Você está na página 1de 295

Imagine the result

Estudo de Impacto Ambiental (EIA)

Projeto Serro
Volume III

Anglo American
Estudo de Impacto Ambiental - EIA

Projeto Serro – Serro/MG

Volume III

Belo Horizonte, Minas Gerais.


Novembro de 2014
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Índice
7. Identificação e Avaliação dos Impactos Ambientais ............................ 1
7.1. Metodologia Utilizada para Identificação e Avaliação de Impactos
Ambientais ........................................................................................................ 1
7.2. Identificação e Avaliação de Impactos Ambientais ................................ 4
7.3. Matriz de Impactos ............................................................................. 131
7.4. Balanço dos Impactos Ambientais ..................................................... 135
8. Programas Socioambientais ............................................................... 137
8.1. Programa de Gestão Ambiental - PGA .............................................. 138
8.2. Programa de Controle Ambiental das Obras - PCAO ........................ 141
8.3. Programa de Gestão de Resíduos Sólidos - PGRS .......................... 147
8.4. Programa de Gestão de Efluentes Líquidos ...................................... 150
8.5. Programa de Monitoramento e Controle de Processos Erosivos e
Movimentos de Massa ................................................................................. 152
8.6. Programa de Monitoramento da Qualidade do Ar ............................. 154
8.7. Programa de Monitoramento de Ruído e Vibração ............................ 157
8.8. Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas159
8.9. Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais . 162
8.10. Programa de Proteção do Patrimônio Espeleológico ...................... 164
8.11. Programa de Controle da Supressão Vegetal ................................. 167
8.12. Programa de Resgate de Germoplasma Vegetal - PRGV ............... 169
8.13. Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) ............ 171
8.14. Programa de Recomposição Florestal ............................................. 172
8.15. Programa de Compensação Florestal ............................................. 174
8.16. Programa de Regularização de Reserva Legal ............................... 176
8.17. Programa de Afugentamento e Manejo Eventual de Fauna durante a
Supressão de Vegetação ............................................................................. 177
8.18. Programa de Conservação e Monitoramento de Fauna Silvestre ... 179
8.19. Programa de Monitoramento da Biota Aquática .............................. 182
8.20. Programa de Comunicação Social - PCS ........................................ 185
8.21. Programa de Educação Ambiental - PEA ........................................ 188
8.22. Programa de Gestão da Mão de Obra ............................................. 191
8.23. Programa de Monitoramento das Interferências em Infraestruturas e
Serviços Públicos ......................................................................................... 193
8.24. Programa de Promoção da Saúde ................................................... 195

ARCADIS logos i
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.25. Programa de Adequação de Vias de Acesso e Monitoramento de


Tráfego ......................................................................................................... 197
8.26. Programa de Prospecção Arqueológica Sistemática ....................... 200
8.27. Programa de Educação Patrimonial ................................................ 204
8.28. Programa de Monitoramento Arqueológico ..................................... 206
8.29. Programa de Compensação Ambiental ........................................... 208
8.30. Plano de Fechamento de Mina para Licença Prévia (LP) ............... 213
9. Cenários Prospectivos......................................................................... 227
10. Conclusões e Recomendações ........................................................ 231
11. Referências Bibliográficas ................................................................ 235
11.1. Caracterização do Empreendimento ................................................ 235
11.2. Diagnóstico Ambiental ...................................................................... 235
11.3. Programas Socioambientais ............................................................ 276
12. Equipe Técnica ................................................................................... 277
12.1. Anotações de responsabilidade Técnica – ARTs ............................ 279

ARCADIS logos ii
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

7. Identificação e Avaliação dos Impactos


Ambientais
7.1. Metodologia Utilizada para Identificação e Avaliação de Impactos
Ambientais
O presente estudo adotou um enfoque analítico que considera os mecanismos de formação
dos impactos no sentido de entendê-los como interferências causadas no meio ambiente,
decorrentes das fases de planejamento, implantação, operação e desativação a partir da
sobreposição da caracterização do empreendimento ao atual cenário ambiental da área em
estudo (diagnóstico ambiental).

A partir da leitura dessas intervenções, na identificação e avaliação de impactos, procurou-se


captar e avaliar o efeito que tais intervenções poderão desencadear nas áreas de influência
delimitadas e, finalmente, propor medidas de controle, prevenção, monitoramento, mitigação,
compensação ou de potencialização, conforme necessário e de acordo com a natureza do
impacto.

Dessa forma, podem-se identificar os impactos na ambiência de interesse e iniciar sua


avaliação propriamente dita, segundo os critérios descritos no quadro a seguir:

Seus atributos

Natureza:
 POSITIVO
Positivo - quando o impacto é capaz de desencadear benefícios
para as áreas de influência.
 NEGATIVO
Negativo - quando o impacto é capaz de provocar efeitos adversos

Probabilidade:
P – PROVÁVEL
Certo - evento certo com 100% de probabilidade de ocorrência.
C – CERTO
Provável - associado a algum grau de probabilidade.
Ordem:
Direta – quando resulta de uma simples relação de causa e efeito. D – DIRETO
Indireta - resultante de uma relação secundária em relação à ação, I – INDIRETO
ou quando é parte de uma cadeia de reações.
Espacialidade:
L – LOCALIZADO
Localizado – situando-se num espaço restrito.
DR – DISPERSO
Disperso – comportando uma distribuição territorial abrangente.
IMEDIATO – CURTO
Prazo – no sentido de especificar se trata-se de uma ocorrência a
MÉDIO
curto, médio ou longo prazo.
LONGO
Reversibilidade:
Reversível – quando o meio impactado retorna a uma dada situação R – REVERSÍVEL
de equilíbrio (quando o impacto cessar), semelhante àquela que IR – IRREVERSÍVEL
estaria estabelecida caso o impacto não tivesse ocorrido.

ARCADIS logos 1
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Seus atributos
Irreversível – quando o meio se mantém impactado apesar da
adoção de ações de controle dos aspectos ambientais e/ou de
mitigação do próprio impacto, caracterizando, assim, impactos não
mitigáveis na sua totalidade ou em parte.
Forma de interferência:
Fato Novo – quando o impacto é um fato novo na ambiência em FN – FATO NOVO
análise
I – INTENSIFICADOR
Intensificador – quando se intensifica um processo existente,
integrante da dinâmica regional.
Duração (Conceito conforme Sanchéz, 2013):
Temporário – aqueles que só se manifestam durante uma ou mais
fases do projeto e cessam quando termina essa fase. São impactos P – PERMANENTE
que cessam quando acaba a ação que os causou.
T – TEMPORÁRIO
Permanente – representam uma alteração definitiva de um
componente do meio ambiente ou, para efeitos práticos, uma
alteração que tem duração indefinida.
Cumulativos ou Sinérgicos (Conceito conforme Sanchéz, 2013)
Cumulativo – são aqueles que se acumulam no tempo e no espaço,
ou seja, são impactos que se somam.
Sinérgico –quando o resultado das interações entre impactos C – CUMULATIVO
acarretam uma alteração em um dado espaço diferente da simples
S - SINÉRGICO
soma das alterações, sendo identificados a partir da percepção e
conhecimento dos especialistas. Ou seja, quando a ação combinada
resultante de múltiplas causas é maior que a soma dos efeitos
individualizados.

Sua magnitude

Medida quantitativa utilizada nas situações passíveis de serem INDICADOR ÚTIL PARA
estimadas via um indicador adequado, cujo resultado, sempre que TRADUZIR A MAGNITUDE DO
possível, pode ser relativizado em relação a seu universo particular. IMPACTO

  PEQUENA

Medida qualitativa utilizada nas situações em que se atribui uma   MÉDIA
ordenação, por exemplo, grande, média e pequena magnitude.

  GRANDE

A resolução das medidas sinalizadas indica as chances de se reduzir, eliminar ou


potencializar a intensidade de um particular impacto. Nesses casos, pode-se também
classificá-las segundo suas chances de sucesso, e dependentes de diversos fatores. Para
isso, associa-se ao impacto o grau de resolução das medidas recomendadas. O quadro a
seguir apresenta essa descrição.

Grau de resolução: Poder de atenuação

Alta resolução - em situações nas quais há chances de se eliminar,  IMPACTOS POSITIVOS


reduzir significativamente a intensidade do impacto ou compensá-lo
e, ainda quando o empreendedor é responsável integralmente pela
sua implantação.  IMPACTOS NEGATIVOS

ARCADIS logos 2
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Grau de resolução: Poder de atenuação

Média resolução - em situações nas quais há chances de se


reduzir a intensidade, ou quando, apesar de ser possível reduzir  IMPACTOS POSITIVOS
significativamente a intensidade do impacto, o empreendedor é
corresponsável pela sua implementação, pois também participam  IMPACTOS NEGATIVOS
entes institucionais governamentais ou não governamentais.

Baixa resolução - a medida não tem chance de reduzir  IMPACTOS POSITIVOS


significativamente o impacto, ou ainda quando o empreendedor é
um articulador de outros entes institucionais que deverão
implementar a medida dada sua competência legal.  IMPACTOS NEGATIVOS

Com esse conjunto de características, articulando-se os resultados quanto aos atributos, a


magnitude e o grau de resolução das medidas propostas, pode-se obter um resultado de
natureza conclusiva que aponte o grau de relevância (ou significância) dos impactos no caso
de implementação das medidas propostas.

Sem rigidez em seu uso, pode-se orientar os seguintes critérios para as situações de
impactos negativos (no caso de positivos, vale a interpretação inversa).

Grau de relevância

Alta relevância – atributos mais relevantes, combinados com  IMPACTOS POSITIVOS


grande ou média magnitude e baixo a médio grau de eficácia das
medidas propostas.
 IMPACTOS NEGATIVOS
Média relevância – alguns atributos mais relevantes, combinado  IMPACTOS POSITIVOS
com média ou pequena magnitude e média a baixa eficácia das
medidas propostas.
 IMPACTOS NEGATIVOS
Baixa relevância – predominância de atributos menos relevantes,  IMPACTOS POSITIVOS
combinado com média magnitude e média a alta eficácia das
medidas propostas, ou pequena magnitude.
 IMPACTOS NEGATIVOS

A figura a seguir mostra esse mecanismo de propagação:

Figura 7.1-1: Mecanismo de propagação para identificação do grau de relevância dos impactos.

Fonte: ARCADIS logos, 2014.

Por fim, uma vez obtida essa classificação final, sistematizada em um Quadro de Avaliação
de Impactos Ambientais, pode-se hierarquizá-los e comparar as manifestações benéficas e
adversas, balanceando-se os resultados e, além disso, prevendo-se os Programas

ARCADIS logos 3
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Ambientais adequados e viáveis, ou seja, posteriormente, as medidas sugeridas serão


retomadas para compor os Programas Ambientais.

A seguir, serão descritos e classificados os impactos ambientais referentes aos meios Físico,
Biótico e Socioeconômico, identificados para as fases de planejamento, implantação,
operação e desativação do Projeto Serro, de acordo com a identificação dos aspectos
ambientais e atividades responsáveis por sua deflagração e eventuais cumulatividades.

7.2. Identificação e Avaliação de Impactos Ambientais


A partir da análise das ações e interações com os fatores ambientais (ações impactantes),
são estabelecidos os impactos ambientais associados às atividades do empreendimento e
discutidos de forma quantitativa e qualitativa. Na sequência, são apresentados os impactos
ambientais antevistos, sua avaliação segundo os critérios anteriormente apresentados e
propostas medidas.

Os impactos estão classificados quanto à fase em que incidem, quais sejam: fase de
planejamento, implantação, operação e desativação.

7.2.1. Fase de Planejamento

7.2.1.1. Meio Socioeconômico

A) Geração de Expectativas e Inseguranças em Relação ao Empreendimento


Devido à propagação de informações não oficiais sobre o empreendimento

Por ocasião do diagnóstico ambiental, foi realizada a percepção ambiental de parte da


população residente nas propriedades do entorno do Projeto Serro e de instituições públicas
e organizações sociais inseridas no município de Serro, Área de Influência Direta (AID) do
empreendimento.

Conforme apresentado no item Diagnóstico Ambiental deste EIA, as entrevistas foram


realizadas entre 01 e 08 de julho de 2014. O público alvo das entrevistas foram os
proprietários da ADA e/ou proximidades e instituições/associações governamentais ou
organizadas pela sociedade civil. Ressalta-se que a escolha das associações e instituições
entrevistadas considerou as entidades mais representativas no município. Utilizou-se como
instrumento para realização das entrevistas um roteiro semiestruturado, aplicado por uma
equipe multidisciplinar capacitada, de maneira a assegurar a fidedignidade das informações
coletadas.

No geral, a população tende a alimentar expectativas baseadas em especulações e


inspiradas, em grande parte, nas carências locais e nas dificuldades do poder público para
supri-las. No caso do Projeto Serro a maior parte dos entrevistados informou que sabia da
possibilidade da implantação do empreendimento, mas não soube apresentar informações
adicionais, limitando-se a indicar que sabiam que Anglo tinha comprado terras e feito estudos
na localidade. A principal forma pela qual tomaram conhecimento do empreendimento foi pela
própria Anglo American e suas empresas prestadoras de serviço ou pela antiga proprietária
do projeto, a MMX. Esse conhecimento seu deu, em grande parte, quando da realização das
sondagens geotécnicas ou dos levantamentos de campo para os estudos ambientais.

ARCADIS logos 4
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As expectativas positivas giram em torno de benefícios que o empreendimento irá


proporcionar à região. Além da expectativa de geração de empregos, são esperados pela
população melhorias nas estradas e acessos do entorno do empreendimento, dinamização
da economia, aumento da arrecadação de impostos no município e investimentos em saúde,
educação, segurança pública.

Por outro lado, foram também relatadas preocupações relacionadas à presença de estranhos
na região, alterando o cotidiano e as relações de vizinhança dos moradores locais e à
dificuldade em utilizar os equipamentos e serviços dos municípios, relacionada à expectativa
de elevação da demanda com a atração de um contingente de pessoas de outras regiões em
busca de emprego. Esse esperado fluxo migratório e seus efeitos associados, tais como o
aumento da sensação de insegurança, aumento da ocorrência de DSTs e casos de gravidez
na adolescência, bem como a pressão sobre a infraestrutura básica, equipamentos e serviços
sociais, compõem o rol de expectativas negativas geradas pela notícia do empreendimento.

Outra expectativa negativa dos entrevistados se refere à possível diminuição e piora da


qualidade da água em decorrência da operação da mina.

Cabe ainda salientar que a proximidade do Projeto Serro com o complexo da Mina da Serra
do Sapo, localizado no município de Conceição do Mato Dentro e também pertencente a
Anglo American, pode gerar expectativas na população de que o novo empreendimento
tenha proporções iguais as do projeto já implantado. Isso pode potencializar este impacto
haja vista que o empreendimento no município de Serro tem proporções muito menores, tanto
na produção como na demanda por mão de obra e insumos, que as do empreendimento em
Conceição do Mato Dentro.

Avaliação do Impacto

Trata-se de impacto negativo, pois, as expectativas se baseiam em especulações


geralmente não coincidentes com os benefícios e prejuízos que o empreendimento irá de fato
promover, além de gerar ansiedade e insegurança na população. É um impacto de ocorrência
provável, e se manifesta em curto prazo, vinculado aos boatos iniciais sobre o
empreendimento, em uma fase que antecede as obras. Sua espacialidade é dispersa,
extrapolando os limites municipais, pois sua divulgação depende exclusivamente da difusão
das informações entre a população, seja formal (por meio de eventos) seja informalmente.
Este impacto é indireto, pois, não resulta diretamente de uma atividade do empreendimento,
e atua de forma a intensificar as expectativas já existentes, podendo ser considerado como
reversível, pois com ações de comunicação e de bom relacionamento com os atores sociais
locais, ao longo dos períodos de planejamento, implantação e operação, este impacto tende
a ser atenuado; razão pela qual se pode também afirmar que possui duração temporária.

As expectativas, em si, possuem alta capacidade de alteração real na vida da população


afetada, com a possível associação do Projeto Serro ao ocorrido no projeto de Conceição do
Mato Dentro, entende-se que a magnitude do impacto é qualitativamente grande.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível

ARCADIS logos 5
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Atributos
Ordem Indireto Forma de interferência Intensificador
Prazo Curto Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Cumulativo
Magnitude

Indicador Análise qualitativa, baseada na avaliação da percepção ambiental.

Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

Um processo transparente e eficiente de disseminação de informações oficiais acerca do


empreendimento e de suas implicações, assim como esclarecimento de dúvidas e discussão
em torno de expectativas e limites das responsabilidades do empreendedor, voltado para os
diferentes atores da região é fundamental para evitar o caráter negativo deste impacto,
adequando às expectativas criadas à realidade e promovendo um ambiente de harmonia
social. Para isso, é necessária a existência de canais de comunicação entre o empreendedor,
as empresas terceirizadas executoras das obras, a população da AID, mídia, Igreja, os
órgãos públicos, empresas da região, as Organizações Não Governamentais (ONGs) e
demais associações e entidades da sociedade civil organizada.

Dessa forma, as questões apresentadas deverão ser trabalhadas juntamente com os atores
intervenientes ao Projeto Serro, de maneira clara, levando informações técnicas e
esclarecendo as dúvidas pertinentes.

Para tanto, é de grande importância à elaboração e implementação de um Programa de


Comunicação Social, que promova o diálogo entre todas as partes, através de instrumentos
periódicos de comunicação, como: palestras, reuniões, oficinas, distribuição de folhetos e
boletins explicativos e formas de comunicação que tenham grande poder de alcance, como
chamadas em rádios locais desde o início do planejamento do empreendimento. Tendo
ciência de todas as informações sobre o empreendimento, os atores poderão então ponderar
e adequar suas expectativas, se posicionarem em relação ao empreendimento e se
prepararem para aproveitar, da melhor forma, as oportunidades ofertadas e promovidas pelo
Projeto Serro.

O Programa de Comunicação Social deverá contemplar ações direcionadas, tais como:

 Implementação continuada de ações informativas, trazendo quantitativo de empregos a


serem gerados; investimentos previstos; normas e políticas sociais e ambientais
adotadas; informações sobre as obras; esclarecimentos sobre insumos e utilidades
necessários à produção, impactos sociais e ambientais e programas sociais e ambientais
associados;
 Monitoramento continuado, acompanhando o comportamento dos grupos de interesse,
com periodicidade adequada, podendo-se balizar por levantamento das demandas
através de ações complementares;

ARCADIS logos 6
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Realização de entrevistas qualitativas com entes institucionais selecionados, com


potencial de multiplicar informações adequadas em tempo hábil;
 Divulgação das principais informações por meio de anúncios nas rádios locais;
 Publicações, impressos, tais como, cartilhas, artigos, manuais e boletins informativos,
periódicos;
 Realização de reuniões focais, onde se julgar conveniente, captando-se novas demandas
ou elucidando-se aspectos não suficientemente claros para as instituições e para a
população;

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

7.2.2. Fase de Implantação

7.2.2.1. Meio Físico

A) Deflagração de processos erosivos e ocorrência de processos de instabilização


de encostas
Devido às intervenções em encostas, supressão vegetal com exposição de solo e
movimentação de terra

Durante a fase de implantação do empreendimento, algumas atividades poderão implicar na


ocorrência de processos erosivos e de instabilização em encostas e taludes tais como
limpeza e preparação dos terrenos, supressão da vegetação, obras de terraplenagem,
implantação e melhoria de acessos e implantação dos sistemas de controle. Essas atividades
produzirão alterações na geometria natural do terreno e na proteção do solo, sendo
potenciais agentes deflagradores de processos de instabilização e erosões.

A erosão pode ser definida como o processo de desagregação e remoção física de partículas
do solo e eventualmente fragmentos de rocha, causada pela ação das águas e, mais
raramente, vento, gelo e fatores bióticos. Os processos erosivos são de origem natural
podendo ser deflagrados, intensificados e acelerados pela ação antrópica. Por exemplo, com
a remoção da cobertura vegetal o solo ficará exposto, o que intensificará a ocorrência de
processos erosivos e também o carreamento de sedimentos pelo escoamento superficial
pluvial.

Processos de instabilização de maciços rochosos ou de solo ocorrem quando, por alguma


causa natural ou intervenções antrópicas, as condições de equilíbrio e resistência do terreno
são alteradas, propiciando a ruptura de parte do maciço e consequente deslocamento de solo
e rocha. Os processos de instabilização podem ocorrer de diversas formas sendo as mais
comuns: escorregamentos, deslizamentos, quedas, tombamentos e rolamentos de blocos.

ARCADIS logos 7
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Nesta fase também haverá movimentações de maquinários para a conformação do terreno


visando à instalação e à ampliação das vias de acesso. A ampliação dessas vias acarretará a
modificação da geometria do terreno, o que alterará a permeabilidade do solo superficial,
podendo ocasionar alterações nas velocidades de escoamento, ocorrência de fluxos
desordenados, formação de caminhos preferenciais e convergência e concentração de fluxos
d’água.

Diversos são os fatores que influenciam diretamente na suscetibilidade a processos do meio


físico de uma determinada área. No presente estudo, para o mapeamento da suscetibilidade
dos terrenos, foram utilizados a morfologia do terreno (declividade), o substrato litológico, e o
uso e ocupação do solo.

Através deste mapeamento pode-se identificar que na região da ADA a maior parte dos
terrenos denota baixa suscetibilidade aos processos do meio físico. Tal identificação foi
corroborada a partir de vistoria de campo no local. Embora o desencadeamento deste
impacto seja mais provável nas áreas identificadas como suscetíveis à ocorrência de
processos erosivos generalizados e de rastejamentos, é importante ressaltar mais uma vez
que a execução de obras que modificam a configuração dos terrenos (como cortes em
taludes, por exemplo) e a remoção da cobertura vegetal são fatores que alteram a
suscetibilidade natural dos terrenos, sendo necessário o devido acompanhamento (incluindo
análises de detalhe envolvendo aspectos geotécnicos e características geomecânicas) e a
implantação de medidas mitigadoras.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável e localizado, pois o impacto se restringirá a


espaço restrito, principalmente, nas imediações da ADA, mas com probabilidade de atingir a
AID; de imediato-curto prazo de ocorrência, tendo-se em vista que poderá ocorrer logo após
a execução das atividades deflagradoras; temporário, pois sua manifestação ocorrerá
durante a fase de implantação; intensificador, pois o processo já existe naturalmente;
reversível, pois o meio impactado retornará a situação semelhante àquela anterior à
ocorrência do impacto, se aplicadas as medidas mitigadoras adequadas e, por fim; de média
magnitude, considerando-se que a suscetibilidade dos terrenos nas imediações da ADA é
predominantemente baixa, porém com algumas porções com fragilidade a processos
generalizados e à erosão do tipo rastejo.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Feições erosivas, como sulcos e ravinas; análise de sólidos em suspensão nas
Indicador
águas e aspecto do sistema de drenagem; aspecto dos taludes e encostas

Qualitativa Média

ARCADIS logos 8
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas de mitigação

 Limitar a supressão de vegetação à largura necessária à implantação do


empreendimento;
 Promover a consolidação dos terraplenos por trechos à medida que estes atinjam sua
geometria definitiva prevista no projeto de terraplenagem;
 Aplicação de métodos mitigadores a fim de minimizar os processos de erosão e
escorregamento a montante e na cabeceira de cursos d´água e linhas naturais de
escoamento das águas, como promover a limpeza das áreas de trabalho e gestão de
resíduos sólidos gerados durante a fase de implantação, recuperação de áreas
degradadas, reafeiçoamento e recuperação vegetal da ADA;
 Prever a aplicação de ações de caráter mitigador na recuperação de áreas onde o solo
encontra-se exposto, como canteiro de obras;
 Implantação de sistemas de drenagem visando escoar os fluxos de águas pluviais de
maneira adequada e segura até os pontos de deságue;
 Realização das obras, preferencialmente, durante o período de estiagem;
 Limpeza e manutenção do sistema de drenagem, removendo-se os sedimentos
acumulados nas caixas de decantação, desobstruindo-se canaletas, valetas e bueiros,
porventura, assoreados;
 Realização de cortes visando à readequação e atenuação de taludes, buscando a
harmonização da área com o relevo circundante e inclinações das rampas;
 Aperfeiçoar e detalhar levantamentos topográficos das áreas onde ocorrerão
intervenções;
 Inspeção geotécnica periódica.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Controle Ambiental das Obras –
PCAO e no Programa de Recuperação de Áreas Degradadas - PRAD.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

B) Alteração das propriedades físico-químicas dos solos e das águas subterrâneas


por efluentes e resíduos sólidos
Durante a implantação do empreendimento haverá a geração de cargas pontuais
representadas por efluentes líquidos e oleosos, decorrentes das atividades de implantação do
canteiro de obras, implantação das instalações industriais, implantação e melhoria de
acessos e implantação dos sistemas de controle ambiental. Vale ser destacado que durante a
fase de implantação do empreendimento não serão gerados quaisquer efluentes industriais.

Diversos são os meios e agentes que podem provocar a alteração da qualidade natural do
solo e da água subterrânea pela geração de efluentes líquidos e oleosos, cujas

ARCADIS logos 9
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

características físico-químicas, biológicas e toxicológicas podem ocasionar danos ao meio


ambiente e à saúde pública. Os mais comuns envolvem vazamento de produtos químicos
diversos, como óleos e graxas, diesel e gasolina (hidrocarbonetos em geral), e contaminantes
patogênicos, como coliformes termotolerantes, bactérias e vírus.

O impacto associado à alteração das propriedades físico-químicas dos solos e das águas
subterrâneas por efluentes está circunscrita principalmente à ADA nas áreas operacionais e
de apoio e, ocasionalmente à AID. As áreas vulneráveis com maior potencial de
contaminação dentro dos limites da ADA estão relacionadas principalmente a áreas de
armazenamento de óleos e lubrificantes, oficina, lavador de veículos e equipamentos e área
de lubrificação, canteiro de obras e em frentes de serviço em pontos específicos do site. O
tratamento desses efluentes deverá ser realizado em local adjacente à fonte geradora. A
manutenção dos sistemas de tratamento, das áreas onde haverá manuseio/estocagem de
efluentes e das redes de águas pluviais e esgoto praticamente inviabiliza a dispersão e a
infiltração de compostos nocivos no solo.

Ressalta-se que o abastecimento de combustível será realizado no canteiro de obras ou


direcionado para a infraestrutura existente nos municípios mais próximos ao
empreendimento, na medida das necessidades e sob a responsabilidade das empresas
contratadas. Para os serviços de terraplenagem serão utilizados caminhões-comboio para o
abastecimento das máquinas em operação. O material retido nos sistemas de separação
água/óleo (SAO) deverá seguir os procedimentos estabelecidos segundo as Resoluções
CONAMA no 362/05 e 450/12 que trazem as exigências legais para a destinação deste
resíduo.

Com relação aos efluentes sanitários, serão instalados tanques sépticos seguido de filtro
anaeróbio na área do canteiro de obras e nas demais instalações administrativas, inclusive
no refeitório; caixa de gordura no refeitório e banheiros químicos para as frentes de obras.

A geração de resíduos durante a fase de implantação está relacionada principalmente às


obras civis, sendo resíduos sólidos contendo óleos e graxas, tintas, embalagens e resíduos
de construção civil (alvenaria, cimento, brita, etc), gerados principalmente nas montagens das
estruturas prediais componentes do empreendimento. Além disso, haverá a geração de
resíduos no canteiro de obras, pelos funcionários que participarão das obras, no ambulatório,
no refeitório e nas instalações sanitárias.

A potencialidade para alteração da qualidade do solo e das águas subterrâneas devido às


atividades desenvolvidas nessa fase está relacionada à disposição inadequada de resíduos
sólidos.

O quadro a seguir identifica as principais fontes geradoras, os resíduos gerados e sua


classificação, conforme NBR 10.004/04.

Quadro 7.2-1: Resíduos Sólidos Gerados na Fase de Implantação.

Classificação NBR
Tipo de resíduo Prováveis pontos de geração
10.004/2004
Resíduos de
Áreas de supressão de vegetação Classe II A
desmate

ARCADIS logos 10
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Classificação NBR
Tipo de resíduo Prováveis pontos de geração
10.004/2004

Nas áreas onde será necessária a preparação das


Resíduos de
fundações e regularização do terreno com terraplenagem, Classe IIA
solo orgânico
haverá a retirada da camada superficial de solo.

Resíduos de Montagem das estruturas do empreendimento. Os resíduos


obras civis e de obras civis serão constituídos basicamente por entulhos,
Classe II B
montagem restos de concreto ou material similar, formas de madeira,
eletromecânica sacos de cimento, etc.
No refeitório serão gerados resíduos orgânicos, plásticos,
vidros, madeiras e embalagens em geral. Nas áreas
Resíduos do
administrativas e operacionais haverá a geração de outros
refeitório,
tipos de resíduos recicláveis como sucatas ferrosas e não Classe I e II
domésticos e
ferrosas, vidros, plásticos, borrachas; e não recicláveis
industriais
provenientes principalmente das atividades de manutenção
dos equipamentos e da usina.

Resíduos Serão gerados em diversas áreas onde haja circulação de


sanitários e de pessoal. Serão constituídos por papel sanitário, lixo comum Classe IIA
varrição de varrição, poda de vegetação e lodo das fossas sépticas.

Resíduos não Serão gerados em diversas áreas do empreendimento. São


inertes / aqueles que podem trazer algum risco ambiental como, por
Classe II
perigosos em exemplo, baterias ácidas, lâmpadas fluorescentes, pilhas,
geral embalagens e resíduos de reagentes químicos, entre outros.

Serão gerados no ambulatório do canteiro de obras. Deverá


Resíduos do
gerar uma pequena quantidade de resíduos classificados Classe I
ambulatório
como perigosos.

Estéril de mina Será gerado no início do decapeamento da mina Classe II B

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

Importante destacar que, por haver a destinação externa do lodo do tanque séptico e dos
banheiros químicos, o mesmo é então considerado como resíduo sólido Classe IIA, conforme
estipulado pela NBR 10.004/04, que trata sobre a classificação dos resíduos, devendo estar
assim considerado pelas diretrizes do Programa de Gestão de Resíduos Sólidos (PGRS),
parte integrante do presente estudo.

Ressalta-se que os solos da ADA são incipientes e friáveis, e apresentam predominância de


textura areno-argilosa, conforme evidenciado no Diagnóstico da AID e ADA. Desta forma,
dependendo do volume, os eventuais fluidos que venham a atingir o solo tenderão a atingir o
maciço rochoso e poderão alcançar o nível do lençol freático.

Dentro dos limites da AID foram constatados os sistemas aquíferos porosos, cristalinos e o
aquitardo, porém as intervenções diretas, que ocorrerão na ADA, estarão sobre os aquíferos
porosos e fraturados.

As análises químicas realizadas para a elaboração do Diagnóstico Ambiental nos poços já


instalados na região pelo empreendedor revelaram que as águas subterrâneas da área do
empreendimento não apresentam contaminação por atividades antrópicas, visto que todos os

ARCADIS logos 11
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

parâmetros analisados estavam em conformidade com os valores orientadores definidos pela


Resolução CONAMA nº 420/2009. Foram inclusive realizadas análises microbiológicas e não
foi constatada a presença de bactérias de origem fecal nas águas analisadas.

Devido ao seu aspecto único e pontual, uma eventual contaminação por substâncias nocivas
deve ser tratada caso a caso, considerando sempre a natureza da fonte primária, o padrão de
dispersão da pluma contaminante, o próprio agente de contaminação e, por fim, as
características do meio impactado. Somente com este procedimento integrado é possível
definir ações que levem em consideração as condições locais na implantação de um plano de
intervenção e redução do impacto ambiental do meio em questão.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável, disperso, pois embora tenha tendência a


acontecer principalmente nas imediações da ADA, há probabilidade de atingir a AID; de
ocorrência em imediato-curto prazo, tendo-se em vista que o impacto é gerado
imediatamente. Temporário, pois poderá ocorrer ao longo de toda a vida útil do
empreendimento; reversível, visto que o meio impactado poderá ser remediado e retornar a
situação semelhante àquela anterior a ocorrência do impacto; fato novo, entendendo-se que
a contaminação do solo e da água subterrânea não ocorre atualmente e; por fim, de média
magnitude, considerando-se a alta permeabilidade das rochas do aquífero poroso e a
friabilidade dos solos.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude

Indicador Monitoramento da qualidade das águas subterrâneas e superficiais

Qualitativa Média

Medidas de mitigação

Em relação aos efluentes

 Impermeabilização de todas as áreas onde serão realizadas atividades e operações que


possam gerar efluentes oleosos ou contaminados (lubrificação e lavagem de veículos,
peças, máquinas, carga e descarga de combustíveis) e providas de contenção contra
vazamentos e derrames;
 Projetar sistemas de drenagem e contenção eficientes;
 Caso haja vazamento de óleos e graxas durante as obras, deverá ser utilizado material
absorvente para conter o resíduo derramado e serem seguidos os seguintes
procedimentos: (i) coletar o material e o solo contaminado em recipiente específico com a

ARCADIS logos 12
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

respectiva identificação, (ii) destinar adequadamente o recipiente fechado e etiquetado. e


(iii) apurar a ocorrência do vazamento a fim de prevenir novos eventos similares;
 Entender o padrão de dispersão do produto contaminante caso venha a ser constatado.
Este depende de fatores como solubilidade, densidade e concentração do produto,
características físicas do substrato (granulação, permeabilidade, mineralogia de argilas) e
características ambientais, tais como tempo de exposição ao agente contaminante,
presença de microrganismos, e condições hidrogeológicas e físico-químicas do solo;
 Execução, ensaio e manutenção dos sistemas de esgoto sanitário para atenderem às
exigências mínimas quanto à higiene, segurança e conforto dos usuários, tendo em vista
a qualidade destes sistemas, além de considerar o uso da caixa de gordura no refeitório;
 Abastecimento de combustível, lavagem de veículos, manutenção, troca de óleo,
borracharia e serviços similares deverão ser realizados no canteiro de obras ou
direcionados para a infraestrutura existente nos municípios mais próximos ao
empreendimento, na medida das necessidades e sob a responsabilidade das empresas
contratadas;
 Os banheiros químicos distribuídos nas frentes de obra deverão ter o conteúdo sanitário
coletado periodicamente por empresa especializada e licenciada para esta atividade,
sendo este material destinado para uma ETE licenciada e capacitada a receber gerações
de terceiros;
 Utilização de bandejas coletoras sob o ato de abastecimento/transferência de
combustível, evitando derramamentos diretamente sobre o solo. De forma complementar
deverão ser utilizados materiais de caráter absorvente, como serragem e/ou areia;
 A conservação das condições sanitárias em todas as áreas vinculadas ao
empreendimento, tendo em vista a proteção do ambiente na área diretamente afetada e
no seu entorno, assim como a gestão dos efluentes oriundos de qualquer atividade
geradora;
 Manutenção periódica de veículos e equipamentos;
 Manutenção periódica dos dispositivos das fossas sépticas;
 Recomenda-se que todas as atividades previstas sejam sempre realizadas de acordo
com as técnicas adequadas de engenharia, com aplicação das normas pertinentes e com
respeito à legislação ambiental vigente.

Em relação aos resíduos sólidos

 Instalação dos depósitos intermediários dos resíduos, para o acondicionamento


temporário desses resíduos ao longo das obras e demais áreas geradoras
(administrativa, exemplificando) até o momento de transporte e destinação final
adequada;
 Os depósitos intermediários deverão ser providos de cobertura, piso impermeabilizado,
calha coletora interna interligada com caixa de retenção, proteção lateral, ventilação e
acesso controlado aos funcionários. Deverá ainda ter área suficiente para disposição
segregada dos resíduos gerados;
 O manuseio dos resíduos deverá ser realizado com auxílio de equipamentos, como
empilhadeiras, além dos funcionários envolvidos terem os devidos equipamentos de
proteção individual (EPIs), visando à segurança operacional;

ARCADIS logos 13
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Fixar condições exigíveis para projeto, construção e operação de sistemas de tanques


sépticos, incluindo disposição de efluentes e lodo sedimentado;
 Os banheiros químicos distribuídos nas frentes de obra deverão ter o conteúdo sanitário
coletado periodicamente por empresa especializada e licenciada para esta atividade,
sendo este material destinado para uma ETE licenciada e capacitada a receber gerações
de terceiros;
 Recomenda-se que todas as atividades previstas sejam sempre realizadas de acordo
com as técnicas adequadas de engenharia, com aplicação das normas pertinentes e com
respeito à legislação ambiental vigente;
 Controlar e minimizar a geração de resíduos sólidos;
 Capacitar os funcionários para a realização da segregação necessária dos resíduos
gerados durante as atividades envolvidas nas obras; e
 Gestão adequada dos resíduos levando em conta o seu acondicionamento,
armazenamento, transporte, disposição e, eventualmente, reciclagem de acordo com as
orientações da Política Nacional dos Resíduos Sólidos.
 Para atender às normas ambientais, todos os resíduos sólidos e oleosos serão estocados
em local apropriado. Para isto está prevista uma área para armazenamento temporário
de materiais descartáveis e resíduos sólidos gerados nas atividades do empreendimento
até a sua destinação final. Essa estrutura será construída na área de apoio, sendo que
parte da área deverá ser coberta e impermeabilizada para a disposição de resíduos que
não puderem ficar expostos ao ar livre ou em contato direto com o solo.

As ações de gestão deste impacto são contempladas no Programa de Controle Ambiental


das Obras – PCAO e no Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

C) Impermeabilização das áreas de recarga dos aquíferos


Devido à redução da contribuição de águas infiltradas no solo / Impermeabilização do solo

Durante a fase de implantação está prevista a impermeabilização de parte das áreas


naturais, que diminuirá ou mesmo inviabilizará a infiltração das águas meteóricas no solo,
fundamental para a recarga dos aquíferos da região.

As principais estruturas onde ocorrerão processos de impermeabilização durante a


implantação do projeto estão relacionas às pilhas de estéril e de estoque, bases de estruturas
de beneficiamento do minério (ITM), áreas de apoio e diques de contenção. Embora as vias
de acesso também se configurem em áreas sujeitas a impermeabilizações, é importante
denotar que a maior parte delas já estão abertas e não são recobertas por asfalto ou outro
tipo de material que poderia contribuir de maneira mais incisiva para a impermeabilização.

ARCADIS logos 14
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

A impermeabilização na área das edificações de beneficiamento do minério de ferro poderá


ser decorrente da preparação do solo, como terraplenagem e compactação, e posterior
concretagem da base das estruturas, que praticamente eximem o solo de qualquer
possibilidade de infiltração de água. A supressão vegetal também pode contribuir para
impermeabilização do solo, pois a cobertura vegetal, além de aumentar a porosidade e a
permeabilidade do solo através de suas raizes, reduz a velocidade do escoamento superficial
e, consequentemente, aumenta a capacidade de infiltração de água no solo.

Ressalta-se que, conforme aponta o Diagnóstico Ambiental do Projeto Serro, as principais


zonas de recarga dos aquíferos correspondem aos locais onde afloram quartzitos, rochas da
unidade ferrífera e granitos, bem como aos locais de cota topográfica elevada, sendo que o
sistema aquífero da unidade ferrífera configura-se em uma unidade aquífera importante em
função da porosidade primária e alta permeabilidade dos itabiritos, lentes de hematita e
lentes de quartzitos.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável e localizado, pois o impacto se fará sentir em


áreas restritas dentro das imediações da ADA; de imediato-curto prazo de ocorrência, tendo
em vista que poderá ocorrer logo após a execução das atividades deflagradoras; reversível e
temporário, levando em consideração que após a conclusão das atividades de Projeto Serro
haverá recuperação da área; fato novo, entendendo-se que a impermeabilização do solo não
ocorre atualmente e; por fim, de pequena magnitude, considerando-se que as intervenções
se darão predominantemente na ADA, cuja área representa apenas cerca de 3,5% da AID.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato novo
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Nível de água subterrânea

Qualitativa Pequena

Medidas de mitigação

 Monitoramento da dinâmica das águas subterrâneas;


 Limitar a área necessária à implantação da impermeabilização nas áreas da pilha de
estéril e de estoque, estruturas de beneficiamento do minério, áreas de apoio e diques de
contenção;
 Limitar a área necessária à implantação de processos de compactação do solo.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Monitoramento da Qualidade


das Águas Subterrâneas.

ARCADIS logos 15
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam baixo grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

D) Assoreamento da rede de drenagem e alteração na qualidade das águas


superficiais
Devido à geração e carreamento de sedimentos

Na fase de implantação do Projeto Serro, que compreenderá os trabalhos iniciais de


desenvolvimento das cavas, pilha de estoque, pilha de estéril, além das obras de todas as
instalações e sistemas de apoio necessários, serão desenvolvidas atividades que tenderão a
expor em maior grau a superfície dos solos às ações das chuvas, tais como: supressão da
vegetação, terraplenagem, movimentação dos solos para instalação do canteiro de obras e
de infraestruturas de apoio, abertura e melhorias de estradas e de acessos e implantação dos
sistemas de controle, como os diques de contenção. A geração e carreamento de sedimentos
em decorrência destas atividades poderão provocar assoreamento da rede de drenagem, ou
seja, acúmulo de detritos e substâncias minerais ou orgânicas nos corpos d’água,
provocando a redução de sua profundidade e velocidade de fluxo.

Conforme mencionado ao longo do diagnóstico ambiental, as estruturas do empreendimento


onde serão concentradas as obras de implantação do projeto estão localizadas na sub-bacia
do córrego Siqueira, embora também faça parte da AID do empreendimento um trecho da
sub-bacia do rio do Peixe.

Como os rios que drenam as áreas de influência do Projeto Serro em geral apresentam
pequeno porte, haverá impacto significativo nos corpos d’água decorrentes do carreamento
de sólidos caso não sejam adotadas medidas mitigadoras adequadas durante as obras. As
atividades supracitadas, portanto, poderão desencadear ou intensificar os processos erosivos
dos solos e o transporte de materiais diversos e de sedimentos aos corpos d’água
adjacentes, especialmente no período chuvoso, provocando o assoreamento e,
consequentemente, diminuição das seções naturais das drenagens.

O fluxo de sólidos promove ainda interferências na qualidade das águas superficiais, com
aumento dos níveis de cor, sólidos e de turbidez, podendo também acarretar maior
concentração de metais, como ferro e manganês, elementos típicos da matriz geológica
regional. Esses componentes interferem nas condições estéticas das águas e na
produtividade biológica do sistema aquático, impacto esse potencializado no período de
chuvas.

Vale ressaltar que o diagnóstico das águas superficiais da região apontou que as mesmas
atualmente apresentam, em geral, boa qualidade, com baixos teores de sólidos, turbidez e
cor verdadeira na maior parte dos pontos amostrados da AID.

ARCADIS logos 16
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Avaliação do Impacto

O assoreamento dos cursos d’água e alteração da qualidade das águas superficiais pelo
aporte de cargas difusas é um impacto negativo, provável, de ocorrência a imediato-curto
prazo, tendo em vista que poderá ocorrer logo após a execução da atividade que o deflagrar.
Trata-se de um impacto reversível, pois, além de mecanismos preventivos, há métodos
corretivos usuais, como remoção mecânica de bancos de sedimentos e controle do aporte de
sedimentos, possibilitando ao corpo hídrico retornar à condições semelhantes às originais.

É considerado um impacto intensificado pelo empreendimento, visto que este processo já


ocorre naturalmente, embora de forma mais lenta, disperso, visto que o carreamento de
sedimentos poderá alcançar trechos bem a jusante da área onde ocorre a atividade geradora
dos mesmos. O assoreamento também é considerado temporário, tendendo a ser
amenizado ou cessado com a consolidação das áreas terraplenadas e com o término das
atividades de implantação do projeto.

Tendo em vista que corpos d’água da AID em geral apresentam pequeno porte, o
carreamento de pequena quantidade de sólidos para os mesmos já será suficiente para
promover assoreamentos e alterar a qualidade das águas. Deve ser considerado também
que todas as drenagens que sofrerão influência direta do futuro empreendimento são
tributárias do córrego Siqueira, ou seja, este último poderá acumular as intervenções
ocorridas nos tributários. Portanto, este impacto é considerado de grande magnitude.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato - curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude

Indicador Aspecto do sistema de drenagem e Padrão de qualidade da água

Qualitativa Grande

Medidas de mitigação

 Adoção de ações visando evitar a ocorrência de focos erosivos dos solos, tais como:
supressão da vegetação dentro dos parâmetros técnico/legais e restrita essencialmente
às áreas destinadas à implantação do empreendimento; realização das obras
preferencialmente no período de estiagem; implantação e manutenção das estruturas de
contenção, de sistemas de drenagens provisórios e permanentes e de proteção
superficial dos solos; manutenção periódica das vias com tráfego de veículos e em áreas
de maior fragilidade aos processos erosivos;
 Redução no tempo de exposição das camadas mais frágeis do solo, ações de controle
intrínseco como instalação, inspeção e manutenção periódica de sistemas de drenagem
de águas pluviais, mesmo que provisórios, além da recuperação das áreas de solo

ARCADIS logos 17
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

exposto com projetos de reflorestamento, incluídos no Programa de Recuperação de


Áreas Degradadas (PRAD);
 Execução dos projetos de terraplenagem de forma a equilibrar os volumes de corte e
aterro, com intuito de minimizar a geração de material excedente dos cortes e a retirada
de material de empréstimo para o aterro;
 Emprego de sistemas de proteção das pilhas de estoque e estéril, escavação de valetas
de drenagem nos perímetros das pilhas, evitando sua erosão além do reaproveitamento
dos solos, quando possível, nas áreas que serão recuperadas e reconformadas. A
implantação da infraestrutura prevê procedimentos visando à estabilização dos taludes, a
revegetação das áreas com solos expostos e o replantio de matas ciliares, conforme
indicado no Programa de Controle Ambiental das Obras (PCAO) e no Programa de
Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD);
 Realização de inspeções visuais periódicas e manutenção do sistema de drenagem
pluvial, além de observações sistemáticas sobre o aspecto geral dos corpos hídricos,
registrando-se eventual presença de detritos e concentração de sólidos;
 Implantação do Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais,
visando realizar o acompanhamento sistemático dos parâmetros de controle ambiental
dos ecossistemas aquáticos potencialmente afetados pelas obras, permitindo a tomada
de ações preventivas e corretivas durante toda a fase de implantação.

As ações acima são contempladas no Programa de Controle Ambiental das Obras – PCAO,
no Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais e no Programa de
Recuperação de Áreas Degradadas – PRAD.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

E) Alteração na qualidade das águas superficiais por efluentes e resíduos sólidos


Durante a implantação do Projeto Serro haverá geração de cargas pontuais representadas
por disposição de resíduos sólidos, efluentes oleosos e por efluentes líquidos de origem
sanitária.

Os resíduos sólidos serão oriundos principalmente das atividades de obras civis, do canteiro
de obras, do refeitório, do ambulatório, dos sanitários, entre outros.

Os efluentes oleosos serão originados no canteiro de obras e nas oficinas de reparo e


manutenção dos equipamentos. Tais efluentes são ricos em óleos, surfactantes e sólidos.

Em relação aos efluentes líquidos, considerando-se a presença de, aproximadamente, 300


funcionários no pico das obras, pode-se estimar uma geração de 21 m³/dia de efluentes
líquidos sanitários (0,07 m³/pessoa/dia, segundo ABNT/NBR 13969:1997), além do material
recolhido dos banheiros químicos a serem distribuídos nas frentes de obra. Os efluentes

ARCADIS logos 18
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

sanitários são caracterizados pelo alto teor de nutrientes, matéria orgânica e altas densidades
de bactérias de origem fecal.

Caso não sejam tomadas as medidas adequadas de coleta, armazenamento, tratamento e


destinação apropriada de efluentes e de resíduos sólidos, descritas mais adiante, essas
cargas pontuais poderão alcançar os recursos hídricos, em especial o córrego Siqueira,
principal corpo receptor da ADA do Projeto Serro, causando alteração na qualidade de suas
águas, entre as quais redução dos níveis de oxigênio dissolvido, elevação da concentração
de matéria orgânica e nutrientes, especialmente fósforo e nitrogênio, e aumento da
densidade de bactérias de origem fecal.

Avaliação do Impacto

A alteração da qualidade das águas superficiais pelo aporte de cargas pontuais geradas na
fase de obras é um impacto negativo, direto, provável, de ocorrência em imediato - curto
prazo. Trata-se de um impacto disperso, pois as cargas pontuais poderão alcançar o córrego
Siqueira. É reversível, fato novo pelo empreendimento e temporário, pois uma vez
controlada a fonte poluidora, a qualidade das águas superficiais tende a se restabelecer aos
padrões atuais.

Esse impacto é considerado de média magnitude, visto que a implantação do projeto em


análise implicará geração de cargas pontuais, sendo restritas as alternativas de diluição de
efluentes nos corpos hídricos superficiais na AID e ADA do empreendimento.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato novo
Prazo Imediato - curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Padrão de qualidade da água
Qualitativa Média

Medidas de mitigação

As medidas mitigadoras a serem adotadas para reduzir este impacto incluem:

 Os resíduos sólidos serão armazenados e destinados corretamente, seguindo as


diretrizes definidas pela NBR ABNT 10.004/2004;
 Os efluentes oleosos gerados pelas obras serão destinados à caixa separadora de água
e óleo e de decantação de sólidos. Este sistema de tratamento deverá seguir os
procedimentos estabelecidos pelas Resoluções CONAMA n° 362/05 e 450/12 que trazem
as exigências legais para a destinação deste resíduo. O tratamento desses efluentes
deverá ser realizado em local adjacente à fonte geradora;

ARCADIS logos 19
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Os efluentes de refeitórios e sanitários serão encaminhados a sistemas de fossa séptica


e filtro anaeróbio, os quais deverão ser construídos de forma a comportar todo o efluente
gerado sem comprometer a eficiência do sistema;
 Aplicação do Sub-programa de Controle dos Efluentes Líquidos e do Sub-programa de
Controle dos Resíduos Sólidos, a fim de minimizar a geração de resíduos e adequar à
segregação, acondicionamento, identificação, coleta e transporte externo, e disposição
final, proporcionando aos resíduos gerados e aos efluentes um encaminhamento final em
conformidade com as legislações e normas ambientais vigentes, de acordo com as
orientações da Política Nacional dos Resíduos Sólidos;
 Implantação do Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais, que
permitirá o acompanhamento sistemático dos parâmetros de controle ambiental do
ecossistema aquático.

As ações de gestão deste impacto são contempladas no Programa de Controle Ambiental


das Obras – PCAO e no Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

F) Alteração na disponibilidade hídrica


Devido à demanda de água para o período de obras

Conforme descrito na Caracterização do Empreendimento, na fase de implantação do projeto


está previsto um consumo de água diário da ordem de 834 m3/dia, direcionado ao consumo
humano, aspersão das vias de acesso, oficina e atividades construtivas. Há previsão de que
estas demandas sejam supridas pela perfuração de três poços tubulares profundos e pela
captação a fio d’água, no ponto de coordenadas 671905E e 7947415N, pequena drenagem
tributária do córrego Siqueira (). Esta captação de água superficial seria destinada à
complementação da demanda necessária à umectação de vias.

Durante vistoria de campo, no entanto, realizada em maio de 2014, observou-se que esta
drenagem estava praticamente seca, indicando que trata-se de um curso d’água intermitente
e que, consequentemente, não apresenta disponibilidade hídrica suficiente para atender a
demanda do empreendimento em questão.

ARCADIS logos 20
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Tributário do córrego Siqueira, no trecho onde está prevista a realização de captação de água
para o futuro empreendimento, em maio/14.

Avaliação do Impacto

A alteração na disponibilidade hídrica é um impacto negativo, certo, de ocorrência em


imediato - curto prazo, reversível, fato novo e temporário, cessando com o término da
operação do empreendimento. A alteração na disponibilidade hídrica pode ser considerada
local, visto que ocorrerá principalmente na AID do futuro empreendimento.

Considera-se este impacto de grande magnitude durante a fase de implantação, pois o


córrego Siqueira e seus tributários apresentam usos múltiplos. Suas águas são utilizadas
principalmente para dessedentação animal e uso doméstico. Além disso, o córrego onde está
prevista a captação de água superficial não apresenta disponibilidade hídrica suficiente.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato novo
Prazo Imediato - curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Vazão das águas superficiais e monitoramento do nível de água do lençol
Indicador
freático.

Qualitativa Grande

Medidas de mitigação

 Avaliar outro ponto para captação de água superficial para complementar a demanda
necessária para umectação de vias;

ARCADIS logos 21
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Para utilização das águas subterrâneas e superficiais deverá ser solicitado na Secretaria
de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) outorga de direito
de uso que avaliará a compatibilidade da disponibilidade hídrica frente às demandas do
projeto. Caso não se consiga direito de outorga, as demandas deverão ser supridas por
caminhões-pipa e aquisição de galões de água mineral, não devendo causar impacto nos
recursos hídricos da área do empreendimento;
 O empreendimento manterá equipamentos de medição para monitoramento da vazão
captada, buscando sempre a eficiência no uso da água.

As medidas de mitigação e de controle propostas apresentam alto grau de resolução,


podendo o impacto ser considerado de média relevância.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Controle Ambiental das Obras –
PCAO.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

G) Alteração da configuração da rede hídrica


Devido à implantação das estruturas do projeto

As principais estruturas previstas para implantação do Projeto Serro situam-se sobre cursos
d’água, todos tributários do córrego Siqueira por sua margem direita. Haverá interferência nos
cursos d’água para instalação das pilhas de estéril e de estoque, cava e diques de
contenção, sendo importante considerar que um dos dois diques previstos será construído no
córrego Siqueira.

Portanto, a implantação das estruturas do projeto resultará na alteração da configuração atual


da rede hídrica, suprimindo os recursos hídricos em alguns trechos e interferindo no
escoamento natural das águas em outros.

Avaliação do Impacto

A alteração da rede de drenagem é um impacto negativo, certo, de ocorrência no imediato -


curto prazo, irreversível, fato novo, localizado aos cursos d’água diretamente afetados
pela ADA e permanente, visto que será uma alteração definitiva.

Considera-se este impacto de grande magnitude, visto que várias nascentes do córrego
Siqueira serão afetadas com a instalação do novo empreendimento.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível

ARCADIS logos 22
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Atributos
Ordem Direto Forma de interferência Fato novo
Prazo Imediato - curto Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude

Indicador Nº de cursos d’água água onde haverá intervenção

Qualitativa Grande

Medidas de mitigação

Este impacto, em alguns corpos hídricos diretamente afetados, não poderá ser mitigado,
tendo em vista que a localização das estruturas já está pré-definida. Quando possível, no
entanto, serão aplicadas as seguintes medidas:

 Implantação de sistemas de drenagem direcionando o fluxo das águas aos leitos


naturais;
 Adoção de técnicas de construção adequadas a cada um dos corpos d’água, de forma a
ocasionar o menor impacto ambiental possível.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Controle Ambiental das Obras –
PCAO.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Alto

Como as medidas mitigatórias para a alteração da configuração da rede hídrica não


impedirão o impacto, este foi avaliado como de grande magnitude e pode ser considerado
como de alta relevância.

H) Alteração na qualidade do ar
Devido à emissão de material particulado e geração de gases de combustão

Durante a fase de implantação do empreendimento, algumas atividades poderão implicar na


emissão de material particulado como PTS e PM10, dentre as quais se destacam: limpeza e
preparação dos terrenos, supressão da vegetação, obras de terraplanagem, implantação e
operação do canteiro de obras, implantação e melhoria de acessos, implantação dos
sistemas de controle ambiental, transporte de pessoal, insumos e equipamentos e
recomposição da área.

O componente predominante da movimentação do terreno é o material particulado,


caracterizado como poeiras ressuspensas, essencialmente terra, que é inerte. Contudo,
partículas muito pequenas (inferiores a 10 micra) podem penetrar no aparelho respiratório,
atingindo os brônquios e alvéolos pulmonares e causar alergias e doenças respiratórias
(WHO, 2006). Esse material tem um alcance limitado, tendendo a se depositar rapidamente

ARCADIS logos 23
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

no solo, dependendo das condições climáticas. Ressalta-se que, na incidência de ventos


fortes, especialmente nos períodos mais secos, os impactos provocados por estas emissões
serão agravados, devido ao aumento da emissão de partículas por ressuspensão.

Haverá ainda geração de gases de combustão durante a etapa de implantação decorrente do


funcionamento de veículos leves e pesados (automóveis, vans, caminhonetes, caminhões,
etc.), equipamentos leves e pesados (compressores, tratores, pás carregadeiras, etc.) que
utilizam como força motriz motores à base da queima de combustíveis fósseis. As emissões
gasosas serão compostas basicamente por gases do tipo óxidos de carbono (CO e CO2),
óxidos de nitrogênio (NOx), óxidos de enxofre (SOx) e hidrocarbonetos.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, certo, disperso, pois o impacto pode se fazer sentir além
das imediações do empreendimento, de ocorrência em imediato-curto prazo, tendo-se em
vista que poderá ocorrer logo após a execução da atividade que o deflagrar, reversível uma
vez que as características do local poderão ser recuperadas logo após a finalização das
atividades, temporário, pois ocorrerá apenas durante a fase de implantação do
empreendimento, intensificador, entendendo-se que a ressuspensão de material particulado
já ocorre atualmente, tendo em vista que as vias de acesso da AID não são pavimentadas, e
que já existe fluxo de veículos ao longo da AID.

O impacto em questão é considerado de pequena magnitude, considerando-se que a


direção predominante dos ventos, conforme apresentado no diagnóstico, é de sudeste para
noroeste, onde não existem muitas fontes receptoras. A sede do município do Serro, que é a
principal fonte receptora da região, encontra-se ao sul da AID do futuro empreendimento.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Concentração de Partículas Totais em Suspensão e Partículas Inaláveis e
Indicador
Medição de emissões atmosféricas
Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

 Estabelecimento de limite de velocidade dos veículos, uma vez que os principais fatores
que contribuem para o aumento da geração de poeira associado ao tráfego de veículos
são o peso e a velocidade;
 Aspersão de água nas vias de acesso, visando reduzir a suspensão de material
particulado;
 Recobrimento vegetal de áreas desnudas assim que liberadas para tal.

ARCADIS logos 24
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Inspeção e manutenção preventiva de veículos, máquinas e equipamentos, visando


detectar alguma anormalidade na regulagem dos motores de combustão e também para
reduzir ao mínimo a emissão de gases e fumaça preta;
 Utilização de veículos/equipamentos novos ou em bom estado de conservação,
regulados conforme instrução do fabricante.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Controle Ambiental das Obras –
PCAO.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

I) Alteração dos Níveis de Pressão Sonora e Vibração


Devido à geração de ruído e vibração

As principais fontes de emissões de ruídos e vibrações previstas para a fase de implantação


do Projeto Serro estão associadas à movimentação e operação de equipamentos (leves e
pesados); montagem eletromecânica das estruturas; obras civis em geral (operações de
escavação e aterro, carregamento e descarregamento de material, além da limpeza e
regularização de terreno),funcionamento de compressores e eventual uso de explosivos.
Deve-se considerar também que serão realizadas adequações e aberturas de acessos que
também serão uma fonte importante de emissões de ruído e vibrações nos terrenos.

Durante as campanhas de campo, os níveis de ruídos obtidos mantiveram-se dentro dos


padrões estabelecidos pela legislação, mesmo no ponto situado próximo à sede municipal de
Serro, onde há maior fluxo de veículos e número de residências. O incremento nos níveis de
ruídos na fase de implantação do Projeto Serro, no entanto, ocorrerá de maneira dispersa,
associada principalmente a fontes móveis e ao aumento do fluxo de veículos na região.

Avaliação do Impacto

A natureza deste impacto é negativa; pois a elevação dos níveis de pressão sonora (ruído)
poderá afetar a qualidade de vida dos trabalhadores do empreendimento, da população
residente no entorno da área e da fauna do entorno. É um impacto de ocorrência certa; pois
as obras e o transporte de carga e trabalhadores são fundamentais para a implantação desta
fase do projeto e deverá se manifestar em imediato-curto prazo. A espacialidade do impacto
é disperso, pois embora concentre-se principalmente na área do empreendimento, o
aumento do tráfego se dará em diversas vias e localidades. Este impacto é reversível,
temporário e intensificador, pois já existem atividades geradoras de ruído na região,
embora estas sejam menos expressivas do que as previstas no futuro empreendimento.

Considerando que os trabalhadores das obras utilizarão EPIs adequados e que a principal
comunidade receptora (sede municipal de Serro) encontra-se fora da AID do
empreendimento, a magnitude deste impacto é considerada pequena.

ARCADIS logos 25
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Medição dos níveis de ruído
Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

 Controle ambiental envolvendo o adequado projeto e a manutenção de equipamentos,


máquinas e veículos, visando reduzir os níveis de pressão sonora;
 Os grupos geradores e demais equipamentos fixos, quando necessário, poderão ser
confinados de forma a adequar os níveis de pressão sonora;
 Adequação das vias de acesso, visando facilitar o deslocamento de veículos.
 Será implantado o Sub-programa de Monitoramento dos Níveis de Ruídos, como forma
de verificar a eficácia das ações de controle propostas e o nível de atenuação de ruídos
nas áreas ocupadas (receptores);
 Utilização de EPIs pelos funcionários diretamente envolvidos no empreendimento.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Controle Ambiental das Obras –
PCAO.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução, pois embora o empreendedor


possa implantar ações de mitigação como de tratamento acústico das fontes de ruído e
adequação das vias de acesso, o fluxo de veículos aumentará, gerando maiores níveis de
pressão sonora. Como o impacto foi avaliado como de pequena magnitude, por não
influenciar diretamente a comunidade de Serro, este pode ser considerado de baixa
relevância.

J) Impactos sobre o patrimônio espeleológico


De acordo com o levantamento espeleológico apresentado em anexo deste EIA, foram
estudadas 26 cavidades naturais subterrâneas. Destas, 23 sofrerão algum tipo de impacto
em seu entorno. Os estudos indicam que seis cavidades serão suprimidas, 17 terão seus
raios de influência afetados e três não deverão sofrer impactos.

Para a implantação da Pilha de Estoque, a cavidade de alta relevância AAS-022 terá que ser
totalmente suprimida. A implantação desta mesma estrutura irá interferir no raio de proteção

ARCADIS logos 26
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

de mais seis cavidades de alto potencial espeleológico: AAS-001, AAS-015, AAS-016, AAS-
017, AAS-018 e AAS-024.

Para a implantação do Pit de Lavra, as cavidades de alta relevância espeleológica AAS-002,


AAS-003, AAS-014 e a de máxima, AAS-020, terão que ser totalmente suprimidas. A
implantação desta mesma estrutura irá interferir nos raios de proteção de mais oito cavidades
de alto potencial espeleológico: AAS-001, AAS-012, AAS-013, AAS-016, AAS-017, AAS-018,
AAS-021 e AAS-025.

A implantação da Pilha de Estéril, por sua vez, irá interferir no raio de proteção de três
cavidades de alta relevância espeleológica: AAS-008, AAS-019 AAS-023.

A implantação do Dique de Contenção, ao sul da área, irá afetar o raio de proteção das
cavidades AAS-004, AAS-005, AAS-007, AAS-010, AAS-019, AAS-021e AAS-006, sendo a
ultima, de máxima relevância espeleológica, e as demais, de alta relevância.

A implantação da estrada, por sua vez, irá suprimir a cavidade AAS-001 e causar
interferência no raio de proteção das cavidades AAS-002, AAS-008, AAS-016, AAS-017,
AAS-018, AAS-020, AAS-021 e AAS-025. Já implantação da Área de Apoio causará
interferência no raio de proteção das cavidades AAS-002, AAS-020 e AAS-021.

Segundo o Decreto federal N° 6.640/08, são vedados impactos negativos irreversíveis em


cavidades com máximo grau de relevância espeleológico. As cavidades com alto grau de
relevância podem ser suprimidas entretanto mediante ações de compensação e anuência do
órgão ambiental no processo de licenciamento.

Avaliação do Impacto

A supressão de cavidades naturais subterrâneas é considerada um impacto negativo, certo


e de curto prazo, pois se dará com implantação das estruturas minerárias. A espacialidade
do impacto é localizada, por se tratar da interferência em determinadas cavidades naturais
subterrâneas existentes na ADA. O impacto é irreversível e permanente, pois irá suprimir
um patrimônio natural regional, considerando suas peculiaridades físicas inerentes e
eliminando um ambiente único e propício à proliferação de fauna com características
singulares. Soma-se a isso, a interferência a ser causada no raio de proteção das cavidades
listadas. Portanto, o impacto é de grande magnitude, por apresentar supressão com perdas
físicas e biológicas permanentes.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Curto Duração Permanente
Cumulatividade/Sinergia Cumulativo
Magnitude
Número de cavidades naturais subterrâneas suprimidas ou das cavidades
Indicador
cujo raio será impactado.

ARCADIS logos 27
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Atributos
Qualitativa Grande

Medidas Mitigatórias/Compensatória

No sentido de mitigar e/ou compensar os impactos previstos às cavidades naturais


subterrâneas do Projeto Serro e atender a legislação vigente (em especial Decreto federal N°
6.640/08), propõe-se o programa de Proteção ao Patrimônio Espeleológico apresentado no
próximo capitulo. Em resumo o mesmo prevê as seguintes ações:

 Adequação de projeto para evitar a supressão e/ou interferência no raio de proteção


das cavidades de máxima relevância AAS-006 e AAS–020;
 e/ou Complementação de Estudos Biológicos para possível Revisão da Relevância e
raios de proteção destas 2 cavidades de máxima relevância;
 Proposição de compensação espeleológica para intervenções previstas nas cavidades
de alta relevância;
 Ações de readequação do raio de proteção e de monitoramento das Cavidades
Naturais Subterrâneas na área do Projeto Serro.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução, considerando que mesmo que
todas sejam implementadas, ainda haverá o risco de não se encontrar uma alternativa viável
à execução do projeto sem a supressão/interferência sobre as cavidades de máxima
relevância. Como o impacto foi avaliado como de grande magnitude, este pode ser
considerado como de alta relevância.

7.2.2.2. Meio Biótico

A) Redução de Cobertura Vegetal Natural e Perda da Biodiversidade


Devido à remoção da cobertura vegetal

Durante a fase de Implantação do empreendimento haverá supressão de vegetação nativa


para implantação das áreas e estruturas da ADA do empreendimento, de tal forma a acarretar
na perda de habitats nativos, fragmentação da paisagem natural e potencial perda para
biodiversidade de flora e fauna local.

Foram mapeadas 12 tipologias de uso e ocupação do solo na AID, totalizando 3.190,8 ha em


área, sendo 5 delas de vegetação nativa que ocupam 1.739,2 ha (cerca de 54% da AID),
conforme apresentado no quadro e figura a seguir.

ARCADIS logos 28
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Quadro 7.2-2: Tipologias de Uso e Ocupação do Solo.

AID ADA
Tipologia
Área (ha) % do total Área (ha) % do total

Área Úmida 49,5 1,6% - -


Campo Cerrado 20,5 0,6% - -
Cerrado 31,7 1,0% 0,1 0,1%
Corpo d' Água 6,2 0,2% - -
Floresta Estacional Semidecidual em Estágio Inicial 532,1 16,7% 8,5 7,6%
Floresta Estacional Semidecidual em Estágio Médio 1118,5 35,1% 79,8 71,7%
Vegetação Rupícola Montana 36,4 1,1% 6,2 5,6%
Área Anglo American 1,8 0,1% 0,3 0,3%
Pasto Limpo 1158,1 36,3% 10,7 9,6%
Pasto Sujo 228,1 7,1% 5,7 5,1%
Rodovia MG-010 3,7 0,1% - -
Solo Exposto 4,3 0,1% - -
Total 3190,8 100,0% 111,4 100,0%
Fonte: ARCADIS logos, 2014.

ARCADIS logos 29
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Figura 7.2-1: Tipologias de Vegetação e de Uso e Ocupação do Solo existentes sob a ADA do
Projeto Serro.

Elaborado por: ARCADIS logos, 2014.

A ADA do empreendimento irá suprimir 111,4 ha em área e contem 7 das tipologias


mapeadas na AID, sendo que 94,6 ha (85% do total) são representados por vegetação
nativa. A ADA é ocupada predominantemente por Floresta Estacional Semidecidual (FES),
em estágios sucessionais inicial e médio de regeneração, em 79,3% de sua área total
(equivalente 88,3 ha). Haverá supressão ainda de 6,2 ha de Vegetação Rupícola Montana
(VRM) presentes na ADA do empreendimento, o que representa cerca de 5,6% da área total
da ADA a ser suprimida para implantação do empreendimento.

Em comparação com a AID, a supressão dos 88,3 ha de Floresta Estacional Semidecidual da


ADA representam apenas 5,1% do total desta fitofisionomia existente na AID (1.650,6 ha), e
em relação à Vegetação Rupícola Montana, os 6,2 ha a serem suprimidos representam 17%

ARCADIS logos 30
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

do total desta fisionomia existente na AID (36,4 ha). Isto indica que embora os números
absolutos e percentuais de supressão de vegetação nativa na ADA sejam relevantes, quando
comparados à quantia de vegetação nativa existente no entorno direto (AID) remanescente,
tornam-se menos expressivos.

Ainda assim, perda de habitat é o principal responsável pela perda de biodiversidade


(DUELLMAN & TRUEB, 1994; POUGH et al., 2004; HADDAD et al., 2008; VITT &
CALDWELL, 2009; IUCN, 2013; COPAM, 2010; HENLE et al., 2004; PASSAMANI &
FERNANDEZ, 2011; VIEIRA, 2010), pois acarreta na perda de serviços ambientais, de
recursos necessários ao suporte da fauna, redução da riqueza de espécies, fragmentação
dos remanescentes florestais, aumento do efeito borda, desarmonia entre relações
ecológicas estabelecidas do ponto de vista local, risco de redução de espécies raras,
afugentamento da fauna, compactação do solo e, por fim, o desarranjo da sincronia dos
processos co-evolutivos entre a flora e a fauna e consequente perda da biodiversidade local.

O impacto se agrava com a potencial perda de espécies incluídas nas listas de espécies
ameaçadas, como as espécies vegetais registradas no levantamento da AID (segundo
Biodiversitas, 2007; Instrução Normativa nº6 do MMA, 2008; Livro Vermelho, 2013): Apuleia
leiocarpa (garapa), Zeyheria tuberculosa (Ipê tabaco),Melanoxylon braúna (Braúna), Ocotea
odorífera (Canela sassafrás), Plathymenia reticulata (vinhático) e Machaerium villosum
(jacarandá-paulista), além das espécies Handroanthus chrysotrichus, Handroanthus
serratifolius e Handroanthus ochraceus, popularmente conhecidas como ipê-amarelo, que
são declaradas como imunes ao corte estabelecido por legislação estadual específica, salvo
quando necessária à execução de obra, plano, atividade ou projeto de utilidade pública ou de
interesse social, mediante autorização do órgão ambiental estadual competente (Lei Estadual
nº 20.308/2012). De modo igual, as espécies Barbacenia exscapa e Vellozia glabra (canela
de ema), ambas encontradas na AID próximos a área da cava pretendida, chamam a atenção
para um planejamento a evitar sua supressão ou promover resgates pontuais de espécimes
botânicos dentro da ADA e AID.

Com relação à fauna de vertebrados, dentre as espécies registradas que apresentam algum
grau de ameaça destacam-se: Ischnocnema izecksohni (perereca-de-folhiço), Tantilla
boipiranga (serpente) Aratinga auricapillus (Jandaia-da-testa-vermelha), Sporophila frontalis
(pixoxó), Leopardus tigrinus (gato-do-mato), Leopardus pardalis (jaguatirica) e Lontra
longicaudis (Lontra), classificadas em alguma categoria de ameaça segundo as listas de
animais ameaçados de extinção estadual (COPAM, 2010), nacional (MACHADO et al., 2008)
e mundial (IUCN, 2014).

Por fim, atenção especial deve ser dada para as “espécies chave”, cuja remoção ou a
mudança na sua abundância resulta em colapso das atuais interações de uma comunidade
(POWER et al. 1996). Os autores HIGUCHI et. al. (2011), REYS et.al. (2005) e KAEHLER et.
al. (2005) abordam em seus respectivos estudos o conceito de “espécie chave” que, no caso
da flora, são táxons que produzem grande quantidade de frutos ao longo do ano contribuindo,
assim para a manutenção da fauna. Segundo HIGUCHI et. al. (2011) a grande importância do
gênero Miconia (por exemplo), pertencente à família Melastomataceae, para a fauna é
pertinente por apresentar elevado número de espécies e indivíduos que ocorrem em áreas
com maior luminosidade em estágios mais iniciais de sucessão vegetal e em diferentes
fitofisionomias florestais. No caso da fauna, o Leopardus tigrinus (gato-do-mato), Leopardus
pardalis (jaguatirica) e Lontra longicaudis (Lontra) são bons exemplos de espécies-chave.

ARCADIS logos 31
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Avaliação do Impacto

Esse impacto, que se manifestará num curto prazo de tempo, ocorrerá durante a
implantação, sendo considerado negativo, certo e disperso. É, ainda, irreversível e
permanente. A remoção da cobertura vegetal e a perda de biodiversidade já ocorrem na
região de forma gradativa. Entretanto, este impacto é considerado fato novo, uma vez que a
retirada da vegetação para implantação do empreendimento dar-se-á de forma maciça.

Sua magnitude está associada à extensão e ao estado de conservação das fisionomias


afetadas na ADA, atualmente contínuas com AID e relativamente bem conservadas. Devido à
extensão da área de vegetação nativa que será submetida à supressão (94,6 ha),
notadamente no que se refere à FES considerada como região de tensão ecológica entre os
biomas Mata Atlântica e Cerrado, que são classificadas como Hotspots para estabelecimento
de estratégias de conversação, e, da mesma forma a Vegetação Rupícola Montana (VRM),
que em Minas Gerais é considerada por diversos pesquisadores como OLIVEIRA FILHO et.
al, (2006), RAPINI et. al.,2008, JACOBI & CARMO, 2008 sendo de “importância biológica
especial” pela flora rica em endemismos.

No que tange a importância para a conservação da biodiversidade, para a Biodiversitas


(2005) a região é considerada de importância; “Muito Alta” para a flora (41 - Florestas da
Encosta Sudeste do Espinhaço) e para os Invertebrados (23 - Região de Diamantina);
“Potencial” para Mamíferos (29 - Vertente Leste do Espinhaço); “Especial” para a Avifauna
(51 - Espinhaço Central), Herpetofauna (12 - Espinhaço Central), Ictiofauna (13 - Alto Rio
Santo Antônio), Invertebrados (12 - Serra do Espinhaço); “Extrema” para Invertebrados (31 -
Parque Nacional da Serra do Cipó); e “Corredor” (Área 22 - Corredor Espinhaço).

De acordo com as considerações apresentadas, a magnitude do impacto é considerada alta.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Imediato - Curto Duração Permanente
Cumulatividade Sinérgico
Magnitude
Indicador Quantitativo de supressão de vegetação nativa
Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

Para efeitos de mitigação dos impactos, sugere-se a adoção das seguintes medidas:

 Planejamento do processo de retirada dos indivíduos arbóreos e arbustivos para evitar


supressão além da área necessária, adequando, quando possível, a implantação das
instalações de forma a suprimir o mínimo de vegetação nativa possível;

ARCADIS logos 32
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Resgate de propágulos de plantas, com destaque para espécies ameaçadas de extinção,


para produção de mudas e utilização em recomposição de áreas degradadas visando
preservação de parte da variabilidade genética da vegetação a ser suprimida;
 Recuperação de áreas degradadas, com planos de recomposição e enriquecimento
florestal ou auto-regeneração, utilizando-se apenas espécies nativas, conforme a
situação de cada área a ser recuperada;
 Recuperação das áreas alteradas após a implantação e que não serão usadas na
operação (canteiro de obras);
 Ações de afugentamento e eventual resgate da fauna durante a supressão de vegetação.

As ações descritas acima, além de outras complementares, estão previstas nos Programas
de Controle de Supressão Vegetal, Programa de Controle Ambiental das Obras (PCAO),
Programa de Resgate de Germoplasma, Programas de Afugentamento e monitoramento de
fauna, Programa de Recomposição Florestal, previstos e descritos adiante.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

B) Intervenção em APP’s
Devido à remoção da cobertura vegetal

De acordo com a Lei federal 12.651/2012 (Novo Código Florestal), o Art. 3º define a “Área de
Preservação Permanente – APP como: área protegida, coberta ou não por vegetação nativa,
com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade
geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e
assegurar o bem-estar das populações humanas”. Para o estado de Minas Gerais a
legislação é complementada pela Lei nº 20.922 de 16 de outubro de 2013, que dispõe sobre
as politicas florestais e de proteção à biodiversidade no Estado

Segundo com o Artigo 5º da Resolução CONAMA 369/2006, o órgão ambiental competente


estabelecerá, previamente à emissão da autorização para a intervenção ou supressão de
vegetação em APP, as medidas ecológicas, de caráter mitigador e compensatório, previstas
no § 4º do art. 4º, da Lei n° 4.771, de 1965 (atual Lei federal 12.651/2012), que deverão ser
adotadas pelo requerente. Como previsto no Artigo 7º, § 8º dessa Resolução, além das
medidas ecológicas, de caráter mitigador e compensatório, previstas no art. 5º, os titulares
das atividades de pesquisa e extração de substâncias minerais em APP ficam igualmente
obrigados a recuperar o ambiente degradado, nos termos do § 2º do art. 225 da Constituição
e da legislação vigente, sendo considerada obrigação de relevante interesse ambiental o
cumprimento do Plano de Reabilitação de Áreas Degradadas - PRAD.

ARCADIS logos 33
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

De acordo com o respaldo da legislação vigente, o diagnostico ambiental do empreendimento


mapeou um total de 474,84 ha de APP´s existentes na AID empreendimento, distribuídos
sobre nove tipologias de uso do solo conforme apresentado no quadro a seguir. Para a ADA
foram mapeados 31,31 ha de áreas inseridas em APPs, distribuídos sobre 4 tipologias de uso
do solo, o que corresponde à apenas 6,6% do total de APPs existente na AID. As APPs da
ADA são principalmente cobertas por vegetação nativa – 26,82 ha de Floresta Estacional
Semidecidual (FES) em estágios sucessionais inicial e médio de regeneração -
representando 85,66% do total de áreas de APPs na ADA, sendo restante coberto por
pastagens. Cabe destacar que estes 31,31 ha de áreas da ADA em APPs e que deverão
sofrer intervenção direta pela implantação do empreendimento, representam apenas 28,1%
do total da área da ADA do empreendimento (111,4 ha) apresentada no impacto anterior.

Quadro 7.2-3: Planimetria das APP´s conforme a tipologia observada na AID e ADA da Mina do
Serro.

AID ADA
Tipologia
Área (ha) % do total Área (ha) % do total

Campo Cerrado 0,45 0,09% - -


Cerrado 2,71 0,57% - -
Vegetação Rupícola Montana 2,18 0,46% - -
Rodovia 0,53 0,11% - -
Floresta Estacional Semidecidual em Estagio Médio 216,73 45,64% 24,37 77,83%
Floresta Estacional Semidecidual em Estagio Inicial 69,77 14,69% 2,45 7,83%
Pasto Sujo 30,75 6,47% 3,56 11,37%
Pasto Limpo 114,29 24,07% 0,93 2,96%
Área Úmida 37,43 7,88% - -
Total 474,84 100,00% 31,31 100,00%
Fonte: ARCADIS Logos S.A. - 2014

A APP é de fundamental importância para a manutenção de microhabitats para a fauna,


especialmente para as espécies aquáticas e as semiaquáticas, como anfíbios e
invertebrados. Além de servir como fixador do solo, impedindo o assoreamento dos leitos
devido ao desbarrancamento das margens. Ademais, em diversos locais, onde está prevista
a instalação de estruturas, encontram-se áreas úmidas nas APP´s. Apesar de não terem sido
formados por processos naturais, esses brejos abrigam comunidades de peixes, aves,
répteis, mamíferos e anfíbios que utilizam destas as áreas alagadas para se alimentar,
reproduzir, etc e, portanto são dependentes delas. A supressão destes ambientes implica na
extinção do habitat de algumas destas espécies e, com isso, favorecem a redução das
comunidades geneticamente viáveis na região.

Avaliação do Impacto

Esse impacto, que se manifestará num curto prazo de tempo, ocorrerá durante a
implantação, sendo considerado negativo, certo e localizado. É, ainda, irreversível e

ARCADIS logos 34
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

permanente. A remoção da cobertura vegetal e a perda de biodiversidade já ocorrem na


região de forma gradativa. Entretanto, este impacto é considerado fato novo uma vez que a
retirada da vegetação em APPs será consideravelmente maior quando da instalação das
estruturas previstas.

Sua magnitude está associada à extensão, ao estado de conservação das Áreas de


Preservação Permanente afetadas, que se apresentam, na ADA e na AID, atualmente
contínuas e relativamente bem conservadas. Devido à extensão da área de vegetação ciliar
nativa que será submetida à supressão (31,31 ha), interrompendo assim fornecimento de
serviços ambientais da vegetação ciliar como a retenção de sedimentos, o controle de
processos erosivos, alterações na qualidade da água (entre as quais aumento de metais e
turbidez), o fornecimento de material alóctone fundamentais para manutenção da fauna
aquática (vertebrados e invertebrados) e por fim a perda de habitat terrestre até mesmo
alteração na estrutura das comunidades faunísticas, considera-se este impacto como de
grande magnitude.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Imediato - Curto Duração Permanente
Cumulatividade Sinérgico
Magnitude
Indicador Quantitativo de supressão de APPs
Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

Para efeitos de mitigação dos impactos, sugere-se a adoção das seguintes medidas:

 Conservação dos afluentes e APPs situados na margem esquerda do córrego Siqueira;


 Execução do Plano de Reabilitação de Áreas Degradadas (PRAD), para recuperação da
vegetação nas APP degradadas na AID, além do cumprimento das medidas ecológicas,
de caráter mitigador e compensatório, de acordo com Programa de Recomposição de
APPs;
 Planejamento do processo de retirada dos indivíduos arbóreos e arbustivos para evitar
supressão além da área necessária, adequando, quando possível, a implantação das
instalações de forma a suprimir o mínimo de árvores possível;
 Resgate de propágulos, com destaque para espécies ameaçadas de extinção, para
produção de mudas e preservação de parte da variabilidade genética da vegetação a ser
suprimida;
 Ações de afugentamento e eventual resgate da fauna durante a supressão.

As ações descritas acima, além de outras complementares, estão previstas nos Programas
de Controle de Supressão Vegetal, Programa de Controle Ambiental das Obras (PCAO),

ARCADIS logos 35
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Programa de Resgate de Germoplasma, Programas de Afugentamento e monitoramento de


fauna, Programa de Recomposição Florestal, previstos e descritos adiante.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

C) Fragmentação de Habitats Naturais e Perda de Conectividade


Este impacto está intimamente relacionado ao impacto de Redução da Cobertura vegetal e
Perda de Biodiversidade, uma vez que a supressão decorrente da implantação das estruturas
promove a fragmentação dos maciços florestais que servem como habitats para a fauna. A
fragmentação inviabiliza a manutenção das dinâmicas naturais das comunidades residentes e
inibe o trânsito de algumas espécies entre as áreas abertas criadas.

A perda de indivíduos neste caso está condicionada à capacidade suporte dos


remanescentes do entorno. Alguns dos fragmentos vegetais existentes na região são
extensos e podem fornecer abrigo e alimento, além de atuarem como corredores para o
deslocamento da fauna entre a AID e AII. Os maiores fragmentos da AII estão aos pés das
Serras do Condado e da Boa Vista, a leste do empreendimento, nas margens direita e
esquerda do rio do Peixe, e nas unidades de conservação que se situam no entorno (Parque
Estadual do Pico do Itambé, Área de Proteção Ambiental Águas Vertentes, Monumento
Natural Várzea do Lageado e Serra do Raio e Floresta Municipal Mãe D’água).

Muitas das espécies registradas nos levantamentos do diagnostico ambiental (dados


primários e secundários) podem ser consideradas dependentes de ambientes florestais e, no
caso de algumas espécies de anfíbios, roedores e aves, a fragmentação florestal pode ilhar
as comunidades, que não atravessam as áreas abertas. Para flora, os principais efeitos
sentidos são associados ao efeito de borda, que aumenta a temperatura e a incidência de luz
no interior do fragmento, alterando os ciclos ecológicos do habitat.

Sendo assim, além do impacto gerado pela perda de indivíduos, a fragmentação de habitat
acarretará em alterações na dinâmica das populações e na estrutura das comunidades
remanescentes. As espécies mais vulneráveis são as raras, ou naturalmente pouco
abundantes, endêmicas, de nichos restritos, com áreas de vida reduzidas e/ou cujos adultos
tenham pequena capacidade de deslocamento.

Avaliação do Impacto

Esse impacto, que se manifestará num curto prazo de tempo, é considerado negativo,
certo e localizado, uma vez que será restrito à AID, mais especificamente aos fragmentos
adjacentes às áreas destinadas à implantação de infraestruturas, da cava, das barragens,
áreas de apoio e acessos. É ainda, irreversível e temporário, elevando significativamente a
pressão sobre as comunidades faunísticas e florísticas do entorno, tornando esse um fato
novo.

ARCADIS logos 36
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Sua magnitude está associada à extensão, ao estado de conservação das fisionomias


afetadas e o tamanho dos fragmentos restantes. Uma fez que grande parte dos fragmentos
florestais em estágio médio de regeneração serão entrecortados por acessos ou estruturas, a
magnitude deste impacto é considerada média.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Imediato - Curto Duração Temporário
Cumulatividade Sinérgico
Magnitude

Indicador Fragmentação da vegetação nativa.

Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Recuperação de áreas de preservação permanente, com planos de reflorestamento,


enriquecimento florestal ou auto-regeneração, utilizando-se apenas espécies vegetais
nativas, preferencialmente as mesmas que haviam na região, conforme a situação de
cada área a ser recuperada;
 Programa de Supressão da Vegetação, visando ordenar e reduzir a fragmentação de
habitats;
 Recuperação das áreas alteradas após a implantação e que não serão usadas na
operação (canteiro de obras).
As ações descritas acima, além de outras complementares, estão previstas nos Programas
de Controle de Supressão Vegetal, Programa de Controle Ambiental das Obras (PCAO),
Programa de Resgate de Germoplasma, Programas de Afugentamento e monitoramento de
fauna, Programa de Recomposição Florestal e de APPs, previstos e descritos adiante

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

D) Intensificação da Pressão Antrópica sobre a Fauna e Flora do Entorno


Devido à Geração de Tráfego Rodoviário e de Pessoas, Remoção da cobertura vegetal,
intensificação do tráfego rodoviário na MG-010, Geração de ruído e Geração de
movimentação de terra (cortes e aterros).

ARCADIS logos 37
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Durante as ações de supressão de vegetação, a maior parte da fauna residente da ADA será
afugentada direta e indiretamente pela movimentação de máquinas, pessoas e pela perda de
habitat. Os animais tendem a migrar para as áreas do entorno que continuam vegetadas,
aumentando a pressão sobre os nichos e recursos disponíveis nestas áreas. Como
consequência do estresse e da competição, indivíduos poderão vir a óbito. Além disso, por
sua biologia ou fisiologia, há diversos animais que não são capazes de migrar, e acabam
sendo atropelados (como é o caso de animais de hábitos fossoriais e semi-fossoriais e
filhotes), ou morrem pela queda de árvores durante a supressão (como o caso de ninhos,
espécies que fazem abrigos em troncos de árvores ou que residem no dossel). Aqueles
animais que possuem área de vida mais restrita, como a maioria dos grupos de
invertebrados, dos vertebrados territorialistas e anfíbios, costumam perecer durante as ações
de supressão. Entretanto, ações de manejo da fauna durante a supressão podem minimizar
as perdas nesta fase.

A implantação do empreendimento demandará também um grande aumento no fluxo de


veículos na ADA durante a fase de implantação, com isso, os riscos de atropelamentos de
animais silvestres tende a aumentar. Ao se deslocarem, muitos espécimes podem utilizar as
estradas, áreas dos canteiros e alojamentos para a dispersão e abrigo, tornam-se
vulneráveis, especialmente indivíduos que costumam se deslocar bastante pelo solo, como
os répteis e os mamíferos não voadores, facilitando a sua captura por predadores naturais e
por pessoas. Salienta-se que, os atropelamentos de fauna na MG10 já são recorrentes,
devido à intensa movimentação associada à mina do Sapo e regiões turísticas vinculadas à
Estrada Real (Diamantina, Milho Verde, Pico do Itambé, Alvorada de Minas, etc.). Com a
implantação da Mina do Serro é provável que haja um aumento dos registros.

Na fase de implantação, está previsto um contingente de aproximadamente 300


trabalhadores. Embora haja pontos de difícil acesso pelas condições da vegetação, e até pelo
relevo, grande parte a ADA e AID possuem fácil acesso e com isso, esse incremento no
número de pessoas pode promover aumento de pressão sobre a fauna e flora do entorno. A
pressão sobre a vegetação pode se dar em decorrência de queimadas e de cortes ilegais ou
desnecessários de vegetação, além da coleta ilegal de espécimes vegetais de interesse
ornamental.

No que tange à fauna, a caça de animais silvestres é comum, principalmente as serpentes,


independente da espécie, que são popularmente tidas como venenosas e perigosas e, por
essa razão, são frequentemente mortas quando encontradas. Além disso, é comum a caça
cinegética, ou para fins de xerimbabo. Também são frequentes os casos de caça para venda
ou exportação de animais silvestres. Espécies como: tatu (Dasypus sp.), o tapeti (Sylvilagus
brasiliensis), o mico (Callithrix geoffroyi) e a paca (Cuniculus paca), o Jacaré-de-papo-
amarelo (Caiman latirostris), o teiú (Salvator merianae), a jararaca (Bothrops jararaca) e a
jararaca-pintada (Bothrops neuwiedi), a jandaia-de-testa-vermelha (Aratinga auricapillus),
pixoxó (Sporophila frontalis) o tucano-do-pico-preto (Ramphastos vitellinus) o falcão-de-
coleira (Falco femoralis) entre outros, que são geralmente alvos de caça ilegal para fins
cinegéticos, xerimbabo e de interesse para o comércio ilegal.

O comércio de vida silvestre, incluindo a fauna, a flora e seus produtos e subprodutos, é


considerada a terceira maior atividade ilegal no mundo, atrás apenas do tráfico de armas e de
drogas (RENCTAS, 2010). Baseado em dados sobre animais capturados e o seu preço,

ARCADIS logos 38
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

estima-se que, no Brasil, esse comércio movimenta cerca de US$ 2,5 bilhões/ano
(RENCTAS, 2010 apud IBAMA, 2012).

Por fim, a movimentação de máquinas e veículos na ADA irá descaracterizar as camadas


superficiais do solo e causar sua compactação, alterando a disponibilidade de sítios de
refúgio e estivação. As ações de terraplanagem poderão desalojar alguns indivíduos
estivantes abrigados sob a superfície do solo, pertencentes a espécies de sapos e serpentes,
além de animais assemelhados, como anfisbenídeos (cobras-cegas) e cecílias (cobras-de-
duas-cabeças) e espécies da mastofauna de hábitos subterrâneos.

Pressões sobre a fauna também deverão ocorrer devido à intensificação do ruído entorno dos
fragmentos remanescentes contíguos à ADA, afugentando os animais mais sensíveis. Além
disso, anfíbios e aves que necessitam da zoofonia nos rituais de acasalamento, tem seu ciclo
reprodutivo alterado em ambientes com ruído intenso.

Avaliação do Impacto

Esse impacto, que se manifestará num curto prazo de tempo, ocorrerá durante a
implantação, sendo considerado negativo, certo e disperso. É, ainda, irreversível e
temporário. A pressão antrópica sobre a fauna e a flora já fazem parte do contexto antrópico
da região. No entanto, tendo em vista o volume de pessoas e máquinas previstas para a
implantação do empreendimento, as alterações associadas à remoção da cobertura vegetal e
o aumento do fluxo de veículos, o impacto toma novas dimensões, elevando
significativamente a pressão sobre as comunidades faunísticas e florísticas do entorno,
tornando esse um fato novo.

De acordo com as considerações respaldadas a magnitude é considerada grande.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Imediato - Curto Duração Temporário
Cumulatividade Sinérgico
Magnitude
Atropelamento de espécimes da fauna, eventos de caça, corte ilegal de
Indicador
madeira, queimadas.
Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

Para efeitos de mitigação dos impactos, sugere-se a adoção das seguintes medidas:

 Ações de afugentamento e eventual resgate da fauna durante a supressão.


 Ações de educação Ambiental;
 Programa de Conservação e Monitoramento da Fauna Silvestre;

ARCADIS logos 39
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

E) Perda de Habitas para Espécies Novas para a Ciência


Devido à remoção da cobertura vegetal

Durante os levantamentos de dados primários realizados na ADA e AID, foram registradas


quatro espécies de anfíbios novas para a ciência. A perereca Aplastodiscus sp. nov. é uma
espécie em fase de descrição, com ocorrência conhecida até o momento somente para os
municípios de Conceição do Mato Dentro, Morro do Pilar, Alvorada de Minas e Serro (A.M.
Linares, obs. pess.; PIMENTA et al, 2014). A espécie Scinax aff. perereca também, encontra-
se em fase de descrição (L.B. Nascimento, com. pess.), sendo comumente encontrada em
diversas regiões do Quadrilátero Ferrífero (A.M. Linares, obs. pess.). As espécies Scinax aff.
similis e S. aff. x-signatus possivelmente tratam-se de espécies novas, necessitando de
revisão taxonômica para avaliar seu real status taxonômico. A rã Leptodactylus aff.
mystaceus também trata-se de uma espécie ainda não descrita pela ciência, necessitando de
mais estudos para avaliar aspectos de sua biologia, ecologia e distribuição geográfica.

A destruição e alteração de habitats é a mais notória e importante causa de declínio de


anfíbios no mundo e no Brasil (PIMENTA et al, 2014). A remoção da cobertura vegetal
contribui não somente para a perda de ambientes, mas também para a fragmentação de
habitas. Como fragmentos tendem a ficar separados por áreas alteradas, os ambientes entre
eles não costumam apresentar condições adequadas para a ocupação por anfíbios, estes se
tornam incapazes de atravessá-los, principalmente por sua capacidade limitada de dispersão
(PIMENTA et al, 2014). Além disso, a supressão vegetal promove o assoreamento de cursos
d’água e áreas úmidas onde estes animais vivem e se reproduzem, comprometendo de forma
direta e irreversível a prevalência deles no local.

Destas espécies, nenhuma foi registrada exclusivamente na ADA. Entretanto, os demais


registros destas espécies, em sua esmagadora maioria, foram feitos nas drenagens afluentes
do córrego Siqueira, em sua margem direita e nas as áreas úmidas associadas. Estas
drenagens e áreas úmidas serão alteradas ou suprimidas pela implantação das estruturas,
tornando estes ambientes inabitáveis para a maioria das espécies, pois anfíbios são animais
dependentes, em maior e menor grau, de ambientes úmidos. Além disso, anfíbios anuros são
mais sensíveis a alterações ambientais que outros vertebrados e a alteração do habitat
destes indivíduos pode levar ao desaparecimento de espécies antes mesmo de serem
conhecidas.

Avaliação do Impacto

Esse impacto, que se manifestará num curto prazo de tempo, é considerado negativo,
provável e localizado, já que será restrito à AID, mais especificamente aos fragmentos que
serão suprimidos na ADA, nos remanescentes florestais, drenagens e áreas úmidas
adjacentes às áreas destinadas à implantação de infraestruturas, da cava, das barragens,
áreas de apoio e acessos. É ainda fato novo, irreversível e permanente.

ARCADIS logos 40
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Sua magnitude está associada à ausência de conhecimento acerca destas espécies quanto à
sua distribuição, sensibilidade à alterações antrópicas, estado de conservação e biologia de
modo geral. Além disso, o tamanho dos fragmentos restantes e a conservação das
drenagens e áreas úmidas também influenciam a avaliação. Uma vez que fragmentos
florestais em estágio médio de regeneração serão entrecortados por acessos ou estruturas, e
as principais drenagens e áreas úmidas onde os espécimes foram registrados serão
alterados ou suprimidos, a magnitude deste impacto é considerada média.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Imediato - Curto Duração Permanente
Cumulatividade Sinérgico
Magnitude

Indicador Remoção da vegetação nativa

Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Recuperação de áreas de preservação permanente, com planos de reflorestamento,


enriquecimento florestal ou auto-regeneração, utilizando-se apenas espécies vegetais
nativas, preferencialmente as mesmas que haviam na região, conforme a situação de
cada área a ser recuperada;
 Recuperação das áreas alteradas após a implantação e que não serão usadas na
operação (canteiro de obras);
 Implementação de Programa de Conservação de Fauna, visando a descrição científica
das espécies ainda não estudadas e levantamento de informações sobre a biologia das
espécies.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

F) Alteração da qualidade física de habitats aquáticos e associados


Devido à geração de sedimentos

A avaliação das comunidades fitoplanctônica, zooplanctônica e zoobentônica para o


Diagnóstico Ambiental do presente estudo apontou que atualmente, na maior parte dos
pontos, as mesmas encontram-se em equilíbrio na rede amostral do Projeto Serro, com

ARCADIS logos 41
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

riqueza e abundância comuns a ambientes lóticos de pequeno porte e pouco enriquecidos


organicamente.

O diagnóstico da ictiofauna, por sua vez, resultou em uma riqueza 20 espécies, sendo este
um número inferior ao esperado para a localidade. A comunidade de peixes presente na área
de estudo é caracterizada pela predominância de espécies de pequeno porte e dentre os
pontos amostrados destacam-se os pontos ICT-13 II, que é um dos córregos afluentes do
Siqueira (ADA) e o ponto ICT – 05 (AID), no rio do Peixe, onde foi registrado o maior número
de espécies de peixes. Além disso, foi no rio do Peixe que a espécie Leporinus thayeri,
listada como ameaçada de extinção (COPAM, 2010; MMA, 2004), foi registrada.

Na fase de implantação do Projeto Serro poderá ocorrer alteração da qualidade física de


habitat de ambientes aquáticos e associados (brejos e áreas úmidas) em função do aporte de
cargas difusas, especialmente sólidos, geradas a partir de atividades como supressão de
vegetação, implantação e operação de canteiro de obras, construções de instalações de
apoio, adequações e abertura de acessos, entre outros. O aumento do carreamento de
sólidos para dentro dos corpos d’água se dará, sobretudo no período chuvoso, provocando
ou intensificando o carreamento de sedimentos para os corpos hídricos adjacentes.

Este carreamento poderá alterar a qualidade da água, sobretudo em função do aumento de


sólidos, turbidez, nutrientes e metais, como ferro e manganês, característicos da matriz
geológica regional. Além disso, haverá diminuição das seções naturais das drenagens e
redução da velocidade de fluxo dos mesmos, promovendo alterações na biota aquática,
principalmente no córrego Siqueira e em seus afluentes da margem direita, afetando as
comunidades aquáticas de forma irremediável.

A elevada turbidez e grande quantidade de sólidos suspensos, por exemplo, interferem nos
processos fotossintéticos dos produtores primários (fitoplâncton), pois dificultam a entrada de
luz no sistema aquático e reduzem os nichos temporários. Uma vez que os produtores
primários são afetados no ecossistema, por relação direta, o zooplâncton e todos os demais
elos da cadeia alimentar são afetados.

O carreamento de sedimentos pode provocar também o assoreamento de cursos d’água,


repercutindo principalmente nos organismos bentônicos, ou seja, naqueles que vivem nos
leito dos corpos d’água. As alterações nos corpos hídricos afetam diretamente os habitats
aquáticos disponíveis para a comunidade bentônica, pois o acúmulo progressivo de
sedimentos no leito pode promover uniformização do fundo pelo preenchimento das
reentrâncias e também pela perda de diferenciação entre áreas de remanso e de correnteza
(EGLER, 2002 apud QUEIROZ et al, 2008). Teores de sólidos mais finos (< 2 mm) podem
também afetar as atividades de alimentação e de respiração dos seres bentônicos devido à
deposição de partículas nos órgãos respiratórios e nas estruturas de filtração de larvas de
alguns insetos como tricópteros e dípteros (WOOD & ARMITAGE, 1997).

Em regiões de cabeceira, a compactação do substrato advinda do assoreamento pode alterar


toda a composição da ictiofauna da área, uma vez que os peixes diagnosticados nesta região
possuem requisitos biológicos específicos que requerem o substrato sendo composto por
seixos e rochas de maior porte.

ARCADIS logos 42
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

No caso de eventos pluviométricos de grande intensidade, mesmo que sejam aplicadas as


medidas de controle previstas, pode ocorrer obstrução dos dispositivos de controle e a
eficiência de remoção dos sólidos do sistema de drenagem pluvial pode ser comprometida.
Além disso, fortes chuvas também podem intensificar processos erosivos em áreas não
diretamente controladas.

Avaliação do Impacto

A alteração da qualidade física de habitat de ambientes aquáticos e associados é um impacto


negativo, provável, de ocorrência no imediato - curto prazo, disperso ao longo da AID;
irreversível e permanente se houver perda de riqueza e abundância de espécies,
intensificado pelas atividades do empreendimento.

Considera-se este impacto de grande magnitude, visto que os cursos d’água diretamente
afetados pelo Projeto Serro são de pequeno porte e poderão sofrer grandes alterações em
decorrência das atividades que provocarão a geração de sólidos.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Análise qualitativa e quantitativa da biota aquática

Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

São válidas as mesmas ações definidas no âmbito dos impactos causados sobre a qualidade
das águas superficiais anteriormente descritos, destacando-se:

 Execução das obras que demandam principalmente movimentação de terrenos,


preferencialmente, durante o período de estiagem;
 Utilização de sistemas de drenagem eficientes;
 Supressão da vegetação dentro dos parâmetros técnico/legais e restrita essencialmente
às áreas destinadas à implantação do empreendimento;
 Redução no tempo de exposição das camadas mais frágeis do solo, ações de controle
intrínseco como instalação, inspeção e manutenção periódica de sistemas de drenagem
de águas pluviais, além da recuperação das áreas de solo exposto com projetos de
reflorestamento, incluídos no Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD);
 Implantação do Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais e do
Programa de Monitoramento da Biota Aquática;

ARCADIS logos 43
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

G) Contaminação de habitats aquáticos e associados


Devido à geração de resíduos sólidos, efluentes líquidos e efluentes oleosos

Na fase de implantação serão desenvolvidas atividades que gerarão resíduos sólidos e


efluentes líquidos e oleosos no Projeto Serro. Os resíduos e efluentes se não forem
adequadamente destinados ou, por ventura, vierem a contaminar o solo, poderão ser
carreados aos cursos d’água provocando alterações na qualidade das águas e,
consequentemente, contaminação de habitat de ambientes aquáticos e associados, trazendo
prejuízos às comunidades planctônicas, bentônicas, ícticas e associadas.

A eventual contaminação das águas por óleos e graxas, por exemplo, provoca a morte da
comunidade planctônica, pois estas substâncias destroem a membrana celular dos
organismos. Nos organismos bentônicos, os óleos e graxas podem provocar efeitos
toxicológicos e metabólicos e, por consequência, a morte destes animais, pois estas
substâncias são acumuladas dentro do organismo dos mesmos (ITOPFL, 2004 apud
SECRON et al, 2010), o mesmo vale para os peixes. Os óleos e graxas também podem criar
uma película oleosa sobre a superfície da água, dificultando a troca gasosa entre a atmosfera
e o corpo hídrico. Os surfactantes também podem estar presentes nos efluentes citados
acima e exercer efeito tóxico sobre os organismos aquáticos.

Os efluentes líquidos domésticos, gerados nas áreas administrativas e de apoio,


caracterizam-se principalmente pela alta concentração de matéria orgânica e bactérias de
origem fecal e, se alcançarem os recursos hídricos, podem aumentar o teor de nutrientes na
água. Determinados níveis de nutrientes, como fósforo e nitrogênio, são limitantes para o
desenvolvimento de algumas classes de fitoplâncton, especialmente para Cyanophyceae, e
para muitas espécies de peixes. O aumento da concentração de nutrientes na água, portanto,
reduz o desenvolvimento de algumas espécies e favorece o de outras, resultando na
diminuição da diversidade biológica aquática.

Materiais orgânicos gerados por esgotos domésticos e por resíduos sólidos também podem
reduzir os índices de oxigênio dissolvido presentes na água, atingindo inclusive as camadas
mais profundas habitadas pelos invertebrados bentônicos, selecionando organismos mais
resistentes à poluição, como quironomídeos e oligoquetas.

O Diagnóstico Ambiental realizado no primeiro semestre de 2014 não identificou fontes


potenciais de contaminação significativa por efluentes e resíduos sólidos nos córregos
presentes na AID do Projeto Serro. As águas superficiais amostradas, em geral, estavam
livres de contaminação por óleos e graxas e MBAS (surfactantes) e apresentaram alta
oxigenação e baixa quantidade nutrientes. A Escherichia coli ultrapassou o valor máximo
permitido pela Resolução CONAMA n° 357/05 em apenas uma das amostras analisadas (rio
do Peixe, na primeira campanha), porém o resultado encontrado não parece ter relação com

ARCADIS logos 44
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

lançamento de efluentes sanitários e sim com bactérias de origem fecal de animais


homeotérmicos (gado).

Avaliação do Impacto

O impacto sobre ambientes aquáticos e associados em função da contaminação por resíduos


sólidos e efluentes é negativo, indireto, provável, de ocorrência em imediato - curto prazo.
Trata-se de um impacto disperso, pois a contaminação poderá alcançar o córrego Siqueira e
outros corpos d’água da AID. É irreversível, caso haja redução de riqueza e abundância de
espécies, fato novo pelo empreendimento e permanente. Esse impacto é considerado de
média magnitude, dada a pequena quantia de trabalhadores novos previstos nesta fase
(300) e a natureza do empreendimento não prever utilização/geração de substâncias
químicas contaminantes em larga escala.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Imediato-curto Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude

Indicador Análise qualitativa e quantitativa da biota aquática

Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

As ações que podem evitar e/ou mitigar estas alterações são as seguintes:

 Manutenção periódica dos sistemas de drenagem pluvial e do separador de água e óleo.


 Manutenção periódica em máquinas e equipamentos, estritamente nos locais adequados,
com piso impermeabilizado e sistema separador de substâncias oleosas;
 Verificação constante das condições de manutenção de veículos e máquinas, além de
recolhimento imediato de resíduos resultantes de vazamentos no solo;
 Monitoramento dos efluentes tratados segundo os padrões legais de emissão, conforme
Resolução CONAMA n° 430/2011.

Essas ações, entre outras, estão detalhadas no Programa de Gestão de Resíduos Sólidos e
no Programa de Controle de Efluentes Líquidos.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

ARCADIS logos 45
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

H) Perda de habitats aquáticos e associados


Devido à implantação das estruturas do projeto

As estruturas do Projeto Serro serão construídas em áreas onde ocorrerão impactos diretos
sobre os corpos d’água e áreas úmidas e, consequentemente, sobre as comunidades
aquáticas. As áreas da cava, pilha de estéril, pilha de estoque situam-se sobre grande parte
de nascentes e tributários diretos da margem direita do córrego Siqueira. Assim, a
implantação das estruturas do projeto resultará na alteração da configuração atual da rede
hídrica, implicando em supressão de habitats para os organismos aquáticos e associados.

Além disso, está prevista a instalação de 1 (um) dique de contenção em um dos tributários do
córrego Siqueira e 1 (um) dique no próprio córrego Siqueira. A instalação de diques nos
corpos hídricos alterará o regime dos mesmos de lótico para lêntico, favorecendo o
desenvolvimento de organismos planctônicos adaptados a ambientes de águas mais calmas.
Vale considerar que a alteração do ambiente para lêntico, em conjunto com o aumento de
nutrientes, especialmente fósforo e nitrogênio, pode favorecer o desenvolvimento de
organismos fitoplanctônicos pertencentes à classe Cyanophyceae (cianobactérias). Segundo
Pearl (1988), as cianobactérias são organismos que possuem eficientes estratégias de
sobrevivência, em virtude de suas características ecológicas e fisiológicas. A ocorrência de
florações de cianobactérias é comumente associada a níveis tróficos elevados, à temperatura
da água acima de 20ºC, à estabilidade da coluna d’água e populações pré-existentes. Não
são desejáveis blooms (elevadas densidades) de cianobactérias em águas superficiais, pois
estes organismos provocam redução na disponibilidade de luz do sistema aquático e
desequilíbrio no ecossistema. Além disso, algumas espécies apresentam potencial para
produção de toxinas que podem ser prejudiciais aos animais e ao homem especialmente em
caso de ingestão.

Conforme apresentado no diagnóstico ambiental, a presença de cianofíceas foi observada


em alguns corpos hídricos da região, porém com baixas densidades em todos os pontos. As
densidades destes organismos foram maiores somente na amostra coletada na segunda
campanha no ponto CH06 (córrego Siqueira, à jusante da confluência com o córrego
Teixeira), porém em conformidade com o valor máximo permitido pelo CONAMA (Resolução
n° 357/05). A espécie predominante, no entanto, foi a Cyanogranis ferruginea, que não possui
registro de produção de toxinas, segundo SANT’ANNA (2008).

A instalação de diques no córrego Siqueira e em um de seus tributários também provocará


alterações na estrutura da comunidade bentônica, pois a velocidade das correntes e o
transporte de sedimentos são importantes fatores que alteram a composição e funcionamento
da mesma. Também poderá ocorrer redução da disponibilidade de oxigênio dissolvido na
água, especialmente nos pontos mais profundos da coluna d’água, prejudicando o
desenvolvimento de organismos considerados mais sensíveis, indicadores da boa qualidade
da água.

A alteração da configuração atual da rede hídrica também afetará a ictiofauna. Os peixes


registrados nestes locais serão perdidos, uma vez que não existe nenhuma medida de
manejo que seja aplicada a este tipo de situação. As espécies encontradas nessas

ARCADIS logos 46
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

drenagens podem ocorrer em outros cursos d’água presentes na região. Entretanto, as


populações de fauna aquática, ocorrentes nas drenagens da ADA, tendem a ser perdidas
durante a instalação do empreendimento.

Por fim, as espécies que utilizam das áreas húmidas para reprodução e predação serão
afetadas pela perda destes ambientes por assoreamento. Apesar de não terem se formado
por processos naturais, estes ambientes são habitas para espécies, em especial os anfíbios e
répteis, que estão adaptados a eles e a reprodução destes e de peixes e aves da região pode
ser comprometida pela alteração definitiva destes habitats singulares.

Avaliação do Impacto

A perda destes habitats aquáticos e associados será um impacto negativo, certo, de


ocorrência no imediato - curto prazo, irreversível, fato novo, permanente e localizado
aos cursos d’água da ADA que sofrerão intervenção.

Apesar das drenagens naturais serem, em grande parte, de pequeno porte, considera-se este
impacto de grande magnitude, uma vez que as estruturas do empreendimento interferirão
em várias drenagens na bacia do córrego Siqueira e em habitats aquáticos singulares.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato novo
Prazo Imediato-curto Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Análise qualitativa e quantitativa da biota aquática

Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

Não há como minimizar o impacto, tendo em vista que a localização das estruturas já está
pré-definida. Contudo, a implantação do Programa de Monitoramento da Biota Aquática
permitirá acompanhar a estrutura desta comunidade nos corpos d’água da região e fornecerá
subsídios para a indicação de medidas compensatórias, como a preservação de corpos
hídricos que não serão afetados diretamente pelas atividades do Projeto Serro.

Os corpos hídricos que poderiam ter sua preservação garantida pelo empreendedor são os
afluentes da margem esquerda do córrego Siqueira e ainda o córrego Teixeira, principal
afluente do córrego Siqueira por sua margem direita, a jusante da área diretamente afetada
pelo futuro empreendimento. Para tanto, sugere-se ações de recomposição de APPs nestas
drenagens, de modo a mitigar a perda regional de espécies aquáticas.

ARCADIS logos 47
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam baixo grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

I) Interferência na Qualidade da Saúde Pública


Devido à Geração de Tráfego de Pessoas e Remoção da cobertura vegetal,

As alterações esperadas nas comunidades da fauna poderão gerar conflitos com


trabalhadores e a comunidade local, já que a perda e alteração de habitats podem fazer com
que algumas espécies comecem a frequentar áreas abertas ou peridomiciliares, aumentando
a interação com humanos. Os conflitos gerados podem ser acidentes com animais
peçonhentos e ainda a possibilidade de transmissão de doenças endêmicas, como a febre
amarela, a filariose, a leishmaniose e o arbovírus.

No levantamento de dípteros vetores realizado na ADA e AID do presente empreendimento,


foram registrados seis táxons vetores de doenças: Aedes scapularis, vetor da Encefaltite do
rocio; Culex declarator, vetor de Arbovirus; Culex quinquefasciatus, vetor da Filariose;
Lutzomyia ayrozai e Lutzomyia flaviscutellata, vetores da Leishmaniose Tegumentar
Americana; e Sabethes purpureus, vetor da febre amarela silvestre.

Das espécies registradas três delas (Aedes scapularis, Culex quinquefasciatus, Culex
declarator) se adaptam bem a ambientes antropizados e peridomiciliares. Estes resultados
demonstram que os ambientes da ADA, que são majoritariamente florestais, apresentam
condições mais favoráveis para abrigar espécies de dípteros vetores de doenças. Uma vez
que a instalação do empreendimento acarretará na supressão de vegetação nativa,
promovendo a alteração destes ambientes, a implantação do empreendimento pode afetar a
população de insetos ocasionando migração de possíveis dípteros vetores para a região da
instalação do empreendimento e entorno. Essa ação também irá promover o afugentamento
de animais peçonhentos, como as espécies registradas nos dados secundários e primários,
como: jararaca (Bothrops jararaca), jararaca-pintada (Bothrops neuwiedi), urutu-cruzeiro
(Bothrops alternatus), falsa-jararaca (Thamnodynastes strigilis e T. cf. hypoconia), coral
(Micrurus frontalis e M. lemniscatus) e a cascavel (Crotalus durissus). Estas serpentes podem
ser pivô de acidentes com funcionários nas áreas de implantação e de proprietários rurais no
entorno do empreendimento.

Além disso, está prevista a contratação de mão de obra na ordem de 300 pessoas para atuar
na implantação do empreendimento em questão. Para os dípteros, os mamíferos e as aves
são a fonte natural de alimento no ambiente silvestre. Entretanto, com a evasão da fauna
associada aos fragmentos que serão suprimidos e o aumento do volume de pessoas
circulando no ambiente, aliados à pequena extensão da área de vida da maioria dos dípteros
é esperado que as espécies hematófagas utilizem-se do sangue das pessoas associadas à
implantação, ou que residem no entorno, como fonte principal de alimento. Estas pessoas
ficam sujeitas a infecção das doenças supracitadas e servem como reservatórios,
aumentando o risco de transmissão e, consequentemente, gerando problemas para a saúde
pública.

ARCADIS logos 48
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Outro fator que deve ser considerado é a grande quantidade de resíduo gerado durante a
instalação do empreendimento. Pneus, caixas, entulho e outros são excelentes esconderijos
para serpentes, aranhas e escorpiões, elevando o risco de acidentes. Além disso, podem
servir de reservatório de água e, por conseguinte, criam condições ideais para a reprodução
de dípteros vetores de doenças. Com o aumento da disponibilidade de alimento e
disponibilidade de criatórios, onde as larvas dos mosquitos não são predadas (ao contrário
do que acontece no ambiente natural), o sucesso reprodutivo aumenta significativamente.
Com isso, o risco de proliferação de vetores e de doenças também aumenta gradativamente.

Avaliação do Impacto

Independente do aspecto gerador, o impacto é negativo, de provável ocorrência. Quanto à


ordem, considera-se este impacto diretamente associado às atividades de supressão, mas
indiretamente associadas aos demais aspectos. Sendo assim, este aspecto é considerado
indireto.

Para todos os aspectos há o risco de proliferação de dípteros vetores e aumento do risco de


acidentes com animais peçonhentos. Esses efeitos acarretam alterações imediatas nas
comunidades de dípteros vetores e animais peçonhentos. Portanto, considera-se este um
impacto de curto prazo e irreversível.

Apesar de já haver a retirada da cobertura vegetal para formação de pasto e ocupação de


terras no entorno, a remoção da vegetação para implantação do empreendimento ocorrerá de
forma maciça e o contingente de pessoas contratadas irá promover um aumento significativo
no número de pessoas na região. Portanto, o grau de interferência, é considerado fato novo.

A abrangência deste impacto está associada à proximidade do empreendimento com o


município de Serro e com o fato de a caracterização deste empreendimento não prever a
criação de um alojamento. Como os trabalhadores deverão ficar alojados em Serro, as
doenças adquiridas no canteiro de obras podem ser disseminadas para população do
município. Por tal, considera-se um impacto de abrangência ou espacialidade dispersa.

A magnitude deste impacto está associada à extensão e ao estado de conservação das


fisionomias afetadas que se apresentam na AID e ADA, ao volume de pessoas que
transitarão na área de implantação, à criação de reservatórios para as larvas dos dípteros e à
proximidade com o município de Serro. Sendo assim, a magnitude é considerada média.

Atributos

Natureza Negativo Espacialidade Disperso


Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Curto Duração Temporário
Cumulatividade Sinérgico

ARCADIS logos 49
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Magnitude
Elevação do número de casos de doenças, acidentes com animais
Indicador
peçonhentos e aumento das populações de dípteros vetores.

Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Proposição de Programa de Educação Ambiental visando orientar os trabalhadores


quanto à importância do uso de repelente, cuidados com o manejo de animais
peçonhentos, ações preventivas e correta destinação de resíduos;
 Proposição de Programa de Monitoramento de Dípteros Vetores.
 Programa e Afugentamento e Eventual Resgate de Fauna

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

7.2.2.3. Meio Socioeconômico

A) Possibilidade de aumento de conflitos sociais e violência


Devido ao incremento da população

Durante a implantação do empreendimento, a mão de obra temporária será formada


majoritariamente por homens jovens. Conforme estabelecido na Caracterização do
Empreendimento, será dada prioridade à contratação de mão de obra local. É previsto que o
estoque de trabalhadores disponível no município de Serro (AID) venha a atender quase que
por completo as demandas para o preenchimento das vagas de trabalho na fase de
implantação, com exceção dos postos mais qualificados e de chefia, como os engenheiros,
devendo a demanda excedente ser complementada com trabalhadores dos municípios
vizinhos a Serro.

Porém, mesmo assim, estima-se a vinda de trabalhadores oriundos de outras localidades,


devido à divulgação de informações não oficiais sobre o empreendimento, criando
expectativas sobre a oferta de vagas de trabalho. Assim, essa população normalmente não
se fixa na região, devido à falta de opções de trabalho. Nesta linha de raciocínio, também são
temporárias as moradias e os vínculos sociais estabelecidos. A aglomeração desta
população, tanto nas moradias quanto nos locais de trabalho pode favorecer a emergência de
disputas, ocasionando diversas formas de violência. Cita-se aqui a violência física que pode
ocorrer na disputa por oportunidade de trabalho, relacionamentos amorosos,
desentendimentos entre colegas ou pela marginalidade social. Deve-se considerar também a
violência contra a mulher.

ARCADIS logos 50
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

A possibilidade de uso abusivo de bebidas alcoólicas e de drogas são fatores que podem
favorecer o desencadeamento destas situações. Outras situações de atrito e violência podem
ocorrer na disputa por serviços de transporte, saúde, alimentação e inúmeras outras
situações.

Como visto no Diagnóstico Ambiental, ainda que de forma geral o município de Serro (AID)
não apresente situação crítica de violência em comparação com a média nacional1, mas
encontra-se em situação de defasagem de efetivo policial e de viaturas.

Cumpre ressaltar ainda que Serro não possui Corpo de Bombeiros ou Defesa Civil, mas
possui delegacia de polícia civil. A Polícia Militar e a Civil do município são vinculadas,
respectivamente, ao 3º BPM (Batalhão de Polícia Militar) e a 3ª DRPC (Delegacia Regional
da Polícia Civil), ambas sediadas no município de Diamantina.

Avaliação do Impacto

O aumento da violência é um impacto negativo, provável, que foi considerado de curto


prazo e indireto. Deve ser um fenômeno localizado, temporário, com melhora após a
emigração da população, sendo, portanto, reversível. Foi considerado um impacto
intensificador, adicionando-se a situações já existentes de violência na sociedade.

De acordo com os atributos apresentados, bem como as características da localidade (baixa


criminalidade), considera-se esse impacto como de magnitude pequena.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Indireto Forma de interferência Intensificador
Prazo Curto Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Cumulativo
Magnitude
Indicador Número de ocorrências de conflitos e ações violentas.
Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

As principais medidas propostas para mitigação deste impacto é a contratação do maior


efetivo possível de mão de obra local e a difusão de palestras, eventos, campanhas e
treinamentos voltados ao tema. Ações e conteúdos relacionados ao Programa de
Comunicação Social, Programa de Gestão da Mão de Obra e do Programa de Educação
Ambiental deverão incluir a questão da convivência entre pessoas “de culturas diversas”,
assim como o respeito às tradições e hábitos locais.

1
A taxa de homicídios em Serro é de 4,8 por mil habitantes, o que coloca o município na posição 1.439 na classificação nacional
dentre 5.565 municípios, e 143ª posição na classificação estadual.

ARCADIS logos 51
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Além disso, a garantia de um ambiente de trabalho saudável, que destaque os benefícios do


trabalho em equipe para o alcance das metas costuma gerar um sentido de “pertencimento”
que, indiretamente, influi no comportamento individual.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

B) Pressão sobre infraestrutura e serviços públicos


Devido ao incremento da população

Como apresentado no item Caracterização do Empreendimento, a duração das obras da fase


de implantação do Projeto Serro está prevista em 14 meses, com um total de 300
trabalhadores no pico da obra, entre os meses 7 e 8. A contratação deverá ser voltada
prioritariamente para trabalhadores com residência fixa no município de Serro (AID), podendo
se estender a outros municípios da região (como Diamantina, que compõe a AII) em
decorrência da maior oferta de mão de obra com as qualificações requeridas pelas funções.

Mesmo sendo dada prioridade à contratação de mão de obra local, é previsto que o estoque
disponível em Serro venha a não atender por completo as demandas de qualificação
específica do empreendimento na fase de implantação, sendo necessária a contratação de
profissionais oriundos de outras localidades que deverão se estabelecer na sede do
município de Serro, uma vez que não serão construídos alojamentos próximos ao canteiro de
obras.

Assim, diante deste cenário, poderá ocorrer o aumento na demanda por serviços e
equipamentos públicos, notadamente nas áreas de saúde e educação, além outros serviços
de caráter público, em razão do percentual de migrantes que poderão ser atraídos pela
oportunidade de empregos e negócios.

Com relação à habitação, uma possível potencialização da demanda por moradias poderá
alterar as condições do mercado imobiliário, podendo ocorrer pressão para aumento dos
preços. Porém, como o contingente de trabalhadores demandados será baixo, e espera-se
que seja atendido em sua maior parte por moradores do próprio município, e Serro apresenta
um número significativo de domicílios vagos (741), imagina-se que a alteração no mercado e
nas condições de habitação não deverá ser expressiva.

Em relação à saúde, de acordo com o diagnóstico ambiental, Serro possui um Hospital Geral
e conta ainda com nove Centros de Saúde/Unidades Básicas de Saúde para a população de
20.835 habitantes (IBGE, Censo 2010), ou seja, 1 UBS para cada 2.315 habitantes, o que
significa um atendimento adequado conforme a recomendação do Ministério da Saúde, de 1
UBS com saúde da família para até 12.000 habitantes em centros urbanos. Ainda possui uma
quantidade adequada de médicos, sendo 1,90 médicos para cada 1000 habitantes, sendo o
mínimo ideal de 1 médico para cada 1000 habitantes (Ministério da Saúde, 2006). Contudo,

ARCADIS logos 52
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

em relação à oferta de leitos hospitalares, o município dispõe de 1,72 leitos por 1000
habitantes, média considerada insuficiente pelo SUS, que estabelece como adequada uma
quantidade de leitos hospitalares de 2,5 a 3 leitos de internação para cada 1000 habitantes,
essa deficiência faz com que nos casos mais complexos a população do município busque
equipamentos de saúde no município de Diamantina.

Em sua estrutura física educacional, Serro (AID) possui estabelecimentos públicos e privados
que atendem aos níveis de ensino infantil, fundamental e médio. Embora tenha uma taxa de
atendimento escolar média para o ensino infantil e médio, verificando-se uma demanda
reprimida em torno de 20% para ambos os níveis, o município de Serro apresenta, para todos
os níveis de ensino, médias de alunos/docentes abaixo das máximas recomendadas pela
Conferência Nacional de Educação (CONAE), ou seja, há suporte para novas demandas sem
necessidade de expansão das estruturas e/ou do corpo docente.

Nesse contexto, com o possível aumento populacional, estimado como pequeno, é esperado
um aumento da pressão sobre os equipamentos e serviços públicos, podendo vir a agravar
uma situação que se apresenta, na maior parte dos indicadores, relativamente favorável.

Avaliação do Impacto

Por suas características, este impacto é qualificado como negativo e provável, uma vez que
parte dos trabalhadores contratados poderão vir de localidades que não o município de Serro,
de ocorrência localizada e no médio prazo, pois atingirá a infraestrutura e os serviços
públicos do município de Serro a partir do início das obras de implantação, temporário, pois
está relacionado ao incremento populacional apenas nessa fase. O impacto é considerado
indireto, pois, caso ocorra decorrerá da possível chegada de imigrantes em busca de
trabalho, reversível com o final das obras, e como fato novo dado o atual grau de
atendimento das demandas.

Considerando que as medidas do impacto da fase de planejamento do empreendimento


sejam atendidas, espera-se que a atração de migrantes para o município será baixa, desta
forma o impacto é qualificado como de pequena magnitude.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Indireto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Médio Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Cumulativo
Magnitude
Estrutura de Déficits de atendimento pelos serviços e infraestruturas
Indicador públicas (educação e saúde) e quantidade de empregos diretos a serem
gerados no pico das obras

Qualitativa Pequena

ARCADIS logos 53
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas de Mitigação

Recomenda-se a implementação de um Programa Monitoramento da Infraestrutura e


Serviços Públicos, no qual seja feito o acompanhamento de indicadores de atendimento de
serviços públicos, de modo a estabelecer a relação entre a pressão sobre a infraestrutura e
serviços no município.

Caso seja constatada uma relação direta entre o aumento da pressão sobre tais
infraestruturas e serviços públicos e o empreendimento, deverão ser verificadas medidas
juntamente com órgãos públicos que reduzam este impacto.

Também se relacionam a este impacto as ações previstas no Programa de Comunicação


Social, sobretudo as da fase de planejamento, e no Programa de Gestão da Mão de Obra,
principalmente, em relação à priorização da contratação de mão de obra local.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam baixo grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

C) Geração de Incômodos à População


Devido à geração de ruído e vibração oriundo das obras de implantação do empreendimento
e aumento do tráfego de veículos e de circulação pessoas

Este impacto está associado às atividades de obras que irão demandar grande
movimentação de pessoas, maquinários, equipamentos e veículos, o que poderá gerar
alterações nos níveis de ruído, transito, poeira da região, podendo levar incômodos aos
trabalhadores da obra e comunidades próximas ao empreendimento, além de comprometer a
dinâmica fauna-flora presente no local. Além disso, a possível mão de obra migrante
temporária contratada acarretará a circulação de pessoas estranhas na área, podendo levar a
modificações nas questões de convívio, situações de violência e sensação de insegurança na
população local (mencionado no impacto descrito anteriormente), e possibilidade de aumento
de conflitos sociais.

Apesar de mais localizada, a fase de implantação do empreendimento gerará ruído, transito e


poeira proveniente do uso de máquinas industriais e de atividades necessárias para a fixação
das estruturas do Projeto Serro.

Em decorrência da proximidade, a comunidade Floriano deverá a ser a mais impactada,


contudo não devendo sofrer alteração em seu cotidiano, pois, apesar de estar a 1,3 km de
distancia do empreendimento, a comunidade não se encontra na sua rota de acesso
principal, e também se localiza fora da bacia hidrográfica em que se encontra o
empreendimento, tendo o divisor de águas como atenuante para a propagação dos impactos
mencionados.

ARCADIS logos 54
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Na fase de implantação do projeto haverá maiores níveis de tráfego especialmente de


veículos pesados, notadamente na Rodovia MG-010.

Conforme item Caracterização do Empreendimento, os prováveis incômodos estão


relacionados às atividades da fase de implantação relacionadas à: i) Serviços preliminares de
infraestrutura; ii) implantação das estruturas de apoio; iii) implantação das estruturas
operacionais. As atividades de serviços preliminares de infraestrutura incluem supressão de
vegetação, decapeamento e estocagem do solo e a terraplenagem.

As atividades de implantação das estruturas de apoio incluem a implantação do canteiro de


obras, instalação das estruturas de apoio operacional e abertura/adequação das vias de
acesso e circulação internas.

Avaliação do Impacto

O impacto é negativo, pois a elevação dos níveis de pressão sonora (ruído), transito e poeira
deverá afetar negativamente a qualidade de vida dos moradores próximos ao
empreendimento. Poderá ainda gerar alterações na dinâmica natural da área afetada e
ocasionar distúrbios nos hábitos da fauna local, impacto a ser descrito no meio biótico.

O impacto possui ocorrência provável, pois apesar das obras e o transporte de cargas serem
fundamentais para a implantação do Projeto Serro a comunidade mais próxima não está
diretamente ligada ao empreendimento, e deverá se manifestar em curto prazo.

A espacialidade deste impacto é localizada, pois se concentra na área do empreendimento e


possui o objetivo de construir e estabelecer as estruturas necessárias para o seu
funcionamento.

Os incômodos gerados à população durante a fase de implantação são reversíveis e


diretos, pois estão ligados diretamente ao período de obras e à necessidade do
empreendimento de receber materiais de construção e enviar resíduos ou outros dejetos,
assim como ao transporte de trabalhadores.

Este impacto possui duração temporária, retornando à situação anterior quando as


atividades desta fase cessarem. É considerado um fato novo, por ser uma alteração que só
irá acontecer com a implantação do empreendimento. É sinérgico com o impacto de
Degradação da Paisagem.

De acordo com os atributos apresentados, bem como as características da localidade,


considera-se esse impacto como de magnitude pequena.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Curto Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico

ARCADIS logos 55
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Magnitude
Elevação dos níveis de pressão sonora e vibração.
Indicador
Elevação da circulação de veículos e pessoas.
Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

Contudo, algumas medidas devem ser tomadas como:

 Avaliar e identificar as fontes de ruído, requerendo medidas mitigadoras para conter e


minimizar estes impactos. Recomenda-se a colocação de tapumes com altura
determinada em função da altura dos equipamentos (fontes de ruído) a serem utilizados.
Também seria importante programar as atividades mais ruidosas para o período diurno,
restando ao noturno às atividades com menor geração de ruídos e vibrações;
 Comunicar previamente os moradores locais quando da ocorrência de atividades de
maiores incômodos. Esta medida deverá fazer parte do Programa de Comunicação
Social.

Para redução dos níveis de ruído e poeira emitidos pelo tráfego de veículos pesados e leves,
recomenda-se:

 Manutenção e conservação adequada das vias;


 Estabelecimento de velocidade ideal para veículos, isto é, que produza o menor nível de
ruído e poeira;
 Priorização para o uso de frotas veiculares mais novas;
 Planejamento de transito de veículos pesados, evitando no período noturno. As ações
referentes ao sistema viário poderão ser contempladas no Programa de Monitoramento
do Tráfego.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

D) Propagação de doenças infectocontagiosas


Devido ao incremento da população

A propagação de doenças infectocontagiosas pode ocorrer em razão das atividades relativas


às obras do empreendimento que pode propiciar a existência de um ambiente favorável à
existência de mosquitos vetores de doenças, e devido ao incremento da população vinda de
outras localidades em busca de oportunidade de emprego e renda.

ARCADIS logos 56
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Devido à falta de saneamento nas zonas rurais e assentamentos, aumenta-se o risco de


doenças por vetores contaminantes, sejam de zoonoses ou de agravos originados de
descartes com metais e substâncias com potencial patogênico.

Com a possível ida de trabalhadores de outros locais e atração populacional, mesmo não
diretamente ligadas ao empreendimento, mas que vislumbrem alguma oportunidade de
trabalho, poderá ocorrer um aumento da proporção do número de pessoas por domicílio ou
alojamentos coletivos, abrindo a possibilidade de uma degradação das condições sanitárias e
de higiene e impactando na saúde dessas pessoas, através da aquisição de doenças
infectocontagiosas e parasitárias.

O aumento da incidência de doenças é sempre considerado um impacto negativo. Com o


incremento da população por meio da atração populacional em busca de oportunidade de
empregos na fase de implantação do Projeto Serro , doenças não endêmicas no município
podem ser trazidas através da migração destas pessoas.

Adicionalmente, acredita-se que o eventual incremento da população em razão da atração


populacional para a fase de implantação do empreendimento seja predominantemente de
mão de obra masculina e jovem. O que se percebe, em situações semelhantes, é o aumento
do número de doenças sexualmente transmissíveis – DSTs. Há que se considerar também o
HIV, pois na AID não havia casos registrados da doença em 2011. Similarmente, outras
doenças não endêmicas no município podem ser trazidas através da imigração destas
pessoas. Por outro lado, a AID apresenta casos notificados ao Sistema de Informação de
Agravos de Notificação, no período de 2007 a 2013, de leishmaniose visceral, leishmaniose
tegumentar, dengue, tuberculose e hanseníase. Estas duas últimas, sempre importantes na
avaliação da saúde pública, como reflexo das condições associadas a baixos níveis
socioeconômicos e pela grande capacidade de disseminação. Entre as doenças
apresentadas, observa-se que o maior número de casos registrados (5) em Serro é o de
Tuberculose. Assim, os trabalhadores instalados em Serro poderão ser acometidos por estas
doenças e retransmiti-las, tanto dentro da população, quanto disseminá-las em outros
municípios.

Entre as doenças de caráter endêmico há casos de Hanseníase no município desde 2008,


com o maior número de casos (12) em 2012. Observa-se a ocorrência da esquistossomose
no município, com maior número de casos confirmados no ano de 2011 (59), apresentando
17 casos em 2012.

Haverá ainda a geração de poluição do ar através da suspensão de material particulado


(poeira), em decorrência do andamento das obras civis, acarretando, para as comunidades
circunvizinhas, além do incômodo, um aumento nas reações alérgicas, hiperresponsividade
brônquica no caso dos asmáticos e ressecamento dos olhos e vias aéreas.

Avaliação do Impacto

O impacto pode ser qualificado como negativo e de ocorrência provável e indireto;


disperso, pelo risco de transmissão de doenças a outras populações, através da emigração
desta mão de obra temporária. O período de propagação e manutenção destas doenças
pode ser curto, considerando-se algumas doenças sazonais, como a dengue, de médio
prazo, considerando-se doenças como tuberculose e hanseníase e pode ser de longo prazo

ARCADIS logos 57
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

no caso de AIDS e alguns tipos de HPV, que podem ser responsáveis pelo câncer de colo de
útero. Se considerarmos as doenças infecciosas, pode haver um impacto permanente e
irreversível, introduzindo na região novas doenças, como a AIDS, entre outras. É sinérgico
com Pressão sobre infraestrutura e serviços públicos.

De acordo com os atributos apresentados, e considerando que há um baixo potencial de


incremento da população, considera-se esse impacto como de magnitude média.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Indireto Forma de
Ordem Fato Novo
interferência
Prazo Longo Duração Permanente
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico
Magnitude
Número de casos de notificação compulsória
Indicador
Incidência e prevalência das doenças

Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

O desenvolvimento de estratégias para o monitoramento e controle de endemias deve


ocorrer por meio de ações de combate aos vetores, previstas no Programa de Promoção da
Saúde, que prevê ações para os trabalhadores da obra visando ao fortalecimento das ações
de prevenção e controle.

Além disso, as ações previstas no Programa de Educação Ambiental também estão voltadas
aos trabalhadores da obra e à população local a fim de garantir a conscientização necessária
para prevenção de doenças transmissíveis.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de Média relevância.

E) Incompatibilidade da Via de Acesso Principal entre a MG-010 e a Área do Projeto


Serro
Conforme observado no diagnóstico ambiental, as atividades das obras de implantação do
Projeto Serro gerarão tráfego em vias, sobretudo a MG-010, que serão utilizadas pelos
veículos no transporte de equipamentos e de agregados de construção civil (areia, brita,
cimento etc.), de entulho a ser retirado da área e da mão de obra empregada.

ARCADIS logos 58
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Quanto às condições físicas das rotas viárias a serem utilizadas, o diagnóstico


socioambiental indica que embora a rodovia MG-010, no município de Serro, apresente boas
condições de trafegabilidade e suporte mínimo para receber transito de novos veículos, a via
principal que interligará a área do Projeto Serro à MG-010, não apresenta estrutura física
adequada para o tráfego de veículos de grande porte. De acordo com a vistoria de campo
realizada pela equipe técnica a via local não possui pavimentação e tem como principal
problema a faixa de rolagem estreita (com largura de menos de 5 metros) insuficiente para a
passagem de veículos de grande porte e a passagem de mais de um veiculo num mesmo
trecho.

Desta forma, para a viabilidade do Projeto Serro será necessário elaborar um projeto de
adequação da via atual de ligação entre a MG-010 ao futuro empreendimento. Tal iniciativa
também poderá contribuir com a mobilidade da população da área rural residente nas
proximidades do empreendimento. Segue abaixo uma figura de localização e registro
fotográfico da atual via de ligação entre a rodovia MG-010 e o futuro empreendimento.

Ainda, destaca-se que o volume de tráfego a ser acrescido nestas vias, que operam
atualmente com grande ociosidade, não deverá alterar as condições atuais de fluidez.

ARCADIS logos 59
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Figura 7.2-2: Localização da principal via de acesso de ligação à rodovia MG-010 à ser utilizada
pelo empreendimento durante sua implantação e operação.

Fonte: ARCADIS logos, 2014.

ARCADIS logos 60
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Via de ligação à MG-010 (Foto 1). Via de ligação à MG-010 (Foto 2) .


Fonte: ARCADIS logos, 2014. Fonte: ARCADIS logos, 2014.

Via de ligação à MG-010 (Foto 3) . Via de ligação à MG-010 (Foto 4) .


Fonte: ARCADIS logos, 2014. Fonte: ARCADIS logos, 2014.

Via de ligação à MG-010 (Foto 5) . Via de ligação à MG-010 (Foto 6) .


Fonte: ARCADIS logos, 2014. Fonte: ARCADIS logos, 2014.

ARCADIS logos 61
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Avaliação do Impacto

O impacto pode ser qualificado como negativo, considerando ainda que o empreendimento
ainda não possui um projeto de ampliação da via de acesso, e de ocorrência certa,
localizada, pois ocorrerá apenas ao longo da via definida, de ocorrência imediata, pois
precisará ocorrer antes do inicio das atividades de implantação do empreendimento, é
irreversível e permanente, pois, as melhorias nas vias permanecerão após a implantação e
operação do empreendimento. Apresenta-se como um fato novo e direto, pois será
executado em função do empreendimento. Tais atributos permitem qualificar o impacto como
de grande magnitude.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Imediato-curto Duração Permanente
Cumulatividade/Sinergia Cumulativo
Magnitude
Indicador Quilometragem da via a ser melhorada
Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

Para mitigar os impactos a serem causados nas rotas viárias com o transporte de cargas e
pessoas na fase de implantação do empreendimento, há necessidade de implantação do
Programa de Adequação das Vias de Acesso e Monitoramento de Tráfego composto pelos
seguintes tópicos:

 Condição física das vias – Elaboração de projeto executivo para adequação da via de
ligação principal entre a MG-010 e a área do Projeto Serro.
 Condições de circulação dos veículos utilizados – Execução de inspeção amostral nos
veículos de carga que entram na área do empreendimento, onde serão observados a
emissão de poluentes, condições mecânicas gerais, acondicionamento da carga e
documentação.
 Comportamento dos motoristas – Promoção de cursos e palestras com noções de
educação de trânsito e direção defensiva.

A implementação das medidas de adequação do sistema viário serão desenvolvidas pelo


empreendedor, porém deverão envolver a participação/anuência das instituições públicas
responsáveis.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de potencialização das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

ARCADIS logos 62
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução do impacto e, como o impacto


foi avaliado como de grande magnitude, este pode ser considerado como de Alta
relevância.

F) Degradação da Paisagem
Devido à alteração no uso e ocupação do solo

Antes da descrição deste impacto, é necessário compreender o real significado de paisagem,


qual seja, “extensão de território que se abrange com um lance de vista” (Dicionário Priberam,
2012). Pode-se entendê-la como a síntese da herança de processos antigos, modificadas por
processos presentes, sendo estes tanto fisiográficos quanto biológicos ou sociais.
(AB’SABER, 2003). Ou ainda, por “outro panorama, como o domínio do visível, ou do
perceptível, isto é, tudo que os sentidos humanos possam captar, incluindo, além da visão,
também odores e sons” (SANTOS, 1988). Apesar das variações no conceito de paisagem
apresentadas por diversos autores, a noção de espaço vivenciado ou de espaço de inter-
relação do homem com o ambiente está presente na maior parte das definições.

A paisagem na qual o empreendimento do Projeto Serro poderá se inserir é caracterizada


pela maciça predominância de vegetação secundária da Floresta Estacional Semidecidual
(FES), principalmente, em estágio médio de regeneração. Com o advento das atividades
mineradoras, o uso e ocupação do solo será significativamente alterado, sobretudo em
relação a estas formações vegetais, que deverão, em parte, ceder espaço para as
instalações do empreendimento.

De forma mais detalhada, a ADA do empreendimento é quase que totalmente ocupada pela
FES em médio de regeneração: dos 111,4 hectares da ADA, 79,82 hectares são preenchidos
por esta formação, o que corresponde a 71,7% do total. A FES em estágio inicial ocupa 8,5
hectares (7,6%) e a Vegetação Rupícola Montana outros 6,24 hectares (5,6%) da ADA. Os
demais 15% somam os usos antrópicos compostos por pastagens.

As propriedades próximas ao empreendimento apresentam configurações semelhantes à


área da ADA contando com a presença da vegetação natural intercalada às pastagens
utilizadas na produção pecuária, principalmente em propriedades pequenas a médias. Assim,
observa-se que a área onde poderá ser instalado o empreendimento apresenta uma
paisagem rural/natural.

A figura abaixo ilustra a localização das estruturas do empreendimento e o uso e ocupação


do solo na ADA e entorno.

ARCADIS logos 63
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Figura 7.2-3: Uso e Ocupação do Solo e Layout do Empreendimento.

Elaborado por: ARCADIS logos, 2014.

Nesse contexto, as obras para a inserção das atividades de mineração na paisagem irão
alterar sua uniformidade e provocarão uma descontinuidade tanto na homogeneidade da
cobertura vegetal (ou no “tecido vegetal”) como no contexto social local. Neste cenário, a
inserção das atividades de implantação, sobretudo a supressão da vegetação, do Projeto
Serro e seus respectivos canteiros de obras e outras estruturas necessárias, se apresentarão
como um elemento novo na paisagem local substituindo parte da paisagem atual.

Nota-se que embora o empreendimento constitua uma alteração significativa na paisagem,


esta não deverá ser observada por uma área muito abrangente, pois, como a região
apresenta um relevo com muitos morros e colinas estes impedem a visão da área do
empreendimento em muitos pontos.

ARCADIS logos 64
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, pois a implantação do empreendimento introduzirá


atividades e estruturas exóticas à paisagem local, onde predomina a cobertura vegetal. É um
impacto de probabilidade certa, pois a alteração no uso e ocupação do solo, e a consequente
degradação da paisagem, é indissociável da própria existência do empreendimento, e se
manifesta em curto prazo. Também é um impacto localizado, pois a degradação da
paisagem se dará in loco, não extrapolando a ADA do empreendimento, embora a percepção
desta alteração possa extrapolar esse limite. No âmbito da interferência, será um fato novo,
pois não há na localidade indícios de alterações na paisagem, e de ordem direta, haja vista
que decorrerá das atividades para a implantação do empreendimento. Este impacto é
irreversível, pois após a fase de implantação se dará atividade mineradora, alterando de
forma permanente o uso e ocupação do solo e a paisagem local. É sinérgico com o impacto
de Geração de Incômodos à População e Redução de Cobertura Vegetal Natural e Perda de
Biodiversidade.

Embora sejam expressivas as alterações da paisagem, pelo fato do empreendimento possuir


uma área pouco expressiva em termos de ocupação antrópica, considera-se este impacto
como de magnitude média.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Curto Duração Permanente
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico
Magnitude
Indicador Alteração na paisagem local
Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

O empreendedor deverá implantar as estruturas previstas no layout sem exceder os limites


da ADA e implantar os programas relacionados à perda de habitats, conservação de fauna, e
comunicação social com a população local.

Após a implantação das estruturas previstas, o empreendedor deverá recuperar as áreas


degradadas utilizadas apenas como apoio para a execução das obras, restabelecendo seu
uso original.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Médio

ARCADIS logos 65
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As medidas propostas apresentam baixo grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

G) Incremento do Nível de Emprego Formal e da Renda Familiar


Devido à geração e formalização dos empregos ofertados

Durante a implantação do empreendimento, no pico das obras, serão gerados cerca de 300
novos postos de trabalho. Esta demanda está prevista para acontecer ao longo do 7º e 8º
mês da implantação.

De acordo com o diagnóstico ambiental, no item referente à Estrutura Ocupacional, o


município de Serro (AID), para o ano de 2010, apresentou um alto potencial de oferta de mão
de obra para o empreendimento ora estudado.

Isto porque, em 2010, a PEA Desocupada de Serro era de 8% (753 pessoas) em relação à
PEA total (9.774 pessoas). Quanto a trabalhadores informais, estima-se que o município
apresentou 81% (7.257) da sua PEA nesta categoria.

A Área de Influência Indireta também poderá, potencialmente, absorver a demanda de mão


de obra do projeto em tela, visto que também apresentou baixo nível de condições formais de
emprego. Em Diamantina no ano de 2012 os trabalhadores informais representaram 62%, em
relação ao total da PEA ocupada, bem como há neste mesmo espaço territorial cerca de
1.892 trabalhadores desocupados, ou 8% da PEA municipal no ano de 2010.

Este potencial de oferta de mão de obra, por tratar-se de empregados informais ou de


pessoas desocupadas, poderá servir o Projeto Serro durante a fase de implantação. E, em
função de oferta de melhores salários ou benefícios e outros atrativos para este contingente
que o empreendimento possa ofertar, constata-se a possibilidade de trabalhadores também
empregados poderem configurar potencial oferta de mão de obra ao projeto.

Ainda, observando-se dados sobre o mercado formal, por setor de atividade, referentes à
remuneração média por setor e faixa etária (Item referente à Estrutura Ocupacional), segundo
MTE, Relação Anual de Informações Sociais - RAIS, 2012, é possível auferir, pela ótica da
pressão inflacionária do preço da mão de obra, o impacto neste fator (salário) no mercado de
trabalho formal, que deverá ocorrer em função da demanda por trabalhadores especializados,
frente a uma oferta (trabalhadores existentes na AID e na AII) que, a curto prazo, será
constante e poderá sofrer valorização de suas remunerações no mercado de trabalho local.

Assim, são esperados impactos locais positivos no mercado de trabalho formal em Serro
(AID), podendo se estender para Diamantina (AII) e em menor escala para outros municípios
da região na medida em que a AID do empreendimento não consiga atender a toda a
demanda por mão de obra para a implantação do Projeto Serro.

Avaliação do Impacto

O aumento da renda advindo da geração de empregos durante as obras do Projeto Serro


será um impacto de natureza positiva, especificamente no que diz respeito aos seus
desmembramentos no mercado de trabalho, especialmente local e regional – elevação da

ARCADIS logos 66
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

PEA Ocupada no mercado formal e potencial valorização da remuneração, estendendo os


resultados positivos para os indicadores de pobreza e desigualdade e de qualidade de vida.

Este é um impacto de ocorrência certa, porque o empreendimento abrirá novos postos de


trabalhos, gerando incremento na renda local e, sendo assim, é disperso, pois poderá se
estender para a Área de Influência Indireta, bem como, poderá também se estender para
outros municípios da região, especialmente os limítrofes a Serro.

Como este impacto incidirá sobre toda a fase de implantação do empreendimento, estará
vigente no médio prazo, levando em consideração a mobilização gradativa da mão de obra
seguida pela desmobilização crescente a partir do 11º mês até o 14º, final deste período. E,
assim, será um impacto reversível, por se dar apenas durante as obras. Trata-se de um fato
novo e de ordem direta, uma vez que decorrerá diretamente do aspecto de contratação de
mão de obra, temporário, manifestando-se apenas durante a implantação do
empreendimento. É sinérgico com o impacto de Aumento da Receita Tributária Municipal e
Dinamização da Economia.

A magnitude deste impacto é grande, pois, conforme apresentado, apenas os postos de


trabalho diretos correspondem a cerca de 40% da PEA desocupada do município de Serro.
Estes valores indicam não só o potencial de mão de obra para atender parte da demanda do
empreendimento, mas também o ganho advindo com a promoção do aumento da
formalização do trabalho.

Atributos
Natureza Positivo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Médio Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico
Magnitude
PEA Desocupada / PEA Ocupada relacionada com a quantidade de
novas oportunidades de empregos (Aumento da PEA Ocupada)
Indicador Nível de condições formais de emprego relacionado com a quantidade
de novas oportunidades de empregos (Redução do mercado de
trabalho informal)

Qualitativa Grande

Medidas de Potencialização

As medidas que podem potencializar os efeitos positivos de elevação do nível de empregos


formais e renda nesta fase de implantação são:

 Maximização da formalidade na contratação de mão de obra e na sua regionalização,


que de preferência seja efetivada no município de Serro (AID);

ARCADIS logos 67
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Capacitação desta mão de obra, visando a sua empregabilidade futura, sobretudo


possibilitando a contratação durante a fase de operação, bem como, ampliando a futura
matriz de mão de obra especializada local. Esta medida deverá fazer parte do Programa
de Gestão da Mão de Obra;
 Estabelecimento de canais de comunicação frequentes que disponibilizem informações
oficiais sobre a demanda e qualificação exigidas para contratação de mão de obra, de
acordo com as ações previstas no Programa de Comunicação Social;
 Veiculação de informações à população explicitando como se darão as atividades de
recrutamento e seleção de mão de obra, de acordo com ações planejadas e previstas no
Programa de Gestão da Mão de Obra.

Medidas de Potencialização do Impacto e Grau de Relevância

Grau de potencialização das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam alto grau de potencialização do impacto e, como o


impacto foi avaliado como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta
relevância.

H) Dinamização da Economia
Devido ao incremento do nível de emprego e da renda familiar e aquisição de bens e/ou
contratação de serviços de diversos tipos

Os setores econômicos não podem ser tomados de forma isolada, visto que há uma relação
de interdependência entre eles. Ao se produzir um serviço ou bem final, os setores
produtores dos insumos também serão estimulados a aumentar a sua produção, motivando
toda a cadeia produtiva. Deste modo, a elevação do número de empregos diretos em um
setor econômico estimula o aumento da produção e a geração de empregos adicionais em
outros setores onde há uma relação na cadeia produtiva.

Os trabalhadores contratados, considerando a implantação do Projeto Serro, com distintos


níveis de qualificação, embora a maior parcela seja de baixo nível de especialização, que em
parte serão contratados localmente e em parte regionalmente (nos casos em que não haja
oferta em Serro), despenderão parcela de seus salários na compra de bens e serviços,
provocando um incremento na geração de renda da economia local e regional, em menor
escala. Da mesma forma, além dos trabalhadores, a(s) construtora(s) terceirizada(s)
deverá(ão) adquirir diferentes tipos de bens e serviços, tanto aqueles mais simples e
genéricos (combustíveis, lubrificantes etc.), como insumos ao processo construtivo, todos
contribuindo no incremento da geração de renda.

A resultante conjunta de tais processos provocará uma dinamização da economia de Serro e


região, podendo até, em alguns casos, promover novas oportunidades e/ou aumento da
escala dos negócios e serviços já existentes, assim, induzindo a oportunidades de empregos
indiretos.

Embora não seja possível a quantificação precisa desse incremento da renda (ou produto), é
certo que ela venha a existir em uma magnitude não desprezível considerando que o período

ARCADIS logos 68
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

de obras contratará referido contingente total de 300 novos trabalhadores despendendo parte
de suas remunerações em Serro e em menor proporção na região.

Uma estimativa de cálculo de empregos indiretos é possível, utilizando-se um fator de


multiplicação que pondere o efeito que um determinado setor irá causar dentro dos demais
setores da cadeia produtiva, chamado efeito multiplicador setorial, agregado ao efeito renda,
que deriva da transformação de renda dos trabalhadores em consumo2. O Multiplicador de
Emprego Setorial com Efeito Renda adotado para a construção civil é de 3,28 (Rio Estudos,
2002: 64, 8). Aplicando-se este fator ao quantitativo total de mão de obra do projeto em tela,
que será de 300 empregados, encontra-se o valor estimado de 984 empregos indiretos
gerados por conta do mesmo.

Avaliação do Impacto

O impacto provocado pelo aumento do número de empregos diretos e indiretos relativo à


dinamização da economia e aquisição de bens e/ou contratação de serviços de diversos tipos
é positivo, de ocorrência certa, no médio prazo, pois está relacionado ao período de obras
e à mobilização gradativa da mão de obra, e de espacialidade dispersa nos municípios da
região, os limítrofes a Serro e AII, pois está baseado não apenas na transformação dos
salários dos trabalhadores em consumo local, mas nos demais setores produtivos
relacionados à construção civil local e regional. É reversível, pois está associado diretamente
à fase de implantação (mobilização seguida de desmobilização) e se trata de um fato novo, e
indireto, derivando do impacto Incremento do Nível de Emprego Formal e da Renda Familiar.
É sinérgico com o impacto de Aumento da Receita Tributária Municipal e Incremento do
Nível de Emprego Formal e da Renda Familiar

A magnitude deste impacto é média, pois, além do incremento na quantidade de empregos


diretos e/ou indiretos ainda prevê-se a elevação das atividades econômicas decorrentes da
contratação de bens e serviços locais e regionais.

Atributos
Natureza Positivo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Indireto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Médio Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico
Magnitude

Indicador Aumento no valor adicionado em diversos os setores da economia local

Qualitativa Média

2
Rio Estudos, nº 64, 2002.

Disponível em: http://www.armazemdedados.rio.rj.gov.br/arquivos/148_os%20multiplicadores%20de%20emprego.PDF.


Acessado em 20 de novembro de 2011.

ARCADIS logos 69
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas de Potencialização do Impacto

É necessária a adoção de ações que estimulem a contratação de fornecedores de bens e


serviços locais e regionais, através de ações conjuntas entre o Programa de Gestão da Mão
de Obra e o empreendedor. Destaca-se que a Anglo American elaborou no âmbito do Plano
de Controle Ambiental do projeto Minas-Rio, o Programa de Desenvolvimento dos Produtores
Locais que abarcou os municípios de Conceição do Mato Dentro, Alvorada de Minas, Dom
Joaquim e Serro. Por meio de parcerias e convênios com instituições3 o programa
diagnosticou a situação das empresas e comércios nos municípios e promoveu ações e
eventos visando a regularização e desenvolvimento dos empresários/comerciantes locais,
possibilitando a utilização destes como parte dos fornecedores de insumos e serviços para a
implantação do projeto Minas-Rio. (Anglo American, 2013) 4

Assim, espera-se que na implantação do Projeto Serro o empreendedor utilizar-se-á da


experiência anterior para que os fornecedores do município de Serro, ou dos municípios
vizinhos, possam dotar de insumos, mesmo os mais simples (madeira, combustíveis), o
processo de construção civil para as obras do empreendimento. Também deverão ser
previstas ações de divulgação das oportunidades, por meio do Programa de Comunicação
Social.

Medidas de Potencialização do Impacto e Grau de Relevância

Grau de potencialização das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam baixo grau de potencialização do impacto e, como o


impacto foi avaliado como de média magnitude, este pode ser considerado como de média
relevância.

I) Aumento da Receita Tributária Municipal


Devido à contratação de prestadores de serviços na AID

Considerando a estrutura das receitas públicas municipais, o aumento da receita dos


municípios poderá ocorrer por três vias durante a fase de implantação e de operação do
empreendimento:

 fatores geradores de arrecadação no âmbito dos tributos municipais (impostos e taxas);


 aumento das transferências estaduais, com destaque para quota parte municipal sobre a
Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), quota parte sobre o Imposto
sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), etc.;

3
Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), Instituto Euvaldo Lodi (IEL), Instituto de Desenvolvimento
Integrado de Minas Gerais (INDI), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), Banco de Desenvolvimento de Minas
Gerais (BDMG), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE)

4
Programa de Desenvolvimento de Fornecedores Locais - Relatório Consolidado, dezembro de 2013.

ARCADIS logos 70
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 aumento das transferências federais do Fundo de Participação dos Municípios (FPM),


Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos
Profissionais da Educação (Fundeb), Sistema Único de Saúde (SUS) etc.

Posto isso, durante a fase de implantação do empreendimento, o aumento de receita que


pode assumir alguma expressão é aquele decorrente do incremento da arrecadação do
Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), que no caso do Projeto Serro se
dará no município de Serro.

Para tanto, considera-se que os serviços de engenharia e outros associados à construção


das estruturas deverão ser recolhidos no município onde as obras se localizarão. Concorrem
também para este incremento do ISSQN, o processo construtivo e a demanda local por bens
e serviços que exercerá e a maior disponibilidade de renda em virtude dos empregos gerados
e do aumento do consumo de bens e serviços.

Portanto, considerando a estrutura da receita municipal, avalia-se que será por meio da
arrecadação do ISSQN que se manifestará o aumento de maior relevância que pode ser
considerado como impacto sobre a receita municipal durante a fase de implantação.

Todavia, no que diz respeito ao impacto tributário do empreendimento em tela, o ISSQN,


conforme a legislação federal vigente (EC nº 37/2002 e Lei nº 116/2003), incide sobre o preço
total do serviço prestado e tem alíquota que vai de 2% a 5%. Considerada esta margem de
alíquotas de 2% a 5% sobre o total do faturamento de cada medição (nota fiscal referente aos
serviços prestados), somadas todas as medições a serem pagas, tem-se um produto final de
ISSQN a ser recolhido equivalente ao impacto direto do empreendimento sobre a receita
local.

Conforme dados disponibilizados pelo empreendedor, o valor total previsto de investimento5


montará cerca de R$ 95 milhões, cujo detalhamento se encontra no a tabela abaixo.

Valor Corrigido pelo IPCA


Investimento Valor (R$, 2012)
(R$ a preços de dez. 2013)
Aquisição de equipamentos de mina R$ 51.783.500,00 R$ 57.723.202,09
Instalação de Beneficiamento do Minério R$ 4.743.900,00 R$ 5.288.037,66
Preparação das Pilhas de Estéril e Estoque R$ 1.950.000,00 R$ 2.173.670,07
Desenvolvimento de Mina R$ 14.999.200,00 R$ 16.719.647,24
Estradas internas R$ 5.500.000,00 R$ 6.130.864,30
Estrutura de Apoio R$ 3.300.000,00 R$ 3.678.518,58
Licenciamento Ambiental R$ 1.400.000,00 R$ 1.560.583,64
Compensações Ambientais R$ 1.457.200,00 R$ 1.624.344,63
TOTAL R$ 85.133.800,00 R$ 94.898.868,21
Fonte: Geomil Serviços de Mineração, 2012. Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

5
Para a avaliação deste impacto os valores apresentados pela empresa Geomil (2012), foram corrigidos monetariamente pelo
Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), tendo como referência o mês de dezembro de 2013.

ARCADIS logos 71
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Contudo para o cálculo estimado da geração de ISSQN, foram formuladas algumas


premissas, descritas abaixo:

Considerou-se que do total investido (R$ 94,9 milhões) cerca de R$ 58 milhões serão
utilizados na aquisição de equipamentos da mina, ainda outros R$ 3,2 milhões serão
utilizados para o licenciamento e compensações ambientais, portanto, não entrando no
computo da arrecadação de ISSQN, pois estas atividades não se configuram como serviços
de implantação do empreendimento.

Desta forma, para o cálculo do ISSQN a ser gerado com a implantação do Projeto Serro,
foram considerados cerca de R$ 34 milhões do total de investimentos, que se espera que
sejam utilizados na contratação de serviços de construção civil.

Adicionalmente, considerou-se que não haverá incentivos ou benefícios fiscais para formular
o cálculo a seguir apresentado, referindo-se assim, a um potencial mínimo e máximo de
receita tributária municipal sobre o empreendimento, segundo a legislação federal vigente
(Lei nº 116/2003).

Assim, dado o montante total a ser investido de R$ 34 milhões em serviços de construção


civil e a margem de alíquotas de 2 a 5%, conclui-se que o cálculo do ISSQN a ser recolhido
junto à Fazenda Municipal deverá ser, aproximadamente, entre R$ 680 mil e R$ 1,7 milhões.

Vale ressaltar que, de acordo com a Lei nº 116/2003 art. 3°, uma empresa de serviços deverá
ser tributada sobre o valor total do serviço prestado em determinado município, mesmo que a
empresa seja também tributada em seu município de origem e, sendo assim, poderá ser
tributada duplamente, em seu domicílio fiscal e no município em que o serviço é prestado
conforme disposições previstas na legislação de ambos os municípios. E, para a elaboração
destes cálculos, apenas o imposto gerado no município de Serro é considerado neste estudo.

Considerando os dados da execução orçamentária do Município de Serro no exercício de


2012, apresentados no item de Finanças Pública, o ISSQN recolhido foi de R$ 683.216,
frente a uma receita tributária de R$ 1.549.360.

Sendo assim, o incremento de receita gerado pelos serviços contratados frente à


arrecadação apresentada anteriormente, o qual derivará do empreendimento ora estudado,
ficará em torno de 2,2% a 5,4% do total das receitas orçamentárias disponíveis em 2012, de
43,9% a 109,7% de aumento da receita tributária e de 99,5% a 248,8% do ISSQN.

Tabela 7.2-1 : Aumento da arrecadação decorrente do ISSQN (em R$).

Receita Orçamentária 2012 Alíquota Mínima (2 %) Alíquota Máxima (5%)

Arrecadação Crescimento Arrecadação Crescimento na


Receita Valor (R$)
estimada (R$ ) na arrecadação estimada (R$) arrecadação

Receita 31.360.934 679.815 2,2% 1.699.537 5,4%


Orçamentária
Receita Tributária 1.549.360 679.815 43,9% 1.699.537 109,7%
Receita de ISSQN 683.216 679.815 99,5% 1.699.537 248,8%
Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional (STN), 2014. Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

ARCADIS logos 72
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Este significante aumento na arrecadação do ISSQN, gerado diretamente pelos serviços


contratados pelo Projeto Serro nesta fase, poderá ser recolhido no mês subsequente ao da
emissão do documento fiscal relativo aos serviços prestados, entregue ao tomador dos
serviços, para a efetivação de pagamento ao fornecedor e de retenção de impostos, ou
apenas um único recolhimento ao final de todos os serviços prestados. Isto porque a lei
federal (Lei nº 116/2003) faculta os municípios preverem em norma legal específica e própria
qual a modalidade de recolhimento, mensal ou final.

Avaliação do Impacto

O incremento nas receitas municipais, derivado da retenção do ISSQN a ser pago, é um


impacto de natureza positiva, representará um significativo acréscimo de recursos
orçamentários, mais especificamente, na receita tributária e, inclusive, diminuindo no período
de obras a dependência municipal às transferências correntes, gerando maior autonomia de
receitas para o município de Serro.

Este impacto é certo, pois derivará de uma obrigação tributária, uma autodeclaração
obrigatória do empreendedor enquanto tomador de serviços. Localizado, por se tratar de
uma arrecadação de competência municipal, e como esta arrecadação incidirá sobre toda a
fase de implantação, estará vigente no médio prazo. Será um impacto reversível, pois, após
a fase de implantação, a arrecadação do ISSQN cessará. Direto, pois derivará da
contratação dos serviços de construção e demais serviços necessários às obras de
instalação. Temporário, se manifestando apenas durante a vigência da implantação do
projeto. É sinérgico com o impacto de Incremento do Nível de Emprego Formal e da Renda
Familiar e Dinamização da Economia.

A magnitude deste impacto é grande, pois, o aumento na arrecadação municipal durante


esta fase de implantação será muito significativo para a municipalidade.

Atributos
Natureza Positivo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Médio Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico
Magnitude

Indicador Aumento da arrecadação decorrente do ISSQN

Qualitativa Grande

Medidas de Potencialização dos Impactos

Apresentação de proposta para apoio às ações de capacitação de funcionários da prefeitura


de Serro em relação à gestão pública de forma a aperfeiçoar a arrecadação e o uso dos
recursos públicos. Esta medida de controle tem médio grau de potencialização pois não

ARCADIS logos 73
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

depende exclusivamente do empreendedor, e deve fazer parte do Programa de


Monitoramento das Interferências em Infraestruturas e Serviços Públicos.

Medidas de Potencialização do Impacto e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de potencialização deste impacto e, como o


impacto foi avaliado como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta
relevância.

J) Decréscimo na Atividade Econômica


Devido ao fim das obras

Os setores econômicos, quando entendidos como sendo integrados e interdependentes,


numa cadeia produtiva onde a queda da atividade econômica de um determina certo impacto
em outro, por via da menor alocação de recursos direcionados à demanda por insumos
produtivos ou, simplesmente, pelo menor consumo decorrente de menor excedente de
recursos sociais, se tem uma queda da atividade econômica local.

Assim, se no pico da obra, na fase de implantação, 300 trabalhadores serão mobilizados e,


devido a suas remunerações, passarão a consumir no comércio e contratar serviços locais,
no final desta mesma fase, com a desmobilização desta fonte econômica de recursos sociais
ativadores da economia local, a mesma apresentará queda de produtividade marginal a cada
trabalhador que deixar de receber seu salário.

Da mesma forma, todos os serviços e insumos que serão demandados nos 14 meses de
implantação do empreendimento deixarão de ser ativados, ou seja, também ocasionarão uma
queda na produtividade local. Desde o mais simples bem de consumo até o mais
especializado serviço que será demandado durante a fase de implantação, deixarão de ser
demandados ao fim desta fase, provocando queda na atividade econômica.

Avaliação do Impacto

Se o impacto de incremento positivo na economia local, o qual perdurará por toda a fase de
implantação, foi avaliado como significativo, o presente impacto reverso não pode ser
considerado desprezível. Ou seja, a desativação do período de obras e a desmobilização da
mão de obra, decerto, gerará impacto negativo e não desprezível nesta mesma economia
local.

Todavia, tendo em vista que o desenvolvimento econômico e social da região impulsionado


pelo empreendimento terá seus efeitos duradouros, em certos aspectos irreversíveis, a
magnitude deste efeito decorrente da desativação do período de implantação será, por sua
vez, menor que a aceleração econômica decorrente de sua ativação e duração ao longo de
mais de 1 ano.

Contudo, este impacto decorrente do fim das obras tem características de médio prazo, e
temporário, porque além de o consumo das famílias não se modificar no curto prazo, há

ARCADIS logos 74
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

efeitos de médio e longo prazo derivados daquele primeiro impacto de ativação da economia
local, os quais amenizarão o efeito negativo.

Não há modelo de estimativa de cálculos para a geração de desemprego indireto, similar ao


que foi aplicado para mensuração do impacto na geração de empregos indiretos quando do
início da fase de implantação. Contudo, é certo porque haverá uma tendência de
desemprego na economia local derivada indiretamente do final desta fase.

Tendo em vista o pressuposto de que nem todos os efeitos daquele primeiro impacto
avaliado como positivo são efêmeros, a magnitude deste último impacto é menor que a do
primeiro, sendo considerada como pequena.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Indireto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Médio Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Cumulativo
Magnitude
Indicador Retração no valor adicionado em diferentes setores da economia local
Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

É necessária a adoção de ações que estimulem a contratação de fornecedores de bens e


serviços locais e regionais durante toda a fase de implantação, conforme as medidas
propostas para o impacto positivo de dinamização da economia, descrito para o início desta
fase.

A medida deve se dar por via das ações de fortalecimento da economia local desde o início
da fase de implantação, seguindo a lógica de contratações locais de serviços e mão de obra
e de fornecimento de insumos.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam baixo grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

K) Alterações sobre o patrimônio histórico-arqueológico


Conforme exposto no parecer técnico de Arqueologia que integra este EIA, na área do
empreendimento foram identificados sítios e ocorrências arqueológicas de valor histórico ou
arqueológico, que poderão sofrer impactos com a implantação do empreendimento. Seguem
abaixo os sítios identificados:

ARCADIS logos 75
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Sítio Coordenada Tipo de sítio Localização


AA-SE-01 23K 671058E/7948879N Histórico/mineração colonial - galerias ADA
Histórico / não identificado - patamares
AA-SE-02 23k 670261E/7948868N AID
arrimados
Histórico/mineração colonial - cata, canal,
AA-SE-03 23k 671789E/7948053N. ADA
cascalheira
Histórico/mineração colonial - cata, canal,
AA-SE-04 23k 671208E/7947068N. ADA
cascalheira

Embora não tenham sido identificados vestígios nesta fase, isso não significa que eles não
existam. Pesquisas mais aprofundadas devem ser realizadas na área para uma melhor
avaliação de seu potencial arqueológico. Portanto, é preciso ter atenção extra quando da
implantação de obras e da realização de quaisquer atividades na área do empreendimento e
em seu entorno, uma vez que estas ações podem ser irreversíveis e acarretar em riscos à
condição atual do patrimônio. Vale lembrar que uma atividade geradora de ações
impactantes pode desencadear uma série de outras situações novas e igualmente
impactantes.

Com a realização de obras de engenharia, é possível que os sítios e marcos patrimoniais


sejam submetidos a impactos irreversíveis. Além disso, reordenamentos socioeconômicos,
decorrentes, direta ou indiretamente, do empreendimento podem ocasionar cenários de
depreciação cultural, reafirmando o caráter negativo do impacto ao longo das etapas de
implantação e operação.

Em decorrência das obras de implantação de empreendimentos, alguns impactos e riscos, ao


patrimônio histórico-arqueológico, têm sido recorrentemente observados. São eles:

 Soterramento de sítios arqueológicos: ocorre quando da movimentação de massas de


terras, ocasionando o desarranjo e o recobrimento de sítios e / ou ocorrências através do
depósito de sedimento sobre estes;
 Afloramento de sítios arqueológicos: ocorre quando da remoção de camada
sedimentar, destruindo ou deslocando vestígios arqueológicos.
 Desestruturação de sítios arqueológicos: ocorre devido às atividades recorrentes nas
obras de engenharia, com movimentação constante de pessoas ou máquinas,
impactando negativamente, total ou parcialmente, os sítios arqueológicos, deslocando
vestígios originalmente dispostos, descaracterizando o sítio arqueológico ou
impossibilitando análise de seu contexto.
 Descaracterização da paisagem – é um tipo de impacto que pode vir a comprometer,
ainda que parcialmente, os sítios arqueológicos, dado que a alteração na paisagem,
através da supressão vegetal e movimentação / remoção de solo, pode comprometer a
conservação do entorno do sítio, fundamental para o entendimento do contexto
arqueológico como um todo.

Estes impactos e riscos potenciais podem destruir ou descaracterizar, parcial ou totalmente,


sítios ou estruturas arqueológicas, que compõem o patrimônio cultural nacional.

ARCADIS logos 76
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Avaliação do Impacto

Partindo-se do princípio de precaução, caso haja algum impacto concernente ao âmbito dos
sítios e estruturas histórico-arqueológicos, o impacto potencial é caracterizado como
negativo. Essa caracterização justifica-se pelo fato deste impacto passivo ser um impacto
não assimilável pelo meio e de probabilidade elevada de ocorrência. Caso um impacto
desses ocorra ele encontrar-se-á fora dos padrões legislativos, dado que um sítio
arqueológico impactado não poderá mais ser recuperado, conformando um dano potencial de
ordem direta, localizado, a curto prazo, fato novo, irreversível e de duração permanente.
Passível de interferências no estado da arte da arqueologia, esse potencial passivo pode
tornar-se altamente significativo.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Curto Duração Permanente
Cumulatividade/Sinergia N/A
Magnitude
Indicador Numero de vestígios, bens e sítios encontrados

Qualitativa Grande

Medida de Gestão Ambiental

As ações indicadas para a mitigação dos impactos são os Programas de Prospecção


Arqueológica, Educação Patrimonial e Monitoramento Arqueológico.

Os sítios e estruturas arqueológicas, que porventura sejam identificados, devem ser


devidamente sinalizados e demarcados. Durante o monitoramento, caso seja constatada a
significância e importância de alguma estrutura ou vestígio na ADA e AID (do estudo
arqueológico), o programa de Resgate Arqueológico deverá ser elaborado e executado a
contento.

Adotadas estas medidas, é esperado que, nas fases de implantação e operação da


ampliação do empreendimento, os efeitos negativos sobre o patrimônio sejam mitigados,
através do salvamento de sítios e bens arqueológicos. O conhecimento produzido será
agregado à memória nacional, embora, ainda assim, o impacto será real sobre o patrimônio
histórico-arqueológico, de probabilidade alta e espacialidade localizada, sendo significativo
em termos paisagísticos e concernentes ao contexto arqueológico como um todo. De todo
modo, a tendência do impacto é manter-se, não podendo ser revertido.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância


Grau de resolução das medidas Médio
Grau de relevância do impacto Alto

ARCADIS logos 77
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

7.2.3. Fase de Operação

7.2.3.1. Meio Físico

A) Deflagração de processos erosivos e ocorrência de processos de instabilização


de encostas e taludes
Devido à disposição de material estéril e de rejeito em pilhas, operação da lavra e exposição
de solo

Durante a fase de operação do empreendimento algumas atividades poderão implicar na


ocorrência de processos erosivos e de instabilização em encostas e taludes, tais como
exposição de solo, disposição de grande volume de materiais nas pilhas de estéril e de
estoque, manutenção e intervenções nos acessos e lavra do minério e estéril. Essas
atividades tendem a produzir alterações na morfologia natural do terreno e exposição de solo
e maciços de rocha com graus elevados de alteração e fragmentação, que por sua vez,
podem servir de agentes deflagradores de processos erosivos e de instabilização.

As atividades previstas para a fase de operação do projeto estão limitadas à ADA. De acordo
com o mapa de Suscetibilidade dos Terrenos apresentado no Diagnóstico, a maior parte da
ADA encontra-se assentada sobre terrenos que denotam baixa fragilidade aos processos do
meio físico. As feições reconhecidas em campo estão associadas a taludes de corte e
canaletas de drenagem não concretadas, além de áreas de pastagem em relevo declivoso.

Os processos erosivos podem se desenvolver devido à exposição de solos nos taludes das
pilhas de estéril e estoque, na área da cava, bem como de aterros e novos acessos, caso
sejam necessários.

Os processos de instabilizações passíveis de atuar nas áreas suscetíveis da ADA, durante a


fase de operação do projeto, correspondem a escorregamentos, deslizamentos, quedas,
tombamentos e rolamentos de blocos. Embora tais processos possam ocorrer naturalmente,
principalmente nas encostas mais íngremes, são mais comuns em decorrência da ação
antrópica em atividades como disposição de grandes volumes de materiais e escavações na
área da cava.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável e localizado, pois o impacto se fará sentir em


pontos específicos dentro das imediações da ADA; de ocorrência de médio prazo, tendo-se
em vista que poderá ocorrer algum tempo após a execução das atividades deflagradoras;
temporário, pois sua manifestação ocorrerá durante a fase de operação do empreendimento;
intensificador, visto que os processos, embora de maneira restrita, já ocorrem naturalmente
no terreno e; reversível, dependendo da intensidade da movimentação de massa e da feição
erosiva, e se aplicadas as medidas mitigadoras adequadas e de média magnitude,
considerando-se que as intervenções se darão em área operacional considerada de baixa
suscetibilidade mas também em área suscetível a rastejos e processos generalizados, e

ARCADIS logos 78
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

devido a possibilidade de novos processos frente às novas condições do empreendimento


(pilhas e cava).

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Médio Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Feições erosivas, como sulcos e ravinas; análise de sólidos em suspensão
Indicador nas águas e aspecto do sistema de drenagem; aspecto dos taludes e
encostas

Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Implantação de um sistema de monitoramento que vise garantir: i) a segurança estrutural


dos taludes e das áreas mais propícias à instalação de processos erosivos; ii) o controle
dos processos de erosão e assoreamento já existentes;
 Revegetação concomitante com a operação nos taludes de estruturas que assegurem
maior durabilidade e controle dos processos erosivos, conforme estabelecido no PRAD;
 Implantação de um sistema de retenção de sedimentos que possam ser gerados a partir
da pilha de estéril e de estoque;
 Análise periódica da evolução das pilhas considerando seus parâmetros geométricos
como: área, altura e inclinação, acompanhada de documentação fotográfica; e
 Implantação de sistema de drenagem eficiente em toda a área do empreendimento com a
utilização adequada de sistema de canaletas, escadas hidráulicas e sistema de
dissipação de energia.
 Monitorar taludes e bermas em todas as áreas de lavra, pilha de estéril e de estoque de
modo a garantir que os parâmetros estabelecidos no planejamento de mina tenham sido
rigorosamente seguidos;
 Realização de novos cortes, caso necessário, visando à readequação e atenuação de
taludes, buscando a harmonização da área com o relevo circundante e inclinações das
rampas;
 Detectar pontos de instabilidade ou erosão, a princípio visualmente, através da
ocorrência de gretas, fissuras ou ravinamentos, podendo ser instalados instrumentação e
equipamentos de contenção, caso seja necessário;
 Implantação de drenagem lateral para proteção de taludes e piso de rolamento dos
acessos à cava, devendo sofrer manutenção contínua para garantir sua trafegabilidade
durante todo o ano;
 Aperfeiçoar e detalhar levantamentos topográficos nas áreas nas quais ocorrerão
atividades desencadeadoras de instabilidades;

ARCADIS logos 79
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Depositar os materiais das pilhas de estéril e estoque sempre de forma ascendente e


seguindo rigorosamente o projeto de disposição de materiais;
 Remoção periódica do material acumulado nas bacias de contenção.

As ações acima descritas estão detalhadas no Programa de Controle e Monitoramento de


Processos Erosivos e Movimentos de Massa e no Programa de Recuperação de Áreas
Degradadas - PRAD.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

B) Alteração das Propriedades Físico-Químicas dos Solos e das Águas Subterrâneas


por Efluentes e Resíduos Sólidos
Devido à geração de efluentes líquidos, oleosos e resíduos sólidos

Na etapa de operação, a alteração das características físico-químicas do solo e da qualidade


da água subterrânea está associada a efluentes e resíduos sólidos.

Os efluentes são originados da drenagem pluvial, da manutenção e abastecimento de


veículos e máquinas (efluentes oleosos), de banheiros fixos e móveis, vestiários e refeitórios
(efluentes sanitários), do beneficiamento do minério (efluentes de processo) e da cava.

A geração de resíduos sólidos está associada a restos sólidos ou semissólidos, resultantes


das atividades ligadas à operação do empreendimento tais como processo industrial,
manutenções, lavra de minério e estéril, uso de restaurante, vestiário e áreas sociais, etc. A
potencialidade para alteração da qualidade do solo e das águas subterrâneas está
relacionada à disposição inadequada destes resíduos.

O quadro a seguir identifica as principais fontes geradoras, os resíduos gerados e sua


classificação, conforme NBR 10.004/04.

Quadro 7.2-4 - Resíduos Sólidos Gerados na Fase de Operação.

Classificação conforme NBR


Setor Resíduo
10.004/2004

Fossa séptica/ Filtro anaeróbio Lodo Classe II A


Embalagens contaminadas Classe I
Tambores de óleo lubrificantes Classe I
Área de apoio administrativo/ Lâmpadas Classe I
operacional Pneus Classe II B
Sucatas metálicas Classe II B
Borracha Classe II B

ARCADIS logos 80
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Classificação conforme NBR


Setor Resíduo
10.004/2004

Embalagens não contaminadas Classe II B


Orgânico gerado no refeitório Classe II A
Óleo de cozinha Classe I
Óleos e graxas Classe I
Área de apoio administrativo/ Material contaminado com
operacional Classe I
óleos e graxas
Baterias e pilhas Classe I
Papelão Classe II B
Vidros Classe II B
Resíduos de serviços de saúde
Classe I
(RSS)
Mina Estéril Classe II B
Fonte: Anglo American Minério de Ferro do Brasil S.A., 2014.

Importante destacar que por haver a destinação externa do lodo do tanque séptico e dos
banheiros químicos, o mesmo é então considerado como resíduo sólido Classe IIA, conforme
estipulado pela NBR 10.004/04, que trata sobre a classificação dos resíduos, devendo estar
assim considerado pelas diretrizes do Programa de Gestão de Resíduos Sólidos (PGRS),
parte integrante do presente estudo.

As características do solo e dos aquíferos da área do Projeto Serro já foram apresentadas


para este impacto na fase de implantação.

Em função do seu aspecto único e pontual, a contaminação por substâncias nocivas deve ser
tratada caso a caso, considerando sempre a natureza da fonte primária, o padrão de
dispersão da pluma contaminante, o próprio agente de contaminação e, por fim, as
características do meio impactado. Somente com este procedimento integrado é possível
definir ações que levem em consideração as condições locais na implantação de um plano de
intervenção e redução do impacto ambiental do meio em questão.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável, disperso, pois embora tenha tendência a


acontecer principalmente nas imediações da ADA, há probabilidade de atingir a AID; de
ocorrência em imediato-curto prazo, tendo-se em vista que o impacto é gerado
imediatamente. Temporário, pois poderá ocorrer ao longo de toda a vida útil do
empreendimento; reversível, visto que o meio impactado poderá ser remediado e retornar a
situação semelhante àquela anterior a ocorrência do impacto; fato novo, entendendo-se que
a contaminação do solo e da água subterrânea não ocorre atualmente e; por fim, de média
magnitude, considerando-se a alta permeabilidade das rochas da unidade aquífera porosa.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível

ARCADIS logos 81
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Atributos
Ordem Direto Forma de interferência Fato novo
Prazo Imediato - curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Qualidade das águas subterrâneas e superficiais

Qualitativa Média

Medidas de mitigação

Em relação aos efluentes

 Impermeabilização de todas as áreas nas quais forem realizadas atividades e operações


que possam gerar efluentes oleosos ou contaminados (lubrificação e lavagem de
veículos, peças, máquinas, carga e descarga de combustíveis) e providas de contenção
contra vazamentos e derrames;
 Projetar sistemas de drenagem e contenção eficientes, especialmente em áreas de
tancagem e abastecimento de veículos;
 Execução, ensaio e manutenção dos sistemas prediais de esgoto sanitário, para
atenderem às exigências mínimas quanto à higiene, segurança e conforto dos usuários,
tendo em vista a qualidade destes sistemas além de considerar a aplicação da caixa de
gordura, aplicável ao refeitório do canteiro de obras conforme NBR 8.160/99;
 A conservação das condições sanitárias em todas as áreas vinculadas ao
empreendimento, tendo em vista a proteção do ambiente na ADA e no seu entorno,
assim como a gestão dos efluentes oriundos de qualquer atividade geradora;
 Utilização de bandejas coletoras sob o ato de abastecimento/transferência de
combustível emergenciais em locais fora daqueles preparados para tal, evitando
derramamentos diretamente sobre o solo. De forma complementar deverão ser utilizados
materiais de caráter absorvente, como serragem e/ou areia;
 Manutenção periódica de veículos e equipamentos;
 Manutenção periódica dos dispositivos das fossas sépticas;
 Manutenção periódica dos sistemas de drenagem e SAOs;
 Recomenda-se que todas as atividades previstas sejam sempre realizadas de acordo
com as técnicas adequadas de engenharia, com aplicação das normas pertinentes e com
respeito à legislação ambiental vigente;
 Caso haja vazamentos de óleos e graxas deverá ser utilizado material absorvente para
conter o resíduo derramado e serem seguidos os seguintes procedimentos: (i) coletar o
material e o solo contaminado em recipiente específico com a respectiva identificação, (ii)
destinar adequadamente o recipiente fechado e etiquetado. e (iii) apurar a ocorrência do
vazamento a fim de prevenir novos eventos similares;
 Entender o padrão de dispersão do produto contaminante caso venha a ser constatado.
Este depende de fatores como solubilidade, densidade e concentração do produto,
características físicas do substrato (granulação, permeabilidade, mineralogia de argilas) e

ARCADIS logos 82
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

características ambientais, tais como tempo de exposição ao agente contaminante,


presença de microrganismos, e condições hidrogeológicas e físico-químicas do solo.

Em relação aos resíduos sólidos

 O Depósito de Residuos deverá ser provido de cobertura, piso impermeabilizado, calha


coletora interna interligada com caixa de retenção, proteção lateral, ventilação e acesso
controlado aos funcionários;
 A movimentação externa de resíduos, ao longo da vida útil, deverá ser acompanhada do
Manifesto de Transporte e, onde couber, da pertinente Autorização da Movimentação e
Destinação Final de Resíduos, emitido pela autoridade pública de meio ambiente local, se
houver. Neste sentido, assim como na fase de implantação do empreendimento, as
seguintes Normas deverão ser rigorosamente observadas: NBR 12.235 –
Armazenamento de Resíduos Classe I – Resíduos perigosos; NBR 11.174 –
Armazenamento de Resíduos Classe II – Resíduos não inertes, não perigosos, e Classe
III – Resíduos inertes; NBR 7.500 – Símbolos de Risco e Manuseio, transporte e
armazenamento de materiais; NBR 13.221 – Transporte de Resíduos; NBR 10.004 –
Resíduos – Classificação;
 O manuseio dos resíduos deverá ser realizado com auxílio de equipamentos, como
empilhadeiras, além dos funcionários envolvidos terem os devidos equipamentos de
proteção individual (EPIs), visando à segurança operacional;
 Fixar condições exigíveis para projeto, construção e operação de sistemas de tanques
sépticos, incluindo tratamento e disposição de efluentes e lodo sedimentado conforme
NBR 7.229/93;
 Recomenda-se que todas as atividades previstas sejam sempre realizadas de acordo
com as técnicas adequadas de engenharia, com aplicação das normas pertinentes e com
respeito à legislação ambiental vigente;
 Controlar e minimizar a geração de resíduos sólidos;
 Capacitar os funcionários para a realização da segregação necessária dos resíduos
gerados durante as atividades envolvidas na operação do empreendimento;
 Gestão adequada dos resíduos levando em conta o seu acondicionamento,
armazenamento, transporte, disposição e, eventualmente, reciclagem, de acordo com as
orientações da Política Nacional dos Resíduos Sólidos.
 Manutenção dos sistemas de controle.

As ações de gestão deste impacto são contempladas no Programa de Gestão de Efluentes


Líquidos, no Programa de Gestão dos Resíduos Sólidos – PGRS e no Programa de
Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

ARCADIS logos 83
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

C) Assoreamento da rede de drenagem e alteração na qualidade das águas


superficiais
Devido à geração e carreamento de sedimentos

Durante a fase de operação do empreendimento algumas atividades poderão ocasionar,


direta ou indiretamente, a geração e consequente carreamento de sedimentos para os corpos
hídricos mais próximos, provocando o assoreamento da rede de drenagem. Os pontos de
maior criticidade nos quais poderá ocorrer geração de sedimentos durante a fase de
operação do empreendimento estão associados às seguintes áreas: cava, pilha de estéril,
pilha de estoque e beneficiamento do minério, bem como aterros e abertura de novos
acessos, caso sejam necessários. Também deve ser levado em consideração que haverá
geração de sedimentos no processo de extração e transporte do minério e dos materiais
estéreis até os seus destinos finais.

Os sedimentos gerados nessas atividades poderão ser carreados para os cursos d’água
adjacentes, especialmente no período chuvoso, tendendo a se acumular nos córregos, que
atualmente não apresentam grandes quantidades de sólidos, cor e turbidez, conforme
apontaram os resultados obtidos para o diagnóstico ambiental. Em decorrência, os corpos
d’água receptores tenderão a sofrer uma queda nos padrões de qualidade, com aumento de
material particulado, nutrientes, turbidez e estarão sujeitos a um maior grau de assoreamento.

As principais características dos cursos d’água e o potencial a erosão do solo dentro dos
limites da AID e ADA, frente ao processo de assoreamento, já foram mencionadas
anteriormente. Durante a fase de operação, as atividades geradoras e manipuladoras de
sedimentos inconsolidados poderão contribuir para o processo de assoreamento
principalmente do córrego Siqueira e seus afluentes.

Ressalta-se que a lavra será conduzida pelo método clássico das bancadas sucessivas a céu
aberto, a meia encosta. O decapeamento da frente de lavra irá promover a exposição do solo
frente à ação da chuva e dos ventos, tornando a área, portanto, mais suscetível à ocorrência
de processos erosivos mesmo sabendo-se que, segundo o mapa de susceptibilidade dos
terrenos, atualmente a área onde será instalada a cava apresenta, em sua maior parte, baixa
susceptibilidade a processos do meio físico.

De acordo com as características do projeto apresentadas na Caracterização do


Empreendimento, as estruturas serão dotadas de dispositivos de controle da drenagem de
águas pluviais, conforme descritos a seguir:

 Caimento das bermas, de 3% em direção ao pé da bancada e de 2% para a lateral leste


(topografia mais suave) onde uma canaleta aberta no solo, forrada com pedras
argamassadas, contornando a lateral da pilha, recolherá as águas de cada banco,
conduzindo-as ao fundo da grota;
 Leiras de proteção de crista de cada talude, abaulada, com raio médio de 0,8 m, para
evitar a descida de água pela face do talude.

A jusante destas pilhas e das áreas de lavra está prevista a construção de diques de
contenção de sólidos, que apresentarão pequeno porte, suficiente apenas para conter os
sólidos carreados da pilha durante o período de chuvas. No período seco, os sólidos serão

ARCADIS logos 84
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

removidos, para disposição na própria pilha de estéril, renovando-se os espaços para novas
contenções.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável, disperso, pois o impacto se fará sentir em


principalmente na AID, mas poderá atingir também a AII, de ocorrência de imediato a curto
prazo; temporário, pois ocorrerá durante a fase de operação do empreendimento;
intensificador, visto que este processo já ocorre naturalmente e; reversível, com uso de
sistema de drenagem eficiente, prática de dragagens controladas e periódicas e aplicação de
medidas de controle preventivas e corretivas.

Pelo fato da cava, das pilhas, dos diques de contenção e da infra-estrutura operacional do
empreendimento interferirem em várias drenagens naturais na sub-bacia do córrego Siqueira
e atividades relacionadas a estas estruturas acarretarem o transporte de sedimentos aos
corpos d’água especialmente nas épocas de chuvas, esse impacto é considerado de grande
magnitude.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato - curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Quantidade de sólidos em suspensão nas águas e aspecto do sistema de
Indicador
drenagem

Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

 Recuperar e monitorar as áreas alteradas e desnudas, principalmente adjacentes à jazida


a céu aberto, diques de contenção de finos, pilha de estéril e pilha de estoque, de acordo
com PRAD e o Planejamento de Fechamento de Mina;
 Aplicação pontual de métodos mitigadores a fim de diminuir os processos de erosão e
escorregamento em áreas acidentalmente colapsadas ou erodidas;
 Implantação de sistemas de drenagem provisórios e permanentes visando escoar os
fluxos de águas pluviais de maneira adequada e segura até os pontos de deságue;
 Limpeza e manutenção do sistema de drenagem, removendo-se os sedimentos
acumulados nas caixas de decantação, desobstruindo-se canaletas, valetas e bueiros,
porventura, assoreados;
 O transporte dos produtos deverá ser feito em caminhões cobertos com lonas, evitando a
queda e o espalhamento de material particulado;
 Supressão da vegetação controlada nas áreas seguindo os planos de sequenciamento
de lavra e das pilhas de estoque e estéril;

ARCADIS logos 85
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Proteção superficial dos solos para evitar a ocorrência de focos erosivos e a revegetação
das áreas com solos expostos por meio do Programa de Recuperação de Áreas
Degradadas (PRAD);
 Remoção periódica do material acumulado nos diques de contenção de finos localizados
a jusante das pilhas e cava.
 Implantação do Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais, o que
permitirá a tomada de ações preventivas e corretivas durante toda a fase de operação e
desativação do projeto.

As ações acima descritas estão detalhadas no Programa de Controle e Monitoramento de


Processos Erosivos e Movimentos de Massa, no Programa de Recuperação de Áreas
Degradadas – PRAD, no Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

D) Alteração da qualidade das águas superficiais por efluentes e resíduos sólidos


Devido à geração de resíduos sólidos e efluentes

Durante a fase de operação do empreendimento o impacto referente à alteração da qualidade


das águas superficiais poderá ocorrer devido à geração de cargas pontuais representadas
por efluentes líquidos e oleosos e resíduos sólidos originados dos processos industriais e da
infraestrutura de apoio.

As fontes de geração de efluentes de origem doméstica estão associadas aos banheiros e


refeitório. Serão gerados 13,51 m³/dia de efluentes líquidos domésticos na fase de operação
(0,07 m³/pessoa/dia, segundo ABNT/NBR 13969:1997), considerando que o efetivo
operacional será de, aproximadamente, 193 empregados.

Os efluentes oleosos serão gerados, principalmente, na oficina de manutenção de veículos e


equipamentos da mina onde haverá atividades como troca de óleo, manutenção e lavagem
de veículos e equipamentos. Há ainda os efluentes compostos por combustíveis e
lubrificantes armazenados em tanques/ tambores nas áreas de abastecimento sujeitos a risco
de vazamentos eventuais.

Quanto aos resíduos sólidos, no quadro a seguir constam os tipos que serão gerados na fase
de operação, segundo a classificação definida pela norma da ABNT NBR 10.004/04.

ARCADIS logos 86
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Quadro 7.2-5: Resíduos Sólidos e Classificação Gerados na Fase de Operação.

Classificação conforme NBR


Setor Resíduo
10.004/2004

Fossa séptica/ Filtro anaeróbio Lodo Classe II A


Embalagens contaminadas Classe I
Tambores de óleo lubrificantes Classe I
Lâmpadas Classe I
Pneus Classe II B
Sucatas metálicas Classe II B
Borracha Classe II B
Embalagens não contaminadas Classe II B
Orgânico gerado no refeitório Classe II A
Área de apoio administrativo/
operacional Óleo de cozinha Classe I
Óleos e graxas Classe I
Material contaminado com
Classe I
óleos e graxas
Baterias e pilhas Classe I
Papelão Classe II B
Vidros Classe II B
Resíduos de serviços de saúde
Classe I
(RSS)
Mina Estéril Classe II B
Fonte: Anglo American Minério de Ferro do Brasil S.A., 2014.

Caso não sejam tomados os devidos cuidados, descritos no item de medidas mitigadoras, as
cargas pontuais geradas nas atividades anteriormente mencionadas poderão ser introduzidas
nos cursos d’água da AID/ADA, principalmente no córrego Siqueira e em seus tributários,
resultando também em alterações na qualidade da água, com matéria orgânica e produtos
químicos.

Avaliação do Impacto

A alteração da qualidade das águas superficiais pelo aporte de cargas pontuais geradas na
fase de operação é um impacto negativo, direto, provável, de ocorrência em imediato -
curto prazo. Trata-se de um impacto disperso, pois as cargas pontuais poderão alcançar o
córrego Siqueira. É reversível, intensificador da fase de implantação do empreendimento e
temporário, pois uma vez controlada a fonte poluidora, a qualidade das águas superficiais
tende a se restabelecer aos padrões atuais.

Esse impacto é considerado de média magnitude, visto que a operação do projeto em


análise implicará geração de cargas pontuais, sendo restritas as alternativas de diluição de
efluentes nos corpos hídricos superficiais na AID e ADA do empreendimento.

ARCADIS logos 87
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato - curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Padrão de qualidade da água
Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

São válidas as mesmas ações definidas no âmbito dos impactos causados sobre a qualidade
da água, anteriormente descritos na fase de implantação do projeto, destacando-se:

 Implantação de Tanques Sépticos, Separadores de Água e Óleo (SAOs), Sistema de


Drenagem Pluvial, Depósito Intermediário de Resíduos (DIR), Caixa de Gordura;
 Impermeabilização do piso das áreas onde serão realizadas as atividades de
manutenção e lavagem dos equipamentos e peças;
 Os resíduos gerados na operação do empreendimento serão devidamente classificados e
depositados controladamente, conforme normas da NBR da ABNT;Adoção de um
programa preventivo de revisão nas máquinas, com a finalidade de se evitar vazamentos;

As medidas mitigadoras a serem adotadas incluem ainda a elaboração e a execução do


Programa de Gestão de Resíduos Sólidos, o Programa de Gestão dos Efluentes Líquidos e
ainda o Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais, o que permitirá a
tomada de ações preventivas e corretivas durante toda a fase de operação do projeto.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

E) Alteração na disponibilidade hídrica


Devido à demanda de água

Na fase de operação do Projeto Serro está previsto um consumo de água diário da ordem de
819,3 m3/dia, direcionado ao consumo humano, aspersão das vias de acesso, oficina e
utilidades. É importante considerar que as operações da instalação Azteca, onde o minério
será beneficiado, serão desenvolvidas a seco, não demandando utilização de água.

ARCADIS logos 88
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Assim como na fase de implantação, para atendimento às demandas da fase de operação, o


abastecimento de água será realizado por três poços tubulares profundos, nas imediações da
sede da fazenda, que deverá fornecer água de boa qualidade. Para complementar a
demanda de captação para aspersão das vias de acesso estava prevista captação à fio
d’água, no ponto de coordenadas 671905E e 7947415N, pequena drenagem tributária do
córrego Siqueira. Contudo, conforme mencionado anteriormente na análise do impacto para a
fase de implantação, durante vistoria de campo realizada em maio de 2014 observou-se que
esta drenagem estava praticamente seca, indicando que trata-se de um curso d’água
intermitente e que, consequentemente, não apresenta disponibilidade hídrica suficiente para
atender a demanda do empreendimento em questão.

Avaliação do Impacto

A alteração na disponibilidade hídrica é um impacto negativo, certo, de ocorrência em


imediato - curto prazo, reversível, fato novo e temporário, cessando com o término da
operação do empreendimento. A alteração na disponibilidade hídrica pode ser considerada
local, visto que ocorrerá principalmente na AID do futuro empreendimento.

Este impacto é considerado de grande magnitude durante a fase de operação, pois o


córrego Siqueira e seus tributários apresentam usos múltiplos. Suas águas são utilizadas
principalmente para dessedentação animal e uso doméstico. Além disso, o córrego onde está
prevista a captação de água superficial não apresenta disponibilidade hídrica suficiente.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato novo
Prazo Imediato - curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Vazão das águas superficiais e nível de água do lençol freático.

Qualitativa Grande

Medidas de mitigação

 Avaliar outro ponto para captação de água superficial para complementar a demanda
necessária para umectação de vias;
 Para utilização das águas subterrâneas e superficiais deverá ser solicitado na Secretaria
de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) outorga de direito
de uso que avaliará a compatibilidade da disponibilidade hídrica frente às demandas do
projeto. Caso não se consiga direito de outorga, as demandas deverão ser supridas por
caminhões-pipa e compra de galões de água mineral, não devendo causar impacto nos
recursos hídricos da área do empreendimento;
 O empreendimento manterá equipamentos de medição para monitoramento da vazão
captada, buscando sempre a eficiência no uso da água.

ARCADIS logos 89
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As medidas de mitigação e de controle propostas apresentam alto grau de resolução,


podendo o impacto ser considerado de média relevância.

As ações acima descritas são contempladas nos Programas de Monitoramento da Qualidade


das Águas Subterrâneas e Superficiais.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

F) Alterações localizadas do nível d’água pelo rebaixamento do lençol freático


Embora a Caracterização do Empreendimento não deixe clara a necessidade de
rebaixamento do lençol freático, pelas características apresentadas pelos poços presentes na
região, é possível que o nível do lençol freático seja alcançado durante as atividades de
extração de minério.

O quadro a seguir apresenta as características de alguns poços existentes próximos às


estruturas do Projeto Serro:

Coordenada geográfica Profundidade da Profundidade


Poço Nível de água (m)
(UTM) base do filtro (m) total do poço (m)
MNA-SE-87 23K 670390/7948220 50 133,1 Artesiano
PZ-SE-154 23K 671189/7947922 98 214,5 Artesiano
MNA-SE-65 23K 671405/7948408 18 99,2 2,40* / 2,96**
Legenda: *em janeiro de 2014 e ** em maio de 2014

Fonte: Anglo American, 2013 e Arcadis logos, 2014 (somente informação sobre nível de água)

Dentro dos limites da AID foram constatados os sistemas aquíferos porosos, cristalinos e o
aquitardo; porém as intervenções diretas, que ocorrerão na ADA, estarão sobre os aquíferos
porosos e fraturados. Nos aquíferos porosos, há grande volume de água e esta escoa em
qualquer direção, de acordo com os diferenciais hidrostáticos da área. Nos aquíferos
fraturados, as águas se concentram nas fraturas e tendem a ter orientação preferencial.

O rebaixamento do lençol freático, se confirmado pelo empreendimento, deverá ocorrer de


forma localizada, na área da cava; porém poderá afetar tanto as nascentes do córrego
Siqueira quanto as nascentes do rio do Peixe. Conforme informado no diagnóstico, a
captação de água para abastecimento do município de Serro é realizada no rio do Peixe.
Como poucas nascentes do rio do Peixe apresentam potencial para serem atingidas,
acredita-se que não haverá comprometimento do abastecimento a jusante. Ressalta-se que
caso seja realmente necessário o rebaixamento do lençol freático, o empreendedor deverá
solicitar outorga junto ao órgão ambiental competente e realizar estudos hidrogeológicos mais
detalhados para a área de tal forma a se confirmar o grau de interferência dessa operação no

ARCADIS logos 90
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

nível freático da área e, consequentemente, na disponibilidade hídrica ofertada pelo


ambiente.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável, disperso, pois embora o rebaixamento do


lençol freático aconteça na área da cava, os fluxos de água subterrânea da AID também
seriam atingidos; de ocorrência em médio prazo; permanente; irreversível; fato novo; de
média magnitude.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Médio Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude

Indicador Nível de água e vazão das nascentes próximas

Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Avaliação das variações do nível do lençol freático na área da cava, por meio de uma
malha preestabelecida de poços de monitoramento;
 Realizar estudos hidrogeológicos mais aprofundados para a área afetada de tal forma
que se possa ter maior noção do comportamento das águas subterrâneas no local;
 Realização de levantamentos topográficos periódicos para dimensionamento das áreas
ocupadas pela cava, pilhas e demais áreas de interesse;
 Implantação de um sistema de gestão integrada da dinâmica das águas subterrâneas e
superficiais, com aquisição sistemática de dados pluviométricos, vazões de cursos
d’água, variações dos níveis d’água subterrâneos;
 Realização das adequações na rede de poços de monitoramento durante as fases de
implantação, operação e desativação, sempre que se julgar necessário;
 Minimização, à medida do possível, das áreas impermeabilizadas ou compactação
significativa do solo natural.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam baixo grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

ARCADIS logos 91
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

G) Alterações localizadas do nível d’água associadas aos diques de contenção de


sedimentos
Durante a fase de operação do empreendimento serão realizadas atividades que poderão
promover variações dos níveis estáticos do aquífero presente na ADA e entorno imediato. As
áreas sujeitas à elevação ou rebaixamento do nível d’água dos aquíferos, além da área da
cava, correspondem àquelas dos diques de contenção de sedimentos. De modo geral, as
variações do nível d’água dos aquíferos, quando significativas, poderão provocar, com a
elevação do nível d’água, novas surgências de água e instabilizações do terreno.

O sistema aquífero mais importante encontrado na área de estudo é formado pela unidade
itabiritica, com rochas com porosidade primária e fraturas que criam condutos preferenciais
por onde a água percola pela rocha até atingir o aquífero. A área de descarga desse aquífero
está associada às nascentes que ocorrem nos fundos de vales e às nascentes que formam
as drenagens encontradas disseminadas por toda a área.

Se considerados os poços amostrados durante a execução do diagnóstico, 04 (quatro) dos


05 (cinco) poços são considerados artesianos (PZ-SE-87, PZ-SE-154, PZ-SE-20 e PZ-SE-
22). O MNA-SE-65 foi o único poço amostrado que não apresentou artesianismo, com nível
de água em torno de 2,6 m de profundidade.

Com o enchimento do dique de contenção de sedimentos poderá ocorrer a elevação do nível


d’água subterrânea, sendo esta elevação mais ou menos acentuada a depender da carga
hidráulica e permeabilidade dos solos no seu entorno. Destaca-se, no entanto, que o
predomínio absoluto de sedimentos finos contidos no efluente direcionado ao dique tende,
com o passar do tempo, a colmatar os interstícios do solo com consequente redução da sua
permeabilidade e mitigação do processo de elevação da água subterrânea.

Ressalta-se que, como a construção dos diques trata-se de uma intervenção no curso
d’água, antes da implantação dos mesmos, o empreendedor deverá solicitar outorga junto à
SEMAD (Subsecretaria de Gestão e Regularização Ambiental Integrada).

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável, localizado, pois provavelmente atingirá


somente ADA e AID; de ocorrência em médio prazo, tendo-se em vista que em alguns casos
o processo de estabelecimento do novo perfil do aquífero poderá acontecer de forma mais
lenta; permanente e irreversível, visto que o dique permanecerá após a desativação do
empreendimento; fato novo, visto que as atividades previstas poderão causar variações
significativas do nível d’água subterrânea; e de média magnitude.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Médio Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo

ARCADIS logos 92
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Magnitude
Indicador Nível de água subterrânea
Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Avaliar as variações do nível do lençol freático na região da cava, por meio de uma malha
preestabelecida de poços de monitoramento;
 Realização estudos hidrogeológicos mais aprofundados para a área afetada de tal forma
que se possa ter maior noção do comportamento das águas subterrâneas no local;
 Realização de levantamentos topográficos periódicos para dimensionamento das áreas
ocupadas pela cava, pilhas e demais áreas de interesse;
 Implantação de um sistema de gestão integrada da dinâmica das águas subterrâneas e
superficiais, com aquisição sistemática de dados pluviométricos, vazões de cursos
d’água, volume de rejeito, variações dos níveis d’água subterrâneos;
 Realização de controle periódico do balanço hídrico;
 Realização das adequações na rede de poços de monitoramento durante as fases de
operação e desativação, sempre que se julgar necessário;
 Minimização, à medida do possível, das áreas impermeabilizadas ou compactação
significativa do solo natural.

As ações acima descritas estão detalhadas no Programa de Monitoramento da Dinâmica e


Qualidade das Águas Subterrâneas e Programa de Controle e Estabilidade das Encostas
Naturais e Taludes.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam baixo grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

H) Alteração na qualidade do ar
Devido à emissão de material particulado e geração de gases de combustão

Na fase de operação do empreendimento, as emissões de particulados mais prováveis serão


em forma de poeira, particulados de processo e fuligens. A poeira deverá ser gerada
principalmente pelo tráfego de veículos e equipamentos em vias não pavimentadas,
carregamento e transporte de minério e estéril, e pelas operações de abertura e ajustes de
acessos na mina, bem como detonações, formações de taludes e a própria lavra em si. Já os
particulados oriundos do processo de beneficiamento do minério deverão ser gerados em
alguns setores específicos da planta. As fuligens serão oriundas dos escapamentos de
veículos e equipamentos em funcionamento.

De maneira análoga à fase de implantação, haverá geração de gases de combustão durante


a etapa de operação em função do funcionamento de veículos leves e pesados,

ARCADIS logos 93
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

equipamentos leves e pesados que utilizam como força motriz motores à base da queima de
combustíveis fósseis.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, certo, disperso, pois o impacto pode se fazer sentir além
das imediações do empreendimento, de ocorrência em imediato-curto prazo, tendo-se em
vista que poderá ocorrer logo após a execução da atividade que o deflagrar, reversível uma
vez que as características do local poderão ser recuperadas logo após a finalização das
atividades, temporário, pois ocorrerá apenas durante a vida útil do empreendimento,
intensificador, entendendo-se que a ressuspensão de material particulado já ocorre
atualmente, tendo em vista que as vias de acesso da AID não são pavimentadas e que já
existe fluxo de veículos em alguns trechos da AID.

O impacto em questão é considerado de média magnitude, considerando-se que a direção


predominante dos ventos, conforme apresentado no diagnóstico, é de sudeste para noroeste,
onde não existem muitas fontes receptoras. A sede do município do Serro, que é a principal
fonte receptora da região, encontra-se ao sul da AID do futuro empreendimento. Além disso,
a principal fonte emissora de gases será a frota de veículos e a mesma não circulará em
áreas de grande adensamento populacional.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Concentração de Partículas Totais em Suspensão e Partículas Inaláveis e
Indicador
Medição de Emissões Atmosféricas
Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Estabelecimento de limite de velocidade dos veículos, uma vez que os principais fatores
que contribuem para o aumento da geração de poeira associado ao tráfego de veículos
são o peso e a velocidade;
 Aspersão de água nas vias de acesso, visando reduzir a suspensão de material
particulado;
 Inspeção e manutenção preventiva de veículos, máquinas e equipamentos, visando
detectar alguma anormalidade na regulagem dos motores de combustão e também para
reduzir ao mínimo a emissão de gases e fumaça preta;
 Utilização de veículos/equipamentos novos ou em bom estado de conservação,
regulados conforme instrução do fabricante;
 Detonações em condições atmosféricas adequadas para evitar grande dispersão de
particulados e gases.

ARCADIS logos 94
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Plano de fogo eficiente, com uso de explosivos e acessórios tecnologicamente mais


modernos e detonações em condições climáticas ideais.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Monitoramento da Qualidade


do Ar e Emissões Atmosféricas.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

I) Alteração dos níveis de pressão sonora e vibração


Devido à geração de ruído e vibração

As principais fontes de emissões de ruídos e vibrações previstas para a fase de operação do


Projeto Serro estão associadas à abertura/melhoria/manutenção das condições de acesso,
remoção e estocagem de solo fértil para posterior reutilização, operação de máquinas,
veículos e equipamentos, incluindo o carregamento e transporte de minério e estéril, bem
como todas as atividades previstas na operação da usina de beneficiamento e desmonte de
rocha com uso de explosivos na área de cava.

Avaliação do Impacto

A natureza deste impacto é negativa; pois a elevação dos níveis de pressão sonora (ruído) e
vibração poderá afetar a qualidade de vida dos trabalhadores do empreendimento, da
população residente no entorno da área e da fauna do entorno. É um impacto de ocorrência
certa; pois as atividades pertinentes à operação do empreendimento são fontes de ruído e
vibração e deverá se manifestar em imediato-curto prazo. A espacialidade do impacto é
disperso, pois embora se concentre principalmente na área do empreendimento, o aumento
do tráfego se dará em diversas vias e localidades e as ondas sísmicas provocadas pelo
desmonte de rocha por explosivos ultrapassará os limites da ADA. Este impacto é reversível,
temporário e intensificador, pois já existem atividades geradoras de ruído na região,
embora estas sejam menos expressivas do que as previstas no futuro empreendimento. O
impacto é considerado de grande magnitude, em função da possibilidade das atividades de
detonação (sobrepressão acústica e vibração) afetarem a sede municipal de Serro, que é
tombada pelo IPHAN como patrimônio histórico, e outras comunidades menores próximas a
área do empreendimento.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Temporário

ARCADIS logos 95
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Atributos
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Medição dos níveis de ruído e vibração

Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

 Controle ambiental envolvendo o adequado projeto e a manutenção de equipamentos,


máquinas e veículos, visando reduzir os níveis de pressão sonora;
 Se houver a necessidade emergencial de uso de grupos geradores nesta fase, e demais
equipamentos fixos, quando necessário, poderão ser confinados de forma a adequar os
níveis de pressão sonora;
 Adequação das vias de acesso, visando facilitar o deslocamento de veículos;
 Será implantado o Programa de Monitoramento dos Níveis de Ruídos e Vibração, como
forma de verificar a eficácia das ações de controle propostas e o nível de atenuação de
ruídos nas áreas ocupadas (receptores);
 Utilização de plano de fogo adequado para o desmonte de rochas, incluindo explosivos e
acessórios tecnológicos que reduzem os efeitos negativos das detonações;
 Utilização de EPIs pelos funcionários diretamente envolvidos no empreendimento.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Monitoramento dos Níveis de


Ruído e Vibração.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução, e como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado de alta relevância.

7.2.3.2. Meio Biótico

A) Intensificação da Pressão Antrópica sobre a Fauna e a Flora


Devido ao Fluxo de pessoas e de veículos, geração de ruído e vibrações

Na fase de operação da mina, embora esta seja a fase mais duradoura do empreendimento,
as pressões resultantes em perda de indivíduos da fauna terrestre se resumirão aos
possíveis atropelamentos por veículos que circularão nas vias dedicadas ao
empreendimento, e aos eventos de caça ilegal para fins cinegéticos, de xerimbabo e
exportação. Estes, assim como descrito para a fase de implantação, causam maior pressão
especialmente em espécies de aves, répteis e mamíferos. Há ainda de se considerar o
afugentamento de animais mais sensíveis, e alterações nos ciclos reprodutivos de anfíbios e

ARCADIS logos 96
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

aves que necessitam da zoofonia nos rituais de acasalamento, decorrentes do ruído gerado
pela operação do empreendimento (maquinas, veículos e explosões).

Para flora, o impacto se resume aos eventos de retirada de madeira de corte, coleta de
espécimes silvestres para ornamentação, uso medicinal, comércio ilegal e exploração
madeireira, gerando, em alguns casos, o desaparecimento de espécies de seu ambiente
natural na região.

Tanto para a fauna quanto para a flora, o risco de incêndios naturais ou acidentais na
estiagem é um fator preocupante, pois o fogo se alastra rapidamente devido à seca e aos
ventos fortes, ocasionando a morte de diversos espécimes animais e vegetais.

Avaliação do Impacto

O impacto é negativo, já que a perda de indivíduos da flora e da fauna pode diminuir a


variabilidade genética das populações, tornando as populações inviáveis em longo prazo
(como é o caso de espécies ameaçadas de extinção, espécies faunísticas muito
territorialistas ou com grandes áreas de vida, ou ainda que dependam de grande quantidade
de recursos – presas – que podem se tornar escassos).

Para todos os aspectos geradores, considera-se que a perda de indivíduos da fauna e flora é
certa e ocorrerá de forma direta, tanto na ADA quanto na AID e AII, pois muitos veículos que
trafegam na área operacional do empreendimento irão transitar, também, na MG10, onde já é
registrado um índice significativo de atropelamento de fauna. Além disso, diversas espécies
florísticas já são retiradas na região para diversos fins. Sendo assim este será um fato
intensificador, de abrangência ou espacialidade dispersa.

Para todos os aspectos, a perda de indivíduos ocorre de forma irreversível e o impacto


acontece ao mesmo tempo em que o aspecto e por isso é considerado como imediato ou de
curto prazo e é permanente, já que ocorrerá durante toda a fase de operação do
empreendimento.

A área de inserção do empreendimento é considerada como de prioridade alta e


extremamente alta para a conservação da biodiversidade e os índices de atropelamento de
fauna na região já são perceptivelmente altos. Para a flora, este impacto é pouco significativo,
já que a retirada de espécimes já ocorre e não deve ter aumento representativo após o início
da operação do empreendimento. Portanto, principalmente no que tange à fauna, entende-se
esse impacto seja de média magnitude.

Nesta fase, o impacto será gerado de forma direta. Será possível a redução das perdas de
indivíduos da fauna e da flora geradas por meio de medidas que devem acontecer desde a
fase de implantação. Entretanto, sua eficiência dependerá da participação e colaboração da
comunidade e dos empregados.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador

ARCADIS logos 97
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Atributos
Prazo Imediato - Curto Duração Permanente
Cumulatividade Sinérgico
Magnitude
Número de indivíduos atropelados nas vias dedicadas, Número de
Indicador indivíduos registrados em eventos de caça ilegal, Número de espécies
vegetais de interesse ecológico/econômico.
Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Ações de Educação Ambiental envolvendo funcionários e comunidade a fim de evitar


eventos de caça ilegal, atropelamentos e coleta destrutiva de espécimes da flora;
 Capacitação e treinamento dos funcionários para minimizar a perda de fauna durante as
atividades de operação e aproveitamento científico dos espécimes encontrados sem vida.
 Instalação de placas nas rodovias visando à proteção à fauna e Implantação do
Programa de Conservação da Fauna Silvestre

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

B) Alteração da qualidade física de habitats aquáticos e associados


Devido à geração de sedimentos

Diversas atividades na fase de operação do empreendimento poderão gerar sedimentos que,


caso alcancem os corpos hídricos, afetarão a qualidade da água e, consequentemente o
ecossistema aquático, especialmente a ictiofauna, o fitoplâncton, o zooplâncton e os
macroinvertebrados bentônicos. Os principais corpos d’água afetados pela geração de
sedimentos pelo Projeto Serro serão o córrego Siqueira e seus afluentes pela margem direita.

As seguintes atividades provocarão aumento na geração de sedimentos que poderão ser


carreados para dentro dos corpos d’água mais próximos, principalmente nos períodos de
maior volume pluvial: operação de lavra, transporte de ROM para a pilha de beneficiamento,
formação das pilhas de estoque e estéril, carregamento do minério em caminhões,
manutenção industrial, entre outras.

Os danos que o carreamento de sedimentos para dentro dos corpos d’água são os mesmos
apresentados nos impactos da fase de implantação do Projeto Serro, tendo como
consequência final a redução da riqueza e abundância das comunidades fitoplanctônica,
zooplanctônica, zoobentônica e da ictiofauna, especialmente de espécies consideradas mais
sensíveis às intervenções antrópicas.

ARCADIS logos 98
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Avaliação do Impacto

A alteração da qualidade física de habitat de ambientes aquáticos e associados na fase de


operação é um impacto negativo, provável, de ocorrência a imediato-curto prazo,
disperso, intensificado pelo empreendimento e irreversível e permanente caso haja
redução de riqueza e abundância de espécies.

O impacto é considerado de grande magnitude em função dos cursos d’água da AID e ADA
do Projeto Serro serem de pequeno porte, ou seja, mesmo pequenas intervenções nos
mesmos poderão ser suficientes para alterar a qualidade da água e o ecossistema aquático.
Deve ser considerado também que todas as drenagens que sofrerão influência direta do
futuro empreendimento são tributárias do córrego Siqueira, ou seja, este último poderá
acumular as intervenções ocorridas nos tributários.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Análise qualitativa e quantitativa da biota aquática

Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

Serão apropriadas para esse impacto praticamente as mesmas medidas propostas para a
manutenção da qualidade da água na fase de implantação, destacando-se:

 Manutenção periódica de sistemas de drenagem de águas pluviais;


 Antes das águas pluviais serem descartadas, deverão passar por sistema de controle,
como caixa de decantação de sedimentos;
 Recuperação das áreas de solo exposto com projetos de reflorestamento e recuperação
de áreas degradadas;
 Desmatamento controlado das áreas, seguindo os planos de sequenciamento de lavra e
das pilhas de estoque e estéril;
 Implantação do Programa de Monitoramento da Biota Aquática.

Também serão adotados os Programas de Monitoramento de Águas Superficiais, de Gestão


de Efluentes Líquidos e de Resíduos Sólidos, que permitirão acompanhar eventuais
alterações na biota aquática e fornecerão subsídios para a indicação de medidas mitigadoras.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio

ARCADIS logos 99
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

C) Contaminação de habitats aquáticos e associados


Devido à geração de resíduos sólidos, efluentes líquidos e efluentes oleosos

Na fase de operação, o fluxo de cargas pontuais é passível de ocorrer em função da geração


de efluentes líquidos e oleosos, provenientes principalmente das instalações sanitárias,
refeitório e oficina mecânica. Os resíduos sólidos poderão ser gerados nos processos minero-
industriais e na infraestrutura de apoio.

Conforme mencionado nos impactos da fase de implantação, os efluentes líquidos, oleosos e


a geração de resíduos sólidos, caso alcancem os corpos hídricos, poderão prejudicar as
comunidades aquáticas, pois são ricos em matéria orgânica, bactérias de origem fecal,
surfactantes, óleos e graxas e outros contaminantes. Estes contaminantes podem provocar a
morte de alguns organismos ou favorecer a ocorrência/dominância de espécies mais
tolerantes, criando um ambiente em desequilíbrio.

Os corpos hídricos que poderão ser contaminados por efluentes e resíduos sólidos são
principalmente os diretamente afetados pelas estruturas (afluentes do córrego Siqueira) e o
córrego Siqueira.

Avaliação do Impacto

A contaminação de habitat aquáticos e associados por efluentes e resíduos sólidos na fase


de operação é um impacto negativo, provável, de ocorrência a imediato-curto prazo,
disperso, fato novo pelo empreendimento e irreversível e permanente caso haja redução
de riqueza e abundância de espécies. O impacto é considerado de média magnitude.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Fato novo
Prazo Imediato-curto Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Análise qualitativa e quantitativa da biota aquática
Qualitativa Média

ARCADIS logos 100


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas de Mitigação

Serão apropriadas para esse impacto as mesmas medidas propostas para a manutenção da
qualidade da água e para a preservação da biota aquática na fase de implantação,
destacando-se:

 Manutenção periódica do sistema separador de água e óleo.


 Manutenção em máquinas e equipamentos, estritamente nos locais adequados, com piso
impermeabilizado e sistema separador de substâncias oleosas;
 Verificação constante das condições de manutenção de veículos e máquinas, além de
recolhimento imediato de resíduos resultantes de vazamentos no solo;
 Monitoramento dos efluentes tratados segundo os padrões legais de emissão, conforme
Resolução CONAMA n° 430/2011.
 Implantação do Programa de Monitoramento da Biota Aquática.

Também serão adotados os Programas de Monitoramento de Águas Superficiais, Programa


de Gestão de Resíduos Sólidos e Programa de Controle de Efluentes Líquidos, que
permitirão acompanhar eventuais alterações na biota aquática e fornecerão subsídios para a
indicação de medidas mitigadoras.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

D) Interferência na Qualidade da Saúde Pública


Devido à Geração de Tráfego de Pessoas

Assim como na fase de implantação, os riscos de acidentes com animais peçonhentos e de


transmissão de doenças carreadas por dípteros vetores continua eminente.

Apesar de ter o contingente de trabalhadores reduzido durante a fase de operação, o


ambiente natural foi significativamente alterado durante a implantação, implicando na
utilização de pessoas associadas à operação, ou que residem no entorno, como fonte
principal de alimento. Estas pessoas ficam sujeitas a infecção de doenças como a febre
amarela, a filariose, a leishmaniose e o arbovírus. Além disso, os funcionários servem como
reservatórios, aumentando o risco de transmissão e, consequentemente, gerando epidemias
e problemas para a saúde pública.

Avaliação do Impacto

Independente do aspecto gerador, o impacto é negativo, de provável ocorrência e, como é


fruto da supressão da vegetação, é considerado indireto, de efeito em médio prazo e
irreversível. É, ainda, considerado intensificador de abrangência ou espacialidade
dispersa.

ARCADIS logos 101


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

A magnitude deste impacto está associada à eficiência das medidas de controle já previstas,
sendo assim, a magnitude deste impacto na fase de operação é considerada pequena.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Intensificador
Prazo Médio Duração Temporário
Cumulatividade Sinérgico
Magnitude
Elevação do número de casos de doenças, acidentes com animais
Indicador
peçonhentos e aumento das populações de dípteros vetores.
Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

 Proposição de Programa de Educação Ambiental visando orientar os trabalhadores


quanto à importância do uso de repelente, cuidados com o manejo de animais
peçonhentos, ações preventivas e correta destinação de resíduos;
 Proposição de Programa de Monitoramento de dípteros Vetores.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

7.2.3.3. Meio Socioeconômico

A) Degradação da Paisagem
Devido à operação do empreendimento

Retomando a discussão deste mesmo impacto durante a fase de implantação, embora haja
variações no conceito de paisagem apresentadas por diversos autores, a noção de espaço
vivenciado ou de espaço de interrelação do homem com o ambiente está presente na maior
parte das definições.

Assim como na fase de implantação, quando a inserção das atividades de implantação,


sobretudo a supressão da vegetação, do Projeto Serro e seus respectivos canteiros de obras
e outras estruturas necessárias, se apresentarão como um elemento novo na paisagem local,
durante a fase de operação ocorrerá nova mudança na paisagem local. Com a operação do
Projeto Serro a paisagem passará a ter novos elementos exóticos à localidade como a
detonação de explosivos, a circulação e caminhões carregados com o minério de ferro, e

ARCADIS logos 102


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

sobretudo, a alteração do morro de onde será retirado o minério, que paulatinamente deixará
de existir.

A inserção das atividades de mineração e suas respectivas unidades de beneficiamento na


paisagem irão alterar sua uniformidade e provocarão uma descontinuidade tanto na
homogeneidade da cobertura vegetal (ou no “tecido vegetal”) como no contexto social local.
Neste cenário, o empreendimento será um elemento exótico, novo e único na paisagem local,
passando a possuir uma característica industrial/mineradora.

As estruturas do empreendimento serão visíveis de acordo com o posicionamento do


observador e das condições topográficas locais, devendo limitar-se as áreas de entorno do
empreendimento.

Avaliação do Impacto

Este impacto é negativo, pois o empreendimento irá alterar a unidade paisagística local
como um elemento novo e exclusivo naquela localidade. Trata-se de um impacto certo e
direto, pois sua existência é indissociável das próprias estruturas do projeto, alterando a
paisagem local. Como este impacto está vinculado à própria existência do empreendimento,
este se manifesta em curto prazo, e é localizado, pois alterará somente a paisagem local.
Em relação à sua interferência, devido à inexistência de atividades minero industriais na
região, será um fato novo. Trata-se de um impacto irreversível, pois, mesmo que estas
atividades cessem haverá alterações permanentes na paisagem, como uma mina, uma pilha
de estéril e infraestruturas de apoio. É sinérgico com o impacto de Geração de Incômodos à
População.

Como serão expressivas as alterações da paisagem, considera-se este impacto como de


magnitude grande.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Curto Duração Permanente
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico
Magnitude

Indicador Quantidade e forma de alteração na paisagem local

Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

O empreendedor deverá construir as estruturas previstas no layout sem ultrapassar os limites


da ADA, para não exceder o impacto previsto na paisagem.

O empreendedor deverá implantar uma cortina vegetal no entorno do empreendimento, em


locais estratégicos do ponto de vista topográfico, a fim de mesclar o empreendimento com a

ARCADIS logos 103


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

paisagem local. Propõe-se que sejam utilizadas espécies nativas para a construção desta
cortina vegetal.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

B) Geração de Incômodos à População


Devido à geração de ruído e vibração oriundos da operação do empreendimento e aumento
do tráfego de veículos

A fase de operação terá como principal efeito causador de impacto de ruído e vibração, a
operação da mina e de suas infraestruturas de apoio. As operações e atividades que serão
realizadas na mina possuem um grande potencial gerador de ruídos, sendo os níveis
máximos permitidos, conforme NBR 10.151/2000, de 40 dBA no período diurno e 35 dBA no
período noturno.

Os ruídos deverão impactar os funcionários do empreendimento e os moradores no entorno.


É esperado ainda o aumento do tráfego de veículos pesados e leves nas vias de acesso ao
empreendimento. O transporte do minério gerado pelo empreendimento deverá ser realizado
por veículos pesados, levando a uma elevação dos níveis de pressão sonora ao longo da
rodovia MG-010, cujas condições de conservação e circulação atualmente são boas.

Assim, certamente haverá aumento nos níveis de ruído na área de influência do Projeto
Serro, contudo deve ser considerado que as características de relevo observadas na AID
podem funcionar como atenuadores, formando barreiras acústicas naturais, e também como
refletor sonoro. Este impacto afetará tanto as comunidades localizadas ao longo da rodovia
MG-010 e as pessoas que vivem próximas ao empreendimento.

Avaliação do Impacto

O impacto é negativo, pois a elevação dos níveis de pressão sonora (ruído) deverá afetar a
qualidade de vida dos trabalhadores e dos moradores mais próximos ao empreendimento.

O impacto possui ocorrência certa, pois tanto as operações na usina como as a possíveis
detonações na mina são necessárias para o desenvolvimento do produto final, e deverá se
manifestar em longo prazo.

A espacialidade deste impacto é dispersa, pois se concentra na área do empreendimento e


pode extrapolar a área designada ao mesmo. É reversível, pois está ligado diretamente ao
período de operação da usina e exploração da mina e possui duração temporária, pois
deverá se encerrar assim que a fase de operação do empreendimento terminar. É sinérgico
com o impacto de Degradação da Paisagem.

ARCADIS logos 104


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

O impacto foi considerado como de magnitude média, pois apesar da população local ser
bastante rarefeita (conforme apresentado no capitulo de diagnóstico ambiental), o impacto é
significativo.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Longo Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico
Magnitude
Indicador Elevação dos níveis de pressão sonora.
Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

Para a minimização dos impactos causados pelas operações do empreendimento,


recomenda-se:

 Priorizar o uso de equipamentos de emissão de ruído mais baixo;


 Implantar barreiras sonoras, e cortina vegetal no entorno do empreendimento (
preferencialmente com espécies florestais nativas);
 Comunicar previamente os moradores locais quando da ocorrência de atividades de
maiores incômodos, como na detonação por explosivos de ocorrência intermitente. Esta
medida deverá fazer parte do Programa de Comunicação Social.
 Implementar as ações previstas no Programa de Monitoramento de Ruído e Vibração, e
no Programa de Adequação de Vias de Acesso e Monitoramento de Trafego.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

C) Incremento do Nível de Emprego Formal e da Renda Familiar


Devido à geração de empregos

Conforme dados extraídos da Caracterização do Empreendimento, o efetivo de mão de obra


para a fase de operação é em média de 165 trabalhadores. Este total se segmentará entre as
atividades conforme é apresentado no Gráfico 7.2-1.

ARCADIS logos 105


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Gráfico 7.2-1: Histograma de Ocupação da Mão de Obra, na Fase de Operação.

Como na fase de implantação serão demandados, no pico das obras, cerca de 300
trabalhadores espera-se que parte deste contingente possa ser capacitada a atender as
demandas da fase de operação do empreendimento.

Observa-se que no município de Serro há um potencial de oferta de mão de obra suficiente


por encontrar-se trabalhadores em empregos informais ou mesmo pessoas desocupadas que
poderão ser absorvidas pelo Projeto Serro durante a fase de operação. Isto porque, em 2010,
a PEA Desocupada de Serro era de 8% (753 pessoas) em relação à PEA total (9.774
pessoas). Quanto a trabalhadores informais, estima-se que o município apresentou, em 2012,
81% (7.257) da sua PEA nesta categoria.

Ainda, em função de oferta de melhores salários ou benefícios e outros atrativos para este
contingente que o empreendimento possa ofertar, constata-se a possibilidade de
trabalhadores também empregados poderem configurar potencial oferta de mão de obra ao
projeto.

Assim, na fase de operação do empreendimento em média 165 trabalhadores diretos serão


empregados e, com os dados apresentados no Diagnóstico Ambiental sobre a disponibilidade
de mão de obra, são esperados impactos locais positivos no mercado de trabalho formal da
AID, podendo se estender para municípios da região, na medida em que a AID do
empreendimento não consiga atender a toda a demanda por mão de obra para a operação
do Projeto Serro.

Avaliação do Impacto

O aumento de massa salarial e de renda na fase de operação, derivada da geração de


emprego pelo empreendimento, é um impacto de natureza positiva no que diz respeito ao
mercado de trabalho, com esperada elevação da PEA Ocupada no mercado formal.

ARCADIS logos 106


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Este impacto é certo e direto, pois o empreendimento abrirá novos postos de trabalhos, além
do aumento de renda local e, sendo assim, é localizado, pois com os dados presentes
levantados no diagnóstico e mencionados anteriormente, o município e região teriam
potencial de atender à demanda de mão de obra para esta fase do empreendimento.

Estará vigente no longo prazo e será um impacto reversível, por se tratar da abertura de
vagas de postos de trabalho necessários à operação do empreendimento. Trata-se de um
fato novo, pois derivará da abertura dos postos de trabalho para a atividade de extração
mineral e temporário, manifestando-se durante toda a vida útil do empreendimento (10
anos). É sinérgico com o impacto de Aumento da Receita Municipal e Dinamização da
Economia.

A magnitude deste impacto é grande, pois, conforme apresentado, apenas os postos de


trabalho diretos correspondem a mais de 20% da PEA desocupada do município de Serro, e
também pelo prazo que deverão ser mantidos (cerca de 10 anos). As ações a serem
executadas para garantir ou incrementar os efeitos benéficos do impacto se apresentam com
um grau de resolução alto, pois são de responsabilidade do empreendedor.

Atributos
Natureza Positivo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Longo Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico
Magnitude
PEA Desocupada / PEA Ocupada relacionada com a quantidade de
novas oportunidades de empregos ( Aumento da PEA Ocupada)
Indicador Nível de condições formais de emprego relacionado com a quantidade
de novas oportunidades de empregos (Redução do mercado de
trabalho informal)
Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

As medidas que podem potencializar os efeitos positivos de elevação do nível de renda e


emprego durante a operação, referem-se a:

 Maximização da formalidade na contratação de mão de obra e sua regionalização que,


de preferência, seja efetivada no próprio município (AID);
 Capacitação desta mão de obra, visando a sua empregabilidade futura, bem como,
ampliando a futura matriz de mão de obra especializada local;
 Estabelecimento de canais de comunicação frequentes que disponibilizem informações
oficiais sobre a demanda e qualificação exigidas para contratação de mão de obra, de
acordo com as ações previstas no Programa de Comunicação Social;

ARCADIS logos 107


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Veiculação de informações adequadas sobre como se darão as atividades de


recrutamento e seleção de mão de obra, de acordo com as ações previstas no Programa
de Gestão de Mão de Obra.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

D) Aumento da Receita Municipal


Devido à produção minerária

Conforme apresentado no impacto Aumento da Receita Tributária Municipal na fase de


implantação, o aumento da receita dos municípios poderá ocorrer por três vias durante a fase
de operação, sendo que o principal incremento da receita se dará certamente pelo aumento
das transferências federais, e possivelmente das transferências estaduais.

Isso porque durante o período de operação, o Projeto Serro incrementará a economia do


município com a produção de minério de ferro, estimada em 500.000 t/ano, e essa produção
fará com que o município de Serro passe a receber a cota parte da Compensação Financeira
pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) referente à extração do minério de ferro.

A CFEM será aplicada a uma taxa de 2% sobre o faturamento líquido. Do total da CFEM, a
cota-parte que cabe ao município é de 65%, sendo 23% destinados ao estado e 12% a
União. Conforme apresentado no Plano de Aproveitamento Econômico (Geomil, 2012) a
estimativa de geração da CFEM é de cerca de R$ 1,1 milhão6 ao ano, sendo a cota-parte
municipal de cerca de R$ 720 mil, conforme apresentado na Tabela 7.2-2.

Tabela 7.2-2: Arrecadação da CFEM e Participação nas Receitas de Serro (AID), valores anuais.

Participação da CFEM na
CFEM Cota-Parte da CFEM – Serro Receita Orçamentária
Rec. Orçamentária

1.104.670 718.036 31.360.934 2,3%


Fonte: Geomil Serviços de Mineração, 2012. Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

Ainda, poderá haver um aumento da cota-parte municipal do ICMS na medida em que o


empreendimento gere a produção de minério de ferro, o que propiciará uma elevação do
valor adicionado do município de Serro. O valor adicionado é definido como o valor do

6
Para a avaliação deste impacto os valores apresentados pela empresa Geomil (2012), foram corrigidos monetariamente pelo ,
Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), tendo como referência o mês de dezembro de 2013.

ARCADIS logos 108


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

produto vendido anual, do qual se subtrai o valor dos insumos utilizados para esta mesma
produção.

O valor adicionado do município é mensurado pela Secretaria da Fazenda do Estado para


efeitos de elaboração do Índice de Participação do Município (IPM), com o qual se determina
o valor da transferência da quota parte do ICMS que caberá ao município. Esse índice é
calculado por meio de uma fórmula em que a variável valor adicionado, no estado de Minas
Gerais, tem uma ponderação de 75%. Desse modo, a entrada em operação de novos
empreendimentos produtivos, ou a ampliação da produção dos já existentes, no município
eleva o valor adicionado gerado em seu território, o que pode elevar o IPM e fazer com que o
município receba uma cota-parte do ICMS maior. Destaca-se que esta não é uma relação
direta, pois, mesmo um município tendo aumento de seu valor adicionado pode não elevar
seu IPM, caso outros municípios do estado também tenham um crescimento igual ou
superior.

Avaliação do Impacto

Este impacto é de natureza positiva, de ocorrência certa, tendo vista, que o incremento da
CFEM é certo e o aumento na participação do ICMS é muito provável. Ainda apresenta-se
localizado, de longa duração, direto e apresenta-se como um fato novo, resultante da
produção do minério, reversível, e temporário, uma vez que cessará com o fim da produção
do Projeto Serro. É sinérgico com o impacto de Incremento do Nível de Emprego Formal e
da Renda Familiar.

Considerando que somente a arrecadação da cota-parte da CFEM resultará num incremento


de mais de 2% na receita orçamentária de Serro, e tendo em vista a possibilidade de
incremento no repasse da cota-parte do ICMS, a magnitude desse impacto foi considerada
grande.

Atributos
Natureza Positivo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Longo Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Sinérgico
Magnitude
Indicador Aumento da arrecadação de impostos
Qualitativa Grande

Medidas Potencializadoras

Apresentação de proposta para apoio às ações de capacitação de funcionários da prefeitura


de Serro em relação à gestão pública de forma a aperfeiçoar a arrecadação e o uso dos
recursos públicos. Esta medida de controle tem médio grau de potencialização e deve fazer
parte do Programa de Monitoramento das Interferências em Infraestruturas e Serviços
Públicos.

ARCADIS logos 109


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas Potencializadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de potencialização e, como o impacto foi


avaliado como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

7.2.4. Fase de Desativação

7.2.4.1. Meio Físico

A) Deflagração de processos erosivos


Devido à geração/carreamento de sedimentos

Durante a fase de desativação do projeto, algumas atividades poderão implicar na aceleração


do processo de erosão e carreamento de material particulado do solo dentro dos limites da
ADA e imediações. Este fenômeno pode se desenvolver devido à exposição de solos nos
taludes da pilha de estéril, área remanescente da pilha de estoque, área da cava, bem como
cortes e aterros.

Segundo o Mapa de Suscetibilidade dos Terrenos, atualmente a maior parte da área onde
será instalada a cava e as pilhas apresenta baixa suscetibilidade aos processos do meio
físico; contudo, a exposição do solo nestas áreas à ação da chuva e dos ventos poderá tornar
estas áreas mais suscetíveis a processos erosivos.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável e localizado, pois o impacto se fará sentir em


pontos específicos dentro das imediações da ADA; de imediato-curto prazo, tendo-se em
vista que poderá ocorrer logo após a execução das atividades deflagradoras; temporário,
pois sua manifestação ocorrerá durante e após a fase de desativação; intensificador, pois o
processo já existe naturalmente; reversível, pois o meio impactado retornará à situação
semelhante àquela anterior à ocorrência do impacto por meio de ações de controle de
mitigação e destinação de usos futuros e, por fim, de média magnitude, considerando-se
que a deflagrações dos processos erosivos são relativamente pontuais, tal como predominam
terrenos de baixa fragilidade à erosão e que o regime de chuvas na região denota uma baixa
erosividade.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo

ARCADIS logos 110


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Magnitude
Feições erosivas, como sulcos e ravinas; análise de sólidos em suspensão
Indicador nas águas e aspecto do sistema de drenagem; aspecto dos taludes e
encostas
Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Implantação de um sistema de monitoramento e inspeções que visem garantir: i) a


segurança estrutural dos taludes e áreas mais propícias à instalação de processos
erosivos e instabilidades de modo geral; ii) implantação e manutenção do sistema de
drenagem;
 Execução da reconformação topográfica e tratos da superfície final necessários para
revegetação das áreas;
 Revegetação das áreas-alvo do descomissionamento;
 Execução das atividades conforme determinadas pelo futuro Plano de Fechamento de
Mina Executivo;
 Monitoramento das práticas ecológicas.

As ações acima descritas são apresentadas no Programa de Recuperação de Áreas


Degradadas – PRAD e, futuramente, deverão estar presentes no Plano de Fechamento de
Mina Executivo.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

B) Alteração das Propriedades Físico-Químicas dos Solos e das Águas Subterrâneas


por Efluentes e Resíduos Sólidos
Na etapa de desativação, a alteração das características físico-químicas do solo e da
qualidade da água subterrânea estará associada a efluentes e resíduos sólidos.

Os efluentes líquidos serão oriundos da drenagem pluvial, efluentes oleosos (manutenção e


abastecimento de veículos e máquinas), efluentes sanitários (banheiros fixos e móveis,
vestiários e refeitórios), e efluentes da mina. Isso porque a área do empreendimento estará
sob efeito de atividades de descomissionamento que serão muito semelhantes àquelas
praticadas durante a fase de implantação. Para melhor entendimento do que acontece
durante um processo de descomissionamento de um empreendimento minerário, o mesmo
pode ser figurativamente encarado como uma “fase de implantação ao contrário”. Logo,
diversas atividades, como as citadas anteriormente, continuarão presentes durante esta
última etapa do Projeto Serro, obviamente com redução gradual dos impactos assim que os
trabalhos caminhem para a finalização da desativação.

ARCADIS logos 111


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Na desativação do empreendimento também é prevista a geração de resíduos sólidos


decorrentes de atividades de remoção de todas as estruturas relacionadas à unidade de
beneficiamento do minério e área de apoio operacional/administrativa, caso seja dado um uso
futuro mais conservador para o Projeto Serro. Soma-se a isso, os resíduos sólidos gerados
em canteiro de obras ou demais áreas de apoio ao descomissionamento. Assim como nas
demais etapas anteriores do projeto, a potencialidade da contaminação do solo e das águas
subterrânea devido à disposição dos materiais está relacionada à acomodação inadequada
de resíduos sólidos, sistemas de drenagens e impermeabilizações ineficientes.

Dessa forma, nesta etapa também é crucial a adequada disposição dos resíduos. De acordo
com a caracterização do empreendimento, será construído um Depósito Intermediário de
Resíduos – DIR para acondicionamento temporário dos mesmos, o qual tem papel
fundamental como medida mitigadora deste impacto e que também poderá ser útil durante a
desativação do empreendimento. No entanto, cabe salientar que, ao final das conclusões das
atividades de descomissionamento, este DIR também necessitará ser descomissionado,
recuperado e os resíduos conduzidos para destinação final em conformidade com a
legislação ambiental.

A potencialidade para alteração da qualidade do solo e das águas subterrâneas devido às


atividades desenvolvidas nessa fase está relacionada à disposição inadequada de resíduos
sólidos.

O quadro a seguir identifica as principais fontes geradoras, os resíduos gerados e sua


classificação, conforme NBR 10.004/04.

Quadro 7.2-6 - Resíduos Sólidos Gerados na Fase de Desativação

Classificação NBR
Tipo de resíduo Prováveis pontos de geração
10.004/2004
Áreas em recuperação ambiental. Resíduos
Resíduos de
constituídos por embalagens de adubos, pesticidas e Classe I
revegetação
demais produtos agronômicos.
Áreas sujeitas a desmontagens, ou seja, aquelas onde
Resíduos de
haverá estruturas do empreendimento. Resíduos
desmontagem não Classe II
compostos basicamente por restos de borracha,
perigosos
madeira, plástico, vidro, papelão, etc.
Áreas sujeitas a desmontagens, ou seja, aquelas onde
Resíduos de haverá estruturas do empreendimento. Resíduos
desmontagem compostos basicamente por materiais contaminados, Classe I
perigosos restos de óleos, graxas, outras substâncias químicas,
metais pesados, etc.
Áreas sujeitas a demolições, ou seja, aquelas onde
Resíduos de
haverá estruturas do empreendimento. Resíduos Classe II
demolição
denominados RCC’s (Resíduos de Construção Civil)

Refeitório e demais áreas do canteiro de obras para


fechamento.
Resíduos do refeitório
Classe I e II
e domésticos Resíduos basicamente constituídos por resíduos
orgânicos, plásticos, vidros, madeiras e embalagens
em geral.

ARCADIS logos 112


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Classificação NBR
Tipo de resíduo Prováveis pontos de geração
10.004/2004
Serão gerados em diversas áreas onde haja
Resíduos sanitários e circulação de pessoal. Serão constituídos por papel
Classe IIA
de varrição sanitário, lixo comum de varrição, poda de vegetação
e lodo de fossa séptica.
Serão gerados em diversas áreas a serem
descomissionadas no empreendimento. São aqueles
Resíduos não inertes / que podem trazer algum risco ambiental como, por
Classe I e IIA
perigosos em geral exemplo, baterias ácidas, lâmpadas fluorescentes,
pilhas, embalagens e resíduos de reagentes químicos,
entre outros.

Serão gerados em alguma unidade prevista para


Resíduos do ambulatório/enfermaria temporária antes de seu
Classe I
ambulatório fechamento. Deverá gerar uma pequena quantidade
de resíduos classificados como perigosos.

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

Importante destacar que, por haver a destinação externa do lodo do tanque séptico e dos
banheiros químicos, o mesmo é então considerado como resíduo sólido Classe IIA, conforme
estipulado pela NBR 10.004/04, que trata sobre a classificação dos resíduos, devendo estar
assim considerado pelas diretrizes do Programa de Gestão de Resíduos Sólidos (PGRS),
parte integrante do presente estudo e com o Plano de Fechamento de Mina Executivo a ser
elaborado posteriormente para o Projeto Serro.

Conforme já mencionado anteriormente, as águas subterrâneas da área do empreendimento


atualmente apresentaram ótima qualidade, segundo os parâmetros definidos na Resolução
CONAMA nº 420/2009 e não sofrem contaminação a partir de atividades antrópicas. Para a
fase de desativação do empreendimento, deverão ser observados também os padrões de
qualidade monitorados durante a fase de operação.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável, disperso, pois embora tenha tendência a


acontecer principalmente nas imediações da ADA, há probabilidade de atingir a AID; de
ocorrência em imediato-curto prazo, tendo-se em vista que o impacto é gerado
imediatamente. Temporário, pois deverá ocorrer até o final do descomissionamento;
reversível, visto que o meio impactado poderá ser remediado e retornar a situação
semelhante àquela anterior a ocorrência do impacto; intensificador, entendendo-se que a
contaminação do solo e da água subterrânea poderá ocorrer durante a fase de operação se
não forem tomadas as medidas mitigadoras cabíveis, e; por fim, de média magnitude,
considerando-se a alta permeabilidade das rochas do aquífero poroso e a friabilidade dos
solos.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador

ARCADIS logos 113


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Atributos
Prazo Imediato - curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Monitoramento da qualidade das águas subterrâneas e superficiais

Qualitativa Média

Medidas de mitigação

Em relação aos efluentes

 Impermeabilização de todas as áreas nas quais forem realizadas atividades e operações


que possam gerar efluentes oleosos ou contaminados (lubrificação e lavagem de
veículos, peças, máquinas, carga e descarga de combustíveis) e providas de contenção
contra vazamentos e derrames;
 Projetar sistemas de drenagem e contenção eficientes, especialmente em áreas de
tancagem e abastecimento de veículos;
 Execução, ensaio e manutenção dos sistemas prediais de esgoto sanitário, para
atenderem às exigências mínimas quanto à higiene, segurança e conforto dos usuários,
tendo em vista a qualidade destes sistemas além de considerar a aplicação da caixa de
gordura, aplicável ao refeitório do canteiro de obras conforme NBR 8.160/99, obviamente
se houver necessidade de canteiro de obras para a etapa de desativação;
 A conservação das condições sanitárias em todas as áreas vinculadas ao
empreendimento, tendo em vista a proteção do ambiente na ADA e no seu entorno,
assim como a gestão dos efluentes oriundos de qualquer atividade geradora;
 Utilização de bandejas coletoras sob o ato de abastecimento/transferência de
combustível emergencial fora dos locais adequados para tal, evitando derramamentos
diretamente sobre o solo. De forma complementar deverão ser utilizados materiais de
caráter absorvente, como serragem e/ou areia;
 Manutenção periódica de veículos e equipamentos;
 Manutenção periódica dos dispositivos das fossas sépticas;
 Manutenção periódica dos sistemas de drenagem e SAOs;
 Recomenda-se que todas as atividades previstas para o descomissionamento das
estruturas sejam sempre realizadas de acordo com as técnicas adequadas de
engenharia, com aplicação das normas pertinentes e com respeito à legislação ambiental
vigente, sempre obedecendo o que for apresentado pelo Plano de Fechamento
Executivo;
 Caso haja vazamentos de óleos e graxas deverá ser utilizado material absorvente para
conter o resíduo derramado e serem seguidos os seguintes procedimentos: (i) coletar o
material e o solo contaminado em recipiente específico com a respectiva identificação, (ii)
destinar adequadamente o recipiente fechado e etiquetado. e (iii) apurar a ocorrência do
vazamento a fim de prevenir novos eventos similares;
 Entender o padrão de dispersão do produto contaminante caso venha a ser constatado.
Este depende de fatores como solubilidade, densidade e concentração do produto,

ARCADIS logos 114


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

características físicas do substrato (granulação, permeabilidade, mineralogia de argilas) e


características ambientais, tais como tempo de exposição ao agente contaminante,
presença de microrganismos, e condições hidrogeológicas e físico-químicas do solo.

Em relação aos resíduos sólidos

 Manutenção da operação do mesmo DIR utilizado durante a etapa de operação, com


posterior descomissionamento do mesmo e envio dos resíduos finais para destinação
ambientalmente adequada;
 A movimentação externa de resíduos, durante a etapa de desativação, deverá ser
acompanhada do Manifesto de Transporte e, onde couber, da pertinente Autorização da
Movimentação e Destinação Final de Resíduos, emitido pela autoridade pública de meio
ambiente local, se houver. Neste sentido, assim como na fase de implantação e operação
do empreendimento, as seguintes Normas deverão ser rigorosamente observadas: NBR
12.235 – Armazenamento de Resíduos Classe I – Resíduos perigosos; NBR 11.174 –
Armazenamento de Resíduos Classe II – Resíduos não inertes, não perigosos, e Classe
III – Resíduos inertes; NBR 7.500 – Símbolos de Risco e Manuseio, transporte e
armazenamento de materiais; NBR 13.221 – Transporte de Resíduos; NBR 10.004 –
Resíduos – Classificação;
 O manuseio dos resíduos deverá ser realizado com auxílio de equipamentos, como
empilhadeiras, além dos funcionários envolvidos terem os devidos equipamentos de
proteção individual (EPIs), visando à segurança operacional;
 Fixar condições exigíveis para projeto, construção e operação de sistemas de tanques
sépticos, incluindo tratamento e disposição de efluentes e lodo sedimentado conforme
NBR 7.229/93;
 Recomenda-se que todas as atividades previstas sejam sempre realizadas de acordo
com as técnicas adequadas de engenharia, com aplicação das normas pertinentes e com
respeito à legislação ambiental vigente;
 Controlar e minimizar a geração de resíduos sólidos;
 Capacitar os funcionários para a realização da segregação necessária dos resíduos
gerados durante as atividades envolvidas na operação do empreendimento;
 Gestão adequada dos resíduos levando em conta o seu acondicionamento,
armazenamento, transporte, disposição e, eventualmente, reciclagem, seguindo todas as
orientações da Política Nacional de Resíduos Solidos; eManutenção dos sistemas de
controle.

As ações de gestão deste impacto são contempladas no Programa de Gestão de Efluentes


Líquidos, no Programa de Gestão dos Resíduos Sólidos – PGRS e no Programa de
Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas. Futuramente, após elaboração do
Plano de Fechamento Executivo para o empreendimento, as orientações a respeito do tema
também deverão ser seguidas.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

ARCADIS logos 115


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

C) Assoreamento da rede de drenagem e alteração na qualidade das águas


superficiais
Devido à geração e ao carreamento de sedimentos

Durante a fase de desativação do empreendimento algumas atividades poderão ocasionar,


direta ou indiretamente, o carreamento de sedimentos, o que potencialmente pode acarretar
no assoreamento dos cursos d’água e alteração na qualidade das águas superficiais.

Os pontos de maior criticidade nos quais poderá ocorrer geração de sedimentos durante a
fase de desativação do empreendimento estão associados a todas as áreas que sofrerão
intervenção para recuperação ambiental e adequação das áreas conforme usos futuros que
forem propostos. Estas áreas deverão ficar com suas superfícies expostas para recuperação,
podendo se tornar fontes de sedimentos.

A introdução de eventuais cargas pontuais e difusas nos corpos hídricos poderá promover
uma queda na qualidade das águas e nos padrões sanitários, afetando os usos múltiplos das
águas, sendo esperado um aumento nos níveis de turbidez, elevação da concentração de
ferro, manganês e nutrientes, sobretudo no córrego Siqueira e seus afluentes pela margem
direita.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto negativo, provável, disperso, pois embora o impacto se dê


principalmente na AID do Projeto Serro, também poderá atingir a AII, de ocorrência de
imediato-curto prazo, tendo-se em vista que poderá ocorrer logo depois da execução da
atividade que o deflagrar; temporário, pois sua manifestação poderá cessar após o
fechamento do empreendimento; intensificador, visto que este processo já ocorre
naturalmente e reversível, considerando a prática de dragagens controladas e periódicas.

Trata-se de um impacto de grande magnitude, pois embora na fase de desativação do


empreendimento haja redução progressiva na geração de sedimentos, até mesmo pequenas
contribuições poderão afetar a qualidade dos corpos hídricos da região e desencadear
processos de assoreamento.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Padrão de qualidade da água e aspecto do sistema de drenagem

Qualitativa Grande

ARCADIS logos 116


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Medidas de Mitigação

Serão adotadas como ações mitigadoras as mesmas medidas propostas nas fases de
implantação e operação do empreendimento:

 Recuperar e monitorar as áreas alteradas, principalmente adjacentes à mina a céu


aberto, aterros, diques de contenção de sedimentos e pilha de estéril, área remanescente
da pilha de estoque;
 Aplicação pontual de métodos mitigadores a fim de diminuir os processos de erosão e
escorregamento nos terrenos da ADA e AID;
 Aplicação de critérios de engenharia de modo a garantir o devido escoamento pluvial sem
comprometer as estabilidades dos taludes, diques, pilha, entre outras estruturas;
 Durante o fechamento do empreendimento os sistemas de drenagem serão readequados
para cada situação, conforme condições de uso futuros a serem previstas, possibilitando
a realização das ações estabelecidas no Plano de Recuperação de Áreas Degradadas
(PRAD) e no Plano de Fechamento de Mina Executivo; e
 Continuidade do Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais
devidamente adequado para a fase em questão, o que permitirá a tomada de ações
preventivas e corretivas durante toda a desativação do projeto.

As ações de gestão deste impacto estão sucintamente descritas no Programa de


Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais, no Programa de Recuperação de Áreas
Degradadas – PRAD, e principalmente serão melhor tratadas no Plano de Fechamento de
Mina Executivo a ser elaborado no futuro.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

D) Alteração na qualidade do ar
Devido à emissão de material particulado e geração de gases de combustão

Na fase de desativação do Projeto Serro ainda existirão algumas atividades que poderão
implicar na emissão de material particulado e geração de gases de combustão.

As emissões de particulados mais prováveis para as atividades de fechamento serão


decorrentes de poeira e fuligens. A poeira deverá ser gerada principalmente pelo tráfego de
veículos e equipamentos em vias não pavimentadas, transporte de carga e pelas operações
de abertura de acessos e pátios de apoio e recuperação de áreas. As fuligens serão oriundas
dos escapamentos de veículos e equipamentos em funcionamento.

As emissões gasosas serão compostas por gases do tipo óxido de carbono (CO e CO2),
óxidos de nitrogênio (NOx), óxidos de enxofre (SOx) e hidrocarbonetos e serão oriundas do
funcionamento de veículos leves e pesados (automóveis, vans, caminhonetes, caminhões,

ARCADIS logos 117


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

etc.), equipamentos leves e pesados fixos e móveis (compressores, grupo geradores,


tratores, pás carregadeiras, etc.) que utilizam como força motriz motores a base de queima
de combustíveis fósseis.

Avaliação do Impacto

A alteração na qualidade do ar devido à emissão de material particulado e geração de gases


de combustão é um impacto negativo, certo, disperso, pois pode se fazer sentir além das
imediações do empreendimento em função da dispersão do vento, de ocorrência em
imediato-curto prazo, tendo-se em vista que poderá ocorrer logo após a execução da
atividade que o deflagrar, reversível uma vez que as características do local poderão ser
recuperadas logo após a finalização das atividades e que as emissões serão cessadas
quando os equipamentos forem desligados ou quando não houver fluxo de veículos,
temporário, pois tende a cessar após o fechamento do empreendimento, intensificador,
entendendo-se que a suspensão de material particulado e a geração de gases de combustão
já ocorre atualmente e ocorrerá nas fases anteriores do Projeto Serro, tendo em vista que as
vias de acesso da AID não são pavimentadas e que já existem veículos circulando na área.

O impacto em questão é considerado de pequena magnitude, considerando-se que a


direção predominante dos ventos, conforme apresentado no diagnóstico, é de sudeste para
noroeste, onde não existem muitas fontes receptoras. A sede do município do Serro, que é a
principal fonte receptora da região, encontra-se ao sul da AID do futuro empreendimento.
Além disso, a principal fonte emissora de gases será a frota de veículos e a mesma não
circulará em áreas de grande adensamento populacional. Ressalta-se também que na fase
de desativação a alteração da qualidade do ar é muito menos expressiva do que nas fases de
implantação e operação do empreendimento.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Concentração de Partículas Totais em Suspensão e Partículas Inaláveis e
Indicador
Medição de Emissões Atmosféricas
Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

 Estabelecimento de limite de velocidade dos veículos, uma vez que os principais fatores
que contribuem para o aumento da geração de poeira associado ao tráfego de veículos
são o peso e a velocidade;
 Aspersão de água nas vias de acesso, visando reduzir a suspensão de material
particulado;
 Concentração das atividades durante o período de estiagem;

ARCADIS logos 118


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Recobrimento vegetal de áreas desnudas.


 Inspeção e manutenção preventiva de veículos, máquinas e equipamentos, visando
detectar, e eventualmente, irregularidades na regulagem dos motores de combustão para
reduzir ao mínimo a emissão de gases e fumaça preta;
 Utilização de veículos/equipamentos novos ou em bom estado de conservação,
regulados conforme instrução do fabricante.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Monitoramento da Qualidade


do Ar e Emissões Atmosféricas e serão melhor tratadas no Plano de Fechamento de Mina
Executivo a ser elaborado no futuro.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

E) Alteração dos Níveis de Pressão Sonora


Devido à geração de ruído

As principais fontes de emissões de ruídos previstas para a fase de desativação do Projeto


Serro estão relacionadas principalmente à movimentação e operação de equipamentos e
veículos leves/pesados, à desmontagem das estruturas do empreendimento, ao
funcionamento de equipamentos fixos e às atividades de manutenção mecânica.

Avaliação do Impacto

Este impacto é considerado negativo; pois a elevação dos níveis de pressão sonora (ruído)
poderá afetar a qualidade de vida dos trabalhadores do empreendimento, da população
residente no entorno da área e da fauna do entorno. É um impacto de ocorrência certa; e
deverá se manifestar em imediato-curto prazo. É considerado disperso, pois embora
concentre-se principalmente na área do empreendimento, o aumento do tráfego se dará em
diversas vias e localidades. Este impacto é reversível, temporário e intensificador, pois já
existirão atividades geradoras de ruído na região na fase de operação.

Como os trabalhadores das obras utilizarão EPIs adequados e a principal comunidade


receptora (sede municipal de Serro) encontra-se fora da AID do Meio Físico e Biótico do
empreendimento, a magnitude deste impacto é considerada pequena.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Temporário
Cumulatividade Cumulativo

ARCADIS logos 119


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Magnitude
Indicador Medição dos níveis de ruído
Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

 Controle ambiental envolvendo o adequado projeto e a manutenção de equipamentos,


máquinas e veículos, visando reduzir os níveis de pressão sonora;
 Continuação do Programa de Monitoramento dos Níveis de Ruídos, como forma de
verificar a eficácia das ações de controle propostas e o nível de atenuação de ruídos nas
áreas ocupadas (receptores), além da atenção às orientações do futuro Plano de
Fechamento Executivo;
 Utilização de EPIs pelos funcionários diretamente envolvidos no empreendimento.

As ações acima descritas são contempladas no Programa de Monitoramento dos Níveis de


Ruído e Vibração e serão melhor tratadas no Plano de Fechamento de Mina Executivo a ser
elaborado no futuro.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

7.2.4.2. Meio Biótico


O descomissionamento acarretará uma perda reduzida de indivíduos da fauna, pois ocorrerá
em área já alterada, referente ao local da implantação e operação do empreendimento. Serão
efetuadas atividades de desativação tais como demolição das edificações e
desmantelamento de peças e equipamentos.

A) Intensificação da Pressão Antrópica sobre a Fauna e a Flora


Devido à Geração de Tráfego Rodoviário e de Pessoas.

Na fase de desativação da mina a pressão antrópica sobre a fauna e a flora se resumirá aos
possíveis atropelamentos por veículos que circularão nas vias dedicadas ao
empreendimento, e aos eventos de caça ilegal para fins cinegéticos, de xerimbabo e
exportação. Estes, assim como descrito para a fase de implantação e operação, causam
maior pressão especialmente em espécies de aves, répteis e mamíferos.

Para flora, o impacto está associado aos eventos de retirada seletiva de madeira, coleta de
espécimes silvestres para ornamentação, uso medicinal, comércio ilegal e exploração
madeireira, gerando, em alguns casos, o desaparecimento de espécies de seu ambiente
natural na região.

ARCADIS logos 120


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Tanto para a fauna quanto para a flora, o risco de incêndios naturais ou acidentais na
estiagem é um fator preocupante, pois o fogo se alastra rapidamente devido à seca e aos
ventos fortes, ocasionando a morte de diversos espécimes animais e vegetais.

Avaliação do Impacto

O impacto é negativo, já que a perda de indivíduos da flora e da fauna pode diminuir a


variabilidade genética das populações, tornando as populações inviáveis em longo prazo
(como é o caso de espécies ameaçadas de extinção, espécies faunísticas muito
territorialistas ou com grandes áreas de vida, ou ainda que dependam de grande quantidade
de recursos – presas – que podem se tornar escassos).

Para todos os aspectos geradores, considera-se que a perda de indivíduos da fauna e flora é
certa e ocorrerá de forma direta, tanto na ADA quanto na AID e AII, pois muitos veículos que
trafegam na área operacional do empreendimento irão transitar, também, na MG10, onde já é
registrado um índice significativo de atropelamento de fauna. Além disso, diversas espécies
florísticas já são retiradas na região para diversos fins. Sendo assim este será um fato
intensificador de abrangência ou espacialidade dispersa.

Para todos os aspectos, a perda de indivíduos ocorre de forma irreversível e o impacto


acontece ao mesmo tempo em que o aspecto e por isso é considerado como imediato ou de
curto prazo e é temporário, já que irá cessar após a fase de desativação do
empreendimento.

A área de inserção do empreendimento é considerada como de prioridade alta e


extremamente alta para a conservação da biodiversidade (BIODIVERSITAS, 2005; MMA,
2010) e os índices de atropelamento de fauna na região já são perceptivelmente altos. Para a
flora, este impacto é pouco significativo, já que a retirada de espécimes já ocorre e não deve
ter aumento representativo após o início da operação do empreendimento. Portanto,
principalmente no que tange à fauna, entende-se esse impacto seja de média magnitude.

Nesta fase, o impacto será gerado de forma direta. Será possível a redução das perdas de
indivíduos da fauna e da flora geradas por meio de medidas que devem acontecer desde a
fase de implantação. Entretanto, sua eficiência dependerá da participação e colaboração da
comunidade e dos empregados.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direta Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato - Curto Duração Temporário
Cumulatividade Sinérgico

ARCADIS logos 121


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Magnitude
Número de indivíduos atropelados nas vias dedicadas, Número de
Indicador indivíduos registrados em eventos de caça ilegal, Número de espécies
vegetais de interesse ecológico/econômico.
Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

 Ações de Educação Ambiental envolvendo funcionários e comunidade a fim de evitar


eventos de caça ilegal, atropelamentos e coleta destrutiva de espécimes da flora;
 Capacitação e treinamento dos funcionários para minimizar a perda de fauna durante as
atividades de operação e aproveitamento científico dos espécimes encontrados sem vida.
 Instalação de placas nas rodovias visando à proteção à fauna e Implantação do
Programa de Conservação da Fauna Silvestre

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

B) Alteração da qualidade física de habitats aquáticos e associados


Devido à geração de sedimentos

Conforme citado, durante a fase de desativação do Projeto Serro algumas atividades


tenderão a desencadear alterações na qualidade física dos recursos hídricos, especialmente
em relação ao transporte de carga difusas, com reflexos à comunidade aquática.

As interferências na biota aquática podem ocorrer devido ao aporte de sedimentos aos


cursos d’água principalmente no período chuvoso, que resultam em aumento da turbidez e
influem nos processos fotossintéticos, e ainda pela redução de nichos temporários para a
fauna bentônica.

Os danos causados às comunidades aquáticas na fase de desativação são muito


semelhantes aos apresentados nos impactos às comunidades aquáticas nas fases de
implantação e operação do empreendimento e atingirão principalmente o córrego Siqueira e
alguns de seus tributários.

Após a etapa de recomposição da área do projeto, em função da capacidade de resiliência da


biota aquática, espera-se uma reorganização da composição taxonômica dos organismos
aquáticos caso os danos causados durante a fase de implantação e operação não sejam
muito intensos.

ARCADIS logos 122


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Avaliação do Impacto

A alteração da qualidade física de habitat de ambientes aquáticos e associados na fase de


desativação é um impacto negativo, provável, de ocorrência a imediato-curto prazo,
disperso, intensificado pelo empreendimento e irreversível e permanente caso haja
redução de riqueza e abundância de espécies. O impacto é considerado de grande
magnitude, pois ainda existirão atividades que gerarão grandes quantidades de sedimentos.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Intensificador
Prazo Imediato-curto Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Análise qualitativa e quantitativa da biota aquática
Qualitativa Grande

Medidas de Mitigação

Serão apropriadas para esse impacto as mesmas medidas propostas para a manutenção da
qualidade da água e para a preservação da biota aquática nas etapas de implantação e
operação do Projeto Serro.

Além do Programa de Monitoramento da Biota Aquática, serão implantados os Programas de


Monitoramento de Águas Superficiais, Programa de Gestão de Resíduos Sólidos e Programa
de Controle de Efluentes Líquidos, que permitirão acompanhar eventuais alterações na biota
aquática e fornecerão subsídios para a indicação de medidas mitigadoras.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Alto

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de grande magnitude, este pode ser considerado como de alta relevância.

C) Contaminação de habitats aquáticos e associados


Devido à geração de resíduos sólidos, efluentes líquidos e oleosos

Eventuais contaminações de habitat de ambientes aquáticos e associados por efluentes


líquidos e oleosos e por resíduos sólidos na etapa de desativação poderão causar danos às
comunidades aquáticas, os quais são muito semelhantes aos apresentados nas fases de
implantação e operação do Projeto Serro. Os principais corpos d’água que serão afetados
serão o córrego Siqueira e alguns de seus tributários.

ARCADIS logos 123


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Avaliação do Impacto

O impacto sobre ambientes aquáticos e associados em decorrência de contaminações por


efluentes e resíduos sólidos é considerado negativo, provável, de ocorrência a imediato-
curto prazo, disperso, fato novo pelo empreendimento, irreversível e permanente caso
haja redução de riqueza e abundância de espécies. O impacto é considerado de média
magnitude.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Fato novo
Prazo Imediato-curto Duração Permanente
Cumulatividade Cumulativo
Magnitude
Indicador Análise qualitativa e quantitativa da biota aquática

Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

Poderão ser consideradas para mitigação deste impacto, as mesmas medidas propostas para
a manutenção da qualidade da água e para a preservação da biota aquática nas etapas de
implantação e operação do Projeto Serro.

Além disso, na fase de desativação também deverão ser mantidos os Programa de


Monitoramento da Biota Aquática e os Programas de Monitoramento de Águas Superficiais,
de Gestão de Efluentes Líquidos e de Resíduos Sólidos.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

D) Interferência na Qualidade da Saúde Pública


Devido à Geração de Tráfego de Pessoas

Assim como nas fases de implantação e operação, os riscos de acidentes com animais
peçonhentos e de transmissão de doenças carreadas por dípteros vetores continua eminente.

Na fase de desativação, o contingente de trabalhadores é novamente alto, sujeitando os


trabalhadores à infecção de doenças como a febre amarela, a filariose, a leishmaniose e o
arbovírus. Além disso, os funcionários servem como reservatórios, aumentando o risco de

ARCADIS logos 124


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

transmissão a demais moradores do município de Serro e, consequentemente, gerando


epidemias e problemas para a saúde pública.

Avaliação do Impacto

Independente do aspecto gerador, o impacto é negativo, de provável ocorrência e, como é


fruto da supressão da vegetação e do aumento de trabalhadores na área, é considerado
indireto, de efeito em médio prazo e irreversível. É, ainda, considerado intensificador, de
abrangência ou espacialidade dispersa.

A magnitude deste impacto está associada à eficiência das medidas de controle, sendo
assim, a magnitude deste impacto na fase de desativação é considerada pequena.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Provável Reversibilidade Irreversível
Ordem Indireto Forma de interferência Intensificador
Prazo Médio Duração Temporário
Cumulatividade Sinérgico
Magnitude
Elevação do número de casos de doenças, acidentes com animais
Indicador
peçonhentos e aumento das populações de dípteros vetores.
Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

 Continuidade do Programa de Educação Ambiental visando orientar os trabalhadores


quanto à importância do uso de repelente, cuidados com o manejo de animais
peçonhentos, ações preventivas e correta destinação de resíduos;
 Continuação do Programa de Monitoramento de dípteros Vetores.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Alto


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam alto grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

ARCADIS logos 125


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

7.2.4.3. Meio Socioeconômico

A) Recuperação da Paisagem
Devido à desativação do empreendimento

Ao término da vida útil do empreendimento, previsto com o esgotamento da mina, as


instalações e estruturas relacionadas serão desmontadas, o entulho de construção existente
será retirado e toda a área será recuperada.

A alteração do uso e ocupação do solo irá suscitar a alteração da paisagem, a qual irá
depender do uso e ocupação futuros da área afetada pelas atividades de extração e
beneficiamento dos minérios, além das instalações de apoio. De qualquer maneira, conforme
visto no item referente ao impacto de degradação da paisagem das fases de implantação e
operação as estruturas do empreendimento serão visíveis de acordo com o posicionamento
do observador e das condições topográficas locais, devendo limitar-se as áreas de entorno
do empreendimento. Desta forma, a retirada dessas estruturas permitirá que a área que será
ocupada com o empreendimento possa readquirir características paisagísticas mais
homogêneas às encontradas em seu entorno, sejam elas naturais, como a cobertura vegetal,
ou antrópicas.

Avaliação do Impacto

Trata-se de um impacto positivo, pois a paisagem que será degradada com a introdução do
empreendimento (elemento exótico ao local) deverá ser reocupada com elementos comuns a
localidade. Trata-se de um impacto de probabilidade certa, pois a alteração no uso e
ocupação do solo é indissociável do próprio esgotamento dos recursos minerais que levaram
à existência do empreendimento, havendo necessariamente a alteração do uso e ocupação
do solo daquela propriedade. Se manifesta em curto prazo, pois está vinculado à finalização
das atividades minerárias no sítio local. Também é um impacto localizado, pois as alterações
no uso e ocupação do solo somente ocorrerão in loco, não extrapolando a ADA do
empreendimento. No âmbito da interferência, será um fato novo. Este impacto é
irreversível, pois haverá alterações permanentes no uso e ocupação do solo.

Tendo em vista que a retirada do elemento exótico da paisagem, e a readequação do uso e


ocupação do solo, levarão a uma maior homogeneidade nas características da área à época
da desativação do empreendimento, considera-se este impacto como de magnitude média,
e tendo em vista que o grau de resolução das medidas é baixo, o grau de relevância do
impacto é médio.

Atributos
Natureza Positivo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Irreversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Curto Duração Permanente
Cumulatividade/Sinergia Cumulativo

ARCADIS logos 126


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Magnitude
Indicador Alteração no uso e ocupação do solo
Qualitativa Média

Medidas de Mitigação

A definição de uso e ocupação das áreas afetadas pelo empreendimento deverá se dar de
forma a atender aos interesses sociais em torno do cenário futuro que se pretenda almejar. A
tomada de decisão sobre o uso e ocupação futuros das áreas utilizadas deverá se basear,
portanto, tanto na avaliação de suas características físicas - qualidade da água e do solo ao
final da vida útil do empreendimento, determinando critérios de utilização com base na saúde
e segurança da população do entorno, como também pela vocação da economia municipal e
de sua população à época.

Ainda que tal processo deva ser liderado pelo poder público, caberá ao empreendedor
alavancar essa discussão no âmbito do Programa de Recuperação de Áreas Degradadas
(PRAD), antecipando-se ao início dos impactos e deixando clara sua intenção,
comprometimento e nível de responsabilização no processo.

Caberá ao empreendedor recuperar as áreas cujo uso do solo foi alterado pela atividade
mineradora, de acordo com as diretrizes do PRAD, procurando, na medida do possível,
restabelecer seu uso original.

Medidas de Potencialização e Grau de Relevância

Grau de potencialização das medidas Baixo


Grau de relevância do impacto Médio

As medidas propostas apresentam baixo grau de potencialização e, como o impacto foi


avaliado como de média magnitude, este pode ser considerado como de média relevância.

B) Geração de Incômodos à População


Devido à geração de ruído e vibração, emissão de poeiras e gases, tráfego de veículos e
proliferação de vetores devido às atividades de desativação do empreendimento

Durante o descomissionamento, as atividades que envolvem uso de bate-estacas,


movimentação de terra e equipamentos de escavação, betoneiras, gruas e transporte de
equipamentos, materiais, pessoas e resíduos deverão emitir ruído e vibração, além de
poeiras e gases, causando, consequentemente, incômodos à população.

Além disso, há potencial de riscos à segurança e saúde das pessoas que vivem nas
propriedades lindeiras devido ao contato direto ou indireto com materiais e substâncias
perigosos - tóxicos, combustíveis, inflamáveis, corrosivos, explosivos etc. -, à proliferação de
vetores e ao transporte de materiais, equipamentos e trabalhadores, intensificando o tráfego
de veículos pesados nas proximidades das áreas a serem desativadas e gerando
insegurança ao tráfego de veículos e aos pedestres.

ARCADIS logos 127


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Avaliação do Impacto

O impacto é negativo, pois trata-se de um conjunto de distúrbios que afetarão negativamente


a qualidade de vida dos trabalhadores da fase de desativação e das comunidades próximas
ao empreendimento, eventualmente levando a danos a edificações (vibração). Poderá ainda
gerar alterações na dinâmica natural da área afetada e ocasionar distúrbios nos hábitos da
fauna local.

O impacto possui ocorrência certa – sendo que especificamente a vibração é de ocorrência


provável, já que as alterações devem ser absorvidas pelas estruturas do solo, não chegando
a ser transmitidas às áreas com possíveis receptores - e deverá se manifestar em curto
prazo.

A espacialidade deste impacto é localizada, pois se concentra na área do empreendimento e


entorno (vias; área de alcance da propagação de ruído e, eventualmente, de vibração; porção
da bacia aérea atingida pela dispersão de poeira e gases e área de atuação de vetores).

O impacto é reversível, pois está ligado diretamente ao período de atividades necessárias à


desativação do empreendimento.

Possui duração temporária, retornando à situação anterior quando as atividades desta fase
cessarem. É considerado um fato novo, por ser uma alteração que só irá acontecer com o
final da vida útil do empreendimento.

O impacto é considerado como de magnitude média, pois, apesar de o impacto ser


significativo, a duração e a abrangência são relativamente pequenas. O seu grau de
resolução é médio, e o grau de relevância é baixo.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Localizado
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Direto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Curto Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Cumulativo
Magnitude
Indicador Elevação dos níveis de pressão sonora.

Qualitativa Media

Medidas de Mitigação

Recomenda-se como uma boa prática que o empreendedor elabore uma avaliação do
impacto social a ser suscitado pela desativação do empreendimento à época da aproximação
do final de sua vida útil. Este instrumento permitirá que se avaliem com mais precisão os
impactos adversos sobre as localidades afetadas e demais partes interessadas, assim como
a economia local, infraestrutura etc. O conhecimento desse quadro prognóstico possibilitará
um adequado planejamento do processo de desativação, endereçando medidas mitigadoras
que previnam ou ao menos reduzam os prejuízos previstos.

ARCADIS logos 128


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As medidas de controle recomendadas são:

 Elaboração de estudo para identificação e avaliação de impactos e riscos ambientais


potenciais;
 Discussão pública prévia dos impactos e riscos ambientais potenciais e planejamento das
atividades a partir de consulta prévia às comunidades potencialmente afetadas e outras
partes interessadas de forma a reduzir as chances de impactos, incluindo definição de
dias e períodos para determinadas atividades com maior potencial de causar distúrbios;
 Elaboração de um Plano de Fechamento de Mina contendo ações, cronograma e
responsabilidades discutidos e planejados a partir da avaliação de impactos e riscos
específicos para esta fase e do processo de consulta pública;
 Difusão das ações do Plano de Fechamento de Mina no âmbito do Programa de
Comunicação Social e do Programa de Gestão de Mão de Obra, a partir de palestras,
materiais de divulgação e treinamentos adequados aos trabalhadores envolvidos nas
atividades, de acordo com sua função e responsabilidade;
 Restrição de acesso às áreas diretamente afetadas pelas atividades e implementação de
sinalização adequada;
 Planejamento das rotas de transporte de forma a evitar ou restringir passagem por áreas
com ocupação;
 Uso de dispositivos de atenuação de ruídos, como barreiras, defletores e exaustores para
motores a combustão, de acordo com as melhores tecnologias disponíveis à época;
 Adequação das vias de acesso, caso se faça necessário;
 Umidificação de áreas com solo exposto e proteção de taludes;
 Controle de emissões veiculares;
 Correta segregação, manuseio, transporte e destinação de materiais e resíduos,
priorizando-se a redução de necessidade de disposição final, via seu reaproveitamento –
com a comercialização, doação ou reutilização em eventuais estruturas que sejam
implantadas no local.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de média magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

C) Retração da Economia
Devido à desativação do empreendimento

A Caracterização do Empreendimento descreve a previsão de desativação da planta do


empreendimento em cerca de 10 anos. Neste horizonte de longo prazo, há tendência de
elevação/incremento da atividade econômica, derivada da implantação e da operação desta
planta instalada, que se consolidará ao longo destas fases a um nível de atividade econômica
mais elevada do que anteriormente se encontrava a economia regional ou local. No entanto,

ARCADIS logos 129


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

são previstos, com a desativação do empreendimento, impactos de retração da economia


regional.

No que diz respeito ao setor público, especificamente quanto à arrecadação de impostos,


haverá redução de receitas disponíveis, porém, isto não se dará de imediato, mas sim ao
longo da fase final de operações.

Conforme for aumentando a escassez de recursos naturais a serem operados pelo


empreendimento, menor será sua atividade comercial e de serviços que, por conseguinte,
acarretará em diminuição de impostos a serem recolhidos, levando à retração na atividade
econômica municipal.

Da mesma forma, a atividade econômica regional sofrerá retração decorrente da queda de


produtividade e fechamento das instalações do Projeto Serro. Isto porque a desmobilização
de mão de obra empregada, somada aos serviços ou insumos que deixarão de ser
demandados pelos empregados ou pelo próprio empreendimento, configurarão queda da
atividade econômica regional.

Avaliação do Impacto

A retração dos variados setores econômicos regionais, decorrentes da desativação do


empreendimento em tela, configurarão impacto negativo e certo, embora seja indireto,
sendo relativamente disperso e de médio prazo. Reversível, porque o mercado não
dependerá além do médio prazo para se adaptar a diminuição, ou cessão, das atividades
deste projeto. E, portanto, pode ser considerado temporário, já que o empreendimento não
mais contribuirá para a dinamização da economia local, e esta irá ter que se adaptar à nova
situação.

O impacto é considerado como de magnitude pequena, pois, apesar de ser esgotar as


benesses econômicas diretas do Projeto Serro, a dinamização ocorrida nas fases anteriores
deverá expandir a capacidade econômica do município. O seu grau de resolução é médio, e
o grau de relevância é baixo.

Atributos
Natureza Negativo Espacialidade Disperso
Probabilidade Certo Reversibilidade Reversível
Ordem Indireto Forma de interferência Fato Novo
Prazo Médio Duração Temporário
Cumulatividade/Sinergia Cumulativo
Magnitude
Indicador Retração da Economia Local

Qualitativa Pequena

Medidas de Mitigação

O Programa de Comunicação Social deverá ser implantado desde o início da fase de


planejamento, com características de pró-atividade frente aos impactos aqui descritos e

ARCADIS logos 130


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

consolidando um permanente e institucional acompanhamento que objetive a mitigação dos


mesmos.

As ações a serem identificadas deverão considerar a articulação entre as comunidades,


governos locais, ONGs e outras associações da sociedade civil organizada, igreja, escolas e
universidades, mídia etc. para estabelecer as prioridades e um plano de ação voltado à fase
de transição e à realidade futura, com as devidas responsabilidades.

Esta análise deverá considerar os impactos de acordo com o grupo social atingido, já que as
populações mais vulneráveis, como mulheres, idosos e migrantes, por exemplo, necessitarão
de ações específicas de assistência.

Caso não sejam tomadas ações preventivas, é provável que, à época da finalização das
atividades, o nível de dependência das comunidades em relação à infraestrutura e benefícios
provisionados pelo empreendimento seja bastante elevado.

Uma das ações recomendadas seria estender as oportunidades de capacitação e


desenvolvimento de atividades alternativas geradoras de renda. Uma outra ação se refere ao
aconselhamento quanto à poupança. Tais medidas podem ser adotadas por parceiros do
empreendedor institucionalmente estabelecidos, de forma a criar oportunidades de redução
do grau de dependência em relação ao empreendimento e, consequentemente, dos danos
potencialmente causados por sua desativação. Adicionalmente, o empreendedor poderá
articular outras empresas ao ambiente de negócios local, buscando atrair novos negócios que
possam fazer uso da mão de obra da região.

Medidas Mitigadoras e Grau de Relevância

Grau de resolução das medidas Médio


Grau de relevância do impacto Baixo

As medidas propostas apresentam médio grau de resolução e, como o impacto foi avaliado
como de pequena magnitude, este pode ser considerado como de baixa relevância.

7.3. Matriz de Impactos


Apresenta-se neste item a Matriz de Impactos (Quadro 7.3-1) contendo a listagem completa
dos impactos ambientais negativos e positivos identificados para os meios físico, biótico e
socioeconômico, de acordo com cada fase (planejamento, implantação, operação e
desativação), contendo os atributos, a magnitude, o grau de resolução das medidas
propostas e o grau de relevância.

ARCADIS logos 131


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

ARCADIS logos 132


Quadro 7.3‑1 - Avaliação dos Impactos Ambientais
ATRIBUTOS MEDIDAS (Potencializadoras ou Mitigadoras)

MENSURAÇÃO (Magnitude)

GRAU DE RELEVÂNCIA
GRAU DE RESOLUÇÃO
FORMA INTERFERÊNCIA
OCORRÊNCIA

MEIO INCIDENTE

CUMULATIVOS
REVERSIBILIDADE
NATUREZA

DURAÇÃO
PROBABILIDADE

ESPACIALIDADE
IMPACTO
DESCRIÇÃO

ORDEM

PRAZO
Fase de Planejamento
Geração de Expectativas e Inseguranças em Relação ao
S P I D C R I T C G Programa de Comunicação Social A M
Empreendimento
Fase de Implantação
Limitar a supressão de vegetação à largura necessária à implantação do empreendimento; Promover a consolidação dos terraplenos por trechos à medida que estes atinjam sua geometria definitiva prevista no
Deflagração de processos erosivos e ocorrência de processos de
F P D L C R I T C M projeto de terraplenagem; Aplicação de métodos mitigadores a fim de minimizar os processos de erosão e escorregamento a montante e na cabeceira de cursos d´água e linhas naturais de escoamento das águas, A M
instabilização de encostas
como promover a limpeza das áreas de trabalho e gestão de resíduos sólidos gerados durante a fase de implantação, recuperação de áreas degradadas, reafeiçoamento e recuperação vegetal da ADA; Entre outras.

Impermeabilização de todas as áreas onde serão realizadas atividades e operações que possam gerar efluentes oleosos ou contaminados (lubrificação e lavagem de veículos, peças, máquinas, carga e descarga de
Alteração das propriedades físico-químicas dos solos e das águas combustíveis) e providas de contenção contra vazamentos e derrames; Projetar sistemas de drenagem e contenção eficientes; Caso haja vazamento de óleos e graxas durante as obras, deverá ser utilizado material
F P D D C R FN T C M A B
subterrâneas por efluentes e resíduos sólidos absorvente para conter o resíduo derramado e serem seguidos os seguintes procedimentos: (i) coletar o material e o solo contaminado em recipiente específico com a respectiva identificação, (ii) destinar
adequadamente o recipiente fechado e etiquetado. e (iii) apurar a ocorrência do vazamento a fim de prevenir novos eventos similares; Entre outras.
Monitoramento da dinâmica das águas subterrâneas; Limitar a área necessária à implantação da impermeabilização nas áreas da pilha de estéril e de estoque, estruturas de beneficiamento do minério, áreas de
F Impermeabilização das áreas de recarga dos aquíferos P D L C R FN T C P B B
apoio e diques de contenção; Limitar a área necessária à implantação de processos de compactação do solo.

Assoreamento da rede de drenagem e alteração na qualidade das


F P D D C R I T C G Programa de Controle Ambiental das Obras – PCAO, Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais e Programa de Recuperação de Áreas Degradadas – PRAD. M A
águas superficiais

Alteração na qualidade das águas superficiais por efluentes e resíduos


F P D D C R FN T C M Programa de Controle Ambiental das Obras – PCAO, Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais A B
sólidos

Avaliar outro ponto para captação de água superficial para complementar a demanda necessária para umectação de vias; Para utilização das águas subterrâneas e superficiais deverá ser
solicitado na Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) outorga de direito de uso que avaliará a compatibilidade da disponibilidade hídrica frente às
F Alteração na disponibilidade hídrica C D L C R FN T C G A M
demandas do projeto. Caso não se consiga direito de outorga, as demandas deverão ser supridas por caminhões-pipa e compra de galões de água mineral, não devendo causar impacto nos
recursos hídricos da área do empreendimento; Entre outras.

F Alteração da configuração da rede hídrica C D L C I FN P C G Programa de Controle Ambiental das Obras – PCAO B A

F Alteração na qualidade do ar C D D C R I T C P Programa de Controle Ambiental das Obras – PCAO M B


F Alteração dos Níveis de Pressão Sonora e Vibração C D D C R I T C P Programa de Controle Ambiental das Obras – PCAO M B
Adequação de projeto para evitar a supressão e/ou interferência no raio de proteção das cavidades de máxima relevância AAS-006 e AAS–020; Complementação de Estudos Biológicos para possível Revisão da
F Impactos sobre o Patrimônio Espeleológico C D L C I FN P C G Relevância e raios de proteção destas 2 cavidades de máxima relevância; • Proposição de compensação espeleológica para intervenções previstas nas cavidades de alta relevância; Ações de readequação do raio M A
de proteção e de monitoramento das Cavidades Naturais Subterrâneas na área do Projeto Serro
Programas de Controle de Supressão Vegetal, Programa de Controle Ambiental das Obras (PCAO), Programa de Resgate de Germoplasma, Programas de Afugentamento e monitoramento de fauna, Programa de
B Redução de Cobertura Vegetal Natural e Perda da Biodiversidade C D D C I FN P S G A M
Recomposição Florestal
Programas de Controle de Supressão Vegetal, Programa de Controle Ambiental das Obras (PCAO), Programa de Resgate de Germoplasma, Programas de Afugentamento e monitoramento de fauna, Programa de
B Intervenção em APP’s C D L C I FN P S G M A
Recomposição Florestal de APPs
Programas de Controle de Supressão Vegetal, Programa de Controle Ambiental das Obras (PCAO), Programa de Resgate de Germoplasma, Programas de Afugentamento e monitoramento de fauna, Programa de
B Fragmentação de Habitats Naturais e Perda de Conectividade C D L C I FN T S M M M
Recomposição Florestal e de APPs.
B Intensificação da Pressão Antrópica sobre a Fauna e Flora do Entorno C I D C I FN T S G Programa de Resgate de Germoplasma, Programas de Afugentamento e monitoramento de fauna, Programa de educação Ambiental; Programa de Conservação da Fauna Silvestre; M A
Recuperação de áreas de preservação permanente, com planos de reflorestamento, enriquecimento florestal ou auto-regeneração, utilizando-se apenas espécies vegetais nativas, preferencialmente as mesmas que
B Perda de Habitas para Espécies Novas para a Ciência P D L C I FN P S M haviam na região, conforme a situação de cada área a ser recuperada; Recuperação das áreas alteradas após a implantação e que não serão usadas na operação (canteiro de obras); Implementação de Programa M M
de Conservação de Fauna, visando a descrição científica das espécies ainda não estudadas e levantamento de informações sobre a biologia das espécies.
B Alteração da qualidade física de habitats aquáticos e associados P I D C I I P C G Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais e Programa de Monitoramento da Biota Aquática; M A
B Contaminação de habitats aquáticos e associados P I D C I FN P C M Programa de Gestão de Resíduos Sólidos e Programa de Controle de Efluentes Líquidos A B
Não há como minimizar o impacto, tendo em vista que a localização das estruturas já está pré-definida. Contudo, a implantação do Programa de Monitoramento da Biota Aquática permitirá acompanhar a estrutura
B Perda de habitats aquáticos e associados C D L C I FN P C G desta comunidade nos corpos d’água da região e fornecerá subsídios para a indicação de medidas compensatórias, como a preservação de corpos hídricos que não serão afetados diretamente pelas atividades do B A
Projeto Serro.
Proposição de Programa de Monitoramento de Insetos Vetores, Programa e Afugentamento e Eventual Resgate de Fauna, Programa de Educação Ambiental
B Interferência na Qualidade da Saúde Pública P I D C I FN T S M A M
S Possibilidade de aumento de conflitos sociais e violência P I L C R I T C P Programa de Comunicação Social, Programa de Gestão da Mão de Obra e do Programa de Educação Ambiental M B
S Pressão sobre infraestrutura e serviços públicos P I L M R FN T C P Programa de Monitoramento da Infraestrutura e Serviços Públicos, Programa de Comunicação Social e Programa de Gestão da Mão de Obra B B
S Geração de Incômodos à População P D L C R FN T S P Programa de Comunicação Social e Programa de Monitoramento do Tráfego. M B
S Propagação de doenças infectocontagiosas P I D L I FN P S M Programa de Promoção da Saúde e Programa de Educação Ambiental M M
Incompatibilidade da Via de Acesso Principal entre a MG-010 e a Área
S C D L C I FN P C G Programa de Adequação das Vias de Acesso e Monitoramento de Tráfego M A
do Projeto Serro
S Degradação da Paisagem C D L C I FN P S M Programas relacionados à perda de habitats, conservação de fauna, e comunicação social com a população local. B M
S Incremento do Nível de Emprego Formal e da Renda Familiar C D D C I FN T S G Programa de Gestão da Mão de Obra; Programa de Comunicação Social A A
É necessária a adoção de ações que estimulem a contratação de fornecedores de bens e serviços locais e regionais, através de ações conjuntas entre o Programa de Gestão da Mão de Obra e o empreendedor;
S Dinamização da Economia C I D M R FN T C M B M
Programa de Comunicação Social
S Aumento da Receita Tributária Municipal C D L M R FN T S G Programa de Monitoramento das Interferências em Infraestruturas e Serviços Públicos M A
É necessária a adoção de ações que estimulem a contratação de fornecedores de bens e serviços locais e regionais durante toda a fase de implantação, conforme as medidas propostas para o impacto positivo de
S Decréscimo na Atividade Econômica C I D M R FN T C P B B
dinamização da economia, descrito para o início desta fase.
S Alterações sobre o patrimônio histórico-arqueológico P D L C I FN P N/A G Programas de Prospecção Arqueológica, Educação Patrimonial e Monitoramento Arqueológico M A
Fase de Operação
Deflagração de processos erosivos e ocorrência de processos de
F P D L M R I T C M Programa de Controle e Monitoramento de Processos Erosivos e Movimentos de Massa e Programa de Recuperação de Áreas Degradadas - PRAD. A M
instabilização de encostas e taludes
Impermeabilização de todas as áreas nas quais forem realizadas atividades e operações que possam gerar efluentes oleosos ou contaminados (lubrificação e lavagem de veículos, peças, máquinas, carga e
descarga de combustíveis) e providas de contenção contra vazamentos e derrames; Projetar sistemas de drenagem e contenção eficientes, especialmente em áreas de tancagem e abastecimento de veículos;
Alteração das propriedades físico-químicas dos solos e das aguas
F P D D C R FN T C M Execução, ensaio e manutenção dos sistemas prediais de esgoto sanitário, para atenderem às exigências mínimas quanto à higiene, segurança e conforto dos usuários, tendo em vista a qualidade destes sistemas A B
Subterrâneas por efluentes e resíduos sólidos
além de considerar a aplicação da caixa de gordura, aplicável ao refeitório do canteiro de obras conforme NBR 8.160/99; A conservação das condições sanitárias em todas as áreas vinculadas ao empreendimento,
tendo em vista a proteção do ambiente na ADA e no seu entorno, assim como a gestão dos efluentes oriundos de qualquer atividade geradora; entre outros.

Assoreamento da rede de drenagem e alteração na qualidade das Programa de Controle e Monitoramento de Processos Erosivos e Movimentos de Massa; Programa de Recuperação de Áreas Degradadas – PRAD; Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas
F P D D C R I T C G M A
águas superficiais Superficiais.
Alteração da qualidade das águas superficiais por efluentes e resíduos
F P D D C R I T C M Programa de Gestão de Resíduos Sólidos; Programa de Gestão dos Efluentes Líquidos; Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais A B
sólidos
F Alteração na disponibilidade hídrica C D L C R FN T C G Programas de Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas e Superficiais. A M
Quadro 7.3‑1 - Avaliação dos Impactos Ambientais
ATRIBUTOS MEDIDAS (Potencializadoras ou Mitigadoras)

MENSURAÇÃO (Magnitude)

GRAU DE RELEVÂNCIA
GRAU DE RESOLUÇÃO
FORMA INTERFERÊNCIA
OCORRÊNCIA

MEIO INCIDENTE

CUMULATIVOS
REVERSIBILIDADE
NATUREZA

DURAÇÃO
PROBABILIDADE

ESPACIALIDADE
IMPACTO
DESCRIÇÃO

ORDEM

PRAZO
Avaliação das variações
Fase do denível do lençol freático na área da cava, por meio de uma malha preestabelecida de poços de monitoramento; Realizar estudos hidrogeológicos mais aprofundados para a área afetada de
Planejamento
tal forma que se possa ter maior noção do comportamento das águas subterrâneas no local; Realização de levantamentos topográficos periódicos para dimensionamento das áreas ocupadas pela cava, pilhas e
Alterações localizadas do nível d’água pelo rebaixamento do lençol
F P D D M I FN P C M demais áreas de interesse; Implantação de um sistema de gestão integrada da dinâmica das águas subterrâneas e superficiais, com aquisição sistemática de dados pluviométricos, vazões de cursos d’água, B M
freático
variações dos níveis d’água subterrâneos; Realização das adequações na rede de poços de monitoramento durante as fases de implantação, operação e desativação, sempre que se julgar necessário; Minimização,
a medida do possível, das áreas impermeabilizadas ou compactação significativa do solo natural.
Alterações localizadas do nível d’água associadas aos diques de
F P D L M I FN P C M Programa de Monitoramento da Dinâmica e Qualidade das Águas Subterrâneas e Programa de Controle e Estabilidade das Encostas Naturais e Taludes. B M
contenção de sedimentos
F Alteração na qualidade do ar C D D C R I T C M Programa de Monitoramento da Qualidade do Ar e Emissões Atmosféricas. M M
F Alteração dos níveis de pressão sonora e vibração C D D C R I T C G Programa de Monitoramento dos Níveis de Ruído e Vibração. M A
B Intensificação da Pressão Antrópica sobre a Fauna e a Flora C D D C I I P S M Programa de Conservação da Fauna Silvestre A M
B Alteração da qualidade física de habitats aquáticos e associados P I D C I I P C G Programas de Monitoramento de Águas Superficiais; Programa de Gestão de Efluentes Líquidos; Programa de Gestão de Resíduos Sólidos M A
B Contaminação de habitats aquáticos e associados P I D C I I P C M Programa de Monitoramento da Biota Aquática, Programas de Monitoramento de Águas Superficiais, Programa de Gestão de Resíduos Sólidos e Programa de Gestão de Efluentes Líquidos A B
B Interferência na Qualidade da Saúde Pública P I D M I I T S P Programa de Monitoramento de Insetos Vetores; Programa de Educação Ambiental A B
O empreendedor deverá implantar uma cortina vegetal no entorno do empreendimento, em locais estratégicos do ponto de vista topográfico, a fim de mesclar o empreendimento com a paisagem local. Propõe-se
S Degradação da Paisagem C D L C I FN P S G M A
que sejam utilizadas espécies nativas para a construção desta cortina vegetal.
S Geração de Incômodos à População C D D L R FN T S M Programa de Monitoramento de Ruído e Vibração; Programa de Adequação de Vias de Acesso e Monitoramento de Trafego M M
S Incremento do Nível de Emprego Formal e da Renda Familiar C D L L R FN T S G Programa de Comunicação Social, Programa de Gestão de Mão de Obra. A A
S Aumento da Receita Municipal C D L L R FN T S G Programa de Monitoramento das Interferências em Infraestruturas e Serviços Públicos. M A
Fase de Desativação
F Deflagração de processos erosivos P D L C R I T C M Programa de Recuperação de Áreas Degradadas – PRAD; Plano de Fechamento de Mina Executivo. A M
Impermeabilização de todas as áreas nas quais forem realizadas atividades e operações que possam gerar efluentes oleosos ou contaminados (lubrificação e lavagem de veículos, peças, máquinas, carga e
Alteração das propriedades físico-químicas dos solos e das águas
F P D D C R I T C M descarga de combustíveis) e providas de contenção contra vazamentos e derrames; Projetar sistemas de drenagem e contenção eficientes, especialmente em áreas de tancagem e abastecimento de veículos; A B
subterrâneas por efluentes e resíduos sólidos
Entre outras
Assoreamento da rede de drenagem e alteração na qualidade das
F P D D C R I T C G Programa de Recuperação de Áreas Degradadas – PRAD; Plano de Fechamento de Mina Executivo. M A
águas superficiais
F Alteração na qualidade do ar C D D C R I T C P Programa de Monitoramento da Qualidade do Ar e Emissões Atmosféricas; Plano de Fechamento de Mina Executivo M B
F Alteração dos Níveis de Pressão Sonora C D D C R I T C P Programa de Monitoramento dos Níveis de Ruído e Vibração; Plano de Fechamento de Mina Executivo M B
B Intensificação da Pressão Antrópica sobre a Fauna e a Flora C D D C I I P S M Programa de Conservação da Fauna Silvestre A M
B Alteração da qualidade física de habitats aquáticos e associados P I D C I I P C G Programa de Monitoramento da Biota Aquática; Programa de Monitoramento de Águas Superficiais; Programa de Gestão de Resíduos Sólidos; Programa de Controle de Efluentes Líquidos M A
B Contaminação de habitats aquáticos e associados P I D C I I P C M Programa de Monitoramento da Biota Aquática e os Programas de Monitoramento de Águas Superficiais, de Gestão de Efluentes Líquidos e de Resíduos Sólidos. A B
B Interferência na Qualidade da Saúde Pública P I D M I I T S P Programa de Monitoramento de Insetos Vetores; Programa de Educação Ambiental A B
S Recuperação da Paisagem C D L C I FN P C M Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) B M
S Geração de Incômodos à População C D L C R FN T C M Plano de Fechamento de Mina Executivo M B
S Retração da Economia C I D M R FN T C P Programa de Comunicação Social M B

ATRIBUTOS
CUMULATIVIDADE
NATUREZA ESPACIALIDADE MAGNITUDE GRAU DE RELEVÂNCIA
NEGATIVO L LOCALIZADO C CUMULATIVO PEQUENA
POSITIVO D DISPERSO S SINÉRGICOS BAIXA
MÉDIA
GRANDE MÉDIA
PROBABILIDADE FORMA DE INTERFER.
C CERTO ALTA
FN FATO NOVO
P PROVÁVEL I INTENSIFICADOR GRAU DE RESOLUÇÃO
MEIO INCIDENTE
PRAZO BAIXA
DURAÇÃO MÉDIA S MEIO SOCIOECONÔMICO
C CURTO
M MÉDIO T TEMPORÁRIO ALTA F MEIO FÍSICO
L LONGO P PERMANENTE B MEIO BIÓTICO

ORDEM REVERSIBILIDADE
D DIRETO R REVERSÍVEL
I INDIRETO I IRREVERSÍVEL
Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

7.4. Balanço dos Impactos Ambientais


O quadro a seguir sistematiza graficamente o balanço dos impactos positivos e negativos,
podendo-se observar que implantação do Projeto Serro implica em alguns impactos positivos,
que resultarão em benefícios sociais, principalmente o aumento da oferta de empregos e
renda da população da AID.

Outros impactos de natureza adversa, quer pelo prazo em que ocorrem, quer pelos cuidados
que serão tomados em termos de ações de controle e de mitigação, ou pela compensação
ambiental, serão tratados na perspectiva de sua compensação, eliminação ou redução.

Em resumo, têm-se:

(i) Fase de planejamento: 1 impacto negativo de média relevância;

(ii) Fase de implantação: 30 impactos, sendo 9 negativos de alta relevância, 8


negativos de média relevância, 10 negativos de baixa relevância, 2 positivos de
alta relevância e 1 positivo de média relevância;

(iii) Fase de operação: 17 impactos, sendo 4 negativos de alta relevância, 7 negativos


de média relevância, 4 negativos de baixa relevância e 2 positivos alta relevância.

(iv) Fase de desativação: 12 impactos, sendo 2 negativos de alta relevância, 2


negativos de média relevância, 7 negativos de baixa relevância e 1 positivo de
média relevância.

Quadro 7.4-1. Balanço de Impactos Ambientais.

QUANTIDADE DE IMPACTOS
FASE NATUREZA MEIO GRAU DE RELEVÂNCIA
BAIXA MÉDIA ALTA
Físico - - -
Positivo Biótico - - -
Fase de Socioeconômico - - -
Planejamento Físico - - -
Negativo Biótico - - -
Socioeconômico - 1 -
Físico - - -
Positivo Biótico - - -
Socioeconômico - 1 2
Fase de Implantação
Físico 5 2 3
Negativo Biótico 1 4 4
Socioeconômico 4 2 2
Físico - - -
Fase de Operação Positivo Biótico - - -
Socioeconômico - - 2

ARCADIS logos 135


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

QUANTIDADE DE IMPACTOS
FASE NATUREZA MEIO GRAU DE RELEVÂNCIA
BAIXA MÉDIA ALTA
Físico 2 5 2
Negativo Biótico 2 1 1
Socioeconômico 1 1
Físico - - -
Positivo Biótico - - -
Socioeconômico - 1 -
Fase de Desativação
Físico 3 1 1
Negativo Biótico 2 1 1
Socioeconômico 2 - -
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

ARCADIS logos 136


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8. Programas Socioambientais
Este item consolida, sob a forma de Programas Ambientais, conjuntos de medidas indicadas
para os impactos ambientais identificados e avaliados no capítulo anterior.

Nesse sentido, na elaboração dos Programas Ambientais foram considerados os seguintes


fatores: (i) as características do empreendimento e a suficiência das ações de gestão; (ii) os
aspectos ambientais e socioeconômicos das áreas de influência; (iii) as interferências
relacionadas à implantação e operação do empreendimento; (iv) as análises e avaliações dos
impactos previstos.

Os programas julgados importantes pela equipe multidisciplinar responsável por este estudo
são listados e apresentados sucintamente a seguir. Cabe ressaltar que o detalhamento de
cada um deles deverá ser realizado somente na elaboração do Plano de Controle Ambiental
(PCA) durante a fase de Licenciamento de Instalação – LI do Projeto Serro.

Programas Ambientais

1. Programa de Gestão Ambiental -PGA

2. Programa de Controle Ambiental das Obras – PCAO


3. Programa de Gestão de Resíduos Sólidos – PGRS

4. Programa de Gestão de Efluentes Líquidos


5. Programa de Monitoramento e Controle de Processos Erosivos e Movimentos de Massa

6. Programa de Monitoramento da Qualidade do ar


7. Programa de Monitoramento de Ruído e Vibração
8. Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas

9. Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais


10. Programa de Proteção do Patrimônio Espeleológico

11. Programa de Controle da Supressão Vegetal


12. Programa de Resgate de Germoplasma Vegetal - PRGV
13. Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD)

14. Programa de Recomposição Florestal


15. Programa de Compensação Florestal

16. Programa de Regularização de Reserva Legal


17. Programa de Afugentamento e Manejo Eventual de Fauna durante a Supressão de Vegetação
18. Programa de Conservação e Monitoramento de Fauna

19. Programa de Monitoramento da Biota Aquática


20. Programa de Comunicação Social - PCS

ARCADIS logos 137


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Programas Ambientais

21. Programa de Educação Ambiental - PEA

22. Programa de Gestão da Mão de Obra


23. Programa de Monitoramento das Interferências em Infraestruturas e Serviços Públicos
24. Programa de Promoção da Saúde
25. Programa de Adequação de Vias de Acesso e Monitoramento de Tráfego
26. Programa de Prospecção Arqueológica Sistemática
27. Programa de Educação Patrimonial
28. Programa de Monitoramento Arqueológico
29. Programa de Compensação Ambiental
30. Plano de Fechamento de Mina para Licença Prévia (LP)

8.1. Programa de Gestão Ambiental - PGA

8.1.1. Justificativa
O planejamento, a implantação, a operação, e a desativação do Projeto Serro requerem
acompanhamento por programas ambientais, que visam controlar, mitigar, acompanhar e
prevenir os efeitos ambientais negativos previstos para as atividades do empreendimento,
bem como reforçar e ressaltar os efeitos benéficos esperados pela potencialização dos
impactos positivos. Assim, para gerenciar os programas ambientais propostos, torna-se
imprescindível a elaboração de uma estrutura gerencial que permita garantir que a execução
dos planos e programas ambientais ocorra de forma integrada e satisfatória e dentro dos
preceitos estabelecidos pela lei e pelos órgãos ambientais na expedição de suas respectivas
licenças.

O Programa de Gestão Ambiental refere-se ao conjunto de ações sistematizadas na forma de


medidas e procedimentos de gestão de processos técnicos, que tem como objetivo a
adequada condução e o monitoramento da implantação dos demais programas ambientais
voltados para o monitoramento, mitigação, controle e potencialização de impactos ambientais
decorrentes do Projeto Serro.

8.1.2. Objetivo
O PGA tem como objetivo geral dotar o empreendimento de mecanismos eficientes de gestão
que garantam a execução e controle de todas as ações planejadas nos programas
ambientais, de modo a mitigar, controlar e monitorar de forma eficiente os potenciais
impactos gerados, assim como potencializar os efeitos benéficos dos impactos identificados
como positivos, e manter um elevado padrão de qualidade ambiental na implantação e
operação futura do empreendimento.

8.1.3. Abrangência e Público-Alvo


O PGA abrange todas as instalações contempladas pelo Projeto Serro e tem como público-
alvo os trabalhadores da obra, empreiteiros, prestadores de serviços em geral, órgão

ARCADIS logos 138


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

públicos, comunidades e organizações da sociedade civil que participarão direta e/ou


indiretamente de todas as fases do empreendimento.

8.1.4. Síntese das Principais Atividades

A) Planejamento
A principal premissa referente ao PGA é a independência de realização do presente
programa em relação ao andamento da obra propriamente dita, o que garante a efetividade
do programa, estando o gerenciamento ambiental subordinado a um único coordenador, para
que possam ser tomadas as decisões referentes à execução das ações ambientais com
ampla autonomia. A garantia dessa independência se dá através da vinculação dessa
coordenação diretamente ao empreendedor, ou seja, a fiscalização ambiental será realizada
por empresa a ser contratada pelo empreendedor, independentemente da construtora.

O planejamento das atividades ambientais a serem desenvolvidas no decorrer da


implantação do empreendimento compreende:

 Realização de reuniões para definição das estratégias para concretização das ações
previstas nos programas ambientais, estipulando planos de ação com responsáveis,
modo de execução e prazos;
 Elaboração de formulários padronizados para relato das observações de cunho ambiental
decorrentes de constatações de campo e itemização da documentação a ser utilizada
como evidência de atendimento a requisitos legais, procedimentos e instruções de
trabalho, condicionantes de licenças, e outros requisitos;
 Definição de parâmetros para contratação de empresas executoras das obras e dos
serviços, visando à contratação de empresas capazes de executar as ações previstas
nos programas ambientais.

B) Desenvolvimento
Esta etapa compreende a elaboração e execução das seguintes atividades:

 Reuniões com os profissionais envolvidos, representantes dos órgãos ambientais, poder


público, comunidade e instituições interessadas, a respeito do desenvolvimento dos
programas ambientais afetos ao projeto;
 Contratação de equipes especializadas no período necessário para a implantação das
ações relacionadas ao desenvolvimento dos programas ambientais;
 Desenvolvimento de gerenciamento financeiro integrado de todos os programas
ambientais para otimização dos recursos necessários e disponíveis;
 Revisão, adequação e complementação, quando necessário, das atividades que
constituem os programas ambientais propostos no âmbito do presente Estudo de Impacto
Ambiental, tendo-se em vista eventuais modificações no projeto executivo;
 Reuniões periódicas com os profissionais envolvidos na condução dos programas
ambientais para discussões sobre procedimentos, propostas e resultados;
 Monitoramento e avaliação do desenvolvimento dos programas ambientais, por meio de
acompanhamento de campo e relatórios;

ARCADIS logos 139


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Fiscalização das obras para garantir a implementação das medidas e programas


propostos e discussão com o responsável pelas obras, a respeito das não conformidades
ambientais, encaminhando propostas de ações corretivas pertinentes a cada caso;
 Emissão de relatórios de inspeção ambiental, avaliando as atividades e condições da
obra quanto às questões ambientais, de saúde e segurança do trabalho;
 Interlocução com órgãos ambientais, respondendo a eventuais solicitações;
 Elaboração periódica de relatórios de andamento e acompanhamento das obras e dos
programas ambientais.

C) Desenvolvimento do PGA após o término das obras


Após a conclusão das obras, deverão ser acompanhados os Programas Ambientais ainda em
andamento, que continuarão em vigência para a fase de operação.

8.1.5. Cronograma
O Programa de Gestão Ambiental terá início na fase de planejamento e prosseguirá por toda
a fase de implantação, operação futura e desativação, tendo em vista a implementação dos
programas de monitoramento em todas as fases do empreendimento.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação
Programa de Gestão
Ambiental
   

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.1.6. Responsabilidades
A responsabilidade pela implantação do Programa de Gestão Ambiental é do empreendedor,
incluindo sua concepção, detalhamento, montagem e estruturação da equipe técnica.

Este programa deverá ser executado por uma equipe de profissionais experientes e
capacitados à coordenar e supervisionar o desenvolvimento do presente programa,
propiciando a integração dos demais programas ambientais propostos para o
empreendimento.

8.1.7. Resultados Esperados


Este programa realizará o acompanhamento das ações previstas nos demais Programas
Ambientais propostos, através de sistemas de controle de gestão.

O emprego de sistemas de controle é importante e deve possibilitar otimizações constantes


das atividades definidas para serem realizadas no âmbito de cada um dos programas
ambientais. Para isso, a associação do uso de ferramentas auxiliares tais como: softwares de
gerenciamento (MSProject) e de georreferenciamento (ARCGis ou CAD), trarão resultados
mais úteis para acompanhamento e produção de relatórios.

ARCADIS logos 140


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Espera-se com a implementação do presente PGA, conseguir realizar o acompanhamento,


integração e a otimização das ações previstas em cada programa ambiental que compõe o
projeto.

8.2. Programa de Controle Ambiental das Obras - PCAO

8.2.1. Justificativa
Face às intervenções processadas no meio ambiente com potencial poluidor, decorrentes das
atividades da construção do empreendimento, faz-se necessário a elaboração de um
programa que evidencie as ações necessárias ao gerenciamento ambiental do
empreendimento de forma preventiva a fim de evitar e/ou minimizar os impactos negativos
intrínsecos às obras.

Para tanto, o Programa de Controle Ambiental das Obras (PCAO) do Projeto Serro foi
elaborado compreendendo as atividades e procedimentos para proporcionar as adequações
ambientais, de acordo com a legislação vigente.

Este programa contempla a necessária estruturação e organização de atividades e tarefas a


serem desempenhadas, com a respectiva atribuição de responsabilidades pela execução e
controle destas. Para tanto, deve-se realizar um planejamento adequado junto à empresa
construtora para se definir os principais cuidados a serem tomados durante todo o
andamento dos trabalhos, fundamentados pelo atendimento às condicionantes ambientais e
legislação aplicável.

As exigências ambientais impostas pela legislação em vigor requerem do empreendedor o


acompanhamento intensivo das obras, visando prevenir, controlar ou corrigir eventuais
imprevistos que possam surgir no seu decorrer. Dessa forma, justifica-se a execução do
PCAO para que o empreendimento seja implantado com base nas melhores práticas
ambientais vigentes possibilitando que medidas de recuperação e proteção ambiental sejam
aplicadas de forma eficaz.

8.2.2. Objetivo
O objetivo geral do programa é garantir o controle, a prevenção, a mitigação dos impactos
negativos provenientes da implantação da obra, além de controlar informações e garantia de
condições de trabalho adequadas aos seus trabalhadores, por meio da manutenção de
elevado padrão de qualidade na implantação do empreendimento.

8.2.3. Abrangência e Público-Alvo


Este programa abrange todas as áreas de intervenção do empreendimento para a execução
das obras.

O público-alvo do PCAO envolve todos os profissionais que serão empregados para atuação
direta na execução da obra. Além desses profissionais, também sofrem interferências pela
execução do presente PCAO, aqueles em posições administrativas, que executem atividades
de fiscalização, treinamentos, auditorias etc., e aqueles que trabalham em campo e estarão
fisicamente expostos às atividades relacionadas à obra, como por exemplo, à movimentação
de máquinas e veículos.

ARCADIS logos 141


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.2.4. Síntese das Principais Atividades


A seguir são apresentadas as principais ações a serem desempenhadas no âmbito da
implantação do Projeto Serro. Essas ações seguirão as diretrizes e procedimentos
estabelecidos neste PCAO.

A) Limpeza e Supressão de Vegetação


Dentre as atividades necessárias para a adequada implementação destas atividades, propõe-
se a seguinte sequência de atividades:

 Toda e qualquer operação de remoção de vegetação só poderá ser iniciada mediante


autorização expressa do Gestor Ambiental do empreendedor;
 As equipes responsáveis pela supressão da vegetação deverão receber treinamento;
 Piqueteamento e demarcação de área de supressão da vegetação local para garantir que
o desmatamento respeite os limites de intervenção autorizados pelos órgãos ambientais
licenciadores;
 Direcionamento da queda das árvores dentro da área delimitada para supressão e
qualquer árvore ou tronco que cair além do limite pré-estabelecido será imediatamente
removido para evitar acidentes e obstrução de passagem;
 O material lenhoso resultante da atividade de supressão de vegetação deverá ser
destinado conforme previsto no Programa de Gestão de Resíduos Sólidos (conforme
estabelecido pela Lei Federal nº 12.305/10).
 Armazenamento adequado da camada orgânica do solo e serapilheira para posterior
utilização em áreas objeto de recuperação ambiental.

B) Terraplenagem, Erosão e Assoreamento do Sistema de Drenagem


Serão considerados os aspectos listados a seguir para os serviços de terraplenagem, erosão
e assoreamento, com o objetivo de minimizar, ou mesmo eliminar, a possibilidade de
degradação ambiental decorrente desses serviços.

 Deverão ser cumpridos os critérios especificados nas instruções técnicas de projeto, em


relação a cortes, aterros e drenagem;
 Limitar o serviço de terraplenagem ao estritamente necessário, de modo a interferir o
mínimo possível no ambiente e reduzir a necessidade e os custos de recomposição das
áreas alteradas;
 Os taludes e cortes deverão ser protegidos e deverão ser mantidos sob condições
adequadas;
 Planejamento da execução das obras de terraplenagem preferencialmente em períodos
não chuvosos, a fim de reduzir a ocorrência de processos erosivos do meio físico;
 Execução cuidadosa dos serviços de terraplenagem, de acordo com as previsões
meteorológicas, para não expor zonas mais sensíveis a processos erosivos a chuvas
intensas e adotando-se práticas construtivas para impedir carreamento de solo, incluindo
medidas para proteger temporariamente os taludes, como por exemplo, com uso de
mantas;
 Consolidação da terraplenagem por trechos à medida que estes atinjam sua geometria
definitiva, prevista no projeto de terraplenagem;

ARCADIS logos 142


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Instalação do sistema de drenagem provisório (canaletas, bacias de contenção, saídas


d’água, terraços) logo após as atividades de terraplenagem e limpeza do terreno e
manutenção até que o sistema definitivo esteja instalado, inclusive em áreas de canteiros
e vias de acesso, quando necessário;
 Acompanhamento dos trabalhos de movimentação de terras para controle de eventuais
carreamentos de solos, tanto pela ação de águas pluviais como pela ação do vento, para
impedir que ocorram processos erosivos em trechos de solo exposto e/ou assoreamentos
do sistema de drenagem;
 Acompanhamento, durante o período das obras, das condições de segurança das
encostas. No caso de instabilidade e comprometimento de segurança operacional,
deverão ser avaliadas medidas de contenção;
 Plantio de vegetação herbácea nos locais passíveis de apresentar solos expostos ao final
da instalação do canteiro de obra;
 Os caminhões basculantes deverão ser cobertos com lonas plásticas, evitando a queda e
o espalhamento dos solos; e
 As pilhas para estoque de solos deverão ser cobertas com lonas plásticas e em seus
perímetros deverão ser escavadas valetas de drenagem, evitando sua erosão.

C) Controle do Canteiro de Obras


As instalações do canteiro deverão atender ao disposto neste PCAO e nas Normas
Regulamentadoras do Ministério do Trabalho, com destaque para as NR-10 - Instalações e
Serviços em Eletricidade; NR-11 - Transporte, Movimentação, Conforto nos Locais de
Trabalho e NR-26 - Sinalização de Segurança.

D) Saúde e Segurança do Trabalhador


As ações propostas neste subprograma têm como objetivo prevenir e minimizar a introdução
e/ou proliferação de doenças (infectocontagiosas, de veiculações hídrica, e sexualmente
transmissíveis), e aumentar a qualidade da obra, produtividade e a satisfação dos
trabalhadores por meio de ações que garantam a proteção e promoção da saúde dos
trabalhadores das obras, bem como promover o atendimento médico-sanitário a esses
trabalhadores, inclusive em caso de acidentes. Fazem parte deste programa:

 Realização de exames admissionais e periódicos;


 Articulação com gestores locais/regionais do SUS para estender aos trabalhadores os
programas de vacinação existentes;
 Criação de comissão interna de prevenção de acidentes e realização de treinamentos de
primeiros socorros;
 Instalação de infraestrutura para ambulatório que atenda o contingente de trabalhadores
e garanta o atendimento de nível primário;
 Definir diretrizes para atuação da empresa construtora no controle de saúde dos seus
empregados, garantindo a aplicabilidade da NR-07 (Programa de Controle Médico de
Saúde Ocupacional), NR-11 (Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de
Materiais), do Ministério do Trabalho, NR-24 (Condições Sanitárias e de Conforto nos
Locais de Trabalho) e NR-26 (Sinalização de Segurança);
 Prover aos trabalhadores Equipamentos de Proteção Individual (EPI) de acordo com a
NR-6;

ARCADIS logos 143


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 No canteiro de obras, verificação da provisão de saneamento básico e disposição


adequada dos resíduos sólidos.

E) Controle das Emissões Atmosféricas


As atividades realizadas durante a fase de implantação resultarão na emissão de
poeiras/particulados e de gases. A seguir apresentam-se ações de caráter preventivo e de
controle a serem desenvolvidas durante a obra.

 Realização de monitoramento de PTS e PI, mensalmente, durante todo o período da


obra, seguindo as premissas estabelecidas na Resolução CONAMA n° 03/90 e na
Deliberação Normativa do COPAM n° 01/81;
 Umectação do material extraído durante a realização de atividades de natureza civil das
obras tais como escavações e regularização de terreno, de forma que a emissão de
partículas seja mantida em níveis aceitáveis;
 Umectação por meio de caminhões-pipa das áreas de estocagem de materiais para as
obras, bem como das vias de circulação internas, especialmente durante o período seco;
 Cobertura com lona das caçambas dos caminhões que transportarão o material para
evitar a liberação de poeira, a queda e o espalhamento de terra e outros tipos de material
ao longo do trajeto;
 Controle e orientação da circulação dos veículos leves e pesados por meio de
sinalizações nas áreas das obras e vias internas de circulação, para evitar a formação
desnecessária de poeira, bem como placas de sinalização para controle de velocidade
dos veículos; e
 Recomposição da vegetação das superfícies expostas após a finalização das obras;
 Inspeção e manutenção preventiva de veículos, máquinas e equipamentos utilizados nas
obras e serviços associados, visando regulagem dos motores de combustão para reduzir
ao mínimo a emissão de gases e fumaça.

F) Controle dos Resíduos Sólidos


O monitoramento de resíduos sólidos durante as obras deverão seguir as diretrizes para a
gestão dos resíduos descritas no Programa de Gestão dos Resíduos Sólidos, apresentado
neste capítulo.

G) Controle de Emissão de Ruído


As atividades realizadas durante as obras de implantação do empreendimento resultarão na
geração de ruído. A seguir apresentam-se ações de caráter preventivo e de controle a serem
desenvolvidas durante a obra.

 Privilegiar o horário diurno para realização de obras. No caso de necessidade de


realização das obras no período noturno, o número de máquinas e equipamentos
utilizados deverá ser reduzido, de maneira a adequar as emissões de ruídos aos padrões
preconizados pela legislação vigente;
 Manutenção e regulagem periódicas das máquinas e equipamentos;
 Realização de Monitoramento mensal, durante todo o período da obra, com base na
legislação aplicável.

ARCADIS logos 144


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

H) Controle dos Efluentes Líquidos


A implantação do sistema de drenagem das águas pluviais visa evitar o carreamento dos
solos expostos durante o período de obras, sendo de extrema importância também após a
desmobilização das obras.

Os efluentes oleosos relacionados à operação e manutenção dos equipamentos e veículos


pesados durante as obras serão encaminhados para separadores de água e óleo.

Os efluentes domésticos gerados durante a implantação serão oriundos dos refeitórios,


sanitários e áreas administrativas dos canteiros de obra. Os efluentes domésticos gerados
serão encaminhados para um sistema de fossa séptica/filtro anaeróbio.

A seguir são apresentadas algumas ações previstas para a realização desta atividade:

 Toda área objeto de intervenções como supressão de vegetação, terraplenagem, cortes e


aterros, dentre outras, que levem à exposição de solos, além das medidas recomendadas
de contenção de solos e de estabilização de taludes, deverá ser dotada de sistema de
drenagem de águas pluviais temporário, com a necessária limpeza, desobstrução e
manutenção do respectivo sistema;
 Nos períodos chuvosos a inspeção deverá ser intensificada devido ao aumento do
potencial de carreamento de sólidos, podendo gerar acúmulos/barreiras físicas nas
canaletas, de modo a comprometer o adequado escoamento até os respectivos pontos
de lançamento superficial;
 Monitoramento da eficiência dos sistemas propostos, por meio de inspeções periódicas
das condições de drenagem do terreno. Todas as feições de erosão identificadas na área
ou que, de alguma forma, se originaram das alterações ocasionadas pela obra, deverão
ser corrigidas ou estabilizadas no menor prazo possível;
 Proteção superficial de áreas com solo exposto;
 A concepção dos sistemas de fossas sépticas/filtro anaeróbio deverá estar de acordo
com as normas NBR 7.229/1993 e NBR 13.969/1997;
 Deverão ser realizadas inspeções periódicas para garantir o bom funcionamento de
bombas e identificar possíveis obstruções das tubulações de entrada e saída, permitindo
adotar em tempo as medidas cabíveis;
 Realizar, na periodicidade determinada pelos respectivos dimensionamentos, as coletas
do lodo sanitário acumulado nos sistemas de tratamento anaeróbios, e dos efluentes
provenientes da cozinha armazenado temporariamente na sua caixa de retenção e da
caixa separadora de água e óleo instalada na oficina;
 O lodo residual deverá ser periodicamente retirado por empresa especializada e
encaminhado para locais de disposição devidamente licenciados; e
 Durante a fase de implantação deverá ser realizada análises laboratoriais mensais,
durante todo o período da obra, com base nos parâmetros estabelecidos pela CONAMA
430/11.

I) Desmobilização do canteiro de obras


A desmobilização do canteiro de obras deverá iniciar-se imediatamente após a conclusão das
obras. Considerando que a desmobilização dos canteiros possuem atividades como
desmontagem de containers, desmobilização de sistemas sanitários, entre outras, são

ARCADIS logos 145


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

apresentadas a seguir as ações e orientações a serem efetuadas e adotadas em todos os


canteiros:

 A empreiteira deverá apresentar à Anglo, com um período de dois meses de


antecedência, o plano padrão de desmobilização das instalações do canteiro de obras;
 Execução da completa remoção das instalações de containers incluindo a retirada de
áreas concretadas, retirada de todos os resíduos de construção civil, sucatas metálicas e
resíduos em geral, com ampla limpeza da área. Todos os resíduos sólidos gerados nesta
etapa deverão seguir os procedimentos descritos no Programa de Gestão de Resíduos
Sólidos; e
 Remoção de todos os equipamentos e máquinas, inclusive de materiais descartados,
como sucata, peças etc.;
 Descompactação do solo e implantação de cobertura vegetal de gramíneas nos setores
mais alterados, como os pátios e áreas edificadas, se necessário.

8.2.5. Cronograma
O PCAO será iniciado na fase de planejamento e será mantido durante a fase de
implantação, considerando desde o momento da contratação/mobilização de mão de obra até
a desmobilização dos canteiros. Na etapa de desativação, este programa deverá ser
substituído pelo programa de gestão do fechamento, de acordo com o Planejamento de
Fechamento da Mina.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação
Programa de Controle
Ambiental das Obras
  

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.2.6. Responsabilidades
A responsabilidade pela implantação do PCAO ficará a cargo da empreiteira contratada,
sendo que a supervisão deverá ser realizada pela equipe da contratante.

A equipe responsável pelo desenvolvimento do Programa de Gestão Ambiental estará


diretamente envolvida na realização do presente Programa Ambiental de Controle de Obras.
É de responsabilidade da empreiteira a elaboração dos procedimentos construtivos das
obras, que devem ter por base o disposto neste PCAO e no projeto básico, bem como os
critérios a serem estabelecidos pela contratante no momento da contratação dos serviços.

A equipe de gerenciamento ambiental será responsável pelo acompanhamento (direto e


indireto) das atividades de construção, além de outras atividades que o desenvolvimento dos
programas ambientais indicarem como necessárias.

8.2.7. Resultados Esperados


Com a aplicação deste programa espera-se:

ARCADIS logos 146


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 O cumprimento da legislação vigente em todas as atividades a serem desenvolvidas


pelas obras;
 A manutenção da qualidade ambiental de toda a área potencialmente afetada pelas
obras;
 A conscientização dos trabalhadores e das empresas envolvidas da importância do
controle ambiental;
 O controle, prevenção e mitigação dos impactos ambientais negativos gerados pelas
obras de implantação do empreendimento.

8.3. Programa de Gestão de Resíduos Sólidos - PGRS

8.3.1. Justificativa
O Programa de Gestão de Resíduos Sólidos consiste no controle e fiscalização das
atividades de coleta, transporte, armazenamento temporário e destinação final dos resíduos
gerados durante as etapas de implantação, operação e desativação do empreendimento.

Todas as etapas do empreendimento acarretarão na geração de resíduos sólidos, criando


assim uma potencial ocorrência de diversos impactos. Assim sendo, a busca da prevenção e
minimização dos possíveis impactos ambientais bem como o atendimento às exigências
legais (Lei Federal 12.305/2010), determinam a necessidade de implementação de um
Programa de Gestão de Resíduos Sólidos.

Em atendimento a legislação ambiental, às normas coorporativas do empreendedor e às


características do empreendimento, o Programa de Gestão de Resíduos Sólidos procurará
evitar, minimizar e/ou mitigar os impactos ambientais durante a fase de implantação e
operação do empreendimento. A definição de procedimentos ajudará na correta gestão
desses resíduos (segregação, coleta, armazenamento, transporte e destinação final), e
assim, será possível proporcionar práticas ambientalmente adequadas e seguras, de forma a
não caracterizar danos ao meio ambiente, à comunidade, à saúde ocupacional e à segurança
dos empregados e contratados da empresa.

As classes dos resíduos utilizadas na gestão dos resíduos sólidos são estabelecidas pela
norma técnica NBR - ABNT 10.004/04, relacionando sua origem e seus riscos potenciais ao
meio ambiente e à saúde pública, para que possam ter o gerenciamento adequado.

8.3.2. Objetivo
O objetivo do Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) é estabelecer a
metodologia e os critérios de controle dos resíduos para o seu adequado gerenciamento, de
forma a preservar a qualidade ambiental e a saúde da população.

O programa deverá conduzir de forma adequada a coleta, a estocagem temporária, o


transporte, o tratamento e a disposição final dos resíduos sólidos gerados pelo
empreendimento visando minimizar/evitar os riscos de contaminação os riscos de
contaminação de solos e dos recursos hídricos pelo tratamento e disposição inadequada dos
resíduos sólidos gerados pelo empreendimento. Além disso, o PGRS visa garantir a proteção
do ser humano e meio ambiente e garantir a conservação das condições sanitárias em todas

ARCADIS logos 147


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

as áreas vinculadas ao empreendimento, tendo em vista a proteção do ambiente nas áreas


de influência do empreendimento.

8.3.3. Abrangência e Público-Alvo


Este programa deverá ser adotado em todas as áreas do Projeto Serro que sofrerão
intervenção direta da operação e desativação do empreendimento, e ainda, todos os
destinatários finais e transportadores dos resíduos, que por sua vez devem ser licenciados
para recebê-los.

O público-alvo corresponde a todos os colaboradores envolvidos direta e indiretamente com a


implantação, operação e desativação, visto que deverão observar as ações previstas pelo
presente programa, aplicadas às etapas de geração, armazenamento, transporte e
destinação final dos resíduos sólidos.

8.3.4. Síntese das Principais Atividades


As ações relativas ao PGRS estão listadas a seguir e deverão ser constantemente
conduzidas e reforçadas, sempre que verificada a necessidade, via execução de
treinamentos pontuais e ser parte dos assuntos abordados nos treinamentos previstos no
Programa de Educação Ambiental.

 Segregação dos resíduos conforme a classe (perigosos e não perigosos) e identificação


das possibilidades de reutilização e/ou reciclagem. Tal atividade deverá seguir a
Resolução CONAMA 275/01 e NBR 10.004/04;
 Acondicionamento e armazenamento conforme as classes e normas técnicas;
 Realização de inventário de resíduos sólidos e planilhas para o controle de entrada e
saída dos resíduos bem como pesagem dos resíduos na entrada e saída das áreas de
armazenamento temporário, previstas no canteiro de obras e em área específica durante
a operação;
 Transporte dos resíduos ao local de destinação final, após preenchimento do Manifesto
de Transporte de Resíduos (MTR), de acordo com a legislação vigente e normas técnicas
NBR 7.503, NBR 7.500, NBR 13.221;
 Fiscalização e controle das empresas prestadoras de serviço, responsáveis pelo
transporte dos resíduos sólidos até o destino final, incluindo etapas de auditoria de
verificação;
 Disponibilização na frente de obra de recipientes para coleta de resíduos compatíveis
com o volume de geração, bem como coletores seletivos próximos aos escritórios,
refeitórios e vestiários. Todo resíduo deverá ser recolhido periodicamente e armazenado
no Depósito Intermediário de Resíduos, levando-se em conta sua classificação de acordo
com a NBR 10.004/04, para posterior destinação;
 Coleta periódica do lodo sanitário proveniente das fossas sépticas/filtro anaeróbio e
destinação ao tratamento externo, devidamente licenciado e capaz de receber a
quantidade gerada;
 Coleta periódica do resíduo oleoso, armazenamento de forma segura, em lugar acessível
à coleta, em recipientes adequados, resistentes a vazamentos e destinação para
tratamento externo, de acordo com a Resolução CONAMA 362/2005;

ARCADIS logos 148


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Os materiais excedentes, como o entulho, madeiras de formas e outros materiais de


construção civil que não possam ser utilizados deverão ser gerenciados conforme a
resolução CONAMA 307/2002;
 Adotar, sempre que possível, a prática de reutilização/reciclagem de materiais visando a
diminuição de geração de resíduos;
 No caso daqueles resíduos não passíveis de reutilização, os mesmos serão
armazenados temporariamente nos depósitos intermediários, previstos para a fase de
implantação e de operação, e posteriormente destinados para tratamento em locais
licenciados e que comportem o recebimento da quantia gerada, conforme autorizações
legais de operação, perante respectivo órgão ambiental;
 Garantia de transporte interno dos resíduos de forma segura para não comprometer a
segregação realizada;
 Montagem de agenda com empresas especializadas/contratadas/cadastradas, para a
retirada dos resíduos dos depósitos intermediários, e prévia autorização do responsável
pelo gerenciamento dos resíduos do empreendimento;
 Emissão de nota fiscal para transporte externo do resíduo;
 Arquivamento do registro de todas as notas fiscais e MRs para controle interno e
apresentação ao órgão ambiental sempre que solicitado, de forma a complementar o
inventário de resíduos, conforme CONAMA 313/2002;
 Garantia de manipulação dos resíduos sólidos com a utilização de EPIs (equipamentos
de proteção individual);
 Treinamentos e palestras periódicas aos funcionários durante a implantação e a
operação, visando à correta segregação dos resíduos.

8.3.5. Cronograma
As ações propostas neste programa deverão ser implementadas durante as fases de
implantação, operação e desativação do Projeto Serro. As atividades deverão ser iniciadas
juntamente com a mobilização do canteiro de obras, pois é a partir desse momento que os
resíduos começarão a ser gerados, e deverão ser mantidas até o final da etapa de
desativação do empreendimento.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação
Programa de Gerenciamento
de Resíduos Sólidos
  

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.3.6. Responsabilidades
A responsabilidade pela implementação do presente programa e ações acima descritas será
do empreendedor e da empreiteira. Todos os empregados da Anglo e de suas contratadas
receberão treinamentos específicos e serão encarregados da implantação do mesmo nas
suas áreas de atuação.

ARCADIS logos 149


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.3.7. Resultados Esperados


Espera-se assegurar a coleta, segregação, acondicionamento, armazenamento temporário,
transporte e disposição final adequados dos resíduos sólidos a serem gerados durante a
operação e a desativação do Projeto Serro, minimizando/evitando impactos relacionados com
a alteração das propriedades do solo e/ou da qualidade das águas subterrâneas/superficiais.

8.4. Programa de Gestão de Efluentes Líquidos

8.4.1. Justificativa
Durante a realização das atividades relacionadas às fases de operação e desativação do
empreendimento serão gerados efluentes domésticos, oleosos e drenagem pluvial. Diante
disto, o presente Programa de Gestão de Efluentes Líquidos justifica-se pela necessidade de
monitoramento de possíveis alterações na qualidade dos efluentes gerados pelo
empreendimento.

O programa está voltado para todas as gerações de efluentes líquidos provenientes da futura
operação e desativação de acordo com o descrito a seguir. Ressalta-se que os efluentes
líquidos gerados na fase de implantação, serão monitorados de acordo com o Programa de
Controle de Obras.

 Efluente Sanitário: Durante as fases de operação e desativação serão gerados efluentes


sanitários/domésticos provenientes dos sanitários, vestiários e refeitórios.
 Drenagem pluvial: Nas fases de operação e desativação são previstas a geração de
drenagem pluvial que caracteriza-se basicamente pela incidência de precipitação
pluviométrica sobre áreas desnudas e sobre aquelas que apresentam material
desagregado exposto. Somam-se a isso as águas precipitadas sobre a área
administrativa e de apoio operacional.
 Efluentes Oleosos: Os efluentes oleosos serão aqueles oriundos da oficina de
manutenção de veículos e equipamentos onde acontecerão atividades como troca de
óleo, manutenção e lavagem de veículos e equipamentos. O efluente oleoso será
composto basicamente por água, óleos, graxas, sedimentos e produtos de limpeza
diversos.

8.4.2. Objetivo
O programa tem como objetivo apresentar as diretrizes para o monitoramento dos efluentes
gerados pelo empreendimento e garantir o tratamento dos efluentes líquidos gerados durante
a operação e desativação do empreendimento, avaliando a eficiência do sistema de
tratamento proposto e garantindo o atendimento à legislação e à qualidade ambiental.

8.4.3. Abrangência e Público-Alvo


O programa de gestão de efluentes líquidos abrange todas as fontes geradoras do
empreendimento e respectivos sistemas de controle, seja na fase de operação ou
desativação.

Este programa é aplicável a todas as áreas integrantes do empreendimento e aos


colaboradores em geral. É considerado como público-alvo todo o efetivo operacional

ARCADIS logos 150


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

envolvido direta ou indiretamente com as atividades relacionadas às duas fases do


empreendimento.

8.4.4. Síntese das Principais Atividades


As ações estão listadas a seguir e deverão ser constantemente conduzidas e reforçadas
sempre que verificada a sua necessidade.

 Realizar monitoramentos analíticos em todas as estruturas relacionadas à coleta,


tratamento, transporte e destinação final dos efluentes líquidos, com base nas normas e
recomendações da NBR 9897/87, Resoluções CONAMA 430/11;
 As amostras dos efluentes deverão ser encaminhadas para análise em laboratórios com
a respectiva cadeia de custódia, garantindo assim a confiabilidade dos laudos entregues
pelo laboratório contratado;
 Os dados coletados bem como as análises e os resultados deverão ser compilados em
planilhas contendo a identificação dos pontos amostrados por coordenadas geográficas;
 Os registros dos monitoramentos realizados deverão ser mantidos para posterior
apresentação ao órgão ambiental, juntamente com os relatórios periódicos;
 Evitar despejos indevidos de produtos líquidos, principalmente aqueles que possam
comprometer as características físico-químicas do efluente de entrada ao sistema e
consequente perda de eficiência do tratamento;
 Realizar inspeções visuais periodicamente para a identificação de potenciais pontos que
possam desenvolver entupimentos e vazamentos, visando uma manutenção preventiva;
 Intensificar as limpezas e vistorias da rede coletora pluvial durante períodos de maior
intensidade de chuva, devido ao favorecimento do carreamento de sólidos e geração de
potenciais pontos de acúmulos ao longo do sistema;
 Efetuar manutenções corretivas mediante rompimentos de tubulação e/ou contenções
hídricas em decorrência de algum impacto físico;
 Manter registrada a realização das devidas manutenções preventivas/corretivas dos
sistemas de tratamentos;
 Realizar as coletas do lodo sanitário acumulado nos sistemas de tratamento anaeróbios,
assim como o efluente proveniente da cozinha armazenado temporariamente na sua
caixa de retenção e da caixa separadora de água e óleo instalada na oficina, na
periodicidade determinada pelos respectivos dimensionamentos;
 Estabelecer rotina de inspeção no sistema de drenagem pluvial operante durante a
implantação, verificando todos os pontos de bombeamento, repassando aos
responsáveis mecânicos informações quanto à necessidade de manutenção corretiva
e/ou desobstrução, se pertinente; e
 Realizar análises laboratoriais durante toda a fase de operação e desativação do
empreendimento, com base nos parâmetros estabelecidos pela CONAMA 430/11.

8.4.5. Cronograma
As ações propostas neste programa deverão ser implantadas durante as fases de operação e
desativação do Projeto Serro. Os efluentes líquidos gerados na fase de implantação serão
monitorados de acordo com o Programa de Controle de Obras - PCAO.

ARCADIS logos 151


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação
Programa de Gestão de
Efluentes Líquidos
  

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.4.6. Responsabilidades
A responsabilidade pela implementação do presente programa e ações acima descritas será
do empreendedor, com a possibilidade de estabelecimento de convênios com entidades
públicas e privadas, e contratação de especialistas.

8.4.7. Resultados Esperados


Com a execução do programa de monitoramento dos efluentes líquidos espera-se assegurar
que potenciais impactos sejam evitados a partir da adoção de sistemas de
controle/tratamento e procedimentos de manutenção e limpeza, baseados em resultados
analíticos periódicos.

8.5. Programa de Monitoramento e Controle de Processos Erosivos e


Movimentos de Massa

8.5.1. Justificativa
Processos erosivos e de instabilização de maciços rochosos e de solos ocorrem quando as
condições de equilíbrio e resistência do terreno são alteradas, por causa natural ou antrópica,
propiciando o desgaste da cobertura pedológica e o movimento de descida de uma massa de
rocha ou solo numa vertente.

Os processos erosivos e de movimentos de massa estão associados às fases de operação e


desativação do empreendimento, e estão previstas atividades que poderão implicar em sua
ocorrência, tais como disposição de material (pilhas de estéril e estoque), escavação do
minério e exposição do solo. Todas estas atividades produzem alterações na geometria
natural do terreno, sendo potenciais agentes deflagradores de processos erosivos e de
instabilização.

8.5.2. Objetivo
O presente programa tem como objetivo a identificação, cadastramento, controle e
acompanhamento dos locais potencialmente instáveis e dos locais onde já existem processos
erosivos, de acordo com o Diagnóstico do Meio Físico, itens Geomorfologia e Geotecnia.

Este programa tem como objetivo principal o controle e posterior monitoramento dos
processos erosivos identificados e da estabilidade dos maciços rochosos ou de solos,
promovendo as manutenções necessárias sejam de caráter preventivo e/ou corretivo para
minimizar a incidência destes processos, de modo a garantir a segurança e o mínimo impacto
ambiental durante a operação e desativação do projeto.

ARCADIS logos 152


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.5.3. Abrangência e Público-Alvo


O programa aqui proposto está relacionado principalmente à Área Diretamente Afetada –
ADA.

O público-alvo será os colaboradores tanto da Anglo quanto de empresas terceirizadas, além


da(s) equipe(s) de meio ambiente que estará(ão) frente ao programa na sua execução e
gestão.

8.5.4. Síntese das Principais Atividades


Para o controle e a manutenção de movimentos de massa, o mais importante é evitar a
ocorrência de fenômenos de instabilizações. Para os processos erosivos, é fundamental a
instalação de sistemas de drenagens que coletam e direcionam de maneira adequada as
águas pluviais.

Problemas envolvendo processos erosivos e instabilidades dos taludes margeando as vias de


acesso e taludes de materiais escavados durante o processo de operação do
empreendimento podem ser atribuídos principalmente à disposição dos materiais em ângulos
impróprios (bermas e taludes), à implantação de sistemas de drenagem subdimensionados e
medidas mitigadoras ineficientes.

É de suma importância seguir os projetos detalhados de engenharia, considerar as


investigações realizadas, parâmetros geotécnicos definidos para as condições locais e o
diagnóstico do Meio Físico do presente estudo, assim como realizar rotinas preventivas e de
manutenção das estruturas de contenção e sistemas de drenagem.

Considerando as diretrizes gerais expostas acima, cabe então seguir as medidas mitigadoras
abaixo relacionadas:

 Limitar a supressão de vegetação à largura necessária aos avanços das frentes de lavra
e disposição de estéril;
 Aplicação de métodos mitigadores a fim de minimizar os processos de erosão e
escorregamento a montante e na cabeceira de cursos d´água e linhas naturais de
escoamento das águas, como promover a limpeza das áreas de trabalho e gestão de
resíduos sólidos gerados durante a fase de operação, recuperação de áreas degradadas,
reafeiçoamento e recuperação vegetal da ADA;
 Prever a aplicação de ações de caráter mitigador na recuperação de áreas onde o solo
encontra-se exposto, como taludes concluídos;
 Limpeza e manutenção do sistema de drenagem, removendo-se os sedimentos
acumulados nas caixas de decantação, desobstruindo-se canaletas, valetas e bueiros,
porventura, assoreados;
 Realização de cortes visando à readequação e atenuação de taludes, buscando a
harmonização da área com o relevo circundante e inclinações das rampas;
 Aperfeiçoar e detalhar levantamentos topográficos das áreas onde ocorrerão
intervenções;
 Manutenção da pista de rolamento das estradas e acessos;
 Inspeção geotécnica periódica, principalmente nas frentes de lavra, pilha de estéril e de
estoque, taludes e estradas;

ARCADIS logos 153


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.5.5. Cronograma
Este programa deverá ser implementado no início da fase de operação, perdurando também
na fase de desativação.

Fases do Empreendimento
Diretrizes/Ações
Planejamento Implantação Operação Desativação

Monitoramento e Controle de
Processos Erosivos e
 
Movimentos de Massa

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.5.6. Responsabilidades
Caberá ao empreendedor a responsabilidade pela implantação e execução do Programa.
Caso o empreendedor contrate uma empresa para implantação e execução do programa
citado, ele deverá prover a empresa contratada com todas as instruções necessárias para o
cumprimento deste programa, além de exercer a fiscalização para que a mesma execute-o da
forma correta, havendo portanto corresponsabilidade de ambos na execução do programa.

8.5.7. Resultados Esperados


Com a implantação deste programa espera-se manter a integridade das áreas que envolvam
a limpeza e preparação dos terrenos para novas frentes de lavra e disposição de estéril,
compactação de solo, áreas de lavra, pilhas de estéril e estoque, vias de acessos e área de
apoio, garantindo a estabilidade dos taludes (principalmente nas áreas onde haverá
movimento de maquinário e pessoal) e minimizando a ocorrência de processos erosivos e,
em consequência, de assoreamentos de cursos d’água.

A implantação das metodologias indicadas deve ser suficiente no sentido de prevenir e/ou
mitigar possíveis problemas envolvendo sulcos, ravinas, escorregamentos, deslizamentos,
quedas, tombamentos e rolamentos de blocos, rastejos de solo, fluxo de detritos e colapso de
talude.

Cabe salientar que este programa será devidamente detalhado no Plano de Controle
Ambiental (PCA) a ser elaborado para o processo de obtenção de Licença de Instalação (LI)
do Projeto Serro.

8.6. Programa de Monitoramento da Qualidade do Ar

8.6.1. Justificativa
Os processos e operações que serão desenvolvidos no Projeto Serro para explotação de
minério de ferro deverão gerar principalmente emissão de material particulado em suspensão,
sendo necessário o acompanhamento de eventuais alterações da qualidade do ar, em
especial próximo às comunidades limítrofes às obras e vias de acesso/ estradas onde haverá
tráfego de máquinas e veículos.

ARCADIS logos 154


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Nesse contexto, foi elaborado o referido programa para controlar os efeitos do


empreendimento na qualidade do ar da região e, principalmente, monitorar a eficácia das
medidas mitigadoras adotadas para reduzir a concentração de poluentes liberados para a
atmosfera. Este programa tem como alvo as fases de operação e desativação, tendo em vista
que o controle da qualidade do ar durante as fases de planejamento e implantação será
realizado conforme descrito no Plano de Controle Ambiental de Obras (PCAO) que abarca
subprograma específico para tratar sobre este tema nas fases anteriormente citadas.

As ações propostas possibilitarão detectar eventuais alterações significativas da qualidade do


ar que, na hipótese de serem percebidas, deverão desencadear ações e procedimentos de
correção ou mitigação das emissões relacionadas ao evento ou situação ocorrida. Este
mecanismo de verificação é reativo e utilizado em caráter complementar à adoção rotineira
das ações de controle citadas anteriormente.

8.6.2. Objetivo
O objetivo deste programa é estabelecer o monitoramento sistemático na área de influência
do Projeto Serro, de modo a garantir a qualidade do ar dentro dos limites da legislação
vigente e de possibilitar a avaliação das medidas mitigadoras propostas e, por ventura, a
necessidade de aperfeiçoamento de tais ações, bem como de manutenções ou correções
das mesmas em caso de eventuais resultados de monitoramento fora do padrão.

8.6.3. Abrangência e Público Alvo


A abrangência do presente programa está diretamente relacionada às principais fontes
receptoras, ou seja, às comunidades que poderão ser impactadas caso haja redução da
qualidade do ar na região em função das atividades do Projeto Serro.

O público-alvo compreende principalmente o próprio empreendedor, fornecendo diretrizes


para a implantação, acompanhamento, análise e supervisão do programa no que diz respeito
à elaboração e cumprimento do plano de ação, atendimento ao cronograma,
contratação/organização do corpo técnico, além de avaliação dos resultados obtidos, assim
como o órgão ambiental, que receberá as informações sobre qualidade do ar no entorno do
empreendimento e concentração na fonte, avaliando, a partir deste programa, se as
propostas e metodologias atendem a estratégia de gerenciamento adotada por seu corpo
técnico.

8.6.4. Síntese das Principais Atividades


O Programa de Monitoramento da Qualidade do Ar proposto deverá basear-se nas premissas
estabelecidas na Resolução CONAMA n° 03/90 e na Deliberação Normativa do COPAM n°
01/81, sendo capaz de proporcionar avaliações das concentrações de poluentes para curto,
médio e longo prazos.

Deverá ser aplicada uma metodologia confiável para verificação da qualidade do ar ambiental
nas principais fontes receptoras próximas ao empreendimento, de forma a garantir níveis em
conformidade com os padrões estabelecidos pela legislação, minimizando os incômodos para
os trabalhadores e para as comunidades localizadas nas proximidades do empreendimento.

ARCADIS logos 155


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Os poluentes a serem monitorados são PTS e PI, cuja escolha é justificada pela maior
significância das emissões de material particulado pelo empreendimento, em detrimento dos
demais poluentes regulamentados (SOX, NOX, CO, CO2).

A rede amostral deverá ser definida no âmbito do Plano de Controle Ambiental (PCA),
levando-se em conta que deve ser realizado um estudo de dispersão atmosférica para
garantir melhor conhecimento da direção e concentração das partículas na atmosfera. Na
ocasião da elaboração deste plano também serão detalhados os métodos de monitoramento
dos referidos parâmetros (metodologias, equipamentos, critérios para localização de
equipamentos de amostragem e especificidades relacionadas às amostragens e análises das
mesmas), a frequência das campanhas e a forma de apresentação dos resultados e do
relatório técnico à luz dos padrões legais vigentes.

A correta sistematização do processo de medição é de fundamental importância para


alcançar os resultados desejados. Para serem representativas, as séries de dados devem ser
geradas com frequência e duração adequadas de amostragem para cada variável,
envolvendo períodos normalmente longos (abrangendo ciclos sazonais completos) e com o
menor índice possível de ausência de dados (falhas ou ausência de medição).

Além do monitoramento, durante toda a vida útil do empreendimento deverão ser aplicadas
as mesmas medidas mitigadoras apresentadas para a fase de implantação no Programa de
Controle Ambiental de Obras, visando reduzir a suspensão de material particulado em sua
área de influência.

8.6.5. Cronograma
As campanhas de amostragem de particulados deverão ter início na fase de planejamento do
empreendimento, visando a obtenção de dados que serão utilizados como “background” ao
longo das etapas de implantação, operação e desativação do Projeto Serro. O monitoramento
da qualidade do ar durante as fases de planejamento e implantação, no entanto, está sendo
tratado no Plano de Controle Ambiental de Obras.

Além do monitoramento nas fases de planejamento e implantação, deverão ser realizadas


amostragens nas fases de operação e desativação, sendo importante considerar que na fase
de desativação, este estudo torna-se necessário em função da circulação de veículos e
desativação e retirada das estruturas.

Fases do Empreendimento
Diretrizes/Ações
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Monitoramento da
Qualidade do Ar
 

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.6.6. Responsabilidades
A execução do presente programa deverá ficar a cargo do empreendedor nas duas últimas
fases, com a possibilidade de estabelecimento de convênios com entidades públicas e
privadas, podendo contratar serviços especializados de terceiros para sua execução.

ARCADIS logos 156


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Ressalta-se que nas fases de planejamento e implantação o monitoramento da qualidade do


ar será de responsabilidade de empreiteira contratada.

A execução do programa, assim como dos laudos apresentados deverão ser legitimados com
ART – Anotação de Responsabilidade Técnica, de um profissional credenciado, devidamente
registrado no conselho profissional pertinente.

8.6.7. Resultados Esperados


Com a adoção do presente programa espera-se monitorar e identificar possíveis
inconformidades legais e operacionais, tal como verificar a eficiência dos equipamentos de
controle empregados e medidas mitigadoras aplicadas. Caso estes não sejam efetivos, o
presente programa deverá propor novas recomendações para que os requisitos legais sejam
devidamente atendidos.

8.7. Programa de Monitoramento de Ruído e Vibração

8.7.1. Justificativa
O Projeto Serro engloba um conjunto de operações industriais e de mineração que possuem
grande potencial gerador de ruído e vibração. Em função das condições de implantação do
empreendimento, com a maioria das instalações a céu aberto, as atividades operacionais
apresentam possibilidade de propagação de ruído e vibração a grandes distâncias.

Esta avaliação permitirá avaliar o impacto sobre os trabalhadores e comunidades situadas


nas proximidades, principalmente Serro, que é tombada pelo patrimônio histórico, e as
medidas mitigadoras necessárias e viáveis para a minimização dos mesmos. O programa
deverá criar uma série histórica de níveis de ruído e de vibração na área, conhecendo-se
assim, a evolução das condições acústicas na vizinhança da mina.

O controle dos níveis de ruído e vibração durante as fases de planejamento e implantação


será conduzido conforme o Plano de Controle Ambiental de Obras, sob responsabilidade de
empreiteira contratada.

8.7.2. Objetivo
O programa tem como objetivo avaliar as emissões de ruídos e vibração decorrentes das
atividades de operação e desativação do empreendimento por meio de monitoramento
periódico, focando os potenciais receptores, os quais sofrem incômodos caso os limites
sejam ultrapassados. Neste sentido o programa visa fornecer diretrizes para:

 Monitorar os ruídos e vibrações causadas pelo empreendimento como subsídio à


garantia de qualidade ambiental para a região;
 Identificar as áreas de alteração dos níveis de ruído e vibração provenientes das
atividades do empreendimento; e
 Subsidiar ações mitigadoras em relação às emissões sonoras e de vibração provenientes
do Projeto Serro, minimizando os incômodos para os trabalhadores e para as
comunidades situadas nas proximidades do empreendimento, destacando a sede
municipal de Serro.

ARCADIS logos 157


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.7.3. Abrangência e Público-alvo


As ações do Programa de Monitoramento de Ruído e Vibração serão aplicadas em fontes
receptoras situadas no entorno do empreendimento, abrangendo áreas onde haverá fontes
fixas (como maquinários e equipamentos de grande porte) e fontes móveis (como utilização
de caminhões e veículos de transporte) de emissão de ruídos durante todo o período das
obras até sua conclusão, incluindo as etapas de operação e de desativação dos canteiros de
obras, de recuperação de áreas degradadas.

O público-alvo compreende a população residente nas proximidades, principalmente Serro,


por se tratar de um patrimônio histórico, os colaboradores envolvidos nas atividades
relacionadas ao Projeto Serro, e a fauna do entorno do empreendimento. O público-alvo
ainda inclui o próprio empreendedor, bem como o órgão ambiental, que avaliará as
informações do monitoramento.

8.7.4. Síntese das Principais Atividades


Os procedimentos de medição de ruído deverão ser realizados conforme as normas NBR
10.151/2000 e a Resolução CONAMA n° 01/1990. Deverão ser realizadas medições de ruído
diurno e vespertino, tendo em vista o horário de funcionamento da mina. Deverá ser realizada
caracterização das fontes e níveis de ruído, em dB(A), na área de influência do
empreendimento, próximo a povoações existentes. Os resultados deverão atender à NBR
10.151/00, contudo também deverão ser observados, caso existam, os limites para a poluição
sonora no Estado de Minas Gerais e no município de Serro.

Para o monitoramento de vibração devem ser observadas as recomendações da NBR


9653:2005 que estabelece metodologia para reduzir os riscos inerentes ao desmonte de
rocha com uso de explosivos em minerações. Deverão ser utilizados explosivos e acessórios
de alta tecnologia e, se possível, realizar um modelamento de vibração do terreno de tal
forma que se possa ter uma noção de como as ondas sísmicas se propagam no terreno na
área de influência do Projeto Serro, visando verificar se afetarão as comunidades vizinhas,
especialmente as da sede municipal de Serro, que é tombada pelo patrimônio histórico.

A rede amostral das medições de ruído e vibração deverá ser definida no âmbito do Plano de
Controle Ambiental (PCA), sendo que a mesma deverá ser focada nas fontes receptoras mais
expressivas. No PCA também serão detalhados as metodologias, equipamentos, critérios
para localização de equipamentos de amostragem e especificidades relacionadas às
amostragens e análises das mesmas, a frequência das campanhas e a forma de
apresentação dos resultados e do relatório técnico à luz dos padrões legais vigentes.

Os equipamentos deverão possuir certificados de calibração com prazos de validade em


vigor, emitidos pelo INMETRO, ou outro órgão que seja integrado à Rede Brasileira de
Calibração e devidamente credenciado pelo INMETRO. Os certificados de calibração deverão
ser apresentados anexos aos relatórios periódicos.

A correta sistematização do processo de medição é de fundamental importância para


alcançar os resultados desejados. Para serem representativas, as séries de dados devem ser
geradas com frequência e duração adequadas de amostragem, envolvendo períodos
normalmente longos (abrangendo ciclos sazonais completos) e com o menor índice possível
de ausência de dados (falhas ou ausência de medição).

ARCADIS logos 158


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Além do monitoramento, durante toda a vida útil do empreendimento deverão ser aplicadas
as mesmas medidas mitigadoras apresentadas para a fase de implantação no Programa de
Controle Ambiental de Obras, visando minimizar os níveis de ruído e vibração.

8.7.5. Cronograma
As campanhas de amostragem deverão ter início na fase de planejamento do
empreendimento, visando a obtenção de dados que serão utilizados como “background” ao
longo das etapas de implantação, operação e desativação do Projeto Serro. O monitoramento
de ruído e vibração durante as fases de planejamento e implantação, no entanto, está sendo
tratado no Plano de Controle Ambiental de Obras.

Fases do Empreendimento
Diretrizes/Ações
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Ruído e Vibração  


Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.7.6. Responsabilidades
A execução do presente programa deverá ficar a cargo do empreendedor nas duas últimas
fases, com a possibilidade de estabelecimento de convênios com entidades públicas e
privadas, podendo contratar serviços especializados de terceiros para sua execução.
Ressalta-se que nas fases de planejamento e implantação o monitoramento da qualidade do
ar será de responsabilidade de empreiteira contratada.

A execução do programa, assim como dos laudos apresentados deverão ser legitimados com
ART – Anotação de Responsabilidade Técnica, de um profissional credenciado, devidamente
registrado no conselho profissional pertinente.

8.7.7. Resultados esperados


Por meio da execução do programa espera-se verificar a eficiência dos equipamentos de
controle empregados e medidas mitigadoras aplicadas, visando manter o ruído e a vibração
em níveis que não afetem a saúde da população e da fauna local. Caso o resultado do
monitoramento aponte que as ações aplicadas não estão sendo efetivas, o presente
programa deverá propor novas recomendações para que os requisitos legais sejam
devidamente atendidos.

8.8. Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas


Subterrâneas

8.8.1. Justificativa
Durante as fases de implantação, operação e desativação do empreendimento serão
realizadas atividades que poderão alterar a qualidade das águas subterrâneas e promover
variações dos níveis estáticos dos aquíferos presentes na área de influência.

ARCADIS logos 159


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

A geração de cargas pontuais passíveis de contaminação, representadas por resíduos


sólidos e efluentes, está relacionada às atividades de limpeza e preparação do terreno,
remoção da vegetação, obras de terraplenagem, implantação e operação dos canteiros e das
frentes de obras, implantação e operação das instalações industriais, implantação e melhoria
de acessos, implantação e operação dos sistemas de controle e operação da mina.

As áreas sujeitas à elevação ou rebaixamento do nível d’água dos aquíferos correspondem


principalmente àquelas próximas a área da cava e diques de contenção de sedimentos. De
modo geral, as variações do nível d’água dos aquíferos, quando significativas, poderão
provocar, com a elevação do nível d’água, novas surgências em alguns locais e
consequentes instabilizações do terreno, enquanto que, com o rebaixamento do nível d’água,
a extinção de nascentes e comprometimento no abastecimento por poços.

O presente programa propõe medidas preventivas e corretivas para os impactos previstos,


que deverão ser adotadas para minimizar a significância ou mesmo evitar que esses
impactos ocorram. O plano de execução será contínuo, ou seja, as principais áreas nas quais
ocorrerão as atividades listadas acima serão monitoradas até a desativação do
empreendimento ou, caso seja constatada a contaminação, até que o órgão competente
considere-as devidamente remediadas.

8.8.2. Objetivo
O Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas objetiva o
monitoramento dos níveis da água subterrâneas e da qualidade das águas dos aquíferos,
bem como aponta medidas preventivas e corretivas necessárias à preservação dos mesmos,
em função de impactos previstos decorrentes de atividades realizadas durante a implantação,
operação e desativação do empreendimento.

O monitoramento da qualidade das águas subterrâneas será realizado em conjunto com o


monitoramento do nível de água em poços de monitoramento e visa avaliar a qualidade dos
recursos hídricos subterrâneos, monitorando os parâmetros específicos descritos na
legislação federal vigente e concernentes aos possíveis agentes poluidores presentes. A
medição do nível de água permitirá avaliar as possíveis variações dos níveis estáticos dos
aquíferos existentes na ADA e AID, de forma a acompanhar os movimentos da água
subterrânea para a adoção de medidas relacionadas aos impactos esperados.

8.8.3. Abrangência e público alvo


O Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas possui abrangência
circunscrita à ADA e AID do empreendimento. Este programa será realizado por meio de uma
malha preestabelecida de poços de monitoramento, dispostos em posição estratégica, tanto à
montante quanto à jusante das estruturas do empreendimento, de forma que as áreas
suscetíveis à contaminação e/ou às alterações na dinâmica das águas subterrâneas sejam
abarcadas.

O público-alvo compreende principalmente os usuários dos recursos hídricos da região, bem


como o empreendedor e os órgãos ambientais.

ARCADIS logos 160


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.8.4. Síntese das Principais Atividades


A metodologia adotada no Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas
Subterrâneas foi pautada nas informações constantes no Diagnóstico Ambiental do Projeto
Serro.

Para o controle e a manutenção da qualidade das águas subterrâneas o mais importante é


evitar ou minimizar a contaminação do aquífero. As medidas preventivas, controle e
recuperação propostas ao empreendimento são apresentadas no Programa de Controle
Ambiental das Obras, no Programa de Gestão de Resíduos Sólidos; no Programa de Gestão
de Efluentes Líquidos; e no Programa de Recuperação de Áreas Degradadas.

No âmbito do Plano de Controle Ambiental (PCA) serão definidos e detalhados a rede


amostral, o plano de instalação de poços de monitoramento, as variáveis a serem analisadas
e a frequência de amostragem. Neste plano também serão apresentadas as metodologias de
coleta e análise das amostras.

A empresa contratada para realizar as amostragens e análises deverá ser


acreditada/homologada, conforme NBR ABNT ISO/IEC 17.025/2005. A análise dos dados
deverá ser realizada à luz da Resolução CONAMA n° 396/2008 e os relatórios técnicos
deverão ser elaborados periodicamente para apresentação ao órgão ambiental.

8.8.5. Cronograma
A implementação do Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas
deverá iniciar entre a fase de planejamento e o início da implantação do empreendimento.
Este programa de monitoramento tem caráter contínuo, ou seja, as áreas potencialmente
afetadas pelo empreendimento e entorno próximo serão monitoradas até o final da fase de
desativação do empreendimento, podendo se estender, de forma que não haja quaisquer
áreas contaminadas remanescentes e que o nível d’água do aquífero seja recuperado e se
estabilize.

Fases do Empreendimento
Diretrizes/Ações
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Monitoramento da
Qualidade das Águas    
Subterrâneas
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.8.6. Responsabilidades
A execução do Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas deverá
ficar a cargo do empreendedor, com a possibilidade de estabelecimento de convênios com
entidades públicas e privadas, podendo contratar serviços especializados de terceiros para
sua execução.

A execução do programa, assim como dos laudos apresentados deverão ser legitimados com
ART – Anotação de Responsabilidade Técnica, de um profissional credenciado, devidamente
registrado no conselho profissional pertinente.

ARCADIS logos 161


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.8.7. Resultados Esperados


Espera-se com a implantação deste programa o controle e a manutenção da qualidade e do
nível estático das águas subterrâneas dos aquíferos presentes na ADA e AID do
empreendimento, de forma a reduzir a ocorrência de impactos negativos e, quando os
mesmos ocorrerem, que sejam adotadas ações visando cessá-los ou minimizá-los o mais
rápido possível.

8.9. Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais

8.9.1. Justificativa
Os levantamentos apresentados no âmbito do Diagnóstico Ambiental apontam que os cursos
d´água que drenam as áreas de influência do Projeto Serro são de pequeno porte e que
atualmente as águas superficiais amostradas, em geral, apresentam boa qualidade. As
principais fontes de poluição dos recursos hídricos atuais são de origem difusa, relacionadas
principalmente ao aporte de dejetos de animais, oriundos das atividades de pastagem.

De acordo com a avaliação de impactos ambientais, algumas atividades associadas às fases


de implantação, operação e desativação do Projeto Serro poderão ocasionar, direta ou
indiretamente, a geração de sedimentos e de resíduos sólidos, os quais poderão ser
lixiviados aos cursos d’água no período chuvoso. Nessas condições, poderão ocorrer
alterações na qualidade das águas superficiais, sobretudo em relação à cor e à turbidez,
podendo também acarretar maior concentração de metais, tais como ferro e manganês,
elementos típicos da matriz geológica regional. Eventuais contaminações por efluentes e
resíduos sólidos também poderão comprometer a qualidade das águas, aumentando as
densidades de bactérias e os teores de matéria orgânica, nutrientes e outros contaminantes,
tendo como consequência a elevação do nível trófico dos sistemas aquáticos.

Nesse sentido, o Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais descrito


nos itens subsequentes, visa acompanhar a evolução da qualidade da água durante as fases
de implantação, operação e desativação do empreendimento.

8.9.2. Objetivo
Monitorar e analisar eventuais interferências nas águas decorrentes de ações antrópicas e
atividades do empreendimento e fornecer subsídios para a identificação de problemas
ambientais que exijam ações mitigadoras ou o desenvolvimento de estudos específicos
detalhados.

8.9.3. Abrangência e público alvo


O Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais tem abrangência local,
circunscrita à AID, priorizando os cursos d’água localizados no entorno das principais
estruturas do projeto passíveis de promoverem alterações no sistema hídrico do Projeto
Serro.

O público-alvo compreende principalmente os usuários dos recursos hídricos da sub-bacia do


rio Santo Antônio, especialmente da sub-bacia do córrego Siqueira, bem como o
empreendedor e os órgãos ambientais.

ARCADIS logos 162


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.9.4. Síntese das Principais Atividades


O Programa de Qualidade das Águas Superficiais foi desenvolvido com base nas
informações apresentadas no Diagnóstico Ambiental e na Caracterização do
Empreendimento.

A rede de amostragem deverá abranger os principais cursos d’água que drenam a AID e ADA
do empreendimento, contemplando principalmente o córrego Siqueira e seus afluentes.

Os parâmetros ligados à qualidade da água serão comparados aos respectivos limites


estabelecidos pela Resolução CONAMA nº 357/05. Além de parâmetros físico-químicos e
microbiológicos, deverão ser realizadas medições de vazão dos principais corpos hídricos
afetados pelo empreendimento.

Abaixo estão descritas as principais ações a serem desenvolvidas:

 Análise das variáveis definidoras da qualidade da água a serem selecionadas no âmbito


do PCA em todos os pontos da rede amostral;
 Adoção dos procedimentos de coleta e análises de águas superficiais definidos pelo
Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater 22ª edição (APHA,
2012);
 Contratação de laboratório acreditado/homologado conforme NBR ABNT ISO/IEC
17025/2005;
 Manter equipamentos de campo e laboratório devidamente calibrados;
 Anotação, durante as coletas, de informações relevantes sobre os cursos d’água
amostrados e as condições predominantes do entorno, visando dar subsídios à
interpretação dos resultados analíticos. Os registros dos dados de campo deverão ser
realizados em fichas de coleta, contendo no mínimo as seguintes informações:
identificação do ponto, curso d’água, localização geográfica com GPS, data e hora de
coleta, temperatura do ar, condição predominante do tempo e ocorrência de chuva nas
últimas 24 horas. Os trabalhos deverão ser documentados por meio de registro
fotográfico;
 As campanhas de monitoramento da qualidade da água deverão ser realizadas
concomitantemente às amostragens da biota aquática.

O acompanhamento e a avaliação serão realizados através da emissão de relatórios técnicos


parciais e consolidados. Os valores que estiverem em desacordo com os padrões legais
vigentes serão destacados, permitindo identificar alterações significativas na qualidade da
água, compondo um indicador ambiental.

Este Programa terá relação com a implantação dos Programas de Comunicação Social e
Programa de Educação Ambiental para as comunidades existentes nas proximidades dos
cursos d’água da AID e ADA, com intuito de manter a população local informada sobre
eventuais alterações no corpo hídrico que poderão ocorrer nas frentes de obras.

8.9.5. Cronograma
O Programa deverá ser implementado de maneira contínua desde a fase de planejamento,
incluindo a fase de implantação, operação e desativação.

ARCADIS logos 163


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As amostragens deverão ser iniciadas durante a fase de planejamento, com duas campanhas
prévias à fase de implantação do empreendimento, contemplando os períodos de seca e
chuva, visando a elaboração de um quadro de referência antes das interferências do Projeto
Serro.

Nas fases de implantação, operação e desativação deverão ser realizadas campanhas


periódicas, com previsão de indicação de medidas preventivas ou corretivas caso sejam
observadas alterações nos corpos d’água em estudo.

Fases do Empreendimento
Diretrizes/Ações
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Monitoramento da
Qualidade das Águas    
Superficiais
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.9.6. Responsabilidades
A execução do presente programa deverá ficar a cargo do empreendedor, com a
possibilidade de estabelecimento de convênios com entidades públicas e privadas, podendo
contratar serviços especializados de terceiros para sua execução.

A execução do programa, assim como dos laudos apresentados deverão ser legitimados com
ART – Anotação de Responsabilidade Técnica, de um profissional credenciado, devidamente
registrado no conselho profissional pertinente.

8.9.7. Resultados Esperados


Com a adoção do presente programa espera-se identificar os atributos associados à
qualidade das águas superficiais na ADA e AID do Projeto Serro. Os resultados obtidos
permitirão indicar possíveis alterações dos recursos hídricos superficiais, além da proposição
de medidas mitigadoras e compensatórias.

8.10. Programa de Proteção do Patrimônio Espeleológico

8.10.1. Justificativa
A implantação de estruturas (Pit de lavra, área de apoio, barragem, estrada, pilha de estéril e
estoque) implica em impactos sobre 23 cavidades naturais subterrâneas, sendo 21 de alta
relevância e duas de máxima relevância. Diante disto, e visando atender à legislação
ambiental vigente (em especial ao Decreto Federal 6.640/08) se faz necessária a
implementação de medidas para mitigar e/ou compensar os impactos advindos da
implantação das estruturas do Projeto Serro acima citadas sobre as cavidades naturais
subterrâneas.

Os programas serão realizados de acordo com leis, resoluções e orientações dos órgãos
licenciadores, de modo a viabilizar a implantação do empreendimento em consonância com a
legislação ambiental pertinente. Para tanto, o Programa deverá estar embasado
principalmente no Decreto Federal 99.556/90, Decreto Federal 6.640/08, Resolução Conama

ARCADIS logos 164


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

347/04, Instrução Normativa MMA n°02/09 e documentos de orientação para estudos


espeleológicos divulgados pelo CECAV (Cetro Nacional de Pesquisa e Conservação de
Cavernas).

8.10.2. Objetivo
Garantir a preservação do patrimônio espeleológico e atendimento aos requisitos legais em
relação à supressão e/ou interferências sobre cavidades naturais subterrâneas.

8.10.3. Abrangência e Público-Alvo


Esse programa se estende a todas as cavidades encontradas na ADA do Projeto Serro.

O público-alvo compreende todos os colaboradores ligados ao empreendedor, bem como


aqueles ligados às empresas terceirizadas que porventura forem desenvolver atividades no
referido projeto. Também se constitui como público-alvo o Órgão licenciador do estado de
Minas Gerais, a comunidade científica e a sociedade.

8.10.4. Síntese das Principais Atividades

A) Readequação do raio de proteção das cavidades


A Resolução CONAMA nº 347/2010, em seu Art. 4º, parágrafo 2°, define que: a área de
influência sobre o patrimônio espeleológico será definida pelo órgão ambiental competente
que poderá, para tanto, exigir estudos específicos, a expensas do empreendedor. Já em seu
parágrafo 3°, a resolução define que até que se efetive o previsto no parágrafo 2°, a área de
influência das cavidades naturais subterrâneas será a projeção horizontal da caverna
acrescida de um entorno de 250 metros, em forma de poligonal convexa. Por tanto, até que
esses estudos sejam realizados, pelo principio da precaução, adota-se como área de
influência das cavidades, o raio de 250 metros.

Diante disto, este programa propõe a realização de estudos para se conhecer a área de
influência das cavidades registradas e, a partir disto, redefinir a extensão do raio das
cavernas que terão seu entorno (250 metros) afetado pelo empreendimento e, quando
possível, pleitear a sua redução.

B) Compensação espeleológica
Após o estudo para definição do raio de proteção das cavidades, caso ainda ocorra impacto
negativo irreversível no raio de proteção de alguma das cavidades de alto potencial
espeleológico, se fará necessária a implantação da compensação espeleológica.

Segundo o Decreto Federal 6.640/09, cavidades com alto grau de relevância podem ser
impactadas de forma irreversível mediante ações de compensação e anuência do órgão
ambiental no processo de licenciamento.

Desta forma, para cada uma das cavidades de alta relevância que sofra impactos
irreversíveis, o empreendedor deverá compensar com a conservação de duas cavidades
naturais subterrâneas, com o mesmo grau de relevância, de mesma litologia e com atributos
similares, que serão consideradas cavidades testemunho, ou seja, serão cavidades que não
poderão ser suprimidas em nenhuma hipótese no futuro. Ou, ainda, conforme previsto no
art.4º § 3º, não havendo, na área do empreendimento, outras cavidades representativas que

ARCADIS logos 165


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

possam ser preservadas sob a forma de cavidades testemunho, o Instituto Chico Mendes de
Conservação da Biodiversidade (ICMBio) poderá definir, de comum acordo com o
empreendedor, outras formas de compensação.

 Resgate do patrimônio espeleológico

Conforme exposto no Diagnóstico Espeleológico apresentado no anexo deste EIA, seis


cavidades encontram-se em locais onde se pretende implantar as estruturas do futuro
empreendimento. São elas: AAS-001, AAS-002, AAS-003, AAS-014, AAS-020 e AAS-022. As
cavidades AAS-001, AAS-002, AAS-003, AAS-014 e AAS-022 apresentam alto grau de
relevância espeleológica, sendo passíveis de sofrer impactos negativos irreversíveis de
acordo com a legislação. De acordo com o Art. 19 da IN MMA. 02/09, é de competência do
empreendedor realizar resgate do patrimônio espeleológico nas cavidades passiveis de
impacto e que já tenham sido compensadas segundo o Decreto Federal 6.640/09.

Portanto, estre programa prevê o resgate de espeleotemas e possíveis artefatos


arqueológicos ou paleontológicos, e resgate da fauna cavernícola, quando necessário.

C) Monitoramento das Cavidades Naturais Subterrâneas


Durante a operação da mina, as cavidades que se encontram próximas à área de lavra ou
dos acessos, poderão sofrer impactos advindos da vibração provocada pela movimentação
de caminhões e pelas detonações na cava para o desmonte de rochas.

A constante vibração poderá acarretar rachaduras no teto e paredes das cavidades e


promover o desabamento de blocos e, até mesmo, a queda do teto ou paredes destas
cavidades. Portanto, visando prever e mitigar possíveis impactos advindos da movimentação
de veículos e detonações sugere-se a execução de monitoramento da vibração dentro das
cavidades naturais subterrâneas e sua estrutura física.

D) Complementação de Estudos Biológicos e Possível Revisão da Relevância das


Cavidades
De acordo com o Diagnostico ambiental apresentado em anexo no EIA, a área do
empreendimento apresenta duas cavidades classificadas como máxima relevância
espeleológica: A AAS-020, que está localizada integralmente sob o futuro Pit de Lavra (e
nesta conformação de layout de projeto, teria de ser suprimida), e a AAS-006 que terá seu
raio de proteção de 250 m afetado pela implantação da Barragem.o Decreto federal N°
6.640/08 veda impactos negativos irreversíveis em cavidades com máximo grau de relevância
espeleológico.

Ambas as cavidades foram classificadas como de máxima relevância por ter sido encontrado
e coletado um individuo de Onycophora em cada uma delas. Como os indivíduos ainda não
foram classificados até o menor nível taxonômico possível, por principio de precaução, as
cavidades foram classificadas como de máxima relevância espeleológica.

Após o refinamento da identificação taxonômica sendo conduzido, caso se trate de uma nova
espécie, os indivíduos serão descritos cientificamente como previsto no Decreto federal N°
6.640/08, Art. 19 em seu paragrafo único. Caso constatado que se trata de uma espécie
animal em risco de extinção constante em lista oficial, deverão ser realizados estudos
complementares no intuito de comprovar se a cavidade é ou não de fato um abrigo essencial

ARCADIS logos 166


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

para a preservação de populações geneticamente viáveis como prevê a Instrução Normativa


MMA n°02/09, Art. 3° em seu VI paragrafo.

Alternativamente, o empreendedor poderá redefinir o layout do projeto Serro em próxima fase


do licenciamento ambiental, para adequá-lo às restrições impostas pelos artifícios legais
supra citados, visando assim evitar as interferências antevistas sobre as cavidades de
máxima e alta relevância existentes na área do Projeto.

8.10.5. Cronograma
As ações de revisão de layout do projeto Serro, ou desenvolvimento de estudos
complementares para redução de raio de proteção e/ou revisão do grau de relevância das
cavidades de máxima relevância a serem afetadas pelo projeto, deverão iniciar na fase de
planejamento, e se estender para as fases de implantação, operação e desativação do
projeto (dependendo das demandasse condicionantes impostas para as próximas etapas do
licenciamento ambiental).

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Proteção do
Patrimônio Espeleológico.
   

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.10.6. Responsabilidades
A execução deste programa é de inteira responsabilidade do empreendedor, ficando a critério
do órgão ambiental a definição de condições necessárias para a continuidade do processo de
licenciamento ambiental do empreendimento.

8.10.7. Resultados esperados


Espera-se que este Programa viabilize a implementação do Projeto Serro, bem como garanta
a conservação do patrimônio espeleológico existente na área do projeto, assim como o
atendimento integral aos preceitos legais aplicáveis relacionados à interferências sobre
cavidades naturais subterrâneas.

8.11. Programa de Controle da Supressão Vegetal

8.11.1. Justificativa
A implementação do empreendimento promoverá a supressão de vegetação nativa ao longo
de sua ADA, bem como intervenções em drenagens naturais. Desta forma, o Programa de
Controle da Supressão Vegetal visa orientar e monitorar as atividades relacionadas com esse
processo, visando reduzir e controlar os impactos ambientais decorrentes.

8.11.2. Objetivo
 Ordenar e conduzir as frentes de supressão;

ARCADIS logos 167


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Definir áreas de estocagem de madeira;


 Armazenar os produtos e subprodutos vegetais gerados e coletados;
 Facilitar o monitoramento e acompanhamento das operações de supressão por parte dos
técnicos locais e pelo órgão ambiental competente.

8.11.3. Abrangência e Público-Alvo


As áreas alvo de ações deste programa são os fragmentos de vegetação a serem
impactados pela instalação do empreendimento, e o publico alvo envolve o empreendedor, e
equipe de gerenciamento ambiental do empreendimento e supressão de vegetação.

8.11.4. Síntese das Principais Atividades


 Elaboração de estudos, definição da metodologia da supressão, solicitação de
autorização de supressão à Instituto Estadual de Florestas (IEF), e contratação da
empresa executora do serviço;
 Escolha adequada das áreas de apoio e obtenção de licença de supressão;
 Assegurar o resgate da flora e formação de banco de germoplasma (previsto no
Programa específico);
 Remoção da cobertura vegetal, intervenção em APPs e limpeza de áreas.
 Assegurar o controle, monitoramento da supressão, e a correta destinação do volume
madeireiro gerado;
 Gerar relatórios de acompanhamento e comprobatórios para órgãos fiscais e
licenciadores.

8.11.5. Cronograma
Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação
Programa de Controle da
Supressão Vegetal
  

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

O início da implantação do respectivo programa fica condicionado à obtenção da Licença de


Instalação – LI e da Autorização de Supressão de Vegetação, bem como planejamento e
cronograma das obras.

8.11.6. Responsabilidades
A implementação deste programa ficará sobre a responsabilidade do empreendedor e da
empreiteira contratada para a realização da supressão de vegetação, sendo esta obrigada a
seguir as ações aqui recomendadas, bem como a legislação ambiental e trabalhista vigente.

8.11.7. Resultados Esperados


Redução dos impactos diretos e indiretos sobre o equilíbrio dinâmico local (físico e biótico)
causados pela etapa de supressão de vegetação para implantação do empreendimento.

ARCADIS logos 168


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Garantia do uso das melhoras práticas para o desenvolvimento da atividade, e controle do


processo de desmate do inicio ao seu final.

8.12. Programa de Resgate de Germoplasma Vegetal - PRGV

8.12.1. Justificativa
A implantação do empreendimento implicará a supressão da vegetação natural ao longo da
ADA, ocupada pelo layout do empreendimento, bem como intervenções em drenagens
naturais. O presente Programa está voltado para a mitigação dos impactos gerados pelas
atividades relacionadas com esse processo, apresentando diretrizes básicas para a
adequada realização dos trabalhos que envolvem coleta de propágulos e espécimes
vegetais, correspondentes a exemplares herbáceos terrestres ou epífitos a exemplo dos
táxons Bromeliaceae, Orchidaceae, Araceae e Velloziaceae, e sementes e indivíduos jovens
de espécies vegetais endêmicas, ameaçadas e/ou raras. As diretrizes também se referem à
destinação do material, a qual inclui atividades de enriquecimento, relocação, transplantio e
de pesquisa.

O resgate da flora e a formação de banco de germoplasma visam recuperar, antes do seu


desaparecimento, uma quantidade significativa de espécies pertencentes ao ecossistema
impactado pelo empreendimento. Com isto, espera-se preservar, mesmo que seja “ex situ”,
boa parte da herança genética da flora local, o que poderá também subsidiar futuros
trabalhos de pesquisa aplicada, estando em concordância com a Instrução Normativa nº 6, de
7 de abril de 2009, e o Decreto Federal Nº 4.339, de 22 de agosto de 2002, que institui
princípios e diretrizes para a implementação da Política Nacional da Biodiversidade.

8.12.2. Objetivo
Minimizar a perda da diversidade genética nas comunidades de Flora presentes na ADA e
AID do empreendimento, através do resgate de Germoplasma vegetal durante e após as
intervenções previstas nas fitofisionomias nativas existentes na ADA do empreendimento.
Objetiva ainda fornecer sementes e mudas para os Programas de Recomposição Florestal e
Recuperação de Áreas Degradadas previstos.

8.12.3. Abrangência e Público-Alvo


Compõe o público-alvo deste Programa os órgãos ambientais estaduais e municipais, o
empreendedor, o conjunto de empreendedor, o conjunto de empresas envolvidas na
instalação do empreendimento, as instituições técnicas/científicas interessadas (parceiros da
Rede de Sementes Florestais, universidades, viveiros), a comunidade científica em geral, os
proprietários de imóveis interceptados de forma direta e indireta e a população da região

As ações previstas para esse programa devem ocorrer na ADA (coleta de material) e em seu
entorno (reintrodução).

8.12.4. Síntese das Principais Atividades


O resgate de plantas herbárceas terrestres e epífitas, sementes e mudas das espécies
ameaçadas de extinção deverá ocorrer em tempo anterior ao início da supressão da

ARCADIS logos 169


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

vegetação, quando deverão ser coletadas manualmente, ou com auxílio de instrumentos, os


espécimes selecionados.

Juntamente com o desmatamento, na medida em que as árvores forem derrubadas, devem


ser coletados os demais espécimes. Vale ressaltar que, para a realização desta atividade,
faz-se necessária a emissão de documento autorizativo, emitido pelo órgão ambiental.

Todo o trabalho de resgate da flora será composto por quatro etapas, a saber:

 Priorização dos locais e tipo de material a ser coletado;


 Resgate da flora, que corresponde ao trabalho de coleta propriamente dito;
 Triagem e processamento do material coletado;
 Manutenção e propagação em viveiros;
 Reintrodução do material coletado.

A definição das espécies alvo para o resgate bem como detalhamento dos procedimentos a
serem adotados serão apresentados na próxima etapa do licenciamento ambiental, quando
serão apresentados o projeto executivo com a delimitação definitiva das áreas e a estratégia
de supressão.

8.12.5. Cronograma
As atividades de resgate deverão acompanhar as ações de Supressão Vegetal, estando a
reintrodução dos espécimes atrelado aos procedimentos de produção de mudas e
rustificação em viveiro, seguindo o cronograma de supressão vegetal do projeto.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Resgate de
 
Germoplasma  
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.12.6. Responsabilidades
A coordenação deste programa será de responsabilidade do empreendedor. Poderá ser
realizada em parceria com empresas que atuam neste tipo de atividade.

8.12.7. Resultados esperados


Resgate de sementes e mudas de espécies vegetais nativas nas áreas de supressão do
projeto com vistas à sua utilização para auxiliar nas ações de recuperação florestal de áreas
degradadas, visando assim preservar a herança genética da flora local.

ARCADIS logos 170


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.13. Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD)

8.13.1. Justificativa
Para a implantação do empreendimento, faz-se necessária a intervenção para implantação
de estruturas de apoio às obras e aberturas de acessos internos, o que deverá promover
alterações significativas no uso original das terras pela cumulatividade e pelo sinergismo dos
seguintes fatores impactantes: (a) Execução da limpeza do terreno (com eliminação da
vegetação porventura existente e do nível de solo orgânico e fértil); (b) Cortes e aterros,
implicando na modificação do sistema de drenagem natural (superficial e/ou subterrânea).

8.13.2. Objetivo
 Estabelecer diretrizes para a recuperação das áreas alteradas pelas obras na ADA, que
inclui áreas de apoio, bem como Áreas de Preservação Permanente (APPs), visando
proporcionar a readequação ou melhoria das condições paisagísticas e da drenagem pré-
existentes, por meio de ações de reabilitação ambiental;
 Promover o uso de práticas de conservação do solo; controlar processos erosivos e
instabilizações de encostas, por meio de ações preventivas, de monitoramento e
corretivas;
 Estabelecer diretrizes para revegetação de áreas degradadas nas diferentes
fitofisionomias percorridas;
 Promover o reaproveitamento do material proveniente do resgate de plântulas e
sementes, a ser executado durante as atividades propostas no Programa de Resgate de
Germoplasma.

8.13.3. Abrangência e Público-Alvo


O programa aqui proposto está relacionado à Área Diretamente Afetada (ADA) do
empreendimento.

O público-alvo será os colaboradores tanto da Anglo quanto de empresas terceirizadas, além


da(s) equipe(s) de meio ambiente que estará(ão) frente ao programa na sua execução e
gestão.

8.13.4. Síntese das Principais Atividades


Abaixo encontra-se uma síntese das atividades principais a serem desenvolvidas no bojo do
presente Programa:

 Diretrizes de ações precedentes à recuperação das áreas degradadas, a exemplo


daquelas citadas no Programa de Monitoramento e Controle de Processos Erosivos e
Movimentos de Massa e no Programa de Recomposição Florestal;
 Prever a aplicação de ações de caráter mitigador e implantação de técnicas de
engenharia ambiental para a recuperação de áreas onde o solo encontra-se exposto,
como taludes concluídos;
 Implantação de sistemas de drenagem devidamente dimensionados;
 Atividades de revegetação de taludes e de estruturas desativadas;
 Indicação e seleção de espécies para o plantio e definição do tipo de plantio;

ARCADIS logos 171


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Produção/aquisição de mudas;
 Seleção final das áreas a serem recuperadas, com base em vistoria em campo e
negociação com proprietários;
 Reafeiçoamento dos terrenos das áreas desmobilizadas;
 Recuperação da cobertura vegetal, conforme as seguintes atividades: definição de época
de plantio; preparo do terreno; alinhamento, marcação e preparo de covas; distribuição
das espécies; plantio; coroamento; tutoramento; irrigação; manutenção; replantio;
aplicação posterior de insumos; controle de espécies-problema; controle de doenças e
pragas;
 Atividades de enriquecimento e adensamento de áreas com espécies vegetais nativas.

8.13.5. Cronograma
Este programa deverá ser implementado na fase de implantação a medida que áreas de
apoio forem sendo desativadas e que taludes forem sendo concluídos, se estendo para a
fase de operação e perdurando também na fase de desativação.

Fases do Empreendimento
Diretrizes/Ações
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Recuperação de
Áreas Degradadas (PRAD )   

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.13.6. Responsabilidades
A execução deste programa será de responsabilidade do empreendedor. Poderá ser
realizada em parceria com empresas que atuam neste tipo de atividade, caso haja interesse.

8.13.7. Resultados Esperados


Espera-se com este Programa monitorar e garantir a recuperação de áreas degradadas tanto
dentro da área do empreendimento como no seu entorno direto, visando a estabilidade e
cobertura de terrenos, e recuperação de áreas degradadas com uso de espécies florestais
nativas previsto nos programas de Resgate de Germoplasma e Recomposição Florestal.

8.14. Programa de Recomposição Florestal

8.14.1. Justificativa
Por meio da Lei Federal nº 11.428/ 2006, Lei Estadual nº 20.922 de 16 de outubro de 2013,
da Portaria do IEF nº 99/2013 e da Resolução do CONAMA nº 369/06, deverá ser promovida
a recomposição florestal da vegetação nativa a ser suprimida e das intervenções em Áreas
de Preservação Permanente – APPs pelo empreendimento. A recomposição florestal deverá
dar ênfase à recomposição de APPs e formação de corredores ecológicos na AID do
empreendimento, ou em áreas prioritárias para conservação da biodiversidade.

ARCADIS logos 172


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Conforme apresentado anteriormente, está prevista a supressão de 94,6 ha de vegetação


nativa na ADA (sendo que 26,82 ha correspondem à Floresta Estacional Semidecidual - FES,
em estágios sucessionais inicial e médio de regeneração, localizados em APPs na ADA).
Além disso, deverá haver ainda intervenção sobre 4,49 ha de APPs localizadas na ADA que
são atualmente recobertas de pasto e pasto sujo. Desta forma, a demanda por recuperação
florestal nativa total por supressão de vegetação nativa e intervenção em APPs será de 99,09
ha, sendo que ao menos 31,31 ha de florestas deverão ser recompostas em APPs, e o
restante podendo ser em APPs e/ou em áreas degradadas com ênfase em formação de
corredores ecológicos e regularização ambiental das propriedades do empreendedor.

O Programa de Recomposição Florestal atuará de forma complementar ao Programa de


Recuperação de Áreas Degradadas, ao Programa de Resgate de Germoplasma e Programa
de Controle de Supressão Vegetal.

8.14.2. Objetivo
Atender as exigências da legislação ambiental vigente, e promover a recomposição florestal
nativa na AID na mesma quantia de vegetação nativa que deverá ser suprimida e das
intervenções a serem realizadas em APPs pelo empreendimento. Visa desta forma promover
o balanço ambiental destas intervenções através da recomposição da vegetação nativa de
ambientes na AID, buscando o estabelecimento de conectividade entre ambientes
significativos e criando novos habitats, e incrementando a capacidade de suporte local para a
fauna e flora.

8.14.3. Abrangência e Público-Alvo


As ações previstas para esse programa devem ocorrer prioritariamente na ADA e AID do
empreendimento, abrangendo áreas desprovidas de vegetação nas APPs e com potencial de
formação de corredores ecológicos, preferencialmente ao longo dos afluentes de margem
direita do córrego Siqueira.

8.14.4. Síntese das Principais Atividades


Deverão ser recompostos um total de 99,09 ha com vegetação nativa predominantemente
florestal (priorizando as fitofisionomias levantadas neste diagnostico ambiental), sendo que
ao menos 31,31 ha de formações deverão ser recompostas em APPs, e o restante podendo
ser em APPs e/ou em áreas degradadas com ênfase em formação de corredores ecológicos
e regularização ambiental das propriedades do empreendedor. Deve-se priorizar a
recomposição de APPs ao longo dos afluentes de margem direita do córrego Siqueira,
visando garantir a disponibilidade hídrica para este curso d’água central da AID.

As ações de recomposição deverão seguir as exigências estipuladas na legislação ambiental


vigente, atender as demandas das condições ambientais locais de cada área a ser
recuperada (condições de solo, umidade, uso existente, fatores de degradação etc.) e
engajar os proprietários de terra destas áreas para garantir o sucesso do processo de
recuperação ambiental.

A recuperação de áreas deverá seguir as seguintes ações, entre outras: seleção e


demarcação das áreas alvo, com base em vistoria em campo e negociação com proprietários;
reconformação de áreas; recomposição da camada de solo orgânico; amostragens e

ARCADIS logos 173


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

correções de solos; definição das estratégias de recuperação; seleção de espécies nativas da


região para revegetação; produção/aquisição de mudas; isolamento da área de fatores de
degradação (sempre que necessário); plantio de mudas e atividades de enriquecimento e
adensamento; e finalmente ações de monitoramento e controle para garantir o sucesso das
ações de recomposição vegetal (replantio, irrigação, roçadas e coroamentos, controle de
formigas, adubação de cobertura etc.).

É importante salientar que todos os plantios devem ser realizados exclusivamente com
espécies nativas da região, de forma a evitar efeitos negativos associados à introdução de
espécies exóticas nas áreas alvo.

8.14.5. Cronograma
Estas ações deverão ser implementadas durante todo o curso das obras, incluindo assim a
fase de implantação, sendo que as atividades de monitoramento podem adentrar a fase de
operação.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Recomposição
 
Florestal  
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.14.6. Responsabilidades
A coordenação deste programa será de responsabilidade do empreendedor. Poderá ser
realizada em parceria com empresas que atuam neste tipo de atividade, caso haja interesse,
sendo obrigadas a seguir as ações aqui recomendadas, bem como a legislação ambiental e
trabalhista.

8.14.7. Resultados esperados


Implantação de diferentes estratégias para proteção e recuperação ambiental das APPs no
entorno do empreendimento, tornando-as assim ambientalmente adequadas. Espera-se
ainda a reposição das áreas suprimidas para manutenção, e eventual incremento, da
cobertura vegetal nativa da AID do empreendimento.

8.15. Programa de Compensação Florestal

8.15.1. Justificativa
Para implantação do empreendimento em tela, conforme já apresentado, está prevista a
supressão de 94,6 ha de vegetação nativa, incluindo as fitofisionomias de Floresta Estacional
Semidecidual em estágios inicial e médio de regeneração, Cerrado e Vegetação Rupícola
Montana.

O Programa de Compensação Florestal terá o intuito de atender a legislação estadual que,


por meio da Portaria do IEF 90/2014 e do Art. 75 da Lei estadual nº 20.922, determina a
regularização fundiária e a implantação de Unidade de Conservação de Proteção Integral, de

ARCADIS logos 174


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

área igual à extensão de vegetação nativa suprimida pelas atividades de implantação do


empreendimento minerário, independentemente das demais compensações previstas em lei.

8.15.2. Objetivo
Atender à legislação ambiental vigente pela doação de áreas cobertas com vegetação nativa
ao Poder Publico, como medida compensatória pela supressão de vegetação nativa a ser
realizada para implantação do empreendimento.

8.15.3. Abrangência e Público-Alvo


Compõe o público-alvo deste Programa os órgãos ambientais estaduais e municipais, o
empreendedor e os proprietários de terrenos situados em áreas próximas às UCs, dentre
outras instituições ambientais.

8.15.4. Síntese das Principais Atividades


As atividades são estabelecidas pela Portaria 90/2014, conforme abaixo:

Art. 2º - A compensação florestal a que se refere o art. 75 da Lei Estadual nº


20.922/2013 implica na adoção das seguintes medidas por parte do
empreendedor:

I - Destinação, mediante doação ao Poder Público, de área no mínimo


equivalente à extensão da área de vegetação nativa suprimida para a
implantação do empreendimento, extração do bem mineral, construção de
estradas, construções diversas, beneficiamento ou estocagem, embarque e
outras finalidades, desde que localizada no interior de Unidade de
Conservação de Proteção Integral pendente de regularização fundiária;

II - Destinação, mediante doação ao Poder Público, de área no mínimo


equivalente à extensão da área de vegetação nativa suprimida para a
implantação do empreendimento, extração do bem mineral, construção de
estradas, construções diversas, beneficiamento ou estocagem, embarque e
outras finalidades, desde que considerada de relevante interesse ambiental
para a criação de Unidade de Conservação de proteção integral pelo Estado
de Minas Gerais,

III - Destinação, mediante doação ao Poder Público, de área no mínimo


equivalente à extensão da área de vegetação nativa suprimida para a
implantação do empreendimento, extração do bem mineral, construção de
estradas, construções diversas, beneficiamento ou estocagem, embarque e
outras finalidades, desde que contígua à Unidade de Conservação de
proteção integral já existente e desde que considerada como de relevante
interesse ambiental para a ampliação da Unidade de Conservação pelo
Estado de Minas Gerais,

§ 1º – Nas hipóteses previstas nos incisos acima o empreendedor deverá


adquirir a(s) área(s) para consequente doação ao Poder Público, mediante
registro da Escritura Pública de Doação perante o Cartório de Registro de
Imóveis Competente.

§ 2º - Na hipótese prevista no inciso II, além da aquisição da área e


conseqüente doação para o Estado, o empreendedor deverá garantir a
implantação de estrutura mínima necessária à gestão da Unidade de

ARCADIS logos 175


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Conservação a ser criada, assim entendida como construção de portaria de


acesso e sede administrativa.

Salienta-se que caso haja alterações nas exigências legais, esse programa deverá ser
revisto.

8.15.5. Cronograma
Estas ações deverão ser implementadas durante a fase de implantação e operação do
empreendimento.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Compensação
 
Florestal  
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.15.6. Responsabilidades
A aplicação e coordenação deste programa serão de responsabilidade do empreendedor, em
parceria com o IEF ou responsável pela UC que será alvo da compensação.

8.15.7. Resultados esperados


Regularização fundiária e proteção de áreas cobertas com vegetação nativa relevantes para
manutenção da biodiversidade, em igual tamanho à área total de vegetação nativa a ser
suprimida pelo Projeto Serro.

8.16. Programa de Regularização de Reserva Legal

8.16.1. Justificativa
A necessidade da delimitação e regularização das reservas legais de imóveis de
propriedades rurais se remete inicialmente à Lei Federal n° 12.651/2012 que institui o novo
Código Florestal Brasileiro. Em Minas Gerais, a reserva legal é regulamentada a partir da Lei
nº 20.922/13, que dispõe sobre as políticas florestais e de proteção à biodiversidade no
estado.

A adesão ao Cadastro Ambiental Rural - CAR tornou-se obrigatória conforme Decreto Federal
nº 7.830/2012 e o registro tem como finalidade integrar as informações ambientais das
propriedades e posses rurais, compondo base de dados para controle, monitoramento,
planejamento ambiental e econômico e combate ao desmatamento.

8.16.2. Objetivo
Identificar os imóveis rurais do empreendedor para definir áreas de reserva legal e promover
as ações necessárias para seu cadastramento no CAR visando sua regularização, além de
fomentar os proprietários de terra eventualmente vinculados ao empreendimento a
procederem da mesma forma.

ARCADIS logos 176


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.16.3. Abrangência e Público-Alvo


Todas as propriedades rurais pertencentes ao empreendedor e proprietários de terra
vinculados ao empreendimento.

8.16.4. Síntese das Principais Atividades


 Reunir informações básicas acerca do uso e ocupação do solo existente nas
propriedades rurais do empreendedor, identificando a sua situação ambiental e fundiária;
 Levantamento de informações georreferenciadas dos imóveis do empreendedor;
 Elaborar uma proposta de diretrizes e recomendações para os procedimentos de
regularização ambiental das propriedades, principalmente no que diz respeito à reserva
legal;
 Escolha adequada das áreas que serão definidas como reserva legal e cadastramento no
CAR;
 Ações de educação ambiental e fomento de regularização ambiental das propriedades
vizinhas diretamente relacionadas ao emopreendimento.

8.16.5. Cronograma
Fases do Empreendimento
Diretrizes/Ações
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Regularização de
Reserva Legal

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.16.6. Responsabilidades
A implementação deste programa ficará sobre a responsabilidade do empreendedor e equipe
de gerenciamento ambiental.

8.16.7. Resultados Esperados


Propriedades rurais do empreendedor e vizinhas com CAR realizado e reservas legais
definidas, além do planejamento e inicio de implementação de ações de recuperação florestal
de APPs e áreas degradas com ênfase em formação de corredores ecológicos na paisagem
para preservação da biodiversidade local.

8.17. Programa de Afugentamento e Manejo Eventual de Fauna durante


a Supressão de Vegetação

8.17.1. Justificativa
A intervenção em ambientes naturais derivados da implantação do empreendimento afetará
diretamente ambientes terrestres e aquáticos que abrigam diversas espécies da fauna,
acarretando em um impacto direto sobre indivíduos de fauna que se encontrarem nos locais
de intervenção no momento da supressão vegetal.

ARCADIS logos 177


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

O uso de ferramentas manuais ou de máquinas para a supressão da vegetação, assim como


a própria queda de galhos e troncos, tem o potencial de causar injúrias aos animais que,
eventualmente, não tenham sido afugentados passivamente pela movimentação de
trabalhadores e máquinas, inerente à atividade de supressão da vegetação. Assim, o
Programa de Afugentamento e Manejo Eventual da Fauna durante a Supressão da
Vegetação será executado por equipe especializada no manejo da fauna, visando sempre
prevenir tais acidentes, procedendo, quando necessário, com a captura e soltura dos
animais. No entanto, o principal procedimento a ser adotado com os indivíduos da fauna
deverá ser a vistoria prévia das áreas que sofrerão intervenção, realizando-se o
afugentamento passivo da fauna, sem a necessidade de captura dos indivíduos. Tal
procedimento parte da premissa de que a captura dos indivíduos é uma intervenção brusca
que promove stress e ferimentos nos animais e pessoas. O animal afugentado para áreas
preservadas do entorno, sem a necessidade de manipulação humana, consegue se
recuperar mais facilmente do impacto da perda de habitat pela supressão.

Salienta-se a necessidade de atendimento também à Resolução do CONAMA nº 346/2004,


que demanda resgate e doação dos ninhos de abelhas meliponíneos nesta etapa.

8.17.2. Objetivo
 Minimizar a perda de indivíduos da fauna silvestre em função da supressão vegetal,
notadamente aqueles de locomoção lenta ou restrita;
 Conduzir os animais para os remanescentes que não serão suprimidos e áreas que não
serão terraplanadas;
 Evitar que os animais fujam para áreas a serem alteradas e vias de acesso;
 Permitir o aproveitamento econômico das comunidades melíferas da região, e mitigar as
perdas de biodiversidade associada às abelhas;

8.17.3. Abrangência e Público-Alvo


Este programa será implantado em todas as áreas onde será efetuada a retirada da
cobertura vegetal nativa para a implantação do empreendimento, tendo como público alvo
principal os trabalhadores da empreiteira que farão o desmate e a fauna residente. Além
disso, os produtores de mel da região serão contatados para receber os ninhos removidos da
ADA.

8.17.4. Síntese das Principais Atividades


 Contratação de um responsável técnico, biólogo e/ou veterinário para coordenação e
execução do programa;
 Obtenção da autorização de captura e coleta da fauna em nome do responsável técnico;
 Compra dos materiais e insumos necessários para o afugentamento de fauna;
 Planejamento do afugentamento de fauna juntamente com a equipe responsável pela
supressão de vegetação – definição das rotas de fuga;
 Treinamento da equipe que executará a supressão;
 Busca ativa por indivíduos de locomoção lenta ou difícil, com soltura em áreas onde não
haverá supressão de vegetação;
 Afugentamento da fauna durante a supressão de vegetação;

ARCADIS logos 178


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Resgate e doação dos ninhos de meliponíneos;

8.17.5. Cronograma
As atividades de contratação de equipe, aquisição da autorização de resgate de fauna,
planejamento e treinamento da equipe de manejo da fauna devem anteceder a supressão da
vegetação.

O afugentamento e manejo da fauna deve ser iniciado imediatamente antes da supressão da


vegetação e se estender enquanto tal atividade perdurar.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Afugentamento e
Manejo de Fauna durante a  
Supressão de Vegetação
 

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.17.6. Responsabilidades
O empreendedor é responsável pela implantação, coordenação e manutenção deste
programa.

8.17.7. Resultados Esperados


Com este Programa busca-se reduzir a perda de indivíduos da fauna terrestre durante a
supressão de vegetação e também orientar a fuga dos animais, para que estes sejam
direcionados aos remanescentes de vegetação do entorno que não serão suprimidos,
evitando ainda atropelamentos nas vias de acesso, fuga de animais para as propriedades do
entorno.

8.18. Programa de Conservação e Monitoramento de Fauna Silvestre

8.18.1. Justificativa
A estrutura e função das comunidades faunísticas são definidas pela interação de diversos
fatores, naturais e artificiais, diretos e indiretos, tornando difícil a identificação, mensuração e
controle do impacto que altera tal dinâmica.

O monitoramento da fauna pode auxiliar a compreensão das possíveis consequências das


atividades antrópicas a serem desenvolvidas durante a implantação e a vida útil do
empreendimento, além de fornecer subsídios para a definição das medidas mais adequadas
de mitigação do impacto de alteração da comunidade e a identificação da qualidade e
eficiência das medidas implantadas. Soma-se a isso a produção de novos dados sobre as
comunidades locais.

Para a implantação do empreendimento serão necessárias a supressão de vegetação nativa


e a limpeza da área diretamente afetada, que se encontra fragmentada, formada por um

ARCADIS logos 179


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

mosaico das fisionomias características dos Biomas Mata Atlântica e Cerrado, onde são
identificados sinais de extrativismo vegetal e presença de gado.

A fragmentação de habitas inviabiliza a manutenção das dinâmicas naturais das


comunidades residentes, devido à perda de habitat e/ou comprometimento do nicho. A
mitigação deste impacto está condicionada à capacidade suporte dos remanescentes do
entorno e ações de recuperação ambiental previstas nos demais programas aqui propostos.
Alguns dos fragmentos vegetais existentes na região são extensos e podem fornecer abrigo e
alimento, além de atuarem como corredores para o deslocamento da fauna entre a AID e AII,
mas estes não estão ligados diretamente à ADA. Muitas das espécies registradas nos
levantamentos do EIA (dados primários e secundários) podem ser consideradas dependentes
de ambientes florestais e, no caso de algumas espécies de anfíbios, roedores e aves, a
fragmentação florestal pode ilhar as comunidades, que não atravessam grandes áreas
abertas. Havendo, portanto, a necessidade de estabelecer corredores de dispersão para a
fauna.

Além disso, implantação do empreendimento demandará um grande aumento no fluxo de


veículos na ADA durante as fases de implantação e operação, com isso, os riscos de
atropelamentos de animais silvestres tende a aumentar. Ao se deslocarem, muitos espécimes
podem utilizar as estradas, áreas dos canteiros e alojamentos para a dispersão e abrigo,
tornam-se vulneráveis, especialmente indivíduos que costumam se deslocar bastante pelo
solo, como os répteis e os mamíferos não voadores, facilitando a sua captura por predadores
naturais e por pessoas. Salienta-se que, os atropelamentos de fauna na MG10 já são
recorrentes, devido à intensa movimentação associada à mina do Sapo e regiões turísticas
vinculadas à Estrada Real (Diamantina, Milho Verde, Pico do Itambé, Alvorada de Minas,
etc.). Com a implantação da Mina do Serro é provável que haja um aumento dos registros e
com isso, a pressão exercida sobre a fauna tende a ser aumentada caso não haja medidas
de controle.

No que diz respeito à fragilidade da fauna, foram registradas para a AID e ADA 38 espécies
de anfíbios, 15 de répteis, 237 de aves, 8 espécies de mamíferos de pequeno porte e 12 de
mamíferos médio e grande porte. Dessas, a Ischnocnema izecksohni (perereca-de-folhiço),
Tantilla boipiranga (serpente) Aratinga auricapillus (Jandaia-da-testa-vermelha), Sporophila
frontalis (pixoxó), Leopardus tigrinus (gato-do-mato), Leopardus pardalis (jaguatirica) e Lontra
longicaudis (Lontra), estão classificadas em alguma categoria de ameaça segundo as listas
de animais ameaçados de extinção estadual (COPAM, 2010), nacional (MACHADO et al.,
2008) e mundial (IUCN, 2014).

Salienta-se ainda, o registro de quatro espécies de anfíbios anuros novas para a ciência, cujo
ambiente de registro será, direta ou indiretamente, alterado pela implantação do
empreendimento. Necessitando, portanto de ações que permitam o conhecimento da
distribuição das espécies na região, sua biologia e outras informações que possibilitem a
proposição de medidas de manejo.

8.18.2. Objetivos
Este programa propõe ressaltar a interação extremamente relevante e necessária das ações
de resgate, monitoramento e conservação da fauna terrestre, visando à verificação dos
impactos previstos durante o estudo ambiental, à confirmação da necessidade de

ARCADIS logos 180


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

implantação das medidas propostas, à medição da eficácia das medidas implantadas e à


sugestão de novas medidas, quando for necessário.

8.18.3. Abrangência e Público-Alvo


Serão alvos potenciais deste programa preferencialmente áreas degradadas no entorno da
ADA, áreas na AID onde haja remanescentes de vegetação nativa, bem como áreas onde
não há previsão de ocorrência de alterações das comunidades da fauna terrestre por
consequência da implantação do empreendimento e que serão utilizadas como áreas-
controle para este programa, as principais vias de acesso ao empreendimento e a MG-10.

8.18.4. Síntese das Principais Atividades


 Coordenar as ações de gestão ambiental do empreendimento no que se refere ao tema
fauna terrestre.
 Implementar programa de monitoramento visando avaliar as alterações nas comunidades
faunísticas terrestres em decorrência do empreendimento (grupos/espécies-chave e
dípteros vetores);
 Implementar medidas para mitigar os impactos causados à fauna pela implantação e
operação do empreendimento, e medir sua eficiência (em especial no que tange aos
dípteros vetores);
 Implementar medidas educacionais junto aos colaboradores sobre a importância da fauna
existente, minimizando a caça e xerimbabo.
 Monitorar os atropelamentos da fauna e propor medidas que minimizem esse impacto;
 Auxiliar e fomentar as ações de formação de corredores ecológicos, conectando os
fragmentos da AID, a partir de ações como recuperação de áreas degradadas, plantio de
mudas e outras ações, já previstas nos demais programas aqui apresentados.
 Realizar diagnóstico regional complementar da anurofauna visando verificar a distribuição
das espécies novas para a ciência registradas no presente estudo;
 Elaboração de relatórios conclusivos a serem publicados, visando fomentar o
conhecimento sobre as espécies novas, sobre os riscos de atropelamento de fauna em
rodovias e favorecer ações futuras de conservação e manejo da fauna;

8.18.5. Cronograma
As atividades de: contratação de equipe, aquisição da autorização de manejo de fauna,
planejamento, treinamento da equipe de fauna e execução das duas primeiras campanhas de
monitoramento da fauna e de estradas serão implementadas antes da supressão da
vegetação.

O monitoramento da fauna deverá perdurar até os primeiros anos da operação e as ações de


monitoramento de estradas deverão devem continuar até a desativação do empreendimento.

A criação de corredores, por sua vez, deve ter início preferencialmente após o resgate de
germoplasma, previsto no Programa de Resgate de Germoplasma Vegetal, visando o
aproveitamento de espécies nativas para o estabelecimento dos corredores e ser finalizado
antes do início da operação do empreendimento. Os levantamentos para os diagnóstico
regional complementar da anurofauna deverá ter início antes das atividades de supressão e
contemplar duas sazonalidades distintas.

ARCADIS logos 181


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Conservação e
Monitoramento de Fauna
   

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.18.6. Responsabilidades
O empreendedor é responsável pela implantação, coordenação e manutenção deste
programa.

8.18.7. Resultados esperados


Por meio da execução do Monitoramento da Fauna, espera-se verificar eventuais alterações
nas comunidades faunísticas do entorno em decorrência da implantação e operação do
empreendimento, bem como verificar a eficácia das medidas de controle e mitigação a serem
implantadas, principalmente no que diz respeito às medidas de prevenção de epidemias
associadas a dípteros vetores.

Como resultados do Monitoramento das estradas espera-se realizar avaliação do real


impacto que o empreendimento terá sob o atropelamento de fauna e promover a mitigação
do mesmo.

Além disso, é esperado que por meio do diagnóstico regional complementar da anurofauna,
seja possível conhecer a distribuição, biologia, taxonomia e grau de ameaça das espécies
novas e, por meio destas informações, promover ações de manejo e conservação que
permitam a preservação destas espécies, além de fomentar essas informações no universo
científico.

8.19. Programa de Monitoramento da Biota Aquática

8.19.1. Justificativa
Nas fases de implantação, operação e desativação do Projeto Serro poderão ocorrer
alterações nas comunidades planctônica (fitoplâncton e zooplâncton) e bentônica em função
do aporte de cargas difusas (sólidos, nutrientes e metais) e pontuais (resíduos sólidos e
efluentes líquidos e oleosos).

O aporte de sólidos, nutrientes e metais para os cursos d’água tenderá a acarretar, no


período chuvoso, em um aumento nos níveis de cor e de turbidez das águas. A elevação da
turbidez promove uma redução na zona eufótica, interferindo diretamente na produtividade
primária do fitoplâncton, com reflexos sobre a comunidade zooplanctônica e os demais elos
da cadeia alimentar aquática. O carreamento de sólidos poderá também promover o
assoreamento dos corpos d’água, afetando diretamente os microhabitats dos invertebrados
bentônicos. Essas alterações favorecem a diminuição ou eliminação de organismos mais
sensíveis e possibilitam a proliferação de seres oportunistas, que são menos exigentes,
podendo resultar em uma menor diversidade de organismos.

ARCADIS logos 182


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Eventuais contaminações das águas por efluentes oleosos podem provocar a morte dos
organismos aquáticos e dificultar a troca gasosa entre a atmosfera e o corpo hídrico. Os
efluentes líquidos domésticos, se alcançarem os recursos hídricos, podem aumentar o teor de
nutrientes na água, favorecendo o desenvolvimento de algumas classes de fitoplâncton,
especialmente Cyanophyceae, que inclui algumas espécies com capacidade de produzir
toxinas. Ressalta-se que como haverá transformação de ambientes lóticos em lênticos em
função da implantação de diques no córrego Siqueira e em um de seus tributários e como os
ambientes lênticos são mais favoráveis ao desenvolvimento do fitoplâncton, especialmente
das cianofíceas, torna-se fundamental o monitoramento destes organismos.

Os métodos biológicos possuem a vantagem, em relação aos parâmetros físicos e químicos,


de não refletir apenas uma situação momentânea, mas exibem as características da história
de um determinado ambiente (MARVAN, 1979). Desta forma, o monitoramento biológico
constitui-se como uma ferramenta na avaliação de respostas das comunidades aquáticas a
modificações nas condições ambientais originais (GOULART & CALLISTO, 2003).

Nesse sentido, o presente Programa de Monitoramento da Biota Aquática visa acompanhar a


evolução das comunidades planctônicas (fitoplâncton e zooplâncton) e de invertebrados
bentônicos. Os resultados obtidos permitirão avaliar os mecanismos de gestão ambiental
adotados na área de influência do empreendimento e indicar ações de controle estratégicas
preventivas e corretivas.

8.19.2. Objetivos
O Programa de Monitoramento da Biota Aquática tem como principal objetivo mensurar e
minimizar as alterações previstas nas comunidades planctônicas e bentônicas, nas fases de
implantação, operação e desativação do empreendimento, subsidiando a adoção de medidas
de controle e a adequada gestão dos recursos hídricos na área de influência do
empreendimento.

8.19.3. Abrangência e público alvo


O Programa de Monitoramento da Biota Aquática tem abrangência local, circunscrita à AID,
priorizando os cursos d’água localizados no entorno das principais estruturas do projeto
passíveis de promoverem alterações no sistema hídrico do Projeto Serro.

O público-alvo compreende principalmente os usuários dos recursos hídricos da sub-bacia do


rio Santo Antônio, especialmente da sub-bacia do córrego Siqueira, bem como o
empreendedor e os órgãos ambientais.

8.19.4. Síntese das Principais Atividades


O Programa de Qualidade da Biota Aquática foi desenvolvido com base nas informações
apresentadas no Diagnóstico Ambiental e na Caracterização do Empreendimento.

A rede de amostragem deverá abranger os principais cursos d’água que drenam a AID e ADA
do empreendimento, contemplando os cursos d’água que drenam a área de estudo,
principalmente o córrego Siqueira.

ARCADIS logos 183


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Deverão ser realizadas análises qualitativas e quantitativas das comunidades fitoplanctônica,


zooplanctônica e zoobentônica. Abaixo estão descritas as principais ações a serem
desenvolvidas:

 Adoção dos procedimentos de coleta e análises conforme definido no Standard Methods


for the Examination of Water and Wastewater 22ª edição (APHA, 2012).
 Contratação preferencial de laboratório acreditado/homologado conforme NBR ABNT
ISO/IEC 17025/2005.
 Anotação, durante as coletas, de informações relevantes sobre os cursos d’água
amostrados e as condições predominantes do entorno, visando dar subsídios à
interpretação dos resultados analíticos. Os registros dos dados de campo deverão ser
realizados em fichas de coleta, contendo no mínimo as seguintes informações:
identificação do ponto, curso d’água, localização geográfica com GPS, data e hora de
coleta, temperatura do ar, condição predominante do tempo e ocorrência de chuva nas
últimas 24 horas. Os trabalhos deverão ser documentados por meio de registro
fotográfico.
 As campanhas de monitoramento da biota aquática deverão ser realizadas
concomitantemente às amostragens da qualidade da água.

O acompanhamento e a avaliação dos resultados serão realizados através da emissão de


relatórios técnicos parciais e consolidados, contendo, no mínimo, introdução, metodologias,
fotografias, localização dos pontos de amostragem, discussão dos resultados e conclusão.
Deverão ser anexados aos relatórios os boletins de análises e a ART do responsável técnico.

8.19.5. Cronograma
Este programa deverá ser iniciado durante a fase de planejamento, com duas campanhas
prévias à fase de implantação do empreendimento, contemplando os períodos de seca e
chuva, de forma a se obter um quadro de referência anterior à inserção do Projeto Serro.
Durante as obras, nos primeiros anos da operação e na fase de desativação serão realizadas
campanhas periódicas.

Fases do Empreendimento
Diretrizes/Ações
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Monitoramento da Biota    


Aquática
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.19.6. Responsabilidades
O empreendedor será responsável pelos recursos materiais a serem direcionados para as
empresas que executarão as ações do Programa de Monitoramento da Biota Aquática.

8.19.7. Resultados esperados


Espera-se mensurar as alterações previstas nas comunidades planctônicas e bentônicas e,
com base nos resultados obtidos, propor medidas mitigadoras e compensatórias.

ARCADIS logos 184


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.20. Programa de Comunicação Social - PCS


O Programa de Comunicação Social (PCS) do Projeto Serro é parte do conjunto dos
Programas Ambientais concebidos no âmbito do EIA/RIMA com vistas ao licenciamento
ambiental desse empreendimento. É pautado em alguns pressupostos básicos:

 a comunicação é fundamental para o esclarecimento e sensibilização da população e


outras partes interessadas quanto ao Projeto Serro;
 a comunicação é essencial para que a população e outras partes interessadas
compreendam o empreendimento e as alterações que a sua chegada acarretará no
cotidiano da região, a durabilidade destas, sua reversibilidade (ou não);
 a comunicação favorece o diálogo, ao levar informações relevantes e de forma
transparente para a comunidade que será impactada pelo empreendimento;
 a comunicação é a melhor ferramenta para o estabelecimento de interface aproximada
entre a Anglo American e a população local para o aproveitamento das oportunidades de
crescimento e desenvolvimento, tanto individuais como comunitárias apresentadas pelo
empreendimento.

As ações a serem implementadas, para transmitir segurança à comunidade envolvida,


deverão ser constantes e ocorrer não apenas para o cumprimento de exigências para o
licenciamento ambiental do empreendimento em questão. Deverão também,
fundamentalmente, buscar uma convivência harmônica com as partes interessadas, de
maneira que os impactos decorrentes do planejamento, implantação, operação e desativação
do empreendimento, devidamente tratados, traduzam-se na garantia da manutenção da
qualidade de vida para a população local e em ganhos de desenvolvimento para o território
onde atua.

Suas ações básicas estão centradas na definição do público e dos meios para que a
comunicação entre empreendedor e as partes interessadas se estabeleça. É através do
presente Programa que as informações sobre a natureza, importância estratégica,
implantação, fase e andamento das obras do empreendimento, atividades relativas à sua
operação e desativação e suas implicações ambientais serão compartilhadas.

De modo geral, essas ações permitirão o equacionamento dos possíveis conflitos gerados
pelo empreendimento ao longo de toda sua vida útil e o exercício da cidadania, uma vez que
a divulgação de informações permite uma análise coerente sobre os impactos positivos e
negativos e quais as atitudes a serem tomadas pela população e pelo empreendedor.

Dessa forma, este Programa trata de processos de natureza dinâmica, favorecendo a


participação efetiva dos grupos de interesse envolvidos que têm a possibilidade de participar
e contribuir para o projeto em aspectos específicos da sua natureza e andamento. Com essa
finalidade, o Programa de Comunicação Social procura consolidar as atividades que,
integrando outros Programas Ambientais do Projeto Serro, são caracteristicamente
relacionados a atividades de comunicação.

Em resumo, o PCS é um dos instrumentos que auxiliarão a gestão ambiental do Projeto


Serro, principalmente na interação entre as ações previstas em todos os programas, bem
como na manutenção de um fluxo de comunicação, de forma a identificar os anseios da
população em todos os segmentos afetados pelo empreendimento, dando retorno adequado

ARCADIS logos 185


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

às dúvidas e/ou sugestões de melhoria e promovendo o nivelamento das informações sobre


o empreendimento.

8.20.1. Justificativa
De modo geral, a implantação de empreendimentos de grande porte gera na população e nos
demais atores envolvidos expectativas e inseguranças (reais ou não) que precisam ser
compreendidas e trabalhadas no sentido de esclarecer o que ocorrerá de fato. O Programa
de Comunicação Social deve possuir ferramentas de respostas adequadas e articuladas a
estes anseios por informação. Sua implementação consiste no estabelecimento de um
conjunto de canais de informações e de relacionamento entre o empreendedor e a população
afetada, direta ou indiretamente pelo empreendimento, além do envolvimento das demais
partes interessadas com o Projeto Serro.

8.20.2. Objetivo
Este Programa tem por objetivo geral o estabelecimento de canais de comunicação entre o
empreendedor e as diversas partes e os diversos segmentos envolvidos, informando o
público-alvo sobre o planejamento, implantação, operação e desativação do Projeto Serro,
seus impactos e as respectivas medidas e colocando-se à disposição para um diálogo
continuado. Assim, o PCS caracteriza-se por sua natureza preventiva, significando o
estabelecimento de espaços para apresentação e troca de informações, incentivando a
participação dos diversos segmentos da sociedade.

8.20.3. Público-Alvo/ Área de Abrangência


O Programa de Comunicação Social deverá atuar no município de Serro em várias frentes
associadas aos diferentes grupos de interesse atuantes na área de influência, assim
segmentados:

 Público Externo - compreendida pelos atores institucionais e moradores que vivem na


área de influência direta e indireta do empreendimento;
 Público Interno - formado pelos trabalhadores do empreendimento e colaboradores;

8.20.4. Síntese das Principais Atividades


A abordagem aqui proposta está centrada no reconhecimento da diversidade e pluralidade
cultural, buscando contextualizar todas as ações e atividades previstas. É importante
destacar que o reconhecimento da pluralidade e da diversidade cultural são condições para o
exercício da cidadania e para a participação social, pois, na medida em que os grupos sociais
constroem e atualizam no cotidiano suas referências e suas condições de sobrevivência,
delimitam suas identidades ou conjunto de referências sociais.

Serão construídas formas de comunicação/diálogo inerentes aos processos de planejamento,


de implantação, de operação e de desativação, com três linhas de ação, a saber:

 relacionamento com os públicos institucionais no repasse de informações sobre o


empreendimento, divulgando as ações aos órgãos do poder público local e junto aos
organismos não governamentais, agentes políticos, entidades representativas da
sociedade civil, entidades de classe, comunidade técnica e científica e a população em
geral;

ARCADIS logos 186


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 repassar à população da ADA e AID, informações permanentes em consonância com as


frentes de trabalho e com as atividades de cada fase do empreendimento; diminuir
dúvidas, denunciar problemas com interferência das obras e das atividades operacionais
e de descomissionamento, segurança e outros;
 desenvolver junto aos trabalhadores envolvidos nas diferentes fases do empreendimento,
atividades de comunicação social para a informação de todo o corpo funcional e
colaboradores em geral quanto à necessidade da conservação ambiental e respeito aos
grupos sociais pertencentes à ADA e AID.

Deverão ser elaborados materiais informativos sem periodicidade definida que serão
utilizados para levar informações para a população da ADA e AID sempre que houver fatos
que justifiquem as suas divulgações, tais como:

 oportunidades de emprego oferecidas;


 informações referentes às fases do empreendimento (normas e políticas sociais e
ambientais adotadas; informações sobre as obras; esclarecimentos sobre insumos e
utilidades necessários à produção, impactos sociais e ambientais;
 condução dos programas ambientais em execução e ao esclarecimento das principais
dúvidas da comunidade local;
 Comunicar previamente os moradores locais quando da ocorrência de atividades de
maiores incômodos.

De forma a garantir o maior contingente da população local informado, os materiais


informativos deverão ser variados, tais como:

 Publicações impressas: cartilhas, artigos, manuais e boletins informativos;


 Anúncios em rádios locais, ou por meio de publicidade móvel (carros de som).

Ainda deverão ser realizadas reuniões de comunicação junto à população de Serro e


instituições governamentais e não governamentais, onde se julgar conveniente, elucidando-
se aspectos não suficientemente claros para as instituições e para a população, podendo se
dar nas instituições, comunidades ou em locais que facilitem a participação dos públicos em
questão.

Propõe-se um monitoramento permanente das ações desenvolvidas, tornando possível


avaliar a eficácia das ações de comunicação por meio de relatórios, gráficos e tabelas (banco
de dados) elaborados periodicamente a respeito de:

 Nível de Participações: monitoramento do número de pessoas que tiveram acesso ao


conteúdo do programa através da aplicação de lista de presenças; (ii) assiduidade nas
reuniões, palestras.
 Registro de solicitações de informações/ sugestões;
 Registro de solicitações de informações atendidas.

Esse monitoramento objetiva avaliar as ações do PCS e conhecer a eficácia das ações de
comunicação implementadas. Tem como objetivos específicos levantar: i) quais as ações
mais eficazes quanto ao alcance junto à comunidade; ii) que tipo de informação está sendo
absorvida; iii) aceitação e rejeição dos meios/veículos utilizados; iv) sugestões.

ARCADIS logos 187


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.20.5. Cronograma
O Programa deverá ser implementado de maneira contínua desde a fase de planejamento,
incluindo a fase de implantação, operação e desativação.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Comunicação Social    


Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.20.6. Responsabilidades
Caberá ao empreendedor a responsabilidade pelo Programa de Comunicação Social.

8.20.7. Resultados Esperados


Com a implementação do Programa de Comunicação Social espera-se o estabelecimento e
manutenção de canais de comunicação entre o empreendedor e os diversos segmentos
envolvidos, informando o público-alvo sobre projeto, planejamento, obras, operação e
desativação, seus impactos e as medidas adotadas e colocando o empreendedor à
disposição para um diálogo continuado.

8.21. Programa de Educação Ambiental - PEA

8.21.1. Justificativa
O Programa de Educação Ambiental (PEA) é entendido como um instrumento para a
sensibilização ambiental que busca a mudança de comportamento e atitudes em relação ao
meio ambiente, no qual a comunidade atua para a melhoria de suas condições de vida.
Dessa forma, “entende-se por Educação Ambiental os processos por meio dos quais o
indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e
competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo,
essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade” (Lei Federal nº 9.795/99 - Art. 1°).

Conforme determina a Política Nacional de Educação Ambiental (Lei 9.795/99) e o Decreto


4.281/02 que a regulamenta, as ações deste programa são importantes instrumentos para a
implementação de quaisquer empreendimentos que, de alguma forma, afetem o meio
ambiente e, por consequência, a qualidade de vida das populações.

Nesse contexto, a educação ambiental busca desenvolver cidadãos que reconheçam a


estreita relação entre a sociedade e o meio que a cerca, com uma postura ativa na busca de
soluções para os problemas atuais e futuros.

O presente Programa foi concebido considerando as necessidades identificadas nas etapas


de diagnóstico ambiental e de avaliação de impacto ambiental do Projeto Serro, frente às
alterações previstas para sua área de inserção. Com isso, o empreendedor – Anglo American
- atuará como um ator envolvido no processo educativo da população que reside na região,

ARCADIS logos 188


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

não apenas difundindo informações, mas contribuindo para o seu processo de educação
ambiental formal e não formal.

Esse PEA tem como princípio promover o desenvolvimento de conhecimento, de atitudes e


de habilidades necessárias à preservação e melhoria da qualidade ambiental.

Este Programa, como está concebido, atende aos requisitos legais expressos na Lei nº 6.938
de 31/08/81 e aos Decretos 99.274/90 e 6.101/07.

Quanto às exigências e determinações legais que orientam e definem a Educação Ambiental


e sua prática no Brasil, o Programa atende à Lei Federal nº 9.795, de 27/04/99 e ao Decreto
nº 4.281/2002.

8.21.2. Objetivo
O PEA busca promover a disseminação de conhecimentos relativos aos aspectos ambientais
envolvidos no Projeto Serro e socioambientais da região de implantação do projeto e
também:

 Mobilizar e sensibilizar os trabalhadores direta e indiretamente envolvidos nas diferentes


fases do empreendimento, a comunidade escolar e as comunidades próximas ao
empreendimento em relação às questões ambientais;
 Formar agentes multiplicadores capazes de disseminar os conhecimentos, habilidades e
valores apreendidos para seus pares, possibilitando o desenvolvimento contínuo e
permanente da educação ambiental;
 Incentivar a prática de atitudes responsáveis na empresa e no cotidiano dos
trabalhadores e terceirizados, expandindo essas práticas para suas famílias;
 Trabalhar as questões relacionadas à propagação de doenças infectocontagiosas,
parasitárias e crônicas; a possibilidade de aumento de conflitos sociais e violência e a
pressão sobre os equipamentos e serviços públicos.

8.21.3. Abrangência e Público-Alvo


O Programa de Educação Ambiental compreenderá o município de Serro, Área de Influência
Direta (AID) do Projeto Serro.

O público-alvo deste PEA é composto pelos:

 Publico Interno - Trabalhadores e contratados envolvidos nas diferentes fases do Projeto


Serro.
 Público Externo - Grupos sociais da área de influência do empreendimento, considerando
a comunidade escolar das escolas, a serem definidas, no município de Serro e
moradores e representantes da comunidade de Floriano e propriedades rurais vizinhas.

8.21.4. Síntese das Principais Atividades


Buscando seguir a premissa de que o PEA deve ser aderente à realidade local e de seu
público-alvo, deve-se considerar no planejamento de suas atividades uma etapa de
levantamento dos interesses, expectativas e prioridades de seus diferentes públicos-alvo, por
meio de um diagnóstico socioambiental participativo,, para então se definir quais os temas a

ARCADIS logos 189


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

serem trabalhados nas atividades de educação ambiental e quais os melhores métodos de


trabalho/aplicação da atividade.

A seguir são apresentadas sugestões de temas a serem trabalhados por público.

Público interno (trabalhadores e contratados):

 Processo de licenciamento ambiental do empreendimento e apresentação das normas


ambientais que devem ser seguidas pelos trabalhadores e terceirizados;
 Normas/ Formas de convivência respeitosa entre pessoas “diferentes”, de culturas
diversas, assim como o respeito às tradições e hábitos locais;
 Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs);
 Conservação do meio ambiente (redução da geração e descarte correto de resíduos,
flora, fauna, água etc.);
 Combate à exploração sexual de crianças e adolescentes;
 Procedimentos adequados de higiene e limpeza do ambiente de trabalho (disposição do
lixo, tratamento sanitário etc.).

Público externo (comunidade escolar e comunidades próximas ao empreendimento):

 Identificação dos problemas socioambientais enfrentados pela localidade e/ou município


e plano de ação para solucioná-los estimulando a cidadania (diagnóstico socioambiental
participativo);
 Disseminação de conceitos básicos e cuidados com o meio ambiente (redução da
geração e descarte correto de resíduos, flora, fauna, água etc.);
 Prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).
 Campanhas de conscientização e combate à violência e à intolerância. Devem ser
abordados diferentes temas como: bullying; pedofilia; intolerância religiosa; violência
contra mulheres; racismo e homofobia.

Deverão ser estabelecidas parcerias com a rede de ensino público e com organizações da
sociedade civil que atuem na região e que desenvolvam trabalhos na área de educação
ambiental.

Sugere-se como materiais e métodos a implementação de palestras ilustrativas e interativas,


jogos e dinâmicas. Para o desenvolvimento do programa, algumas atividades e recursos
necessários à execução de suas atividades serão: elaboração e distribuição de folders,
cartilhas, materiais de apresentação como painéis, power point, aluguel de espaços etc.

Dentre os possíveis indicadores do programa destaca-se:

 Nivel de Participação, com o i) monitoramento do número de pessoas que tiveram acesso


ao conteúdo do programa através da aplicação de lista de presenças; (ii) assiduidade nas
palestras e treinamento; (iii) grau de entendimento do público-alvo do PEA, aliados à
aplicação de questionários de avaliação aos participantes, que propiciarão a avaliação da
eficácia das ações descritas no Programa em reuniões periódicas entre equipe executora
e empreendedor.

ARCADIS logos 190


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.21.5. Cronograma
As ações do Programa de Educação Ambiental deverão ser implementadas durante toda a
vida útil do empreendimento.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Educação Ambiental   



Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.21.6. Responsabilidades
A implementação desse Programa de Educação Ambiental é de responsabilidade do
empreendedor.

8.21.7. Resultados Esperados


Com a implementação das ações previstas espera-se alcançar uma mudança de
comportamento e atitude em relação ao meio ambiente, no qual o público-alvo aqui definido
tem poder de atuação, visando à melhoria de suas condições de vida e da qualidade
ambiental da região.

8.22. Programa de Gestão da Mão de Obra

8.22.1. Justificativa
O Programa de Gestão da Mão de Obra (PGMO) do Projeto Serro consiste nas diretrizes,
atividades e procedimentos que visam o atendimento às demandas por mão de obra
necessária às fases de implantação e operação do empreendimento, desde o recrutamento e
seleção de pessoal, passando por treinamento até sua desmobilização e encaminhamento
para recolocação no mercado de trabalho.

A principal diretriz para contratação de mão de obra, tanto para as obras civis da fase de
implantação do empreendimento, como para a fase de operação, considerados os requisitos
de qualificação requeridos pelos empreendedores, será a contratação do maior número
possível de mão de obra local, preferencialmente proveniente do município de Serro, a
depender da oferta de mão de obra disponível adequada aos postos de trabalho no momento
da contratação.

O Programa de Gestão da Mão de Obra divide-se em três subitens: i) recrutamento e seleção


ii) treinamento dos trabalhadores; iii) desmobilização da mão de obra.

8.22.2. Objetivos
Os principais objetivos deste programa são: i) possibilitar o máximo aproveitamento da oferta
local de trabalhadores, em especial durante a implantação do empreendimento, ii) buscar a
elevação da qualificação profissional dos trabalhadores contratados; iii) executar ações
voltadas à orientação profissional , e iv) contribuir com uma melhor colocação no mercado de
trabalho, amenizando as dificuldades inerentes ao processo de desmobilização.

ARCADIS logos 191


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.22.3. Abrangência e Público-Alvo


O público-alvo deste Programa é constituído pela população em idade economicamente ativa
residente no município de Serro, área de influência direta do empreendimento, sendo o
município também o limite da área de abrangência deste programa.

8.22.4. Síntese das Principais Atividades

A) Recrutamento e Seleção
O recrutamento dos trabalhadores necessários durante as fases de implantação e operação
do empreendimento será realizado conforme as diretrizes de recrutamento e seleção a serem
estabelecidos pelo Anglo American, que deverá ter como principal objetivo a absorção do
maior contingente possível de trabalhadores provenientes do município de Serro e, se
necessário, dos demais municípios da região, sempre considerando a qualificação mínima
requerida ao desempenho de cada função.

A execução dessas diretrizes se fará tanto pelo empreendedor (durante a fase de operação)
como pela(s) construtora(s) contratada(s) para execução das obras da fase de implantação
do empreendimento,

B) Treinamento dos Trabalhadores


Uma vez completados o recrutamento, seleção e contratação de pessoal, deverá dar-se
continuidade à qualificação da mão de obra, de forma mais específica às funções que
efetivamente cada trabalhador contratado irá exercer. As ações de treinamento serão de
responsabilidade de cada contratante [Anglo American e empresa(s) contratada(s)].

Durante a fase de implantação deverão ser ofertados cursos e treinamentos, sobretudo para
os trabalhadores utilizados nesta fase, de forma a possibilitar a contratação destes na fase de
operação, mitigando parte dos transtornos causados pela desmobilização de mão de obra
desta fase. No período final da fase de operação deverão ser ofertados cursos e
treinamentos aos trabalhadores que serão gradativamente desmobilizados, possibilitando a
realocação no mercado de trabalho e o desenvolvimento de atividades alternativas geradoras
de renda.

C) Desmobilização da mão de obra


No fim das fases de implantação e de operação do Projeto Serro a mão de obra será
desmobilizada, parcial e totalmente, de forma gradual. Assim, em ambas as fases o PGMO
deverá amenizar as dificuldades inerentes à desmobilização dos trabalhadores que não
trabalharão mais no Projeto Serro, auxiliando esse contingente a se realocar no mercado de
trabalho.

Assim, além dos cursos e treinamentos citados no item anterior, deverão ser mapeadas e
divulgadas, conjuntamente com o Programa de Comunicação Social, oportunidades de
reinserção no mercado de trabalho para os trabalhadores desmobilizados.

D) Indicadores Socioeconômicos
 Recrutamento e Seleção: verificação e análise dos perfis dos candidatos, bem como o
seu cruzamento com o número de vagas oferecidas, durante a fase de implantação do
empreendimento;

ARCADIS logos 192


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Treinamento dos trabalhadores: listas presenciais; avaliação dos participantes para


verificação dos resultados de assimilação dos temas abordados, bem como a
identificação da necessidade de readequação do treinamento; emissão de relatórios
periódicos de acompanhamento do processo de treinamento dos trabalhadores pela(s)
empreiteiras(s).
 Desmobilização de mão de obra: acompanhamento do número de trabalhadores da fase
de implantação do empreendimento que foram remanejados para o preenchimento do
quadro funcional na fase de operação; número de informes sobre vagas abertas no
mercado de trabalhado.

8.22.5. Cronograma
As ações do Programa de Gestão de Mão de Obra deverão ser implementadas durante toda
a vida útil do empreendimento.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Gestão da Mão de Obra    


Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.22.6. Responsabilidades
A responsabilidade de implantação do Programa de Gestão de Mão de Obra é do
empreendedor, o qual poderá estabelecer parcerias junto ao poder público do município de
Serro, instituições públicas, privadas ou do terceiro setor, que atuem com ensino
profissionalizante e no cadastramento de vagas de emprego e de trabalhadores.

8.22.7. Resultados Esperados


Espera-se, com as ações propostas, impulsionar ao máximo o aproveitamento da oferta local
de trabalhadores, sobretudo, dos residentes no município de Serro, na formação do quadro
funcional necessário para a implantação e operação do Projeto Serro, assim como,
possibilitar o aumento de oportunidade de sua recolocação no mercado de trabalho ao final
de ambas as fases, mitigando os impactos decorrentes da desmobilização da mão de obra.

8.23. Programa de Monitoramento das Interferências em Infraestruturas


e Serviços Públicos

8.23.1. Justificativa
Mesmo priorizando-se a contratação de mão de obra local para o Projeto Serro, considera-se
que uma parte dos trabalhadores poderá ser de outros municípios, a depender do estoque de
mão de obra qualificada disponível no momento da contratação. Sendo assim, ao longo do
período de obras, a dinâmica social da comunidade local poderá ser temporariamente
afetada, gerando algum grau de sobrecarga na infraestrutura e serviços públicos existentes
em Serro.

ARCADIS logos 193


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

As atividades propostas por este programa visam, portanto, estabelecer um parâmetro


técnico para verificar o real grau de interferência na infraestrutura e nos serviços públicos de
habitação, saúde e educação, além outros serviços de caráter público, originados do afluxo
de pessoas atraídas pelas obras do Projeto Serro.

Por outro lado, a introdução do empreendimento no município de Serro gerará aumento nas
receitas municipais que poderá ser revertido na ampliação, ou melhoria, na oferta da
infraestrutura e serviços públicos à população do município. Desta forma, o Programa de
Monitoramento deverá auxiliar a municipalidade a maximizar esse efeito benéfico na oferta de
serviços.

8.23.2. Objetivo
Os objetivos principais deste programa são: (i) monitorar a interferência na infraestrutura no
município de Serro; (ii) monitorar a oferta dos serviços públicos em Serro e a demanda em
função do número de trabalhadores da obra; (iii) avaliar, a partir de indicadores, o grau de
interferência detectado no monitoramento; (iv) apoiar no fornecimento de consultoria
especializada em administração pública para servidores municipais visando à melhoria da
aplicação dos recursos públicos advindo do incremento de receitas públicas.

Caso seja constatada sobrecarga na infraestrutura e nos serviços públicos monitorados em


virtude do empreendimento, o empreendedor estabelecerá entendimentos com órgãos
públicos para o reforço na infraestrutura e serviços.

8.23.3. Abrangência e Público-Alvo


As ações deste programa abrangem a infraestrutura e os serviços públicos passíveis de
sofrerem interferência em virtude do aumento temporário do contingente populacional no
período de obras, decorrentes da implantação do Projeto Serro.

8.23.4. Síntese das Principais Atividades


Para cumprir os objetivos do Programa de Monitoramento de Interferências em Infraestrutura
e Serviços Públicos serão realizadas as seguintes atividades:

 Dimensionamento da população adicional advinda das obras do empreendimento a ser


atendida em Serro;
 Estabelecimento de contatos com os órgãos públicos responsáveis pela infraestrutura e
pelos serviços básicos do município e realização de diagnóstico dos equipamentos
sociais existentes e da sua capacidade de atendimento;
 Sistematização dos dados obtidos no diagnóstico, estabelecimento de indicadores e
monitoramento, em consonância com índices de instituições de referência e análise dos
resultados;
 Apoio às ações de capacitação de funcionários da prefeitura de Serro em relação à
gestão pública de forma a aperfeiçoar a arrecadação e o uso dos recursos públicos;
 Definição, caso necessário, de ações preventivas e/ou corretivas para otimização e/ou
incremento dos equipamentos e serviços frente à demanda temporária adicional.

Em relação aos indicadores para medir a eficiência do programa podem-se citar:

ARCADIS logos 194


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Número do incremento na demanda por serviços públicos nas áreas de habitação, saúde
e educação, em decorrência do empreendimento;
 Número de profissionais da administração pública que participaram de cursos de
aperfeiçoamento;
 Número de ações preventivas e/ou corretivas para otimização e/ou incremento dos
equipamentos e serviços públicos.

8.23.5. Cronograma
O Programa de Monitoramento das Interferências em Infraestrutura e Serviços Públicos
deverá se iniciar anteriormente ao início das obras e estender-se durante a toda a fase de
implantação do Projeto Serro.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Monitoramento das


Interferências em Infraestruturas e  
Serviços Públicos
 

Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.23.6. Responsabilidades
Ainda que as responsabilidades para o provimento de infraestrutura sejam do município e/ou
Estado, caberá ao empreendedor auxiliar na implantação dos equipamentos e
implementação dos serviços que correspondam à demanda adicional a ser gerada pela
população atraída e diretamente associada ao empreendimento (os trabalhadores e seus
familiares). No que se refere a fenômenos de migração decorrentes da maior dinâmica
econômica da região pela implantação do projeto, caberá ao empreendedor identificar e
apoiar tecnicamente as iniciativas dos órgãos públicos, que deverão incluir melhorias em
saneamento básico, coleta e disposição de resíduos sólidos, incremento de equipamentos de
educação, entre outros.

8.23.7. Resultados Esperados


Por meio das ações do programa espera-se minimizar a eventual sobrecarga na
infraestrutura e nos serviços públicos, advinda do aumento temporário de contingente
populacional no período de obras, em decorrência do empreendimento. Ainda, espera-se que
o aperfeiçoamento dos servidores municipais, possa garantir uma melhoria na oferta de
serviços públicos à população.

8.24. Programa de Promoção da Saúde

8.24.1. Justificativa
O Programa de Promoção da Saúde foi elaborado após as análises dos impactos relativos à
implantação e operação do Projeto Serro.

ARCADIS logos 195


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

A efetividade destas ações reside no engajamento multissetorial, do governo, sociedade civil,


empresa e seus terceiros, considerando-se que a manutenção dos fatores determinantes
promove a persistência das doenças e que estas apresentam ligação não somente às ações
das políticas de saúde, como também a fatores ambientais como desmatamento, processos
migratórios e grandes obras de infraestrutura.

Desta forma, o presente Programa de um lado garantirá assistência à saúde dos


trabalhadores das obras, e de outro ampliará o nível de informação do público alvo, num
esforço que visa reduzir as possíveis pressões, ocasionadas pelo empreendimento, sobre
infraestrutura de saúde do município de Serro.

8.24.2. Objetivo
O Programa de Promoção da Saúde busca: i) propiciar assistência à saúde dos
trabalhadores das obras nos termos e condições previstos em legislação específica; ii)
garantir condições e procedimentos de trabalho adequados à prevenção de doenças e
agravos relacionados ao empreendimento na fase de implantação da obra, reduzindo ao
máximo as demandas sobre o sistema de saúde local/regional; e iii) promover a
conscientização dos trabalhadores e da população residente no município de Serro (AID)
sobre doenças infectocontagiosas, em especial as DSTs, reduzindo os riscos de transmissão.

8.24.3. Abrangência e Público-Alvo


Foram definidas ações considerando-se a realidade local, município de Serro, seja pela
característica endêmica na região, favorecendo o aumento do número de casos existentes ou
pela introdução de novas doenças. As atividades deverão ser divididas em duas frentes,
assim definidas:

 Público Externo - compreendido pelos atores institucionais e moradores que vivem na


área de influência direta do empreendimento (município de Serro);
 Público Interno - formado pelos trabalhadores do empreendimento e colaboradores.

8.24.4. Síntese das Principais Atividades


O Programa de Promoção da Saúde deverá basear-se na forma preventiva de tratamento
dos aspectos geradores de doenças, tendo como principal foco a educação e
conscientização do público alvo.

As principais atividades que serão desenvolvidas são:

Público interno:

A principal diretriz do Programa de Promoção da Saúde para o público interno é o


cumprimento da legislação no que concerne a Saúde e Segurança Ocupacional (SSO) dos
trabalhadores empregados nas atividades de implantação, operação e desativação do Projeto
Serro. Algumas medidas de Saúde dos Trabalhadores fazem parte do Programa de Controle
Ambiental de Obras, e serão apenas monitoradas pelo Programa de Promoção da Saúde.

Público Externo e Interno:

 Acompanhamento do número de agravos de doenças de caráter endêmico;

ARCADIS logos 196


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Ações de conscientização da população e trabalhadores voltadas à eliminação de locais


propícios para criação de vetores propagadores de doenças;
 Ações destinadas à promoção da saúde entre os trabalhadores e comunidade local,
como de combate ao tabagismo e à obesidade, entre outros;
 Ações destinadas à orientação sexual dos trabalhadores e comunidade local sobre as
principais doenças sexualmente transmissíveis (DST);
 Realização de campanhas de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes;
 Monitorar e controlar as doenças mais prevalentes ou passíveis de serem mais
importantes.

Em relação aos indicadores para medir a eficiência do programa podem-se citar:


 Número de campanhas de disseminação de informação e conscientização realizadas;
 Número de participantes nas atividades desenvolvidas;
 Acompanhamento do número de agravos notificados, observando se há um aumento em
decorrência do empreendimento.

8.24.5. Cronograma
O Programa de Promoção da Saúde deverá ser implementado durante as fases de
implantação, operação e desativação.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Promoção da Saúde    


Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.24.6. Responsabilidades
A responsabilidade pela implantação deste programa é do empreendedor, contudo espera-
se o estabelecimento de parcerias com secretarias municipais e organizações sociais ligadas
à área da saúde do município de Serro.

8.24.7. Resultados Esperados


Espera-se, com as ações propostas, que a possível pressão sobre os equipamentos públicos
de saúde, em decorrência do Projeto Serro, seja a mínima possível, assim como promova
práticas e bons hábitos que possam melhorar a qualidade de vida do público alvo.

8.25. Programa de Adequação de Vias de Acesso e Monitoramento de


Tráfego

8.25.1. Justificativa
Apesar do volume de tráfego a ser gerado pela implantação e operação do Projeto Serro ter
sido avaliado como um impacto de pequena magnitude nas condições de fluidez dos trechos

ARCADIS logos 197


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

viários a serem utilizados nas áreas de influência direta (AID) do empreendimento,


considerando que eles operam atualmente com suas capacidades muito ociosas, a
quantidade de tráfego gerada justifica a adoção de um monitoramento de como estas viagens
ocorrerão em termos das condições viárias, das condições dos veículos utilizados e do
comportamento dos condutores destes veículos. Justifica-se ainda pela necessidade de
adequação da via de ligação entre o Projeto Serro e a MG-010, uma vez que esta não
apresenta condições de trafegabilidade mínimas necessárias à implantação e operação do
empreendimento.

8.25.2. Objetivo
Os objetivos deste Programa são mitigar as interferências do empreendimento nas condições
de trafegabilidade e mobilidade da região. Pretende-se eliminar ou minimizar possíveis
ocorrências de acidentes de trânsito ou prejuízos a veículos, garantindo um bom padrão de
segurança viária tanto para o tráfego de veículos gerado pelo empreendimento como para o
tráfego de veículos e pedestres já existentes. Além da segurança viária, este programa
minimizará prejuízos financeiros relativos a perdas ou atrasos na entrega ou recebimento das
cargas envolvidas. Visa também promover a adequação da via de ligação entre MG-010 e a
área do Projeto Serro para condições de trafegabilidade mínimas necessárias à implantação
e operação do empreendimento.

8.25.3. Abrangência e Público-Alvo


As atividades que compõem o Programa de Adequação de Vias de Acesso e Monitoramento
de Tráfego do Projeto Serro serão aplicadas nos trechos viários das áreas de influência direta
(AID) a serem utilizados pelos veículos nas viagens geradas, sobretudo a via de ligação entre
a MG-010 e a área do Projeto Serro.

O público-alvo do Programa abrange todas as pessoas envolvidas com a condução dos


veículos que transportarão as cargas e a mão de obra gerada pelo empreendimento.

8.25.4. Síntese das Principais Atividades


Programa de Adequação de Vias de Acesso e Monitoramento de Tráfego do Projeto Serro é
composto por quatro tópicos principais:

 Adequação construtiva da via de ligação entre a MG-010 e a área do Projeto Serro,


incluindo elaboração de projeto executivo para tal antes da próxima fase de licenciamento
ambiental;
 Monitoramento da condição física das vias;
 Monitoramento das condições de circulação dos veículos utilizados;
 Ações de sensibilização sobre comportamento e conduta adequada dos motoristas.

A) Adequação da via de ligação entre a MG-010 e a área do Projeto Serro


Conforme já apresentado, o trecho de cerca 6 km da via que ligará o Projeto Serro à MG-010
não apresenta estrutura física mínima adequada para o tráfego de veículos de grande porte e
terá que ser adequado à este uso. Desta forma, deverão ser cumpridos os seguintes
processos:

ARCADIS logos 198


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Apresentação de anteprojeto de melhoria, com mapeamento detalhado do trecho da via a


ser afetada, incluindo levantamentos topográficos e sondagens;
 Negociação e aquisição das áreas necessárias à implantação do novo trecho viário,
frente à necessidade de recomposição desta infraestrutura;
 Elaboração do projeto executivo e implantação das obras necessárias, com a devida
antecedência em relação ao início das obras de implantação das estruturas da mina.

B) Monitoramento da condição Física das Vias


Para evitar a deterioração dos trechos viários abrangidos por este Programa, propõe-se que
seja implementado um sistema de comunicação sobre o estado das vias, alimentado por
registros feitos pelos motoristas contratados direta ou indiretamente pelo empreendimento
sempre que detectarem problemas na pavimentação, sinalização etc. para posterior
encaminhamento ao órgão responsável pela manutenção das vias.

C) Monitoramento sobre as condições de circulação dos veículos utilizados


O programa prevê, para monitoramento dos veículos e condutores envolvidos com o Projeto
Serro, a execução de inspeção amostral nos veículos de carga que entram e saem na área
do empreendimento, onde serão observados a emissão excessiva de poluentes por motores
desregulados, a regularidade de documentos dos veículos e seus condutores, e adotadas
medidas educacionais ou penais para coibir as práticas indesejáveis.

D) Comportamento/ Conduta dos Motoristas


Serão ministrados cursos e palestras aos motoristas envolvidos com as atividades de
transporte de cargas e pessoas do Projeto Serro, com apresentação dos procedimentos que
deverão ser adotados por estes profissionais, consonantes aos outros itens do programa.
Também serão oferecidas noções de educação de trânsito e direção defensiva.

Os indicadores para medir a eficiência do programa poderão ser dentre outros:

 Atendimento as necessidades de infraestrutura da via de ligação à MG-010, devendo


ocorrer antes do inicio da implantação das estruturas do Projeto Serro;
 Acompanhamento do número de indicações de anormalidades nas vias, e seus
respectivos encaminhamentos a autoridades responsáveis;
 Número de inconformidades em veículos e motoristas observadas pelas inspeções;
 Número de motoristas participantes dos cursos oferecidos sobre comportamento e
conduta adequado destes profissionais.

8.25.5. Cronograma
O Programa de Monitoramento de Tráfego será permanente e deverá ser implantado antes
que o empreendimento iniciar atividades geradoras de tráfego de veículos, conforme
cronograma abaixo.

ARCADIS logos 199


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Monitoramento de Tráfego    


Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.25.6. Responsabilidades
O Programa de Adequação de Vias de Acesso e Monitoramento de Tráfego será de
responsabilidade do empreendedor, prevendo a implementação das ações previstas, que
envolvem, basicamente, o monitoramento das condições físicas das vias e do tráfego,
avaliação e treinamento dos motoristas e adequação da via de ligação entre a MG-010 e a
área do Projeto Serro.

Importante ressaltar que a responsabilidade da gestão das vias é de secretarias e órgãos


estaduais e federais, cabendo ao empreendedor relatar a estes órgãos os problemas
detectados.

8.25.7. Resultados Esperados


Espera-se com este Programa, a minimização de ocorrências indesejáveis, comuns ao
trânsito de veículos, como acidentes, quebras de veículos ou perdas de cargas
transportadas. Pretende-se salvar vidas e diminuir prejuízos financeiros com os veículos e
cargas envolvidos com o Projeto Serro. Ainda, espera-se que a adequação da via de ligação
entre a MG-010 e a área do Projeto Serro, possibilite a circulação dos veículos necessários
às fases de implantação e operação do empreendimento, com segurança para o publico
restante utilitário desta via.

8.26. Programa de Prospecção Arqueológica Sistemática

8.26.1. Justificativa
O Programa de Prospecção Arqueológica Sistemática está geralmente associado à
necessidade de obtenção da Licença de Instalação, para a Fase de Implantação do
empreendimento, na qual já há atividades de instalação de canteiro de obras, movimentação
de máquinas e equipamentos para limpeza, terraplanagem, taludamento, fundações,
movimentação de solo, desmatamento, instalação de áreas de apoio e pátios/depósitos de
estocagem, instalação de sistemas de drenagem superficial, pavimentação, manutenção de
máquinas e veículos, concretagem e, por fim, a desmobilização de máquinas, equipamentos,
veículos, desativação de canteiro de obras e desmobilização de mão de obra.

Dessa forma, o programa de Prospecção deverá ocorrer, obrigatoriamente, antes destas


fases de intervenção. A justificativa para tal é salvaguardar o patrimônio arqueológico de
ações cujo impacto seja irreversível, bem como atender a requisitos legais da etapa de
licenciamento ambiental para a obtenção da Licença de Instalação. Nesta etapa, é realizada
a identificação e a delimitação de sítios, ocorrências e estruturas arqueológicas presentes na
área diretamente afetada pelo empreendimento (ADA), com indicação de quais deverão ser

ARCADIS logos 200


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

alvo de salvamento arqueológico, seja por critérios de relevância e significância, ou por risco
imediato de descaracterização por quaisquer obras ou intervenções.

A portaria do IPHAN 230/2002 estabelece a obrigatoriedade de realização de Programa de


Prospecção Arqueológica para obtenção da Licença de Instalação, envolvendo ações de
divulgação, inclusão e socialização das informações concernentes ao patrimônio
arqueológico.

Abaixo seguem os demais aportes legais que versam sobre a proteção e salvaguarda do
patrimônio histórico-arqueológico nacional, a saber:

 Resolução CONAMA 01/86 – Artigo 6, inciso I, Alínea C, estabelecendo que os sítios


arqueológicos devem passar por avaliação e posterior indicação de medidas mitigadoras
e / ou compensatórias dos impactos negativos sobre o patrimônio arqueológico,
considerando-se as diferentes fases de planejamento e implantação do empreendimento
(LP, LI, LO);
 Resolução CONAMA 237/97 – que detalha as atividades e produtos esperados para cada
uma das fases do licenciamento;
 Lei n. 3924, de 26/07/1961 – chamada de Lei da Arqueologia, que proíbe a destruição ou
mutilação, para qualquer fim, da totalidade ou parte das jazidas arqueológicas, o que é
considerado um crime contra o patrimônio nacional. Nesta, todos os tipos de vestígios
arqueológicos (sítios, restos da cultura material, estruturas de alteração da paisagem)
que configurem testemunhos de culturas passadas alocadas no território nacional são
considerados patrimônio da União e, portanto, passíveis de proteção e tombamento;
 Constituição Federal de 1998 – estabelece as definições de patrimônio cultural e de sítio
arqueológico, considerando-os como parte integrante do patrimônio cultural brasileiro,
garantindo sua guarda e proteção, de acordo com o que estabelece o artigo 216;
 Portaria IPHAN 07/88 – que normatiza e legaliza as ações de intervenção junto ao
patrimônio arqueológico nacional;
 Portaria IPHAN 230/2002 – que define o escopo das pesquisas a serem realizadas
durante as diferentes fases de licenciamento ambiental;
 Portaria Interministerial 419/2011 – que regulamenta a atuação dos órgãos e entidades
da Administração Pública Federal envolvidos no licenciamento ambiental.
 Termo de Referência para o Licenciamento Ambiental – Meio Ambiente Socioeconômico
em seus Aspectos Relacionados à Proteção dos Bens de Interesse Cultural, Belo
Horizonte, 2012. Para este termo, dentre outras determinações, o programa de Educação
Patrimonial é parte integrante obrigatória a compor os estudos de viabilidade ambiental a
serem apresentados às instituições licenciadoras ambientais, como pré-requisitos à
concessão das Licenças (LP, LI e LO) para os empreendimentos.

8.26.2. Objetivos
O objetivo geral da realização do Programa de Prospecção Arqueológica é identificar, avaliar,
delimitar e salvaguardar o eventual patrimônio histórico e arqueológico presente na área do
empreendimento e em seu entorno, e assim avaliar todo o contexto histórico-arqueológico, de
superfície e de subsuperfície, visando alcançar maior compreensão acerca das ocupações
humanas pretéritas no local e, paralelamente, atender às diretrizes legais que legislam sobre

ARCADIS logos 201


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

a Arqueologia brasileira, garantindo a preservação dos bens arqueológicos em áreas de


empreendimentos e de impacto a estes.

Como objetivos específicos podem ser apresentados:

 Prospectar sistematicamente toda a área diretamente afetada (ADA) pelo


empreendimento e identificar todos os sítios arqueológicos presentes, considerando-se
todas as potenciais relações espaciais entre o empreendimento proposto;
 Delimitar, quantificar e qualificar os sítios arqueológicos de forma a precisar um
panorama [Bastos et al. 2005:178] com vistas à proposição do Programa de Resgate
Arqueológico, quando necessário, e de outros tipos de medidas mitigatórias, de acordo
com os sítios encontrados.

Como na ADA e na AID do Projeto Serro (para arqueologia) foram identificados ocorrências e
sítios arqueológicos, estes deverão ser devidamente delimitados e descritos nesta etapa.
Sobre o sítio identificado na AID, este deve ser devidamente analisado, bem como seu
entorno, pois provavelmente está associado aos demais sítios identificados.

Sítio Coordenada Tipo de sítio Localização

AA-SE-01 23K 671058E/7948879N Histórico / mineração colonial - galerias ADA


AA-SE-02 23k 670261E/7948868N Histórico / edificação - patamares arrimados AID
Histórico / mineração colonial - cata, canal,
AA-SE-03 23k 671789E/7948053N ADA
cascalheira
Histórico /colonial de mineração - cata, canal,
AA-SE-04 23k 671208E/7947068N ADA
cascalheira

8.26.3. Abrangência e Público Alvo


A área de abrangência do Programa de Prospecção Arqueológica remete à Área Diretamente
Afetada – ADA e à Área de Influência Direta – AID do empreendimento. Normalmente, os
furos-teste são realizados somente na ADA, mas, dadas as características dos sítios, que
podem extrapolar a ADA e atingir a AID, é recomendável que haja caminhamento na AID.
Para o caso de os sítios estenderem-se para a AID, os furos-teste devem ser realizados
conforme a área de dispersão dos vestígios arqueológicos dos sítios apresentados.

Os resultados obtidos com a execução do programa são de interesse da própria comunidade


que ainda permanece nas proximidades do empreendimento e, de alguma forma, sofrerão
com os impactos gerados, bem como, a comunidade científica e o empreendedor.

8.26.4. Síntese das Principais Atividades


Para este Programa algumas etapas são sugeridas como caminhamento exaustivo e abertura
de furos-teste nos compartimentos ambientais na área diretamente afetada, e
caminhamentos na área de influência direta.

Durante os caminhamentos e abertura de furos-teste deverá ser realizado:

ARCADIS logos 202


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Registro gráfico e fotográfico, atualização e delimitação, quantificação e qualificação


precisa dos sítios presentes na ADA;
 Identificação da diversidade cultural existente na área a ser afetada, de forma a
estabelecer metodologias adequadas para tratar cada sítio segundo sua singularidade;
 Verificação do grau de conservação dos sítios arqueológicos com o objetivo de identificar
os impactos cumulativos, os impactos futuros, e as possibilidades e estratégias de sua
conservação, preservação e/ou valorização.
 Avaliação estratigráfica e espacial dos sítios identificados;
 Descrição preliminar das estruturas e ocorrências, entorno e paisagem.

O Programa de Prospecção deverá resultar em um relatório que ofereça elementos para a


elaboração de um possível Programa de Resgate Arqueológico, caso seja confirmada a
presença de sítios arqueológicos na ADA. A escolha dos sítios que devem compor este
Programa de Resgate deverá ser baseada em critérios de significância e relevância científica.
Também deve ser contemplada a realização de um Programa de Educação Patrimonial e
Inclusão Social (Bastos & Souza, 2010).

Recomenda-se alguns procedimentos nessa etapa do licenciamento:

 Caminhamento intensivo e sistemático em linhas paralelas equidistantes, para verificação


de ocorrências arqueológicas afloradas em superfície;
 Inscrição dos novos sítios arqueológicos porventura identificados durante os trabalhos
prospectivos e / ou atualização dos já identificados no Cadastro Nacional de Sítios
Arqueológicos – CNSA/IPHAN;
 Identificados todos os sítios, o procedimento deverá ser o de delimitação dos mesmos
para o conhecimento da área de dispersão dos vestígios.
 Outras informações relevantes, tais como profundidade, variabilidade e diversidade dos
sítios deverão ser obtidas através de abertura de sondagens de 1 m², sendo que em
sítios de dimensões iguais ou inferiores a 200 m² serão realizadas aos menos 3
sondagens para essa caracterização inicial do sítio.
 Curadoria e análise, em laboratório, dos eventuais bens materiais arqueológicos
coletados;
 Análise e interpretação em gabinete dos dados obtidos em campo;
 Elaboração de relatório técnico para protocolo no IPHAN, com os resultados das
pesquisas e as recomendações pertinentes no caso de terem sido identificados sítios
arqueológicos na ADA, com a indicação de programas arqueológicos específicos.

8.26.5. Cronograma
A implantação do programa deverá ter início antes da implantação do empreendimento, visto
que os resultados obtidos são necessários para a obtenção da Licença de Instalação.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação
Programa de Prospecção

Arqueológica Sistemática   
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

ARCADIS logos 203


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.26.6. Responsabilidades
Caberá ao empreendedor a responsabilidade pelo custeio da implantação e execução do
Programa.

8.26.7. Resultados Esperados


Dado o objetivo geral do Programa de Prospecção Arqueológica – identificar e delimitar a
área de sítios arqueológicos – a expectativa é a de que o patrimônio nacional seja, além de
preservado e conservado, estudado e resgatado, a partir da proposição do Programa de
Resgate Arqueológico (para o caso de sítios de subsuperfície), e de registro exaustivo (para
sítios em superfície).

8.27. Programa de Educação Patrimonial

8.27.1. Justificativa
Quando da implantação de empreendimentos, com a realização de obras de engenharia, é
possível que os sítios e marcos patrimoniais sejam submetidos a impactos irreversíveis. Além
disso, reordenamentos socioeconômicos decorrentes, direta ou indiretamente, do
empreendimento podem ocasionar cenários de depreciação cultural, reafirmando o caráter
negativo do impacto ao longo das etapas de implantação e operação.

Dada esta possibilidade, é necessária atenção extra quando da realização de quaisquer


atividades na área de entorno de sítios ou estruturas histórico-arqueológicas, uma vez que
esta ação pode ser irreversível e pode acarretar riscos à condição atual do patrimônio. Vale
lembrar que uma atividade geradora de ações impactantes pode desencadear uma série de
outras situações novas e igualmente impactantes.

Tanto a portaria do IPHAN 230/2002 quanto a Portaria Interministerial 419/2011 estabelecem


a obrigatoriedade de realização de Programas de Educação Patrimonial em todas as etapas
do licenciamento, envolvendo ações de divulgação, inclusão e socialização do patrimônio
arqueológico.

O Programa de Educação Patrimonial, neste sentido, visa, em última instância, conscientizar


e tornar conhecida a importância do patrimônio histórico-arqueológico nacional e assim
minimizar as possibilidades de riscos e impactos a este.

8.27.2. Objetivos
Conforme regulamentações do Iphan, o objetivo geral da Educação Patrimonial é promover o
conhecimento, a apropriação e a valorização do patrimônio histórico, artístico, cultural e
arqueológico, dentre outros, entre os cidadãos. Por meio deste processo educacional,
estimulado pelo Iphan, a expectativa é a de que o patrimônio nacional, além de preservado e
conservado, seja reconhecido e resgatado7 de possíveis danos (seja sua destruição material,
seja uma perda da memória e do senso de valorização, coletivos).

7 Visando atingir estes resultados, o Iphan elaborou um Guia Básico de Educação Patrimonial em que estão os principais
critérios, objetivos e diretrizes para o desenvolvimento de ações que ajudem a envolver as pessoas para a concretização das

ARCADIS logos 204


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

O Programa de Educação Patrimonial deverá ser elaborado com base nos estudos regionais
e, especialmente, nos resultados obtidos no relatório de Diagnóstico arqueológico, bem como
com base nas informações levantadas na etapa de Prospecção arqueológica. A partir de uma
compilação das informações obtidas nestes estudos, o programa de Educação Patrimonial
deve propor ações educativas, contemplando a temática Patrimônio Cultural e Histórico-
arqueológico.

Dessa forma, o material a ser utilizado para o desenvolvimento do Programa de Educação


Patrimonial valer-se-á do contexto de ocupação regional e visará a salvaguarda dos vestígios
e sítios identificados nas áreas de influência do projeto.

8.27.3. Abrangência e Público Alvo


A área de abrangência do Programa de Educação Patrimonial é aquela considerada como
Área de Influência Indireta (AII) do empreendimento para a temática Arqueologia, ou seja,
aquela circunscrita nos limites municipais de Serro.

Nessa medida, o público-alvo deste programa é composto pela população direta e


indiretamente afetada pela instalação de obras do empreendimento , congregada em escolas,
casas de cultura e demais instituições locais, voltadas para a valorização da cultura local,
trabalhadores das obras e empreendedor.

8.27.4. Síntese das Principais Atividades


Seguindo as premissas e metodologia específica, constante no Guia Básico de Educação
Patrimonial, em bibliografia especializada e em debates atuais sobre a elaboração e
execução de tais programas, as seguintes ações e atividades devem ser previstas:

 Desenvolver programa de Educação Patrimonial seguindo os parâmetros definidos pela


portaria 230/2002 do IPHAN;
 Estruturar e montar plano de ação com a organização das atividades ao público alvo de
cada município;
 Implementar ações educativas e de conscientização, junto à população direta e
indiretamente afetada pela instalação de obras do empreendimento, sobre a importância
da preservação e conservação do patrimônio material e imaterial local e nacional, bem
como aos colaboradores internos do empreendimento;
 Elaborar material infográfico a ser divulgado e distribuído nas escolas, demais instituições
locais e entre os colaboradores internos;
 Realizar palestras, com o objetivo de informar e conscientizar as pessoas sobre a
importância histórica local e sobre a necessidade da preservação do patrimônio histórico,
para o caso de sua ocorrência;
 Elaborar relatório consolidado a respeito da execução do programa de Educação
Patrimonial.

pretensões do IPHAN – conhecer, resgatar, preservar e conservar o patrimônio nacional. Nesse sentido, espera-se que a
Educação Patrimonial seja um instrumento de auxílio na gestão dos bens patrimoniais.

ARCADIS logos 205


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

A temática para a realização das palestras e oficinas deverá conter os seguintes


apontamentos:
 Introdução à Arqueologia;
 Noções de preservação do Patrimônio Histórico-Arqueológico;
 Como proceder quando da descoberta de material arqueológico;
 Contextualização histórica do município;
 Contextualização arqueológica.

Este programa deverá ter interface com outros programas de Arqueologia propostos, como o
Programa de Prospecção Arqueológica e Programa de Monitoramento.

8.27.5. Cronograma
A seguir é apresentado o cronograma de implementação do Programa.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Educação
  
Patrimonial 
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.27.6. Responsabilidades
Caberá ao empreendedor a responsabilidade pelo custeio da implantação e execução do
Programa.

8.27.7. Resultados Esperados


Na aplicabilidade do programa de Educação Patrimonial as ações estarão voltadas para o
plano de fazer conhecer o patrimônio nacional conforme as noções da Arqueologia. Ao
garantir um conhecimento mínimo do patrimônio nacional, espera-se que esse conhecimento
gere conscientização e responsabilidade social local sobre esse mesmo patrimônio. Cabe
ressaltar que, dentre as pretensões finais está a preservação do patrimônio.

Nesse sentido, espera-se se que a Educação Patrimonial seja um instrumento de auxílio na


gestão dos bens patrimoniais pela própria comunidade local.

8.28. Programa de Monitoramento Arqueológico

8.28.1. Justificativa
O Programa de Monitoramento aplica-se especialmente na etapa de Licença de Instalação,
momento no qual as obras de engenharia atingem seu auge, em locais onde as fases de
Diagnóstico, Prospecção e Resgate não foram satisfatoriamente concluídas, devido a
características do próprio local, como é o caso das áreas já antropizadas; das áreas
densamente arborizadas e de relevo muito íngreme. No entanto, é comum que ele seja

ARCADIS logos 206


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

solicitado em fase posterior, para acompanhamento de sítios designados a serem


preservados.

Embora o monitoramento ocorra simultaneamente às obras de instalação do


empreendimento, a ideia norteadora de sua execução é prevenir danos irreversíveis ao
patrimônio local, conforme leis que regulam a preservação do patrimônio histórico-
arqueológico nacional (vide aportes legais constantes no Programa de Prospecção).

8.28.2. Objetivos
O objetivo de realizar monitoramento arqueológico é, em última instância, garantir que
nenhum patrimônio histórico-arqueológico seja impactado.

Ainda que o monitoramento seja de suma importância para a preservação do patrimônio, ele
não deve ser utilizado com o objetivo de identificar, delimitar ou avaliar o potencial de sítios
arqueológicos, uma vez que a possibilidade de impacto a estes na etapa de implantação do
empreendimento é considerável. Deste modo, antes da realização dos monitoramentos é
imprescindível que a área do empreendimento tenha passado pelas etapas de Diagnóstico,
Prospecção e Resgate, a menos que estas não sejam exequíveis pelas características do
próprio local.

8.28.3. Abrangência e Público Alvo


A área de abrangência do Programa de Monitoramento é aquela circunscrita às áreas
diretamente afetadas e área de influência direta (ADA e AID) do empreendimento para a
temática Arqueologia.

Nessa medida, o público-alvo deste programa são os trabalhadores das obras e o próprio
empreendedor.

8.28.4. Síntese das Principais Atividades


O Programa de Monitoramento Arqueológico deverá ser executado em toda frente de obra
que possa causar qualquer tipo de impacto sobre a matriz que abarca o patrimônio
arqueológico nacional – o solo e a paisagem em geral. Nessa medida, obras que requeiram
supressão vegetal, arrastamento de troncos, retirada de topsoil, terraplanagem, soterramento,
escavações mais profundas e demais atividades, que alterem tanto o subsolo quanto a
paisagem em geral, precisam ser acompanhadas e monitoradas por um arqueólogo.

A metodologia utilizada para o monitoramento arqueológico passa por um reconhecimento


inicial da área e de seu entorno, cujo objetivo é avaliar o potencial arqueológico da região e
os locais onde possivelmente poderiam ser identificados vestígios arqueológicos. Este
reconhecimento deve ser feito momentos antes do início da realização de atividades com
maquinário pesado. Durante a realização destas atividades, especialmente aquelas que
envolvam movimentação de solo ou que se desenvolvam em áreas próximas a sítios
arqueológicos, um arqueólogo deverá estar presente, para garantir que nenhum bem do
patrimônio nacional tenha sua integridade ameaçada.

Este programa deverá ter interface com outros programas de Arqueologia, tais como
Programa de Educação Patrimonial e o Programa de Resgate Arqueológico.

ARCADIS logos 207


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.28.5. Cronograma
A seguir é apresentado o cronograma de implementação do Programa.

Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Monitoramento
 
Arqueológico  
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

8.28.6. Responsabilidades
Caberá ao empreendedor a responsabilidade pelo custeio da implantação e execução do
Programa.

8.28.7. Resultados Esperados


Dado o objetivo geral do Monitoramento Arqueológico – acompanhar e monitorar obras de
implantação do empreendimento, visando preservação do patrimônio – a expectativa é a de
que o patrimônio nacional seja preservado e conservado, e que os colaboradores das frentes
de trabalho, bem como o empreendedor, sejam instruídos e conscientizados sobre sua
importância e necessidade de preservação.

Dessa forma, na implementação do programa de Monitoramento Arqueológico as ações


estarão voltadas para o plano de fazer conhecer o patrimônio nacional conforme as noções
da Arqueologia. Ao garantir um conhecimento mínimo do patrimônio nacional, espera-se que
esse conhecimento gere conscientização e responsabilidade social local sobre esse mesmo
patrimônio. Cabe ressaltar que, dentre as pretensões finais está a preservação do patrimônio.

Nesse sentido, espera-se se que o Monitoramento, bem como o Programa de Educação


Patrimonial, seja um instrumento de auxílio na gestão dos bens patrimoniais.

8.29. Programa de Compensação Ambiental

8.29.1. Justificativa
A impossibilidade de recuperação total dos bens ambientais afetados justifica o uso de
medidas compensatórias como forma de reparação civil pelo dano causado, em consonância
com o principio poluidor pagador.

Portanto, atendendo à determinação legal expressa na Lei Federal 9.985/2000, todo


empreendimento com significativo impacto ambiental deve destinar uma soma de recursos
financeiros em ações voltadas para a conservação ambiental cujo montante deve ser
calculado conforme procedimento especificado no Decreto Federal 4.340/2002, alterado pelo
Decreto 6.848/09.

Entretanto, no Estado de Minas Gerais a metodologia de gradação de impactos ambientais e


procedimentos para fixação e aplicação da compensação ambiental é estabelecida pelo

ARCADIS logos 208


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Decreto nº 45.175, de 17 de setembro de 2009, que foi alterada pelo Decreto nº 45.629, de
06 de julho de 2011.

8.29.2. Objetivos
Este programa tem por objetivo atendimento da legislação aplicável e apresentar uma prévia
de cálculo do montante dos recursos a serem destinados à referida compensação ambiental,
bem como apresentar uma proposição de Unidade de Conservação de Proteção Integral à
receber os recursos.

8.29.3. Abrangência e Público-Alvo


A destinação dos recursos da compensação deverá seguir as prioridades estabelecidas no
artigo 33 do Decreto 4.340/2002, a saber:

I - regularização fundiária e demarcação das terras;

II - elaboração, revisão ou implantação de plano de manejo;

III - aquisição de bens e serviços necessários à implantação, gestão, monitoramento e


proteção da unidade, compreendendo sua área de amortecimento;

IV - desenvolvimento de estudos necessários à criação de nova unidade de conservação;

V - desenvolvimento de pesquisas necessárias para o manejo da unidade de conservação e


área de amortecimento.

A fixação da Compensação Ambiental e sua aplicação são de competência exclusiva da


CPB-COPAM, observado o inciso IX do art. 18 do Decreto nº 44.667/2007. O cálculo se dará
de acordo com o Anexo do Decreto nº 45.629/2011. Além disso, as ações deverão estar em
acordo com as exigências estabelecidas na Portaria do IEF nº 55/2012 e com o estabelecido
pela Lei Federal 9.985/2000.

O público alvo deste programa são o empreendedor, o órgão ambiental competente, a


unidade de conservação a quem será destinado o recurso e à comunidade como um todo
que será beneficiada.

8.29.4. Síntese das Principais Atividades


A execução deste programa visa o calculo do valor referente à compensação ambiental.
Diante disto, apresenta-se na tabela a seguir o somatório dos impactos considerados pelo
Decreto nº 45.629, de 06 de julho de 2011 e que se aplicam ao empreendimento em questão.

ARCADIS logos 209


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Quadro 8.29-1: Fatores de relevância e Valoração definidos pelo Decreto nº 45.629/2011 e Critérios e valores propostos pela Arcadis para
definição da Compensação Ambiental do Projeto Serro.

Valoração Valor
Fatores de Relevância Detalhamento (Decreto nº Critério usado pela Arcadis logos
45.629/2011)
Proposto
Interferência em áreas de ocorrência de No diagnóstico ambiental foram registradas 22
espécies ameaçadas de extinção, raras, espécies da fauna classificadas em alguma
endêmicas, novas e vulneráveis e/ou em 0,075 0,075 categoria de ameaça, 34 espécies endêmicas,
áreas de reprodução, de pousio e de rotas quatro espécies novas para a ciência e 34 aves em
migratórias. rotas migratórias.
Introdução ou facilitação de espécies A recuperação de áreas degradadas e taludes
0,01 0,01
alóctones (invasoras) prevê o plantio de espécies de gramíneas exóticas.
Ecossistemas
especialmente Está prevista supressão de 94,6 ha de vegetação
Interferência /supressão de vegetação, 0,05 0,05
protegidos (Lei nativa.
acarretando fragmentação. 14.309)
Outros biomas 0,05 0 -
Interferência em cavernas, abrigos ou Interfere de diferentes formas em 20 cavidades
0,025 0,025
fenômenos cársticos e sítios paleontológicos. naturais.
Interferência em unidades de conservação de
proteção integral, sua zona de
0,1 0 Não Interfere
amortecimento, observada a legislação
aplicável.
Importância Biológica
0,05 0,05
Especial
Interferência em áreas prioritárias para a Importância Biológica
0,045 0 57: Espinhaço Meridional - Especial; 58: Florestas
conservação, conforme “Biodiversidade em Extrema
da Encosta Leste do Espinhaço Meridional - Muito
Minas Gerais - Um Atlas para sua Importância Biológica
0,04 0,04 Alta; 59: Alto Rio Santo Antônio - Especial
Conservação.” Muito Alta
Importância Biológica
0,035 0
Alta
Está prevista movimentação de terra e
Alteração da qualidade físico-química da
0,03 0,03 interferências em recursos hídricos para
água, do solo ou do ar.
implantação do empreendimento.
Rebaixamento ou soerguimento de aquíferos
0,025 0,025 Impacto potencial previsto
ou águas superficiais.

ARCADIS logos 210


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Valoração Valor
Fatores de Relevância Detalhamento (Decreto nº Critério usado pela Arcadis logos
45.629/2011)
Proposto
Está prevista a implantação de diques de
Transformação ambiente lótico em lêntico. 0,045 0,045 contenção, que promoverá a alteração de
ambientes lóticos em lênticos.
Desconformação e fragmentação das paisagens
Interferência em paisagens notáveis. 0,03 0,03
naturais existentes.
A intensificação da movimentação de máquinas e
Emissão de gases que contribuem efeito
0,025 0,025 veículos na área acarreta na produção de gases
estufa.
que contribuem para o aumento do efeito estufa.
Devido às alterações promovidas pela implantação
Aumento da erodibilidade do solo. 0,03 0,03
de estruturas, este é um impacto previsto.
A intensificação da movimentação de máquinas e
Emissão de sons e ruídos residuais. 0,01 0,01 veículos na área acarreta na emissão de sons e
ruídos residuais.
Somatório Relevância 0,445
Fonte: Decreto nº 45.629, de 06 de julho de 2011.

ARCADIS logos 211


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Portanto, diante dos valores estabelecidos pelo Decreto nº 45.629/2011, a porcentagem


referente à compensação ambiental do Projeto Serro deve ser de 0,445% do investimento
total do empreendimento.

Entretanto, cabe destacar que, conforme o disposto no Art.1º do Decreto nº 45.629/2011 em


seu inciso IV: O valor de Referência deverá considerar o somatório dos investimentos
inerentes à implantação do empreendimento, excluindo-se os investimentos referentes aos
planos, projetos, programas e condicionantes exigidos no procedimento de licenciamento
ambiental para mitigação de impactos, os custos de análise do licenciamento ambiental,
investimentos que possibilitem alcançar níveis de qualidade ambiental superiores aos
exigidos, bem como os encargos e custos incidentes sobre o financiamento do
empreendimento, inclusive os relativos às garantias, e os custos com apólices e prêmios de
seguros pessoais e reais.

Segundo as informações da caracterização do empreendimento, os valores inerentes à


implantação do Projeto Serro (excluídos os custos com ações ambientais) são da ordem de
R$ 82.276.600,00, conforme exposto na tabela a seguir.

Tabela 8.29-1: Resumo dos Investimentos do Projeto Serro.

Investimento Valor (R$)


Aquisição de equipamentos de mina R$ 51.783.500,00
Instalação de Beneficiamento do Minério R$ 4.743.900,00
Preparação das Pilhas de Estéril e Estoque R$ 1.950.000,00
Desenvolvimento de Mina R$ 14.999.200,00
Estradas internas R$ 5.500.000,00
Estrutura de Apoio R$ 3.300.000,00
TOTAL R$ 82.276.600,00
Fonte: Geomil Serviços de Mineração, 2012.

Diante disto, considerando o calculo da porcentagem de compensação ambiental de 0,445%,


o custo previsto para Compensação Ambiental do Projeto Serro é da ordem de R$
366.130,87 (trezentos e sessenta e seis mil, cento e trinta reais e oitenta e sete centavos).

Tendo em vista a destinação desta verba, estabelecida pelo SNUC (Lei Federal 9.985/2000),
e a proximidade do empreendimento com o Parque Estadual do Pico do Itambé, sugere-se
que a compensação ambiental seja destinada à essa unidade de conservação.

8.29.5. Cronograma
Execução do Programa
Programa
Planejamento Implantação Operação Desativação

Programa de Compensação
 
Ambiental  
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

ARCADIS logos 212


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.29.6. Responsabilidades
A coordenação deste programa será de responsabilidade do empreendedor.

8.29.7. Resultados Esperados


Espera-se que os recursos financeiros da Compensação Ambiental sejam destinados a
apoiar a implantação e manutenção de Unidade de Conservação do Grupo de Proteção
Integral, a ser definida pelo COPAM, tendo sido aqui sugerido a destinação desta verba ao
Parque Estadual do Pico do Itambé.

É importante destacar que o Supremo Tribunal Federal, no julgamento da ADI 3378, decidiu
que a compensação ambiental não tem natureza jurídica de taxa, nem de indenização. Ao
vincular a aplicação dos recursos da compensação ambiental a unidades de conservação, o
legislador não está a promover a reparação do dano causado, mas apenas uma
compensação por ele, visando a manutenção da igualde intergeracional (IEF, 2014).

8.30. Plano de Fechamento de Mina para Licença Prévia (LP)

8.30.1. Introdução
Este Plano de Fechamento de Mina para Licença Prévia do Projeto Serro foi elaborado já
considerando as diretrizes orientativas do novo Guia para Planejamento do Fechamento de
Mina (SÁNCHEZ et al. 2013) lançado em 2013 pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM)
e atualmente maior referência sobre o tema no Brasil, apesar de não se tratar de um
instrumento legal. Além desta importante referência em nível nacional, este plano ora
apresentado, também se orienta pelo Anglo American Mine Closure Toolbox, referência
internacional e interna da empresa que se trata de diretrizes sobre Fechamento de Mina da
Anglo American. Entretanto, é importante frisar que este plano tem o objetivo de compor o
capítulo de programas de mitigação de impactos do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) do
Projeto Serro o que torna seu conteúdo mais simplificado que o do futuro Plano Preliminar de
Fechamento de Mina a ser desenvolvido na fase de licenciamento ambiental que visa
obtenção de Licença de Instalação (LI), ou seja, no Plano de Controle Ambiental (PCA).

Conforme destaca o guia do IBRAM (SÁNCHEZ et al., 2013), a fase de Fechamento de um


empreendimento mineiro nada mais é que o momento logo após o fim da vida útil de uma
mina que marca o término ou encerramento das atividades de desativação (também chamada
descomissionamento) deste empreendimento. Portanto, é importante diferenciar estes dois
momentos da vida do projeto. A desativação da mina se inicia alguns anos antes do fim da
produção mineral naquele projeto. É o período onde há o descomissionamento das
estruturas, recuperação ambiental das áreas e aplicação de todas as medidas necessárias
para garantir a estabilidade ambiental da área onde o projeto está inserido.

No entanto, quando se fala em Fechamento de Mina, é muito importante salientar que desde
o início da vida do empreendimento, ou seja, no seu planejamento, já se deve pensar em
“como fechar a mina” que ainda não existe. A este procedimento dá-se o nome de
Planejamento de Fechamento de Mina, prática recente ainda em assimilação pelo setor
mineral brasileiro justamente pelo caráter contemporâneo do tema. Logo, é de suma
importância pensar no empreendimento mineiro do início ao fim, antecipando problemas,
gastos financeiros com medidas de recuperação e controle ambiental de tal forma que, ao

ARCADIS logos 213


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

final da vida útil da mina, reste preocupação apenas com o rescaldo final a ser executado
visto que grande parte dos custos e atividades já deverão ter sido diluídos ao longo do
projeto.

Como parte final do processo, há a transferência de custódia, ou seja, a mudança de


responsabilidade da área para um terceiro, após o cumprimento de todas as obrigações
exigidas pelo Órgão Ambiental e a critérios de avaliação previamente estabelecidos.

Logo, este Plano de Fechamento de Mina para Licença Prévia aqui apresentado se
caracteriza como marco inicial do Planejamento de Fechamento do projeto Serro que
produzirá minério de ferro na região do município de Serro, em Minas Gerais. Este plano tem
caráter totalmente conceitual e preliminar para atendimento ao EIA do projeto em questão, e
deverá servir como base para futuras atualizações e posterior detalhamento a partir da etapa
de LI.

8.30.2. Justificativa
Como abordado anteriormente, o planejamento de fechamento de mina é primordial para o
estabelecimento de um projeto sustentável e com compromisso junto às comunidades
vizinhas e demais stakeholders para um encerramento seguro e ambientalmente correto do
projeto proposto.

Tendo em vista o exposto acima, a Anglo American entende como legítimo e necessário
estabelecer um planejamento de fechamento para seu empreendimento denominado Projeto
Serro, situado próximo à sede do município de Serro, no estado de Minas Gerais. Com isso, a
empresa estará dando início ao atendimento das diretrizes de sua Anglo American Mine
Closure Toolbox, principalmente no que tange a Tool 1 – Strategic planning for mine closure
(Caixa de Ferramentas para Fechamento de Mina, Ferramenta 1 – Planejamento Estratégico
para Fechamento de Mina) (BOTHA, 2013). Esta ferramenta instrui a Anglo American a
utilizar o planejamento de fechamento de mina como instrumento de conhecimento das
expectativas sobre o futuro do projeto, das questões ambientais, econômicas e sociais e o
foco voltado à situação do pós-fechamento do empreendimento em pauta e como isso poderá
interferir no futuro, com o fim das atividades na área. Além da ferramenta citada, a Anglo
American Mine Closure Toolbox fornece mais duas ferramentas denominadas: Tool 2 – Rapid
Assessment of the Status of a Mine’s Existing Closure Plan (Ferramenta 2 – Rápida Avaliação
do Status do Plano de Fechamento Existente) e a Tool 3 – Filling the Gaps in the Closure
Plan (Ferramenta 3 – Preenchendo lacunas no Plano de Fechamento).

A Figura 8.30-1 apresenta o fluxo do processo de fechamento de acordo com as três


ferramentas da American Mine Closure Toolbox.

Vale ressaltar que as ferramentas citadas anteriormente não serão abordadas e


desenvolvidas neste plano de fechamento para a Licença Ambiental ora apresentado, que
visa apenas a contextualização inicial do planejamento de fechamento do Projeto Serro.

Tendo em vista o que foi explanado até o momento, dá-se início ao Plano de Fechamento de
Mina, elemento principal do Planejamento de Fechamento, documento este que terá a função
de registrar os resultados deste planejamento, estabelecendo objetivos de fechamento a
serem cumpridos e as medidas a serem tomadas para atingi-los, de forma a orientar todos
aqueles envolvidos no referido processo (vide item 8.30.4- Públicos-alvo).

ARCADIS logos 214


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Importante salientar que o planejamento de fechamento também se justifica como início de


uma base futura de gestão de garantia financeira a partir de provisionamento de recursos
para o descomissionamento. Este provisionamento visará consolidar uma gestão financeira
segura, fomentando ações administrativas internas da empresa em busca de soluções e
otimização dos custos finais de fechamento, com consequente redução de passivos ao longo
de todo processo de produção (diluição de custos). Isso permitirá que, ao final da vida útil do
Projeto Serro, os recursos financeiros para conclusão de todas as atividades durante e pós-
fechamento estejam assegurados.

ARCADIS logos 215


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Figura 8.30-1: Esquema de processo de fechamento de mina conforme política da Anglo American.

FERRAMENTA 1 FERRAMENTA 2 FERRAMENTA 3

Planejamento Avaliação Rápida Preenchendo Lacunas


Estratégico

Visão do pós-fechamento definida a partir do início


Estado do
Ambiente

Plano de Esboço do Plano de


Zonas de Fechamento Plano de Fechamento Visão Pós-
Influência Preliminar Fechamento Detalhado Fechamento

Avaliação Fechamento Final e


Ambiental Plano Pós-
Estratégica Fechamento

FASE DE FASE DE OPERAÇÃO FASE DE


PROJETO FECHAMENTO

Visão do pós-fechamento influenciada pelo projeto, operação e fechamento


Fonte: Modificado de BOTHA, 2013.

ARCADIS logos 216


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Outro ponto a ser considerado na justificativa deste plano de fechamento é que o mesmo,
como comentado, é o primeiro passo no planejamento de fechamento do Projeto Serro. Logo,
este plano será objeto de atualização periódica ao longo da vida útil do empreendimento. Isso
se justifica devido às mudanças técnicas, econômicas, ambientais e sociais que poderão
ocorrer e as quais o projeto estará submetido ao longo do período de produção mineral. Além
disso, devem-se levar em conta os anseios de todos os stakeholders envolvidos no processo
durante a elaboração de todas as versões futuras de atualização deste plano.

8.30.3. Objetivo Geral


Basicamente, o objetivo principal do Plano de Fechamento do Projeto Serro vem corroborar o
que foi exposto nos itens anteriores que é garantir, após o encerramento das atividades do
empreendimento na área, a estabilidade física, química, social e biológica dos componentes
diretamente ligados ao projeto, de forma a eliminar ou mitigar qualquer tipo de passivo
remanescente para que a área afetada esteja disponível para o uso futuro escolhido como
mais apropriado.

8.30.3.1. Objetivos Específicos


Os objetivos específicos atrelados ao Planejamento de Fechamento de Mina são os
seguintes:

 Fornecer condições e informações suficientes para que a operação do empreendimento


ao longo de sua vida útil seja realizada de forma a atender as diretrizes adotadas pelo
Plano de Fechamento e pela Política Interna de Fechamento de Mina da Anglo American;
 Garantir a inclusão do conhecimento integrado sobre os ecossistemas originais nas áreas
circunvizinhas, de forma que a meta de restauração das áreas degradadas possa ser
direcionada, durante o processo de fechamento, para próximo da situação pré-existente
ao projeto;
 Garantir o uso futuro mais adequado para a área ocupada pelo projeto;
 Considerar a avaliação dos impactos, riscos e problemas de cada alternativa de uso
futuro avaliada para o projeto, de forma a se ter subsídios suficientes para que a
alternativa escolhida minimize ao máximo os impactos socioambientais e reduza os
riscos de passivo ambiental e social;
 Garantir a participação dos stakeholders durante todo o processo de fechamento do
Projeto Serro de tal forma que todos possam fazer parte da solução final a ser adotada,
desta forma, alcançando e uniformizando os anseios da maioria;
 Apresentar todos os programas necessários (físicos, bióticos, socioeconômicos e de
engenharia) para tornar a desativação do empreendimento alinhada com as perspectivas
do Plano de Fechamento pensado;
 Garantir o montante financeiro necessário para suprir todas as necessidades advindas
das atividades de fechamento do Projeto Serro, de preferência, amortizando os custos de
fechamento ao longo da vida útil do empreendimento de tal forma a reduzir ao máximo o
valor a ser desembolsado na etapa de Desativação;
 Garantir que as áreas que sejam identificadas como áreas de risco potencial de
contaminação sejam investigadas e, em caso positivo de contaminação, sejam
convenientemente descontaminadas;

ARCADIS logos 217


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Garantir que resíduos sólidos, estéril e rejeito estejam contidos e estabilizados física e
quimicamente, de forma a evitar efeitos negativos em longo prazo.

Vale ressaltar que os objetivos do fechamento necessitam ser atualizados sempre ao longo
do processo de planejamento de fechamento do referido projeto, para que possa se adaptar a
todas as mudanças que ocorrem ao longo da vida útil do projeto.

8.30.4. Públicos-Alvo
O Plano de Fechamento de Mina do Projeto Serro tem como principais públicos-alvo:

 Os funcionários direta e indiretamente ligados ou dependentes do referido projeto;


 As comunidades adjacentes, considerando principalmente Serro, que serão parcialmente
afetadas diretamente pelo fim das atividades do empreendimento em questão;
 A Anglo American, com o propósito de conceber um fechamento equilibrado, realista e
atingível, que possa ser financiado e sustentado pela empresa, favorecendo a
estabilidade ambiental da área afetada e a imagem institucional da empresa;
 O Poder Público sob a forma do governo municipal e estadual;
 As entidades ambientais interessadas no cenário futuro a ser deixado pelo
empreendimento descomissionado, tais como Organizações Não Governamentais
(ONG’s), comitês de bacia, Ministério Público, organizações políticas, associações
comunitárias, entre outras de mesma natureza, que sempre exercem pressão sobre o
empreendedor e comumente apresentam conflitos de ideais e pensamentos.

8.30.5. Princípios do Planejamento de Fechamento de Mina de acordo com o


Guia do IBRAM
Os princípios do Planejamento de Fechamento de Mina são diretrizes focais que têm a
função primordial de garantir a estabilidade física, biológica e social da área de inserção de
um empreendimento mineiro como é o caso do Projeto Serro.

Estes princípios, de acordo com o Guia para Planejamento do Fechamento de Mina


(SÁNCHEZ et al, 2013) são os seguintes:

 Proteção da qualidade ambiental, a segurança e a saúde públicas;


 Garantia da recuperação das áreas degradadas, possibilitando um uso futuro compatível
com suas aptidões e restrições e com as demandas locais e regionais;
 Alcance de uma situação Pós-Fechamento que constitua um legado benéfico e
duradouro para a comunidade.

8.30.6. Passos da Abordagem Inicial do Planejamento de Fechamento de


Mina de acordo com a Anglo American Mine Closure Toolbox
De acordo com o Mine Closure Toolbox, Tool 1 – Strategic planning for mine closure
(BOTHA, 2013), o planejamento de fechamento de mina para os empreendimentos Anglo
American deve seguir nove passos importantes para se atingir um legado positivo no pós-
fechamento, a saber:

ARCADIS logos 218


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

 Passo 1: Entender o estado geral das condições ambientais (biológico, físico, econômico
e institucional) sob os quais o empreendimento se encontra;
 Passo 2: Determinar uma visão realista do pós-fechamento da mina baseada na melhor
maneira de conduzir o processo de fechamento da mina de forma integrada com o meio
ambiente e as pessoas envolvidas;
 Passo 3: Determinar preliminarmente compromissos voltados ao desenvolvimento
sustentável que possam pautar um melhor processo de fechamento da mina;
 Passo 4: Revisão dos critérios institucionais de desenvolvimento sustentável existentes;
 Passo 5: Identificar o melhor cenário de uso futuro pós-fechamento englobando todas as
áreas afetadas pela mina;
 Passo 6: Identificar e priorizar as contribuições para o desenvolvimento sustentável que
a mina poderia realmente alcançar com seu fechamento e que poderão ser sustentados
no período pós-fechamento;
 Passo 7: Identificar o uso futuro pós-fechamento de todas as estruturas criadas durante a
vida útil do empreendimento;
 Passo 8: Identificar na área do empreendimentos as comunidades locais, indivíduos,
organizações, interessados em participar do levantamento de contribuições do
empreendimento para o desenvolvimento sustentável local;
 Passo 9: Fazer atualizações do plano de fechamento.

8.30.7. Análise preliminar de fechamento

8.30.7.1. Cenários de Fechamento – Usos Futuros


Conforme aponta Sánchez et al (2013) e que também é corroborado por Botha (2013), é
fundamental atingir uma situação pós-fechamento que represente um legado positivo e traga
benefícios duradouros para a comunidade sem que a mesma dependa da empresa de
mineração, neste caso, a Anglo American.

As alternativas de uso futuro de um empreendimento como o Projeto Serro precisam


considerar uma série de questões principalmente no que tange os custos, benefícios,
vantagens, desvantagens e riscos identificados para cada alternativa. Somam-se a isso
fatores legais e de política interna da própria empresa.

Neste plano de fechamento aqui exposto, é feito um primeiro exercício para discussão de
alternativas de uso futuro ligadas às estruturas do Projeto Serro. Obviamente, trata-se de um
exercício simples que será base para a consolidação do detalhamento e reformulação destas
alternativas a partir do desenvolvimento dos planos vindouros.

O Quadro 8.30-1 seguinte apresenta este primeiro exercício que traz algumas possibilidades
de alternativas preliminares que poderão sofrer alterações e deverão ser detalhadas com o
andamento do referido projeto tendo em vista mudanças de engenharia, questões
ambientais, econômicas, tecnológicas ou de anseios dos envolvidos no fechamento do
projeto em questão. Da mesma maneira, também serão detalhadas e mais bem discutidas
durante o planejamento de fechamento.

Abre-se aqui um breve parêntese para comentar que o Plano de Aproveitamento Econômico
(PAE) (GEOMIL, 2012) do Projeto Serro traz um capítulo sucinto sobre Fechamento de Mina

ARCADIS logos 219


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

que propõe um determinado cenário final para o empreendimento. Apesar do mesmo ser
considerado neste exercício inicial, não se pode perder de vista a dinâmica do planejamento
de fechamento ao longo da vida útil do projeto em voga. Portanto, aconselha-se que não se
tome como verdade definitiva o que o PAE traz como fechamento de mina até porque este
documento não é o mais indicado para tal.

Com referência ao Quadro 8.30-1 citado e ao que foi explanado no parágrafo anterior, são
apresentados três cenários de trabalho: o Conservador, o Utilitarista e o proposto pelo PAE.
O cenário Conservador abrange uma visão mais ecológica para solução do uso futuro da
área, promovendo a remoção total de todas as estruturas e recuperação ambiental de toda
área, procurando alcançar um equilíbrio ambiental próximo ou parecido com o das condições
anteriores ao empreendimento. Já o cenário Utilitarista tem uma visão de reutilização de toda
ou parte das estruturas do empreendimento para aplicações industriais e/ou sociais
lembrando que geralmente há a necessidade de um novo processo de licenciamento
ambiental para estas novas reutilizações. O cenário apresentado pelo PAE traz um viés
conservador, mas com possibilidades de utilização futura de algumas estruturas.

No entanto, é importante ressaltar que a existência destes cenários não necessariamente


obriga o empreendedor a optar por um ou outro. Também existe a opção de se combinar as
soluções para uso futuro de ambos cenários desde que o resultado final alcance a
estabilidade ambiental e o ideal da maioria dos stakeholders.

Apenas como um adendo, se escolhido o cenário Conservador, as áreas a serem


recuperadas necessitarão de posterior cercamento para evitar o acesso tanto de animais
quando de seres humanos à estas áreas. Com isso, aumenta-se a garantia de proteção
destas áreas para manutenção da integridade das mesmas que estarão ainda frágeis e em
processo de desenvolvimento ecológico.

ARCADIS logos 220


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Quadro 8.30-1: Alternativas de Uso Futuro Preliminares para o Projeto Serro.

Estrutura Alternativas Preliminares de Uso Futuro

- Cenário Conservador: Após realizada a investigação de alguma eventual contaminação, descomissionamento


Edificações das áreas de apoio de todas as estruturas e recuperação ambiental das áreas remanescentes; reutilização/ reciclagem dos resíduos
administrativo e operacional (antiga e reaproveitamento/ venda de equipamentos desmontados;
sede da Fazenda Céu Aberto), paióis - Cenário Utilitarista: Reaproveitamento da sede da Fazendo Céu Aberto para utilização em outras aplicações
de explosivos, balança para não industriais tais como turismo, recreação, educação ambiental, etc. Reutilização de parte das estruturas
caminhões, oficina de manutenção de conforme sua utilidade a ser definida posteriormente.
veículos - Cenário proposto pelo PAE: as estruturas serão selecionadas quanto à sua utilidade futura, devendo ser
removidas aquelas sem definição precisa de uso. As áreas remanescentes deverão ser recuperadas.
- Cenário Conservador: Após realizada a investigação de alguma eventual contaminação, descomissionamento
da ITM e áreas dependentes da mesma, com recuperação ambiental das áreas remanescentes; reutilização/
ITM Azteca (já existente e que passará reciclagem dos resíduos e reaproveitamento/ venda de equipamentos desmontados;
por reformas) - Cenário Utilitarista: Reaproveitamento da ITM para tratamento de minério de outros empreendimentos da
Anglo.
- Cenário proposto pelo PAE: não trata especificamente da ITM Azteca.
- Cenário Conservador: recuperação ambiental do restante da pilha durante a desativação do empreendimento.
- Cenário Utilitarista: Analisar possibilidade de uso do topo da pilha para algum aproveitamento socioeconômico
a ser definida conforme características apresentadas.
- Cenário proposto pelo PAE: não aborda esta estrutura, mas, genericamente, propõe que as áreas trabalhadas
sejam mantidas estáveis, sem perigo de acidentes e que sirvam para atrair a fauna regional. Ou seja, que as
Pilha de estéril áreas fiquem com bancadas regulares, intermediadas por bermas de segurança, taludes suaves e revegetados.
Ao aproximar-se do final das operações, todo o sistema de drenagem também deverá ser revisado, acertando-
lhes as geometrias projetadas, para a máxima distribuição de fluxos e passagem de água por caminhos pouco
inclinados e com substratos mais consistentes, tudo visando a redução de processos erosivos. Bacias escavadas
(sumps) e diques deverão ficar limpos e revisados ao término da lavra, para garantia de proteção da área a ser
desativada nos próximos anos.
- Cenário Conservador:
 Se houver retomada futura da pilha: recuperação ambiental da área anteriormente ocupada pela pilha de
Pilha de estoque estoque após retirada do material;
 Se não houver retomada futura da pilha: recuperação ambiental da pilha durante a desativação do
empreendimento, caso isso não tenha sido feito concomitantemente durante a vida útil da mina. Caso

ARCADIS logos 221


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Estrutura Alternativas Preliminares de Uso Futuro


tenha sido feito, complementação da recuperação do da pilha.
- Cenário Utilitarista:
 Se houver retomada futura da pilha: utilização da área anteriormente ocupada pela pilha de estoque para
disposição de materiais de outros empreendimentos Anglo ou utilização da área para alguma atividade
industrial ou antrópica a ser proposta;
 Se não houver retomada futura da pilha: Analisar possibilidade de uso do topo da pilha para alguma
aplicação a ser definida conforme características apresentadas.
- Cenário proposto pelo PAE: não foi proposto nada a respeito.

- Cenário Conservador: recuperação ambiental da área da cava, deixando taludes estáveis, sem risco de
acidentes. Adequação da geometria dos taludes de tal forma que a área tenha boas condições de recuperação e
atração da fauna regional. O sistema de drenagem da cava também deverá ser adequado para o funcionamento
Cava adequado pós-fechamento;
- Cenário utilitarista: Utilização como depósito de estéril (Classe II B) vindo de outras minas da empresa.
Deverá ser feita análise de viabilidade para tal uso.
- Cenário proposto pelo PAE: genericamente, é a mesma proposta apresentada para a pilha de estéril.
- Cenário Conservador: Descomissionamento de parte dos acessos e recuperação das áreas remanescentes;
- Cenário Utilitarista: Manutenção de parte dos acessos como apoio para os programas de pós-fechamento e
Estradas e acessos
uso das comunidades vizinhas.
- Cenário proposto pelo PAE: não aborda nada a respeito.
- Cenário Conservador: Desmobilização da mão de obra com demissão, pagamento de direitos trabalhistas e
apoio aos trabalhadores para outras atividades/funções fora da Anglo American de acordo com o programa de
Fomento ao Desenvolvimento Econômico e à Diversificação Econômica Local (vide item seguinte).
- Cenário Utilitarista: Desmobilização da mão de obra com demissão, pagamento de direitos trabalhistas e
Quadro funcional posterior aproveitamento de todo ou parte do quadro funcional em outros projetos da Anglo American;
- Cenário proposto pelo PAE: cita que, faltando três anos para o término da operação do Projeto Serro, deverá
ser abordado o tema sobre treinamento e seleção do pessoal no sentido de adaptar as outras funções da nova
atividade local ou encaminhamento a outras ocupações em atividades da região, ou mesmo, aposentadoria de
determinados elementos.
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

ARCADIS logos 222


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

8.30.8. Programas Associados Preliminares


O Planejamento de Fechamento de uma mina exige a adoção de programas específicos para
atender às principais necessidades ambientais que surgem principalmente no momento da
desativação das estruturas componentes do projeto e no pós-fechamento, onde deve ser
garantida a estabilidade ambiental e social da área ocupada pelo empreendimento.

Os programas necessários envolvem as áreas de engenharia, meio físico, biótico e


socioeconômico. No entanto, não é possível conceber cada programa atuando de forma
isolada haja vista que os temas abordados interagem entre si durante o fechamento de um
empreendimento e, forçosamente, impõem a interação entre as soluções ambientais.

Os programas prognosticados para o Plano de Fechamento do Projeto Serro, considerando a


atual fase do empreendimento e as atuais condições técnicas, econômicas, ambientais e
sociais são apresentados resumidamente no Quadro 8.30-2. Cabe salientar que, com a
sequência de atualizações do plano, estes programas deverão ser revistos, detalhados,
ampliados ou reduzidos conforme as adequações que se fizerem necessárias ao longo da
vida útil do referido projeto.

Quadro 8.30-2: Principais programas previstos pelo Plano de Fechamento do Projeto Serro
considerando a situação atual.

Programa Justificativa Objetivo

Promover a gestão do Fechamento


do Projeto Serro de tal forma que
Necessidade de um programa central
Gestão do todo o processo possa levar a um
para gerir os demais programas ligados
Fechamento descomissionamento eficiente e
ao Fechamento do Projeto Serro.
garantir a estabilidade socioambiental
da área.
Controlar a qualidade das águas
Necessidade de alcançar a estabilidade
Monitoramento locais durante a fase de desativação,
química e física dos recursos hídricos
Hídrico fechamento e pós-fechamento do
da área.
empreendimento.
Durante a fase de desativação do
Garantir a estabilidade estrutural dos
Projeto Serro haverá atividades
solos da área afetada pelo Projeto
intensas a partir das quais poderão
Serro minimizando, assim, as perdas
Controle de instalar processos erosivos em diversos
de solo e vegetação além do
Processos Erosivos pontos além daqueles tomados como
assoreamento e destruição de
passivos da fase de operação. Logo, a
drenagens impactadas pelas
necessidade de mitigação destes
atividades do empreendimento.
processos será iminente.
Necessidade de um programa para
gestão das atividades de demolição e
Gerir as atividades de demolição e
Demolição e desmontagem de equipamentos
desmontagem dos equipamentos das
Desmontagens das durante a fase de desativação de tal
áreas de apoio administrativo e
Edificações e forma que haja reaproveitamento/
operacional prezando pela saúde e
Equipamentos reciclagem máximos do que for gerado
segurança ocupacional da operação.
seja considerando o cenário
Conservador ou Utilitarista.
Descontaminação e Algumas áreas dentro do Identificar e gerenciar as áreas com
Neutralização de empreendimento em pauta terão potencial de contaminação por

ARCADIS logos 223


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Programa Justificativa Objetivo


Áreas Contaminadas atividades com a utilização de substâncias químicas/ resíduos que
e de Resíduos substâncias químicas como óleos, foram utilizados/ gerados durante as
graxas e combustíveis. Consideram-se atividades operacionais do Projeto
ainda os resíduos sólidos e líquidos Serro.
gerados durante a vida útil do projeto.
Com o fim das atividades, é de
fundamental importância a investigação
dessas áreas de tal forma a confirmar
se não houve nenhum tipo de
contaminação para garantir a
estabilidade ambiental das mesmas no
pós-fechamento.
Garantir que todos os resíduos
Durante o descomissionamento das
gerados durante o
edificações das áreas de apoio
Plano de Gestão de descomissionamento das edificações
administrativo e operacional haverá
Resíduos Sólidos no sejam submetidos a todos os
geração de resíduos que deverão ser
Fechamento procedimentos regidos pela Politica
geridos conforme a Política Nacional de
Nacional de Resíduos Sólidos
Resíduos Sólidos (PNRS).
(PNRS).
Garantir o correto
descomissionamento destas
O Projeto Serro operará com diversas
estruturas específicas da atividade
Fechamento das estruturas típicas de mineração como
mineradora, principalmente
Estruturas de cava e pilha de estéril. Estas estruturas
considerando questões eventuais de
Mineração deverão ser devidamente
riscos geotécnicos e de aporte de
descomissionadas.
sedimentos para os recursos hídricos
existentes na área.
Geração de diversas áreas para
Promover as medidas de reabilitação
recuperação, principalmente durante o
de áreas degradadas durante a
descomissionamento das edificações e
desativação do Projeto Serro bem
Reabilitação de fechamento das estruturas de
como dos passivos ambientais
Áreas Degradadas mineração, além da necessidade de
remanescentes da fase de operação
(PRAD) rescaldar passivos ambientais e
do projeto e áreas recuperadas que
complementar a vegetação de áreas
necessitem de reforço complementar
recuperadas que estejam apresentando
de vegetação.
falhas.
A preocupação com a estabilidade
física, química e biológica da área
ocupada pelo Projeto Serro não pode Garantir a manutenção das condições
Manutenção e ser exclusiva ao período de ambientais favoráveis por um período
Monitoramento Pós- fechamento. Para garantir a de longo prazo após o fechamento do
Fechamento estabilidade ambiental da área é Projeto Serro considerando o meio
necessário o monitoramento e físico, químico e biológico.
possíveis intervenções pós-fechamento
até a autossustentabilidade da área.
Com o fim das atividades do Projeto
Serro, todos os funcionários ficarão Reduzir ao máximo o impacto social
sem atividade produtiva o que vai relativo à desmobilização dos
Desmobilização e
acarretar impacto social na região. funcionários do Projeto Serro,
Recondução de Mão
Logo, é necessário um programa sólido conduzindo-os a outras unidades da
de Obra
de desmobilização e recondução Anglo American ou a outras funções
destes funcionários para novos profissionais.
propósitos.

ARCADIS logos 224


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Programa Justificativa Objetivo

Fomento ao As comunidades vizinhas deverão Minimizar os impactos sociais e


Desenvolvimento gerar certo grau de dependência junto econômicos decorrentes do término
Econômico e à ao Projeto Serro tanto em relação à das atividades do Projeto Serro,
Diversificação geração de renda e empregos quanto à provendo autossustentabilidade
Econômica Local fonte de impostos arrecadados. econômica para a região afetada.
Permitir um canal direto e
A comunicação social e a interação
transparente de diálogo e interação
entre a Anglo American e os atores
entre a Anglo American e os
ligados ao processo de fechamento
Comunicação Social stakeholders direta ou indiretamente
serão ferramentas de extrema
e Relacionamento envolvidos com o Fechamento do
importância para que o fechamento do
com as Partes Projeto Serro desde o início da vida
projeto alcance todos os objetivos
Interessadas da mina de tal forma que os resultado
colocados. Isso é muito recomendado
finais de fechamento atendam em
pela Anglo American Mine Closure
grande parte aos anseios de todos os
Toolbox e pelo Guia do IBRAM.
envolvidos.
Elaboração: ARCADIS logos, 2013.

8.30.9. Cronograma
O Quadro 8.30-3 exibe abaixo o cronograma preliminar para o Planejamento do Fechamento
do Projeto Serro. Cabe ressaltar que este cronograma poderá sofrer alterações ao longo da
vida útil do empreendimento, consequência de ajustes de atividades neste período ou
mudanças internas e/ou externas de ordem técnica, econômica, ambiental e social.

O Plano de Fechamento de Mina em caráter preliminar e, posteriormente, conceitual, será


desenvolvido para todo o projeto. Deverá haver atualizações do plano básico conforme
apontado na tabela referida e atualizações constantes ao longo da vida útil do projeto em
caso de grandes alterações no mesmo.

Destaca-se que o tempo reservado ao Pós-Fechamento foi adotado, a princípio, entre dois e
cinco anos, o que engloba o prazo de três anos proposto no Plano de Aproveitamento
Econômico – PAE do Projeto Serro (GEOMIL, 2012). No entanto, este intervalo de tempo
será mais bem definido com o avanço do Planejamento de Fechamento e os resultados
durante as etapas de Desativação e Pós-Fechamento, ou seja, poderá confirmar esta
primeira previsão ou se prolongar por mais tempo.

ARCADIS logos 225


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Quadro 8.30-3: Cronograma Preliminar de Planejamento de Fechamento de Mina para o Projeto Serro.

ANO

ATIVIDADE 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19...

Visão de pós-fechamento
Elaboração do Plano de Fechamento de Mina para atendimento ao EIA (Início do
Planejamento de Fechamento)
Elaboração do Plano Preliminar de Fechamento (Revisão do Plano do EIA)
Provisões Financeiras para o Fechamento da Mina
Envolvimento com as partes interessadas
Elaboração do Esboço do Plano de Fechamento
Atualização periódica do Esboço do Plano de Fechamento
Revisões do Esboço do Plano de Fechamento em caso de mudanças substanciais
Elaboração do Plano Detalhado (Executivo) de Fechamento
Execução do Plano Detalhado (Executivo) de Fechamento para todo o Projeto
Pós-Fechamento para todo o Projeto (Monitoramento e Manutenção)
Transferência de Custódia da área
Elaboração: ARCADIS logos, 2014.

ARCADIS logos 226


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

9. Cenários Prospectivos

Sem o empreendimento Com o empreendimento e medidas

Meio Físico
O provável rebaixamento do nível d’água
subterrâneo poderá afetar tanto nascentes do
córrego Siqueira quanto nascentes do rio do Peixe.

Haverá alteração na disponibilidade hídrica,


considerando a demanda de água do
Espera-se a manutenção do nível do lençol empreendimento e que o córrego Siqueira e seus
freático e vazão atual dos cursos d’água tributários apresentam outros usos múltiplos.
superficiais, bem como da qualidade das águas.
Alteração da qualidade das águas superficiais
poderá ocorrer devido à geração de sedimentos e
à geração de cargas pontuais representadas por
efluentes líquidos e oleosos e resíduos sólidos
originados dos processos industriais e da
infraestrutura de apoio.
Intensificação dos processos de dinâmica
A suscetibilidade atual dos processos de dinâmica
superficial, mesmo em áreas de baixa
superficial não deverá ser alterada, com a
suscetibilidade, em função das atividades de
ocorrência pontual e restrita. A maior parte da
movimentação de terra e consequente alteração
área é de baixa suscetibilidade a estes processos.
da conformação natural do terreno.
Em função da operação de
É esperado que os níveis de ruído estejam de máquinas/equipamentos e da possibilidade das
acordo com a legislação vigente. atividades de detonação, prevê-se o aumento dos
níveis de ruído e vibração.
Intensificação da ressuspensão do material
Manutenção da boa qualidade do ar, embora particulado e da geração de gases de combustão
ocorra ressuspensão de material particulado nas devido à operação de veículos leves e pesados, ao
vias de acesso não pavimentadas. transporte e carreamento de minério e às
prováveis atividades de detonação.
Dentre as 26 cavidades cadastradas na área do
Projeto Serro, seis estão situadas em locais onde
serão implantadas as estruturas e, portanto, serão
suprimidas.
Sem a implantação do empreendimento é mantido
o cenário atual onde ocorrerá manutenção das Dezessete cavidades terão seus raios de influência
cavidades. diretamente afetados pelas ações inerentes à
implantação do empreendimento.

Três cavidades não sofrerão impactos com a


implantação do empreendimento.

ARCADIS logos 227


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Sem o Projeto Serro Com o Projeto Serro


Meio Biótico
Haverá remoção de 94,6 ha de vegetação nativa,
Manutenção da Cobertura Vegetal Natural e da
promovendo o afugentamento da fauna e
Biodiversidade local, com eventos ocasionais de
consequente perda de biodiversidade local.
caça legal, retirada de vegetação nativa para
Ressalta-se que serão suprimidas áreas
abertura de pastos ou para utilização da madeira,
consideradas prioritárias para a conservação da
incêndios e inserção de espécies exóticas.
biodiversidade do estado.

Manutenção das APPs no estado atual de


conservação, com eventos ocasionais de remoção
Serão removidos 31,31 ha de APP, favorecendo o
da cobertura vegetal para atender a interesses
desaparecimento de áreas alagadas, e o
pessoais diversos.
assoreamento de drenagens e,
consequentemente, a redução da disponibilidade
Prevalência de áreas alagadas que representam
de habitats, interferindo diretamente na
microhabitats para a fauna, mantendo as
manutenção da biodiversidade local.
interações ecológicas atuais e favorecendo a
manutenção da biodiversidade nativa e local.

Manutenção dos fragmentos na região, porém


com alterações eventuais promovidas pela
retirada de cobertura vegetação nativa para
produção de carvão, uso de madeira e abertura de
área para utilização agrosilvopastoril. Fragmentação de habitats naturais e perda de
conectividade para a fauna e flora em decorrência
As comunidades faunísticas continuarão a sofrer da retirada das formações florestais. As áreas
pressões de caça para xerimbabo, cinegética e florestadas na AID estarão entrecortadas pelos
tráfico, além da caça predatória ou territorialistas, acessos e sofrerão pressões, como efeito de
promovida pelos cães domésticos registrados na borda e perda de nicho para caça, reprodução,
região. Entretanto, dada a diversidade de estivação e outros.
ambientes preservados na região (UCs e áreas
ainda não habitadas), espera-se a manutenção da
diversidade atual e a promoção de conectividade
em áreas sem manejo.

Manutenção de pressão eventual sobre a fauna


Intensificação da pressão antrópica sobre a fauna
(caça, pesca e atropelamento) e flora (retirada de
e flora do entorno do empreendimento
espécimes vegetais) em função da movimentação
(afugentamento e atropelamento de fauna,
de pessoas e animais domésticos na região, bem
elevação dos eventos de caça e pesca predatória).
como pelo tráfego de veículos.

Conforme apontado no diagnóstico realizado na


região, foram registradas cinco espécies de
Como há previsão de perda de habitats em função
anfíbios novas para a ciência. Estas e outras
da instalação do empreendimento, há chances de
espécies ainda não conhecidas para a ciência
extinção local de espécies ainda não conhecidas
poderão ser estudadas e medidas eficientes de
pela ciência, antes mesmo de serem descritas.
conservação podem ser sugeridas, favorecendo a
manutenção da biodiversidade.

Haverá alteração da qualidade física de habitats


Conservação de habitats aquáticos e associados aquáticos e associados e, por conseguinte, perda
e manutenção da diversidade de organismos de nichos, habitat, com possibilidade de extinção
aquáticos ou dos que dependem do ambiente local de espécies. A redução da coluna d'água
aquático. poderá também afugentar animais que utilizam as
drenagens para dessedentação.

ARCADIS logos 228


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Sem o Projeto Serro Com o Projeto Serro


Meio Biótico
Redução da qualidade da água e possível
contaminação de habitats aquáticos e associados,
podendo acarretar em perda de habitat,
Manutenção da qualidade da água e de espécies mortandade de espécies aquáticas e
indicadoras da boa qualidade hídrica. semiaquáticas, e consequente redução da
biodiversidade. Haverá também comprometimento
da qualidade da água para o consumo do gado e
para os usos antrópicos.

Haverá intervenção direta no córrego Siqueira e


O córrego Siqueira e suas nascentes da margem nas nascentes de sua margem direita.
direita terão suas condições atuais preservadas, Consequentemente, ocorrerão alterações na
assim como o volume hídrico atual deverá ser configuração das drenagens, na qualidade da
mantido. água e nas vazões, com consequente perda de
habitats aquáticos e associados.
O aumento do tráfego de pessoas na área e a
retirada da cobertura vegetal poderão promover
interferências na qualidade da saúde pública.

Manutenção do da abundância atual de dípteros


vetores de doença na região e equilíbrio da Espécies que têm preferência pelos habitats
população. florestais deverão buscar abrigo e alimento nas
áreas operacionais ou rurais próximas. Além
disso, a redução do número de predadores e a
elevação da disponibilidade de alimento provocará
uma elevação na população de dípteros vetores
da região e dos riscos de epidemias de doenças.

Sem o Projeto Serro Com o Projeto Serro

Meio Socioeconômico
Possível aumento de casos de conflitos sociais e
de violência em função da possível chegada
imigrantes no município de Serro, destacando-se:
disputa por oportunidade de trabalho;
relacionamentos amorosos; desentendimentos
entre colegas; marginalidade social.

Manutenção do modo de vida e do cotidiano da Aumento na movimentação de pessoas,


população maquinários, equipamentos e veículos, que
poderão gerar alterações nos níveis de ruído,
vibração, trânsito (de pessoas e veículos) e
suspensão de material particulado (poeira) da
região, podendo levar incômodos aos
trabalhadores da obra e as comunidades próximas
ao empreendimento (comunidade Floriano e
moradores vizinhos a ADA).

ARCADIS logos 229


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Sem o Projeto Serro Com o Projeto Serro

Meio Socioeconômico
Poderá ocorrer um aumento na demanda por
serviços e equipamentos públicos, em função da
atração de imigrantes para o município de Serro.

Em contrapartida, também surge a oportunidade


de melhoria dos equipamentos e serviços urbanos
Manutenção dos níveis das demandas por
existentes devido ao aumento das receitas
equipamentos e serviços públicos.
municipais (impostos e transferências, taxas e
contribuições).

Adequação da via de ligação principal entre a MG-


010 e a área do Projeto Serro, ação que deverá
ser executada pelo empreendedor.
Possível propagação de doenças
infectocontagiosas que pode ocorrer em razão das
atividades relativas às obras do empreendimento e
ao possível incremento da população vinda de
Manutenção do nível de propagação e outras localidades.
prevalência de doenças infectocontagiosas
Possível incremento dos casos de doenças
sexualmente transmissíveis – DSTs, haja vista, as
características da eventual população atraída
(predominantemente masculina e jovem).
Alteração da uniformidade da paisagem,
provocando uma descontinuidade tanto na
homogeneidade da cobertura vegetal (ou no
Manutenção da unidade paisagística local “tecido vegetal”) como no contexto social local,
uma vez que o empreendimento será um elemento
exótico, novo e único na paisagem local, em
contraponto a paisagem natural-rural existente.

Incremento no nível de emprego no município de


Manutenção dos índices de emprego e renda dos Serro, em decorrência das oportunidades
habitantes. oferecidas pelo empreendimento, e consequente
crescimento da renda das famílias.

Ampliação da dinamização da economia local,


visto que a elevação do número de empregos
Manutenção das atividades econômicas
diretos em um setor econômico estimula o
desenvolvidas no município de Serro
aumento da produção e a geração de empregos
adicionais em outros setores.
Incremento na arrecadação tributaria no município
de Serro, em função da contratação de serviços de
engenharia e outros associados à construção das
estruturas, que por sua vez são fatos geradores do
ISSQN.
Manutenção dos níveis de receitas do município
de Serro Incremento nas receitas do município na forma de
repasse da cota parte da Compensação Financeira
pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM),
uma vez que 65% da CFEM gerada pela produção
de minério de ferro do Projeto Serro irá para os
cofres do município.

ARCADIS logos 230


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

10. Conclusões e Recomendações


Conforme apresentado no presente Estudo de Impacto Ambiental, o Projeto Serro refere-se à
lavra de minério de ferro em escala de produção de 500.000 t/ano, e posterior beneficiamento
a seco, em área contida no DNPM 5.130/1956, no município do Serro/MG.

O Projeto Serro, que visa o atendimento do mercado interno brasileiro, consiste na


explotação do minério de ferro com teor acima de 60% em três pits de lavra e posterior
realização das operações unitárias de britagem e classificação granulométrica do mesmo na
instalação da Planta Azteca que será devidamente repotenciada. Além disso, o
empreendimento conta com uma pilha de estéril, uma pilha de estoque, instalações de apoio
à operação da mina e adequação dos acessos internos existentes e abertura de novas vias.

Considerando as informações referentes ao empreendimento ora proposto, foi elaborado o


diagnóstico ambiental a partir do qual foi possível avaliar os impactos ambientais resultantes
do novo projeto. O entendimento da dinâmica ambiental e socioeconômica da região em que
se insere o Projeto Serro pautou-se na compilação, análise e sobreposição das informações
referentes às especificidades ambientais e culturais, e às relações socioambientais,
identificadas nas áreas de influência do empreendimento.

A implementação do Projeto Serro poderá ocasionar modificações ambientais e sociais nas


áreas de influência, para as quais foram apresentadas soluções de monitoramento e
verificação, controle e mitigação para os impactos associados.

Além disso, antes mesmo da implantação do referido projeto, o empreendedor já apresenta


uma visão preliminar de futuro quanto ao fim das atividades deste empreendimento. Isto é
concretizado por meio de um planejamento de fechamento de mina para o Projeto Serro, cujo
instrumento principal é o Plano de Fechamento de Mina Preliminar. Durante a vida útil deste
projeto, o referido plano será atualizado e detalhado de tal forma que a área a ser ocupada
possa ser entregue dentro de condições ambientais sustentáveis à sociedade.

Com relação ao meio físico, a maior parte dos impactos negativos na fase de implantação é
de baixa relevância, sendo que os impactos de alta relevância estão relacionados aos
recursos hídricos e ao patrimônio espeleológico. Na fase de operação, a maioria deles é de
média relevância, ao passo que na fase de desativação há predomínio de impactos de baixa
relevância.

O provável rebaixamento do nível d’água e as alterações na qualidade das águas superficiais


e subterrâneas, na configuração da rede hídrica e na disponibilidade hídrica devido à
implantação e operação do empreendimento serão alvos de medidas mitigadoras e de
monitoramento constantes nos Programas de Monitoramento da Qualidade das Águas
Superficiais, Monitoramento da Qualidade das Águas Subterrâneas e no Programa de
Controle Ambiental das Obras – PCAO.

Conforme apresentado no Estudo de Relevância de Cavidades Naturais Subterrâneas, 17


cavidades sofrerão interferência em seu raio de proteção e seis serão suprimidas (cinco de

ARCADIS logos 231


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

alta relevância espeleológica e uma de máxima relevância). Para viabilização do


licenciamento ambiental deste empreendimento e atendimento aos pré-requisitos legais, se
faz necessária a implantação do Programa de Proteção do Patrimônio Espeleológico
apresentado neste EIA, que prevê ações complementares na tentativa de revisão do grau de
relevância destas cavidades (de máxima), estudo de readequação de raios de proteção,
proposição de compensação pela supressão daquelas de alta relevância, ou até revisão de
layout do projeto e estruturas visando reduzir o grau de impacto sobre as cavidades naturais
subterrâneas.

Embora a área seja predominantemente caracterizada por terrenos que denotam baixa
fragilidade aos processos do meio físico, a movimentação de terra e a alteração da
conformação do terreno, necessárias à implantação do empreendimento, contribuirão para o
desencadeamento e intensificação de processos erosivos. As ações previstas no Programa
de Controle Ambiental das Obras – PCAO e no Programa de Monitoramento e Controle de
Processos Erosivos e Movimentos de Massa visam à mitigação deste impacto.

Considerando a alteração na qualidade do ar e a intensificação dos níveis de ruído e vibração


em função da implantação e operação do empreendimento, estão previstos os Programas de
Monitoramento da Qualidade do Ar e de Monitoramento de Ruído e Vibração com o intento
de garantir que estes parâmetros permaneçam dentro dos limites estabelecidos pela
legislação vigente, além de avaliar a eficácia das medidas mitigadoras propostas nestes
programas.

No que tange ao meio biótico, de maneira geral, os resultados encontrados no diagnóstico


ambiental apontam para uma diversidade de ambientes terrestres, subterrâneos e aquáticos
que possibilitam a manutenção de uma rica comunidade faunística e florística.

Não há interferência direta da ADA sobre Unidades de Conservação, apesar de estar próxima
ao Parque Estadual do Pico do Itambé, à Área de Proteção Ambiental Águas Vertentes, ao
Monumento Natural Várzea do Lageado e Serra do Raio e à Floresta Municipal Mãe D’água.

Embora dominada pela vegetação secundária, a ADA encontra-se relativamente conservada,


com fragmentos vegetacionais robustos e, em geral, interconectados, associados a áreas
alagadas e ambientes abertos, naturais ou não.

A implantação do empreendimento implica na supressão de 111,4 ha, dos quais 94,6 ha


(85% do total) são representados por vegetação nativa. Deve ser considerado, no entanto,
que embora os números absolutos e percentuais de supressão de vegetação nativa na ADA
sejam relevantes, quando comparados ao volume de vegetação nativa remanescente no
entorno direto da AID (1739,2 ha), tornam-se menos expressivos. Deverá haver ainda
intervenção sobre 4,49 ha de APPs cobertos por pastagens localizadas na ADA. Desta forma,
o Programa de Recomposição Florestal prevê a recuperação de 99,09 ha (total de
intervenção sobre vegetação nativa e APPs) e o Programa de Compensação Florestal vai
atender a legislação atual vigente e garantir a conservação de mais 94,6 ha de vegetação
nativa, trazendo assim um saldo positivo para a perda de habitats naturais prevista
(proporção de 2:1).

Ainda assim, entende-se que a supressão da cobertura vegetal nativa implica na perda direta
e indireta da biodiversidade, em função da perda de serviços ambientais, de recursos

ARCADIS logos 232


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

necessários ao suporte da fauna, da redução da riqueza de espécies, fragmentação dos


remanescentes florestais, dentre outros. Visando atenuar estes efeitos, estão previstos ainda
os Programas de Controle de Supressão Vegetal, Resgate de Germoplasma Vegetal,
Afugentamento e Manejo Eventual de Fauna durante a Supressão de Vegetação, de
Conservação e Monitoramento de Fauna.

Devem ser levados em consideração também os efeitos da caça, coleta ilegal de espécimes
e atropelamentos sobre a fauna, além da interferência na saúde pública local, em função do
incremento de pessoas e veículos circulando na área advindos da instalação do
empreendimento. Considerando-se ainda a existência de dípteros vetores transmissores de
doenças já existentes na região, as ações previstas no Programa de Educação Ambiental e
no Programa de Conservação e Monitoramento de Fauna atenuarão os efeitos supracitados.

O empreendimento ainda fará intervenções sobre os recursos hídricos superficiais, afetando


a fauna aquática e terrestre associada, que tem potencial de ser mais rica e apresentar novas
espécies para a ciência. As ações previstas nos Programa de Conservação e Monitoramento
de Fauna, Programa de Monitoramento da Biota Aquática e Programa de Educação
Ambiental – PEA visam contornar os impactos previstos.

Do ponto de vista socioeconômico verificou-se que o município de Serro possui um pequeno


porte populacional e econômico. O município apresenta déficits no que diz respeito a
saneamento básico, sobretudo, no que tange ao tratamento de esgoto, embora, apresente
infraestrutura de saúde e educação relativamente adequadas. No meio socioeconômico estão
abarcados os impactos positivos relacionados à dinamização da economia e aumento do
emprego, sendo que no pico das obras serão gerados cerca de 300 novos postos de trabalho
diretos, o que resultará no aumento da renda familiar, aumento da possibilidade de negócios
e aumento da receita orçamentária municipal.

O aumento da receita municipal ocorrerá tanto na fase de implantação quanto na de


operação do empreendimento, que poderá ser convertido (por meio de políticas públicas) na
melhoria das condições de vida dos moradores de Serro. Este aumento nas receitas
municipais pode ser potencializado caso as medidas relativas a este tema apresentadas no
Programa de Monitoramento das Interferências em Infraestruturas e Serviços Públicos sejam
colocadas em prática, assim proporcionando um cenário de possibilidade de melhoria na
oferta de infraestrutura e serviços públicos no município.

Os impactos benéficos na dinâmica socioeconômica serão potencializados a partir de ações


que visam o maior aproveitamento de trabalhadores e fornecedores de bens e serviços
presentes no município de Serro, conforme os Programas de Gestão de Mão de Obra e
Programa de Comunicação Social.

Por outro lado, os impactos negativos se aglutinam em temas que influem no modo de vida e
cotidiano dos moradores, tanto os residentes na sede municipal como os vizinhos ao
empreendimento, bem como na possibilidade da piora da qualidade dos serviços públicos
ofertados à população, em razão do possível incremento populacional devido à chegada de
migrantes em busca de empregos e oportunidades de negócios em virtude do Projeto Serro.
Contudo, vale ressaltar que em Serro há quantidade suficiente de pessoas (população
economicamente ativa) para atender a demanda do Projeto e que a contratação de
funcionários para o empreendimento deverá ser prioritariamente da população local. Sendo

ARCADIS logos 233


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

assim, a magnitude destes impactos se atenua, conforme já citado em sua avaliação, em


capítulo especifico.

Como é usual, são esperados impactos negativos relacionados ao surgimento de


expectativas da população com relação às oportunidades de emprego e negócios. Assim,
este estudo apresentou medidas contidas no Programa de Comunicação Social, que visam
informar à população sobre o empreendimento de forma a evitar a difusão de especulações
que gerem essas expectativas.

O incremento populacional também está ligado à propagação de doenças infectocontagiosas.


Acredita-se que o eventual incremento da população em razão da atração populacional para
a fase de implantação do empreendimento seja predominantemente masculina e jovem, o
que pode resultar em aumento do número de doenças sexualmente transmissíveis – DSTs.
Da mesma forma, também existe a possibilidade da migração trazer outras doenças não
endêmicas até então no município. Para mitigar este impacto na saúde da população foram
propostos: o desenvolvimento de estratégias para o monitoramento e controle de endemias,
previstas no Programa de Promoção da Saúde, e outras ações previstas no Programa de
Educação Ambiental voltadas aos trabalhadores da obra e à população local a fim de garantir
a conscientização necessária para prevenção de doenças transmissíveis.

Ainda são previstos impactos negativos acerca dos incômodos à população que devem surgir
tanto em função das obras de implantação e desativação, como da própria operação do
empreendimento. Por isso foram propostas ações de mitigação que constam em programas
como Programa de Comunicação Social e Programa de Monitoramento do Tráfego.

Verificou-se também a necessidade de adequação da Via de Acesso Principal entre a MG-


010 e a área do Projeto Serro, já que esta via não apresenta estrutura física adequada para o
tráfego de veículos de grande porte, o que será necessário durante as futuras obras do
projeto. Para tanto, está sendo proposto um programa de adequação da via atual de ligação
entre a MG-010 ao Projeto Serro. Ao fim da vida útil do empreendimento é prevista uma
queda na atividade econômica do município de Serro que poderá ser minimizada com ações
de mitigação propostas neste EIA, como as ações que objetivam a qualificação dos
trabalhadores, apresentadas no Programa de Gestão da Mão de Obra.

Com relação ao patrimônio histórico-arqueológico, foram identificados sítios e ocorrências


arqueológicas de valor histórico ou arqueológico na área do empreendimento. As ações
indicadas para a mitigação de possíveis impactos sobre este patrimônio são previstas nos
Programas de Prospecção Arqueológica, Educação Patrimonial e Monitoramento
Arqueológico.

Finalmente, considerando todos os aspectos negativos e positivos levantados para este novo
Projeto, juntamente com ações propostas nos programas socioambientais aqui apresentados
que visam a redução, mitigação, compensação e monitoramento daqueles impactos
negativos, bem como a potencialização dos impactos positivos, considera-se que o Projeto
Serro busca as premissas e precauções para o desenvolvimento sustentável, e portanto
apresenta viabilidade socioambiental.

ARCADIS logos 234


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

11.Referências Bibliográficas
11.1. Caracterização do Empreendimento
GEOMIL Serviços de Mineração LTDA. Reavaliação de reservas e atualização do Plano de
Aproveitamento Econômico – PAE: DNPM nº 5.130/56. Anglo American. Geomil Serviços de
Mineração Ltda., 210p. il., 2012.

11.2. Diagnóstico Ambiental

11.2.1. Meio Físico

11.2.1.1. Recursos Hídricos


AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. 2005. Standard Methods for the Examination
of Water and Wastewater. 21th Ed., Port City Press, Washington.

ANA & CETESB. 2011. Guia Nacional de Coleta e Preservação de Amostras: água,
sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidos. Brasília – DF.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. 2005. ISO/IEC 17025.


Requisitos Gerais para Competência e Laboratórios de Ensaio e Calibração. 2.ed.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 10.151 - Material


Particulado em Suspensão no Ar Ambiente - Determinação da Concentração Total pelo
Método do Amostrador de Grande Volume.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 13412 - Material


Particulado em Suspensão no Ar Ambiente - Determinação da Concentração de Partículas
Inaláveis pelo Método do Amostrador de Grande Volume Acoplado a um Separador Inercial
de Partículas.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 9547 - Material


Particulado em Suspensão no Ar Ambiente - Determinação da Concentração Total pelo
Método do Amostrador de Grande Volume.

ATLAS DAS ÁGUAS. 2013. Disponível em <http://www.atlasdasaguas.ufv.br/doce/>. Acesso


em 02 out. de 2013.

BRANCO, S.M. 1986. Hidrobiologia aplicada à Engenharia Sanitária. São Paulo: CETESB.

BRASIL. Lei n° 9433 de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos


Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o
inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de
março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989.

BRASIL. Lei n° 9984 de 17 de julho de 1990. Dispõe sobre a criação da Agência Nacional de
Águas - ANA, entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e

ARCADIS logos 235


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, e dá outras


providências.

CARLSON, R.E. 1977. A trophic state index for lakes. Limnol. and Oceanogr. v.22 (2).p. 261-
269.

CASTILHO, A.S. 2011. Avaliação Preliminar da Viabilidade do Uso de Reservatórios


Previstos para a Geração de Energia Elétrica para Minimização dos Efeitos de Cheias na
Bacia do Rio Doce. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos.

CETEC. Diagnóstico Ambiental do Estado de Minas Gerais. Série Publicações Técnicas, 10.
158p. Resolução do Conselho Nacional de Recursos Hídricos - CNRH n° 32/2003, 1983.

CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Disponível em:


<http://www.cetesb.sp.gov.br/>. Acesso em 03/06/2014.

CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Variáveis de Qualidade das


Águas. Disponível em <http://www.cetesb.sp.gov.br/agua/Águas-Superficiais/34-Variáveis-de-
Qualidade-das-Águas>. Acesso em 09/12/2012.

CETESB (Companhia Estadual de Tecnologia de Saneamento Básico e Defesa do Meio


Ambiente). 1988. Controle de poluição.

COELHO, A. L. N. 2007. Alterações Hidrogeomorfológicas no Médio-Baixo Rio Doce/ES. 227


f. Tese de Doutorado. Universidade Federal Fluminense: Instituto de Geociências, Niterói.

COELHO, A.L.N. 2009. Bacia Hidrográfica do Rio Doce (MG/ES): uma análise socioambiental
integrada. Geografares, n° 7, 131-146.

CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 01, de 8 de março de 1990.


Dispõe sobre critérios e padrões de emissão de ruídos decorrentes de quaisquer atividades
industriais, comerciais, sociais ou recreativas, inclusive as de propaganda política.

CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 420, de 28 de dezembro de


2009. Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença
de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas
contaminadas por essas substâncias em decorrência de atividades antrópicas.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 03, de 28 de junho de 1990.


Dispõe sobre padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 357, de 17 de março de


2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu
enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes,
e dá outras providências.

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 420, de 28 de dezembro de


2009. Dispõe sobre critérios e valores orientadores de qualidade do solo quanto à presença
de substâncias químicas e estabelece diretrizes para o gerenciamento ambiental de áreas
contaminadas por essas substâncias em decorrência de atividades antrópicas.

ARCADIS logos 236


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

COPAM – Conselho Estadual de Política Ambiental. Deliberação Normativa n° 01 de 26 de


maio de 1981.

CPRM – Serviço Geológico do Brasil. Disponível em <http://www.cprm.gov.br/alerta/site/>.


Acesso em 01 nov. de 2013.

CPRM – Serviço Geológico do Brasil. 2003. Sistema de Alerta Contra Enchentes da Bacia do
Rio Doce. Relatório Técnico da Operação do Sistema de Alerta no período de Dezembro de
2002 a Março de 2003. Belo Horizonte.

CPRM – Serviço Geológico do Brasil. 2009. Hidrogeologia: Conceitos e aplicações. CPRM,


LABHID, 812 p.

CUPOLILLO, F.; ABREU, M. L.; CASTRO, F. V. F. 2006. Climatologia do Regime


Pluviométrico na Bacia do Rio Doce. In: Congresso Brasileiro de Meteorologia, XIV. Anais.
Florianópolis.

CUPOLILLO, F.; ABREU, M.L.; VIANELLO, R.L. 2008. Climatologia da Bacia do Rio Doce e
sua Relação com a Topografia Local. Belo Horizonte: Geografias, n° 04, 45-60.

ECOPLAN-LUME. 2010. Plano de Ação de Recursos Hídricos da Unidade de Planejamento e


Gestão DO3. PARH Santo Antônio. Consórcio Ecoplan-Lume.

ECOPLAN-LUME. 2010. Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio


Doce e Planos de Ações para as Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos
da Bacia do Rio Doce – Volume I – Relatório Final. Consórcio Ecoplan-Lume.

ESTEVES, F. A.. 2011. Fundamentos de Limnologia. Interciência, Rio de Janeiro. 3.ed.

FEITOSA, F. A. C.; MANOEL FILHO, J.; FEITOSA, E. C.; DEMETRIO, J. G. A.. GALDEAN,
N.; CALLISTO, M. & BARBOSA, F. A. R. 2000. Lotic ecosystems of Serra do Cipó, southeast
Brazil: water quality and a tentative classification based on the benthic macroinvertebrate
community. Aquatic Ecosystem Health and Management, 3 (4):545-552.

GASTMANS, Didier; VEROSLAVSKY, Gerardo; CHANG, Hung Kiang; MARMISOLLE,


Josefina; OLEAGA, Alejandro. 2010. Influência do arcabouço hidroestratigráfico nas
ocorrências de arsênio em águas subterrâneas ao longo do corredor termal do rio Uruguai
(Argentina – Brasil – Uruguai). Geociências, v. 29, n. 1.

HIDROWEB - Agência Nacional de Águas (ANA). Disponível em


<http://hidroweb.ana.gov.br>. Acesso em 25 set. de 2013.

IGAM – Instituto Mineiro de Gestão das Águas – Disponível em


http://www.igam.mg.gov.br/banco-de-noticias/1-ultimas-noticias/843-bacia-do-santo-antonio-
discute-situacao-futura-das-aguas-. Acesso em 01 nov. de 2011.

IGAM – Instituto Mineiro de Gestão das Águas - Gerência de Monitoramento


Hidrometeorológico. 2012. Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado
de Minas Gerais. Relatório Trimestral – Belo Horizonte.

ARCADIS logos 237


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

IGAM - Instituto Mineiro de Gestão das Águas. 2013. Monitoramento da qualidade das águas
subterrâneas de Minas Gerais: Guarani e Bambuí. Instituto Mineiro de Gestão das Águas. ---
Belo Horizonte: Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Relatório: Guarani 2009 – 2011 e
Bambuí 2005 – 2011.

IGAM – Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Disponível em


<http://comites.igam.mg.gov.br/comites-estaduais/bacia-do-rio-doce/do3-cbh-rio-santo-
antonio/1212-conheca-a-bacia-do3>. Acesso em 23 out. de 2013.

IGAM – Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Disponível em www.igam.mg.gov.br, acesso


em 01/10/2013.

IGAM – Instituto Mineiro de Gestão das Águas. Relatório de monitoramento das águas
superficiais na Bacia do Rio Doce em 2004. Instituto Mineiro de Gestão das Águas, Belo
Horizonte, 2005.

KÖPPEN,William.1931.Climatologia. México, Fundo de Cultura Econômica.

LAMPARELLI, M. C. 2004. Grau de trofia em corpos d’água do estado de São Paulo:


avaliação dos métodos de monitoramento – São Paulo – Tese (Doutorado) – Instituto de
Biociências – USP. 238p.

MINAS GERAIS. Lei n° 10.100 de 17 de janeiro de 1990. Dispõe sobre a proteção contra a
poluição sonora no Estado de Minas Gerais.

MINAS GERAIS. Portaria IGAM n° 49, de 1 de julho de 1990.Estabelece os procedimentos


para a regularização do uso de recursos hídricos do domínio do Estado de Minas Gerais.

MOREIRA, C.V.R; FERREIRA, O.C.; JUNIOR, P.P.M. Aplicação da Termodinâmica para a


avaliação do Equilíbrio das Redes Fluviais - a bacia do rio Santo Antônio, 2003. Disponível
em < ecen.com/eee36/termodinamc.htm>. Acesso em 23 out. de 2013.

REYNOLDS-VARGAS, J.; FRAILE-MERINO, J.; HIRATA, R. 2006. Trends in nitrate


concentrations and determination of their origin using stable isotopes (18O and 15N) in
groundwater of the western Central Valley, Costa Rica.Ambio: A Journal of the Human
Environment, 35(5): 229–236.

RIZZO, A.C de L et al. 2007. Processos Biológicos de Remoção do Selênio de Efluentes. Rio
de Janeiro: CETEM.

RONEN, D., SCHER, H. E BLUNT, M.. Field observations of a capillary fringe before and after
a rainy season. Journal of Contaminant Hydrology. Elsevier, vol. 44, july 2000. Disponível em:
<http://www.elsevier.com/wps/find/journaldescription.cws_home/503341/description#descripti
on>. Acesso em: 02 fev. 2010.

SECRETARIA MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE MINAS


GERAIS (SEMAD); INSTITUTO MINEIRO DAS ÁGUAS (IGAM). Resolução Conjunta
SEMAD-IGAM nº 1548 de 29 de março de 2012. Dispõe sobre a vazão de referência para o
cálculo da disponibilidade hídrica superficial nas bacias hidrográficas do Estado. Diário do

ARCADIS logos 238


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Executivo – Minas Gerais. 4 de abr. 2012. Disponível em:


<http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=20939>. Acesso em: 12 abr. 2012.

SOUZA, C.J.O. Interpretação morfotectônica da bacia do Rio Doce. 1995. Belo Horizonte:
UFMG, 147p. (Dissertação de Mestrado).

SOUZA, C.J.O. Interpretação morfotectônica da bacia do Rio Doce. 1995. Belo Horizonte:
UFMG, 147p. (Dissertação de Mestrado).

TOLEDO-JR, A.P. & TALARICO, M. & CHINEZ, S.J. & AGUDO, E.G. 1983. A aplicação de
modelos simplificados para a avaliação do processo da eutrofização em lagos e reservatórios
tropicais. Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Balneário Camboriú,
Santa Catarina. p. 1- 34.

UFLN – Universidade Federal de Lavras. 2012. Avaliação Ambiental Integrada da Bacia do


Rio Santo Antônio. Lavras – MG.

SANTIAGO, M.R. Análises das Ocorrências Anômalas de Fluoreto em Águas Subterrâneas.


Universidade Federal de Santa Maria. Dissertação de Mestrado. Santa Maria, RS, Brasil,

US EPA – United States Environmental Protection Agency. 2007. Washington D.C.

VIEIRA, Fábio. A ictiofauna do rio Santo Antônio, Bacia do rio Doce – MG: propostas de
conservação. UFMG: Belo Horizonte – MG, 2006.

VARNIER; IRITANI; VIOTTI; ODA; FERREIRA. Nitrato nas Águas Subterrâneas do Sistema
Aquífero Bauru, Área Urbana do Município de Marília – SP. Rev. Inst. Geol. vol.31 no.1-
2. São Paulo. 2010. Instituto Geológico – Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São
Paulo.

VON SPERLING, M. 2005. Introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos.


Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

11.2.1.2. Clima
ABREU, M. L. Climatologia da Estação Chuvosa de Minas Gerais: de Nimer (1997) à Zona de
Convergência do Atlântico Sul. Revista Geonomos, Ed. 2. V. 6. Departamento de Geografia.
Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Belo Horizonte,
MG. 1998.

CUPOLILLO, F. Diagnóstico Hidroclimatológico da Bacia do Rio Doce. Belo Horizonte, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa de Clima do Brasil. Rio de


Janeiro: IBGE, 2002.

INMET – Instituto Nacional de Meteorologia. Normais Climatológicas do Brasil, Período 1961-


1990. Brasília, 1992.

MENDONÇA, F. e DANNI-OLIVEIRA, M. Climatologia Noções Básicas e Climas do Brasi.1ed.


São Paulo, 2007.

ARCADIS logos 239


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

MONTEIRO, C.A.F. Clima. In: Grande Região Sul. vol. IV, Tomo I. Rio de Janeiro, IBGE,
1968.

NIMER, E. Climatologia do Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de


Janeiro, 1989.

SAUCIER, W.J. Principios de analise meteorologica. Rio de Janeiro: Ao Livro Tecnico, 1969.

VAREJÃO-SILVA, M. A. Meteorologia e climatologia. Brasília, 2001.

11.2.1.3. Geomorfologia e Pedologia


ALMEIDA ABREU, P.A.; FERNANDES, P.C.O.; KNAUER, L.G.; HARTMANN, M.B.;
DONATO, M. T. R.; SCHORSCHER, H.D. Elementos da zona de cisalhamento dúctil da
borda oriental da Serra do Espinhaço, Minas Gerais. In: CONGR. BRÁS. GEOL., 34. Goiânia,
1986. Anais... Goiânia, SBG. v. 3, p. 1215-1231, 1986.

AUGUSTIN, C.H.R.R.; FONSECA, B.M.; ROCHA, L.C. Mapeamento Geomorfológico da


Serra do Espinhaço Meridional: primeira aproximação. Belo Horizonte, 2011.

CETEC – Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais. Diagnóstico Ambiental do Estado


de Minas Gerais. Belo Horizonte, 1983.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Mapeamento de Solos e Aptidão


Agrícola das Terras do Estado de Minas Gerais. Rio de Janeiro, 2004.

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de


Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília, DF: Embrapa Produção da
Informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 1999.

FEAM – Fundação Estadual do Meio Ambiente. Mapa de Solos de Minas Gerais. Belo
Horizonte, 2010.

PONÇANO, W.L. et al. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. São Paulo: Instituto
de Pesquisas Tecnológicas, 1981.

ROSS, J.L.S. Análise Empírica da Fragilidade dos Ambientes Naturais e Antropoziados. São
Paulo, 1994.

ROSS, J. L. S. Uma Nova Proposta de Classificação do Relevo Brasileiro. Revista do


Departamento de Geografia (USP), São Paulo, v. 04, 1990.

SAADI. A. A geomorfologia da serra do espinhaço em minas gerais e de suas margens. Belo


Horizonte, 1995.

AB’SÁBER, A.N. Um conceito de geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o quaternário.


Geomorfologia, São Paulo, Igeog-USP (18), 1969. Províncias geológicas e domínios
morfoclimáticos no Brasil. Geomorfologia, São Paulo, 1970.

ARCADIS logos 240


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

11.2.1.4. Geologia
Dossin, T.M. (1985) – Geologia e Geoquímica das Formações Ferríferas da Serra da
Serpentina, Conceição do Mato Dentro, MG, resumo de dissertação de mestrado
apresentada ao Instituto de Geociências da UNB.

Anglo American (2012) – Reavaliação de reservas e atualização do plano de aproveitamento


econômico – PAE – Projeto Serro – Serro – MG. Processo DNPM Nº 5130/56

ALMEIDA, FERNADO FLÁVIO MARQUEZ et. al(2004) Geologia do Continente Sul-


Americano. São Paulo-SP.

BALTASAR, O,F.; RAPOSO, F.O (1993) Programa Levantamentos Geológicos Básicos do


Brasil – Folha SF-23-X-B-I – Estado de Minas Gerais. Escala 1:100.000. DNPM/CPRM,
Brasília.

BENEVIDES, T. (2003) Geotermobarometria e evolução metamórfica do segmento central do


Grupo Dom Silvério, MG. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo, 2003.

CUNNINGHAM, W.D.; MARSHAK, S.; AND ALKMIM, F.F.; 1996. Structural style of basin
inversion at mid-crustal levels: two transects in the zone of the Brasiliano Araçuaí Belt, Minas
Gerais, Brazil. Precamb Res 77:1-15.

DÜRKOP, CARSTEN; LINDER, BERND; JORDT-EVANJELISTA, HANNA (1997)


Caracterização Petrológica e geoquímica do Grupo Dom Silvério no seu local tipo, região de
Dom Silvério. In: Anais do 9° Simpósio de Geologia de Minas Gerais - SBG Núcleo MG - 14,
105-106

JORDT-EVANGELISTA, H.; MÜLHER, G. (1986) Petrológia da zona de transição entre o


Cráton do São Francisco e o Cinturão Móvel Costeiro Costeiro na região de sudeste do
Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais . In: 34 Congr. Bras.Geol., Goiânia, GO, 1986. Anais...
SBG, Goiânia. 4: 1471-1479.

SCHOBBENHAUS, C. & BRITO NEVES, B.B. 2003. Geologia do Brasil no contexto da


Plataforma Sul-Americana In: BIZZI, L.A.; SCHOBBENHAUS, C; VIDOTTI, R.M.;
GONÇALVES J.H. (eds.) Geologia, tectônica e recursos minerais do Brasil. Texto,mapas e
SIG. CPRM-Serviço Geológico do Brasil. p. 5-54.

TEIXEIRA, W.; JORDT-EVANGELISTA, H.; KAWASHITA, K.; TAYLOR, P.N (1987) Complexo
Granulítico de Acaiaca, Minas Gerais. In: Sinp. Geol. Minas Gerais, 4, Belo Horizonte, 1987,
Boletim 7: 58-71.

11.2.1.5. Hidrogeologia
Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Doce –Diagnóstico Ambiental-2007.
Disponível em <http://www.pirhdoce.com.br>.

Hashizume B. K. 1998. Texturas e microestruturas do minério de ferro da Mina de Brucutu,


NE do Sinclinal de Gandarela (MG). Dissertação de Mestrado, IG/UFMG, 133 p.

ARCADIS logos 241


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Silva A.B; Neto A.F.S & Bertachini A.C. 1994. Potencial das águas subterrâneas do
Quadrilátero Ferrífero. In: ABAS, Congresso Brasileiro de águas subterrâneas, 8, p.264 –
273.

Saliba,F.P.M.; Avaliação hidrogeotécnica da Fundação da Pilha de Estéril n° 5 da Mina do


Andrade – Bela Vista de Minas (Minas Gerais). Dissertação de Mestrado. 2007.

CPRM/SIAGAS - Banco de Dados do Sistema de informações das Águas Subterrâneas –


Consulta em novembro/2008.

11.2.2. Meio Biótico

11.2.2.1. Flora
Alves, RJV. Morphological age determination and longevity in some Vellozia population in
Brazil. Folia Geobotanica Phytotaxa Praha v.29, p. 55 – 59. 1994.

APG III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and
families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105–121,
2009. http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/ Acessado em: 17 dezembros 2013.

Arndt,J.R.L. Ente Tradição e Modernidade: sustentabilidade do desenvolvimento pelo turismo


em um comunidade tradicional de Minas Gerais. Estudo de caso em Milho Verde, Alto
Jequitinhonha. FEAD - Centro de Gestão Emprendedora. Dissertação de Mestrado. Belo
Horizonte,2007

Birchal,S.O. Mercado de Trabalho Mineiro no Século XIX. Ibmec MG - Working Paper -


WP12. 2004. Acessado em agosto de 2014 e disponível em:
http://www.ceaee.ibmecmg.br/wp/wp12.pdf

Drummond, GM, Martins, CS, Machado, ABM, Sebaio, Antonini, FA & Y. (org.).
Biodiversidade de Minas Gerais, um atlas para sua conservação. Fundação Biodiversitas,
Belo Horizonte, 2005 222p.

Felgueiras, TS, Nogueira, PE, Brochado, AL, Gualla, II, GF. Caminhamento: Um método
expedito para levantamento florísticos quantitativos. Caderno e Geociência, vol. 12, p. 39-43,
1994.

Fundação Biodiversitas. Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para sua conservação.


Eds: Gláucia Moreira Drummond et al. 2. Ed - Belo Horizonte. 222 p. 2005.

Fundação Biodiversitas. Listas Vermelhas das Espécies da Flora Ameaçada de Extinção de


Minas gerais, 2008. Acessado em: Dez/2013. Disponível em:
www.biodiversitas.org.br/f_ameaca.

Fundação Biodiversitas. Revisão das Listas das Espécies da Flora e Fauna Ameaçadas de
Extinção do Estado de Minas Gerais: Relatório Final. Disponível em:
http://www.biodiversitas.org.br/listas-mg/ Acesso em: Julho/2014.

ARCADIS logos 242


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Fundação SOS Mata Atlântica - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Atlas dos
remanescentes florestais da Mata Atlântica – período 2011-2012. São Paulo, 2013. Acessado
em: Dezembro de 2013. Disponível em: http://www.sosma.org.br/tag/atlas-dos-
remanescentes-florestais-da-mata-atlantica/

Fundação SOS Mata Atlântica. Disponível em http://www.sosma.org.br/ - Acessado em de


setembro de 2013.

Giulietti, AM, Rapini, A; Andrade, MJG, Queiroz, LP, & Silva, JMC, (Org.). Plantas Raras do
Brasil. Belo Horizonte, MG. Conservation International, 496 pp. 2009.

Governo do Estado de Minas Gerais. Lei 9.743, de 15 de Dezembro de 1988. Declara de


interesse comum, de preservação permanente e imune de corte o Ipê amarelo e dá outras
providências.

Harley, RM, Giulietti, AM. Wild flowers of the Chapada Diamantina. Flores nativas da
Chapada Diamantina. Illustrated botanical walks in the montains of NE Brazil. Trilh, 2004.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Manual Técnico da Vegetação


Brasileira. 2012. Disponível em www.ibge.gov.br, Acessível em 15 de junho 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Mapa de Biomas do Brasil, primeira


aproximação. Rio de Janeiro: IBGE. 2004. Disponível em www.ibge.gov.br, Acessível em 15
de junho 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Mapa de Biomas do Brasil, primeira


aproximação. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Disponível em www.ibge.gov.br, Acessível em 15
de junho 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Mapa de Vegetação do Brasil 3ª ed.


IBGE, 2004. Disponível em www.ibge.gov.br, Acessível em 15 de junho 2014.

Instituto Brasileiro de Meio Ambiente – Conselho Nacional de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO


Nº 392. de 25 de Julho de 2007 - Definições de vegetação primária e secundária de
regeneração de Mata Atlântica no Estado de Minas Gerais.

Instituto Brasileiro de Meio Ambiente – Conselho Nacional de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO


Nº 423. de 12 de abril de 2010 – Dispõe sobre parâmetros básicos para identificação e
análise da vegetação primária e dos estágios sucessionais da vegetação secundária nos
Campos de Altitude associados ou abrangidos pela Mata Atlântica, 2010.

Instrução Normativa nº 06, de 23 de Setembro de 2008 – MMA - Lista Oficial das Espécies da
Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção.

Inventário da Flora Nativa e Plantada do Estado de Minas Gerais. Disponível em


http://www.inventarioflorestal.mg.gov.br/ - Acessado em setembro de 2013.

IUCN (International Union for Conservation of Nature). The IUCN Red list of Threatened
Species. Disponível em: http://www.iucnredlist.org/search. Acesso em: setembro de 2013

ARCADIS logos 243


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Larson DW, Matthes U, Kelly PE. Cliff Ecology: Patterns and Process in Cliff Ecosystems.
Cambridge University Press, Cambridge 340p. 2000.

Livro Vermelho da Fauna e Flora Brasileira Ameaçada de Extinção, editores Angelo Barbosa
Monteiro Machado, Gláucia Moreira Drummond, Adriano Pereira Paglia. - 1.ed. - Brasília, DF :
MMA; Belo Horizonte, MG : Fundação Biodiversitas,. 2v. (1420 p.). 2008.

Lorenzi, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do


Brasil. vol. 1. 5. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum. 2008. 384p

Lorenzi, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do


Brasil. vol. 2. 3. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum. 2009. 384p

Lorenzi, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do


Brasil. vol. 3. 1. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum. 2009. 384p

Manual Técnico Da Vegetação Brasileira, Manuais Técnicos em Geociências nº 1. Diretoria


de Geociências, Rio de Janeiro, 92p. 1991.

Martinelli, G&, Moraes, MA. Livro Vermelho da flora do Brasil. Tradução Flávia Anderson,
Chris Hieatt. 1. Ed. - Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson, Instituto de Pesquisas Jardim
Botânico do Rio de Janeiro, 1100 p. 2013.

Meirelles, S.T, Pivello, VR, Joly, C A. The Vegetation of Granite Rock Outcrops in Rio de
Janeiro, Brazil, and the Need for its Protection. Environmental Conservation, v. 26, n. 1, p. 10-
20. 1999.

Missouri Botanical Garden http://www.missouribotanicalgarden.org/: acessado em 18


dezembro 2013.

Pifano, DS, Valente, ASM, Almeida, HS, Melo, PHA; Castro, R.M, Berg, EVD. Caracterização
florística e fitofisionômica da Serra do Condado, Minas Gerais, Brasil. Revista Neotropical,
Vol. 10, nº 1, 2010.

Porembski, S, Martinelli, G, Ohlemuller, R, Barthlott, W. Diversity and ecology of saxicolous


vegetation mats on inselbergs in Brazilian Atlantic Forest. Diversity and distributions 4: 101 -
119. 1998.

Reflora Herbário Virtual – Consulta Pública – Acessado em: Novembro, 2013. Disponível em:
http://www.reflora.jbrj.gov.br/jabot/herbarioVirtual/ConsultaPublicoHVUC/ConsultaPublicoHVU
C.

Ribeiro, KT, Medina, BMO. Estrutura, Dinâmica e Biogeografia de Ilhas de Vegetação Sobre
Rocha do Planalto do Itatiaia, RJ. IBAMA/UFRRJ Parque Nacional do Itatiaia. Boletim nº 10,
Itatiaia 84p. 2002.

SCIENTIA. Arqueologia Preventiva na Área de Lavra da Mina do Serro, MG. Anglo Ferrous
Brazil. 2009.

ARCADIS logos 244


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Scolforo, JR, Carvalho, LM. T.(Ed.). Mapeamento e Inventário da Flora e dos


Reflorestamentos de Minas Gerais. Lavras: UFLA, cap. 5, p.75-278. 2006.

Scolforo, JR, Mello, JM, Silva, CP. de C.(Ed.). Inventário Florestal de Minas Gerais: Floresta
Estacional Semidecidual e Ombrófila - Florística, Estrutura, Diversidade, Similaridade,
Distribuição Diamétrica e de Altura, Volumetria, Tendências de Crescimento e Áreas aptas
para o Manejo Florestal. Lavras: UFLA, 2008.

Souza, VC, Lorenzi, H. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de
Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APGIII. 3. ed. Nova Odessa/SP:
Instituto Plantarum, 768p. 2012.

Spix, JB, Martius, CFP. Viagem pelo Brasil 1817-1820, Vol. 1. Trad. Lucia F. Lahmeyer. Belo
Horizonte: Itatiaia; São Paulo; Edusp; 1981.

Stehmann, JR, Forzza, RC, Salino, A, Sobral, M, Costa, DP, Kamino, LHY. Diversidade
taxonômica na Floresta Atlântica. In: Plantas da Floresta Atlântica. Rio de Janeiro: Jardim
Botânico do Rio de Janeiro, 2009.

The Field Museum http://fieldmuseum.org/: acessado em 18 de dezembro 2013.

The New York Botanical Graden http://www.nybg.org: acessado em 17 de dezembro de 2013.

The Plant List -– Acessado em: Novembro/2013. Disponível em: http://www.theplantlist.org

Veloso, HP, Rangel Filho, AL, Lima, JCA. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a
um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro. 1991.

World Checklist Of Selected Plant Families http://www.kew.org/: acessado em 18 de


dezembro de 2013.

Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado de Minas Gerais: Componentes Geofísico e


Biótico editado por José Roberto Soares Scolforo, Luís Marcelo Tavares de Carvalho e
Antônio Donizette de Oliveira - Lavras: Editora UFLA, 2008. 161 p.: il. Disponível em
http://www.zee.mg.gov.br/ - Acessado em maio de 2014.

11.2.2.2. Áreas Protegidas


GOVERNO DE MINAS. Plano de Manejo do Parque Estadual do Pico do Itambé. Encarte 2.
Analise da Região da Unidade de Conservação. STCP Engenharia de Projetos LTDA.
Curitiba, PR. Julho 2004.

TELLES, P.C.S. Tubulações industriais: materiais, projeto e desenho. 7. ed. Rio de Janeiro:
Livros Técnicos e Científicos, 1989. v. 2.

BRASIL. Decreto nº 89.271, de 4 de janeiro de 1984. Dispõe sobre documentos e


procedimentos para despacho de aeronave em serviço internacional.

BRASIL. Lei Federal nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da


vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de
dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15

ARCADIS logos 245


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de


24 de agosto de 2001; e dá outras providências.

BRASIL. LEI nº 9.985, de 18 de Julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e
VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da
Natureza e dá outras providências.

BRASIL. Resolução CONAMA 428, de 17 de dezembro de 2010. Dispõe, no âmbito do


licenciamento ambiental sobre a autorização do órgão responsável pela administração da
Unidade de Conservação (UC), de que trata o § 3º do artigo 36 da Lei nº 9.985 de 18 de julho
de 2000, bem como sobre a ciência do órgão responsável pela administração da UC no caso
de licenciamento ambiental de empreendimentos não sujeitos a EIA-RIMA e dá outras
providências.

Drummond G. M. et al. Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para sua conservação. 2


ed. Minas Gerais: Fundação Biodiversitas, 2005. 222 p.

MINAS GERAIS. Plano de Manejo do Parque Estadual do Pico do Itambé. Encarte 2. Analise
da Região da Unidade de Conservação. STCP Engenharia de Projetos LTDA. Curitiba, PR.
Julho 2004.

MINAS GERAIS. Lei nº 20.922, de 16 de outubro de 2013. Dispõe sobre as políticas florestais
e de proteção à biodiversidade no Estado.

MINAS GERAIS. Decreto nº 39.399, de 21 de janeiro de 1998. Dispõe sobre a criação da


Área de Proteção Ambiental - APA no Estado de Minas Gerais e dá outras providências.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso Sustentável e


Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira: Atualização - Portaria MMA n°9, de 23
de janeiro de 2007. Brasília: MMA, 2007. (Série Biodiversidade, 31).

SERRO. Lei Municipal de Serro nº 20.1253, de 14 de novembro de 1997. Dispõe sobre a


criação a Floresta Municipal de Serro e dá outras providências.

11.2.2.3. Fauna
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS – ANA. 2001. Bacias hidrográficas do Atlântico Sul –
Trecho Leste: sinopse de informações do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe.
Brasília: ANA, 2001 (Série: Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos –
Documentos).

ALBA – TERCEDOR, J. 1996. Macroinvertebrados acuaticos y calidad de las aguas de los


rios. IV Simposio del agua en Andaluzia (SIAGA), Almeria, v. 2, p. 203-13. IBSN: 84-784.

ALHO, C. J. R., PEREIRA, L. A. & PAULA, A. C. 1986. Patterns of habitat utilization by small
mammals populations in Cerrado Biome of Central Brazil. Mammalia, 50: 447- 460.

ALVES, C. B. M.; VIEIRA, F.; MAGALHÃES, A. L. B. & BRITO, M. F. G. 2007. Impacts of non-
native fish species in Minas Gerais, Brazil: present situation and prospects. In: BERT, T. M.
(Ed.) Ecological and genetic implications of aquaculture activities. The Netherlands: Kluwer
Academic Publishers, p. 291-314.

ARCADIS logos 246


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

ANDRADE, F.S.; CARVALHO, T.R. 2013. A new species of Pseudopaludicola Miranda-


Ribeiro (Leiuperinae: Leptodactylidae: Anura) from the Cerrado of southeastern Brazil.
Zootaxa 3608 (5): 389-397.

ANGLO AMÉRICAN & ARCADIS LOGOS 2014. EIA/RIMA do Projeto Itanhoacanga, Alvorada
de Minas/MG.

APHA - AMERICAN PUBLIC HEALTH ASSOCIATION. 2012. Standard Methods for the
Examination of Water and Wastewater. 22th Ed., Port City Press, Washington.

ARAÚJO H.S.; WIELOCH A.H.; NARCISO R.S.; OLIVEIRA M.A.; CONSOLI R.A.G.B. 1993.
Identificação e distribuição sazonal de culicídeos (Diptera: Culicidae) do Campus Ecológico
da PUC, Belo Horizonte, MG. Anais do 14º Congresso Brasileiro de Entomologia- Piracicaba,
SP. 747p.

ARCIFA, M. S. 1984. Zooplancton Composition of Ten Reservoirs in Southern Brazil.


Hydrobiologia, 113: 137-45.

ARGÔLO, A.J.S. 2004. As Serpentes dos cacauais do sudeste da Bahia. Ilhéus: Editus. 260p.

ASSIS, V.B. 1999. Introdução às serpentes da Serra do Cipó (municípios de Santana do


Riacho e Jaboticatubas). Bios 7(7) 69-71.

AURICCHIO, P., 2011. Primatas do Brasil. São Paulo: Terra Brasilis Editora Ltda. 168p.

AZEVEDO-RAMOS, C.; GALATTI, U. 2002. Patterns of amphibian diversity in Brazilian


Amazonia: conservation implications. Biological Conservation 103: 103-111.

BARATA R.A. & APOLINÁRIO E.C. 2012. Sandflies (Diptera: Psychodidae) from caves of the
quartzite Espinhaço Range, Minas Gerais, Brazil. MEM INST OSWALDO CRUZ, RIO DE
JANEIRO, 107(8) DECEMBER.

BARATA R.A; PAZ G.F; BASTOS M.C.; ANDRADE C.O; BARROS D.C.M.; LARA B.F.;
MICHALSKY E.M.; PINHEIRO A.C.; DIAS E.S. 2011. Flebotomíneos (Diptera: Psychodidae)
em Governador Valadares, área de transmissão de leishmaniose tegumentar americana, no
Estado de Minas Gerais, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical
44(2):136-139.

BARBO, F.E.; GRAZZIOTIN, F.G.; SAZIMA, I.; MARTINS, M.; SAWAYA, R.J. 2012. A new
and threatened insular species of lancehead from southeastern Brazil. Herpetologica 68(3):
418-429.

BARTHALMUS, G.T. 1994. Biological roles of amphibian skin secretions. In: H. Heatwole
(Org.). Amphibian Biology. Surrey Beatty and Sons.

BASTOS, A. dos S. M. 2010. Diversidade de Abundância de Algas Elípticas no setor do


Médio Rio Xingu/PA. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade Federal do
Pará, Embrapa Amazônia Oriental, Universidade Federal Rural da Amazônia, Belém, PA.

ARCADIS logos 247


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

BERNARDE, P.S. 2012. Anfíbios e Répteis: Introdução as Estudo da Herpetofauna Brasileira.


Curitiba: Anolisbooks. 320p.

BERNARDE, P.S.; MACHADO, R.A.; TURCI, L.C.B. 2011. Herpetofauna da área do Igarapé
Esperança na Reserva Extrativista Riozinho da Liberdade, Acre - Brasil. Biota Neotropica
11(3): 117-144.

BERNARDO, P.H.; GUERRA-FUENTES, R.A.; MATIAZZI, W.; ZAHER, H. 2012. Checklist of


Amphibians and Reptiles of Reserva Biológica do Tapirapé, Pará, Brazil. Check List 8(5): 839-
846.

BÉRNILS, R. S.; COSTA, H.C. (Org.). 2012. Répteis brasileiros: Lista de espécies. Versão
2012.2. Disponível em: <http://www.sbherpetologia.org.br/>. Sociedade Brasileira de
Herpetologia. Acesso em: 11 jun. de 2014.

BERTACO, V. A. & LUCENA, C. A. S. 2006. Two new species of Astyanax (Ostariophysy:


Characiformes: Characidae) from eastern Brazil, with a synopsis of the Astyanax scabripinnis
complex. Neotropical Ichthyology, 4(1): 53-60.

BERTOLUCI, J.; BRASSALOTI, R.A.; JÚNIOR, J.W.R.; VILELA, V.M.F.N.; SAWAKUCHI,


H.O. 2007. Species composition and similarities among anuran assemblages of forest sites in
southeastern Brazil. Scientia Agricola 64: 364-374.

BERTOLUCI, J.; CANELAS, M.A.S.; EISEMBERG, C.C.; PALMUTI, C.F.S.; MONTINGELLI,


G.G. 2009. Herpetofauna da Estação Ambiental de Peti, um fragmento de Mata Atlântica do
estado de Minas Gerais, sudeste do Brasil. Biota Neotropica 9(1): 147-155.

BETTIOL, S.S., KETTLEWELL, J.S., DAVIES, N.J., GOLDSMID, J.M.1997. Giardiasis in


native marsupials of Tasmania. J. Wildlife Dis. 33, 352–354.

BIERREGAARD, R.O.; LOVEJOY JR., T.E.; KAPOS, V.; SANTOS, A.A.; HUTCHINGS, R.W.
1992. The biological dynamics of tropical rainforest fragments. Bioscience 42: 859-866.

BIODIVERSITAS, 2014. Reserva da biosfera Serra do Espinhaço. Disponível em:


http://www.biodiversitas.org.br/rbse/. Acesso em: mar. de 2014.

BIODVERSITAS, 2014. Complexo Serra do espinhaço. Disponível em


http://www.biodiversitas.org.br/rbse/serra_espinhaco.asp.

BIRD LIFE INTERNATIONAL, 2014. Disponível em: http://www.birdlife.org/. Acesso em 15 de


abril de 2014.

BIZERRIL, C. R. S. F.1994. Análise taxonômica e biogeográfica da ictiofauna de água doce


do leste brasileiro. Acta Biológica Leopoldensia, 16: 51-80.

BLONDEL, J.; FERRY, C. E FROCHOT, B. 1970. La method des indices ponctuels


d´abundance (IPA) ou des releves d´avifaune par “satations d´écoute”. Alauda, 38: 55-71.

ARCADIS logos 248


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

BOKERMANN, W.C.A. 1956. Sobre uma nova espécie de Hyla do estado de Minas Gerais,
Brasil (Amphibia, Salientia, Hylidae). Papéis Avulsos do Departamento de Zoologia 12(18):
357-362.

BOKERMANN, W.C.A. 1964. Dos nuevas especies de Hyla de Minas Gerais y notas sobre
Hyla alvarengai Bok. (Amphibia, Salientia, Hylidae). Neotropica 10(32): 67-76.

BOKERMANN, W.C.A. 1967. Três novas espécies de Physalaemus do sudeste brasileiro


(Amphibia, Leptodactylidae). Revista Brasileira de Biologia 27(2): 135-143.

BOKERMANN, W.C.A.; SAZIMA, I. 1973a. Anfíbios da Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil. 1
- Espécies novas de Hyla (Anura, Hylidae). Revista Brasileira de Biologia 33(3): 329-336.

BOKERMANN, W.C.A.; SAZIMA, I. 1973b. Anfíbios da Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil. 1:
Duas espécies novas de Hyla (Anura, Hylidae). Revista Brasileira de Biologia 33(4): 521-528.

BOKERMANN, W.C.A.; SAZIMA, I. 1978. Anfíbios da Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil. 4:
Descrição de Phyllomedusa jandaia sp. n. (Anura, Hylidae). Revista Brasileira de Biologia
38(4): 927-930.

BONECKER, C.C.; LANSAC-TÔHA, F.A.; VELHO, L.F.M. & ROSSA, D.C. 2001. The
temporal distribution pattern of copepods in Corumbá reservoir, state of Goiás, Brazil.
Hydrobiologia (453/454): 375-384.

BONVICINO, C.R.; OLIVEIRA, J.A.; D’ANDRÉA, P.S. Guia dos roedores do Brasil, com
chaves para gêneros baseadas em caracteres externos. Rio de Janeiro: Centro Pan-
Americano de Febre Aftosa/OPAS/OMS, 2008. 120p.

BORGES, P.A.L. & TOMÁS, W.M. 2008. Guia de rastros e outros vestígios de mamíferos do
Pantanal. Embrapa Pantanal. Corumbá, MS.

BOTELHO M.J.C. 2003. Dinâmica da comunidade zooplanctônica e sua relação com o grau
de trofia, em reservatórios. CETESB. São Paulo.

BRANCO, S.M. 1986. Hidrobiologia aplicada à Engenharia Sanitária. São Paulo: CETESB.

BRANDT MEIO AMBIENTE. 2007. Estudo de Impacto Ambiental: Lavra a céu aberto para
produção de 56 milhões de toneladas por ano, tratamento de minério de ferro e infra-estrutura
de produção. MMX - MINAS RIO MINERAÇÃO E LOGÍSTICA LTDA. Conceição do Mato
Dentro, Alvorada de Minas e Dom Joaquim – MG. Volume 5.

BRCKO, I.C.; HOOGMOED, M.S.; NECKEL-OLIVEIRA, S. 2013. Taxonomy and distribution


of the salamander genus Bolitoglossa Duméril, Bibron & Duméril, 1854 (Amphibia, Caudata,
Plethodontidae) in Brazilian Amazonia. Zootaxa 3686 (4): 401-431.

BREWER, A.; WILLIAMSON, M. 1994. A new relationship for rarefaction. Biodiversity and
Conservation 3: 373-379.

ARCADIS logos 249


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

BRITO Jr., L.; ABÍLIO, F. J. P.; WATANABE, T. 2005. Insetos aquáticos do açude São José
dos Cordeiros (semi-árido paraibano) com ênfase em Chironomidae. Entomologia y Vectores,
12:149-157.

BRITSKI, H. A., SATO, Y. &ROSA, A. B. S. 1988. Manual de identificação de peixes da região


de Três Marias (com chaves de identificação para os peixes da Bacia do São Francisco).3a
ed., CODEVASF, Brasília, 115 p.

BROOKS, T.; TOBIAS, J. & BALMFORD, A. 1999. Deforestation and bird extinctions in the
Atlantic Forest. Animal Conservation v.2, p. 211-222.

BRUSQUETTI, F.; THOMÉ, M.T.C.; CANEDO, C.; CONDEZ, T.H.; HADDAD, C.F.B. 2013. A
new species of Ischnocnema parva species series (Anura, Brachycephalidae) from northern
state of Rio de Janeiro, Brazil. Herpetologica 69(2): 175-185.

BUCKUP, P. A.; MENEZES, N. A. & GHAZZI, M. S. 2007. Catálogo das espécies de peixes
de água doce do Brasil. Museu Nacional, Rio de Janeiro, 195p.

BUNGE, J.; FITZPATRICK, M. 1993. Estimating the number of species; a review. Journal of
the American Statistical Association 88: 364-373.

BURNHAM, K.P.; OVERTON, W.S. 1979. Robust estimation of population size when capture
probabilities vary among animals. Ecology 60: 927-936.

CALDARA, V. JR. & LEITE, Y. L. R. 2012. Geographic variation in hairy dwarf porcupines of
Coendou from eastern Brazil (Mammalia: Erethizontidae). Zoologia, 29 (4), 318–336.

CALEFFI, S. 1994. A Represa de Guarapiranga: Estudo da Comunidade Zooplanctônica e


Aspectos da Eutrofização. São Paulo. [Dissertação de Mestrado. Departamento de Saúde
Ambiental, Faculdade de Saúde Pública, USP].

CALLISTO, M.; MORETTI M.; GOULART M. 2001. Macroinvertebrados bentônicos como


ferramenta para avaliar a saúde de riachos. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 6:71-82.

CÂMARA E.M.V.C. & OLIVEIRA L.C. 2012. Mammals of Serra do Cipó National Park,
southeastern Brazil. CheckList 8: 355-359.

CAMARGO, L. B.; LANGONI, H. 2006. Impact of leishmaniasis on public health. Journal of


Venomous Animals and Toxins including Tropical Diseases.12 p. 527-548.

CAMPBELL, H.W.; CHRISTMAN, S.P. 1982. Field techniques for herpetofaunal community
analysis. p.193-200. In: N.J. Scott Jr. (Ed.). Herpetological communities. Washington, U.S.
Fish Wild. Serv. Wildl. Res. Rep. 13, IV+239p.

CAMPBELL, J.A.; LAMAR, W.W. 2004. The venomous reptiles of the Western Hemisphere.
Ithaca and London. Comstock Publishing Associates, Cornell University Press. Vols. I and II.
870p.

ARCADIS logos 250


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

CANELAS, M.A.S.; BERTOLUCI, J. 2007. Anurans of the Serra do Caraça, southeastern


Brazil: species composition and phenological patterns of calling activity. Iheringia, Série
Zoologia. 97(1): 21-26.

CARMIGNOTTO, A. P. & AIRES, C. C. 2011. Mamíferos não voadores (Mammalia) da


Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins. Biota Neotropica, v. 11, n. 1, p. 313-328.

CARVALHO A.R.; MARQUES-ALVES S. 2008. Diversidade e índice sucessional de uma


vegetação de cerrado sensu stricto na Universidade Estadual de Goiás-UEG, Campus de
Anápolis. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, n. 1, p. 81-90.

CASATI, L. & CASTRO, R. M. C. 2006. Testing the ecomorphological hypothesis in a


headwater riffles fish assemblage of the rio São Francisco, southeastern Brazil. Neotropical
Ichthyology, 4(2):203-214.

CASTRO, N.O; MOSER, G.A.O. 2012. Florações de Algas Nocivas e Seus Efeitos
Ambientais. Oecologia Australis. 16(2): 235-264, Junho 2012.

CASTRO, R. M. C. 1999. Evolução da ictiofauna de riachos sul-americanos: padrões gerais e


processos causais, pp. 139-155. In. CARAMASCHI, E. P., MAZZONI, R. & PERES-NETO, P.
R. (Eds.). Ecologia de Peixes de Riachos. Série Oecologia, vol. VI. PPGE-UFRJ, Rio de
Janeiro, Brasil.

CASTRO, R. M. C.; VARI, R. P.; VIEIRA, F. & OLIVEIRA, C. 2004. Phylogenetic analysis and
redescription of the genus Henochilus (Characiformes: Characidae). Copeia, 2004 (3): 496–
506

CAVALCANTI, R. B. 1983. Aves do cerrado. Revista Serviço Publico, 40(3): 63-67.


1983.

CBRO - Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. 2014. Listas das aves do Brasil. 11ª
Edição.

CEBALLOS, G.; EHRLICH, P.R. 2006. Global mammal distributions, biodiversity hotspots,
and conservation. Proc. Natl. Acad. Sci. USA 103: 19374–19379.

CECHIN, S.Z.; MARTINS, M. 2000. Eficiência de armadilhas de queda (pitfall traps) em


amostragens de anfíbios e répteis no Brasil. Revista Brasileira de Zoologia 17(3): 729-740.

CETEC – FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. 2007.


Padronização e consolidação metodológica de um índice biótico de qualidade de água para
ambientes lóticos: Bacia do rio Paraíba do sul. Relatório final. Belo Horizonte. 106 p.

CETEC. 2003. Diagnóstico Ambiental do Estado de Minas Gerais. Série Publicações


Técnicas, 1983. 10. 158p. Resolução do Conselho Nacional de Recursos Hídricos - CNRH n°
32/2003.

CETESB. 1988. Guia de Coleta e Preservação de Amostras de Água. Ed. CETESB. São
Paulo. 150 p.

ARCADIS logos 251


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

CETESB. 2000. Zooplâncton de água doce: métodos qualitativo e quantitativo método de


ensaio - L5.304. São Paulo.

CETESB. 2014. Atlas de cianobactérias da bacia do Alto Tietê [recurso eletrônico] / CETESB;
Marta Condé Lamparelli et al - São Paulo: CETESB.

CHAO, A. 2005. Species estimation and applications. In: N. Balakrishnan; C.B. Read & B.
Vidakovic (Eds.). Encyclopedia of Statistical Sciences, 2nd Edition, Vol. 12, 7907-7916. Wiley,
New York.

CHAO, A.; CHAZDON, R.L.; COLWELL, R.K.; SHEN, T. 2005. A new statistical approach for
assessing similarity of species composition with incidence and abundance data. Ecology
Letters (2005) 8: 148-159.

CINTRA, R., M. A. DOS SANTOS ALVES, AND R. BRANDÃO CAVALCANTI. 1990. Dieta da
rolinha Columbina talpacoti (Aves, Columbidae) no Brasil central - comparação entre sexos e
idades. Revista Brasileira Biologia 50: 469.

CITES. 2013. Checklist of CITES species. CITES Secretariat, Geneva, Switzerland, and
UNEP-WCMC, Cambridge, United Kingdom. Accessed on 14 May, 2014.

COLLI, G.R.; BASTOS, R.P.; ARAÚJO, A.F.B. 2002. The character and dynamics of the
Cerrado herpetofauna. pp.223-241, In: Oliveira, P.S. and Marquis, R.J. (Eds.). The Cerrados
of Brazil: Ecology and Natural History of a Neotropical Savanna. Columbia University Press,
USA.

COLWEEL R. K. 2000. Estimate S (version 6.0 b1.) - Statistical estimation of species richness
and shared species from samples. University of Connecticut.
(http://viceroy.eeb.uconn.edu/estimates).

COLWELL, R. K. 2006. EstimateS: Statistical estimation of species richness and shared


species from samples. Version 9. User's Guide and application published at:
http://purl.oclc.org/estimates.

COLWELL, R.K. 2011. EstimateS Version 8.2: Statistical Estimation of Species Richness and
Shared Species from Samples. (Software and User's Guide) Freeware for Windows and Mac
OS. Published at: http://viceroy.eeb.uconn.edu/Colwell/.

COLWELL, R.K. 2013. EstimateS: Statistical Estimation of Species Richness and Shared
Species from Samples. Version 9. User's Guide and application published at:
<purl.oclc.org/estimates>.

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DOCE (CBH-DOCE), 2014. Disponível em:


www.cbhdoce.org.br. Acesso em: mar. de 2014;

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. 2005. Resolução nº 357, de 17


de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais
para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de
efluentes, e dá outras providências.

ARCADIS logos 252


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

CONDEZ, T.H.; CLEMENTE-CARVALHO, R.B.G.; HADDAD, C.F.B.; REIS, S.F. 2014. A new
species of Brachycephalus (Anura: Brachycephalidae) from the highlands of the Atlantic
Forest, southeastern Brazil. Herpetologica 70(1): 89-99.

CONSELHO FEDEREAL DE BIOLOGIA (CFBio), 2012. Pontaria Nº 148/2012

CONSOLI R.A.G.B. & LOURENCIO-DE-OLIVEIRA R. 1994. Principais Mosquitos de


Importância Sanitária no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz. 228p.

CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL – COPAM. 2010. Deliberação Normativa Copam nº


147, de 30 de abril de 2010. Diário Oficial do Estado, Caderno Executivo, 04/05/2010.

CONSELHO DE POLÍTICA AMBIENTAL - COPAM. 2010. Deliberação Normativa n° 147, de


30 de abril de 2010. Lista de Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna do Estado de Minas
Gerais. Diário do Executivo 04/05/10 - Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

COPAM, 2010. Deliberação Normativa COPAM nº 147, de 30 de abril de 2010

COPAM. Deliberação Normativa nº 147 de 30 de 1bril de 2010.

CORN, P.S. 1994. Straight-line drift fences and pitfall traps, pp. 109-117. In: W.R. Heyer; M.A.
Donnely; R.W. McDiarmid; L.A. Hayek & M.S. Foster (Eds.). Measuring and monitoring
biological diversity: standard methods for amphibians. Washington, D.C., Smithsonian
Institution Press. 364p.

COSTA, L.P.; LEITE, Y.L.R.; MENDES, S.L.; DITCHFIELD, A.D. 2005. Conservação de
mamíferos no Brasil. Megadiversidade, v.1, n.1.

COTA, L., GOULART, M., MORENO, P. and CALLISTO, M., 2002. Rapid assessment of river
quality using an adapted BMWP index: a practical tool to evaluate ecosystem health.
Verhandlungen der Internationale Vereinigung fur Limnologie, vol. 28, no. 4.

COURI M.S.; MARIONI L.; ALMEIDA L. M.; GRAZIA J & MELO G.A. 2008. Coleções
Entomológicas Brasileiras – Estado da Arte e Perspectivas para Dez Anos. Disponível em
http://www.cria.org.br/cgee/documentos/Colecoes Entomologicas.doc.

COVAIN, R. & FISCH-MULLER, S. 2007. The genera of the Neotropical armored catfish
subfamily Loricariinae (Siluriformes: Loricariidae): a practical key and synopsis. Zootaxa. 1-40
p.

COZZUOL , M. A., CLOZATO, C. L. , HOLANDA, E. C., RODRIGUES, F. H. G., NIENOW, S.,


DE THOISY, B., REDONDO, R. A. F. & SANTOS, F. R. 2013. A new species of tapir from the
Amazon. Journal of Mammalogy: 94, 1331-1345.

CRUZ, C.A.G.; NUNES, I.; JUNCÁ, F.A. 2012. Redescription of Proceratophrys cristiceps
(MÜLLER, 1883) (Amphibia, Anura, Odontophrynidae), with description of two new species
without eyelid appendages from northeastern Brazil. South American Journal of Herpetology
7(2): 110-122.

ARCADIS logos 253


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

CUARÓN, A.D. 2000. A global perspective on habitat distubance and tropical rainforest
mammals. Conservation Biology, v. 14, n. 6, p. 1574-1579.

CUNHA, O.R. 1966. Sobre uma nova espécie de lagarto do estado de Minas Gerais,
Placosoma cipoense sp. n. (Lacertilia, Teiidae). Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Zool.
61: 1-9.

CUNHA, O.R.; NASCIMENTO, F.P. 1978. Ofídios da Amazônia X - As cobras da região leste
do Pará. Publicações Avulsas Museu Paraense Emílio Goeldi 31: 1-218.

DEUTSCH, H.F.; DINIZ, C.R. 1955. Some proteolytic activities of snake venoms. Journal of
Biological Chemistry 216: 17.

DEVELEY, P.F., 2006. Métodos para estudos com aves, p.153-168. Em: Cullen Jr., L.;
Rudran, R.; Valladares-Padua, C. 2006. Métodos de estudos em Biologia da Conservação &
Manejo da Vida Silvestre. Editora UFPR, Curitiba.

DIAS, S.C. 2004. Planejando estudos de diversidade e riqueza: uma abordagem para
estudantes de graduação. Acta Scientiarum. Biological Sciences, Maringá, v. 26, no. 4, p.
373-379.

DIDHAM, R. K.; GHAZOUL, J.; STORK, N. E. & DAVIS, A.J. 1996. Insects in fragments
forests: a functional approach. Tree 11(6): 255-260.

DIRZO, R. & MIRANDA, A. 1990. Contemporary Neotropical defaunation and Forest structure,
function, and diversity – a sequel to John Terborhg. Conservation Biology, 4:444-447.

DIXO, M.; VERDADE, V.K. 2006. Herpetofauna de serrapilheira da Reserva Florestal de


Morro Grande, Cotia (SP). Biota Neotropica 6(2): 1-20.

DIXON, J.R.; SOINI, P. 1986. The reptiles of the upper Amazon Basin, Iquitos region, Peru.
Ed. Milwaukee Public Museum. 154p.

DORCAS, M.E.; PRICE, S.J.; WALLS, S.C.; BARICHIVICH, W.J. 2009. Auditory monitoring of
anuran populations. In: C.K. Dodd Jr. (Ed.). Amphibian Ecology and Conservation. Oxford
University Press, New York, New York, USA. pp. 281-298.

DORVILLÉ L.F.M. Mosquitoes as bioindicators of forest degradation in southeastern Brazil, a


statistical evaluation of published data in the literature. Stud Neotrop Environ., .v. 31, p. 68-78.
1996.

DOUROJEANI, M.J. 1986. Entomology and biodiversity conservation in Latin America. Am.
Entomol. 36(2): 88-93.

DRUMMOND, G. M., et al. 2009. Biota Minas - diagnóstico do conhecimento sobre a


biodiversidade no estado de Minas Gerais subsídio para o programa Biota Minas. Belo
Horizonte: Fundação Biodiversitas,

ARCADIS logos 254


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

Drummond, G. M.; Martin, C. S.; Machado, A. B. M.; Sebaio, F. A. & Antonini, Y. 2005.
Biodiversidade em Minas Gerais. Um atlas para sua conservação. Belo Horizonte, Fundação
Biodiversitas. 222p.

DRUMMOND, G. M.; MARTINS, C. S.; MACHADO, A. B. M.; SEBAIO, F. A. & ANTONINI, Y.


2005. Biodiversidade em Minas Gerais: um Atlas para sua conservação. 2ª. Ed., Belo
Horizonte, Fundação Biodiversitas. 222p.

DRUMMOND, G.M., C.S. MARTINS, A.B.M. MACHADO, F.A. SEBAIO & Y. ANTONINI
(Org.). 2005. Biodiversidade de Minas Gerais: um Atlas para sua Conservação. Fundação
Biodiversitas, Belo Horizonte, 222p.

DRUMMOND, G.M.; MARTINS, C.S.; MACHADO, A.B.M.; SEBAIO, F.A.; ANTONINI, Y.


(Orgs.). 2005. Biodiversidade em Minas Gerais - um atlas para sua conservação. 2ª ed.
Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte, Brasil.

DUELLMAN, W.E. 1978. The biology of equatorial herpetofauna in Amazonian Ecuador. Misc.
Publ. Mus. Nat. Hist. University Kansas 65: 1-352.

DUELLMAN, W.E. 1987. Lizard in an Amazonian rain forest community: resource utilization
and abundance. National Geographic Research 3: 489-500.

DUELLMAN, W.E. 1988. Patterns of species diversity in anuran amphibians in the American
Tropics. Annals of the Missouri Botanical Garden 75: 79-104.

DUELLMAN, W.E. 1999. Patterns of distribution of amphibians; A global perspective. The


Johns Hopkins University Press, Baltimore. 633p.

DUELLMAN, W.E.; TRUEB, L. 1994. Biology of Amphibians. Baltimore and London. The
Johns Hopkins University Press. 670p.

ECHTERNACHT, L., M. TROVÓ, C.T. OLIVEIRA AND J.R. PIRANI. 2011. Areas of
endemism in the Espinhaço Range in Minas Gerais, Brazil. Flora 206(9): 782-791.

ECODINÂMICA, 2009. Monitoramento da UHE Guilmann-Amorin, João Monlevade/MG

EMATER. 2014. Caracterização da Região do Serro como Produtora de Queijo Minas.


Artesanalhttp://www.emater.mg.gov.br/doc/intranet/upload/ QUEIJO_HISTORICO.

ERIZE, F., MATA, J.R.R. & RUMBOLL, M. 2006. Birds of South America – Non-Passerines,
Rheas to Woospeckers. Princeton Illustrated Checklists. New Jersey.

ESCHMEYER, W. N. 2014. (ed). Catalog of Fishes. California Academy of Sciences.


Disponível em: http://research.calacademy.org/research/ichthyology/catalog/fishcatmain.asp.
Acesso em: mar. De 2014

ESTEVES, F. A.. 2011. Fundamentos de Limnologia. Interciência, Rio de Janeiro. 3.ed.

ETEROVICK, P.C.; CARNAVAL, A.C.O.Q.; BORGES-NOJOSA, D.M.; SILVANO, D.L.;


SEGALLA, M.V.; SAZIMA, I. 2005. Amphibian declines in Brazil: an overview. Biotropica
37(2): 166-179.

ARCADIS logos 255


Estudo de Impacto Ambiental – Projeto Serro – Serro/MG
Volume III

ETEROVICK, P.C.; SAZIMA, I. 1998. New species of Proceratophrys (Anura: Leptodactylidae)


from Southeastern Brazil. Copeia 1998(1): 159-164.

ETEROVICK, P.C.; SAZIMA, I. 2004. Anfíbios da Serra do Cipó. Belo Horizonte: PUC Minas.
152p.

FARIA, C. M. A., RODRIGUES, M.; AMARAL, F. Q.; M.DENA & FERNANDES, A. M. 2006.
Aves de um fragmento de Mata Atlântica no alto Rio Doce: colonização e extinção. Rev. Bras.
Zool. 23: 1217–1230.

FEIJÓ, A. & LANGGUTH, A. 2013. Mamíferos de Médio e Grande Porte do Nordeste do


Brasil: Distribuição e Taxonomia, com Descrição de Novas Espécies. Revista Nordestina de
Biologia, 22 (1), 3-225

FEIO, R.N.; CARAMASCHI, U. 2002. Contribuição ao conhecimento da herpetofauna do


nordeste do estado de Minas Gerais, Brasil. Phyllomedusa 1(2): 105-111.

FEIO, R.N.; SANTOS, P.S.; CASSINI, C.S.; DAYRELL, J.S.; OLIVEIRA, E.F. 2008. Anfíbios
da Serra do Brigadeiro - MG. MG BIOTA 1(1): 1-32.

FERRETE J.A.; Lemos J.C.; Lima S. 2004. Ecótopos encontrados em perfis topográficos
traçados nas áreas de implantação das barragens das UHEs de Capim Branco I e II, na bacia
do Rio Araguari, no município de Uberlândia (MG). In CAMINHOS DE GEOGRAFIA.

FILOGONIO, R. DEL LAMA, F.S; MACHADO, L.L.; DRUMOND, M.; ZANON, I.; MEZZETTI,
N.A.; GALDINO, C.A.B. 2010. Daily activity and microhabitat use of sympatric lizards from
Serra do Cipó, southeastern Brazil. Iheringia, Série Zoologia 100(4): 336-340.

FITCH, H. S. 1987. Collecting and life-history techniques. In: R.A. Seigel; J.T. Collins & S.S.
Novak (Eds.). Snakes - Ecology and evolutionary biology. New York: Mac-Millan Publishing
Company. pp.143-164.

FORATTINI O. P. 2002. Culicidologia Médica, Identificação, biologia e epidemiologia. São


Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

FORATTINI O. P; GOMES A.C.; GALATI E. A. B.; RABELLO E. X. & IVERSSON L. B. 1978.


Estudos ecológicos sobre mosquitos Culicidae no Sistema da Serra do Mar, Brasil. I.
Obsevações no ambiente extradomiciliar. Ver. Saude Publica, São Paulo, 12: 297-325.

FORATTINI O.P. 1965. Entomologia Médica. Vol III. Fac. Saúde Pública. Univ. São Paulo.
506p

FRANCO, F.L.; FERREIRA, T.G. 2002. Descrição de uma nova espécie de