Você está na página 1de 9

/2009 NORMA DNIT ______- ES

DNIT Pontes e viadutos rodoviários – Estruturas de


concreto armado - Especificação de serviço

Autor: Instituto de Pesquisas Rodoviárias - IPR


MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES
DEPARTAMENTO NACIONAL DE Processo: 50607.000482/2009-93
INFRA-ESTRUTURA DE
TRANSPORTES
Origem: Revisão da Norma DNER - ES 335/97
DIRETORIA GERAL

DIRETORIA EXECUTIVA Aprovação pela Diretoria Colegiada do DNIT na reunião de / / .


Direitos autorais exclusivos do DNIT, sendo permitida reprodução parcial ou total, desde
INSTITUTO DE PESQUISAS
RODOVIÁRIAS que citada a fonte (DNIT), mantido o texto original e não acrescentado nenhum tipo de
Rodovia Presidente Dutra, km 163 propaganda comercial.
Centro Rodoviário – Vigário Geral
Rio de Janeiro – RJ – CEP 21240-000 Nº total de
Palavras-Chave:
Tel/fax: (21) 3545-4600 páginas
Pontes, viadutos, estruturas 9

Resumo 6 Condicionantes ambientais ................................. 6

Este documento define a sistemática empregada na 7 Inspeções ............................................................ 6


execução e controle de estruturas de concreto armado 8 Critérios de medição ........................................... 7
em pontes e viadutos rodoviários.
Anexo A (Informativo) Bibliografia .............................. 8
São também apresentados os requisitos concernentes a
Índice geral .................................................................. 9
materiais, equipamentos, execução, inclusive plano de
amostragem e ensaios, condicionantes ambientais, Prefácio

controle de qualidade, condições de conformidade e não- A presente Norma foi preparada pelo Instituto de
conformidade e os critérios de medição dos serviços. Pesquisas Rodoviárias – IPR/DIREX, para servir como

Abstract documento base, visando estabelecer a sistemática


empregada para os serviços de estruturas de concreto
This document presents procedures for the execution
armado em pontes e viadutos rodoviários.
and quality control of reinforced concrete structures in
bridges. Está formatada de acordo com a Norma DNIT 001/2009
– PRO, cancela e substitui a Norma DNER-ES 335/97.
It includes the requirements concerning materials,
equipments, execution, includes also a sampling plan 1 Objetivo

and essays environmental management, quality control, Esta Norma tem por objetivo fixar as condições exigíveis
and the conditions for conformity and non-conformity and na execução e no controle das estruturas de concreto
the criteria for the measurement of the performed jobs. armado em pontes e viadutos rodoviários.

Sumário 2 Referências normativas

Prefácio ........................................................................ 1 Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis

1 Objetivo ............................................................... 1 à aplicação desta norma. Para referências datadas,


aplicam-se somente as edições citadas. Para referências
2 Referências normativas ....................................... 1
não datadas, aplicam-se as edições mais recentes do
3 Definições ............................................................ 2 referido documento (incluindo emendas).
4 Condições gerais ................................................. 2 a) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
5 Condições específicas ......................................... 3 TÉCNICAS. NBR 5738:2008 - Procedimento
NORMA DNIT xxx/xxxx–xx 2

para moldagem e cura de corpos-de-prova. Rio p) _____. DNIT /2009 – ES - Pontes e viadutos
de Janeiro, 2008. rodoviários - Armaduras para concreto armado:

b) _____. NBR 5739:2007 - Ensaio de compressão Especificação de serviço. Rio de Janeiro: IPR,

de corpos-de-prova. Rio de Janeiro, 2007. 2009.

c) _____. NBR 6118:2007 - Projeto de estruturas de q) _____. DNIT /2009 – ES – Pontes e viadutos

concreto: procedimento. Rio de Janeiro, 2007. rodoviários - Fôrmas: Especificação de serviço.


Rio de Janeiro: IPR, 2009.
d) _____. NBR 7187:2003 - Projeto de pontes de
concreto armado e protendido; procedimento. r) _____. DNIT /2009 – ES – Pontes e viadutos

Rio de Janeiro, 2003. rodoviários – Estruturas de concreto armado:


Especificação de serviço. Rio de Janeiro: IPR,
e) _____. NBR 7480:2007 - Aço destinado a
2009.
armaduras para estruturas de concreto armado:
especificação. Rio de Janeiro, 2007. s) _____. DNIT /2009 – ES – Pontes e viadutos
rodoviários - Escoramentos: Especificação de
f) _____. NBR 7481:1990 - Tela de aço soldada –
serviço. Rio de Janeiro: IPR, 2009.
armadura para concreto: especificação. Rio de
Janeiro, 1990. 3 Definições

g) _____. NBR 9783:1987 – Aparelhos de apoio de Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições

elastômero fretado. Rio de Janeiro, 1987. seguintes:

h) _____. NBR 10839:1989 - Execução de obras-de- 3.1 Concreto armado

arte especiais em concreto armado e Material misto obtido pela colocação de barras de aço no
protendido: procedimento. Rio de Janeiro, 1989. interior do concreto, antes de seu lançamento, em estado

i) _____NBR 12624:2004 - Perfil de elastômero plástico, nas fôrmas.

para vedação de junta de dilatação de 3.2 Armaduras do concreto armado


estruturas de concreto ou aço – Requisitos. Rio Armaduras passivas, dispostas nas regiões tracionadas
de Janeiro, 2004. e que somente trabalham quando solicitadas.
j) _____. NBR 12655:2006 – Concreto de cimento 3.3 Propriedades físicas do concreto armado
Portland – Preparo, controle e recebimento:
Concreto e aço oferecem grande aderência recíproca e
procedimento. Rio de Janeiro, 2006.
seus coeficientes de dilatação são aproximadamente
k) _____.NBRNM 67:1998 - Concreto – iguais.
Determinação da consistência pelo abatimento
3.4 Concreto leve
do tronco de cone. Rio de Janeiro, 1998.
Concreto feito com agregados artificiais, de massa
l) _____. NBRNM 47:1998 - Concreto fresco –
unitária reduzida, tais como escórias de alto-forno
Determinação do teor de ar pelo método
dilatadas, argilas expandidas ou cinzas sinterizadas.
pressométrico. Rio de Janeiro, 1998.
4 Condições gerais
m) BRASIL. Departamento Nacional de Estradas
de Rodagem. DNER-ES 277/97 - Metodologia As estruturas de concreto armado devem atender a

para controle estatístico de obras e serviços. todas as normas e especificações pertinentes.

Rio de Janeiro: IPR, 1997. As patologias das pontes e viadutos rodoviários de

n) _____DNER – ES 325/97 – Pavimentação – concreto armado são reveladas, principalmente, por

Concreto de cimento Portland com equipamento trincas e fissuras de origens diversas; embora tais

de pequeno porte. Rio de Janeiro: IPR, 1997. patologias sejam próprias do concreto armado, sua
configuração, localização, número e abertura definem o
o) BRASIL. DNIT 047/2004 - Pavimento rígido –
grau de comprometimento da estrutura.
Execução de pavimento rígido com
equipamento de pequeno porte. Rio de Janeiro, Para avaliar o quanto as trincas e fissuras são perigosas

2004. para a durabilidade e segurança da estrutura, é


NORMA DNIT xxx/xxxx–xx 3

necessário determinar suas causas; nenhuma obra de Elementos de proteção exclusivamente a pedestres;
reparo deve ser iniciada antes desta identificação. podem ser constituídos de elementos pré-moldados de

Há patologias cuja origem é de fácil identificação e concreto ou de módulos metálicos.

outras que podem ter sido provocadas por várias causas, Os guarda-corpos de concreto são pesados e a
motivo pelo qual sua identificação deve ser efetuada por preocupação de torná-los mais leves provoca a redução
profissional experiente. de dimensões das peças de concreto e a adoção de

5 Condições específicas cobrimentos reduzidos das armaduras, prejudicando a


durabilidade.
5.1 Materiais
Os guarda-corpos metálicos, mais utilizados em
5.1.1 Aparelhos de apoio
passarelas, são mais leves e elegantes; são sujeitos a
O tipo, os materiais e as especificações dos aparelhos roubos e necessitam de manutenção.
de apoio a serem empregados nas obras devem atender
b) Guarda-rodas
às indicações do projeto; os mais usuais são o concreto,
o policloropreno, o tetraclorofluoretileno e o aço. Devem ser encarados como balizadores de tráfego e
limitação do trecho pavimentado; têm altura reduzida,
5.1.2 Juntas estruturais
cerca de 30,0 cm, são de concreto armado e muito
O tipo, os materiais e as especificações das juntas pouca proteção oferecem.
estruturais devem atender às indicações do projeto; em
c) Barreiras
virtude de serem dispositivos de limitada vida útil, as
juntas estruturais devem ser reduzidas ao menor número Elementos de concreto armado, geralmente com juntas a

possível e somente utilizadas as de qualidade cada dez metros e altura em torno de 90,0 cm; estas

comprovada, assentadas pelo fabricante e com barreiras têm perfis testados e além da proteção que

certificado de garantia mínima de cinco anos. oferecem, forçam o retorno à pista do veículo
desgovernado e o perfil mais utilizado é o do tipo New
A durabilidade das juntas estruturais depende do seu
Jersey.
correto dimensionamento e dos cuidados de
assentamento; este assentamento, se realizado sem 5.1.4 Sobrelaje e pavimentação

interrupção total do tráfego, como acontece nas A pista de rolamento das pontes e viadutos rodoviários
recuperações, é deficiente. pode ser de concreto convencional ou de concreto

As juntas estruturais abertas devem ser evitadas, visto asfáltico.

que apressam a deterioração dos aparelhos de apoio e a) Sobrelaje de concreto


dos elementos estruturais de suporte; a solução, já Sobre a laje estrutural, uma delgada camada de concreto
testada, que apresenta grandes vantagens, é a que convencional constitui a pista de rolamento; se a laje
utiliza lajes de continuidade ou lajes elásticas, que estrutural já possui inclinações transversais de 2%, a
permitem reduzir substancialmente o número de juntas sobrelaje de concreto pode ter uma espessura constante,
estruturais. não menor que 7 cm, e se estas inclinações não existem,
Nas juntas estruturais de pequena abertura e pequena a espessura da sobrelaje é variável, de um mínimo de 7
movimentação, podem ser usadas as juntas de vedação, cm nas extremidades, até um máximo, no eixo da
perfis elastoméricos vazados; nas juntas estruturais de pavimentação, garantidas as inclinações transversais de
grande abertura e grande movimentação, utilizam-se 2%. Dependendo do equipamento disponível, a sobrelaje
perfis mistos de aço e policloropreno vulcanizado. de concreto pode ser substituída por uma espessura

Os perfis metálicos, geralmente de 3” x 3” , normalmente adicional da laje estrutural, prevendo-se, além do

fixados nas lajes estruturais, para proteção das juntas e cobrimento normal das armaduras, uma camada de

extremidades da pista de rolamento, estão sendo desgaste não inferior a 3,0 cm, sempre observando as

substituídas por lábios poliméricos. inclinações transversais de 2%. O concreto deve atender
aos seguintes requisitos:
5.1.3 Dispositivos de segurança
• A declividade transversal da sobrelaje de ponte
a) Guarda-corpos
ou viaduto rodoviário construída em curva deve
NORMA DNIT xxx/xxxx–xx 4

obedecer à estabelecida no projeto e da ponte balanço, obrigatoriamente integrantes do projeto


ou viaduto construído em segmento em estrutural.
tangente deve seguir a declividade transversal d) Sinalização balizadora
da pista.
Constituída de catadióptricos fixados nas extremidades
• Resistência característica à compressão, fck ≥ das obras-de-arte especiais e nas faces dos guarda-
30MPa na idade de 28 dias, determinada em corpos e barreiras, estas últimas com faixas pintadas
corpos de prova cilíndricos, moldados e com inclinação de 45º.
rompidos conforme as normas ABNT NBR e) Arremates e pintura da estrutura
5738:2008 e ABNT NBR 5739: 2007 e de
Para pequenas correções são utilizadas argamassa e
acordo com as disposições da norma ABNT
pintura, com aguada de cimento, cal ou tintas
NBR 12655:2006.
encontradas no comércio; para obras construídas em
• Consumo mínimo de cimento: Cmín = 320 meios agressivos, devem ser utilizadas tintas protetoras
3
kg/m . especiais.

• Abatimento de 50 ± 10 mm, determinado Em nenhuma hipótese, a pintura, muitas vezes utilizada


conforme a Norma ABNT NBRNM 67:1998. para encobrir defeitos, deve ser aplicada antes de uma

• A dimensão máxima característica do inspeção detalhada da estrutura.

agregado no concreto não deve exceder 1/3 5.2 Equipamento


da espessura da sobrelaje ou 19 mm,
A natureza, capacidade e quantidade do equipamento a
obedecido o menor valor.
ser utilizado dependerão do tipo e dimensão do serviço a
• Teor de ar, determinado conforme a Norma executar, devendo o executante apresentar a sua
ABNT NBRNM 47:1998: ≤ 5%. relação detalhada.

• Relação água/cimento: máximo ≤0,55. Para execução da sobrelaje devem ser empregados:
régua vibratória, vibradores de imersão, régua
b) Sobrelaje de concreto asfáltico
acabadora, máquina de serrar juntas e as ferramentas
Sobre a laje estrutural, já com inclinações transversais
para o acabamento superficial do concreto, indicadas na
de 2%, aplica-se uma fina camada de concreto asfáltico,
norma DNIT 047/2004 - ES.
da ordem de 5,0 cm; este tipo de sobrelaje é preferível
5.3 Execução
nas recuperações, visto que não causa grandes
transtornos ao tráfego, durante a execução e é de 5.3.1 Aparelhos de Apoio
utilização imediata. Os aparelhos de apoio, depois de colocados, devem
5.1.5 Acabamentos estar desimpedidos e capacitados a permitir todas as
movimentações previstas no projeto; são classificados
a) Drenos da Pista de Rolamento
quanto ao funcionamento estrutural em articulações
Constituídos por tubos de cloreto de polivinila (PVC) de
fixas, elásticas e móveis e, quanto ao material utilizado,
10,0 cm de diâmetro mínimo, comprimento mínimo
em articulações de concreto, de policloropreno, de
excedente da estrutura de 15,0 cm, pontas em bisel e
tetraclorofluoretileno, metálicas e articulações especiais.
distanciados no máximo de 4,0 m, para meia pista.
Entre as articulações de concreto, a mais usual é a tipo
b) Drenos de Estruturas em Caixão
Freyssinet, que apresenta uma seção estrangulada na
Drenos de tubos de 7,5 cm de diâmetro, comprimento junção da cabeça do pilar com a viga, variando de um
mínimo excedente da estrutura de 10,0 cm, pontas em mínimo de 5,0 cm a um máximo de 1/3 da dimensão
bisel, colocados em todos os pontos baixos. correspondente do pilar; um afastamento mínimo de 5,0

c) Pingadeiras cm das bordas do pilar é obrigatório.

Pequenas saliências de concreto armado, triangulares, Os aparelhos de apoio de elastômero, mais conhecidos

colocadas nas extremidades laterais de lajes em como de policloropreno fretado, são constituídos por
chapas finas de aço, coladas a placas de borracha
sintética à base de policloropreno; todo o conjunto deve
NORMA DNIT xxx/xxxx–xx 5

ser envolvido por uma fina camada de policloropreno, Os guarda-rodas e barreiras devem ser executados com
vulcanizada e protetora. Especial cuidado deve ser dado a estrutura já pronta, cuidando-se do acabamento e do
ao assentamento da placa, devendo o contato com o aspecto estético; se as barreiras não forem constituídas
concreto se fazer através de superfícies horizontais de de elementos pré-moldados, devem ser executadas de
esmerado acabamento. forma padronizada, com painéis metálicos de cerca de
3,0 m de comprimento, não sendo permitidos arremates
Os aparelhos de apoio com tetraclorofluoretileno são,
e revestimentos de argamassa, que denotam má
principalmente, usados em duas combinações: para
qualidade na construção.
permitir movimentos de translação, com o
tetraclorofluoretileno entre placas de aço ou para permitir 5.3.4 Sobrelaje
movimentos de translação e rotação, com uma
A superfície da laje estrutural, sobre a qual a sobrelaje
associação de placas de aço, de policloropreno e de
será colocada, deve estar áspera, com aparecimento do
tetraclorofluoretileno.
agregado graúdo ou ser preparada com apicoamento e
Os aparelhos de apoio de aço devem atender às aplicação de jato de areia, para eliminação da nata de
especificações em vigor e ser protegidos da oxidação por cimento, dos grãos soltos e de outros detritos.
pintura e/ou camada de óleo inerte; estes aparelhos
Antes do lançamento do concreto, a superfície da laje
necessitam de manutenção especial.
estrutural, previamente umedecida, deve estar no estado
Aparelhos de apoio especiais devem ser usados em saturado-seco.
obras de maior vulto, onde as solicitações fogem aos
A mistura, o transporte, o lançamento, o espalhamento, o
valores convencionais.
adensamento, o acabamento e a cura do concreto
Aparelhos de apoio de chumbo, utilizados antes do devem ser efetuados como indicado na norma DNIT
conhecimento do neoprene, não devem mais ser 047:2004 - ES .
cogitados, visto que o chumbo escoa com facilidade.
A sobrelaje deve ter uma armadura, sendo indicada uma
5.3.2 Juntas estruturais tela do tipo T-283, salvo indicação contrária no projeto,
colocada à meia altura da espessura da placa e distando
As juntas estruturais, quando não puderem ser
5,0 cm de qualquer bordo; a armação deve ser contínua,
substituídas por lajes de continuidade, devem ser
em toda a sobrelaje, interrompida apenas nas juntas de
protegidas, em toda a largura da pista, por lábios
contração e dilatação do tabuleiro.
poliméricos ou por cantoneiras metálicas; estas
cantoneiras devem ser fixadas na laje estrutural por meio As juntas de contração da sobrelaje devem coincidir com
de barras soldadas, antes da concretagem do pavimento as de contração do tabuleiro e devem ter a mesma
e obedecendo a seu nivelamento. abertura; a selagem deve atender à norma DNIT
047/2004 - ES.
Para pequenas aberturas e pequenas movimentações
utilizam-se juntas de vedação, que são perfis O trecho da sobrelaje compreendido entre as juntas de
elastoméricos vazados; para grandes aberturas e contração do tabuleiro, quando executado por faixa de
grandes movimentações são necessários perfis tráfego e não concretada de uma só vez, deve ter juntas
compostos de elastômero vulcanizado e chapas de aço. de construção transversais do tipo “junta-seca”, com
espaçamento uniforme e igual para toda a sobrelaje; no
A qualidade dos materiais, a idoneidade do fabricante e
momento adequado, será feito o corte do concreto ao
os cuidados de colocação das juntas são fatores
longo destas juntas, por meio de serra de disco, devendo
determinantes de sua durabilidade.
o corte ter abertura de 3,0 mm a 5,0 mm e profundidade
5.3.3 Dispositivos de segurança de 20,0 mm.

Os guarda-corpos de concreto, cada vez mais raros, são Quando a concretagem do trecho for contínua, devem
constituídos de elementos muito esbeltos, devendo ser ser serradas juntas transversais com espaçamento
tomados cuidados, na fabricação, com a qualidade do regular em torno de 6,0 m e juntas longitudunais
concreto e o cobrimento das armaduras e, na colocação, delimitando as faixas de tráfego. O procedimento para o
com o alinhamento e nivelamento. corte das juntas deve atender à DNIT 047/2004 - ES.
NORMA DNIT xxx/xxxx–xx 6

5.3.5 Acabamentos d) as condições de assentamento em berços de


argamassa ou concreto, com acabamentos
a) Drenos
lisos horizontais, de 5 cm de altura
Os drenos, posicionados conforme o projeto, devem aproximada;
captar as águas em ligeiros rebaixos na pavimentação e
e) a facilidade de acesso para vistorias
escoá-las através de tubos com pontas em bisel e
periódicas e trabalhos de limpeza e
comprimento de 10,0 cm a 15,0 cm saliente da estrutura.
manutenção;
Em obras urbanas ou sobre saias de aterro, é necessário
projeto específico de drenagem. f) a previsão, no projeto estrutural, da
possibilidade de substituição dos aparelhos
b) Pingadeiras
de apoio;
Devem consistir de ressaltos de concreto armado, com
g) a verificação, ao término da obra, se os
dimensões superiores a 5,0 cm de altura e a largura igual
aparelhos de apoio se apresentam em
à da barreira, solidários com a laje estrutural; as
perfeitas condições e livres para permitir
pingadeiras construídas com base em rebaixos não são
todos os movimentos, deslocamentos e
eficazes e não devem ser aceitas.
rotações para os quais foram projetados.
6 Condicionantes ambientais
7.2.2 Juntas, dispositivos de segurança e acabamentos
Para evitar a degradação do meio ambiente deve ser
Para estes serviços, verificar possíveis defeitos de
atendido o estabelecido no Estudo Ambiental, Programas
execução.
Ambientais, projeto e Recomendações/Exigências dos
órgãos ambientai e as normas técnicas, em particular a 7.2.3 Sobrelaje de concreto

Norma DNIT 070/2006 – PRO. O controle da resistência do concreto da sobrelaje deve

7 Inspeções ser feito conforme o procedimento indicado, para o


controle da resistência à compressão, na Norma
7.1 Controle dos insumos
DNER-ES 325/97.
O recebimento dos materiais deve obedecer aos
7.3 Condições de conformidade e não-
controles já estabelecidos. Os aparelhos de apoio de
conformidade
elastômero fretado devem atender ao estabelecido na
Norma ABNT NBR 9783:1997, e os perfis de elastômero Todos os ensaios de controle e verificações dos insumos

vulcanizado para juntas de dilatação, à ABNT NBR- da produção e do produto serão realizados de acordo

12624:2004. Verificar a existência de defeitos de com o Plano da Qualidade (PGQ), a ser elaborado pelo

fabricação nos aparelhos de apoio e nas juntas a serem executante e aprovado pelo DNIT antes da assinatura do

aplicadas. contrato, conforme norma DNIT 011/2004-PRO; devendo


atender às condições gerais e específicas das seções 4
7.2 Controle da Execução
e 5 desta Norma, respectivamente.
7.2.1 Aparelhos de apoio
Os resultados do controle estatístico, (ver Norma DNER
Na colocação e assentamento de aparelhos de apoio – PRO 277/97) serão analisados e registrados em
verificar, no mínimo: relatórios periódicos de acompanhamento de acordo com
a) o atendimento aos desenhos e especificações a Norma DNIT 011/2004-PRO, que estabelece os
contidos no projeto; se adquiridos de procedimentos para o tratamento das não-conformidades
terceiros, o acompanhamento de certificado dos insumos, da produção e do produto.
de qualidade, por órgão idôneo; Os serviços que não atenderem às condições
b) áreas de assentamento suficientes para estabelecidas nos itens anteriores serão rejeitados,
acomodação, com folgas mínimas de 5 a 10 devendo ser corrigidos, complementados ou refeitos.
cm; Em relação à sobrelaje, quando não houver a aceitação
c) a indicação das resistências para o concreto automática dos serviços, devem ser adotados os
em contato com aparelhos de apoio e a procedimentos indicados para o recebimento, de acordo
previsão das armaduras de fretagem; com a Norma DNER-ES 325/97.
NORMA DNIT xxx/xxxx–xx 7

d) guarda-corpos, por metro colocado;

8 Critérios de Medição e) guarda rodas e barreiras, por metro executado;

Os materiais e serviços considerados conformes de f) sobre laje, por metro cúbico lançado, conforme
acordo com esta Norma serão medidos pelos seguintes a seção transversal do projeto;
critérios: g) drenos, por unidade colocada;
As medições das fôrmas, escoramento, concreto e h) sinalização balizadora, por verba única, para as
armaduras devem ser processadas de acordo com o duas extremidades da obra;
determinado nas especificações dos respectivos
i) arremates e pintura, por metro quadrado de
serviços.
área pintada.
Os demais serviços devem ser medidos:
A mão-de-obra, material, equipamento e o transporte
a) aparelhos de apoio, em massa ou em volume utilizados não devem ser objeto de medição, devendo
do material empregado; ser considerados por ocasião das composições de preço
b) juntas estruturais, por metro de junta colocada; unitários dos serviços.

c) juntas de pavimentação, por metro;

_________________/Anexo A
NORMA DNIT xxx/xxxx–xx 8

Anexo A (Informativo) Bibliografia

Bibliografia e) MEHTA, P. Kumar; MONTEIRO, Paulo J. M.

a) AMERICAN CONCRETE INSTITUTE. Concreto: estrutura, propriedades e materiais.

Manual of Concrete Practice, Detroit, 2007. São Paulo: PINI, 1994.

b) ANDRIOLO, Francisco Rodrigues. f) PFEIL, Walter. Concreto armado. Rio de

Construções de Concreto: Manual de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1984.

Práticas para Controle e Execução. São g) RAINA, V. K.– Concrete Bridges: inspection,
Paulo: PINI, 1984. repair, strenghtheniong, testing and load

c) BRASIL. Departamento Nacional de Estradas capacity evaluation. New York: McGraw-Hill,

de Rodagem. Manual de Construção de 1996.

Obras-de-Arte Especiais. 2. Ed. Rio de h) RÜSCH, Hubert. Hormigon armado y


Janeiro: IPR, 1995. hormigon pretensado: propiedades de los

d) LEONHARDT, F, MÖNNIG, E. – Construções materiales y procedimientos de calculo.

de concreto, Rio de Janeiro: Interciência, México, D. F.: Continental, 1975.

1977.

_________________/ Índice geral


NORMA DNIT xxx/xxxx–xx 9

Índice geral

Abstract 1 Execução 5.3 4

Acabamentos 5.1.5, 5.3.5 4, 6 Índice geral 9

Anexo A (Informativo) Inspeções 7 6

Bibliografia 8 Juntas estruturais 5.1.2, 5.3.2 3, 5

Aparelhos de apoio 5.1.1, 5.3.1, 7.2.1 3, 4, 6 Juntas, dispositivos de

Armaduras do segurança e acabamentos 7.2.2 2

concreto armado 3.2 2 Materiais 5.1 3

Concreto armado 3.1 2 Objetivo 1 1

Concreto leve 3.4 2 Prefácio 1

Condicionantes ambientais 6 6 Propriedades físicas do

Condições específicas 5 3 concreto armado 3.3 2

Condições gerais 4 2 Referências normativas 2 1

Controle da execução 7.2 6 Resumo 1

Controle dos insumos 7.1 6 Sobrelaje de concreto 7.2.3 2

Critérios de medição 8 7 Sobrelaje e pavimentação 5.1.4 3

Definições 3 2 Sobrelaje 5.3.4 5

Dispositivos de segurança 5.1.3, 5.3.3 3, 5 Sumário 1

Equipamento 5.2 4

_________________