Você está na página 1de 38

1

2
TODA LESÃO DE DIREITO DEVE SER REPARADA. A LESÃO DE DIREITO PODE DECORRER DE
ATO OU OMISSÃO DE UMA PESSOA FÍSICA OU JURÍDICA. QUANDO O AUTOR DA LESÃO É
O ESTADO, SURGE PARA ELE A RESPONSABILIDADE DE INDENIZAR.
RESPONSABILIDADE SURGE:

FATO + INDIVÍDUO = DANO (PREJUÍZO)

PREVISÃO DO DEVER DE INDENIZAR:

Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária,


negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a
outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.

4
a) Dolosa – conhecimento da
ilicitude , agiu
Ação intencionalmente.
Ou
b) Culposa- consciente dos
Omissão prejuízos que advém do seu
ato, assume o riso de
provocar o evento danoso

5
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

❖Culpa contratual:
inobservância do dever contratual-
oriunda da inexecução contratual.
Responsabilidade Contratual
Natureza do ❖Culpa extra-contratual ou aquiliana:
dever violado Responsabilidade Aquiliana ou Extra -
Contratual (resultado da violação de um
dever geral de abstenção).

6
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

A CULPA EXTRACONTRATUAL

imprudência

negligência
imperícia

7
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

IMPRUDENCIA

Conduta positiva , consistente em uma ação que o


agente deveria abster-se. É a precipitação, o
desprezo das cautelas que devemos tomar em
nossos atos.

Age de forma imprudente aquele que sabedor do grau de risco


envolvido, mesmo assim acredita que seja possível a realização do
ato sem prejuízo para qualquer um; excede os limites do bom
senso e da justeza dos seus próprios atos.
Ex. Ultrapassar veículos em local proibido, desenvolver velocidade
incompatível com o local, passar sinal vermelho.

8
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

NEGLIGÊNCIA

É a omissão, é a falta de Desatenção


diligência na prática de um
ato jurídico, é toda falta de
cuidados normais, que se falta de cuidado
esperam das pessoa.
. ao exercer certo ato

Ex.: A Prefeitura está realizando uma obra de tapa buraco na cidade


e deixa a céu aberto um buraco, de profundidade significante.
Suponhamos que alguém (criança) venha a cair dentro deste buraco
e sofrer ferimentos. Inevitavelmente a Prefeitura terá o dever de
indenizar os danos experimentados pela vítima em razão da sua
negligência de não tomar as precauções necessárias a evitar o
acidente
9
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

IMPERICIA

Inaptidão, ignorância, falta de


qualificação técnica, teórica
ou prática, ou ausência de
conhecimentos elementares e
básicos da profissão.

Ex. Dirigir sem habilitação, advogar sem ser advogado, o auxiliar de


enfermagem que atua como médico, o dono do pet shop que atua
como veterinário mesmo não sendo, um médico sem habilitação em
cirurgia plástica que realize uma operação e cause deformidade, um
engenheiro da UFAC que assume responsabilidade técnica pela
construção de pontes.
10
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

OCORRÊNCIA DE UM DANO

Para que haja pagamento


da indenização, deverá
existir o dano, ou seja, o
comprovado prejuízo da
vítima, que enseje, dessa
maneira, a reparação.

Salienta-se que a responsabilidade civil, e a consequente indenização,


decorre da noção de compensação, ou seja de reconfortar a vítima
diante do prejuízo por ela amargado.

11
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

O DANO PODE SER

Patrimonial

moral

12
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

DANO PATRIMONIAL

Os danos patrimoniais atingem


bens jurídicos que podem ser
✓ auferidos pecuniariamente, ou
seja, relacionados a uma
quantia em dinheiro.

O Dano patrimonial compreende o dano emergente e o


lucro cessante, ou seja, a efetiva diminuição do
patrimônio da vitima e o que ele deixou de ganhar.
13
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

DANO MORAL

Os danos morais ofendem


direitos que não estão na
esfera patrimonial, que dizem
respeito aos direitos
personalíssimos, relacionados
com o direito à integridade
física, psíquica e moral

Obs. A responsabilidade do agente a reparar o dano, é


medida pela extensão do mesmo, ou seja, será
proporcional ao prejuízo causado.

14
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

NEXO DE CAUSALIDADE
CONDUTA DANO

O nexo relaciona-se com o vínculo de causalidade entre


a conduta ilícita e o dano, ou seja, o dano deve decorrer
diretamente da conduta ilícita praticada pelo indivíduo,
sendo, pois, consequência única e exclusiva dessa
conduta.

15
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

CONSEQUÊNCIA DO ATO ILÍCITO

É de ordem pública o princípio


que obriga o autor do ato
ilícito a se responsabilizar
pelos prejuízos que causou.

Ato ilícito x sanção pecuniária

16
ATOS ILICITOS - RESPONSABILIDADE

a) Responsabilidade Subjetiva.
Culpa
TEORIAS

b) Responsabilidade Objetiva.
Dano

17
Responsabilidade Subjetiva:
 Culpa Civil - Ato ilícito
“Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão
voluntária, negligência ou imprudência, violar
direito e causar dano a outrem, ainda que
exclusivamente moral, comete ato ilícito.”

ELEMENTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL


✓ CONDUTA NEXO DANO CULPA

18
Responsabilidade objetiva.
Risco - Abuso do Direito

“Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que,


ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo
seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons
costumes.”
Três elementos:
ato/omissão de agente
Dano
Nexo de causalidade

19
 A Responsabilidade Civil do Estado É Objetiva. A
Constituição Federal de 1988, adotou a teoria do
Risco Administrativo, em seu artigo 37, parágrafo
6º assim estabeleceu:

“AS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PÚBLICO E AS DE


DIREITO PRIVADO PRESTADOR DE SERVIÇOS PÚBLICOS
RESPONDERÃO PELOS DANOS QUE SEUS AGENTES,
NESSA QUALIDADE, CAUSAREM A TERCEIROS,
ASSEGURANDO O DIREITO DE REGRESSO CONTRA O
RESPONSÁVEL NO CASO DE DOLO OU CULPA”

20
Aula 05

Carvalho Filho (p. 550):


“importante lembrar que o
Estado, como pessoa
jurídica, é um ser inatingível.
Somente se faz presente no
mundo jurídico através de
seus agentes, pessoas físicas
cuja conduta é a ele
imputada. O Estado, por si
só, não pode causar dano a
ninguém.”

21
22
22
AS RESPONSABILIDADES
JURÍDICAS

•1 –Responsabilidade Técnica
•2 -Responsabilidade Ética
•3 -Responsabilidade Civil
•4 -Responsabilidade Trabalhista
•5 -Responsabilidade Criminal

23
24
LEI Nº 6.496, DE 07 DEZ 1977
Institui a "Anotação de Responsabilidade Técnica" na prestação de serviços de
Engenharia, de Arquitetura e Agronomia; autoriza a criação, pelo Conselho Federal de
Engenharia, Arquitetura e Agronomia -CONFEA, de uma Mútua de Assistência
Profissional, e dá outras providências.

O Presidente da República, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu


sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º -Todo contrato, escrito ou verbal, para a execução de obras ou prestação de


quaisquer serviços profissionais referentes à Engenharia, à Arquitetura e à Agronomia
fica sujeito à "Anotação de Responsabilidade Técnica" (ART).

Art. 2º -A ART define para os efeitos legais os responsáveis técnicos pelo


empreendimento de engenharia, arquitetura e agronomia.

RESOLUÇÃO Nº 1.025, DE 30 DE OUTUBRO DE 2009.


Dispõe sobre a Anotação de Responsabilidade Técnica e o Acervo Técnico Profissional,
e dá outras providências

25
2 -Responsabilidade Ética

•O exercício profissional exige mais do que simples


formação técnica do profissional reconhecida por seu
Órgão de Classe;

•Ele efetivamente deverá conhecer de seu ofício, de


modo que poderá ser penalizado por seus pares se agir
com imprudência, imperícia ou negligência.

26
ÉTICA
Ser ético pressupõe ser honesto, agir
corretamente, ser do bem!

É fácil ser ético quando se esta sendo


observado, mas o verdadeiro
comportamento ético exige agir
corretamente quando estamos
absolutamente sós!
27
O PACTO

Resolução Federal n.º 1002/2002

28
Adota o Código de Ética Profissional da
Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da
Geologia, da Geografia e da Meteorologia e dá
outras providências.

Art.1ºAdotar o Código de Ética Profissional da Engenharia, da


Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da Geografia e da
Meteorologia, anexo à presente Resolução, elaborado pelas
Entidades de Classe Nacionais ,através do CDEN Colégio de
Entidades Nacionais, na forma prevista na alínea "n“ do art. 27
da Lei nº 5.194, de 1966. (Resolução1002/2002).

29
Art.4º Os Conselhos Federal e Regionais de Engenharia,
Arquitetura e Agronomia, em conjunto, após a publicação
desta Resolução, devem desenvolver campanha nacional
visando a ampla divulgação deste Código de Ética
Profissional, especialmente junto às entidades de classe,
instituições de ensino e profissionais em geral.

•Art.5°O Código de Ética Profissional, adotado por esta


Resolução, entra em vigor à partir de 1° de agosto de 2003.

30
3 -Responsabilidade Civil

Decorre do mau exercício profissional e


que repercute num dano privado,
econômico(ao contratante, à sociedade
em geral, etc...)

31
A Responsabilidade Civil do profissional liberal
depende da existência de:

a)Dolo: vontade livre e consciente, a intenção


de produzir um resultado danoso -a chamada
má-fé)

b)Culpa: negligência, imprudência e imperícia

32
SANÇÕES CIVIS
Reparação do dano ambiental (Art.225,3o.,CF);

Pagamento de indenização pelos danos causados à coletividade, na forma


do art.13, da Lei federal 7.347/85;

Reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à


prestação de serviço:

OBJETIVA – Pessoa Jurídica (art.14,CDC);


SUBJETIVA – Profissional Liberal (art.14,p.4o.,CDC);

OBJETIVA – Pessoa Jurídica ou Profissional Liberal, quando a atividade


desenvolvida contrariar as normas de Direito Ambiental, na medida em que
as normas de proteção ambiental se sobrepõem às de responsabilidade na
prestação de serviços (artigo 225, p.3º, da CF)

33
4 -Responsabilidade Trabalhista:

A responsabilidade pode repercutir


também na relação de trabalho, seja ela
empregatícia ou não, pois é dever do
profissional cuidar do bom e pleno
desenvolvimento da obra, e isso inclui os
cuidados especiais quanto aos riscos
aos trabalhadores nela envolvidos.

34
5-Responsabilidade Criminal

Decorre de um dano mais grave, de


ofensa não apenas privada, mas social e
geral; a má conduta profissional atinge
os bens jurídicos mais relevantes da
Sociedade (a vida, a incolumidade física
e moral, o meio ambiente, etc...).

Dolo ou Culpa

35
SANÇÕES PENAIS
Artigo 68, da Lei n. 9.605/98:
Deixar, aquele que tiver o dever legal ou
contratual de fazê-lo, de cumprir obrigação de
relevante interesse ambiental.
Pena –detenção de 1 (um) a 3 (três) anos, e
multa.

Artigo 69, da Lei n. 9.605/98:


Obstar ou dificultar a ação fiscalizadora do
PoderPúblico no trato de questões ambientais:
Pena –detenção de 01 (um) a 3 (três) anos, e
multa.

36
SANÇÕES PENAIS

Art. 33, da Lei n. 9.605/98


Provocar, pela emissão de efluentes ou
carreamento de materiais, o perecimento de
espécimes da fauna aquática existentes em
rios, lagos, açudes, lagoas, baías ou águas
jurisdicionais brasileiras.

Pena –detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, ou


multa, ou ambas cumulativamente.

37
Por tudo o que foi apresentado, nota-
se a enorme importância na correta
aplicação dos conhecimentos
adquiridos, além da adoção de uma
conduta ética e moral que esteja à
altura das profissões exercidas.

Boa noite

38

Você também pode gostar