Você está na página 1de 1

Controvérsias na Ortodontia

As recidivas da expansão palatina:


por que ocorrem?
por Alberto Consolaro
Quando se promove a disjunção na sutura inter- relação, como acontece na expansão palatina, está se
maxilar ocorre o deslocamento lateral das maxilas e quebrando a tensigridade facial; agora temos uma ins-
formação de uma imagem radiolúcida em forma de V tabilidade e a resultante final não será mais igual a zero.
com o ápice voltado para os ossos palatinos. A sutura Os ossos, dentes e músculos procuram agora uma nova
palatina mediana faz parte da situação estável premeditada
sutura intermaxilar. pelo planejamento ortodôntico
Após algumas semanas, este e ortopédico.
espaço entre as duas maxilas Após a expansão palatina,
estará preenchido por novas uma nova tensigridade implica
camadas ósseas passíveis de se- em uma nova relação estrutural
rem observadas nas radiogra- de equilíbrio facial, incluin-
fias oclusais, principalmente do uma nova relação oclusal,
quando sub-expostas. Este lingual, óssea e muscular; não
osso neoformado, como em haverá recidiva, ou será míni-
qualquer fratura ou disjunção ma, apenas adaptativa. Se após
ósseas, será pouco mineraliza- a eliminação da contenção,
do, mal distribuído e ricamen- não houver uma relação estru-
te celularizado, por isto mesmo tural estável, as forças antigas
denominado de primário ou se restabelecerão e levarão à
embrionário, com funções ape- tensigridade anterior. Toda
nas de preenchimento e união. estrutura procura a sua forma
Em seguida, o osso primário estável. O tempo de contenção
será reabsorvido e substituído é importante para se conseguir
por um osso mais mineralizado e organizado, também uma nova tensigridade.
conhecido como osso secundário ou maduro. No caso da expansão maxilar após a disjunção palati-
O tipo de osso interposto no espaço intermaxilar e na, a recidiva independe do tipo e do grau de maturidade
a sua fase de maturação não interferem na recidiva das de osso neoformado no espaço conseguido, mas sim
expansões palatinas. O tempo de contenção e a recidiva do estabelecimento de uma nova harmonia na relação
estão relacionados com a tensigridade. Este fenômeno entre os dentes, os maxilares, os ossos da face e da base
significa equilíbrio em um sistema de forças atuantes do crânio e, especialmente, entre os tendões e músculos
com resultante final igual a zero. Todas as estruturas, faciais que usam o arcabouço ósseo como ancoragem
naturais ou não, que se apresentam formas estáveis no para gerar os movimentos.
tempo, apresentam tensigridade. Por exemplo, se os Esta concepção de tensigridade, se levada em conside-
dentes estão em posição estáveis, significam que todas ração no planejamento de casos de expansão maxilar por
as forças atuando sobre eles estão se anulando ou equi- disjunção palatina, reduzirá a intensidade e freqüência
valendo-se com resultante final é igual a zero. das recidivas.
A forma facial estável tem a sua tensigridade, não
importa se esteticamente agradável ou não; as relações Prof. Dr. Alberto Consolaro
Professor Titular em Patologia Bucal pela Faculdade de Odontologia
funcionais entre os ossos, dentes e músculos faciais estão de Bauru - FOB - USP
se equivalendo em termos de forças. Ao mudar esta e-mail: alberto@fob.usp.br

100 • R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 2, n. 1, p. 100 - fev./mar. 2003