Você está na página 1de 16

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/269826125

Semiologia farmacêutica e os desafios para sua consolidação

Article  in  Revista Eletrônica de Farmácia · July 2014


DOI: 10.5216/ref.v11i2.28157

CITATIONS READS

3 5,511

3 authors:

Tahisa Marcela Pedroso Patricia De Carvalho Mastroianni


Universidade Estadual Paulista UNESP Ararquara São Paulo State University
9 PUBLICATIONS   89 CITATIONS    98 PUBLICATIONS   707 CITATIONS   

SEE PROFILE SEE PROFILE

Jean Leandro Dos Santos


São Paulo State University
123 PUBLICATIONS   1,307 CITATIONS   

SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Assistência Farmacêutica View project

Pharmaceutical care in Brazil View project

All content following this page was uploaded by Tahisa Marcela Pedroso on 01 September 2016.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2), 55–69, 2014.

SEMIOLOGIA FARMACÊUTICA E OS DESAFIOS


PARA SUA CONSOLIDAÇÃO
PHARMACEUTICAL SEMIOLOGY AND CHALLENGES TO ITS
CONSOLIDATION

SEMIOLOGÍA FARMACÉUTICA Y RETOS PARA SU CONSOLIDACIÓN

RESUMO: A semiologia farmacêutica pode ser entendida como a identificação de


sinais e sintomas, principalmente aqueles relacionados aos transtornos/distúrbios
menores relatados pelo paciente. Essa prática profissional não deve ser confundida
com diagnóstico, que é uma atividade realizada pelo médico, mas como uma nova
ferramenta na dispensação ativa de medicamentos de venda livre. Este estudo visa
identificar o desenvolvimento dessa prática profissional e discutir os desafios
necessários à sua implementação.
PALAVRAS-CHAVE: Semiologia farmacêutica; Doenças menores; Prescrição
farmacêutica; Automedicação orientada; Medicamentos isentos de prescrição.

ABSTRACT: Pharmaceutical semiology can be comprehended as the identification


of signs and symptoms, especially those related to minor disturbances/disorders
reported by the patients. This practice should not be confused with diagnosis, which
is an activity performed by the doctor, but as a new tool in the active dispensing of
prescription drugs. This study aims to identify the development of this practice and
discuss the challenges required for its implementation.
KEYWORDS: Semiology pharmaceutical; Minor illnesses; Prescription
pharmaceuticals; Oriented self-medication; Over the counter medicine.

RESUMÉN: La semiología farmacéutica puede ser entendida como la identificación


de los signos y síntomas, en especial los relacionados con los trastornos /
alteraciones menores reportados por el paciente. Esta práctica profesional no debe
ser confundido con el diagnóstico, que es una actividad realizada por el médico,
sino como una nueva herramienta de dispensación en los medicamentos de venta
libre. Este estudio tiene como objetivo identificar el desarrollo de esta práctica
profesional y discutir los retos necesarios para su aplicación.
PALABRAS CLAVE: Semiología farmacêuticos; Enfermedades menores;
Medicamentos con receta; Orientada a la automedicación; Medicamentos de venta
libre.

Tahisa Marcela Pedroso, Patrícia de Carvalho Mastroianni, Jean Leandro


dos Santos.

Recebido em 04/02/2014, Aceito em 29/04/2014.


PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.

INTRODUÇÃO para incentivar o auto-cuidado,


De acordo com a Organização incluindo o aconselhamento aos
Mundial de Saúde - OMS, muitos são usuários e, quando apropriado, a
os fatores que desencadeiam o uso indicação de tratamentos
irracional de medicamentos, entre medicamentosos, para aliviar
eles a carência de conhecimento do desconfortos e enfermidades leves. O
usuário e o acesso de muitos farmacêutico deve estar atento ao
medicamentos que não necessitam de histórico médico do usuário para
receita médica, permitindo o uso de dispensar medicamentos seguros,
medicamentos desnecessários e eficazes e de qualidade em
propiciando uma terapêutica colaboração com os outros
(1) (4)
duvidosa . Grande parte da profissionais .
população por não dispor de A Associação Mundial de Médicos
assistência médica com facilidade da Família (WONCA) entende que, um
recorre à automedicação, buscando problema de saúde, é qualquer
nas farmácias a resolução para os queixa, observação ou fato que o
seus sintomas mais comuns. No paciente ou o profissional percebam
entanto a automedicação quando feita como um desvio da normalidade e
sem a orientação adequada de um que possa afetar a capacidade
profissional da saúde pode provocar funcional do paciente. O farmacêutico
agravos que seriam minimizados com é o profissional capaz de identificar,
a implantação de dispensação ativa, resolver e prevenir potenciais
onde o usuário recebe orientação problemas relacionados a
farmacêutica adequada quanto ao uso medicamentos (PRMs) com o uso
seguro dos medicamentos, como racional de medicamentos e possíveis
indicação e forma correta de intervenções, em um plano
administração, os benefícios e riscos terapêutico efetivo e seguro, através
de sua utilização minimizando assim, da educação do paciente frente aos
o ônus sócio econômico nos diferentes medicamentos(5). Estes recursos
níveis de atenção à saúde com permitem otimizar a terapia
atendimentos devido a agravamentos medicamentosa, promovendo o bem
(2-3)
a saúde . estar e são capazes de reduzir PRMs
No ano de 1992, o International melhorando a qualidade de vida dos
Pharmaceutical Federation (FIP) usuários(6).
elaborou um documento para A semiologia farmacêutica é a
padronizar as Boas Práticas de aplicação dos conhecimentos
Farmácia, que abrange atividades previamente adquiridos, no qual o
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


farmacêutico como profissional da também foi investigada e relatada
saúde utiliza a fim de resolver neste estudo.
distúrbios menores relacionados à
farmacoterapia. Os sinais e sintomas METODOLOGIA
referidos pelo paciente devem ser Foi realizada uma busca nas
observados a fim de esclarecer a bases de dados: Bireme, Embase,
natureza da doença e traçar os Lilacs, Medline/PubMed, Periódicos
planos terapêuticos conjuntos com o Capes, Scopus, ScienceDirect, Scielo e
(7-
paciente e com a equipe de saúde SciFinder, utilizando-se os seguintes
8)
. Os sinais podem ser percebidos e descritores científicos em saúde:
quantificados, enquanto que os "Community pharmacy services",
sintomas são percepções humanas e “Clinical interview”, “Clinical
dependem do relato do paciente. A pharmacist”, “Drugstore”, “Minor
prática da semiologia farmacêutica é illnesses”, “Nonprescription drugs”,
ainda pouco conhecida entre os “Over-the-counter”, “Pharmaceutical
profissionais de saúde por isso, é care”, “Pharmaceutical semiology”,
necessário agregar conhecimentos “Pharmaceutical services”,
ao currículo do farmacêutico, “Pharmacist counseling”, “Primary
inserindo desde a graduação a care”, “Self-medication”, “Signs and
importância de prestar cuidados de Symptoms”. Uma pré-análise dos
saúde à sociedade, para que possam artigos foi realizada a fim de
assim, implantá-la de forma identificar estudos de semiologia
(9)
segura . farmacêutica em diferentes países,
Em vista da importância da incluindo Brasi.
semiologia farmacêutica e de seu . Foram considerados elegíveis
pouco conhecimento e aplicação, foi para o estudo os manuscritos
realizada uma revisão, com o originais, redigidos em português,
objetivo de identificar estudos de inglês ou espanhol, disponíveis com
semiologia farmacêutica em texto completo, que correlacionavam
diferentes países, incluindo Brasil. à ação farmacêutica com sinais e
Os principais sinais e sintomas, que sintomas e/ou que avaliaram os
incentivam os usuários de serviços farmacêuticos realizados em
medicamentos a procurarem as farmácias e drogarias. Excluíram-se
farmácias para indicação de da pesquisa os artigos de revisão,
medicamentos para o tratamento pesquisas realizadas com pacientes
dos distúrbios referidos e a simulados, trabalhos qualitativos, os
automedicação responsável no editoriais, cartas ao leitor, resumos
tratamento de distúrbios menores apresentados de anais de congressos
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


e resultados de dissertação de sintomas reconhecidos, pelo próprio
mestrado ou tese de doutorado. O individuo, e se difere da
período para a busca de evidências automedicação responsável, pois
decorreu de 1900 a 2014. nesta, há o consumo de fármacos de
venda livre aprovados, que quando
RESULTADOS usados como indicados são
(6)
Um movimento de incentivo à considerados seguros e eficazes .
Semiologia Farmacêutica nas A automedicação quando
instalação de cuidados primários para realizada de maneira responsável, é
atender a população capaz de se necessária para complementar as
“autocuidar” tem sido observado, essa funções dos sistemas de saúde,
mudança vem sendo apoiada por particularmente para os países em
muitos países, para manter desenvolvimento(12). Em 1986, a
capacidade produtiva da população, Organização Mundial de Saúde já
melhorar a qualidade de vida e publicava diretrizes para a avaliação
diminuir os custos com os cuidados de dos medicamentos que poderiam ser
saúde, permitindo que os profissionais empregados na automedicação, os
de saúde possam se concentrar em quais devem ser eficazes, confiáveis,
problemas mais graves(10-11). Os seguros e de emprego fácil e
(13)
termos “auto-cuidado” e cômodo . Com a expansão de
“automedicação responsável” estão medicamentos disponíveis sem receita
intimamente relacionados à médica, o farmacêutico assume um
semiologia farmacêutica. Em 1998 a papel fundamental no
Organização Mundial da Saúde – OMS aconselhamento ao paciente. Em
no documento “The role of pharmacist muitos casos os pacientes são
in self care and self medication” capazes de tomar decisões em relação
ressalta a importância do a sua própria saúde, se este dispor de
farmacêutico na atenção primaria, orientação especializada. Muitas
auxiliando os pacientes na tomada de pessoas querem liberdade para
decisão por meio da orientação. Neste escolher os seus medicamentos e
documento o autocuidado é definido cabe aos farmacêuticos orientá-los
como, o que as pessoas fazem por si para que elas façam a melhor opção
mesmas para manter a saúde e baseadas nas informações e conselhos
prevenir as doenças. Nestas referidos pelo farmacêutico(11).
circunstâncias engloba a A anamnese realizada pelo
automedicação, que por sua vez é a farmacêutico é essencial na prevenção
seleção e uso de medicamentos para de doenças primárias, no tratamento
tratamento de enfermidades ou de doenças agudas de rotina e na
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


questão de doenças crônicas, para mas com uso acompanhado por
isso é necessário alcançar uma outros profissionais da saúde a
relação fidedigna com o paciente. Este exemplo dos farmacêuticos(16).
é o principal veículo de informações A política do governo do Reino
sobre o seu estado de saúde e, Unido destaca o papel das farmácias
portanto, representa a principal comunitárias no apoio seguro e eficaz
ferramenta utilizada para identificar de auto-cuidado, elas fornecem
os sinais e sintomas apresentados e conselhos de saúde em geral e
correlacioná-los com possíveis informações específicas sobre os
enfermidades(14-15). medicamentos isentos de prescrição.
Um estudo realizado na Estónia Na Escócia a implantação de um
definiu a “doença menor” como um serviço de atendimento a doenças
autocuidado que requer uma tomada menores nas farmácias comunitárias
de decisão, um processo que envolve tem sido reforçada, permitindo que
a auto-observação, percepção dos estes pacientes sejam tratados
(10)
sintomas e julgamento da gravidade diretamente na farmácia . As
para a escolha de um campanhas farmacêutica como,
(11,16)
tratamento . As doenças menores “Escolha o remédio certo” e “pergunte
são autocondições limitantes que ao seu farmacêutico”, foram
requerem pouca ou nenhuma implementadas para encorajar os
intervenção médica, tais como: pacientes a solicitar orientações aos
resfriados, tosses e indigestão, que farmacêuticos. Este foi apenas um
podem ser tratadas com primeiro passo em uma ampla gama
medicamentos isentos de prescrição de serviços prestados por esses
(MIP). Apesar de serem considerados profissionais, incluindo assistência em
relativamente seguros, muitos MIPs doenças menores. Novas legislações
também são conhecidos por conter foram então criadas para permitir que
agentes farmacológicos com potencial os farmacêuticos, (bem como outros
para causar reações adversas e profissionais de saúde) possam
interações medicamentosas, por isso prescrever certos medicamentos para
a sua utilização exige o mesmo grau suprir a atenção primaria, baseando-
de cuidado que os medicamentos se sempre em protocolos rígidos, tais
vendidos sob prescrição médica. No protocolos foram introduzidos pelo
Reino Unido as estatísticas de governo do Reino Unido em agosto de
morbidade sugerem que mais de 40% 2000(17).
das consultas ao clínico geral são para Em 2004, foi realizado um
doenças menores que poderiam ser trabalho com refugiados asilados no
tratados sem aconselhamento médico, sul de Londres, que por estarem
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


afastados da atenção basica de saúde dermatológicos, produtos
recebiam “tickets” que lhes permitiam oftalmológicos, higiene oral, laxantes,
ter uma consulta com farmacêutico e correlatos para primeiro socorros,
troca-los por medicamentos isentos contraceptivos e produtos de saúde
de prescrição (MIPs) gratuitamente, da mulher(19).
para tratar de suas doenças menores. Para a consolidação da
Este estudo fez um levantamento das semiologia farmacêutica se faz
doenças mais frequentes nessa região necessário que o farmacêutico esteja
e os fármacos mais dispensados para em constante atualização para
essas enfermidades. Indica que é adquirir informações sobre estes
possivel tratar as “doenças menores” produtos em fontes confiáveis, a fim
com os fármacos de venda livre, de ajudar os pacientes a tomar
evitando consultas médicas decisões seguras sobre suas compras
desnecessaria. É importante de MIPs(19). Sabe-se que no Reino
considerar que uma pequena parcela Unido alguns farmacêuticos já estão
desses individuos foram oferecendo serviços adicionais, como
encaminhados para unidade conselho pró ativo de promoção da
(18)
médica . saúde, serviços de informações nas
Em 2007, uma revista farmácias ou consultas com pacientes
americana já apontava uma tendência individuais(20). Os MIP’s devem ser
crescente para as consultas seguros e efetivos, trazendo
farmacêuticas e recomendações de benefícios a sociedade quando usado
MIPs nos cuidados de saúde, pois o de forma adequada pela
farmacêutico é a pessoa mais próxima automedicação responsável, uma vez
ao paciente para aconselhá-lo. Neste que em busca de qualidade de vida da
mesmo período uma pesquisa nos população consegue tratar suas
Estados Unidos confirmou que muitos pequenas enfermidades com
farmacêuticos já estavam oferecendo praticidade e ainda acarreta
este valioso serviço profissional. A diminuição de custos para o individuo
pesquisa apontou que produtos e para o sistema de saúde(21).
isentos de prescrição mais Em 2009, um levantamento
recomendados por farmacêuticos são realizado pelo “Guía Terapéutica en
os medicamentos para tosse e Atención Primaria Basada en la
resfriado, analgésicos, anti- Selección Razonada del
inflamatórios, agentes Medicamento”, reassaltou a
gastrointestinal, antiácidos, importância da escolha na seleção dos
suplementos nutricionais e vitaminas, medicamentos, pois novos fármacos
antifúngicos, medicamentos são lançados a cada dia e milhares de
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


artigos com ensaios clínicos é reembolsado pelo custo da
estatisticamente significativos são medicação como uma taxa de serviço.
publicados todos os anos. A O programa tem sido benéfico para
elaboração de um método de reduzir a carga de trabalho dos
prescrição fundamentado no uso médicos em tratamento de doenças
racional de medicamentos, de forma a menores e minimizar os custos
ordenar as ideias e direcionar os associados com visitas desnecessárias
farmacêuticos à tomada de decisões ao médico. Em Nottingham, para
(22)
vem sendo aconselhado pela OMS . melhorar o acesso aos medicamentos
Um estudo realizado no norte da foi implantado um esquema para
Índia observou que muitos atender doenças menores “Pharmacy
medicamentos que só podem ser First Minor Ailments Scheme (PFS)”,
comprados com receita médica em em dezembro de 2003, onde as
países desenvolvidos são pessoas inscritas no programa
considerados medicamentos isentos “Primary Care Trust” (PCT) receberam
de prescrição nos países em gratuitamente as medicações para
desenvolvimento(23). Na Finlandia os atenção primária(24).
pacientes tem facil acesso aos Na Austrália a prescrição
medicamentos isentos de prescrição, farmacêutica se restringe aos
em farmácias comunitárias, para medicamentos isentos de prescrição.
tratar suas doenças menores. Desde Estudos realizados em 2011 para
1983, a Lei de Medicamentos da explorar as questões da ampliação
Finlândia nº 395, § 5 º, 895/96, da prescrição farmacêutica, concluiu
delega aos farmacêuticos a oferecer que do ponto de vista dos
“aconselhamento farmacêutico”, farmacêuticos e pacientes a
sendo sua responsabilidade na prescrição farmacêutica deveria ser
prestação de terapia medicamentosa, ampliada para beneficiar a
para alcançar resultados concretos população(25). Os farmacêuticos
que melhorem a qualidade de vida do interagem com 80% dos usuários de
paciente, assegurando que o mesmo sistema de saúde paliativos, sendo
compreendeu as instruções e eles pacientes ou acompanhantes, o
(2)
advertências de sua medicação . constante aprendizado do
No Canadá a campanha “drug- farmacêutico é essencial para
benefit program” permite que os garantir um atendimento correto e
membros das Forças Armadas adequado ao paciente. Para isso,
canadenses recebam medicamentos sistemas computadorizados, são
de venda livre nas farmácias sem elaborados para fornecer
consultar um médico e o farmacêutico informações sobre determinadas
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


patologias auxiliando assim o “Boas Práticas de Farmácia”,
profissional farmacêutico(25). A sequencialmente na Resolução
interveção farmacêutica deve ser Brasileira - RDC nº 138/2003, os
realizada em colaboração com o farmacêuticos encontram uma lista de
médico, pois é dele o papel Grupos e Indicação Terapêuticas
fundamental no diagnóstico(25). Especificadas – GITE, esses fármacos
Dois estudos realizados na podem ser vendidos sem prescrição
Austrália e na Suíça, indicou que os médica. Logo, todos os medicamentos
farmacêuticos recebem treinamentos cujos grupos terapêuticos e indicações
para aconselhar e orientar os terapêuticas não estão descritos no
usuários de medicamentos quanto GITE são de venda sob prescrição
ao uso seguro e correto, médica. A resolução nº 499/2008, do
promovendo a automedicação Conselho Federal de Farmácia que
(26-28)
responsável . Mas na realidade dispõe sobre a prestação de serviços
os pacientes se automedicam para farmacêuticos, em farmácias e
diversos sintomas e muitas vezes as drogarias, e dá outras providências,
indicações para a escolha do bem como a Resolução nº 44, de 17
medicamento advêm de familiares, de agosto de 2009 que dispõe sobre
amigos e tratamentos prévios, sendo Boas Práticas Farmacêuticas para o
que, a participação do farmacêutico controle sanitário do funcionamento,
no processo da automedicação é da dispensação e da comercialização
verificada em apenas alguns de produtos e da prestação de
(17,30-31)
casos . serviços farmacêuticos em farmácias
Em 2012 um estudo e drogarias e dá outras providências,
(32)
apresentado por Fletcher e são documentos que auxiliam o
colaboradores demonstrou que a farmacêutico para melhor orientar o
intervenção do farmacêutico e paciente frente à tomada de decisões
profissionais de enfermagem na ao escolher um tratamento,
avaliação e otimização do uso de procurando padronizar os tipos de
fármacos, alcançou melhorias medicamentos usados como primeira
terapêuticas, e o aconselhamento escolha para as doenças consideradas
fornecido por profissionais da saúde de transtornos menores,
em relação ao uso correto e seguro de especialmente na atenção primária à
fármacos contribui significativamente saúde(32-36).
para a redução das taxas de Ações educativas para todos os
morbidade e mortalidade. farmacêuticos são desenvolvidos pelo
No Brasil a RDC n.º 357/2001 Conselho Federal de Farmácia sendo a
aprova o regulamento técnico das maioria oferecida gratuitamente como
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


os cursos de educação continuada, fidelizará os clientes e
disponibilizados em Fascículos consequentemente haverá um maior
“Farmácia Estabelecimento de retorno financeiro aos proprietários.
Saúde", que tratam de temas técnicos
de interesse da profissão DISCUSSÃO
farmacêutica. Cursos presenciais são A análise deste trabalho
periodicamente realizados nas sedes corrobora a idéia de que existe um
dos conselhos regionais de farmácia movimento de mobilização mundial,
em diferentes regiões do país, o no sentido de capacitação do
farmacêutico também pode optar por farmacêutico para o tratamento de
assistir via internet cursos, palestras e doenças menores, considerando esse
seminários realizados fora de sua fato como um avanço necessário para
localidade. No Brasil, recentemente beneficiar a população e diminuir
aprovada, a resolução do Conselho custos atrelados a forma convencional
Federal de Farmácia – CFF nº 585 de de atendimento, que se mostra menos
29 de agosto de 2013 e nº 586 de 29 eficiente do ponto de vista econômico.
de Agosto de 2013 vem regulamentar Em alguns países, os farmacêuticos já
as atribuições clínicas do têm autonomia prescritiva para
farmacêutico, bem como, implantar e auxiliar os pacientes que buscam nas
regulamentar a prescrição farmácias os medicamentos isentos de
farmacêutica. Este documento prescrição médica, desencadeando o
autoriza os farmacêuticos a tratamento imediato de seus sinais e
prescreverem medicamentos e outros sintomas prevenindo assim uma
produtos com finalidade terapêutica, possível piora do seu quadro clínico. O
cuja dispensação não exija prescrição farmacêutico desempenha a função de
médica, para o tratamento dos acompanhamento, orientando e
(37-38)
transtornos menores . No inicio verificando adesão do tratamento dos
de 2014 campanhas comemorativas usuários. Nos casos de grupos de
ao dia nacional do farmacêutico (20 risco e doenças de maior
de Janeiro) foram veiculadas em rede complexidade, os pacientes são
nacional tendo como tema: "Onde encaminhados às especialidades
tem medicamento tem que ter médicas. Em 2011, o Canadá aderiu a
farmacêutico" com o intuito de este modelo, de forma que os
conscientizar a população da farmacêuticos daquele país passaram
importância deste profissional para a a gozar de maior grau de autonomia
sociedade. Ressalta-se considerar que prescritiva. Mas um estudo conduzido
a prestação de serviços farmacêuticos por Awad e colaboradores(39) verificou
com qualidade possivelmente que aproximadamente 75% dos
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


farmacêuticos relataram que há prestado nas farmácias e drogarias é
necessidade de maior aprendizado em a dispensação de medicamentos,
como promover a saúde em farmácias sendo a qualidade dessa prática
e drogarias e a falta de tempo é o considerada abaixo do padrão, uma
principal fator que dificulta a vez que os afazeres técnicos toma
promoção da saúde no nível primário grande parte da sua carga horária de
de atenção. trabalho e acabam não fazendo a sua
No Brasil, o farmacêutico ainda real função que é exercer os seus
não tem atuação destacada no conhecimentos sobre medicamentos e
acompanhamento da utilização de assim auxiliar na promoção da
(40
medicamentos, na prevenção e saúde . Esta omissão pode resultar
promoção da saúde, e é pouco em agravos à saúde dos usuários de
reconhecido como profissional de medicamentos.
saúde tanto pela sociedade quanto Embora estejamos muito aquém
pela equipe de saúde. Observa-se dos níveis atingidos por países
uma postura passiva dos europeus, Estados Unidos e Canadá, é
farmacêuticos perante o principal possível verificar que existe um
serviço que deveria ser oferecido nas grande interesse brasileiro, tanto da
farmácias, à orientação quanto ao uso comunidade acadêmica, como do
correto e seguro, contribuindo para o Conselho Federal de Farmácia – CFF
uso racional de medicamentos, desse País, no sentido de viabilizar as
prevenindo agravos à saúde do possibilidades para a implementação
paciente e a sobrecarga das dessa prática. Ressaltam-se neste
instituições de saúde. Ademais, debate as dificuldades encontradas,
fomenta o questionamento do ato de relativas à qualificação dos
dispensação ter sido delegado aos profissionais, devido à falta de
balconistas, cujo conhecimento conteúdos curriculares relacionados à
técnico é restrito, pelo fato do nível de semiologia farmacêutica e
escolaridade destes atendentes farmacoterapia nos cursos de
abrangerem muitas vezes apenas o graduação e pós-graduação. Essas
ensino médio. Portanto, a ação do estratégias de aprendizagem ampliam
farmacêutico como promotor da saúde a capacitação para atuação dos
e do auto-cuidado e, principalmente, profissionais farmacêuticos. No Brasil,
de educador em relação ao uso a inclusão de disciplinas de
seguro do medicamento, deixa a Semiologia Farmacêutica, Atenção
desejar devido à demanda de Farmacêutica e Farmacovigilância é
trabalhos burocráticos nas drogarias, recente em algumas universidades do
de modo geral, o principal serviço país, para promover a capacitação e
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


habilitação desses profissionais, mas decisão terapêutica do medicamento
há poucos profissionais aptos a isento de prescrição (MIP) mais
desenvolverem a atividades clínicas, e efetivo e seguro. A seleção adequada
específicas para o tratamento de do MIP, sob responsabilidade
determinados sinais e sintomas. farmacêutica, tem como finalidade a
Com esta formação, o promoção da saúde e prevenção de
farmacêutico poderá colocar em problemas relacionados com uso de
prática a semiologia farmacêutica, medicamentos. A semiologia
como um segmento dentro da atenção farmacêutica vem sendo encorajada
farmacêutica, que busca através dos em diferentes países, entretanto,
sinais e sintomas dos pacientes desafios à sua implementação ainda
investigar a efetividade e segurança devem ser superados, como por
de medicamentos em uso ou não, e exemplo, formação profissional.
auxiliá-los na resolução de problemas Critérios de seleção de medicamentos
de saúde relacionados à devem ser conhecidos e pautados em
farmacoterapia. É necessário um protocolos clínicos para garantir uso
monitoramento desses pacientes, com adequado do medicamento. Sendo a
base na fidedignidade dos mesmos farmácia comunitária uma das portas
em relação à terapia proposta pelo de acesso da população à saúde, o
farmacêutico e a sua percepção com desenvolvimento dessa prática
relação aos sinais e sintomas, pois contribui para melhor do sistema de
somente desta forma é possível saúde do país, ampliando acesso da
avaliar se a terapia proposta pelo população e permitindo
profissional está sendo bem sucedida. resolutibilidade de agravos menores
na farmácia da comunidade.
CONCLUSÃO
A semiologia farmacêutica é AGRADECIMENTOS
uma nova prática profissional que visa Apoio financeiro: CAPES, CNPQ,
a identificação de sinais e sintomas FAPESP, PROEXT-2010 - MEC.
em distúrbios menores para posterior

REFERÊNCIAS
1. WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION Promoting Rational use of
medicines: core components. Policy Perspective on Medicines, Geneva, 2002.

2. Kansanaho H, Isonen-Sjo NL, Pietila K, Airaksinen M, Isonen T. Patient


counselling profile in a Finnish pharmacy. Patient Educ Couns. 2002;47(1):77-82.
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.

3. Craig DS. Oxymorphone Extended-Release Tablets (Opana ER) For the


Management of Chronic Pain. P & T. 2010;35(6):324-329.

4. FIP - International Pharmaceutical Federation. Guidelines for drug


procurement, 1992.

5. Johnson JA, Bootman JL. Drug-related morbidity and mortality: A cost-of-


illness model. Arch Intern Med. 1995;155(18):1949-1956.

6. Júnior DPL, Kheir N, Abriata JP, Rocha CE, Santos CB, Pelá IR. Impact of
Pharmaceutical Care interventions in the identification and resolution of drug-
related problems and on quality of life in a group of elderly outpatients in Ribeirão
Preto (SP), Brazil. Ther Clin Risk Manag. 2007;3(6):989-998.

7. Macbryde CM, Bralcklow R. Sinais e sintomas: fisiopatologia aplicada e


interpretação clínica. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1975. p.1-16.

8. Manuila L, Manuila A, Nicoulin M. Dicionário médico Andrei. 7.ed. São Paulo:


Organização Andrei, 1997.

9. Byrd GD. Can the profession of pharmacy serve as a model for health
informationist professionals?. J Med Libr Assoc. 2002;90(1): 68-75.

10. Porteous T, Ryan M, Bond CM, Hannaford P. Preferences for self-care or


professional advice for minor illness: a discrete choice experiment. Br J Gen Pract.
2006;56(533):911-917.

11. Lezley AH, Carmel MH. Public’s views on making decisions about over-the-
counter medication and their attitudes towards evidence of effectiveness: A cross-
sectional questionnaire study. Pharm World Sci. 2011;83(3):345-351.

12. Arrais PSD, Coelho HLL, Batista MMCDS, Carvaljp ML, Righi RE, Arnai JM.
Aspects of self-medication in Brazil. Rev Saude Publica. 1997;31(1):71-77.
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


13. WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Guidelines for the medical
assessment of drugs for use in self-medication, Copenhagen, 1986.
14. Dalgalarrondo P. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. Porto
Alegre: Editora Artmed; 2000.

15. Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o
imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização
Pan-Americana da Saúde; 2012.

16. Daisy V, John L, David H. How well informed are pharmacy customers in
Estonia about minor illnesses and over-the-counter medicines. Medicina (Kaunas).
2007;43(1):70-78.

17. Paudyal V, Hansford D, Cunningham S, Stewart D. Pharmacy assisted


patient self care of minor ailments: A chronological review of UK health policy
documents and key events 1997–2010. Health Policy. 2011;101(3):253-259.

18. Parmentier H, Golding MDS, Ashworth M, Rowlands G. Community pharmacy


treatment of minor ailments in refugees. J Clin Pharm Ther. 2004;29(5):465-469.

19. Pharmacists Take Center Stage in OTC Counseling. US Pharm.


2007;32(7):4-6.

20. Porteous T, Ryan M, Bond CM, Hannaford P. Novel provision of pharmacy


services to a deprived area: a pharmaceutical needs assessment. Int J Pharm Pract.
2003;11(1):47-54.

21. Marques, LAM. Atenção Farmacêutica Em Distúrbios Menores. 2. Ed. São


Paulo:MEDFARMA, 2008.

22. GUÍA TERAPÉUTICA EN ATENCIÓN PRIMARIA BASADA EN LA SELECCIÓN


RAZONADA DEL MEDICAMENTO. Necesidad de seleccionar medicamentos: La
responsabilidad de elegir. The need to select drugs: the responsibility of choosing.
Aten Primaria. 2009;41(12):657-658.

23. Rohit KV, Lalit M, Manisha P. Evaluation of self medication among


Professional students in North India: proper statutory drug control must be
implemented. Asian J Pharm Clin Res. 2010;3(1):60-64.
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.

24. Pumtong S, Boardman HF, Anderson CW. Pharmacists’ perspectives on the


Pharmacy First Minor Ailments Scheme. Int J Pharm Pract.2008;16(2):73-80.

25. Kreshnik H, Jeffery H, Bruce S. An expanded prescribing role for pharmacists


- an Australian perspective. Australas Med J. 2011;4(4):236-242.

26. Hussainy SY, Marriott JL, Beattie J, Nation RL, Dooley MJ. A palliative
cancer care flexible education program for Australian community pharmacists. Am J
Pharm Educ. 2010;74(2):24.

27. Krishnan HS, Schaefer M. Evaluation of the impact of pharmacist’s advice


giving on the outcomes of self-medication in patients suffering from dyspepsia.
Pharm World Sci. 2000;22(3):102-108.

28. Hersberger KE, Renggli VP, Nirkko AC, Mathis J, Schwegler K, Bloch KE.
Screening for sleep disorders in community pharmacies –evaluation of a campaign
in Switzerland. J Clin Pharm Ther. 2006;31(1):35-41.

29. Marklund B, Westerlund T, Brastad JO, SJöblom M. Referrals of dyspeptic


self-care patients from pharmacies to physicians, supported by clinical guidelines.
Pharm World Sci. 2003;25(4):168-172.

30. Albarrán KF, Zapata LV. Analysis and quantification of self-medication


patterns of customers in community pharmacies in southern Chile. Pharm World
Sci. 2008;30(6):863-868.

31. Williams A, Scadding G. Is reliance on self-medication and pharmacy care


adequate for rhinitis patients?. Int J Clin Pract.2009;63(1):98-104.

32. Fletcher J, Hogg W, Farrell B, Woodend K, Dahrouge S, Lemelin J, Dalziel W.


Effect of nurse practitioner and pharmacist counseling on inappropriate medication
use in family practice. Can Fam Physician. 2012;58(8):862-868.

33. BRASIL. Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº 357 de 20 de Abril de


2001. Aprova o regulamento técnico das Boas Práticas de Farmácia. Diário Oficial
da União, Brasília, 20 de abril 2001.
PEDROSO, T. M.; MASTROIANNI, P. C.; SANTOS, J. L.

REF‒ISSN1808-0804 Vol.XI (2),55–69, 2014.


34. BRASIL, Ministério da Saúde. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 138
de 29 de Maio de 2003. Dispõe sobre o enquadramento na categoria de venda de
medicamentos. Diário Oficial da União, Brasília, 02 de junho 2003.

35. BRASIL. Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº 499 de 17 de


dezembro de 2008. Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em
farmácias e drogarias, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 23
de dezembro 2008.

36. BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Resolução nº 44, de 17 de


agosto de 2009. Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário
do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos e da prestação
de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras providências. Diário
Oficial da União, Brasília, 17 de agosto 2009.

37. BRASIL. Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº 585 de 29 de agosto


de 2013 Ementa: Regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico e dá outras
providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 de setembro 2013.

38. BRASIL. Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº 586 de 29 de


Agosto de 2013. Regula a prescrição farmacêutica e dá outras providências. Diário
Oficial da União, Brasília, 25 de setembro 2013.

39. Awad A, Abahussain E. Health promotion and education activities of


community pharmacists in Kuwait. Pharm World Sci. 2010;32(2):146-153.

40. Castro MS, Correr CJ. Pharmaceutical care in community pharmacies:


practice and research in Brazil. Pharmacotherapy. 2007;41(9):1486-1493.

View publication stats

Você também pode gostar