona e o da
forma de um cabo suspenso (uma catenária)
foram resolvidos.
A primeira aplicação de um princı́pio geral
de mı́nimo na mecânica foi feito em 1747 por
Maupertuis, que declarou que dinamicamente
Figura 5.1: Dedução da Lei de reflexão por o movimento ocorre com uma ação mı́nima3 . O
Hero de Alexandria. A trajetória que se deve Princı́pio de Mı́nima Ação de Maupertuis
seguir para ir de um ponto a outro no tempo foi baseado em fundamentos teológicos (a ação
mais curto é uma linha reta. A menor distância é minimizada através da ”vontade de Deus”),
e seu conceito de ação era muito vago (Lembre
entre dois pontos é uma reta, então ele proje-
que a ação é uma quantidade com dimensões
tou o ponto B dentro do espelho, resolvedo o
de Comprimento × Momentum ou Energia
problema.
× Tempo.). Somente mais tarde Lagrange
(1760) forneceu os fundamentos matemáticos
de Alexandria, dois séculos A.C., encontrou do princı́pio da ação. Embora seja comum
que a lei que governa a reflexão da luz po- usarmos uma forma a qual faz a transição
deria ser obtida assegurando que um raio de da mecânica clássica para a óptica e para a
luz, vai de um ponto ao outro após ser re- mecânica quântica, o princı́pio da ação mı́nima
fletido por um espelho, através do caminho é menos geral do que o princı́pio de Hamilton
mais curto possı́vel. Através de uma cons- e, de fato, ele pode ser deduzido dele. Não
trução geométrica simples, pode-se verificar fa- faremos uma discussão detalhada aqui4 .
cilmente que este princı́pio de mı́nimo conduz Em 1828, Gauss desenvolveu um método
a igualdade dos ângulos de incidência e re- de tratar a mecânica por seu princı́pio dos
flexão do raio de luz refletido por um espe- 2
Em 1661, Fermat deduziu corretamente a lei de re-
lho plano. O princı́pio de Hero da trajetória
fração, a qual tinha sido descoberta experimentalmente
mais curta não pode, entretanto, uma lei cor- em 1621 por Willebrord Snell (1591-1626), um prodi-
reta para a refração. Em 1657 Fermat refor- gioso matemático alemão.
3
mulou o princı́pio, postulando que um raio de Pierre-Louise-Moreau de Maupertuis (1698-1759),
luz sempre viaja de um ponto ao outro em um Matemático Francês e astrônomo. A primeira
aplicação de Maupertius para o princı́pio da mı́nima
meio através da trajetória que requer o me-
ação foi refazer a dedução de Fermat da lei de refração
nor tempo1 . O princı́pio de Fermat do tempo
(1744).
mı́nimo conduz, imediatamente, não somente 4
Veja, por exemplo, H. Goldstein, Classical Mecha-
a lei correta da reflexão, mas também a lei de nics, 2nd Edition, Addison-Wesley Publishing Com-
pany, Reading, Massachusetts, 1980, Cap. 2 e págs.
1
Pierre de Fermat (1601-1665), um advogado 365-371. Veja também A. Sommerfeld, Mechanics,
francês, lingüista e matemático amador. Academic Press, New York 1950, págs. 204-209.
Prof. Salviano A. Leão 178

vı́nculos mı́nimos; uma modificação foi feita e representamos isto da seguinte forma, J =
posteriormente por Hertz e incorporada em J[y, y 0 ].
seu princı́pio da curvatura mı́nima. Este Por exemplo, observer que o funcional J[y]
princı́pios5 estão intimamente relacionados ao definido por
princı́pio de Hamilton e não adicionam nada Z 1
ao conteúdo mais geral da formulação de Ha- J[y] = y(x)dx
0
milton; sua menção somente enfatiza o envol-
vimento contı́nuo com os princı́pios de mı́nimo terá para y(x) = 1 o seguinte resultado
Z 1
na fı́sica.
J[1] = 1 · dx = 1;
0

5.2 Formulação do Pro- Já para y(x) = ex ,


Z 1
blema x
J[e ] = ex dx = e − 1;
0

Discutiremos a seguir alguns aspectos básicos e para y(x) = cos(πx)


da técnica de cálculo variacional que serão Z 1
utilizados posteriormente para obter as for- J[cos(πx)] = cos(πx)dx = 0.
0
mulações lagrangeana e hamiltoniana da
mecânica. O problema fundamental do cálculo Portanto, viu-se que para cada função y(x)
variacional é determinar a função y(x) tal que o funcional J[y] tem um valor diferente.
a integral A formulação do problema do problema va-
Z x2 riacional pode ser feita em termos de uma re-
J= f {y(x), y 0 (x); x} dx (5.1) presentação paramétrica y(x) = y(α, x) para a
x1
função y tal que para α = 0
seja um extremo (máximo ou mı́nimo). A
notação usada y 0 (x) = dy(x)/dx é a derivada y(0, x) = y(x) (5.2)
primeira da função y(x) e o ponto e vı́rgula é a função que dá um extremo para J. Pode-
dentro da chave separa as variáveis dependen- mos escrever
tes y(x) e y 0 (x) da variável independente x;
f é uma função das funções y(x), y 0 (x) e x y(α, x) = y(0, x) + αη(x) (5.3)
e os pontos limites da integral (x1 , y(x1 )) e
onde η(x) é uma função de x que possui
(x2 , y(x2 )) são fixos. Devemos encontrar a
derivada primeira contı́nua e que obedece à
função y(x) para a qual J assume um valor
condição
extremo.
η(x1 ) = η(x2 ) = 0 (5.4)
Devemos observar que o resultado da inte-
gral (5.1) independe da váriavel de integração Esta condição é necessária para que y(α, x) e
x, mas depende das funções y(x) e y 0 (x), então y(x) sejam iguais nos pontos inicial e final (que
dizemos que J é um funcional de y e de y 0 (x), são fixos). A situação é ilustrada na figura
5
abaixo. Com a nova notação, a integral J pode
Veja, por exemplo, Lindsay and Margenau, Foun-
dations of Physics, Wiley, New York 1936, págs. 112-
ser considerada função do parâmetro α:
Z x2
120 ou A. Sommerfeld, Mechanics, Academic Press,
New York 1950, págs. 210-214).
J(α) = f {y(α, x), y 0 (α, x); x} dx (5.5)
x1
Prof. Salviano A. Leão 179

A condição de que J assume um valor extremo


para α = 0 pode ser escrita como
¯
dJ(α) ¯¯
=0 (5.6)
dα ¯α=0
Note que esta condição deve ser obedecida
qualquer que seja a função η(x).

Figura 5.3: Trajetória real e a trajetória ten-


tativa.

Z 2π
J(α) = (1+2α cos x+α2 cos2 x)dx = 2π+α2 π
0

Figura 5.2: Formulação do problema variaci- A condição de que J possui um valor esta-
cionário é obtida para
onal. O caminho ótimo entre dois pontos, é
aquele o qual J terá um valor extremo. dJ(α)
= 2απ = 0

que obviamente é satisfeita para α = 0.
Exemplo 47 Considere a função f = y 0 2
onde y(x) = x. Adicione a y(x) a função
5.3 A equação de Euler
η(x) = x, e obtenha J(α) entre os limites
x = 0 e x = 2π. Mostre que o valor esta- Para obter uma condição de extremo para J
cionário (extremo) de J(α) ocorre para α = 0. vamos desenvolver a derivada
Solução: Z x2
dJ d
Podemos escrever = f {y, y 0 ; x} dx
dα dα x1

Uma vez que os limites de integração são fi-


y(x) = x (5.7) xos podemos trocar a ordem da derivação (em
y(α, x) = x + α sen x (5.8) relação a α) com a integração (em relação a x).
Assim
Note que y(x) = y(α, x) para α = 0. Ob-
serve também que η(0) = η(2π) = 0. Z x2 µ ¶
dJ ∂f ∂y ∂f ∂y 0
dy(α, x) = + dx
y0 = = 1 + α cos x dα x1 ∂y ∂α ∂y 0 ∂α
dx
Da equação (5.11) temos

2
∂y
f = y 0 = 1 + 2α cos x + α2 cos2 x = η(x)
∂α
Prof. Salviano A. Leão 180

∂y 0 ∂ ∂y ∂ ∂y dη(x) Exemplo 48 Considere uma partı́cula


= = =
∂α ∂α ∂x ∂x ∂α dx movendo-se em um campo de força constante
de forma que
Z x2 µ ¶ (a gravidade, por exemplo) partindo do re-
dJ ∂f ∂f dη(x) pouso do ponto (x1 , y1 ) para o ponto (x2 , y2 ).
= η(x) + 0 dx (5.9)
dα x1 ∂y ∂y dx
Obtenha o caminho através do qual a partı́cula
O segundo termo pode ser integrado por par- vai de um ponto a outro no menor tempo
tes, onde possı́vel.
Z Z
udv = uv − vdu Solução:
Considere um sistema de coordenadas tal
Fazendo que (x1 , y1 ) esta na origem e o compo de força
µ ¶
∂f d ∂f aponte ao longo do eixo x. Vamos chamar de g
u = 0 =⇒ du = dx
∂y dx ∂y 0 a aceleração (constante) da partı́cula de forma
dη(x) que Fx = mg
dv = dx =⇒ v = η(x)
dx
temos
Z x2 ¯x2
∂f dη(x) ∂f ¯
dx = η(x)¯
0 dx ∂y 0 ¯
x1 ∂y x
Z x2 1µ ¶
d ∂f
− η(x) dx
x1 dx ∂y 0
O primeiro termo é nulo porque
η(x1 ) = η(x2 ) = 0
Assim (5.12) pode ser escrita como
Z x2 µ ¶
dJ ∂f d ∂f
= − η(x)dx (5.10) Figura 5.4: Caminho seguido por uma
dα x1 ∂y dx ∂y 0 partı́cula em um campo de força constante.
É importante notar que, embora não esteja
explı́cito, a expressão acima depende de α por- Adotando a convenção U (x) = 0 para x = 0,
que y e y 0 dependem parametricamente de α. podemos escrever
A condição de estabilidade
¯ U (x) = −mgx
dJ ¯¯
=0
dα ¯α=0 A energia mecânica é dada por
deve ser satisfeita para qualquer função η(x),
1
de forma que devemos ter U (x) = T + U = mv 2 − mgx
2
∂f d ∂f
− =0 Como não há força dissipativa, a energia
∂y dx ∂y 0
mecânica é conservada. No ponto incial te-
onde, agora, y e y 0 são funcões originais, inde-
mos T = U = E = 0, de forma que podemos
pendentes de α (fizemos α = 0). A equação
escrever
(5.12) e conhecida como equação de Euler e
1 2 p
dá a condição sobre y(x) para que J assuma mv − mgx = 0 =⇒ v = 2gx
um valor extremo. 2
O tempo que a partı́cula gasta para ir do ponto
Prof. Salviano A. Leão 181


inicial ao ponto final é 2ax − x2 = a sen θ
Z Z p 2
ds dx + dy 2 Assim.
t= = √ Z
v 2gx
Z x2 r y= a(1 − cos θ)dθ = a(θ − sen θ) + C
1 1 + y02
=√ dx
2g x1 x
A condição inicial, x = y = 0, nos leva a
onde os limites das duas primeiras integrais C = 0. Portanto, as equações paramétricas
são (x1 , y1 ) e (x2 , y2 ). Observe que esta inte- da curva são:
gral tem o formato 5.1. Podemos identificar f
como x = a(1 − cos θ)
r
1 + y02
f= y = a(θ − sen θ)
x
Como A curva obtida é chamada ciclóide e é mos-
∂f
=0 trada na figura 5.8 abaixo. A constante a deve
∂y
a equação de Euler pode ser escrita como ser ajustada para que a curva passe pelo ponto
(x2 , y2 ).
d ∂f
=0
dx ∂y 0
Assim
∂f
= cte = 0
∂y 0
Derivando a função f em relação a y 0 , temos
y0
p =A
x(1 + y 0 2 )

Elevando ao quadrado,

y02 Figura 5.5: A ciclóide.


= A2
x(1 + y 0 2 )

Isolando y 0 , temos
dy x x
y0 = =px = √
dx A2
− x2 2ax − x2 Exemplo 49 Considere uma superfı́cie ge-
rada pela revolução em torno do eixo y de uma
onde fizemos 1/A2 ≡ 2a. Integrando, temos
curva y(x) que passa pelos pontos fixos (x1 , y1 )
Z
xdx e (x2 , y2 ). Obtenha a equação da curva tal que
y= √
2ax − x2 a área da superfı́cie gerada pela revolução seja
um mı́nimo.
Esta integral pode ser calculada através da se-
Solução:
guinte mudança de variável:
O elemento de área da figura 5.8 acima é
x = a(1 − cos θ) dado por
p
dx = a sen θdθ dA = 2πxds = 2πx dx2 + dy 2
Prof. Salviano A. Leão 182

5.4 A segunda forma da


equação de Euler
A equação de Euler pode ser escrita em uma
outra forma que é conveniente quando f não
depende explecitamente de x, ou seja, quando
∂f
=0
∂x
Para tal vamos tomar derivada de f , dada por
df ∂f dy ∂f dy 0 ∂f
= + 0 +
dx ∂y dx ∂y dx ∂x
Figura 5.6: Superfı́cie gerada pela revolução da
∂f ∂f ∂f
função y(x) em torno do eixo y. = y0 + y 00 0 + (5.11)
∂y ∂y ∂x

Assim Por outro lado,


Z p µ ¶
A = 2π dx2 + dy 2
x d 0 ∂f d ∂f ∂f
y 0 = y0 0
+ y 00 0 (5.12)
Z x2 q dx ∂y dx ∂y ∂y
= 2π x 1 + y02
x1 Subtraindo em (5.11) e (5.12), temos
A função f é dada por µ ¶ µ ¶
q df d 0 ∂f ∂f 0 ∂f d ∂f
− y 0 = +y −
f = x 1 + y02 dx dx ∂y ∂x ∂y dx ∂y 0

Como no exemplo anterior, O termo entre parênteses é mulo por causa da


∂f d ∂f equação de Euler. Se f não depender expli-
= 0 =⇒ =0 citamente de x, podemos escrever
∂y dx ∂y 0
∂f xy 0 µ ¶
= p =a d 0 ∂f
∂y 0 f −y 0 =0
1 + y02 dx ∂y
Isolando y 0 , ou
dy a ∂f
y0 = =√ f − y0 = cte
dx x2 − a2 ∂y 0
Integrando,
Z
adx Exemplo 50 Uma geodésia é uma linha que
y= √
x 2 − a2 representa o caminho mais curto entre dois
A solução desta integral é pontos quando o caminho é restrito a uma su-
³ ´
−1 x perfı́cie particular. Obtenha a geodésia sobre
y = a cosh +b
a
uma esfera.
que é conhecida como a equação de uma ca-
Solução:
tenaria. Pode-se mostar que esta é a curva
O elemento de comprimento sobre uma su-
na qual uma corda penderia quando amarrada
perfı́cie esférica de raio R é
com os pontos extremos fixos.
q
ds = R dθ2 + sen2 θdφ2
Prof. Salviano A. Leão 183

A distância entre dois pontos 1 e 2 sobre a su- Definindo √


perfı́cie da esfera pode ser escrita como 1 − a2
β=
s a
Z 2 µ ¶2
dθ podemos escrever
s=R sen2 θ + dφ
1 dφ µ ¶
−1 cot θ
Assim, f não depende de φ, é conveniente usar φ = −sen +α
β
a segunda forma da equação de Euler que nos
ou
leva a
p p − cot θ = β sen(φ − α)
2 0 2 0 ∂ 2 0 2
sen θ + θ − θ 0 sen θ + θ = cte = a
∂θ ou ainda
ou
p θ0 2 − cot θ = β cos α sen φ − β sen α cos φ
2
sen θ + θ − p
2 0 =a
sen2 θ + θ0 2 Para facilitar a interpretação deste resultado é
ou ainda conveniente expressá-lo em termos de coorde-
p nadas cartesianas. Para isto, vamos multipli-
sen2 θ = a sen2 θ + θ0 2
car a equação acima por R sen θ:
0
Isolando θ , temos
µ ¶ β cos αR sen θ sen φ−β sen αR sen θ cos φ
02 sen4 θ a2
θ = 1−
a2 sen2 θ = −R cos θ
r
2
dθ sen θ a2 Como α e β são constantes, podemos definir
θ0 = = 1−
dφ a sen2 θ
Integrando. β cos α = −A β sen α = B
Z Z
adθ acsc2 θdθ
φ= q = √ As coordenadas cartesianas de um ponto sobre
sen2 1 − sen a2 1 − a2 csc2 θ
2θ a superfı́cie da esfera são dadas por
O denominador pode ser escrito como
q x = R sen θ cos φ y = R sen θ sen φ z = R cos θ

1 − a2 csc2 θ = 1 − a2 (1 + cot2 )
q Dessa forma, podemos escrever
= (1 − a2 ) − a2 cot2 θ
Ay + Bx = z
Fazendo a substituição

u = a cot θ =⇒ du = −a csc2 θdθ Esta é a equação de um plano que passa pelo


centro da esfera. Assim, a geodésica e um seg-
temos mento da curva obtida da interseção do plano
Z
du com a superfı́cie da esfera (um arco de circun-
φ=− p
(1 − a2 ) − u2 ferência). Observe que esta interseção define
µ ¶
−1 u dois caminhos extermos:um é o caminho mais
= −sen √ +α
1 − a2 curto (linha sólida) e o outro é o caminho lo-
µ ¶
−1 a cot θ calmente mais longo (linha pontilhada).
= −sen √ +α
1 − a2
Prof. Salviano A. Leão 184

devemos ter uma equação de Euller para cada


variável dependente, ou seja,

∂f d ∂f
− =0 i = 1, 2, . . . , n
∂yi dx ∂yi 0

5.6 Equações de Euler com


condições de vı́nculo
Supnha, por exemplo, que desejamos determi-
nar o caminho mais curto entre dois pontos
Figura 5.7: Geodesica, trajetória sobre uma sobre uma superfı́cie particular. Além da sen-
superfı́cie. tença de que o caminho deve ser mı́nimo, te-
mos a condição de que o caminho deve estar
5.5 Funções com várias restrito á superfı́cie especificada. Por exemplo,
a condição de que o caminho deve estar restrito
variáveis dependentes à superfı́cie de uma esfera pode ser escrita, em
coordenadas cartesianas, como
Nos casos mais comuns encontrados em
mecânica, a função f é função de várias
x2 + y 2 + z 2 − R 2 = 0
variáveis dependentes. Suponha, por exemplo,
que ou, em coordenadas esféricas, como
f = f {y(x), y 0 , z(x), z 0 (x); x}
r−R=0
Em analogia com a equação 5.2, podemos es-
crever Condições restritivas deste tipo são conhecidas
y(α, x) = y(0, x) + αη(x) como equações de vı́nculo.
z(α, x) = z(0, x) + αξ(x) Considere novamente o caso em que

Seguindo os passos da seção 5.12 chegamos a f = f {y(x), y 0 , z(x), z 0 (x); x}


Z x2 X ½µ ¶
dJ ∂f d ∂f Supomha que temos uma equação de vı́nculo
= − η(x)+
dα x1 ∂y dx ∂y 0 do tipo
µ ¶ ¾
∂f d ∂f
+ − ξ(x) dx g{y, z; x} = 0 (5.13)
∂z dx ∂z 0
Assim
Como η(x) r ξ(x) são indepnedentes e ar-
britrárias, devemos ter ∂d ∂g ∂y ∂g ∂z
= + =0
∂α ∂y ∂α ∂z ∂α
∂f d ∂f ∂f d ∂f
− =0 e − =0 ou
∂y dx ∂y 0 ∂z dx ∂z 0 ∂g ∂g
η(x) = − ξ(x)
∂y ∂z
Em um caso mais geral onde
Observe que, por causa da equação de vı́nculo,
0
f = f {yi (x), yi (x); x} i = 1, 2, . . . , n η(x) e ξ(x) não são independentes. Expres-
Prof. Salviano A. Leão 185

sando ξ(x) em termos de η(x), podemos escre- Exemplo 51 Considere um disco que rola
ver sem deslizar sobre um plano inclinado (figura).
Z x2 ½µ ¶
dJ ∂f d ∂f Determine a equação de vı́nculo em termos das
= −