Você está na página 1de 17

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

ESCOLA POLITÉCNICA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Lucas Moura

Victor Gabriel Fagundes

ANÁLISE DE FOURIER DE SINAIS PERIÓDICOS

RELATÓRIO DA ETAPA III DO PROJETO SEMESTRAL DA DISCIPLINA


LABORATÓRIO INTEGRADO III

SALVADOR

2021
Por meio do script em Matlab do Anexo I, foram obtidas as representações de Fourier para
quatro formas de onda disponibilizadas no ambiente virtual de aprendizagem (AVA): triangular,
retificador de meia onda, retificador de onda completa e quadrada.

Onda Triangular
No caso da onda triangular, o gráfico comparativo entre o sinal original e o sinal reconstruído,
considerando 10 harmônicos, pode ser observado na Fig.1.

Figura 1 – Onda triangular: sinal original vs sinal reconstruído.


Nota-se proximidade entre o sinal reconstruído e o sinal original fornecido. Já a distorção
harmônica total calculada: 0.1216 (12%).
Os coeficientes obtidos para reconstrução do sinal, isto é, os coeficientes an e bn da série
trigonométrica de Fourier, bem como o módulo do coeficiente cn e a fase θ da série compacta,
constam na Fig.2.

Figura 2 – Onda triangular: coeficientes.


Já o espectro de fourier referente ao sinal reconstruído, isto é, os gráficos de amplitude e
fase em função do harmônico, consta na Fig.3.

Figura 3 – Onda triangular: espectro de Fourier.

Retificador Meia Onda


A diferença entre o sinal de um retificador meia onda fornecido e a representação de Fourier,
considerando 10 harmônicos, segue na Fig.4.

Figura 4 – Retificador meia onda: sinal original vs sinal reconstruído.


Observa-se que na segunda metade do período há uma diferença de comportamento entre
os sinais original, que apresenta forma linear, e reconstruído, que, por sua vez, tem caráter
oscilatório. Para esse sinal, o TDH calculado foi de 0.4640 (46.40%).
Os coeficientes obtidos para o sinal retificador de meia onda constam na Fig.5.

Figura 5 – Retificador meia onda: coeficientes.


Já o espectro de Fourier pode ser visualizado na Fig.6.

Figura 6 – Retificador meia onda: espectro de Fourier.

Retificador Onda Completa


Na Fig.7 pode ser observada a relação entre o sinal de um retificador de onda completa
fornecido e a representação obtida por meio da série de Fourier para 10 harmônicos.
Figura 7 – Retificador onda completa: sinal original vs sinal reconstruído.

Ao contrário do ocorrido para o retificador de meia onda, o sinal reconstruído apresenta


semelhança com o sinal original, devido a minimização do trecho linear, ao longo de todo o período.
Ao contabilizar o TDH, o valor para o sinal reconstruído é 0.1326 (13.26%), nitidamente menor do
que o valor encontrado para a reconstrução do retificador em meia onda (46.40%).
Os coeficientes obtidos para a representação do retificador de onda completa seguem na
Fig.8.

Figura 8 – Retificador onda completa: coeficientes.

O espectro de Fourier do sinal, por sua vez, pode ser visualizado na Fig.9.
Figura 9 – Retificador onda completa: espectro de Fourier.

Onda Quadrada
O gráfico comparativo entre a onda quadrada fornecida e a reconstrução, através da série
de Fourier com 10 harmônicos, pode ser observado na Fig.10.

Figura 10 – Onda quadrada: sinal original vs sinal reconstruído.


De maneira semelhante ao trecho linear do retificador de meia onda, nota-se também para
a representação de Fourier da onda quadrada caráter oscilatório. Em ambos os casos, esse
fenômeno é consequência da descontinuidade presente nas funções ou trecho aproximado.
Para a onda quadrada, a distorção harmônica total calculada foi de 0.4270 (42.70), isto é, de
valor muito próximo ao do encontrado para o retificador de meia onda.
Já os coeficientes obtidos seguem na Fig.11.

Figura 11 – Onda quadrada: coeficientes.

O espectro de Fourier do sinal, por sua vez, consta na Fig.12.

Figura 12 – Onda quadrada: espectro de Fourier.

Finalizadas as análises dos sinais fornecidos, repetiu-se o procedimento para as senoides


obtidas nas etapas 1 e 2 do trabalho semestral da disciplina.
Senoide Etapa 1
Para o sinal senoidal desenvolvido na etapa 1, isto é, através de um gerador de onda
triangular e circuito conformador de onda, o gráfico comparativo em relação a representação de
Fourier obtida, considerando 10 harmônicos, segue na Fig.13.
Figura 13 – Senoide da etapa 1: sinal original vs sinal reconstruído.

Nota-se divergência entre os sinais nos trechos inicial e final do período, consequência do
próprio sinal original, cuja forma senoidal não é perfeita. Não por acaso, ao computar o TDH do sinal
reconstruído, encontrou-se o valor de 0.37 (37%).
Os coeficientes obtidos para o sinal reconstruído seguem na Fig.14.

Figura 14 – Senoide da etapa 1: coeficientes.

Já o espectro de Fourier consta na Fig.15.


Figura 15 – Senoide da etapa 1: espectro de Fourier.

Senoide Etapa 2
Finalmente, o comparativo entre o sinal senoidal obtido na etapa 2, isto é, através de um
bloco digital associado a um conversor D/A e a um filtro RC, e a representação por série de Fourier,
truncada em 10 harmônicos, segue na Fig.16.

Figura 16 – Senoide da etapa 1: sinal original vs sinal reconstruído.


Além do aspecto visual, a semelhança entre os sinais é também atestada pelo TDH, cujo
valor encontrado foi de 0.0171 (1.71%), indicando que a representação é muito próxima de uma
senoide pura. Cabe destacar que a senoide obtida na etapa 2 é proveniente da conversão de um
sinal senoidal puro amostrado e, portanto, possui forma comportada, ao contrário do sinal obtido na
etapa 1.
Os coeficientes obtidos para a representação do sinal podem ser visualizados na Fig.17.

Figura 17 – Senoide da etapa 2: coeficientes.

Por fim, o espectro de Fourier segue na Fig.18.

Figura 18 – Senoide da etapa 2: espectro de Fourier.

Diagrama mspectral de módulo (|Cn|) para o sinal da etapa II

Após as análises preliminares das 5 formas de onda solicitadas, foi dado ênfase no sinal gerado
da etapa 2, de modo que um novo espectro de Fourier (diagrama espectral), considerando 100
harmônicos, foi gerado para o sinal antes e depois do filtro RC, como podem ser vistos nas Figs. 19
e 20.
Figura 19 – Diagrama espectral de módulo do sinal antes do filtro.
O sinal foi gerado a partir do PartQuest, ou seja, ele já é um sinal digital ou amostrado por um
número de pontos, porém o mínimo número de pontos gerados pelo simulador é considerado alto,
pensando no teorema da amostragem que diz que a frequência de amostragem deve ser 2 vezes
maior que a frequência do sinal.
N está acima dos 2000 pontos, o que gera muito ruído no sinal, isso pode ser observado na
Fig. 19, que mesmo com o número reduzido de harmónicos, tem pontos com valor muito alto de
amplitude, como n = 51 e n = 99. O mesmo pode ser observado no sinal gerado após a filtragem,
como observado na Fig. 20

Figura 20 – Diagrama espectral até a 100ª harmônica do sinal filtrado


O sinal também apresenta ruídos com amplitudes consideráveis, porém os sinais sem filtro e
com respectivamente, quando N = 100, possuem TDH1 = 0,4942 e TDH2 = 0,4368.
Para o caso em que, ignorando os fatos listados acima, o número de pontos gerados fosse
considerado como correto, teríamos N = 1215, pelo critério de Nyquist e os diagramas ficariam como
o visto nas Figs. 21 e 22.
Figura 21 – Diagrama espectral até a 1215ª harmônica do sinal antes do filtro.

Figura 22 – Diagrama espectral até a 1215ª harmônica do sinal filtrado.

Como pode ser visto nas Figs. acima, os ruídos aumentaram consideravelmente, tendo efeito
na distorção do sinal. Os novos TDH dos sinal sem filtro e filtrado são de TDH1 = 3,3144 e TDH2 =
3,1238.
Critério da amostragem de Nyquist
O Sinal com retificação meia onda fornecido, tem N ideal igual à 831, segundo o critério de
Nyquist, porém a nível de comparação foi extrapolado para o dobro desse valor. O resultado entre
o sinal original e o recomposto, segundo esse número de harmônicos pode ser visto na Fig. 23.

Figura 23 – Comparação entre sinais original e Recomposto de um retificador de meia onda


Como pode ser observado, o sinal sofreu uma grande distorção, seguindo, portanto, o
comportamento esperado. Quando calculado o TDH, o valor encontrado foi de 1,9783, isto é,
divergindo completamente do primeiro caso, exemplificado na Fig. 4 e no qual o valor de N é muito
abaixo do valor máximo.
Anexo I

clear;

clc;

close all

%Leitura dos valores de t, f(t) e T

%data = 'meastriangle.txt';

data = 'meassq.txt';

%data = 'measfw.txt';

%data = 'meashw.txt';

%data = 'etapa1.csv';

%data = 'etapa21.txt';

format = extractAfter(data, '.');

sign = importdata(data);

%Condicional para o formato de arquivos txt disponibilizados

if format == 'txt'

t = sign(:,1)';

f = sign(:,2)';

else

t = sign(:,1);

f = sign(:,2);

end

T = t(end) - t(1);

w = (2*pi)/T;

%Plotagem do sinal fornecido


graf = input ('Deseja visualizar a curva f(t) vs t (s se sim)?: ', 's');

if graf == 's'

plot(t,f);

xlabel('tempo (s)');

ylabel('Tensão (V)');

title('Sinal Original');

grid on;

end

%Determinação de variáveis da série de Fourier (Intervalo 0 < t < T);

s = length(t);

n = input ('Digite o valor para truncamento da série de Fourier: ');

valor_a = 0;

valor_b = 0;

valor_termo = 0;

a = zeros(n,1);

b = zeros(n,1);

c = zeros(n,1);

teta = zeros(n,1);

%Obtenção dos coeficientes da série de Fourier

for k = 0:n

if k == 0

valor_a = 1/T * trapz(t,f);

else

valor_a = 2/T * trapz(t, f.*cos(w*k*t));

valor_b = 2/T * trapz(t, f.*sin(w*k*t));

end
a(k+1,1) = valor_a;

b(k+1,1) = valor_b;

teta(k+1,1) = atan(-valor_b/valor_a);

if k ~= 0

c(k+1,1) = sqrt((valor_a^2) + (valor_b^2));

else

c(k+1,1) = valor_a;

end

end

f2 = zeros([s 1]);

%Reconstrução do sinal através da série de Fourier

for x = 1:s

for z = 0:n

valor_termo = a(z+1,1)*cos(w*z*t(x)) + b(z+1,1)*sin(w*z*t(x));

f2(x) = f2(x) + valor_termo;

end

end

n2 = linspace(0,n,n+1);

%Plotagem do sinal fornecido pela série de Fourier

figure;

plot(t,f2);

xlabel('tempo (s)');

ylabel('Tensão (V)');

title('Sinal Reconstruído');
grid on;

%Plotagem do espectro de Fourier

c1_copy = abs(c);

figure;

subplot(1,2,1);

stem(n2, c1_copy);

xlabel('n');

ylabel('|Cn|');

title('Espectro de Amplitude');

subplot(1,2,2);

stem(n2, rad2deg(teta));

xlabel('n');

ylabel('Fase');

title('Espectro de Fase');

%Tabela com os coeficientes

n_ = n2';

an = a;

bn = b;

%dn1 = d1;

%dn2 = d2;

abs_cn = c1_copy;

fase = rad2deg(teta);
coeficientes = table(n_, an, bn, abs_cn, fase);

valor = 0;

for k = 1:n

if k >= 3

valor = (c1_copy(k)^2)+ valor;

end

end

tdh = 1/c1_copy(2)*sqrt(valor);

figure;

plot(t,f, 'g');

hold on;

plot(t,f2, 'b-.');

legend('Sinal Original', 'Sinal Reconstruído');

xlabel('tempo (s)');

ylabel('Tensão (V)');