Você está na página 1de 58

REPÚBLICA DE ANGOLA

UNIVERSIDADE KIMPAVITA DE ANGOLA


ESCOLA SUPERIOR POLITÉCNICA DO KUANZA – NORTE
DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E GESTÃO

PLANO TEMÁTICO DA DISCIPLINA DE CONTABILIDADE DAS SOCIEDADES


3º ANO DO CURSO DE CONTABILIDADE E GESTÃO

ANO LECTIVO 2021/22


PROGRAMA DE CONTABILIDADE DAS
SOCIEDADES
INTRODUÇÃO

1 – ASPECTOS SOBRE SOCIEDADES COMERCIAIS.


1,1-Contratos de sociedades:
1,2-Elementos Básicos do Contrato de Sociedades;
1.3 – Sociedades Comérciais;
1.3.1- Conceitos;
1.3.2 - Características das Sociedades
1.3.3 – Sociedades Comérciais Regulares, Irregulares e
Civis;
1.3.4 – Existência de sociedades Comérciais/Condição;
1.3.5 – Tipos de Sociedades Comérciais;
1.3.6 – Diferenciação das Sociedades Comerciais;
1.3.7 – Sociedades Comérciais e empresas;
1.3.8 – Sociedades em nome colectivo;
1.3.8.1- Características;
1.3.9 – Sociedades em em comandita;
1.3.9.1- Características;
1.3.10 – Sociedades por Quotas;
1.3.10.1- Características;
1.3.11 – Sociedades Anónimas;
1.3.11.1- Características;
2 – O CAPITAL E AS RESERVAS
DAS SOCIEDADES

Generalidades
O Capital Próprio e o Capital Nominal
O Capital Próprio e o Capital Alheio
As Participações dos Sócios no Capital Social
3 – AS RESERVAS
Generalidades
Noção e Constituição
Finalidades ou objectivos
Reservas de Capital
Reservas, Amortizações e Provisões
4 - OPERAÇÕES LIGADAS A CONSTITUIÇÃO
DAS SOCIEDADES
Generalidades
Subscrição e realização do Capital
Constituição da sociedade
Subscrição do Capital
Realização do Capital
5- LANÇAMENTOS DE ABERTURA

Generalidades
Contas Relacionadas com o Capital
Subscrito
Subscrição Particular e Realização do
Capital
6 – EMPRESTIMOS POR OBRIGAÇÕES

Generalidades
Empréstimos Por Obrigações
Diferenças entre acções e Obrigações
Tipos de Obrigações
• REFERENCIAL TEÓRICO
• F.V. GONÇALVES DA SILVA. J. ESTEVES PEREIRA,
CONTABILIDADE DAS SOCIEDADES, 2ª EDIÇÃO, LISBOA,
2003
• APONTAMENTOS DE CONTABILIDADE DAS SOCIEDADES,
FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE
AGOSTINHO NETO, LUANDA, PROFESSOR TANDU WULO,
2010.
• ANTÓNIO BORGES, at. ELEMENTODS DE CONTABILIDADE
GERAL, 24ª EDIÇÃO, NOVEMBRO 2007, ÁREAS EDITORA
• CARLOS BAPTISTA DA COSTA GABRIEL CORREIA ALVES,
CONTABILIDADE FINANCEIRA, 7ª EDIÇÃO, 2008, EDITORA
REIS DOS LIVROS.
CAPITULO Iº
sociedades:

Contrato é um acordo entre duas ou mais


vontades para criar, modificar ou extinguir
direitos e obrigações. Assim, segundo o
código civil nos seus artigos 980º e segts,
o contrato de sociedade è;
1.1 – Contrato de Sociedade.

contrato de Sociedade é aquele em que duas ou mais pessoas se


obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício em comum
de certa actividade económica a fim de repartirem os lucros
resultantes dessa actividade. Obviamente todos os sócios estão
sujeitos a perdas eventuais.
1.2 – Elementos básicos do
Conceito de contrato de
sociedade:
a) Contribuição de bens ou serviços

Consiste na chamada – obrigação de entrada –


que deverá ser concretizada em dinheiro, outros
bens ou até serviços.
O sócio que contribui apenas com serviço
designa-se por sócio de indústria.
b) Exércício em comum de certa actividade
económica;

c) Fim lucrativo;
O fim lucrativo afigura-se, assim, como elemento
fundamental do conceito de contrato de sociedade
1.3 – Sociedades comerciais.

Ao abrigo do Código das sociedades comerciais, são


sociedades comérciais as sociedades que;
a) Tenham por objecto a prática de actos comérciais;
b) Adoptam o tipo de sociedade em nome colectivo,
por quotas, de sociedades anóminas ou de
sociedade em comandita.
1.3.1 Característica Fundamental de
uma sociedade comércial

Uma sociedade comércial caracteriza-se por dois


elementos fundamentais
-O Objecto; Exercício do comércio;
- O tipo; Previsto na lei
1.3.2 - Sociedades Comérciais regular,
Sociedades Comércias regular – aquelas
que observam as duas características fundamentais;
Soc. Com. Irregulares – Aquelas com objecto
comércial, mas sem tipo comércial ;
1.3.3 – Condições para existência de
Sociedades comércias
- Registo do contrato;
- Ter um representante para com terceiros;
- Ter um nome (firma);
- Um domicílio (sede);
- Um património;
1.3 – Tipos de sociedades comerciais:
- Sociedades comerciais em nome colectivo;
- Sociedades comerciais em comandita (simples e por acções);
- Sociedades anónimas;
- Sociedades por quotas.
NB
As Sociedades em nome colectivo – Sociedade em Comandita
simples, praticamente não existem na nossa realidade. Por não
haver representação do capital por acções.

Actualmente, só as sociedades anónimas e as sociedades por


quotas têm relevância na prática económica e júridica.
Do ponto de vista Jurídico, a diferença entre as sociedades
comerciais, é como se sabe, a responsabilidade dos sócios.
Esta é;
-Ilimitada nas sociedades em nome colectivo;
-Limitada nas sociedades anónimas e por quotas;
-Mista nas sociedades em comandita, (Simples e por Acções);
Economicamente, a diferença é dada tendo em conta;

- O financiamento;
- As atribuições dos sócios e,
- A divisão dos lucros.
sociedades Em comanditas
Neste tipo de sociedade comércial há que distinguir
duas modalidades e dois tipos de sócios.
Tipos de Sócios
• Há a considerar dois tipos de Sócios:

• Sócios Comanditários;
• Têm responsabilidade limitada → Respondendo apenas pelas suas entradas,
a qual não pode consistir em indústria.

• Sócios Comanditados;
• Têm responsabilidade ilimitada→ Respondendo pelas dívidas da sociedade,
nos mesmos termos que os sócios das sociedades em nome colectivo.
Duas modalidades de sociedades

Sociedade em comandita por acções – onde as


participações dos sócios comanditários é feita com
acções;

Sóciedades em comandita simples – em que há


representação do capital por acções.
Características deste tipo de
sociedade
 indicar no contrato da sociedade os sócios
comanditarios e os sócios comanditados;

Expecificar no contrato o tipo de sociedade, se é


simples ou por acções;
1.4 - Sociedades anónimas.
Características:
- O capital social é dividido em acções e a
responsabilidade de cada sócio é limitada às acçoes
subscritas;

- As acções têm o mesmo valor nominal, que não pode


ser inferior a 1 Cêntimo;

- o valor nominal mínimo é de 50 000 Kzs;


- Não são admitidos contribuições de indústria;

- A firma é formada pelo nome ou firma de um


ou alguns sócios ou por denominação
particular ou ainda pela reunião de ambos,ao
que cresce a expressão – Sociedade
Anónima- SA.

- A sociedade anónima não pode ser


constituida por um número de sócios a 5,
salvo quando a lei o dispense.
Constituição da Firma
- Com ou sem sigla, pelo nome dos sócios,
aditando-lhe ou não expressão que dê a conhecer
o objecto social;
- em qualquer dos casos, concluirá pela expressão
sociedade anónima ou pela abreviatura SA,
exemplo; Eletrolar, SA.
Sociedades por quotas
São sociedades, com caracteristicas quer de
sociedades de pessoas quer das sociedades de
capitais, ou seja, os sócios têm a
responsabilidade limitada ao montante do
capital, com que entram para a sociedade, que
constitui a quota social de cada um.
Caracteristicas/Quotas
- O capital social está dividido em quotas e a cada sócio fica
a pertencer uma quota correspondente à entrada, e
responde solidariamente pelas entradas convencionadas
no contrato social;

- Não se admite contribuições de indústria;

- O património sócial responde pelas dívidas da sociedade:


- A firma deve ser formada pelo nome ou
firma de todos ou alguns dos sócios, por
denominação particular ou por ambos,
acrescido de Limitada, ou, Lda;
Formação da Firma/Quotas

- Com ou sem sigla, pelo nome dos sócios, aditando-lhes ou


não expressão que dê a conhecer o objecto social;

- Por denominação particular e expressão que dê a conhecer


o objecto social;

- Pela reunião dos requisitos anteriores deve terminar


sempre pela expressão, Limitada, ou pela abreviatura, Lda;
Como constituir uma
sociedade por quotas;
- Subscrição;- compromisso de entregar a
sociedade determinados valores para a
formaçãodo capital social;

- Realização – entrega a sociedade os valores


com que se comprometeram;
Sociedade Unipessoal por
Quotas
Características

- É constituida por um único sócio, pessoa singular


ou colectiva, com um capital social mínimo 25 000;
- A firma da sociedade é formada pela
expressão – Sociedade Unipessoal,antes
da palavra, Limitada ou Lda;

- O património social responde pelas


dívidas da sociedade
Sociedades em nome
colectivo
Características
-Responsabilidade ilimitada e solidária;

-O património dos sócios serve como


garantias as obrigações da sociedade;

-Os sócios respondem um por todos e


todos por um
Tema – II
Cooperativas
Generalidades sobre cooperativas

As cooperativas são pessoas colectivas, de livre constituição, de


capital e composição variáveis, que visam, através da cooperação e
entreajuda dos seus membros e na observância dos princípios
cooperativos, a satisfação, sem fins lucrativos, das necessidades
económicas, sociais ou culturais destes, podendo ainda, a título
complementar, realizar operações com terceiros.
3 – O CAPITAL E AS
RESERVAS DA
SOCIEDADE
3.1 – O Capital Próprio.
Entende-se por capital de uma empresa,
geralmente o valor do seu património
(diferença entre os valores activos e
passivos afectos ao negócio).
3.2 - O Capital Social, é o Capital Inicial.
Capital social = Ao capital inicial, no início da actividade
empresarial = Ao Capital próprio.
CP = Capital social, porque no início da actividade, a
empresa não tem resultado líquido do exercício e não
constituiu reservas.

3.3- O Capital próprio e capital alheio


Capital alheio: É o somatório das dívidas da empresa;
PARTICIPAÇÃO DOS
SÓCIOS NO CAPITAL
DA SOCIEDADE
No capital duma sociedade participam
vários sócios com parcelas (partes,
quotas, entradas) que podem ser iguais
ou desiguais, e participações com
Acções.
ACÇÕES
São titulos que representam uma parte ou fracção
de uma sociedade anónima e que dão ao seu
proprietário o direito a parcela correspondente de
votos, lucros líquidos e activos da empresa.
Tipos de acções
Acções ordinárias, preferenciais
sem voto, preferenciais remíveis,
nominativas, acções ao portador,
tituladas e escriturais;
N:B:
As acções ordinárias representam fracções de
capital da empresa e dão direito de
propriedade; Ao contrário das preferenciais, as
ordinárias não dão direito preferencial a
dividendos.

Exercicio nº 1
VALORES DAS
ACÇÕES
Os sócios e accionistas têm interesses
em saber os vários valores que estão
subjacentes às acções.
Valor Nominal ou Valor Facial
É o valor que se encontra escrito no próprio título;

𝐂𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐒𝐨𝐜𝐢𝐚𝐥
𝐕𝐚𝐥𝐨𝐫 𝐍𝐨𝐦𝐢𝐧𝐚𝐥 𝐨𝐮 𝐅𝐚𝐜𝐢𝐚𝐥 =
𝐍º 𝐝𝐞 𝐀𝐜çõ𝐞𝐬

Valor de Emissão ou Valor de Colocação


É a importância paga pelo subscritor da acção, ou seja, é aquele que
os subscritores devem pagar por cada acção. Se o valor de
subscrição for superior ao valor nominal a diferença existente constitui
prémio de emissão a registar na conta….
A emissão é acima do par, geralmente em
situações de aumento de capital e em
consequência da boa situação económica da
empresa e da elevada taxa de dividendos
distribuída.
Exercicio nº 2
Assim iremos ter:
Prémio de emissão = valor de emissão – valor
nominal
Prémio global = prémio de emissão * número
de accões.
Valor Comercial ou Valor de
Cotação
É o valor das acções da empresa vistas pelo mercado;
corresponde a sua cotação quando esse mercado, funciona na
bolsa., este valor depende não só do capital próprio da
sociedade mas também de outros factores económicos e
psicológico; Como perspetivas do futuro, confiança na gestão,
política de dividendos, economia geral do país, problemas
laborais, hipotético valor de liquidação dos elementos do activo e
outras circunstâncias externas, para alem das próprias
oscilações do mercado.
Valor Contabilístico
É o quociente do capital próprio, constante do balanço pelo número de
acções. Na maior parte dos casos, o valor contabilístico difere
substancialmente, (regra geral, para menos) do valor real das acções.

𝐂𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐏𝐫𝐨𝐩𝐫𝐢𝐨
𝐕𝐚𝐥𝐨𝐫 𝐂𝐨𝐧𝐭𝐚𝐛𝐢𝐥𝐢𝐬𝐭𝐢𝐜𝐨 =
𝐍º 𝐝𝐞 𝐀𝐜çõ𝐞𝐬
Valor Intrínseco ou Valor
Matemático
É a fracção do activo líquido real correspondente a cada acção.
Este valor baseia-se, naturalmente, em reavaliações de caracter
marcadamente subjectivo.

𝑨𝒄𝒕𝒊𝒗𝒐 𝑳𝒊𝒒𝒖𝒊𝒅𝒐 𝑹𝒆𝒂𝒍


𝑽𝒂𝒍𝒐𝒓 𝑴𝒂𝒕𝒆𝒎á𝒕𝒊𝒄𝒐 =
𝑵º 𝒅𝒆 𝑨𝒄çõ𝒆𝒔

Activo líquido real: e o valor líquido da empresa pelo mercado, é o activo


visto pelo mercado; Considerado o real valor da empresa no mercado.
Valor financeiro
E a quele que se obtêm capitalizando a uma taxa de juros
adequada a circunstâncias, os lucros distribuídos.

𝐋𝐮𝐜𝐫𝐨𝐬 𝐝𝐢𝐬𝐭𝐫𝐢𝐛𝐮𝐢𝐝𝐨𝐬 𝐝𝐢𝐯𝐢𝐝𝐞𝐧𝐝𝐨𝐬


𝐕𝐚𝐥𝐨𝐫 𝐅𝐢𝐧𝐚𝐧𝐜𝐞𝐢𝐫𝐨 =
𝐓𝐚𝐱𝐚 𝐝𝐞 𝐣𝐮𝐫𝐨
Valor de rendimento
E a quele que se obtêm capitalizando a uma taxa de juros adequada
às circunstâncias, a totalidade de lucros obtidos (soma dos lucros
obtidos com os lucros retidos).

𝐑𝐞𝐬𝐮𝐥𝐭𝐚𝐝𝐨 𝐋í𝐪𝐮𝐢𝐝𝐨 𝐝𝐨 𝐄𝐱𝐞𝐫𝐜𝐢𝐜𝐢𝐨


𝐕𝐚𝐥𝐨𝐫 𝐝𝐞 𝐑𝐞𝐧𝐝𝐢𝐦𝐞𝐧𝐭𝐨 =
𝐓𝐚𝐱𝐚 𝐝𝐞 𝐣𝐮𝐫𝐨
RESERVAS DA
SOCIEDADE
São disponibilidades necessárias
para se evitar ruturas futuras na
empresa.
Próxima aula

Você também pode gostar