Você está na página 1de 26

3

UNOPAR - UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ


HISTÓRIA - LICENCIATURA

GIOVANI OLIVEIRA FONSECA

RELATÓRIO DO
ESTÁGIO EM GESTÃO EDUCACIONAL

Bocaiúva - Mg
2021
4

GIOVANI OLIVEIRA FONSECA

RELATÓRIO DO
ESTÁGIO EM GESTÃO EDUCACIONAL

Relatório apresentado à UNOPAR - Universidade


Norte do Paraná como requisito parcial para o
aproveitamento da disciplina de Atividades
Interdisciplinares do curso de História - Licenciatura

Bocaiúva - Mg
2021
5

SUMÁRIO

2 LEITURAS OBRIGATÓRIAS...........................................................................................7
3 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP)....................................................................9
4 PLANEJAMENTO ANUAL.............................................................................................11
5 ABORDAGEM DOS TEMAS TRANSVERSAIS CONTEMPORÂNEOS DA BNCC..15
PROPOSTA DE ATIVIDADE PARA ABORDAGEM DOS TEMAS
CONTEMPORÂNEOS TRANSVERSAIS DA BNCC....................................................17
6 ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER-RELAÇÃO COM A EQUIPE
ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA..........................................................................18
7 CONHECER METODOLOGIAS ATIVAS COM USO DE TECNOLOGIAS
DIGITAIS..........................................................................................................................19
8 O PROCESSO DE GESTÃO ESCOLAR.............................................................................20
9 ATUAÇÃO DA EQUIPE PEDAGÓGICA NO ACOMPANHAMENTO DO
DESENVOLVIMENTO DA DISCIPLINA......................................................................22
10 PLANOS DE AULA.........................................................................................................23
CONSIDERAÇÕES FINAIS....................................................................................................26
REFERÊNCIAS........................................................................................................................27
6

1 INTRODUÇÃO

O presente relatório tem o propósito de relatar as experiências


desenvolvidas no processo de desenvolvimento do Estágio Supervisionado na Ensino Médio
do Curso de Licenciatura em História. As experiências desenvolvidas envolveram situações
diferenciadas de aprendizagem e formação. As atividades aconteceram a partir de observações
participantes, elaboração de plano de trabalho, preparação pedagógica para as intervenções
didáticas. Nas observações participantes foi desenvolvido um diagnóstico sobre a realidade e
cotidiano no Ensino Médio e do trabalho pedagógico docente. Além do relato, buscamos
desenvolver leituras e estudos referente a prática pedagógica docente no Ensino Médio e,
ainda, sobre a importância do estágio na formação do pedagogo, além do relato geral das
observações e participações das atividades realizadas com os alunos no ano letivo de 2020.
Realizamos também as intervenções para compreendermos como é vivenciar o cotidiano de
uma escola. Consideramos o estágio como parte importante do nosso processo de formação,
sendo este o elemento que nos possibilita uma interação mais próxima com o cotidiano e as
vivências da escola.
O referido estágio é de suma importância para o estudante se ambientar a
sala de aula, com o convívio com os alunos e professores e habituar-se ao ambiente escolar
com seus desafios e dificuldades, mas que também é cheio de alegrias, realizações e,
sobretudo cheio de jovens com sonhos e esperanças. Tem por objetivo formar professores
preparados para a realidade escolar, através da introdução na instituição escolar, onde se
refletirá sobre a relação estabelecida entre a teoria e a prática e fazer uma troca de
conhecimentos com a interação de profissionais experientes.
7

1 LEITURAS OBRIGATÓRIAS

O ENSINO DE HISTÓRIA E AS NOVAS TECNOLOGIAS: DA REFLEXÃO À


AÇÃO PEDAGÓGICA.

O referido texto fala sobre a questão do ensino de historia e as novas


tecnologias onde muitos escritores e autores levam - nos a pensar sobre as
tecnologias como cada dia está impactando cada vez mais a vida moderna com
seus reflexos na educação.
Neste cenário de mudanças e alterações, verificou se a necessidade de
repensar o papel da escola, pois é percebível que o modelo tradicional já não atende
às demandas; conforme o contexto, o professor precisa saber utilizar as novas
tecnologias em sua prática docente, não somente como recurso didático, mas como
ferramenta adequada a todo o processo pedagógico.
No ensino de História, também como em outras disciplinas é requisitado que
o professor tenha conhecimento e saiba utilizar as ferramentas tecnológicas, mesmo
com indícios de que o uso das tecnologias tem sido lento ou ainda não foram
introduzidos às práticas pedagógicas.
Como demonstrado pelo autor este artigo tem o objetivo focal fazer uma
investigação sobre a formação de professores diante das tecnologias na disciplina
de História.
A contribuição metodológica das novas tecnologias (como os recursos de
multimídia, fotografias, vídeos, imagens, sons, filmes) todo este recursos sendo
disponibilizados e utilizados de maneiras corretas garantem ao educando e ao
docente uma boa absorção no aprendizado.
8

A TECNOLOGIA COMO ALIADA NO ENSINO DE HISTÓRIA E A SUA


ADESÃO NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA

Há umas vastas quantidades de ferramentas que podem contribuir na


construção dessa nova perspectiva teórico-prática para o ensino de História. Entre
elas se destaca: os artigos, as cartas, as reportagens, as obras de arte, os filmes e
documentários, a música. Como vimos Estes instrumentos não são novidades de
fato, muitos existem desde meados do século XX, outros são ainda bem anteriores.
Uma grande novidade é que o avanço tecnológico permite hoje acessar todos
esses instrumentos em alguns clicks, ou seja, é possível trabalhar com toda essa
diversidade de formas de leitura da História, sem sair da sala de aula e, ainda, em
se utilizando de sistemas de rede, debater, receber informações e trocar
experiências com grupos diversificados.
Também fica evidenciado que o os recursos tecnológicos como TV, vídeo
juntamente com o computador nas aulas de história favorecem o desenvolvimento
de uma serie de capacidades e permitem o contato linguagem variadas.
Nota-se então que o professor de historia precisa em seu campo de trabalho
estar sempre reestruturando e buscando novos caminhos que visem melhorias para
seu trabalho, mesmo face às dificuldades enfrentadas em sua trajetória, e a que a
caminhada em continuidade em pesquisas continue a contribuir para o processo de
ensino aprendizagem.
9

2 ENSINO APRENDIZAGEM.PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP)

1. O que é o PPP e qual a importância desse documento para o


ambiente escolar?
Em termos gerais, trata-se de um documento que norteia as bases de ações
da instituição. Ele assumirá as diretrizes da instituição como compromisso de gestão
escolar participativa. Esse documento tem uma longa história. Simultaneamente,
tem comprovada importância para o bom desenvolvimento das diretrizes de
educação.
A partir da década de 1980 o Fórum Nacional em Defesa da Escola Pública
iniciou um processo que pudesse instituir uma gestão democrática no ensino. Isto
proporcionou uma autonomia escolar. Além de ter gerado diversas consequências
positivas, como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), em 1996.
De acordo com os artigos 12 a 14 da LDB, a escola tem autonomia para
determinar qual será o seu PPP e a estrutura que será seguida. O documento é
encaminhado posteriormente para a secretaria de ensino e deverá ser revisado pela
instituição de ano em ano.

2. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento normativo


que define as aprendizagens essenciais que todos os alunos devem se
apropriar na educação básica. Sendo assim, todas as escolas devem organizar
seu currículo a partir desse documento. Com base na leitura que você realizou,
como as competências gerais da Educação Básica se inter-relacionam com o
PPP?

As aprendizagens essenciais definidas na Base Nacional Comum Curricular


(BNCC) devem concorrer para assegurar aos estudantes o desenvolvimento de dez
competências gerais no decorrer da educação básica que, diz o documento,
“consubstanciam, no âmbito pedagógico, os direitos de aprendizagem e
desenvolvimento”. Competência é definida na BNCC como a “mobilização de
conhecimentos (conceitos e procedimentos), habilidades (práticas, cognitivas e
socioemocionais), atitudes e valores para resolver demandas complexas da vida
cotidiana, do pleno exercício da cidadania e do mundo do trabalho”. No texto, os
educadores destacam a necessidade das competências “inter-relacionarem-se e
10

desdobrarem-se no tratamento didático proposto para as três etapas”, o infantil, o


fundamental e o médio.
Para a escola incorporar as propostas da BNCC ao projeto político-
pedagógico é necessário identificar quais são as competências que devem ser
desenvolvidas, considerando também a atuação que a escola já têm dentro desses
campos de desenvolvimento. Ou seja, o primeiro passo para começar essa
construção é fazer um diagnóstico das práticas pedagógicas e do aprendizado dos
alunos. Conhecer a comunidade e os desafios de aprendizagem dela é essencial
para que o PPP não só contenha a identidade local, mas trace diretrizes condizentes
com o presente e futuro da instituição. “Para iniciar a revisão, o gestor escolar deve
estar ligado ao que está acontecendo  no seu município e estado, ele deve participar
destes momentos de formação da secretaria de educação, pois é importante que a
revisão do PPP esteja contextualizada com o local”, diz Sonia Guaraldo, especialista
em gestão escolar e consultora da Fundação Lemann, mantenedora de NOVA
ESCOLA. Nesse contexto, o gestor escolar é o responsável por compartilhar tanto
informações relacionadas ao contexto da instituição quanto sobre os documentos
com a equipe para a implementação das diretrizes da Base.

3. A avaliação da aprendizagem é um elemento crucial no processo de


ensino e de aprendizagem, visto que oportuniza indícios dos avanços
escolares e dos pontos que precisam ser aperfeiçoados. Com base na leitura
que você realizou do PPP, de que modo a escola apresenta o processo de
avaliação?
Avaliação da aprendizagem também no Projeto Político Pedagógico da escola
foco desta pesquisa e percebemos uma coerência com a concepção pedagógica em
pauta. Como introdução ele traz que:
A avaliação da aprendizagem serve de parâmetro para o professor e o aluno
perceberem e reverem os caminhos de compreensão e ação sobre o conhecimento.
Para tanto ela deve ser contínua, democrática, diagnóstica, formativa e mediadora
da aprendizagem.
11

3 PLANEJAMENTO ANUAL

1 - Qual a proposta do professor quanto aos conteúdos a serem trabalhados pela


disciplina para a respectiva série do Ensino Médio.

A finalidade do ensino da História é expressa no processo de produção do


conhecimento humano, formando a consciência histórica dos sujeitos. A disciplina de História
do Ensino Médio é intensamente compromissada com o pleno desenvolvimento da cidadania,
voltado à formação de uma juventude crítica e que se apercebe como construtora de sua
própria história, instrumentalizada para compreender por meio de contínua reflexão, a
sociedade dinâmica em que vive. O objetivo do ensino de História, não é apenas aumentar sua
cultura geral, e, sim, formar um cidadão com preparação científica e histórico-crítica, que lhe
possibilite viver com autonomia neste mundo dinâmico, competitivo e em constante
transformação. A História tem como objeto de estudos os processos relativos às ações e as
relações humanas praticadas no tempo, bem como os sentidos que os sujeitos deram às
mesmas, tendo ou não consciência dessas ações. De acordo com as Diretrizes Curriculares, as
correntes historiográficas que serviram como fundamentos para o estudo e ensino de História
são: a Nova História Cultural, incluindo alguns historiadores da Nova História e a Nova
Esquerda Inglesa, a partir de sua matriz materialista histórica dialética.
Tendo em vista a globalização da economia e o rápido avanço tecnológico,
que impulsionam a vida contemporânea, tudo envelhece rapidamente e aparenta
não ter valor para as novas gerações. Diante do domínio do tempo presente, o
passado é desqualificado como experiência digna de conhecimento e interesse e
condenado ao esquecimento. Assim sendo, o movimento pela destruição do
passado coloca para toda a sociedade, e em particular para nós, historiadores, a
difícil tarefa de combater o esquecimento e preservar a memória coletiva, base para
a afirmação da identidade cultural de todos os povos. Podemos concluir com base
nos argumentos mencionados que a disciplina de História visa agir na formação e
transformação do pensamento dos estudantes na valorização dos referenciais
históricos e assim transformar a sociedade.

2- Quais os objetivos da disciplina nessa fase do ensino.


12

Por meio das Diretrizes Curriculares, o ensino de História na Educação


Básica, busca suscitar reflexões a respeito de aspectos políticos, econômicos,
culturais, sociais, e das relações entre o ensino da disciplina e a produção do
conhecimento histórico.
No ensino de História, o principal objetivo é compreender e interpretar as
várias versões do fato, e não apenas memorizá-los. Sem que se identifique,
preserve, compreenda, sem que se indique onde se encontram outros fatos e qual o
seu valor, não pode haver continuidade consciente no tempo, mas somente a eterna
mudança do mundo e do ciclo biológico das criaturas que nele vivem. Deve ser
objetivo também, o estudo dos processos históricos relativos às ações humanas
praticadas no tempo, bem como os sentidos que os sujeitos deram às mesmas,
tendo ou não consciência dessas ações. O conhecimento da História da civilização é
importante porque nos fornece as bases para o nosso futuro, permite o
conhecimento de como aqueles que viveram antes de nós equacionaram as grandes
questões humanas. Sob essa perspectiva, os estudos de História contribuiriam para
desenvolver no aluno a ideia de que a realidade como está foi produzida por uma
determinada razão, e mais importante, pode ser alterada ou conservada.

3- Quais as metodologias, os recursos e as formas de avaliação.

Observa-se que a perspectiva tradicional de ensino é ainda muita viva no


ambiente escolar, algumas características desta pedagogia são importantes na
metodologia do ensino, como por exemplo, a exposição do conteúdo de forma oral
pelo profissional, que é indispensável. O que o docente deve tomar cuidado no
ensino de história é de não cair no contexto desta perspectiva, desenvolvendo o ato
de repetição dos fatos, e somente cantá-los, sem fazer referência de autores e de
que forma os relatos históricos foram construídos ao longo do tempo. Atualmente os
Docentes podem contar com uso de tecnologias e objetos para despertar o interesse
dos alunos, a motivação como parte essencial para uma aula produtiva, e
transformar uma metodologia tradicional como as aulas expositivas em algo
realmente interessante e prazeroso, aliar às práticas de ensino tradicional a
elementos que promovam o desenvolvimento do pensamento crítico reflexivo dos
alunos, permitindo através de uma visão real do mundo, detectar os problemas que
13

o assolam e ao mesmo tempo, dotá-los de ferramentas capazes de compreender a


realidade histórico-social.
França e SIMON (2005), apesar da resistência de alguns professores, em
dispor do convencional (como livros didáticos), a utilização de novas tecnologias no
ensino cresce tanto em quantidade quanto em qualidade, entre as várias
metodologias que o professor dispõe, o computador é uma ferramenta dentre as que
podem contribuir para o processo do como fazer, e para construção do
conhecimento histórico. Ainda que questionado em que medida os professores
fazem uso, e se buscam verificar as possibilidades e os limites de sua utilização
quando se pensa na produção do conhecimento através do computador. O professor
deve estar pronto para desenvolver a pesquisa em um contexto que o ensino de 21
historia deve ser aquele local que se preocupa com aprendizagem realizada pelo
sujeito.
A avaliação em história não deve ser uma mera cobrança do conteúdo
trabalhado, mas, deve se tornar um instrumento que permite detectar de que forma o
saber histórico foi apropriado pelo aluno, que reflexões gerou e que operações
intelectuais desenvolveu.  
As operações intelectuais não se limitam às habilidades de pensamento, isto
é, às ações do intelecto de identificar, observar, comparar, relacionar, generalizar,
sintetizar, conceituar, definir etc., tão presentes nos exercícios propostos nos
manuais didáticos. É preciso atentar, também, para outras operações intelectuais
importantes no aprendizado de História que são as habilidades de trabalho com
fontes e de expressão e comunicação.
As habilidades de trabalho com fontes referem-se ao domínio de técnicas
particulares para manuseio de fontes (documentos, imagens, mapas, gráficos,
tabelas e outros) a fim de extrair e processar informações. Essas técnicas
possibilitam ao aluno desenvolver a capacidade de organização do estudo. São elas:
tomar nota, localizar e selecionar informações, elaborar fichas, resumos, gráficos,
tabelas, mapas, quadros sinóticos, cronológicos ou comparativos.
As habilidades de expressão e comunicação dizem respeito à linguagem
escrita, oral e gráfica que permitem expressar o pensamento, favorecendo a
construção e reconstrução do conhecimento. São elas: produzir textos, expor
oralmente, descrever, relatar, narrar, explicar, justificar, construir esquemas e mapas
conceituais.
14

O desenvolvimento dessas habilidades não se realiza separadamente. Ao


contrário, elas interagem, complementam-se e tornam-se gradativamente mais
complexas conforme o grupo etário e o desenvolvimento cognitivo do aluno. Devem,
portanto, ser constantemente exercitadas e avaliadas durante toda vida escolar.
15

4 ABORDAGEM DOS TEMAS TRANSVERSAIS CONTEMPORÂNEOS DA BNCC

1. Como podemos entender o termo Transversalidade?


Transversalidade é um princípio que desencadeia metodologias
modificadores da prática pedagógica, integrando diversos conhecimentos e
ultrapassando uma concepção fragmentada, em direção a uma visão
sistêmica
Essa metodologia contribuiu para a aplicação do conhecimento teórico
adquirido pelos alunos, contribuindo para que assimilem o conteúdo de forma
prática em seus estudos. Portanto é um método de caráter avaliativo, que
visa garantir a eficácia do aluno, criando uma visão crítica e ampla da área de
atuação escolhida.

2. Qual a importância de se trabalhar com os TCTs na escola?


De acordo com artigo apresentado, a abordagem dos Temas
Contemporâneos Transversais (TCTs) deve permitir ao estudante
compreender questões diversas, tais como cuidar do planeta, a partir do
território em que vive; administrar o seu dinheiro; cuidar de sua saúde; usar
as novas tecnologias digitais; entender e respeitar aqueles que são diferentes
e quais são seus direitos e deveres como cidadão, contribuindo para a
formação integral do estudante como ser humano.
Desta forma os temas transversais são importantes porque permitem
que os alunos construam um pensamento crítico, consigam fazer uma
reflexão sobre o meio social e os valores na sociedade os TCTs atuam dentro
da Base Nacional Curricular Comum e podem ser adotados em temáticas
presentes no cotidiano dos educandos.

Podemos observar que a Base Nacional Comum Curricular destaca a


importância dos TCTs quando diz que é dever dos sistemas de ensino e
escolas:  
Por fim, cabe aos sistemas e redes de ensino. Assim como as escolas,
em suas respectivas esferas de autonomia e competência, incorporar aos
currículos e às propostas pedagógicas a abordagem de temas
16

contemporâneos que afetam a vida humana em escala local, regional e


global, preferencialmente de forma transversal e integradora. (BRASIL, 2017,
p. 19).
3. Dos TCTs listados, quais podem ser trabalhados de forma
transversal no seu curso de graduação?
Os temas transversais dos novos parâmetros curriculares incluem
Ética, Meio ambiente, Saúde, Pluralidade cultural e Orientação sexual. Eles
expressam conceitos e valores fundamentais à democracia e à cidadania e
correspondem a questões importantes e urgentes para a sociedade brasileira
de hoje, presentes sob várias formas na vida cotidiana. No curso de
graduação em história podem ser trabalhados os temas ética e pluralidade
cultural.
4. O Guia apresenta uma metodologia de trabalho para o desenvolvimento
dos TCTs, baseado em quatro pilares. Quais são estes pilares? Comente sua
perspectiva sobre essa metodologia.
I- Problematização da realidade e das situações da aprendizagem;
II- Superação da concepção fragmentada do conhecimento para uma visão
sistêmica;
III- Integração das habilidades e competências curriculares á solução de
problemas;
IV- Promoção de um processo educativo e continuado e do conhecimento
como uma construção coletiva.
Estes pilares são fundamentais para que os currículos escolares sejam
colocados de forma mais eficaz dentro de sala de aula na medida em que possibilitar
melhor aproveitamento por parte do professor.
Veja que o currículo hoje é a base do ensino e faz com que o professor tenha
um direcionamento melhor em sala.
17

PROPOSTA DE ATIVIDADE PARA ABORDAGEM DOS TEMAS


CONTEMPORÂNEOS TRANSVERSAIS DA BNCC

PROPOSTA DE ATIVIDADE
TCT Diversidade Cultural
Objetivo 1. Perceber a diversidade étnicocultural no
contexto em que se está inserido. 2.
Reconhecer a importância da diversidade
cultura para uma sociedade. 3. Respeitar as
diversidades culturais
Atividade Proposta  Fazer levantamento para observar as
diversidades culturais e étnicas que existem
na turma (os estudantes podem ser
orientados a fotografar, anotar registrar
suas percepções gerais).  Escolher um(a)
colega para entrevistar e identificar sua
origem e seu perfil (onde nasceu,
descendência, valores, religiões, entre
outros).  Consolidar as informações
obtidas e pesquisar em livros e outras
fontes sobre os dados que coletou na
entrevista.  Socializar com a turma os
resultados da pesquisa.
Área de conhecimento História
Habilidade (EF05HI04) Associar a noção de cidadania
(Texto com o código) com os princípios de respeito à diversidade,
à pluralidade e aos direitos humanos.
(EF05HI05) Associar o conceito de
cidadania à conquista de direitos dos povos
e das sociedades, compreendendo-o como
conquista histórica.
Avaliação Diagnóstica: para identificação dos
conhecimentos prévios dos estudantes. 
Formativa: uso de diferentes instrumentos
para verificar o aproveitamento dos
estudantes no desenvolver da atividade.
18

5 ATUAÇÃO DO PROFESSOR E SUA INTER-RELAÇÃO COM A EQUIPE


ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA

0 1) A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) começou a ser implementada


na Educação Básica recentemente. Esse documento fornece orientações e
determina competências, habilidades e componentes essenciais para estudantes de
todas as escolas brasileiras, públicas e privadas. Porém, esse não é o único
documento que o professor deverá considerar no momento de planejar a sua prática
pedagógica. a. Por que a BNCC não pode ser o único documento orientador do
planejamento docente?
A Base Nacional Comum Curricular não pode ser o documento único que
deve ser adotado pela escola, visto que cada instituição de ensino apresenta sua
particularidade. As regiões onde as escolas estão inseridas também têm
características próprias.
1
2 b. Quais outros documentos deverão ser considerados?
3
Os documentos que deverão ser considerados são o Referencial Curricular
Nacional para a Educação (RCN), além da própria flexibilização do currículo da
escolar que deve respeitar as particularidades dos alunos.

0 2) Exemplifique de que maneira a equipe pedagógica poderá orientar o
professor tendo como referência a utilização do Projeto Político Pedagógico e da
Proposta Curricular.
1 A equipe pedagógica pode orientar o professor apresentando a realidade
daquela escola, gráficos sobre os índices dos alunos, como estão os rendimentos,
etc
2
3 3) No que se refere às atribuições da equipe administrativa, descreva a
importância da relação da direção com a equipe pedagógica para a qualidade dos
processos educativos no contexto escolar.

O diálogo é importante em qualquer área e não seria diferente em uma instituição


escolar. A partir da boa relação entre a equipe pedagógica e a direção, os processos
educativos apresentariam qualidade, já que ambas as equipes trabalhariam em um
objetivo único que é aumentar a qualidade de ensino.
19

2 CONHECER METODOLOGIAS ATIVAS COM USO DE TECNOLOGIAS


DIGITAIS

A metodologia a ser usada na escola deve ser de acordo com a realidade da


região. O seu papel será criar aulas mais interativas e entender o porquê do índice
de evasão ser alto.
Para entender essa evasão, o seu papel é conversar com os pais para saber
o porquê dos alunos terem tanta desistência, talvez estejam passando por
problemas familiares.
É importante notar também como as aulas são ministradas, talvez a didática
do professor não seja interessante para os alunos.
20

6 ESSE TRABALHO DE PESQUISA É FUNDAMENTAL PARA COMPREENDER O


ÍNDICE DE EVASÃO DA ESCOLA, E A PARTIR DISSO, CRIAR SOLUÇÕES
PLAUSÍVEIS PARA MELHORAR O PROCESSO DE GESTÃO ESCOLAR

1. Como o regimento e o PPP se aplicam nas ações do cotidiano da


escola.

É por meio do Regimento Escolar que são estruturadas, definidas e


normatizadas as ações do coletivo escolar. Enquanto no PPP são
apresentadas as ações educativas necessárias ao ensino e aprendizagem, o
Regimento Escolar apresenta as normas, as “regras” que regem tais ações,
bem como descreve o papel de cada segmento que compõe a comunidade
escolar.
Define os objetivos da escola, os níveis de ensino que oferece e como
ela opera. Dividindo as responsabilidades e atribuições de cada pessoa,
evitando assim, que o gestor concentre todas as ordens, todo o trabalho em
suas mãos, determinando o que cada um deve fazer e como deve fazer.
O Regimento deve surgir da reflexão que a escola tem sobre si
mesma, porém, deve estar de acordo com a legislação e a ordem que é
aplicada no país, estado e município. Ele é um o documento administrativo e
normativo de uma unidade escolar que, fundamentado na proposta
pedagógica e coordena o funcionamento da escola, regulamentando ações
entre os representantes do processo educativo. Ele deve ser baseado em um
texto referencial e em princípios democráticos, adotados pela Secretaria de
Estado da Educação que são a base para promover a discussão, a reflexão e
a tomada de decisão pelos membros da escola, buscando respostas às
questões referentes ao processo de ensino e aprendizagem.

Discorra sobre 3 (três) aspectos abordados pelo diretor que você


destaca como mais importantes.

Os três aspectos mais importantes são:

 Formação e condições de trabalho dos profissionais da escola.


21

 Gestão escolar democrática que faz o acompanhamento da qualidade


da educação ofertada na escola
 A prática pedagógica do professor deve objetivar o desenvolvimento e
a autonomia dos educandos. Para isso, é preciso acompanhá-los de perto e,
de fato, conhecê-los em suas potencialidades e dificuldades.
22

7 ATUAÇÃO DA EQUIPE PEDAGÓGICA NO ACOMPANHAMENTO DO


DESENVOLVIMENTO DA DISCIPLINA

Escolha e conceitue três atribuições da equipe pedagógica que auxiliam


o professor a organizar o Plano de Trabalho Docente.

A equipe pedagógica tem grande relevância diante da organização e


coordenação de ações didático-pedagógicas, inerentes a determinado contexto escolar.
Nesse sentido, a equipe tem como função estudar e liderar os métodos de
ensino e aprendizagem que serão empregados, visando a realização do melhor plano de
trabalho docente. Além disso, devem analisar o desempenho dos alunos, buscando amenizar
as dificuldades de cada um.

Exemplifique de que maneira a equipe pedagógica poderá orientar o


professor, tendo como referência a utilização do Projeto Político Pedagógico e da
Proposta Curricular.

O Projeto Político Pedagógico (PPP) é considerado como o elemento de


maior importância do sistema educacional, no sentido de atuar como uma base para
o desenvolvimento de práticas pedagógicas.
Diante disso, é função dos educadores compreender as minúcias presentes
no PPP, para que a Proposta Curricular seja direcionada, resultando em
uma aprendizagem mais significativa aos alunos, de uma forma geral.
23

8 PLANOS DE AULA

1 Plano de Aula: “O homem como intérprete de suas próprias experiências e


produtor (reprodutor) de sua sobrevivência”
Disciplina História
Série 1 º ano
Identificação Turma A
Período Matutino
“O homem como intérprete de suas próprias experiências e produtor (reprodutor)
Conteúdo de sua sobrevivência”
Compreender a construção do conhecimento histórico e as mudanças nas
estruturas produtivas (diferentes formas de organização da produção e do
trabalho) como produto das ações humanas ao longo do tempo. Compreender
fundamentos conceituais da História como área do conhecimento (fontes
Objetivos
históricas, tempo histórico, correntes historiográficas). Analisar as “sociedades
pré-históricas”, refletindo sobre suas atividades econômicas, especialmente, sobre
o comunismo primitivo. Identificar diferentes formas de organização produtiva na
antiguidade (modo de produção asiático e escravista). Analisar a formação e o
desenvolvimento do feudalismo na Europa ocidental medieval. Articular a
exploração da terra e o mundo do trabalho no Brasil com as relações capitalistas
de produção.
Ferramentas sugeridas
- Essenciais: PDF com documentos de texto, imagens, áudio ou
vídeo, com orientações do professor.
- Optativas: Google Formulários, Google Sala de Aula, Padlet,
Metodologia Google Meets.
Aula expositiva e dialogada ancorada em diferentes tecnologias
educacionais, atividades
envolvendo interpretação e produção textual, seminários, projeção
de documentários e filmes

2 Plano de Aula: Religiões afro-brasileiras: espaços de sociabilidades


24

Disciplina História
Série 1 º ano
Identificação Turma A
Período Matutino
Religiões afro-brasileiras
Conteúdo
O objetivo da aula é que no fim da mesma os alunos percebam que os
locais de prática religiosa das comunidades de matriz africana, são, além
do seu viés religioso, lugares de manutenção e resistência socioculturais
Objetivos destas etnias, pois são pontos de encontro para o fortalecimento de seus
laços sociais, do momento da chegada dos africanos escravizados até os
dias de hoje, lembrando que desde o período da escravidão suas práticas
sociais são perseguidas, atacadas, desrespeitadas..

Ferramentas sugeridas
- Essenciais: PDF com documentos de texto, imagens, áudio ou
vídeo, com orientações do professor.
- Optativas: Google Formulários, Google Sala de Aula, Padlet,
Metodologia Google Meets.
Questões para refletirem:
- Por que as palavra fiéis, utilizada na matéria do jornal, está entre
aspas? O que isso representa?
- Por que teria sido usada a expressão “cousa nojenta” para
descrever a presença de utensílios de candomblé na casa?
Questões para responderem:
- Por que o uso de talismãs e práticas dos chamados curandeiros
foram considerados criminosos pelo Código Penal do período?
Estabeleça um prazo para que enviem as respostas a esta
pergunta, através de mensagem pelo Whatsapp, Google Sala de
Aula ou outra plataforma que estejam utilizando. Você pode
esclarecer dúvidas e acrescentar informações enviando pequenos
áudios ou vídeos no grupo da turma.
Problematização
Você pode encaminhar os documentos da problematização,
juntamente com a pergunta a ser respondida, para os alunos
através do Whatsapp, e-mail, Google Sala de Aula, Facebook ou
outra ferramenta. Eles podem trabalhar individualmente ou
agrupados.
Estabeleça um prazo para que os estudantes enviem as respostas
e incentive-os a conversarem uns com os outros sobre o que
aprenderam com as fontes.
25

Você pode pedir para que postem as respostas à pergunta da


problematização no grupo da Sala, ou marcar um momento
síncrono, para que eles possam dividir opiniões e respostas.
Sistematização
Para a produção da sistematização, os alunos podem trabalhar
agrupados (à distância). Neste caso, um grupo pode ficar
responsabilizado por juntar as matérias, fazer a capa e
diagramação do jornal, enquanto os outros ficam responsáveis por
produzir os conteúdos.
Outra opção é gravar um vídeo ou podcast, onde os estudantes
enviam áudios ou vídeos com as matérias, como se fossem
repórteres. Em seguida, cada vídeo ou audio deve ser juntado para
criar um programa. Neste caso, escolha alguns estudantes para
serem os âncoras ou apresentadores do jornal, eles devem fazer a
mediação entre as matérias e apresentarão os repórteres.
Convite às famílias
Caso haja interesse, as famílias podem assistir aos episódios do
documentário História do Brasil por Bóris Fausto, disponíveis no
site da Tv Escola, que apresentam de maneira bastante didática, os
principais aspectos de todos os períodos da História do Brasil
(disponível aqui).
O site Era Virtual disponibiliza visitas virtuais a vários museus
brasileiros, o que pode enriquecer muito o aprendizado da História
de nosso país (disponíel aqui).
26

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com este estágio pode-se observar que a oportunidade de uma experiência


prática em sala de aula nos leva refletir sobre a verdadeira realidade do sistema de
educação nacional, o que contribui para repensarmos o mesmo, principalmente
calcando-nos nas teorias aprendidas durante toda a graduação. Desta forma temos
a oportunidade de nos confrontarmos com nossas fragilidades, e de realmente
analisarmos se a teoria condiz com a prática, e qual linha de pensamento seguir. Há
de se destacar que na medida em que vai aumentando a complexidade da vida de
um grupo, a educação se torna cada vez mais relevante. Assim, a educação em
nossos dias, é fundamental para a reflexão sobre a realidade e, ao mesmo tempo
para a atuação responsável na sociedade.
Portanto, destacando-se a valorização dada às ações e reflexões diversas suscitadas
pelos estudantes de história durante a realização dos seus estágios docentes nas escolas, como
fonte e objeto de pesquisa para a construção epistemológica peculiar ou apropriada á esse
momento da formação para a docência em história.
Assim, conseguiremos (nos professores responsáveis pelos estágios supervisionados)
elaborar conhecimentos e metodologias sobre/para a didática da história, direcionado àqueles
sujeitos/alunos do curso de história que vivem o dever ou o dever ser professor de história (já
que não são profissionais formados), em consonância com os objetivos fins dessa formação
que é a aprendizagem histórica dos alunos das escolas.
Ficou claro também, que a educação de qualidade não é somente responsabilidade do
professor, mas também primordial a participação individual e coletiva da família, políticos,
empresas, sociedade, principalmente na atuação do ensino público.
Portanto, a partir do estágio, é possível descobrir pelo graduando se realmente é a
vocação que o mesmo quer seguir na profissão de professor, e se realmente for; que o mesmo
se esforce de maneira tal que possa desenvolver da melhor forma possível em sua profissão de
docente na contribuição do ensino aprendizagem.
27

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Fabiana Rodrigues de and. Miranda, Sonia Regina. Memória e


História em livros didáticos de História: o PNLD em perspectiva. Educ. rev., D e z
2012 , nº.4 6, p.259-283. ISSN 0104-4060

FRANÇA, Cyntia Simioni; SIMON, Cristiano Biazzo, Como conciliar ensino de Historia e
novas tecnologias? ( Mestrado em Historia Social – Universidade Estadual de Londrina ),
2005.

GUIMARÃES , Manuel Luiz Salgado. Escrita da história e ensino da história:


tensões e paradoxo s. In: ROC HA , Helenice et al. A escrita da história escolar:
memória e historiografia. Rio de Janeiro: E d. FGV , 2 009.

https://revistaeducacao.com.br/2018/10/05/bncc-competenciasgerais/

https://educacaointegral.org.br/metodologias/como-construir-uma-politica-curricular-
alinhada-a-educacao-integral
28

Você também pode gostar