Você está na página 1de 6

RESOLUÇÃO UNESP Nº 104, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2019.

Institui o Sistema de Convênios da Unesp, regulamenta a tramitação e a análise de


propostas de Convênio, Protocolo de Intenções, Acordo de Cooperação, ajustes do
gênero e respectivos Termos Aditivos, nos quais a Unesp figure como parte.

O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JÚLIO DE MESQUITA FILHO”, no


uso de suas atribuições, de acordo com o inciso IX do artigo 24 do Regimento Geral da Unesp e
tendo em vista o deliberado pelo Conselho Universitário, em sessão de 27/06/2019 (Despacho nº
130/2019-CO/SG), baixa a seguinte RESOLUÇÃO:

Artigo 1º - Fica instituído o Sistema de Convênios da Unesp, que registrará procedimentos e a


prática de atos concernentes aos Convênios, Protocolos de Intenção, Acordos de Cooperação e
ajustes do gênero, e os respectivos Planos de Trabalho e Termos Aditivos.

§ 1º - As informações sobre os termos de Convênio, com respectivos planos de trabalho, as


análises técnicas e apreciações de mérito pertinentes serão registradas de forma eletrônica no
Sistema, dispensados outros registros em papel, observando-se, no que couber, por analogia, a
Lei Federal nº 11.419, de 19 de dezembro de 2006, e a Lei de Processo Administrativo Estadual
nº 10.177, de 30 de dezembro de 1998, em especial, os princípios da finalidade, motivação,
razoabilidade, moralidade, interesse público, economia, celeridade processual e eficiência.

§ 2º - O acesso ao sistema para inserção de dados far-se-á mediante a utilização de senha


pessoal e intransferível, sendo de responsabilidade do usuário sua guarda e seu sigilo.

§ 3º - Os dados informados e os documentos digitalizados integrantes do processo eletrônico


serão considerados válidos e íntegros, para todos os efeitos legais, ressalvada a alegação
fundamentada de adulteração, que será processada na forma da legislação aplicável.

Artigo 2º - O processo eletrônico de convênios será cadastrado no sistema pelo Coordenador do


projeto ou por quem ele designar, sendo acompanhado do plano de trabalho e dos demais
elementos necessários à sua apreciação e formalização.

§ 1º - Eventuais esclarecimentos complementares ou ajustes solicitados pelos órgãos


responsáveis pela análise técnica ou pelos colegiados competentes para apreciação de mérito
deverão ser apresentados no próprio sistema como condição para formalização.

§ 2º - O sistema poderá aproveitar, quando possível, os dados inseridos em outros sistemas da


Universidade e, reciprocamente, disponibilizar as suas informações para outros sistemas da
Universidade e para a geração de relatórios que contribuam para oferecer visão geral e
transparência sobre as atividades desenvolvidas.

Artigo 3º - As propostas de Convênios e respectivos Termos Aditivos, nos quais a Unesp figure
como parte, deverão conter os seguintes atos e procedimentos:

I - exposição de motivos que justifique a celebração do ajuste, com proposta formalizada pelo
interessado, a qual será encaminhada ao Chefe do Departamento, ou ao Conselho de Curso no
caso das Unidades que não possuem Departamentos, que a submeterá ao Conselho de
Departamento, ou ao Conselho de Curso nas unidades que não possuem Departamentos, para
votação, na forma eletrônica. Após, os autos seguirão ao Diretor da Unidade, ou ao Coordenador
Executivo, para manifestação motivada e submissão a uma das Comissões Permanentes
Assessoras da Congregação ou do Conselho Diretor, nos termos do inciso XI deste artigo;

II - minuta do instrumento a ser celebrado, que deverá estar de acordo com minuta-padrão
inserida no sistema e, se não houver, minuta previamente aprovada pela Assessoria Jurídica, não
sendo admitido convênio genérico, fora dos termos do art. 116 da Lei nº 8.666/93, com exceção,
nesse aspecto, do Protocolo de Intenções;

III - indicação da Fundação interveniente, quando for o caso, com manifestação da mesma;

IV - descrição do projeto, com plano de trabalho, identificação das metas a serem atingidas e
relação da equipe envolvida em sua execução, com indicação do vínculo que possuem com a
Unesp;

V - nos casos em que haja a participação de docente em RDIDP no desenvolvimento do projeto,


indicação das atividades a serem desempenhadas, duração e período, sendo que o exercício
concomitante de atividades terá início somente após a aprovação do Conselho de Departamento,
ou Conselho de Curso nas unidades que não possuem Departamentos, e da Congregação da
Unidade, ou Conselho Diretor, e após a assinatura do Convênio ou ajuste equivalente, tudo nos
termos da legislação em vigor na Universidade;

VI - indicação do plano de execução, com suas etapas e origem dos recursos financeiros;

VII - identificação da contrapartida financeira, quando houver, devendo ser comprovada sua
origem;

VIII - documento constitutivo da outra parte convenente, com indicação dos representantes legais
e comprovação de tal situação, juntando documento que os habilite na representação;

IX - definição das taxas institucionais e previsão de recolhimento, nos termos da legislação


vigente na Universidade;

X - manifestação da Agência Unesp de Inovação (Auin) que deverá participar da formatação e da


negociação do ajuste que envolva atividade de inovação. Tal manifestação poderá se dar de
forma antecipada, em contato com os interessados e/ou com o(s) autor(es) do projeto. Havendo
interveniência de Fundação, esta deverá apresentar, previamente, manifestação de mérito, que
será trazida aos autos pelo autor do projeto ou pela Agência Unesp de Inovação;

XI - parecer circunstanciado e conclusivo no mérito, com a posterior e devida aprovação da


Comissão Permanente Assessora da Congregação, ou do Conselho Diretor, relativa à área de
atuação compatível com o objeto do ajuste, após manifestação, respectivamente, do Conselho de
Departamento, ou do Conselho de Curso, no caso de unidades que não possuem
Departamentos;

XII - encaminhamento à Assessoria de Relações Externas (Arex) para verificação da instrução


formal do processo, submetendo-o, posteriormente, e de forma concomitante, à Assessoria
Jurídica (AJ) e à Pró-reitoria de Planejamento Estratégico e Gestão (Propeg), que deverão
retornar os autos à Arex, com indicação do que teria de ser complementado pela Unidade, se for
o caso, no sentido de otimizar o prazo de tramitação do processo;

XIII - encaminhamento à Comissão Permanente de Avaliação (CPA) se os autos tratarem de


atividade concomitante remunerada de docente, caso não conste a autorização respectiva;

XIV - os pareceres da AJ, da Propeg e da Auin, esta última se for o caso, serão juntados ao
processo e remetidos à Arex que, valendo-se de uma única oportunidade, poderá devolver os
autos à Unidade, para complementar instrução. Quando houver necessidade, a Auin também
emitirá parecer e o mesmo será juntado ao processo;

XV - manifestação da Pró-reitoria pertinente à área do ajuste, que decidirá se os autos irão para o
Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Universitária (Cepe) ou para o Conselho de
Administração e Desenvolvimento (Cade), ou para ambos, para emissão de parecer e aprovação,
que poderão se valer do sistema eletrônico de votação ou de outros meios de documentação;

XVI - retorno à Arex para as seguintes providências:

a) realização de ajustes;

b) impressão de documento e coleta de assinaturas;

c) registros;

d) publicação resumida do instrumento de acordo;

e) remessa do processo à Unidade proponente.

§ 1º - A proposta de ajuste que tiver órgão da Reitoria, enquanto proponente, também deverá
seguir a tramitação estabelecida nos incisos anteriores, com exceção da submissão ao Conselho
de Departamento e à Comissão Permanente Assessora da Congregação, cabendo a decisão de
mérito ao Conselho Deliberativo do órgão, se houver, e aos Colegiados arrolados no inciso XV
deste artigo.

§ 2º - Pesquisador vinculado à Unidade Complementar deverá encaminhar a proposta de Ajuste


ao respectivo Conselho Executivo.

§ 3º - O Convênio, Protocolo de Intenção, o Acordo de Cooperação e os ajustes do gênero que


envolverem liberação de recursos a favor da Unesp poderão ser assinados pelo Reitor, colhendo-
se antecipadamente ad referendum do Presidente do Colegiado, em relação à análise de mérito
do Cepe e/ou do Cade, devendo ser providenciada, após o ato, a devida homologação.

§ 4º - Os Convênios e Termos Aditivos assinados pelo Reitor em solenidades, deverão ser


encaminhados, imediatamente, à Arex, para as providências legais e formais exigidas.

§ 5º - Termos Aditivos que tratem apenas de prorrogação de prazo, sem qualquer outra alteração,
deverão ter justificativa, nesse sentido, elaborada pelo Coordenador e não necessitam tramitar
nas Comissões Permanentes Assessoras no âmbito da Unidade, bem como no Cade ou na
Câmara Central ou no Cepe.

§ 6º - Termos de Rescisão ou Encerramento seguirão a tramitação prevista no art. 3º.

§ 7º - Os Acordos de Cooperação celebrados com universidades estrangeiras, envolvendo


unicamente aspectos acadêmicos, sem envolver recursos financeiros por parte da Unesp, com
exceção de Anexos, poderão ser assinados pelo Reitor, ad referendum da análise de mérito do
Cepe, devendo ser providenciada após o ato, a correspondente homologação.

§ 8º - O Reitor poderá delegar a assinatura dos ajustes previstos nesta Resolução, nos termos
estatutários e regimentais.

Artigo 4º - Fica delegada competência aos colegiados das Unidades Universitárias e Câmpus
Experimentais para deliberarem sobre a celebração de convênios com:

I - instituições públicas e privadas, visando à concessão de estágios a estudantes, com base na


Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008;

II - empresas juniores, para execução conjunta de projetos de interesse mútuo e de spin off,
desde que tais empresas tenham sido criadas por alunos de graduação da Unesp, nos moldes
estabelecidos pela Universidade e estejam em regular situação legal e fiscal;

III - instituições para o oferecimento de cursos de curta duração gratuitos.

§ 1º - O Cepe e/ou o Cade poderão delegar competência a colegiado das Unidades, desde que
não envolvam cessão de patrimônio, comprometimento orçamentário da Universidade ou repasse
de recursos.

§ 2º - As Unidades Universitárias, Unidades Complementares e Câmpus Experimentais deverão


manter, devidamente organizada e à disposição da Reitoria, a documentação referente aos
Convênios e/ou Acordo de Cooperação de seu interesse e iniciativa, celebrados na forma deste
artigo.

Artigo 5º - Para cada ajuste proposto será designado um coordenador, responsável pelo
acompanhamento, fiscalização e consecução de seus objetivos.

Parágrafo único - O coordenador designado apresentará ao dirigente da Unidade proponente:

I – lista de docentes com a data de ingresso no regime de trabalho e de pessoal técnico-


administrativo envolvidos na consecução do ajuste, com cópias das autorizações aprovadas pela
Congregação/Conselho e CPA para atividades concomitantes remuneradas;

II – relatório final de atividades, quando do término do ajuste, sendo condição necessária para
renovação do Convênio e/ou Acordo de Cooperação e ajustes do gênero.

Artigo 6º - Nos ajustes celebrados pela Unesp, os dirigentes dos órgãos proponentes, além de
zelarem para que os mesmos observem a legislação da Universidade, deverão encaminhar, para
apreciação do Cepe ou do Cade, dentro de sua área de atuação, no prazo máximo de seis meses
após o término de suas vigências, relatórios finais das atividades desenvolvidas.

Parágrafo único - o Relatório Final de Atividades terá a seguinte tramitação:


I - aprovação do Conselho de Departamento, ou Conselho de Curso nas unidades que não
possuem Departamentos, e Comissão Permanente Assessora, na Unidade;

II - envio à Arex, para submissão ao Cepe ou ao Cade, de acordo com a área de atuação.

Artigo 7º - A apreciação de mérito dos ajustes objeto desta Resolução pelos órgãos colegiados,
poderá ser realizada virtualmente, de maneira abreviada, da seguinte forma:

I - o relator designado elaborará parecer, inserindo-o em campo próprio do sistema, concluindo


com uma dentre as seguintes alternativas:

a) favorável à proposta, nos termos da motivação constante do parecer;

b) favorável à proposta, com as ressalvas constantes da motivação;

c) não favorável à proposta, que deverá ser discutida em reunião do colegiado;

d) a proposta deverá ser discutida em reunião do colegiado, configurando destaque;

Il - os membros do colegiado, indicados no sistema, ou carregados automaticamente de base de


dados em que constem essas informações, deverão manifestar-se, podendo optar por uma dentre
as seguintes alternativas:

a) de acordo com o parecer do relator;

b) favorável à proposta, com base em motivação própria;

c) a proposta deve ser discutida em reunião do colegiado, configurando destaque;

lll - a matéria será considerada suficientemente analisada, podendo ser aprovada pelo Presidente
do órgão colegiado, quando preenchidos cumulativamente os seguintes requisitos:

a) manifestação favorável à proposta, com ou sem ressalvas, por mais da metade dos membros
do colegiado;

b) ausência de pedido de discussão da proposta (destaque) em reunião do colegiado;

c) decurso do prazo de 7 (sete) dias.

Artigo 8º - Ficam excluídos desta Resolução os ajustes previstos na Lei nº 13.019/2014, tendo
em vista possuírem legislação própria de regência.

Artigo 9º - Esta Resolução entrará em vigor quando for implantado o Módulo de trâmite digital
relativo ao Sistema aqui previsto, ficando revogada a Resolução Unesp nº 48, de 10 de novembro
de 2010, bem como toda e qualquer disposição em contrário.
(Processo nº 894/1997-RUNESP)

Pub. DOE nº 236, de 13/12/2019, p. 103

FIM DO DOCUMENTO

Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo

Você também pode gostar