Você está na página 1de 3

Alfabetização na perspectiva da consciência fonológica: desafios

contemporâneos emergentes

Diante das dificuldades de aprendizagem no âmbito da alfabetização das


crianças ressaltamos a necessidade de trabalhar as habilidades de consciência
fonológica como um instrumento facilitador do processo de aprendizagem de
leitura e escrita. Os estudos sobre a aprendizagem de leitura e escrita têm
apontado para a relevância do desenvolvimento das habilidades
metalinguísticas nesse processo.

A consciência fonológica é a capacidade de refletir sobre os sons, os


quais compõem a fala e sua organização na formação das palavras. O
processamento fonológico corresponde ao uso da informação baseada na
estrutura dos sons de uma língua (MARCHETTI, MEZZOMO, e CIELO, 2010).

Para Soares (2017) no processo de alfabetização e letramento uma


etapa importante é fazer com que a criança compreenda que a escrita
representa os sons da fala. É necessário que a mesma entenda que a
habilidade que se tem ao falar será ampliada em novas habilidades como
escrever e ler, compreender que a língua se decompõe em unidades menores.
Ao dominar esse processo, a criança avançará no domínio da consciência
fonológica.
De acordo com Camilo e Mota (2013) é possível encontra consenso na
literatura quanto às habilidades de consciência fonológica, os estudos
descrevem que a mesma consiste na habilidade de refletir sobre os sons que
compõem a fala, é considerada um importante precursor da alfabetização. A
consciência fonológica é parte das habilidades metalinguísticas, ou seja, da
habilidade da criança manipular a língua como objeto do pensamento. Estudos
realizados em várias línguas têm demonstrado que as crianças que têm melhor
desenvolvimento das habilidades metalinguísticas são também as crianças que
terão melhor desempenho na alfabetização.

Compreende-se por habilidades metalinguísticas segmentar e


manipular a fala em suas diversas unidades palavras, sílabas e fonemas,
perceber semelhanças sonoras entre palavra. De acordo com alguns autores,
estudados por Novaes et. al, (2013) existe uma relação causal entre
consciência fonológica e aprendizagem da leitura e escrita, pois alguns níveis
antecedem a aquisição da linguagem escrita, enquanto outros são
possivelmente mais um resultado da aquisição da leitura e da escrita. Alguns
pesquisadores apontam para uma relação de reciprocidade entre o
desenvolvimento das habilidades metalinguísticas e da leitura e escrita.

É importante ressaltar que a habilidade da consciência fonológica não


é considerada uma relação inata ao ser humano é uma habilidade adquirida.
Para Morais (2019) o desenvolvimento das habilidades de consciência
fonológica certamente não é uma questão maturacional, definida por um relógio
biológico universal, que estaria no genoma de todos os aprendizes da espécie
humana.

Segundo Lopes (2004, p. 01), é importante ressaltar que a consciência


fonológica está no processo de aprender a ler e escrever, e que cada vez que a
criança avança ao reconhecer e aliar objetos e figuras com as silabas á
consciência fonológica está sendo estimulada.

A consciência fonológica é uma habilidade fundamental a ser


trabalhada e assim contribuir para a efetivação do processo de alfabetização
das crianças,
CAMILO, Cristiane Santos Lima; MOTA, Márcia Maria Peruzzi Elia da. Prática Pedagógica e o
Desenvolvimento da Consciência Fonológica. Estud. pesqui. psicol.,  Rio de Janeiro ,  v. 13, n. 2, p.
447-459, ago.  2013 .   Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-
42812013000200004&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  07  nov.  2021.

TREINAMENTO BREVE DE CONSCIÊNCIA


FONOLÓGICA: IMPACTO SOBRE A
ALFABETIZAÇÃO
Carolina Bernardi de Novaes; Fabíola Mishima; Patrícia Leila dos Santos

Artigo Original - Ano 2013 - Volume 30 - Edição 93


http://www.revistapsicopedagogia.com.br/detalhes/95/treinamento-breve-de-consciencia-
fonologica--impacto-sobre-a-alfabetizacao

MORAIS, Arthur . Consciência fonológica na educação infantil e no ciclo


de alfabetização. Integrada Minha Biblioteca. Belo Horizonte, 2019, p. 122-
241. Disponível
em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/reader/books/9788551305201/pag
eid/123. Acesso em: 14 set. 2021.