Você está na página 1de 4

Universidade Federal do Ceará

Centro de Humanidades

Curso de Letras

Introdução à Filosofia – 2021.1

Prof. José Carlos Silva de Almeida

Aluna: Laura Lopes Ferreira

Matricula: 510080

AVALIAÇÃO PARCIAL I

QUESTÃO 1

Estamos sendo apresentados ao mundo desde o momento da gestação, antes mesmo do


nascimento, quando ouvimos as vozes e sons ao redor da barriga de nossas mães, o lugar que
antes era nosso mundo. Ao nascer, conhecemos o mundo em que vamos viver até o fim de
nossas vidas e no começo tudo é novo, nossas mãos, dedos, a luz e até o ar que respiramos, mas
ao longo da vida, nós nos acostumamos com o mundo ao nosso redor e ficamos anestesiados,
não percebemos mais os pequenos detalhes que na infância certamente despertaria curiosidade e
um brilho no olhar, é como se as coisas se tornassem menos especiais só pelo motivo de
acontecerem com maior frequência.

QUESTÃO 2

Para Pitágoras, apenas os deuses eram detentores da sabedoria, portanto só eles eram sábios,
portanto, exceto os deuses, todos os outros que procuravam o saber pelo prazer, eram
considerados filósofos [philos (amigo) + sophia (sabedoria)] e não sábio.
QUESTÃO 3

Aos espectadores, pois a filosofia surge quando há um espanto, uma admiração


(thauma), logo, para algo chamar a nossa atenção é necessário que, primeiramente
estejamos observando-a, como fazem os espectadores.

QUESTÃO 4

A filosofia busca atingir a raiz, a essência e o eixo daquilo que é investigado,


aquilo que determina este objeto de investigação e o que ele é. Após
compreendermos isso, concluímos que a filosofia possui uma dinâmica científica
própria, que se inicia pelo espanto (thauma) que por sua vez origina um problema
filosófico, e é nos problemas colocados pela realidade que nos cerca que o
filosofar se desenvolve.
Esses problemas não são de qualquer natureza, o problema filosófico tem que ser
construído através de reflexões, e é por meio dessas reflexões que encontramos os
objetos de investigação da filosofia e suas respectivas áreas de estudo, por
exemplo, no campo da estética investiga-se o entendimento que se tem da arte (O
que é arte?). Já no campo da ética os questionamentos e reflexões giram em torno
da conduta humana e seus valores morais. Na lógica, os filósofos estudam as
maneiras para distinguir o raciocínio correto e o incorreto, analisando se os
argumentos são válidos ou inválidos. Na epistemologia, as questões debatidas são
sobre o que é conhecimento, quais os seus limites e suas possibilidades, de modo
que abriu-se uma janela para a filosofia da ciência, onde as reflexões giram em
torno do que é a ciência e quais são as características de sua prática. Na política é
estudado tudo que se refere a forma de organização social, com destaque para o
estado, as administrações dos negócios públicos, as formas de governo, e a
representação e participação dos cidadãos nisto. Por fim, na metafísica,
investigam-se os princípios gerais de tudo o que existe ou da realidade. Esses
princípios não podem ser captados pelos órgãos dos sentidos, logo a metafísica
trata de princípios que estão além das coisas físicas.

QUESTÃO 5
Em minha concepção, existem duas respostas para esta pergunta.
A primeira pode ser explicada através de uma citação de René Descartes “viver
sem filosofar equivale, verdadeiramente a ter os olhos fechados sem nunca
procurar abri-los” para os que governam atualmente é de interesse que a filosofia
seja considerada inútil, pois ela faz com que a sociedade questione e pense, em
consequência não aceita de bom grado tudo que lhe é imposto. A segunda
resposta, parte do princípio de que a filosofia é o saber pelo saber, sem direcionar
esse saber para uma ordem prática, diferente, por exemplo, do conhecimento com
um fim específico, como o da medicina - citado no discurso do agora ex-ministro
da educação Abraham Weintraub - este tipo de conhecimento tem uma ordem
prática logo é considerado útil.

QUESTÃO 6

A narrativa mítica busca contar e explicar sobre a origem das coisas a partir de
lutas, alianças, mortes e casamentos entre as forças que regem o universo, essa
explicação da realidade não necessita de metodologia e rigor. Enquanto a
narrativa mítica se encontra no universo do fantástico, o discurso filosófico não
permite contradição, ele exige lógica e coerência racional já que é ele que
problematiza o porquê das coisas em sua totalidade, isto é em um âmbito
universal.

QUESTÃO 7

No conto, O canário das ideias, em alguns trechos Macedo pergunta ao canário o que
ele pensa do mundo, se não sente falta do céu imenso e azul, o bicho então pergunta
o que seria essa imensidão azul e diz que o mundo é a loja onde vivia em sua
pequena gaiola e todo o resto é uma ilusão, sua resposta a indagação de Macedo
muda a cada vez que sua gaiola muda de cenário e só então quando foge da gaiola
em seu novo mundo - a varanda de Macedo - é que ele conhece o céu. Ao
compararmos o conto do Machado com a Alegoria da Caverna de Platão podemos
perceber algumas semelhanças, a Alegoria conta a passagem de um homem do
mundo das sombras, que seria a caverna, ao mundo da luz, que seria o mundo real,
uma espécie de despertar. Ao sair da caverna e se deparar com o mundo real, aquele
prisioneiro tentaria voltar para avisar os outros que nele não acreditariam, pois para
os que ainda estavam presos, aquele era o mundo real e não valeria a pena subir pois
o que subiu ao mundo da luz perderá a habilidade de enxergar tão bem as sombras.
Ao associarmos os dois textos, percebemos que o canário e o prisioneiro liberto,
conheceram visões diferentes do que consideravam mundo antes da liberdade.

Você também pode gostar