Você está na página 1de 14

DIREITO PROCESSUAL CIVIL II

ESTUDOS DIRIGIDOS – PARTE I

DISTRIBUIÇÃO E REGISTRO
-registro: cadastramento do processo no poder judiciário
-distribuição: compartilhamento dos processos entre os diferentes órgãos jurisdicionais,
de forma a garantir equânime carga de trabalho
-características: alternada e aleatória, obedecendo igualdade
-deve haver a publicação da lista de distribuição no Diário da Justiça
-distribuição por dependência: para que o mesmo juiz aprecie processos com elementos
e pontos de contato
a) conexão ou continência
b) extinção do processo sem mérito
c) evitar decisões contraditórias
-alterações no curso do processo, como os casos de intervenção de terceiros, também
deverão ser anotadas no distribuidor
-distribuição da petição inicial: para tal, devem estar presentes a procuração e os
endereços eletrônico e não eletrônico
-pagamento de custas pode ser feito em até 15 dias da propositura da petição inicial. Caso
não o seja, haverá o cancelamento do registro

VALOR DA CAUSA
-definição: é a expressão econômica do direito reclamado. Será usado como base de
recolhimento de custas e fixação de multas
-obrigatória: deve haver em todos os processos, mesmo os de interesses não econômicos,
nos quais deverá haver uma estimativa do valor da causa
-art. 292: traz rol não taxativo de hipóteses de valor da causa
I. cobrança de dívida – principal somado de correção monetária, juros e outras
penalidades até a propositura da ação
II. existência, validade, cumprimento, modificação, resolução, resilição ou rescisão do NJ
– valor do ato ou da parte controvertida
III. alimentos – 12 prestações mensais
IV. divisão, demarcação e reinvindicação – valor da área ou do bem objeto do pedido
V. indenizatória – valor pretendido
VI. pedidos cumulados – soma dos valores dos pedidos
VII. pedidos alternativos – o de maior valor
VIII. pedido subsidiário – valor do principal
-prestações vencidas e vincendas – valor da causa será a soma delas. Com relação às
vincendas, será o valor de uma anuidade caso seja o negócio jurídico por tempo
indeterminado ou com duração maior que um ano. Será a soma das parcelas caso o
negócio jurídico tenha prazo menor de um ano.
-juiz verifica erro: pode haver correção pelo autor, com complementação das custas, se
for o caso
-réu verifica erro: pode impugnar. Se não o fizer, haverá preclusão. Juiz decidirá e, se
procedente a impugnação do réu, haverá necessidade de complementação pelo autor
-o valor da causa, em caso de hipossuficiência, deverá vir presente da mesma forma na
inicial, resolvendo-se o problema da hipossuficiência através da justiça gratuita.

TUTELAS PROVISÓRIAS
-definição: conjunto de técnicas que permite ao juiz, presentes os pressupostos, prestar a
tutela jurisdicional, com base em decisão instável, já que provisória, para assegurar ou
satisfazer a pretensão do autor
-classificação: de urgência – antecedente ou incidente (momento em que a tutela
provisória é requerida)
antecipada ou cautelar
de evidência
-antecedente: antes do processo X incidente: ao longo do processo, a partir da petição
inicial
-antecipada: medida satisfativa, de direito material, que antecipa, no todo ou em parte, os
efeitos da tutela pretendida X cautelar: medida assecuratória, de direito processual, cujo
objetivo é afastar riscos e assegurar o resultado útil do processo
1. Competência
-incidente: é do juiz da causa
-antecedente: como ainda não há processo, a competência será do juiz que conhecerá o
processo principal
-requerida no Tribunal: competência do órgão que apreciará o mérito de acordo com as
regras de competência interna do Tribunal
2. Motivação
-decisão que concede, nega, modifica ou revoga tutela provisória, que deverá ser de forma
fundamentada, não bastando as seguintes expressões: “diante dos pressupostos, concedo
a TP”; “ausentes os pressupostos, nego a TP”
3. Duração
-enquanto o processo se desenvolver, ainda que o processo venha a ser suspenso
-é provisória, o que faz com que possa ser revogada ou modificada a qualquer tempo
-estabilidade da decisão: se não houver oposição por parte do réu
4. Dever-poder geral de assegurar e satisfazer
-art. 297
-definição: juiz deve tomar medidas adequadas para efetivação da tutela provisória, como
arresto ou sequestro
-aqui são utilizadas as regras do cumprimento provisório de sentença
5. Tutela provisória em caráter incidental
-art. 295: é o único dispositivo específico para essa modalidade de tutela provisória.
-não haverá necessidade de pagamento de custas
6. Recorribilidade das decisões
-agravo de instrumento: cabe de todas as decisões
-agravo interno: cabe, nos tribunais, para que uma decisão monocrática possa ser revista
pelo colegiado

A) TUTELA DE URGÊNCIA – arts. 300 -310


Disposições gerais
a. pressupostos
1. probabilidade do direito
2. perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo
b. caução
-juiz exige para cobrir eventuais danos a serem suportados pela parte contrária
-exceção: o juiz pode deixar de exigir em caso de hipossuficiência econômica
-real ou fidejussória
c. concessão
-concedida liminarmente, no início do processo, sem oitiva da parte contrária
-postergação do contraditório: não há eliminação do contraditório. Após concessão da
tutela provisória, réu será citado para o processo e intimado da concessão da tutela
-juiz determina citação do réu – seria o equivalente a negar a tutela provisória. Caberá
agravo de instrumento
-após justificação prévia – juiz, antes de decidir sobre a tutela, designa audiência para que
o autor possa produzir provas sobre os requisitos da tutela
d. irreversibilidade
-se de natureza antecipatória, não será concedida se não houver possibilidade de
reversibilidade dos efeitos
-não prevalência da irreversibilidade em caso de riscos ou danos que sejam
qualitativamente mais importantes para o requerente que para o requerido. Tal é analisado
através da proporcionalidade
e. efetivação da tutela provisória de urgência de natureza cautelar
-art. 301: exemplos de medidas
1. arresto – garantia de obrigação de pagar quantia em dinheiro
2. sequestro – garantia de obrigação de entrega de coisa
3. arrolamento de bens – identificação e conservação dos bens
4. protesto contra alienação – comunicação formal de manifestação de vontade
f. responsabilidade pela prestação da tutela provisória de urgência
-reparação de prejuízos à parte contrária, quando:
I. sentença for desfavorável
II. obtida em caráter antecedente, não fornecer meios de citação em 5d
III. ocorrer cessação da eficácia da medida em qualquer hipótese legal
IV. juiz reconhecer prescrição ou decadência
-indenização nos próprios autos, caso seja possível

Tutela antecipada requerida em caráter antecedente


-antes do processo
-verificar-se-á, aqui, como é o procedimento, como se faz o pedido de tutela antecipada
antecedente
-pet inicial: pedido de tutela antecipada, com indicação do pedido de tutela final,
explicitando a controvérsia e o direito buscado, bem como o perigo de dano ou risco ao
resultado útil. Deve haver, ainda, o valor da causa
A) concedida a tutela
-autor tem 15 dias para aditar a petição inicial, confirmando seu pedido de tutela final e
juntar documentos
-a sanção, se não houver o aditamento da inicial, é de extinção do processo sem
julgamento de mérito
-citação do réu para responder ao processo e intimação do réu da concessão da tutela
antecipada, para que ele possa, se desejar, interpor recurso de agravo de instrumento, bem
como intimação para audiência de conciliação e mediação
-se não houver conciliação, haverá contestação em 15 dias
B) não concedida a tutela
-juiz entende que não há elementos
-emenda da inicial em 5dias, trazendo esses elementos
-sanção se não houver a emenda: extinção do processo sem julgamento de mérito
Estabilização da tutela
-não haverá coisa julgada, que é substituída pela estabilização
-o réu deve ser informado que a não interposição de recurso provoca a estabilização da
tutela
-interpretação ampliativa, no sentido de que qualquer manifestação do réu em sentido
contrário à concessão terá o condão de impedir a estabilização, como contestação ou
alguma manifestação nos autos
-estabilização ocorre, assim, com o aditamento da inicial somado à inércia do réu
-consequências: extinção do processo
ação para rever, reformar ou invalidar a tutela antecipada
prazo: 2 anos
efeitos preservados enquanto não houver ação
estabilização final: semelhança com a coisa julgada, após 2 anos

Tutela cautelar requerida em caráter antecedente


-petição inicial deve conter a indicação do conflito, bem como o fundamento, o direito
que se quer preservar e o perigo de dano ou risco ao resultado útil
-fungibilidade entre cautelar e antecipada, requerendo o juiz as alterações pelo autor
-citação do réu para contestar e apresentar provas em 5 dias
-não contestação: não gera, necessariamente, revelia. Autor tem que provar seu direito,
decidindo o juiz em 5 dias
-contestação: segue-se o procedimento comum
-pedido principal: 30dias, nos mesmos autos, sem pagamento de novas custas
-intimação para audiência
-nova citação do réu não será necessária, já que o réu está citado no processo
-não composição – contestação em 15 dias
-se o pedido cautelar for feito junto com o pedido principal, será considerada tutela
provisória incidente, não antecedente
-cessação da eficácia (309): não fizer pedido principal em 30 dias
tutela não efetivada em 30 dias
improcedência do principal ou extinção sem mérito
-pedido pode ser reformulado, desde que por novos fundamentos

B) TUTELA DE EVIDÊNCIA
-não há perigo de dano ou risco para o processo
-quem requer tem direito mais provável que o do adversário
-hipóteses: 311
I) abuso do direito de defesa ou intuito protelatório, somado à maior probabilidade do
direito do autor, já que o simples abuso do direito de defesa levaria aos efeitos do art. 81,
com aplicação de multa
II) fatos comprovados documentalmente e tese firmada em julgamento de casos
repetitivos ou súmula vinculante
III) pedido reipersecutório fundado me prova documental do contrato de depósito
IV) petição inicial instruída com prova documental suficiente do direito do autor, e réu
não opõe prova capaz de gerar dúvida razoável
-os incisos II e III podem ser decididos liminarmente, independentemente de oitiva do réu

FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO


-pressupostos processuais de existência: (constituição do processo, existência jurídica):
iniciativa (provocação inicial), jurisdição e citação
-pressupostos processuais de validade: petição inicial adequada, competência,
imparcialidade, capacidade processual, capacidade postulatória, citação válida
-pressupostos processuais negativos: litispendência, coisa julgada, perempção,
convenção arbitragem, falta de caução
A) FORMAÇÃO
-petição inicial
-juízo de admissibilidade: se houver erro, juiz manda corrigir
-citação válida: é daí que começa o processo para o réu

B) SUSPENSÃO
-atos e fatos que interferem no desenvolvimento do processo
-prática de atos não pode se realizar durante a suspensão, com exceção de atos de urgência
-efeitos da tutela provisória permanecem
-art. 313:
I) morte ou perda da capacidade
-partes: interessados se habilitam no processo. Se não tomarem a iniciativa, juiz suspende
o processo quando souber da morte
-morte do réu: determinação ao autor de citar o espólio ou os herdeiros, de 2 a 6 meses
-morte do autor: juiz determina intimação do espólio, ou herdeiros, por meio de
divulgação mais adequado
-morte do advogado: 15 dias de prazo para novo advogado. Se do autor, e não houver
novo advogado, haverá extinção do processo sem julgamento de mérito. Se do réu, haverá
revelia
II) convenção das partes
-prazo máximo de seis meses
III) arguição de impedimento ou suspeição
-atos urgentes: Tribunal decide quem tomará decisões
-se o juiz reconhecer e enviar a substituto, não haverá suspensão
IV) admissão de incidente de resolução de demandas repetitivas (IRDR)
-TJ ou TRF: processos com a mesma tese são suspensos aguardando desfecho
V) relações externas com a decisão de mérito
-questão prejudicial externa (ex: pedido de alimentos que tem que aguardar investigação
de paternidade para evitar decisões conflitantes)
-interferência no acolhimento ou rejeição do pedido por ausência de prova
-fato delituoso (processo crime deve começar em 3 meses): suspensão até decisão
criminal
-prazo máximo de suspensão de 1 ano
VI) força maior
-não previsibilidade (ex: greve, inundação, incêndio)
-nesses casos, juiz decidirá os prazos
VII) Tribunal marítimo
-acidentes e fatos de navegação
-suspensão máxima de 1 ano
VIII) outros casos
-denota-se que o art. 313 trata de rol exemplificativo

C) EXTINÇÃO
-não há mais razão para a atuação do Estado
-com resolução de mérito, quando houver a resolução do conflito
-sem resolução de mérito, quando não há mais como o processo se desenvolver
-dever-poder geral de saneamento (o juiz sempre manda corrigir)

PROCESSO DE CONHECIMENTO E CUMPRIMENTO DE SENTENÇA


PROCEDIMENTO COMUM
-é a regra geral de procedimento, já que é o procedimento mais completo
-aplicação subsidiária às demais modalidades de processo, como os procedimentos
especiais e o processo de execução
-4 fases: postulatória – autor e réu expõe alegações e fazem os pedidos
ordinatória – juiz reconhece que o processo pode prosseguir
instrutória – produção de provas
decisória

PETIÇÃO INICIAL
-definição: primeiro requerimento do autor, rompendo a inércia e exercendo o direito de
ação
-requisitos (319)
I – juízo a que é dirigida: regras de competência
II – qualificação das partes: nome, estado civil, profissão, CPF, CNPJ, endereço
eletrônico e físico
-se não souber os dados, haverá requerimento de diligências, para se descobrirem dados
suficientes para a citação
III – fatos e fundamentos jurídicos do pedido: causa de pedir remota e causa de pedir
próxima
IV – pedido
a. certo
-vinculação do juiz ao pedido, que não pode ir além nem dar prestações diferentes do
pedido
-pedidos implícitos: são os que decorrem da lei, como juros, correção monetária e verbas
de sucumbência
-prestações vincendas são incluídas automaticamente
b. determinado: quantidade e qualidade
-exceção: pedido genérico
I. ações universais quando o autor não puder individualizar os bens (ex: não sabe quais
bens da herança serão seus)
II. quando não for possível determinar consequências do ato ilícito (ex: não sabe ainda
todas as sequelas)
III. determinação do objeto depende de ato do réu (ex: obrigação de dar coisa incerta)
c. alternativo: pela natureza da obrigação, o devedor pode cumprir por mais de um modo
-pedido alternativo impróprio: faz dois pedidos e o juiz escolhe um
d. subsidiário: juiz analisa o segundo pedido apenas se indeferir o primeiro
f. cumulado: vários pedidos independentes uns dos outros e o autor quer todos
-para tal, deve haver compatibilidade, procedimento adequado a todos e mesma
competência
g. alteração do pedido: é possível
-até a citação, independe de concordância do réu
-até o saneamento, com concordância do réu, que terá 15 dias para se manifestar e
produzir provas
V – valor da causa
VI – provas que pretende produzir: se documental, deve vir junto com a inicial
VII – opção pela realização de audiência
-demais exigências, como assinatura, data, procuração e guia de custas
JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE DA PETIÇÃO INICIAL
-definição: juiz vai verificar se os requisitos estão presentes
-hipóteses:
A) juízo de admissibilidade positivo
-petição inicial adequada, com presença dos requisitos
-citação do réu para audiência ou para contestar, caso o autor não tenha interesse na
audiência
B) juízo de admissibilidade neutro
-petição inicial não preenche requisitos
-prazo para correção, de 15 dias
-indeferimento da petição inicial se não houver a correção
C) juízo de admissibilidade negativo
-indeferimento da petição inicial
-hipóteses: art. 330
I. inépcia da inicial (§1º): falta de pedido ou causa de pedir
pedido indeterminado
dos fatos não decorre o pedido
pedidos incompatíveis
II. parte manifestamente ilegítima
III. falta de interesse processual
IV. advogado não declara endereço ou OAB ou não há correção da petição inicial
-a doutrina entende que sempre deve haver oportunidade de correção
-extinção por sentença – apelação – juízo de retratação (em 5 dias):
a. juiz não se retrata – citação do réu para defesa no recurso
b. tribunal reforma sentença – prazo para contestação contado da volta dos autos
c. não interposição apelação – réu intimado do trânsito em julgado da sentença

IMPROCEDÊNCIA LIMINAR DO PEDIDO


-não há necessidade fase instrutória, desde que haja jurisprudência consolidada sobre o
assunto
I. enunciado de súmula do STF ou STJ
II. acórdão STF ou STJ em recursos repetitivos
III. entendimento em IRDR (incidente de resolução de demandas repetitivas) ou AC
(assunção de competência)
IV. enunciado de súmula de tribunal de justiça sobre direito local
V. prescrição ou decadência
-sentença – apelação – juízo de retratação

AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO OU MEDIAÇÃO


-réu citado para audiência e não para contestação
-antecedência mínima de 30 dias
-citação com pelo menos 20 dias de antecedência
-outras audiências são possíveis, em menos de dois meses
-não comparecimento na audiência configura em ato atentatório à dignidade da justiça,
cabendo multa de até 2% sobre o valor do pedido ou do valor da causa, cujo valor vai
para a União ou para o Estado
-exceção: desinteresse das partes, entendendo-se que o silêncio equivale à aceitação da
audiência. Autor deverá manifestar o desinteresse na petição inicial e o réu até 10 dias
antes da audiência
caso não admite autocomposição, como no caso de situação de pessoas
jurídicas de direito público
-presença dos advogados
-as partes podem estar representadas por procurador, com poderes para negociar e
transigir. Pode, inclusive, ser o próprio advogado
-acordo: termo
-homologação por sentença somente se as partes requererem

DEFESA DO RÉU
-definição: resistência do réu ao pedido do autor.
-diferentes planos: a) sentença terminativa, de caráter processual, que discuta sobre a
regularidade da presença do autor em juízo, como falta de legitimidade ou de interesse,
e, também, a falta de pressuposto processual, que trate de constituição e desenvolvimento
do processo
b) sentença de mérito, a favor do réu e contrária ao autor, isto é,
rejeição do pedido do autor, gerando coisa julgada material
-a resposta do réu pode se dar através de contestação, reconvenção, inércia ou outros
comportamentos

1. CONTESTAÇÃO
-definição: contraposição formal ao direito de ação
-forma mais ampla de defesa, onde todas as alegações de ordem processual e material
devem ser feitas para convencimento do juiz
a. princípios
-concentração da defesa (art. 336): réu tem que alegar toda a matéria de defesa, seja
material ou processual, não cabendo alegá-las posteriormente
-eventualidade (art. 337): devem ser alegadas todas as defesas possíveis, caso alguma
delas venha a ser rejeitada
-impugnação especificada (art. 341): réu deve se contrapor precisamente sobre todos os
fatos alegados
b. prazo
-15 d, contados:
I. realização de audiência
II. protocolo da petição de pedido de cancelamento da audiência
III. 231: citação por correio, a partir da juntada do aviso de recebimento
por oficial de justiça, a partir da juntada do mandado de citação cumprido
por escrivão, da data de comparecimento do réu em cartório
por edital, a partir do dia útil seguinte ao fim do prazo de sua duração
por meios eletrônicos, a partir do dia útil seguinte à consulta de seu teor ou
término do prazo para consulta
por carta, a partir da juntada do cumprimento
c. provas
-quais provas pretende produzir
-documentos e ata notarial devem vir com a contestação
d. preliminares
-defesa processual, tratando da higidez do processo
-antes do mérito
-se acolhidas, provocam extinção sem julgamento do mérito
I. inexistência ou nulidade de citação
-comparecimento espontâneo supre a falta ou a nulidade de citação
-só alega isso e é rejeitado: haverá os efeitos da revelia
II. incompetência absoluta e relativa
-réu protocola contestação no foro de seu domicílio
-remetida ao juiz da causa
-se reconhecer, o juiz do foro de domicílio do réu estará prevento
III. incorreção do valor da causa
-consequência: autor deve pagar eventual diferença relativa às custas
IV. inépcia da petição inicial
V. perempção
-definição: entra três vezes com o mesmo processo e o abandona em todas elas
-em caso de acolhimento, caberão também as sanções por litigância de má-fé
VI e VII. litispendência e coisa julgada
-definição: é a propositura de ação idêntica enquanto ainda há ação pendente de
julgamento, no caso da litispendência. Na coisa julgada, há repropositura da mesma ação
quando já há decisão de mérito transitada em julgado
VIII. conexão
-mesmos pedido e causa de pedir
-continência: embora não prevista pelo inciso VIII, a doutrina entende que a ideia se
estende também a ela
IX. incapacidade da parte, defeito de representação ou falta de autorização
-correção
X. convenção de arbitragem
-não alegação significa que o réu está aceitando mudar de árbitro para juízo estatal
XI. ausência de legitimidade ou de interesse processual
-15 dias para correção
-réu deve indicar o sujeito passivo correto, se souber
XII. falta de caução ou outra prestação preliminar
XIII. indevida concessão de JG
e. defesa de mérito
-defesa substancial, considerada como a “causa de resistir”
-objetivo: resolução do direito material, do conflito de interesses. O réu se volta contra o
pedido feito pelo autor
-defesa direta: é a defesa que nega o fato constitutivo do direito do autor ou as
consequências jurídicas que o autor pretende
-defesa indireta: o réu aceita os fatos e as consequências, mas leva novos fatos que irão
extinguir, impedir ou modificar o pedido do autor. São fatos que ampliam a matéria
cognitiva que o juiz analisará
1. fatos impeditivos – querem impedir os efeitos pretendidos pelo autor na inicial. Ex:
exceção do contrato não cumprido, nulidade do negócio jurídico
2. fatos modificativos – buscam alterar as consequências jurídicas do direito do autor. Ex:
compensação, redução do valor pedido
3. fatos extintivos – eliminam o direito do autor. Ex: pagamento, remissão, prescrição
-todos articulados na contestação
-impugnação especificada: não pode o réu fazer impugnação geral, devendo contrariar os
fatos um a um
-caso contrário, consequência – presunção de veracidade
-exceções (341):
I – quando sobre o fato não for admitido confissão
II – quando a inicial não estiver acompanhada de documento essencial
III – quando as alegações do autor acabarem se mostrando controversas com a defesa
considerada em conjunto

Você também pode gostar