Você está na página 1de 6

ANATOMIA MACROSCÓPICA DO CEREBELO

I. Generalidades

Do latim: cérebro pequeno, representa 10%


do volume total do cérebro, porém contém mais
que a metade de todos os neurônios do SNC.
Relaciona-se com o controle motor e surge naqueles animais que dependiam de
um melhor controle motor (postura, equilíbrio e movimentos mais finos). Órgão que
não é necessário para percepção ou contração muscular. Regula indiretamente a
postura e a correção momento a momento o movimento.

II. Conceito

É a parte do sistema nervosos central situada dorsalmente ao tronco


e inferiormente ao lobo occipital do telencéfalo. Faz parte do sistema supra
segmentar que controla e corrige o ato motor.

III. Origem embriológica: parte posterior do metencéfalo

IV. Posição anatômica: na fossa posterior do crânio, limitada superiormente por


uma dobra de dura-máter. Localiza-se posteriormente ao tronco encefálico

V. Relações:
5.1 - Pedúnculo cerebelar superior- formados predominantemente por fibras
eferentes que projetam-se ao cérebro
5.2 - Pedúnculo cerebelar médio- formados predominantemente por fibras
aferentes dos núcleos pontinos
5.3 - Pedúnculo cerebelar inferior - formados predominantemente por fibras
aferentes oriundas da ME e bulbo

VI. Funções: controle dos movimentos (equilíbrio e postura) e do tônus muscular,


bem como a aprendizagem motora. Controla/influencia os neurônios motores
homolaterais da ME, TE e córtex motor. Lesões cerebelares determinam erros no
planejamento e execução do movimento

VII. Aspectos morfológicos:


7.1. Faces:
7.1.1 - Face anterior -
relaciona-se com o Tronco Encefálico.
7.1.2 - Face superior -
relaciona-se com o lobo occipital, separados
pela tenda do cerebelo.
7.1.3 - Face inferior- apoiada
na fossa posterior do crânio. Nesta face encontra- se a amígdala que em casos de
hipertensão craniana podem penetrar no forame magno (hérnia), comprimindo o
bulbo.

7.2. Fissuras:
7.2.1 - Póstero-lateral - filogeneticamente foi a primeira que surgiu.
7.2.2 - Primária (ou prima) - surgiu posteriormente a fissura póstero-
lateral.
7.3. Divisão Anatômica:
7.3.1 - Verme - região central. A porção superior é pouco delimitada e
a porção inferior é separada por sulcos laterais.
7.3.2 - Hemisférios cerebelares - porções laterais ao verme

7.4. Divisão Ontogenética:

7.4.1 - Lobo floculonodular- limitado do lobo anterior pela fissura


póstero-lateral, constituído pelo flóculo (localiza-se abaixo do ponto em que penetra
o pedúnculo cerebelar médio) e o nódulo (localiza-se ântero-inferiormente verme)
7.4.2 - Corpo cerebelar: é dividido pela fissura prima em
4.2.1 - Lobo anterior
4.2.2 - Lobo posterior

7.5. Divisão Filogenética:


Constituído por 3 fases (esta divisão relaciona-se com as síndromes):

7.5.1 - Arquicerebelo (cerebelo vestibular)- Surgiu em vertebrados


aquáticos, forma cilíndrica (lampréia), que necessitavam do equilíbrio (canais semi-
circulares) onde o cerebelo dava a posição do animal para a coordenação
muscular. É formado pelo lobo flóculo-nodular. Funções de equilíbrio.

7.5.2 - Paleocerebelo (cerebelo espinhal) - surgiu nos peixes, onde


as nadadeiras representam indício de membros, os quais possuem fusos
neuromusculares (grau de estiramento muscular, velocidade do movimento,
posição do membro e ângulo das articulações) e o órgão neurotendíneo de Golgi
que informa sobre o grau de contração muscular. O paleocerebelo é formado pelo
lobo anterior mais o segmento pirâmide e úvula (porções Antero-inferior da porção
inferior do verme). Recebe informações proprioceptivas da ME. Relaciona-se com
o tônus, marcha e postura do animal.

7.5.3 - Neocerebelo (cerebelo cortical)- aparece nos mamíferos que


começaram a utilizar os membros para execução de movimentos delicados e
assimétricos Porção envolvida no controle de movimentos finos (coordenação
motora).Tem amplas conexões com o córtex cerebral. É formado pelo lobo
posterior menos o segmento pirâmide e úvula

7.6. Divisão longitudinal


Constituída de três partes, cada uma com distintas conexões:
7.6.1 - Verme - relaciona-se com o núcleo fastigial que emite fibras
para regiões corticais e para o TE dando origem ao sistema descendente medial.
7.6.2. - Zona intermediária - relaciona-se com o núcleo interpósito,
emite fibras para regiões corticais e ao TE que dão origem ao sistema descendente
lateral.
7.6.3 - Zona lateral - relaciona-se com o núcleo denteado, emitindo
fibras para regiões motoras e pré-motoras do córtex cerebral envolvidas com o
planejamento dos movimentos.
VIII - Distribuição das substâncias cinzenta e branca:

8.1. Córtex cerebelar - fina camada externa de substância cinzenta que


recobre um centro branco (corpo medular).
8.2. Centro branco medular - formado pela irradiação das lâminas
medulares (em forma de árvore). Ao contrário do cérebro existem poucas fibras de
associação. Constituído por fibras aferentes e eferentes (ao córtex motor com o
cérebro).
8.3. Folhas Cerebelares:
8.3.1 - Lâminas brancas
83.2 - Córtex - estruturalmente menos complexo que o córtex
cerebral.
8.4. Núcleos centrais:
Núcleos profundos (conduzem
sinais cerebelares para outras partes do
SNC):
8.4.1 - Fastigial
8.4.2 - Interpósito:
8.4.2.1 - Globoso
8.4.2.2 - Emboliforme
8.4.3 – Denteado
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO:

1. Qual a origem embriológica do cerebelo?


2. Cite as faces do cerebelo
3. Como se divide o cerebelo quanto aos aspectos anatômicos, ontogenético e
filogenético?
4. Porque as tonsilas são destacadas no estudo do cerebelo?
5. Cite os núcleos centrais do cerebelo e suas relações com a divisão filogenética
desse órgão