Você está na página 1de 25

Resultados

MILLS 3T21
B3:MILS3

Conferência de Resultados
Data: 12 de novembro de 2021, sexta-feira
Horário: 09h (horário de Brasília)
Webcast: clique aqui

As informações financeiras e operacionais contidas neste press release, exceto quando de outra forma indicado, estão de acordo com as
políticas contábeis adotadas no Brasil, que estão em conformidade com as normas internacionais de contabilidade (International Financial
Reporting Standards - IFRS).
1. Comentários da Administração

Rio de Janeiro, 11 de novembro de 2021 - A Mills Estruturas e Serviços de Engenharia S.A. (Mills) apresenta os
seus resultados referentes ao terceiro trimestre de 2021 (3T21).

A Mills novamente apresentou uma performance comercial e operacional crescente no trimestre, com indicadores
econômico-financeiros apontando constante evolução. Como pode ser visto ao longo desse Earnings Release, a
Unidade de Negócio Rental bateu recorde de receita, aumentou o volume locado dos equipamentos e melhorou
margens. Adicionalmente, atingimos um Ebitda ajustado consolidado de R$ 79,6 milhões (crescimento de 116,7% em
relação ao 3T20), lucro líquido de R$ 31,4 milhões (R$ 30,3 milhões superior ao 3T20), realizamos o pagamento de
dividendos e JCP, recompramos ações, etc., demonstrando que o turnaround da Companhia foi concluído com êxito e
que estamos avançando na nossa trajetória de crescimento e geração de valor para os acionistas.

Assim, no 3T21LTM, a Rental gerou um ROIC de 15,2%, reflexo, entre outros fatores, de uma gestão operacional
eficiente e de uma demanda crescente em diversos segmentos, demonstrando uma evolução da atividade de locação
de equipamentos no Brasil. Com uma utilização de 63% no mês de setembro, a Rental bateu recorde de receita
líquida, alcançando R$ 169 milhões no trimestre (67% superior ao 3T20), e atingiu um Ebitda ajustado de R$ 73,7
milhões (145% superior ao 3T20).

Para atender então a essa demanda crescente, ampliar a cobertura geográfica da Mills, melhorar cada vez mais o
atendimento aos clientes e adequar a nossa frota, assim como já reportado no 2T21, o Conselho de Administração da
Companhia aprovou no 3T21 a aquisição de até 1.290 novas plataformas elevatórias, as quais chegarão ao longo de
2022 e corresponderão a um Capex de até USD 63,2 milhões, não considerando, ainda, os valores a serem obtidos
pela Companhia com as vendas das plataformas usadas. Dessa forma, pretendemos encerrar o ano de 2022 com
aproximadamente 50 filiais, atendendo mais de 1.200 cidades no Brasil, o que está totalmente alinhado ao plano de
crescimento orgânico da Mills.

Na frente inorgânica, onde buscamos consolidar o fragmentado mercado de plataformas elevatórias no Brasil e
maximizar a geração de valor para a Mills, o CADE aprovou, em 04 de novembro de 2021, a aquisição de 100% das
cotas da SK Rental do Brasil, locadora de plataformas elevatórias com forte atuação na região sul do país, base de
clientes com destaque em suas áreas de atuação, frota com mais de 300 equipamentos e certificada em sistemas de
gestão, qualidade e em segurança e saúde ocupacional.

Tais movimentos de melhoria contínua, crescimento orgânico, crescimento inorgânico e distribuição de recursos, entre
outros, estão alinhados à estratégia de alocação de capital da Mills visando a geração de valor aos acionistas e
ganharam ainda mais força no 3T21, servindo também para melhorar a estrutura de capital e sendo possíveis devido à
situação de liquidez, capacidade de geração de caixa e capacidade de alavancagem da Mills, a qual encerrou o
trimestre com um caixa de R$ 327,7 milhões e endividamento bruto de R$ 165 milhões (Dívida Líquida / Ebitda
Ajustado LTM = -0,6x), preparada para os próximos desafios e oportunidades.

2
1. Comentários da Administração

Adicionalmente, avançamos também no desenvolvimento dos temas ligados ao ESG, destacando: (i) recebimento do
selo Women on Board, que reconhece a presença feminina no Conselho de Administração da Mills e demonstra o
compromisso da Companhia com a diversidade; (ii) evolução na nossa jornada para nos tornarmos uma Empresa B,
que visa a construção de um sistema econômico mais inclusivo, equitativo e regenerativo para as pessoas e o planeta;
e (iii) avanço do estudo de Pegada de Carbono e do primeiro Inventário de Gases do Efeito Estufa (GEE), o que pode
ser visto em mais detalhes no item 13 deste Earnings Release.

Agradecemos aos nossos colaboradores pela dedicação e comprometimento, bem como o apoio dos nossos clientes,
fornecedores, acionistas, conselheiros e demais públicos e parceiros.

Boa leitura!

Sergio Kariya
Presidente da Mills

3
2. Destaques do Trimestre

Performance econômico-financeira crescente:

 Aumento da receita líquida total consolidada, atingindo R$ 192,9 milhões no 3T21 (44,2% superior ao 3T20);
 Melhoria da margem bruta de locação da Rental, atingindo 73,0% no 3T21 (64,1% no 3T20);
 Crescimento do EBITDA ajustado* consolidado, atingindo R$ 79,6 milhões no 3T21 (116,7% superior ao 3T20) e margem de 41,3%;
 Aumento do lucro líquido consolidado, atingindo R$ 31,4 milhões no 3T21 (R$ 30,3 milhões superior ao 3T20) e margem de 16,3%;
 ROIC de 15,2% na Rental (3T21LTM);
 Elevação de rating pela Fitch de BBB+ para A- (escala nacional).

Crescimento orgânico e inorgânico:


 Crescimento constante da demanda na Rental, com aumento do volume locado e dos preços praticados;
 Aprovação pelo Conselho de Administração de investimento de até USD 63,2 milhões para crescimento, adequação de mix e
renovação de parte da frota, conforme fato relevante divulgado no dia 12 de agosto de 2021;
 Aprovação do CADE para a aquisição de 100% da SK Rental do Brasil, com a conclusão da operação prevista ainda para 2021;

Shareholders:
 Em 30 de agosto de 2021, distribuição de R$ 20,1 milhões de JCP e dividendos antecipados referentes ao lucro líquido auferido no
1S21;
 Em 11 de novembro de 2021, aprovação da distribuição de R$ 20,1 milhões de JCP, a serem pagos no 4T21;
 De 1º de abril até 24 de agosto de 2021, recompradas 5.839.000 ações (aproximadamente 2,3% das ações em circulação) por um
valor total de R$ 46,8 milhões;

ESG:
 Recebimento do selo Women on Board;
 Evolução na nossa jornada para nos tornarmos uma Empresa B.

3T20 2T21 3T21 9M20 9M21


Dados Consolidados em R$ milhões (C)/(A) (C)/(B) (E)/(D)
(A) (B) (C) (D) (E)
Receita líquida 133,8 172,4 192,9 358,2 518,9 44,2% 11,9% 44,9%
EBITDA CVM 40,5 62,4 80,4 107,6 198,9 98,4% 28,8% 84,9%
Margem EBITDA CVM (%) 30,3% 36,2% 41,7% 30,0% 38,3%
EBIT 6,7 26,4 42,5 -8,2 87,5 -538,3% -61,0% 1167,8%
Margem EBIT (%) 5,0% 15,3% 22,0% -2,3% 16,9%
EBITDA Ajustado* 36,7 61,9 79,6 96,4 195,8 116,7% 28,5% 103,2%
Margem EBITDA ajustado* (%) 27,5% 35,9% 41,3% 26,9% 37,7%
Lucro (prejuízo) do período 1,2 19,9 31,4 -12,4 58,7 2542,3% 57,8% -574,4%

*Non-GAAP. Excluindo o efeito do IFRS 16 e itens não recorrentes (despesas de reestruturação da unidade Construção, passivos da unidade de negócio Serviços Industriais e despesas relacionadas ao projeto de
combinação de negócios com a Solaris) – Informação não revisada pelos auditores independentes
4
3. Rental
Em R$ milhões

3.1 Receita Líquida

Receita Líquida por tipo

152.2 169.0

3.9 11.1
3.3
5.6
12.9
101.2 4.8

4.1
8.9
3.4
148.3
131.2

84.8

3T20 2T21 3T21

Locação Venda de Novos Venda de Seminovos Outras

A receita líquida da Rental totalizou R$ 169,0 milhões no 3T21, 11,0% superior ao trimestre anterior e 67,0% acima do
3T20, como reflexo da superação ao longo dos trimestres em relação aos efeitos do COVID-19 e indicativo de uma
recuperação sustentável dos resultados. A receita de locação representou 88% no 3T21, ante 86% no 2T21 e 84% no
3T20.

A receita líquida de locação subiu 13,0% em comparação com o 2T21, devido ao aumento nos preços praticados e no
volume locado (taxa média de utilização foi 3,7 p.p superior ao trimestre anterior), em função do aumento da demanda.
A receita de vendas diminuiu 5,0% frente ao trimestre anterior, devido principalmente à diminuição da venda de
seminovos no 3T21.

3.2 Taxa de Utilização (Unidades)¹


60.9%
57.2%
56.0%

45.5% 51.3%

41.9%

3T20 2T21 3T21

Rental LTM Rental

¹ Média do período

5
3T21
3. Rental
Em R$ milhões

3.3 Custos e Despesas

Custos por tipo Abertura SG&A


48.9
43.7 1.7
52.0 51.7
1.1 5.3
5.7 3.9
38.0 33.7 4.9
0.0 5.4 2.3
0.0 2.5 7.3
7.0
3.8 9.7 10.7 0.6
1.9
0.1 6.6
8.8
27.3 25.0
29.4 29.7
20.1 22.0

9.4 10.6
5.3
3T20 2T21 3T21 3T20 2T21 3T21

Custo das vendas de equipamentos novos e seminovos


Custo de venda de sucata
Pessoal
Material de Consumo e Manutenção e Reparo
Outros

No 3T21, os custos consolidados (excluindo depreciação e IFRS16) atingiram R$ 51,7 milhões, dos quais: 48,4%
referem-se a materiais de consumo (como baterias, tintas, materiais elétricos, hidráulicos, etc), que são diretamente
atrelados ao volume locado, 20,6% relacionados a pessoal e 10,5% com custo de vendas. Os custos apresentaram um
resultado muito alinhado ao trimestre anterior, mesmo diante do aumento do volume locado, o que demonstra os
esforços da Companhia para garantir a maior eficiência da operação.

Já as despesas (excluindo depreciação e IFRS16), totalizaram R$ 48,9 milhões no trimestre, sendo que R$ 17,4
milhões referem-se a despesas com pessoal (equipe comercial, operações nacional e administrativa). O aumento de
11,9% em relação ao trimestre anterior deve-se, principalmente a: i) estorno da provisão de PLR realizado em abril,
após o pagamento, classificado na linha Outros; e ii) despesas não recorrentes referente à readequação da frota, as
quais serão tratadas no item 6 desse Earnings Release.

3.4 EBITDA Rental


3T20 2T21 3T21 9M20 9M21
Dados consolidados em R$ milhões (C)/(A) (C)/(B) (E)/(D)
(A) (B) (C) (D) (E)
Receita Líquida 101,2 152,2 169,0 292,3 453,0 67,0% 11,0% 55,0%
EBITDA CVM 32,8 59,6 72,7 95,3 184,6 121,5% 22,0% 93,6%
Margem EBITDA CVM (%) 32,4% 39,1% 43,0% 32,6% 40,7%
EBITDA Ajustado* 30,1 60,3 73,7 87,3 185,7 145,0% 22,1% 112,7%
Margem EBITDA ajustado* (%) 29,7% 39,7% 43,6% 29,9% 41,0%
EBIT 10,7 34,9 46,5 15,7 107,7 334,2% 33,2% 584,9%
Margem EBIT (%) 10,6% 22,9% 27,5% 5,4% 23,8%

*Non-GAAP. Excluindo o efeito do IFRS 16 e itens não recorrentes (despesas de reestruturação da unidade Construção, passivos da unidade de negócio Serviços Industriais e despesas relacionadas ao projeto de
combinação de negócios com a Solaris) – Informação não revisada pelos auditores independentes

6
3T21
4. Construção
Em R$ milhões

4.1 Receita liquida por tipo


Receita Líquida por tipo
32.6

24.0
11.9 20.2 1.4
0.2
2.0
0.2 2.3
0.1
4.3 0.1 0.9
0.2 0.1
20.0
16.0 17.1

3T20 2T21 3T21

Locação Venda de Novos Venda de Seminovos Venda de Sucata Outras

A receita líquida de Construção totalizou R$ 24,0 milhões no 3T21, 18,6% superior ao trimestre anterior, sendo que a
receita líquida de locação aumentou 17,0% entre os períodos em razão do aumento dos preços.

Como já amplamente divulgado, a Companhia reduziu ao longo dos últimos anos a sua capacidade de equipamentos
de construção, estando atualmente em torno de 50 mil toneladas. Mesmo com essa adequação, a Companhia possui
condições de atender o pipeline de obras esperado para os próximos anos.

4.2 Taxa de Utilização (Toneladas)¹

44.5%
43.7%
41.4%
43.1%
42.3%
41.4%

3T20 2T21 3T21

Construção LTM Construção

¹ Média do período

7
3T21
4. Construção
Em R$ milhões

4.3 Custos e Despesas


Custos por tipo Abertura SG&A

21.0
0.8 0.1 4.7
4.8 10.8 10.5
1.4 0.0
1.2 0.3 0.0 0.3
7.8 1.6 1.7
7.6
0.1 0.0 2.2 2.6 3.0
13.9 0.0 0.0
4.9 5.0
5.5 6.2 5.5
1.4 1.4 1.9 0.5
3T20 2T21 3T21 -0.2

-4.0

3T20 2T21 3T21

No 3T21, os custos (excluindo depreciação e IFRS16) atingiram R$ 7,6 milhões, 3,2% inferior ao trimestre anterior
principalmente referente ao crédito de PIS/Cofins sobre ICMS de vendas realizadas anteriormente.

Já as despesas (excluindo depreciação e IFRS16), totalizaram R$ 10,5 milhões no 3T21, sendo 2,7% inferior ao
trimestre anterior.

4.4 EBITDA Construção

3T20 2T21 3T21 9M20 9M21


Dados consolidados em R$ milhões (C)/(A) (C)/(B) (E)/(D)
(A) (B) (C) (D) (E)
Receita Líquida 32,6 20,2 24,0 65,9 66,0 -26,5% 18,6% 0,0%
EBITDA CVM 8,0 2,8 7,5 12,6 14,4 6,4% 164,6% -14,3%
Margem EBITDA CVM (%) 24,6% 14,1% 31,4% 19,1% 21,8%
EBITDA Ajustado* 6,7 1,6 5,9 9,1 10,2 11,5% 269,2% -11,8%
Margem EBITDA ajustado* (%) 20,4% 7,9% 24,6% 13,8% 15,4%
EBIT -3,7 -8,5 -4,2 -23,6 -20,1 -14,7% 49,9% 14,7%
Margem EBIT (%) -11,4% -41,9% -17,7% -35,7% -30,5%

*Non-GAAP. Excluindo o efeito do IFRS 16 e itens não recorrentes (despesas de reestruturação da unidade Construção, passivos da unidade de negócio Serviços Industriais e despesas relacionadas ao projeto de
combinação de negócios com a Solaris) – Informação não revisada pelos auditores independentes

8
3T21
5. Destaques Financeiros
Dados Consolidados em R$ milhões

Receita líquida por tipo Receita líquida por unidade de negócio


192.9
172.4
192.9 24.0
20.2
172.4 133.8
5.3 0.2
5.3 0.1 32.6
133.8 19.1
18.7
16.0 0.2 169.0
16.8 152.2
168.3 101.2
148.3
100.8

3T20 2T21 3T21 3T20 2T21 3T21

Rental Construção
Locação Venda de Novos Venda de Sucata Outras
e Seminovos

COGS ex depreciação2 SG&A ex depreciação2

59.2
59.0 59.9 59.3 54.5
5.3
4.7 5.7 5.5 3.9 2.0
0.0 1.5
0.2 6.4
0.0 3.9
13.6 14.6 38.7
15.7 0.7 9.6 10.3
3.2
8.8
21.4
28.7 27.0
35.7 35.1
27.5
19.2
10.8 11.1

3T20 2T21 3T21 -1.4


3T20 2T21 3T21
Custo das vendas de equipamentos novos e seminovos
Custo de venda de sucata
Pessoal
Material de Consumo e Manutenção e Reparo
Outros

Nota 2: Excluindo também os efeitos do IFRS 16.

9
3T21
6. Itens Não Recorrentes

No 3T21, foram registrados R$ 5,1 milhões referentes a itens não recorrentes (consolidado), compostos principalmente
por R$ 4,8 milhões de gastos relacionados ao projeto de readequação da frota de plataformas aéreas.

3T20 2T21 3T21


Itens não recorrentes - em R$ milhões (C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Total itens não recorrentes -0,7 -3,9 -5,1 612,0% 31,0%

7. EBITDA Ajustado

O EBITDA Ajustado consolidado (excluindo itens não recorrentes e os efeitos do IFRS16) foi de R$ 79,6 milhões, com
margem de 41,3% no 3T21 ante R$ 61,9 milhões, com margem de 35,9%, no 2T21.

41.3%
90.0
EBITDA Ajustado EBIT
80.0

35.9% 22.0%
79.6
70.0

27.5%
60.0

61.9 15.3%
50.0

40.0

30.0 36.7 42.5

20.0
5.0% 26.4
10.0

6.7
0.0

3T20 2T21 3T21


3T20 2T21 3T21

EBITDA Ajustado* Margem EBITDA Ajustado* % EBIT Margem EBIT %

*ex itens não recorrentes e IFRS 16

8. Resultado Financeiro (ex. IFRS 16)

3T20 2T21 3T21


Dados consolidados em R$ milhões (C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Resultado financeiro líquido -1,6 -1,2 1,2 -172,8% 199,3%
Receitas financeiras 3,6 5,9 7,8 119,7% 32,2%
Despesas financeiras -5,2 -7,1 -6,6 27,5% -6,8%

10
3T21
9. Investimentos

No 3T21, os investimentos totalizaram R$ 15,4 milhões, dos quais R$ 7,6 milhões para ativos de locação e o restante
destinado principalmente à retomada dos investimentos em tecnologia e adequações de filiais. Nos 9M, já foram
investidos R$ 26,7 milhões em ativos de locação da Rental, em linha com o nosso plano de aquisição de
equipamentos que serão aplicados no crescimento, adequação de mix e renovação de parte da frota da Companhia,
proporcionando melhoria no atendimento aos seus clientes e capacidade de ampliação da sua cobertura geográfica.

Conforme Comunicado ao Mercado divulgado em 4 de novembro de 2021, foi aprovada pela Superintendência-Geral
do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, sem restrições, a aquisição pela Companhia de quotas
representativas de 100% do capital social da SK Rental Locação de Equipamentos Ltda. A consumação da Transação
ocorrerá após o trânsito em julgado da referida decisão do CADE e após cumpridas as demais condições
precedentes, o que deverá ocorrer nos próximos 30 dias.

A aquisição da SK Rental do Brasil está alinhada aos objetivos estratégicos da Mills relacionados à melhoria da
experiência dos clientes, crescimento, consolidação e penetração de mercado. Continuamos com um pipeline robusto
de oportunidades.

10. Imobilizado
O saldo de imobilizado líquido de locação/uso operacional da Companhia foi de R$ 295,5 milhões no 3T21.

351.1
316.5
87.2 295.5
60.5 52.2

263.9 256.0 243.3

3T20 2T21 3T21

Rental Construção

11
3T21
11. Fluxo de Caixa Ajustado

O Fluxo de Caixa Operacional Ajustado¹ ² aumentou em relação ao 2T21, impactado no 3T21 principalmente pela
melhora do Ebitda;.

O Fluxo de Caixa Livre Ajustado¹ foi positivo em R$ 31,4 milhões no trimestre, e considera, ainda, o reflexo da
redução do Capex entre os trimestres.

45.7 43.2 39.0 36.8 38.9 37.9 46.9


34.9 36.2 29.5 31.4
3.7

2T20 3T20 4T20 1T21 2T21 3T21

Fluxo de caixa operacional ajustado Fluxo de caixa livre para a firma ajustado
Nota 1: informações não revisadas pelos auditores independentes

Nota 2: Para o fluxo de caixa operacional ajustado desconsideram-se os juros pagos, investimento em locação, juros e variações monetárias ativas e passivas líquidas e impacto do
IFRS16. Para o fluxo de caixa livre para a firma desconsideram-se os juros pagos e as variações monetárias ativas e passivas líquidas.

12. Endividamento

A Mills encerrou 30 de setembro de 2021 com uma dívida bruta de R$ 165,0 milhões, já desconsiderando o custo de
emissão.
A Companhia permanece geradora de caixa operacional, encerrando o trimestre com R$327,7 milhões em caixa livre
e, assim, com caixa líquido de R$162,7 milhões. A Companhia possui uma sólida situação de liquidez e com espaço
para alavancagem para potencializar o seu crescimento orgânico e inorgânico.
O prazo médio para o pagamento do endividamento total da Mills é de 1,6 ano, a um custo médio de CDI + 3,39% a.a..

Cronograma de pagamento da dívida¹


R$ milhões

50.6
0.7 46.1 46.0
0.2 0.0

19.4 49.9 45.9 45.9


0.0

19.3 5.9
0.0
5.9
2021 2022 2023 2024 2025
Debêntures Outros
¹ Soma de principal e juros

12
3T21
12. Endividamento

Indicadores da dívida

Em 30 de setembro de 2021, a Mills cumpriu novamente seus covenants financeiros e apresentou uma relação Dívida
Líquida / Ebitda Ajustado LTM = -0,6x (-0,9x no 2T21) e Dívida Líquida CP / Ebitda Ajustado LTM = -1,0x (-1,4x no
2T21), como pode ser visto a seguir:

Dívida Líquida / Ebitda Ajustado LTM Dívida Líquida CP / Ebitda Ajustado LTM

2.00 0,75

-1.0 -0.9 -0.6


-1.1 -1.2 -1.0
-1.7 -1.4
-2.1 -2.0
3T20 4T20 1T21 2T21 3T21

3T20 4T20 1T21 2T21 3T21

13
3T21
13. ESG

As temáticas de ESG vem ganhando cada vez mais espaço e desenvolvimento na companhia, e
consequentemente, maior reconhecimento no mercado. No terceiro trimestre de 2021, seguimos evoluindo com as
ações planejadas. Os principais destaques desse período são citados abaixo:

A Mills recebeu o selo Women On Board (WOB), que valoriza a existência de ambientes corporativos com a
presença de mulheres em conselho de administração ou consultivos. Este selo é concedido à empresas que
possuem pelo menos duas mulheres conselheiras, e atualmente o Conselho de Administração da companhia conta
com três mulheres em seu quadro efetivo. O reconhecimento WOB reafirma parte do nosso compromisso com o
desenvolvimento humano, inclusão e equidade.

Como signatários do Pacto Global, maior iniciativa mundial de mobilização da comunidade empresarial em prol da
sustentabilidade corporativa, submetemos o primeiro Relatório Anual de Comunicação de Progresso (COP). Este
documento descreve todas as nossas ações desenvolvidas nos temas de Direitos Humanos, Trabalhadores,
Meio ambiente e Anticorrupção, destacando o código de conduta da companhia, nosso programa de integridade,
o comitê de ética e programas internos para desenvolvimento integral dos nossos times, como o programa
Conexão Mulher, cujo foco é aconselhamento e mentoria para o desenvolvimento das colaboradoras da Mills, a
Escola Mills que promove ações presenciais e virtuais de capacitação e o Evoluir, nosso programa que concede
bolsas de estudos aos colaboradores.

Com intuito de entendermos os nossos possíveis impactos ambientais, avançamos no desenvolvimento do primeiro
Inventário de Gases do Efeito Estufa (GEE), um estudo de identificação e quantificação de fontes de emissão
desses gases dentro das atividades executadas pela companhia. Após a conclusão das análises técnicas,
avançamos na identificação das emissões totais de 2020. Para fins de restrições dessas emissões, está sendo
avaliada a gestão de carbono através de medidas como a roteirização dos fretes e a manutenção periódica da frota
de caminhões e empilhadeiras. A disponibilização das informações técnicas das nossas emissões, referente ao ano
de 2020, estarão disponíveis no nosso relatório GRI de 2021, com previsão de publicação para o 1º trimestre de
2022. Atualmente, estamos atuando na melhoria dos controles internos de informações que serão utilizadas no
inventário de GEE ano base 2021, cujo resultado será disponibilizado no 2º semestre 2022.

Iniciamos nosso estudo de Pegada de Carbono, com o objetivo de estimar a emissão de gases do efeito estufa,
ao longo do ciclo de vida de uma amostra representativa de cada família de equipamentos da unidade de
negócios Rental. Na fase atual, estamos coletando dados e informações que vão embasar o estudo, com previsão
de finalização em dezembro de 2021. A partir dos resultados obtidos, será possível avaliar quais as etapas do
processo da Mills tem maior relevância no tema de emissões de carbono e quais as medidas necessárias para seu
controle, diminuição e influência na cadeia de fornecimento.

Continuamos evoluindo no objetivo de nos tornarmos uma Empresa B. Demos início ao processo de certificação e
após a confirmação da nossa elegibilidade, estamos levantando evidências para a fase de auditoria.

14 3T21
13. ESG

Os próximos passos dessa trajetória:

 Finalizar a definição de compromissos e metas associados aos temas materiais da Mills;

 Seguir promovendo a solidariedade através de programas como o Partilhar, com o objetivo de compartilhar
nossos resultados financeiros com as comunidades locais situadas no entorno de nossas filiais;

 Elaborar nosso primeiro relatório no formato Global Reporting Initiative (GRI), trazendo as metas e resultados
da empresa para os temas de sustentabilidade referentes ao ano de 2021;

 Implementar nosso Comitê de Diversidade, com o objetivo de discutir pautas e desenvolver ações em prol da
diversidade e inclusão de grupos sub representados dentro da companhia;

 Com a finalização do Inventário de GEE 2020, iremos definir as possíveis estratégias para minimização e/ou
compensação da nossa pegada de carbono.

Indicadores sociais (2021)¹

Indicadores de diversidade Homens Mulheres

Negro/Preto (a)* 58 10

Pardo(a)* 238 49

Caucasiano/ Branco (a)* 426 136

Asiático/Amarelo (a)* 1 1

Indígena* 0 0

Não informado 476 146

TOTAL 1199 342

PCD 5 4

Refugiados 11 0
Idade média (anos) 33 31

Tempo de empresa (anos) 4 3

* Informado por auto-declaração

Distribuição de gênero por nível hierárquico¹

Conselho de
Administração
Diretoria

Gerência

Coordenador/
Supervisor

Equipes em geral

Estagiários

Mulheres Homens

15 3T21
13. ESG

Indicadores ambientais (3T21)¹

2.222 m³ 205 mil kwh 445 toneladas


consumo médio mensal de água consumo médio mensal de descarte total de resíduos,
nas filiais, energia elétrica,

0,5 m³ mensais
45 kWH/mês 189 toneladas
consumo médio de água por destinadas à reciclagem
consumo médio relativo, por
colaborador
colaborador

¹ indicadores não revisados pelos auditores independentes

16 3T21
14. Tabelas
Dados Consolidados em R$ milhões

Tabela 1 – Receita líquida por tipo

3T20 2T21 3T21


(C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Receita Líquida Total 133,8 172,4 192,9 44,2% 11,9%
Locação 100,8 148,3 168,3 67,0% 13,5%
Vendas Novos 3,6 4,9 5,7 58,5% 16,2%
Vendas Seminovos 13,2 13,8 13,5 2,0% -2,3%
Venda de Sucata 0,2 0,1 0,2 11,6% 120,6%
Assistência técnica 1,3 0,9 1,1 -15,5% 16,7%
Indenização e Recuperação de Despesas 14,7 4,4 4,2 -71,8% -4,4%

Tabela 2 – Receita líquida de locação por produto


3T20 2T21 3T21
(C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Receita Líquida Total de Locação 100,8 148,3 168,3 67,0% 13,5%
Plataforma aérea 82,3 129,7 145,1 76,4% 11,8%
Forma e escoramento 16,0 17,1 20,0 25,1% 17,0%
Outros 2,5 1,5 3,2 26,8% 120,4%

Tabela 3 – Receita líquida por Unidade de Negócio


3T20 % 2T21 % 3T21 %
Receita líquida total 133,8 100,0% 172,4 100,0% 192,9 100,0%
Construção 32,6 24,4% 20,2 11,7% 24,0 12,4%
Rental 101,2 75,6% 152,2 88,3% 169,0 87,6%

Tabela 4 – Custo de produtos e serviços vendidos (CPV) e Despesas operacionais, gerais e


administrativas (SG&A), ex. depreciação e IFRS16
3T20 % 2T21 % 3T21 %
CPV total, ex-depreciação -59,0 60,4% -59,9 52,4% -59,3 50,0%
Custo de locação (manutenção, pessoal, depósitos,etc.)¹ -41,2 42,1% -53,6 46,9% -52,7 44,4%
Custo das vendas de equipamentos novos -2,1 2,2% -4,9 4,3% -4,8 4,0%
Custo das vendas de equipamentos seminovos -2,6 2,6% -0,8 0,7% -0,7 0,6%
Custo de venda de sucata -0,2 0,2% 0,0 0,0% 0,0 0,0%
Custo de indenização -13,0 13,3% -0,5 0,4% -1,1 0,9%
SG&A, ex-depreciação e PCE -40,2 41,1% -53,0 46,3% -57,2 48,3%
Comercial, Operacional e Administrativo -27,5 28,1% -35,7 31,2% -35,1 29,7%
Serviços Gerais -8,8 9,0% -9,6 8,4% -10,3 8,7%
Outras despesas -3,9 4,0% -7,8 6,8% -11,7 9,9%
PCE 1,4 -1,5% -1,5 1,3% -2,0 1,7%
CPV + SG&A Total -97,8 -114,3 -118,5

Tabela 5 – EBITDA CVM por unidade de negócio e margem EBITDA CVM


3T20 % 2T21 % 3T21 %
EBITDA CVM 40,5 100,0% 62,4 100,0% 80,4 100,0%
Construção 8,0 19,8% 2,8 4,6% 7,5 9,4%
Rental 32,8 81,0% 59,6 95,4% 72,7 90,4%
Outros -0,3 -0,8% 0,0 0,0% 0,2 0,3%
Margem EBITDA CVM (%) 30,3% 36,2% 41,7%
EBITDA Ajustado* 36,7 61,9 79,6

*Non-GAAP. Excluindo o efeito do IFRS 16 e itens não recorrentes (despesas de reestruturação da unidade Construção, passivos da unidade de negócio Serviços Industriais e despesas relacionadas ao projeto de
combinação de negócios com a Solaris) – Informação não revisada pelos auditores independentes

17
3T21
14. Tabelas
Dados Consolidados em R$ milhões

Tabela 6 – Reconciliação do EBITDA Ajustado


3T20 2T21 3T21
(C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Lucro (Prejuízo) Líquido 1,2 19,9 31,4 -2561,9% -57,8%
Imposto de renda e contribuição social -2,7 -4,0 -13,1 378,1% -230,1%
Lucro (Prejuízo) antes do IRCS 3,9 23,9 44,5 -1036,3% -86,4%
Resultado Financeiro -2,7 -2,5 0,5 120,1% 121,7%
Depreciação -33,9 -36,0 -36,4 -7,6% -1,2%
EBITDA CVM¹ 40,5 62,4 80,4 98,5% 28,8%
Impacto IFRS 16 -4,5 -4,4 -5,9 -32,0% -35,5%
EBITDA* 36,0 58,0 74,5 106,8% 28,3%
EBITDA ajustado (ex itens não recorrentes e
36,6 61,9 79,6 117,2% 28,5%
IFRS 16)
* Desconsiderando o efeito do IFRS 16. ¹ Conforme instrução CVM 527

Tabela 7 – Reconciliação do EBITDA com Fluxo de Caixa Operacional Ajustado

3T21
EBITDA CVM 80,4
Não Caixa 7,8
Provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas -1,5
Provisão para despesa com opções de ações 1,1
Benefícios pós-emprego 0,2
Valor residual dos ativos imobilizados e intangíveis vendidos e baixados 2,1
Provisão (reversão) para créditos com perdas esperadas 2,0
Provisão (reversão) por perdas estimadas por valor não recuperável 0,0
Provisão (reversão) para estoques de giro lento -0,3
Ajuste IFRS 9/CPC 48 0,0
Resultado de participações em investimentos 0,0
Provisão para Participação no Resultado 3,3
Outras provisões 0,9
EBITDA CVM ex- provisões não caixa 88,2
Caixa -41,2
Juros e variações monetárias ativas e passivas líquidas (caixa) 5,1
Contas a receber -12,0
Aquisições de bens do ativo imobilizado locação -7,8
Estoques -8,0
Tributos a recuperar -4,1
IRPJ e CSLL a Compensar -0,5
Depósitos judiciais -0,2
Outros ativos -0,2
Fornecedores -6,7
Salários e encargos sociais 1,9
Tributos a pagar 0,5
Outros passivos 0,1
Participação nos resultados a pagar 0,0
Imposto de renda e contribuição social pagos -4,1
Processos judiciais liquidados -1,7
Juros pagos -3,4
Fluxo de Caixa Operacional conforme as demonstrações financeiras 47,0

Juros e variações monetárias ativas e passivas líquidas (caixa) -5,1


Aquisições de bens do ativo imobilizado locação 7,8
Juros pagos 3,4
Arrendamento IFRS16 -6,2
Fluxo de Caixa Operacional Ajustado 46,9

18
3T21
14. Tabelas
Dados Consolidados em R$ milhões

Tabela 8 – Investimento por unidade de negócio

3T20 2T21 3T21


(C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Capex Total -2,3 -29,1 -15,5 -586,6% 46,7%
Ativos para locação -0,2 -20,1 -7,8 4248,4% 61,3%
Construção 1,6 -0,2 -0,2 -111,3% 13,6%
Rental -1,7 -19,9 -7,6 336,0% 61,9%
Corporativo e bens de uso -2,1 -9,0 -7,7 -271,0% 14,2%

Tabela 9 – Unidade de Negócio Construção

3T20 2T21 3T21


(C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Receita Líquida Total 32,6 20,2 24,0 -26,5% 18,6%
Locação 16,0 17,1 20,0 25,1% 17,0%
Vendas Novos 0,2 0,1 0,1 -63,3% -52,5%
Vendas Seminovos 4,3 0,9 2,3 -45,9% 157,7%
Venda de Sucata 0,2 0,1 0,2 -6,6% 106,5%
Assistência Técnica 0,4 0,1 0,2 -56,8% 75,9%
Indenização e Recuperação de Despesas 11,6 1,9 1,2 -89,3% -34,5%
CPV Total, ex-depreciação -21,0 -7,8 -7,6 -63,9% -3,2%
Custo de locação (manutenção, pessoal, depósitos,etc.)¹ -7,1 -7,3 -6,4 -9,6% -12,0%
Custo das vendas de equipamentos novos -0,2 -0,1 0,0 -81,1% -64,2%
Custo das vendas de equipamentos seminovos -0,7 0,0 0,0 -97,3% 176,1%
Custo de venda de sucata -0,1 0,0 0,0 -71,7% 71,6%
Custo de indenização e Provisão de valor realizável -13,0 -0,5 -1,1 -91,4% 136,1%
SG&A, ex-depreciação e PCE -8,7 -10,4 -10,1 17,2% -2,8%
PCE 4,0 -0,3 -0,3 -108,8% 1,6%
EBITDA CVM 8,0 2,8 7,5 6,4% -164,6%
Margem EBITDA (%) 24,6% 14,1% 31,4%
EBITDA ajustado 6,7 1,6 5,9 11,5% -269,2%
Margem EBITDA ajustado (%) 20,4% 7,9% 24,6%
Depreciação -10,6 -10,1 -12,7 19,7% 26,0%
Capex bruto de locação 1,6 -0,2 -0,2 -111,3% 13,6%
Imobilizado Bruto de locação 451,4 439,2 438,2 -2,9% -0,2%
Quantidade equipamento final de período (mil ton) 53,4 52,7 52,5 -1,8% -0,3%
Taxa de Utilização Fisica Trimestral 41,4% 43,7% 44,5%
Taxa de Utilização Fisica LTM 41,4% 42,3% 43,1%

*Non-GAAP. Excluindo o efeito do IFRS 16 e itens não recorrentes (despesas de reestruturação da unidade Construção, passivos da unidade de negócio Serviços Industriais e despesas relacionadas ao projeto de
combinação de negócios com a Solaris) – Informação não revisada pelos auditores independentes

19
3T21
14. Tabelas
Dados Consolidados em R$ milhões

Tabela 10 – Unidade de Negócio Rental*

3T20 2T21 3T21


(C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Receita Líquida Total 101,2 152,2 169,0 67,0% 11,0%
Locação 84,8 131,2 148,3 74,9% 13,0%
Vendas Novos 3,4 4,8 5,6 64,8% 18,1%
Vendas Seminovos 8,9 12,9 11,1 25,3% -13,6%
Venda de Sucata 0,0 0,0 0,0 925,5% 220,8%
Assistência Técnica 0,9 0,9 0,9 0,7% 10,5%
Indenização e Recuperação de Despesas 3,2 2,5 2,9 -7,7% 18,7%
CPV Total, ex-depreciação -38,0 -52,0 -51,7 36,0% -0,6%
Custo de locação (manutenção, pessoal, depósitos, etc.) -34,1 -46,4 -46,3 35,6% -0,2%
Custo das vendas de equipamentos novos -2,0 -4,8 -4,8 141,1% -1,3%
Custo das vendas de equipamentos seminovos -1,9 -0,8 -0,7 -64,4% -20,0%
Custo de venda de sucata -0,1 0,0 0,0 -84,0%
Custo de indenização e Provisão de valor realizável 0,0 0,0 0,0
SG&A, ex-depreciação e PCE -31,2 -42,6 -47,2 51,5% 11,0%
PCE -2,5 -1,1 -1,7 -34,3% 44,6%
EBITDA CVM 32,8 59,6 72,7 121,5% 22,0%
Margem EBITDA CVM (%) 32,4% 39,1% 43,0%
EBITDA ajustado 30,1 60,3 73,7 145,0% 22,1%
Margem EBITDA ajustado (%) 29,7% 39,7% 43,6%
Depreciação -19,5 -22,2 -21,9 12,6% -1,4%
Capex bruto de locação -1,7 -19,9 -7,6 336,0% -61,9%
Imobilizado Bruto de locação 1.075,8 1.057,0 1.049,8 -2,4% -0,7%
Quantidade de máquinas final de período (unidade) 8.201 7.966 7.955
Taxa de Utilização Fisica Trimestral 41,9% 57,2% 60,9%
Taxa de Utilização Fisica LTM 45,5% 51,3% 56,0%

*Non-GAAP. Excluindo o efeito do IFRS 16 e itens não recorrentes (despesas de reestruturação da unidade Construção, passivos da unidade de negócio Serviços Industriais e despesas relacionadas ao projeto de
combinação de negócios com a Solaris) – Informação não revisada pelos auditores independentes

20
3T21
15. DRE
Dados Consolidados em R$ milhões

3T20 2T21 3T21


(C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Receita líquida de vendas e serviços 133,8 172,4 192,9 44,2% 11,9%

Custo dos produtos vendidos e serviços prestados -85,0 -87,3 -85,3 0,4% -2,3%

Lucro bruto 48,8 85,1 107,7 120,5% 26,5%

Despesas com vendas, gerais e administrativas -44,9 -57,9 -62,0 38,0% 7,2%

PCE 1,4 -1,5 -2,0 -240,5% 34,7%

Outras receitas 1,3 0,7 0,3 -75,7% -52,8%

Lucro (Prejuízo) antes do resultado financeiro 6,7 26,4 44,0 559,9% 66,5%

Despesas financeiras -6,3 -8,4 -7,3 15,5% -13,9%

Receitas financeiras 3,6 5,9 7,8 119,7% 32,2%

Resultado financeiro -2,7 -2,5 0,5 -120,1% -121,7%

Lucro (Prejuízo) antes do imposto de renda e contribuição 3,9 23,9 44,5 1033,8% 86,4%
social
Imposto de renda e contribuição social -2,7 -4,0 -13,1 378,1% 230,1%

Lucro do período 1,2 19,9 31,4 2542,3% 57,8%

21
3T21
16. Balanço Patrimonial
Dados Consolidados em R$ milhões
em R$ milhões 3T20 2T21 3T21
Ativo

Circulante
Caixa e equivalentes de caixa 262,2 354,2 320,3
Depósitos bancários vinculados 0,0 7,1 7,4
Contas a receber de clientes 88,7 120,9 130,7
Estoques 43,7 70,9 79,1
0,0 0,0 0,0
Estoques - outros ativos mantidos para venda
IRPJ e CSLL a compensar 6,2 6,7 7,2
Tributos a recuperar 5,2 4,7 8,9
Adiantamento a fornecedores 3,9 5,7 5,0
0,0 0,0 0,0
Outras contas a receber - venda da investida
Ativos mantidos para venda 8,4 10,1 9,0
Outros ativos 5,8 4,5 7,0
Total Ativo Circulante 424,0 584,8 574,6

Não Circulante
IRPJ e CSLL diferido 317,9 313,1 309,0
Tributos a recuperar 0,3 0,2 0,1
Depósitos judiciais 12,2 9,0 9,4
Outros ativos 0,0 0,0 0,0
Instrumentos financeiros derivativos 1,1 0,3 0,0
331,5 322,6 318,5

Ativo financeiro disponível para venda 50,6 39,3 39,3


Imobilizado 414,5 359,7 342,7
Direito de Uso (IFRS 16) 55,4 54,5 52,4
Intangível 120,7 124,8 125,3
641,1 578,4 559,7

Total Ativo Não Circulante 972,6 901,0 878,2

Total do Ativo 1.396,7 1.485,9 1.452,8

em R$ milhões 3T20 2T21 3T21


Passivo

Circulante
Contas a pagar 28,1 51,4 44,3
Empréstimos e financiamentos 5,7 2,0 0,7
Arrendamento Direito de Uso (IFRS 16) 14,1 16,8 17,1
Debêntures 29,3 62,6 56,8
Salários e encargos sociais 27,2 27,0 28,9
Imposto de renda e contribuição social 0,7 1,8 6,9
Programa de recuperação fiscal (REFIS) 1,7 1,5 1,5
Tributos a pagar 7,6 4,2 4,7
Participação nos resultados a pagar 5,0 4,8 8,1
0,0 0,1 0,4
Dividendos e juros sobre capital próprio a pagar
Outros passivos 0,7 0,7 0,7
Total Passivo Circulante 120,0 172,8 170,1

Não Circulante
Empréstimos e financiamentos 0,0 0,4 0,2
Arrendamento Direito de Uso (IFRS 16) 37,4 41,6 39,2
Debêntures 90,8 118,8 107,2
Programa de recuperação fiscal (REFIS) 4,1 3,0 2,7
24,3 20,1 19,0
Provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas
Tributos a pagar 10,3 10,4 10,5
Provisão Benefícios pós-emprego 13,4 12,1 12,6
Instrumentos financeiros derivativos 0,0 0,0 0,0
Outros passivos 1,0 1,1 0,8
Total Passivo Não Circulante 181,3 207,5 192,2

Total Passivo 301,3 380,4 362,4

Patrimônio Líquido
Capital social 1.089,6 1.090,3 1.090,3
Reservas de capital 37,4 59,3 60,5
Custo c/emissão de ações 0,0 -18,4 -18,4
Reservas de lucros 10,3 0,9 0,9
Ações em tesouraria -15,1 -34,3 -61,9
Ajuste de avaliação patrimonial -9,9 -16,1 -16,1
Lucros e Prejuízos acumulados -17,1 21,5 32,9
Total Patrimônio Líquido 1.095,3 1.103,1 1.088,0
Participação dos não controladores 2,4 2,3
Total do Passivo e Patrimônio Líquido 1.396,7 1.485,9 1.452,8

22
3T21
17. Fluxo de Caixa Indireto
Dados Consolidados em R$ milhões

em R$ milhões 3T20 2T21 3T21


Fluxo de caixa das atividades operacionais

Lucro do período 1,2 19,9 31,5

Ajustes não caixa: 56,5 44,4 52,9


Depreciação e amortização 33,9 36,0 36,4
Imposto de renda e contribuição social diferidos 0,0 -1,1 4,1
Provisão (reversão) para riscos tributários, cíveis e trabalhistas 0,1 -1,0 -1,5
Provisão para despesa com opções de ações 0,8 1,1 1,1
Benefício Pós-emprego 0,3 0,2 0,2
Valor residual dos ativos imobilizados e intangíveis vendidos e baixados 15,6 1,3 2,1
Juros e variações monetárias ativas e passivas líquidas 3,6 3,5 3,9
Juros sobre arrendamentos 0,0 1,3 0,6
Provisão para perdas de créditos esperadas - PCE -1,4 1,5 2,0
Provisão para redução ao valor realizável líquido dos estoques mantidos para venda 0,0 0,0 0,0
Provisão por perdas estimadas por valor não recuperável 0,2 -0,4 0,0
Provisão (reversão) para estoques de giro lento 0,9 -0,9 -0,3
Provisão para ajuste de inventário de equipamento de locação 0,0 0,0 0,0
Ajuste IFRS 9/CPC 48 0,0 0,0 0,0
Resultado de participações em investimentos 0,0 0,0 0,0
Provisão para participação no resultado 1,5 1,4 3,3
Outros 1,2 1,4 0,9
Variações nos ativos e passivos: -10,8 -31,7 -28,1
Contas a receber -12,4 -17,2 -12,0
Aquisições de bens do ativo imobilizado de locação -0,2 -20,1 -21,5
Aquisições de bens de locação por meio de redução de capital em controlada 0,0 13,8
Estoques 1,1 -14,5 -8,0
Aquisições de estoques por meio de redução de capital em controlada 0,0 0,0 0,0
Tributos a recuperar 1,2 0,0 -4,1
IRPJ e CSLL a compensar -0,3 -0,4 -0,5
Depósitos judiciais 0,2 -0,2 -0,2
Outros ativos -0,5 -0,5 -0,2
Fornecedores -2,2 17,8 -6,7
Salários e encargos sociais 1,7 4,9 1,9
Participação no resultado 0,0 -6,1 0,0
Tributos a pagar 0,4 4,7 9,5
Outros passivos 0,0 0,0 0,1
Imposto de renda e contribuição social pagos -1,4 -5,3 -4,1
Processos judiciais liquidados -0,8 -1,5 -1,7
Juros pagos -24,9 -2,9 -3,4

Caixa líquido gerado nas atividades operacionais 19,7 22,9 47,0

Fluxos de caixa das atividades de investimentos 0,0


Aquisição de caixa decorrente de incorporação de controlada 0,0 -5,1 0,0
Aquisições de bens do ativo imobilizado bens de uso próprio e Intangível -2,5 -9,0 -8,3
Aquisições de bens de uso prórprio por meio de redução de capital em controlada 0,4 0,0 0,6
Juros s/ capital próprio recebidos 0,0 0,0 0,0
Caixa líquido gerado pelas atividades de investimento -2,1 -14,1 -7,7

Fluxos de caixa das atividades de financiamento


Arrendamento (IFRS16) -4,9 -5,8 -6,2
Aumento/redução de capital 0,1 0,7 0,0
Depósitos bancários vinculados 0,0 -0,3 -0,3
Captação de empréstimos e debêntures 0,0 0,4 -0,7
Custo com emissão de ações 0,0 0,0 0,0
Amortização de empréstimos e debêntures -40,2 -17,8 -19,6
Ingressos de empréstimos -0,4 0,0 0,0
Aquisição de ações em tesouraria 0,0 -19,3 -27,6
JCP pagos 0,0 -5,3 -10,9
Dividendos pagos 0,0 0,0 -7,9
Arrendamento Leasing 0,0 0,0 0,0

Caixa líquido gerado pelas atividades de financiamento -45,4 -47,3 -73,3


Aumento (redução) de caixa e equivalentes de caixa, líquido -27,7 -38,4 -33,9

Caixa e equivalentes de caixa no início do período 289,9 392,5 354,2

Caixa e equivalentes de caixa no final do período 262,2 354,2 320,3

Aumento (redução) de caixa e equivalentes de caixa, líquido -27,7 -38,4 -33,9

Fluxo de Caixa Operacional 19,7 22,9 47,0


Juros Pagos 24,9 2,9 3,4
Aquisições de bens do ativo imobilizado de locação 0,2 20,1 7,8
Juros e variações monetárias ativas e passivas líquidas (caixa) -1,2 -2,3 -5,1
Arrendamento (IFRS16) -4,9 -5,8 -6,2

Fluxo de Caixa Operacional Ajustado¹ 38,7 37,8 46,9

¹ informações não revisadas pelos auditores independentes

23
3T21
18. Histórico MILS3

A Mills tem suas ações ordinárias negociadas no Novo Mercado da B3 com o código MILS3.

O preço de fechamento da ação da Mills na B3, em 30 de setembro de 2021, foi igual a R$6,19, com aumento de 9,8%
em relação ao preço de fechamento do mesmo período de 2020, enquanto o índice IBOVESPA teve uma variação
positiva de 17,3% no mesmo período. No final do 3T21, o valor de mercado (market cap) da Mills era igual a
R$ 1.560,9 milhões.

O volume financeiro médio diário das ações da Mills negociadas no 3T21 na B3 foi de R$11,0 milhões, 30,9% inferior
ao reportado no trimestre anterior.

3T20 2T21 3T21


Desempenho MILS3 (C)/(A) (C)/(B)
(A) (B) (C)
Preço final da ação (R$) 5,64 8,77 6,19 9,8% -29,4%
Máxima 8,00 9,18 9,02 12,8% -1,7%
Mínima 5,64 7,53 6,19 9,8% -17,8%
Média 6,99 8,36 7,65 9,5% -8,5%
Valor de mercado final de período (R$ bilhões) 1.421,0 2.211,5 1.560,9 9,8% -29,4%
Volume médio diário negociado (R$ milhões) 15,95 16,17 11,01 -30,9% -31,9%
Quantidade de ações (milhões) 251,95 252,17 252,17 0,1% 0,0%

24
3T21
19. Glossário

(a) Baixa de Ativos – é atrelado a receita de Indenizações, este valor é o custo de baixarmos o ativo indenizado no
nosso imobilizado.
(b) Capex (Capital Expenditure) – Aquisição de bens tangíveis e intangíveis para o ativo não circulante.
(c) Capital investido – Para a empresa, capital investido é definido como a soma do capital próprio (patrimônio líquido)
mais capital de terceiros (incluindo todas as dívidas onerosas, bancárias e não bancárias), ambos sendo os valores
médios no período. Por segmento de negócio, é o valor médio do período do capital investido da empresa ponderado
pelos ativos médios de cada segmento de negócio (capital circulante líquido mais imobilizado). A base de ativos no ano
é calculada como a média da base de ativos dos últimos treze meses.
(d) Fluxo de Caixa Operacional Ajustado - com base nas Demonstrações Financeiras Consolidadas da Companhia,
caixa líquido gerado nas atividades operacionais excluindo juros e variações monetárias ativas e passivas liquidas,
aquisições de bens do ativo imobilizado de locação e juros pagos.
(e) Custo de locação (manutenção, pessoal, depósitos, etc.) – engloba: (i) pessoal para supervisão das obras e
assistência técnica; (ii) pessoal para montagem e desmontagem de material, quando feita por mão de obra da Mills; (iii)
fretes de transporte de equipamentos, quando de responsabilidade da Mills; (iv) custo de materiais utilizados na
manutenção de equipamentos; e (v) aluguel de equipamentos de terceiros.
(f) Custo de depósito - Este custo engloba as despesas relacionadas diretamente a administração do depósito,
estocagem, movimentação e manutenção dos ativos de locação e de revenda, contemplando despesas com mão-de-
obra, EPIs usados nas atividades do depósito (movimentação, estocagem e manutenção), insumos (gás de
empilhadeira, gases para solda, compensados, tintas, sarrafos de madeira , dentre outros) e manutenção de máquinas
e equipamentos (empilhadeiras, máquinas de solda, hidrojateadoras, talhas e ferramentas em geral).
(g) Custo de vendas - custo de venda de novos é atrelado a receita de vendas novos. O custo de vendas de seminovos
é atrelado a receita de vendas de seminovos e é equivalente a baixa desses ativos do imobilizado (custo residual).
(h) Despesas gerais e administrativas – (i) O SG&A Comercial, Operacional e Administrativo inclui despesas correntes,
tais como salários, benefícios, viagens, representações, dos diversos departamentos, incluindo Comercial, Marketing,
Engenharia e departamentos do backoffice administrativo, como RH e Financeiro; (ii) Serviços Gerais engloba as
despesas patrimoniais da matriz e diversas filiais (aluguéis, taxas, segurança e limpeza, principalmente); e (iii) Outras
despesas são itens em grande parte sem efeito caixa, como provisões para programas de stock options, provisões para
contingências, provisões para estoques de giro lento e alguns desembolsos de caráter não permanente.
(i) Dívida líquida – Dívida bruta menos disponibilidades financeiras.
(j) EBITDA - O EBITDA é uma medição não contábil elaborada pela Companhia, conciliada com nossas demonstrações
financeiras observando as disposições do Ofício Circular CVM n.° 01/2007, quando aplicável. Calculamos nosso
EBITDA como nosso lucro operacional antes do resultado financeiro, dos efeitos da depreciação de bens de uso e
equipamentos de locação e da amortização do intangível. O EBITDA não é medida reconhecida pelas Práticas
Contábeis Adotadas no Brasil, IFRS ou US GAAP, não possui um significado padrão e pode não ser comparável a
medidas com títulos semelhantes fornecidos por outras companhias. Divulgamos o EBITDA porque o utilizamos para
medir nosso desempenho. O EBITDA não deve ser considerado isoladamente ou como substituto do lucro líquido ou do
lucro operacional, como indicadores de desempenho operacional ou fluxo de caixa ou para medir a liquidez ou a
capacidade de pagamento da dívida.
Este press release pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as
declarações quando baseadas em expectativas futuras e não em fatos históricos envolvem vários riscos e incertezas. A Mills não pode garantir que tais
declarações venham a ser corretas. Tais riscos e incertezas incluem fatores relativos à economia brasileira, ao mercado de capitais, aos setores de
infraestrutura, imobiliário, de óleo e gás, entre outros, e a regras governamentais, que estão sujeitos à mudança sem prévio aviso. Para obter
informações adicionais sobre fatores que possam originar resultados diferentes daqueles estimados pela Companhia, favor consultar os relatórios
arquivados na Comissão de Valores Mobiliários - CVM.
25
3T21

Você também pode gostar