Você está na página 1de 14

1

Editorial GRAVIDEZ PSÍQUICA


Boletim Científico da Área
de Biológicas da FAI
Caros Alunos da FAI,

Temos a satisfação de editar o nosso primeiro Boletim


Científico da área de Biológicas ( Ciências Biológicas,
Educação Física, Enfermagem, Engenharia de Alimen-
tos, Farmácia, Fisioterapia, Gerontologia, Medicina
Veterinária, Nutrição, Odontologia, Terapia Ocupacio-
nal ). O número 1, volume 1, inaugurando uma nova
fase dentro da proposta do Núcleo de Prática de Pes-
quisa da FAI: estender os Boletins Científicos a todas as
áreas do conhecimento, para que cada uma em particu-
lar agregue em sua edição, as pesquisas realizadas pelos
alunos, sempre sob a orientação de um professor, com
o objetivo de desenvolver a investigação e produção
científica da Instituição. Este número traz alguns arti-
gos científicos, relatos de caso, pesquisas em andamen-
to e informações sobre atividades acadêmicas da área
de Ciências Biológicas que estão sendo desenvolvidas
na FAI.
PREVENÇÃO DE QUEDAS
A expectativa do Boletim Científico é se tornar uma ro-
tina em nossa Instituição, servir de estímulo à reflexão
científica e envolver todos aqueles que se preocupam
com o desenvolvimento da pesquisa, pois a iniciação
científica é a chave para a carreira acadêmica.
É indispensável que todo trabalho científico seja enviado
para publicação, via e-mail para o Núcleo de Prática de
Pesquisa , no seguinte endereço: omnia@fai.com.br , sob
a supervisão de um professor orientador.
Salientamos ainda , que o material dos trabalhos para
publicação no Boletim Científico não segue normas
específicas e poderá conter ilustrações que permitam
uma melhor compreensão do conteúdo, usando uma
linguagem clara e acessível a todos os leitores interes-
sados nas pesquisas de iniciação científica de nossa
Instituição.
Sugestões de temas:
• Estudo ou relato de casos (análise compara-
tiva com outros casos, fenômenos ou padrões exis-
tentes)
• Simulações em jogos abstratos
• Inovações tecnológicas nas diferentes áreas
do conhecimento
Pesquisas em andamento
• Literatura científica
• Pesquisas bibliográficas
• Necessidade do mercado.
Agradecemos a todos os que participaram deste
número, escrevendo artigos ou orientando trabalhos,
e que este primeiro número sirva de incentivo a to-
dos aqueles que se preocupam com a obtenção de um
novo conhecimento, a realização de intercâmbios e o
incremento de estudos e debates.
Os nossos agradecimentos são extensivos também ao
Núcleo de Prática de Pesquisa da FAI, pelo apoio e
colaboração na montagem desta edição.
2 Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008

- Artigo de Divulgação Científica - Relato de Caso -


MEDICINA VETERINÁRIA

NEOPLASIA MAMÁRIA CANINA


Gislaine Matias Dantas tubulares que podem ou não apresentar
Verônica Baldim de Oliveira conteúdo secretório. Apresenta poucas
Alunas do 9º Termo do Curso de Me- células diferenciadas. Existem casos em
dicina Veterinária da FAI. que pode ocorrer metaplasia escamosa
em algumas áreas do tumor.
Revisão Final: Profa. Dra. Sandra Helena Os sarcomas (fibrossarcomas, osteos-
Gabaldi Wolf e Prof. Dr. Gildo Matheus sarcomas e condrossarcomas) repre-
sentam menos de 5% das neoplasias
mamárias caninas. Já os carcinossarco-
Resumo Fígura 01 - Glândulas mamárias em cadelas. mas (malignos) são mais raros. Ambos
1=torácica cranial; 2=torácica caudal; 3=abdo- os tumores tendem a ser localmente in-
As neoplasias mamárias caninas podem minal cranial; 4=abdominal caudal; 5=inguinal. vasivos e possuem amplo potencial de
ser benignas ou malignas; para que as predispostos ou a raça. Os principais metástases.
células normais se transformem em agentes promotores são o uso intenso Os locais mais comuns de localização
neoplásicas, ocorre um vasto número de de anticoncepcionais, dietas impróprias das metástases dos tumores mamários
alterações bioquímicas, genéticas, imu- e obesidade. malignos são: fígado, rins, adrenais,
nológicas e anatômicas nas células dos A causa do desenvolvimento de neopla- baço, pâncreas, diafragma, pulmão,
tecidos. As células neoplásicas crescem sia mamária em cadelas depende prin- ovários, coração, ossos, submucosa u-
autonomamente, sem relacionamento cipalmente de hormônios produzidos retral e vestibular, musculoesquelético,
com os mecanismos reguladores in- no ovário, portanto, as cadelas castra- olhos e cérebro.
tracelulares e intercelulares normais. das antes do seu primeiro estro apresen- O diagnóstico destas neoplasias deve
Este trabalho tem como objetivo relatar tam ocorrência de 0,5%; as cadelas cas- constar de exame físico minucioso (Fig.
um caso de Adenocarcinoma Canino tradas após um ciclo estral apresentam 02), hemograma completo, radiografias
- Tumor Complexo (misto) de Mama, 8% de ocorrência e, 26% para as cas- torácicas (busca de metástases pulmo-
atendido na Clínica Veterinária da FAI. tradas após dois ou mais ciclos estrais. nares), radiografias abdominais (de-
Quaisquer dos cinco pares de glândulas tecção do envolvimento dos linfonodos
mamárias podem ser acometidos. sublombares), ultra-sonografia do ab-
INTRODUÇÃO Aproximadamente metade dos tumores dômen, porém o diagnóstico definitivo
mamários caninos é benigno, e em sua baseia-se no exame histopatológico de
O tumor é um grande agregado de cé- maioria é classificado de fibroadenoma. amostras de biópsia excisional ou pun-
lulas descendentes de uma única célula Quando malignos, a maioria é caracte- ção aspirativa por agulha fina.
ou clone “fundador”, originalmente rizado como carcinoma.
uma célula de funcionamento normal O carcinoma mamário inflamatório
que, de algum modo, sofreu alteração, é outra forma distinta de neoplasia
pela qual começou a se dividir e proli- mamária. Estes tumores crescem rapi-
ferar automaticamente, gerando bilhões damente e invadem os vasos linfáticos
de outras células similarmente alteradas cutâneos, causando edema e inflama-
e constituintes da massa tumoral. ção extensos. São tumores altamente
As glândulas mamárias estão distribuí- agressivos e geralmente apresentam
das, nos cães, em duas fileiras parame- metástases.
dianas paralelas desde a região axilar até Os adenocarcinomas podem ser basica-
à inguinal (Fig. 01), podendo ser classi- mente de dois tipos, ou seja, adenocarci-
ficadas por nomes (torácicas, cranial e noma papilífero e adenocarcinoma tubu-
caudal; abdominais, cranial e caudal, e lar. O tipo papilífero está constituído por
inguinais) ou por números (um a cinco, formações ramificadas revestidas por
craniais e caudais). células epiteliais cúbicas hipercromáti- Figura 02 - Exame clínico das glândulas
Os tumores da glândula mamária são os cas, sustentado por faixas de tecido con- mamárias em cadelas.
mais comuns em cadelas, representando juntivo normal. Os adenocarcinomas
aproximadamente 50% da incidência de apresentam baixo índice de invasão dos Os fatores para se determinar o prog-
todas as neoplasias. Essa enfermidade tecidos adjacentes e de vasos sangüí- nóstico em carcinomas mamários são:
afeta animais de meia-idade e animais neos. O adenocarcinoma do tipo tubular diâmetro do nódulo tumoral, grau de in-
idosos, com maior incidência entre dez é muito freqüente em cães e destaca-se vasibilidade (estágio histológico), dife-
a onze anos, podendo haver variação pela quantidade de estroma fibroso (con- renciação nuclear, envolvimento dos
em relação ao tipo de ambiente, fatores juntivo) interposto entre as formações linfonodos e reatividade linfóide.
Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008 3

- Artigo de Divulgação Científica - Relato de Caso -


Os tumores benignos são facilmente mente um risco de rápida disseminação prevenção de uma possível infecção,
tratados pela incisão cirúrgica e geral- (metástases). enrofloxacina. Para o curativo local, foi
mente tem excelente prognóstico. Con- A melhor forma de prevenção é a ova- indicado limpeza com sabonete Pro-
tudo, cães com tumores benignos com riohisterectomia precoce em cadelas, tex® e anti-séptico iodo povidine uma
parênquima atípico têm grande proba- sendo um fator importante para de- vez ao dia. Para evitar que o animal não
bilidade de transformarem-se em ma- créscimo do risco de tumor mamário. lambesse a ferida cirúrgica ou que reti-
lignos. Os sarcomas e carcinossarcomas Os proprietários devem ser devida- rasse os pontos, foi indicado o uso de
têm prognóstico extremamente ruim, mente orientados para exame das glân- colar elisabetano até total cicatrização.
pois as cadelas acometidas apresentam dulas mamárias, diagnóstico e trata- A cadela se recuperou bem da cirurgia,
óbito dentro de 9 a 12 meses. mento precoce. não apresentando recidiva de novos
A quantidade de tecido mamário a ser processos neoplásicos ou indícios de
removida durante a mastectomia é in- metástase até o momento (um ano após
fluenciada por vários fatores, incluindo RELATO DE CASO intervenção).
o tamanho, a consistência e a localiza-
ção do tumor, e o porte, a idade e o es- Uma cadela da raça Pinscher, pela-
tado fisiológico da paciente. Há vários gem preta, de 2,5 quilos, com oito
tipos de mastectomia: anos de idade, foi atendida na Clinica
1) lumpectomia (nodulectomia): re- Veterinária da FAI com nodulações na
moção do tumor sem qualquer tecido região das mamas inguinais. Durante
mamário circundante e é utilizado a anamnese, o proprietário relatou que
quando o tumor é pequeno, encapsu- o animal apresentava nódulos nas últi-
lado e não invasivo; mas mamas há um ano e meio, havendo
2) mastectomia parcial: remoção do tu- crescimento progressivo e lento, e que Figura 03 - Fêmea com neoplasia mamária
mor e de uma margem circundante de estava afetando as outras mamas e que
tecido mamário, que é indicado para não apresentava prurido.
tumores pequenos ou moderados em Ao exame físico, notaram-se nódulos
tamanho (2 cm de diâmetro) e que ocu- em mama abdominal cranial de aproxi-
pam somente uma porção de uma glân- madamente 2,5cm de diâmetro e na
dula mamária individual; mama abdominal caudal de 0,5cm, de
3) mastectomia simples: remoção de superfície irregular, não aderida, não
toda a glândula mamária que contém o ulcerada, de consistência firme e não
tumor; pruriginosa (Fig. 03). Observou-se tam-
4) mastectomia regional (mastecto- bém halitose, cálculos dentários, gengi-
mia radical modificada): remoção de vite e retenção dos dentes decíduos. Figura 04 - Histopatologia do Tumor Com-
plexo (misto) de Mama. Formações papilíferas
grupo(s) de glândulas mamárias que Como exame complementar, a punção do
revestidas por células epiteliais cuboidais hiper-
contenha(m) tumor(es); nódulo mamário foi feita para a realiza- cromáticas com e sem conteúdo, sustentadas por
5) mastectomia unilateral completa ção do exame histopatológico, onde na conjuntivo não neoplásico. H.E. 400X.
(mastectomia radical): remoção de to- microscopia óptica se detectou a presen-
das as glândulas mamárias, tecidos ça intensa de hemácias, poucos neutrófi-
interpostos e linfonodos regionais do los, poucas células do epitélio glandular
mesmo antímero; com núcleo grande, nucléolos evidentes,
6) mastectomia bilateral completa e citoplasma grande e vacuolizado, ha-
simultânea (mastectomia radical bi- via também a presença de raras células
lateral): remoção de ambas as cadeias mesenquimais. O laudo histopatológico
mamárias inteiras, dos tecidos interpos- foi dado como Tumor Complexo (misto)
tos e dos linfonodos regionais. de Mama (Fig. 04 e 05).
O tipo de cirurgia não influencia o tem- Também foi realizado um exame ra-
po de sobrevida dos animais acometi- diológico do tórax para se observar a Figura 05 - Histopatologia do Tumor Complexo
dos. Há relatos na literatura veterinária ocorrência de possíveis metástases em (misto) de Mama. Intensa proliferação de cé-
que a prática da retirada em bloco ou pulmão, diafragma e mediastino, não lulas neoplásicas destacando-se pleomorfismo,
hipercromatismo e anaplasia. H.E. 400X.
a mastectomia unilateral é defendida sendo detectada nenhuma alteração
como tratamento cirúrgico de neoplasia nestes locais.
mamária maligna, mesmo com a pe- O tratamento cirúrgico adotado foi a
CONCLUSÃO
netração em vasos linfáticos. Em cães mastectomia de toda cadeia mamária
O tratamento instituído para o caso
portadores de carcinoma mamário in- esquerda e da mama inguinal direita.
apresentado foi adequado, seguido con-
flamatório não podem ser submetidos Para o pós-operatório foram receita-
forme a literatura. A excisão cirúrgica
à excisão cirúrgica de todos os tumores dos meloxican e dipirona, como an-
de todos os focos tumorais mamários
mamários, pois influenciam adversa- tiinflamatórios e analgésicos, e como
4 Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008

- Artigo de Divulgação Científica - Palavra do Professor -


no animal foi o recomendado para este gia de pequenos animais. 2 ed. São Tratado de medicina interna vete-
tipo de tumor. Paulo: Manole, v. 2, p. 2567-80, 1998. rinária: moléstia do cão e do gato. 4
McCAW,D.L. Moléstia da glândula ed., São Paulo: Manole, v.2, p. 2344-
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS mamária. In: BOJRAB,M.J. Me- 50, 1997.
HARVEY,J. Glândulas mamárias. In: canismo da moléstia na cirurgia dos WITHROW,J.S; O’BRIEN,M.G. On-
BOJRAR,M.J. Técnicas atuais em pequenos animais. 2 ed., São Paulo: cologia cirúrgica. ln: ETTINGER,S.J.;
cirurgia de pequenos animais. 3 ed. Manole, p. 216-9, 1996. FELPEMAN,E.C. Tratado de medicina
São Paulo: Roca, p. 425-9, 1996. O’KEEFE,D.A. Tumores do sistema interna veterinária: moléstia do cão e do
JOHNSTON,D.S. Sistemas reproduti- genital masculino e feminino. ln: gato, 4 ed. São Paulo: Manole,. v.l, p.
vos. ln: SLATER,D. Manual de cirur- ETTINGER,S.J.; FELDEMAN,E.C. 723-31, 1997.

PERÍODO DE TRANSIÇÃO EM VACAS - PRÉ X PÓS - PARTO


Profa. Dra. Fernanda Cipriano Rocha
Curso de Medicina Veterinária da FAI

Grummer (1995) define o período de


transição como o período entre 3 sema-
nas antes do parto e 3 semanas após o
parto. Esse período é definido e mar-
cado por mudanças endócrinas que
ocorrem no animal, para adaptar-se à
parição e à lactação. Essas mudanças,
que são muito mais dramáticas do que
em qualquer outro período durante o
ciclo gestação-lactação, influenciam a
mobilização e utilização de nutrientes,
a partir dos tecidos do animal.
A caracterização do período seco ou pré-
parto, como a fase final entre lactações
e como um período de menor requeri-
mento nutricional para vaca, deu aos
produtores uma impressão errada sobre
a importância das vacas secas no plan-
tel. Menor requerimento de nutrientes,
não deve ser confundido com alimentos O período seco, em particular o período de alimentos no período de transição, nor-
de baixa qualidade e manejo deficiente. de transição, é caracterizado por mu- malmente diminui entre 30 e 35% duran-
Na realidade, o final da gestação não danças drásticas no status endócrino do te as três semanas antes do parto. A maior
é um período de descanso para a vaca animal, mas que ocorrem gradualmente. queda ocorre entre os 5 a 7 dias pré-parto
de leite. Muitos processos fisiológicos Envolvem alterações no fígado, tecido e até 21 pós-parto o consumo de matéria
essenciais, que interferem na próxima adiposo, músculo esquelético e secreção seca (CMS) aumenta rapidamente.
lactação podem estar sendo compro- e ações de muitos hormônios que estão Deve-se ressaltar que vacas secas re-
metidos. Assim, esse período deveria envolvidos na parição e lactação. querem nutrientes para mantença,
ser visto como uma fase de preparação A medida em que a parição se apro- crescimento do feto e no caso de novil-
para próxima lactação, enfatizando a xima, as concentrações de insulina has para o próprio crescimento. Por-
importância do manejo no desempenho diminuem e as de hormônio do cresci- tanto, nas 3 semanas que antecedem ao
dos animais durante toda a lactação. mento aumentam, ocorrendo aumentos parto, com o feto ocupando grande parte
Limitações nutricionais ou de manejo, rápidos e substanciais nas concentra- da cavidade abdominal, seu crescimen-
podem influenciar a capacidade das va- ções de glicocorticóides e prolactina, to acelerado e início da síntese do co-
cas em atingirem produção máxima de que alcançam um pico, por ocasião do lostro, a situação se torna preocupante,
leite e afetar a saúde e desempenho re- parto. Por outro lado, as concentrações pois o consumo de matéria seca não é
produtivo. de estrogênio aumentam durante o final suficiente para atender às exigências
Dessa forma, reduzir e amenizar os da gestação, com rápidos aumentos du- nutricionais da vaca. Com isso, o ani-
impactos que tais mudanças possam rante as três semanas que precedem a mal começa a mobilizar reservas cor-
ter no metabolismo da vaca leiteira, é parição, enquanto que, a progesterona porais, mesmo recebendo dieta de boa
provavelmente um dos pontos chaves diminui rapidamente durante a última qualidade, entrando em balanço energé-
para proporcionar uma transição a- semana de gestação. tico negativo.
dequada para o início da lactação. Conforme Grummer (1995), o consumo O sucesso do período de transição deter-
Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008 5

- Artigo de Divulgação Científica - Palavra do Professor -

mina o desempenho da vaca durante a autores lançam dois questionamentos: organic nutrient metabolism on feeding
lactação. Limitações nutricionais ou de como esses podem ser os maiores produ- the transition dairy cow. J. Anim. Sci.
manejo nesta fase podem impedir a vaca tores dos EUA com incidência tão alta 73: 2820-2833, 1995.
de atingir a produção de leite máxima. O de desordens relacionadas ao período de Jordan, E.R., Fourdraine, R.H. Charac-
primeiro desafio das vacas recém paridas transição? Quanto mais eles poderiam terization of the management practices of
é o repentino aumento nos requerimento produzir leite com o decréscimo na in- the top milk producing herds in the coun-
para a produção de leite num momento cidência dessas doenças? try. J. Dairy Sci. 76: 3247-3256, 1993.
em que o CMS é baixo.
Tabela 1 – Média e variação da incidência de desordens metabólicas relacionadas ao período
As limitações impostas pelo consumo de transição de 61 dos maiores produtores de leite dos EUA
ineficiente, aliado a fatores estressores
do parto e lactação, contribuem com as
altas incidências de problemas de saúde
relacionados ao período de transição,
como cetose, acidose, febre do leite,
retenção de placenta, deslocamento de
abomaso. Os dados sobre incidência
de doenças no período de transição são
bastante variáveis. Fonte: Adaptado de Jordan e Fourdraine (1993)
Jordan e Fourdraine (1993) descrevem
em sua pesquisa com 61 dos maiores
produtores de leite dos EUA, dados so- A ocorrência de doenças durante o período
bre a incidência de doenças no período de transição, resulta em perda na produção
de transição. Segundo os autores, o mais de leite durante a doença e às vezes toda a
surpreendente é a variação na incidência lactação pode ficar comprometida.
das doenças. Por exemplo, a incidência
media da febre do leite foi de 7,2%, mas Referências
a variação foi de 0 a 44,1%. Com base
nos dados apresentados na Tabela 1, os Grummer, R.R. Impact of changes in
6 Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008

- Artigo de Divulgação Científica - Revisão de Literatura -


ENFERMAGEM quadros ficaram conhecidos como histeria “A neurose, em geral ocorre por um con-

NEUROSE
Autores
(hysterus) que significa útero em latim.
Segundo KAPLAN et al neurose seria (...)
“um transtorno crônico ou recorrente, não
flito entra o ego e os instintos sexuais
que o primeiro repudia. O perigo reside
dentro do próprio indivíduo. Na neurose
psicótico, caracterizado, principalmente traumática (histeria traumática) ou na
Marcos Akira Siniji por ansiedade, que é experimentada ou neurose de guerra, o perigo ocorre nas
Tatiana Ferreira da Silva expressada de modo direto ou indireto experiências assustadoras ou graves aci-
Vagner Nunes ou modificado através dos mecanismos dentes. Ou seja, há também o real perigo
Alunos do 8º termo B noturno do Curso de defesa. Ela aparece como um sintoma, externo[...]” (WEREBE, 2003).
de Enfermagem como obsessão, compulsão ou fobia ou O cerne da questão acerca das neuroses é a
disfunção sexual” (KAPLAN, 2006). repressão, pois o ego procura manter fora
O conceito se faz necessário para que se do seu território, todos os impulsos inacei-
entenda a história da neurose: táveis. Assim, esses impulsos na infância
Um autor em meados do século XVIII são reprimidos, mas não desaparecem,
defendeu que esses quadros tinham uma voltam e são sentidos sempre e outras me-
relação com a doença degenerativa do didas têm que ser adotadas para mantê-los
sistema nervoso central, mesmo sem con- fora da consciência. Eles podem aflorar
seguir definir a causa e a relação com a sobre a forma de sonhos, ansiedades, me-
hereditariedade. A partir desse momento dos irracionais, obsessões e outros.
começam a se chamar neuroses. Assim, Muitas vezes, estes impulsos perman-
durante muito tempo neurose foi um di- ecem reprimidos durante muito tempo
agnóstico dado por exclusão. Não con- na vida do indivíduo e, de repente, em
Resumo seguindo identificar a causa de um transtor- determinado fato revivem. Isto justifica
no, ele era incluído nessa categoria. porque os pacientes tendem a achar uma
A palavra neurose tem sido associada A partir de Sigmund Freud, um avanço “causa” para o seu sintoma, que de fato,
como sinônimo de loucura. Mas a forma definitivo da conceituação começou a ser não é a causa verdadeira.
como ela vem sendo usada atualmente, construído, no final do século retrasado e Em princípio, vale ressaltar que para a
mostra uma certa inadequação das pes- que se concretizou na Psicanálise. Psicanálise, a Neurose e a normalidade
soas que não têm conhecimento do seu Devido à falta de uma base confiável não são totalmente diferentes. As diferen-
real significado no que tange à medicina. dentro da Psicologia, fez com que cada ças seriam apenas quantitativas, mas não
Muitos autores afirmam que se trata de escola teórica da Psicologia desse a sua qualitativas, ou seja, os sintomas neuróti-
uma reação exagerada do sistema ner- explicação sobre a origem da neurose. cos são também sentidos por todos nós,
voso, associada a alguma experiência vi- O estresse ambiental e familiar é consi- só que em muito menor intensidade e
venciada pela pessoa. Assim, a neurose se derado componente de uma pressão so- com muito menor duração.
torna uma maneira da pessoa ser e de rea- cial que levaria à neurose. São os fatores Alguns autores identificam pelo menos três
gir à vida, ou seja, a pessoa é neurótica e apontados pelas teorias sociogênicas. De grupos de fatores que contribuem para a en-
não está neurótica. O objetivo do trabalho todas estas, no entanto, é a Psicanálise que fermidade neurótica: a hereditariedade, as
concentra-se em desvelar a neurose como apresenta uma compreensão mais consis- primeiras experiências da vida e as dificul-
doença e fator social. O texto define com tente e aceita dos quadros neuróticos. dades reais. Este é um conceito relativista
clareza o distúrbio psicológico denomi- A teoria psicodinâmica, com base nos da Neurose, que entende que o indivíduo
nado neurose, sua historia ao longo dos trabalhos de Charcot e de Freud , obser- não é neurótico em si, mas torna-se neuróti-
séculos, seus sintomas, suas complica- vou que quando utilizava a hipnose no co por se envolver em certas situações que
ções, meios de diagnóstico e tratamento. tratamento das paralisias histéricas, as não consegue enfrentar. A neurose seria, en-
lembranças trazidas durante a hipnose tão, uma relação entre uma personalidade e
desencadeavam forte reação emocional, o seu ambiente social.
Introdução e Revisão da Literatura conhecida como catarse. No entanto, essas A palavra neurose tem sido associada
lembranças não viriam à tona se o indi- como sinônimo de loucura. Mas a forma
Um pouco sobre a historia da neurose, se víduo estivesse em seu estado normal, ou como ela vem sendo usada atualmente,
concentra na época clássica, onde um tipo seja, não fosse induzido à hipnose, reve- mostra uma certa inadequação das pes-
de transtorno que tinha como característi- lando que as lembranças existiam, mas não soas, que não tem conhecimento do seu
cas ataques em que a pessoa ficava fora estavam disponíveis à consciência. Então, real significado no que tange à medicina.
de si, gritava e se batia, ou apresentava após reviver de forma emocional os fatos Muitos autores afirmam que se trata de
paralisias dos membros, ou até cegueira, passados, o paciente se via livre de seus uma relação exagerada do sistema ner-
mudez e surdez. Por acometer apenas sintomas. Assim, Freud passou a afirmar voso, associada a alguma experiência
mulheres, achavam que a esse quadro se que a origem da neurose estaria em trau- vivenciada pela pessoa. Assim, a neurose
desenvolvia por causa do movimento por mas passados, possivelmente na infância, se torna uma maneira da pessoa ser e de
todo o corpo feito pelo útero, que havia perdidos na memória. Essas experiências reagir à vida, ou seja, a pessoa é neurótica
se deslocado de sua posição correta. Com iniciais serviram para dar início a toda psi- e não está neurótica.
base nesse entendimento etiológico, estes canálise, segundo WEREBE O ficar neurótica, citada no parágrafo ante-
Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008 7

- Artigo de Divulgação Científica - Revisão de Literatura -


rior está relacionado à maneira como a pes- dade, que em suma seria um medo exces- víduo se sente obrigado a pensar aquelas
soa reage à vida, por meio das experiências sivo, sem proporção e persistente diante de idéias ou ter aquela conduta porquê se as-
por ela vivenciadas de forma não normal, um objeto ou situação especifica. sim não for sobrevém à crise de angústia.
seja no sentido dessas experiências serem Dentro dos quadros fóbicos-ansiosos Muitas vezes o sujeito engendra meios de
desproporcionais, ou por serem despropor- destacam-se três tipos, Agorafobia (medo se defender da obsessão, e estes por sua
cionais, ou por serem duradouras, ou por fóbico de lugares específicos), Fobia So- vez se tornam também obsessivos.
existirem mesmo não havendo causa apar- cial (medo de ser avaliado por outras pes- Muitos perguntam se a neurose tem cura.
ente, para que ela exista. soas) e Fobia Específica (medo fóbico de E vários livros remetem a questão de que
determinados objetos). antes se pensava que a neurose era sem-
As condutas fóbicas podem ser classificadas pre incurável e que se convertia, com o
em condutas de evitação e condutas de tran- tempo, numa doença crônica e que invali-
quilização. Iremos especificá-las agora. dava as pessoas. Atualmente, sabe-se que
As condutas de evitação, fazem com que as pessoas que sofrem deste transtorno
o indivíduo evitar encontrar-se com seu podem recuperar-se por totalmente e le-
objeto fóbico, alguns chegando a não var uma vida normal. Um acompanha-
conseguir sair de casa, outros fazendo mento psicológico adequado, a rigor, para
percursos complicados e fora de qualquer as neuroses é recomendado associado ao
normalidade. tratamento e cooperação apropriada do
Nas condutas de tranquilização, só a pre- próprio paciente e da sua família.
sença de uma pessoa, objeto ou situação
pode atuar como protetor, produzindo uma Conclusão
sensação de tranqüilidade no indivíduo.
As características do caráter fóbico estão
presentes e podem ser descritas, mesmo Este estudo foi realizado sobre a neurose,
quando ainda não ocorreram os sintomas. e auxiliou de forma positiva a noção de
O fóbico manifesta horror por todas certos distúrbios, aumentando o nosso
as situações mal definidas e não muito conhecimento. Na qual futuramente, será
claras, onde ele percebe um perigo imi- de grande valia nosso futuro profissional,
Como conseqüência, essa maneira exa- nente. Tende a projetar os seus dramas e nos acrescentando muito sobre as molés-
gerada de reagir, leva a pessoa neurótica a se defender dos seus impulsos, negando- tias, suas histórias, seus sintomas, diag-
adotar uma série de comportamentos fora os. É característica a dificuldade do fóbico nósticos e tratamentos.
do seu cotidiano, como evitar lugares, a com a situação analítica: o fato de expor-
criar formas de aliviar a ansiedade e etc... se a uma livre exposição de seu conteúdo Referências
A consciência do seu problema é um fato mental é vivido com pânico.
para o neurótico, e na maioria dos casos, A atitude de fuga que também é caracte- BRASIL, Neurose, vol .7 . Encyclopae-
ele se sente incapaz de modificá-lo. rística, pode se apresentar de duas for- dia Britannica do Brasil publicações. São
Muitas pessoas acreditam que a neurose mas: a atitude passiva, com inibição Paulo/ Rio de Janeiro.2003.
está associada à ausência de alguma coisa timidez ou mesmo dificuldade no contato
no cotidiano de alguém. Mas já sabemos com outras pessoas, e o comportamento EYSENCK, H.J., Você e neurose. Rio de
que a neurose é uma doença de caráter de desafio, atitude inversa da passividade, Janeiro: Zahar, 1988.
emocional afetiva que também afeta a mas que no fundo expressa o temor ante
personalidade. a realidade da vida. Deste último tipo, faz FERRAZ, F. C. , Perversão e neurose
Logo, não pode ser relacionada à falta de parte o comportamento de superocupação obsessiva: notas comparativas. Rever-
sexo, pensamento positivo, ou que a pessoa daqueles indivíduos que não podem ficar so. V.27. Belo Horizonte. Set 2005.
tem cabeça fraca. Também, está longe de ser desocupados um minuto.
associada à falta de vontade, à falta do que Outro tipo de neurose é o transtorno an- KAPLAN, H. SADOCK, B.J. GREEB,
fazer, à maldade, ou ausência de vergonha, sioso, no qual os padrões de ansiedade J. Compêndio de Psiquiatria. Porto
mau olhado, influência de espíritos, e outros. sofrem variações. Nesta forma clínica, o Alegre: Artmed,2006.
Isso mostra que a neurose é uma doença que sintoma é a expressão de um estado de
não pode ser tratada de outra forma, a não ser ansiedade permanente; o paciente man- WEREBE, D., ANDRADE, M. G. de O,
através de cuidados médicos. tém-se em um estado constante de alerta DELOUYA, D., Transtorno de estresse
A pessoa neurótica não apresenta com- e medo, como se algo estivesse sempre pós-traumático. Revista Brás. Psiquia-
prometimento da sua inteligência, nem de para lhe acontecer. tria v.25. São Paulo. 2003

NPP
contato com a realidade, pois neurose não Há também a neurose obsessiva compul-
é sinônimo de loucura. Os seus sentimentos siva. Aqui as idéias, sentimentos ou con-
são normais como o de qualquer pessoa. dutas são vividas como forçadas, chama-
Atualmente, os sintomas mais proeminen- das propriamente de compulsivas, como
tes de uma neurose, que tem a fobia como se impondo ao sujeito, por mais que ele
Núcleo de Prática de Pesquisa
prevalente entre outros sintomas de ansie- lute contra elas e as ache absurdas. O indi-
8 Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008

- Artigo de Divulgação Científica - Revisão de Literatura -

PSEUDOCIESE HUMANA
Autores patologia rara, porém requer tratamento Devido a fatores nervosos, há secreção de
e acompanhamento terapêutico, profis- colostro, alterações de hormônios, onde
Ana Cláudia Bianchi sional e familiar. os níveis de LH (hormônio luteinizante)
Roberta Minatel Garbeline e prolactina se encontram aumentados
Elisa Jorge Fernandes Basílio com exceção da gonadotrofina coriôni-
Ilma Lopes 1. Gravidez psíquica: conceito, epide- ca. De acordo com o psiquiatra Einstein
Claudinei Pelae Jorge miologia e etiologia. Alvarenga Vieira: “Qualquer transtorno
psicológico tem diversas causas e cada
Alunos do Curso de Enfermagem É uma síndrome chamada cientificamente pessoa reage a problemas de maneiras es-
de pseudociese ou pseudogestação (falsa pecíficas”.(18/04/2006).
gravidez) onde a mulher desenvolve todos Muitas mulheres chegaram até mesmo a
os sintomas de uma gravidez real, porém perceber movimentos fetais, apresentan-
é uma mera imaginação, fantasia, ilusão. do uma sensação subjetiva de que o bebê
Segundo o especialista em reprodução está mexendo, que na realidade não é; o
humana Marcos Sampaio: “[...] Em geral, que ocorre na verdade são os gases e as
o problema é diagnosticado entre mul- contrações dos músculos da parede ab-
heres que desejam engravidar, mas elas dominal, o peristaltismo que fazem parte
não são as únicas sujeitas a pseudociese”. da nossa normal fisiologia. O útero não
(18/04/2006). sofre alterações tanto em relação ao seu
Acomete mulheres de diversos níveis so- tamanho quanto em sua consistência,
ciais e faixas etárias, sendo vista predo- podendo ser observado por meio da rea-
minantemente em mulheres com menor lização do exame de toque vaginal. Para
grau de instrução, mulheres solteiras, Duailibi: “A gravidez psicológica tem
casadas inférteis e com maior freqüência origem mental, mas o corpo responde e
em multíparas próximas ao climatério, apresenta os sintomas comuns da gesta-
mulheres entre 40 e 50 anos de idade, ção [...]” (18/04/2006).
devido à presença de menopausa, distúr- As pacientes apresentam, intensa psi-
bios hormonais e infertilidade são as que coneurose e muitas delas estão a ponto
mais desenvolvem gravidez psicológica. da esquizofrenia ou são esquizofrênicas,
Resumo É um típico exemplo de mitomania: a que pode ser caracterizada por perda de
pessoa cria uma história, uma versão, cari-nho, atenção, não tem iniciativa pra
Este trabalho objetivou conhecer um dos uma explicação para alguns fatos (neste nada, se desliga de tudo e de todos ao
transtornos psíquicos – pseudociese ou caso os seios doloridos, abdômen disten- mesmo tempo podendo ter alucinações.
pseudogestação (falsa gravidez) – que dido, ausência da menstruação) e passa a Também se caracteriza por mudança de
acomete mulheres de diversos níveis so- acreditar em suas próprias alegações. pensamento, mas tudo isso não significa
ciais, culturais e faixas etárias.A história Ocorre aproximadamente uma vez em que tem uma dupla personalidade. Pode
de caso clássica geralmente envolve 5.000 casos obstétricos; ocorrendo com ainda ser acometida em solteiras, magras
uma mulher de tendências neuróticas, maior freqüência em animais de estima- e com profissões intelectuais. Históricos
próximo da menopausa, que não tem fi- ção. Segundo o ginecologista e obstetra como problemas psicológicos, sexuais
lhos, mas deseja ardentemente uma cri- Luís Augusto Rino Guimarães: “A gravi- e traumas sócios-ambientais devem ser
ança. As mulheres “supostamente grávi- dez psicológica não é um problema co- investigados. Há casos em que a mulher
das” apresentam todas as características, mum. Acredita-se que a causa seja al- pode chegar até as dores do parto ou ter
manifestações clínicas e exames clínicos guma alteração psicológica existente na a convicção de estar grávida sem ao me-
sugestivos de gravidezes normais e reais. mulher [...]”.(2006). nos apresentar alguma alteração corporal.
Além da pesquisa didática, foi realizado É um transtorno emotivo caracterizado Neste caso, há uma visão distorcida como
pesquisas de campo com profissionais da por amenorréia hipotalâmica (ausência de um delírio. De acordo com a psicanalista
área da saúde (médicos ginecologistas, menstruação em época que normalmente Eliane Farias: “Dificilmente a gravidez
enfermeiros e psicólogos) onde através deveria ocorrer) aumento de volume do psicológica acomete por uma única razão,
de questionários constatou-se a sua abdomem devido ao acúmulo de gordura, cada pessoa reage aos problemas de uma
baixa incidência em nível mundial, de já que pensam estar grávidas e que devem maneira particular e qualquer transtorno
pouco conhecimento da população e dos comer por dois e da presença de meteoris- psicológico tem diversas causas [...]”
próprios profissionais, que relataram o mo (obesidade). Enjôos, desejos náuseas (18/04/06).
atendimento a poucos casos ou nenhum, e vômitos, malácia (psicogênicos), cresci- Essas mudanças que acontece com as
o que pôde ser observado através de de- mento e sensibilidade mamária (suetiva), mulheres fazem com que elas acreditem
poimento de caso com diagnóstico con- adotam a marcha anserina (imitação e nesta inverdade; sendo algumas delas,
firmado de pseudociese. Em suma, é uma relaxamento subconsciente da postura) mesmo com a presença da menstruação,
Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008 9

- Artigo de Divulgação Científica - Revisão de Literatura -


continuam acreditando na “falsa gravi- Nesse processo em que a mulher passa a e espontâneo, onde é capaz de lidar com
dez”, alegando que o sangramento é o acreditar que esta grávida, o obstetra pos- seus próprios recursos, seja ele de relaxa-
começo de um aborto. sui papel importante em explicar e fazer mento, postura, movimentos, respiração
Outras patologias ocasionam a ausên- com que ela entenda que sua gravidez é ou solicitando anestesia, tendo assim um
cia de menstruação, o que faz com que pura imaginação, uma fantasia, sempre parto bem sucedido e não crucificante. A
a mulher pense que está grávida, mas na com muita diplomacia. falta de instruções, informações e conhe-
verdade, estão relacionados à presença Nos sintomas neuróticos, alguma coisa cimentos sobre gravidez, de como ocorre
de tumor na hipófise, ovários policistico, acontece que o paciente experimenta a concepção de um feto e que ele se ori-
distúrbios ovarianos, neoplasias uterinas, como estranho ou inteligível, que pode gina através do ato sexual, o que acontece
distúrbios hormonais como o LH e a pro- ser movimentos involuntários, outras muito, faz as mulheres acreditarem que
lactina, efeito colateral de alguns medi- alterações de funções corporais e várias estão grávidas, como também há casos de
camentos, dentre eles os antidepressivos sensações, conforme ocorre na esteria, o trabalho de parto é iniciado, os sinais
Essa gravidez imaginária pode surgir por emoções ou estado de ânimo esmagado e sintomas estão presentes e a mulher
uma série de fatores como a vontade de e injustificado ocorre nos ataques de an- desconhece o ocorrido. Acreditando não
ter um filho e o organismo não conseguir siedade ou depressão, impulsos ou idéias ser nada ou uma simples fase da gravi-
conceber, pressão da família, medo in- estranhas como se dão nas compulsões dez. Isso mostra o quanto é importante
consciente desta responsabilidade, baixa e observações. Todos os sintomas dão à informação a essas mulheres e o bom
auto-estima, sentimentos de rivalidade impulsão de alguma coisa que parece in- relacionamento médico/cliente, pois está
intensa, pouca capacidade de lidar com as terromper na personalidade. Há atitudes em jogo a vida dessas mulheres evitando
frustrações e insegurança, e muitas delas instintivas inconscientes que influenciam complicações mais acentuadas.
vêem como forma de construir um rela- as funções orgânicas também de maneira Pesquisas mostram um grande desco-
cionamento duradouro e estável. fisiológica sem que as alterações tenham nhecimento das mulheres sobre o próprio
Existe também episódio de gravidez psi- qualquer significado psíquico definido. corpo e a sexualidade em várias faixas
cológica em homens, que passam a ter É muito comum mulheres terem medo do etárias e classes sociais, sendo mais nu-
todas as sensações, sentimentos e ansie- parto, pois é um acontecimento de pleno merosos em mulheres de classe popular,
dade da mulher grávida, que na psicolo- desconhecimento, que engloba todo o mas grande parcela de mulheres de classe
gia dá-se o nome de síndrome de Couvade processo gravídico; as tensões aparecem, média também não possui conhecimen-
(termo francês que designa o costume a ansiedade, a modificação física e psi- tos suficientes. A pseudociese é também
difundido entre indígenas da América da cológica, medo de não conseguir, da dor, classificada como um transtorno somato-
África do Sul e tribos da Costa Ocidental de gerar um filho com más formações. forme, não tem outra especificação o que
da África, segundo o qual o pai, depois Sendo ele, um sentimento que aparece em o caracteriza é a presença de sintomas físi-
que a mulher dá a luz, não pode trabalhar várias situações na vida de todos os seres cos que surgem à condição médica geral,
nem comer certos alimentos, no período humanos, nessa situação pode ser modifi- por isso o termo somatoforme, porém não
conhecido como resguardo), não sendo, cado, através do esclarecimento e das con- é explicado por uma condição médica,
porém caracterizada como uma patologia dutas médicas prestadas, ensinando as ges- pelos efeitos diretos de uma substância
em si, onde há mudanças físicas e psi- tantes como se comportarem e reagirem ou por um transtorno do pânico, sintoma
cológicas, como afirma a terapeuta Jerusa no momento do parto, fazendo deste, uma físico que se mostra, são involuntários
Figueiredo Netto: experiência não traumatizadora. não tem controle do que acontece.
“Eles negam, mas é verdade. Os sinto- O Obstetra Dr Read diz que a dor no par- O eixo hormonal que é formado por hipo-
mas também demonstram a necessidade to normal provém da ativação do sistema tálamo (que é a estrutura do sistema ner-
que muitos têm de se tornarem pais. A nervoso autônomo, provocado pelo medo, voso central), pertencente ao sistema ner-
ansiedade aliada a uma forte ligação que causa um excesso de tensão no útero. voso límbico que rege as emoções hipófise
afetiva e emocional com a mulher, aca- Por isso, a importância da preparação da que é a glândula do cérebro e ovários que
ba transferindo para o marido uma sé- gestante para o parto. Assim, ela fica apta é muito influenciada por estresse e por es-
rie de sensações que nos acostumamos a desenvolver um momento positivo, fe- tados emocionais como a depressão (que
a ver somente na figura feminina. Mas é liz sem muito sofrimento, lembrando que é uma doença muito comum em todas as
perfeitamente possível – e normal – que as diferenças sociais e culturais estão sociedades em tem aumentado significa-
aconteçam entre homens”.(Figueiredo presentes e, cada mulher tem sua própria tivamente em populações mais jovens),
Netto, 12/04/06). designação e vivência de um parto. esta pode ser mais uma das causas da
É muito comum vermos em meio a pu- pseudociese, onde ocorre humor deprim-
Esse índice atinge segundo pesquisas blicidade (televisão, revistas, filmes) ido, perda de interesse e prazer nas ativi-
30% a 40% das gestações em casais que mulheres representando um “trabalho de dades, energia diminuída levando a uma
vivem juntos, sendo também notada em parto” de forma assustadora e errônea, fadiga aumentada e atividade diminuída,
homens, que não querem ser maridos, com gritos e expressões faciais tenebro- e acompanhada por alterações em sub-
ou seja, são solteiros, mas desejam ser sas, não que a dor não exista, mas que ela stâncias no SNC, os neurotransmissores,
pais. Esta síndrome não causa distúrbios pode ser sentida de uma forma não tão principalmente a noradrenalina, a sero-
psíquicos, sendo aconselhável um acom- horrível. tonina e a prolactina, e também vista com
panhamento quando a situação começar a Quando ocorre de haver um preparo a uma condição crônica em muitos casos
incomodar o casal ou pessoas próximas. gestante, ela faz desse momento criativo necessitando tratamento prolongado, a
10 Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008

- Artigo de Divulgação Científica - Revisão de Literatura -


pessoa deprimida fica com os piores sen- menstruais), resultante de repetidas falhas também por placenta de inserção baixa.
timentos em relação a si mesma, com idé- na ovulação com origem no eixo SNC – Ocorre quando ela se situa mais abaixo
ias de inutilidade, redução da autoconfi- hipotálamo – hipófise anovulação crônica entre o canal cervical do bebê) quando é
ança e auto-estima. A baixa auto-estima hipotalâmica funcional na pseudociese – possível não continuar a gravidez e essa
pode ser caracterizada, por insegurança, caracteriza-se pela falha repetida crônica mesma é interrompida, mas a vontade de
dúvidas constantes, sentimentos vagos de da ovulação, provocada por interferência ter filho e ser mãe é tão grande, que ela
não ser capaz de realizar nada, que tam- nos mecanismos que regulam o eixo hipo- perde o bebê, tem o aborto espontâneo,
bém é uma conseqüência da depressão. talâmico – hipófise – ovário (H.H.O), traz mas mesmo assim, na cabeça dela conti-
A necessidade de agradar também pode como conseqüência distúrbios menstruais nua grávida, entra em depressão, abaixa
ser levada em consideração na pseudo- do tipo oligomenorréia, amenorréia ou a auto-estima, é um modo de manter-se
ciese, talvez por querer agradar alguém mesmo sangramento uterino disfuncio- “viva”, e com esse sonho mantendo-se
inventa-se a gravidez e tudo isso leva à nal, que estabelece após a menarca e na grávida.Todo esse ocorrido deverá ser
culpa, à carência, frustração ,inseguran- fertilidade, a incidência não é fácil para tratado e acompanhado por profissionais
ça, medo ansiedade pode vir de várias ser avaliada na população gerada. Sabe- e muitas vezes até com medicações.
maneiras, vem como medo, imaginando se que é responsável por cerca de 20% a
coisas que não existem. Apesar do medo 30% dos casos de infertilidade feminina.
fazer parte de nossas vidas, é útil para Existe também uma outra hipótese para a 2. Diagnóstico e Tratamento da pseu-
preparar-nos para a luta ou para fugir, ou pseudociese: a disfunção beta – endorfina dociese.
quando temos prazo para resolver algo e (substância produzidas pelo organismo,
esse tempo esta se esgotando, ou quando semelhantes a moléculas da morfina) que O diagnóstico diferencial da pseudociese
tem algo que queremos muito vem a an- também podem levar a uma diminuição inclui a gravidez intra e extra-uterina, o
siedade podendo tornar-se problema. No dos pulsos de secreção do Gnrh. aborto não percebido, o tumor pelviano e
caso da pseudociese, podemos dizer que Outros fatores que podem levar à ano- os estados psicopatológicos. É necessário
a ansiedade de ter um filho, e não con- vulação crônica, de origem no sistema cautela em relação ao desenvolvimento
seguir, cobranças de muitos, acaba se tor- nervoso central (SNC) é a atividade física de um feto nas trompas, pois a taxa de
nando uma pressa psicológica, a paciente exacerbada (atletas de maratona) e o uso hormônios que indica gravidez se encon-
inventa uma gravidez. de certos medicamentos como calman- tra baixa o que pode levar a um diagnós-
A pseudociese também pode acontece em tes podem impedir a ovulação também a tico precipitado de gestação psicológica.
casos de jovens que transam sem camis- destruição e a anorexia nervosa. . Antigamente não existia ultra-som, di-
inha, o medo de estar grávida torna-se um Numa gestação normal a ansiedade ocorre ficultando o seu diagnóstico que só era
problema, atrasando menstruação e fa- de várias maneiras: no começo da gesta- confirmado depois de meses. Hoje com
zendo acreditar que ela está grávida. Mul- ção, durante a formação da placenta, ante todos os recursos tecnológicos, profis-
heres na menopausa, também podem ter a percepção dos movimentos fetais pela sionais especializados, exames precoces
esse problema, pois a menstruação acaba, instalação franca dos movimentos, pela (de sangue chamado Beta HCG e ultra-
vem ansiedade, medos e muitas acabam versão interna, no início do 9º mês, nos sonografia). O prognóstico depende da
acreditando numa “falsa gravidez”. últimos dias antes do parto. gravidade do distúrbio emocional e do
Na pseudociese acontece a anovulação Cada um desses sintomas de ansiedade, êxito da psicoterapia. Mente e corpo es-
(ausência de ovulação). Pode-se detec- que poderá durar dias ou semanas e chegar tão em sintonia.A mulher acredita estar
tar níveis elevados de LH e prolactina a produzir os sintomas físicos próprios da grávida e o corpo confirma, com todos os
que também é um hormônio produzido gravidez, ou até provocar abortos ima- sintomas de uma gravidez mental.
pela hipófise. Isso ocorre porque há nas ginários, caracterizando-se por fantasias De primeira conduta, o médico deve so-
mulheres com pseudociese uma redução bem determinadas e específicas, o co- licitar exames clínicos (ultra-sonografia
da atividade de neurotransmissores do- nhecimento de um profissional ajuda a e beta HCG), no caso de a mulher afir-
pamina (substância que faz a comunica- realizar uma “limpeza mental”, ao modo mar estar com todos os sintomas de uma
ção entre os neurônios, um mensageiro de prevenir um agravamento. Nesses ca- gravidez. Há casos em que o exame de
químico cerebral, que tem a função de sos, os leigos como a família, o esposo, sangue dá o resultado negativo e a pa-
inibir os pulsos hipotalâmicos de GnRh amigos são envolvidos na “fantasia de ciente prefere acreditar que foi erro do
o hormônio liberador de gonadotrofinas uma gravidez imaginária”, levando todo laboratório, pois sempre há uma história
e também inibir a secreção de prolac- mundo a acreditar, fazendo a vontades, de uma prima, vizinha ou amiga que teve
tina pela hipófise o hormônio inibidor dando-lhes presentes, tendo cuidados ex- o resultado errado. A explicação para
da prolactina é o PIH. Os sinais clínicos tremos como numa gravidez normal. a ocorrência dos sintomas reais de uma
da pseudociese é a ausência de inibições Mulheres que engravidam e tiveram gravidez está no nosso emocional. Ele
exercidas pela dopamina e conseqüente- problemas como eclâmpsia (hipertensão, é um mistério e influencia nosso corpo;
mente aumenta o LH e a prolactina. Esse edema, proteinúria e convulsões), pré-e- isso é um fato. A mulher que passa por
estresse vivido pela pacientes tem o au- clampsia (que são os mesmos sintomas uma gravidez psicológica força involun-
mento dos aspectos neuroendócrinos que da eclampsia menos a convulsão) e pla- tariamente, uma distensão abdominal.
ainda não estão totalmente esclarecidos, centa prévia (que é após a implantação Apesar da gravidez psicológica ser um
que é o problema da anovulação (estado do embrião no útero materno, inicia-se assunto complexo, o problema é simples
disfuncional caracterizado por alterações a formação da placenta. É conhecida e em sua maioria, desaparece com trata-
Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008 11

- Artigo de Divulgação Científica - Revisão de Literatura -


mento terapêutico e acompanhamento encontraram para não reviver o fato ocor- comprovação da falsa gravidez, no caso
psicológico, que desenvolve junto com a rido e assim esquecerem de tudo o que exame de urina.
paciente, a psicoterapia e o ginecologista passaram não trazendo para o presente É observado e relatado pela cliente a
orienta a “gestante” em relação ao trata- novas lembranças e sofrimento, pois se tristeza profunda e o medo de passar por
mento adequado. Muitas delas chegam até tratando de mulheres estéreis a pseudo- tudo novamente, o que a levou a buscar
mesmo a procurar outros profissionais, pois ciese acaba sendo um trauma de grande apoio não através de meios terapêuticos,
não acreditam na hipótese de não estarem complexidade, pois desenvolvem e apre- mas sim espirituais e familiar. Percebe-
grávidas, preparam o enxoval e decoram sentam todos os sinais e sintomas de uma mos através do depoimento e dos casos
o quarto do bebê. Essa ilusão termina nas real gravidez e nunca poderão conceber que se negaram a declarações a grande
primeiras consultas ou na hora do “parto”. um filho tornando ainda mais frustrante. perturbação e trauma que se instala psi-
Como comentam a ginecologista Rosele Para um levantamento epidemiológico cologicamente nessas mulheres.
Jobst e a psicanalista Eliane Fariam: “[...] buscamos uma análise dos prontuários
Em geral, essas mulheres não procuram da psiquiatria e ginecologia do Centro de
ajuda psicológica, pois se procurarem, o Saúde de Adamantina onde fomos infor- Referências
terapeuta estará admitindo que não tem o mados pela enfermeira responsável de que
bebê. (18/04/06)”. não poderíamos ter acesso aos mesmos, ARAUJO, Grasielle. Gravidez psicológi-
O carinho e o apoio familiar é muito im- devido serem documentos sigilosos. ca, estado de Minas, 18 de abril de 2006.
portante antes e após a aceitação do fato, Disponível <http://www.saudeplena.com.
já que a sua reação vai desde alívio a uma br>. Acesso em: 18/04/2006.
reação, que no geral é de susto e decepção,
podendo chegar até a depressão ao rece- CAMBIAGHI, Armando Schizzi. Gravi-
berem a notícia de que não estão grávidas. dez psicológica traz sintomas de uma
Em casos que a paciente já está passando gestação real. Instituto Paulista de
por esse problema há algum tempo, é re- ginecologia & obstetrícia, São Paulo.
comendado que o obstetra procure o com- Disponível em: http://www.institutopau
panheiro da mesma e mostre a existência listadegenicologia&obstetricia.com.br>.
de um quadro psiquiátrico sério, podendo Acessado em: 14/04/2006.
em alguns casos ser necessário o uso de
medicamentos receitados pelo psiquia- FINICHEL, Otto. Teoria psicanalíti-
tra, como comenta a psicóloga Elaine ca das neuroses. São Paulo: Editora
Rouigatti: “Normalmente a mulher não Conclusão Atheneu. 2000.
vai aceitar que não está grávida, a ajuda Através da pesquisa de campo realizada
HILÁRIO, Rodrigo. Grávidos ligeira-
deve acontecer logo e temos que mostrar junto aos médicos ginecologistas, en-
mente correia brasiliense, Brasília, 28
a realidade e tirar o paciente desse estado fermeiros e psicóloga foram relatados
julho de 2002. Disponível em: <http://
de alucinação”.(2006). poucos casos de pseudociese e ambos re-
www.vida@.correiawebs.com.br>. Aces-
Em suma, a mulher tem que se sentir ferem que o processo da patologia ocorre
so em: 12/04/2006.
amada mesmo não gerando filho algum. com aumento do volume do abdômen,
Segundo o ginecologista e obstetra Luís náuseas, vômitos, sensação de movimen-
LOPES, José Lemes. Teoria e prática
Augusto Rino Guimarães: “Desde que tos intra-uterinos, amenorréia, transtor-
do psiquiatra. São Paulo: Saraiva, 1981.
tratada, a mulher com gravidez psicológi- nos psíquicos, mamas salientes, aumento p.87 – 92.
ca poderá engravidar desde que não tenha de peso, entre outros sinais e sintomas,
algum problema natural. O transtorno ou seja, rompe-se o eixo cérebro- hipo- OLIVEIRA, Laerte Justino de. Amenor-
psicológico deve ser resolvido”.(2006). tálamo- hipófise- ovariano, ocorrendo réia, São Paulo, 12 de abril de 2006. Di-
igualmente a uma gravidez verdadeira. sponível em: <http://www.Amemorreia.
3. Pesquisa a campo Os sinais e sintomas são apresentados por com.br>. Acesso em: 12/04/2006.
uma vontade da cliente em ser mãe ou
Realizamos uma busca ativa de casos com pelo medo intenso de estar grávida, sem PAMPLONA, Vitória Lúcia. Mulher, par-
diagnósticos comprovados de pseudo- querer que seja verdade. to e psicodrama. São Paulo: Água, 1990.
ciese, sendo investigados 3 casos, porém, O tratamento indicado diante do caso é
duas das clientes não concordaram em psiquiátrico, terapia, acompanhamento, RENNO Jr; Joel. Entenda a gravidez
responder o questionário em forma de de- medicamentos e multidisciplinar (gineco- psicológica. Instituto de Psiquiatria do
poimento relatando ser um assunto desa- logista, endocrinologista e nutricionista). hospital das clínicas da FMUSP, São Pau-
gradável do qual traz lembranças tristes, Diante do depoimento foram relatadas lo, 19 de abril de 2006. Disponível em:
angustiantes e sofrimento familiar ligan- algumas manifestações clínicas idênticas <http://www.qualidadede vidanaweb-
do- se ao fato de não poderem ter filhos o as citadas pelos profissionais dos quais vejaestelar>. Acesso em: 19/04/2006.
que torna o assunto de total desinteresse foram entrevistados e pesquisas realiza-
e evitado. das ao decorrer do desenvolvimento do SOIFER, Raquel. Psicologia da gravidez,
Pode perceber-se uma certa resistência trabalho percebendo-se da veracidade parto e puerpério. 3 ed. Porto Alegre.
e um modo de fuga que essas mulheres do caso, onde foi solicitado exame para Editora Artes Médicas Sul LTDA, 1984.
12 Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008

- Artigo de Divulgação Científica - Revisão de Literatura -


FISIOTERAPIA

PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS


Isabela Martins de Andrade dos e medicamentos. Porém, sabe-se que 2/3 destas quedas
Ex-aluna do curso de fisioterapia da FAI Estima-se que 66% dos idosos insti- são potencialmente evitáveis. O uso de
isa.m.a@bol.com.br tucionalizados sofram quedas anual- órteses como bengalas, muletas e an-
Prof. Paulo Roberto Rocha Júnior mente. Em mais de 70% dos casos as dadores e a adoção de um programa de
Curso de fisioterapia da FAI quedas ocorrem no próprio ambiente atividade física com o objetivo de for-
prochajr@terra.com.br domiciliar e no exercício das atividades talecimento muscular, ganho equilíbrio,
Profa. Juliana Nascimento diárias, e 10% destes eventos resultam correção da postura e das alterações na
Orientadora de estágio de geriatria/ em fraturas. marcha, e adaptações de ambiente físi-
psiquiatria da FAI No entanto, as quedas entre pessoas co, são medidas de grande importância
julianafnascimento@gmail.com idosas constituem um dos principais na prevenção de quedas e na melhora
problemas clínicos e de saúde pública da qualidade de vida do idoso.
devido a sua alta incidência, às conse- Neste sentido, o fisioterapeuta pode atuar
Um bom desempenho físico é essencial qüentes complicações para a saúde e na área de geriatria e gerontologia, ava-
para o indivíduo manter-se indepen- aos custos assistenciais. liando, modificando o ambiente físico e
dente e realizar suas funções normais. As ocorrências desses acidentes causam prescrevendo um programa de exercícios
O envelhecimento associado ao seden- medo, dor, sofrimento, limitações físicas adequados e controlados, onde os idosos
tarismo, traz consigo várias alterações e muitas vezes podem resultar em dis- terão o máximo de aproveitamento com
físicas tornando-os mais frágeis e pro- túrbios de ordem psíquica, ocasionados o mínimo de risco à saúde, tornando-se
pensos a sofrerem quedas. principalmente pelo medo de nova que- mais independentes e ativos (figura 02).
As causas de uma queda podem ser de da, o que produzirá fraqueza muscular e O profissional fisioterapeuta pode iden-
natureza intrínseca ou extrínseca. Os acentuação da instabilidade postural. tificar os fatores tanto intrínsecos como
fatores intrínsecos incluem, principal- Destacam-se ainda como conseqüên- extrínsecos, que aumentam a possibili-
mente, as alterações fisiológicas relacio- cias relevantes, o fato da queda causar dade da ocorrência de uma queda em
nadas ao envelhecimento (figura 01). restrição de mobilidade, incapacidade uma pessoa idosa, também como nas
suas conseqüências, desde que estes
fatores identificados sejam acessíveis
às medidas de fisioterapia. Uma me-
dida importante é ajudar o indivíduo
da terceira idade a recuperar sua auto-
confiança, no que diz respeito às suas
capacidades posturais.
Desta forma, é de suma importância à
utilização de estratégias preventivas,
assistenciais e de reabilitação dentro de
uma instituição asilar, a fim de reduzir o
risco de quedas (ocorrências e recorrên-
cias) e amenizar os fatores intrínsecos e
extrínsecos que predispõem estes acon-
tecimentos.
Evitar o evento de queda é considera-
do hoje uma conduta de boa prática
geriátrico-gerontológica, tanto em hos-
pitais quanto em instituições de longa
permanência, sendo considerado um
dos indicadores de qualidade de ser-
viços para idosos.

Figura 01 – Fatores intrínsecos das quedas

Dentre os fatores extrínsecos, os princi- funcional, isolamento social e insegu-


pais facilitadores relacionados às que- rança, detonando um mecanismo cu-
das em idosos destacam-se as escadas mulativo e em efeito dominó de eventos Figura 02 – Programa de exercícios para pre-
irregulares, tapetes, pisos escorregadi- prejudiciais à saúde e qualidade de vida venção de quedas
os, má iluminação, calçados inadequa- dos idosos.
Boletim Científico da Área de Biológicas da FAI (Faculdades Adamantinenses Integradas) - Ano 1 nº 1 - março/abril de2008 13

- Artigo de Divulgação Científica - Revisão de Literatura -


Referências
Boletim Científico do Curso de Conselho Científico
Guccione AA. Fisioterapia Geriátri- Biológicas da FAI Prof. Dr. Alexandre Wolf
ca. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Uma Publicação Oficial das Facul- Prof. Dr. Gildo Matheus
Koogan, 2002. dades Adamantinenses Integradas. Profª. Drª. Jaqueline Haddas Malhado
Kauffman TL. Manual de Reabilitação Profª. Drª. Maria Thereza G. Matheus
Geriátrica. Rio de Janeiro: Guanabara Autarquia Municipal Profª. Drª. Sandra Helena G. Wolf
Koogan, 2001. CGC 03.061.303/0001-02
Papaléo Netto M. Gerontologia. São Diretor Tiragem
Paulo: Atheneu, 1996. Prof. Dr. Roldão Simione 300 exemplares
Rosa TEC, Benício MHD, Latorre MDR,
Ramos LR. Fatores determinantes da Vice Diretor Editora: Edições Omnia
capacidade funcional entre idosos. Rev. Prof. Dr. Jurandir Savi Rua Nove de Julho, 730
Saúde Pública 2003;37(1):40-8. Fone/fax: (18) 3522-1002
Simpson JM. Instabilidade Postural e Editor - chefe CEP 17800-000 - Adamantina/SP
Profª. Drª. Sandra H. Gabaldi Wolf Site: www.fai.com.br
Tendência às Quedas. In: Pickles B. Fi-
Expediente
siologia na 3ª Idade. 2ª. ed. São Paulo: E-mail: omnia@fai.com.br
Santos, 2000. Diagramação - Projeto Gráfico
GERONTOLOGIA Fabrício Lopes Impressão:

IDOSOS HI-TECH Assistente de Coordenação OPA: Organização de Publicidade de


Ana Paula Clapes Nunes Adamantina
Uma nova visão de mundo no olhar do
idoso. Revisão
Profª Neusa Maria Pais
Décio Kataiama
Aluno do Curso de Gerontologia da FAI.
Pedagogo, Especialista em Informática paradigmas quebrados têm se revertido hipóteses como a de que o idoso, como
na Educação e em recompensadas situações de bem es- qualquer indivíduo, ao fazer uso das no-
Pesquisador em Neurociência Cognitiva tar social e econômico para as partes en- vas tecnologias, o faz segundo suas es-
volvidas, ou seja, problemas resolvidos, colhas e desejos, pleiteando a satisfação
Dentro de cinco a dez anos teremos desejos realizados e angústias elimina- e realização de algo. Ainda de Sartre
tranqüilamente vovôs e vovós e idosos das. tivemos que somos condenados a sermos
em geral, interagindo socialmente com Não deve ser fácil para os idosos com- livres, portanto, em vida por direito, so-
freqüência, utilizando-se de meios tec- preenderem como está o mundo. Boa parte mos autores e responsáveis pelas nossas
nológicos ainda não tão comuns à maio- pode até nem ter tentado compreender o escolhas. Mais ainda, não temos escolha,
ria de nossos co-cidadãos já idosos. que se passa ante tanta tecnologia ino- temos sempre que escolher, mesmo quan-
Cinco a dez anos? Isso é um bocado de vadora que constantemente transforma do escolhemos por não fazer nada. E o
tempo não acham? Para tecnologias sim, seu habitat, mas é certo que entendendo que o idoso escolher entre fazer uso das
mas, para o desenvolvimento sócio-cul- ou não, as tecnologias que usamos no novas tecnologias ou não, não deveria ser
tural da classe de idosos é um tempo ra- dia a dia já são ultrapassadas no habitat o fator da sua qualidade de vida, mas, a-
zoável e adequado. dos cientistas e engenheiros, que em seus penas mais um recurso para tal. Usando
Não porque sejam velhos ou lentos no laboratórios já dispõem de uma reserva ou não as novas tecnologias da informação
raciocínio, mas, quebrar paradigmas cul- tecnológica ainda não lançada no merca- e comunicação, é importante que o foco do
turais é sempre mais moroso do que o do consumidor. Sendo assim, talvez seja olhar do idoso permaneça acordado com
desenvolvimento de novas tecnologias. sensato para alguns idosos não gastarem sua essência, que lhe é peculiar e subjeti-
Barreiras para a inclusão digital ainda energia vital tentando compreender estas va, mas que busca mais qualidade de vida.
permeiam a maior parte dos idosos, que inovadoras e estranhas tecnologias. Andando para frente, mas sempre com
advém de razões muito mais culturais do No mercado tecnológico é fácil encontrar um pé atrás, talvez este seja o perfil de
que propriamente econômicos. produtos direcionados aos públicos infan- grande parte dos idosos hi-tech.
Transcorridos três quartos da primeira dé- tis, jovem e adulto, mas, ainda carece de
cada do século vinte e um, os crediários produtos voltados ao consumidor idoso. Referências
facilitados, fartos modelos de computa- Assim, por enquanto, resta ao usuário idoso
dores e serviços de acesso a tecnologias compartilhar das tecnologias e softwares
digitais disponíveis no mercado consu- universais como caixas eletrônicos, celu- KANDEL, Eric R. Fundamentos da
midor, viabilizam a inclusão digital de ci- lares, e programas de edição de texto, som e neurociência e do comportamento, 2000.
dadãos de todas as faixas etárias. Notada- imagem comum a todos os usuários. LACAN, Jacques, O seminário: livro 10 :
mente é crescente o número de idosos que Na tentativa de explicar sob uma ótica a angústia. 2005.
buscam informações e realizam cursos de do existencialismo sartreano (Jean Paul LEVY, Pierre, Cibercultura, 2005.
informática em escolas especializadas na Sartre, 1905~1980.) onde a existência RAMAL, Andréa Cecília - Educação na
formação de usuários de computadores, precede a essência, podemos levantar Cibercultura, 2002.

Você também pode gostar