Você está na página 1de 4

Os desafios psicológicos do enfrentamento do câncer

A dor é um problema comum em pacientes recém diagnosticados com


câncer e sobreviventes. As estimativas indicam que 50% a 90% dos pacientes com
câncer experimentam dor. Do ponto de vista psicológico, a dor do câncer é um
desafio para várias razões (GLOVER et al, 2005).

Em primeiro lugar, para muitos pacientes com câncer e sobreviventes, a


ocorrência da dor pode levantar preocupações sobre a progressão da doença. Em
segundo lugar, embora a dor do câncer é muitas vezes acredita-se estar relacionado
com os fatores biológicos (por exemplo, a progressão do tumor e invasão ou
tratamentos relacionados ao câncer), que muitas vezes persiste por muito tempo.

Acredita-se que os pacientes devem ser curados do seu cancro.


Finalmente, porque a dor do câncer geralmente é tratada medicamente, pacientes e
profissionais de saúde muitas vezes subestimam o impacto da dor do câncer e o
sofrimento psicológico e não consideram os benefícios potenciais do uso de
tratamentos psicológicos para ajudar a controlar a dor do câncer (PORTENOY,
2004).

REFERÊNCIAS

ANTONI MS, LECHNER SC, KAZI, A. Como a gestão de stress melhora a


qualidade de vida após o tratamento para câncer de mama J Consult Clin Psychol
2006; 74:1143-1152.

BANDEIRA, M. F.; BARBIERI, V. Personalidade e Câncer de Mama e do Aparelho


Digestório. Psicologia: Teoria e Pesquisa, RL, v. 23, n.3, p.295-304, agosto, 2007.
Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ptp/v23n3/a08v23n3.pdf>. Acesso em: 18
mai. 2013.

CHOW E, TSAO MN, HARTH T. A intervenção psicossocial melhorar a sobrevida de


câncer? Uma meta-análise Palliat Med 2004; 18:25-31.

CUNNINGHAM, AJ. Cura através da mente: Estendendo as nossas teorias,


pesquisa e clínica prática. Adv Mind Body Med . 2001, 17: 214-227.
2

CUNNINGHAM, AJ Breve comentário sobre Watson et al. Adv Mind Body Med .
2000, 16: 118.

DAHLKE, R. A doença como símbolo. Ed Cultrix, São Paulo, 1996.

FILGUEIRAS, M. S. T. et. al. Avaliação psicossomática no câncer de mama:


proposta de articulação entre os níveis individual e familiar. Estudos de Psicologia,
Campinas, v. 24 (4), 551-560, 2007. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v24n4/v24n4a14.pdf>. Acesso: 30 mai. 2013.

FREUD, S. Alguns pontos para um estudo comparativo das paralisias motoras


orgânicas e histéricas. Obras psicológicas completas (Vol.1). Rio de Janeiro:
Imago, 1893a.

FREUD, S. Esboços para a comunicação preliminar.  Sobre a teoria dos ataques


histéricos. Obras psicológicas completas (Vol.1). Rio de Janeiro: Imago, 1893b.

FREUD, S. Sobre o mecanismo psíquico dos fenômenos histéricos. Obras


psicológicas completas (Vol.3). Rio de Janeiro: Imago, 1893c.

FREUD, S. Inibição, sintoma e ansiedade. Obras psicológicas completas (Vol.20).


Rio de Janeiro: Imago, 1926.

GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4° São Paulo: Atlas,


2002.

GOLDMAN BM, KERNIS MH. O papel de autenticidade em funcionamento


psicológico saudável e bem-estar subjetivo. Anais da Associação de Psicoterapia
americano. 2002; 5:18-20.

GLOVER J, DIBBLE SL, DODD MF, MIASKOWSKI C. Os estados de humor dos


pacientes oncológicos: será que a dor faz a diferença? J sintoma dor Gerenciar
2005; 10:120-8.
GOODWIN, PJ, LESZCZ M, ENNIS, M. O efeito de apoio psicosocial grupo em
sobrevivência no câncer de mama metastático. N Engl J Med . 2001, 345: 1719-
1726.

GRYBOWSKI, M. A.; SCHMIDT, C., BORGES, V. R. A Percepção de Pacientes com


Câncer de Mama em Relação ao Trauma Emocional e o Aparecimento do Tumor.
Psicologia Hospitalar, 2008, v. 6 (1) 82-96, Rio Grande do Sul. Disponível em:
<http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ph/v6n1/v6n1a07.pdf>. Acesso: 19 mai. 2013.

MCEWEN, BS. O Fim do Estresse como nós o conhecemos. Washington, DC:


Joseph Henry Press; 2002.

McEWEN BS. A partir de moléculas à mente: estresse, diferenças individuais,


sociais e ambiente. In:.. Damasio AR, Harrington A, Kagan J, et al, eds Unity of
Knowledge: A Convergência de Ciências Naturais e Humanas. Annals of the New
York Academy of Ciências. Vol. 935. New York, NY: New York Academy of
Sciences, 2001: 42-49.
3

MURBERG TA. Enfrentamento e mortalidade em pacientes com insuficiência


cardíaca congestiva. Int J Med Behav. 2001, 8: 66-79.

NEWLL, Sallie Anne; SANSON-FISHER e SAVOLAINEN, Nina Johanna. Revisão


Sistemática de Terapias Psicológicas para o cancro Pacientes: Geral e
recomendações para o futuro. Journal of the National Cancer Institute, vol. 94,
No. 8, abril 17, 2002

OKUYAMANA, Akechi; ONISHI, J, MORITA, T e FURUKAWA, TA. Psicoterapia para


depressão entre pacientes com câncer que são incuráveis. Disponível em:
http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-
BR&sl=en&u=http://summaries.cochrane.org/CD005537/psychotherapy-for-
depression-among-cancer-patients-who-are-incurable&prev=/search%3Fq
%3DPsychological%2Btherapy%2Bhelps%2Bin%2Bcancer%2Btreatment%26start
%3D20%26sa%3DN%26biw%3D782%26bih%3D451

PENEDO FJ, MOLTON I, DAHN JR. Um ensaio clínico randomizado de grupo


baseado em gerenciamento de estresse cognitivo-comportamental em câncer de
próstata localizado: o desenvolvimento de competências de gestão de stress
melhora a qualidade de vida e beneficiar encontrar Ann Behav Med 2006; 31: 261-
270.

PETTICREW M, R; SINO, Hunter D. Influência de fatores psicológicos de


enfrentamento na sobrevivência e recorrência em pessoas com câncer: revisão
sistemática Br Med J 2002; 325:. 1066-1075.

PORTENOY RK, THALER HT, KOMBLITH AB, et al. Sintoma de prevalência,


características e socorro em uma população de câncer. Res Vida Qual 2004;
3:183-9.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3º ed. São Paulo: Atlas,


2010.

ROGERS. AG. Quando os métodos assunto: Questões de pesquisa qualitativa em


psicologia. Harv Educ Rev. 2000, 70: 75-85.

SILVA, Edna Lúcia da; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da Pesquisa e


Elaboração de Dissertação. 4° Florianópoilis: UFSC, 2005.

SCHUYLER, MD e BRESCIA, F. Psicoterapia de um paciente com câncer terminal. J


Clin Psychiatry 2002; 4 (3): 111-112.

SPIEGEL D, BUTTLER LD, GIESE-DAVIS J . Efeitos da terapia de grupo de apoio


expressivo na sobrevida de pacientes com câncer de mama metastático: um estudo
prospectivo, randomizado Cancer 2007; 110:1130-1138.
4

QUINTANA, A. M. Traumatismo e Simbolização em Pacientes com Câncer de


Mama. Temas em Psicologia, RJ, v. 7 (2), 107-118, agosto, 1999.  Disponível em:
<http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v7n2/v7n2a02.pdf>. Acesso em: 25 mai. 2013.

SALOVEY P, ROTHMAN AJ, DETWEILER JB, STEWARD WT. Estados emocionais


e físicos saúde. Am Psychol . 2000, 55: 110-121.

SOLANO L, COSTA, M, TEMOSHOK L Um emocionalmente inexpressivo (Tipo C)


lidar estilo influencia a progressão da doença em seis e doze meses de follow-ups.
Psychol Saúde. 2002, 17: 641-655.

TACON, AM. Apego e câncer: A integração conceitual. Ther Cancer Integr . 2002;1:
371-381.

TEIXEIRA, L. C. Um corpo que dói: considerações sobre a clínica psicanalítica dos


fenômenos psicossomáticos. Latin-American Journal of Fundamental
Psychopathology, México, n. 1 (1), 21-42, abril, 2006. Disponível em:
<http://www.fundamentalpsychopathology.org/journal/mai6/2.pdf>. Acesso: 18 mai.
2013.

TEMOSHOK, L. O tipo C Conexão: comportamentais ao câncer e Sua saúde. New


York, NY: Random House, 2002.

TEMOSHOK, L. Padrões de enfrentamento complexos e seu papel na adaptação e


neuroimunomodulação:. Teoria, metodologia e pesquisa Ann NY Acad . 2000;917:
446-455.

ZAZA C, BAINE, A. dor do câncer N. e fatores psicossociais: uma revisão crítica da


literatura. J sintoma dor Gerir 2002; 24:526-42.

Você também pode gostar