Você está na página 1de 3

Faculdade Luciano Feijão

Aluna: Aline Monsão Monteiro


Professor: Bruno Moraes
Disciplina: Ética Moral e Profissionalismo

QUESTIONÁRIO AP1

1) O advogado Gustavo foi regularmente constituído por certo cliente para defendê-lo em um
processo judicial no qual esse cliente é réu. Gustavo ofereceu contestação, e o processo segue
atualmente seu trâmite regular, não tendo sido, por ora, designada audiência de instrução e
julgamento. Todavia, por razões insuperáveis que o impedem de continuar exercendo o
mandato, Gustavo resolve renunciar. Em 12/02/2020, Geraldo fez a notificação válida da
renúncia. Três dias depois da notificação, o mandante constituiu novo advogado, substituindo-
o. Todo o ocorrido foi informado nos autos. Diante disso, responda: Gustavo deve continuar
representando o cliente pelos dez dias seguintes à renúncia? Argumente sua resposta.

Gustavo não poderá continuar representando o mandante, o compromisso de Gustavo


de representar o mandante cessará perante a substituição do advogado, independentemente do
decurso de prazo, pois de acordo com o artigo 5º, § 3º do Estatuto da advocacia e da OAB.
Art. 5º “O advogado postula, em juízo ou fora dele, fazendo prova do mandato”.
§ 3º “O advogado que renunciar o mandato continuaria durante os dez dias seguintes
à notificação da renúncia, a representar o mandante, salvo se for substituído antes do término desse
prazo.”
Diante do exposto na questão, Gustavo não pode continuar representando o cliente,
pois foi constituído novo advogado nos autos sem que restasse ultrapassado o prazo de 10 dias.

2) A advogada Marlene, gestante, ao ingressar em certo Tribunal de Justiça, foi solicitada a


passar por aparelho de raios X e por detector de metais. Considerando o caso narrado, de
acordo com o Estatuto da Advocacia, pode-se afirmar que há violação a alguma prerrogativa?
Argumente sua resposta.

Sim, houve violação. Segundo o art. 7º-A da Lei 8.906/94, Sobre o direito da
advogada gestante, na qual prevê o Estatuto que é direito da advogada gestante entrar nos tribunais
sem ter de passar pela revista através de detectores de metais ou aparelhos de raio-x. Há também
previsão de que a advogada grávida possui direito de reserva de vaga em garagens dos fóruns e
tribunais. O Estatuto ainda estipula que a profissional gestante terá preferência nas sustentações
orais, bem como na ordem das audiências realizadas a cada dia, bastando, para tanto, comprovar sua
condição gestacional.

3) Taísa, advogada, dirigiu-se à sala de audiências de determinada Vara Criminal, a fim de


acompanhar a realização das audiências designadas para aquele dia em feitos nos quais não
oficia. Taísa verificou que os processos não envolviam segredo de justiça e buscou ingressar na
sala de audiências no horário designado. Não obstante, certo funcionário deu-lhe duas
orientações. A primeira orientação foi de que ela não poderia permanecer no local se todas as
cadeiras estivessem ocupadas, pois não seria autorizada a permanência de advogados de pé, a
fim de evitar tumulto na sala. A segunda orientação foi no sentido de que, caso ingressassem
na sala, Taísa e os demais presentes não poderiam sair até o fim de cada ato, salvo se houvesse
licença do juiz, para evitar que a entrada e saída de pessoas atrapalhasse o regular andamento
das audiências. Diante do narrado, responda: tais orientações violam o Estatuto da OAB,
considerando que Taísa não atua naqueles processos? Argumente sua resposta.

De acordo com o artigo 7º do Estatuto da OAB, ambas as orientações violam os


direitos assegurados, pelo Estatuto da OAB, ao advogado, pois Tânia possui o direito de
permanecer, mesmo que de pé, na sala de audiências, bem como de se retirar a qualquer momento,
independentemente de licença do juiz. Conforme o Estatuto da OAB:
Art. 7º – São direitos do advogado: […] VII – permanecer sentado ou em pé, e
retirar-se em qualquer tempo, das audiências, independentemente de licença e autorização do
magistrado. Porque não há hierarquia nem subordinação entre magistrados, advogados e membros
do Ministério Público, sendo assegurado seu livre acesso. (art. 6°, p.u, e aob)

4) O advogado Caetano dirigiu-se a uma Delegacia de Polícia para tentar obter cópia de autos
de inquérito no âmbito do qual seu cliente havia sido intimado para prestar esclarecimentos.
No entanto, a vista dos autos foi negada pela autoridade policial, ao fundamento de que os
autos estavam sob segredo de Justiça. Mesmo após Caetano ter apresentado procuração de
seu cliente, afirmou o Delegado que, uma vez que o juiz havia decretado sigilo nos autos, a
vista somente seria permitida com autorização judicial. Diante disso, responda: há violação a
prerrogativas? Argumente.

O advogado Caetano poderá ter acesso aos autos de inquéritos sob segredo de
Justiça, desde que esteja munido de procuração do investigado. É um direito de o advogado ter
acesso aos inquéritos e APFs, findos ou em andamento, ainda que conclusos à autoridade
competente, podendo retirar cópias (inclusive por meio eletrônico) e fazer apontamentos, sem
procuração. Contudo, quando sob sigilo, para ter acessos aos autos de investigação ou APFs, o
advogado deverá apresentar procuração (§ 10, do artigo 7°, do EOAB).

5) Valêncio nasceu no Estado do Rio de Janeiro e formou-se em Direito no Estado de São


Paulo. Posteriormente, passou a residir, e pretende atuar profissionalmente como advogado,
em Fortaleza, Ceará. Porém, em razão de seus contatos no Rio de Janeiro, foi convidado a
intervir também em feitos judiciais em favor de clientes nesse Estado, cabendo-lhe patrocinar
seis causas no ano de 2015. Diante disso, responda: o que deve Valêncio fazer para evitar
complicações com a OAB? Argumente.

A inscrição principal de Valêncio deve ser realizada no conselho seccional do ceará.


Afinal, a inscrição principal do advogado deve ser feita no conselho seccional em cujo território ele
pretende estabelecer o seu domicílio profissional. Além da principal, Valêncio deverá promover a
inscrição suplementar no conselho seccional do rio de janeiro, já que esta é exigida diante de
intervenção judicial que exceda cinco causas por ano. Devemos observar que:
Inscrição principal: local onde o advogado pretende estabelecer seu domicílio
profissional (onde irar atuar com mais frequência)
Inscrição suplementar: deve requer quando, em estado diverso do seu domicílio profissional, atuar
em mais de 5 causas ou deseje abrir uma filial.

Você também pode gostar