Você está na página 1de 1

Recife, 20/10/2021 - Prova I - História da Filosofia Moderna 1 - 2021.

2
Prof. Marcos Silva - marcossilvarj@gmail.com

1. Explique em que medida Descartes poderia ser tomado como o pai da tradição
moderna representacionalista ao enfatizar elementos internalistas, individualistas e
intelectualistas para se entender a cognição humana.
2. Qual é o papel do argumento do sonho na dúvida metódica da primeira meditação?
3. Qual é a diferença da dúvida da primeira meditação para uma dúvida natural que se
dá quando, por exemplo, ao errar algumas vezes em minhas observações digo que os
sentidos podem ser sempre falhos?
4. Qual é a diferença do argumento do gênio maligno para o argumento do deus
enganador?
5. Qual é a importância do argumento do cogito para o projeto filosófico de Descartes?
6. Discuta a imagem de subjetividade apresentada na segunda meditação de Descartes e
por que ela nos compromete com uma espécie forte de dualismo
7. Por que o conteúdo da primeira e da segunda meditações parecem comprometer a
filosofia cartesiana com o solipsismo?
8. Reproduza o argumento do pedaço de cera e determine qual é o seu papel para o
programa cartesiano.
9. A prova da existência do Deus Veraz impossibilita a existência de um gênio
enganador? Por quê?
10. Por que Deus não pode ser enganador?
11. Explique a diferença de papéis entre a certeza do cogito e a certeza da existência de
Deus dentro do projeto cartesiano.
12. Por que, para Descartes, é mais fácil conhecer o imaterial e o inteligível que o
concreto e o sensível?
13. Em virtude do que o desespero da primeira meditação se contrasta com a euforia da
terceira?
14. Na terceira meditação, baseada na distinção entre infinito atual e infinito potencial,
explique por que o cogito, por princípio, não poderia se tornar Deus caso se
desenvolvesse completamente?
15. Qual é a importância da prova da existência de Deus dado o conteúdo da primeira e da
segunda meditações?
16. Por que podemos chamar a quarta meditação de teodicéia cartesiana?
17. Explique o mecanismo do erro apresentado na quarta meditação.
18. Por que nem Deus e nem o meu intelecto criado por Deus poderiam ser a causa do
erro ou do engano?
19. Reproduza e discuta a prova ontológica da existência de Deus.
20. Reproduza e discuta a prova cosmológica da existência de Deus.
21. Apresente duas diferenças conceituais importantes entre as provas da existência de
Deus na terceira e na quinta meditação.
22. Explique como o argumento do sonho é revisitado e reavaliado na sexta meditação.
23. Reproduza e discuta o argumento para a distinção real entre corpo e alma na sexta
meditação.
24. Por que Descartes pode ser considerado um individualista, mas não subjetivista?

Você também pode gostar