Você está na página 1de 4

Universidade Castelo Branco

Aluna: Ana Lucília do Nascimento Ferreira


Professora: Erika Chaves

Disciplina: Patologia Geral

Respostas das questões de A1 (1º parte)

Nº 1

a) A necrose é uma "morte por acidente". Geralmente ela vai ocorrer por falta de
oxigênio e glicose em algum tecido (isquemia). Quando a célula sofre uma
agressão (seja por elementos químicos, físicos ou biológicos), ela começa a
inchar (edema celular). No caso do edema, se retirarmos o agente agressor da
célula, ela volta ao normal, se tornando uma lesão reversível. Caso a agressão
continue, a célula vai continuar inchando até sofrer uma necrose, se tornando
irreversível.

Para célula trabalhar, ela gasta energia, ou seja, ela usa os 38 ATPs que a
mitocôndrias produz (1 mol. de oxigênio = 36 mol. de ATP e 1 mol. de glicose =
2 mol de ATP) para manter seu próprio metabolismo, para realizar suas funções
e fazer a bomba de sódio-potássio continuar em funcionamento.

A célula tem uma membrana fosfolipídica, logo, ela tem polaridade, pois ela
possui sódio em grande quantidade do lado de fora e muito potássio do lado de
dentro. Ambos tem cargas elétricas positivas, mantendo o equilíbrio da célula.
Porém o sódio é um íon que atrai a água. Caso ele atraia água para dentro da
célula, ela será obrigada a usar o ATP para fazer o transporte ativo para do sódio
para fora da célula, para fazer o equilíbrio. O potássio vai fazer a mesma coisa,
porém sem gasto de energia, ele vai trazer de volta para o meio.

Se a célula parar de receber o oxigênio e a glicose, ela não produz ATP, a não
ser que ela tenha uma reserva de glicogênio (como as células musculares e
hepatócitas), ela vai pegar o glicogênio, quebrar em glicose e gerar 2 ATPs.
Sendo que a célula com 2 ATPS não funciona, ela para de trabalhar, e a bomba
de sódio-potássio vai parar de funcionar e célula vai ficar só sobrevivendo, pois,
seu nível de energia está baixo.
A membrana é semi permeável e seletiva. Caso ela pare de funcionar, o potássio
vai sair e o sódio vai entrar junto com a água dentro da célula, deixando ela
inchada (lembrando que não está chegando oxigênio e glicose) e esticada, com
seus poros dilatados. No lado de fora da célula tem uma concentração muito
grande de cálcio (que é um "veneno" para a célula), e dentro há pouquíssimo. O
cálcio entrando pelos poros, ele vai ativar as enzimas digestivas, fazendo a
quebra dos componentes da célula, principalmente as enzimas dentro do núcleo
(endonucleases - DNAses e RNAses), destruindo tudo e causando a necrose.

b) Por conta das enzimas cardíacas que não são detectadas no momento do
primeiro exame para constatar o infarto. Assim que o músculo cardíaco para de
ser irrigado, ele ativa as enzimas dentro da célula informando que está
acontecendo a isquemia, logo, as enzimas levam um tempo (em torno de 4
horas) para sair da célula e ir pro sangue ao ponto de serem detectadas para o
diagnóstico de IAM.

c) Na angina, há uma diminuição do fluxo sanguíneo para artérias coronárias


causada por alguma obstrução parcial, porém ainda é suficiente para irrigar o
músculo cardíaco.

Já o infarto, o sangue não chega ao musculo cardíaco por alguma obstrução total
de uma ou várias artérias

Nº 2

D) Apoptose pela via nuclear

Nº 3

A- Caseosa ( D ) pancreatite
B- Liquefativa ( A ) tuberculose
C- Coagulativa ( B ) abscesso
D- Gordurosa ( C ) infarto renal
E- Gangrena ( E ) necrose isquêmica e infecção por clostridium sp

Nº 4

C) Hepatócitos repletos de lipídios

Nº 5

O cálculo renal pode ocorrer de várias maneiras, mas a principal causa é


resultado de uma urina concentrada, com acúmulo de sódio, fosfatos, amônia e
pouca água com consequência o lesionamento no rim, levando a necrose e a
calcificação.

Esse tipo de calcificação é chamada de calcificação distrófica, que é quando


ocorre em tecidos lesados. Quando ocorre a edema da célula, o cálcio que está
no sangue em grande quantidade entra e ativa as enzimas digestivas, e uma
delas é a fosfolipase, que faz a quebra do fosfolipídio, formando o fostato+lípidio.
O fosfato livre na célula se junta com o cálcio formando os cristais de
hidroxiapatita, e levando a calcificação do tecido necrosado.

Nº 6

Antracose, um tipo de pneumoconiose que acumula carbono/carvão (pigmento


exógeno) no tecido pulmonar.

Respostas das questões de A1 (2º parte)

Nº 1

a) No momento da agressão toda a região e ativada pelo sistema complemento,


a dor é ativada pelas as terminações nervosas e mediadores químicos da dor,
logo, no calor e no rubor ocorrem ativação dos basófilos e mastócitos, que
secretam histamina que fazem vasodilatação e também atua na parede do vaso
aumentando o espaço entre as células, fazendo que a permeabilidade do vaso
fique aumentada resultando no edema. A perda de função é decorrente do
edema e da dor, que dificultam a movimentação e a atividade do local.

b) Exsudato seroso: tem como característica o líquido de cor clara, transparente


e sem cheiro. Surge a partir do soro do sangue e secreções de células;

Exsudato fibrinoso: é o acúmulo de exsudato seroso com as proteínas


plasmáticas, inclusive fibrinogênio;

Exsudato hemorrágico: O exsudato seroso passa ter um tom avermelhado, rico


em hemácias;

Exsudato purulento: Formado pelo acúmulo de neutrófilos que fazem a digestão


dos agentes agressores (geralmente bactérias), tem a coloração amarelado-
esverdeado, é cremosa e com forte odor (pus).
Nº 2

a) Reação inflamatória distrófica.

b) O granuloma é uma reação inflamatória e se forma com o objetivo de parar o


agente agressor, uma vez que tenta eliminá-lo, porém não consegue. No caso
citado acima, os linfócitos T e macrófagos são ativados e vão liberando citocinas,
que recrutam mais células T e macrófagos, vão sofrendo modificações
estruturais e funcionais, assim aumentando a eficiência da fagocitose.

c) Quando o tecido sofre necrose, o cálcio que está no meio extracelular entra
na célula e faz a ativação de enzimas digestivas como a fosfolipase, que logo vai
degradar fosfolipídios dando origem aos fosfatos+lipídios. Então, dentro da
célula necrosada surge fosfato livre que se junta com o cálcio (já existente e em
grande quantidade), formando os cristais de hidroxiapatita que irão se depositar
onde tem pH alto. No caso da necrose, vai haver lipídio livre que aumenta o pH
do local lesado, dando origem as calcificações patológicas distróficas.

Nº 4

O processo de cicatrização e compreendido em três fases:

* Fase inflamatória: os macrófagos fagocitam os restos de células e secreções,


fazendo a limpeza do local;
* Fase proliferativa: formação de tecido de granulação e deposição de colágeno;
* Fase de maturação ou remodelamento: momento de deposição de colágeno
de maneira mais organizada.

Nº 5

E) Proteínas do complemento

Você também pode gostar