Você está na página 1de 4

Mó dulo-6

Cesário Verde

1. Após o visionamento da apresentação sobre o poeta Cesário Verde, completa as tabelas, de acordo
com as instruções.
BIOBIBLIOGRAFIA DE CESÁRIO VERDE

Data e local de nascimento


Pais
Estabelecimento comercial do pai
Localização da quinta da família
Curso que o poeta frequentou
Grupo de discussão artística que integrou
Data e local de falecimento
Doença que vitimou os irmãos e o Poeta
Obra que reúne os seus poemas e data de publicação
Responsável pela compilação da obra poética

Temas

Características formais, linguísticas e


estilísticas

2. Ouve e completa o poema sobre Cesário Verde que se segue.

AO ENTARDECER

Ao entardecer, debruçado pela janela,


E sabendo de soslaio que há __________________ em frente.
Leio até me arderem os olhos
O livro de Cesário Verde.
Que _______________que tenho dele! Ele era um _________________
Que andava ________________ em liberdade pela cidade.
Mas o modo como olhava para as _______________________,
E o modo como reparava nas ______________________,
E a maneira como dava pelas____________________,
É o de quem olha para _______________________,
E de quem desce os olhos pela estrada por onde vai andando
E anda a reparar nas ________________ que há pelos _____________...

Por isso ele tinha aquela grande __________________


Que ele nunca disse bem que tinha,
Mas andava na ______________como quem anda no _______________
E triste como esmagar flores em livros
E pôr plantas em _____________________...

Alberto Caeiro (heterónimo de Fernando Pessoa)

2.1.Sublinha, na segunda estrofe, os versos que caracterizam Cesário Verde e explica o seu sentido.

2.2.Qual é o sentimento demonstrado pelo sujeito poético em relação a Cesário Verde? Justifica.

2.3.A observação da realidade é uma ideia fundamental da poesia de Cesário. O que observa ele na cidade?

2.3.1. De que forma observa ele a cidade?

2.4. Indica os temas da poesia de Cesário Verde sugeridos no texto.

3. Ouve um texto em que se aborda a realidade portuguesa no tempo de Cesário Verde,


nomeadamente, em Lisboa, e completa os espaços em branco.

Portugal na segunda metade do século XIX


Entre 1850 e 1880, Portugal mudou de forma _______________________. Atendo-nos à indústria,
um setor, é certo, minoritário, mas significativo, temos que os 893 cavalos-vapor de 1850 haviam
aumentado para 7000, trinta anos volvidos. Na agricultura, as coisas tinham corrido bem: o Minho
exportava quantidades elevadas de __________ e de _________________ e do Algarve saíam, para o
estrangeiro, caixas com laranjas, maçãs, figos, azeite e amêndoas. Contudo, em meados da década de
1880, Portugal começou a ter__________________ no setor primário e, na _____________________,
verificavam-se ______________________, uma vez que o mercado interno foi invadido por produtos que
chegavam a preços __________________. Igualmente relevante foi o crescimento da capital: Lisboa era,
em 1886, uma cidade muito diferente daquela em que Cesário nascera. Em 1855, tinha 179 mil
habitantes; em 1890, _________________ a 302 mil. Em parte, devido à pressão dos recém-chegados, em
parte porque o alargamento dos limites urbanos constituía uma forma de se obterem mais receitas
públicas, a cidade __________________ pelos campos. Perto das fábricas, em Xabregas e Alcântara,
havia agora uma cintura saloia. Era para aí que, aos domingos, __________________ de pães de ló,
talhadas de melão e garrafões de vinho, os ex-camponeses acorriam.

Em 1886, já tinham sido introduzidas algumas das inovações que começavam a tornar a vida
urbana agradável: em _____________________ apareceram os primeiros _______________________, e
em 1878 foram instalados, no Chiado, seis candeeiros elétricos. Mas os melhoramentos não se haviam
propagado. Malcheirosas, as ruas da capital ainda eram de terra batida. […] A higiene era
____________________. Com traseiras apinhadas de galinhas, coelhos e porcos, os domicílios estavam
infestados por ___________________. Apesar de a captação do rio Alviela ter permitido instalar uma
rede de distribuição de água, o benefício chegava a poucas casas. Nos mercados, as condições
_________________ eram ________________. Os fiscais tentavam pôr cobro à situação, mas não
chegavam para as encomendas. No dia da morte de Cesário, tinham sido inutilizadas, como impróprias
para consumo, 81 pescadas, 76 peixes-espadas e 1200 carapaus. Era uma __________________________.

Com os ____________________ das vendedoras, os gritos dos miúdos e os berros das comadres, a
vida lisboeta era ____________________. Nos bairros antigos, que reproduziam as aldeias de onde os
moradores provinham, mantinham-se as velhas lealdades, mas mesmo aí a _________________ era
comum. […] Depois do sol-posto, em Alfama, na Mouraria ou no Bairro Alto, era perigoso passear. Cidade
portuária, a zona ribeirinha era _______________________ movimentada. […] Todos os dias atracavam,
em Lisboa, navios _______________________. […]

O povo de Lisboa era uma amálgama que abrangia o ____________________ fabril e o


_________________, a criada de servir e o __________________, o magala e o engraxador, o pescador e
a ___________________, o azeiteiro e o moço de _________________. Além de auferirem salários
__________________, toda esta gente estava na contingência de ficar sem emprego. Os acidentes de
trabalho eram o pão nosso de cada dia; _________________que morriam, por terem caído de andaimes,
____________________ que ficavam sem dedos porque as máquinas eram mais rápidas do que elas e
___________________ que morriam soterrados porque os poços não tinham sido bem preparados.
Finalmente, não havia ___________________que bastasse para estancar os ________________que
enchiam Lisboa. […] A população alimentava-se à base de pão, sopa e batatas, uma ementa que explica
as elevadíssimas taxas de _______________. As doenças mais comuns eram a __________________ e a
pneumonia. O nível cultural era baixíssimo, situação que só se alterava na capital. […] O contraste entre
__________________ e ____________________ era enorme. […]

Era assim o Portugal de _____________________.


MÓNICA, Maria Filomena, 2007. Cesário Verde. Um Génio Ignorado. Lisboa: Alêtheia (pp. 138-144)

1. Indica algumas inovações na cidade de Lisboa.

2. Apresenta os principais problemas sociais da época em que viveu Cesário verde.

3. Refere algumas profissões da classe popular.

Você também pode gostar