Você está na página 1de 3

Atividade AVA2 / Disciplina: Mercado Financeiro e de Capitais.

Orientador(a): Karina Lima Oliveira

Aluno: Alan Bueno Ribeiro Barreto

Riscos Sistemáticos e Não Sistemáticos

Os riscos para os gestores são os principais fatores considerados para a


formação de uma carteira de investimentos. Em relação as suas diferenças de
forma geral podemos dizer que o ´´Risco Sistemático`` nada mais é do que
aquele risco que é extremamente difícil de ser reduzido, pois afeta a economia
como um todo, por exemplo um colapso no sistema financeiro ou de capitais,
uma grande variação na taxa de juros ou nas taxas de câmbio, de certa forma,
esse tipo de risco é ocasionado por alguma instabilidade catastrófica no
sistema financeiro que afeta os grandes ´´players`` do mercado financeiro. (Ex:
Crises de 1929 / 2008 / Pandemia do Coronavírus).

Como os bancos e as demais instituições são interligados, se ocorrer algo


como o pedido de falência de uma instituição ou grupo financeiro, pode
desencadear uma falência generalizada dos demais bancos e esses riscos
sistêmicos costumam dar sinais, como por exemplo, quando uma instituição
não tem recursos para pagar a outra e essa inadimplência pode acarretar uma
reação em cadeia nos intermediários financeiros, causando um colapso em
toda Estrutura Financeira Nacional.

Em relação aos ´´Riscos Não Sistemáticos`` referem-se a uma empresa ou um


setor específico, portanto podem ser minimizados, visto que afetam um
determinado setor, como por um exemplo no ramo da Construção Civil, seja
em ativos reais ou através de ações de alguma Construtora que pode sofrer
consequências por conta de uma greve dos trabalhadores da área.
No que diz respeito aos aspectos de mitigação de tais riscos, pude verificar
nesse ponto que há uma principal diferença entre eles, visto que os riscos não
sistêmicos podem ser reduzidos através da correta diversificação dos
investimentos, reduzindo assim sua exposição a riscos diversificáveis, já em
contrapartida no risco sistêmico não é possível fazer proteções.

Como risco não sistemático se limita a uma empresa ou setor específico,


alguns fatores que podem afetar esse risco merecem uma maior atenção dos
investidores na hora de montar sua Carteira e escolher as Empresas, deve-se
prestar atenção se há uma eficácia na Gestão da Organização, ou seja, se são
eficientes ou apresentam casos de Corrupção, também se há riscos
financeiros, como dívidas recorrentes, dependências de insumos importados,
sazonalidade e etc. Todos esses são exemplos de riscos não sistêmicos que
devem ser estudados e analisados.

No que diz respeito a exemplos de medidas que influenciam o risco sistemático


(Risco de Mercado) pelo que pude entender, como é um risco que pode
englobar diversos cenários que são inerentes a todos os tipos de ativos, não dá
para se proteger com diversificação, pois é um risco não diversificável e todos
são vulneráveis á ele, bons exemplos desse risco são: A queda acentuada do
PIB, Crise Política, Insegurança Jurídica do País; todos esses impactos
somados podem se tornar extraordinários como um Colapso no sistema
financeiro.

Portanto o risco total de um ativo corresponde ao risco sistemático somado ao


não sistemático. E como a maioria dos investidores busca diminuir seu risco
não sistemático, por meio de estratégias de diversificação da carteira, quanto
mais eficiente essa empreitada, mais o risco total converge para o risco
sistemático. Em outras palavras, o risco sistemático acaba sendo o mínimo
risco que uma carteira apresenta.

Você também pode gostar