Você está na página 1de 20

1

FACULDADE DOM LUIZ DE ORLEANS E BRAGANÇA


LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

LIDIANE ALMEIDA DOS SANTOS NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO DA LEITURA IN-


FANTIL NOS ANOS INICIAIS

RIBEIRA DO POMBAL, BA.


2017
2

LIDIANE ALMEIDA DOS SANTOS NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO PARA DESENVOLVIMENTO DA LEITURA INFAN-


TIL NOS ANOS INICIAIS

Artigo Científico apresentado à Faculdade Dom Luiz


de Orleans e Bragança, como requisito parcial de
avaliação de conclusão do curso de Licenciatura em
Pedagogia.

Orientadora: Flávia dos Santos Nascimento

RIBEIRA DO POMBAL, BA.


2017
3

TERMO DE AUTORIZAÇÃO

Eu, Lidiane Almeida dos Santos Nascimento, maior, brasileira, casada, auxili-
ar administrativa da Empresa 3A Badaró, residente na Rua Jonas de Abreu, nº 35,
Ribeira do Pombal/ Bahia Estudante do curso de Licenciatura a Pedagogia, RG nº
06.877.507-50, inscrito sobre o CPF nº 005.712.325-07, autorizo a Faculdade Dom
Luiz de Orleans e Bragança a avaliar e publicar o artigo científico intitulado A IM-
PORTÃNCIA DO LÚDICO PARA DESENVOLVIMENTO DA LEITURA INFANTIL
NOS ANOS INICIAIS, orientado pela Professora Flávia dos Santos Nascimento.

Orientando:__________________________________________________
Lidiane Almeida dos Santos Nascimento
Orientadora:___________________________________________________
Prof. Flávia dos Santos Nascimento

Ribeira do Pombal- BA 22 de Junho de 2017.

_______________________________________________________________
4

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO PARA DESENVOLVIMENTO DA LEITURA INFAN-


TIL NOS ANOS INICIAIS.
Lidiane Almeida dos Santos Nascimento1

Resumo: O presente trabalho visa compreender a importância da ludicidade para o


desenvolvimento da leitura de crianças nas sereis iniciais do Ensino Fundamental. A
ludicidade é essencial para o desenvolvimento da personalidade, autonomia, lingua-
gem, e aspectos cognitivos da criança. O lúdico está presentes em todas as etapas
da vida do ser humano e, especialmente na infância tornando notável a sua existên-
cia. De certa forma o lúdico se faz existente e é um componente relevante no pro-
cesso ensino/aprendizagem, possibilitando seu desenvolvimento intelectual propor-
cionando liberdade e estimulo a imaginação. Por meio dos jogos a criança se envol-
ve na brincadeira e sente a necessidade de compartilhar com seu meio, brincando, a
criança terá a chance de desenvolver capacidades fundamentais a seu futuro traba-
lho educativo e profissional, tais como interação, afetividade, socialização e concen-
tração entre outras habilidades, que são importantes para da leitura. O método utili-
zado foi à pesquisa qualitativa, e teve como embasamentos teóricos como Piaget
(1994), Cunha (2004), Vygotsky (1994), Ramos (2003) entre outros para que os ob-
jetivos propostos fossem alcançados.

Palavras-Chave: Lúdico, leitura, aprendizagem.

ABSTRACT

The present work aims at understanding the importance of playfulness for the devel-
opment of reading of children in the elementary schools. Playfulness is essential for
the development of the child's personality, autonomy, language, and cognitive as-
pects. The ludic is present in all stages of human life and especially in childhood
making it remarkable its existence. In a certain way the playfulness becomes existing
and is a relevant component in the teaching / learning process, enabling its intellec-
tual development providing freedom and stimulation of the imagination. Through the
games the child engages in play and feels the need to share with their environment,
joking, the child will have the chance to develop skills fundamental to their future ed-
ucational and professional work, such as interaction, affectivity, socialization and
concentration among others Skills, which are important for reading. The method used
was qualitative research, and had as theoretical foundations such as Piaget (1994),
Cunha (2004), Vygotsky (1994), Ramos (2003) among others to achieve the pro-
posed objectives.

1
Lidiane Almeida dos Santos Nascimento Graduada em Licenciatura em Pedagogia da Faculdade
Dom Luiz de Orleans e Bragança, município de Ribeira do Pombal – BA. Auxiliar administrativa de
uma empresa em Ribeira do Pombal - BA. E-mail: lidianealmeida_15@hotmail.com
Flávia dos Santos Nascimento
5

1. INTRODUÇÃO

O presente trabalho cujo tema: “A importância do lúdico para o desenvolvi-


mento da leitura infantil nos anos iniciais”, tem como objetivo, compreender a impor-
tância da ludicidade no desenvolvimento da leitura nos anos iniciais, no processo de
desenvolvimento humano.

É nos anos iniciais da criança que ela desenvolve a capacidade de transfor-


mar, é a partir deste momento que consegue realizar uma atividade brincando, ela
sente o prazer e a liberdade de está participando e assim melhorando sua autoesti-
ma.

Aprender brincando é muito mais agradável. De acordo com Pinto (2004, p.


64), “as experiências lúdicas são ações com sentidos e significados atribuídos pelos
seus praticantes”. Isso significa que o lúdico é essencial para o crescimento intelec-
tual de uma criança, pois proporciona liberdade e estimula a sua imaginação.

Tendo em vista a importância do desenvolvimento da leitura nos anos iniciais,


a acadêmica optou pela escolha do tema no intuito de colher dados suficientes que
comprovem como o lúdico auxilia no crescimento desta aprendizagem, pois se sabe
que as atividades lúdicas incentivam e levam a criança a participar e interagir com
os colegas, onde o ato de brincar, associado com determinadas atividades leva a
mesma a construir uma imagem favorável e desperta o interesse pela atividade co-
mo leitura.

O lúdico é um estímulo tanto para o aperfeiçoamento do intelecto da criança


quanto para suas relações interpessoais fundamentais para facilitar o ensino apren-
dizagem, por meio de atividades ligadas às brincadeiras. Neste sentido, o lúdico é
uma espécie de imaginação que a criança cria perante as atividades apresentadas,
por facilitar o aprendizado tudo se torna mágico e formidável. Atualmente falam mui-
to da importância do lúdico, ou seja, dos jogos e brinquedos que estimulam, auxiliam
e facilitam o trabalho e o conhecimento da criança.

De acordo com Piaget (1994, p. 25) ver o jogo como “um processo de ajuda
ao desenvolvimento da criança; acompanha-o, sendo, ao mesmo tempo, uma ativi-
6

dade conseguinte de seu próprio crescimento”. O brincar vai muito mais além de um
simples momento de diversão, é um dos caminhos que é capaz de levar ao conhe-
cimento.

De acordo com Almeida:

A educação lúdica, na sua essência, além de contribuir e influenciar na for-


mação da criança e do adolescente, possibilitando um crescimento sadio,
um enriquecimento permanente, integra-se ao mais alto espírito de uma
prática democrática enquanto investe em uma produção séria do conheci-
mento. A sua prática exige a participação franca, criativa, livre, crítica, pro-
movendo a interação social e tendo em vista o forte compromisso de trans-
formação e modificação do meio (ALMEIDA, 1994, p.41).

Diante do contexto, o trabalho com a ludicidade, a criança obtêm um grande


avanço no desempenho da aprendizagem, melhorando a capacidade cognitiva,
aprimoramento da sua capacidade psicomotora, bem como da habilidade de se rela-
cionar com o seu meio social.

Para realização do presente estudo foi elaborado uma pesquisa com aborda-
gem qualitativa, utilizou-se o método descritiva, e para que os objetivos propostos
fossem alcançados, foram desenvolvidos vários estudos bibliográficos, baseados em
autores como Jean Piaget (1994), Cunha (2004), Vygotsky (1994), Ramos (2003)
entre outros, que deram baseamentos nesta pesquisa, incluindo também textos,
pesquisas na internet, entre outros.

A pesquisa bibliográfica “tratar-se do levantamento de toda a bibliografia já


publicada em forma de livros, revistas, publicações avulsas em imprensa ou
escrita”. Sua finalidade é colocar o pesquisador em contato direto com tudo
aquilo que foi escrito sobre determinado assunto, com o objetivo de permitir
cientista o reforço paralelo na análise de suas pesquisas ou manipulação de
suas informações (MARCONI, LAKATOS, 2001, p. 43- 44).

Esta pesquisa, apresenta técnicas de estudo de caso que refere-se à obser-


vação, tornando assim uma pesquisa qualitativa descrita. Nesta pesquisa a acadê-
mica preocupa-se em descobrir a verdadeira importância do lúdico para contribuição
7

da aprendizagem e da leitura, para o desenvolvimento da pluralidade, de capacida-


des e de conhecimentos, onde cada aprenda respeitar as diferenças e enriquecer as
potencialidades dos outros.

O observador deve ter competência para observar e obter dados e informa-


ções com imparcialidade, sem contaminá-los com suas próprias opiniões e
interpretações. Paciência, pesquisador e ética aos atributos necessários ao
pesquisador. (MARTINS 2008, p.24)

Sendo assim, para a coleta de alguns dados para a pesquisa, os pesquisado-


res observará os sujeitos desse alvo, pois através da observação o ser humano ad-
quire grande quantidade de conhecimento.
O presente trabalho foi desenvolvido na Escola Municipal Pedro Costa, loca-
lizada no bairro Alto Santo Antônio, do Município de Ribeira do Pombal-BA. Os sujei-
tos participantes foram alunos da Educação Infantil, sendo 18 alunos, 10 meninas e
08 meninos. Este estudo foi realizado através de observações das aulas de estágio
com o objetivo de verificar como o trabalho com o lúdico auxilia no desenvolvimento
da leitura, proporcionando aos leitores um maior e melhor entendimento do conteúdo
que vem sendo estudados, importantíssimo para crianças e não somente para essa
modalidade como de outras também, pois a ludicidade contribuem em todas as eta-
pas da educação podendo também observar a participação dos professores e de
todos os membros da escola na formação ensino-aprendizagem.

Cunha diz que:

O brincar é a forma mais natural de uma criança agir e expressar-se; pre-


servar suas espontaneidades é colaborar para sua saúde emocional. Atra-
vés do brinquedo ela estabelece contato com o mundo ao seu redor e se
apropria dele dentro dos limites de suas possibilidades; explora, descobre,
transforma, exercita suas capacidades e constrói seu conhecimento. (CU-
NHA, 2004, p. 12).

O ato do brincar, associado com tarefas escolares concede ao educando


oportunidades de criar uma relação agradável aluno-professor. Ao relacionar jogos e
brincadeiras, as crianças estabelece uma imagem positiva da disciplina e passam a
ter autoconfiança sobre todas elas. Passam a ter maior clareza dos conteúdos de
8

leitura. Para que o aluno desfrute de bons resultados no desenvolvimento de apren-


dizado da leitura relacionada com jogos e brincadeiras é fundamental um planeja-
mento com a imediação de um adulto. Na circunstância seria o professor tendo em
vista à aprendizagem de maneira lúdica, com finalidade de existir participação, ques-
tionamentos e habilidades extraídos dos jogos conhecimentos no que diz respeito a
atividades.

A introdução do lúdico na vida escolar do aluno torna-se uma forma eficiente


de repassar pelo universo infantil para imprimir-lhe o universo adulto. Proporcionar
uma alfabetização significativa à prática educacional é a proposta do lúdico. Para
transformar o aluno em um bom leitor, não basta que ele seja tão somente alfabeti-
zado nas letras, sabe-se que a habilidade de leitura não depende do valor sonoro de
cada letra. Então qual a contribuição do lúdico no desenvolvimento da leitura de cri-
anças nos anos iniciais?
Vale salientar que o ato de ler traz benefícios como prazer, lazer, conhe-
cimento, engrandecimento cultural, por estas e outras razões é que se confirma que
a leitura é uma ferramenta de importância fundamental na vida de ser humano, prin-
cipalmente, para aquela que estão inseridas no processo de ensino aprendizagem.

Sabe-se que ludicidade é um tema muito atual, significativo e essencial para a


área educacional, sendo um conteúdo indispensável na formação de professores da
área da Educação Infantil. Por meio da ludicidade, o professor pode possibilitar a
aprendizagem da criança de uma forma encantadora e eficiente, considerando-se
que por intermédio de jogos e brincadeiras as habilidades e o desenvolvimento glo-
bal são alcançados.

Ao escolher este tema para o referido projeto, tornou-se relevante à compre-


ensão do trabalho com o lúdico na tentativa de entender esse processo no ensino
aprendizagem, por isso, acredita-se que o mesmo irá contribuir para formação aca-
dêmica profissional ampliando conhecimentos e habilidades importantes sociais e
cientificamente.

2. UMA BREVE HISTÓRIA DO LÚDICO


9

A palavra lúdica se origina do latim “ludus” tem o significado brincar. Neste


brincar estão incluídos jogos, brinquedos e brincadeiras, sendo assim, o lúdico tem
conquistado um espaço na Educação.

O brincar sempre se encontra presente em toda era da humanidade, manten-


do-se até os dias de hoje. Em cada era, de acordo com o contexto histórico vivenci-
ado pelos povos de costumes diferentes, utilizado como algo natural, vivido por to-
dos e também usufruindo como um instrumento com característica educativo para o
desenvolvimento infantil.

Os povos antigos davam à educação física uma relevância muito grande e


concediam total liberdade para as crianças desfrutarem o exercício dos jogos natu-
rais, possibilitando desta forma que esses pudessem influenciar sem dúvida a edu-
cação de suas crianças.

Platão, acerca de 367 a.C. mostrou a importância da finalidade dos jogos pa-
ra que a aprendizagem das crianças conseguisse ser desenvolvido. Alegava que
nos seus primeiros anos de existência, as crianças, meninos e meninas, precisariam
praticar juntos, atividades educativas por meio dos jogos.

Rabelais no século XV, já declarava que a educação deveria ser por meio dos
jogos, falando a todos que precisavam instruir às crianças o gosto por leitura, por
desenho, por jogos de cartas e peças que auxiliasse para ensinar à aritmética, inclu-
sive a geometria.

Grandes teóricos que colaboraram com finalidade de que o lúdico pudesse


ser um instrumento utilizado na educação dentro da metodologia de ensi-
no/aprendizagem destaca-se no século XVIII; Rousseau, Pestalozzi, no século XIX;
Dewey e no século XX, Montessori.

Outros importantes teóricos que tiveram grandes interferências na a educação


destacaram-se Vygotsky e Piaget com novas contribuições científicas, proporcio-
nando muito mais ênfase na aprendizagem. Vygotsky considera uma atribuição im-
portantíssima do faz-de-conta, do jogo que é uma responsabilidade pedagógica. Já
Piaget dá uma definição mais ampla para os jogos em seus estudos.

De acordo com Vygotsky


10

O brincar é uma atividade humana criadora, na qual a imaginação, fantasia


e realidade interagem na produção de novas possibilidades de interpreta-
ção, de expressão e de ação pelas crianças, assim como de novas formas
de construir relações sociais com outros sujeitos, crianças e adultos.
(VYGOTSKY 1987, p.35)

Mediante contexto apresentado, pode-se compreender a grande dimensão


que o ato do brincar representa para a vida social do aluno, ou seja, a criança in-
gressa no mundo social através das brincadeiras interagindo com as outras pesso-
as, assim o mesmo tem uma relevância muito grande para o processo de ensi-
no/aprendizagem.

O uso do lúdico na educação, além do proposito de fortalecer o aprendizado


de forma mais prazerosa para o aluno, tem como finalidade o resgate histórico-
cultural dessas práticas, também é um ótimo momento para o reconhecimento do
seu histórico familiar e de sua etnia.

Carneiro (1995, p.66) destaca que “todas as pessoas têm uma cultura lúdica,
que é um conjunto de significações sobre o lúdico”. Portanto, é possível afirmar que
a cultura lúdica é formada pelos indivíduos, que se constrói a todo tempo, mediante
das brincadeiras que a criança inicia desde cedo.

Sendo assim, desde criança os seres humanos adquirem as mais diversas


formas de conhecimento: tais como cientifico, popular, religioso, cultural aprenden-
do-as de maneiras diferentes, mas como algo universal para toda humanidade; o
mundo da criança, independente de sua cultura, é lúdico o imaginário e o mundo do
adulto se priva de ludicidade, sendo realista.

Na Grécia antiga era por meio dos jogos que se passava ensinamento para
as crianças. Os índios transmitiam sua cultura através da ludicidade. No Brasil na
Idade Média, os jesuítas ministravam suas aulas usando brincadeiras como instru-
mentos para a aprendizagem das crianças.

Kishimoto (1999) relata que:

Tradicionalidade e universalidade dos jogos assentam-se no fato de que


povos distintos e antigos como os da Grécia e Oriente brincou de amareli-
nha, de empinar papagaios, jogar pedrinhas e até hoje as crianças o fazem
11

quase da mesma forma. Esses jogos foram transmitidos de geração em ge-


ração através de conhecimentos empíricos e permanecem na memória in-
fantil. (KISHIMOTO, 1999, p. 15).

Diante deste contexto, os jogos e brincadeiras sempre estiveram presentes na


vida do ser humano, são considerados recursos adequados no processo de ensi-
no/aprendizagem, pois favorece no crescimento de habilidades físicas e mentais.
Além de ser uma ferramenta de entretenimento, assim como uma fonte de descober-
ta para a criança, não sendo só uma forma de diversão, mas recursos que enrique-
cem o crescimento intelectual que podem favorecer significativamente na educação.

Jean Piaget (apud ANTUNES, 2005, p.25) “retrata que os jogos não são ape-
nas uma forma de entretenimento para gastar a energia das crianças, mas meios
que enriquecem o desenvolvimento intelectual”.

Dessa forma, em todo o tempo, o lúdico, jogos e brincadeira é um papel es-


sencial na vida da criança, viver no mundo dos sonhos, fantasia, da magia do encan-
tamento, da alegria. Elemento da descoberta do seu próprio ser, do criar e recriar,
permitindo ao indivíduo, seu saber, sua compreensão, seu conhecimento de mundo,
auxiliando a aprendizagem, o crescimento coletivo e pessoal, causando benefícios
para a saúde mental, para socialização, comunicação, expressão e aperfeiçoando
em todo o tempo a criatividade que está inata nesta prática.

3. PRÁTICA PEDAGOGICA COM A LUDICIDADE

Alfabetizar é um procedimento muito amplo que propõe atividades diversifica-


das com intuito de que a criança seja capaz de descobrir como da mesma forma
compreender o processo da aprendizagem, para isso tem que percorrer vários ca-
minhos que contribua para esta descoberta, analisar uma forma que seja encanado-
ra para a criança encontrar o seu mundo, uma vez que a criança que não tenha no-
ção da escrita e da leitura, ou seja, sem conhecer o traço de uma letra consiga cons-
truir diferentes palavras tão complexas presentes na nossa língua.
12

Nos dias de hoje, ouve-se falar muito me relação do lúdico, que é fundamen-
tal para o desenvolvimento físico e mental da criança, além disso, uma ferramenta
pedagógica importantíssima que facilita o trabalho, levando o conhecimento de uma
forma mais significativa.

De acordo com os ensinamentos de Ramos:

Os jogos e as brincadeiras proporcionam as crianças um aprendizado con-


tínuo, a interação com o lúdico proporciona um aprendizado prazeroso dan-
do mais estímulo às crianças, com essas práticas o professo enriquece seu
trabalho didático. Tais práticas vão qualificar suas aulas, possibilitando um
melhor rendimento escolar (RAMOS, 2003, p. 96).

Neste contexto, os jogos e as brincadeiras é uma das melhores formas da cri-


ança de relacionar-se com outras crianças. Portanto, um instrumento para a realiza-
ção de um trabalho satisfatório, propiciando excelentes resultados que beneficiem
tanto o aluno como o professor.

A ludicidade no contexto educacional possibilita meios de aprendizagens,


bem como proporciona que os adultos sejam perceptivos e aprendam com as crian-
ças e suas deficiências. O que vai ajudar de termômetro no desenvolvimento da
aprendizagem e os professores possam planejar e viabilizar novas aprendizagens
seja no controle cognitivo e afetivo através de práticas que promovam aprendizagem
produtiva.

Neste contexto, Pinto & Lima (op. cit.) enfatiza que:

A brincadeira e o jogo são as melhores maneiras de a criança comunicar-se


sendo um instrumento que ela possui para relacionar-se com outras crian-
ças. É através das atividades lúdicas que a criança pode conviver com os
diferentes sentimentos que fazem parte da sua realidade interior. Ela irá aos
poucos se conhecendo melhor e aceitando a existência dos outros, estabe-
lecendo suas relações sociais (PINTO & LIMA, 2003, p. 5).

Partindo deste direcionamento, consta a responsabilidade valiosa do lúdico no


espaço escolar. O trabalho com os jogos e brincadeira aumenta de forma satisfató-
13

ria a aprendizagem dos alunos. No momento em que a criança aprende com prazer,
esta aprendizagem é relevante para a sua vida e ajuda de maneira presente nas su-
as decisões e reflexões.

As atividades lúdicas tornam-se fundamental a partir do instante em que o


educador junto com os educandos torna suas aulas mais dinâmicas. Acredita-se que
o avanço de atividades lúdicas aperfeiçoa o aprendizado mais verdadeiro transpon-
do um espaço maior no desenvolvimento cognitivo da criança.

Apesar de que o lúdico seja de grande importância na prática educativa, con-


tudo é do empenho próprio que o professor irá favorecer no desenvolvimento da
aprendizagem do aluno. A vida impõe que sejam educadores capacitados para brin-
car e serem educadores capazes de aprenderem com suas práticas, pois se sabe
que muitos educadores não colocam no seu planejamento o trabalha com o lúdico.
Lutar a favor do direito de brincar é demonstração de perseverança, toda via muitos
educadores estão mais preocupados com a quantidade e a rendimento da produção
do que com a aprendizagem da criança.

Cabe ao educador usar de atividades lúdicas que estimulem o interesse da


criança ajudando para a construção da compreensão do mesmo, o que no período
da alfabetização muito importante, pois o aluno precisa aprender de maneira praze-
rosa principalmente no desenvolvimento da leitura.

Contudo, ao projetar atividades lúdicas é fundamental que o educador consi-


ga compreender que quando brinca a criança, ela experimenta, descobre, inventa,
aprende e atribuem habilidades, além disso, desenvolver atribuições, incentivar a
autoconfiança e a autonomia, proporcionar o desenvolvimento da fala, do raciocínio,
da atenção e disposição que são essenciais ao bom desempenho da criança na vida
e na escola.

Diante do pensamento de Freire (1996), sobre o papel do educador, o mesmo


afirma que:

O educador precisa refletir sobre sua prática pedagógica, mostrando a im-


portância da ética, do compromisso, do prazer em lecionar, do acreditar da
seriedade e da humildade. [...] o professor precisa ser criador, ousado curi-
oso, persistente, flexível, aceitar o novo, promover a mudança, mas sem
14

perder a humildade. Precisa, sobretudo, ser um bom pesquisador, já que


não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino (FREIRE, 1996, p. 74).

Entretanto, o professor precisa está desperto da grande responsabilidade que


esta em suas mãos, do compromisso que abraçou em conceber situações para que
o aluno sinta-se animado, crie estratégias que auxilie o aprendizado do aluno, bus-
cando meios que possam minimizar a rotina em sala de aula.

O professor deve sempre estar ligado para a prática lúdica e perfeiçoar uma
contextualização para as brincadeiras. Mediante a observação do brincar, os educa-
dores são capazes de entender a deficiência de cada criança, e sua condição de
desenvolvimento, de organização e, de agora em diante, de planejar ações pedagó-
gicas significativas.

Neste contexto, o lúdico é considerado um ingrediente essencial para que o


processo de ensino/aprendizagem seja capaz de vencer os casulosos métodos da
descoberta, do conteúdo concluído, pronto e repetitivo, que faz com que a educação
fique chata, sem vida e sem gosto, assim, um dos meios de fazer com que a criança
estimule sua curiosidade, prazer em aprender e descubra seu potencial é a desco-
berta lúdica que poderá ser aplicada junto com a leitura usando recursos lúdicos
como brinquedos, jogos, brincadeiras.

Portanto o lúdico é um processo metodológico pelo auxilio no qual o educador


pode conhecer o aluno e a realidade do grupo, suas necessidades, dificuldades, es-
tados de espírito e sua conduta em geral. As práticas pedagógicas deve possibilitar
um ambiente prazeroso, acolhedor, criando um local de integração, onde serão vi-
venciadas diversas situações em torno de um aprimoramento voltado ao ensino/
aprendizagem, fazendo um paralelo entre a escrita e a leitura, na busca de preparar
cidadãos leitores e conscientes.

4. A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMETO DA LEITU-


RA DE CRIANÇA NAS SERIES INICIAIS
15

A leitura é uma das principais ferramentas fundamental para que o ser huma-
no compreenda exercer cidadania, promove o fortalecimento de ideias e comporta-
mentos, possibilita evoluir conhecimentos, permitindo a melhoria de quem lê a con-
dições mais elevadas de desempenho cognitivo. Segundo Rangel (1990, p. 70), “ler
é uma pratica básica, essencial para aprender. Nada substitui a leitura, mesmo nu-
ma época de proliferação dos recursos audiovisuais e da Informática”.

É através da leitura que o individuo pode enriquecer o vocabulário, estimular o


raciocínio e a compreensão, despertar para o mundo real e para a identificação do
outro ser.

A ludicidade, no entanto é uma necessidade de todo ser humano e em qual-


quer etapa de sua vida e não pode ser entendida somente como uma diversão. O
desenvolvimento na concepção lúdica favorece a aprendizagem, no desenvolvimen-
to intelectual, social e cultural contribuindo para uma boa saúde mental e promove
para um estado interior fértil, de maneira que auxilia os processos de socialização,
interação, expressão e construção do conhecimento, o que é de grande importância
para a formação do indivíduo.

Vygotsky afirma que:

De uma forma geral o lúdico vem a influenciar no desenvolvimento da crian-


ça, e é através do jogo que a criança aprende a agir, há um estímulo da cu-
riosidade, acriança adquire iniciativa e demonstra autoconfiança, proporcio-
na o desenvolvimento da linguagem, do pensamento e da concentração.
(VIGOTSKY, 1994, p. 81)

Neste contexto o lúdico é uma ferramenta indispensável que auxilia no de-


senvolvimento da linguagem e da leitura. O ato de jogar nada mais é que a constru-
ção do conhecimento aliada ao prazer.

A criança, no momento que entra em contato com o livro, encontra um espaço


cheio de possibilidades lúdicas. O livro infantil não é diferente do que é atribuído ao
adulto no que diz respeito à formação literária. É através das histórias que a criança
viaja e conhece lugares por meio do mundo imaginário, descobrir e conhecer vários
16

personagens. Ao ler e se descobrir em cada um dos protagonistas podem sentir di-


versas emoções.

Esse universo da magia, da fantasia, do real e do descobrimento, pode pro-


porcionar ao aluno um encanto maior pela a leitura, interpretação, compreensão e
produção de textos, além disso, contribuir com o crescimento da aptidão da compre-
ensão e comunicação.

A leitura é uma arte, atitude humana diante da realidade e do mundo, traba-


lhando extensão do sonho, da fantasia, da utopia, durante um sentimento que vibra,
cria e recria traços de ser e de sobreviver. A leitura possibilita, ainda, que as crian-
ças sejam capazes de desenvolver sua criatividade, pois, a prática de ler e de es-
crever está profundamente ligada.

Segundo Rangel:

Esse aprendizado pode, e deve, ser lúdico, prazeroso, mas precisa estar
calcado no desenvolvimento desse conhecimento específico. Todos os dias
a criança deverá aprender alguma coisa, nem que seja o nome de uma letra
e seu reconhecimento, mas nenhum dia pode passar ao largo da aprendi-
zagem da leitura e da escrita. (RANGEL, 2008, p.12)

A importância da leitura através da ludicidade, da ação do brincar, para o de-


senvolvimento infantil encontra-se no fato de esta prática contribui na modificação da
relação da criança com os objetos, uma vez que estes perdem sua força determina-
dora na brincadeira. O aprendizado ocorre de maneira continuada e evolutiva e re-
quer instrumentos que proporcionem seu desenvolvimento, ao mesmo tempo enten-
dendo que a criança precisa de tempo para brincar.

Ainda de acordo com GOES (1990, p. 16) “A leitura para a criança não é co-
mo às vezes se ouve, meio de evasão ou apenas compensação. É um modo de re-
presentação real. Através de um “fingimento”, o leitor reage, reavalia, experimenta
as próprias emoções e reações”.

Sendo assim, para que a escola seja capaz de favorecer a prática de leitura, é
preciso disponibilizar aos alunos uma agradável biblioteca que desfrute de uma vari-
edade de livros inclusive de outros recursos de leitura. Para isso precisam organizar
17

rodas de leitura, permitindo a participação tanto dos professores quanto das crian-
ças, fazendo com que os mesmos discorram seus pontos de vista.

De acordo com Cunha:

Por sua vez, coloca que “brincando a criança experimenta, descobre, inven-
ta, exercita e confere suas habilidades”. Acrescenta ainda que brincar é um
dom natural que contribuirá no futuro para o equilíbrio do adulto, pois o ato
de brincar é indispensável à saúde física, emocional e intelectual da criança.
(CUNHA 1998, p.9, grifo do autor).

Portanto, a leitura através da ludicidade, jogos e brincadeiras, auxiliam na


aprendizagem escolar, pois a mesma possibilita não apenas o crescimento nos as-
pectos emocional, social, cognitivo, afetivo e humano, como direciona valores, tor-
nando-a prazerosa e eficiente para a criança.

Segundo Rangel:

O aprender a ler através do lúdico é uma alternativa plausível que desperta-


rá na criança o prazer de ler de forma prazerosa, fugindo da ideia de leitura
como obrigatoriedade passando desse paradigma para um modelo evolutivo
que priorize a leitura como obrigatoriedade agradável com estímulos deter-
minantes para que tenhamos futuros leitores que domine habilidades de lin-
guagem, concentração, atenção tornando esse ato prazeroso. (RANGEL,
2007, p.9)

Mediante afirmação de Rangel, a leitura é papel fundamental de um processo


cognitivo da criança, não sendo um trabalho obrigatório e sim prazeroso, pois a prá-
tica da leitura é uma atividade muito importante para a humanidade, uma vez que
ela permite compreensão do mundo do um modo agradável. A leitura trabalhada
com recursos lúdica envolve, assim, a atenção das crianças despertando-a a criati-
vidade, imaginação, fantasia, desde os primeiros anos da Educação Infantil até o
mundo adulto.
18

É notório que a prática da ludicidade, traz um grande auxílio muito significati-


vo para o desenvolvimento leitura, envolvendo-a por meio de jogos e as brincadei-
ras. Dessa forma, o lúdico ajuda na prática pedagógica oportunizando possibilidades
de interagir com as crianças, de tal maneira que possa contribuir no desenvolvimen-
to da leitura e da sua aprendizagem.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Despertar o interesse e a prática pela leitura é um processo continuo que co-


meça muito cedo, com a família, aprimora-se na escola e segue pela vida inteira.
Existem diversos elementos que desperta o gosto pela leitura.

Desta forma, não é possível discutir sobre a leitura sem analisar o que real-
mente ela desperta na criança: a emoção do ouvir, do sentir, refletir, do olhar para o
mundo com mais encantador. Vivenciando um momento de pura magia. A leitura por
sua vez, produz as mais variadas sensações, e principalmente o prazer em ouvir
uma bela história, que faz por alguns momentos viajar no mundo imaginário, fantás-
tico, irreal, onde tudo pode ser possível.

A partir deste estudo, pôde-se compreender que as atividades lúdicas como


proposta de trabalho na construção do desenvolvimento da leitura das crianças nas
series iniciais é de suma importância. Nota-se, que com esse tipo de proposta o pro-
fessor pode proporcionar à criança, uma interação ativa com os ambientes: escolar,
familiar e social aumentando suas potencialidades no momento da construção da
sua aprendizagem, tornando mais prazerosa.

Neste sentido, é possível perceber que o trabalho com atividades lúdicas pro-
porciona ao professor um trabalho que desperte o gosto dos alunos para com a leitu-
ra, abrindo espaços para o diálogo e a reflexão, partindo sempre do que é real, para
que as crianças se sintam compreendidas, respeitada e amadas.

Diante de tudo isso pode afirmar que não há como ausentar o lúdico do pro-
cesso pedagógico, pois é uma ferramenta de um espaço motivador e de real signifi-
19

cado para o processo do ensino/ aprendizagem das crianças nas sereis inicias. Ao
separar a criança do ambiente lúdico está automaticamente desprezando seus pró-
prios conhecimentos, uma vez que, quando a criança entra no espaço escolar ela já
tem muitas experiências que lhes dadas proporcionadas por meio das brincadeiras e
dos jogos.

Portanto o lúdico revelou-se um importante recurso para ampliar o desenvol-


vimento da leitura, a aprendizagem de princípios, além do mais, melhora a condição
de letramento, em vista disso é fundamental que os professores de educação infantil
assumam para si o papel de incentivador do hábito de ler.

6. REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação Lúdica. São Paulo: Loyola, 1994.

ANTUNES, C. Jogos para a estimulação das múltiplas inteligências: os jogos e


os parâmetros curriculares nacionais. Campinas: Papirus, 2005.

CARNEIRO, M. A. B. Aprendendo através da brincadeira. Ande, Revista da Asso-


ciação Nacional de Educação, ao 13, nº 21, Cortez Editores, 1995.

CUNHA, N.H.S. Brinquedo, desafio e descoberta. Rio de Janeiro: FAE, 1998.

________. Brinquedo, Linguagem e Alfabetização. Petrópolis RJ. Ed, Vozes,


2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Saberes Necessários a Prática Educa-


tiva. São Paulo. Ed. Paz e Terra, 1996.

GÓES, Lucia Pimentel. A aventura da Literatura para crianças. São Paulo: Melho-
ramentos, 1990.
20

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cor-


tês, 1999.

MARCONI, M. De A; LAKATOS, E. M. Metodologia do Trabalho Científico. 5ª


edição. Revista Ampl. Atlas – São Paulo. 2001.

MARTINS, G. A. Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. 2 ed. São Paulo:


Atlas, 2008.

PIAGET, Jean (1932). O juízo moral na criança. São Paulo: Summus, 1994.

PINTO, Gerusa Rodrigues; LIMA, Regina Célia Villaça. O desenvolvimento da Cri-


ança. 6. Ed. Belo Horizonte: FAPI, 2003.

PINTO, L. M.S. de M. Educação física: dos jogos e do prazer. Presença Pedagó-


gica, Belo Horizonte, v.1, n.4, P.42, Ju.l./Ago. 2004.

RAMOS, José Ricardo da Silva. Dinâmicas, Brincadeiras e Jogos Educativos. Rio


de Janeiro. Ed. DP & A, 2003.

RANGEL, Mary. Dinâmicas de leitura para sala de aula. Rio de Janeiro. Vozes, 1990

________, Mary. Dinâmicas de leituras para sala de aula.21.Ed.- Petrópo-


lis.RJ;vozes,2007.

RANGEL. Annamaria Píffero. Alfabetizar aos seis anos. Porto Alegre: Editora Medi-
ação, 2008.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente, São Paulo: Martins Fontes, 1987.

________, Lev Semenovich. A formação social da mente: O desenvolvimento


Dos processos psicológicos superiores. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

Você também pode gostar