Você está na página 1de 4

Universidade Veigar de Almeida

Caio Luiz Sacramento Barreto

Trabalho da Disciplina Organização e Arquitetura de Computadores [AVA2]

Rio de Janeiro - RJ

2021
Caio Luiz Sacramento Barreto

Trabalho da Disciplina Organização e Arquitetura de Computadores [AVA2]

Trabalho da Disciplina Organização e Arquitetura de Computadores


apresentado como exigência para obtenção de nota
da Avaliação 2, à Universidade Veiga de Almeida.

Rio de Janeiro – RJ

2021
Compilação x interpretação

Independentemente da arquitetura de computadores, e podemos tomar como base o


modelo da arquitetura de Von Newmann, tanto o processo de compilação quanto o
processo de interpretação são possíveis.

É fato que programadores de computadores ficam em dúvidas quanto à


diferenciação da compilação e da interpretação de programas. Muitas das vezes,
isso ocorre por falta de conhecimento aprofundado acerca da arquitetura de
computadores e de como os programas são executados nas máquinas.

Tomando como base as etapas de um ciclo de máquina apresentadas por Corrêa


(2016), faça a representação gráfica dos dois processos, compilação e
interpretação, explicando, no final, a real diferença existente entre eles.

Processo de Compilação Processo de Interpretação

Verifica se a erros na escrita. Verifica se a erros na escrita.

Converte a instrução em código Converte a instrução em código de máquina.


de máquina.

Executa a instrução na sequência Ordena que o computado execute a instrução.


do algoritmo.

Executa o algoritmo totalmente Repete o processo até que a última linha de


traduzido. código seja executada.

No processo de Interpretação:
O programa conversor recebe a primeira instrução do programa fonte, verificando se
há erros e convertendo em linguagem de máquina e então determina que o
computador execute esta instrução. Depois repete o processo para a segunda
instrução, e assim sucessivamente, até a última instrução do programa fonte.
Quando a segunda instrução é trabalhada, a primeira é perdida, isto é, apenas uma
instrução fica na memória em cada instante.
Se este programa fonte for executado uma segunda vez, novamente haverá uma
nova tradução, comando por comando, pois os comandos em linguagem de
máquina não ficam armazenados para futuras execuções.

No processo de Compilação:
O programa conversor recebe a primeira instrução do programa fonte, verificando se
há erros, convertendo para linguagem de máquina na ausência de erros e o
processo passa para a próxima instrução, repetindo o processo sucessivamente até
a última instrução do programa fonte. Se esse programa for executado uma segunda
vez, não haverá necessidade de uma nova tradução, uma vez que todos os
comandos em linguagem binária foram memorizados em um novo programa
completo.

Á vista disso é possível que, apesar de existir etapas semelhantes entre os métodos,
há um cisão após o processo de conversão onde na Interpretação é feito por linha a
linha, se o programa for executado novamente todo o processo de conversão será
repetido e caso ocorra um erro o processo será interrompido, divergente ao
processo de Compilação que testa o código-fonte antes de converter e em caso de
erro não inicia o processo além disso, a criação de um comando executável descarta
a necessidade de refazer a compilação.

Você também pode gostar