Você está na página 1de 2

Na economia do conhecimento, negócios são redes de conhecimento

que envolvem seus colaboradores, clientes, usuários, parceiros, fornecedores...


e as relações entre todos estes atores.

conteúdo + movimento = a articulação de públicos


estratégicos em torno dos objetivos do cliente
(ou = a + negócios).

Não abalizamos o conceito de rede social que a grande mídia vende.


Para nós, Facebook, Orkut, Peabirus, Twitter, Youtube, Friendfeed,
Ning, RSS, Readers, Email etc etc são ferramentas. Rede social (ou
plataforma de relacionamento) é o conjunto destas ferramentas (cada
uma delas uma arena), articuladas entre si, que o indivíduo (físico ou
jurídico) usa para ampliar as suas possibilidades de se exprimir e se
relacionar. A devida indexação dos assuntos traz eficácia ao
relacionamento em rede. Propomos aos nossos clientes atuarem com
o conceito amplo de rede social em plataformas formadas com as
ferramentas disponíveis na rede, com o objetivo de contribuir para a
contextualização dos objetivos dos seus projeto e consolidar seu
ecossistema (as inúmeras arenas digitais dispersas na rede nas quais
seus públicos atuam hoje)

Na rede o movimento é mais importante do que o conteúdo, pois o


movimento contextualiza ou é o prórpio contexto. É claro que
sem os conteúdos nada acontece. Mas se os conteúdos ficarem
parados num site, num blog, numa comunidade, num facebook, ele
não faz nada, mesmo que seja de grande qualidade. É esta dinâmica
de interface e interação com a rede e seus protagonistas sem
barreiras de qualquer tipo que propomos para os nossos clientes.

Normalmente, o projeto é composto por três processos e suas


respectivas ferramentas: Agregador - painel de monitoramento
contínuo das ações relacionadas aos temas de articulação (à pauta
contínua), que pode ou não estar aberto ao público em páginas da
web; a 'Gameficação' - os processos para ativar/articular seu público
em torno dos objetivos do projeto na rede aberta e não só no
ambiente do projeto; a Narração – o discurso ou conjunto
mensagens do cliente, que por meio dos dois outros processos
inseridos no projeto contribuem para afinar rumos e foco, além de
criar a possibilidade de trazer narradores e/ou narrações de
indivíduos não comprometidos diretamente com os objetivos do
cliente.