Você está na página 1de 116

UNIVERSIDADE DO MINDELO

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS


CURSO DE GESTÃO HOTELEIRA E TURISMO

DEPARTAMENTO DE F&B

DOMINGAS MANUELA BAPTISTA CRUZ

São Vicente, 15 Novembro 2013


UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS


CURSO DE GESTÃO HOTELEIRA E TURISMO

Relatório de Estágio
Profissional para
cumprimento dos requisitos
necessários á obtenção do
grau de Licenciatura do
curso de Gestão Hoteleira e
Turismo da Universidade do
Mindelo

Orientador: Mestre João


Henrique Rêgo

DOMINGAS MANUELA BAPTISTA CRUZ

São Vicente, 15 Novembro 2013

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE ii
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Domingas Manuela Baptista Cruz, autora do


Trabalho de Conclusão de Curso intitulado
Relatório de Estágio Profissional, declara que,
salvo fontes devidamente citada se referidas, o
presente documento é fruto do seu trabalho
pessoal, individual e original.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE iii
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Sumário
I-INTRODUÇAO ........................................................................................................................................... 1
1-OBJECTIVOS ............................................................................................................................................. 2
1.1.OBJECTIVO GERAL.................................................................................................................................. 2
1.2.OBJECTIVOS ESPECÍFICOS ......................................................................................................................... 2

2.METODOLOGIA ........................................................................................................................................ 3
3.APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE ACOLHEDORA.......................................................................................... 4
4.SURGIMENTO DA HOTELARIA .................................................................................................................. 7
II-REFERENCIAL TEÓRICO ............................................................................................................................ 9

1.FUNÇÕES DA ASSISTENTE DE F&B DO HOTEL FOYA BRANCA.................................................................. 12


1.1ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES DA ASSISTENTE DE A&B: ......................................................................... 12
1.2.QUALIDADES DO RESPONSÁVEL DE F&B .................................................................................................... 13
1.3.POLÍTICAS COMERCIAIS\ MARKETING .............................................................................................. 14
1.3.1POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO / DISTRIBUIÇÃO ................................................................................................ 15
1.3.2.CONTRATO DE ALLOTMENT .................................................................................................................. 16
1.3.3.Preços...................................................................................................................................... 16
1.3.4.Marketing Directo.................................................................................................................... 17
1.3.5.Vendas .................................................................................................................................... 19
1.4.RECURSOS HUMANOS ..................................................................................................................... 22
1.4.1-FASES DO RECRUTAMENTO .................................................................................................................. 22
1.4.2. Horário de trabalho ................................................................................................................ 23
1.5.1.FASES DO EVENTO ............................................................................................................................. 24
2.COZINHA ................................................................................................................................................ 26

2.1REQUISITOS DA BRIGADA DA COZINHA ........................................................................................................ 28


2.2. ANÁLISE E DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES : ....................................................................................................... 28
2.3. PLANEAMENTO ................................................................................................................................... 31
2.4.EQUIPAMENTOS UTENSÍLIOS ................................................................................................................... 32
2.5.CLASSIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS, MÓVEIS, MATERIAIS E UTENSÍLIOS: ........................................................... 34
2.6.HIGIENE E SEGURANÇA NA COZINHA ......................................................................................................... 34
2.6.1.Formação ................................................................................................................................ 35
2.6.2.Fardamento / Mãos / Unhas .................................................................................................... 36
2.7.HACCP............................................................................................................................................. 37
2.7.1.Regras de higiene profissional .................................................................................................. 38
2.7.2.Regras de higiene pessoal e corporal na cozinha ...................................................................... 38
2.7.3.Regras de higiene do material e dos locais ............................................................................... 39
2.7.4.Regras de Segurança................................................................................................................ 39
2.7.5. HACCP- sua aplicação prática .................................................................................................. 41
2.8.TÉCNICAS DE REFRIGERAÇÃO E CONGELAÇÃO ............................................................................................... 42
2.9.FICHA TÉCNICA DOS PRODUTOS ............................................................................................................... 43
DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE iv
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

3.RESTAURANTE E BAR ............................................................................................................................. 44


3.1.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES DO PESSOAL DO RESTAURANTE/SNACK-BAR: ................................................. 45
3.2.TIPOS DE SERVIÇOS E TIPOS DE EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS ................................................................................ 49
3.3. LOCALIZAÇÃO ..................................................................................................................................... 51
3.4. ESPAÇOS ........................................................................................................................................... 52
3.5.MOBILIÁRIO E UTENSÍLIOS DO RESTAURANTE E BAR DO HOTEL ........................................................................ 53
3.6.DECORAÇÃO ....................................................................................................................................... 54
3.7. MÚSICA AMBIENTE .............................................................................................................................. 55
3.8.CARDÁPIO .......................................................................................................................................... 55
3.8.1.Um cardápio deve necessariamente: ........................................................................................ 55
3.8.2.Alguns factores são determinantes na elaboração de um cardápio, como:................................ 56
3.9.ALGUNS DOS SERVIÇOS DO HOTEL............................................................................................................ 58
3.10.BAR ............................................................................................................................................... 60
3.11.GESTÃO E CONTROLE DA CAIXA ............................................................................................................. 60
4.ECONOMATO ......................................................................................................................................... 61
4.1.CÂMARA FRIGORÍFICA ........................................................................................................................... 63
4.2.CAVE ................................................................................................................................................ 63
4.3.FICHA DE STOCK................................................................................................................................... 63
4.4. REQUISIÇÃO INTERNA ........................................................................................................................... 64
4.5. GESTÃO DE COMPRAS ........................................................................................................................... 65
4.6.O CHEFE DE COMPRAS ........................................................................................................................... 65
4.7.DEFINIÇÃO DA POLÍTICA DE COMPRAS........................................................................................................ 66
4.8.A RECEPÇÃO DAS MERCADORIAS .............................................................................................................. 68
4.9.LOCALIZAÇÃO E EQUIPAMENTO ................................................................................................................ 70
4.10. NORMAS DE RECEPÇÃO DE MERCADORIAS................................................................................................ 70
4.11.GESTÃO DO ECONOMATO .................................................................................................................... 71
4.12. ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ....................................................................................................... 72
4.13.NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO DAS MERCADORIAS DO HOTEL ............................................................................. 73
4.14.CODIFICAÇÃO DOS PRODUTOS (NO PROGRAMA INFORMÁTICO)...................................................................... 74
5.CONTROLO............................................................................................................................................. 76
5.1.IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLO DE F&B ................................................................................... 76
5.2.O CONTROLO DO F E B VISA SOBRETUDO .................................................................................................... 76
5.3.PRINCÍPIO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA EFICIENTE .......................................................................... 77
5.4.CONTROLO DE BEBIDAS NO BAR E RESTAURANTE .......................................................................................... 78
5.5.CONTROLE DAS DESPESAS DE BUFFET E RODÍZIO .......................................................................................... 79
5.6. ANÁLISE DE ÍNDICE DE RENTABILIDADE E POPULARIDADE ............................................................................... 79
5.7.CONTROLO DA COZINHA ........................................................................................................................ 82
III.ANÁLISE DE COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS ............................................................................................ 83
IV.CONSIDERAÇÕES FINAIS ....................................................................................................................... 84
V.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .............................................................................................................. 85

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE v
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

VI.ANEXOS ................................................................................................................................................ 87

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE vi
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

LISTA DE TABELAS

Tabela 1- quadro das cores dos materiais…………………………………………….40

Tabela 2- oferta de pratos…………………………………………………………….57

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE vii
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Ilustração 1-Organigrama do hotel………………………………………………….5

Ilustração 2-organigrama funcional F e B…………………………………………...9

Ilustração 3-organigrama funcional da cozinha…………………………………….27

Ilustração 4-organigrama funcional do restaurante………………………………...44

Ilustração 5- áreas do economato…………………………………………………..62

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE viii
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

LISTA DE SIGLAS
GHT- gestão hoteleira e turismo
F & B –foodandbeverage - alimentos e bebidas
HACCP- HazardAnalysisandCriticalControlPoint (Análise dos Perigos e Pontos Críticos
de Controlo
FIFO- firstinfirstout – primeiro a entrar, primeiro a sair

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE ix
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

LISTA ABREVIATURAS
TV- televisão
Alim- alimentos
Ex - exemplo

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE x
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

LISTA DE EXPRESSÕES TECNICAS


LAND VIEW- vista para terra
SEA VIEW- vista para mar
PACKAGES- pacotes
MISE-EN-PLACE- organização de trabalho
LAYOUT- projecto
TWIN- quarto com duas camas
ALLOTMENTS- conjunto de quartos atribuído a um operador
ECOCHIP- economizador de energia
MAILING- correspondência direccionada
FLYER- panfleto publicitário
HAPPY HOUR- tempo criado pelos hotéis para forçar a venda com base em
descontos promocionais
PART TIME- trabalho temporário
COFFE SHOP- cafetaria
GOURMET- especialista de boa cozinha
GUERIDON- mesa de apoio técnico que serve para cozinhar
CASH- pagamento a dinheiro
DIRECT MARKTING- marketing directo
RENT-A-BIKE- aluguer bicicleta

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE xi
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

RESUMO
Para completar o curso existe a possibilidade de escolher entre a elaboração de uma
monografia ou a realização de um estágio profissional e do respectivo relatório. A opção
assumida foi a de estágio, que decorreu no hotel Foya Branca situado em são Pedro pelo
período de três meses, visando o ajustamento entre a teoria assimilada nas aulas e a
realidade do mundo do trabalho.

O estágio decorreu no departamento de Food and beverage (F&B) abrangendo as áreas bar/
restaurante, economato, cozinha, permitindo conhecer as práticas de planeamento e gestão
de eventos, recursos humanos, vendas e a política comercial do Hotel. O formando deveria
ainda aprofundar um dos temas tratados na área de estágio. A opção assumida foi o
controlo, com a finalidade de conhecer, perceber e executá-lo nas diferentes áreas desse
departamento.

Houve a necessidade de conhecer o funcionamento das diversas áreas, bem como o staff,
os equipamentos, as funções, a organização, e a prática das tarefas que integram as
actividades de cada secção, desde as actividades operacionais elementares até às das de
gestão e controlo.

Palavra-chave: F&B, Eventos, Recursos Humanos, Comercialização, Controlo

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE xii
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ABSTRAT
In order to acquire the degree there was the possibility to choose between a Monograph or
a Report of a Professional training experience. The option followed was a three month’s
training, at Foya Branca Resort Hotel, in S.Pedro, with the intention of an adjustment,
between the theory acquired on classes and the day to day reality.

The training took place in the F&B Department, covering areas as: bar / restaurant,
stationery, kitchen, allowing the understanding, planning and management practices of
events, Human Resources, sales and the commercial policy of the Hotel. The trainee
should also develop more deeply one of the matters he had the chance to deal during that
period. The option token was the control, with the intention to know, understand and
execute it, in all the areas of the Department.

There was the need to understand the procedures of all areas, as well as the staff, the
equipments, the functions, the organization and the practice of the works that integrate the
activities of each section, from the operational simple ones, to the ones of management and
control.

Key words: F&B, Events, Human Resources, Sales, Control.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE xiii
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

AGRADECIMENTOS
Primeiramente agradeço a Deus por ter-me ajudado até aqui, por ser a fonte onde recorria
nos meus momentos de aflição.

Também tenho muito a agradecer a minha mãe que tem vindo a ser o meu suporte e apoio
em todos os momentos, agradeço a minha família que esteve ao meu lado durante esses
anos de luta e conquistas.

Agradeço aos meus amigos, colegas e companheiros que estiveram comigo e me aturaram
o meu mau feitio e que ririam comigo em situações propícias.

Um agradecimento especial ao professor, coordenador, orientador Mestre João Henrique


Rego pelo apoio, orientação, disponibilidade, sugestões, criticas que tanto me ajudaram e
principalmente pela paciência sem fim.

Em memoria do meu PAI que partiu antes de o conhecer.

Muito obrigado a todos.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE xiv
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

I-INTRODUÇAO
O curso de gestão hoteleira e turismo é um curso de cariz pratico que implica um
complemento operacional, que vai facilitar aos formandos a aquisição de competências,
que só se podem ser adquiridas na prática do dia-a-dia, permitindo aos mesmos a
possibilidade de fazerem a ponte entre a teoria aprendida ao longo dos 4 anos e a realidade
a enfrentar ao longo de toda a sua vida profissional.

Sendo assim a necessidade do contacto com a realidade laboral é cada vez mais
determinante, pois é importante o formando conhecer o meio/mercado em que esta
inserido, para que se possa adaptar da melhor forma possível.

A universidade possibilita ao formando a realização de um estágio como complemento e


conclusão do curso, e sendo o curso de GHT um curso, que tem um vasto leque de opções
para saídas profissionais, eu optei por fazer o meu estágio no departamento de F e B, que
decorreu no Resort Hotel Foya Branca, com intuito de adquirir ferramentas, competências
e conhecimentos necessários a uma rápida integração e colocação no mercado de trabalho.

Este relatório abrange as áreas de Cozinha, Compras, Economato, Restaurante/Snack-Bar e


Gestão de F e B nas suas múltiplas vertentes.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 1
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

1-OBJECTIVOS

1.1.Objectivo Geral

Ampliar o conhecimento sobre a gestão de F e B, adquirir uma capacidade crítica e uma


desenvoltura, que permitam enfrentar da melhor forma possível situações, que não estejam
em conformidade com a teoria apreendida.

1.2.Objectivos Específicos
 Relacionar conteúdos assimilados ao longo das aulas com a prática
 Conhecer bem melhor as áreas do departamento e as suas funcionalidades
 Reconhecer as funções dos colaboradores e a sua importância para obter um bom
produto
 Conhecer as políticas de controlo existentes no departamento
 Desenvolver capacidade de resolver questões operacionais

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 2
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

2.METODOLOGIA
A metodologia trata de um estudo sobre um tema específico ou particular, com

suficiente valor representativo e que obedece determinadas regras, permitindo investigar

um determinado assunto não só em profundidade, mas também em todos os seus ângulos e

aspectos, dependendo dos fins a que se destinam, incluindo ainda um estudo

pormenorizado, uma avaliação dos vários métodos disponíveis e identificando as suas

limitações. A metodologia baseada na elaboração deste relatório de estágio profissional

realizado no departamento de estágio consiste basicamente na observação e execução das

tarefas inerentes ao departamento de forma a permitir uma aquisição de aptidões,

competências e valências práticas através de um estágio profissional

A metodologia que serviu de base à elaboração do presente relatório, resume-se:

1- Observação directa – Consiste em estuda de forma atenta e pormenorizada, as


execuções práticas, de cada operação.

2- Participação - Consiste na execução prática de tarefas, com a intenção de aprimorar


as operações ordenadas, possibilitando uma maior liberdade na execução das
operações.

Este trabalho é constituído pela fundamentação teórica que serviu como suporte para o
trabalho, e a descritiva onde se efectuou uma descrição detalhada das actividades
desenvolvidas no Resort Hotel Foya Branca mais concretamente no departamento de F&B.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 3
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

3.APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE ACOLHEDORA


Foya Branca Resort Hotel encontra-se situado em São Vicente, mais concretamente na
praia de Santo André, a uma distância de 1 km do aeroporto e a 5 km da cidade do
Mindelo.

Construído á 01 de Janeiro de 1999, o Hotel possui actualmente um capital social de


750.000 contos, trata-se de uma sociedade por quotas, com pelo menos 30 sócios. Sendo a
sócio maioritário detém 23% das acções e dos restantes a maioria tem cerca de 2 á 3 % de
acções. Este empreendimento conta com cerca de 62 (sessenta e dois) trabalhadores.

Foya Branca é um complexo turístico de 30.000 metros quadrados, perfeitamente integrado


no ambiente que o rodeia.

O Resort dispõem de 74 (setenta e quatro) unidades de alojamentos, estruturadas em:


dezasseis juniores suites com quatro quartos triplos e doze quartos duplos, seis vilas sendo
que duas tem dois quartos, duas vilas com quatro quartos e duas de três quartos. Também
possuem cinquenta e dois standards sendo eles sete com Land View, e quarenta e cinco
com SeaView. Os alojamentos de Land view dispõem de sete camas de casal, os Seaview
tem nove camas de casal e trinta e seis twins, ainda o hotel dispõem de três quartos
adaptados para os deficientes, todas as unidades estão equipadas com cofres, telefones,
mini bares, T.V., sistema de alarmes nas casas de banho, detectores de fumo, secadores de
cabelo, casas de banho com duche, água quente e fria. Todos os quartos têm ar
condicionado com excepção das vilas que possuem ventiladores. Relativamente aos
quartos com ar condicionado (no bloco novo) as portas são abertas através de um cartão e
depois de aberta é introduzida no eco-ship e todos os equipamentos ligam
automaticamente.
Este complexo turístico possui ainda um restaurante, dois bares, um snack-bar, duas
cozinhas modernamente equipados. Os hóspedes podem usufruir de três piscinas de água
doce, sendo uma para as crianças. Á volta das piscinas existem cadeirões. Os clientes têm a
disposição um ginásio, um campo de ténis e um parque infantil. O Hotel proporciona o

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 4
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

transporte de hóspedes e funcionários do Hotel - Cidade e Cidade - Hotel. Ainda oferece o


serviço de rent-a-car, rent-a-byke e excursões para Santo Antão entre outros locais.
Para além de alojamento, o hotel oferece um serviço de rodízio todos os Sábados com
música ao vivo e aos domingos proporcionam self-service ao almoço, com piscina
incluída. O Hotel encontra-se estruturado da seguinte forma:
Ilustração 1- organigrama do hotel

Direcçã
oGeral

Dep. de Dep. de Dep.


F&B Alojamento Financeiro

Cozinha Bar/ Economato Recepção Andare Animaçã Transport Manutenção Contabilidad Adminis Tesouraria
s o e e trativos
Restaur.

r
Front Quartos
Restau office

r.
Reserva Limpeza

Portaria Lavandari
a

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 5
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Visão

Proporcionar aos clientes um serviço, eficiente, rápido e com elevada qualidade, de modo a
destacar face a concorrência e alcançar a liderança do mercado.

Missão

A missão do hotel visa disponibilizar serviços de alojamento e restauração, de modo a


atender as necessidades e expectativas dos clientes/hóspedes, parceiros e empresas, tendo
em conta sempre a qualidade e o preço.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 6
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

4.SURGIMENTO DA HOTELARIA
Com a Revolução industrial no século XIX, veio o surgimento da máquina a vapor, a
energia eléctrica, e outras inovações que foram de grande importância para o
desenvolvimento da hotelaria, e consequentemente para o sector de F&B, pois as pessoas
passaram a escolher meios de hospedagem que oferecesse além de serviços de
hospedagem, o da refeição.
Assim o que era restrito apenas para os bares e tabernas, passou a fazer parte dos principais
serviços oferecidos aos clientes \ hóspede. Foi também neste período, que a burguesia
endinheirada, passou a comprar os castelos da nobreza falida e passaram a alugar para
famílias de nobres e da alta burguesia.
Em 1870, César Ritz, construiu um estabelecimento hoteleiro em Paris, o mais moderno na
altura, o famoso Hotel Ritz, que dentre tantos serviços ofertados, fazia também parte o
serviço de alimentos e bebidas, serviços esses que ficou sob a responsabilidade do
cozinheiro George Auguste Escoffier.
Na América também houve uma grande evolução dos hotéis. Em 1525 foi fundado o
primeiro hotel no continente americano. Em 1794, foi construído o New York’s City
Hotel.Em 1828, surge o TremontHouse, considerado o primeiro hotel de 1ª classe.
Quanto a origem da restauraçao
A origem da restauração, remonta a 6.000 anos antes de Cristo, quando os povos da
Mesopotâmia, conheciam já os processos, de fabrico do vinho e da cerveja. Em Atenas,
500 anos antes de Cristo, existiam já Albergarias, onde se serviam abundantes refeições,
aos residentes e visitantes.
Quanto ao nome pode-se dizer que a origem desse nome restaurante não é antiga, em 1765,
um francês, de nome Boulanger, negociava caldos e resolve dar ás suas sopas o nome de
restaurants (restauradores/revigoradores), daí a generalização do termo, como acção de
restaurar as forças e as energias, através da ingestão de alimentos e bebidas.

Até ao aparecimento do caminho-de-ferro, a velocidade e a distância, a que o homem podia


viajar, eram determinadas pela capacidade do cavalo. Naturalmente, as estalagens de

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 7
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

muda, deram origem aos hotéis, e restaurantes turísticos, implantando-se assim, a


restauração tradicional e clássica, em vários Países da Europa.

A restauração é um serviço que deve ser considerado como uma actividade muito
importante na economia e na sociedade moderna pois satisfaz uma necessidade primária, a
alimentação.
A restauração, evoluiu e especializou-se, de forma a dar resposta á diversidade de
necessidades, que se foram criando.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 8
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

II-REFERENCIAL TEÓRICO
A área seleccionada para realização do estágio profissional foi a que se ocupa das
operações de alimentos e bebidas, bem como da coordenação dos sectores inerentes a essa
operação. O departamento de F&B abrange 3 sectores/áreas:
 Economato;
 Cozinha;
 Bar \ restaurante.

Organigrama do F e B, do hotel Foya Branca


Ilustração 2- organigrama do F e B

F&B

Reataurante
Economato Cozinha
e bar

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 9
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

O departamento de F&B, é a mais complexa das estruturas organizacionais e


funcionais de um hotel, isso devido às despesas de mão-de-obra que são
aproximadamente 2.5 vezes maiores do que o sector de hospedagem, e a receita é 4
vezes menor comparativamente com o mesmo sector(CASTELLI, 2003).

Esse departamento exige um profissional com uma grande experiência na área, e


uma boa brigada dos funcionários que trabalhem conjuntamente com o responsável
desse departamento.

O termo Food & Beverage (Alimentos e Bebidas) adoptou-se para designar todas as
actividades relacionadas com a produção, o serviço e a comercialização de comidas
e bebidas. É parte integrante da estrutura de qualquer hotel e funciona na completa
dependência da direcção do hotel.

O departamento de F&B é composto por todos os serviços que se relacionam com


os restaurantes, bares, cozinhas (produção) e gestão de aprovisionamento,
obedecendo sempre a um controlo para que tudo esteja em harmonia com um
serviço de qualidade oferecendo maior satisfação ao cliente, tendo sempre em vista
a maximização do lucro e minimização do custo.

Entre os factores que afectam os lucros, fazendo descer o nível das receitas,
podemos mencionar a concorrência, leis e regulamentos, bem como a resistência
dos clientes. Por outro lado, outros factores exercem pressões sobre os custos,
nomeadamente as matérias-primas, a mão-de-obra, os diversos produtos
operacionais, as taxas e impostos.

O volume das vendas constitui o termómetro de qualquer negócio. É um aferidor


que obriga as mudanças, sempre que tal volume se torna insatisfatório.
Entre as causas mais usuais da diminuição do nível de vendas podem citar-se:
DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 10
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Preços fora da concorrência


 Monotonia das ementas
 Fraca qualidade da alimentação servida
 Serviço lento e ineficiente
 Falta de condições sanitárias
 Ambiente pouco atractivo e ruidoso
 Localização inadequada
 Promoção deficiente

O custo das matérias-primas e as despesas com o pessoal constituem, por outro lado, as
componentes principais dos custos elevados das operações de alimentação e bebidas. Das
variadas causas de custos elevados das matérias-primas, podem mencionar-se:
 A compra ineficiente
 O desperdício e a deterioração
 A produção excessiva
 O desvio dos produtos
 A incorrecta fixação dos preços de ementa

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 11
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Assistente de F & B

1.Funções da Assistente de F&B do hotel Foya Branca


A assistente de direcção do F&B é a responsável pela gestão de alimentos e bebidas,
portanto tem de coordenar os sectores e \ ou áreas inerentes que contemplam esse
departamento, que passo a citar: restaurante \ snackbar, cozinha, compras, economato,
planeamento de eventos, comercialização e gestão dos recursos materiais e humanos.

1.1Atribuições e Responsabilidades da Assistente de A&B:


 Supervisionar todas as secções pela qual é responsável;

 Examinar o estado de conservação, funcionamento e limpeza dos móveis,


equipamentos e utensílios das mesmas;

 Efectuar controlos

 Atender as reclamações e sugerir medidas de melhoria;

 Elaborar ementas de buffet;

 Fazer análise da rentabilidade e popularidade dos pratos da ementa;

 Actualizaras fichas técnicas conforme as necessidades;

 Fazer a comparação de custos e receitas mensalmente;

 Elaborar o horário de trabalho e escalas de serviço.

 Elaborar propostas dos menus dos serviços especiais,

 Cuidar das condições dos uniformes e da higiene nos locais que oferecem alimentos e
bebidas,
 Supervisionar e participar dos inventários de materiais em stock,
 Coordenar e programar o mapa de férias;
 Assessorar no recrutamento na selecção e no treino de pessoal afecto ao departamento.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 12
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Supervisionar o processo de elaboração dos alimentos e bebidas nos diversos pontos de


produção analisando a sua qualidade e quantidade, “controle permanente de
inventários”.

1.2.Qualidades do responsável de F&B


O responsável de F&B deve reunir algumas qualidades indispensáveis para um eficaz
desempenho das suas tarefas.

 Determinação;

 Disciplina;

 Capacidade de trabalho;

 Rigor;

 Persistência

Deve também possuir formação académica, conhecimentos de contabilidade e de gestão.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 13
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

1.3.POLÍTICAS COMERCIAIS\ MARKETING


O conhecimento das modernas técnicas de marketing e sua aplicação no ramo tornam-se
indispensáveis na condução do negócio hoteleiro. Identificação de oportunidades de
mercado, desenvolvimento de produtos, construção da marca, passando por conquista de
cliente, fidelização, sistemas de informação, serviços de promoção e vendas, segmentação
de mercado, análise da concorrência, etc, são temas a serem tratados, com o objectivo de
fornecer subsídios para boa aplicação prática do marketing na administração do hotel.

Estudo de Mercado
O estudo de mercado constitui uma mais-valia para o empreendedor na medida em que
permite diminuir as incertezas, possibilitando o conhecimento e análise das possíveis
fraquezas e forças da empresa, bem como as possíveis oportunidades e ameaças do
mercado. Assim o estudo de mercado consiste em obter dados importantes que
possibilitam a análise dos clientes, concorrentes, e outros destinos, de forma a ajudar na
tomada de decisões.

Assim o marketing surge como um instrumento fundamental na análise do mercado, na


concepção do produto e na promoção das vendas.

Na moderna gestão de uma organização de alimentos e bebidas, o consumidor é o foco


de todo o planeamento operacional, desde a concepção do produto até é ao seu serviço.
Deste modo o hotel procura conhecer o máximo possível o mercado para tentar analisar
pontos como:
 Tendências de mercado;
 Possíveis modificações na estrutura do mercado decorrente da evolução económica;
 Manobras da concorrência;
 Inovações, capazes de criar novas necessidades;
 Comportamentos e hábitos de compra;
 Distribuição espaço / temporal da procura;
 Procedência e estrutura económica dos clientes;
DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 14
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Eficácia da comunicação;
 Aceitação dos produtos / serviços;
 Necessidades não satisfeitas;

Tendo sempre em conta a estrutura macro e micro económica tentando prever o


comportamento dos mercados á curto, médio e longo prazo.

Através do estudo de mercado, pode-se ainda identificar os segmentos de mercado que


podem enquadrar no perfil do resort hotel, ou seja permite escolher a própria clientela
oferecendo-lhe produtos/ serviços que a satisfaçam, tendo em conta os custos e a
rentabilidade da segmentação de um mercado.

Assim pode-se definir segmento de mercado como um conjunto de pessoas com


características comuns tais como a idade, nível de rendimento, nível cultural, profissão,
características étnicas, motivações, hábitos e comportamentos de consumo, etc.

O resort hotel de acordo com essas características procura desenvolver um conjunto de


contactos de forma a explorar os segmentos de mercado que mais interessam ao
empreendimento.
Após estudar o mercado, bem como identificar os segmentos de mercado, o hotel
desenvolveu o seu produto de forma a ir de encontro com essa característica. É neste
contexto que a empresa optou pela cozinha internacional de forma a captar clientes no
mercado externo e interno.

1.3.1Política de divulgação / distribuição

No mercado existem várias formas de promoção mas para que essa seja saudável é
necessário saber escolher os canais adequados de divulgação, pois para a promoção este
canal deve ser eficiente e eficaz de forma a obter os resultados instituídos.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 15
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

O Hotel Foya faz divulgação das promoções nos agentes de viagem/Operadores turísticos,
da Imprensa, das empresas, das embaixadas/Câmaras de comércio, das companhias de
aviação e público em geral, isso através de relações Públicas; Mailings; Visitas
promocionais (porta a porta); Feiras / Workshops / Road Shows; Press releases; Famtrips;
Acordos vários, fazendo uso de seguintes meios:
 Tarifas segmentadas;
 Packages;
 Contratos de allotment com operadores turísticos / agentes de viagem;
 Contratos com empresas;
 Acordos de permuta;
 Publicidade pontual, devidamente estudada;
 Eventos pontuais;
 Internet.
1.3.2.Contrato de allotment
No caso das contratações dos allotments com os operadores turísticos, o estabelecimento
procura estimular a venda da meia pensão (alojamento, pequeno almoço e jantar).

1.3.3.Preços
o hotel possui diversas cartas: Carta de bar; Carta de vinhos; Carta do restaurante; Carta de
snacks; Carta do mini bar.

Os preços dessas cartas deverão ser estipulados depois de estudar a qualidade das
instalações, dos serviços prestados e mercado em geral. No que tange aos preços das
comidas e bebidas são elaborados de forma a estarem em linha com outras unidades da
zona, consideradas concorrentes.

O pacote é uma oferta que atrai clientes uma vez os preços são mais atraentes e os clientes
vêem isso como uma oportunidade de desfrutar de alguns serviços a um preço mais
acessível.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 16
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Aquando da elaboração de packages é sempre incluída no mínimo uma refeição no hotel.

Seguidamente são indicados alguns packages elaborados como intuito de promover os


períodos baixos e atrair clientela segmentada:
 Dia de São Valentim;
 Carnaval;
 Páscoa;
 Pausa de fim-de-semana;
 Lua-de-mel;
 Programa de Natal e de Fim de Ano .

1.3.4.Marketing Directo
Uma condição imprescindível para que o hotel possa desenvolver um eficiente programa
de direct marketing é a construção de uma base de dados de potenciais clientes.

Instrumentos:
 Correio directo:
 Cartas;
 Panfletos;
 Brochuras;
 Cassetes, disquetes e CD roms.
 Telemarketing:
 Telefone;
 Fax;
 E- mail.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 17
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Meios mais importantes de marketing directo e que são utilizados no resort


hotel
Brochuras - As brochuras e os panfletos publicitários são instrumentos promocionais mais
usados pelo hotel. Constituem, por excelência, os primeiros meios de aproximação ao
cliente. Pelo facto de mostrarem visualmente equipamentos, instalações e serviços
oferecidos, ambos conseguem, desde que bem elaborados, mobilizar e despertar o interesse
/ desejo do consumidor em favor do hotel, actuando assim como um eficaz agente de
vendas.

A concepção, dentro do orçamento disponível e objectivos a atingir, respeita as


seguintes regras básicas:
 Ser o reflexo real daquilo que o hotel tem para oferecer;
 Ponderar a psicologia do homem moderno que dispõe de pouco tempo para ler.
Deverá ser essencialmente um conjunto criativo de textos, cores e imagens
harmonizado de forma a tornar clara a mensagem que se quer transmitir;
 Levar em atenção as exigências do consumidor em relação a cores, papel, idioma e
formato.

Mailing – Mailingdireccionados ou geral é o envio de correio directo dirigido aos clientes


que compõem a base de dados do hotel. Os clientes são seleccionados como público – alvo
a atingir.

Os mailings podem ser feitosatravés de carta, fax ou e-mail, tendo sempre como
principal objectivo a divulgação e venda dos serviços do Resort Hotel Foya Branca.
Estabelecer um tema específico ou um produto a promover por cada mailing, para melhor
atrair a atenção dos clientes do objectivo que se pretende:
 Início de época;
 Eventos pontuais, (festa de fim de ano, fins de semana compridos, outros);

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 18
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

É o meio mais utilizado, para promoção do F&B, pois é mais económico e mais focado no
público-alvo, sendo enviado para os clientes que se encontram na base de dados do hotel.

Flyers- O flyer normalmente consiste numa folha que tem por finalidade apresentar de uma
forma clara, sucinta e apelativa o produto que pretendemos comercializar. A sua
simplicidade e o seu custo reduzido facilitam a produção em quantidade e a sua distribuição
massiva.

Packages - Os packages são feitos a partir de um conjunto de produtos e serviços com um


único preço global no sentido de fomentar as vendas em momentos especiais, satisfazendo
ao mesmo tempo as necessidades latentes dos clientes.
Na generalidade os packages são compostos por produtos e serviços do próprio hotel e de
outros serviços. O objectivo primordial é conjugar um conjunto de produtos / serviços que
no seu todo permita ao cliente final usufruir de todo esse composto a um preço
relativamente mais acessível do que caso optasse pela aquisição separada, isto é, trata
concretamente de compor um conjunto de produtos num só produto de forma a satisfazer
necessidades do mercado e conseguir os objectivos da empresa.

Relativamente ao F&B, o hotel criou o pacote de fim-de-semana de modo a captar os


clientes do mercado interno de maneira a que o sector de alimentos e bebidas tenha mais
afluência, participando ainda do pequeno-almoço, do serviço de rodízio e buffet.

1.3.5.Vendas
Avenda é uma das principais prioridades de qualquer organização com fins
lucrativos, assim sendo obriga o gestor a fazer uso dos mecanismos de marketing adequados
de forma a cativar o consumidor a comprar o produto.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 19
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Promoção interna de vendas


Os hóspedes são os primeiros potenciais clientes dos diversos pontos de venda
existentes na unidade hoteleira. Sendo que durante a estadia do hóspede poderá consumir
uma ou mais vezes no restaurante, bar ou no mini-bar. Logo a promoção interna surge
como um instrumento fundamental para maximização das vendas.

Na óptica do resort hotel as secções de bar e restaurante podem e devem ser locais
privilegiados de ponto de encontro dos clientes, contribuindo assim para:
 Criar vida própria, fazendo com que os clientes “vivam o hotel”;
 Ajudar, através de clientes satisfeitos, na divulgação do hotel;
 Criar uma maior receita para a empresa.

Dada a dispersão e compartimentação destes serviços, os hóspedes nem sempre se


apercebem ou não sentem necessidade de os utilizar, por não estarem na sua rota normal de
circulação. Haverá que despertar / informar os clientes de forma a aderirem às iniciativas e
ofertas que lhes são dirigidas para frequentar estes locais, promovendo, para o efeito
acções especiais, assim o hotel procura oferecer ao cliente:
 Serviços animados, em termos de atendimento;
 Assistência personalizada;
 Manter sempre as instalações limpas e arrumadas de acordo com a decoração
original;
 Criar noites temáticas, com menus, decorações e animação adequadas aos temas;
 Animação ao vivo em casos pontuais;
 Informar os clientes, dos serviços que existem à sua disposição, através de
placares, carta de boas vindas assinadas pelo director, com oferta de uma bebida no
restaurante, sempre que utilizem estes serviços, durante a sua estadia no hotel
(mencionar sempre o nome do restaurante e horários de funcionamento);
 Comunicar pessoalmente com os clientes.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 20
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Convém ter presente, que cada serviço terá de ser rentabilizado por si próprio. Quanto
maior número de clientes aderir aos serviços, maior animação haverá e mais fácil será
desenvolver outras iniciativas.

Os chefes procuram dar toda a atenção à organização e coordenação dos serviços, para
que tudo decorra normalmente, de maneira que o cliente sinta bem e tenha um serviço de
qualidade, sempre que utiliza os serviços.

Promoção externa de vendas


A promoção externas da vendas de F&B deverá ser focalizada em duas vertentes
diferenciadas, clientes individuais e grupos, cada uma das quais com características
próprias na respectiva promoção.

A venda de um grupo apresenta é mais vantajoso economicamente do ponto de vista da


exploração hoteleira, permitindo a obtenção de elevadas receitas.
Promoção externa para clientes individuais:
 Cartão cliente (desconto de 10%);
 Happy hour;
 Mailings;
Promoção externa para grupos:
 Packages;
 Buffet;
 Rodízio;
 Descontos as empresas (á definir);
 Cortesia;
 Eventos (desconto á definir).

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 21
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

1.4.RECURSOS HUMANOS
A gestão de recursos humanos, consiste no planeamento, organização, desenvolvimento,
coordenação e controlo de técnicas capazes de promover o desempenho eficiente do
pessoal, ao mesmo tempo em que a organização representa o meio que permite às pessoas
que com ela colaboram, alcançar os objectivos individuais relacionadas directa ou
indirectamente com o trabalho.
È aplicada a qualquer tipo ou tamanho da organização, sendo contingências, pois
dependerá da situação de cada organização. Deste modo, a gestão de recursos humanos
deve ser flexível e adaptável, sujeita portanto a um desenvolvimento dinâmico.
A assistente de direcção e F&B ocupar-se dos assuntos de recursos humanos do respectivo
departamento. Assim é responsável para o recrutamento do pessoal, de avaliação de
desempenho, do fornecimento de dados para o processamento da folha de salários e do
mapa de férias, relativamente as áreas inerentes a esse departamento.
No que refere-se ao recrutamento de pessoal, a assistente de direcção de F&B ao verificar a
necessidade de recrutamento, comunica essa necessidade á sua hierarquia e esta estuda a
referida necessidade e dá a autorização de recrutamento. O hotel dá prioridade ao
recrutamento interno, mas se não houver nenhum funcionário dentro da empresa que se
enquadra ao cargo, então passa-se ao recrutamento externo.

1.4.1-Fases do recrutamento
O processo de recrutamento é constituído por diferentes etapas, entre as quais, a
necessidade de recrutamento, a análise, a definição da função, a prospecção interna e
externa, a triagem das candidaturas, as entrevistas e a decisão.
1ª- Jobdescription- fazer a descrição ou o perfil do funcionário que pretende recrutar
2ª- Publicitar - através de meios de comunicação social
3ª- Receber as candidaturas
4º- Reunir com os candidatos com a intenção de dar informações das suas funções,
regalias, direitos, isso porque muitas vezes as pessoas candidatem sem saber do que se
trata. Logo a empresa para não perder tempo e dinheiro faz essa reunião para
esclarecimento, dando assim oportunidade escolha para continuar ou não.
DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 22
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

5º -Testes psicotécnicos – o currículo não diz tudo logo a que fazer esse teste para saber a
personalidade de cada um

6º - Entrevista com os candidatos, nesta fase já se pode tomar decisões

7º - Reunião com os recursos humanos - para que todas as duvidas sejam esclarecidas e
também para haver uma melhor integração. Nesta fase é entregue um manual de
acolhimento com todas informações necessárias. (nesta fase já houve o recrutamento).

8º -O trabalhador é entregue a chefia do departamento que vai trabalhar, este vai ser
apresentado no local de trabalho e acompanhado durante umas semanas ate ele ter a
capacidade de trabalho autónomo.

1.4.2. Horário de trabalho


Os horários de trabalho são ajustados conforme as férias do pessoal, ponderando a previsão
da ocupação.
Após um ano de vigência do contrato de trabalho os funcionários têm o direito de usufruir
de férias. O assistente de F&B, ocupa da elaboração do mapa de férias, em concertação
com os funcionários que manifestam suas preferências em termos de datas. Caso a
preferência do funcionário coincidir com a conveniência de disponibilidade para o hotel,
este funcionário poderá obter suas férias na data desejada mas se não coincidir então cabe a
assistente de direcção e F&B decidir a melhor data para férias, sendo que nos meses como
Julho e Agosto, o Hotel não atribui férias aos funcionários visto que é um período de época
alta.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 23
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

1.5.GESTAO DE EVENTOS
Uma das formas de se rentabilizar o Departamento, é através da realização de eventos, quer
sejam da iniciativa do Hotel, quer sejam solicitados por clientes.
Para que melhor se compreender a importância de uma boa organização passamos a
descrever as fases que devem ser respeitadas.

1.5.1.Fases do evento
Para que o evento alcance o sucesso desejado é preciso seguir algumas etapas:
1ªFase – solicitação para realização do evento – o cliente entra em contacto com o hotel e
manifesta a intenção de realizar determinado evento nas instalações do estabelecimento.
2ª Fase – Elaboração e apresentação da propostas – depois de conhecer o que pretende o
respectivo cliente, deve-se ainda tomar algumas informações importantes tais como o
número de pessoas que farão presentes, o dia e a hora, conhecer o caris do evento (familiar,
social, profissional, político, religioso e outros), e tomar conhecimento se há algum pedido
em especial. A assistente de Direcção de F&B apresenta a proposta ao cliente já com
respectivo orçamento. A proposta do menu geralmente é composta por entradas, prato de
peixe, prato de carne, acompanhamento, sobremesa. Compete ao cliente decidir se quer um
orçamento com bebidas já incluídas ou se prefere que as bebidas sejam facturadas ao
consumo.
3ªFase – Negociação – após a aceitação da proposta passa-se as condições de pagamentos.
Deve ser feito um pré pagamento de 50 % três dias antes do evento e o restante depois do
evento e caso as pessoas estipuladas não apareçam, não é da responsabilidade do hotel,
portanto pagará na totalidade o que foi acordado.

4 ªFase – planeamento do evento – é nessa fase que se faz a distribuição da brigada e a


coordenação interdepartamental. Consiste em delinear o que será feito e como será feito,
com intuito de minimizar o máximo possível o risco de ocorrer imprevistos.
Assim o planeamento há que levar em conta a disponibilidade dos produtos, dos recursos
humanos e materiais.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 24
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Outro ponto relevante é distribuição da brigada, pois deverá saber o número de


funcionários que será necessário para suportar o evento, caso for necessário deve-se
adquirir pessoal que trabalha em part-time,

5ªFase – realização – é quando passa-se a execução ou seja a montagem, coordenação e


controlo do serviço. Esta fase consiste em colocar em prática o que se tinha delineado, ou
seja a cozinha encarrega da preparação dos alimentos, o bar ou restaurante trata das
bebidas e do espaço, esperando apenas pelos clientes para começar o serviço. O serviço
tem de ser o mais perfeito possível para ir de encontro com as expectativas/ solicitação dos
clientes.

6ª Fase - Avaliação – é verificar se o evento ocorreu em conformidade com o esperado


tanto para o cliente como para o hotel, ver se o evento foi de encontro com as suas
expectativas, caso haja reclamação, deve-se apresentar as sinceras desculpas e apurar o
porquê da não conformidade, para certificar que erro desse tipo não aconteça em outras
circunstâncias.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 25
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

2.COZINHA
Entende-se por cozinha “um conjunto ordenado de equipamentos e instalações,
perfeitamente integrados para a produção de refeições” (CASTELLI, 2003, pag. 385). A
cozinha é um sector muito importante na indústria hoteleira. É um sector muito sensível já
que é na cozinha que se prepara as refeições que são servidas aos clientes, e também é
nesse sector onde os desperdícios são elevados fazendo com que o controlo seja muito
difícil. Devendo ser instalada de modo a proporcionar ao cliente um serviço adequado a
categoria do estabelecimento.
Como unidade de produção, exige um estudo detalhado das instalações, dos materiais, da
disposição dos locais e dos métodos de trabalho. Uma cozinha bem planeada, com métodos
de trabalho apropriados, torna-se altamente produtiva. No seu planeamento, tudo é
importante, cada detalhe merece estudo.
Quando se fala em cozinha, entende-se:

- Local onde se preparem alimentos;

-Diferentes maneiras de elaborar alimentos

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 26
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Organograma da cozinha Ilustração 3-organigrama cozinha

Chefe de Cozinha

Sub-Chefe

2ª Cozinheira

3ª Cozinheira

Ajudante de Cozinha

Copeira

Estagiários

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 27
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

2.1Requisitos da brigada da cozinha


A brigada da cozinha deve primar por alguns requisitos de qualidades como:
 Limpeza – é primordial, simplesmente por que o pessoal da cozinha manipula
alimentos que serão consumidos pelos clientes. Higiene não só pessoal quanto
dos objectos utilizados.
 Vestuário - os uniformes devem estar em perfeito estado de conservação e
limpeza.
 Postura
 Pontualidade – executar os pedidos a tempo certo nem depressa de mais e nem
com excesso de demora.
 Responsabilidade – pois um pequeno descuido produz um efeito multiplicador
negativo sobre o cliente.
 Organização – ter os equipamentos e utensílios nos lugares adequados.
 Criatividade – reaproveitar matérias prima em bom estado.
 Administração – a brigada da cozinha deve procurar rentabilizar os produtos.
 Vocação.

2.2. Análise e Descrição das funções:


Chefe de Cozinha

 Organizar e orientar os serviços na cozinha e anexos;

 Distribuir os serviços de acordo com o número e categorias do pessoal;

 Explicar a sequência dos serviços assim como a composição dos pratos antes do inicio
de cada serviço;

 Supervisionar se o Mise-en-Place está conforme o movimento;

 Elaborar e inventários periódicos dos materiais da secção, zelando pela sua


conservação e higiene;

 Controlar ou mandar controlar os pedidos na ordem de chegada;


DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 28
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Confeccionar dos pratos;

 Manter a disciplina na secção.

Cozinheira de 1ª Categoria

 Substituir o chefe na sua ausência

 Dirigir os trabalhos da Mise-en-Place;

 Ajudar a chefe na confecção dos pratos.

Cozinheira de 2ª Categoria

 Substituir a cozinheira de 1ª na ausência;

 Executar a colaboração na preparação do Mise-en-Place;

 Ajudar na confecção dos pratos.

Cozinheiros de 3ª Categoria

 Substituir a cozinheira de 2ª na ausência;

 Executar a colaboração na preparação do Mise-en-Place;

 Confeccionar os pratos.

Ajudantes de Cozinha

 Colaborar na Mise-en-Place;

 Fazer entradas;

 Empratar;

 Fazer sobremesas;

 Colaborar ainda na arrumação da Cozinha.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 29
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Copeiras

 Arrumaras áreas de preparação dos alimentos;

 Lavar pilha de pratos, talheres e outros;

Estagiários

 Colaborar com os trabalhos executados pelos empregados, na área em que decorre


o estágio

O Foya Branca possui duas cozinhas industriais. Para além da chefe da cozinha tem ainda
uma cozinheira de primeira que exerce função de subchefe, uma de segunda e três de
terceira, três ajudantes de cozinha, duas copeiras, em que uma das ajudantes de cozinha ou
um cozinheiro de terceira, pode desempenhar a função de padeiro.

O layout da cozinha do hotel deve estar em consonância com o tipo e o tamanho do


estabelecimento. Assim na construção da cozinha do Resort hotel levou-se em
consideração os seguintes aspectos:
a) Sectores ou zonas
 De pré-preparo
 De cocção
 De lavagem
 De lixo – este é retirado todos os dias e os baldes são lavados e
desinfectados, de seguida é lhes introduzidos bolsa para lixo. Os baldes
são de inox e possuem tampas.
b) Aspectos construtivos
 Espaço – este é amplo, permitindo uma boa circulação dos funcionários.
 Localização – a cozinha central está bem localizada, pois esta próximo do
restaurante, possuindo duas portas vai -vem, sendo que uma é para sair da cozinha

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 30
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

para o restaurante e a outra é de entrar na cozinha através do restaurante. E essas


portas não deixam que os odores da cozinha passarem para o restaurante.
 Paredes – são revestidas de azulejos de cor branca, o que facilita a limpeza dos
mesmos
 Piso – é revestido de um material antiderrapante e de fácil limpeza. A cozinha não
possui degraus.
 Iluminação – possui uma boa iluminação natural, pois tem janelas e estas tem
redes para evitara entrada de insectos e roedores.
 Temperatura – possui um sistema de ventilação para captação dos odores e
fumaças e assegurar o conforto térmico para as pessoas que ali trabalham.
 Conexões eléctricas – são bem isoladas para facilitar a limpeza.
2.3. Planeamento

Layout (projecto) de uma cozinha para restaurante de hotel deve estar em consonância com
o tipo e tamanho do estabelecimento, com a quantidade e variedade de alimentos, que se
pretende oferecer e com a modalidade de serviços a ser adoptado.

Sectores/Zonas:

 Pessoal:

 Local para vestuário, sanitário, refeitório e sala para repouso;

 Local para a sala do chefe de cozinha;

 Mercadorias:

 Local para a recepção e controle das mercadorias;

 Local para armazenamento das mercadorias separadas por tipo de produto;

 Local para o pré-preparo;

 Local para a cocção;

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 31
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Local para a distribuição

 Lavagem:

 Local para a lavagem dos utensílios da cozinha (copa);

 Local para lavagem do material do restaurante;

 Local para a guarda do material de limpeza;

 Lixo:

 Local apropriado para o armazenamento do lixo

2.4.Equipamentos utensílios

Os equipamentos devem estar dispostos de tal forma dentro do espaço da cozinha, que
permitam o desenvolvimento do trabalho da maneira racional, oferecendo condições para
maximizar a produtividade dos funcionários. Isso quer dizer que o movimento de cada
empregado deve ser tão-somente aquele necessário para executar o seu serviço.

A unidade hoteleira tem a cozinha central muito bem equipada e dispõe de muitos
utensílios de cozinha, assim passo a citar alguns dos equipamentos e utensílios na cozinha
do restaurante:
 Dois fogões de quatro bocas,
 Duas fritadeiras com capacidade de 14 litros de óleo cada,
 Uma chapa grelhadora,
 Um forno para cozinhar a vapor,
 Uma bancada fria com 4 portas, 1 para peixe, uma para molhos e carne, um para as
entradas quentes e outra para as entradas frias,
 Uma salamandra que gratina,
DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 32
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Uma máquina de lavar loiça.


 Duas estantes, uma para panelas outra para pratos.
 Maquina de cortar (queijo, fiambre e carne),
 Batedeira industrial,
 Varinha magica,
 Maquina de congelação rápida,
 Panelas e frigideiras diversas,
 Espátulas,
 Formas,
 Escumadeira,
 Caçarola, etc.
 Cinco câmaras frias:
 Uma para frutas e legumes, ervilhas, sopas, bolonhesa (lasanha) que é de inox.
 Uma para peixe e marisco já cortados e feito doses de 200, 400 e 600g.
 Duas para carnes – também já preparada em doses
 Outra para sobremesas e congelados.

Passo a citar alguns equipamentos da cozinha do bar:


 Uma máquina de lavar loiça,
 Um frigorífico,
 Um fogão de seis bocas,
 Um forno para fazer pão,
 Uma bancada para utensílios,
 Uma grelha para rodízio,
 Uma máquina de gelo,
 Uma fritadeira, um microondas,
 Um forno profissional, etc.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 33
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

2.5.Classificação dos equipamentos, móveis, materiais e utensílios:

 Equipamentos de cocção: fogões e fornos;

 Equipamentos para a preparação: máquinas;

 Equipamentos para refrigeração: câmaras e arcas frigoríficas e refrigerador


comercial;

 Equipamentos para lavagem: máquinas;

 Materiais para cocção: Panelas;

 Materiais para a distribuição: Travessas e bandejas;

 Produtos e materiais de limpeza;

 Roupas e Uniformes de Cozinha: ferramentas de cozinha;

 Móveis;

 Utensílios de uso geral.

2.6.Higiene e Segurança na Cozinha

Os microrganismos são habitantes naturais do corpo humano e se os manipuladores de


alimentos não tiverem cuidados de higiene especiais podem contaminar os alimentos. A
pele, o nariz e o tracto gastrointestinal são os principais locais de desenvolvimento
microbiano no corpo humano. Por isso, é fundamental que os manipuladores mantenham
um elevado grau de higiene e evitem atitudes não higiénicas durante a preparação dos
alimentos.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 34
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Os manipuladores de alimentos devem entender a higiene como uma forma de proteger a


sua saúde e a dos consumidores, assim como os comportamentos adoptados durante a
manipulação, pois são um dos principais veículos de contaminação dos alimentos.

Uma boa higiene e um comportamento adequado evitam a contaminação dos alimentos a


nível biológico (ex: microrganismos), químico (ex: detergentes), e físico (ex: cabelos). Um
código de boas práticas bem implementado evita a ocorrência dos riscos associados à
produção e confecção de produtos alimentares. Esse código deverá ser adoptado por todas
as pessoas que se encontram na unidade.

Código de boas práticas – Conjunto de boas práticas de modo a não comprometer a


segurança ou inocuidade dos alimentos.

A maioria das intoxicações alimentares tem a sua origem em superfícies, utensílios de


cozinha e mãos contaminadas e na contaminação cruzada, em particular de alimentos já
cozinhados e prontos para consumo com alimentos crus.

As pessoas que de alguma forma contactam com os alimentos nas diversas fases da sua
produção, são portadores de microrganismos que podem contaminar os alimentos e
provocar doenças a quem os consome. Os microrganismos estão presentes, vivem e
desenvolvem-se em diversas partes do corpo (cabelo, nariz, boca, garganta, intestinos,
pele, mãos e unhas) e mesmo que a pessoa apresente um estado de saúde normal, sem
sintomas de qualquer doença, existem sempre no seu corpo microrganismos que se forem
ingeridos podem provocar doenças.

2.6.1.Formação
O pessoal que manuseia alimentos deve ser supervisionado e dispor de instrução e/ou
formação adequadas para o desempenho das funções.

Os responsáveis pelo processo de segurança alimentar devem receber formação adequada


na aplicação dos princípios do sistema.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 35
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

2.6.2.Fardamento / Mãos / Unhas


Na cozinha do Hotel Foya Branca, os manipuladores utilizam farda adequada e exclusiva
para a sua função, que é composta por (salvo algumas excepções): touca, camisola, calças,
avental, calçado antiderrapante e devem mantê-la sempre a mais limpa possível.

A touca deverá ser 1ª peça a ser colocada e deve cobrir completamente o cabelo que deve
estar limpo e penteado.

As mãos como fonte de contaminação que são, devem ser lavadas e desinfectadas várias
vezes ao dia conforme os procedimentos de higienização estabelecidos, causando remoção
de sujidade, resíduos de alimentos, poeira, gordura ou outro material indesejável das mãos
e as unhas curtas, limpas e sem verniz.

A segurança alimentar tem vindo a preocupar cada vez mais a opinião pública tanto a nível
de dirigentes como dos próprios consumidores.
Manipuladores de alimentos – Todos aqueles que, pela sua actividade profissional,
entram em contacto directo com alimentos, isto é, ao pessoal empregado na preparação e
embalagem de produtos alimentares, na distribuição e venda de produtos não embalados e
na preparação culinária de alimentos em estabelecimentos onde se confeccionam e servem
refeições ao público em geral ou a colectividades, bem como aos responsáveis pelos
referidos estabelecimentos.

 Em que os alimentos crus podem ser veículos de contaminação, especialmente as


carnes, os mariscos e vegetais.

 Insectos e roedores, podem transportar bactérias perigosas e pelos seus hábitos de


vida facilmente contaminam os alimentos.
 Animais domésticos e Aves, no pêlo dos animais domésticos e nas penas das aves
podem existir bactérias, por isso, que não é permitido a sua entrada ou permanência
nos locais onde se manuseiam os alimentos.
 Alimentos de altos riscos, que pela sua composição permitam o desenvolvimento
rápido das bactérias:

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 36
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Carnes de animais de talho e carne de aves;


 Ovos;
 Produtos de pastelaria, principalmente bolos com cremes;
 Alguns molhos e maionese.

Por isso deve-se ter o cuidado de:


 Manipular o menos possível os alimentos;
 Usar pinças ou luvas sempre que se justifique;
 Evitar o contacto directo das mãos com os alimentos;
 Separar alimentos crus dos alimentos cozidos;
 Separar os alimentos de origem animal dos vegetais;
 Utilizar facas e tábua de corte diferentes para a preparação de alimentos crus e cozidos;
 Cozinhar bem os alimentos;
 Manter os alimentos for da zona de perigo (entre 5ºc e 65ºc);
 Evitar o contacto dos alimentos com os equipamentos, utensílios ou superfícies de
trabalho que se encontram sujas.
 Limpar e desinfectar o equipamento, utensílios e superfícies de trabalho após a sua
utilização.

2.7.HACCP
È uma metodologia ou ferramenta utilizada para avaliar os perigos, estimar os riscos e
estabelecer as medidas de controlo específicas que dão ênfase a prevenção e controlo em
detrimento da confiança no ensaio do produto final e nos tradicionais métodos de
inspecção.

A aplicação do sistema HACCP, tem como objectivo a prevenção de doenças e danos


causados pelos alimentos nos consumidores.
Todos os operadores da cadeia alimentar em todas as fases de preparação, transformação,
fabrico, embalagem, armazenagem, transporte, distribuição, manuseamento e venda ou
DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 37
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

colocação a disposição do consumidor, tem a responsabilidade de assegurar que os


produtos são seguros e próprios para o consumo.

2.7.1.Regras de higiene profissional


 Lavar sempre todos legumes e frutas antes de os utilizar.
 Nunca descascar legumes na tábua de corte.
 Lavar e desinfectar cuidadosamente o local de trabalho depois de descascar os
legumes e, particularmente, depois de preparar o peixe.
 Recusar tudo o que lhe parece duvidoso.
 Limpar as facas depois de cada tarefa.
 Conservar as preparações em recipientes adequados
 Retirar os alimentos da água de cozedura ou no molho
 Retirar da câmara frigorífica, o mais tardiamente possível, os produtos preparados
para a confecção
 Descongelar os produtos num local fresco
 Filtrar regularmente óleo de fritar
 Manter o local de trabalho sempre limpo e livre de tudo o que é inútil.
 Verificar minuciosamente a qualidade sanitária dos produtos (garantia e prazo de
validade, temperaturas, estado de conservação das embalagens, conselhos de
utilização).

É necessário e primordial cumprir as regras de higiene profissional, pessoal e corporal e


fomentar um estado de espírito responsável, fazendo com que a higiene seja uma reacção
voluntária e espontânea.

2.7.2.Regras de higiene pessoal e corporal na cozinha


 Lavar as mãos antes de começar a trabalhar e sempre que mudar de tarefas.
 Retirar relógio, anéis, pulseiras, e cordões, porque muitos desses acessórios possuem
ranhuras, fendas ou orifícios que permitem a acumulação de bactérias, etc.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 38
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Usar as unhas curtas e limpas, escovando-as regularmente.


 Usar sempre uma touca ou Barrete que cubra todo o cabelo e uma farda adequada
para a cozinha, o qual deve apresentar -se sempre limpa.

2.7.3.Regras de higiene do material e dos locais


 Consultar e aplicar escrupulosamente as indicações que consta no plano de limpezas.
 Lavar e desinfectar regularmente as esponjas, panos, esfregonas, todos os acessórios
dos equipamentos utilizados e as tábuas de corte.
 Colocar todo o lixo e detritos em sacos apropriados de utilização única dentro de
recipientes tapados munidos de tampas e de utilização exclusiva da cozinha, esses
recipientes serão lavados e desinfectados antes de serem reutilizados na cozinha.
 Esterilizar periodicamente todas as bancadas da cozinha.

2.7.4.Regras de Segurança
 Esconder os cordões do avental de maneira que estes não se prendam.
 Utilizar panos secos.
 Verificar o interior dos fogões antes de os acender.
 Verificar a chama do fogão quando um liquido se derramar.
 Deslocar segurando uma faca, o bico desta deverá sempre estar virado para o chão.
 Verificar que todos os focos de calor estão apagados e que as saídas de gás estão
fechadas, antes de abandonar a cozinha

A contaminação dos alimentos ocorre devido a falta de higiene ambiental por isso é
necessário conhecer os desinfectantes e métodos adequados para higienização de pisos,
tetos, equipamentos e utensílios. Nesta óptica na cozinha do resort hotel foya branca,
fazem uso de materiais distinguindo-os por cor, para de preparação dos alimentos no hotel.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 39
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

TABELA1- Quadro das cores dos materiais

Cor do material Observação


- Amarelo - Alim. Confeccionados
- Branco - Alho, cebola e batatas
- Verde - Legumes
- Azul - Peixe cru
- Vermelho - Carne crua

TEM COMO OBJECTIVOS

 Reforçara protecção da saúde humana;

 Melhorar/aumentar o grau de confiança dos consumidores;

 Harmonizaras normas gerais de higiene e segurança aplicadas aos géneros


alimentícios;

 Uniformizar os métodos e processos de inspecção e controlo;

 Incentivaros estados-membros a participarem na feitura de guias de boa conduta de


higiene alimentar.

 Reduzir os custos da não qualidade;


 Reduzir o risco de perda de imagem.
 Reduzir o risco de colocação do mercado de produtos nocivos para a saúde pública;
 Garantir o cumprimento da legislação alimentar;
 Facilitar a integração com outros sistemas de gestão;
 Diminuir a probabilidade de ocorrência de falhas;
 Definir estratégias de prevenção, contra perigos que possam ocorrer em pontos
específicos da cadeia alimentar;

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 40
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

VANTAGENS

 Promover a confiança e estabilidade no comércio internacional;

 Promover a confiança do consumidor cada vez mais atento e exigente;

 Evitar prejuízos económicos;

 Cumprir a legislação e dos requisitos do mercado;

 Diminuir custos sociais a nível de saúde.

2.7.5. HACCP- sua aplicação prática

A segurança alimentar tem vindo a preocupar cada vez mais a opinião pública, tanto a
nível dos nossos dirigentes como dos próprios consumidores. A legislação comunitária
recomenda a aplicação da metodologia baseada nos princípios de Análise de Perigos e
Pontos Críticos de Controlo, por parte dos operadores do sector alimentar, de forma a
assegurar a colocação de alimentos sãos e seguros no mercado.

A aplicação do sistema HACCP tem com objectivo a prevenção de doenças e danos


causados pelos alimentos nos consumidores. Todos os operadores da cadeia alimentar em
todas as fases de preparação, transformação, fabrico, embalagem, armazenagem,
transporte, distribuição, manuseamento e venda ou colocação á disposição do consumidor,
têm a responsabilidade de assegurar que os produtos são seguros e próprios para consumo.

Neste contexto, a produção de uma alimentação segura envolve a utilização de


instrumentos como treino de funcionários, equipamentos adequados, controle de
fornecedores, estrutura física adequada, elaboração do manual de boas práticas de
manuseamento de alimentos e implementação do método de HACCP.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 41
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

2.8.Técnicas de refrigeração e congelação


Convencionou-se chamar conservação de alimentos perecíveis por refrigeração ao
processo que envolve a utilização de temperaturas próximas de 0 ºC, tendo como principal
finalidade eliminar ou retardar a acção dos agentes tais como: enzimas, microrganismos,
bactérias, fermentos e fungos.

Em conservação os produtos alimentares podem ser agrupados em duas categorias gerais:

a) Aqueles que ficam vivos durante o período de armazenagem refrigerada, tais como,
frutas, vegetais, etc.

b) Aqueles que não ficam vivos, tais como o peixe, a carne, aves, mariscos, etc.

Definições:

 Refrigerar é um processo de conservação de alimentos num frigorífico, por tempo


limitado, em temperaturas compreendidas entre +1º C e +7º C.

 Gelar é um processo que ocorre entre – 4º C e + 2º C, quando os líquidos existentes


nos alimentos solidifiquem lentamente, formando grandes cristais que rompem as
paredes celulares, modificando a aparência, textura e qualidade dos alimentos. É
conhecido como o período crítico e perigoso para os alimentos, não oferecendo
quaisquer garantias para a sua conservação.

 Congelar é um processo no qual as temperaturas dos alimentos baixam muito


rapidamente fazendo com que a água existente nos produtos congele em pequenos
cristais, de forma a não danificar os alimentos. As temperaturas de serviço deverão
ser sempre abaixo dos – 2º C, sendo necessárias duas a 4 horas para que o núcleo do
alimento atinja aquela temperatura. A partir daqui, cessam as acções enzimáticas e
bacterianas.

Por isso, congele sempre produtos de 1ª qualidade.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 42
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

2.9.Ficha técnica dos produtos


A ficha técnica é um instrumento fundamental em qualquer cozinha de restaurante e
quanto maior for o grau de precisão da mesma, mais fácil tende a ficar a administração do
negócio

Essa ficha técnica tem como objectivo orientar a cozinha e o restaurante sobre a preparação
e apresentação dos pratos, desde as entradas até as sobremesas, permitindo que os pratos
sejam preparados nas quantidades exactas e com preços adequados, e também para que os
pratos não venham a sofrer nenhuma alteração, quando houver mudanças de cozinheiros,
na medida em que os pratos tem de ter o mesmo sabor e ter a mesma quantidade de
ingredientes na sua confecção. Para efectuar os cálculos de cada prato há que ter em conta
o custo de energia e gás, a mão-de-obra, o preço de compra do produto, e o factor
multiplicador.
Todos os gestores do sector F&B (Alimentos e Bebidas) devem conhecer, aprender a
elaborar e principalmente enfrentar as barreiras para que sejam implementadas nos casos
dos pratos/produtos elaborados pela casa, as fichas técnicas, estes podem, ser consideradas
como um dos mais importantes documentos para o restaurante.

É através dela que se regista todo o processo da elaboração dos pratos, bem como as
matérias-primas utilizadas, suas quantidades e o seu valor total de produto

Sua importância não se resume a ser apenas a anotação de uma simples receita, pois elas
trazem detalhes sobre as características de cada ingrediente, o peso a ser utilizado, o modo
de preparo, informações financeiras, entre outros dados relevantes para o gestor.

Por exigir um certo tempo para que sejam elaboradas, e pela falta de profissionalismo
existente no sector, poucos restaurantes se dão ao trabalho de elaborar fichas técnicas dos
seus pratos.

Todos os pratos vendidos no hotel possuem uma ficha técnica que é feito com o objectivo
de apurar o custo de cada prato, de se chegar ao preço de venda e para que haja uma
uniformidade na confecção dos pratos.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 43
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

3.RESTAURANTE E BAR
O autor CASTELLI (2003, pag.297), afirma que “Os restaurantes, em geral, podem ser
classificados de várias maneiras. Uma delas é de agrupá-los por categorias do tipo: Luxo,
primeira categoria, segunda e terceira categorias.”
Categorias estas representadas por símbolos, como garfos e facas. Tais símbolos são
afixados nas entradas dos estabelecimentos para melhor orientar os clientes.
O restaurante, de acordo com Castelli (2003), trata-se de um estabelecimento que fornece
ao público alimentação mediante pagamento.

A localização do restaurante deve facilitar ao máximo a comunicação com a cozinha, o que


permite uma maior rapidez na execução dos serviços e no Resort Hotel Foya Branca não
foge a regra.
Organigrama restaurante
Ilustração 4-organigrama de restaurante

Chefe

Sub chefe

Empregado de

Empregado
de 2ª

Estagiário

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 44
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

3.1.Atribuições e responsabilidades do pessoal do restaurante/snack-bar:

E em termos funcionais, a brigada encontra-se dividida da seguinte forma:

Chefe de restaurante:
 Organizar e orientar os serviços no restaurante e anexos;
 Distribuir os serviços de acordo com o número de categoria do pessoal;
 Explicar a sequência dos serviços assim como a composição dos pratos antes do
início de cada serviço;
 Fazer inventários periódicos dos materiais da secção, velando pela sua conservação
e higiene;
 Receber os clientes acompanhando-os às mesas, ajudando-os a sentar-se;
 Tomar nota dos seus pedidos e se a casa estiver cheia;
 Manter disciplina na secção.

Sub-Chefe de restaurante
 Substituir o chefe de restaurante na sua ausência;
 Dirigir os trabalhos do Mise-en-Place; (anexo 11)
 Ajudar o chefe de mesa na recepção dos clientes a tirar pedidos.

Empregado de mesa da 1ª
 Executar a colaboração na preparação da sala e arranjos das mesas;
 Servir as refeições e bebidas;
 Pedir e emite conta do consumo dos clientes;
 Colaborar na arrumação da sala;
 Substituir o subchefe na ausência deste.

Empregado de mesa 2ª
 Fazer serviços de bebidas, couvert e levantar pratos sujos dos clientes;

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 45
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Executar a colaboração na preparação da sala e arranjos de mesa.


Estagiários

 Colaborar com os trabalhos executados pelos empregados de mesa de 2ª

Tarefas para o pequeno-almoço (restaurante): (anexo11)


 Fazer e conferir o fundo de caixa na recepção;
 Solicitar ao recepcionista a listagem dos hóspedes em casa, para saber a taxa de
ocupação;
 Verificar se a sala está devidamente preparada para o pequeno-almoço;
 Montar o buffet de pequeno-almoço;
 Limpar as mesas e cadeiras que ficam expostos ao vento na esplanada, e que estão
sempre cheias de pó;
 Dar uma última vista de olhos para ver se está tudo em ordem e aguardar pela
chegada dos hóspedes.
 Abrir o restaurante às 07:30, e fazer a recepção dos clientes;
 Recolher os copos e pratos sujos, e limpar as mesas a medida que os hóspedes,
terminam de tomar o pequeno-almoço,
 Ter uma atitude atenciosa e prestável com os clientes para poder ajudar no que
precisarem, principalmente os hóspedes mais distraídos (indicar o que eles
procuram).
 Estar sempre atenta a mesa de buffet para evitar ruptura desnecessária;
 Desmontar a mesa de pequeno-almoço, depois do período reservado para o buffet

Tarefas para o almoço (Snack-Bar): (anexo 12)


 Obter informações acerca da previsão dos hóspedes fornecidas pela recepção;
 Arrumar e limpar as mesas e cadeiras do snack;
 Preparar couvert;
 Fazer requisições dos produtos em falta;
 Limpar e arrumar o frigorifico

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 46
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Arrumar as requisições;
 Limpar o bar, como o chão, as prateleiras, o balcão;
 Preparar as mesas para o almoço, limpa-se a porta – guardanapos repondo os
guardanapos nas mesas, distribui-se os números e coloca-se os naperons nas mesas
depois de estas serem limpas e arrumadas;
 Verificar se existe serviços pendentes, como informações do turno anterior;
 Informar junto da cozinha quais os produtos que não tem disponível, de forma a
informar o cliente caso este solicitar esse produto, ou saber indicar os que tem
disponível;
 Efectuar o serviço de mesa, desde a carta ate o pagamento da conta;
 Ter uma atitude atenciosa e prestável com os clientes para poder ajudar no que
precisarem,
 Fazer a passagem de turno;
 Lavar e arrumar todos os itens utilizados no serviço de almoço;
 Arrumar as prateleiras sempre que necessário;
 Efectuar o fecho da conta do dia;
 Esvaziar o recipiente do lixo
 Fechar o Snack e entregar a chave na recepção.

Tarefas para o jantar (Restaurante):


 Limpar e arrumar as mesas;
 Fazer o mise en place das mesas de jantar;
 Esvaziar o recipiente do lixo;
 Limpar e arrumar todas os materiais;
 Efectuar requisições;
 Arrumar requisições;
 Limpar mesas e cadeiras da esplanada;
 Preparar couvert
 Obter informações acerca da previsão dos hóspedes fornecidas pela recepção;
DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 47
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Informar junto da cozinha quais os produtos que não têm disponível


 Verificar se a sala está limpa e arrumada na perfeição e às 19:30 abre-se o
restaurante.
 Fazer recepção dos clientes;
 Efectuar o serviço de mesa, desde a carta ate o pagamento da conta;
 Ter uma atitude atenciosa e prestável com os clientes para poder ajudar no que
precisarem
 Preparar a sala para o pequeno-almoço, após o serviço de jantar;
 Fechar o caixa e entregar na recepção.

A brigada do restaurante é constituída por 8 (oito) funcionários, sendo um chefe, dois


subchefes, quatro empregados de mesa e um estagiário. Os funcionários trabalham por
turnos subdivididos, conforme for o horário de cada um. O horário dos funcionários do Bar
\ restaurante é elaborado todos os meses pela assistente de direcção de F&B de acordo com
os horários de trabalhos já referidos.

O horário de funcionamento do bar/ restaurante:


 7h30 às 9:45 pequeno-almoço (restaurante)
 12:30 às 14:45 almoço e a partir das 14:45 ate 18:45 serviço de refeições
ligeiras (snack-bar).
 19:30 às 23:00 jantar (restaurante).

As requisições dessa área são feitas todos os dias. Relativamente as bebidas (vendidas
por unidade), os aperitivos sólidos (batatas fritas, amendoins) e o tabaco, são requisitadas
de acordo com as quantidades vendidas, isso para terem sempre um stock fixo. (anexo 10)

No que se refere à classificação dos restaurantes, estes podem ser classificados de várias
maneiras: agrupando-os por categoria (luxo, primeira categoria, segunda categoria e
terceira categoria), classificando-os pelo sistema de serviço oferecido (à la carte ou sistema

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 48
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

de buffet), pelo seu tamanho (pequeno, médio e grande porte), ou ainda pela tipicidade da
culinária: internacional (pratos de vários lugares do mundo), contemporâneo (pratos
internacionais mais a culinária do pais e que se encontra), de especialidades (que pode ser
típico de um país ou região, ou trabalhar uma determinada comida como massas, ou um
determinado tipo de modo de cocção como grelhados), coffee shop (preparos rápidos e
menos elaborados) e ainda de degustação ou experimentais (que atendem a gourmets ou
públicos específicos como vegetarianos, por exemplo).
O restaurante do Resort Hotel Foya Branca pode ser classificada como um restaurante
de primeira categoria, oferecendo serviços á la carte e de buffet. Quanto á tipologia é um
restaurante internacional.

3.2.Tipos de serviços e tipos de execução dos serviços

Os tipos de serviço definem-se pela forma como se processam e conforme os costumes


ou conveniências dos estabelecimentos. Os tipos de serviço prestados ao cliente num
restaurante são apresentados de três formas fundamentais:

 Serviço de Mesa Redonda - Quando existe um menu fixo ou com opções, mas
com preço já determinado independentemente da sua composição. Podemos
apresentar este serviço a partir de uma ementa fixa escolhida pelo restaurante, sem
possibilidade de troca e opção, a um preço fixo, independentemente do cliente
consumir todos os pratos ou não. A outra possibilidade dá-se através de uma
ementa com opções. Aqui o restaurante tem várias ementas à escolha, com um
preço previamente estabelecido e o cliente só tem de optar pelo que lhe mais
agrada.

 Serviço à lá Carte – Trás mais vantagens no contexto económico, quer para o


cliente quer para o estabelecimento. Este serviço caracteriza-se pela diversidade das
iguarias, onde cada uma tem o seu preço específico.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 49
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Serviço Buffet - O cliente paga uma determinada quantia, podendo assim consumir
de tudo o que tiver exposto nas mesas e repetir se desejar. Dá um grande leque de
opções e permite a redução do pessoal das mesas, tanto em quantidade como em
qualificação.

No que concerne a Foya Branca, este estabelecimento faz uso dos serviços, á la carte e
Buffet (eventos e aos Domingos no almoço).

Os estabelecimentos devem executar os serviços de mesa de acordo com o respectivo


tipo, qualificação e classificação. Por mais modesto que seja um estabelecimento de
restauração e bebidas, deve cumprir sempre um conjunto de regras fundamentais que
revelam profissionalismo e contribuem decisivamente para justificar o preço cobrado.
Importa por isso conhecer essas regras e praticar um serviço de mesa adequado a cada tipo
de estabelecimento.

A execução dos serviços de mesa é caracterizada de cinco formas distintas: à Russa, à


Inglesa directa e indirecta, à Francesa e à Americana. Em cada tipo de serviço são
utilizados métodos e certas atenções que possibilita caracterizar cada tipo de serviço, da
seguinte forma:
 Serviço à Francesa - Dá a possibilidade ao cliente de se servir a si próprio. O
serviço é iniciado quando o empregado de tronco inclinado, apresenta ao cliente,
pelo lado esquerdo a travessa, segura com a mão direita, com o respectivo talher de
serviço. Quando se trata de uma mesa com o máximo de quatro pessoas é aceitável
colocar a iguaria principal sobre a mesa.

 Serviço à Inglesa Directo - O empregado, recolhe o serviço na cozinha, verifica se


o mesmo está de acordo com o pedido feito pelo cliente, em seguida transporta-o
para a sala, passando a apresenta-lo pelo lado esquerdo do cliente. Começa então a
servir após a aprovação daquele, utilizando o talher de serviço em jeito de pinça,

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 50
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

com o qual passa os alimentos da travessa para o prato segundo as normas


previstas.

 Serviço à Inglesa Indirecto - O empregado transporta a iguaria seguindo os


mesmo cuidados atrás mencionados, coloca-a na mesa de serviço ou carro de apoio,
começando a executar o serviço de empratamento. Depois de empratado é servido
ao cliente pelo lado direito.

 Serviço à Russa - Tipo de serviço pouco utilizado, pois é bastante moroso. As


peças vêm da cozinha, geralmente inteiras e são apresentadas ao cliente. De seguida
são trinchadas de novo ao cliente. Serve-se à francesa, ou à inglesa directo.
 Serviço à Americana - O mais simples de todos, pois as iguarias são empratadas
na cozinha, transportadas pelo empregado e servidas pelo lado direito do cliente. É
o tipo de serviço de mesa que o restaurante do Resort Hotel Foya Branca executa.
 O restaurante tem uma decoração ao mesmo tempo sóbria e quente que mistura
objectos de inspiração africana com um mobiliário romântico com capacidade para
140 pessoas sentados com um bar de apoio, uma esplanada com casa de banho para
homens e mulheres e ainda uma para os deficientes. No restaurante do referido
hotel oferecem o serviço de buffet no pequeno-almoço e o serviço á la carte no
jantar. Esse hotel aposta numa ementa de pratos variados baseada em carnes, peixes
e marisco, e oferece um serviço especial designado Fondue, que só é oferecido pelo
hotel na ilha. Também nesse restaurante são realizados eventos diversos nesse
espaço como casamentos, ceias, jantares especiais.

3.3. Localização
A localização do restaurante deve:

 Facilitar ao máximo a comunicação com a cozinha, o que permite uma maior rapidez
na execução dos serviços, é muito importante para a qualidade dos mesmos, isto é,
estar no mesmo nível e próximo da cozinha;

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 51
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Evitar que os odores da cozinha penetrem no restaurante;

 Proporcionar temperatura, iluminação e ventilação agradáveis;

 Evitar degraus entre a cozinha e o restaurante;

 Proporcionar fácil acesso ao público. Para um restaurante panorâmico, por exemplo, o


elevador deverá merecer uma atenção toda especial.

3.4. Espaços
O espaço da sala do restaurante é ocupado pelo mobiliário pertinente (mesas, cadeiras,
aparadores, guéridons, carrinhos de serviço, etc.), pela circulação do pessoal que presta os
serviços e pela circulação e espaços ocupados pelos comensais. É preciso prever todos
esses espaços para proporcionar bom ambiente, conforto e serviços de excelente qualidade,
ou seja:

 Aproveitar ao máximo os espaços disponíveis, sem que isto venha em detrimento do


conforto dos comensais, do fluxo das pessoas (pessoal de serviço e clientes) e da
qualidade dos serviços;

 Dispor as mesas de tal forma para evitar que o cliente fique voltado directamente para
a parede. As mesas colocadas em oblíquo geralmente evitam tal situação;

 Evitar de colocar mesas muito próximos da entrada principal do restaurante ou da


entrada para a cozinha;

 Colocar mesas com diversas capacidades, para atender uma, duas ou mais pessoas;

 Colocar a mesa do “buffet”, se for o caso, em local visível, de fácil acesso tanto por
parte do comensal quanto por parte do pessoal de serviço.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 52
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

3.5.Mobiliário e Utensílios do Restaurante e Bar do Hotel


Sabemos que hoje somos mais exigentes, temos gostos delicados e, damos cada vez mais
valor a aspectos relacionados com a estética e decoração dos nossos espaços.

Hoje a imagem é a identidade da nossa empresa ou do nosso estabelecimento.

A pensar num consumidor cada vez mais informado, atento e tendo em conta as exigências
e a evolução do mercado, o restaurante do Hotel Foya Branca encontra-se equipado com
modelos de mesas, aparadores, cadeiras, bancos, objectos decorativos, quadros e sofás, de
forma a criar um ambiente agradável.

O mobiliário do restaurante deve:

 Estar em harmonia com o tipo e a categoria do estabelecimento;

 Facilitar o serviço por parte da brigada do restaurante;

 Oferecer conforto para os comensais;

 Ser fácil limpeza;

 Ser padronizado para facilitar sua reposição do mobiliário;

 Ser resistente, para o usa diário

O mobiliário do restaurante deve estar em harmonia com o tipo e a categoria do


estabelecimento, facilitar o serviço por parte da sua brigada, oferecer conforto, ser
padronizado para facilitar a sua reposição e ser resistente para o uso diário. É de salientar
que o hotel possui um mobiliário do tipo tradicional e se encontra em sintonia com a
decoração do restaurante.

Mobiliários e utensílios necessários para funcionamento

 Mesas: quadradas, rectangulares, redondas e ovais. A escolha do formato e tamanho


das mesas depende do tipo da clientela que mais assiduamente frequenta o
estabelecimento;

 Cadeiras: para o uso dos comensais adultos e crianças;

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 53
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Aparadores: destinados à guarda de talheres, roupas e outros utensílios necessários no


decurso da refeição;

 Mesas auxiliares (guéridons): destinadas a auxiliar no serviço à inglesa indirecto ou de


apoio para o serviço de bebidas;

 Carinhos diversos: para o serviço de sobremesa, de bebidas, de frios etc.

 Mesa para “buffet”: destinada à exposição e ao serviço de pratos frios ou quentes,


sobremesas, frutas, queijos e outros.

3.6.Decoração

A decoração é, pois, um dos elementos que compõem a categoria do estabelecimento. Ela


contribui para criar uma atmosfera agradável e peculiar, interferindo no bem-estar do
cliente. Daí a importância de se harmonizar cores, mobiliário, quadros, cortinas, arranjos
florais, etc.

Tudo deve estar em equilíbrio com o ambiente que se deseja criar para a clientela visada. A
decoração não deve ser demasiadamente carregada ou ser excessiva.

Na decoração de uma mesa deve-se levar em consideração alguns aspectos:

 Os arranjos não devem ser chamativos, devem primar pela harmonia das cores,
considerando o tamanho e o ambiente do restaurante;

 Os arranjos podem ser compostos de flores, frutas, legumes, folhagens e objectos


diversos;

 Os arranjos não devem atrapalhar a visão dos comensais;

 Os arranjos não devem ser feitos com flores que exalem perfume muito forte, pois
podem interferir no sabor dos alimentos e das bebidas.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 54
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

3.7. Música ambiente


A música ambiente inadequada, estridente, através de alto-falantes mal localizados, pode
ser, determinante para o fracasso do estabelecimento. Deve-se ter o cuidado de regular os
alto-falantes para cada ambiente, pois, do contrário, ter-se-á um som demasiadamente alto
para determinados locais e baixo para outros. A música ambiente, como o próprio nome
sugere, deve ser suave.

3.8.Cardápio
O cardápio, também chamado de menu (anexo 1), carta ou lista, é o veículo de informação,
venda e publicidade de um restaurante e sua finalidade é auxiliar os clientes na escolha dos
alimentos e bebidas. É também considerado uma das ferramentas de marketing que é
utilizada nas empresas gastronómicas com a finalidade de alavancar e impulsionar suas
vendas.

Alguns aspectos devem ser levados em consideração quando da elaboração do cardápio,


seu “layout” deve receber cuidados especiais no que tange à sua composição, redacção e
apresentação, uma vez que a junção de todos esses elementos pode influenciar o
julgamento dos clientes e ajudar na construção de impressões sobre os produtos oferecidos.

3.8.1.Um cardápio deve necessariamente:


1. Informar;

2. Ser claro, legível e objectivo;

3. Possuir sequência lógica;

4. Evitar erros ortográficos;

5. Ser original;

6. Ser fácil de manusear;

7. Ser visto como cartão-de-visita do restaurante;

8. Informar sobre os preços e sobre o restaurante;


DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 55
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

9. Ser fiel aos ingredientes mencionados nas preparações culinárias;

10. Despertar o interesse dos clientes.

A capa e as cores escolhidas para compor o cardápio ou menu, devem reflectir a imagem
do restaurante, auxiliando na identificação de sua tipologia, coerentes com o ambiente
encontrado. Para tanto, a escolha do papel adequado é o primeiro passo para a confecção e
sucesso de um cardápio. Este deve resistir ao manuseio frequente e ao rápido desgaste do
conjunto. O ideal é que o estabelecimento comercial confeccione cardápios novos a cada
três meses.

3.8.2.Alguns factores são determinantes na elaboração de um cardápio, como:

1. Conhecimentos culinários: para realizar combinações entre os pratos e as guarnições,


para uma selecção original de pratos.

2. Conhecimentos dos serviços do restaurante: muitas vezes nem o restaurante e nem os


funcionários estão preparados para servir determinados pratos que necessitam de uma
mise-en-place especial.

3. Análise dos clientes: o cardápio deve estar de acordo com a clientela.

4. Definição de cor, tipo de letra, ilustrações: devem harmonizar com o restaurante.

5. Distribuição de pratos no cardápio: a localização do nome do prato influencia na sua


venda.

6. Preços: devem ser colocados do mais barato para o mais caro, em ordem crescente.

7. Arte final: fazer revisão do texto, do tamanho, cores e posições evita perda de tempo e
dinheiro.

8. Sazonalidade: é importante verificar a época de terminados produtos, pois quando não


é sua época podem encarecer e até mesmo perder a qualidade.

O hotel na elaboração da sua ementa procura ter em conta esses diversos aspectos acima
mencionados para melhores resultados.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 56
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Oferta do Restaurante/ Snack-bar


O estabelecimento tem um leque de oferta variada de entre os quais:

TABELA2-Oferta de pratos

Serviços Pratos
Rodízio de carnes – 6 Tipos de carnes – Picanha, Filé mignon, Lombo de vaca,
servido todos os sábados a Lombo de Porco, Linguiça toscana, Entremeada e frango
noite com musica ao vivo com acompanhamentos variados como: feijão preto, couve
em juliana, batata frita, arroz, farofa e ananás grelhado.
Buffet - Servido todos os Entradas quentes; Entradas frias
domingos no almoço com 2 Pratos Peixe – no forno, grelhado ou confeccionado; 2
piscina incluída Pratos Carnes – no forno, grelhado; 1 Prato de Massa;
Acompanhamentos diversos; Saladas;
Sobremesas –1 Doce,1 Gelado, Frutas diversas.
Snack-bar – servido todos Pratos do dia; Entradas quentes e frias; Grelhados de Peixe e
os dias com pratos ligeiros Carnes, lagosta; Sandes variadas; Massas; Saladas;
com música ambiente Guarnições variadas.
Buffet de Pequeno- Variedades de pães, bolo, ovos estrelados e mexidos,
almoço – servido todos os salsicha, bacon, iogurte, frutas diversas, bebidas quentes,
dias de manha queijo, fatias douradas, panquecas, mel, fiambre, manteiga,
doces, sumos diversos.
Ementa dos jantares – Entradas frias e quentes; Pratos de carnes, peixe, mariscos;
servido todos os dias (á la massas; Fondue; sobremesas variadas.
carte)

Os clientes que possuem reservas no regime de Meia pensão/ HalfBoard tem direito á
uma entrada fria ou quente, um prato peixe ou carne, uma sobremesa e café e água.
Existem pratos que se forem solicitadas por esses clientes têm de pagar extras para esses

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 57
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

pratos. São os seguintes pratos: camarão salteado, salada de papaia com camarão, salada de
lagosta, espetada de camarão, arroz de marisco.

3.9.Alguns dos Serviços do Hotel


Serviço á la carte
Este serviço é feito no almoço e jantar, consiste na escolha dos pratos através do menu
ou cardápio do estabelecimento.

A carta de menus é composta por um prato do dia, entradas quentes e frias, pratos de
carne, peixe, mariscos, massas, fondue e sobremesas. E nesta mesma carta contém as
bebidas como aperitivos, cervejas, aguas, refrigerantes, digestivos e bebidas quentes. A
outra carta existente é a carta de vinhos.

Rodízio
O rodízio que é um serviço exclusivo do hotel (na ilha), consiste em apresentar ao
cliente uma variedade de carnes e enchidos. É um serviço realizado á frente do cliente e é
servido a todo o momento até que o cliente se sinta satisfeito. É feito aos Sábados à noite a
partir das 20h, e é acompanhado de música cabo-verdiana que é muito apreciada pelos
turistas como também pelos residentes.

Buffet ou self-service
O serviço “buffet”, é um serviço onde são os clientes que vão servir o seu próprio
alimento e escolhem o que desejam a partir do menu do serviço, realiza-se aos domingos
das 13 às 15horas, com direito á café expresso e a sobremesas durante o almoço.

Os alimentos que são colocados no buffet são divididos em:

 Entradas Frias/ Quentes;

 Dois pratos de Peixe

 Dois pratos de Carne;


DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 58
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Um prato de Massa;

 Guarnições;

 Aperitivos sólidos (Rissóis, croquetes, Pizzas)

 Sobremesas.

 As bebidas são servidas pelo empregado de mesa e facturados ao consumo.

O empregado de mesa é responsável, ainda, em servir as bebidas retirar os pratos e


apresentar a conta.

Vantagens de Buffet/Self-service para o hotel:

O restaurante, quer isoladamente, quer fazendo parte do complexo hoteleiro, é uma


empresa e, como tal necessita do lucro para sobreviver.

Neste sentido, o self-service procura atender a um número maior de clientes em menos


tempo e por preços mais acessíveis. Isso se torna possível porque:

 O pessoal necessário para a execução dos serviços é reduzido, podendo assumir


funções diversas, já que é o cliente mesmo quem executa a tarefa de se servir;

 O cardápio oferecido é mais limitado, consequentemente, reduzem-se os custos com


armazenamento dos produtos que, por vezes permanecem por muito tempo, correndo
o risco de se deteriorarem, mas que são necessários para atender os pedidos a lá carte.

Vantagens do self-service para o cliente

O cliente, através do self-service, encontra:

 Preços atraentes;

 Rapidez no atendimento, já que é ele mesmo quem imprime o ritmo;

 Alimentos variados que podem ser vistos e escolhidos na hora.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 59
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

3.10.BAR
O bar é um local público onde se vendem bebidas alcoólicas, acompanhadas, por vezes, de
petiscos. As bebidas são servidas ao longo de um balcão ou em mesas onde o próprio
desempenho do barman se constitui um dos componentes essenciais do ambiente. Castelli
(2003)

3.11.Gestão e Controle da Caixa

No início do expediente o responsável pela caixa deve conferir o fundo de caixa,


verificar se o rolo PUS está no fim e se está num bom estado. No hotel há um programa
informático onde se acede ao sistema, e efectuem todos os lançamentos do dia. Quando o
cliente pedir a sua conta, cabe ao responsável da caixa perguntar ao cliente se vai efectuar
o seu pagamento via cash ou se vai debitar essa conta no seu aposento isso no caso de esse
ser hóspede do referido hotel, depois de obter a resposta do cliente, deve se encerrar sua
conta e emitir a factura. Nesse caso deve-se solicitar o número do quarto do cliente e pedir
que este assine a factura.

No que se refere a troca de turnos dos responsáveis pela caixa, estes devem proceder da
seguinte forma, o responsável do caixa que esta a sair deve conferir suas contas (total dos
recibos deve ser igual ao dinheiro em caixa mais o fundo de caixa), só então entregar a
caixa a outra colega que o vem substituir. No caso de ainda haver clientes com contas em
aberto, o responsável do caixa deve entregar as contas ao substituto e passar todas as
informações acerca desta conta.

No término do trabalho, faz o fechamento do movimento do dia, e estes (cheques,


moedas estrangeiras, moedas nacionais, os talões de cartão de credito) e facturas são todos
entregues na recepção mediante assinatura do funcionário para a confirmação de todas as
contas e facturas.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 60
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

4.ECONOMATO
Segundo Manuel Ai Quintas (1988, pag.182) “ o economato é as instalações onde são
armazenados os géneros, mercadorias e outros artigos necessários ao serviço de refeições e
bebidas do estabelecimento.”

O economato é subdividido em três sectores, em que uma é destinada aos produtos


alimentícios secos, enlatados e bebidas que serão vendidas por doses, a segunda serve para
armazenamento dos produtos de limpeza e a terceira para bebidas por cápsulas. Os vinhos
são colocados na cave de vinhos pois requerem uma temperatura de 18ºc e estrutura
diferente das outras bebidas. Os economatos possuem uma boa estrutura física, sendo
arejadas, iluminadas e bem equipadas com prateleiras, arcas, ficando perto dos sectores
requisitantes.
A empresa trabalha com stocks permanentes, mas não possui um stock fixo, na medida em
que é bastante complicado estipular este stock, sendo que a fixação do stock deve ser
baseado em dados bastante inconstantes tais como taxa de ocupação e o grau de utilização
dos diversos tipos de serviços oferecidos, isso para ter uma ideia de consumo de
mercadorias. Também há outro factor, que é a rotatividade de alguns produtos, ou seja, há
produtos que tem mais escoamentos que outros. Isso devido a época, aos gostos, e aos
serviços prestados, e também há determinados produtos que são utilizados pontualmente, e
não convém empatar dinheiro nesses tipos de produto, portanto devem ser comprados
pontualmente.
É a secção responsável pelo armazenamento e distribuição das mercadorias das diversas
secções. Cozinha, Restaurante, Bar, Lavandaria e Manutenção.

A sua localização deve ser próxima do local da recepção das mercadorias, bem como dos
restaurantes e serviços internos do estabelecimento.

É um local fresco, arejado com pouca humidade, bem iluminada, revestido de cores claras
facilmente laváveis e equipado com bancadas e prateleiras.

O economato do hotel possui estas determinadas especificidades referidas acima, ainda


dispõe de quatro divisões:
DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT
SÃO VICENTE 61
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Géneros Alimentícios;
 Bebidas

 Artigos de higiene e limpeza/ reserva de materiais;

 cave

Areas do Economato

ilustracao 5-areas de economato

Economato

Artigos de Higiene e
Limpeza
Géneros Alimentícios Bebidas Cave de vinhos
Reservas de
Materiais

Na zona dos géneros alimentícios, para além dos produtos enlatados, ensacados,
enfrascados, engarrafados e empacotados também armazenam os produtos deterioráveis,
tais como: Carnes, peixes, mariscos, produtos congelados e todos aqueles que carecem frio
para a sua conservação. Esses produtos são armazenados em duas arcas frigoríficas em que
não deverão haver misturas de produtos de características diferentes, de formas a ser
evitada, por um lado, a transição de cheiros, e por outro lado pela circunstância da cada
tipo de alimentos que necessita de temperaturas diferentes para sua conservação.

Na zona de bebidas estão armazenados todas as bebidas excepto os vinhos como por
exemplo: águas com e sem gás, sumos refrigerantes, e cervejas, e os espirituosos ficam nos
géneros alimentícios por ausência de prateleiras nesta.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 62
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

4.1.Câmara frigorífica

Destina-se a conservar todos os alimentos deterioráveis, que carecem da acção do frio para
prolongarem a sua durabilidade, mantendo as suas características próprias.

Na armazenagem dos alimentos nas câmaras frigoríficas não deverão houver misturas de
produtos de características diferentes, de forma a ser evitada, por um lado, a transmissão de
cheiros e, por outro, pela circunstância de cada tipo de alimento necessitar de temperaturas
diferentes para a sua conservação.

 Frutas e legumes – 4 á 6ºC

 Carnes e Aves – 1 ´3ºC

 Peixes e Mariscos – 0 a 1ºC

 Leite e Derivados – 2 a 4ºC

 Conservação de congelados -18ºC

4.2.Cave

È o local onde estão armazenados todos os vinhos. Para uma melhor conservação e em
alguns casos envelhecimento dos vinhos nas melhores condições é aconselhável que a cave
situa-se abaixo do piso térreo do edifício.

4.3.Ficha de stock

A ficha de stock é um documento importante do economato pois é elaborado


individualmente por cada produto. Destina-se a registar todas as movimentações de
quantidades e de preços, dando a qualquer momento informação das existências bem como

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 63
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

os respectivos preços médios. Permite ainda analisar as oscilações dos preços a que foram
sendo adquiridas, bem como permite observar o número de rotação num dado período.

Mensalmente será efectuado um inventário físico de todas as mercadorias armazenadas no


economato, com o objectivo de apurar os desvios verificados.

4.4. Requisição interna

A requisição interna é o documento interno que permite a saída das mercadorias do


armazém para as diversas secções do hotel. Nenhum produto poderá ser entregue sem o
respectivo documento.

A requisição deverá ser emitida em duplicado, ficando o original na posse do economato e


o duplicado na posse do chefe da secção requisitante, para conferência da mercadoria
aviada.

Neste documento, para além de vir mencionado a data da requisição, a secção requisitante,
as assinaturas dos intervenientes no processo e a numeração sequencial, vêm discriminadas
as seguintes rubricas:

 Código do produto

 Designação do produto

 Quantidades requisitadas

 Quantidades fornecidas

A requisição interna deverá ser idealmente preenchida pelo responsável da secção e


entregue de véspera no armazém. No dia seguinte, o ecónomo prepara as requisições de
acordo com as informações do documento.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 64
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

4.5. Gestão de compras

A compra de mercadorias é a função que consiste em abastecer a empresa e colocar á sua


disposição, nas melhores condições de preço, de qualidade, de quantidade, de pagamento e
de prazo de entrega, todas as mercadorias e produtos necessários á sua actividade.

A compra é uma tarefa de grande responsabilidade, pois não só envolve elevadas despesas,
como também é o ponto de partida do qual é definido o custo e qualidade do produto final.
O chefe de cozinha pode ser um excelente profissional, mas se o produto com que trabalha
não for o indicado, o resultado de confecção nunca será o desejado.

Por estas razões, é essencial que as compras sejam centralizadas em um só pessoa, ou em


um só serviço, com o objectivo de garantir o melhor controlo de qualidade e de preço dos
produtos, retirando assim este ónus das atribuições e das responsabilidades dos chefes das
diversas secções, permitindo que estes se dediquem apenas ás suas funções específicas.

4.6.O chefe de compras

O chefe de compras é o elemento responsável por todas as aquisições no estabelecimento,


pelo que esta função exige elevados conhecimentos técnicos, nomeadamente ao nível da
apreciação e distinção das várias qualidades de produtos, bem como da sazonalidade dos
mesmos.

Exige uma total lealdade e honestidade para com a empresa. Terá que possuir capacidade
de resistência suficiente às tentativas de suborno a que está sujeito por parte de alguns
fornecedores.

Para além disso, este cargo implica uma vasta experiência profissional, pois deverá
conhecer as exigências do serviço e da clientela, bem como estar familiarizado com os
fornecedores e com os preços de mercado.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 65
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

O comprador deve igualmente privilegiar o diálogo com os chefes das secções e com os
fornecedores, de forma a melhor se aperceber da qualidade dos produtos a adquirir.

O aparecimento de novos produtos e de novos fornecedores no mercado deve merecer um


cuidado especial, nomeadamente ao nível do estudo e da análise dos mesmos.

4.7.Definição da política de compras

À semelhança de qualquer outra empresa, também as empresas hoteleiras devem definir


uma política de compras que assegure o bom funcionamento das suas operações, por um
lado, e que garantam o menor investimento possível por outro.

Neste sentido, uma política de compras deve definir os seguintes aspectos;

1. Ponto de encomenda

È o momento exacto em que deve ser dada a ordem de compra. Para tal deverá ser
estipulado um Stock mínimo para cada produto, em função do seu consumo médio diário e
do seu tempo de aprovisionamento.

Quando um produto atinge o seu stock mínimo significa que chegou a altura de efectuar a
encomenda do produto.

2. Quantidades a comprar

A quantidade de mercadorias a comprar depende, por um lado, da previsão de ocupação


dos diferentes pontos de venda da unidade hoteleira e por outro pelo histórico de consumo
dos produtos em causa. Neste caso a experiência e o bom senso do chefe de compras é
fundamental para que sejam evitados excessos.

Assim impõe-se uma informação atempada e rigorosa dos departamentos de front-office


(previsão de pequenos almoços, pensões, grupos, etc.) e de food & Beverage (reservas de
mesa, eventos especiais, etc.), bem como um sistema de informação que permita obter com
rapidez o consumo médio de cada produto.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 66
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

3. Rotação das existências em armazém

Trata-se de um importante indicador de gestão, pois a sua análise permite avaliar a boa
dinâmica do serviço de compras. Salvo situações de excepção, isto significa que, quanto
mais elevado for a rotação dos stocks, melhor é o desempenho da empresa.

4. Prazos de pagamento

A grande vantagem do pagamento a prazo prende-se simplesmente com o facto de a


mercadoria ser paga ao fornecedor após sua utilização (vantagem de natureza financeira).
Isto significa que parte do capital gerado com a venda do produto, é posteriormente
utilizado no pagamento desse mesmo produto ao fornecedor, nunca havendo investimento
em mercadorias por parte da empresa compradora.

Por outro lado, a modalidade de pagamento imediato (pronto pagamento) apresenta


benefícios para a empresa quando, neste caso, o fornecedor apresentar condições mais
favoráveis, comparativamente com a modalidade de pagamento a prazo (reduções de
preço, oferta de produtos, etc.)

Escolha do fornecedor

O critério de escolha do fornecedor é um aspecto fulcral em todo o processo da compra.

Assim, é fundamental a existência de mais do que um fornecedor para cada tipo de


produto, principalmente para aqueles de elevado custo, sendo conveniente que a sua
compra seja efectuada alternadamente.

Desta forma cria-se uma concorrência saudável entre os fornecedores, altamente benéfico
para a empresa compradora.

A escolha dos potenciais fornecedores deve naturalmente recair sobre aqueles que
apresentam o melhor equilíbrio entre os factores qualidade, preço, condições de
pagamento, prazo de entrega, bem como uma garantia seriedade e de solidez, que se torna
fundamental em todo o processo.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 67
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Também é importante analisar a variedade de produtos que um determinado fornecedor


coloca á disposição do hoteleiro. A escolha de um fornecedor para o fornecimento de um
conjunto alargado de produtos resulta naturalmente em ganhos de tempo e de dinheiro.

Nesta perspectiva, o fornecedor ideal a escolher deverá ser aquele que apresenta o melhor
produto, ao mais baixo preço, concedendo o mais alargado prazo de pagamento e
assegurando a entrega do produto o mais rapidamente possível.

Autorização para a compra

O chefe de compras deverá ter autonomia suficiente para a realização de qualquer compra
no âmbito do quotidiano da operação hoteleira.

No entanto, é sempre aconselhável que o director de F&B, com responsável pela garantia
de qualidade do produto final, bem como pela manutenção de um determinado nível de
ratio de custos, analise todos os documentos relacionados com a compra das mercadorias.

O director financeiro (ou alguém por ele delegado) deve igualmente verificar toda a
documentação relacionada com as compras, com garante da autenticidade de todo o
processo.

As compras especiais, de produtos de consumo esporádico e de produtos de elevado custo


devem ser efectivadas só depois de aprovadas pelo responsável do estabelecimento
hoteleiro.

4.8.A recepção das mercadorias

A recepção das mercadorias constitui a 2ª fase do ciclo das mercadorias, logo após a fase
de compras, merecendo igualmente alguns cuidados especiais em termos de controlo.

São muitas as empresas hoteleiras que descuram os procedimentos básicos do controlo de


recepção das mercadorias, considerando uma tarefa morosa e desnecessária. Os
fornecedores, geralmente apressados, aproveitam esta circunstância para apenas

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 68
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

depositarem a mercadoria. Outros por engano registam nas facturas ou guias de remessa
quantidades diferentes das que na realidade foram entregues. (anexo 6)

Por estas razões (e também por uma questão de rigor) é essencial a aplicação de normas
rígidas para que as mercadorias encomendadas correspondem às mercadorias fornecidas.

A missão de proceder à recepção das mercadorias é normalmente desempenhada por um


elemento do economato, conhecedor dos vários produtos alimentares, principalmente os
perecíveis: Porém, é sempre aconselhável que o chefe de cozinha assista á recepção das
carnes e dos peixes, não só pelo seu elevado custo, mas também pela variedade de espécies
e qualidades existentes, as quais exigem um conhecimento profundo e especializado.

Produtos armazenáveis e produtos de consumo imediato

Nesta rubrica importa definir quais os produtos que deverão ser armazenados e quais
aqueles que se destinam a consumo imediato.

Os primeiros são normalmente constituídos por todos os produtos de mercearias


(conservantes, compotas, bolachas, massas, arroz, cereais, etc.), bebidas (águas, vinhos,
cervejas, refrigerantes, espirituosos, etc.) e produtos congelados. Os segundos
compreendem os produtos frescos, ou seja, peixes, carnes, lacticínios, legumes, frutas, pão,
etc.)

Deste modo e como já foi atrás referido, a compra de produtos armazenáveis, é realizada
quando estes atingem o seu stock mínimo e a compra dos produtos frescos é efectuada com
uma regularidade diária ou quase diária.

Finalmente, a compra dos produtos de consumo esporádico é efectuada a medido das


necessidades decorrentes da própria operação.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 69
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

4.9.Localização e equipamento

A área de recepção das mercadorias deve localizar-se preferencialmente, entre locais de


produção e de serviço da unidade hoteleira. Deverá ainda possuir uma porta de acesso
directo ao exterior. Deste modo é facilitar o fluxo das mercadorias e são evitados
desperdícios de tempo e de equipamentos.

Esta área deve estar equipada com uma balança decimal, uma balança de plataforma e
carros manuais para facilitar o transporte das mercadorias até ao respectivo destinatário.

Por razões óbvias, é fundamental que este local esteja em perfeitas condições de higiene e
limpeza.

Se todos estes requisitos forem observados, a empresa hoteleira atingirá certamente um


nível óptimo de eficiência no recebimento das mercadorias.

4.10. Normas de recepção de mercadorias

É aconselhável a fixação de horários para a recepção das mercadorias, principalmente para


os produtos frescos destinados às compras de produção, cuja utilização é necessária no
próprio dia. E mais vantajosos se fixarem o horário no período de manhã, na medida em
que permite uma melhor racionalização das tarefas dos funcionários envolvidas na
recepção das mercadorias(anexo 6).

As normas básicas de recepção das mercadorias assentem na verificação dos seguintes


factores:

1º Qualidade ou marca

Ex: maçã golden ou vinho tinto reserva da casa

2º Quantidade (unidades, peso, ou medida)

Ex: 20 latas, 20 kilos, 20 metros

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 70
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

3º Estado de conservação

Estado das embalagens, frescura, data de validade do produto.

4º Peso

Preço acordado vs. Preço mencionado na guia de remessa/factura

A verificação física da mercadoria deve corresponder exactamente ao conteúdo do


documento que a acompanha, factura ou guia de remessa, bem como às especificações
mencionadas no pedido de compra emitido pelos chefes das secções.

Após a conferência é assinado o documento que a acompanha, ficando o original na posse


do recepcionista para imediato ou posterior pagamento e a cópia para o fornecedor.

Na eventualidade de mercadorias entregue não satisfazer algum dos requisitos acima


mencionados, deve imediatamente emitir uma nota de devolução, onde é indicado a razão
pela qual a mercadoria não foi recebida.

Logo que recebida e confirmada a mercadoria deve ser transportada sem demora para os
respectivos destinatários.

4.11.Gestão do Economato

O Economato (armazém) é o sector responsável para a gestão de stock que por sua vez tem
uma ecónoma que tem como sua tarefa ou função fazer a gestão do stock. Cabe a ecónoma,
receber, conferir, armazenar, conservar e distribuir os produtos utilizados pelos diversos
sectores do hotel.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 71
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

4.12. Armazenagem das mercadorias

Depois das compras e devidamente recepcionadas, as mercadorias são arrumadas,


consoante a sua natureza e as suas características para os respectivos locais de
armazenamentos.

O responsável pelo economato tem como principal missão a preservação e registos de


todas as mercadorias que lhes são confiadas.

Relativamente a armazenagem das mercadorias e o conhecimento por parte dos


colaboradores envolvidas no processo, das condições e ideais de conservação para cada
tipo de produto tem que ter em mente que os produtos são deteriorados pelos seguintes
motivos:

 Tempo excessivo entre as entradas e o armazenamento do produto;


 Falta de condições de higiene;
 Inadequado separação dos alimentos;
 Temperaturas inadequadas;
 Excesso grau de humidade;
 Período excessivo de armazenagem.

Assim depois de os produtos estarem dado entrada, a ecónoma passa a face seguinte, que é
verificar o estado dos produtos (conservação, validade) e depois são arrumadas nos
economatos por ordem FIFO (first in first out). Mas caso houver alguma não conformidade
com o produto, a ecónoma não permite a entrada nos economatos, comunicando ao chefe
de compra. E este deve providenciar logo a troca do produto junto dos fornecedores.
Uma das funções da ecónoma é a conservação dos produtos, portanto deve estar em
constante vigilância dos prazos dos produtos existente no economato.
Há alguns produtos como os peixes, legumes, frutas, ovos, Iogurte, queijo, fiambre,
maionese e ketchup, etc, estes são lançados no programa “PDV config-almoxarifado
central” (dar entrada dos produtos que junta com o stock existente e dá o stock final) e são

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 72
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

dados baixa para cozinha, ou seja entrou e saiu logo para cozinha. Isto porque as câmaras
frias estão situadas na cozinha e estes são produtos frescos que necessitam de uma boa
conservação e tratamento (no caso do peixe) e também pelo facto serem utilizadas com
elevada frequência, poupando tempo e papel.
É de extrema importância realçar que nada sai do economato sem a respectiva requisição
do sector requisitante, devidamente preenchida, indicando a data, o sector requisitante, a
designação do produto, as quantidades requisitadas e assinada pelo chefe do sector ou
então pelo patente mais elevado do sector que se faz presente no momento. As requisições
são feitas através de uma ficha preenchida manualmente, e no final do horário estipulada
para o levantamento das requisições, a ecónoma acede ao sistema e faz o lançamento das
requisições dando saída dos produtos do economato, obtendo a existência final em stock.
Todos os dias deve proceder a contagem física dos produtos no economato e o resultado da
contagem deve ser igual ao stock no sistema.
Em caso dos produtos que já não serve para produção por diversos motivos, estes devem
ser justificados através de uma ficha “ nota de quebra” (anexo 5), que é uma forma de dar
baixa ao produto.

4.13.Normas de distribuição das mercadorias do hotel

A distribuição é também uma das fases do círculo de mercadorias que está sob a
responsabilidade e orientação do sector de aprovisionamento.

 As mercadorias devem ser levantadas a um determinado horário pré estabelecido


por secção de forma a evitar agrupamentos desnecessários de pessoal.
 O cumprimento do princípio em que o 1º produto a entrar será o 1º produto a sair
(FIFO).
 As mercadorias são distribuídas diariamente através de uma requisição interna para
as diversas secções. Nenhum produto poderá ser entregue sem o respectivo
documento.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 73
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 Diariamente e com o objectivo de apurar o valor total das mercadorias saídas do


economato, é elaborado um resumo de todas as requisições efectuadas cujos valores
são transportadas para o dia seguinte e assim sucessivamente até o final de cada
mês.

4.14.Codificação dos Produtos (no programa informático)

Os produtos que entram no economato devem ser devidamente identificados e registados


não só para controlar saídas e entradas, mas também para facilitar a sua arrumação nos
devidos locais e facilitar nos inventários.
 As mercadorias devem ser arrumadas por grupos ou por famílias.
 A ficha de stock é um documento importante do economato pois é elaborado
individualmente por cada produto. Destina-se a registar as entradas, saídas dando a
qualquer momento informação das existências bem como os preços médios e ainda
permite observar o nº de rotação num dado período.
Outra das funções da ecónoma é elaborar o inventário, sendo este feito mensalmente e
anualmente com o objectivo de apurar possíveis desvios. Assim, imprime um relatório do
sistema, onde discrimina os produtos e as quantidades que devem existir no economato. De
seguida deve-se fazer a contagem física para verificar se está tudo em conformidade. Caso
não estiver há que haver uma justificativa comprovada com respectivo documento.
O inventário deve ser apresentado a contabilidade de forma digital. E compete a este
verificar se tudo bate certo, pois também tem acesso ao programa.
Também a ecónoma faz o controlo de bebidas no bar e restaurante, é feito diariamente,
através da contagem de todas as bebidas existentes no bar e restaurante, e se preenche uma
ficha (anexo 9, 10) para verificar se a soma das quantidades vendidas e as existências,
correspondem ao stock fixo.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 74
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Controlo Stock Fixo

O controlo consiste numa actividade diária, em que, são repostos todos os produtos
vendidos no dia anterior. É feita mediante as facturas de vendas, em que são confrontados
com os lançamentos.

No final de cada mês, é feito o controlo das receitas e dos custos (anexo 14).

Objectivos:

 Diminuir custos;

 Aumentar a rentabilidade.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 75
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

5.CONTROLO

Neste capítulo dá-se ênfase ao tema controle no departamento de F&B, por ser um factor
importante para o sucesso.

Stock- “é uma provisão de produtos destinados ao consumo.” ( PIERRE ZERMATI)


Gestão de stock-“ gerir um stock é fazer com que ele esteja constantemente apto a
responder às encomendas dos clientes, dos utilizadores dos artigos em stock. Bem gerido
um, um stock deve satisfazer essa exigência em condições económicas.” (PIERRE
ZERMATI)

5.1.Implementação do sistema de controlo de F&B

Partido do pressuposto que um eficaz sistema de controlo garante a optimização dos


resultados de qualquer operação de F&B, torna-se fundamental a sua aplicação de uma
forma prática e objectiva.

A escolha do sistema, bem como a sua implementação, devem ser objecto de um


estudo criterioso, de forma a não originar o efeito contrário para o qual foi concebido.

5.2.O controlo do F e B visa sobretudo

Maximizar a qualidade e a rentabilidade;


Prevenir a ineficiência e desvios.

A forma eficiente de gerir uma operação de alimentação e bebidas, independentemente


do seu tamanho, consiste em estabelecer os controlos necessários para obter os resultados
planeados.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 76
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

O controlo do F&B, segundo Moser (2002, pag.77) “ [...] é um instrumento de gestão,


através do qual pode ser avaliado o desempenho de qualquer operação de comidas e
bebidas, relacionando indicadores de gestão previamente estabelecidos com valores reais.”

O controlo do custo, no entanto, é mais do que comprar barato, reduzir o tamanho das
porções a servir, ou substituir produtos de determinada qualidade por outros de nível
inferior. Ou também o inverso dessas situações.

5.3.Princípio para implementação de um sistema eficiente

1º- Exactidão

Os dados obtidos através do cálculo dos valores dos custos e das vendas devem ser
rigorosos.

2º- Tempo útil

O sistema deve ser capaz de projectar a apresentação de uma informação diária, semestral,
mensal, ou anual, consoante as necessidades; o não cumprimento deste principio anual a
utilidade e o interesse da informação e, por conseguinte, o objectivo do controlo.

3º- Objectividade

Implica criação do melhor sistema de controlo e não necessariamente o mais simples ou o


mais complicado, o seu mecanismo deve proporcionar á operação resultados visíveis e
satisfatórios.

4º- Prioridade

O sistema deve relevar os factores mais importantes para obtenção dos resultados
desejados.

5º- Custo efectivo

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 77
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

O investimento e a manutenção do sistema de controlo deverão ser inferior á redução de


custo que irá originar.

6º- Flexibilidade

Atendendo a que as operações estão em constante mutação, o sistema deve ser


suficientemente flexível para se moldar a essas mudanças.

7º- Aceitação

O pessoal envolvido na operação de food & Beverage deve compreender e aceitar o


sistema, tanto quanto possível, e cumprir todos os procedimentos por ele exigidos; de outra
forma será muito difícil aproveitar todo o seu potencial.

A rentabilidade da empresa depende cada vez mais da capacidade dos colaboradores sem
excepção. Algum desses controlos abaixo mencionados é feita pela ecónoma, mas cabe a
assistente de direcção de F&B supervisionar esse controlo.

5.4.Controlo de bebidas no bar e restaurante

É feito diariamente, através da contagem física de todas as bebidas existentes no bar e


restaurante onde preenche-se uma ficha (anexo 9,10) para verificar se está tudo de acordo.
Todos os dias a ecónoma imprime um relatório de vendas do dia anterior do bar e do
restaurante, este relatório permitirá saber as quantidades vendidas. A soma das quantidades
vendidas no dia anterior de cada bebida (unidade) e a existência do dia actual deve ser
igual a existência Inicial (stock fixo.)

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 78
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

5.5.Controle das despesas de Buffet e Rodízio

O controlo é feito através dos cálculos dos produtos que foram utilizados, as quantidades
utilizadas de cada produto, e as bebidas consumidas nesses serviços, este tipo de controlo é
aplicado com o objectivo de apurar os custo, as receita e o rácio inerentes a esses serviços.
Na análise das despesas, receitas e rácios há que separar as comidas e as bebidas.
Para o apuramento dos custos da comida é necessário que a chefe de cozinha forneça á
assistente de direcção de F&B a lista dos produtos e as respectivas quantidades, que foram
utilizados nesses serviços. A obtenção da quantidade de bebidas consumidas nesses
serviços é dada pelo relatório de vendas. Com base nesse relatório de vendas do dia em que
se realizou esse serviço e da lista fornecida pela cozinha faz-se a análise das despesas,
receitas e rácios, tanto para as bebidas bem como para as comidas, isso através de uma
ficha.

5.6. Análise de Índice de Rentabilidade e Popularidade

È um eficiente instrumento de gestão de vendas, na medida em que permite avaliar a


conjugação entre a popularidade e a rentabilidade dos pratos.
Esta análise assume especial importância na avaliação do desempenho dos vários pratos
que constituem a carta do restaurante, permitindo saber quais aqueles que realmente
interessam vender e aqueles que devem ser substituídos.

A conjugação entre os índices de popularidade e rentabilidade dá origem a uma


determinada classe.

Star – (AA)> alta popularidade; alto rentabilidade;

Plowhorse (AB)> alta popularidade; baixa rentabilidade;

Puzzle – (BA)> baixa popularidade; alta rentabilidade;

Dog- (BB)> baixa popularidade; baixa rentabilidade;

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 79
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Star são aqueles itens que têm elevada procura e apresentam boas margens de lucro,
contribuindo de forma decisiva para a rentabilidade de exploração.

O gestor deverá preocupar-se em manter constantes a qualidade, a quantidade, a


apresentação, promoção e o preço de cada prato, de forma a garantir a manutenção da
procura.

Plowhorse são artigos muito procurados, atraindo clientela para o estabelecimento,


apresentando contudo fracos níveis de rentabilidade.

Pela sua atractividade são pratos que valem a pena ser mantido, devendo o gestor tentar
torna-los mais rentáveis através de tentativa de diminuição dos seus custos ou do aumento
ponderado dos seus preços de venda, observando o histórico de restaurante não sendo esse
o caso.

puzzle- têm características opostas aos anteriores. São produtos pouco procurados,
apresentam contudo boas margens de lucro.

A sua manutenção na carta deve ser equacionada, pois geralmente implicam avultados
investimentos em stocks, os quais correm o risco de se vender.

Assim, ou são retirados da carta e substituídos por outros, ou então devem ser alvo de uma
promoção especial ou de redução de preço, quer através da sua colocação em destaque na
carta, quer através do esforço do chefe de mesa para o vender.

Dog- são pratos com pouca procura e com fraca rentabilidade, devendo ser imediatamente
substituído por outros que apresentem melhores expectativas de venda e de margens de
lucro, desde que a fraca procura não seja motivada pela falta matérias-primas.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 80
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

OBS-O melhor para o hotel é que a maioria dos pratos tenham a classificação de pratos
Star e os pratos Puzzle, porque isso significa que os pratos estão a ser muito consumidos,
são rentáveis e conhecidos.

Formulas:
Cálculo da receita total
RT = Preço de Venda x Quantidades Vendidas.

Cálculo do rácio dos produtos


Rácios = Custo Total/pela Receita Total x 100

Quanto menor for o rácio, maior será o lucro obtido pelo hotel. Esses cálculos permitem
verificar se há prejuízos ou ganhos nesses serviços. Após o apuramento desses resultados,
este é entregue ao director para sua análise dos resultados. Depois desse processo são
arquivados no economato

Índice de popularidade

Índice de popularidade = (1/ Quantidade itens) x70% x100

Índice de rentabilidade

Índice rentabilidade = Total da margem de contribuição /Quantidade vendida

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 81
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

5.7.Controlo da Cozinha
Para manter os custos e despesas dentro do padrão aceitável, estes precisam ser
controlados e todos os empregados que trabalham no sector podem dar uma ajuda,
evitando despesas desnecessárias.

Análise de desperdício (anexo3)


O estagiário teve a possibilidade de observar que a chefe de cozinha tenta reduzir os
custos ao máximo, na medida em que faz reaproveitamento das mercadorias, reduzindo
assim os desperdícios. Deste modo quando tem muitas sobras dos serviços, são
conservados e servidos ao pessoal, mas no caso das sobremesas são vendidas nos pontos de
vendas. Outra técnica, é a utilização das frutas que já não estão com um aspecto viçoso,
são utilizadas para fazer sobremesas, bolos, etc. Os produtos que servem para reaproveitar
é lançado fora, mas deve-se preencher uma ficha onde dá-se baixa ao produto designada
por nota de quebra (anexo 5) que deve servir como comprovativo ou justificativa e deve
ser entregue a assit. de F&B.
Hotel possui ainda uma ficha de análise de desperdícios (anexo 3) que serve para apurar a
taxa de desperdício que tem num produto bruto, ou seja depois do tratamento ou limpeza
do produto, verificar realmente a quantidade do produto limpo que foi aproveitada e apurar
a quantidade de desperdício, não serve para aproveitar. Ex, peixe, carnes.
A cozinha também faz uso das fichas de controlo, seguintes:
 Controlo do refeitório, (anexo 7), em que esta ficha serve para contabilizar quantas
pessoas que foram ao refeitório se alimentar, se tinha ou não esse direito, e também
uma forma de conhecer os custos da alimentação do pessoal.
 Pesagem de pão, (anexo13), serve para saber as quantidades de ingredientes gastos
na confecção do pão de forma a apurar os custos.
 Ficha de pequeno-almoço, (anexo 8), nesta ficha consta todos os produtos e as suas
respectivas quantidades que foram utilizadas no buffet de pequeno-almoço.
Todos estes documentos acima citados devem ser do conhecimento da chefe de cozinha, e depois são
entregues a assistente de direcção de F&B, este deve assegurar a sua contabilização e o controlo.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 82
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

III.ANÁLISE DE COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS

Para executar o estágio havia um plano de estágio a seguir ou seja havia tarefas a
executar e conhecimentos a adquirir que são pertinentes para que se possa dizer que o
estágio foi bem-sucedido

De uma forma geral foi possível obter algumas competências que podem ser consideradas
uma mais-valia para o futuro do estagiário como profissional, pois teve conhecimento do
funcionamento do departamento, teve o contacto directo com a realidade do dia adia
laboral do hotel, bem como o contacto com os clientes, extremamente importante, para a
observação das suas reacções e eventual recolha de sugestões, que lhe permitirão uma
melhor compreensão das suas necessidades e assim ajuda-lo a atendê-lo com maior
eficácia e profissionalismo. O estagiário teve ainda a oportunidade de, confeccionar alguns
pratos, escolher ementas (prato do dia, menu para buffet), ter contacto com as práticas de
gestão dos recursos humanos do Departamento, gerir materiais em função das necessidades
e dos serviços do hotel, entender e solucionar problemas do dia-a-dia, conhecer os
softwares utilizados no funcionamento do departamento, elaborar a ficha técnica dos pratos
e calcular o índice de rentabilidade dos mesmos e aperceber-se da complexidade e
entrosamento necessários ao funcionamento articulado do Departamento, com as restantes
áreas do Hotel.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 83
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

IV.CONSIDERAÇÕES FINAIS
No inicio o estagiário traçou alguns objectivos que pretendia alcançar para o sucesso do
estagiário, que de uma forma geral foram alcançados o qual levou a satisfação do
estagiário e sucesso do estagio.
Mas como qualquer formando o estagiário quer sempre aprender e reter o máximo de
informações possíveis logo o formando foi a procura dos mesmos sempre questionando
criticando dando a sua opinião, fez o máximo para adquirir competências importantes e
pertinentes para o futuro como um profissional.

Quanto ao funcionamento do hotel foi possível constatar que os funcionários do


departamento dão o máximo para que os serviços tenham o máximo de qualidade possível,
mostrando fazer o que sabem da melhor forma e também que não são simplesmente
funcionários mas sim colaboradores.

O estagiário constatou que no hotel há alguns colaboradores que fazem trabalhos que não
fazem parte das suas funções, também há insuficiência de espaço no economato, uma vez,
que há alimentos armazenados juntamente com uma secretaria que é usado pelo assistente
de F & B e pela ecónoma.

O estagiário tem como sugestão que haja definição de tarefas para os colaboradores que
adequa com as suas funções para que não haja acumulação de serviço nem diminuição de
produtividade. Também sugere que o hotel crie espaço para que possa haver espaços
reservados para os alimentos cada um na sua categoria e um espaço especifico com
secretarias para o assistente de F&B e para a ecónoma, com boa instalação isso para
melhores condições de trabalhos consequentemente melhores resultados.

Pode-se dizer que apesar das dificuldades encontradas pelo estagiário ao longo dos 3 meses
de estágio no hotel Foya Branca o resultado final pode ser considerado positivo pois houve
a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos obtidos ao longo dos 4 anos bem
como adquirir experiencia prática.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 84
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

V.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 AI QUINTAS, Manuel (1988). Tratado de hotelaria. Lisboa: Instituto nacional de
formação turística
 BAPTISTA, Mário (2003). Turismo gestão estratégica. Lisboa -são Paulo:
editorial verbo
 BARBOSA, Aberto Josefa (2011). Modelo Para Gestão Integrada Do Produto
Turístico Global. Praia: editor Instituto Da Biblioteca Nacional Do Livro (IBNL)

 BRIGS, Susan (1999). Marketing para o turismo no século XXI. 1ª Edição.


Portugal: Edições CETOP – Centro de Ensino Técnico Profissional à Distância
 CASTELLI, Geraldo (2003). Administração Hoteleira. 9ª Edição. Brasil:
EDUCS- Editora da Universidade de Caixa do Sul
 CRACKNELL, H.C; NOBIS, G (1996). Manual Pratico Do Serviço De
Restaurante. 4ª Edição. Portugal: Edições CETOP – Centro de Ensino Técnico
Profissional à Distância
 CUNHA, Licínio (2003). Introdução Ao Turismo. 2ª Edição. Lisboa – São Paulo:
Editorial Verbo
 CUNHA, Licínio (2006). Economia E Politica Do Turismo. Lisboa – São Paulo:
Editorial Verbo

 IESIG, (2006).Normas para elaboração e apresentação de trabalhos académicos


e científicos. Mindelo: IESIG
 MARQUES, J. Albano (2007). Introdução a Hotelaria. Civilização editora
 MARQUES, Maria Olinda. Turismo E Marketing Turismo. Portugal: Edições
CETOP – Centro de Ensino Técnico Profissional à Distância
 MONTEIRO, Victor (1999). Higiene, Conservação E Congelação. Lisboa –
Porto - Coimbra: LIDEL, Edições Técnicas

 MOSER, Francisco (2002). Manual de Gestão de Alimentos e Bebidas. Edições


CETOP – Centro de Ensino Técnico Profissional à Distância

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 85
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

 RÊGO, João (2007) – Manual comercial


 TORRE, Francisco (2001) - Administração Hoteleira. 1ª Edição. São Paulo:
Editora Roca, Lda.
 ZERMATI, PIERRE (1987). Gestão de stocks. 1º Edição. Lisboa: editorial
presença

INTERNET
 http://www.foyabranca.com, 2013-07-05, 15:20
 Htt\gestãohoteleira.blogs.sapo.pt, 2013-07-05, 14:00

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 86
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

VI.ANEXOS
Apresentação de documentos utilizados no dia-a-dia do hotel Foya Branca no
departamento F e B, cedidos pela assistente e F e B durante o respectivo estágio.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 87
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 1-MENUS DIVERSOS

Sopa de Bacalhau

Caril de Frutos do Mar


Esmoregal no Forno
Chacuti de Galinha
Costeletas de Porco c/Ananás
Lasanha
Arroz branco
Batata Frita
Legumes
Salada Mista
Salada Hawai
Tarte de Cebola
Rissóis
Bolo de Laranja
Gelado de Morango
Salada de frutas
Preço: 1.450$00 por pessoa, incluindo Piscina. Faça a sua reserva, através
do 2307400.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 88
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 2–RODIZIO

FOYA BRANCA RESORT HOTEL

Ficha de Despesas e Receitas do Rodízio


Comida

Quant. Peso Produto Custo/Unid. Custo Total Receitas


Salsicha
6 KG Churrasco 650,00 3.900,00
4 KG Picanha 1.422,00 5.688,00
3,5 KG Filé-Mignon 980,00 3.430,00 21.450,00 R. Hóspede
5,5 KG Ananás 300,00 1.650,00 37.800,00 R. Adulto
3 KG Arroz Parbóil. 90,00 270,00 825,00 R. Criança
4 KG Feijão Preto 138,00 552,00 R. C. Hosp.
0,75 L Azeite Puro 302,00 226,50
4,1 KG Lombo Porco 505,00 2.070,50
0,2 KG Coentro 600,00 120,00
10 CUBOS Knorr 9,00 90,00
12 KG Coxinha 235,00 2.820,00
1 Lt Azeite Tempero 144,00 144,00
5 KG Couve 110,00 550,00
1 Unid. Acendalha 110,00 110,00
0,35 KG Presunto 1.153,00 403,55
0,25 KG Bacon 765,00 191,25
0,2 KG Alho 300,00 60,00
2 fr Maionaise 132,00 264,00
1 lt Óleo 111,00 111,00
1 fr Ketchup 174,00 174,00
2 KG Banana Madura 120,00 240,00
9,5 KG Pré-Frita 153,00 1.453,50
0,25 KG Sultanas 470,00 117,50
2 KG Cebola 79,00 158,00
0,75 KG Chouriço 336,00 252,00
0,35 KG Tempero Comp. 330,00 115,50
0,25 Sac Carvão 1.200,00 300,00
1 KG Farofa Pronta 145,00 145,00
Total: 23.884,00 60.075,00

Rácio: 39,8%

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 89
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 3 – FICHA DESPERDICIOS

ANÁLISE DE DESPERDICIOS

DATA ARTIGO FORNECEDOR


PESO PREçO PREçO DESPER % PESO PRECO
BRUTO UNITARIO TOTAL TOTAL DESPER LIQUIDO UN. LIQ.

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 90
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 4 -MAPA DE PERDAS

FOYA BRANCA RESORT HOTEL


NOTA DE PERDAS
MINI-BAR
SECÇÃO : ___________________________

PREÇO
DATA PRODUTO QUANTIDADE UNIT. OBSERVAÇÕES
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
Chefe de Secção Controlo

_______________________ ______________

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 91
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 5 -MAPA DE QUEBRAS


FOYA BRANCA RESORT HOTEL
NOTA DE QUEBRAS
SECÇÃO : ___________________________

PRODUT QUANTIDAD PREÇO


DATA O E UNIT. OBSERVAÇÕES
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /
/ /

Chefe de Secção Controlo


_____________
_______________________ _

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 92
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 6 – FICHA ENTRADA MERCADORIAS

MAPA DE ENTRADAS DE MERCADORIAS DATA :15/08/2007


DISTRIBUIÇÃO DE
QUANT PREÇO
Nº FORNECEDOR SUB VALOR COMPRAS
UNIDAD UNITARI
DOC PRODUTO TOTAL TOTAL DIRECTA ECONOMAT
E O
S O

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 93
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 7 – DESPESA REFEITÓRIO

DESPESAS DO REFEITORIO DATA :___/___/___

QUANT PRODUTOS VALOR UNIT. VALOR TOTAL CÓDIGO

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 94
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 8 - FICHA PEQUENO ALMOÇO

PEQUENO ALMOÇO COZINHA PEQUENO ALMOÇO COZINHA

PRODUTO QUANTIDADE PRODUTO QUANTIDADE


AÇUCAR AÇUCAR
BACON BACON
CANELA CANELA
FARINHA TRIGO FARINHA TRIGO
FIAMBRE FIAMBRE
LEITE EM PÓ LEITE EM PÓ
MARGARINA MARGARINA
ÓLEO ÓLEO
OVOS OVOS
PÃO FORMA PÃO FORMA
QUEIJO EDAM QUEIJO EDAM
SALSICHA SALSICHA
SUMO FOSTER SUMO FOSTER
MORTADELA MORTADELA
KIWI KIWI
LARANJA LARANJA
MAÇÃ MAÇÃ
MELÃO MELÃO
PAPAIA PAPAIA
PÊRA PÊRA
UVA UVA

DATA: ____/____/____ DATA: ____/____/____

_________________ _________________

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 95
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 9 - FICHA STOCK


CONTROLO DIARIAS DAS BEBIDAS DO SNACK BAR
Data: _____/_____/_____/ _____/____/_____
Produtos S.Fix. Inve. vend. Req. Exist. Inve. Vend. Req. Exist.
Coca Cola de G 48 G
Fanta de G 48 G
Sprite de G 48 G
Sumo Mazza 24 G
Sumo Mais 24 G
Água Tónica 48 G
Água 1/4 L 48 G
Água 1/5 L 48 G
Água Pedras 24 G
Água Castelo 24 G
Bitbuguer 24 G
Sagres 48G
Strela 48G
SuperBock 24 G
Heineken 24 G
Amenduim 24G
Matutano Original
Matutano Presunto
Cerv. s/ alcool 24 G
Sumol de Laranja
Coca Cola Lata 24 G
Fanta de Lata 24 G
Fanta Maça
Agua Trindade 1G
Rum 1G
WhiskieWhiteHorse 1G
WhiskieJ.Walker Novo 1G
WhiskieJ.Walker Velho 1G
Whiskie J.B Reserva 1G
Whiskie J.B Novo 1G
Licor de Café 1G
Licor Nacional 1G
Bailays 1G
Carolans 1G
Safari 1G
Drambui 1G
WhiskiLogan 1G
WhiskiBalantines 1G
WhiskiBalvenie 1G
WhiskiTalisker 1G

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 96
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 10 - CONTROLO DIARIAS DAS BEBIDAS DO RESTAURANTE

Data: _____/_____/_____/ _____/____/_____


Produtos S.Fix. Inve. vend. Req. Exist. Inve. Vend. Req. Exist.
Coca Cola de G 48 G
Fanta de G 48 G
Sprite de G 48 G
Sumo Mazza 24 G
Sumo Mais 24 G
Água Tónica 48 G
Água 1/4 L 48 G
Água 1/5 L 48 G
Água Pedras 24 G
Água Castelo 24 G
Bitbuguer 24 G
Sagres 48G
Strela 48G
SuperBock 24 G
Heineken 24 G
Amenduim 24G
Matutano Original
Matutano Presunto
Cerv. s/ alcool 24 G
Sumol de Laranja
Coca Cola Lata 24 G
Fanta de Lata 24 G
Fanta Maça
Agua Trindade 1G
Rum 1G
WhiskieWhiteHorse 1G
WhiskieJ.Walker Novo 1G
WhiskieJ.Walker Velho 1G
Whiskie J.B Reserva 1G
Whiskie J.B Novo 1G
Licor de Café 1G
Licor Nacional 1G
Bailays 1G
Carolans 1G
Safari 1G
Drambui 1G
WhiskiLogan 1G
WhiskiBalantines 1G
WhiskiBalvenie 1G
WhiskiTalisker 1G

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 97
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 11 – MAPA DE SERVIÇO DO RESTAURANTE

HORÁRI
TAREFAS A SEREM EXECUTADAS
O

Serviço de Pequeno - Almoço


Conferir o fundo de caixa na recepção
Pedir a recepção a listagem de Hospede- Para saber a taxa de ocupação, ajudar a fazer o
controlo dos clientes (saída e entrada através do nº de #)
Verificar se a sala está devidamente preparada para o pequeno-almoço – Não podem constar
Das 07:00 às 10:00

mesas para o jantar e pequeno-almoço


Verificar e colocar os produtos que faltam no buffet de pequeno-almoço
Abrir o restaurante as 7:30 – evitando assim a entrada do cliente antes de hora, que por vezes
reclamam por acharem que estamos atrasados.
Fazer a recepção dos clientes acompanhando-os à mesa
Diferenciar os clientes Hospedes dos Passantes, (pois neste último caso requer que seja
apresentada a conta no final).
Retirar a louça suja das mesas, (de forma à evitar acumulação) e fazer a sua distribuição,
conforme a natureza
Estar sempre atento à mesa do buffet, para evitar ruptura desnecessária
Ter uma atitude atenciosa e prestável com os clientes
Primar por um serviço rápido, eficiente e de qualidade
Mise enplace para o jantar
Arrumar e limpar a mesa de buffet, aparadores, e ofícios (Galheteiro e demais utensílios)
Fazer a mise enplace das mesas para o serviço do jantar
Das 10:00 às

Lavar as máquinas, e quando secas coloca-las nos respectivos lugares


Limpar o expositor de alimentos
12:30

Limpar, arrumar e conservar todos os materiais e utensílios à guarda do restaurante


Esvaziar o recipiente de lixo
Efectuar a requisição de produtos em falta ao economato
Fazer a troca do Prato do dia
Limpar as mesas e cadeiras da esplanada

Serviço do Jantar
Antes da abertura do restaurante, é necessário verificar a arrumação e o perfeito da sala, e
saber a previsão de hóspedes fornecida pela recepção
Das 19:00 às 23:30

Auscultar com os funcionários da cozinha que produtos efectivamente existem, no sentido de


poder informar os clientes no acto do atendimento, estar informado sobre a composição dos
pratos
Preparar o couvert
Abrir o restaurante as 19:30
Fazer a recepção dos clientes acompanhando-os à mesa
Efectuar o serviço completo de mesas: desde a entrega da carta até pedir a conta
Ter uma atitude atenciosa e prestável para com os clientes
Executar o serviço rápido, eficiente e de qualidade
Preparar a sala para o pequeno-almoço, após o serviço de jantar

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 98
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 12–MAPA DE SERVIÇO DO SNACK-BAR

HORÁRIO TAREFAS SEREM EXECUTADAS

Mise enplace para o almoço


Obter informações acerca da previsão de hóspedes fornecida pela recepção, através
a lista de hóspede
Das 10:00 às

Limpar os individuais, as mesas e cadeiras (dos dois lados)


12:00

Preparar o couvert
Efectuar a requisição de produtos em falta ao economato
Preparar as mesas para o almoço, e ofícios (Galheteiro, saleiro e pimenteiro, porta
guardanapo e Individuais)
Limpar, arrumar e conservar todos os materiais e utensílios à guarda do Snack.
Verificar se existem serviços pendentes, assim como informações do turno anterior
Serviço de almoço
Informar através dos funcionários da cozinha que produtos efectivamente existem,
12:00

15:00

no sentido de poder informar os clientes no acto do atendimento


Das

às

Efectuar o serviço completo de mesas: desde a entrega da carta até pedir a conta
Ter uma atitude atenciosa e prestável para com os clientes
Fazer a passagem de turno
Serviço de senack
Receber e verificar a passagem de turno
15:00 às

Limpar e arrumar os frigoríficos


19:00
Das:

Lavar e arrumar todos os itens utilizados ao longo de todo o serviço do almoço


Arrumar as prateleiras, sempre que tal se mostre necessário
Efectuar o fecho da conta do dia
Esvaziar o recipiente do lixo

No dia anterior à abertura


Limpar e arrumar os frigoríficos
Piscina
Bar de

Fazer sumos de máquina

Limpar e arrumar o bar

Fazer requisição

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 99
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 13 - PESAGEM DE PÃO

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 100
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

Anexo 14 -FICHA DE DESPESAS E RECEITAS

Quant. Produto Custo/Unid. Custo Total Preço Venda Receitas

TOTAL

Rácio:

Data: ______________________

(F & B)

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 101
UNIVERSIDADE DO MINDELO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

DOMINGAS MANUELA B CRUZ 4º ANO GHT


SÃO VICENTE 102

Você também pode gostar