Você está na página 1de 13

FACULDADE CRISTO REI - FACCREI

ENFERMAGEM

KARINA FERNANDA VICENTE

CONSULTA DE ENFERMAGEM

CORNÉLIO PROCÓPIO – PR
NOVEMBRO/2021
KARINA FERNANDA VICENTE

CONSULTA DE ENFERMAGEM

Proposta para Trabalho para obtenção de


nota do Curso de Enfermagem da
Faculdade Cristo Rei de Cornélio Procópio
- PR.

Orientador: Edinéa

CORNÉLIO PROCÓPIO
NOVEMBRO/2021
CONSULTA DE ENFERMAGEM E SUA IMPORTANCIA

A consulta de enfermagem é de suma importância para a qualidade no


atendimento de uma unidade de saúde que oferece um tratamento
multidisciplinar tanto para a mãe e a criança, pois é ele o responsável por
intermediar a relação do paciente e especialista. Ela tem como propósitos
maximizar as interações do paciente com seu ambiente, atingir o máximo bem
estar deste, viabilizar estratégias de valorização de si e de auto-realização. A
consulta de enfermagem é de competência privativa do enfermeiro segundo a
Lei de nº 7.498, de 25 de Junho de 1986, e no Decreto 94.406/87, consiste em
um atendimento integral de forma sistematizada articulada no acolhimento,
com vistas à resolutividade e responsabilização pelas necessidades dos
sujeitos e seus familiares. Neste contexto, o enfermeiro irá exercer um papel
muito importante no que concede a realização da assistência puerperal através
das consultas de enfermagem, e sua atuação no âmbito domiciliar, ainda na
primeira semana após o parto, possibilita a prestação de cuidados referentes à
mulher e ao bebe, para prevenção das intercorrências da lactação e outras
complicações do período. Sendo assim, a falta de uma consulta de
enfermagem é vista como uma fragilidade nas instituições de saúde, pois sem
ela há vulnerabilidades no processo de compreender a diversidade dos estilos
de vida e de pensamento da população assistida, dificultando a atuação na
prevenção, promoção e recuperação da saúde.

O QUE É PRÉ- NATAL?

O pré-natal é o conjunto de medidas que promovem o desenvolvimento


saudável da gravidez, ou seja, é feito o acolhimento da mulher desde o inicio
da gravidez, assegurando, ao fim da gestação, o nascimento de uma criança
saudável e a garantia do bem estar materno e neonatal. É um processo
composto por médicos e enfermeiros, a parte social e psicológica, podendo-se
incluir muitos outros profissionais como nutricionista. É importante mencionar
que não há uma hierarquia entre o médico e o enfermeiro. O enfermeiro poderá
realizar o diagnóstico de gravidez bem como as consultas de pré-natal e
solicitação de exames assim como o médico também. Neste sentido, os
saberes deverão se complementar no atendimento à gestante. O pré-natal
inicia-se na consulta de acolhimento da mulher após o diagnostico de gravidez
indo até 42 dias após o nascimento da criança, quando acontecerá a primeira
consulta de puerpério. O objetivo deste exame é possuir um diagnostico
precoce de gravidez e a prevenção e identificação das situações de alto risco.
O diagnostico precoce possibilitara que as ações educativas e diagnosticas de
situações de risco seja realizado o mais breve possível reduzindo
significativamente as chances de adoecimento e morte materna e fetal.

Os passos deste exame são bem simples:

 Acolhimento da queixa da mulher: Amenorreia, dor nas mamas e outros;


 Atraso menstrual de mais de 15 dias: Oferecer o teste imunológico de
gravidez (BHCG); ou atraso menstrual maior que 12 semanas fazer
ausculta com o Sonnar Doppler. Unidades que não dispõem do Sonar,
fazer ausculta somente a partir de 20 semanas;
 Gravidez confirmada: solicitar exames, fazer teste rápido de HIV e sífilis,
preenchimento SISPRENATAL, cartão da gestante, prontuário;
 Avaliação do Risco Gestacional e referenciar a gestante para o pré-natal
de alto risco se necessitar;
 Fazer a programação do calendário de consultas.

O Ministério da Saúde recomenda o mínimo de 6 consultas sendo 1 consulta


no primeiro trimestre, 2 consultas no segundo trimestre e 3 consultas no
terceiro trimestre sendo que:

 Até a 28ª semana, as consultas deverão ser mensais;


 Da 28ª até 36ª semana deverá ser quinzenais;
 Da 36ª até a 41ª semana deverá ser semanal.

EXAMES NA GRAVIDEZ
Assim que descobre a gravidez, a futura mamãe deve escolher o obstetra que
irá acompanhá-la durante todo o processo. Além das consultas, ele irá solicitar
uma série de testes. Os exames durante a gestação são importantes para
monitorar a saúde da mulher e do bebê. Durante o pré-natal, a saúde da mãe e
do filho é controlada minuciosamente para prevenir e tratar qualquer distúrbio a
tempo. Por meio dos exames clínicos, o obstetra avalia as condições físicas da
mulher grávida e o desenvolvimento do feto. Segundo a Sociedade Brasileira
de Pediatria (SBP), há uma variação entre os exames pedidos pelos obstetras.
Mas certos testes são obrigatórios e toda gestante deve fazer:

SANGUE:

A gestante deve fazer quatro exames de sangue:

 IDENTIFICAÇÃO DO TIPO SANGUINEO E DO FATOR RH: O objetivo é


verificar o grupo sanguíneo da mãe (O, A, B ou AB) e identificar se ela
apresenta o fator RH negativo ou positivo. Se a mãe estiver grávida pela
segunda vez e for RH negativo e o pai RH positivo, há o risco de a mãe
produzir anticorpos contra o sangue do bebê, que pode ser RH positivo.
Se isso acontecer, há riscos para a saúde do feto, que podem ser
evitados por meio da aplicação de uma imunoglobulina específica.
 HEMOGRAMA: o hemograma é o exame que todo mundo deveria fazer
com certa regularidade. Durante a gravidez, seu objetivo é detectar uma
possível anemia (redução de glóbulos vermelhos) e infecções (aumento
de glóbulos brancos).
 GLICEMIA: detecta a existência da diabetes e, em casos mais leves, a
intolerância à glicose. As duas condições podem se manifestar durante a
gestação. O exame deve ser feito no início da gravidez e repetido entre
26 e 28 semanas.
 SOROLOGIA: o exame detecta doenças precocemente, como sífilis,
rubéola, toxoplasmose, hepatite e HIV. Quando não detectar nenhuma
doença, deve ser repetido nos trimestres seguintes.
URINA

 O exame de urina serve para diversos fins. O primeiro é detectar a


presença de infecção urinária, relativamente comum em mulheres. Mas
também pode servir para o acompanhamento de gestantes diabéticas e
hipertensas ou para identificar a presença de proteína na urina. Se
houver cristais na urina, há a tendência de a gestante formar cálculos
urinários, as famosas pedras nos rins.

FEZES

 O exame não é obrigatório, mas é recomendado. Ele detecta a maioria


das parasitoses intestinais que podem ser tratadas a partir do segundo
trimestre de gravidez.

ULTRASSONOGRAFIA

 A ultrassonografia não é útil apenas para descobrir o sexo do bebê, mas


também para verificar sua posição, idade gestacional, data provável do
parto e desenvolvimento dos órgãos. Ele também detecta se a gestante
está ou não grávida de gêmeos.

PESQUISA DE ESTREPTOCOCO DO GRUPO B

 Quando a gestante apresenta o estreptococo do grupo B, uma bactéria,


o bebê pode sofrer com graves problemas respiratórios após o
nascimento, independentemente de o parto ser normal ou cesariana.
Para identificar a presença da bactéria, analisa-se a secreção vaginal da
mulher no final da gravidez. Se necessário, ela é tratada com antibiótico
específico durante o pré-natal e, em alguns casos, o tratamento se
estende ao período em que a mulher fica na maternidade.

EXAMES DO RECÉM-NASCIDO (RN)


Logo após o nascimento o bebê precisa realizar uma série de exames com o
objetivo de identificar a presença de alterações que indiquem a presença de
doenças genéticas ou metabólicas, como fenilcetonúria, anemia falciforme e
hipotireoidismo congênito, por exemplo. Além disso, esses exames podem
ajudar a identificar problemas de visão e de audição e a presença de língua
presa. Os testes obrigatórios para o recém-nascido são o teste do pezinho, a
tipagem sanguínea, o teste da orelhinha, do olhinho, do coraçãozinho e da
linguinha e são indicados logo na primeira semana de vida, de preferência
ainda na maternidade, pois caso seja identificada qualquer alteração, o
tratamento pode ser iniciado logo em seguida, promovendo o desenvolvimento
normal e a qualidade de vida do bebê.

 TESTE DO PEZINHO: É realizado no 3º ou 5º dia de vida do bebe. É feito

a partir da coleta de pequenas gotas de sangue do calcanhar do bebê,


que são colocadas em um papel de filtro e enviadas para o laboratório
para que sejam feitas as análises e seja verificada a presença de
alterações.

 TESTE DA ORELHINHA: É um teste obrigatório por lei que deve ser

feito ainda na maternidade, nos bebês para avaliar a audição e


detectar precocemente algum grau de surdez no bebê. Este teste é
gratuito, fácil e não machuca o bebê e é normalmente realizado durante
o sono entre o 2º e 3º dia de vida do bebê.

 TESTE DO OLHINHO: Pode detectar qualquer alteração que cause

obstrução no eixo visual, como catarata, glaucoma congênito e outros


problemas cuja identificação precoce pode possibilitar o tratamento no
tempo certo e o desenvolvimento normal da visão.

 TIPAGEM SANGUINEA: Devem ser feitos em RN com icterícia precoce

de mães do grupo sanguíneo O. É um teste importante para identificar


qual o tipo de sangue do bebê, que pode ser A, B, AB ou O, positivo ou
negativo. O teste é realizado com o sangue do cordão umbilical, assim
que o bebê nasce.
 TESTE DO CORAÇÃOZINHO: Deve ser realizada antes da alta hospitalar

(entre 24-28h) de vida do RN. O exame consiste em medir a oxigenação


do sangue e os batimentos cardíacos do recém-nascido com o auxílio de
um oxímetro, que é uma espécie de pulseirinha, colocada no pulso e no
pé do bebê.

 TESTE DA LINGUINHA: É um exame obrigatório que serve para

diagnosticar e indicar o tratamento precoce de problemas no freio


da língua de recém-nascidos, que podem prejudicar a amamentação
ou comprometer o ato de engolir, mastigar e falar, que é o caso da
anquiloglossia, também conhecida como língua presa.

 TESTE DO QUADRIL: O teste do quadril é um exame clínico, no qual o

pediatra examina as perninhas do bebê. É geralmente realizado na


maternidade e na primeira consulta com o pediatra. O objetivo do teste é
identificar alterações no desenvolvimento do quadril que podem resultar
posteriormente em dor, encurtamento do membro ou osteoartrose.

POR QUE REALIZAR A CONSULTA DE PUERICULTURA?

Um importante acompanhamento médico realizado por pediatra, a puericultura


é a ciência que visa proteger o paciente contra algum agravo que possa
interferir em seu desenvolvimento físico e mental. A puericultura basicamente
representa a principal estratégia de acompanhamento do crescimento e
desenvolvimento infantil. Possuindo um atendimento caráter generalista,
continuo e centrado no ciclo vital e na família, ou seja, a necessidade da família
seja respeitada acima da necessidade do profissional. Sendo assim essa
consulta existe a possibilidade de detecção de alterações que podem ocorrer
durante a vida da criança e que dependem dos fatores intrínsecos e
extrínsecos. O Ministério da Saúde tem por definição que a puericultura é o
conjunto de ações e cuidados que tem a finalidade de promover o crescimento
e o desenvolvimento das crianças em condições físicas e mentais adequada
tendo ações e cuidados direcionados especialmente para crianças de 0 a 5
anos de idade pela maior vulnerabilidade aos fatores intrínsecos e extrínsecos.
Dentro da puericultura existem algumas etapas de suma importância que
devem ser seguidas para que o enfermeiro possa prestar um bom atendimento.

ANAMNESE:

 Dados de identificação da criança, relatar a ligação com a criança (pais,


avós, tios), queixa atual de saúde, verificar história pregressa (pré-natal,
condições de parto se houve alguma intercorrência)

HÁBITOS DE VIDA DA CRIANÇA:

 Investigar a alimentação adequação a idade, respeito às práticas


alimentares, garantia de acesso, sabor e custo acessível, aconselhar os
pais a prestarem atenção nas condições de urina do RN (cheiro forte, se
apresentar uma cor mais escura), quantas vezes por dia é trocada a
fralda, verificar a evacuação. Averiguar o sono, posição do RN no berço
(cama dos pais não é recomendável). Aconselhar no vestuário, banho e
higiene, vacinação.

HISTORICO FAMILIAR E SOCIAL:

 Idade, hábitos e estado dos pais, número de irmãos e estado de saúde


dos mesmos, se ocorrem óbitos nos primeiros dias de vida, há doença
hereditárias na família, como é o domicilio, escolaridade e profissão dos
pais, renda familiar.

EXAME FISICO:

 O enfermeiro deve enfocar os aspectos específicos da fase em que a


criança se encontra avaliação das medidas antropométricas, avaliar
comportamento e alguns reflexos.
MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS

As medias antropométricas tem por sua finalidade acompanhar a evolução de


ganho e perda de massa corpórea; calcular o índice de massa corpórea (IMC =
peso/altura²); adquirir parâmetros para cálculos de medicamentos e dados para
realização de determinados exame. As medidas antropométricas aferidas ao
nascimento são: peso, comprimento, perímetro cefálico e perímetro torácico.
Estabelecer o monitoramento sistemático dessas medidas, executadas com
precisão por membros da equipe de enfermagem e médica, permite a
investigação e a identificação do estado nutricional de recém-nascidos pré-
termo.

Perímetro Cefálico: mensuração e anotação no gráfico da CSC até 2 anos de


idade

 Deve ser comparado com peso e altura

Deve haver um traçado positivo (ascensão no gráfico) do PC, peso e altura da


criança.

Perímetro Torácico (PT)

 Deve ser comparado com o perímetro cefálico

Peso:

 Medida mais sensível ás variações nutricionais agudas

 Menor de 2 anos – balança pediátrica

 Maior que 2 anos – balança da coluna

Comprimento / Altura:

Não sofre variações, sendo considerado bom parâmetro para avaliação do


crescimento;
 Menor que 2 anos – régua antropométrica

 Maior que 2 anos – estadiômetro / fita métrica

Sendo assim a consulta de enfermagem é um instrumento importante e seu


uso deve ser intensificado, principalmente no nível de atenção que prioriza a
promoção da saúde, onde o vinculo e ações educativas são essenciais e
efetivas para a construção de vínculos entre o enfermeiro e a comunidade.

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS:

 https://www.sanarmed.com/resumo-de-puericultura-consultas-
anamnese-exame-fisico-e-diagnosticos

 Medidas Antropométricas: Recém-Nascidos e Lactentes | Enfermagem


(enfermagemnovidade.com.br)

 parecer_tecnico_no_06_2021_atendimento_ambulatorial_em_puericultura.pdf
(www.gov.br)

 Tabela de Peso e Altura - COSEMS-PB (cosemspb.org)

 Consulta de enfermagem na Atenção Primária à Saúde: cuidado às pessoas com


doenças crônicas cardiometabólicas | Matias | Revista de Enfermagem da UFSM

 www.pbh.gov.br/smsa/biblioteca/protocolos/puericultura.pdf

Você também pode gostar