Você está na página 1de 31

São Paulo, 30 de agosto de 2021

Ano 5 - Edição nº 00406

! Exponential Coins
5 ativos para uma
aposta

André Vitor
Franco, Perim,
Autor Assistente

Se você está chegando agora, não deixe de ler as informações


essenciais do seu plano na página Primeiros Passos. No fim da
publicação, você encontra também algumas instruções importantes.

Se ficar com dúvidas operacionais sobre criptomoedas, não pense


duas vezes. Ligue para a Central de Atendimento exclusiva do
Exponential Coins: (11) 4020-6713
4020-6713. Nossa equipe de especialistas
estará pronta para te ajudar.
Resumo: na publicação de hoje, apresentamos os cinco
ativos para surfar a nova pernada do mercado cripto:
Perpetual Protocol (PERP), Arweave (AR), Alpha Finance
(ALPHA), Badger DAO (BADGER) e My Neighbor Alice
(ALICE). Todos são negociados na Binance e podem ser
comprados tanto com bitcoin (BTC) quanto com dólar, via
tether (USDT). Caso você tenha dúvida de como abrir sua
conta na Binance ou comprar os ativos, o Valter Rebelo fez
dois vídeos explicativo neste link e neste outro link.

André Franco

Preparação para uma nova pernada


Caro leitor,

Não sei se isso fica claro para todos, mas, sempre que recebemos
alguma sugestão de nossos assinantes, a levamos em consideração.
Pode ser que, no momento em que a sugestão é dada, não seja
possível acatá-la por falta de tempo, desalinhamento com a nossa
tese ou por outro motivo. No entanto, quando a ideia parece boa, nós
a ficamos maturando até sentirmos que estamos no momento
correto.

A ideia de uma carteira à parte para surfar um bull market veio de


vários de vocês e agora acreditamos que estamos no momento ideal
para isso. A nossa visão é bem simples para estas cinco posições. Em
um bull market, vários ativos pequenos são os que mais sobem e,
por isso, selecionamos cinco deles para surfar a retomada do
mercado. Os ativos estão inseridos nas vertentes de finanças
descentralizadas (DeFi), tokens não fungíveis (NFT) e Web3.
Vale ressaltar que nenhum deles, neste momento, passa a fazer
parte da carteira principal e, por isso, devem ser considerados à
parte. Consequentemente, esses ativos também não vão compor o
fundo Vitreo CriptoMoedas agora. Pode ser que no futuro tomemos
a decisão de “subir” uma ou várias dessas recomendações para a
nossa carteira principal, mas não temos isso como obrigação, a ideia
da carteira à parte é outra. Por isso, a nossa sugestão é que você
coloque algo como R$ 500 em cada um desses ativos e
aguarde novas instruções nas publicações ou em nosso canal do
Telegram.

Por último, mas não menos importante, não pretendemos cobrir


todos os aspectos dos protocolos abaixo nesta publicação. A ideia
hoje é apresentar as teses resumidamente e, futuramente, quando
algum evento de atualização ou de grande subida nos preços
acontecer, informaremos você sobre o movimento. Vamos aos
ativos.

Além disso, estamos fechando o research de uma sexta aposta


aposta, nos
mesmos moldes: potencial muito forte para capturar ganhos
expressivos no curto e no longo prazo. Confirmando nossa pesquisa,
projetamos ter a publicação oficial desta nova aposta depois do dia
10/09.

E para finalizar, caso precise de ajuda para abrir sua conta na


Binance ou comprar os ativos, preparamos esses dois vídeos que
podem ser acessados clicando aqui e aqui.

Perpetual Protocol (PERP): mercado futuro


descentralizado
Este protocolo se assemelha muito ao modelo de derivativos em
cripto no qual a Synthetix trabalha, mas com um diferencial que nos
parece a evolução dos formadores de mercado automatizados
(AMM). O “virtual automated Market maker”(vAMM) permite a
alavancagem em posições de maneira mais fácil e transparente, sem
a possibilidade de perda impermanente. Caso tenha ficado perdido
com os termos utilizados até agora, sugiro que leia a publicação em
que apresentamos a Uniswap para ficar a par do que falamos até
agora.

Visto que o principal diferencial da Perpetual é o vAMM, preciso que


você entenda qual a vantagem dele frente ao tradicional AMM, que
foi apresentado pela Uniswap. No AMM, o provedor de liquidez (LP)
precisa colocar um par de tokens para abrir um par de negociação.
Além disso, essa modalidade, da maneira como foi projetada,
causava a conhecida perda impermanente, que poderia
desincentivar o LP a colocar seus tokens nas plataformas. No
entanto, com o vAMM a perda impermanente é eliminada e o novo
modelo permite alavancagem de posições de até 10 vezes e posições
vendidas (short).

Em teoria, o Perpetual Protocol deveria fazer o match de posições


long e short na plataforma de maneira muito semelhante a qualquer
outra empresa centralizada, incentivando a tomada de alguma
posição (long ou short) por meio do fund rate (juros pagos para
incentivar uma posição em um mercado). Assim, o protocolo
garante que sempre exista incentivo financeiro para um lado da
posição que está desbalanceado.
No entanto, na prática a teoria é outra, e por diversas vezes o
protocolo tem que cobrir as posições nas quais não encontra uma
contraparte. Isso porque, em um mundo ideal, para cada long,
deveria existir um short, assim a plataforma não precisaria
interferir. Mas devido à baixa liquidez dos protocolos de DeFi, o
projeto tem que cobrir algumas posições com o fundo de seguro
(insurance fund). No momento em que escrevo, esse fundo já
ultrapassa a marca dos US$ 4 milhões.

Atualmente o projeto permite que os traders possam abrir posições


alavancadas a partir de depósitos de USDC. De maneira bem
simplificada, as posições compradas/vendidas alavancadas têm
como lastro a quantidade de USDC depositado. Na versão atual do
projeto, é possível comprar contratos perpétuos de 18 ativos, como
mostra a imagem a seguir.
Figura 1. Ativos disponíveis na Perpetual Protocol

Fonte: Perpetual Protocol

Assim como vários outros tokens de DeFi, o PERP serve como


governança e é possível fazer staking com ele, mas não
recomendamos que você o faça. Além disso, em casos extremos em
que o protocolo fique insolvente e não consiga cobrir as posições dos
usuários na plataforma com o fundo de seguro, novos tokens PERP
são emitidos.
Esse modelo de socialização dos prejuízos com os token holders
também é usado pela MakerDAO e consideramos bem saudável que
tal mecanismo exista. Assim, os holders colocam sua pele em jogo, o
que tanto faz falta no mercado financeiro tradicional.

Até este momento, deixei bem claro que estamos falando da versão
atual do projeto porque uma nova versão foi apresentada à
comunidade. A v2 foi chamada de “Curie”, em homenagem a Marie
Curie, que, segundo os desenvolvedores, estabeleceu os blocos de
construção básicos em muitos domínios científicos, assim como a
Perpetual está fazendo.

Entre as melhorias que foram apresentadas, destacamos as


seguintes:
i. A plataforma terá uma versão na Arbitrum, solução de segunda
camada do Ethereum, o que proporcionará uma melhor
experiência do usuário com taxas mais baratas.

ii. Novas possibilidades de garantias além do USDC, inclusive,


permitindo posições com múltiplas garantias. Isso ajudará a atrair
mais traders e trará um maior volume de negociação à plataforma.

iii. Integração com a Uniswap v3, que permitirá a negociação dos


tokens alavancados que serão emitidos no momento que um trader
entrar alavancado, os quais serão chamados de v-tokens. Essa
atualização permitirá que o protocolo não precise mais assumir
perdas que venham de posições abertas por um trader. Em
resumo, apenas haverá trades com contrapartes, o que deixará o
Perpetual Protocol mais robusto.

iv. Na versão Curie, será possível que qualquer um crie um


mercado “perpetual” com o token que quiser, apenas utilizando o
pool de liquidez da Uniswap e os oráculos de preço da Chainlink.
Isso fará com que o protocolo passe a ser uma ferramenta para
traders e empreendedores do setor de DeFi, o que, em última
instância, beneficiará os detentores de PERP.

Por que gostamos do token PERP


Acreditamos que os protocolos de derivativos (sintéticos) ainda não
tiveram seus dias de glória no mundo de DeFi, como já ocorreu com
DEXs e protocolos de empréstimos. No entanto, sabemos que
derivativos no mundo tradicional são um mercado até maior que o
de negociação dos ativo em si e, por isso, gostamos do Perpetual
Protocol.
Além disso, a nova versão promete trazer melhorias para o protocolo
que podem atrair mais liquidez, mais usuários e gerar uma
consequente apreciação do valor do PERP. Por isso, esse token faz
parte da nossa carteira de apostas.

Arweave (AR): arquivos para sempre


Um dos setores do mercado cripto com o qual estou mais
entusiasmado é o de Web3. Para os novatos no mercado, esse
segmento representa a evolução da internet, que no primeiro
momento foi a Web1, que apenas reproduzia de forma online
conteúdos do mundo físico. Então, tivemos a Web2, que trouxe
novos modelos de negócios que só faziam sentido online, como
Facebook e Google.

No entanto, esse modelo trouxe um problema de concentração de


dados nas gigantes de tecnologia que a Web3 se propõe a solucionar.
Nesse caso, as propostas desse setor são de desintermediação dos
dados e empoderamento do usuário. Uma das premissas é que o
usuário seja dono de seus próprios dados e não precise fornecê-los
às grandes empresas para usar determinados serviços.

Além disso, a Web3 pretende ser a disrupção das empresas como


Amazon Web Services, Dropbox e outros diversos serviços de
armazenamento de dados na nuvem. A visão de projetos como a
Arweave (AR) é que é possível oferecer esse tipo de serviço de
maneira descentralizada e mais barata que as empresas citadas
neste parágrafo. Acreditamos que essa visão da Arweave é
totalmente possível com a evolução da tecnologia e com os
incentivos corretos por meio do token AR, que descrevemos abaixo.
O projeto pretende criar o que eles chamam de permaweb, uma base
de dados que tem a intenção de durar para sempre, com um
blockchain próprio (blockweave) que pode ser acessado por
browser, como o Google Chrome. Originalmente, o projeto foi
fundado em 2017 com o nome de Archain e o mudou em 2018 para
Arweave.

O objetivo de criar a permaweb é bem ambicioso e o time pretende


alcançá-lo incentivando, com o token AR, indivíduos com espaço em
seus discos rígidos a armazenar dados de terceiros. Provavelmente
você deve pensar que não gostaria de ter seus dados espalhados por
diversos computadores de terceiros, mas já adianto que foi isso que
foi cogitado quando a computação na nuvem apareceu pela primeira
vez. Além disso, a intenção é que os dados da permaweb sejam
públicos neste primeiro momento, assim como diversos dados no
atual modelo da internet, como blogs e outras páginas.

A Arweave captou um total de US$ 22 milhões em três rodadas de


investimentos e hoje conta com fundos de investimento
proeminentes do mercado como Coinbase Ventures, Multicoin
Capital, Union Square e a16z Crypto. Isso já seria o suficiente para
chamar nossa atenção, porém a verdade é que a nossa visão de curto
prazo não paira sobre os investidores, mas sobre o crescimento da
utilização do projeto causado pela explosão de NFTs — retomaremos
essa questão logo abaixo.

A forma como o token economics do projeto foi criado permite que,


toda vez que uma pessoa publique algo na permaweb, ela já arque
com os custos de armazenamento de 200 anos daquele dado, e isso
não sai caro. O pulo do gato do projeto é assumir que esses custos
são decrescentes e, por isso, a cada ano ficam mais baratos.
Portanto, qualquer armazenamento hoje no blockweave já paga por
200 anos de serviço seguindo a curva decrescente do custo de
armazenamento.
Outro detalhe da parte técnica do projeto que não podemos deixar
de mencionar é o mecanismo de consenso do blockweave, que traz
um conceito novo, o “Proof of Access” (PoA, prova de acesso). O PoA
funciona também no mecanismo de blocos sequenciais, como o
blockchain tradicional, porém os mineradores não resolvem
problemas matemáticos: a cada novo bloco eles são solicitados a
verificar dados de blocos antigos.

Desse modo, o sistema garante de forma aleatória e probabilística


que os dados estão todos salvos de maneira descentralizada e em
vários locais. Assim como no mecanismo consagrado do bitcoin, os
mineradores são subsidiados pela inflação do protocolo (emissão de
AR) e pelas taxas de transação. Caso um minerador seja solicitado
para verificar uma informação que não possua armazenada, ele não
poderá verificar o bloco nem receber a recompensa do bloco. Dessa
forma, o protocolo incentiva que os mineradores armazenem a
maior quantidade possível de dados para que acumulem o máximo
de AR distribuídos.

Cada transação feita para armazenar dados é imediatamente paga


com uma parte dos tokens AR que foram pagos pelo usuário para
realizar a tarefa pela perpetuidade. Por último, mas não menos
importante, é possível criar fundos patrocinados (endowment) para
determinados dados serem mantidos por mais tempo. Assim, o
protocolo permite que qualquer usuário possa ter mais segurança de
permanência para seus dados na permaweb.

Por que gostamos do token AR


Acreditamos que a Web3 como setor ainda não teve seu grande
momento de hype como tivemos em DeFi e NFT nos últimos anos.
Claro que esse segmento, assim como o mercado inteiro, tem se
valorizado bastante, mas ainda não alcançou o mesmo patamar de
mídia que os outros dois citados. Além disso, a febre de NFTs pode
impulsionar o armazenamento de dados utilizando a permaweb
porque os demais tipos de armazenamento de dados não garantem o
arquivamento pela perpetuidade, ou pelo menos por 200 anos, como
a Arweave. Por isso entendemos que o token AR pode se beneficiar
ainda neste ciclo.

Alpha Finance (ALPHA): gerando alfa


No contexto de finanças, é comum ouvir a frase acima, mas, afinal o
que é alfa? Em geral, alfa é o retorno de um ativo em comparação
com o desempenho do mercado. Por exemplo, se durante um certo
período o índice S&P 500 subiu 2% e o meu ativo subiu 5%, eu tenho
um alfa de 3%. No mercado de criptomoedas, geralmente utilizamos
o bitcoin para calcular nosso alfa. Nesse caso, se durante um certo
período o bitcoin subiu 5% e nosso ativo subiu 6%, temos um alfa de
1%.

Por que isso é importante? É uma ótima forma de comparar seu


portfólio a um benchmark e indica se seus ganhos estão acima da
média do mercado.
Com os produtos financeiros inovadores criados com o advento das
finanças descentralizadas (DeFi), existem várias opções para
investidores gerarem alfa, como fornecer liquidez para protocolos
de empréstimos, yield farming, entre outros. Com o objetivo de ser
mais uma ferramenta de geração de alfa para usuários de DeFi, a
Alpha Finance oferece produtos que podem ser usados tanto no
backend de outros protocolos como diretamente pelo usuário.

Alavancagem, alavancagem, alavancagem…


Fundada em 2020 por Tascha Punyaneramitdee, ex-chefe de
estratégia na Band Protocol (BAND), e Nipun Pitimanaaree,
medalhista de ouro na Olimpíada Internacional de Matemática, a
Alpha Finance se propõe a fechar lacunas no mercado DeFi
oferecendo serviços diversos. Tascha possui um ótimo background
em tecnologia e finanças, tendo atuado como gerente de produtos
na gigante de tecnologia Tencent e como analista de investment
banking no Jefferies Group. Nipun é graduado em Ciências da
Computação e Matemática pelo Massachusetts Institute of
Technology (MIT).

Atualmente a Alpha Finance atua na rede Ethereum e na Binance


Smart Chain e possui quatro produtos principais que influenciam
diretamente a dinâmica do token ALPHA:

i. Alpha Lending: protocolo de empréstimos descentralizados com


taxas de juros ajustadas por algoritmos, utilizado para fornecer
liquidez para o Alpha Homora.
ii. Alpha Homora: primeiro protocolo a fornecer o serviço de yield
farming alavancado. Oferece serviços para quatro tipos de
usuários:

Os credores emprestam stablecoins ou ether para que outros


usuários possam abrir posições de farming alavancado. Recebem
juros estabelecidos por algoritmos de acordo com a demanda pelo
ativo emprestado.

Os yield farmers aproveitam a alavancagem para obter taxas


de retorno ainda mais altas a partir dos fundos emprestados pelos
credores.

Os provedores de liquidez utilizam a alavancagem para


aproveitar maiores taxas de retorno nas taxas de trading pagas por
DEXs.

Os liquidadores ganham recompensas de 5% ao liquidar


posições alavancadas que possuam dívida equivalente a 100% da
posição.

Figura 2. Funcionamento do yield farming alavancado no protocolo


Alpha Homora v2
Fonte: Alpha Finance

Como mostra a imagem acima, os usuários podem fazer o depósito


do token A ou B, ou até mesmo o token de provedor de liquidez (LP)
do par A/B, obtido ao se depositar os fundos em uma DEX. O
protocolo então pega o empréstimo no valor especificado pelo nível
de alavancagem que o usuário deseja e o deposita no contrato do
yield farm. O usuário recebe as recompensas na forma do token
obtido no yield farm mais um bônus em ALPHA.

Para permitir o crescimento da plataforma sem o gargalo da


liquidez, a Alpha Finance firmou uma parceria com o protocolo
Cream, que forneceria a liquidez de seus empréstimos através do
primeiro contrato inteligente capaz de tomar empréstimos
subcolateralizados, isto é, com valor de colateral (garantia) menor do
que o do empréstimo obtido, de outro contrato inteligente. Com a
parceria, o protocolo Cream poderia oferecer juros maiores e,
consequentemente, maiores ganhos a seus usuários.

Com o Alpha Homora v2 e as posições de farm simplificadas que


otimizam a proporção dos empréstimos utilizados na alavancagem,
o protocolo viu um grande crescimento no número de usuários.
Atualmente, mais de US$ 1 bilhão estão travados dentro do
protocolo.
Figura 3. Valor total travado no protocolo Alpha Homora na rede
Ethereum

Fonte: DeFi Pulse

iii. Alpha Launchpad: plataforma para o lançamento de outros


protocolos DeFi que busquem se integrar com o ecossistema de
produtos da Alpha Finance. Recentemente o Launchpad foi
responsável pelo lançamento do protocolo Beta Finance, que irá
permitir shortear qualquer ativo DeFi.

iv. AlphaX: mercado de derivativos que pretende operar sem livro de


ordens em modelo semelhante ao da Uniswap, permitindo que seus
usuários criem posições alavancadas. Tais posições são tokenizadas
e poderão ganhar usos em outros protocolos dada a componibilidade
nativa do ecossistema DeFi.

O protocolo sempre busca oferecer não apenas serviços que


considera necessários para o backend de um sistema financeiro
completamente descentralizado, mas também tem preocupação
com a simplicidade do uso de seus produtos para facilitar a entrada
de novos usuários no mundo DeFi.

Por que gostamos do token ALPHA


O token ALPHA, quando colocado em stake no protocolo, permite
que os usuários desfrutem de uma parcela dos lucros obtidos através
das taxas cobradas pela utilização dos produtos desenvolvidos pela
Alpha Finance. Atualmente, mais de 46% do estoque circulante de
ALPHA se encontra no contrato de staking, o que pode causar um
choque de oferta.
Figura 4. Quantidade de ALPHA travada no contrato de staking

Fonte: Alpha Finance

Atualmente o protocolo possui uma receita acumulada de mais de


US$ 5 milhões somando todos os produtos da rede Ethereum e BSC.
Além da distribuição de lucros, o staking do token ALPHA também
dá direito a uma recompensa na forma de tokens de projetos
incubados pelo Alpha Launchpad.

Assim como no protocolo de empréstimos Aave, os tokens ALPHA


em staking serão utilizados para liquidar dívidas em caso de default
(não pagamento de obrigações). Para compensar este risco ao
usuário que faz staking, a Alpha Finance adotou o sistema de níveis
(“tiers”): quanto maior o número de tokens ALPHA um usuário tem
em staking, maior a alavancagem que pode utilizar no protocolo.

Figura 5. Níveis de acordo com a quantidade de ALPHA em stake

Fonte: Alpha Finance


No futuro, o time pretende descentralizar a governança do projeto
através do token ALPHA, cuja posse irá garantir o poder de propor e
votar em melhorias para os projetos do ecossistema.

Com a segunda pernada de alta do mercado cada vez mais


evidenciada pelos dados onchain, a reversão no sentimento dos
investidores e o grande apetite por risco do investidor cripto nativo,
esperamos que a demanda por meios de alavancagem aumente
bastante nos próximos meses. O token nativo da Alpha Finance
(ALPHA), com seu supercompetente time de desenvolvimento, é um
bom candidato a uma valorização exponencial com o desenrolar do
bull market.

Badger DAO (BADGER


(BADGER)) e o texugo-do-mel do
dinheiro
Em 2011, um vídeo que satirizava um documentário sobre os
texugos-do-mel se tornou viral e deu origem à frase “Honey badger
doesn’t care” (ou “O texugo-do-mel não se importa”). Em 2013, Roger
Ver, uma figura polêmica no mundo das criptomoedas, alugou um
outdoor em Santa Clara, na Califórnia, com a seguinte frase:
“Bitcoin, the honey badger of money” (“Bitcoin o texugo-do-mel do
dinheiro”).
Figura 6. O outdoor alugado por Ver.

Fonte: Roger Ver

A ideia por trás do outdoor é de que assim como o texugo-do-mel no


vídeo não se importa e come cobras e qualquer tipo de coisa,
subindo em árvores e resistindo ao veneno, o bitcoin também teria
essa postura em relação ao ambiente do mercado.

E, inspirada nessa história, em 2020 é lançada a organização


autônoma descentralizada (DAO) Badger, com o objetivo de fazer a
ponte entre bitcoin e DeFi e atender a demanda pelo “Texugo-do-
mel do dinheiro” no ambiente das finanças descentralizadas.

A demanda por Bitcoin em DeFi


Um dos maiores desafios no mundo das finanças descentralizadas é
a fragmentação da liquidez entre múltiplas blockchains que não
podem nativamente interagir umas com as outras. Um dos maiores
exemplos disso é o fato de que a maior criptomoeda em
capitalização de mercado, o bitcoin, não pode ser diretamente
utilizado em DeFi, já que a maioria dos protocolos se encontra na
plataforma do ethereum.

Com isso, aqueles que desejam gerar yield com seus bitcoins através
de produtos financeiros descentralizados simplesmente não
conseguem.

Uma das soluções para esse problema se deu com o


desenvolvimento de tokens “envelopados”. Esses tokens são uma
espécie de “voucher” que permite que o usuário saque a
criptomoeda representada pelo token em sua blockchain original.

86
Através dos tokens envelopados, mais de 258 mil bitcoins hoje

8
provém liquidez para o ecossistema DeFi construído na rede

4
2
ethereum. Em valores atuais, isso daria aproximadamente US$ 12

2
bilhões. Existem versões “envelopadas” de bitcoin em virtualmente

8
7
todas as redes que possuem um ecossistema DeFi.

7 1
F 2
CP

Figura 7: Quantidade de bitcoins travados em DeFi


Fonte: DeFi Pulse

A Badger DAO viu nessa relação de simbiose entre produtos DeFi e a


liquidez do bitcoin uma oportunidade de direcionar produtos
financeiros para os holders de bitcoin que se interessassem em se
aventurar em DeFi.

Produtos financeiros pensados com Bitcoin


em mente
A Badger DAO foi criada como uma organização autônoma
descentralizada focada em construir serviços de finanças
descentralizadas com o bitcoin em seu centro. Ao contrário de
outras DAOs, a Badger já nasceu com sua governança totalmente
descentralizada através de seu token nativo de governança, o
BADGER. Atualmente, o protocolo oferece cinco produtos
financeiros principais:

Sett
O Sett é um agregador de yield focado em versões tokenizadas do
bitcoin.

Utiliza os fundos depositados por seus usuários em diversas


estratégias em busca de retornos otimizados, inclusive com
parcerias com protocolos como Yearn Finance (YFI), de Andre
Cronje um dos desenvolvedores mais inovadores e talentosos do
mercado DeFi.

Um dos pontos que diferencia o produto é que no futuro haverá


novas estratégias únicas, incluindo uma estratégia neutra com
bitcoin, agindo como uma proteção (“hedge”) contra variações do
mercado.

Digg

O Digg ajusta seu supply com base no preço do bitcoin com o


objetivo de sempre ter seu preço fixado ao bitcoin.

Se seu preço está acima do bitcoin, o protocolo emite mais Digg,


e vice-e-versa.

ibBTC

Inspirado pelo yUSD da Yearn Finance (YFI), que agrega diversas


estratégias para gerar yield com stablecoins, a Badger DAO laçou o
ibBTC.

O token é uma maneira de se expor a todas as estratégias com


bitcoin tokenizado na plataforma Sett, poupando o usuário da
necessidade de escolher entre os vários bitcoins tokenizados que
hoje existem na blockchain do ethereum.
Badger Bitcoin Bridge

Em uma integração com a RenVM (REN), a Badger bridge


permite que usuários possam depositar seus bitcoins da rede
nativa diretamente no Sett para que possam gerar yield e também
o saque diretamente para a rede do bitcoin.

A implementação da ponte se alinha com a visão do projeto de


se tornar referência na utilização de Bitcoin em estratégias de
investimento dentro do contexto das finanças descentralizadas.

CLAWS

CLAWS é um “yield dollar”, um ativo colateralizado com uma


certa data de expiração. Quando o yield dollar expira, ele pode ser
resgatado por US$ 1 de seu colateral.

Até sua data de expiração, o mercado determina seu preço, mas


geralmente este deve se aproximar de US$ 1 próximo de sua
expiração.

CLAWS utiliza como colateral tokens de provedor de liquidez no


par wBTC/ETH na SushiSwap e o token bBadger obtido no staking
de tokens BADGER no protocolo.

CLAWS oferece ainda mais componibilidade para o projeto com


pools destinadas ao token na SushiSwap, que podem ser utilizadas
no Sett para gerar ainda mais yield e ganhar recompensas na forma
de xSUSHI, bBADGER e Digg.

Por que gostamos do token BADGER


Em um contexto em que o mercado em expansão de serviços
financeiros descentralizados demanda cada vez mais liquidez de
ativos financeiros sólidos como o bitcoin, a presença de projetos que
buscam fazer a ponte entre blockchains que suportam contratos
inteligentes – como o ethereum – e o bitcoin se mostra como algo
extremamente necessário. Visando atender exatamente essa
demanda, a Badger DAO tem um lugar de destaque, pois torna a
experiência do usuário que faz a ponte entre as duas blockchains
algo mais simples e fácil com rápida integração a seus produtos.

Com produtos diversificados e seu foco em bitcoin, a Badger DAO


ganha com a componibilidade dos serviços que oferece e a
facilidade de transitar entre as blockchains do bitcoin e ethereum, o
que tende a valorizar seu token nativo de governança.

Com o crescimento da demanda por um produto DeFi direcionado a


bitcoin, acreditamos que o token de governança nativo do projeto o
BADGER apresente apreciação em seu valor, dados seu baixo market
cap (atualmente na faixa de US$ 229 milhões) e o leque de produtos
direcionados a esse mercado. Além disso, o token BADGER pode ser
utilizado para o staking na plataforma para além dos rendimentos
normais obter um impulsionamento no rendimento em produtos
dentro do Sett.

My Neighbor Alice (ALICE) : a nova tese de


jogos
Um dos setores mais comentados do momento é o de games em
blockchain que se alavancam com itens de NFT, assim como fez o
Axie Infinity. É dessa vertente que vem nossa recomendação de My
Neighbor Alice (ALICE). O objetivo do time é criar um jogo bem
amigável que lembra o jogo Colheita Feliz, na plataforma do
Facebook.

Figura 8. Jogo Colheita Feliz

Fonte: página do Facebook do Colheita Feliz

Mas, diferentemente do jogo na plataforma do Facebook, o Alice terá


itens em NFT ligados ao blockchain do Ethereum (ERC-20) e com
uma solução de segunda camada própria para assegurar baixas taxas
de transação. Além disso, o jogo também terá integração com a
Binance Smart Chain (BSC), o que nos parece interessante devido à
grande base de usuários da rede.

Por mais que eu sinta que para boa parte dos gamers o jogo possa
parecer até bobo, a minha percepção é que jogos muito complexos
tem grande curva de aprendizado e dificultam a entrada de novos
jogadores. Por isso acredito que jogos como o Axie Infinity e o My
Neighbor Alice têm mais chance de viralizar e atrair o grande
público, inclusive fora do mundo cripto, o que já aconteceu com o
Axie.
Apesar de o My Neighbor Alice ainda ser uma promessa e ter
pouquíssimas coisas prontas, o time tem se comunicado de forma
constante com a comunidade e já apresentou alguns aspectos que
gostaria de pontuar a seguir:
i. O objetivo é atingir jogadores casuais entre 18 e 39 anos.

ii. No whitepaper original, o time declarou ter inspiração em jogos


como Animal Crossing, Minecra" e Roblox.

iii. Pretendem explorar bastante a interação social entre os


jogadores e incentivar o sentimento de comunidade.

iv. Será possível construir coisas dentro do jogo, como no


Minecra", e criar experiências personalizadas entre usuários.

v. O jogo será no estilo metaverso, em que os usuários poderão ter


pedaços de terra, onde construirão suas experiências para os
demais jogadores.

vi. Não haverá necessidade de comprar itens iniciais para jogar,


mas o avatar de cada jogador poderá ser personalizado adquirindo
itens, conhecidos como “cosméticos”, pois apenas mudam a
aparência do avatar, mas não oferecem nenhuma vantagem
competitiva.

vii. Os jogadores poderão ter itens no jogo que vão desde terrenos,
casas, animais, vegetais e artigos decorativos até cosméticos. Cada
um desses itens será um NFT que poderá ser verificado no
blockchain e também negociado entre jogadores.

viii. Por enquanto, o My Neighbor Alice tem uma única cripto, a


ALICE, e ela será usada como moeda de troca no jogo e
remunerará jogadores que quiserem se aproveitar da lógica do
“play-to-earn”.

ix. Haverá um número fixo de terras no jogo, itens com edição


limitada e escassez verificável em itens gerados pelos próprios
jogadores.

Por que gostamos do token ALICE


Por que gostamos do token ALICE
Quero deixar claro que esses não são os únicos aspectos do jogo que
nos fazem ver um futuro promissor, mas são os mais relevantes.
Além disso, sabemos que entre a promessa e a execução existe um
árduo caminho, e de todos os ativos apresentados até agora esse jogo
é o único que ainda não possui produto funcional. No entanto,
acreditamos que em um mercado extremamente aquecido as
entregas do time podem ser um grande gatilho de valorização e por
isso selecionamos o token ALICE para a nossa carteira especial de
cinco ativos.

Conclusão
Temos a expectativa de que esses cinco ativos podem oferecer
ótimos ganhos em 24 meses, mas se a nossa tese de que o mercado
vai testar novas máximas ainda este ano estiver certa, uma parte
desses ganhos veremos já em 2021. Mesmo assim, peço que pense
essa carteira como uma aposta de um dinheiro que você realmente
topa perder. Por isso reiteramos a sugestão de colocar apenas R$
500 em cada ativo
ativo, pois será o suficiente para lucrar se nossas
visões de longo e de curto prazo estiverem certas.

E não se esqueça, estamos fechando o research de uma sexta


aposta
aposta, nos mesmos moldes: potencial muito forte para capturar
ganhos expressivos no curto e no longo prazo. Confirmando nossa
pesquisa, projetamos ter a publicação oficial desta nova aposta
depois do dia 10/09.

E para finalizar, caso precise de ajuda para abrir sua conta na


Binance ou comprar os ativos, preparamos esses dois vídeos que
podem ser acessados clicando aqui e aqui.
Um grande abraço,

Equipe Exponential Coins

O que achou desta publicação? Sua opinião é muito importante!

Para avaliar esta publicação, role até o


final da página.

Chegando agora
Se você se juntou a nós recentemente, não deixe de conferir os
materiais e guias que preparamos. Colocamos todas as informações
básicas em uma página especial chamada Comece por Aqui.

Para aprender mais sobre o mercado de criptoativos, assista ao


curso CryptoXpress.

Para enviar perguntas para os vídeos de dúvidas, é só encaminhar


um e-mail para exponential@empiricus.com.br. Apenas as
perguntas recebidas por este canal serão avaliadas e respondidas
(pelo Telegram ou na aba de perguntas e respostas.

Está com dúvidas operacionais, sobre como colocar em prática as


sugestões de investimento? Que tal ligar para nossa Central de
Atendimento exclusiva do Exponential Coins
Coins? O telefone é (11)
4020-6713
4020-6713.

Separamos também alguns links úteis para você a seguir.


Publicações: são os conteúdos semanais que você recebe ao
ser membro do Exponential Coins
Coins. Acesse aqui e leia as análises
do mercado e dos ativos em carteira.

Guias e tutoriais: tem alguma dúvida de como operar neste


mercado? É bem possível que já esteja respondida aqui. Basta
acessar a aba de perguntas e respostas para ver todos os tutoriais
que já publicamos, juntamente com as dúvidas respondidas.

O que comprar
comprar: em dúvida de como montar sua carteira de
cripto? Temos uma aba dedicada a mostrar nossa carteira, com
todos os ativos e respectivas alocações sugeridas. Veja aqui.

André Franco Vitor Perim


Autor Assistente
Associada à: ANATEC e Câmara Brasileira do Livro

Disclosure

A Empiricus é uma plataforma digital que produz e entrega Nossas funções são desempenhadas com absoluta
publicações periódicas, regularmente constituída e independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de
credenciada perante CVM e APIMEC. interesse, e sempre comprometidas na busca por informações
idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação
Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e
financeira de nossos destinatários.
procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de
Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas O conteúdo da Empiricus não representa quaisquer ofertas de
Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos
Compliance da Empiricus. financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as
suas próprias avaliações.
A responsabilidade pelas publicações que contenham análises
de valores mobiliários é atribuída a um profissional certificado e Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é
credenciado perante a APIMEC. de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua
reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem
prévia e expressa autorização da Empiricus, sob pena de
sanções nas esferas cível e criminal.

Retornos passados não são garantia de retornos futuros. Investimentos envolvem riscos e podem causar
perdas ao investidor.

© 2021 Empiricus · Todos os direitos reservados


Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.477 · Torre B · 10º Andar · 04538−133 São Paulo, SP

Versão - v4−091.2
MjY4Mzc1

Você também pode gostar