Você está na página 1de 3

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL


 
 
 
 
 

PARTIDO POLÍTICO..., pessoa jurídica de direito privado, inscrito no


CNPJ sob o n°... e no TSE sob o n°..., por seu Diretório Nacional, com sede em
..., por seu advogado infra-assinado..., com escritório, Rua n.º que esta Bairro
Cidade Estado , CEP:.., vem propor a presente

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO,

Com base no art. 103, §2° e Lei n° 9868/99 CF e na Lei n° 9868/99 em


face da Mesa do Congresso Nacional, tendo em vista a falta de norma
regulamentadora do art. 7°, XXIII, da CRFB/88, conforme especificará ao longo
desta petição, nos termos e motivos que passa a expor.
 

I- DOS FATOS
 
O Partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores
em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas
constitucionais, com a morosidade do Congresso Nacional e com a adequada
proteção à saúde do trabalhador, vem por este instrumento ajuizar, em nome
do partido, a medida judicial objetiva apropriada, visando à regulamentação do
art. 7, inciso XXIII, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988,
visto que se trata de uma norma constitucional de eficácia limitada não
regulamentada que impede o exercício de um direito, caracterizando uma
inconstitucionalidade por omissão, c que desse modo não se pode compactuar
com o desrespeito à Constituição da República por mais de 28 anos.
 
II-DO FORO COMPETENTE
 
O artigo 102, 1, a da Constituição Federal de 1988 estabelece que:
 
"Compete ao Supremo Tribunal
Federal, precipuamente, a guarda da
Constituição cabendo-lhe 1-processar
e julgar originariamente: a) a ação
direta de inconstitucionalidade de lei
ou ato normativo Federal ou estadual e
Ação declaratória de
constitucionalidade de lei ou ato
normativo Federal”[...]
 
Desse modo, verifica-se que a competência para processamento e
julgamento da presente ação direta de inconstitucionalidade por omissão é
originária do Supremo Tribunal Federal
 
III- DA OMISSÃO INCONSTITUCIONAL

O Art. 7°, XXIII, da CRFB/88 assim dispõe: “Art. 7° São direitos dos
trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua
condição social: (...), XXXIII - adicional de remuneração para as atividades
penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei”.
Essa é uma típica norma de eficácia limitada dependente de regulamentação e
a medida judicial objetiva apropriada para defender a efetividade desse direito
social é a Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão.

 
Nos termos do artigo 103, inciso VIII da Constituição Federal de 1988 e
artigo 12-A da Lei 9.868/1999, a legitimidade ativa para a propositura da Ação
Direta de Inconstitucionalidade por Omissão recai sobre aqueles que têm o
direito de propor Ação Direta de Inconstitucionalidade, tal qual os constantes no
artigo 103 da Constituição Federal, mencionando no seu inciso VIII deste artigo
o "partido político com representação no Congresso Nacional".
 
IV-LEGITIMIDADE PASSIVA
 

O autor é legitimado ativo para a propositura da ação, de acordo com o


art. 103, VIII da CRFB/88 e não precisa comprovar a pertinência temática
diante da sua importância para o regime democrático, na forma do art. 17, da
CRFB/88.
Além disso, possui representação no Congresso Nacional e foi criado de
acordo com a Lei 9.096/95, estando, portanto, plenamente habilitado para o
ajuizamento desta ADO. 
"Cabe ao Congresso Nacional, com a
sanção do Presidente da República,
não exigida está para o especificado
nos artigos 49,51 e 52, dispor sobre
todas as matérias de competência da
União, [...]"
 
V-DOS FUNDAMENTOS
De acordo com o art. 103, § 2°, da CRFB/88, declarada a
inconstitucionalidade por omissão de medida para tornar efetiva norma
constitucional, será dada ciência ao Poder competente para a adoção das
providências necessárias e, em se tratando de órgão administrativo, para fazê-
lo em trinta dias.

A referida ação também encontra amparo nos arts. 12-A e 12-H da Lei
9868/99.
A competência para julgamento da ação é do STF, conforme o próprio art.
103, § 2°, da CRFB/88 estabelece.

 
VI-DO PEDIDO
 
Por isso, requer o autor que o Supremo Tribunal Federal se digne
determinar:
 
a) a intimação do Congresso Nacional para que, como autoridade
responsável pela edição da norma manifeste-se, querendo, sobre o mérito da
presente ação, no prazo de trinta dias, nos termos do artigo 6, parágrafo único,
da Lei 9.868/1999;
 
b) a intimação do senhor Procurador-Geral da República, para emitir seu
parecer, no prazo de quinze dias, nos termos do artigo 12-E, § 3º, da Lei
9.868/1999 e da exigência constitucional do artigo 103,§ 1º, da Constituição
Federal de 1988;
 
c) a procedência do pedido de mérito, para que seja declarada a
inconstitucionalidade por omissão de medida para tornar efetiva norma
constitucional, e dar ciência ao Poder Competente para adoção das
providências necessárias e, em se tratando de órgão administrativo, para fazer
em trinta dias ou em prazo razoável a ser estipulado pelo Tribunal tendo em
vista as circunstâncias específicas do caso e o interesse público envolvido
segundo § 2º do artigo 103 da Constituição Federal de 1988 e artigo 12-H, § 1º,
da Lei 9.868/1999.
 
d) Dá-se à causa o valor de R$  xxxxxxxxx.
 
Termos em que pede deferimento.
 
Local, xx de xxxxx de 2021 
 
 Advogado/ OAB XXX
 
 

Você também pode gostar